Você está na página 1de 5

Tráfico de pessoas cresce no

Uruguai; fronteira com o Brasil é


porta de entrada para vítimas
(http://afp.com)
Em Montevidéu 14/11/2018 04h00

m n   H { Ouvir texto
J Imprimir F Comunicar erro

MIGUEL ROJO / AFP

Rosa Maria Rial e Elaine Neres, vítimas de tráfico sexual no Uruguai

Uma pepita de ouro tão pequena quanto uma unha foi o pagamento que a uruguaia
Karina Núñez recebeu por oferecer serviços sexuais dentro de uma mina no Chile,
aonde um cafetão a levou anos atrás para forçá-la a trabalhar e ficar com quase
tudo o que ela ganhava.

Do pouco que restava a esta trabalhadora do sexo de 53 anos, "tinha que pagar 50
dólares pelo canário" que precisava levar com ela, preso em uma gaiola, para saber
se havia ar suficiente dentro da mina, onde atendia mineiros em longas sessões de
quatro dias e quatro noites.

Karina, que se autodenomina como "liberta", mantém as cicatrizes das surras que
levou em seu longo périplo. Mas nada conseguiu dobrar seu espírito rebelde. Esta
mulher conseguiu se libertar e há anos se dedica a documentar a situação de outras
mulheres com o mesmo destino, tornando-se uma referência tanto para as
autoridades quanto para as ONGs que trabalham com o tema do tráfico de seres
humanos no Uruguai.

Atualmente, "três em cada dez" prostitutas que atendem nas whiskerias, como são
chamados os prostíbulos no Uruguai, são vítimas de tráfico, diz Karina, que por
muito tempo exerceu este ofício percorrendo rodovias em seu país. Ela conhece
como ninguém o mundo que se move nos arredores dos prostíbulos e assegura que
nos últimos anos muitas estrangeiras entraram no negócio, especialmente pela
fronteira com o Brasil.

Origem, trânsito e destino

MIGUEL ROJO/AFP "Antes éramos um país de origem e


trânsito mais do que de recepção.
Hoje, somos as três coisas", disse a
vice-secretária de Desenvolvimento
Social do Uruguai, Ana Olivera, em 30
de julho, Dia Mundial de
Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.
Algo que já tinha dito em 2010 a
relatora especial da ONU Joy Ngozi
Ezeilo, após uma visita ao país.

Segundo relatório global para 2018 do


Departamento de Estado americano
sobre o tráfico de pessoas, o Uruguai é
país de origem, trânsito e destino tanto
de homens, quanto de mulheres e
Obelisco marca a fronteira entre Livramento, crianças, que são submetidos a
no Brasil, e Rivera, Uruguai
trabalhos forçados e exploração
sexual.

Mulheres da República Dominicana e, em menor medida, de outros países sul-


americanos, são exploradas sexualmente no Uruguai, assim como as uruguaias
adultas e crianças, transgêneros e homens jovens. Outras são obrigadas a se
prostituir em Espanha, Itália, Argentina e Brasil, acrescenta o informe, embora
ressalte que neste caso, as cifras diminuíram nos últimos anos.

Em uma tentativa de enfrentar o problema, o Parlamento uruguaio aprovou em julho


uma lei cujo objeto é combater o tráfico.

A trapaça

Ao "contingente muito grande de mulheres que estão chegando" ao Uruguai, vende-


se a ideia de que vêm a "um país dourado", explica Andrea Tuana, da ONG El
Paso, que trabalha em convênio com o Ministério de Desenvolvimento Social
(Mides) para resgatar vítimas de tráfico.

Dizem-lhes: "Nós te levamos, pagamos a passagem, deixamos um pouco de


dinheiro para a sua família. Isso sim, você nos dá uma garantia - se tiver casa, faz
uma hipoteca, se não, vemos como [fazer]. Nos primeiros dias, te alojamos".

Mas quando elas chegam, vêm que o paraíso de trabalho não existe. E nessa hora,
a rede diz: "'Temos a solução, tem a whiskeria'. E as mulheres cedem ao
desespero, à dívida que têm, à família que espera" o envio do dinheiro.

"Não são forçadas fisicamente, não as prendem, nem as acorrentam", mas se não
pagarem a dívida, vem a ameaça: "sabemos onde está a tua família".

Para Karina Núñez, trata-se de um círculo vicioso. Embora no Uruguai o trabalho


sexual seja legal, os donos das whiskerias estabelecem as jornadas de trabalho e
obrigam as profissionais a atender um número determinado de clientes.

"No Uruguai tem muito (proxenetismo encoberto) e o tráfico está preso aí", afirma a
senadora e ex-ministra do Interior, Daisy Tourné.

Oculto pelo medo

O tráfico é um crime difícil de detectar e, na maioria dos casos, é cometido com o


consentimento das vítimas.

"Não se veem as correntes, mas estão acorrentadas", diz a trabalhadora social


Sandra Ortiz, da ONG Casa Abierta, que atende vítimas de tráfico em 15 países.
Para o mexicano Rodolfo Casillas, especialista internacional em tráfico e migrações,
pesquisador e professor da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais
(Flacso), "a percepção geral é de que este crime está crescendo (no Uruguai):
quanto, onde e quais setores afeta, não sabemos".

A juíza Julia Staricco, que processou alguns casos de tráfico no país, afirma que "é
muito difícil trabalhar contra este delito" porque "as vítimas não querem depor por
medo" de represálias.

Em 2013, um policial foi ferido do lado de fora de um juizado de Montevidéu, onde


uma vítima do tráfico se atreveu a depor contra um cafetão. Ao sair do local, um
homem atirou nela, ferindo o policial, contou uma das colegas da mulher, que pediu
para ter sua identidade preservada.

As autoridades tiveram que disfarçar a testemunha como enfermeira para poder


tirá-la do tribunal e levá-la a um hospital, onde ficou escondida por meses.

Há alguns meses, foram soltos dois cafetões "que manipulam o eixo da (zona) leste
e estão fazendo uma limpeza e pondo a casa em ordem e está todo mundo
assustado (...) Muitas colegas foram embora desses espaços e outras prefeririam
morrer a falar", disse a mesma fonte, destacando que ambos são relacionados a
Sergio "Zorro" Escobar, um conhecido cafetão, atualmente preso.

Cubanos

Em 2017, a Interpol detectou uma rede de tráfico de cubanos que entram no


Uruguai mediante pagamento e após uma penosa travessia pela América do Sul. A
rede teria integrantes em Cuba, Guiana, Brasil e Uruguai.

"De onde as cubanas e os cubanos vão tirar 800 dólares para uma passagem, se
ganham 20 dólares por mês?", pergunta Maria Elena Laurnaga, socióloga e
cientista política, que dirige com a Casa Abierta, na cidade de Rivera, na fronteira
norte com o Brasil, um programa piloto sobre tráfico com financiamento dos Estados
Unidos.

"Vêm em grupos" e "aqui têm que devolver o dinheiro. Passam pelo Suriname,
entram no Brasil" para depois chegar ao Uruguai, acrescenta.

"Em 2017, houve 664 pedidos de visto de cubanos no consulado uruguaio de (a


cidade brasileira) Santana do Livramento (vizinha a Rivera), homens e mulheres;
este ano, até setembro, já são 1.400, e isto só em Rivera", destaca.

Para tirar a carteira de residente no Uruguai, é preciso pedir visto, o que permite
acessar políticas públicas como saúde e previdência social.

"Por trás da história dos cubanos, há uma história do tráfico que se configurou no
Brasil ou no Paraguai. Muitos seguem para Montevidéu. Quanto disso é tráfico?
Não sei", disse Laurnaga.

Passaram por El Fénix, a principal whiskeria de Rivera, cubanas e dominicanas,


mas constantemente são mudadas de lugar, diz Maribel Diniz, uma psicóloga que
trabalha com Laurnaga no programa de atendimento a trabalhadoras sexuais em
Rivera.

Oscar Borba, chefe da unidade policial contra o tráfico e crimes sexuais desta
cidade de 100.000 habitantes, diz ter entrevistado cubanas nesta whiskeria, mas
que as supostas vítimas se negam a denunciar.
MIGUEL ROJO/AFP

A favela de 'La Humedad', em Rivera, Uruguai

Superposição de redes

"De um tempo para cá, há mais mulheres de importação (...) Os clientes gostam,
claro! Chamam sua atenção porque são estrangeiras (...) Vêm do outro lado (Brasil)
nada mais para ver, atraem a clientela", diz em uma casa de um bairro periférico de
Rivera a ex-trabalhadora sexual Rosa María Rial, de 52 anos, que à noite se fazia
chamar "La Gitana" (a cigana).

Em Rivera vê-se também uma superposição de redes criminosas. Segundo Oscar


Borba, na cidade fronteiriça há tráfico de mulheres e menores de idade com fins de
exploração sexual, além de armas, cocaína, maconha e outras drogas.

"Acontece que tudo é na educação. Você não vai encontrá-la acorrentada e presa
no sótão. Tudo é mais psicológico. Quando você se dá conta, a mantêm em uma
rede da qual não consegue se libertar", conta a senadora Tourné.

Veja também

Há 100 anos, mulheres fizeram comícios e


petições e conquistaram direito ao voto na
Alemanha

'Como vc está?': sequestrador adiciona ex-refém


no Facebook e é preso nos EUA

Patrocinado

Experimente a nova cerveja Skol Hops e explore


os novos sabores e aromas marcantes!

A desconhecida história de Julio Lobo, o homem


mais rico de Cuba que teve fortuna tomada por
Che Guevara

O sem-teto que enfrentou com carrinho de


supermercado autor de atentado na Austrália
© 1996-2018 UOL - O melhor conteúdo. Todos os direitos reservados. Hospedagem: UOL Host