Você está na página 1de 10

Faça você mesmo

Dimensionar e detalhar a sapata de divisa abaixo, bem como a viga de equilíbrio,


considerando os dados:

P1 (60tf) - (15x30)cm
P2 (100tf) - (30x30)cm
σs= 2 kgf/cm²
C20
CA 50

Passo 01: Estimativa área da base / dimensões:

Vamos focar nossos esforços na sapata de divisa S1, tendo em vista que a sapata S2
será calculada conforme uma sapata isolada (visto anteriormente).
Puxando aquele velha fórmula de física de pressão em que temos:

σ=P/A

A nossa tensão admissível é σadm = 2,00 kgf/cm²


P é uma força, que no nosso caso é a carga do pilar, 60t ou 60.000kgf.

Essa é a carga que a superestrutura está transferindo às fundações, ainda falta


adicionar o peso próprio da sapata (10%) e nesse caso ainda devemos adicionar uma
segunda majoração devido a excentricidade de P1 em relação ao centro de gravidade
da sapata (10%). Desta forma, considera-se 20% da carga total transferida pela
superestrutura. Este valor deve ser posteriormente verificado.

01
Sendo assim: P = 1,2 x 60.000 = 72.0000 kgf

Agora é só substituir:

A = Pmaj / σ = 72.000 / 2,00 = 36.000,00cm²

Como sugestão, normalmente adota-se, A=2xB a A=2.5xB

1ª Opção (A = 2xB)

Ssap = A x B
A=2xB
Substituindo
36.000 = 2xBxB
B = raiz(36.000/ 2) = 134cm

2ª Opção (A = 2,5xB)

Ssap = A x B
A = 2,5 x B
Substituindo
36.000 = 2,5xBxB
B = raiz(36.000 / 2,5) = 120cm

Adotado B = 130cm

Passo 02: Cálculo das reações

Lançamento das cargas no FTOOL

RS1 = + 704,8 kN = + 70.480,00kgf


RS2 = + 1000 kN - (104,8 / 2) kN = + 947,60kN = + 94.760,00kgf

Ou seja, devido a excentricidade temos a carga atuante na sapata S1 = 70,48tf e um


alívio de carga devido a "gangorra" de 10,48tf na sapata S2. Este alívio foi minorado
em 0,5 (divido por 2) devido ao item 5.7 da NBR 6122:2010 já mensionado.

02
Agora sim podemos finalizar a análise das dimensões das sapatas.

Passo 03: Cálculo da Dimensão "A"

Vamos inicialmente verificar as dimensões da sapata S1

Agora é só substituir:
Ssap = ((1,1 x P1) + ΔP2) / σa = ((1,1 x 60.000) + 10.480,00) / 2,0 = 38.240,00cm²
B= 130cm
A= 38.240,00 / 130 = 294,15cm = 295cm

Vamos focar nossos cálculos da sapata S1, a sapata S2 pode ser dimensionada
conforme as sapatas isoladas vistas anteriormente.

Passo 04: Altura da sapata

Inicialmente devemos calcular a largura da viga de equilíbrio (bw)


bw = b + 5cm
Dimensão (b) - maior dimensão do pilar: 30cm
Caso os b dos pilares sejam diferentes, deve-se adotar o b maior.
bw = 30 + 5 = 35

Desta forma

h≥ (295 - 35) / 3 = 86,67 =90cm


h=90cm
ho = 30cm

Passo 05: Cálculo da altura útil

A altura útil da sapata é calculada da seguinte forma:


d = h - c - ϕ1
Sendo:
h= altura total da sapata
c= cobrimento
ϕ1= diâmetro da armadura da sapata (considerada a princípio 12,5mm)
Portanto: d= 90 - 5 - (1,25 / 2) = 84,375

Passo 06: Método das bielas

d ≥ (295 - 35) / 4 = 65cm ok!!


d ≥ 1,44 x raiz(764,80 / (0,85 x (25.000/1,96)) = 0,382m ok!!

Passo 07: Cálculo da armadura da sapata

T= (76.480 x (295 - 35)) / (8 x 84,375) = 29.458,96 kgf/m


As= (1,61 x 29.458,96) / 5000 = 9,49 cm²
Adotando (10mm = 0,785cm²)

03
Número de barras = 9,49 / 0,785 = 12,03 = 12

Esp = (130 - (5 x 2)) / 11 = 11cm

12 ϕ 10mm c/ 11cm

Passo 08: Cálculo da armadura de distribuição

A armadura de distribuição deve satisfazer as seguintes verificações:

Sendo assim:

As, dist = (1/5) x 9,49 = 1,898cm²


As, dist = 0,9cm²

Adotado
ϕ 6,3mm c/ 15cm

Passo 09: Verificação da diagonal comprimida

Como a sapata é rígida, não ocorre a ruptura por punção, por isso basta verificar a
tensão na diagonal de compressão, na superfície crítica C.

Superfície Crítica C = u0 = perímetro do pilar (pilar de borda - com redução conforme


abaixo).

04
u0= 15/2 + 15/2 + 30 = 45cm

A verificação da diagonal comprimida deve satisfazer a seguinte equação:

Onde o esforço cisalhante solicitante deve ser menor do que o esforço cisalhante
resistente.

O esforço cisalhante resistente é dado pela fórmula:

Onde:

Desta forma:

fcd= fck/1,4
fck em (kN/cm²) de MPa p/ kN/cm² divide por 10

trd2 = 0,27 x (1 - (20/250)) x (2,0/1,4)


trd2 = 0,355 kN/cm² = 35,5 kgf/cm²

E o esforço cisalhante solicitante é dado pela fórmula:

Em que:
Fsd = esforço solicitante majorado = 1,4 x 60.000 = 84.000 kgf
u0 = perímetro do pilar = cm
d= altura útil da sapata

Desta forma:

tsd = 84.000 / (45 x 84.375) = 22,12 kgf/cm²

Desta forma percebemos que o esforço cisalhante solicitante é menor do que o esforço
cisalhante resistente. Caso não ok, aumentar a altura da sapata ou fck.

05
Passo 10: Cálculo da viga de rigidez

Lançamento das cargas no ftool para obtenção dos esforços de cortante e momento.

A geometria é a mesma, com a uma única diferença: estamos lançando a reação da


sapata de forma distribuída.

Vk (cortante máximo) = 562 kN


Mkn (momento fletor negativo máximo) = 290 kNm
Mkp (momento fletor positivo máximo) = 0kNm

Iniciaremos pelo dimensionamento das armaduras longitudinais.

06
Passo 11: Armadura longitudinal

Vamos inicialmente calcular a armadura longitudinal mínima


Asmín = pmín x bw x h

Asmín = (0,15/100) x 35 x 90 = 4,725cm²


Asmín= 4,725cm²

Dimensionamento para momento fletor negativo máximo:

Kc = (bw x d^2)/Md = (35 x 84,375^2) / (29000 x 1,4) = 6,14

Entra na tabela abaixo com o valor para descobrir o Ks:

07
Ks = 0,025

As = Ks x (Md/d) = 0,025 x ((29000 x 1,4)/84,375) = 12,03cm²

Adotando (ϕ 12,5 mmn = 1,23cm³)

10 ϕ 12,50 mm (Armadura negativa)

Para armadura positiva, o momento fletor é 0. Desta forma, adotaremos o As,mín.

As,mín = 4,725cm²

Adotando (ϕ 10 mmn = 0,785cm³)

6 ϕ 10 mm (Armadura negativa)

Passo 12: Armadura cisalhamento

Cálculo da armadura mínima

Aswmín = psw, mín x bw (cm)

Retira-se psw, mín da tabela abaixo:

Para C25 e CA-50, psw, mín = 0,0884

Portanto:

Aswmín = 0,0884 x 35 = 3,1cm²/m

Passo 11.2: Cálculo da armadura devido ao esforço de cisalhamento

Vk (cortante máximo) = 562 kN


Vsd = 1,4 x 562 = 786,8kN

Verificação de esmagamento da biela comprimida

Vrd2 = 0,27 x (1 - 25/250) x (2,5/1,4) x 35 x 84,375 = 1.281,45kN

Vsd≤ Vrd2, não há esmagamento da biela comprimida

08
Força cortante absorvida de por mecanismos complementares ao de treliça (Vc)

Vc = 0,6 x fctd, inf x bw x d

fctd, inf = 0,15 x fck^(2/3) = 0,15 x 20^(2/3) = 1,11MPa = 1.105,20kN/m²

Vc = 0,6 x 1105 x 0,35 x 0,84 = 194,92 kN

Vsw = Vsd - Vc = 786,8 - 194,92 = 591,88 kN

Para estribos de 4 ramos e ϕ 10,00 mm (devido a carga alta):

Vsw = (Asw/s) x 0,9 x d x fyd

Vsw = esforço cortante absorvido pela armadura de cisalhamento (estribos)


Asw = área de aço responsável por absorver o esforço de cisalhamento (x4 - por ser 4
ramos)
s= distância entre estribos
d= altura útil da viga
fyd = resistência do aço de cálculo

591,88 = ((4 x 0,785) / s) x 0,9 x 0,84 x (50 / 1,15)

s=0,1743m
s= 17 cm

Portanto:

ϕ 10 mm c/ 17cm

Asw real = (100/17) x ((10/10/2)^2) x 3,14 x 4 = 18,47 cm²/m

Asw real > Aswmín OK!!

Passo 13: Armadura pele

09
As, pele = (0,1/100) x 35 x 90
As, pele = 3,15cm²
7 ϕ 8 mm p/ face

Passo 14: Armadura costura

As, cost = 0,4 x 12,03 = 4,812cm²


10 ϕ 8 mm

Passo 15: Detalhamento

Vide exemplo

10