Você está na página 1de 5

Pelo presente instrumento particular de CONTRATO de LOCAÇÃO, de um lado:

VERA LUCIA DA SILVA GOBBATO, brasileira, divorciada, professora, inscrita no


CPF sob nº030.247.059-02, e RG: 6.143.9366 PR residente em Maringá-PR, doravante
denominado LOCADORA, de outro lado: NILSON LUCAS DIAS GABRIEL,
brasileiro, solteiro, professor universitário,, portador do RG 27885658 SSP AM,
inscrito sob o CPF 0 61.408.149-10, e GEOVANNA DIAS GABRIEL, brasileira,
solteira, estudante, portadora do RG 13.746.159-5 PR, e inscrita no CPF 012.339.362-
04 doravante denominados LOCATÁRIOS, fica certa e ajustada a presente locação
mediante as cláusulas e condições a seguir elencadas, pela Lei nº8.245/1991 (Lei do
Inquilinato) e ainda, no que couber, pelo código Civil Brasileiro.

DO OBJETO:
CLÁUSULA PRIMEIRA: A LOCADORA cede, aos LOCATÁRIOS, o uso e o gozo
do imóvel sito à Rua Bragança, nº498. Edifício Arco Íris, apto 401, Zona 07, na cidade
de Maringá-PR; do qual é o possuidora.

DAS CONDIÇÕES:
CLÁUSULA SEGUNDA: O presente contrato é ajustado pelo prazo certo e
determinado de 01(um) ano, a começar em 12/03/2019 (doze de março de dois mil e
dezenove), e terminar em 12/03/2020 (doze de março de dois mil e vinte).
CLÁUSULA TERCEIRA: O ALUGUEL MENSAL, durante o prazo de locação,
ajustado na Cláusula Segunda é de R$750,00 (setecentos e cinquenta reais), sujeito ao
reajuste inserto na Cláusula Décima Segunda, que os LOCATÁRIOS se comprometem
a pagar pontualmente até, o dia 10 (dez) de cada mês junto a LOCADORA,
CLÁUSULA QUARTA: A presente locação se destina à fim residencial,
exclusivamente, não podendo ser mudado o destino do imóvel ora locado.
CLÁUSULA QUINTA: Os LOCATÁRIOS reconhecem receber neste ato o imóvel
locado, em perfeitas condições de habitabilidade, devendo ao término da locação,
devolver o imóvel à LOCADORA tal qual se encontrava, ou seja: pintura nova, pisos e
vidros intactos, portas e janelas em pleno funcionamento.
PARÁGRAFO PRIMEIRO: Os LOCATÁRIOS se obriga a zelar pela boa
conservação do imóvel locado e a fazer de imediato, e por sua conta, os reparos dos
estragos a que der causa no curso da locação, bem como a manutenção ordinária no
imóvel locado.
PARÁGRAFO SEGUNDO: ocorrendo infiltração de água ou umidade no imóvel
locado, ou deste para o imóvel vizinho, ou mesmo outras irregularidades, o fato deverá
ser comunicado de imediato, Á LOCADORA e ao condomínio.
PARÁGRAFO TERCEIRO: Somente será permitida qualquer obra, reforma ou
adaptação, desde que expressamente autorizada pela LOCADORA, sendo que, por
ocasião da rescisão do contrato, OS LOCATÁRIOS deverão repor o imóvel ao estado
em que se encontrava, a menos que a LOCADORA o desobrigue deste mister, ocasião
em que os LOCATÁRIOS desde já renunciam a todas as benfeitorias realizadas no
imóvel, as quais ficam integradas a este, sem qualquer indenização ou direito de
retenção.
PARÁGRAFO QUARTO: No imóvel locado não será permitido depositar inflamáveis,
explosivos ou corrosivos, nem cortar ou danificar árvores por acaso existentes, ficando
os LOCATÁRIOS responsáveis pelos danos que causar. Da mesma forma não será
permitido a colocação de placas, cartazes, anúncios ou inscrições, sem a referida
autorização por escrita da LOCADORA.
CLÁUSULA SEXTA: Garante-se a LOCADORA, o direito de vistoriar o imóvel,
sempre que necessário, e em horário razoável, desde que a LOCADORA, identifique-
se formalmente junto aos LOCATÁRIOS
CLÁUSULA SÉTIMA: Os LOCATÁRIOS, SE OBRIGAM, ainda, pelo
PAGAMENTO de DESPESAS ORDINÁRIAS de, CONDOMÍNIO, GÁS DE
COZINHA, ENERGIA ELÉTRICA, QUITANDO-OS PONTUALMENTE
DIRETAMENTE NO ORGÃO COMPETENTE PARA RECEBÊ-LA, OU JUNTO
À LOCADORA.
PARÁGRAFO PRIMEIRO: A LOCADORA, poderá exigir dos LOCATÁRIOS, por
ocasião do pagamento do aluguel mensal, a exibição dos comprovantes de pagamento
dos encargos descritos na Clausula Sétima, incidindo os LOCATÁRIOS em infração
contratual, caso se recuse em prestar tais informação, ou esteja inadimplente com tais
pagamentos.
CLÁUSULA OITAVA: Antes do vencimento do prazo ajustado na Clausula Segunda,
não poderá a LOCADORA, retomar o imóvel, salvo se motivado por infração
contratual dos LOCATÁRIOS.
PARÁGRAFO ÚNICO: Os LOCATÁRIOS, antes de transcorrido 01 (um) ano do
contrato não poderá restituí-lo à LOCADORA, sob pena de o fazendo pagar multa
equivalente ao valor de R$ 2.000,00 ( dois mil reais).
CLÁUSULA NONA: Os LOCATÁRIOS se obrigam, sob pena de rescisão de locação,
a respeitar e fazer respeitar o direito de vizinhança, para a utilização do imóvel locado,
evitando a prática de atos que possam perturbar a tranqüilidade, a moral e os bons
costumes, devendo responder pelas multas eventualmente aplicadas em razão disso.
CLÁUSULA DÉCIMA: É proibido os LOCATÁRIOS, sob pena de rescisão da
locação, sublocar, emprestar, ou ceder a qualquer título, o imóvel locado a quem quer
que seja, no todo ou em parte, sem o consentimento prévio da LOCADORA

DA PRORROGAÇÃO DA LOCAÇÃO:
CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA: Findo o prazo ajustado da Cláusula Segunda, se
ao LOCATÁRIO permanecer no imóvel locado por mais de 30 (trinta) dias, sem
oposição da LOCADORA, ficará a locação prorrogada automaticamente por tempo
indeterminado, inclusive no que toca a garantia concedida, nas mesmas bases
contratuais, podendo a LOCADORA denunciar o contrato quando lhe convier,
concedido ao LOCATÁRIOS o prazo de 30 (trinta) dias para a desocupação.
CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA: Estando a locação prorrogada por prazo
indeterminado, não poderá os LOCATÁRIOS restituir o imóvel a LOCADORA sem
aviso prévio por escrito e com antecedência mínima de 30(trinta) dias, sob pena de
responder pelos alugueres e encargos da locação até, que se ultime o prazo do aviso.

DA MORA E SEUS EFEITOS:


CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA: A falta de pagamento do aluguel, no prazo
estipulado pela Cláusula Terceira, e/ou dos demais encargos locatícios, constituirá em
mora os LOCATÁRIOS, independentemente de qualquer notificação.
Parágrafo Único: O valor do débito será corrigido pelo IGP-M, com o ACRÉCIMO de
JUROS de 1%(UM por CENTO) ao mês, e MULTA na ordem de 10% (dez por cento)
sobre o total, além de honorários advocatícios, que serão devidos sempre que houver a
intervenção de advogado desde já fixados em 20%(vinte por cento) sobre o valor do
débito corrigido, independente de esta intervenção ser judicial ou extrajudicial, de
acordo com o artigo 62,II,”d”da lei 8.245/91, sem prejuízo de outras cominações legais
e contratuais a que estiver sujeito aos LOCATÁRIOS.
CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA: Caso a LOCADORA, para resguardar seus
direitos perante terceiros, ou inibir as conseqüências do inadimplemento, pague alguma
verba de responsabilidade dos LOCATÁRIOS, já vencida, ficará este obrigado a
ressarcí-lo, sob pena de rescisão contratual.
CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA: Os LOCATÁRIOS, serão responsáveis pelo
pagamento de eventuais multas que venham recair sobre os tributos, taxas, encargos,
despesas de condomínio, que porventura sejam entregues no imóvel, mesmo que tais
verbas não sejam de sua responsabilidade, caso tenha retido ou extraviado os
respectivos avisos de lançamento ou cobrança, razão pela qual estes quando recebidos
devem ser imediatamente encaminhados, em tempo hábil, sob protocolo ao escritório da
administradora do imóvel.
CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA: Em caso de infração contratual ou legal, é, facultado
a LOCADORA, ajuizar ação de despejo, ou qualquer outra que entender conveniente,
sem necessidade de prévia notificação ou ciência dos LOCATÁRIOS

DA RESCISÃO DA LOCAÇÃO:
CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA: Constituem casos de rescisão, de pleno direito, do
presente contrato, além dos indicados nas Cláusulas anteriores e na lei, os seguintes:
I- Falta de pagamento dos alugueres e encargos nos prazos fixados nas cláusulas
Terceira e Sétima do presente instrumento;
II- Se, ocorrendo morte, ausência, interdição, falência, insolvência ou exoneração
dos LOCATÁRIOS, alienação, desapropriação ou gravame de seus respectivos
imóveis, desaparecimento dos seus bens móveis, ou mudança de residência, sem
comunicação a LOCADORA, não lhe for dado substituto
III- Desapropriação do imóvel locado, ou incêndio que impeça o seu uso;
IV- Abandono do imóvel pelos LOCATÁRIOS ou descaso manifesto do mesmo
pela sua conservação;
V- Se os LOCATÁRIOS impedir a vistoria do imóvel pela LOCADORA, ou por
terceiros interessados em eventual aquisição do imóvel, ou se recusar a
concordar com horário razoável para as visitas.
CLÁUSULA DÉCIMA NONA: Na hipótese de haver desapropriação do imóvel
locado, ficará a LOCADORA, inteiramente desobrigado de qualquer responsabilidade
perante aos LOCATÁRIOS, ao qual caberá tão somente o direito de pleitear eventual
indenização do Poder Expropriante.
CLÁUSULA VIGÉSIMA: Em caso de incêndio ou acidente que importe na
reconstrução integral do imóvel locado, a presente locação será rescindida
automaticamente, ficando responsável, os LOCATÁRIOS, se o fato tiver ocorrido por
sua culpa.

DISPOSIÇÕES FINAIS:
CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA: Ao encerrar-se a locação, DEVERÃO os
LOCATÁRIOS APRESENTAR, juntamente com as chaves, do imóvel, CERTIDÕES
NEGATIVAS da COPEL, provas do corte e da quitação dos débitos da energia
elétrica, bem como das despesas ordinárias de condomínio, e entregar os carnês e
recebidos que estiverem em seu poder, do que se dará comprovante: além disso, antes
de devolver o imóvel, deverão os LOCATÁRIOS fazer os reparos e a pintura que
forem necessários para repô-lo ao estado em que o mesmo foi locado, somente cessando
a influência dos alugueres e demais encargos locatícios, ou dos valores a eles
correspondentes quando o imóvel finalmente se encontrar nas condições devidas, de
acordo com a vistoria de entrada, e uma vez satisfeitas as demais exigências acima
especificadas.
CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA Fica acordado e esclarecido que:
I- O recibo do aluguel vale para o período no mesmo inserido, e não prova
pagamento dos meses anteriores, nem quitação de majorações e encargos que
não tenham sido cobrados na época própria;
II- Não poderão os LOCATÁRIOS sustar o pagamento de aluguéis e encargos sob
o pretexto de não ter sido atendido em alguma exigência ou solicitação feita;
III- Salvo declaração escrita da LOCADORA, quaisquer tolerâncias ou concessões
por ele feitas não implicam em renúncia de direitos ou em alteração contratual,
não podendo ser invocadas pelos LOCATÁRIOS como precedentes para se
furtar ao cumprimento do contrato;
CLÁUSULA VIGÉSIMA TERCEIRA: As partes contratantes se obrigam por si, seus
sucessores, a manterem, o presente contrato sempre firme e bom, elegendo o foro da
Comarca de Maringá PR para dirimir quaisquer dúvidas ou litígio, com base neste
contrato, renunciando a qualquer outro por mais privilegiado que seja.

FECHAMENTO:
E por estarem, assim contratados, de pleno acordo, firmam o presente instrumento, em
03(trêss) vias de igual teor e forma, sujeitando-se as penas de Lei, caso deixem de
cumprir o que ficou aqui estabelecido.
Maringá, 13 de março de 2019.
LOCADORA_________________________________________________
VERA LUCIA DA SILVA GOBBATO

LOCATÁRIO 1 ________________________________________________
NILSON LUCAS DIAS GABRIEL

LOCATÁRIO 2 ________________________________________________
GEOVANNA DIAS GABRIEL