Você está na página 1de 2

PÁGINA INICIAL | glossário | bibli

Planificação e Orçamentação / Sessão 6: Planificação dos recursos, o calendário e o processo de orçamentação

Princípios: o orçamento é anual, único, universal, específico,


equilibrado e público
p 11/14

Durante a elaboração e execução do orçamento é importante ter em conta os princípios que


regem todo o processo:

Anualidade: o orçamento é válido por um ano, o ano económico, que em Moçambique


coincide com o ano civil (de janeiro a dezembro).

Os fundos não transitam de um ano para outro. Os fundos não-executados ficam na


conta do Tesouro.
Os adiantamentos recebidos devem ser encerrados em termos contabilísticos no
final do ano fiscal.

Unidade: o orçamento é um documento único que compila todas as receitas a colectar e


todas as despesas a realizar, a todos os níveis, em todo o país, no âmbito das actividades d
Estado.

Universalidade: todas as receitas e despesas devem ser inscritas no orçamento, sob pena d
não poderem ser executadas.

Conjugando os princípios da unidade e da universalidade, podemos dizer de forma


simples: “Um orçamento, e tudo no orçamento.”

Especificação: a previsão de cada receita e a fixação de cada despesa devem ser


individualizadas, segundo classificadores, para facilitar a leitura e interpretação do orçamen

Equilíbrio: todas as despesas devem ser cobertas pelas receitas, dentro do princípio da
unidade do orçamento.

Publicidade: o orçamento deve ser publicado no Boletim da República, para tornar-se Lei
Orçamental, que inclui a tabela de despesas e a de receitas. Orçamento não-publicado não é
orçamento válido.

Não consignação: as receitas não são destinadas a cobrir despesas específicas. Elas cobre
todas as despesas.

Orçamento bruto (não compensação): todas as receitas e despesas devem ser inscritas no
orçamento de forma bruta e não líquida. Não devem ser deduzidos quaisquer descontos.

Durante a realização de despesas no seu distrito, deve-se ter a certeza de que elas estão
cobertas tanto por fundos recebidos, transferidos de outros níveis do Governo, como por
receitas próprias ou por contribuições de parceiros locais.
 

«« ÍNDICE « VOLTAR |  AVANÇA