Você está na página 1de 3

1.

Ar nas condições padrão entra em um compressor a 75m/s e sai a uma velocidade de


125m/s com pressão e temperatura absolutas de 200 kPa e 345 K, respectivamente. A
água de refrigeração que circula em volta da carcaça do compressor remove
dQ
 18kJ / kg de ar. Determine a potência requerida pelo compressor.
dm

dQ
Dados: V1  75 m s T2  345K , p2  200kPa, V2  125m / s , m  1kg / s ,  18kJ / kg
dm

Objetivos: Determinar a potência requerida pelo compressor.

Hipóteses: 1. Wcisalhamento  0 . 2. Escoamento uniforme na seção. 3. Regime permanente; 4.


Gás ideal, p   RT , h  c p T , c p  1,0kJ / kg.K ; 5. Da continuidade, m1  m2  m

Eq. Básicas:


Q  WE  Wcisalhamento   e d   SC (e  pv) V  dA ; (1ª Lei da Termodinâmica)
t VC

Solução:

 V22   V12 
Q  WE   u2   gz2  p2v2   m    u1   gz1  p1v1   m 
 2   2 
dQ
Note que h  u  pv e Q  m , então
dm
 V 2  V12 dQ  V22  V12 dQ 
W para _ dentro  WE  m  2  h2  h1      c p T2  T1  
dm 
m
 2 dm   2
ou
 N  s2 kJ
W para _ dentro  1,0kg / s 1 / 2 1252  752  m 2 / s 2 . . 
 kg  m 1000 N  m
kJ  kW  s
1,0 (345  288) K   18kJ / kg  
kg  K  kJ
 W para _ dentro  80,0kW  ou WE  80,0kW 
2. Uma turbina é alimentada com 0,6 m3 s de água por meio de um tubo com 0,3m de
diâmetro. O tubo de descarga tem um diâmetro de 0,4m. Determine a queda de pressão
através da turbina, se ela fornece 60kW.

Dados: Q  0,6m3 / s; dentrada  0,3m; d saída  0, 4m;

Objetivos: Determinar a queda de pressão através da turbina se ela fornece 60kW .

Hipóteses: 1. Wcisalhamento  0 . 2. Escoamento uniforme na seção. 3. Regime permanente;


4. Escoamento incompressível; 5. Q  0 ; 6. Despreza-se u e z

Eq. Básicas:


Q  Ws  Wcisalhamento   e d   SC (e  pv) V  dA ;
t VC
(1ª Lei da Termodinâmica);

DM   V2
  
Dt sist t VC
 d   
SC
V  dA (Continuidade); e  u 
2
 gz .

Solução:

Aplicando a eq. da continuidade (e as hipóteses adotadas!):


0   d   SC V  dA  0    VA cos 
t VC

2
D 
0   V1 A1    V2 A2   V2  V1 1  V1  1 
A
A2  D2 

Aplicando a 1ª Lei da termodinâmica (e as hipóteses adotadas!), temos:


Q  Ws  Wcisalhamento   e d   SC (e  pv) V  dA
t VC

V 2  V 2 
Ws   1  p1v1   V1 A1    2  p2v2   V2 A2 
 2   2 
 V12  V22  V 2   D 4  
Ws     ( p1  p2 )v   Q    1 1   1    ( p1  p2 )v  Q
 2   2   D2   
 

ou
 W V 2   D 4   W V 2   D  4 
p  p1  p2  1/ v  s  1 1   1     s  1 1   1  
Q 2   D2    Q 2   D2  
  
mas, V1  Q / A  8, 49m / s, e Ws  Wout  60kW , então
 p1  p2  75, 4kPa