Você está na página 1de 4

DIZER UMA COISA PARA IFSP/ 2017

SIGNIFICAR OUTRA
MECANISMOS LINGUÍSTICOS EM QUE SE ESTABELECE
INTENCIONALMENTE UM CONFLITO ENTRE O QUE SE DISSE E O QUE
SE QUER DIZER
❑Muitas vezes, diz-se uma coisa, mas se quer que o ouvinte entenda outra, ou seja,
diz-se uma coisa para significar outra.
❑Mecanismos linguísticos em que se estabelece intencionalmente um conflito entre
o que se disse e o que se quer dizer:
❑Quando se afirma uma coisa que, na verdade, se quer negar temos uma antífrase
ou ironia. Exemplo de ironia:
“A excelente dona Inácia era mestra na arte de judiar crianças”. (Monteiro Lobato)
❑Quando se nega alguma coisa de sentido positivo para afirmar o seu contrário
com sentido negativo, temos uma lítotes. Exemplo de lítotes:
❑André não é exatamente um leão de coragem = o que se quer dizer é que ele é
MECANISMOS LINGUÍSTICOS EM QUE SE ESTABELECE
INTENCIONALMENTE UM CONFLITO ENTRE O QUE SE DISSE E O QUE
SE QUER DIZER
❖Quando se diz uma coisa e nega-se explicitamente que pretenda dizê-la,
temos a preterição.
Exemplo de preterição:
Quero poupar a vocês o dissabor de saber que seus parentes são
contraventores, que eles não procedem de acordo com a lei, que não agem
como pessoas de bem.
❖Quando se interrompe a frase, deixando, porém, patente o que se pretende
dizer, temos um caso de reticência.
Exemplo de reticência:
MECANISMOS LINGUÍSTICOS EM QUE NÃO HÁ PROPRIAMENTE UM
CONFLITO ENTRE O QUE SE DISSE E O QUE SE QUER DIZER, MAS UMA
OPOSIÇÃO ENTRE O QUE SE DIZ E OS FATOS NARRADOS

❖Quando se atenua o que teria intensidade maior = eufemismo. Com ele suaviza-se o
que seria grosseiro ou chocante:
Exemplo de eufemismo:
D. Pedro II preferia falar em “trabalho servil” e “importação de africanos” a dizer escravidão
e tráfico de escravos.
❖Quando se exagera o que é mais atenuado, temos uma hipérbole:
Exemplo de hipérbole:
Faz um século que ele chegou.
Fonte: PLATÃO & FIORIN. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo. Editora Ática, 1996