Você está na página 1de 13

NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL

A Sociedade tem por objeto: (1) A indústria, o comércio, a importação e a


exportação de produtos metalúrgicos, de compressores de ar em geral, de
compressores de ar e de bombas de vácuo destinados à área da saúde, de
ferramentas manuais, pneumáticas e elétricas, de ferramentas manuais de
fixação, aperto e corte, de máquinas, ferramentas, utensílios e acessórios para
pulverizar e para trabalhar metais, de materiais de escavação e de penetração
do solo, de aspiradores, de hidrolavadoras, de bombas e motobombas para
recalque de água, de equipamentos mecânicos, hidráulicos e elétricos, bem
como de partes, componentes e periféricos desses produtos. (2) A
comercialização de graxas e óleos lubrificantes utilizados nos produtos de sua
indústria e de seu comércio. (3) A prestação de serviços de usinagem e de
pintura de peças fundidas, de prospecção, de instalação, de manutenção e de
assistência técnica relacionada com os produtos de sua indústria e de seu
comércio. (4) A locação, para quaisquer fins, de compressores de ar e de
outros equipamentos de sua indústria e de seu comércio. (5) A participação em
outras sociedades, quaisquer que sejam os seus objetivos sociais, para
beneficiar-se, ou não, de incentivos fiscais.

Estas demonstrações financeiras são apresentadas em Reais que é a moeda


principal das operações e ambiente em que a empresa atua, e representam a
sua posição patrimonial e financeira em 31 de março de 2010, o resultado de
suas operações realizadas entre 1º de janeiro e 31 de março de 2010, as
mutações do seu patrimônio líquido, os fluxos de caixa e o valor adicionado
referentes ao trimestre.

NOTA 2 - BASES DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES


FINANCEIRAS

As demonstrações financeiras, dos trimestres findos em 31 de março de 2010 e


2009, foram elaboradas de acordo com as novas práticas contábeis adotadas
no Brasil, com atendimento integral da Lei nº 11.638/07 e Lei nº 11.941/09, e
pronunciamentos emitidos pelo CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis e
aprovados pelo CFC - Conselho Federal de Contabilidade e pela CVM –
Comissão de Valores Imobiliários.

A companhia optou por apresentar as informações do 1º trimestre de 2010


conforme as normas contábeis vigentes até 31/12/2009, facultada pela
Deliberação CVM 603/09. Os CPC’s e ICPC’s que poderão ser aplicáveis a
companhia, considerando-se suas operações são:

CPC Título
15 Combinação de Negócios
16 Estoques
18 Investimento em Coligada e em Controlada
19 Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)
20 Custos de Empréstimos
21 Demonstração Intermediária
22 Informações por Segmento
23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro
24 Evento Subseqüente
25 Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes
26 Apresentação das Demonstrações Contábeis
27 Ativo Imobilizado
28 Propriedade para Investimento
30 Receitas
31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada
32 Tributos sobre o Lucro
33 Benefícios a Empregados
35 Demonstrações Separadas
36 Demonstrações Consolidadas
37 Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade
38 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração
39 Instrumentos Financeiros: Apresentação
40 Instrumentos Financeiros: Evidenciação
43 Adoção Inicial dos Pronunciamentos Técnicos CPC 15 a 40

ICPC Título
03 Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento Mercantil
08 Contabilização da Proposta de Pagamento de Dividendos
09 Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações
Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial
10 Interpretação sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para
Investimento dos Pronunciamentos Técnicos CPCs 27, 28, 37 e 43

NOTA 3 - RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS


a) Demonstrações Financeiras Consolidadas

Os critérios adotados na consolidação são aqueles previstos na Lei nº 6.404/76


com as alterações promovidas pela Lei nº 11.638/07 e Lei nº 11.941/09, dos
quais destacamos os seguintes:

a) Eliminação dos saldos das contas ativas e passivas decorrentes das


transações entre as sociedades incluídas na consolidação;

b) Eliminação dos investimentos nas sociedades controladas na proporção dos


seus respectivos patrimônios; e,

c) Eliminação das receitas e das despesas decorrentes de negócios com as


sociedades incluídas na consolidação.

b) Classificação de Itens Circulantes e Não Circulantes

No Balanço Patrimonial, ativos e obrigações vincendas ou com expectativa de


realização dentro dos próximos 12 meses são classificados como itens
circulantes e aqueles com vencimento ou com expectativa de realização
superior a 12 meses são classificados como itens não circulantes.
c) Compensações Entre Contas

Como regra geral, nas demonstrações financeiras, nem ativos e passivos, ou


receitas e despesas são compensados entre si, exceto quando a compensação
é requerida ou permitida por um pronunciamento ou norma brasileira de
contabilidade e esta compensação reflete a essência da transação.
d) Transações em Moedas Estrangeiras
Os itens nestas demonstrações financeiras são mensurados em moeda
funcional Reais (R$) que é a moeda do principal ambiente econômico em que a
empresa atua e na qual é realizada a maioria de suas transações, e são
apresentados nesta mesma moeda.

Transações em outras moedas são convertidas para a moeda funcional


conforme determinações do CPC 02 - Efeitos das Mudanças nas Taxas de
Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis. Os itens financeiros são
convertidos pelas taxas de fechamento e os itens não-financeiros pelas taxas
da data da transação.

e) Apuração do Resultado

O resultado é apurado pelo regime de competência de exercícios para


apropriação de receitas, custos e as despesas correspondentes.

As receitas de vendas de produtos são reconhecidas quando os riscos e


benefícios da propriedade dos bens são transferidos ao comprador e o
montante da receita pode ser razoavelmente mensurado.

As despesas e custos são reconhecidos quando há a redução de um ativo ou o


registro de um passivo, e podem ser razoavelmente mensurados.

f) Valor Recuperável de Ativos (“Impairment”)

O imobilizado e outros ativos não circulantes são submetidos ao teste de


recuperabilidade para se identificar perdas por “impairment” anualmente ou
quando eventos ou alterações nas circunstâncias indicarem que o valor
contábil pode não ser recuperável. A perda por “impairment” é reconhecida
pelo montante em que o valor contábil do ativo ultrapassa o valor recuperável,
que é o maior entre o preço líquido de venda e o valor em uso de um ativo.

g) Caixa e Equivalentes de Caixa

São classificados como caixa e equivalentes de caixa, numerário em espécie,


depósitos bancários disponíveis e aplicações financeiras de curto prazo, de alta
liquidez, que são prontamente conversíveis em um montante conhecido de
caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor.

h) Instrumentos Financeiros

Os ativos financeiros adquiridos principalmente com a finalidade de utilização


no curto prazo, gerenciados em conjunto e para os quais existe evidência de
padrão recente de realização de lucros a curto prazo, são mensuradas ao valor
justo lançado em conta de resultado.
Os ativos financeiros mantidos até o vencimento são aplicados com
pagamentos fixos ou determináveis com vencimentos definidos e para os quais
a entidade tem intenção positiva e capacidade de manter até o vencimento.
São mensurados pelo custo de aquisição ao valor de emissão, atualizado
conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de
realização, lançado em conta do resultado.

i) Contas a Receber

As contas a receber de clientes correspondem aos valores a receber de


clientes pela venda de mercadorias ou prestação de serviços no decurso
normal das atividades da Companhia.

Normalmente são reconhecidas ao valor faturado, ajustado pela provisão para


eventuais perdas se necessária e, ajustadas a valor presente somente quando
se tratar de operações de longo prazo, com característica de financiamento ao
cliente.

j) Estoques

Os estoques foram valorados ao custo de fabricação e médio de aquisição,


líquidos de impostos recuperados e não superam os preços do mercado.

k) Investimentos

Os investimentos em empresas controladas foram ajustados pelo método da


equivalência patrimonial. Os demais investimentos são avaliados ao custo de
aquisição, reduzidos ao seu valor recuperável quando aplicável.

l) Imobilizado

Demonstrado ao custo de aquisição reduzido ao seu valor recuperável quando


aplicável. O imobilizado é submetido ao teste de recuperabilidade quando há
indícios internos ou externos de que pode estar sobrevalorizado.

A depreciação foi calculada pelo método linear, às taxas que levam em


consideração o tempo de vida útil- econômica dos bens.

m) Intangível

Os ativos intangíveis com vida útil indefinida a partir de 1º de janeiro de 2009


não são mais amortizados e são submetidos anualmente ao teste de
recuperabilidade.
Os ativos intangíveis com vida útil definida são amortizados de forma
sistemática ao longo da sua vida útil estimada e são submetidos ao teste de
recuperabilidade quando há indícios internos ou externos de que podem estar
desvalorizados.

n) Passivo Circulante e Não- Circulante

Os Passivos estão registrados pelo seu valor estimado de realização, ajustados


a valor presente quando aplicável, com base em taxas de desconto que
refletem as melhores avaliações do mercado quanto ao valor do dinheiro no
tempo e os riscos específicos destes passivos, e acrescidos, quando aplicável,
dos correspondentes encargos e variações monetárias incorridas, em base
“pro-rata die”.

o) Imposto de Renda e Contribuição Social

Apurados à razão de 15% sobre o Lucro Tributável e adicional de 10% para


imposto de renda, e de 9% para contribuição social. O imposto de renda e a
contribuição social diferidos foram apurados com base na Instrução CVM nº
371/02.

p) Lucro por Ação

Calculado com base na quantidade de ações existentes na data do


encerramento dos balanços.

q) Julgamento e Uso de Estimativas Contábeis

A preparação de demonstrações financeiras requer que a administração da


Companhia se baseie em estimativas para o registro de certas transações que
afetam os ativos e passivos, receitas e despesas, bem como a divulgação de
informações sobre dados das suas demonstrações financeiras. Os resultados
finais dessas transações e informações, quando de sua efetiva realização em
períodos subseqüentes, podem diferir dessas estimativas.

As políticas contábeis e áreas que requerem um maior grau de julgamento e


uso de estimativas na preparação das demonstrações financeiras, são:

• Créditos de liquidação duvidosa que são inicialmente provisionados e


posteriormente lançados para perda quando esgotadas as possibilidades
de recuperação; e,

• Passivos contingentes que são provisionados de acordo com a


expectativa de êxito, obtida e mensurada em conjunto a assessoria
jurídica da empresa.
NOTA 4 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

Controladora Consolidado
31/03/201
31/03/2010 31/12/2009 0 31/12/2009
2.77 2.78
Caixa bancos - Moeda Nacional 9 3.182 0 3.182
1.84
Caixa bancos - Moeda Estrangeira - - 3 1.495
57.09 57.09
Aplicações Financeiras 2 82.791 2 82.791

59.87 61.71
Total 1 85.973 5 87.468

As aplicações financeiras estão lastreadas em certificados de depósito


bancário (CDB) e Operações Compromissadas, e tem seu rendimento atrelado
ao CDI.

NOTA 5 - CLIENTES

Controladora Consolidado
31/03/2010 31/12/2009 31/03/2010 31/12/2009
Clientes - Mercado Interno 112.916 108.131 112.917 108.131
Clientes - Mercado
Externo 25.864 24.391 25.917 24.886
(225 (225
Cambiais Descontadas - ) - )
(4.888 (3.414 (4.888 (3.414
Vendor ) ) ) )
(1.321 (1.287 (1.472 (1.462
Provisão para Perdas ) ) ) )

Total 132.571 127.596 132.474 127.916


NOTA 6 - ESTOQUES

Controladora Consolidado
31/03/2010 31/12/2009 31/03/2010 31/12/2009
Produtos Acabados 15.769 12.510 17.789 14.740
Produtos em Elaboração 14.113 4.915 14.113 4.915
Matéria-Prima 23.895 24.719 23.895 24.719
Materiais Consumo Produção 5.081 5.246 5.081 5.246
Consignação 9.913 9.185 9.913 9.185
Revenda 10.989 8.683 10.989 8.683
Outros Estoques 6.046 5.268 6.046 5.269
Total 85.806 70.526 87.826 72.757

NOTA 7 - INVESTIMENTOS EM SOCIEDADES CONTROLADAS


Capital Patrimônio Resultado Quantidade Participação Equivalência Variação Valor Valor
Social Líquido Líquido Quotas/Ações Schulz S.A. Patrimonial Cambial Patrimonial Patrimonial
Empresas Ajustado do Possuídas Investimento Investimento
Exercício
2010 2009
Schulz of
América,
Inc. 2.761 -4.177 132 100.000 100% 132 -68 - -
Automotive
Schulz of
Europe-
GMBH 60 198 20 - 100% 20 -7 198 187
Total -75 198 187

NOTA 8 - IMOBILIZADO

Descrição Taxa Controladora Consolidado


31/12/200
Imobilizado 31/03/2010 31/12/2009 31/03/2010 9
Imóveis 4% 61.437 61.294 61.437 61.294
10,15 e
Máquinas e Equipamentos 20% 206.649 205.678 206.733 205.760
Móveis e Utensílios 10% 5.492 5.448 5.521 5.476
Veículos 20% 1.851 1.957 1.851 1.957
Instalações e Ferramentas 10 e 20% 74.267 73.996 74.267 73.996
Equipamentos de Informática 5% 6.074 6.155 6.078 6.161
Obras em Andamento 0 16.478 15.456 16.478 15.456
Outros 10 e 20% 7.420 7.402 7.420 7.402
Subtotal 379.668 377.386 379.785 377.502
(-) Depreciações Acumuladas -196.813 -189.854 -196.922 -189.960
Imobilizado Líquido 182.855 187.532 182.863 187.542

NOTA 9 - INTANGÍVEL

Controladora Consolidado
Discriminação Taxa 31/03/2010 31/12/2009 31/03/2010 31/12/2009
Marcas e Patentes 20% 163 164 163 164
Desenvolvimento e Projetos 20% 13.308 13.014 13.308 13.014
Licença de Uso Softwares 20% 6.316 5.620 6.316 5.620
Ágio Incorporação Somar S.A. 8.127 8.127 8.127 8.127
Subtotal 27.914 26.925 27.914 26.925
(-) Amortizações Acumuladas -10.877 -10.090 -10.877 -10.090
Intangível Líquido 17.037 16.835 17.037 16.835

NOTA 10 - FORNECEDORES

Controladora Consolidado
31/03/201 31/03/201
Discriminação 0 31/12/2009 0 31/12/2009
Fornecedores Mercado Interno 36.723 35.459 36.723 35.459
Fornecedores Mercado Externo - Curto Prazo 3.733 3.368 3.153 3.203

Total 40.456 38.827 39.876 38.662


NOTA 11 - INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

Controladora Consolidado Vencimento


31/03/2010 31/12/2009 31/03/2010 31/12/2009 Modalidade Taxa Média Final Garantias
Alienação
16.168 18.135 16.168 18.135 Finame TJLP + 1,60% a.a 2.019 Fiduciária
3.101 3.400 3.101 3.400 Capital de Giro 133% do CDI 2.013 Nota Promissória
VC + Libor + 2,50%
24.221 26.640 24.221 26.640 Fin.Invest. - DEG a.a 2.015 Hipoteca
5.384 4.153 5.384 4.153 FINEP TJLP 2.012 Fiança Bancária
9.556 8.004 9.556 8.004 Prodec 4,00% a.a 2.012 -
Alienação
774 909 774 909 Finamim VC + 7,95% a.a 2.011 Fiduciária
4.000 6.001 4.000 6.001 BNDES-Exim TJLP + 3,70% a.a 2.011 Nota Promissória
Nota Promissória
103.702 110.215 103.702 110.215 BNDES-Exim - PSI 4,5% a.a 2.012 e/ou Recebíveis
VC + Libor + 6,00%
28.417 30.960 28.417 30.960 Pré-Pgto. Exportação a.a 2.014 Nota Promissória

195.323 208.417 195.323 208.417 Longo Prazo

84.290 88.315 92.623 96.575 Curto Prazo


279.613 296.732 287.946 304.992 Total

No quadro abaixo demonstramos a posição dos Empréstimos e


Financiamentos, cujos contratos estão atrelados a moeda estrangeira.

Endividamento em Moeda Estrangeira - Valores em USD Mil


31/03/2010 31/12/2009 Vencimento
Curto Longo Curto Longo
Prazo Prazo Prazo Prazo Modalidade Taxa Média Final Garantias Moeda
4.4 13.6 4.6 15.3 VC+Libor+2,50%
73 00 17 00 Fin.Invest. - DEG a.a 2.015 Hipoteca Dólar
1.5 4 1.3 5 Alienação
72 34 62 22 Finamim VC+7,95%a.a 2.011 Fiduciária Dólar
4.6 4.1 6
79 - 44 00 Capital Giro VC+6,30% a.a 2.011 Nota Promissória Dólar
21.9 15.9 21.0 17.7 Pré-Pgto. VC+Libor+6,00%
22 55 56 81 Exportação a.a 2.014 Nota Promissória Dólar

32.6 29.9 31.1 34.2


46 89 79 03 Totais

NOTA 12 - INSTRUMENTOS FINANCEIROS

A Sociedade realizou até 31 de março de 2010, operações com características


de instrumentos financeiros na forma definida pela instrução CVM n°235/95,
registrados aos valores contábeis que se aproximam dos valores de mercado.

Para cálculo do valor justo destes instrumentos, a Sociedade utilizou os


seguintes métodos e premissas:

Disponibilidades

As disponibilidades estão registradas aos valores nominais os quais se


aproximam ao valor de mercado.
Empréstimos e Financiamentos

Os valores foram determinados utilizando-se as taxas de juros fixadas junto


aos credores, os quais refletem o valor de mercado, consideradas as condições
e a natureza dessas operações (nota 11).

Risco de Crédito

Esses riscos são administrados por critérios rigorosos de análise de crédito e


estabelecimento do limite de exposição para cada cliente, ajustados
periodicamente conforme o comportamento do risco apresentado.

Risco com taxa de juros

A Companhia monitora continuamente o comportamento das taxas de juros de


mercado com o objetivo de avaliar a eventual necessidade de contratação de
operações para proteger-se contra o risco de volatilidade dessas taxas.

Risco de Exposição Cambial Líquida

Em 31 de março de 2010, a Companhia possuía uma exposição cambial


contábil de US$ 48,8 milhões, cuja composição encontra-se detalhada no
quadro “Analise de Sensibilidade da Exposição Cambial” desta Nota
Explicativa.

Derivativos e Riscos Associados

Em 31 de março de 2010, a Companhia não possuía operações com


características de instrumentos financeiros derivativos na forma definida pela
deliberação CVM nº 550 de 17 de outubro de 2008.

Análise de Sensibilidade dos Instrumentos Financeiros

A fim de apresentar os riscos que podem gerar prejuízos significativos para a


empresa, conforme determinado pela CVM, por meio das Instruções nºs. 475 e
550/08, apresentamos a seguir, demonstrativo de análise de sensibilidade dos
instrumentos financeiros que apresentam risco associado à variação na taxa de
câmbio (risco de alta do dólar).

Quadro Demonstrativo de Análise de Sensibilidade da Exposição


Cambial

Descrição 31/03/2010 Cenário I Cenário II Cenário III


R$ Mil R$ Mil R$ Mil R$ Mil
Ativos
25.9 33.46
Clientes no Mercado Externo 17 26.921 29.104 9
1.8 2.38
Caixa/Bancos - Moeda estrangeira 43 1.914 2.070 0
Derivativos - - - -
27.7 35.8
60 28.835 31.173 50
Passivos
111.5 144.06
Dívida Bancária 53 115.875 125.270 1

Derivativos - - - -
3.1 4.07
Outros Passivos 53 3.275 3.540 1
114.7 148.1
05 119.149 128.810 32

86.9 112.2
Exposição Líquida - R$ Mil 45 90.314 97.637 82
48.8 48.8
Exposição Líquida - US$ Mil 18 48.818 48.818 18
Taxa Dólar 1,7810 1,85 2,00 2,30

A Companhia entende que os demais instrumentos financeiros não apresentam


riscos relevantes e, portanto, dispensam a demonstração da análise de
sensibilidade, referida na Instrução nº475/08 e 550/08.

NOTA 13- RESULTADO FINANCEIRO

Controladora Consolidado
Despesas financeiras 31/03/2010 31/03/2009 31/03/2010 31/03/2009
Variação Cambial - Dívidas 10.025 9.394 10.025 9.394
Variação Cambial - Clientes 1.334 1.943 1.334 1.943
Varaiação Cambial - Outras 235 501 235 497
Juros s/ financ - local: Ativo fixo 1.165 1.048 1.165 1.048
Juros s/ financ - Exterior: Ativo fixo 287 755 287 755
Juros s/ financ - Capital giro 2.937 4.320 3.074 4.494
Perdas Oper. Derivativos-Swap 0 2.643 0 2.643
Outras Desp. Financeiras 95 23 95 23
Total 16.078 20.627 16.215 20.797

Receitas Financeiras 31/03/2010 31/03/2009 31/03/2010 31/03/2009


7.65 10.12
Variação Cambial - Dívidas 9 4 7.659 10.124
1.53 2.64
Variação Cambial - Clientes 0 6 1.530 2.646
24 65
Varaiação Cambial - Outras 6 2 246 652
2.07
Ganhos em Oper. Derivativos-Swap - 4 - 2.074
1.27 46
Receitas Aplicações Financeiras 5 2 1.275 462
20 41
Outras Receitas Financeiras 3 1 203 411
10.91 16.36
Total 3 9 10.913 16.369

(5.165 (4.258 (5.302


Resultado financeiro ) ) ) (4.428)
NOTA 14 - CAPITAL SOCIAL

O Capital Social pertence integralmente a acionistas domiciliados no país, é


formado de 12.763.385 ações, sendo 5.453.313 ações ordinárias e 7.310.072
ações preferenciais, todas sem valor nominal.

As ações preferenciais não terão direito a voto nas deliberações das


Assembléias Gerais, sendo conferidas as seguintes vantagens:

• Direito a um dividendo mínimo, não cumulativo, de 25% do lucro líquido;

• Prioridade no reembolso de capital no caso de liquidação da sociedade;

• Dividendo 10% maior do que o atribuído às ações ordinárias.

NOTA 15- COBERTURA DE SEGUROS

Os valores são contratados em bases técnicas que se estimam suficientes para


cobertura de eventuais perdas decorrentes de sinistros com bens do Ativo
Imobilizado e Estoques, cujo risco declarado é de R$ 349.427 mil.
NOTA 16 - IMPOSTOS DIFERIDOS

Em 31 de março de 2010, a Companhia tem reconhecido no Passivo


Circulante, débito fiscal de CSLL e IRPJ sobre diferenças temporárias no valor
de R$ 753 mil, apurado conforme legislação vigente, como segue:

Controlada Consolidado
Discriminação 31/03/2010 31/12/2009 31/03/2010 31/12/2009
Imposto de Renda Diferido sobre diferenças temporárias 554 489 554 489
Contribuição Social Diferida sobre diferenças temporárias 199 168 199 168

Total 753 657 753 657

NOTA 17 - CONTINGÊNCIAS

A Companhia possui processos em andamento de natureza trabalhista e


tributária, e registrou no Exigível a Longo Prazo, Provisão para Contingências
no valor de R$ 15 mil para os processos cuja estimativa de perda é
considerada provável. Depósitos judiciais foram efetuados no valor de R$ 3.172
mil e são registrados no Realizável a Longo Prazo.
A Companhia possui passivos contingentes considerados pelos assessores
jurídicos como possível probabilidade de perda, para os quais não há provisões
constituídas. As principais contingências não contabilizadas são as seguintes:

Contingências

Natureza Valor da Causa


Trabalhista 294
Tributária 1.942

Total 2.236

NOTA 18 - OPERAÇÕES COM SUBSIDIÁRIAS INTEGRAIS

Clientes
Empresa Relacionada C.Prazo L.Prazo
31/03/2010 31/03/2009 31/03/2010 31/03/2009
1.11 2.08
Schulz of América,Inc. 0 1 - -
Automotive Schulz of Europe-GMBH - - - -
Fornecedores
Empresa Relacionada C.Prazo L.Prazo
31/03/2010 31/03/2009 31/03/2010 31/03/2009
32 39
Schulz of América,Inc. 9 7 - -
Automotive Schulz of Europe-GMBH - - - -
Resultado
Empresa Relacionada Receitas Despesas
31/03/2010 31/03/2009 31/03/2010 31/03/2009
7 3
Schulz of América,Inc. 8 8 - -
19
Automotive Schulz of Europe-GMBH - - 2 -

NOTA 19 - PARTICIPAÇÃO NO RESULTADO

A Companhia mantém o Programa Schulz de Participação no Resultado à seus


colaboradores, vinculada ao alcance de metas, cujos parâmetros para o
exercício de 2009, constam do acordo assinado em 08/10/2009.

Foi provisionado no Passivo Circulante o valor de R$ 2.219 mil para ser


distribuído aos seus colaboradores vinculados a CLT referente ao exercício
2009. Por conta disto, os Diretores Estatutários não tem participação neste
programa.

NOTA 20 - AVAIS E FIANÇAS

A Companhia concedeu, com o fim de atender exclusivamente suas operações


financeiras, aproximadamente R$ 62,5 milhões (valor de mercado) em hipoteca
e alienação fiduciária (nota 11), e R$ 12.493 mil em fiança bancária prestada
como garantia para o financiamento de projetos de desenvolvimento (R$
10.871 mil) e também em decorrência de contratos de compra e venda de
energia elétrica (R$ 1.622 mil).

NOTA 21 - AQUISIÇÃO DE PARTICIPAÇÃO SOCIETÁRIA


Em 01 de dezembro de 2009, a Schulz S.A adquiriu a participação societária
na SOMAR S.A – Indústrias Mecânicas. O preço de aquisição será pago aos
cedentes em 60 parcelas mensais e consecutivas, no valor de R$ 200 mil,
cada uma. O vencimento da primeira parcela ocorrerá em 20 de março de
2010. A empresa reconheceu a obrigação a pagar no passivo circulante, no
montante de R$ 2 milhões, e no passivo não-circulante no montante de R$ 10
milhões.

NOTA 22 - REESTRUTURAÇÃO SOCIETÁRIA - INCORPORAÇÃO

Em 01 de dezembro de 2009, a Schulz S.A adquiriu a totalidade das ações de


emissão da SOMAR S.A – Indústrias Mecânicas, 4.400.000 ações,
representativas de 100% de seu capital social.

Esta operação de gerou um ágio de R$ 8.126.842, imputado ao Ativo


Intangível da adquirente.

Em 17 de dezembro de 2009, a Schulz S.A incorporou o patrimônio líquido da


empresa SOMAR S.A. – Indústrias Mecânicas , justificado pela:

Redução por completo das despesas fixas administrativas e comerciais da


SOMAR como sociedade operacional, necessária para manutenção da
incorporada;

Incremento nas vendas da SOMAR através do aproveitamento da infra-


estrutura financeira e de vendas da SCHULZ.

Aproveitamento da marca SOMAR a qual poderá ser utilizada pela SCHULZ


em novas linhas de produtos, bem como em produtos com valor
diferenciado.

A racionalização e unificação das atividades exercidas resultará na


simplificação operacional, melhor aproveitamento das sinergias na
redução de custos e conseqüente otimização da estrutura administrativa
existente, atendendo aos interesses das sociedades, bem como dos
seus acionistas

Propiciar maiores condições para traçar objetivos globais para as atividades


desenvolvidas pelas sociedades.