Você está na página 1de 3

Ce site utilise des cookies provenant de Google pour fournir ses services et analyser le trafic.

Votre adresse IP et votre user-agent, ainsi que des statistiques relatives aux performances et
Respostas ao Ateísmo
à la sécurité, sont transmis à Google afin d'assurer un service de qualité, de générer des
statistiques d'utilisation, et de détecter et de résoudre les problèmes d'abus.
“Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus.”II
EN SAVOIR PLUS OK
Co 10.5

Home ▼

s á b a d o , 2 3 d e

Teologia é Poesia? Por C. S. Lewis [PARTE 4]

Olá, leitores. Estamos continuando a nossa série de trechos do ensaio "Teologia é poesia?",
por C. S. Lewis. Se ainda não leu as partes anteriores, veja aqui: Parte 1, Parte 2, Parte 3. Veja
também outros textos sobre C. S. Lewis aqui.

Nesta quarta parte do texto, ele encara o fato de considerarmos outras religiões como
"mitologias", e como fica o Cristianismo nisso, enquanto há semelhanças em alguns aspectos
com as religiões pagãs.

O texto foi traduzido diretamente do original inglês pelo Google e revisado por mim.

A Linguagem Metafórica na Teologia


(...)
Acabei de falar sobre símbolos, e isso me leva à última questão sob a qual considerarei a
acusação de “mera poesia”. A Teologia certamente compartilha com a poesia o uso de
linguagem metafórica ou simbólica. A primeira Pessoa da Trindade não é o Pai da Segunda em
um sentido físico. A Segunda Pessoa não desceu à terra no mesmo sentido que um pára-
quedista, nem ricocheteou no céu como um balão, nem literalmente se sentou à direita do Pai.
Por que, então, o Cristianismo fala como se todas essas coisas acontecessem? O agnóstico
acha que isso acontece porque aqueles que o fundaram eram bastante ingenuamente
ignorantes e acreditavam em todas essas afirmações literalmente; e nós, cristãos posteriores,
continuamos usando a mesma linguagem através da timidez e do conservadorismo. Somos
frequentemente convidados, nas palavras do Professor [H. H.] Price, a jogar fora a casca e
reter o miolo.

Há duas questões envolvidas aqui:

1. No que os primeiros cristãos acreditavam? Eles realmente acreditavam que Deus tem um
Palácio material no Céu e que Ele recebeu Seu Filho em uma cadeira especial decorada
colocada um pouco à direita da Sua própria? - ou eles não criam nisso? A resposta é que a
alternativa que estamos oferecendo a eles provavelmente nunca esteve presente em suas
mentes. E assim que ela esteve presente, sabemos muito bem para qual lado do muro eles
desceram. Assim que a questão do antropomorfismo foi explicitamente colocada pela Igreja,
penso eu, no segundo século, o antropomorfismo foi condenado. A Igreja já sabia a resposta
(que Deus não tem corpo e, portanto, não podia se sentar em uma cadeira) tão logo soubesse
da questão. Mas até que a questão fosse levantada, é claro, as pessoas não acreditavam nem
numa nem na outra. Não há erro mais cansativo na História do pensamento do que tentar
classificar nossos ancestrais neste ou naquele lado de uma distinção que não existia em suas
mentes. Você está fazendo uma pergunta para a qual não existe resposta. É muito provável
que a maioria (quase certamente não todos) da primeira geração de cristãos nunca tenha
pensado em sua fé sem imagens antropomórficas, e que eles não estivessem explicitamente
conscientes, como um moderno seria, de que se tratava de um mero imaginário. Mas isso não
significa, pelo menos, que a essência de sua crença estivesse relacionada a detalhes sobre
uma Sala do Trono celestial. Não era isso que eles valorizavam, ou pelo que estavam
preparados para morrer. Qualquer um deles que fosse a Alexandria e tivesse uma educação
filosófica teria reconhecido as imagens de uma só vez pelo que era, e não teria sentido que sua
crença foi alterada em qualquer forma relevante. Minha imagem mental de uma faculdade de
Oxford, antes de ver uma, era muito diferente da realidade dos detalhes físicos. Mas isso não
significa que, quando cheguei a Oxford, descobri que minha concepção geral do que uma
faculdade significa era uma ilusão. As imagens físicas haviam inevitavelmente acompanhado
meu pensamento, mas nunca tinham sido o que mais me interessava, e boa parte do meu
pensamento estava correto apesar delas. O que você pensa é uma coisa; o que você imagina
enquanto pensa é outra.

Os primeiros cristãos não eram tão comparáveis com um homem que confunde a casca com o
miolo, mas sim com um homem carregando uma noz que ainda não quebrou. No momento em
que é quebrada, ele sabe qual parte jogar fora. Até lá ele continua segurando a noz pela casca,
não porque ele é um tolo, mas justamente porque ele não é.

2. Somos convidados a reafirmar nossa crença em uma forma livre de metáforas e símbolos. A
razão pela qual nós não fazemos é porque não podemos. Podemos, se quiserem, dizer “Deus
entrou na história” em vez de dizer “Deus desceu à terra”. Mas, é claro, “entrou” é tão
metafórico quanto “desceu”. Você apenas substituiu o movimento vertical por um movimento
horizontal ou indefinido. Nós podemos tornar nossa linguagem mais maçante; não podemos
torná-lo menos metafórica. Podemos tornar as imagens mais prosaicas; não podemos ser
menos pictóricos. Não estamos sozinhos nessa deficiência como cristãos. Aqui está uma frase
de um célebre escritor anticristão, o Dr. I. A. Richards : “Apenas aquela parte da causa de um
evento mental que tome efeito através de impulsos (sensoriais) de entrada ou através de
efeitos de impulsos sensoriais passados pode ser considerada como sendo conhecida. A
reserva, sem dúvida, envolve complicações”.[1] Dr. Richards não quer dizer que a parte da
causa “tome” efeito no sentido literal da palavra, nem que o faça através de um impulso
sensorial, como você poderia tomar um pacote através de um porta de entrada. Na segunda
frase “A reserva envolve complicações”, ele não quer dizer que um ato de defender, ou um
assento reservado em um trem, ou um Parque florestal, realmente comece a rolar ou dobrar ou
enrolar-se. Em outras palavras, toda linguagem acerca de coisas que não são objetos físicos é
necessariamente metafórica.

Notas:
[1] Principles of Literary Criticism, 1924, cap. XI.

David Sousa às 16:14

Compartilhar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Links para esta postagem


Criar um link

‹ Página inicial ›
Visualizar versão para a web

Tecnologia do Blogger.