Você está na página 1de 27
ABDI Giese’ Diretoria da ABDPro 2016/2019 Eduardo José da Fonseca Costa - Presidente to P. Campos Gouveia Filho - Vice-Presidente Carlos F, de Soura Je - Seerticio Jaklemiro Rodigues de Atade J. -Tesourc LLicio Delfino - Diretor de Publicagées Georges Abboud - Diretor Académico Mateus Costa Pereira - Diretor de Assuntos Institucionais Glauco Gumerato Ramos - Diretor de Relagdes Internacionais Anténio Carvalho Filho - Diretor de Comnicagio Social Patricia Hentiues Ribeiro - Diretora de Eventos Antonio de Moura Cavaleanti Neto - Diretor Juridico Consetho Ealitorial Ant6nio Carvalho Filho, Fernando Rossi Licio Delfino e Mateus Costa Pereira Capa Anténio Carvalho Filho Diagramagio Mictoart Design Editorial ‘Dados nternacionais de Catalogacao na Publica (Ci) ale Rodriges de Alice Alexa Tavares cota Fhe. AnacagSo Brea de coun HISTORIA DO PROCESSO Coordenadores Eduardo José da Fonseca Costa # Jaldemiro Rodrigues de Ataide Jr. Alexandre Freire Pimentel Venceslau Tavares Costa Filho Autores Alberto Jonathas Maia Alexandre Freire Pimentel André Luiz Maluf de Araujo Camilo Zufelato Edilson Vitorell Eduardo Henrik Aubert Femando Demetrio de Sousa Pontes Fredie Didier J. Jaldemiro Rodrigues de Atade Jt. José Henrique Mouta Araijo Larissa Clare Pochmann da Silva Majra Carvalho de Pereira Mesquita ABDIZ3® 2018 Marco Antonio Rodrigues Marcos de Araijo Cavalcanti Marcus Seixas Souza Mariana de Lemos Campos Mariana Vieira de Mello Costa Mauricio Ferreira Cunha Nuno M.M. S. Coetho Pedro Gomes de Queiroz Rafael Caselli Pereira Sebastdo Togo Venceslau Tavares Costa Filho Vinicius Siva Lemos 132 | eouson rons. subsequentes, o precedente de Mathews foi confirmado em Mackey v. Montrym ‘Cleveland Board of Education v. Loudermill™, dentre outros. 6. CONCLUSAO O conhecimento da historia é valioso para qualquer ramo do Direito €0 pro- cesso civil nio éexcegio. Ao refazero percursodaconstrucio dagarantiadodevido processo egal na jurispruclencia norte-americana, € possivel perceberomodocomo esta se posicionou no arcabouco tedrico processual,alcangou seu apogew no inicio dos anos 1970 para encontrar,em Mathens Elid, seu perfil atual. © que a Suprema Corte percebeu, em cem anos de experiencia, é que 0 processo € importante, mas ele no pode preceder os direitos substanciais. As cexigencins processuais, se exageradas, podem inviabilizaraatividade administrativa ¢ jurisdicional sem qualquer beneficio contraposto, ou seja sem implicar ganhos concretos para os individuos implicados na controvérsia Ahiist6ria demonstra, portanto, no apenas que no existem direitos abso- lutos, como rotineiramente se repete, mas também que o processo, como instrii- mento, nio pode se sobrepor tealizagio dos direitos materiais. ‘em decorréncia de tombamento, Esa aplieago do devo processo io fo aeita pela Su prema Corte em Pout Central Trmportation Ca New York Ci, 38 US. 104 (1978) Hi ura {vidente imprestio, nos Estados Unidos, de ea aplicacio de Gokdberg em todos os seus terms, rit ido muito além do que Corte pretenia resting a conclta da administragia, ‘Ver EDMONDSON, Paul W: Historic Preservation Reyulation and Procedural Due Process In: Ealegy Law Quarry, vol. 9, 1978p. 743-775, 84, 445 US. 1 (1979):"the Due Process Clause has never been construed to require thatthe proce dures use to guard against an erroneous deprivation of a protectible “property” or “berry” interest be so comprehensive as to preclude any possibiliy of ere The Due Process Cause simply does not mandate that all governmental decisionmaking comply with standards that, ‘sure perfect, eror free determinations. Thus, even though ou legal tation regards the ‘vert process asthe best means of aaceraning truth and miaimiring the ris of erm, the “ondary principk” established by our prior decisions is that “somthing less than an ‘evidentiary hearing is suficien proe to adverse administrative action.” And, when prompt posteprivation review is avaiable for cortection of administative error, we have generally exuired no more than thatthe predeprivation procedures used be designed to provide reasonably reliable basis for concliding that the fats justifying the ofcal action areas responsible governmental official warrants chem to be 185, 470UUS. 532 1985):"The essential requirements of due process and all hat exponents seck fr the Court of Appeals requited, are notice and an opportunity respond. The opportunity resent reasons, ether in person or in waiting, why proposed aetion should not be taken {sa fundamental due process requirement, The tenured public employe is entitled to oral or ‘written notice of the charges against him, an explanation of the employers evidence and an ‘opportunity to present his side ofthe story. To require more than this prior to termination ‘would ntrde # an unwarranted extent of the government's interest in quiclyemoving an “unsatisfactory employee” 6 O CONCEITO ROMANO DE /URISDICTIO E A CULTURA PROCESSUAL CONTEMPORANEA Eouanoo Hennix Ausent® SSonswo: 1. A jurisdigso moderna: definigbes. 1.1. NogBes preliminares. 1.1.1 (Ordem juridica humana. 1.1.2 Solucao do confit de interesses de acordo com ‘a ordem jridica, 1.1.3 Uma pokémica: a jurisdigao entre unicidade e dualidade. 1.2.0 mundo romano sob 0 prisma do moderno. 1.2.1 0s tacos da jurisdic impostacies romanas. 1.2.2 Os tacos da jurisdic: (inideinigdes modermas, 2. {As trés (ou mais) fases do processo civil romano: indicagGes preliminares. 3. A jurisdigko romana: jurisdictio e imperium nos textos romanos. 3.1 lrisdictio © imperium ~ definigdes e problemas, 3.2 Evolucao da nocao de iurisdictio. 3.2.1 Period das actiones legis. 3.2.2 Period do procedimento per formulas, 3.2.3 Periodo da cognitio extra ordinem. 3.3 Evolucao da noo de imperium. 3.3.1 Period das actiones legis. 3.3.2 Period do pracedimento per formulas. 3.33 | __ Period da cognitio extra ordinem. 4, lurisdctio como problema conceitual para 2 cultura jurdica processual modema, 4.1 Autonomia da relagao processual 4.2.0 piiblico eo privado. 4.3 Unidade e dualidade da jrisdia INTRODUCAO (O presente texto se propoe a analisar o conceito de duridiio no ditcito r0- ‘mano, a fim de extrait ligdes titeis para a compreensio de fenémenos ¢ institutos do direito processual contemporineo. ‘A iurisditio romana nao é, adverte Giuseppe Ignazio Luzzatto, a jurisdi- co arual.' Se, em uma primeira leitura, a frase poderia soar como expressio de dado em Histia pela FFT.CH.-USP, Mestre em Histria Socal pela FFLCH-USP, Doutor ‘em Histoiee et Civisations pela EHESS.Pais, Pés-Doutor pela University oF Cambridge € pelt FFLCH-USP. Graduando em Direto pela FD-USP. Gostartamos de agradecer ao Prot [Dr Heitor Vitor Mendonga Sica por nos ter estimulado a eserever este texto e plas valiosas sugestoes para seu aprimorament, Natualmente, os defeitos que subsistem sio de nossa sntcita responsabilidad. 1, GL LUZZATTO. Giarsdisione. 1. Storia.) Dito romano Encode Dito XI (Giant), Milano: Gio, 1986, p. 190-199, aguip. 191, Para A. Biseard, "so diversas as ‘sferas da iii eda jurisdic ese menos vastos, mas elevado. terri daquel.” (A. BISCARDI. La protein intel wel procs rama, Padova: CEDAM, 1938, p. 56) 134 | eounnoo Henn avsert uma obviedade, trata-se, em verdade, de diretriz metodologica extremamente ‘exigente: postular a alteridade para afastar o anacronismo.? dificuldade parti ‘cular reside em que, a despeito de ser uma cultura juridica radicalmente distinta da nossa, a cultura romana produziu reflexdes sobre o fendmeno juridico que ‘exercem duradoura influéncia na definigto do horizonte de compreensio de ‘nossa propria cultura juridica’, lezando-nos mesmo vocabulirio com que nos expressamos.' Ao mesmo tempo, talvez nessa particularidade se encontre a pos- sibilidade e mesmo a pertinéncia de um discurso sobre o direito romano” Reconhecendo no direito, naesteira dessas consideragdes, um fato,* ou um, produto, “historico, esta investigagio se debrugara sobre os conceitos romanos de iarisdcto, em necessitio didlogo com os conceitos modernos de jurisdic. Esse tratamento partir dedois postulados,quese buscarirealizarna medida do que permite brevidade do texto, O primeiro €ode que as concepedesjuridicas sio insepariveis da sociedade sobre a qual se estruturam, existindo antes como “sistematizacio do dado de fato fenoménico na consciéncia juridica da época.” (O segundo postulado é 0 de que acorrespondéncia entre o fato € o conceito ndo um jogo de espelhamento;antes, os sentidos das palavrasse transformam como elementos de um sistema nocional—sejam conceitos, sejam palavrascom menor nivel de determinacio" —articulado problematicamente ao dado fenoménico." “0 direto romano, assim, deve serinteiumenteresituido 0 mundo antiga” (ML. BRETONE Storia de dito roman 2a digo, Bar: Laverza, 1995, p. 29) “O historiador do direito romano indaga uma experignca que deu forma i cvizago jurica ‘europe, mas da qual hoje estamos separados por uma distinct enorme.” (M. BRETONE, Storia del dito rama, ci, p. 30) 4, Por isso mesmo, ¢ preciso tar este vocabulrio “como a ctiqueta, desde agora consagrada, de um conteido a ser definido,” (ML. BLOCH. La sn dal ~ me I, Pais: Albin Michel, 1939,p.3), 5. R-ZIMMERMANN. Roman Law and Eaopean Culture. Nar Zalnd Lam Reon psis72 6. ABISCARDI. Login ul prt romano anti catin Torinn: G. Gappichel, 1968. 364 DE MARTINO. La grin! dito rman, Padows: CEDAM, 1937, p. 111 8. A. SCHIAVONE: Line storia de pons grid romana Torino: Giappiche, 1994.58. 9. A. BISCARDL, Legion! al proaun romana, op itp. 159. Nio se adota, no entanto, a visio antiealsa segundo a qual“ construc de princpios dgmiticos € sempre um fat reflex relaivamente a realidade das istraicesjuricas e poticas” (F- DE MARTINO, La gir dion os itp. 362) E preciso manipular uma interago aka. 10. Sob todo esse problema, ef. K. LARENZ. Mobos da imi do drat, 6n edigio [1991] trad. J. LAMEGO. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2012, , 621-697, especialmente. 624.¢ 650.655 11. Um dos aspectos dessa artculagho problemitia reside em que o sistema conceitual aio recesaramente muda em todo os poatos, Ho loge mae o dado fenoménica, Como ln 007, ‘.CONCETO RONANO DE LRISOICTIOE A CULTURA PROCESSUAL conremPoRANca | 135 _ Aporcio central deste texto (item 3) consiste em uma anilise de fontes pri- jas com potencial de esclarecer as mudaneas de sentido de iurisditio ao longo experiéncia romana. De modo a atender aos postulados teéricos enunciados ra, a anilise sera conduzida de forma articulada com as transformagdes na Spria estrutura do processo romano (dado fenoménico de que se ocupa o sm 2) € com as transformagdes correlatas na nocao imperium (item 3.3), 0 que ‘mite vislumbrar as mudancas de modo duplamente sistemitico. Antes de lentrar o cerne do texto, sondar-se-a, com apoio na bibliografia,o terreno sobre ‘nogdes contemporineas de jurisdiclo (item 1), para que, em conclusio (item 9), verifique-se, enfim, em que medida a alteridade romana pode ser utilmente, ja necessariamente, posta em didlogo com nossa propria experiéncia. Um tiltimo caveat metodologico se impde. As fontes romanas apresentam jemas complexos para o historiador do direito, na medida em que pouco ‘material chegou até o dia presente de modlo seguramente inalterado,"*e 0 quanto sobreviveu na forma original é lcunoso ¢ fragmentirio.”” Baste dizer que quase a inrisprudentiacissica nosalcancou por meio da compilacio justinianeia, com JinterpolagGes pos-clissicas—justinianeias ounaio—que atormentaram porlongo. ‘tempo a romanistica."* Em estudo como o presente,” ocupado com mutagdes “nos usos.¢ sentidos das palavras, excertos das recolhas pés-chissicass6 podem ser ‘usados de forma restritae, sobretudo, critica. Daia preferéncia que se verificar ‘por fontes nao atreladas 20 esforco compilat6rio bizantino eo tratamento de ‘ra Laura, hi concetos que “perdi su acepeio origndsae wenicaerecebida uma now profundamente divers, conserearam-se por fora de traic e ainda servem para enquadear (Gem ou mal) as relages urdicas” (M. LAURIA. Tursdicto In: E. ALBERTARIO; P. CIA PESSONI; P:DE FRANCISCI (ong). din oor tro Banfi md XI anu ding Valen Tl Milano: FateliTreves, 1930, p. 479-538, aqui p. 538) 12, WENGER. Die Quel de rmssen Rect, Wien: Adolf HHolzhausens, (953. 13, ‘Tenativa de recolha comprcensiva nas Fant lars Romani Antena, cm tts volumes: S. RICCOBONO (ed). Fine aris Romani Antintinian. I~ Lay, a eich, Firenze: Barber, 1941; | BAVIERA; C. FERRINI; | FURLANI (ed). Fontes Tais Romoni Antenna I~ Anstores Les Seals. 2a eligi. Firenze: Barbers, 1940; V. ARANGIO-RUIZ (ed). Fates lars Roman Antti. I~ Neti Firenze: Barbera, 1943. 14, Permanecem fundamentais para toda pesquisa preocupada com esse problema: L. MITES; E.LEVYSE. RABEL (ong) Index iepotinam quae in Isinin’ Digests ise dct. Wit Balas, 1929-1935. 3 volumes e Suplomentu 15, Phra uma apreventacio do histrico de pesquiss sobre interpolagies nas Fontes ustinane ‘cum enquadeamento movderno do problema M. KASER. Ein Jahehundert Interpolationen forschung an den rmischen Rechtsquelen Ine M.KASER. Raich Rcd und amend Jusencbad ien/ Kl /Grar: Bahlas, 1986p. 112-154;D, JOHNSTON Justinian’ Diges the interpretation of interpolation, Oxford Jornal of Lagu Sadi, 9,2, 1989, p. 149-16,