Você está na página 1de 48

ENG04466 – Instalações Elétricas

AULA 8
Prof MSc Igor Pasa
Estrutura da aula

Documentação de um projeto elétrico

Memorial Descritivo

Entrada de Energia(BT)

Medições em baixa tensão (BT)


2
Projeto Elétrico
 O projeto elétrico deve ser apresentado a concessionária local nas seguintes
situações:
 Unidade consumidora com carga instalada superior a 75kW
(Projeto e Documentação conforme RIC MT);
• Edificação de múltiplas unidades consumidoras;
• Agrupamentos não pertencentes à edificação de múltiplas unidades não previstas no
item 5.3.3
– A ligação das unidades consumidoras que atendam as condições previstas no
ANEXO Z, não depende de apresentação de projeto, desde que a proteção geral fique
limitada a 70A, com condutor do ramal de entrada de 25mm2 na tensão de 220/127V
ou 50A e 10mm2 na tensão de 380/220V.
• Todas as demais situações não previstas no ANEXO Z dependem de
encaminhamento de projeto para análise e liberação de carga.

3
Resumo de Documentos Projeto BT
• Conjunto de Plantas (esc 1:50)
• Convenções
• Quadro de cargas
• Desenho do painel de medidores (esc 1:20)
• Esquemas elétricos
– Coluna montante incluindo o painel de medição
– Quadro de Distribuição (QD), indicando
• os circuitos com a ligação das fases
• seção dos condutores
• capacidade dos disjuntores
• Conjunto de informações técnicas
– Dimensionamento dos circuitos com o cálculo dos condutores e disjuntores*
– Dimensionamento dos eletrodutos*
• Informações com detalhamento do projeto
Resumo

4
Resumo de Documentos Projeto BT
Plantas conjunto resumido
Plantas unifilares (esc 1:50)
– arquitetônicas com detalhes das ligações e dimensionamentos (condutores,
eletrodutos, proteções)
– cortes da residência e/ou apartamentos, condomínios mostrando detalhes de ligações
e subida/descida de eletrodutos
– colunas montantes
• Cortes arquitetônicos – esc. 1:50
– do condomínio
– da coluna montante com detalhes
• Planta com os detalhes (esc. 1:100 ou 1:50)
– da entrada, desde a rede de distribuição, até o painel de medição do edifício
• Planta com detalhes do painel de medição e aterramento

5
Resumo de Documentos Projeto BT
Plantas conjunto detalhado
Planta de situação da edificação e do lote, em relação aos quarteirões e ruas
adjacentes, com indicação da área de construção, indicação do norte geográfico,
preferencialmente, em escala 1:1000;
• Planta de localização em escala 1:100 ou 1:50 com detalhes da entrada de serviço:
dimensões, trajeto dos eletrodutos, disposição das caixas de passagem (com
detalhamento em perfil quando aparentes), local da instalação da medição e da
subestação (quando houver), condições de acesso de equipamento e pessoal e
informações complementares;
• Planta com detalhes da instalação, do ponto de entrega às medições, principais
características dos materiais e equipamentos, seção dos condutores e barramentos,
diâmetro dos eletrodutos, intertravamento(s), sem escala;
• Planta com desenho dos painéis, detalhes da instalação, da CED, CD(s) e CPs, da
medição, dos condutores e eletrodutos, espaços destinados para instalação dos TCs,
indicação das dimensões do painel, identificação e demanda das unidades
consumidoras em escala 1:20;
• Planta urbanística das edificações de múltiplas unidades consumidoras, aprovada
pelo(s) órgão(s) público(s);
6
Resumo de Documentos Projeto BT
Informações técnicas
Descrição sumária da obra (nome do proprietário e/ou condomínio, ramo de atividade,
área construída, localização, nº de pavimentos, nº de apartamentos, lojas, etc.);
– Descrição da entrada de serviço de energia elétrica;
– Especificação da tensão de fornecimento, seção dos condutores (mm2), caixas de
passagem, etc.;
– Especificação do centro(s) de medição;
– Especificação da proteção geral (tensão, corrente e capacidade de interrupção);
– Especificação do sistema de aterramento;
– Especificação da carga instalada na unidade consumidora e total da edificação;
– Cálculo da demanda,(conforme item 7.2) e de queda de tensão, conforme ANEXO
X;
– Cálculo das correntes de curto-circuito no ponto de instalação de proteção geral;
– Especificação de materiais e equipamentos utilizados na entrada de serviço;
– ART e Identificação e assinatura do responsável técnico.
Documentos
7
Apresentação projeto RIC MT

8
Apresentação projeto RIC MT

9
Exemplo Planta de Situação

10
Exemplo planta com Detalhes
da Entrada

Na planta devem ser


especificadas as
distâncias, bitola dos
condutores, dos
eletrodutos e da haste
de aterramento.

11
Exemplo com detalhes da Medição

12
Exemplo com detalhes da Medição

13
Instalação da medição
a) Em cada unidade consumidora;

b) Em unidade consumidora que for subdividida, as instalações elétricas internas devem ser
adaptadas, pelo interessado, de forma a permitir uma medição para cada unidade que
resultar da subdivisão;

c) Em unidades consumidoras unificadas, as instalações elétricas internas devem ser


adaptadas, pelo interessado, de forma a permitir uma única medição;

d) Em edificações de múltiplas unidades consumidoras, a área de uso comum deve ter


medição própria e ser de responsabilidade do condomínio, da administração ou um dos
proprietários da edificação;

e) Para instalação de mais de um centro de medição, o mesmo deve prever o atendimento de


mais de quinze unidades consumidoras. Em cada centro deve ser previsto um número
mínimo de oito unidades consumidoras.
14
Localização da medição
a) Individual
• Na propriedade do consumidor, no máximo a 0,5m do alinhamento da
via
pública (ver figura 3), exceto em áreas rurais em que a rede de distribuição
da distribuidora estiver dentro da propriedade do consumidor;

• No muro, mureta, poste particular ou na edificação, de livre e fácil acesso


da distribuidora (ver figura 5A a12);

• Embutido no corpo da edificação, com a frente voltada para a via pública,


em edificações construídas junto ao limite da propriedade com a mesma,
utilizando caixa de medição (ver figura 10);

• Embutido no corpo do muro ou mureta, com o alinhamento da via pública


(fig.9B e 9C).

15
Localização da medição
b) Edificação de múltiplas unidades
• O quadro ou painel de medição deve estar localizado em área de uso comum, com
acesso independente e, sempre que possível tecnicamente, o mais próximo do limite
da propriedade com a via pública, ou seja, a 0,5m do alinhamento. Pode ser admitido
recuo maior quando:
– Houver exigência do poder público que estabeleça recuo mínimo entre a edificação e
o limite da propriedade.
Neste caso o ramal de entrada deve ser subterrâneo e o painel deve ser instalado
imediatamente após este recuo, sob duas formas:

• Externamente à edificação em posição frontal, na fachada ou lateral da mesma;

16
Localização da medição
Internamente à edificação desde que exista espaço interno disponível para uso
exclusivo dos equipamentos de medição e proteção, com porta de acesso,
preferencialmente, direto à área externa da edificação e com abertura para fora.
– Houver hall de entrada ou outra área de circulação interna de livre acesso ao(s)
painel(éis) de medição. Neste caso o projeto deve prever porta(s) extra(s), após o
centro de medição, para restringir o acesso às dependências internas da edificação,
excetuando-se os casos em que existam centros de medição em
pavimentos diferentes.
c) Agrupamento não pertencente à edificação de múltiplas unidades
• Devem estar localizados no muro, mureta ou poste particular, em área comum, no
máximo a 0,5m do limite de propriedade com a via pública, utilizando
compartimento
aberto ou fechado.

17
A medição não deve ser localizada
A medição não deve estar localizada em:
• Local de difícil acesso, com má iluminação e sem condições de
segurança;
• Escadarias;
• Pavimento superior de qualquer tipo de prédio com residência única;
• Interior de vitrines;
• Proximidades de máquinas, bombas, tanques e reservatórios;
• Local sujeito a gases corrosivos, inundações, poeira e trepidações
excessivas;
• Área entre prateleiras;
• Subsolos, vagas de garagem e depósitos.

18
RIC-BT Entrada Aérea e
medição

19
RIC-BT Entrada subterrânea e
medição

20
Poste
particular

21
Caixa e/ou painel de medidores

22
Caixa e/ou painel de medidores
Os modelos devem ser:
a) CI – Caixa Interna;
b) CLI – Caixa Lacrável Interna;
c) CE – Caixa Externa;
d) CLE – Caixa Lacrável Externa;
e) CPO – Caixa de Policarbonato ou Poliéster;
f) CPOL –Caixa de Policarbonato ou Poliéster com Lente;
g) CPOMD – Caixa de Policarbonato ou Poliéster com Módulo para Disjuntor
independente;
h) CPOM – Caixa de Policarbonato ou Poliéster Modulada. Observações:
1 Os modelos CI e CLI devem ser usados embutidos em parede, muro ou mureta.
2 Os modelos CE e CLE devem ser usados em locais sujeitos a intempérie, junto ao
poste e parede.
3 Os modelos CLI, CLE, CPO, CPOL, CPOMD e CPOM dispensam o uso de CP.
4 Os modelos CPO, CPOMD e CPOM podem ser usados embutidos ou ao tempo.
Quando frontal, no alinhamento com a via pública, necessariamente embutidos.
5 O modelo CPOL deve ser usado nas situações previstas no item 6.1.3.
6 Os modelos CPO, CPOMD e CPOM não devem ser usados quando os condutores do
ramal de entrada forem de seção superior a 25mm2.
23
Caixa de medidores Consumidor
Individual

24
Entrada de Energia

25
Entrada de Energia

26
Entrada de Energia

27
Entrada de Energia

28
Entrada de Energia

29
Entrada de Energia

30
Entrada de Energia

31
Entrada de Energia

32
Entrada de Energia

33
Entrada de Energia

34
Entrada de Energia

35
Entrada de Energia

36
Entrada de Energia

37
Entrada de Energia

38
Entrada de Energia

39
Entrada de Energia

40
Entrada de Energia

41
Entrada de Energia

42
Entrada de Energia

43
Entrada de Energia

44
Entrada de Energia

45
Entrada de Energia

46
Entrada de Energia

47
Perguntas
 Qual é a distância que a medição aérea individual
deve ser situar?
 Porque o ponto de entrega e a entrada de energia é
padronizado?
 Na entrada aéra, qual a altura dos condutores no
que concerne a passagem de veículos?
 O que é medição direta e indireta? Em BT qual a
condição que aplica um a ou outra?
 Em MT a partir de qual potência da SE deve ser
comandado a proteção através dos relé com função
50 e 51?
48