Você está na página 1de 39

Ecossistemas Degradados

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Custo Social

Tragédias sociais como a fome, podem ser resultado


da perda de áreas férteis, da extinção recursos
pesqueiros, da falta de água para irrigação, entre
outras causas.
Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental
Desenvolvimento Sustentável

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Conceito de Ecossistema

• Odum, 2001
– “Qualquer unidade que inclua a totalidade dos organismos (isto é,
a comunidade) de uma área determinada interagindo com o
ambiente físico por forma a que uma corrente de energia conduza
a uma estrutura trófica, a uma diversidade biótica e a ciclo
materiais (isto é, troca de materiais entre as partes vivas e ‘não
vivas) claramente definidos dentro do sistema é um sistema
ecológico ou ecossistema.

• Ricklefs, 2001
– “Os conjuntos de organismos com seus ambientes físicos e
químicos formam um ecossistema.”

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Componentes dos Ecossistemas
1. Substâncias inorgânicas (C, N, CO2, H2O, etc)
Estão envolvidas nos ciclos de materiais.

2. Compostos orgânicos (proteínas, glicídios, subst. húmicas, etc)


Interligam o biótico com o abiótico.

3. Regime climático (temperatura, ventos, salinidade, etc)


Configuram o meio abiótico e interferem no ciclos de vida.

4. Produtores (organismos autotróficos, especialmente plantas)


São capazes de elaborar alimentos a partir de substâncias
inorgânicas simples.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Componentes dos Ecossistemas
5. Macroconsumidores ou fagótrofos (organismos heterótrofos,
especialmente animais)
Ingerem outros organismos ou matéria orgânica em partículas.

6. Microconsumidores ou saprótrofos (organismos heterótrofos,


sobretudo bactérias e fungos)
Realizam a ‘demolição’ dos compostos complexos dos
protoplasmas mortos, absorvem alguns dos produtos da
decomposição e liberam nutrientes inorgânicos suceptíveis à
utilização pelos produtores.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Seres Vivos - Cinco Reinos

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Modelo de Ecossistema

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Interações Tróficas
• Odum, 2001
– “A transferência da energia alimentar, desde a fonte nas
plantas, através de uma série de organismos com a
repetição dos fenômenos de comer e ser comido é
designado cadeia alimentar.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Interações Tróficas
• Odum, 2001
– “As cadeias alimentares não são seqüências isoladas, mas
encontram-se interligadas entre si. Este padrão entrelaçado
é com freqüência designado por teia alimentar.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Interações Tróficas

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Níveis tróficos

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Níveis tróficos

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Produtividade nos Ecossistemas

• Produção primária bruta


– é a energia total assimilada pelo organismo.

• Produção primária líquida


– é a energia acumulada na biomassa do
organismo, e que está disponível para o nível
trófico seguinte.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Produtividade nos Ecossistemas

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Fluxo de energia

• Apenas 5% a 20% da energia presente em um determinado


nível trófico é transferida para o nível trófico seguinte.
– Eficência da cadeia alimentar: é a percentagem da energia
transferida de um nível trófico para outro.
– Eficiência da assimilação: é a razão entre a assimilação e a
ingestão, geralmente expressa em percentagem.

• A energia atravessa os ecossistemas em velocidades


diferentes.
– Quanto maior o tempo de residência, maior é a acumulação
de energia.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Balanço energético
EQUILÍBRIO ENTRE DÉBITOS E CRÉDITOS
• Créditos:
– Entradas autóctones: materiais orgânicos produzidos dentro dos
ecossistemas. Ex. fotossíntese.
– Entradas alóctones: materiais orgânicos produzidos fora do
ecossistema. Ex. deposição de matéria vegetal em lagos.

• Débitos:
– Irradiação térmica: os seres vivos são como as máquinas,
eliminam parte da energia contida nos combustíveis na forma de
calor extravasado para o meio. Ex. respiração
– Exportação: são materiais produzidos em um ecossistema e
transportados para outro. Ex. material proveniente de rios,
eliminados no mar.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Fotossíntese
Cada pigmento fotossintetizante é adequado para uma
determinada faixa do espectro visível.
– Algas verdes: menores profundidades.
– Algas pardas: profundidades intermediárias.
– Algas vermelhas: maiores profundidades.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Equações

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Decomposição
• Resultante de processos bióticos (ex. fungos e bactérias)
e abióticos (ex. fogo).

• Etapas:
– Particulação
– Produção de húmus e liberação de elementos
orgânicos solúveis (organismos saprofágos)
– Mineralização do húmus

• Os produtos da decomposição são substrato para a


cadeia de detritos

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Homeostasia dos ecossistemas

Segundo Odum, 2001

Os ecossistemas, tais como as populações, os organismos e


seus componentes são capazes de automanutenção e de auto
regulação. Assim a cibernética (kybernetes = timoneiro ou
piloto), ciência do controle, tem uma importanteaplicação em
ecologia, uma vez que o homem tende, de forma crescente, a
romper os controles naturais, ou tentar substituir os
mecanismos naturais por outros artificiais. Homeostasia (homeo
= igual; stasis = equilíbrio) é o termo geralmente utilizado para
traduzir a tendência que os sistemas biológicos têm para resistir
à alteração e permanecer em estado de equilíbrio.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Homeostasia dos ecossistemas
"É um conjunto de fenômenos que têm lugar e interferem nos
ecossistemas, ou mesmo em certos organismos, corrige desvios,
elimina excessos, controlando forças antagônicas, introduzindo
por vezes fatores novos, procurando sempre manter o conjunto
em equilíbrio e funcionamento correto e normal. Os mecanismos
homeostáticos são feedbacks dos ecossistemas. A homeostasia é
também um processo de auto?regulagem, pelo qual os sistemas
biológicos ? como células e organismos ? trabalham para a
manutenção da estabilidade do ecossistema pelo ajuste das
condições necessárias para um ótimo de sobrevivência"
(Carvalho, 1981).

"Quanto mais complexos os ecossistemas, maior tendência


apresentam à estabilidade, isto é, a uma independência cada vez
mais acentuada com relação às perturbações de origem externa.
Esta tendência à estabilidade chama-se homeostasia" (Dajoz,
1973).

"Tendência de os sistemas biológicos a resistir a alterações e


permanecer em estado de equilíbrio dinâmico" (Hurtubia, 1980).

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Lembrem-se!

...homem tende, de forma crescente, a


romper os controles naturais, ou tentar
substituir os mecanismos naturais por
outros artificiais.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Populações humanas

Em condições ambientais favoráveis as populações tendem a


crescer...

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Crescimento populacional

CRESCIMENTO POPULACIONAL E LONGEVIDADE SÃO


RELACIONADOS.

• Quanto maior a expectativa de vida maiores são as chances de


sucesso reprodutivo.

• Os grandes fatores que favoreceram o aumento populacional foram a


fabricação de ferramentas, a revolução na agricultura e a revolução
industrial.

• Vários fatores contribuíram para aumentar a expectativa de vida da


população: o maior avanço foram os antibióticos.

• Também podemos destacar: os avanços na produção de alimentos; a


energia elétrica e a conseqüente climatização de ambientes.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Crescimento populacional

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


A teoria Malthusiana

• Malthus acreditava que a produção de alimentos crescia em


progressão aritmética, enquanto as populações cresciam em
progressão geométrica.

• Resultado: AS POPULAÇÕES HUMANAS MORRERIAM DE FOME...


ERA UMA QUESTÃO DE TEMPO!

• Felizmente Malthus não contava com avanços como a monocultura e a


criação intensiva de animais.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Há limites para o crescimento
populacional...

Apesar dos avanços, a produção de alimentos não pode


aumentar indefinidamente... Faltam outros subsídios como:
solos férteis, mão de obra, escassez de combustíveis. A fome
persiste!
Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental
Controle populacional...

O homem ao melhorar suas condições de sobrevivência passa


a ter seu crescimento demográfico controlado por fatores que
seriam atípicos na maioria das espécies, como a desigualdade
social e as guerras.
Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental
Controle populacional...

• Não desanimem... Ainda


existem as doenças!

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Controle populacional...

O controle populacional constitui preocupação desde os tempos


antigos...

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Hoje temos estratégias mais
amenas...

Cresce a procura por meios


contraceptivos...

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Qual era mesmo o assunto do
qual estávamos falando???

HOMEOSTASIA DOS ECOSSISTEMAS

É a manutenção do equilíbrio interno de um


sistema biológico (célula, organismo,
ecossistema), através de respostas controladas a
alterações que podem se originar dentro ou fora
do sistema.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Estratégias reprodutivas

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Estratégias reprodutivas

• r estrategistas (generalistas) – podem ser microscópicos ou de tamanho reduzido.


Possuem alto potencial biótico e apresentam altas taxas de natalidade e mortalidade.
Sua população mantém um crescimento exponencial e depois cai abruptamente,
retornando a crescer e depois cair. As espécies com estas características são típicas
de locais pouco estáveis ou que possuam grandes limitações a sobrevivência
(desertos, geleiras, rochas nuas, zonas intermarés, poças temporárias. Também nos
esgotos e depósitos de lixo). São oportunistas e capazes de ocupar novos hábitats,
caracterizam-se por sua rapidez no processo. São pouco exigentes do ponto de vista
ambiental. São colonizadores, possuindo relevante papel na sucessão
ecológica.Produzem grande quantidade de descendentes, que unitariamente
possuem poucas chances de sobrevivência, apostam na ‘possibilidade da sorte’.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Estratégias reprodutivas

• K estrategistas (especialistas)
- são os animais e grandes
plantas de grande longevidade.
As suas populações se mantém
em pequenos ciclos de altos e
baixos, contudo possuem uma
máxima densidade d qual não
costumam passar. Habitam
ecossistemas estáveis ou
após os estágios primários
da sucessão ecológica
(florestas, recifes de corais).
Possuem grande competência
ecológica e longevidade, mas
um número reduzido de
descendentes.

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Predador X Presa

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Predador X Presa

Relação recente - instável

Relação antiga - estabilizada

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental


Concluímos que...

Os ecossistemas sadios possuem


capacidade de auto regulação, isto pode ser
demonstrado nos aspectos tróficos, nos
aspectos reprodutivos e, nas relações entre
os seres vivos e destes com o ambiente...

Profª. Sonia Rodrigues, MSc. – Curso de Especialização Engenharia Sanitária e Ambiental