Você está na página 1de 6

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS – AULA 01

ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICO CIVIS DO ESTADO DO CEARÁ


– LEI 9.826/74

Prova anterior – 10 questões sobre legislação específica (5 questões


sobre a Portaria 240/2010 - REGIMENTO GERAL DOS
ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS DO CEARÁ, 4 questões sobre a Lei
9.826/74- ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICO CIVIS DO ESTADO
DO CEARÁ e 1 questão sobre a lei 14.582/09 – Carreira de guara
penitenciária

Questões sobre Lei 9.826/74: 2 questões sobre aposentadoria (Título V), 1


sobre direitos e deveres (Título IV e V), 1 sobre regime disciplinar (Título VI).

Prova atual – 12 questões

1. Direitos (Título IV – arts. 67 a 149)


2. Deveres (Título VI, Capítulo II – Arts. 190 a 192)
3. Regime disciplinar (Título VI – Arts. 174 a 233)
A lei – 258 artigos, divididos em 7 títulos (Regime Jurídico; Provimento dos
cargos; Extinção e suspensão do vínculo funcional; Direitos, Vantagens e
Autorizações; Da Previdência e da Assistência; Do Regime Disciplinar;
Disposições finais)

TÍTULO I
Do Regime Jurídico do Funcionário

Art. 1º - Regime Jurídico do Funcionário Civil é o conjunto de normas e


princípios, estabelecidos por este Estatuto e legislação complementar,
reguladores das relações entre o Estado e o ocupante de cargo público.

 Faz parte do Regime Jurídico todas as leis e normas que tratem da


carreira do servidor, bem como os Princípios do Direito
Administrativo.

Art. 2º - Aplicação:
I - aos funcionários do Poder Executivo;
II - aos funcionários autárquicos do Estado;
III - aos funcionários administrativos do Poder Legislativo;
*IV - aos funcionários administrativos do Tribunal de Contas do Estado
e do Conselho de Contas dos Municípios.

 A lei excluiu da sua disciplina os servidores do Poder Judiciário


Estadual e do Ministério Público Estadual, embora estes sejam
também servidores civis do Estado do Ceará. Tais carreiras são
disciplinadas por leis e normativas próprias. Também nesse
sentido os servidores de natureza não civil (PM, Bombeiros).
 É aplicável aos servidores administrativos da Procuradoria Geral de
Justiça.

Art. 4º, parágrafo único:


 Alguns servidores do estado são regidos pela CLT. Ex.: CAGECE. Em
geral, as sociedades de economia mista, empresas públicas, etc.
Art. 5º
 Autarquias:
AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DO CEARÁ (ADAGRI)
AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS PÚBLICOS DELEGADOS DO
ESTADO DO CEARÁ (ARCE)
DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E ENGENHARIA (DAE)
DEPARTAMENTO ESTADUAL DE RODOVIAS (DER)
DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO CEARÁ (DETRAN-CE)
ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ (ESP-CE)
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DAS CIDADES DO
CEARÁ (IDECI)
INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ
(IPECE)
INSTITUTO DE SAÚDE DOS SERVIDORES DO ESTADO DO CEARÁ
(ISSEC)
INSTITUTO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DO CEARÁ (IDACE)
JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO CEARÁ (JUCEC)
SUPERINTENDÊNCIA DE OBRAS HIDRÁULICAS (SOHIDRA)
SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (SEMACE)
 Economia mista:
AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO CEARÁ S.A. (ADECE)
CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO CEARÁ S/A (CEASA)
COMPANHIA CEARENSE DE TRANSPORTES METROPOLITANOS
(METROFOR)
COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DO CEARÁ (CAGECE)
COMPANHIA DE GÁS DO CEARÁ (CEGÁS)
COMPANHIA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS (COGERH)
COMPANHIA DE INTEGRAÇÃO PORTUÁRIA DO CEARÁ (CEARÁPORTOS)
 Empresas públicas:
EMPRESA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL DO CEARÁ
(EMATERCE)
EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO CEARÁ (ETICE)
 Fundações:
FUNDAÇÃO CEARENSE DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E
TECNOLÓGICO (FUNCAP)
FUNDAÇÃO CEARENSE DE METEOROLOGIA E RECURSOS HÍDRICOS
(FUNCEME)

TÍTULO II
Do Provimento dos Cargos

Art. 6º - Provimento é o ato administrativo de preenchimento de cargo


público.
 princípio da acessibilidade aos cargos públicos (estabelecido no inciso I
do artigo 37, CF/88).
 A ampla acessibilidade aos cargos públicos por todos aqueles que
preencham os requisitos estabelecidos em lei deve estar em
consonância ainda princípios constitucionais da isonomia e da
igualdade.
 Isonomia: Quando as situações são iguais, deve ser dado um
tratamento igual, mas quando as situações são diferentes é importante
que haja um tratamento diferenciado. “tratar igualmente os iguais e
desigualmente os desiguais na medida em que eles se desigualam". Ver
cotas para negros, deficientes, etc.

Art. 7º

 Efetivos: São servidores públicos efetivos as pessoas físicas que


prestam serviços ao Estado e às entidades da Administração Indireta,
com vínculo empregatício permanente e mediante remuneração paga
direta ou indiretamente pelos cofres públicos.
 as funções de confiança são exercidas exclusivamente por servidores
ocupantes de cargo efetivo. Os cargos em comissão são preenchidos
por servidores de carreira (art. 37, V, CF)
Art. 8º - notório saber, reputação ilibada, etc. (Emenda a constituição em 2012
proíbe “ficha suja” - pessoas condenadas por atos de improbidade
administrativa ou crimes contra a Administração Pública, hediondos, eleitorais,
entre outros - ocupem cargos “de livre nomeação” nos poderes Executivo,
Legislativo e Judiciário do Estado do Ceará)

Art. 8º, § 1º - nomeação de servidor do Estado – requisição do chefe de um


órgão a outro.
 Nomeação de servidor público de outro ente público – realização de
convênio, mediante elaboração de normativa específica.
 § 3º - regra da não acumulação dos cargos efetivo e em comissão,
ressalvadas as permissões constitucionais e a compatibilidade de
horários.

Art. 9º - modos de provimento dos cargos públicos:


I – Nomeação - Cargo Efetivo: pressupõe a aprovação em concurso público de
provas ou de provas e Títulos – sabemos que a aprovação em concurso NÃO
ENSEJA O DIREITO ADQUIRIDO À NOMEAÇÃO.
II – Promoção - é a elevação de um Servidor de uma classe para outra dentro
de uma mesma carreira. Com isso, houve a vacância de um cargo inferior e
conseqüentemente o provimento do cargo superior.
III – acesso - significava a passagem de uma carreira para outra. É
inconstitucional segundo entendimento do STF.
IV – transferência - era a passagem de um Servidor de um quadro para outro
dentro de um mesmo poder, também era uma forma de vacância e de
provimento. Implicava em uma mudança de um quadro para outro, ferindo
uma norma constitucional.
V – reintegração - é o retorno ao Serviço Ativo do Servidor que fora demitido,
quando a demissão for anulada administrativamente ou judicialmente, voltando
para o mesmo cargo que ocupava anteriormente. Dá-se com o ressarcimento
de todas as vantagens que o servidor deixou de receber durante o período em
que esteve afastado.
VI – aproveitamento - é o retorno ao Serviço Ativo do Servidor que se
encontrava em disponibilidade e foi aproveitado – deve realizar-se em cargo
semelhante àquele anteriormente ocupado. A Administração deve realizar o
aproveitamento de forma prioritária, antes mesmo de realizar concurso para
aquele cargo.
VII – reversão - é o retorno ao Serviço Ativo do Servidor aposentado por
invalidez quando insubsistentes os motivos da aposentadoria – pode acontecer
para o mesmo cargo se ele ainda estiver vago ou para um outro semelhante.
Se não houver cargo vago, o Servidor que reverter ficará como EXCEDENTE,
a disposição do ente público ao qual é vinculado.
VIII – transposição - forma de reestruturação e realocação de servidores, em
alguns casos simplesmente transportando determinados cargos com seus
titulares para outra carreira, em outros, transformando cargo anterior em um
novo, com atribuições diversas das do primeiro, e até mesmo por inclusão de
novas atribuições ao cargo anterior. Inconstitucional nos termos da sumula
vinculante 43 do STF.
IX – transformação - transformar cargos vagos ou carreiras em extinção, em
ordem a zelar pela eficiência administrativa, da mesma forma que é forçoso
ainda agrupar sob igual denominação muitos cargos de atribuições e patamar
remuneratório e requisitos de provimento assemelhados, mas com distribuição
desuniforme no seio do funcionalismo.

Súmula Vinculante 43 - É inconstitucional toda modalidade de provimento que


propicie ao servidor investir-se, sem prévia aprovação em concurso público
destinado ao seu provimento, em cargo que não integra a carreira na qual
anteriormente investido.

Art. 10 – todo provimento pressupõe a existência de um cargo público vago,


seja porque foi criado novos cargos por lei, ou porque cargos já existentes
ficaram vagos.