Você está na página 1de 11

72

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

Projetos Afetivo-Sexuais por Adolescentes e seus Pais

Sexual-Affective Projects by Adolescents and their Parents

Márcia Stengel1

Stella Maria Poletti Simionato Tozo2

Resumo
Este artigo discute como adolescentes de camadas médias e seus pais compreendem as relações afetivo-sexuais adolescentes, quais são os
projetos afetivos dos filhos, as expectativas dos pais e os ideais de parceiros. A adolescência tem características específicas, tendo os
adolescentes uma atitude ativa como agentes socioculturais. Alterações ocasionadas pela adolescência vêm acompanhadas por modificações
na família contemporânea. Para compreender os projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais, foram realizadas entrevistas com
adolescentes das camadas médias de Belo Horizonte e com seus pais. Há coincidência entre projetos que os adolescentes fazem para si e os
que os pais fazem para seus filhos. O casamento e a parentalidade são desejados por ambos. Há descompasso entre pais e filhos quanto aos
relacionamentos afetivo-sexuais dos últimos. A família é desejada e avaliada positivamente pelos adolescentes e seus pais.

Palavras-chave: adolescência; pais; relações afetivo-sexuais; família.

Abstract
This article discusses how medium-class adolescents and their parents understand the sexual-affective relationships of the adolescents, what
are the affective projects of the children, their parents' expectations, and the ideal partners. Adolescence has specific characteristics, and the
adolescents have an active attitude as socio-cultural agents. Changes caused by adolescence are followed by modifications in the
contemporary family. To understand the sexual-affective projects of adolescents and of their parents, interviews were made with medium-
class adolescents of Belo Horizonte and their parents. There is a coincidence between the projects that the adolescents make for themselves
and those that the parents make for their children. Marriage and parenthood are desired by both. There is a difference between parents and
their children concerning the sexual-affective relationships of the adolescents. The family is desired and positively evaluated by the
adolescents and their parents.

Keywords: adolescence; parents; affective-sexual relations; family.

1
Professora do Programa de Pós-graduação de Psicologia da PUC Minas, Doutora em Ciências Sociais – UERJ. Endereço para
correspondência: Av. Itaú, 525, Dom Cabral, Belo Horizonte/MG, CEP: 30535-012. Endereço eletrônico: marciastengel@gmail.com
2
Professora Adjunta da Faculdade de Psicologia da PUC Minas, Doutora em Psicologia – USP. Endereço para correspondência: Rua
Netuno, 190, Santa Lúcia, Belo Horizonte/MG, CEP: 30360-490. Endereço Eletrônico: stellatozo@terra.com.br

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


73

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

Introdução Nesse movimento, o adolescente busca


reconhecimento. Para tal, faz uma passagem de um
A sociedade contemporânea passou por uma círculo mais restrito – a família – para um mais
série de transformações que alterou a família. Essas amplo. Nessa ocasião, o adolescente une-se aos
mudanças interferiram nas organizações familiares, iguais, pessoas que estão vivendo a mesma
nas formas e vivências de relações afetivo-sexuais e situação. O grupo de pares passa a ter um valor
no relacionamento parento-filial. A partir de preponderante, pois proporciona segurança e estima
pesquisa financiada pela Fapemig, este artigo pessoal, oferecendo um sentimento de
pretende discutir como adolescentes de camadas uniformidade. Assim, observamos os adolescentes
médias de Belo Horizonte e seus pais compreendem se vestirem da mesma forma, usar gírias próprias e
e significam as relações afetivo-sexuais comuns ao grupo, terem atitudes e comportamentos
adolescentes, quais são as expectativas dos pais e iguais, mas com a intenção de serem diferentes dos
quais os ideais de parceiros. outros e terem uma identidade própria. Essa
A adolescência é tradicionalmente uniformidade oferece proteção ao adolescente e,
caracterizada como uma fase de transição entre a por mais contraditório que possa parecer, um
infância e a idade adulta. Entretanto, temos que sentimento de unicidade.
considerá-la como um momento da vida com Essa nova posição que o adolescente ocupa no
características específicas, em que os adolescentes mundo trará remanejamentos no âmbito familiar. A
têm uma atitude ativa como agentes culturais e mudança na relação com os pais provoca uma
sociais e não apenas cristalizam e reestruturam contínua negociação entre pais e filhos, “no sentido
papéis aprendidos na infância. do estabelecimento das regras, obrigações e direitos
Ao fazer um histórico do surgimento da atinentes a cada um no espaço familiar” (Brandão,
adolescência, Ariès (1978) afirma que “A juventude 2004, p. 63).
apareceu como depositária de valores novos, Essas alterações na família, ocasionadas pela
capazes de reavivar uma sociedade velha e adolescência dos filhos, vêm acompanhadas das
esclerosada” (p. 47). Essa associação entre modificações na organização familiar
adolescência e inovação/renovação é uma ideia que contemporânea. É na medida em que consideramos
se faz presente em nossa sociedade. Justo (2005) a família como uma “instituição humana
afirma que o adolescente encarna o “espírito de duplamente universal, uma vez que associa um fato
renovação e progresso” manifesto na cultura de cultura, construído pela sociedade, a um fato de
brasileira. natureza, inscrito nas leis da reprodução biológica”
Calligaris (2000) argumenta que, em nossa (Roudinesco, 2003, p. 16), que podemos
cultura, a autonomia e a independência são valores compreender sua característica de mutabilidade. Em
centrais e exaltados. Nesse sentido, os pais outras palavras, a família é uma instituição que diz
transmitem a seus filhos ambição no sentido de não respeito à regulamentação social de atividades de
repetirem os mesmos status e vida que possuem. base biológica (o sexo e a reprodução) e, portanto, é
Em outros termos, os pais incentivam os filhos a passível de modificação.
desrespeitarem suas origens, não se conformando a Devemos partir da ideia de que a família se
elas e buscando se destacar socialmente. Esse altera devido a amplas variáveis sociais, ao
movimento pode provocar no adolescente o desejo momento histórico e à cultura em que está inserida.
pela inovação. Ao assimilar o que lhe é externo, a família modifica
Esse desejo vem associado à tarefa de e devolve à sociedade um novo produto, que, por
construção de uma identidade adulta. A sua vez, é alterado indefinidamente (Biasoli-Alves,
adolescência é caracterizada como um “processo 1995). A família descrita desse modo está sempre
marcado pela construção e conquista da em constante mudança, seja em sua organização ou
subjetividade e individualidade” (Macedo, Azevedo configuração.
& Castan, 2004, p. 20). Entretanto, esse processo Até meados dos anos 1960, o padrão de família
não é simples, especialmente porque a sociedade predominante nas camadas médias metropolitanas
transmite um duplo vínculo aos adolescentes. Por brasileiras era a família conjugal moderna
um lado, espera-se que o jovem busque autonomia, (Vaitsman, 1994), que coincide com o da família
mas continue dependente, sendo-lhe imposta a “moderna 1” proposto por Singly (2000). Havia
moratória (Calligaris, 2000) que se caracteriza por papéis e funções bem diferenciados para homens e
competições ratificadas e obrigações definidas e, do mulheres, que estavam a serviço do grupo familiar
mesmo modo, por uma tolerância especial que pode e das crianças. Esse modelo familiar era pautado
ser denominada status de aprendizagem. por relações hierárquicas. A instituição do
casamento, cuja base era o amor entre os cônjuges,

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


74

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

era valorizada e deveria durar até que a morte os É nesse contexto que o adolescente vive suas
separasse. primeiras experiências afetivo-sexuais e caminha
Atualmente, Singly (2000) escreve sobre o para o mundo adulto. As relações afetivas
modelo de família “individualista e relacional”. participam na organização de sua vida e na
Essa família “corresponde à instauração de um construção de sua identidade psicossocial.
compromisso entre as reivindicações dos indivíduos
em se tornarem autônomos e seus desejos de Método
continuar a viver, na esfera privada, com uma ou Participantes
várias pessoas próximas” (Singly, 2000, p. 15).
Essa família não é um rompimento radical em
relação à família tradicional anterior, mas uma Para a construção dos casos a serem estudados,
extensão, na medida em que se enfatiza mais o foram realizadas entrevistas com sete adolescentes,
amor, ou seja, agora o amor é condição e entre 15 e 19 anos, de ambos os sexos, das camadas
justificativa para que os cônjuges permaneçam médias de Belo Horizonte, e com quatro mães e um
juntos, dando ainda mais atenção às crianças. O pai dos adolescentes entrevistados. Os participantes
processo de individualização ganha mais foram escolhidos na rede de contato das
importância, transformando a família em um espaço pesquisadoras, seguindo os critérios descritos
privado a serviço dos indivíduos e tendo como abaixo para a composição dos casos. Esse número
elemento central os membros que a compõem. O de entrevistas foi suficiente para oferecer a
princípio que regula as relações em seu interior é a diversidade buscada e para propiciar uma análise
equivalência, promovendo o relacionamento dos aprofundada.
indivíduos a partir do ideal de igualdade e respeito, Entrevistamos adolescentes que fazem parte de
rompendo com a ideia de que as categorias famílias monoparentais femininas e nucleares, na
homem/mulher e adulto (pais)/criança (filhos) intenção de abarcar de forma mais abrangente o
sejam intrinsecamente diferentes. universo atual de modelos familiares, pois são esses
No entanto, esse modelo familiar leva a um os mais recorrentes. A caracterização dos
grau muito mais elevado de tensão do que o modelo entrevistados pelo nível socioeconômico deu-se de
tradicional, em diversas esferas. Assim, o amor, o acordo com a escolaridade e a profissão dos pais,
casamento, a família, a sexualidade e o trabalho, ou seja, pais que têm escolaridade superior ou
antes vividos segundo papéis preestabelecidos, segundo grau completo ou, ainda, cuja ocupação
passam a ser concebidos como parte de um projeto profissional é a de autônomo com empreendimento
em que o indivíduo conta decisivamente e adquire de médio porte ou profissional liberal. Esse critério
cada vez maior importância social. A manifestação se justifica tendo em vista o capital cultural e o
da individualidade marca o sentido das mudanças acesso a bens simbólicos que circulam nas famílias.
atuais, com implicações nas relações familiares, O Quadro 1 traz as informações sobre os
fundadas no princípio da reciprocidade e da entrevistados. No sentido de facilitar a leitura, os
hierarquia. Hoje, a predeterminação dos papéis e pais entrevistados (Alice, Artur, Cíntia, Marina,
funções sexuais, as obrigações entre pais e filhos, o Vivian) têm nomes fictícios com a letra inicial
exercício da autoridade e as questões dos direitos e correspondente à letra do nome fictício dos seus
deveres em família são objetos de constantes filhos (Ana, Beatriz, Carla, Diogo, Denise, Murilo,
negociações e são passíveis de serem revistos. Sarti Vítor).
(2003) comenta que se vive um tempo repleto de
alternativas e, ao mesmo tempo, muito normativo.

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


75

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

Quadro 1: Caracterização dos entrevistados

Escolaridade Idade/ Profissão do Escolaridad Idade/ Profissão da Estado civil


Entrevistado Idade Irmãos
do pai pai pai e da mãe mãe mãe dos pais
Carla 16 Ensino 44 Vendedor Ensino 46 Do lar Casados Uma irmã de
médio médio 15 anos
Beatriz 17 Ensino s/i Fazendeiro e Ensino s/i Fiscal do Casados Um irmão de
médio empresário superior INSS 12 anos e uma
irmã de 14
anos
Vítor 16 Ensino 43 Técnico da Ensino 48 Aposentada Separados Não tem
superior Receita médio da Receita
Federal Federal por
doença
Murilo 15 Pai -- -- Ensino 54 Do lar Viúva Irmão de 17
falecido médio anos
Denise 15 Ensino s/i Empresário s/i s/i s/i Casados Irmão gêmeo
superior (Diogo)
Ana 17 Ensino 40 Administrador Ensino 38 Contadora Casados Irmão de 12
superior financeiro superior anos
Diogo 15 Ensino s/i Empresário s/i s/i s/i Casados Irmã gêmea
superior (Denise)

Procedimento Essa é uma técnica privilegiada para tratar o


material recolhido, como apontado por Vala (1986),
Realizamos entrevistas semi-estruturadas por pois trata-se da
considerá-las as mais adequadas aos objetivos
propostos, pois proporcionam um diálogo desmontagem de um discurso e da produção de um
intensamente correspondido entre o entrevistador e novo discurso através de um processo de
localização-atribuição de traços de significação,
o entrevistado. Elas também possibilitam ao resultado de uma relação dinâmica entre as
entrevistador acrescentar novas perguntas, condições de produção do discurso a analisar e as
necessárias para aprofundar e clarear pontos condições de produção da análise. (p.104)
relevantes ao estudo (Moura, 1998).
As entrevistas foram gravadas e,
posteriormente, transcritas. Os participantes foram Análise e Discussão dos Dados
informados sobre os objetivos da pesquisa e
preencheram o Termo de Consentimento Livre e Relações afetivo-sexuais dos adolescentes e a
Esclarecido. Sua identificação foi mantida em sigilo visão dos pais sobre o tema
e, para tanto, nomes fictícios foram adotados.
A análise do material foi feita na perspectiva da Tanto os adolescentes quanto os pais
análise do discurso. Como lembra Pêcheux (1984)3: entrevistados falaram de dois tipos de relações
afetivo-sexuais presentes no cotidiano dos jovens: o
a análise de discurso não pretende se instituir como ficar e o namoro. O primeiro é um relacionamento
especialista da interpretação, dominando “o” sentido datado da década de 1980 e pautado pela falta de
dos textos; apenas pretende construir procedimentos compromisso entre os parceiros, pela efemeridade e
que exponham o olhar-leitor a níveis opacos à ação superficialidade. Pode ter a duração de uma noite,
estratégica de um sujeito (...). O desafio crucial é o uma festa ou um único encontro entre os parceiros
de construir interpretações, sem jamais neutralizá-
las, seja através de uma minúcia qualquer de um
(Stengel, 2003; Chaves, 1994), ou seja, sua duração
discurso sobre o discurso, seja no espaço lógico é a mesma que a duração daquele encontro (Justo,
estabilizado como pretensão universal. (p. 15-17) 2005). O ficar pode ir de um beijo e pela troca de
carícias até a relação sexual, apesar de esta não ser
muito presente nesse relacionamento.
O ficar é um tipo de relação bastante frequente
entre os adolescentes. Todos o conhecem, seja por
3
Citado por Maingueneau (1989, p. 11). experiência própria ou através de amigos,

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


76

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

promovendo a compreensão do que venha a ser esse descompromissada, com encontros esporádicos,
relacionamento e suas regras. Ainda que as regras mas que o pai caracteriza como um namoro:
não sejam, muitas vezes, claras ou definidas, elas
existem e são de conhecimento dos adolescentes. A A Ana tem, tem um menino que a gente brinca e
mais clara de todas é a falta de compromisso e de eu falo: ó, Ana, pode arrumar outro, senão cê vai
obrigação entre os parceiros (Matos, Féres-Carneiro ficar sem namorado, né. Porque ela, eles se
gostam, mas, é, fica, se encontram de 3 em 3
& Jablonsky, 2005). Desse modo, não é requerido meses, de 4 em 4 meses... Eles se conheceram na
que haja encontros posteriores, telefonemas ou e- escola técnica através de uma amiga, mas fica
mails. A fidelidade e o sentimento também não nesse... que eu saiba, ela não tem outro namorado
fazem parte do ficar (Stengel, 2003). (risos).
Na maioria das vezes, os adolescentes
consideram esse relacionamento pertinente apenas a Ainda que o ficar seja uma prática recorrente
um período da vida – quando mais novos, quando na vida dos jovens, nem sempre é o tipo de
estão sem namorados – mas não como o tipo ideal relacionamento desejado. Ele pode ser uma
de relação. Chaves (1994), em sua pesquisa, passagem para o namoro. Ao ficarem, muitos
mostrou que à medida que vão ficando mais velhos adolescentes têm a expectativa de namorar. Várias
os adolescentes não querem mais ficar com a pesquisas apontam a preferência pelo namoro entre
mesma frequência, sentem-se frustrados quando os adolescentes (Chaves, 1994; Mariano, 2001;
esse é o relacionamento básico no cotidiano e Stengel, 2003), o que não significa que eles não
preferem viver o ficar como ponte para um namoro. fiquem.
As razões para os adolescentes ficarem vão da O namoro é caracterizado como uma relação de
carência e solidão à exibição e ao ato de contar compromisso entre os parceiros e tem a
vantagem. O ficar é, também, uma forma de aquiescência de ambos. É esperada a presença de
conhecer novas pessoas e de possibilitar uma um sentimento recíproco, definido como “gostar
escolha melhor de parceiros (Stengel, 2003). Essas muito”, amor ou paixão.
razões podem coexistir num mesmo momento da Confirmando a continuidade de valores do
vida do adolescente ou ir se alternando. namoro tradicional, o compromisso e a
Desse modo, o ficar pode ser visto tanto responsabilidade são pontos fundamentais no
positivamente – “Esse negócio de ficar só pega a namoro atual. Esse é um aspecto que o diferencia
parte boa da coisa.” (Vítor) – quanto do ficar, em que uma das características básicas é
negativamente – “O ficar acho que desgasta muito” justamente a falta de compromisso: “Hoje, o
(Carla). Pode, às vezes, trazer frustração, vazio e compromisso não remete o casal necessariamente
um sentimento de estranhamento, implicando em ao casamento, porém ele pressupõe – ao menos em
desprazer. Também pode ser uma escolha entre os tese – um vínculo estável, monogâmico e fiel.”
jovens, mesmo que temporária, podendo significar (Chaves, 1994, p. 25). Outra diferença em relação
uma fase de espera para um namoro. Essas visões ao ficar é a exigência da fidelidade (Stengel, 2003),
particularizadas pelos jovens variam em função das mesmo que essa não seja praticada exatamente
experiências, expectativas pessoais e/ou momento como se fala ou se espera.
de vida, o que significa que eles podem alterar suas As práticas sexuais também apontam uma
visões ou ter visões distintas e até contraditórias distinção feita pelos adolescentes entre o ficar e o
simultaneamente. namoro. Em geral, o ficar não comporta a relação
Em contrapartida, os pais entrevistados têm sexual entre os parceiros; já no namoro, é possível
dificuldade em compreender o ficar. Uma razão e, muitas vezes, esperado. Ana nos esclarece:
pode ser o fato de que, ao que parece, nenhum
viveu o ficar em sua vida. Parecem considerá-lo
como algo passageiro e vazio de significado (Matos Com ficante não [tem relação sexual]. Porque
com ficante não é uma coisa séria, com namorado
et al, 2005): “Como eles dizem agora, namorada
tem que ter uma relação de confiança muito
não tem não, esse negócio de namorar, quando a grande, tem que saber que se você confia nele,
gente pensa que tá namorando, tá ficando. Vai que não vai ser uma coisa assim; tem que
entender, né. Eu não sou muito a favor desse significar tanto para você quanto para ele, que
negócio de ficar não, sabe” (Marina). você não vai ser só mais uma na vida dele,
Há também uma incompreensão das regras do entendeu?
ficar pelos pais. Por esse motivo, Artur interpreta
equivocadamente o relacionamento que sua filha
estabelece com um rapaz. Pelo seu relato, a filha e o De acordo com os adolescentes entrevistados, o
rapaz mantêm uma relação mais namoro: “deve ser uma coisa assim que cê deve ter
mais tranquilidade, né... Cê não precisa, cê não

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


77

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

precisa, né... ficar armando. Cê tem uma pessoa


pra fazer mais as coisas com você” (Vítor). Nessa, nessa questão de sexo (pausa), eles não
Vítor expressa a ideia de companheirismo respeitam mais pai, mãe e isso eu acho que assim
esperada no namoro, assim como Carla: “Acho que o jovem de hoje abusa muito, pra eles está tudo
é cê sempre tá com a pessoa, a pessoa ser sua normal. (...) Hoje o povo já transa sem conhecer.
companheira. Principalmente amiga. Ela estar Isso é, se conhece, né? (...) Eles namoram dois,
sempre nos seus momentos bons e ruins. Isso que três dias e já estão transando, e eu acho que não
quer dizer um compromisso sério. Um é bem assim. Não é! Eu falo assim, nesse ponto
companheiro”. assim, eu acho que é um abuso, entende? (Cíntia)
O namoro é dividido entre sério e não sério.
Duas características podem ser salientadas para essa Parece que a grande dificuldade dos pais refere-
diferença: o sentimento e a família. Se, no ficar, o se às práticas sexuais, já que atualmente a
sentimento não é exigido, no namoro ele é possibilidade de ter relações sexuais em um namoro
esperado. Entretanto, nesse relacionamento, nem menos compromissado está colocada. Uma das
sempre o afeto está presente ou é recíproco; aceita- mudanças significativas que ocorreu em relação ao
se sua ausência ou apenas uma pequena proporção namoro foi justamente a possibilidade de saída da
dele, mas apenas temporariamente. Caso persista a casa para a rua, o que implica diminuição da
falta de sentimento, o namoro é desvalorizado e vigilância sobre o casal e, consequentemente, mais
considerado como sem seriedade. liberdade para um factível envolvimento sexual.
O envolvimento da família é um termômetro Moreira (2001) caracteriza a atual geração de
para a seriedade da relação, ou seja, um namoro adolescentes como sendo reacionária, no sentido de
sério é aquele em que o(a) namorado(a) é que eles retomam valores e comportamentos que
apresentado(a) aos familiares e frequenta a casa. foram alvo de rompimento pela geração parental.
Muitos adolescentes não gostam de namorar em Vale dizer, os adolescentes e os pais entrevistados
casa, onde a família pode exercer mais controle valorizam o namoro em casa, retomando um padrão
sobre o casal e sua sexualidade, assim como o de gerações anteriores. O namoro em casa não
namoro pode adquirir uma dimensão não desejada deixou de existir para a geração desses pais. Ainda
por eles, tornando-se mais sério que o pretendido. que pessoalmente eles não tenham rompido com os
Na intenção de apontar o compromisso e a padrões estabelecidos, fazem parte de uma geração
seriedade do namoro, a aliança de compromisso que realizou esse rompimento e que, por isso, é
tem sido, atualmente, uma prática recorrente entre denominada revolucionária por Moreira (2001).
adolescentes. Na época das entrevistas, Murilo e Há que se considerar também que, estando no
Carla estavam namorando havia quase um ano e exercício parental, ou seja, responsáveis por seus
usavam a aliança desde o terceiro mês de namoro. filhos, os pais tomem posições distintas daquelas
Carla conta que Murilo lhe fez uma surpresa em sua que tinham ou poderiam ter quando adolescentes.
festa de aniversário ao lhe dar a aliança. Quando Alice, que caracteriza sua filha como uma
perguntamos sobre o significado da aliança, ela diz: pessoa mais reservada, que sai pouco, preocupa-se
“Não sei te dizer o que passou na cabeça dele não justamente com o fato da filha ter pouca
pra me dar uma aliança não. Mas eu acho que foi experiência e com as consequências disso para sua
pra ter um compromisso sério. Acho que quis dizer vida, principalmente quando ingressar na
isso, que não quer brincadeira”. universidade:
Esses depoimentos dos adolescentes apontam
que eles vêem o namoro com seriedade, visão que Às vezes preocupa. A cabeça da gente também
parece não ser compartilhada pelos pais. Além de funciona assim, né. Aí, cê pára: minha filha vai
relatarem que, quando eram jovens, suas entrar pra faculdade tão despreparada, cruazinha!
possibilidades de saídas e namoros eram mais Aí... Esse cruazinha que eu falo, é assim, de não
restritas e controladas, as mães vêem os sair, de nunca ter tido um namorado...
relacionamentos hoje como menos respeitosos: “É
a criançada hoje, vamos dizer assim, eles ficam, Um ponto recorrente nas entrevistas foi a
não namoram, e a gente sabe, que na minha época tentativa dos pais de aconselhar seus filhos. Eles se
a gente dava mais respeito...” (Vivian). percebem como uma referência importante na vida
A falta de respeito é localizada pelas mães na dos filhos, até mesmo por serem mais experientes:
relação do par e uma explicação para tal é a rapidez “a gente serve de referência. A gente tem que estar
com que os relacionamentos são estabelecidos, sempre atento, falando alguma coisinha. Muitas
impossibilitando ao casal um conhecimento mais coisas, né! Não uma coisinha” (Marina).
amplo entre eles. Por outro lado, a falta de respeito Os conselhos se referem à vida em geral dos
aparece também referida aos pais: adolescentes, como os estudos e as amizades, mas

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


78

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

parecem ser mais frequentes em relação à vida responsabilizar por seus atos. Como diz Cíntia:
afetivo-sexual. Predebon (2002) discorre que, “Conselho a gente dá, falar a gente fala, mas não
atualmente, os pais, de um modo geral, dão aos quis ouvir, então, assume”.
filhos mensagens diretas ou indiretas de que devem
ser procurados em caso de dúvida sobre questões Família e casamento: expectativas dos pais e
ligadas à sexualidade, mostrando-se mais liberais. projetos afetivos dos adolescentes
Essa liberdade significa abertura para o tema, assim
como para que os filhos escolham o momento que A curto e médio prazos, os projetos afetivo-
desejam estabelecer a conversa. O discurso da sexuais dos adolescentes entrevistados é ficar e
liberdade também parece tranquilizar os pais, na namorar. Todavia, a longo prazo, o casamento e a
medida em que, por diversas ocasiões, eles se constituição de uma família são um projeto
eximem de perguntar aos filhos, mas ficam com a recorrente entre os adolescentes entrevistados. Os
certeza de que esses o farão quando necessário. jovens são unânimes em afirmar sua intenção de
Os pais acreditam que as conversas sobre casar e possivelmente ter filhos. Eles pretendem se
questões sexuais também evitam problemas. casar no civil e no religioso, morar na mesma casa e
Predebon (2002) aponta uma série de pesquisas que compartilhar as despesas domésticas, sinalizando
comprovam que o diálogo aberto entre pais e filhos para um modelo de casamento igualitário. A ordem
sobre essas questões possui influência significativa é que o plano de casamento realize-se após a
na idade da iniciação sexual dos jovens, na formatura em um curso superior, seguida pela
prevenção da gravidez na adolescência e no uso de estabilidade profissional e financeira. Esses projetos
métodos contraceptivos. são compartilhados tanto pelos meninos quanto
Eu falo com ele pra tomar as providências ou
pelas meninas:
previdências, sei lá, né (risos), porque eu falo: Vítor,
hoje em dia é muito complicado, esses negócios de Então, mais fácil uma coisa assim de cada vez, aí
ficar, por exemplo. Eu falo: você ande sempre com primeiro estuda, aí arruma emprego, se tiver
preservativo. Porque na hora até você ir procurar condição eu sei quantos filhos eu vou poder ter e é
um preservativo na farmácia já viu, né. Então, é melhor assim do que ter tudo de uma vez e não
melhor precaver (risos). (Vivian) conseguir fazer nada. (Lívia)
E, com a Ana que tá saindo pra festinha agora. A
Alice deve conversar com ela um pouco mais Esses dados correspondem aos de outras
intimamente, porque ela fica com vergonha, né, mas, pesquisas (Stengel, 2003; Matos et al, 2005;
indiretamente a gente sabe que deve ter essa Moreira, Stengel, Eduardo & Azevedo, 2009).
conversação sobre sexo seguro e coisas desse tipo. Os projetos dos pais entrevistados vão ao
(Artur) encontro desses imaginados pelos filhos. Também
esperam que seus filhos se casem, constituam uma
As relações afetivo-sexuais dos adolescentes, família, mas como um projeto a longo prazo, pois
ao mesmo tempo em que são alvo de preocupações isso requer uma estrutura que hoje os jovens não
e controles, também são esperadas. Quando os pais podem ter. Como diz Cíntia: “Agora não
percebem que os filhos não se relacionam de um [constituir família], só mais pro futuro (risos), tem
modo geral, ou de uma forma mais específica, eles que terminar os estudos antes, né?” (risos)
podem aconselhar seus filhos nesse sentido. Marina reitera:

Eu fico: filha, ligar pra um rapaz que você até E eu falo pro meus filhos: casar, mas casar assim,
beijou na boca e convidar pra ir ao cinema, não é quando tiver preparado, com a vida pronta, porque
ser oferecida. Ser oferecida é pular no pescoço dele depois fica difícil. Então tem que primeiro preparar,
na frente de todo mundo, esse tipo de coisas. pra só depois casar, né. Estudar, formar, arrumar
Permitir que ele logo de cara já vai passar a mão um emprego legal, então só assim pensar.
em você, isso é ser oferecida. Agora, convidar pra ir
ao cinema... Porque, se você não ligar, ele vai As mães entrevistadas foram enfáticas em
pensar que você não está interessada nele. (Alice) afirmar a necessidade dos filhos continuarem seus
estudos. Ainda que algumas não tenham dito isso
As mães apresentam algumas estratégias na explicitamente, podemos inferir que elas esperam
hora de aconselhar. Elas partem do princípio de que que seus filhos concluam um curso superior. Essa
é sua função o aconselhamento dos filhos, mas inferência deve-se ao fato de os filhos já estarem no
entendem que, se forem muito incisivas, a ensino médio e de haver, nas camadas médias, tal
recomendação pode não funcionar. Apesar de expectativa de escolarização. Aline ilustra esse
aconselharem, a dúvida quanto à eficiência dos ponto ao dizer: “Eu quero que ela faça o terceiro
conselhos paira no ar e, aí, os filhos devem se

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


79

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

ano muito bom e quero que ela faça o cursinho, bonitinho, né? E eu acho que o casamento e o
porque eu não quero jogar o investimento que eu to divórcio dão uma importância a mais. Só o morar
fazendo desde o início do ano fora”. junto e o arcar é uma coisa como se fosse mais
Percebemos nas entrevistas que as mães comum.
hierarquizam os projetos que fazem para seus
filhos. Dessa forma, os estudos são colocados como Aqui ele aponta uma contraposição entre casar
prioritários em relação aos namoros e casamentos, e morar junto, compartilhando uma ideia recorrente
inclusive com o argumento de que os primeiros são em nossa sociedade que ignora que, legalmente, há
fundamentais para a execução dos segundos: “Eu a figura da união estável garantindo direitos e
queria que ela arrumasse um namorado logo; deveres ao casal. Podemos pensar que essa
agora já não quero mais. Agora, perto do contraposição feita por Vítor fala de sua percepção
vestibular, não compensa, vai desfocar” (Alice). relativa a compromisso. A valorização do
A hierarquização dos projetos realizada pelos casamento pelos adolescentes articula-se com a
pais pode ser considerada sob outro aspecto. percepção que têm de compromisso e seriedade.
Brandão (2004) discute um descompasso presente Dessa forma, uma relação séria é aquela
hoje entre dois pontos fundamentais do processo de compromissada, ou seja, na qual há um acerto de
individualização dos jovens: a autonomia, regras e obrigações entre os parceiros,
significada como autodeterminação pessoal, e a compartilhadas por eles e pelo círculo social
independência, compreendida como auto- próximo, incluindo aí familiares e amigos. Dessa
suficiência econômica. Esses pontos demandam de forma, o casamento religioso e/ou civil marca essa
pais e filhos negociações contínuas para lógica e é garantia do acordo estabelecido entre o
estabelecerem regras, direitos e deveres para cada casal. A contraposição também pode ser pensada
um no âmbito familiar. Essas são consequências das como uma solução de compromisso entre o ideal –
transformações ocorridas na família desejo de um casamento para sempre – e a
contemporânea. Nesse sentido, a autora afirma que realidade – o aumento do número de divórcios
“Se a sexualidade pode ser apreendida como atualmente.
cenário privilegiado para o exercício gradual da A consideração feita acima por Vítor é, em
autonomia juvenil, os constrangimentos familiares certo sentido, percebida por Artur, pai de uma
se fazem presentes na expectativa parental de adolescente entrevistada:
engajamento dos filhos na construção de uma
carreira profissional” (Brandão, 2004, p. 64). Eu creio que cada vez mais eles vão viver essa
confusão da modernidade, né, com mais intensidade
Quanto ao modelo da possível família futura de que nós. Então, nesse sentido, eu acho que vão ser
seus filhos, ele é pensado seguindo o arranjo da diferentes. Apesar de que eu acredito muito na
família nuclear conjugal, implícita ou instituição família, cada vez eu vejo que o mundo
explicitamente, como na fala de Vivian: “Eu acho moderno tem perdido um pouco dessa preciosidade
que é importante o modelo pai, mãe e filho. (...) Por da família.
isso eu quero que o meu filho seguia esse modelo”.
Também ter filhos surge relacionado à Ainda que Artur perceba que as escolhas na
naturalidade desse fato: “Vai casar, vai ter filhos” contemporaneidade são mais fluidas e possíveis, e
(Alice); “Lógico, qualquer ser humano quer ter que a família como instituição tem sido cada vez
filho. Eu acho que Vítor deve querer ter mais de um mais questionada enquanto espaço adequado de
filho...” (Vivian). convivência, para ele, como para os outros pais
O casamento é valorizado pelos adolescentes, entrevistados, a família permanece como um valor e
que, em sua maioria, pensam-no pautado no amor e é desejada para os filhos.
com sua duração “para sempre”. Essa perspectiva
só foi relativizada por Vítor, que viveu a Ideal de parceiros
experiência de separação dos pais. Talvez por isto
ele afirme: “Quero casar, mas sem a inocência de, Para realizar os projetos afetivos, que incluem
de achar que é perfeito e que vai durar pra casamento e parentalidade, os adolescentes
sempre”. idealizam seus parceiros futuros e as características
Mas, na sequência da entrevista, ele diz: que eles devem ter. Como pensam que a base do
É que o casamento é pra sempre. O morar junto é
casamento é o amor, esse é o primeiro ponto
aquela coisa mais assim, se um dia acontecer enfatizado: “(...) amar a pessoa e tem que ser
alguma coisa a gente simplesmente pega as coisas e recíproco, não pode eu só gostar dele e ele não
vai embora. No casamento não, tem que ter divórcio, gostar de mim” (Ana). A amizade e o
tem que ter separação de bens. Tem que olhar tudo companheirismo entre o casal também são

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


80

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

valorizados: “Tem que ter uma cumplicidade claro que outros valores aparecem para os futuros
também, uma harmonia entre os dois, ser feliz e se parceiros, como a questão de gênero. Marina, mãe
sentir feliz fazendo o outro feliz” (Ana). de dois adolescentes do sexo masculino, ressalta,
Stengel (2003) aponta que, para os quanto às companheiras ideais para os filhos:
adolescentes, há uma relação direta entre fidelidade “Acho que tem que ser uma pessoa que goste de
e seriedade no relacionamento. Dessa forma, quanto mexer com casa, cuidar dos filhos”. Já Cíntia, mãe
mais séria é considerada a relação, maior a de duas garotas, pensa também nas características, a
exigência de fidelidade entre os parceiros. Essa seu ver positivas, de futuros genros: “Uma pessoa
lógica também está presente entre os nossos com mais responsabilidade, né. Mais velho que
entrevistados. Tanto os meninos quanto as meninas elas, não sendo da mesma idade. Pelo, pelo
afirmam que a fidelidade é um fator importante trabalho, uma coisa fixa, porque só estudando, né.
para a relação afetivo-sexual, especialmente no Queria isso!”
casamento (Matos et al, 2005). Esse critério colocado por Cíntia corresponde
A idealização do (a) parceiro(a) pode ser ao que pesquisas sobre sexualidade e gênero têm
resumida na ideia do encontro da alma gêmea. apontado como um julgamento diferencial entre
Alguns entrevistados afirmam acreditar que existe homens e mulheres sobre o parceiro. Bozon, citado
uma alma gêmea, ou seja, uma pessoa que complete por Brandão (2004), aponta para o fato de que, “na
o sujeito e com quem ele irá ser muito feliz. Vítor avaliação feminina, a „idade social‟ masculina tem
explica o que é a alma gêmea: preponderância sobre a idade cronológica, para
indicar uma postura de (i)maturidade e de
Vivem a vida inteira juntos, têm os filhos, tudo (ir)responsabilidade social.” (p. 75). Esse dado
bonitinho assim. O casal perfeito. Aquela coisa corrobora a pesquisa de Pais (2003) com jovens
assim, tem os problemas e tudo mais, mas sempre portugueses.
estiveram juntos, sempre... Um amando muito o
outro, acho que isso é alma gêmea, encontrar uma
A pesquisa portuguesa também aponta que os
pessoa que te completa perfeitamente, uma pessoa jovens afirmam que as pessoas casam-se por amor e
assim que na primeira conversa, no primeiro por interesse, simultaneamente. Entretanto, em seus
abraço, cê já sabe que com aquela pessoa cê vai ter casos pessoais, os jovens parecem privilegiar as
um tempo pro resto da vida com ela. hierarquias sentimentais e eróticas sobre as
hierarquias econômicas. Entretanto, o autor salienta
Encontrar a alma gêmea não parece aos que
entrevistados uma tarefa fácil, provocando-lhes
hesitação, inclusive, quanto a encontrarem a sua. O a „varinha do amor‟ não os une, nem sequer os
aproxima, ao acaso. (...) existe uma homogamia
próprio Vítor duvida dessa possibilidade em sua espacial no encontro dos futuros esposos, e mais:
vida: “Eu sinceramente acho que não vou achar à segregação espacial de diferentes classes sociais
uma alma gêmea. Não sei nem se isso existe” corresponde uma segregação paralela dos locais
(Vítor). de encontro. (Pais, 2003, p. 335)
Os pais entrevistados também têm expectativas
quanto aos companheiros que os (as) filhos (as) Essa perspectiva não parece ser vislumbrada
virão a ter. Entretanto, parecem idealizar menos do pelos adolescentes. Os ideais do amor romântico,
que os adolescentes. Poderíamos mesmo esperar iniciados no final do século XVIII e início do XIX,
por isso, pois os pais já tiveram experiências referem-se à valorização das emoções e da
afetivo-sexuais, se não necessariamente em maior compatibilidade psicológica, consideradas como
número, por mais tempo que seus filhos. Desse essenciais para um relacionamento amoroso
modo, Artur afirma: (Chaves, 2004). Pela primeira vez, o amor
romântico vinculou a ideia do amor com a da
Mas, em termos de relacionamento, né, a gente vê liberdade, ambos sendo considerados como estados
casos e casos, né. Eu acho que não existe ninguém normativamente desejáveis. A escolha individual,
100%. Eu acho que é importante as pessoas ampla e irrestrita é básica e não uma resposta social
entenderem isso, e que todos têm suas virtudes, seus ao grupo; o amor se centra no indivíduo e não na
defeitos, né. E eu acho que num relacionamento situação. Apesar das mudanças havidas nos ideais
cada um ajuda o outro a crescer, né, e a amadurecer amorosos contemporâneos, como por exemplo, a
e a ser melhor enquanto pessoa, né. presença do amor líquido 4 (Bauman, 2004), o amor

Se, a princípio, os entrevistados responderam 4


A concepção de amor líquido em Bauman (2004) transpõe a
focados nos sentimentos dos filhos e em valores lógica das relações de consumo para as relações amorosas. Dessa
como amor, companheirismo, fidelidade, ficou forma, o outro é tratado como um objeto de consumo, sendo
julgado pelo prazer oferecido. A ideia central é aproveitar os

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


81

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

romântico continua sendo considerado e desejado desdobramento em parentalidade – é apontado


pelos indivíduos, ainda que não no mesmo formato como um horizonte possível e desejado por ambos
dos séculos anteriores (Vieira, 2009). Desse modo, os grupos de sujeitos entrevistados. Enquanto os
ao pensarem sobre seus parceiros, os adolescentes pais esperam que seus filhos encontrem um
consideram exclusivamente a lógica do amor e da parceiro que tenha um grau de escolaridade
livre escolha, como se essa não sofresse outros compatível com o nível socioeconômico da família,
atravessamentos além da presença ou não do tenha amor, companheirismo e fidelidade, os
sentimento. adolescentes sonham com a “alma gêmea”, ou seja,
É a presença do amor que justifica uma pessoa que os complete e com um amor
contemporaneamente o casamento, isto é, casa-se recíproco.
por amor e separa-se quando termina o amor. Nesse Há um descompasso entre pais e filhos no que
sentido, se o casamento é pautado no amor e esse tange aos relacionamentos afetivo-sexuais dos
obedece à lógica de uma livre escolha dos últimos. Enquanto para os adolescentes o ficar com
parceiros, o matrimônio se daria sem a interferência alguém é uma prática comum entre eles e, por isso,
familiar. Esse discurso está presente entre os bem compreendida, para os pais há uma dificuldade
entrevistados. Entretanto, podemos apontar uma de entendimento e até de aceitação. Esse
ambiguidade: ainda que a interferência da família descompasso aponta para as diferenças geracionais.
não seja como em tempos anteriores, ela aparece na Entretanto, os modelos de amor e de
medida em que os filhos apresentam seus parceiros relacionamentos antigos permanecem no imaginário
aos pais e esperam a aprovação deles e na medida dos adolescentes, tensionado, muitas vezes, por
em que os pais manifestam sua (in) satisfação em modelos mais atuais. É desse modo que os
relação aos parceiros dos filhos, havendo até casos adolescentes vivem o ficar, mas sonham com a
em que os pais tentam proibir namoros dos filhos. alma gêmea, coerente com o ideário do amor
Nesse sentido, os pais entrevistados afirmaram romântico. Evitam o compromisso, por um lado;
que só aconselhariam ou interviriam na escolha buscam fidelidade, segurança e seriedade, por
amorosa dos filhos em casos excepcionais, como o outro. Os adolescentes precisam assimilar, no
de parceiros que utilizam drogas. Caso contrário, âmbito das relações afetivo-sexuais, as
“não vou atormentar com a opção dele; (...) contradições, os impasses e as possibilidades da
comigo não tem estas besteiradas não, o importante sociedade contemporânea.
é ele tá feliz com quem for, independente, né?” Por fim, podemos dizer que a família, apesar de
(risos) (Vivian). Todavia, vimos na fala dos todas as transformações que vem atravessando nas
entrevistados o incentivo para o estabelecimento de últimas décadas, ainda é desejada e avaliada
certos relacionamentos ou a tentativa de dissuasão positivamente tanto pelos adolescentes quanto por
de outras relações afetivo-sexuais. seus pais. Além disso, os filhos esperam manter
Há que se considerar ainda que tanto os valores e práticas dos pais, mostrando-nos algumas
adolescentes quanto seus pais projetam o casamento permanências quando se pensa a família na
a longo prazo. Dessa maneira, os pais podem pensar atualidade.
que a escolha por um marido/esposa seja longínqua
na vida dos filhos e, por isso, podem sustentar um Referências
discurso mais “liberal”, alegando que não
interferem em suas escolhas e que o importante é a
felicidade deles. Ariès, P. (1978). História social da criança e da
família. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Considerações Finais Bauman, Z. (2004). Amor Líquido. Rio de Janeiro:


Jorge Zahar.
A realização de entrevistas com os adolescentes
e alguns de seus pais possibilitou fazer um paralelo Biasoli-Alves, Z. M. M. (1995). Família -
entre as relações afetivo-sexuais vividas e pensadas socialização - desenvolvimento. Tese de Livre-
por cada um desses atores sociais. Docência, Universidade de São Paulo, Ribeirão
Há coincidência entre os projetos que os Preto.
adolescentes fazem para si e os pais fazem para
seus filhos. Temos assim que o casamento – e seu Brandão, E. R. (2004). Iniciação sexual e afetiva:
exercício da autonomia juvenil. In Heilborn, M.
prazeres proporcionados pelo relacionamento, evitando, ao L. (Org.). Família e sexualidade (pp. 63-86).
máximo, as tensões e dificuldades. Há também a tentativa de não Rio de Janeiro: FGV.
depender do outro, assim como o parceiro não deve impedir o
exercício da individualidade.

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010


82

Stengel, M. & Tozo, S. M. P. S. Projetos afetivo-sexuais por adolescentes e seus pais

Calligaris, C. (2000). A adolescência. São Paulo: Moreira, M. I. C. (2001). Gravidez na


Publifolha. adolescência: análise das significações
construídas ao longo de gerações de mulheres.
Chaves, J. C. (1994). “Ficar com” - um novo Tese de Doutorado, PUC-São Paulo, São Paulo.
código entre jovens. Rio de Janeiro: Editora
Revan. Moura, M. L. S. (1998). Manual de elaboração de
projetos de pesquisa. Rio de Janeiro: EdUerj.
Chaves, J. C. (2004). Contextuais e pragmáticos: os
relacionamentos amorosos na pós- Pais, J. M. (2003). Culturas juvenis. Lisboa:
modernidade. Tese de Doutorado, Imprensa Nacional – Casa da Moeda.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro. Pêcheux, M. (1984). Sur les contextes
épistémologiques de l‟analyse de discours.
Justo, J. S. (2005, janeiro/junho). O “ficar” na Mots. 9(9), 7-17.
adolescência e paradigmas de relacionamento
amoroso da contemporaneidade. Revista do Predebon, J. C. (2002). Conversando sobre sexo na
Departamento de Psicologia - UFF, 17(1), 61- família com filhos adolescentes. In. A. Wagner
77. Jan./Jun. Recuperado em 09 de julho, 2010 (coord.). Família em cena: tramas, dramas e
de transformações (pp. 159-171). Petrópolis, RJ:
http://www.scielo.br/pdf/rdpsi/v17n1/v17n1a05 Vozes.
.pdf.
Roudinesco, E. (2003). A família em desordem. Rio
Macedo, M. M. K., Azevedo, B. H. & Castan, J. U. de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
(2004). Adolescência e psicanálise. In M. M.
K. Macedo (Org.). Adolescência e psicanálise: Sarti, C. A. (2003). Família e individualidade: um
interseções possíveis (pp. 13-64). Porto Alegre: problema moderno. In M. C. B. Carvalho
EDIPUCRS. (Org.). A família contemporânea em debate
(pp. 39-49). São Paulo: EDUC/Cortez Editora.
Maingueneau, D. (1989). Novas tendências em
análise do discurso. Campinas: Pontes Singly, F. (2000). O nascimento do “indivíduo
Editores. individualizado” e seus efeitos na vida conjugal
e familiar. In C. E. Peixoto, F. E. Singly & V.
Mariano, C. L. S. (2001). Um estudo sobre os Cicchelli (Orgs.). Família e individualização
relacionamentos amorosos na adolescência. (pp. 13-19). Rio de Janeiro: Editora FGV.
Dissertação de Mestrado, USP, São Paulo.
Stengel, M. (2003). Obsceno é falar de amor? As
Matos, M., Féres-Carneiro, T. & Jablonsky, B. relações afetivas dos adolescentes. Belo
(2005). Adolescência e relações amorosas: um Horizonte: Editora PUC Minas.
estudo sobre jovens das camadas populares
cariocas. Interação em Psicologia, 9(1), 21-33. Vaitsman, J. (1994). Flexíveis e Plurais: identidade,
Recuperado em 06 de julho, 2010 de casamento e família em circunstâncias pós-
http://bases.bireme.br/cgi- modernas. Rio de Janeiro: Rocco.
bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.
xis&src=google&base=LILACS&lang=p&next Vala, J. (1986). A análise de conteúdo. In A. S.
Action=lnk&exprSearch=484459&indexSearch Silva & J. M. Pinto (Orgs.). Metodologia das
=ID. ciências sociais. Porto: Edições Afrontamento.

Moreira, M. I. C, Stengel, M., Eduardo, C. R. A. & Vieira, E. (2009). Os nós do eu com o nós:
Azevedo, R. A. (2009). Relações individualismo e conjugalidade na pós-
intergeracionais entre pais e filhos jovens modernidade. Dissertação de Mestrado, PUC
universitários. In M. T. C. Guimarães & S. M. Minas, Belo Horizonte.
G. Sousa (Orgs.). Juventude e
contemporaneidade: desafios e perspectivas
(pp. 175-195). Goiânia: Cânone Editorial, Categoria de contribuição: Relato de pesquisa
Editora UFG. Recebido: 25/08/10
Aceito: 09/11/10

Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/julho 2010