Você está na página 1de 4

EDUCADOR: A DISLEXIA E O QUE FAZER EM SALA DE AULA?

Marileide da Silva Ladeira1, Ana Cabanas2


1
Universidade Cruzeiro do Sul, Instituto de Integração em Educação Continuada, Rua Conceição, 200,
2
Centro, 11680-000, Ubatuba, SP, marylayd@gmail.com, Universidade de Taubaté,Programa de Pós-
Graduação em Gestão e Desenvolvimento Regional, Rua Visconde do Rio Branco, 210, Centro, 12200-
000,Taubaté, SP, anacabanas@uol.com.br

Resumo- A dislexia é um transtorno especifico da leitura, portanto, um déficit linguístico que dificulta a
aprendizagem de leitura, escrita, soletração e decodificação. Contudo, há educador que confunde educando
com problemas de alfabetização com aquele com dificuldades de aprendizagem devido a algum tipo de
transtorno. Nesse sentido, este estudo bibliográfico tem como objetivo sensibilizar o educador sobre a
importância do diagnóstico da dislexia na fase escolar para que ele seja um facilitador no processo
ensinoaprendizagem. Os disléxicos costumam trocar letras ou escrevê-las em ordem inversa e também
podem ter dificuldades no aspecto espacial, por isso, podem ser confundidas com o déficit de atenção,
hiperatividade, dispraxia, discalculia e disortografia, porém não estão correlacionadas com problemas de
desenvolvimento. A revisão teórica indica que quando o educador suspeitar de um caso de dislexia deve
procurar apoio da instituição escolar e conversar com os pais/cuidadores para que seja feito um
acompanhamento com profissionais competentes. Ao trabalhar em conjunto com uma equipe
multidisciplinar, o educar pode auxiliar a criança a superar esta dificuldade de aprendizagem. Desta forma,
acredita-se que a melhor forma de trabalhar com a dislexia em sala de aula é desenvolver diferentes
estratégias de ensinoaprendizagem podem proporcionar a motivação e a vontade de aprender sempre. No
entanto, o quanto antes, a dislexia for identificada e tratada pode possibilitar aos educadores a criação de
estratégias para que o disléxico saiba lidar e superar as dificuldades encontradas no decorrer de sua vida
escolar.

Palavras-chave: Distúrbio de Aprendizagem. Leitura. Escrita. Dislexia.

Área do Conhecimento: Ciências da Educação.

Introdução aquele com dificuldades de aprendizagem devido


a algum tipo de transtorno.
De acordo com a Agenda Saci (2009), 10% das Desta forma, pretende-se com este estudo
pessoas são acometidas por dislexia, 15% das bibliográfico sensibilizar o educador sobre a
crianças em idade escolar tem dislexia, 76% do importância do diagnóstico da dislexia na fase
gênero masculino e 24% feminino. No entanto, o escolar para que ele seja um facilitador no
quanto antes for identificada e tratada, poderá processo ensinoaprendizagem.
possibilitar aos educadores a criação de
estratégias para que o disléxico possa lidar e Método
superar as dificuldades encontradas.
Baseando-se em Mousinho (2003), a dislexia é Este estudo foi realizado por meio de revisão
um transtorno especifico da leitura, portanto, um teórica em diversos livros, artigos científicos,
déficit linguístico que dificulta a aprendizagem de revistas e sites relacionados com a temática,
leitura, escrita, soletração e decodificação. O associando duas variáveis: dislexia e
processo de leitura é muito complexo e exige alfabetização, a fim de buscar a compreensão dos
muito do leitor que tem que reconhecer os fatos referente à temática abordada.
símbolos, decodificá-los e processar a mensagem, O site Associação Nacional de Dislexia (AND)
para só, então, entender e compreender. foi essencial para a conceitualização e
Frente à problemática, percebe-se a diagnósticos do fenômeno pesquisado.
necessidade de pesquisar sobre a dislexia devido
à confusão que muitos educadores, ainda, na Resultados
atualidade, enfrentam perante as dificuldades
encontradas pelos educandos durante o processo Pessoas com dislexia costumam trocar letras
de alfabetização. Há educador que confunde ou escrevê-las em ordem inversa e também
educando com problemas de alfabetização com podem ter dificuldades com o sentido espacial. Por

XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e 1


IX Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
isso, ela pode ser confundida com o déficit de Para Condemarim e Marlys (1989), algumas
atenção, hiperatividade, dispraxia, discalculia e crianças disléxicas acusam disfunções cerebrais
disortografia, porém, estes transtornos não estão da organização proprioceptiva, que interferem em
correlacionados aos problemas de potencial de aprendizagem e planificação das
desenvolvimento (MOUSINHO, 2003). ações, na quais, certamente, o perfil psicomotor
A dislexia, atualmente, é utilizada em da criança se manifesta. Trata-se de uma
instituições de ensino para estigmatizar dispraxia, ou seja, uma deficiência na planificação
educandos que possuem dificuldade de de ações. Estas crianças podem desempenhar
aprendizagem, antes mesmo de um diagnosticado funções que dependem da motricidade, por
realizado por uma equipe multidisciplinar exemplo, atletismo.
competente. Pelo fato dos disléxicos não possuírem a
Qualquer distúrbio de linguagem apresentado capacidade de ampliar sua linguagem cultural e
pela criança é tachado como dislexia, tanto pelos por serem leitores deficientes, são, considerados,
pais como pelos educadores. O problema, erroneamente, como indivíduos menos
entretanto, nem sempre está na criança e sim nos inteligentes, tendo em vista que estes muitas
processos educacionais – sob a responsabilidade vezes apresentam inteligência acima da média.
paterna – ou nos processos de aprendizagem sob São crianças dotadas de inúmeras competências,
o encargo da escola (DROUET, 1995). como foram Albert Einstein, Isaac Newton, Edison,
Na opinião de Lyon (1995 apud NICO; SOUZA, Abraham Lincoln e Churchill, Beethoven, Hans
2009), a dislexia é caracterizada por uma Christian Andersen, Walt Disney, Agatha Christie,
dificuldade de decodificação, leitura, escrita e Caruso e outros disléxicos (SANTOS, 1998).
soletração que tem origem neurológica. Um disléxico enquanto criança não sabe definir
À luz da teoria de Zorzi (2009), a dislexia é uma seus sentimentos. Porém, Frank (2003) alega que
das responsáveis pelo fracasso escolar e traz o disléxico realiza um autorrelato de seus
conseqüências na área social, afetiva e cognitiva sentimentos vividos na infância. O disléxico acaba
do educando. Nesse sentido, o quanto antes à se escondendo para evitar a descoberta de seu
criança disléxica for identificada, diagnosticada e problema, e, consequentemente, ser excluído.
tratada, mais condições de superação ela terá. Diante de sua realidade, há constante sentimento
Desta maneira, os educadores serão orientados a de frustração, pois, para ele nada dá certo. O
desenvolver metodologias adequadas para medo de ser descoberto é mais incapacitante do
atender às especificações de cada educando, que o próprio transtorno, o que o faz se afastar do
enquanto, os pais serão auxiliados a enfrentar o convívio social.
problema e, assim, ajudarem o filho. No decorrer desta pesquisa, observou-se que
A Associação Brasileira de Dislexia (ABD) e a não há só um tipo de dislexia, mas vários tipos e
Associação Nacional de Dislexia (AND) diversas opiniões sobre elas, agora iremos trazer
mencionam alguns sintomas que podem ser algumas delas.
verificados na idade pré-escolar, na educação Zorzi (2009) divide a dislexia em dois tipos:
formal e na vida adulta de uma pessoa. Na idade desenvolvimento e adquirida, como exposto no
pré-escolar deve-se atentar aos sinais que o Quadro 1.
educando demonstra, haja vista ela pode ser uma Desenvolvimento Adquirida
criança de risco: dispersão; fraco desenvolvimento
da atenção; atraso no desenvolvimento de fala e E natureza congênita, o Decorrente de agressões ao
linguagem; dificuldades em aprender rimas e qual a criança já nasce com cérebro como: tumores,
canções; fraco desenvolvimento da coordenação algumas características de acidente vascular encefálico e
organização e traumatismos, fazendo com
motora; dificuldade com quebra cabeça; e falta de funcionamento neurológico que a pessoa perca sua
interesse por livros impressos. que influem no processo de capacidade de ler e escreve,
Na idade escolar há outra sintomatologia: aprendizagem. mesmo que já o tivesse
dificuldades na aquisição e automação de leitura e aprendido anteriormente.
escrita; desatenção e dispersão; dificuldades em Quadro 1 – Tipologia da dislexia, segundo Zorzi
copiar de livros e lousa; desorganização geral;
confusão de lateralidade; dificuldade na Ingram (1970) classifica a dislexia em geral e
matemática e desenho geométrico; disnomias; específica, enquanto, Bennatyne (1966) visualiza-
troca de letras na escrita; problemas de conduta; a como genética e disfunção neurológica mínima,
disgrafia; discalculia; e dificuldades de como indicado nos Quadros 2 e 3.
compreensão de textos escritos.

XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e 2


IX Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
INGRAM (1970)
Tipo Descrição
Geral Específica
AUDIOLINGUÍSTICA Perturbações articulatóriais,
Inclui outras dificuldades Limitada à leitura. problemas em dominar ou qualificar
como discalculia. objetos, inexistência de pontuação e
acentuação, inversão cinética, leitura
BENNATYNE (1966) silabada, dificuldades com grafemas e
fonemas.
Genética Disfunção neurológica
mínima VISOESPACIAL Dificuldades em lateralidade,
reconhecimento de objetos através do
Dificuldade auditiva, Dificuldades visoespaciais, tato, leitura silabada e precipitada,
sequenciação auditiva e cinestesicomotoras, táteis e escrita fraca (forma, tamanho e
associação do fonema- de conceitos. margem), inversão de letras ou
grafema. palavras escritas de forma espelhada.

Quadro 2 – Classificação da dislexia, segundo Quadro 4 – Taxonomia, segundo Campos;


Ingram; Bennatyne Tenreiro e Silvestre

Endrizzi e Pereira (2005) afirmam que a


BOORDER E MIKLEBUST (1971)
avaliação e o diagnóstico de dislexia têm que
Disfonética ou auditiva Diseidética ou visual ocorrer o quanto antes para evitar um desgaste
emocional da criança, dos pais e dos educadores.
• Dificuldades para interpretar • Deficiências em Os testes mais utilizados, atualmente, para um
e relacionar informações interpretação e diagnóstico preciso são dirigidos à leitura, à
ouvidas; processamento da imagem
no cérebro; Problemas de compreensão, aos processamentos visuais e
• Deficiência em auditivos e à inteligência.
leitura global, leitura silábica
discriminação e memória
sem realizar a aglutinação e
auditiva;
síntese; Discussão
• Não audiobiliza
• Fragmentação ou troca de
cognitivamente os fonema.
fonemas equivalentes, Frente à sintomatologia da dislexia, entende-se
• Dificuldades com a letra que o papel do educador é de extrema importância
cursiva; na vida desses educandos, haja vista ter a
• Maiores dificuldades para ler sensibilidade de perceber a necessidade de seu
do que para escrever; educando por meio dos sinais que apresentam no
• Dificuldade na percepção decorrer de sua vida estudantil. Ao observar o
visomotora; educando e desconfiar de algum problema deve-
• Falta de habilidade visual, se investigar e encaminhá-lo para um diagnóstico
não visualiza cognitivamente correto. Em seguida, deve-se iniciar um
o fonema.
tratamento e realizar um trabalho específico para
Intermodal ou mista com esta criança em parceria com os pais, a
comunidade educativa e os especialistas que
Combinação de disfonética e diseidética. fazem parte da equipe multidisciplinar.
Quadro 3 – Classificação da dislexia, segundo Todavia, primeiramente, o diagnóstico é
Miklebust essencial. Para Schwartzman (2009), o
diagnóstico, que ocorre de forma excludente,
Campos (2009), bem como Tenreiro e Silvestre eliminando outros problemas que possam causar
(2009) comungam sobre a taxonomia da dislexia dificuldade de aprendizagem, tem de ser realizado
em três categorias, como demonstrado nos por uma equipe multidisciplinar, constituída por
Quadros 4 e 5. psicólogos, fonoaudiólogos, psicopedagogos e
neurologistas, pois, o quanto antes a dislexia for
Tipo Descrição diagnosticada, mais cedo esta criança poderá ser
ALÉXIA OU Principal característica é a deficiência
tratada adequadamente, a fim de se minimizar o
AUDIVISUAL na leitura, não afetando a escrita, seus problema, visto que dislexia não tem cura.
sintomas são: inabilidade acentuada Na opinião de Santos et al. (2005), para se
na leitura, dificuldade com análise diagnosticar corretamente uma criança disléxica é
fonética e na apreensão de letras
palavras completas.
necessário verificar, a priori, alguns fatores
comuns em sala de aula: dificuldades auditivas e
Quadro 4 – Taxonomia, segundo Campos; visuais, lesões cerebrais sejam congênitas ou
Tenreiro e Silvestre adquiridas, falta de afetividade, fracasso escolar e

XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e 3


IX Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba
hiperatividade. Somente desta forma, com o Referências
auxilio de especialistas pode ser realizada uma
investigação da instituição de ensino, dos - AGENDA SACI. Índices de disléxicos.
pais/familiares e do desenvolvimento da criança Disponível em:
desde o seu nascimento, e, enfim, fechar um <http://agenda.saci.org.br/index2.php?modulo=ake
diagnóstico correto de dislexia. mi&parametro=1704>. Acesso em mar 2009.
A criança pode ser diagnosticada como
disléxica quando, apesar de possuir inteligência - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DISLEXIA (AND).
normal, boa saúde e órgãos sensoriais intactos, Dislexia. Disponível em; <www.andislexia.org.br>.
receber instrução escolar adequada e ter liberdade Acesso em: 04 ago 2009.
emocional, mas, não apresentar a mesma - CAMPOS, M.F.C.R. Dislexia. Centro de
facilidade para a leitura como os demais referência em distúrbios de aprendizagem.
educandos (CONDEMARIN; MARLYS, 1989). Neurologia Infantil. Disponível em:
Depois desta investigação, o tratamento tem <http://www.crda.com.br/aulascrda/neurologia/mari
que ser discutido com os familiares, os quais afernanda/DISLEXIA.pdf>. Acesso em: 05 ago
precisam estimular a criança a seguir em frente. 2009.
Este instrumento demonstra ao educador as
causas e as consequências da dislexia, bem como - CONDEMARIM, M.; MARLYS, B. Dislexia. Porto
o seu diagnóstico, por conseguinte, o educador Alegre: Artes Médicas, 1989.
terá seu trabalho em sala de aula facilitado, visto - DROUET, R.C.R. Distúrbios da aprendizagem.
que conhecerá o desenvolvimento cognitivo da São Paulo: Ática, 1995.
criança disléxica, objetivando a orientação
adequada da criança, proporcionando-lhe melhor - ENDRIZZI, G.; PEREIRA, M.L.C. Dislexia.
aprendizagem. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) –
Terapia Ocupacional, Universidade do Vale do
Conclusão Paraíba. São José dos Campos, 2005.

Entende-se que quando o educador desconfiar - FRANK, R. A vida secreta da criança com
do distúrbio deve procurar apoio da instituição de dislexia. São Paulo: M. Books, 2003.
ensino e conversar com os pais/cuidadores para - MOUSINHO, R.A. Conhecendo a dislexia.
que seja feito um acompanhamento com Revista Sinpro. Rio de Janeiro: Escola do
profissionais competentes. Ao trabalhar em Professor e do Departamento de Comunicação do
conjunto, educadores, pais/cuidadores e Sinpro-Rio, 2003.
especialistas podem auxiliar a criança a superar
esta dificuldade. - NICO, M.A.N.; SOUZA, J.C.F. Nova definição
O educador que deseja auxiliar os disléxicos, da dislexia. Tradução do Annals of Dyslexia.
mediante a um diagnóstico multidisciplinar, pode Definição de 1995 (G, Reid Lyon). Disponível em:
minimizar os problemas de linguagem. Desta <http://www.dislexia.org.br/>. Acesso em: 11 jul
forma, acredita-se que a melhor maneira de 2009.
trabalhar com a dislexia em sala de aula é - SANTOS, M.B. et al. Linguagem. Trabalho de
desenvolver diferentes estratégias de ensino e Conclusão de Curso (Graduação) – Curso Normal
aprendizagem, proporcionando a motivação e a Superior, Universidade de Iguaçu. Curitiba, 2005.
vontade de aprender sempre mais.
A motivação é muito importante para a criança - SCHWARTZMAN, S. Diagnóstico. Entrevista com
disléxica. Ao se sentir limitada e inferiorizada, ela Drauzio Varella. Drauzio Varella. Disponível em:
pode se revoltar e assumir atitude de negativismo. <http://drauziovarella.ig.com.br/entrevistas/dislexia
Por outro lado, quando se vê compreendida e II2.asp>. Acesso em: 04 ago. 2009.
amparada, adquire segurança e vontade de
colaborar. - TENREIRO, G.; SILVESTRE, S. Estratégias dos
Portanto, não é comum encontrar respostas serviços de psicologia e orientação da Esen. Esen
para tudo em um diagnóstico, mas sim, no dia a Viseu. Disponível em:
dia que se aprende a lidar com as dificuldades que <http://www.esenviseu.net/Recursos/Download/Te
se depara – seja do educando ou do educador, o ma_27/Dislexia.PPT#257,2,O QUE É????>.
segredo é preciso seguir em frente e jamais Acesso em: 05 ago. 2009.
esmorecer. Reconhece-se que só por meio de um - ZORZI, J.L. Dislexia. Fonotrade. Publicado em
trabalho progressivo e constante poderá prestar à 21 mai. 2009. Disponível em:
criança a ajuda que ela tanto necessita. <http://www.fonotrade.com.br/page/entrevista.pdf>
Acessado em: 09 jul. 2009.

XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e 4


IX Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba

Você também pode gostar