Você está na página 1de 10

TRATAMENTO DA ACNE COM ARGILOTERAPIA

1 2
Mariana Eduarda Brod , Sílvia Patrícia de Oliveira.

1 Acadêmico do curso de Tecnologia em Estética e Imagem Pessoal da Universidade Tuiuti do


Paraná (Curitiba, PR);
2 Fisioterapeuta Dermatofuncional, Prof. Adjunto da Universidade Tuiuti do Paraná.

Endereço para correspondência: marih_med@hotmail.com

RESUMO: Utilizada para fins terapêuticos há mais de três mil anos pelas antigas
civilizações do oriente, egípcios, romanos, gregos e árabes, na proteção da pele
contra os efeitos do sol, na conservação de múmias, para tratamento de feridas da
pele, inflamações e queimaduras, a argila é atualmente muito utilizada em
procedimentos estéticos devido aos inúmeros benefícios que possui entre eles
absorvente, analgésico, antiinflamatório e adsorvente, auxiliando no tratamento de
peles acneicas, bem como melhorando sua aparência. A pele com acne apresenta
excesso de sebo, apresentando aspecto brilhoso, geralmente com inflamações. O
uso da argila no tratamento da acne auxilia na diminuição da produção do sebo,
minimizando processos inflamatórios decorrentes da formação de comedões,
pápulas e pústulas. O presente trabalho tem por objetivo apresentar as qualidades
do uso da argila no tratamento da acne, por meio de revisão bibliográfica.
Palavras-chave: acne, argila, estética, pele.
___________________________________________________________________
ABSTRACT: Used for therapeutic purposes for over 3000 (three thousand) years by
ancient civilizations of the east - Egyptians, Romans, Greeks and Arabs - in
protecting the skin against the sun's effects, on conservation of mummies, for the
treatment of skin wounds, inflammations and burns, clay is currently widely used in
estetic procedures due to the numerous benefits it has, including absorbent,
analgesic, anti-inflammatory and adsorbent, aiding in the treatment of acneic skin
and improving its appearance. Skin with acne presents excess sebum, featuring
glossy appearance, usually with inflammation. The use of clay in the treatment of
acne assists in decreasing sebum production, minimizing inflammatory processes
resulting from the formation of comedones, papules and pustules. This work aims to
present the qualities of clay use in the treatment of acne, through bibliographic
review.
Keywords: acne, clay, aesthetics, skin.

1
1. INTRODUÇÃO

A acne é considerada uma enfermidade inflamatória da unidade


pilosebácea da pele, caracteriza-se inicialmente pela presença de comedões
abertos, que na fase inicial é mais palpável e não muito visível e se caracteriza como
um pequeno ponto branco, e comedões fechados que passaram por um processo de
oxidação da gordura e da ceratina juntamente com a deposição do pigmento
melânico, sendo mais visível pela coloração que adquiriu, localizadas
predominantemente no rosto, nas costas, no peito e nos ombros; ocorrendo uma
ruptura do orifício de saída da unidade pilosebácea com acúmulo de secreções
1.
favorecendo a proliferação de microorganismos que provocam inflamação no local.
Possui predisposição genética cujas manifestações dependem da presença
de hormônios sexuais, sendo assim mais comum na puberdade, quando as
glândulas sebáceas entram em maior atividade, com freqüência de 60% nas
mulheres e de 70% nos homens, mais precoce e persistente em mulheres devido
aos distúrbios endócrinos e ocorrendo no sexo masculino os casos mais intensos de
acne, sendo possível se estender até a idade adulta. As lesões podem ser variadas,
desde comedões abertos e fechados até nódulos e cistos. 2.
Uma das mais importantes técnicas terapêuticas naturais para o tratamento
da acne é a argiloterapia, devido à ação antiinflamatória, absorvente, antiséptica,
analgésica, tonificante e cicatrizante que possui. As argilas apresentam várias
colorações, o que caracteriza suas propriedades, sendo as mais conhecidas as
argilas verdes, brancas, rosas, vermelhas, amarelas, marrons e pretas. Essas
colorações são determinadas pela composição mineral da rocha em que foi extraída.
Utilizada atualmente pela indústria cosmética, é ainda muito usada na forma in
natura, principalmente na forma de máscaras, por apresentar fácil aplicação. 3, 4.
A acne é uma dermatose cutânea que pode causar forte impacto
psicológico, social, emocional, afetando sua auto-estima, pois a face é a área mais
visível do corpo, sendo difícil de escondê-la, assim causando estes impactos.
Geralmente manifestada na adolescência por estímulo hormonal, pode ocorrer
também em adultos, fazendo com que os impactos alterem a qualidade de vida do
indivíduo. 5.

2
2. PELE

Constituída por três camadas, a epiderme, a derme e o tecido subcutâneo, a


pele é o maior órgão do corpo humano, sendo uma barreira protetora contra agentes
externos. Nestas camadas da pele, encontram-se os nervos, glândulas, funções
celulares e folículos pilosos que juntos funcionam em equilíbrio para proteger o
corpo. O manto hidrolipídico é outra proteção que o organismo fornece à pele, é
constituído de sebo, lipídeos, suor e água, protegendo a pele da desidratação e
fatores externos. 6.
Existem quatro classificações com relação aos biótipos de pele, que são
classificadas de acordo com a quantidade das secreções encontradas na superfície
7.
da pele. A pele alípica (seca) apresenta aspecto áspero, desidratado e com
descamação devido a pouca produção de secreção sebácea, geralmente fina e com
pouca elasticidade. A pele eudérmica (normal) possui equilíbrio da secreção
sebácea, da queratinização e da sudorese, com aspecto liso e aveludado. A pele
mista possui a zona “T” (região frontal, nasal e mento) com produção elevada
secreção sebácea e nas laterais do rosto apresentam características da pele alípica
ou eudérmica. A pele lipídica (oleosa) confere aspecto brilhoso devido à grande
quantidade de glândulas sebáceas em todo o rosto, assim sendo a produção de
sebo elevada, apresenta óstiuns dilatados, pele espessa e com a presença da acne.
8, 9.

2.1 GLÂNDULAS SEBÁCEAS

As glândulas sebáceas se originam da bainha interna do pêlo e se


modificam ao longo da formação do folículo piloso, podendo existir várias glândulas
por pêlo. Na pele acneica, o folículo pilosebáceo apresenta glândula sebácea
1, 7.
hipertrofiada e no pêlo atrofiado. Essas glândulas são do tipo holócrinas e
secretam uma substância chamada sebo, que é constituída basicamente de
triglicerídeos, ácidos graxos e colesterol; mas as proporções de seus componentes
variam de uma pessoa para outra. 10.
A secreção do sebo depende de um estímulo hormonal, portanto, na
adolescência há aumento do sebo pela ação dos hormônios andrógenos, mas certas
drogas, temperatura, dietas e suor influenciam no fluxo do sebo, porém de forma
inferior aos androgênios. 1, 7.

3
A testosterona, um hormônio andrógeno, provoca hipertrofia das glândulas,
assim aumentando a produção de sebo, sendo no sexo masculino dependente dos
andrógenos gonodais e no sexo feminino dos andrógenos adrenais, entretanto a
presença do hormônio feminino estrógeno causa efeito inibidor na produção da
glândula sebácea; sendo assim mais comum o excesso de produção sebácea em
homens. 1, 7.

2.2 ACNE

A acne é uma dermatose multifatorial que possui predisposição genética e


maior atividade na puberdade, fase hormonal androgênica, mais comum em
7.
homens. É característica a presença de comedões, pápulas eritematosas e
pústulas; e nas formas mais graves a presença de cistos, abscessos e cicatrizes,
localizadas principalmente na face e região posterior e anterior do tórax, regiões
anatômicas ricas em glândulas sebáceas. 1.
As lesões da acne se encontram nos folículos sebáceos, sendo
característicos quatro parâmetros: hipersecreção sebácea (seborréia), ceratose do
canal folicular com estreitamento e retenção do sebo (comedogênese), proliferação
2.
do Propionibacterium acnes no ducto sebáceo e inflamação. São decorrentes de
obstrução com ou sem inflamação dos folículos pilossebáceos, que acarreta no
aumento da secreção sebácea, na queratinização dos folículos pilossebáceos,
modificação da flora bacteriana da pele e reação inflamatória local. 1.
A hiperqueratinização com obstrução dos folículos pilossebáceos é o
principal mecanismo de constituição dos comedões, que podem ser abertos ou
fechados. Queratinização anormal juntamente com sebo, formam o comedão que
em fase inicial geralmente não é visível, sendo um discreto ponto branco e com a
evolução do comedão, torna-se visível em conseqüência da oxidação da gordura e
1, 7.
da ceratina, associada ao pigmento melânico, causando dilatação do óstium.
A inflamação local é causada principalmente pelo microorganismo
Propionibacterium acnes, pois promove liberação de ácidos graxos livres que em
contato com os folículos pilossebáceos causa irritação e inflamação, mas também
1.
ocorre por mediadores biológicos ativos que se propagam pelos folículos.

4
2.3 ARGILA

Material natural com origem das rochas sedimentares, de granulação fina,


que ao longo de muitos anos e com auxílio climático se dissolve, recolhendo metais
e elementos da terra, formando a argila. Constituída por minerais como: manganês,
alumínio, níquel, magnésio, cálcio, ferro, sílica, sódio, zinco, cobre, potássio e
selênio, estimulam a ação de trocas calóricas, líquidas e iônicas exercidas pelos
elétrons livres existentes nestes minerais, contendo também filossilicatos que são
11.
hidrofílicos, oferecendo plasticidade às argilas.
São divididas em duas categorias, argilas primárias que têm origem da
composição do solo por influência físico-química do ambiente, encontrado
geralmente em forma de pó; e argilas secundárias que têm origem da sedimentação
de elementos conduzidos pelo vento e chuva, geralmente encontrados na forma de
pasta ou lama. 11, 12.
Os minerais como ferro, potássio, silício e magnésio conferem ação
bactericida, antisséptico e regeneradora à argila, promovendo troca iônica e
13.
apresentando ação catalizadora para muitas reações químicas. Sua estrutura
arenosa ocasiona uma esfoliação suave, promovendo também ação tensora e
estimulante, amaciante, suavizante, oferece aquecimento, refrescância e firmeza
local; sendo usados em máscaras faciais e corporais, sabonetes, cremes, loções e
podendo ser usadas também como excipientes com função emulsificante e
gelificante. 11.
O efeito da argila é definido pela contração e endurecimento da máscara
após a evaporação da água, sendo que desta maneira suas propriedades são
compreendidas. É encontrada em várias cores, cada uma com uma finalidade
específica e sendo na acne as seguintes argilas mais indicadas para o tratamento
estético. 11.
Argila Amarela: rica em dióxido de silício e silício – componente catalisador pra a
formação base de colágeno da pele - possui alta capacidade de troca de cátions e
ânions, combatendo o envelhecimento cutâneo, nutrindo com seus sais minerais a
pele sem ressecar, tem ação adstringente, purificante, efeito tensor, ativa circulação,
11, 14.
hemostática e remineralizante, efeito hidratante e reduz inflamações.
Argila Branca: possui elevada quantidade de alumínio, sendo altamente

5
cicatrizante, tem um pH próximo ao da pele, indicada para peles mais sensíveis,
possuindo ação clareadora, absorve a oleosidade sem desidratar, é suavizante,
descongestionante e antisséptico. Essa argila auxilia na eliminação de toxinas da
superfície da pele e ativa a regeneração celular, revitalizando e fortificando o tônus
da pele, combatendo os radicais livres. 11, 15.
Argila cinza: encontrada nas regiões vulcânicas, tem grande afinidade com a água
por ser composta mais por sílica, tem pH alcalino assim sendo antiedematosa,
secativa, absorvente, melhora a circulação sanguínea assim favorecendo a
renovação celular. 11, 14.
Argila Marrom: sua composição é baixa de ferro, mas possui elevado teor de silício,
alumínio e titânio, sendo eficaz para peles acneicas. É estimulante circulatório, tem
ação cicatrizante, hemostática, adstringente, remineralizante, desintoxicante e
purificante. 11, 14.
Argila Verde: também conhecida como Montemolinorita, é composta por muitos
minerais, possui maior variedade de oligoelementos e rica em silício, tem pH neutro,
possui ação secativa, emoliente, absorvente, combate edemas, antisséptico,
bactericida, cicatrizante e analgésica, é a mais indicada para peles acneicas e
lipídicas, pois regula a produção sebácea. 11, 14.

2.4 ARGILOTERAPIA NA ACNE

Argiloterapia é o uso da matéria-prima argila no tratamento da acne, pois


possui ação absorvente, auxiliando no combate da produção do sebo e
conseqüentemente no aparecimento da acne, possuindo também ação bactericida
que atua no microorganismo Propionibacterium acnes, dificultando a liberação dos
ácidos graxos livres que ficam em contato com a pele, causando irritação e
inflamação. 11.
A argila é utilizada para fins terapêuticos principalmente na forma de
máscaras, cataplasmas e compressas podendo atingir a concentração de até 40%
em suas formulações. O procedimento se inicia com a preparação da pele, fazendo
a limpeza com sabonete apropriado para retirada de impurezas e aplicação de
tônico adstringente para reequilibrar o pH da pele. 16, 17.
A máscara é aplicada diretamente na pele ou sob gazes abertas, dissolvida

6
em água destilada morna e deve ser retirada após a secagem da argila; o
cataplasma é aplicado diretamente na pele, com água destilada fria e deve ser
retirado após uma hora da aplicação; a compressa é feita diretamente na pele ou
sob bandagens, pode ser feita com água destilada morna ou fria e deve ser retirada
16, 17.
após 30 minutos da sua aplicação.
A aplicação da argila tem que ser feita com um pincel facial apropriado ou
com uma espátula pequena, no sentindo das extremidades do rosto para a parte
central, evitando regiões dos olhos e boca, sem fazer movimentos faciais durante a
secagem da argila. A retirada do produto é feita com gazes e algodão molhados com
água de temperatura ambiente ou fria, com movimentos suaves, da região central do
rosto para as extremidades. Após retirar todo o produto, é aplicado hidratante,
preferencialmente em gel, e protetor solar. 16, 17.

2.5 INDICAÇÃO E CONTRA-INDICAÇÃO

O uso da argila é indicado conforme sua coloração, sendo diferenciadas


suas características principais e de acordo com o tipo de pele. Além de auxiliar no
tratamento da acne, a argila atua em queimaduras e inflamações cutâneas, sendo
utilizada em terapias de beleza em clínicas de estética e SPA’s, em formulações
cosméticas farmacêuticas e na medicina natural, que é usada internamente para
curar feridas de úlcera, auxiliando a reconstrução de células e tecidos. Não possuem
contra-indicação, mas aconselha-se o uso com moderação, pois possuem ação
esfoliante, e este efeito quando usado em excesso, pode causar inflamação e
manchas. 11, 15.

2.6 USO DAS ARGILAS EM COSMÉTICOS

Além de serem usadas naturalmente, as argilas vêm sendo empregadas em


formulações cosméticas para cuidados da pele, utilizadas para o reajuste de
propriedades reológicas e estabilizante de suspensões e emulsões, podendo ser
associadas em formulações que há resinas polivinílicas, ceras e hidrocolóides, este
que tem por finalidade estabilizar a suspensão de sólidos no meio líquido e
contribuindo para a força mecânica do filme seco, evitando desidratação quando

7
11.
aplicado à pele, conservando sua plasticidade e duração no armazenamento.
Além de serem usadas em fármacos, podem ser usadas em suplementos
18.
alimentares com a finalidade antioxidante.
Alguns pré-requisitos são importantes para que seja usada a argila em
preparações farmacêuticas e cosméticas: grau de pureza mineral, granulometria,
quantidade de água absorvida, contaminação microbiológica e composição química.
18.
São encontradas na forma de loções, cremes, emulsões e pastas.

3. METODOLOGIA

Este artigo foi feito por meio de revisão bibliográfica tendo como referências
artigos científicos, livros e sites publicados a partir do ano de 1999 até o ano de
2012. A pesquisa foi realizada no período de março de 2012 a outubro de 2012.

4. DISCUSSÃO

Os procedimentos que comprovam a eficácia da ação da argila são alheios à


falta de comprovação científica, principalmente no que se refere à hidratação e
revitalização da pele, porém, com relação à acne e oleosidade, acredita-se na
eficácia da ação da argila visto que a estrutura molecular confere-lhe um grande
poder de absorção, tendo a capacidade de extrair toxinas e substâncias nocivas do
organismo produzindo efeitos antissépticos e antimicrobianos. A elevada
percentagem de sílica e alumínio explica suas propriedades cicatrizantes e
antiinflamatórias, além do que sua estrutura molecular e em camadas conferem
características de absorção constituintes. 19.
O uso da argiloterapia para a prevenção e tratamento da acne é eficaz, mas
a identificação e conhecimento de cada tipo de argila e suas propriedades são muito
importantes para um procedimento eficiente e seguro, sendo importante
compreender e identificar cada tipo de argila e suas propriedades. 19.
Os autores consultados na realização deste trabalho são uníssonos em
afirmar a eficiência da argila no tratamento da pele acneica, sendo que sua atuação
como seborreguladora melhora seu aspecto, bem como auxilia no tratamento e
prevenção da acne.

8
5. CONCLUSÃO

A argila é uma mistura natural, complexa e com texturas próprias, visto que
cada espécie possui cristais com dimensões, hábitos e formas peculiares de acordo
com seus respectivos processos de formação.
A utilização da argila no seguimento estético pode parecer, num primeiro
momento, uma grande novidade, no entanto, verificam-se registros milenares de seu
uso para propósitos cosméticos, tendo sido aplicada na prevenção e cura de
doenças internas e externas. Atualmente o tecnólogo em Estética e Imagem Pessoal
pode se valer da argila principalmente na forma de compressa, cataplasma e
máscaras, sendo esta a mais utilizada nos procedimentos para o tratamento da acne
juntamente com outros tratamentos, pois há que se levar em conta seu baixo custo,
a facilidade em acessá-la bem como sua popularidade e a isenção de efeitos
colaterais.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. CUCÉ, L. C.; NETO, C. F. Manual de Dermatologia. 2 ed. São Paulo, 2001.

2. AZULAY, R. D. Dermatologia. São Paulo, 2011.

3. PERRETO, I. C.; Argila: um santo remédio e outros tratamentos


compatíveis. São Paulo, 2009.

4. GOMES, R. S.; DAMAZIO. M. G. Cosmetologia: descomplicando os


princípios ativos. 3 ed. São Paulo, 2009.

5. COTTERRIL, J. A. Acne Perceptions. Dermatol Psychosom, 2002.

6. GERSON, J. Fundamentos de Estética 3. 10 ed. São Paulo, 2012.

7. MAIO, M. Tratado de Medicina Estética. Vol I e III, 2 ed, São Paulo,


2011.

8. MICHALUN, N.; MICHALUN, M. Dicionário de ingredientes para cosmética


e cuidados da pele. 3 ed. São Paulo, 2011.

9. BRENNER, E. Dermatologia Estética. 1 ed. São Paulo, 2004.

10. HERNANDEZ, M.; MERCIER-FRESNEL, M. M. Manual de Cosmetologia. 3


ed. Rio de Janeiro, 1999.

9
11. SOUZA, V. M.; JUNIOR, D. A. Ativos Dermatológicos. Vol I a IV. São Paulo,
2009.

12. COELHO, A. C. V.; SANTOS, P.S. Argilas especiais: o que são,


caracterização e propriedades. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

13. VARELLA, L. Alternativas para o tratamento corporal com utilização da


lipoescultura gessada. 3 ed. 2008.

14. ALDORI, A.; Caracterização de argilas para uso em saúde e estética.


Unesc. Criciúma, 2009.

15. LIMAS, J. R.; DUARTE, R. A argiloterapia: uma nova alternativa para


tratamento contra seborréia, dermatite seborreica e caspa. UNIVALI.
Florianópolis.

16. ZAGUE, V. Argilas: natureza nas máscaras faciais. Cosmetics & Toiletries.
Vol. 18, 2007.

17. BORGES, F. S. Modalidades Terapêuticas nas disfunções Estéticas. 2 ed.


São Paulo, 2010.

18. NETO, E. T.; NETO, A. A. Modificação química de argilas: desafios


científicos e tecnológicos para obtenção de novos produtos com maior valor
agregado. Universidade Federal do ABC. Santo André, 2009.

19.
20. FERREIRA, I.; COSTA, M. C. D. Geoterapia: utilização da argila para o
cuidado com a beleza e a prevenção contra efeitos de tempo. Unifil, 2010.

10