Você está na página 1de 126

Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Movimento psicanálise, autismo e saúde publica

Em reação a uma série de manifestações que visam desqualificar a Psicanálise


como linha de abordagem no tratamento de pessoas com autismo, profissionais de
saúde mental decidiram organizar um movimento em defesa da aplicação de múltiplas
abordagens no trabalho com essas pessoas. O movimento tem como objetivo refutar,
baseado em pesquisas e estudos com rigoroso valor científico, tentativas de adoção,
nas políticas de saúde pública, de modelos de tratamento exclusivos.
O acontecimento que gerou a fagulha para o movimento foi um Edital lançado
pela Secretaria de Saúde de São Paulo, em 04 de setembro de 2012, aberto para o
credenciamento junto à SES de instituições de saúde mental trabalhando com autismo.
O Edital permitia inscrição exclusivamente para as instituições que seguissem o
método cognitivo-comportamental. Pouco tempo depois, o Centro de Referência da
Infância e Adolescência - CRIA, ligado a Universidade Federal de São Paulo e de
orientação psicanalítica, teve as suas portas fechadas, com base no argumento de que
a psicanálise não possui base científica. Porém, graças à reação de colegas e
instituições envolvidas no atendimento multidisciplinar de pessoas com autismo e de
suas famílias, o fechamento do CRIA foi revogado e a instituição voltou a funcionar.
O movimento, que se denominou "psicanálise, autismo e saúde pública", já
conta com mais de 350 profissionais de todo o território nacional, representando 100
instituições. Contam-se entre elas instituições universitárias, instituições psicanalíticas
de diferentes filiações teóricas, organizações não governamentais e instituições de
tratamento. O movimento pretende reforçar a organização e a coordenação dos
esforços que vêm sendo empreendidos no sentido de fornecer informações abalizadas
e responsáveis, isentas de interesses politicos e ideológicos particulares, para subsídio
da definição e implantação de políticas públicas de saúde mental e, em especial, para
pessoas com autismo.
Reflexo do crescente interesse que o tema suscita, o governo federal, a pedido
de associações de pais de autistas, deu partida a processo público para o
estabelecimento do documento “Linha de Cuidado para Atenção às Pessoas com
Transtorno do Espectro do Autismo na Rede de Atenção Psicossocial do Sistema Único
de Saúde”, que sirva de referência à atuação de profissionais e gestores nas três
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

esferas de governo. A elaboração do documento, cujo texto-base destaca a construção


de de projetos terapêuticos singulares sem privilegio de qualquer abordagem teórica e
o atendimento muldisciplinar, tem previsão de lançamento em 2 de abril de 2013 e
está a cargo de um grupo de especialistas, que abriu consultas públicas no início de
fevereiro.
O MPASP promoveu duas reuniões em São Paulo, na sede da Associação Lugar
de Vida – instituição voltada para o atendimento e a pesquisa no campo do autismo,
com abordagem psicanalítica – e uma reunião na Faculdade de Educação da USP,
organizadas por Maria Eugênia Pesaro e Cristina Kupfer, do Lugar de Vida, por Gabriela
Xavier de Araújo do CRIA, por Claudia Mascarenhas, do Espaço Moebus, do Instituto
Viva infância e do grupo de pesquisa Preaut Brasil e, Paulina Rocha, do CPPL, de Recife.
Durante os meses de janeiro, fevereiro e março de 2013, os grupos de trabalho
temáticos do Movimento reuniram-se de modo presencial nessas três reuniões e
também em outras ocasiões, inclusive virtualmente, e discutiram seus temas para a
Jornada de 22 a 24 de março, também em São Paulo.
O objetivo da Jornada foi apresentar as produções dos 13 grupos de trabalho
temáticos que se organizaram em torno de três grandes eixos: 1. Políticas públicas
para o atendimento da criança com autismo; 2. Ciência e Psicanálise; 3. A clínica
psicanalítica para crianças com autismo. As apresentações dos GTs tinham como foco
tornar mais claro e real o conhecimento sobre a presença da psicanálise nos setores
públicos e privados no Brasil e produzir um extenso e consistente material a ser
divulgado ao público em geral.
A Jornada contou ainda com três mesas redondas para iniciar diálogos e trocas
com envolvidos na questão do autismo e da saúde pública e tornar pública a existência
do movimento.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Grupo de Trabalho 1 – Políticas Públicas

Políticas Públicas em Saúde Mental para a Infância

Efetuamos um resgate histórico e bibliográfico no subgrupo Políticas Públicas


em Saúde Mental para a Infância, no intuito de mapear “onde estamos” no âmbito da
garantia de direitos e das práticas clínicas voltadas para essa população; da mesma
maneira, agregando diferentes saberes, pretendemos ser propositivos em relação ao
rumo dessas políticas públicas, de modo que elas possam operar com o campo da
subjetividade.
A política pública para a infância constitui uma preocupação relativamente
recente na agenda nacional, mesmo com dados apontando que a prevalência de
transtornos mentais em crianças e adolescentes possa chegar até 20% dessa
população (MS, 2005); soma-se a isso, a constatação de que muitos transtornos
mentais de adultos terem início nessa fase da vida, sendo a intervenção precoce
decisiva para um melhor prognóstico. Não obstante, as crianças com transtornos
mentais ficaram por muito tempo aos cuidados de instituições assistenciais, sem
perspectivas terapêuticas e muitas vezes com viés asilar.
Faltavam políticas públicas para dar acolhimento adequado para aquela
demanda. E hoje, faltam serviços, faltam conhecimentos de como enfrentar essa
demanda, e falta avaliação consistente daquilo que já foi feito.
A baixa na mortalidade infantil e os perfis de morbidade apontam para uma
tendência mundial a esse cenário de alta demanda para atendimentos em problemas
de saúde mental infantil, aliada a uma baixa capacidade de resposta dos sistemas de
saúde e cuidados com a infância.
Em relação à incidência e prevalência, discute-se se estamos utilizando
métodos inadequados na sua aferição, ou as mudanças na classificação dos
transtornos mentais na infância criaram essa realidade, ou ainda, fala-se em uma
transformação das condições de vida da população infantil, que estaria vivenciando
altas taxas de sofrimento psíquico.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Existem nesse cenário algumas constatações importantes: 1) Reconhecer as


crianças como sujeitos, e com direitos, e considerar a complexidade e diversidade
psíquica desses sujeitos com transtornos do desenvolvimento dos mais graves (TEA)
aos menos graves 2) saber que as políticas públicas demandam ações mais amplas e
intersetoriais fundamentadas por concepções e práticas com as dimensões políticas,
clínicas e éticas e 3) privilegiar a transdisciplinaridade e as intervenções precoces.
A Saúde Mental da Infância e Juventude precisa ser colocada na agenda de
prioridades das Políticas Públicas.
A rede de saúde mental de crianças e jovens é questão de saúde pública e deve
integrar o conjunto de ações do Sistema Único de Saúde (SUS). No Brasil, somente a
partir de 2003, o Ministério da Saúde passa a orientar a construção coletiva e
intersetorial das diretrizes de uma assistência para esta faixa etária de base
comunitária, e em acordo com as diretrizes da Reforma Psiquiátrica. Diferentemente
da política de saúde mental dos adultos, que pôde avançar em suas propostas, apesar
das dificuldades, a política nacional de saúde mental infantil precisou considerar as
particularidades e necessidades da infância, desafios na construção de uma política
nacional de saúde mental infantil, que propunha um redesenho do modelo anterior
assistencialista para diretrizes, em que uma rede de cuidados de base comunitária e
territorial fosse prioritária na atenção integral dos sujeitos, incluindo a inserção
familiar, social e cultural.
Diversos fatores contribuíram para as dificuldades da saúde mental infantil de
ser incluída na agenda das políticas públicas de saúde mental, nacional e
internacionalmente, a saber: “a extensa e variada gama de diagnósticos (transtornos
globais do desenvolvimento, transtornos de conduta e de ansiedade, uso abusivo de
drogas etc.), carência de estudos consistentes sobre frequência, persistência, prejuízo
funcional e consequências na vida adulta, associadas aos transtornos mentais da
infância e adolescência, falta de evidências empíricas de qualidade sobre a eficácia e
efetividade de tratamentos para esses transtornos, e a particularidade do sistema de
cuidado, pois, frequentemente, envolve várias disciplinas “(Couto, Duarte, &
Delgado).1

1
A Saúde Mental Infantil na Saúde Pública Brasileira: Delgado e Col.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Marcos históricos como a Constituição de 1988, com a criação do SUS e seus


princípios de sistema público de saúde gratuito, preconizando universalidade,
integralidade, equidade, controle social, descentralização e resolutividade; depois, a
publicação do Estatuto da Criança e do Adolescente(ECA), auxiliaram gradativamente
na construção de um campo assistencial no âmbito da saúde. Começa a participação
de vários atores: Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde, movimentos
sociais de usuários, movimentos sociais dos trabalhadores de saúde mental, conselhos
de saúde estadual e municipal e fóruns de saúde.
Neste panorama histórico, com a vigência do SUS, em 1995, busca-se mais
eficiência na prestação dos serviços públicos, dando ínicio às parcerias público-
privadas, sendo então criadas formas de parcerias com as organizações sociais e as
organizações do terceiro setor, ocasionando também a expansão do setor privado,
com seus planos de saúde. Temos visto em nosso coletivo, que diferentes serviços
conveniados e parceiros ao Estado realizam trabalhos fundamentais no âmbito da
infância.
Hoje, 60% do orçamento do SUS são destinados a pagar os procedimentos às
empresas terceirizadas. Apesar da ampliação do atendimento à população pelo SUS, as
insuficiências na rede, problemas quanto ao financiamento e as relações com o
sistema privado são apontados pelos especialistas como entraves na melhoria dos
serviços.
Retomando, o tema central da política de saúde mental infanto-juvenil é a
construção de uma rede de cuidados capaz de responder com efetividade às
necessidades das crianças e adolescentes. Neste sentido, três ações foram
implantadas: 1) os Centros de Atenção Psicossocial infanto-juvenil (CAPSi), em 2010
eram 128 CAPSi, sendo que são1620 CAPSs. 2) a articulação em rede dos serviços e
dispositivos da rede de saúde, principalmente o apoio à Atenção Básica 3) a
construção de estratégias para articulação intersetorial da saúde mental com outros
setores envolvidos como: a educação, a justiça, a assistência social etc.
Do ponto de vista da organização assistencial, tem-se buscado investir na
construção de uma “rede pública ampliada de atenção à saúde mental infanto-juvenil”
com base territorial e comunitária, em que devem estar articulados serviços de
diferentes setores, com graus diferenciados de complexidade e níveis distintos de
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

intervenção. Se inicialmente, pensou-se que a atenção básica, por exemplo, seria a


porta de entrada da Saúde Mental, e destinada aos casos mais leves, enquanto os
CAPSis teriam a incumbência de tratar os mais graves (psicóticos, os estados autísticos
etc.), hoje, temos norteadores para o trabalho com a subjetividade no referencial
psicanalítico e outros organizadores das redes se colocam, sendo que a concepção de
um trabalho em rede vai além do modelo da divisão de papéis pela hierarquização, e
aposta no modelo de compartilhar papéis nos Projetos Terapêuticos Singulares.
A despeito das diferenças hierárquicas e atribuições específicas de cada
equipamento de saúde, constatam-se alguns princípios clínicos e éticos que estão
postos e que devem operar nas novas redes de atenção de saúde mental. A
transdisciplinaridade, que implica assumirmos a complexidade do trabalho com o
sofrimento psíquico, a presença de Fóruns de Saúde Mental, com a finalidade de
potencializar a rede intersetorial, o matriciamento, que apoiam a construção de
projetos terapêuticos singulares e os encaminhamentos implicados.
Por exemplo, é função da atenção primária a detecção e intervenção precoce, sendo
de fundamental relevância a capacitação de todos os profissionais para esse tipo de
serviço. Na rede pública, encontramos no Manual para os pediatras e no Caderno de
Atenção Básica, orientações sobre o desenvolvimento psíquico. Além disso, um grupo
de especialistas, a partir de uma demanda do Ministério da Saúde realizou a pesquisa
Multicêntrica de Indicadores Clínicos de Risco (IRDE), instrumento importante, porque
os indicadores psíquicos passaram a ser incorporados na ficha do desenvolvimento da
criança. A disseminação dos indicadores para a detecção precoce e o acolhimento dos
casos, criando uma rede de atenção articulada e integrada, exige a capacitação dos
agentes da rede e da valorização do trabalho deles, referenciados de forma horizontal
pelos especialistas. Ou seja, este funcionamento é matricial, modelo que supera a
forma taylorista de divisão de papéis, e avança para a interdisciplinaridade, que sugere
o compartilhamento de papéis caso a caso, no território. Essas estratégias sustentam o
trabalho com a subjetividade.
Em todas as regiões do país, as escolas, as creches, seguidas das ações das
Equipes de Saúde da Família, mostram a importância desses serviços na construção de
uma rede de cuidados de saúde mental ampliada e inclusiva.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Com o olhar da subjetividade, as várias estratégias nos atendimentos clínicos


das crianças vão incluí-las ativamente em todo processo de tratamento, não tomando
uma queixa familiar ou escolar como um fim em si.
Reconhecer a criança como sujeito envolve identificar suas potencialidades e os
variados fatores que compõem a situação de sofrimento, buscando soluções em
conjunto com os diferentes atores envolvidos. Se o trabalho terapêutico visa à
emancipação social, o profissional da saúde não deve ficar como aquele que “sabe”
sobre o sofrimento da criança e da família, pois essa postura tende a alimentar a
dependência e o sentimento de impotência frente ao cuidador (Onocko Campos &
Gama, 2008).
Abrir espaço para o saber das crianças e familiares em sofrimento mental
implica ajudá-los na sua singularidade, com tudo aquilo que os afeta em particular. Os
recursos terapêuticos não devem, como em outrora, ser homogeneizantes e
massificados, e sim pensados de acordo com as possibilidades do profissional e equipe,
do próprio sujeito, do território em que se situam as redes afetivas etc. Nessa nova
rede de cuidados, isso é denominado Projeto Terapêutico Singular (PTS), claramente
ampliando a proposta de remissão sintomática do modelo biomédico.
O acolhimento e o encaminhamento implicado (MS, 2005), práticas que vêm
sendo propostas atualmente, sugerem que a postura dos equipamentos de saúde,
através de seus profissionais, deve ser receptiva em relação à demanda de ajuda,
mesmo que o tratamento em seguida não se processe na mesma instituição ou se
estiver superlotada. Certas situações relativamente simples podem se cronificar se não
acolhidas no momento, podendo ser desfeita a demanda, ou encaminhada de modo a
garantir o tratamento em outra instituição mais adequada.
O vínculo, em seguida, consiste num dos recursos mais importantes dentro de
um tratamento, mesmo que seja uma “tecnologia humana”. A confiança construída
junto ao profissional, que, de preferência, acompanha o caso no seu transcurso
institucional, é fundamental para o êxito terapêutico. A relação transferencial, em
linguagem psicanalítica, envolve “a existência de um sujeito disposto a falar sobre sua
vida e suas inquietações e de um profissional atento, para quem o sujeito possa
atribuir um saber capaz de ajudá-lo na tarefa de enfrentar os problemas da vida”
(Projeto Casa da Árvore).
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

O uso de medicação, embora necessário e até imprescindível em determinados


casos, não deve ser feito de maneira indiscriminada, e sim pensado à luz de cada caso,
tendo no horizonte a perspectiva de que o sujeito possa cuidar de si, da maneira mais
autônoma possível. Neste posicionamento ético que afirma a dimensão da
subjetividade, almeja-se substituir as tecnologias duras (exames invasivos,
medicações...) pelas tecnologias humanas e relacionais.
Fazemos menção novamente ao trabalho em rede e no território, visto que na
esfera pública temos a responsabilidade de não sobrepor cuidados, e de pensar junto a
nossas crianças e familiares as melhores saídas para as situações de sofrimento. Isso
implica, em larga medida, negociar com instituições que atravessam e influenciam
diretamente na vida desses sujeitos, produzindo saúde ou adoecendo-os. “O trabalho
dos serviços de saúde mental infanto-juvenil deve incluir, no conjunto de ações a
serem consideradas na perspectiva de uma clínica do território, as intervenções junto
a todos os equipamentos – de natureza clínica ou não –que, de uma forma ou de
outra, estejam envolvidos na vida das crianças e dos adolescentes dos quais se trata de
cuidar” (MS, 2005).
Depois de alguns anos, verifica-se a necessidade da expansão da rede de atenção
psicossocial. Além de sustentar a rede intersetorial, levando em conta as diferenças
locais, estes trabalhos requerem, ainda, a qualificação e formação permanente dos
gestores e profissionais, bem como a continuidade nos projetos implantados e na
regularidade dos recursos financeiros. Encontramos em nossos locais de trabalho uma
multiplicidade de ações, sem uma coordenação e articulação mais produtiva.
Alguns especialistas enfatizam a importância dos Programas de Saúde da
Família e o estudo de estratégias de atenção primária com tecnologias simples, mas
com recursos humanos especializados.
O Ministério da Saúde não aceita recortes por categorias e patologias, e
demonstra que a perspectiva da política caminha na direção da qualidade dos serviços
e na promoção dos direitos das pessoas envolvidas (Quality Rights). O debate, assim,
ultrapassa os limites da argumentação médica e se insere no campo da cidadania.
Em 2009, criou-se a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência.Trata–se de pessoas com impedimentos de natureza fisíca, mental e
intelectual. E em 27 de dezembro de 2012, com a reivindicação e mobilização dos
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

familiares e portadores do espectro do autismo, especialistas e outros, foi promulgada


a lei 12.764/12 que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com
TEA. Esta lei reconhece as pessoas com TEA como pessoas com deficiência, e tem em
suas diretrizes forte marco intersetorial.
Em relação ao trabalho com a Saúde Mental Infantil e especificamente no
trabalho com a clínica do Autismo, atualmente, temos o documento “Linha de cuidado
na atenção integral às pesssoas com transtorno do espectro do autismo e suas famílias
no SUS” (MS e Col.)2, em que diretrizes importantes estão norteando a política pública,
a saber: privilegiar a singularidade, a interdisciplina, a participação da família, incluir o
contexto social, a detecção precoce, orientação para o diagnóstico e a qualidade do
atendimento para a população e seus familiares. Consideramos necessárias a atenção
e a participação de todos os envolvidos, para que a implantação nos serviços atenda
aos princípios preconizados. Também queremos destacar o investimento em trabalhos
com os familiares, para desmistificar equívocos que foram construídos ao longo dos
anos, com críticas infundadas aos trabalhos da psicanálise, sobretudo abrindo espaços
para a escuta de seus sofrimentos, suas experiências e participações.
As conexões entre a clínica psicanalítica ampliada e as propostas de políticas
públicas criam aberturas ao fazer clínico com as estratégias vigentes e com as que
podem ser instituídas. Neste sentido, além de priorizar as estratégias CAPSi e PSF,
pensamos em projetos inovadores sintonizados com as realidades locais. No Brasil,
experiências inspiradas nos trabalhos de Dolto, Mannoni, Winnicott e outros
psicanalistas podem ser multiplicados em outros contextos sociais.
Para Benilton,3 “a construção de um sistema assistencial inspirado nos ideais da
reforma, além dos saberes técnicos, exige que a imaginação, a criatividade e a reflexão
crítica encontrem uma forma de delinear os desafios envolvidos neste campo. E na
atualidade, todas as transformações na assistência à saúde mental no Brasil, já não
defendem a hospitalização, mas as resistências aparecem, quando vemos a ênfase na
hegemonia dos médicos no campo da atenção à saúde, na ênfase nos tratamentos
biológicos como única forma efetiva de tratamento, na importação do modelo da

2
“Linha de Cuidado na Atenção Integral às Pessoas com Transtorno do espectro do autismo e suas
famílias no SUS”
3
Desafios da Reforma Psiquiátrica no Brasil: Benilton Bezerra JR.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

medicina baseada em evidências para a Psiquiatria, no abuso na utilização da


nosografia descritiva dos DSMs, em detrimento da atenção às dimensões
psicodinâmica, fenomenológica e psicossocial das psicopatologias. Deste modo, os
debates atuais estão marcados por questões de natureza epistemológica, teórica e
ética.”
Enfim, com a dor do viver e com os impasses, ataques e angústias que sofremos
no cotidiano dos nossos trabalhos, propomos o debate e o diálogo, para um trabalho
de um coletivo que hoje, se articula no Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde
Pública.

Participantes e colaboradores diretos do texto: Maria do Carmo Vidigal (SEDES), Denise


M. Cardoso Cardellini (SEDES), Wagner Ranna (SEDES, FMUSP), Paulina Rocha (CPPL), Eliane
Berger Mantega (SEDES), Cassia Gimenes, Bruno Espósito (CRIA/Unifesp), Felipe Lessa
(Faculdade de Saúde Pública USP), Sílvia Ribes (HU/USP), Isabel Kahn Marin (PUC/SP, SEDES,
ABEBE), Cristina Abranches (CAIS/MG), Luana Amancio.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Bibliografia
- Saúde Mental no SUS. As novas fronteiras da reforma Psiquiátrica. Relatório de Gestão. 2007-
2010. Janeiro de 2011.
- Caminhos para uma política de saúde mental Infanto-juvenil. MS, Brasília, 2005.
- Lauridsen-Ribeiro, E.Tanaka, O. Atenção em Saúde Mental para crianças e adolescentes no
SUS. Org. . Editora Hucitec, Saõ Paulo, 2010.
-Campos, W.G. e col. Apoio matricial e equipes de referência: uma metodologia para gestão do
trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de saúde Pública, Rio de Janeiro, 23, numero 2,
pp. 399, fev., 2oo7.
- Ranna, W. A saúde mental da criança na atenção básica. Detecção e intervenção a partir do
programa da saúde da família e do apoio matricial. Em: Atenção em Saúde Mental da Criança e
do Adolescente no SUS. Edith Lauridsen-Ribeiro e Oswaldo Tanaka, org. Ed. Hucitec, São paulo,
2010, pp.170.
- Onocko Campos, R., Gama, C. Saúde Mental na Atenção Básica. Manual de Práticas de
Atenção Básica. Campos, G. & Guerrero, A. (org.). Editora Hucitec, São Paulo, 2008, pp.221-
246.
- Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica.
Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil / Ministério da
Saúde. Cadernos de atenção básica nº 11. Secretaria de Políticas de Saúde. – Brasília:
Ministério da Saúde, 2002.
- Ministério da Saúde. Brasília- Manual do Crescimento e Desenvolvimento. 2001

- Delgado, P. Couto Maria Cristina, Duarte, Cristiane: A Saúde Mental Infantil na Saúde Pública
Brasileira: situação atual e desafios, Rio de Janeiro, Rev. Bras. Psiquiatria 2008;30(4) : 390-8

- Pesquisa Multicêntrica de Indicadores Clínicos de Risco para o desenvolvimento Infantil GNP


Grupo Nacional de Pesquisa, 2000-2008

- Bezerra Jr, Benilton, “Desafios da reforma Psiquiátrica no Brasil” in Phisis, Rev. Saúde
Coletiva, Rio de janeiro, 17920 243-250, 2007
- Milman, Lulli; Bezerra Jr, Benilton, in Casa da Arvore: uma experiência inovadora na Atenção
à Infância, Rio de Janeiro, Ed Garamond
- Caros Amigos, ano XVI, Edição Especial Saúde, no 059, novembro 2012
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Grupo de Trabalho 5 – Panorama Francês

PANORAMA DAS QUESTÕES ENVOLVENDO PSICANÁLISE E AUTISMO


NA FRANÇA

Resumo: Este texto apresenta uma revisão do material francês sobre psicanálise e
autismo. Ele foi realizado por um grupo de trabalho pertencente ao Movimento
Psicanálise, Autismo e Saúde Pública. Em função da pluralidade de autores, o texto
apresenta uma leitura singular sobre os fatos, que fala das relações de transferência de
trabalho que os autores apresentam com os interlocutores franceses. Uma visão mais
ampliada será feita em um trabalho futuro.

O objetivo deste grupo de trabalho é refletir as polêmicas envolvendo psicanálise


e autismo na França. Para isso, começaremos por uma breve revisão sobre a suposta
crise da psicanálise na França, para chegar aos diversos fatos políticos e sociais que
marcaram as discussões sobre autismo nos últimos anos.
Um primeiro indicador de que tinha havido uma mudança neste novo século em
relação à Psicanálise ocorreu já nos seus primórdios. Em 8 de outubro de 2003, na
França, foi proposta a "emenda Accoyer", visando à regulamentação do exercício das
psicoterapias.
Graças à ação incisiva de Jacques-Alain Miller, Bernard-Henri Lévy e outros,
um amplo debate teve início e a emenda, ao passar no Senado, levou os olhares a se
voltarem para o que estava acontecendo com o Instituto Nacional de Saúde e da
Pesquisa Médica (INSERM), que se tornou alvo da ira pública por ter tomado partido
contra a Psicanálise, identificando novas tentativas de cerceamento de suas práticas.
Paralelamente, o mercado das psicoterapias foi se tornando cada vez maior,
levando o fenômeno psi a ganhar outros contornos sob as influências do discurso da
ciência e do discurso do capitalista, com especial ênfase dada às TCCs, a partir de
parâmetros pretensamente científicos.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Aflalo (2012, p. 19) destaca que essas ações, sob a aparência de uma proteção
aos cidadãos, destinavam-se a permitir que o Estado tomasse o poder e deliberasse em
seu lugar, confiscando a liberdade dos sujeitos.
Em 2 de outubro de 2003, o Ministério da Saúde francês anunciou a elaboração
de um Plano Global de Saúde Mental, com base no Plano de Ações do doutor Cléry-
Melin. Nas reuniões para a sua construção, foram excluídos os representantes da
psicanálise, da psicologia clínica e das psicoterapias. O Plano complementava a
"emenda Accoyer" e, no bojo de ambos, encontrava-se a proposta de submissão dos
psicoterapeutas e psicanalistas aos médicos.
A mobilização dos psicanalistas foi bastante intensa: até fevereiro de 2004,
inúmeros fóruns psis ocorreram quinzenalmente, e grande parte dos intelectuais
franceses participou dessas sessões, aprofundando cada vez mais essas discussões.
Em novembro de 2003, surgiu um "Manifesto Psi" reunindo psis de todas as
linhas e tendências: psicanalistas, psicoterapeutas, psicólogos clínicos e psiquiatras em
torno da petição para que fossem suprimidos o Comunicado de 2 de Outubro e o
bloqueio da “emenda Accoyer”. A base desse documento se assentava no atentado às
liberdades individuais e à intimidade da vida privada. Nele, dois princípios foram
propostos: o direito da pessoa em sofrimento de escolher seu psi sem a interferência do
Estado, e o dever dos psis de apresentarem publicamente suas garantias, por meio de
suas associações e escolas, (AFLALO, 2012, p. 20).
Em meados de dezembro de 2003, Bernard Accoyer reconheceu que muitos
pontos precisavam ser revistos, e Laurent Fabius pediu ao Primeiro-Ministro francês,
Jean-Pierre Raffarin, a retirada da Emenda e a discussão de um acordo. Mas o
Ministério da Saúde solicitou que fossem entregues a eles os registros das instituições
psicanalíticas.
A Escola da Causa Freudiana não concordou desde o início com essa proposta,
que acabou tendo o aval da Sociedade Psicanalítica de Paris (SPP), a Associação
Psicanalítica da França (APA), ambas filiadas à Associação Internacional de Psicanálise
(IPA), fundada por Sigmund Freud em 1910. Outras instituições se incorporaram a elas
também, como a Organização Psicanalítica de Língua Francesa (OLP), a Associação
Lacaniana Internacional (ALI) e a Sociedade de Psicanálise Francesa (SPF).
Como destaca Aflalo (2012, p. 21), foi a primeira vez que, na França, “o Estado, sem
ter competência para isso, decidira imiscuir-se num debate entre sociedades eruditas.”.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Em fevereiro de 2004, houve a publicação de uma avaliação do INSERM de três


psicoterapias, das quais a psicanálise foi desqualificada e as psicoterapias cognitivo-
comportamentais ganharam lugar de destaque.
Em fevereiro de 2005, Philippe Douste-Blazy, Ministro da Saúde, compareceu
ao Fórum Psi e se mostrou favorável à Psicanálise de Freud e Lacan. Nesse mesmo ano,
foi publicado O livro negro da Psicanálise, ao qual Bernard-Henry Levy e Jacques-
Alain Miller deram uma resposta, publicando um dossiê especial em La régle du jeu.
Em fevereiro de 2006 foi publicado pela Editora Seuil O antilivro negro da psicanálise,
composto por textos breves apresentados nos Fóruns Psis, no qual se fazia crítica
documentada ao que acontecia na França.
Em junho de 2005 o Ministro Philippe Douste-Blazy foi substituído, mas foram
mantidos os encaminhamentos previstos pela “emenda Accoyer”.
No fim de 2006 houve uma nova ofensiva no Parlamento por parte de Bernard
Accoyer. Em seu documento que discutia uma lei que regulamentava medicamentos, ele
propôs dois novos artigos para regulamentarem a formação de psicoterapeuta, os quais
foram contestados posteriormente.
No outono de 2007 o Instituto Nacional de Prevenção e Educação para a Saúde (INPES)
lançou uma campanha de informação sobre a depressão do adulto, com grande foco nas
mídias.
No fim de junho de 2008 foi retirada a minuta do decreto da “emenda Accoyer”,
fazendo recrudescer a batalha. Para Aflalo (2012, p. 27), um novo eixo se estabeleceu:
“[...] a nova profissão de psicoterapeuta inventada pela minuta do decreto emanava de
uma vontade obstinada de regulamentar a fala entre duas pessoas, a fim de, mediante o
poder de Estado, impor o silêncio aos que sofrem.” .
No dia 5 de março de 2009, uma nova emenda substituiu a “Accoyer”. A
ministra da Saúde da época, Roselyne Bachelot, foi defendê-la na Assembleia e ela foi
aprovada por unanimidade. Nessa proposta, estava expresso que:

O acesso a essa formação é reservado aos titulares de um diploma no


nível de doutorado, dando o direito de exercer a medicina na França,
ou de um diploma no nível de mestrado, cuja especialização ou a
menção é a psicologia ou psicanálise. (AFLALO, 2012, p. 154).
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Havia também um item mais específico relacionado aos psicanalistas, que


seriam “[...] regularmente registrados nos anuários de suas associações (que) podem se
beneficiar de dispensa total ou parcial da formação em psicopatologia clínica.”
(AFLALO, 2012, p. 154). Como se pode notar, havia evidente encaminhamento da lei
na direção de um enquadre universitário e das instituições psicanalíticas. Sem
mencionar os embates no interior da própria psicanálise, tais como as propostas espúrias
de Daniel Widlöcher, que tenta estabelecer uma leitura psicanalítica nos moldes de uma
ciência cognitivista comportamental.
Como destaca Aflalo (2012, p. 39), para ele, “[...] o inconsciente se torna um
pensamento; o desejo também se torna um pensamento; e ocorre o mesmo com a
pulsão, a angústia, os afetos, a transferência, a interpretação. Com ele, tudo isso se
torna pensamento.”.
Partindo desse panorama, que lança questões à prática do psicanalista de um
modo geral, passaremos agora a discutir alguns pontos que fizeram questão à prática da
psicanálise no campo do autismo.

O autismo como deficiência


Diante de diversas contestações e queixas de associações de pais, em 1996, um
deputado da região do Loire, Jean François Chossy, consegue aprovar, na Assembleia
Nacional, a lei que estabelece o autismo como uma deficiência (handicap), lei Chossy
(Loi 96, 1076). Essa promulgação vem na esteira da mesma definição proposta pelo
Congresso Norte-americano, ou seja, a partir de então, não se trata mais de uma questão
de saúde mental, mas sim, de deficiência. Desse modo, o autismo é considerado como
um handicap especifico e necessita da construção de estruturas especificas para o
tratamento, fornecidas pelo Estado.
Essa discussão parte do argumento de que se nasce e se morre com autismo
(“autiste un jour, autiste toujours”) e que o autismo não pode ser considerado uma
doença da qual alguém pode se curar. Diversas associações familiares consideram
pejorativa e depreciativa a expressão “doença mental”, próxima à noção de loucura, e
preferem a ideia mais neutra de handicap.
Essa questão revela uma discussão importante da psiquiatria, dado que esta
assume um campo especial do saber médico. As doenças mentais, contrariamente aos
demais campos médicos, não se determinam pela ação de um agente que cria um
sintoma e pode ser eliminado.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Uma doença, por definição, é um processo evolutivo, ligado a um ou


mais agentes patológicos, conhecidos ou desconhecidos, que mesmo
podendo ser em determinado momento considerado como incurável,
pode, de fato, ter uma suposta cura em um momento onde se
encontrará um remédio. Ela tem a vocação de ser tratada. Uma
deficiência é um desvio fixo a uma norma, composto de um déficit e de
uma incapacidade mais ou menos definidas, que deixam o sujeito em
desvantagem, atrapalhando sua adaptação ao meio e podem somente
ser compensadas. Ela convoca uma reabilitação, quer dizer, um
reforço da utilização das capacidades restantes, o desenvolvimento de
novas capacidades e uma adaptação do entorno. (HOCHMANN,
2009, p.415)

A modificação de estatuto do autismo, entretanto, para além dessa discussão


sobre o saber psiquiátrico, delibera novas diretrizes para o tratamento do autismo, que
não é mais de responsabilidade do campo psi, e sim, do campo educativo. No momento
da promulgação da lei (e talvez ainda hoje), a maioria dos estudos demonstrando
eficácia no tratamento do autismo tinha suas origens em tratamentos educativos (como
o método ABA).
Em nova lei, de 2005, se estabelece da seguinte forma a deficiência: “[...] Toda a
limitação de atividade ou restrição de participação à vida social por uma pessoa em
razão de uma alteração substancial, durável ou definitiva de uma ou mais funções
psíquicas, sensoriais, mentais, cognitivas ou psíquicas, de uma deficiência múltipla ou
de um transtorno de saúde invalidante.”.
A discussão a respeito de doença mental versus deficiência física reacende o
antigo e obtuso debate sobre a etiologia do autismo, psicogênica ou genética. Golse
(2008) lembra que, ainda que ninguém conteste que o autismo representa uma
“deficiência existencial”, é preciso pensar que “[...] em francês, o termo handicap
assume, de forma mais ou menos implícita, a ideia de uma lesão neurológica e de um
entrave ao exercício de tal ou tal função, entrave que é preciso inicialmente constatar
antes de tentar remediar por abordagens educativas ou de reabilitação”. (GOLSE, B.;
DELION, 2008)
Partindo desse pressuposto, diversos psicanalistas e psiquiatras infantis se
manifestaram contra esse novo estatuto: Laznik (1996) aponta que a deficiência deve ser
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

tomada como a consequência do que não se instala no autismo; Hochmann (2009)


destaca que, mais do que a discussão acerca do sentido do termo, é preciso atentar para
o sentido político e filosófico que carrega esse novo estatuto, “[...] que visa impor uma
visão única, politicamente correta, sobre o autismo e seu modo de tratamento.”
Essa modificação de estatuto de doença mental para deficiência pode ser
localizada e compreendida como um marco, que inaugura uma nova fase de diretrizes
em relação ao tratamento do autismo e que colocam muitas questões para a psicanálise.
Na sequência deste novo estatuto, surge também do Estado, articulado com
órgãos científicos e com grupos de pais, o pedido para elaboração de um documento de
estabelecimento de diretrizes para o tratamento de autismo. A seguir iremos analisar
mais detidamente alguns dos seus aspectos.

Leitura crítica do documento da HAS “Recomendações para a boa prática no


tratamento de crianças e adolescentes com autismo”

Em março de 2012, a Haute Autorité de Santé (HAS), órgão científico criado em


2004 com o objetivo de garantir o controle da boa qualidade do sistema francês de
saúde pública, em parceria com a Agência Nacional de avaliação e da qualidade dos
estabelecimentos e serviços sociais e médico-sociais (Anesm), publicou um documento
no qual descrevia em detalhes as condutas a serem seguidas pelos profissionais de saúde
que atuavam na clínica do autismo. Esse documento foi intitulado “Recomendações
para a boa prática. Autismo e outros transtornos do desenvolvimento: Intervenções
educativas e terapêuticas dirigidas a crianças e adolescentes”.
Esse documento foi elaborado no decorrer de 2010 e se configura como um dos
pontos estratégicos de trabalho da Secretaria dos Deficientes, chamado Plano de
autismo 2008-2011, o qual visava lançar novas medidas de tratamento do autismo.
A psicanalista Geneviève Haag, membro fundador da Coordination
internationale de psichothérapeutes e psychanalyste s´occupant de personnes avec
autisme (CIPPA), foi convidada para integrar a equipe responsável pela elaboração do
documento. Contudo, constatou-se posteriormente que suas sugestões relativas ao
tratamento do autismo, fundamentadas na prática psicanalítica e psicomotora, foram
desconsideradas na elaboração final do documento.
O documento deixava clara a prioridade de condutas cognitivas e
comportamentais em detrimento de aspectos psicopatológicos, fato que levou um grupo
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

de psicanalistas, coordenados pela própria Geneviève Haag, a propor uma releitura


crítica desse material, com o objetivo de evidenciar os aspectos psicodinâmicos da
patologia do autismo, que haviam sido ignorados ou desconsiderados no documento.
Passamos a indicar agora alguns pontos em relação às condutas de tratamento e
intervenções propostas no documento do governo francês, contrapondo-as à leitura
psicanalítica proposta pela psicanalista Geneviève Haag, respeitada na França como
uma das maiores especialistas em autismo.
Primeiramente, quanto à definição de autismo, o documento parte das três
grandes classificações oficiais: O CID-10, o DSM-IV e a CFTMEA-R, segundo a
Classificação Francesa de Transtornos Mentais da Infância e da Adolescência (revisada
em 2000). A respeito dessa última, Haag chama a atenção por eles não considerarem sua
versão mais atualizada, feita em 2010, na qual se distinguem as psicoses precoces dos
TID.
Sobre os dados epistemológicos, é interessante observar, no subitem
“patologias/transtornos associados”, que o documento da HAS tende a considerar como
o único transtorno importante associado à síndrome autística o distúrbio de sono, com
uma prevalência que varia entre 45 a 86%.
Geniéve Haag propõe uma leitura inversa e original, ao enfatizar que muitas
patologias psiquiátricas têm, na realidade, pontos em comum com os traços específicos
do funcionamento da patologia autística, o que, por consequência, abrangeria o leque de
transtornos associados ao autismo. Como exemplo, ela enfatiza que os distúrbios de
ansiedade, a fobia e os distúrbios da atenção, bem como a síndrome autística
apresentam falha no processo de constituição da imagem corporal em decorrência da
existência de um eu cindido.
Haag enfatiza também a importância de se discutir de que maneira o termo
“psicose” é tomado na categoria da nova classificação do espectro autístico, já que ele
tende a ser compreendido como uma simples classificação de um autismo atípico, ao
passo que, para o referencial psicopatológico, são quadros distintos. A mesma autora
destaca as dificuldades de se detectarem distúrbios somáticos nos pacientes autistas,
dada a sua incapacidade de manifestarem seus sentimentos em relação à dor por uma via
que não seja a da agressividade ou de um fechamento autístico.
Quanto ao futuro do paciente autista, Haag destaca a importância de se
acompanhar a pessoa com autismo na passagem da adolescência para a vida adulta. Ela
lembra que o agravamento do quadro autístico – muito comum nesse período – deve-se
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

à força do impacto da puberdade sob os aspectos associados a uma imagem corporal


fragilizada e comprometida.
E além disso, Haag enfatiza que nesse período do desenvolvimento, se torna
mais evidente a dificuldade da evolução dos aspectos associados à reciprocidade social
dada a um comprometimento das construções identitárias. Nesse sentido, parece
pertinente observar qual seria o impacto do tratamento psicanalítico na evolução desse
aspecto na pessoa com autismo, uma vez que constatamos que, apesar de haver uma
leve evolução no quadro da socialização das emoções, a sintomatologia presente nas
interações sociais pouco se alteram.
Quanto ao “ao funcionamento dos pacientes com TID”, Haag sublinha a
importância de se acrescentar o testemunho de crianças e adolescentes em seus
tratamentos psicoterápicos de cunho psicanalítico, uma vez que serviriam como dados
importantes sobre transformações e evoluções das vivências subjetivas desses pacientes.
Ainda sobre o funcionamento sensorial, o documento relata que pacientes com autismo
apresentam particularidades no que diz respeito à percepção, comprometendo sua
capacidade de associar a parte ao todo. Acrescenta ainda que, graças à análise
retrospectiva de vídeos de bebês que se tornaram autistas, é possível constatar
precocemente traços da patologia do autismo manifestado por um comprometimento
anormal da psicomotricidade (hipotonia, distúrbios de expressão facial, posturas de
hipoatividade em geral).
A respeito dessas constatações, Haag sublinha a falta de referências
bibliográficas de trabalhos de cunho psicanalítico que enfatizam o impacto do
transtorno da imagem corporal no desencadeamento de certas anomalias. Ela lembra a
importância de considerar as expressões motoras como uma representação do eu
corporal, sendo este um ponto em comum para o estabelecimento de um diálogo entre
as ciências cognitivas, a neurofisiologia e as observações psicodinâmicas.
O manual de recomendações cita que o déficit da atenção compartilhada é
predominante em crianças com autismo, uma vez que elas não teriam a capacidade de
associar a palavra ao objeto e interpretar os gestos de comunicação. No entanto, relatos
de tratamento analítico de crianças autistas demonstram que estas têm plena capacidade
de desenvolver sua atenção compartilhada quando vivenciam um sentimento de
continuidade e de continência como efeito do tratamento analítico.
Ainda em relação à função de comunicação, o documento afirma que as crianças
autistas teriam uma dificuldade de imitar, o que iria de encontro às novas pesquisas
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

sobre o assunto realizadas por J. Nadel, nas quais ele comprova que as imitações
espontâneas do tipo precoce não estariam comprometidas nas pessoas com autismo, mas
sim, a imitação quando solicitada.
Quanto às funções emocionais, é importante ressaltar que o manual apresenta
uma leitura simplista e organicista, ao afirmar que distúrbios sociocognitivos de
aprendizagem da pessoa com autismo ocorrem graças à hipoativação de zonas cerebrais,
associadas à percepção das emoções, as quais estariam comprometidas desde o início da
vida e impossibilitam a compreensão das emoções e a capacidade de dividir e
harmonizar a percepção emocional do sujeito.
Em contrapartida aos trabalhos de abordagem psicodinâmica, como os de
Trevarthen (1989) “[...] as relações entre autismo e desenvolvimento sociocultural
normal: argumentos em favor de um transtorno primário de uma regulação do
desenvolvimento cognitivo pela emoção.”, sublinham que a desregulação emocional
seria própria do funcionamento autístico, o que implica associar o autismo “[...] a uma
dificuldade de regulação primária, e não, propriamente, a um déficit.”.
Trabalhos neurofisiológicos que mostram efetivamente uma hipoativação na
relação da troca do olhar e uma hiperativação quanto aos mecanismos de evitação,
revelam uma diferença do funcionamento dos circuitos neurológicos entre o sujeito
normal e o sujeito autista, reforçando, desse modo, a necessidade de promover um
espaço de diálogo entre clínicos de abordagem psicodinâmica, pesquisas cognitivistas e
pesquisas em neurofisiologia.
Quanto ao processo da avaliação do diagnóstico precoce do autismo, o manual
toma em consideração apenas sinais gerais, tais como: ausência ou raridade do sorriso,
recusa do olhar, ausência de brincadeiras. Essas observações já estão presentes na
caderneta de saúde da criança do sistema de saúde público francês.
No entanto, nenhuma observação sobre a pesquisa Preaut (Laznik et al. 1998) é
feita. Essa pesquisa de abordagem psicanalítica foi realizada em diversas regiões da
França, e toma como um dos sinais importantes do autismo precoce a ausência de trocas
jubilatórias entre mãe e bebê, dada uma falha no fechamento do circuito pulsional da
criança.
Ainda sobre a avaliação diagnóstica, o manual enfatiza que o diagnóstico dos
TID e do autismo permanece ainda como de caráter clínico, mas seria importante contar
também com o auxílio de certos instrumentos internacionais, por meio dos quais se
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

pode chegar a uma precisão diagnóstica da patologia do autismo, tais como o ADI e o
ADOS.
Embora o documento cite o teste psicomotor de Bullinger, que leva em conta o
desenvolvimento psicomotor da criança segundo um viés psicodinâmico, não se
menciona a grade de avaliação clínica das etapas da evolução do autismo (HAAG,
1995), nem tampouco, testes projetivos psicodinâmicos, tais como o Rorschach e o
Scenotest.
Quanto ao programa de inclusão escolar de pessoas com autismo, o manual faz
referência à igualdade de direitos quanto ao acesso à saúde, a educação e a vida social e
ao campo do trabalho, tal como explicita a lei de 11 de fevereiro de 2005, na qual as
crianças autistas, na condição de deficientes, podem usufruir de todos os direitos dos
cidadãos comuns.
No que concerne às propostas de intervenções, tanto individuais quanto
institucionais, com pessoas com autismo, o documento faz referência ao trabalho
psicanalítico, embora se constate uma preferência a uma leitura orgânica e educativa.
Nesse sentido, percebe-se uma grande incoerência quanto à elaboração do documento
final e a sua proposta inicial, pois, segundo a HAS, o objetivo principal da elaboração
desse documento era fundamentar diretrizes de base para o tratamento do autismo,
independentemente das posições teóricas e ideológicas. E, assim sendo, como explicar
que o resultado desse documento científico seja marcado por uma forte inspiração
biológica, na qual se explicita claramente a preferência por intervenções de caráter
educativo e cognitivo, ao mesmo tempo em que se consideram outras práticas de
tratamento como obsoletas?
Como enfatiza o psicanalista Claude Bernard (2010), da Universidade de Lyon,
esse documento que compõe o Plano do autismo 2008-2011, nada mais é do que o
reflexo da psiquiatria atual, sustentada por indústrias farmacêuticas e regida pela lógica
econômica dos planos de assistência de saúde, dos quais, se esperam resultados rápidos
e eficazes.
Bernard acrescenta ainda que esse documento denuncia a maneira como a
psicanálise tem sido transmitida à nova geração de profissionais, isto é, como uma
ciência ultrapassada e com poucas produções científicas capazes de demonstrar sua
eficácia no tratamento do autismo.
E Bernard denuncia que a comissão científica do Plano Autismo priorizou,
arbitrariamente, bibliografias psiquiátricas recentes (a partir do ano 2000) e apenas
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

aquelas de origem anglo-saxônica, as quais se caracterizam, particularmente, por


excluírem psiquiatras de orientação psicanalista de seus comitês de leitura, além de
rejeitarem publicações de trabalhos atravessados por uma leitura psicanalítica e
psicodinâmica. Nesse sentido, todas as observações clínicas profundas, as teorizações e
os resultados acumulados durante meio século por psicanalistas de inúmeros países são,
indiretamente, ignorados pelos profissionais que fundamentarão seu trabalho segundo as
normas sugeridas pelo manual.
Enfim, como enfatiza o psicanalista P. Delion, esse documento da HAS
responde mais aos interesses políticos e econômicos dos lobistas farmacêuticos do que
efetivamente ao interesse das pessoas com autismo.
Assim, paralelamente às Recomendações da HAS, o campo do autismo foi palco
de novos embates políticos.

Lei do deputado Fasquelle

Em janeiro de 2012, foi entregue à presidência da Assembleia Nacional Francesa


o projeto de lei4 elaborado pelo deputado Daniel Fasquelle. Esse projeto visa ao “[..]
impedimento das práticas psicanalíticas no acompanhamento das pessoas autistas, a
generalização dos métodos educativos e comportamentais e a realocação de todos os
financiamentos existentes para esses métodos.”. Envolvido com a causa do autismo,
esse deputado solicitava à assembleia, desde 2008, que o autismo se tornasse causa
nacional. Esse pedido foi aprovado pelo Primeiro-Ministro em 2012.
Como sustentação dessa proposição, o deputado Fasquelle destaca que a
psicanálise já foi abandonada como método de tratamento para o autismo em diversos
países anglo-saxões e que é muito pouco referida na grande maioria dos estudos
científicos. Em seu texto, ele se apresenta uma leitura particular da proposição da HAS,
destacando que ali se leria um aconselhamento ao abandono desse método.
No texto do projeto de lei, o deputado apresenta sua indignação ao constatar que,
na França, as práticas psicanalíticas são frequentemente encontradas nos
estabelecimentos hospitalares e médico-sociais, e que esses serviços são financiados
pela segurança social. Aponta o projeto que esse método, além de ser muito custoso
para o Estado, não apresenta resultados significativos que justificassem o dispêndio de

4
Cf: http://www.assemblee-nationale.fr/13/propositions/pion4211.asp
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

seu elevado custo.


O político Thierry Sibieude, assim como Daniel Fasquelle, também é pai de uma
criança com autismo, e respondeu com veemência a esse projeto de lei. Sibieude é vice-
presidente do Conselho Geral responsável por pessoas com deficiência e aponta, em
carta aberta, que muitas das discussões atuais escondem um grande lobby de interesses
bem diversos do que aqueles dedicados ao atendimento e ao alívio do sofrimento de
crianças com autismo e de suas famílias.
Nesta carta,5 Sibieude destaca que, para aumentar as chances de melhora, é
desejável que se favoreçam os trabalhos pluridisciplinares, e lembra ainda que o dever
dos atores públicos deve ser a vigilância, a pluralidade e a diversidade. “[...] Certamente
não é a lei que deve se pronunciar sobre a pertinência ou não de um método, mas sim os
experts e cientistas de tal domínio.” Concluindo a carta, o deputado afirma que “[...]
ouso afirmar que a exigência dos pais de crianças autistas, seu desejo mais caro, é o
poder escolher a melhor solução para seu filho, de compreender o que lhe é proposto
para atingir a felicidade de seus filhos.”. Esse projeto de lei não foi aprovado até o
momento.
Hochmann, em artigo6 publicado no jornal Le Monde, questiona a legitimidade
de um projeto de lei interditar um método de investigação. Ele destaca que, de fato,
certas linhas da psicanálise têm “[...] atribuído a patologia da criança a um
disfuncionamento inconsciente da mãe”. Entretanto, aponta que essa ideia já foi
corrigida graças a recomendações da HAS e, nesse sentido, não seria mais necessário
um projeto de lei.

O filme “Le mur ou la psychanalyse à l'épreuve de l'autisme” (O muro ou a


psicanálise à prova do autismo)7

O filme realizado por Sophie Robert, em parceria com a Associação de pais


Autisme sans frontières, foi projetado pela primeira vez em Paris, em 7 de setembro de
2011. O filme, que se pretende um documentário, contém diversas entrevistas com
psicanalistas franceses renomados, tais como: Bernard Golse, Pierre Delion, Danon
Boileau, Alexandre Stevens e Genevieve Loison, dentre outros, em relação a pesquisas

5
Cf: http://www.thierry-sibieude.com/article-lettre-au-depute-daniel-fasquelle-a-l-issue-des-journees-
parlementaires-de-l-autisme-le-12-janvier-99321232.html.
6
http://www.lemonde.fr/m_helene_hochmann.
7
http://www.youtube.com/watch?v=-yXGnPL39IA.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

e tratamentos do autismo.
No filme, as entrevistas são entremeadas por depoimentos de pais e de crianças
autistas que descrevem e legitimam a ineficácia da psicanálise em comparação aos
resultados tangíveis e rápidos dos métodos cognitivo-comportamentais. Os discursos
dos entrevistados são cortados, e misturados com narrativas de Sophie Robert que
interpreta, segundo seu ponto de vista, o que escolhe apresentar de cada depoimento. A
ênfase é atribuir a culpa aos pais e ao necessário distanciamento desses, para que o
tratamento se efetive. Desse modo, a edição do filme demonstra claramente um
posicionamento militante da realizadora, que pretende comprovar a ineficácia do
método psicanalítico e o perigo que a França estaria correndo, já que 80% dos
psiquiatras da infância são psicanalistas.
As repercussões foram imediatas e de grande impacto. Associações de pais se
reuniram e juntaram esforços para divulgar amplamente o filme, não apenas na França,
mas, também, no exterior. Os psicanalistas entrevistados, por sua vez, entraram na
justiça contra Sophie Robert, alegando que seus depoimentos haviam sido deturpados
em seu propósito após os cortes, e exigindo que o material fosse confiscado. Após
meses de tramitação, Sophie Robert é condenada e a exibição do filme é proibida em
território francês.
Além dessa posição legal, alguns dos psicanalistas entrevistados apresentaram
respostas em um dossiê da CIPPA, intitulado “Alerte aux méconnaissances concernant
la psychanalyse et l'autisme”8 (Alerta aos mal-entendidos referentes à psicanálise e ao
autismo). Golse, Delion e Dannon-Boileau (2011) relatam como a edição do
documentário e os cortes realizados pela realizadora nas entrevistas de
aproximadamente duas horas que eles realizaram modificaram radicalmente o conteúdo
de seus depoimentos, tendo como resultado um filme incompreensível e ridicularizador
da psicanálise.
Todos referem terem sido cortadas partes dos depoimentos em que eles
declaravam a importância da multidisciplinaridade no trato do autismo, enfatizando ser
fundamental a integração de métodos educativos, pedagógicos e terapêuticos, para que
um tratamento seja realmente efetivo.
A respeito desse episódio, Golse alerta para um fenômeno que ele nomeia
“contaminação do autismo”. Segundo ele, é como se os profissionais passassem a

8
http://old.psynem.org/Cippa/Ressources/cippa.pdf.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

funcionar de modo autístico, fechando-se para outras abordagens do fenômeno, o que


pode levá-los ao fracasso, pois para o autor, qualquer método único para a abordagem
do autismo é ineficiente. As crianças com autismo têm dificuldades em generalizar os
aprendizados, em fazer sínteses das diversas percepções sensoriais e, diante desse
quadro, tal clivagem de conhecimentos só pode prejudicar.

Respostas dos psicanalistas aos ataques

Diante das deliberações do governo francês e do ataque constante da mídia à


psicanálise e a seu método aplicado no tratamento do autismo, psicanalistas começam a
expor seus posicionamentos. Dentre esses, está Jacques Hochmann, que publica cartas
nas quais dialoga com a interdição proposta e faz um levantamento de possíveis razões
para essa onda sistemática de ataques.
Partindo da concepção de que o diagnóstico do autismo caracteriza-se como um
consenso internacional que agrupa sintomas – como isolamento social, particularidades
da comunicação e interesses restritos e estereotipados –, Hochmann discute a
importância e a influência de cada método de investigação na construção de tal
diagnóstico. A amplidão dessa categoria nosológica torna difícil detectá-lo, e permite
que o diagnóstico varie muito a depender do profissional envolvido. Portanto, a
assistência à pessoa com autismo é fortemente atravessada por diversos fatores e
influências.
Nesse contexto, assistimos ao crescimento da rivalidade entre abordagens
teóricas e métodos que, partindo de visões bastante distintas do fenômeno sobre o qual
se debruçam, tentam revogar para si a detenção da verdade. O aumento da valorização
popular das técnicas cognitivo-comportamentais na França e os consequentes ataques à
psicanálise devem ser analisados, segundo Hochmann, levando em conta fatores
econômicos e sociais.
Dentre os fatores econômicos, ele destaca o fortalecimento do poder das
indústrias farmacêuticas e a mudança da política de seguros de saúde. Tais setores têm
grande poder político na sociedade francesa e valorizam resultados rápidos e visíveis, o
que vai ao encontro dos valores da cultura contemporânea. Assim, a consequência é o
favorecimento de tratamentos educativos que promovem modificações no
comportamento em curto prazo. Além disso, Hochmann destaca que a angústia vivida
pelas famílias é amenizada no momento em que o diagnóstico é dado. A partir de então,
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

a família sente-se reconhecida em seu sofrimento e, de certa forma, compensada pela


classificação do autismo como uma deficiência.
Vale também salientar que as técnicas cognitivo-comportamentais incluem uma
participação ativa dos pais, que admitem uma função fundamental no tratamento. Eles
aprendem métodos educativos a serem aplicados com seus filhos com o intuito de
reforçar comportamentos desejáveis e eliminar os indesejáveis. Dessa maneira, os
critérios diagnósticos foram crescendo e o número de casos aumentou
consideravelmente.
Conforme Hochmann (2009) “[...] os primeiros estudos epidemiológicos
estimavam a prevalência do autismo infantil puro, tal como Kanner descrevera, em
menos de 5 casos em 10 mil (0,0005%). Atualmente, a associação americana coloca
perto de 10 casos por 1000 (0,01%) (ou seja uma multiplicação por vinte).”. O autor
propõe que tal inflação do número de crianças com diagnóstico de autismo seja
analisada criticamente.
Tendo em vista a fragilidade da construção de um diagnóstico de autismo por
parte dos profissionais envolvidos na assistência, não seria mais eficaz incentivar a
pluralidade de teorias, métodos de investigação, pesquisas e tratamentos? Não seria esse
o momento de incentivar a troca e o diálogo entre os saberes com o intuito de aprimorá-
los? “[...] Como desde já impor um pedestal de conhecimentos único para compreensão
de um fenômeno cuja frequência varia de um a dez, a depender do observador?”
(HOCHMANN, 2010).
Em resposta a diversos desses acontecimentos, em 2005, é criada a Coordenação
internacional de psicoterapeutas e psicanalistas que se ocupam de pessoas com autismo9
(CIPPA), por Genevieve Haag e Dominque Amy. Em 2010, essa associação se abre
para que outros membros – como médicos, psiquiatras, fonoaudiólogos, terapeutas
ocupacionais, dentre outros – que se ocupam de autismo possam se tornar membros
associados.
Em suas diretrizes, têm-se como objetivos a partilha e a troca entre seus
membros em relação às pesquisas sobre suas práticas e avaliações destas; articulação
entre psicanalistas e outros profissionais implicados nos cuidados das pessoas autistas;
reflexão sobre as melhores maneiras de ajudar as famílias das crianças com autismo,
instalando entre elas e os profissionais uma parceria; e ligações com os outros domínios

9
http://www.psynem.org/Hebergement/Cippa.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

científicos relacionados ao autismo.


Roudinesco, em artigo publicado no jornal Liberation,10 levanta alguns pontos
sobre essa grande discussão em torno do autismo e da psicanálise, lembrando que,
enquanto cada grupo se pense como sendo o único a ter uma solução milagrosa para o
autismo, não haverá discussão possível.
Entretanto, em vez de colocar a psicanálise como vítima dessa história,
Roudinesco destaca que, de tanto se fechar sobre si mesmos, os psicanalistas viraram os
principais inimigos da psicanálise.
Acreditamos que os acontecimentos na França podem servir para levantar
diversas questões. Para além de nós, os psicanalistas, nos considerarmos como vítimas,
não seria interessante refletirmos um pouco sobre a nossa história? Não seria o
momento de pensarmos nas aberturas necessárias? O que o autista, com seu fechamento,
pode nos ensinar sobre o caminho que devemos seguir?
As polêmicas que ocorreram nesses últimos anos na França, e que convoca um
novo posicionamento dos psicanalistas, se assemelham muito a diversos acontecimentos
aqui do Brasil. A idéia deste texto é a de que, assim como fizeram os nossos colegas do
velho mundo, possamos não só nos colocarmos de modo defensivo a esses ataques, e
nem tampouco de modo ofensivo, mas que possamos questionar a nossa prática.

Participantes e colaboradores diretos do texto: Gabriela de Araujo11, Leny Magalhães


Mrech12, Camila Saboia13, Thais Siqueira14, Monica Nezan15, Rosana Alves Costa16,
Erika Parlato-Oliveira17, Maria Lacombe Pires18 e Maria Bernadete Soares19

10
http://www.liberation.fr/societe/01012386622-autisme-la-psychanalyse-en-proces.
11 Psicanalista, doutoranda da Université Paris VII em cotutela com o Instituto de Psicologia da USP. Membro do Preaut-Brasil.
gabrieladearaujo@usp.br
12 Professora Livre Docente da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), Psicóloga, psicanalista e socióloga.
Coordenadora do Núcleo de Pesquisa de Psicanálise e Educação da FEUSP, Coordenadora da área de Pós-Graduação de Psicologia e
Educação da FEUSP e Vice-chefe do Departamento de Metodologia e Educação Comparada da FEUSP, membro do Conselho da Escola
Brasileira de Psicanálise.
13 Psicóloga, psicanalista, Doutora pela Université Paris VII, Pós-doutoranda pelo Instituto de Psicologia da USP, membro do Lugar de
Vida- Centro de Educação Terapêutica.
14 Psicóloga do PECP (Programa Einstein na Comunidade Paraisópolis) do HIAE (Hospital Israelita Albert Einstein) e Acompanhante
Terapêutica da Equipe HIATO de Acompanhamento Terapêutico.
15 Psicanalista, com Master Profissional de Psicologia e Psicopatologia Clínica na Universidade René Descartes - Sorbonne, Paris;
especialista em "Tratamento e Escolarização de Crianças com Transtornos Globais do Desenvolvimento" pela Pré- Escola Terapêutica
Lugar de Vida do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo - IPUSP (2000); membro do Lugar de Vida- Centro de Educação
Terapêutica.
16 Doutora em psicologia clínica pela UNIVERSITÉ PARIS DESCARTES, psicóloga do CRIA-Centro de Referencia da Infância e
Adolescência e professora de psicologia médica do departamento de psiquiatria da UNIFESP- Universidade Federal de São Paulo.
17 Professora da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Ciências Cognitivas e Psicolinguística pelo
LSCP-Paris. Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Pós-doutoranda no Departamento de Psiquiatria Infantil do Groupe
Hopitalier Pitié-Salpetrière-Université Pierre et Marie Curie - Paris. Co-coordenadora Nacional do PREAUT-Brasil.
18 Psicanalista, mestre pela Université Paris VII.
19 Psicanalista, membro da Escola Brasileira de Psicanálise de São Paulo, Membro da CLIPP - Clínica Lacaniana de Atendimento e
Pesquisas em Psicanálise, Mestre em Filosofia – Epistemologia da Psicologia e da Psicanálise pela Universidade Federal de São Carlos,
UFSCAR
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Referências Bibliográficas

AFLALO, A. O assassinato frustrado da psicanálise. Rio de Janeiro: Contracapa, 2012.


Opção Lacaniana no. 9.
GOLSE, B. ; DELION, P. (Dir.) Autisme: État des lieux et horizons. Paris : Ed. Érès,
2005.
HAGG, G. Autisme: Trois psys répondent aux accusations du film «Le Mur».
Disponível em <http://www.rue89.com/2011/12/08/autisme-des-psys-alertent-sur-les-
meconnaissances-227345>. Acessos em 17 de março de 2013.
HAAG, G. ; TORDJMAN, S. ; DUPRAT, A. ; CUKIERMAN, A. ; DRUON, C. ;
JARDIN, F. ; MAUFRAS DU CHÂTELIER, A. ; TRICAUD, J. ; URWAND, S. Grille
de repérage clinique des étapes évolutives de l’autisme infantile traité. Psychiatrie de
l’enfant, 1995, 38, 2, 495-527.
HOCHMANN, J. Histoire de l’autisme. Paris : Ed. Odile Jacob, 2009.
______. Le socle de connaissances de l'autisme en débat. Disponível em:
<http://www.lemonde.fr/idees/chronique/2010/03/11/le-socle-de-connaissances-de-l-
autismle-en-debat_1316882_3232.html>. Acessos em 17 de março de 2013.
LAZNIK, M. C. Pourrait-on penser à une prévention du syndrome autistique. In:
Autismes. Revue Contraste, Revue de l’ANECAMSP. n. 5, 2e. semestre 1996, p. 69-85.
Lectrure Critique du Rapport de La HAS “Autisme et autres troubles envahissants du
développement; Etat des connaissances hors mécanismes physiopathologiques,
psychopatologiques et recherche fundamentales” (G. HAAG, 2012), disponível online
em: htpp/ www.psynem.org/ herbergement/CIPPA/informations et debats/ lecture
critique. Acesso em 15/12/12.
Le socle de connaissance de l´autisme en débat. Chronique d´abonnés (C. BERNARD,
2010), disponível on line em htpp/ www.lemonde.fr/ archives/ croniques. Acesso em
15/12/12.
Recommandations de bonne pratique. Autisme et autres troubles envahissants du
développement: Interventios éducatives et thérapeutiques coordonnées chez l enfant et l
adolescente. Méthode recommandations par consensus fomalisés. Disponível em:
www.has-sante.fr. Acesso em 15/12/12.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Grupo de Trabalho 7 – Metodologia psicanalítica

A metodologia psicanalítica no tratamento do autismo

Palavras-chave: autismo, psicanálise, detecção precoce, brincar, jogos


constituintes.

Resumo: o presente artigo aborda as contribuições da psicanálise ao tratamento


de pessoas com autismo; descreve os passos centrais na direção do tratamento do
autismo e seus critérios diagnósticos; destaca a importância do brincar nessa clínica
por meio dos jogos constituintes do sujeito, e aponta ainda para a importância da
detecção, intervenção precoce e interdisciplinaridade no tratamento.

Em relação ao autismo existiram, ao longo do tempo, e coexistem, diversos


critérios classificatórios dentro da psicopatologia, quer na psiquiátrica, quer na
psicanalítica. Mas todos esses critérios concordam em que se trata de um quadro no
qual há dificuldades no reconhecimento entre a pessoa com autismo e seu
semelhante, a partir do qual o autismo aparece em suas expressões mais típicas, tais
como as descritas por Kanner20, e, de modo extenso, em configurações que convergem
com outros quadros, configurando o que atualmente se denomina como “espectro do
autismo”.
No comparecimento inicial desse quadro é possível verificar clinicamente que o
bebê ou pequena criança realiza uma exclusão ativa dos outros de seu circuito de
satisfação, mesmo daquelas pessoas mais implicadas em seus cuidados. Essa exclusão
ativa costuma ser precedida por uma baixa responsividade aos outros (o que indica
dificuldades precoces na constituição do bebê, que não são exclusivas desse quadro).
Posteriormente, começam a comparecer dificuldades na aquisição da linguagem e na
20
Kanner, L. Autistic disturbances of affective contact. The Nervous Child. 2, 1943.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

produção simbólica, tais como brincar de faz de conta e participar dos hábitos da
cultura. Em lugar dessas produções e pela ausência das mesmas surgem estereotipias
que privilegiam uma autoestimulação sensorial.
A complexidade desse quadro exigiu que as pesquisas e intervenções nesse campo
não pudessem ser reduzidas a uma única área do conhecimento, tornando necessária
sua articulação. Por isso a psicanálise não intervém nem avança no conhecimento
sobre o autismo de modo isolado e, portanto, a interdisciplinaridade é um dos
princípios que fazem parte da metodologia dos psicanalistas ao tratar de pacientes
com quadros de autismo. Isto é necessário dado que, com grande frequência, o
autismo aparece associado a outros problemas que tornam imprescindível uma
intervenção conjunta.
Nas diversas pesquisas médicas realizadas por geneticistas, neurologistas e
psiquiatras encontram-se correlações entre a incidência de autismo e algumas
patologias orgânicas, mas não uma única causa que possibilite centrar seu diagnóstico
em exames orgânicos ou seu tratamento em uma solução medicamentosa.
Se desde o aspecto orgânico esse é o atual estado das coisas, há consenso sobre o
benefício produzido por tratamentos que intervenham na relação da pessoa com
autismo com os outros, possibilitando que suas produções possam ocorrer em uma
circulação familiar, escolar, social e cultural.
Nesse sentido, a psicanálise produz sua contribuição ao intervir seguindo passo a
passo o caminho que torna possível a constituição psíquica, e assim também procede
com pacientes que nele tropeçam devido a patologias orgânicas.21
Dessa articulação do conhecimento decorre que algumas das principais
descobertas das neurociências e da psicanálise sejam confluentes: a linguagem incide
decisivamente em nossa constituição, e a possibilidade de representar, na linguagem,
o que nos afeta no corpo, é o que nos tira de produções puramente reflexas e
automáticas, desde os primórdios da vida.
Por isso é central que possamos interrogar: o que afeta, o que comove
singularmente esse paciente? Para onde se dirige seu olhar? Qual som se repete em
sua vocalização? O que o detém ou o lança em seu movimento? Uma vez localizadas

21
Veja-se a esse respeito todo o amplo trabalho da psicanálise com crianças que apresentam quadros
genéticos, deficiências sensoriais ou lesões cerebrais.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

essas preferências o clínico busca possibilitar a passagem entre esse fragmento


perceptivo, no qual a pessoa com autismo se fixa, e a possibilidade de extensão dessa
produção que lhe permita compartilhar com os outros.
Para aqueles que partem de uma concepção psicanalítica22 o sintoma não é
uma falha a ser suprimida e sim uma resposta do paciente, por isso partimos desse
sintoma para a intervenção, propiciando, por meio do tratamento, um contexto em
que novas respostas possam advir. Ao mesmo tempo em que os sintomas são
reconhecidos e respeitados como uma produção do paciente, eles podem assumir, ao
longo do tratamento, um caráter transitório, não enclausurando necessariamente
alguém a um quadro psicopatológico, fixando nele a sua identidade.
Embora se verifique uma relativa uniformidade dos automatismos originários
presentes no autismo, não são todas iguais, as preferências ou pequenos interesses
despertados para cada pessoa com autismo. Reconhecer essas preferências como
aberturas da subjetivação é central para que possamos estendê-las.
Conhecer os passos da constituição psíquica permite detectar dificuldades nesse
caminho. Este é um conhecimento produzido por psicanalistas que trabalham na
clínica interdisciplinar com bebês e pequenas crianças. Compartilhar e transmitir esses
critérios de detecção precoce de sofrimento psíquico com profissionais que intervêm
com toda e qualquer criança (tais como pediatras, agentes de saúde e educadores),
tem possibilitado nas últimas décadas que pacientes com dificuldades cheguem com
menor idade a tratamento e, portanto, em um tempo em que tais dificuldades estão
menos fixadas e mais permeáveis à intervenção.
A infância, desde o ponto de vista da maturação, se caracteriza pela extrema
plasticidade neuronal23, descoberta da neurobiologia, reveladora de que a formação
da rede neuronal depende da experiência de vida e que, com sua plasticidade, é
suscetível a inscrições dessas experiências.24 Desde o ponto de vista da constituição

22
Com isso denotamos que, além da intervenção do psicanalista em si, é preciso considerar a concepção
psicanalítica como corte epistemológico considerado por outras áreas de intervenção em sua práxis, tais
como pedagogia, psicopedagogia, fonoaudiologia, psicomotricidade, terapia ocupacional. Sublinha-se aí o
paradigma psicanalítico como um corte epistemológico de referência para a intervenção em outras áreas e
não só a intervenção do psicanalista em si.
23
Kandel, E.R., Shuartz, J.H., Jessell, T.M. (1995). Essentials of Neural Science and Behavior,
Appeton & Lange, Prentice Hall International (UK) Limited, London.
24
Ansermet, F. e Magistretti, A. A cada uno su cerebro: plasticidad neuronal e inconsciente - 1a ed. -
Buenos Aires : Katz, 2006.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

psíquica, Freud já afirmava que temos bons motivos para acreditar que a capacidade
de receber e reproduzir impressões nunca é maior do que na infância.25 Aí, mais uma
vez, as descobertas da clínica psicanalítica coincidem com as das neurociências, que
apontam, por meio desses conceitos, que nem tudo está decidido em nosso organismo
quando nascemos e que os processos epigenéticos, as experiências de vida, têm nisso
um papel decisivo.
Por isso, a idade em que uma intervenção ocorre conta, e é preciso intervir a
tempo quando algo não vai bem sem precisar esperar a plena configuração de um
quadro psicopatológico para proceder com um tratamento.
Ao nascer, todos contamos com os elementos de uma história familiar e com
uma herança genética já estabelecidas. Porém ainda não está dado de antemão como
o sujeito vai se posicionar a partir dessas estruturas orgânicas e simbólicas. Diante
disso, algumas vertentes da psicanálise sublinham que, na infância, a estrutura
psíquica do sujeito não está decidida, testemunhando experiências clínicas com
crianças e bebês que chegam com quadros de autismo ou outros quadros
diagnosticados e que, ao longo do tratamento e por efeito deste, apresentam
mudanças de rumo nessa constituição em andamento, não realizando um desfecho
patológico. Outras vertentes da psicanálise sublinham que, em função do tratamento,
o que se realiza é uma importante modulação nas construções de sentido, no modo de
o paciente estruturar-se em sua constituição psíquica e de situar-se na vida.26
É preciso, nesse sentido, advertir que as classificações psicopatológicas partem
de um princípio adultomorfo, do já constituído, que não é aplicável à infância de modo
geral e menos ainda ao tempo dos bebês. Realizar uma aposta na constituição do
sujeito é central na metodologia psicanalítica. Por isso, invés de por em primeiro lugar
o diagnóstico, é preciso destacar a condição da infância como um tempo de abertura a
inscrições.

25
Freud, S. (1905). Os três ensaios, Obras Completas, Rio de Janeiro, Imago.
26
Acerca desse importante debate dentro da psicanálise apontamos as contribuições de: Bernardino,
L.M.F. As psicoses não decididas da infância: um estudo psicanalítico. São Paulo: Casa do Psicólogo,
2004; Psicose e autismo na infância: uma questão de linguagem. In: Psicose – Revista da Associação
Psicanalítica de Porto Alegre, n. 9. Porto Alegre: Artes e Ofícios, novembro de 1993, p. 62-73; Laurent,
É. O que os autistas nos ensinam. In: Murta, A (org). Autismo(s) e atualidade: uma leitura
lacaniana. Escola Brasileira de Psicanálise. Belo Horizonte: Scriptum Editora, 2012; França, M.T.B. e
Haudenschild, T.R.L. (Orgs.). (2009). Constituição da vida psíquica. São Paulo: Hirondel Editora;
Barros, I.G. (2011) Autismo e Psicanálise no Brasil : História e desenvolvimentos. In Schwartzman J.S. e
Araújo, C. A. (Orgs)Transtornos do Espectro do Autismo. Pp. 27 –36. São Paulo: Memnon.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Na metodologia psicanalítica com crianças, utilizamos em nossas avaliações


alguns eixos centrais27:
1- Brincar e estatuto da fantasia
2- Corpo e imagem corporal
3- Fala e posição na linguagem
4- Reconhecimento das regras e posição diante da lei
Há produções que são próprias do sujeito na infância e, portanto, centrais na
intervenção e avaliação psicanalítica. É considerando esses critérios que também se
produz a detecção e intervenção com crianças e bebês com autismo.
Desde a concepção psicanalítica, é fundamental na formação do clínico
conhecer os diferentes momentos lógicos que fazem parte da constituição psíquica ao
longo da infância e o modo como eles comparecem, são dados a ver, em suas
diferentes produções de linguagem, psicomotricidade e aprendizagem postas em cena
em sua relação com os outros. É por conhecer os diferentes momentos lógicos que o
psicanalista intervém, podendo ir buscar a criança/bebê ali onde ele está, sem que seja
preciso, para tratá-lo, introduzir um artificialismo técnico descontextualizado da vida
do paciente.
Se hoje em dia se sabe que a constituição depende de processos epigenéticos,
não estando estabelecida apenas pela genética, nesses processos, a transmissão
simbólica ocupa um lugar decisivo, e os pais são protagonistas dessa transmissão, pois
eles detêm um saber consciente e inconsciente sobre o filho, no qual se sustenta a
singularidade do mesmo, mais além de qualquer diagnóstico. A possibilidade de, junto
ao psicanalista que o atende, desdobrar este saber em questões, reflexões,
preocupações produzidas a partir das experiências cotidianas vividas com o filho é
decisiva para as transformações que podem advir ao longo do tratamento.
Há problemas orgânicos de base que podem fazer com que um bebê apresente,
no início da vida, uma menor responsividade às convocatórias dos outros; em outros
casos há acontecimentos de vida que dificultam o estabelecimento da relação

27
A partir da pesquisa IRDI e da pesquisa AP3, na qual se realizou posterior avaliação das crianças que
fizeram parte da pesquisa de IRDI -indicadores precoces de risco para o desenvolvimento infantil-, esses
tradicionais eixos de avaliação da clínica psicanalítica com crianças foram formalizados e validados como
pesquisa acadêmica, considerando como nessas produções comparecem operações centrais da
constituição psíquica: suposição de sujeito, estabelecimento da demanda, alternância presença-ausência e
função paterna. (Kupfer, A. Jerusalinsky, Rocha, Infante ET ali, 2009).
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

primordial dos pais com o bebê. O fato é que a psicanálise não centra a sua
intervenção em decorrência desses fatores etiológicos (em uma falsa questão de
divisão orgânico-psíquica). Ao tratarmos de um bebê/criança com comprovados
problemas orgânicos de base, ou sem patologias orgânicas detectadas, a aposta do
clínico é a mesma: supomos que há ali um sujeito e buscamos seus traços de interesse,
pois tratamos do que pode vir a fazer com o organismo que tem.
Os pais fazem parte dessa aposta ao levar o filho a tratamento. E, portanto, a
intervenção não consiste nem em culpá-los28, nem em desculpabilizá-los pelas
dificuldades que comparecem. Acima de tudo eles estão intrinsecamente implicados
nos cuidados do filho pela sua condição de pais e, por isso, podem contar com a
interlocução do psicanalista, ora fazendo parte das sessões da criança (testemunhando
o trabalho que vai sendo realizado e participando dele); ora em sessões em que
elaboram situações em relação ao filho com o psicanalista que o atende, a fim de,
junto com este, poderem ir reconhecendo limites e possibilidades que a criança coloca
em sua produção e em seu modo de situar-se com os outros.
A práxis da clínica psicanalítica permitiu, ao longo do tempo, ir reconhecendo
certos passos chaves na direção do tratamento de bebês e crianças que apresentam
uma exclusão dos outros de seu campo29. Iremos referir-nos aqui à intervenção diante
do autismo nesta manifestação mais específica de exclusão dos outros de seu campo
com o estabelecimento de estereotipias e forte empobrecimento da linguagem ou
total ausência da mesma, pois se bem o conceito de “espectro autístico” tenha criado
uma categoria vasta em sua abrangência, tornou-a, em certa medida, inespecífica, o
que faz com que seja impossível unificar todos os critérios terapêuticos relativos aos
diferentes quadros que o “espectro autístico” passou a comportar, já que cada um
deles apresenta pontos de intervenção específicos (no que se refere aos nomeados
como “autismo de alta performance”, “Síndrome de Asperger”, entre outras formas).
Explicitamos a seguir esses passos chaves na direção do tratamento:

28
Cabe apontar que aqueles que acusam a psicanálise de culpar os pais pelas dificuldades do filho,
servindo-se de chavões, tais como os de “mãe geladeira”, que há muito caíram em desuso, estão em um
discurso anacrônico que ignora os avanços da prática psicanalítica nesse campo. O próprio autor desse
termo, Bruno Bettelheim, em 1953, no livro “Fugitivos da Vida”, retratou-se e considerou sua hipótese
inicial equivocada e, a partir de então, ele mesmo deixou de usá-lo.
29
Jerusalinsky, A. Considerações preliminares a todo tratamento possível do autismo. Psicologia
Argumento. Curitiba V.28, n.61: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, jun.2010, p. 121-125.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

1- Reconhecer os automatismos da criança para poder começar a fazer parte deles, ou


seja, partimos de suas estereotipias e não de uma oposição ou supressão das mesmas.
Buscamos ativamente começar a fazer parte dessas repetições fragmentárias, para que
o paciente nos permita aí entrar pelo gesto, olhar, voz, musicalidade, movimento ou
endereçamento corporal.
Isto porque a exclusão do outro que a criança faz não é um superficial
problema de comportamento a ser corrigido. É uma profunda resposta que se
produziu, é uma forma de estar no mundo. Por isso não se pode suprimir essa resposta
antes que se constituam para ela (em tratamento) outras formas possíveis de estar
com os demais.
2- Reconhecer e sustentar as aberturas apresentadas pelo paciente que se oferecem
como permeabilidade à relação com os outros em meio às estereotipias. Trata-se de ir
em busca daquilo que desperta o seu interesse estendendo, alargando, a partir deles,
as aberturas nas quais o paciente não realiza uma exclusão dos outros de seu campo.
Apresenta-se aí o surgimento de uma atenção conjunta em torno do objeto de
interesse.
3- Por meio desses dois primeiros aspectos sustenta-se um efeito de identificação. É
preciso dar lugar a uma identificação do outro com a criança (rompendo o
estranhamento que as estereotipias costumam causar, ou a desistência dos
investimentos diante da resposta de exclusão do outro de seu circuito) a fim de
possibilitar um campo em que a criança possa entrar nessa identificação. Ou seja,
trata-se de ir buscá-la onde ela está procurando fazer parte de sua produção.
Esses efeitos de identificação são claros quando a criança, em lugar de prestar
atenção no automatismo, passa a interessar-se mais pela descontinuidade que o
clínico introduziu ali, por exemplo, uma alteração de ritmo na brincadeira. Isso revela
que se abriu a brecha para que o outro faça parte de seu circuito.
4- Possibilitar, a partir de tais aberturas, a produção de jogos constituintes do sujeito,
para que seja possível compartilhar com o outro pequenas cenas de brincar, em que
há um endereçamento e convocatória entre outro-criança, com o olhar, voz,
ritmicidade corporal, musicalidade, jogos gestuais.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

A partir dessas pequenas brincadeiras primordiais, que inicialmente


comparecem como pequenas cenas, a criança pode ir estendendo seu percurso de
satisfação do movimento estereotipado a cenas um pouco mais extensas em que
compartilha com o outro a expectativa e a satisfação lúdica, começando não só a se
sentir convocada, mas também a demandar, solicitar, propor a retomada desses jogos
àqueles com os quais os compartilha. Começam assim a comparecer turnos na
produção que revelam o interesse de fazer com o outro e não só na repetição da cena
em si.
5- O estabelecimento desses jogos permite introduzir alternâncias presença-ausência,
dentro-fora, aqui-lá. Esses jogos comportam a matriz fundamental da linguagem e da
representação pela qual pode se falar do que está ausente e festejar o seu retorno
(como no jogo do “Cadê? Achou!”) Por meio dessa alternância o espaço deixa de ser
contínuo e o tempo se experimenta em uma tensão temporal entre a expectativa e a
precipitação (como no jogo do “um, dois, três e já!”). A criança passa a sustentar-se e
em uma série simbólica que lhe possibilita representar-se mesmo diante da ruptura da
continuidade, não precisando fixar-se no continuum das estereotipias sem fim.
6- Em sexto lugar, a partir desses jogos trata-se de produzir uma extensão das cenas
do brincar que passa a desdobrar-se em uma sequência em lugar de apresentar-se
como a repetição fragmentária da estereotipia.
Os jogos de litoral, os jogos de borda, os jogos de superfície, os jogos de lançar
para que outro recupere, os jogos de temporalidade intersubjetiva30 são formas de
brincar que uma criança não realiza sozinha (diferentemente do jogo simbólico nos
quais já faz uma retomada do que lhe foi transmitido). Esses são jogos que, para se
produzirem, precisam ser sustentados na relação com o outro, não ocorrem
primeiramente com brinquedos e sim com a voz, olhar, gesto, corpo do outro e da
criança implicando um prazer compartilhado. Mesmo que ali haja esses objetos-
brinquedos eles não são o aspecto central da cena, e sim o compartilhar.
Tais jogos são fundamentais para toda e qualquer criança, pois possibilitam
uma incidência, uma articulação, entre as percepções que afetam o corpo e a

30
Esses jogos, assim denominados por diferentes autores da clínica psicanalítica com crianças. Esses
jogos constituintes do sujeito são precursores do jogo do Fort-da descrito por Freud e logicamente
necessários para que o Fort-da possa vir a se produzir.
Freud (1920). Além do Princípio do Prazer, Obras Completas, Rio de Janeiro, Imago.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

linguagem. Por isso eles também se tornam decisivos na metodologia de intervenção


com bebês e crianças que apresentam quadros de autismo na aposta de sua
constituição.31
Por isso a intervenção não consiste nem em um silêncio que espera, nem
tampouco em uma massa de palavras dirigidas à criança, mas em uma extrema
delicadeza do clínico para não ser invasivo e, ao mesmo tempo, ser bastante atento,
disponível e preciso em sua intervenção para localizar, sustentar e produzir as
pequenas brechas iniciais de abertura à relação com o outro pelo qual a criança pode
vir a servir-se da linguagem para nela se representar. Por isso, a intervenção toma
como referência esses passos chaves na direção do tratamento da clínica com o
autismo, procedendo com os mesmos de modo profundamente singular, considerando
os tempos e partindo dos interesses de cada paciente.
Diante de manifestações bastante avançadas do quadro, e em idades mais
tardias, a direção do tratamento também apóia-se naquilo que o autista pode colocar
em cena de mais singular. O método, por sua vez, pode sofrer variações, levantando a
necessidade de lançar mão de intervenções que lhe permitam, ao menos, alguma
adaptação, tais como: a oferta de códigos de referência para o paciente,
estabelecendo-lhes rotinas organizadoras para defender-se de angústias
avassaladoras, emprestando-lhe signos que lhe permitam minimamente posicionar-se
diante dos demais. Mas, partir desse princípio terapêutico em épocas precoces da
vida, quando a construção psíquica ainda está ocorrendo ou está em seus tenros
primórdios, é não dar ao menos uma chance a essa constituição. Ainda que nem
sempre ela venha a ser possível não há por que, de início, descartar essa aposta.

31
Jerusalinsky, J. Jogos de litoral na direção do tratamento de crianças em estados autísticos. In: Revista
da APC, n.22, Curitiba, 2011, p. 77-89.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Participantes e colaboradores diretos do texto: Julieta Jerusalinsky (NEPPC/SP;


APPOA/RS; Centro Lydia Coriat - Clinica Interdisciplinar da infância e adolescência/RS;
Clinica Interdisciplinar Mauro Spinelli/SP); Alfredo Jerusalinsky (APPOA/RS; ALI; Centro
Lydia Coriat – clínica interdisciplinar da infância e da adolescência/RS e BsAs); Alicia
Lisondo (GEP-Campinas/ SBPSP); Ana Beatriz Freire (UFRJ); Claudia Mascarenhas
(Espaço Moebius; Instituto Viva Infância/BA); Daniela Teperman (NEPPC/SP); Heloisa
Prado Telles (EBPSP); Ilana Katz (NEPPC/SP); Luciana Pires (IPUSP); Maria Prisce Cleto
Telles Chaves (ABENEPI/RJ); Mariangela Mendes de Almeida (SBPSP/UNIFESP); Patricia
Cardoso de Mello (SBPSP e IFA/ SP); Paula Pimenta (EBP/MG).

Bibliografia:

- Ansermet, F. e Magistretti, A. A cada uno su cerebro: plasticidad neuronal e


inconsciente - 1a ed. - Buenos Aires : Katz, 2006.
- Barros, I.G. (2011) Autismo e Psicanálise no Brasil : História e desenvolvimentos. In
Schwartzman J.S. e Araújo, C. A. (Orgs).Transtornos do Espectro do Autismo. Pp. 27 –
36. São Paulo: Memnon
- Barros, M. R. R. A questão do autismo. In: Murta, A (org). Autismo(s) e atualidade:
uma leitura lacaniana. Escola Brasileira de Psicanálise. Belo Horizonte: Scriptum
Editora, 2012.
- Bernardino, L. M.F. Mais Além do Autismo: a psicose infantil e seu não lugar na
nosografia psiquiátrica. Psicologia Argumento. Curitiba V.28, n.61: Pontifícia
Universidade Católica do Paraná, jun.2010.
- ______________. A questão da psicose na infância, seu diagnóstico e tratamento
diante do seu “desaparecimento” da atual nosografia. In: Jerusalinsky, A., Fendrick, S.
O livro negro da psicopatologia contemporânea. São Paulo: Via Lettera, 2011.
- Fernandes, C. M. O analista e o autista. In: Revista da APC, n.22, Curitiba, 2011.
- França, M.T.B; Haudenschild, T.R.L. (Orgs.).(2009). Constituição da vida psíquica. São
Paulo: Hirondel Editora;
- Freud, S. (1905). Os três ensaios, Obras Completas, Rio de Janeiro, Imago.
- ______. (1920). Além do princípio do prazer, Obras Completas, Rio de Janeiro, Imago.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

- Jerusalinsky, A. Psicose e autismo na infância: uma questão de linguagem. In: Psicose


– Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, n. 9. Porto Alegre: Artes e
Ofícios, novembro de 1993, p. 62-73.
- ____________. Considerações preliminares a todo tratamento possível do autismo.
Psicologia Argumento. Curitiba V.28, n.61: Pontifícia Universidade Católica do Paraná,
jun.2010, p. 121-125.
- __________. Autismo como exclusão do campo significante. In: Revista da APC, n.22,
Curitiba, 2011, p.13-28.
- ___________. Psicanálise do Autismo. 2 ed. São Paulo: Instituto Langage, 2012.
- Jerusalinsky, J. Jogos constituintes do sujeito, in: A criação da criança, brincar gozo e
fala entre a mãe e o bebê. Salvador: Ágalma, 2011, p.230-270.
- ___________. Jogos de litoral na direção do tratamento de crianças em estados
autísticos. In: Revista da APC, n.22, Curitiba, 2011, p. 77-89.
- Kandel, E.R., Shuartz, J.H., Jessell, T.M. (1995). Essentials of Neural Science and
Behavior, Appeton & Lange, Prentice Hall International (UK) Limited, London.
- Kanner, L. Autistic disturbances of affective contact. The Nervous Child. 2, 1943.
- Laurent, É. La bataille de l’autisme – de la clinique à la politique. Paris: Navarin/Le
Champ freudien. Paris: 2012.
- __________. O que os autistas nos ensinam. In: Murta, A (org). Autismo(s) e
atualidade: uma leitura lacaniana. Escola Brasileira de Psicanálise. Belo Horizonte:
Scriptum Editora, 2012.
- Laznik, M. C. e Jerusalinsky, A. Uma discussão com as neurociências. In: Jerusalinsky,
A., Fendrick, S. O livro negro da psicopatologia contemporânea. São Paulo: Via Lettera,
2011.
- Lefort R. e Lefort R. La invención de una práctica con niños orientada a lo real. Un
psicoanálisis orientado a lo real, in: Carretel, Psicoanálisis con niños, n.08, Bs.As, 2007,
p.39-48.
- Maleval, J-C. Língua verbosa, língua factual e frases espontâneas nos autistas. In: In:
Murta, A (org). Autismo(s) e atualidade: uma leitura lacaniana. Escola Brasileira de
Psicanálise. Belo Horizonte: Scriptum Editora, 2012.
- Motta, S. Porque “preferir” o diagnóstico de TGD: quando detectar sinais de risco
psíquico na clínica dos primórdios. In: Revista da APC, n.22, Curitiba, 2011.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

- Murta, A (org). Autismo(s) e atualidade: uma leitura lacaniana. Escola Brasileira de


Psicanálise. Belo Horizonte: Scriptum Editora, 2012; França, M.T.B.
- Rodulfo, R. (1990). O brincar e o significante- um estudo psicanalítico sobre a
intervenção precoce. Porto Alegre, Artes Médicas.
- Sibemberg, N. Autismo e psicose infantil. O diagnóstico em debate. In: Jerusalinsky,
A., Fendrick, S. O livro negro da psicopatologia contemporânea. São Paulo: Via Lettera,
2011.
- Site: www.autismos.es
- Stavy, Y-C. Autismo generalizado e invenções singulares. In: Murta, A
(org). Autismo(s) e atualidade: uma leitura lacaniana. Escola Brasileira de Psicanálise.
Belo Horizonte: Scriptum Editora, 2012.
- Terzaghi, Marila. Neurologia e autismo: breve resenha de contribuições e perguntas.
In: Jerusalinsky, A. Psicanálise do Autismo. 2 ed. São Paulo: Instituto Langage, 2012.
- Tendlarz, E. B. Una clinica posible del autismo. Buenos Aires: Gramma Ediciones,
2012.
- Vorcaro. A. Interrogações sobre o estatuto do outro e do Outro nos autismos. In:
Revista da APC, n.22, Curitiba, 2011.
- Wanderley, D. Silêncio, pare de falar – O desafio do analista frente a uma criança
autista. In: Revista da APC, n.22, Curitiba, 2011.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Grupo de Trabalho 8 – Trabalho interdisciplinar

A PSICANÁLISE NO TRATAMENTO INTERDISCIPLINAR DO AUTISMO

O tratamento interdisciplinar teve seu início na clínica com a infância e,


sobretudo, no atendimento de crianças com problemas no desenvolvimento, posto
que os impasses decorrentes dessas questões interrogavam e convocavam
diferentes especialidades.
A revolução científica do século XVIII, baseada nos ideais da modernidade
que propunha sistemas explicativos e descritivos, promoveu a grande proliferação
de disciplinas que conhecemos atualmente. A organização da produção do
conhecimento por áreas possibilitou o aprofundamento nos estudos de
determinados aspectos do objeto de cada disciplina, respondendo, em certa
medida, ao ideal de ciência do século XX pautado nos princípios de ordem,
separação e redução.
Tais princípios, porém, levaram a uma fragmentação do conhecimento,
gerando alguns impasses para o clínico que se ocupa dos problemas da infância.
Afinal, por quantos especialistas deve passar uma criança que apresenta
problemas em seu desenvolvimento? E quantos tratamentos simultâneos devem
ser empreendidos quando se busca tratar, área por área, todos os aspectos
implicados no desenvolvimento e na constituição da criança?
Nesse contexto, gerou-se a hipótese de que a adição de conhecimentos e,
por consequência, de intervenções nos problemas do desenvolvimento
contribuiria para melhores resultados no tratamento. Em casos de grande
complexidade, em que diferentes funções apresentam-se afetadas (motoras,
sensoriais, neurológicas, cognitivas etc.), essa suposição foi ainda mais evidente.
Assim, configurou-se a chamada multidisciplinaridade, um mosaico de
múltiplas intervenções, somando-se área por área que, ao contrário da totalização
a que se propõe, acaba conduzindo a uma infinita fragmentação do sujeito em
questão.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Este tipo de tratamento, recortado por áreas, coloca o risco de se compor


um pensamento tautológico em que cada intervenção corresponda à lógica de
pensamento do seu objeto de estudo, reduzindo a clínica ao campo de verificações
segmentárias para comprovar não a melhora de cada paciente, mas a eficácia da
técnica aplicada. O dilema passou a ser: quantos terapeutas para cada criança?
Outra proposta é que se conceba o atendimento de crianças com graves
comprometimentos no âmbito de um trabalho interdisciplinar que implica a
renúncia ao ideal de totalidade e à ideia de que a soma de parcialidades se integra
em uma totalização. Ou seja, essa modalidade de tratamento não se apoia em uma
complementação de conhecimentos que visa a um saber total e único sobre a
criança.

A perspectiva interdisciplinar ultrapassa a composição e somatória das


intervenções e, por isso mesmo, ela não é apenas uma nova forma de nomear um
tratamento que se compõe por várias especialidades, mas sim, uma prática que
possibilita e conduz à elaboração de critérios clínicos comuns que atravessam as
diferentes disciplinas implicadas na intervenção.

A interdisciplina balizada pelos referenciais da psicanálise aponta, antes de


tudo, para uma ética na direção do tratamento. Essa ética é sustentada por dois
pilares fundamentais: primeiro, que nenhum saber é total e, segundo, que a criança
deve ser considerada como sujeito desde o seu início de vida.
Em relação ao primeiro, cabe lembrar que nenhuma intervenção isolada
poderia dar conta da complexidade que os casos apresentam, e que, a
compreensão a respeito da etiologia, dos sintomas e do tratamento não podem ser
uma verdade única. Ao mesmo tempo, vale lembrar que considerar a prática entre
vários não equivale a cair em um ecletismo ou sincretismo, tampouco em um
amálgama de concepções heterogêneas. Trata-se aqui de uma questão
epistemológica. Cabe aos profissionais reconhecer a legitimidade de outros campos
do conhecimento que não coincidem com os seus, os pontos de cruzamento e os
vetores que caminham em uma mesma direção, embora não haja superposição
strictu senso.
Dessa maneira, considerando a complexidade de quadros como o autismo,
torna-se imprescindível que a intervenção seja uma prática interdisciplinar, na
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

qual uma equipe de profissionais possa desdobrar, de modo conjunto, os impasses


colocados pelo seu tratamento. Nesse sentido, trata-se de questionar qualquer
modelo de intervenção que proponha, a priori, uma prática clínica exclusiva e
totalizante, em detrimento de um modelo interdisciplinar que exige formação e
reflexão contínua de toda equipe clínica.
E é partindo de tal complexidade que a psicanálise, desde o início do
estabelecimento desse quadro, vem produzindo conhecimentos sobre o
tratamento do autismo em um trabalho que extrapola a intervenção em
consultórios particulares e amplia-se para instituições públicas de saúde como
UBS, CAPS, clínicas de atendimento ambulatorial universitárias, ONGs, hospitais,
instituições terapêuticas, creches, escolas e abrigos, nos quais diversos
profissionais intervêm com um referencial psicanalítico no atendimento daqueles
que se apresentam no chamado “espectro autístico“.
Uma prática interdisciplinar requer uma constante interlocução entre os
diferentes profissionais (médicos neurologistas, pediatras, psiquiatras e
geneticistas, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicanalistas, educadores, pedagogos,
terapeutas ocupacionais, psicomotricistas, assistentes sociais, dentre outros),
visando a criar, em conjunto, critérios clínicos comuns. Para isso, é necessário que
esses profissionais possam compartilhar concepções acerca de como se produz um
sintoma e o que ele representa; de como ocorre à constituição psíquica e de como
se dão as diferentes aquisições no campo da linguagem, aprendizagem,
psicomotricidade e hábitos de vida diária.
O outro pilar que nos aponta a psicanálise a respeito do tratamento
interdisciplinar circunscreve a postura central assumida por esse grupo32 quanto à
importância do tratamento respeitando essa abordagem. Acreditamos que é
preciso estar aberto para refletir acerca de como produzir nossas práticas
tomando como princípio fundamental que há ali um sujeito. Esse é um constante
desafio aos profissionais, já que as crianças, muitas vezes, na sua condição de
infans, convocam o outro para que fale por elas, e mais acentuadamente nos casos

32
Associação Serpiá, Clínica Interdisciplinar Mauro Spinelli, CAIS, Carretel – Clínica
Interdisciplinar do Laço, CAPSi Guarulhos, CAPSi Lapa, CRIA-HSP, DERDIC/PUC-
SP, Espaço Escuta, Escola Trilha, Grupo Laço, Instituto da Família, Lugar de Vida,
Instituto Sedes Sapientiae.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

em que as crianças possuem comprometimentos importantes na linguagem. Tais


balizamentos produzem efeitos do lado de qualquer clínico, pois implicam operar
sempre no “caso a caso”, e deparar com a particularidade de cada paciente em
questão.
É a partir da clínica que as decisões serão tomadas e nunca na direção
contrária, ou seja, jamais privilegiando o saber das disciplinas em detrimento do
sujeito. A interlocução com outros profissionais promove constantes fissuras no
saber estabelecido até ali, levando à desmontagem de uma compreensão
engessada e coagulada sobre o caso, ressignificando e produzindo um novo saber
que torna possível ao clínico redimensionar sua forma de intervenção.
A psicanálise não intervém e não avança no conhecimento sobre o autismo
de modo isolado e, portanto, a interdisciplinaridade é um dos princípios que faz
parte da metodologia dos psicanalistas e de todos os profissionais que trabalham
em saúde mental ao tratar de pacientes com quadros de autismo. Ela é necessária
ao atendimento, à pesquisa, à formação dos profissionais da área da saúde e à
transmissão de conhecimentos.
A psicanálise propõe que corpo e psiquismo não se constituem
isoladamente, mas que são tramados em uma interdependência a partir de uma
intervenção qualificada daquele que se ocupa dos cuidados iniciais com o bebê. A
constituição subjetiva se tece em torno da antecipação de um sujeito psíquico na
criança, mesmo quando ela ainda não fala, a partir das trocas carregadas de prazer
entre o bebê, seu corpo, e quem se ocupa dos seus cuidados. Essas operações
acontecem intermediadas pelo campo simbólico, imersão da criança no campo das
representações, das palavras, presenças e ausências. Elas armam uma trama
complexa que entrelaça constituição psíquica e desenvolvimento.
Desse modo, as dificuldades no estabelecimento da relação com os outros,
presentes nas crianças com risco de autismo, implicam impedimentos nos
diferentes aspectos, da maturação, do crescimento ou desenvolvimento da criança.
Além disso, o autismo pode estar associado a outros problemas, tais como
síndromes genéticas, deficiências sensoriais ou quadros neurológicos, que tornam
indispensável uma intervenção conjunta. Isso evidencia a importância da
intervenção do psicanalista e, também, de profissionais de outras disciplinas.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Assim, faz-se necessária a interlocução com pedagogos e psicopedagogos


em relação à aprendizagem e à inclusão escolar; com fonoaudiólogos, foniatras e
linguistas acerca da linguagem; com fisioterapeutas e psicomotricistas acerca do
corpo em movimento; com pediatras, neurologistas, geneticistas e psiquiatras
acerca da implicação orgânica e medicação, entre outros profissionais (nas funções
de acompanhantes terapêuticos, terapeutas ocupacionais ou assistentes sociais), e
essa tem sido a prática corrente dos psicanalistas nesse campo.
Cabe ressaltar as práticas escolares que compõem a rede interdisciplinar no
tratamento do autismo. O direito de toda criança à educação foi proclamado na
Declaração Mundial dos Direitos Humanos, em 1948, e ratificado pela Conferência
Mundial de Educação para Todos, realizada pela ONU em 1990. Assim, todas as
crianças passam a ter esse direito assegurado e inicia-se um movimento mais
consistente voltado para a inclusão de crianças ditas com “necessidades
educacionais especiais” (incluindo-se aqui as crianças com autismo) nas escolas
comuns. Tal afirmação apoia-se na concepção de que o lugar social das crianças é
na escola, junto a outras crianças.
Desta forma, a reflexão sobre a interdisciplinaridade no tratamento das
crianças com autismo deve considerar a escolarização, compreendida como um
direito da criança e vetor fundamental da sua constituição subjetiva. Entendemos
que a escola é o local que abre as portas de novos elementos da cultura, onde a
criança fará parte de um grupo em que a rotina e as regras são para todos. A
Educação vai além do campo pedagógico, pois possibilita partilhar de uma
referência social, a saída da lógica familiar e a entrada do sujeito na lógica cultural.
Nesse sentido, podemos pensar o trabalho de inclusão escolar de crianças
com autismo como um “dispositivo” terapêutico que faz parte da rede
interdisciplinar, e possibilita que a criança circule pela norma social, participe do
discurso escolar e conquiste a chance de dizer-se como sujeito no laço social.
A interlocução entre os campos da saúde e da educação também tem sido
prática corrente dos psicanalistas frente à construção de um trabalho
interdisciplinar para (re)pensar coletivamente estratégias na direção de favorecer
o processo de escolarização (aprendizagem formal e socialização) dessas crianças.
Vale lembrar que quando se tornam adolescentes ou adultos, a ação
interdisciplinar permanece e acompanha as fases próprias da idade em que o
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

sujeito se encontra. Com a escuta das mudanças próprias da adolescência e na


inclusão no mundo do trabalho, torna-se necessária a ampliação da
interdisciplinaridade com novos atores e profissionais para se alcançar a
participação ativa das pessoas com o quadro de autismo e sua inclusão social.
Por essa razão, ao serem formuladas políticas públicas, não poderá haver
uma única metodologia padronizada e priorizada, pois devem ser levadas em conta
as equipes que trabalham com diferentes abordagens e sustentam uma concepção
compartilhada que possibilita a articulação da direção do tratamento
interdisciplinar. Uma intervenção em rede expõe todos os envolvidos
à alternância de olhares, à circulação discursiva, às diferentes expectativas, enfim,
a uma pluralidade que, por si, promove efeitos terapêuticos.
Isso permite que a pessoa com autismo e seus familiares possam ter acesso
a diferentes metodologias de tratamento, podendo realizar a escolha de como
consideram melhor tratá-lo.

Indicações bibliográficas:

Baptista, M. G. lG., Gueller, A. S., & Rocha, A. C. O. (2011). A clínica interdisciplinar


em crianças com desordens na fala. In A. S. Gueller e cols., Atendimento
psicanalítico de crianças (pp. 86 - 105). São Paulo: Ed. Zagadoni.

Brasil (1997). Conferência mundial sobre necessidades educativas especiais:


acesso e qualidade. In Declaração de Salamanca e linhas de ação sobre necessidades
educativas especiais (trad. de E. A. da Cunha). Brasília, DF: CORDE.

Jerusalinsky, A. (1990). Multidisciplina, interdisciplina, transdisciplina. In Centro


Lydia Coriat (Org.), Escritos da criança nº 3 (pp. 39-44). Porto Alegre, RS: Centro
Lydia Coriat.

Jerusalinsky, A. (1998). Quantos terapeutas para cada criança? In Centro Lydia


Coriat (Org.), Escritos da criança nº 5 (pp. 30-47). Porto Alegre, RS: Centro Lydia
Coriat.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jerusalinsky, J. (2008). Clínica interdisciplinar com bebês: qual a importância de


considerar a especificidade desse campo clínico? In M. Wajntal (Org.), Clínica com
bebês: enlaces e desenlaces (pp.31-50). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kupfer, M. C. M. & Bastos, M. B. B. (2003). Inclusão escolar de professores: uma


tarefa para a psicanálise? Correio da APPOA, 11(120), 27-33.

Lacerda, E. T. (2008). A angústia inicial de transitar entre duas clínicas ou o


exercício da castração que a interdisciplinaridade requer. In L. M. Atem (Org.),
Cuidados no início da vida: clínica, instituição, pesquisa e metapsicologia (pp. 199-
209). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pinho, G. S. (2003). A psicanálise e a clínica interdisciplinar com criança. Correio da


APPOA, 11(120), 5-9.

Vorcaro, A. (1999). Sobre a clínica interdisciplinar. In A. Vorcaro, Crianças na


psicanálise: clínica, instituição, laço social (pp. 105-116). Rio de Janeiro: Companhia
de Freud.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Grupo de Trabalho 9 – trabalho com pais

Esclarecimento aos pais e familiares das pessoas com autismo sobre a especificidade
do tratamento psicanalítico

No decorrer de nossa prática clínica temos escutado com atenção observações


feitas a respeito do trabalho do psicanalista com pacientes diagnosticados como
autistas. Gostaríamos de esclarecer de que modo a psicanálise contribui no tratamento
dessas pessoas e suas famílias para que os pais possam escolher o tipo de tratamento
que consideram mais indicado para seu filho. O trabalho do psicanalista é uma parte
do tratamento dessas pessoas, já que o autismo é considerado um problema que se
deve a vários fatores e requer intervenções de uma equipe de profissionais de várias
especialidades.
Podemos comparar o trabalho do psicanalista ao de um artesão ou mesmo ao de
um pesquisador, uma vez que as construções do projeto clínico precisam ser feitas
caso a caso, pois entendemos que nenhuma criança com autismo é igual à outra. Isso
implica, ao receber uma família que tenha um filho com autismo, o psicanalista avaliar
aquele caso como único, e propor intervenções que levem em conta as necessidades e
o sofrimento de cada família em particular. Busca-se, nos primeiros encontros, tanto a
possibilidade de interagir com a criança quanto escutar, acompanhar e sustentar a
família em suas angústias e preocupações. Tomando como ponto de partida que as
pessoas com autismo apresentam dificuldades, fundamentalmente nas áreas da
comunicação e interação, e que demonstram interesses restritos, o psicanalista irá
considerar no seu trabalho, que, cada pessoa com autismo tem formas singulares de se
comunicar e de interagir com seu meio, com os objetos e com os outros.
A participação dos pais no tratamento psicanalítico de crianças foi mudando ao
longo dos seus mais de cem anos de história. A tendência atual da psicanálise é a de
incluir nos atendimentos de crianças com autismo a todos aqueles que se ocupam
diretamente da criança, procurando uma parceria na construção de projetos clínicos e
educacionais. Isto significa construir estratégias em conjunto para favorecer a
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

autonomia das crianças e jovens com autismo e ajuda a entender os sentimentos de


exclusão, submissão, culpabilização ou fracasso que possam surgir. Ao participar
ativamente do tratamento dos filhos e, simultaneamente, conhecer o trabalho
realizado pelo psicanalista, os pais são acolhidos e considerados, descobrindo, junto
com o profissional, novas possibilidades de relacionamento com o filho, o que lhes traz
profundo apaziguamento da angústia.
Nessa perspectiva, o psicanalista escutará com interesse e atenção o que for dito
pelos pais e, a partir daí começará um trabalho de reconstrução da história familiar
que aponta à inclusão da criança na família e lhe garante um lugar social.
Nesse trabalho que faz lembrar tanto o do artesão quanto o de pesquisador, é
função do psicanalista encontrar janelas de interação e de comunicação com a criança.
São aberturas que todas as crianças com autismo costumam ter. Para encontra-las é
necessário que o analista coloque seu corpo, suas palavras, seus gestos e suas
tentativas de brincadeira em ação! A primeira grande conquista do trabalho seria a de
ajudar a criança a demonstrar suas vontades e interesses relacionados aos outros,
possibilitando que, aos poucos, momentos de interação possam ocorrer. Outra forma
de abrir espaços de comunicação é iniciar pequenas mudanças em relação a
comportamentos inicialmente sem sentido ou repetitivos oferecendo possíveis
significados. Desse modo, alguns gestos ou movimentos passam a ser entendidos pelos
outros, facilitando a comunicação e a circulação social. Nesse ponto, a escuta dos
achados e construções que os próprios pais trazem a respeito do cotidiano com seus
filhos com autismo, são de grande importância para o trabalho clínico.
O psicanalista pesquisa, em cada manifestação, como nas denominadas
“estereotipias” ou “movimentos ritualísticos”, os significados possíveis para cada
criança, entendendo que, embora eles não pareçam favorecer seu desenvolvimento e
seus laços sociais, são resultado de um trabalho da criança em andamento e, por isso,
não é bom tentar eliminá-los. Nessa investigação, o psicanalista, em conjunto com a
criança e seus pais, leva em conta o limite e a tolerância que a própria criança
demonstra frente às intervenções, pois, se forem consideradas excessivas, ela poderá
sentir-se invadida, fechando-se ainda mais para o contato com os outros.
O trabalho deverá ser sempre cauteloso e o psicanalista, persistente, buscando
não desanimar frente a recusas iniciais ou desistências da criança. O psicanalista
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

deverá insistir em sua oferta e disposição, no sentido de “provocar” e de acionar


momentos de curiosidade e de um “querer” na criança, evitando, por outro lado,
tornar-se excessivo e invasivo para ela. Para tal, contemplará momentos em que a
criança o recuse e o evite, mas continuará junto com ela e com seus pais para, mais
adiante, tentar outra vez aproximar-se. Assim, o trabalho ocorrerá na fronteira e na
alternância entre a não invasão e a não desistência de encontrar janelas de contato
com a criança.
Os pais são considerados parceiros porque são eles que detêm o principal
conhecimento sobre seus filhos. O tratamento psicanalítico os ajudará a buscar novas
formas de se relacionar com os filhos, minimizando os momentos de paralisia e de
impotência em situações extremas e nos contextos mais difíceis. Lembrando-nos,
ainda, que também é o próprio profissional psicanalista que pode vivenciá-los.
Se os outros componentes da equipe interdisciplinar vão se ocupar de pontos
fundamentais para o autismo, como a fala, a aquisição de hábitos e a aprendizagem da
escrita, o psicanalista se debruça na construção da subjetividade. Por isso, considera a
especificidade de cada caso e auxilia a criança e sua família a encontrar saídas que
diminuam o sofrimento. É necessário, portanto, uma visão interdisciplinar para
preservar o acolhimento das dificuldades a serem nomeadas e trabalhadas. Assim, a
posição do psicanalista de considerar as especificidades de cada caso, sua formação e
experiência para compreender e dar sentido ajudam à condição de não desistência
diante do sofrimento psíquico da criança e seus pais, além de se tornarem profissionais
fundamentais para que as pessoas com autismo ampliem sua relação com os outros,
interagindo e tentando se comunicar.

“Nas primeiras sessões entrávamos juntos, eu e Arthur. Percebi então minha


importância ali naqueles momentos. No início Arthur ainda continuava muito agitado.
A psicanalista começou então o Re-conto da nossa história e em muitos momentos
Arthur parava e ouvia atentamente o que nós conversávamos. Era uma conversa
verdadeira, eu me senti segura em falar como me sentia em relação a ele. Falávamos
sobre quando Arthur ainda estava na minha barriga.... Arthur se acalmava ao ouvir
sobre nossa história e, vê-lo mais calmo, mais concentrado, me dava um gás para
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

seguir em frente. Eu me senti bem e a relação com meu filho fluía mais naturalmente.
A cada sessão a psicanalista conquistava mais sua confiança. Tinha uma brincadeira
que ela fazia da formiguinha que ele adora até hoje. Naquele momento eles já
estavam totalmente conectados e as trocas de olhares eram intensas. Arthur se
deixava ser tocado e vi que ele estava mais aberto ao novo. O Re-conto da nossa
história foi fundamental para mim e para Arthur. Percebi que tudo era importante em
qualquer relação. Elas (essas crianças) percebem no ato quando as coisas não estão
bem. “(FERNANDA, MÃE DE ARTHUR).

Participantes e colaboradores diretos do texto: Adela Stoppel de Gueller


(SEDES/Clinica Interdisciplinar Mauro Spinelli/AUPPF); Alfredo N. Jerusalinsky (Lydia
Coriat/RS); Claudia Mascarenhas (Instituto Viva Infância/Espaço Moebius
Psicanálise/BA); Cristina Abranches Mota Batista (CAIS/MG); Cristina Keiko I. de
Merletti (Lugar de Vida – Centro de Educação Terapêutica/SP); Daniela Taulois
(pesquisadora IP/USP e Instituto da Criança HC); João Luiz Paravidini
(GECLIPS/Universidade Federal de Uberlândia/MG); Julieta Jerusalinsky (NEPPC/SP e
Lydia Coriat/RS); Jussara Falek (Prof. IP/USP); Maria Lucia Araújo (FCL/SP); Nathalia
Campana (pós IP/USP)
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Grupo de Trabalho 10 – intervenção precoce

Bebês em risco de autismo e os recursos do psicanalista para ajudá-los

Atualmente muito se fala sobre a origem do autismo, os métodos de


tratamento e seus resultados. Entretanto, muitas pessoas desconhecem as
possibilidades de detecção de sinais de sofrimento psíquico em momentos iniciais
da vida, e sua relação com o autismo. Muitos também desconhecem o alcance da
intervenção precoce nesses casos e o quanto o trabalho do psicanalista, muitas
vezes associado ao trabalho de outros profissionais, é capaz de mudar de forma
significativa os efeitos desses riscos.
Os psicanalistas que se ocupam de bebês e de crianças pequenas têm muito
a dizer sobre a detecção precoce do sofrimento desses bebês e dessas crianças e,
também, sobre as mudanças positivas decorrentes de suas intervenções e manejos
clínicos. Essas possibilidades se devem ao fato da teoria psicanalítica, que
descobriu o inconsciente e se dedica ao seu estudo, também ter possibilitado
compreender como o psiquismo nascente do bebê se organiza a partir da relação
dele com os outros e, prioritariamente e antes de tudo, com seus pais que são suas
referências principais.
A relação do bebê com os pais tem certas características importantíssimas
para o seu desenvolvimento bio-psíquico-social, e é por isso que sempre que
pensamos no bebê, nos debruçamos sobre as funções do pai e da mãe (ou de quem
os represente para o bebê), porque sabemos que o bebê, sem os cuidados de um
adulto, não sobrevive nem fisicamente nem psiquicamente. Mais do que isso: não
se estruturará como um sujeito como um ser singular que sabe quem é, e com
capacidade de interpretar os significados pessoais e sociais das diferentes
situações da vida cotidiana. Com base em muitas investigações clínicas sobre a
organização do psiquismo sabemos que essa capacidade não é inata, mas depende
da ajuda dos responsáveis pela criança, e será nas trocas relacionais precoces com
os adultos importantes que o bebê inscreverá memórias em seu psiquismo ainda
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

em formação. Essas primeiras experiências relacionais serão a base da construção


da sua história.
Diante disso, é importante lembrar que os bebês podem ser muito
diferentes entre si, em suas reações e nos tempos que marcam os seus ciclos vitais
como sono, alimentação, recolhimento e ritmos que pautam a interação com os
adultos de sua referência. Alguns podem ser sossegados e tranquilos, podendo
passar um bom tempo na presença do adulto sem solicitar sua atenção em
demasia. Outros, no entanto, podem se mostrar previsíveis em suas atitudes e
ritmos. Outros ainda, muito ativos, podem exigir bastante atenção do adulto, por
serem bebês mais excitáveis, que estabelecem um forte ritmo interativo com seu
cuidador.
Em nosso trabalho de psicanalistas, deparamos com toda sorte de encontros
e desencontros possíveis que um bebê terá no primeiro ano de vida: estes
constituirão a sua história e sua maneira de estar no mundo, sua maneira de se
relacionar com os outros.
Em alguns casos, os esperados encontros podem não ocorrer de forma
satisfatória para o bebê, ou para os pais, ou para ambos. Existem bebês, por
exemplo, que não conseguem se alimentar, dormir ou estabelecer uma
comunicação com seu entorno. Nesse desencontro, que pode envolver aspectos
constitucionais, biológicos, históricos e culturais, podem ocorrer dificuldades tanto
por parte do bebê como dos pais.
Portanto, se um bebê ou criança pequena está se ligando a objetos, vivendo
em um mundo de sensações em detrimento das interações, evitando as emoções
ou sucumbindo a elas, temos que pensar que mudar [ou treinar] o
comportamento, ainda que isso possa trazer atitudes momentaneamente mais
aceitáveis, não é suficiente para reformular a estrutura mental em risco de
enrijecimento autístico. Há que se investir maciçamente na criação de
oportunidades de relação que ajudem a criança a regular e reconhecer seus
estados emocionais, não por meio da pura cognição, mas exatamente por meio de
experiências afetivas significativas com o outro. Esta é a tarefa da Psicanálise:
buscar reconhecer os estados mentais tomando por base a observação detalhada e
sintonizada do comportamento não verbal do bebê/criança e seus pais,
convocando para o contato a partir do que a criança é, e ampliando o movimento
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

da criança em direção ao contato com o outro.

Nos bebês que apresentam riscos de desenvolver distúrbios de tipo


autístico há muita dificuldade no estabelecimento das interações do bebê com os
outros. Então, os parceiros – bebês e pais - como que se fecham em si mesmos,
cada um em circuito fechado, ocasionando um processo diferente, em que, no lugar
dessa construção comum, teremos duas construções que se confrontam. Na
primeira, do lado do bebê, pode ocorrer uma dificuldade, ou até mesmo uma
impossibilidade de interação, de modo que as aquisições da maturação
neuromotora não são utilizadas para a relação com o outro; na segunda, do lado
dos pais, pode ocorrer uma grande perturbação em que todas as suas
competências relacionais e a sua capacidade de comunicação ficam suspensas na
relação com seu bebê, embora fiquem intactas suas capacidades de linguagem e de
comunicação.
Pesquisas com filmes familiares demonstraram que o autismo não se
apresenta desde o nascimento, e que, no primeiro ano de vida, os bebês podem
apresentar sinais de fechamento às interações ao mesmo tempo em que têm
aberturas para momentos de trocas com seus pais. Essas pesquisas nos alertam
para o processo que pode levar à instauração do quadro autístico propriamente
dito: o círculo vicioso que pode se instalar quando essas dificuldades do lado do
bebê e do lado dos pais, reativas, não são percebidas como tais, resultando em
falhas graves na interação entre pais e bebê.
O papel dessa intensa interação pais/bebê é fundamental, pois é ela que
organiza o corpo do bebê e seu funcionamento, seu comportamento e suas
representações, ou seja, sua entrada no mundo simbólico e relacional. Por isso, a
abordagem psicanalítica procura restaurar a interação pais/bebê, para recolocar
em marcha o “motor relacional”, para que o bebê possa começar a se organizar, se
construir e se enriquecer pela identificação e pela imitação.
Por isso nós, psicanalistas, estamos, sobretudo, preocupados em intervir
logo, antes que essas dificuldades relacionais se fixem como padrões de relação
para o bebê. Por quê? Porque sabemos que nesse período o bebê possui uma maior
maleabilidade em seus aspectos orgânicos e em sua constituição psíquica. Com
base em resultados de pesquisas, sabemos também que os fatores herdados
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

geneticamente podem ter sua expressão alterada de acordo com o ambiente, com
as vivências subjetivas e a qualidade de vida de cada um. É isto que possibilita
tanta riqueza no desenvolvimento do bebê e em suas trocas interativas com o
meio. Principalmente no início da vida, quando a natureza das experiências e as
vivências relacionais, com seus correlatos neuroquímicos, têm uma capacidade de
influir na formação das redes de funcionamento dos neurônios. É essa
maleabilidade que propicia que intervenções nesse momento oportuno sejam
muito mais eficazes e duradouras, podendo evitar que essas dificuldades se
potencializem, como bola de neve, instalando-se como quadros cujo tratamento
será mais difícil após a primeira infância.
A avaliação e as intervenções do psicanalista sempre levam em
consideração a constituição subjetiva do bebê, ou seja, estamos atentos aos
processos particulares e aos sinais que indicam falhas, dificuldades, impedimentos
nesse processo de constituição. É importante destacar esse ponto porque a
avaliação ou a intervenção psicanalítica sempre é feita considerando que um sinal
sozinho não indica nada, ele precisa estar associado a uma série de outros sinais,
compondo um sentido ou tendo assim uma significação. Diante disso, é necessário
considerar que os fenômenos subjetivos precisam de uma sucessão de observações
ao longo do tempo. Dessa forma, não há uma avaliação momentânea e pontual,
assim como os efeitos de uma intervenção só são verificados num momento
posterior.
Vale lembrar que, muitas vezes, um bebê ou uma criança pequena pode dar
mostras de uma diversidade de distúrbios, geralmente leves ou até moderados,
quando está respondendo a questões relacionadas a algum conflito passageiro que
está enfrentando em algum momento de sua vida ou da vida de sua família. Nessas
situações, é importante a família contar com uma rede de sustentação formada por
pessoas de referência para os pais.
Na condição de psicanalistas, ficamos alertas quando um bebê se mostra
impossibilitado de exercer suas competências, tanto no contexto das interações
quanto na organização de sua funcionalidade, ao longo de seu desenvolvimento
físico, que lhe permita prosseguir nas etapas do crescimento neuro-sensório-motor
(rolar, andar, sentar, pegar usando as mãos, olhar direcionado, atenção a sons,
mastigar) até a organização dos seus ritmos de sono/vigília, fome/saciedade,
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

brincadeiras/descanso. Pode aparecer, assim, pouco interesse na interação,


comunicação e contato afetivo/lúdico, dificuldade de aceitar e apreciar o contato
físico e de se aconchegar ao colo, ausência de pedido de aproximação, apatia,
pobreza de troca de olhares e poucas vocalizações em resposta à convocação dos
pais, dificuldade de se deixar consolar pelo adulto, com isso arranjando um jeito
próprio de se consolar, tendo preferência pela manipulação de objetos.
Vulnerabilidade e desarmonia também podem se manifestar no contexto de
recusas alimentares, doenças somáticas de repetição, refluxos gastresofágicos,
doenças respiratórias, irritabilidade excessiva chegando até ao impedimento do
sono, flacidez ou outras alterações do tônus muscular. Reconhecemos nessas
demonstrações do bebê que ele não está bem, e chamamos a essas dificuldades,
que se expressam em maior ou menor grau, de sinais de sofrimento precoce ou
indicadores de risco (risco para o desenvolvimento, e risco psíquico).
Geralmente, quando os pais chegam para o trabalho com o psicanalista,
muitos desses sinais podem já estar presentes, embora tenham sido pouco
valorizados como algo que mereça atenção de um profissional. Muitos pais já se
inquietam, têm dúvidas e sensações de estranheza no contato com o filho que pode
ser pouco responsivo e pouco se comunicar. Ao acolher tais inquietações dos pais
desde cedo, o psicanalista pode traduzir e amplificar os apelos do bebê,
legitimando as percepções dos pais e favorecendo a relação entre eles.
Nesse momento da intervenção, o psicanalista entende que o atendimento
conjunto dos pais com o bebê é fundamental para a compreensão do que acontece
entre eles. Durante os encontros, o trabalho do psicanalista é o de fazer a leitura
dos apelos que o bebê faz, do modo pelo qual ele convoca ou evita o encontro com
os pais e de ajudar aos pais a dar novos sentidos à movimentação do bebê. É a isso
que chamamos de “leitura das situações relacionais” dos pais com o bebê, que
englobam tanto a movimentação do bebê na direção de seus pais quanto a
movimentação dos pais na direção do bebê que, ao se mostrarem durante as
sessões, serão nomeadas pelo psicanalista.
O trabalho do psicanalista é o de dar lugar às palavras, não quaisquer
palavras, mas aquelas que servem àquela família porque têm a ver com a história
singular daquele nascimento, somada à história de vida daquele casal.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Por tudo isso que se passa nesses encontros, dizemos que o psicanalista “se
empresta” como mediador e tradutor durante os atendimentos, nomeando o
sofrimento de ambos (pais e bebê), desculpabilizando os pais e legitimando a força
e o potencial do bebê.
Geralmente cabe ao psicanalista estender essas palavras e sua compreensão
da dinâmica relacional da família, a partir de sua percepção e leitura dos fatos
clínicos, aos outros profissionais que estão em contato com a família e o bebê. Em
nossa prática, na troca com outros profissionais, fica evidente o quanto é
organizador para a equipe a compreensão do psicanalista que os ajuda a ver com
igual importância as dificuldades do bebê e as dos seus pais.
As dificuldades encontradas por essas famílias, em tempos tão iniciais do
desenvolvimento de seus pequenos filhos, geralmente causam um grau de
desorganização intensa, que inclui desde as mudanças nos ciclos de sono e vigília,
alimentação, até as várias situações de adoecimentos do bebê e cansaço extremo
dos pais. Nesse contexto de alterações na rotina da casa, e desafios para a
convivência do casal e família, damos muita importância à rotina dos
atendimentos, que pode marcar a constância das trocas interativas entre o
psicanalista, os pais e o bebê, e favorecer a regularização dos ritmos interativos
dos pais com seu bebê no ambiente familiar.
Há duas operações fundamentais no trabalho do psicanalista: a primeira
operação é a detecção precoce, e a segunda operação é a intervenção precoce. Mas,
situamos aí uma sutileza clínica que tem enormes consequências, porque a
detecção precoce refere-se ao risco psíquico para o desenvolvimento em geral, e
não somente ao risco de autismo.
Atualmente, o fato de a categoria TEA (Transtorno de Espectro Autista)
englobar quase todos os transtornos especificamente psíquicos tem tido as
seguintes consequências: 1) uma falsa epidemia do autismo; 2) uma supressão de
categorias causando confusão e diagnósticos inespecíficos e; 3) significativos
atrasos para o tempo de início das intervenções precoces, porque os profissionais
ficam induzidos, paradoxalmente, a esperar a definição do autismo para indicar
intervenção. E isso faz grande diferença em relação aos resultados que se obtêm
quando as intervenções são tardias.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Diante de tudo o que foi exposto, é importante estarmos atentos para a


forma como está se estabelecendo a relação pais/bebê, pois, ao localizarmos sinais
de risco e sofrimento precoce, estes podem nos alertar sobre as dificuldades de
desenvolvimento dos bebês. Nossa experiência clínica com inúmeras famílias cujos
bebês foram acompanhados por uma rede de cuidados iniciais, incluindo o
psicanalista, demonstra como é possível mudar significativamente os rumos do
desenvolvimento de um bebê em risco de autismo, e favorecer vias alternativas
para sua construção psíquica.

Participantes e colaboradores diretos do texto: Alfredo N. Jerusalinsky (Centro


Lydia Coriat, APPOA), Leda M. F. Bernardino (APC, FEUSP), Eloisa Lacerda (SEDES,
Carretel), Mira Wajntal (SEDES), Inês Catão (COMPP (SES-DF), HCB, PREAUT BRASIL,
Escola Letra Freudiana), Sonia Mota (ABENEP/RJ), Maria Eugênia Pesaro (Lugar de
Vida – Centro de Educação Terapêutica), Augusta Mara Fadel (Lugar de Vida –
Centro de Educação Terapêutica), Cristina Hoyer (Associação Projeto Espaço
Vivo), Mariangela Mendes de Almeida (SEDES, SBPSP, Unifesp), Vera Zimmermann
(SEDES, CRIA/Unifesp), Mayra Castro (Equipe Nós), Mariana Garcez (Grupo
Laço), Maria Eduarda Lyrio Searsonn, Nathália Campana (pós graduanda IPUSP),
Maria Cecília Pereira da Silva (SEDES), Vera Regina Fonseca (SBPSP), João Luiz
Paravidini (GECLIPS), Cirlana Rodrigues de Souza (GECLISPS), Aline Sieiro
(GECLISPS), Regina Orth Aragão (ABEBE), Rafaela Duque (CPPL),.

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013


Grupo de Trabalho 11 – DSM

DO DSM-I AO DSM-5: EFEITOS DO DIAGNÓSTICO PSIQUIÁTRICO “ESPECTRO


AUTISTA” SOBRE PAIS E CRIANÇAS

Resumo: O objetivo do trabalho é analisar criticamente as edições e revisões do


Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), com a finalidade de
mostrar como o autismo, inicialmente considerado sintoma de uma afecção, foi
transformado num dos principais diagnósticos psiquiátricos para a criança. O
estudo procura estabelecer relações entre cada nova edição e o desenvolvimento
da psiquiatria, e assim revelar como o abandono de postulados da psicanálise e a
influência da farmacologia e das neurociências foram decisivos para o
desenvolvimento de procedimentos classificatórios baseados na mera descrição do
comportamento, o que veio favorecer a indicação de terapias cognitivo-
comportamentais. Por último, o trabalho busca indicar os efeitos do diagnóstico
generalizado de “espectro autista” sobre pais e crianças e a tarefa da psicanálise
face a essa realidade que, posicionando-se diante de políticas gestoras do setor
público e privado, defende eticamente a existência da diferença, criando assim o
campo onde poderá trabalhar a dimensão inconsciente, a singularidade do desejo e
a condição de sujeito falante, apostando em sua emergência para além de qualquer
diagnóstico.
Palavras-chave: DSM, autismo, psicanálise, saúde pública.

1. Introdução

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Diagnostic and


Statistical Manual of Mental Disorders – DSM), da Associação Psiquiátrica Americana
(APA), se propõe a oferecer uma base empírica para a prática clínica, pesquisa e
ensino da psicopatologia, bem como servir de instrumento para a coleta e a
comunicação de dados estatísticos referentes à saúde pública (APA, 2002).
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Ao longo do tempo, o Manual tem alcançado uma grande repercussão não


apenas nos Estados Unidos, mas também em outros países, nos quais vem sendo
largamente empregado. Como referência internacional, é utilizado pelos sistemas de
saúde pública, convênios médicos e centros de pesquisa psiquiátrica e farmacêutica
(MAYES e HORWITZ, 2005). Às vésperas do lançamento da sua quinta edição,
tornou-se conhecido como a “Bíblia Americana da Saúde Mental” (G. POMMIER,
2011; R. R. GRINKER, 2011).
No entanto, suas sucessivas edições e revisões têm acarretado uma série de
consequências, tais como a multiplicação de classificações diagnósticas, a crescente
medicalização, a indicação generalizada das chamadas terapias cognitivo-
comportamentais e o empobrecimento do ensino da psicopatologia. Aqui, interessa-
nos, particularmente, mostrar como o Manual provocou o que vem sendo chamado
“epidemia de autismo” e de que modo a sua quinta edição virá inflacionar mais
ainda os números de casos diagnosticados, com graves consequências para pais e
crianças.33

2. Do DSM-I ao DSM-5: o autismo nas edições e revisões do Manual

Desenvolvido pelo Comitê de Nomenclatura e Estatística da APA e publicado


em 1952 (ver Nota 1), a primeira edição do DSM é uma variante da sexta versão da
Classificação Internacional de Doenças (CID), da Organização Mundial da Saúde
(OMS), que pela primeira vez incluiu em suas descrições clínicas uma seção
dedicada aos transtornos mentais.
O DSM-I continha um glossário de descrições de categorias diagnósticas nas
quais fazia uso do termo “reação”, o que refletia a influência da perspectiva
psicobiológica de Adolf Meyer, para quem os transtornos mentais constituíam
reações da personalidade a fatores psicológicos, sociais e biológicos (APA, 2002).
Nessa edição, a etiologia do transtorno era notadamente levada em conta. O uso de
termos como “mecanismos de defesa”, “neurose” e “conflito neurótico” indicavam a
influência da psicanálise na construção do Manual (N. SIBEMBERG, 2011, p. 93).

33
Um amplo estudo crítico sobre o DSM e suas consequências pode ser encontrado em O livro negro da
psicopatologia contemporânea, A. Jerusalinsky e S. Fendrik (orgs.), 2011.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

O autismo aparece no DSM-I como um sintoma da “Reação Esquizofrênica,


tipo infantil”, categoria na qual são classificadas as reações psicóticas em crianças
com manifestações autísticas (APA, 1952). Portanto, na primeira edição do DSM o
autismo não é apresentado como uma entidade nosográfica.
O DSM-II (1982) eliminou o termo “reação” (APA, 2002, pág. 23). A
classificação passa a ser “Esquizofrenia tipo infantil”, categoria equivalente a
“Reação Esquizofrênica” do DSM-I. O comportamento autístico, uma das
manifestações de esquizofrenia na infância, permanece sendo um sintoma (APA,
1982). Termos psicanalíticos são utilizados ainda mais.34
A terceira edição do Manual (1980) e sua revisão (DSM-III-TR, 1987)
trouxeram notáveis inovações. Critérios específicos de diagnóstico são
implementados, como o sistema axial35 e o enfoque descritivo, “que tentava ser
neutro em relação às teorias etiológicas” a partir de um “trabalho empírico” (APA,
2002, pág. 23). As causas de uma doença, alegavam os responsáveis pelas novas
versões, “devem constituir um princípio classificatório somente quando são
claramente conhecidas” (R. R. GRINKER, 2010, pág. 129). Os aspectos
psicodinâmicos dão lugar a um modelo regulamentar ou legislativo e o conceito
psicanalítico de neurose, “visto como vago e não científico”, é excluído (C. DUNKER e
F. KYRILLOS NETO, 2011, pág. 615).36 O Manual começa a abandonar a perspectiva
psicanalítica.
É justamente aí que o autismo aparece pela primeira vez como entidade
nosográfica. É criada a classe diagnóstica “Transtornos Globais do Desenvolvimento
- TGD” (Pervasive Developmental Disorders – PDD)37, no qual o “Autismo Infantil”
figura como uma das subcategorias. Revista a terceira edição, o autismo passa a ser
nomeado “Transtorno Autístico”.38 O diagnóstico de “Esquizofrenia tipo infantil”

34
Em decorrência de uma ampla revisão dos temas diagnósticos patrocinada pela OMS, surgiram
simultaneamente a segunda edição do DSM e a oitava versão da CID.
35
O sistema multiaxial funciona a partir de cinco eixos, o que permite descrever um sujeito por um
conjunto de fatores clínicos.
36
A terceira revisão do DSM foi pensada junto com a nona versão da CID, mas publicada depois.
37
Transtornos Globais de Desenvolvimento - TGD é a tradução utilizada por Cláudia Dornelles para
Pervasive Developmental Disorders - PDD na quarta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de
Transtornos Mentais (APA, Porto Alegre, Artmed, 2002).
38
Na classe diagnóstica “Transtorno Global do Desenvolvimento”, encontrada na seção “Transtornos
geralmente diagnosticados pela primeira vez na infância ou adolescência” do DSM-III, figuram como
subtipos “Autismo Infantil”, “Transtorno Global do Desenvolvimento na Infância” e “Transtorno Global
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

desaparece, sob a alegação de que é extremamente raro na infância (APA, 1987).39 A


partir daí, “o autismo se transforma num diagnóstico convencional na prática
psiquiátrica, tornando-se mais comum ainda nos anos seguintes.” (R. R. GRINKER,
2010, pág.120).
Na quarta edição do Manual (1994) e sua revisão (APA, 2002), o autismo se
mantém como referência para as novas classificações40 e os TGDs recebem outros
subtipos: o “Transtorno de Rett”, o “Transtorno Desintegrativo da Infância” e o
“Transtorno de Asperger”.41 O DSM-IV é proposto como suporte educativo para o
ensino de psicopatologia e se torna “A Bíblia da Saúde Mental”. Completamente
afastado das bases psicanalíticas, e sob a influência da farmacologia e dos resultados
das pesquisas das neurociências, o DSM se autoproclama ateórico.
O DSM-5 (2013), com lançamento previsto para o próximo mês de maio,
introduz outras mudanças: a extinção dos TGDs e a criação de uma única categoria
diagnóstica para os casos de autismo (“Transtorno do Espectro do Autismo”),
independentemente de suas diversas formas de manifestação. Como o diagnóstico é
efetuado exclusivamente com base no comportamento observável, o Manual
radicaliza o alcance da noção de contínuo autista, adotando mais do que antes a
ideia de “espectro”.42 A substituição do grupo de transtornos, antes incluído na
classe dos TGDs por uma única categoria, concorrerá definitivamente para

do Desenvolvimento Atípico”. No DSM-III-R, essas subcategorias são substituídas por “Transtorno


Autístico” e “Transtorno Global do Desenvolvimento sem Outra Especificação” (APA, 1987).
39
A APA propõe que o diagnóstico de “Esquizofrenia” somente seja dado adicionalmente ao de
“Transtorno Autista” e se forem observados delírios ou alucinações (APA, 1987).
40
A ausência de sintomas psicóticos como delírios ou alucinações se converteu num dos critérios
diagnósticos de autismo, embora o DSM-IV-TR admita um diagnóstico adicional de “Esquizofrenia” no
caso de (e somente se) o indivíduo com diagnóstico prévio de “Transtorno Autista” desenvolver aspectos
característicos da fase ativa do transtorno psicótico pelo período mínimo de um mês, o que sugere (1): o
diagnóstico de psicose é sempre posterior ao de autismo; (2) não há diagnóstico de psicose sem
diagnóstico de autismo; (3) a incidência de autismo é, pelos critérios do DSM, necessariamente superior à
incidência de psicose. (APA, 2002).
41
No DSM-IV-TR os TGDs recebem outros subtipos: além do “Transtorno Autista” e do “Transtorno
Global do Desenvolvimento sem Outra Especificação”, já presentes no DSM-III, surgem o “Transtorno
de Rett”, o “Transtorno Desintegrativo da Infância” e o “Transtorno de Asperger”.
42
O autismo é transformado num transtorno do neurodesenvolvimento, o que implica necessariamente a
tomada de uma posição de ordem teórica, apesar do “ateorismo” proclamado no Manual. Obs.: A seção
“Transtornos geralmente diagnosticados pela primeira vez na infância e adolescência” é substituída pela
seção “Transtornos do Neurodesenvolvimento” (APA, 2013).
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

transformar o autismo num dos principais diagnósticos psiquiátricos para a


criança.43.
O autismo se transforma num transtorno do neurodesenvolvimento, o que
implica necessariamente a tomada de uma posição de ordem teórica, apesar do
“ateorismo” apregoado (APA, 2013), revelando-se então o forte compromisso dos
organizadores do Manual “com os autores e teorias das chamadas neurociências”
(S. LAIA, 2012, pág. 12).

3. Como o DSM transformou a psiquiatria

Antes do DSM-III, psiquiatria e psicanálise partilhavam o objetivo de


compreender o problema fundamental da origem do sintoma. O intuito era então
tratar o problema, e não o sintoma. As classificações diagnósticas das edições
anteriores (DSM-I e II) adotavam as categorias psicanalíticas de neurose e psicose.
No entanto, a credibilidade da psiquiatria como ciência e campo legítimo da
medicina era questionada, mesmo depois da publicação das primeiras edições do
Manual, que, ao que parece, não receberam a receptividade esperada. O governo
diminuía os investimentos em pesquisas psiquiátricas e os planos de saúde viam a
psiquiatria como “um poço sem fundo, com métodos de avaliação e tratamento
inadequados” (R. R. GRINKER, 2010, pág. 124).
O DSM-III provocou uma reviravolta na imagem da psiquiatria. Afastando-se
da psicanálise, que não deixava de reconhecer a importância das considerações de
ordem teórico-etiológica, a psiquiatria pôde justificar o seu sistema classificatório,
ou seja, a focalização do sintoma nele mesmo, na medida em que a pura observação
empírica das manifestações de comportamento (sua presença, constância e
intensidade) passa a ser o critério utilizado no diagnóstico.
O DSM-IV repete os princípios da edição anterior: descrição objetiva dos
sintomas com exclusão da etiologia. Como se expressa R. R. GRINKER (2010),
confesso defensor do DSM, a “popularização do autismo” é consequência, dentre
outros fatores, do declínio da psicanálise e da absoluta recusa da ideia de que o
transtorno poderia ser consequência da “maldades das mães”, conforme a tão

43
O TDAH é outro diagnóstico que mostra uma grande incidência a partir das novas edições do DSM (A.
JERUSALINSKY, 2010).
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

propalada hipótese de B. Bettelheim, que passou a usar de forma equivocada a


expressão “mães geladeiras”, criada por L. Kanner, mas posteriormente por ele
mesmo rechaçada.
Efetivamente, porém, a psiquiatria estava oferecendo classificações
diagnósticas padronizadas para atender a demanda das companhias seguradoras de
saúde e das indústrias farmacêuticas, que necessitavam de parâmetros e regras para
nortear suas ações. Aliás, a indústria farmacêutica vem sendo intensamente
favorecida com a multiplicação de diagnósticos a cada nova edição do DSM,
contando ao mesmo tempo com o respaldo das neurociências,44 num contexto cada
vez mais neoliberal, no qual há uma redução do poder do Estado na esfera
econômica e social.45
Coerente com os critérios de classificação praticados pela APA, o tratamento
do transtorno passa a ser a eliminação ou o abrandamento do sintoma, já que este
corresponde ao comportamento alterado. Consequentemente, a clínica
farmacológica e cognitivo-comportamental é favorecida, uma vez que trabalham
com idêntico propósito: fazer desaparecer o comportamento “anormal”. Estava
selada assim a aliança entre psiquiatria, indústria farmacêutica e terapias cognitivo-
comportamentais, um compromisso que transparece nas recomendações da APA
para que esses “tratamentos” sejam aplicados.46

4. “Transtorno do Espectro Autista – TEA” como diagnóstico antes do DSM-5


Na Grécia Antiga, o termo “idiota” designava aquele que não participava da
vida pública e que, por isso, era tido como uma espécie de deficiente intelectual.
Difundido ao longo do século XIX, o termo passou a designar aquele que não sai de

44
A indústria farmacêutica, cuja força maior está nos Estados Unidos da América do Norte – mas não só
lá -, espraia sua atuação, conforme observação de S. L.de Oliveira e J. L. de Oliveira (2004): “O uso do
poder na indústria farmacêutica passa a ser uma estratégia indispensável para prover a harmonia dos
canais de marketing”.
45
Sobre o controle e domínio do autismo pela ciência e sua exploração pelo capitalismo e pela mídia, v.
"Efeitos do discurso capitalista sobre o autismo", de S. S. Ferreira, comunicação apresentada no II
Congresso Interdisciplinar sobre a criança e o adolescente: a linguagem, o corpo e a escrita. Porto Seguro
(BA), 2012.
46
De se notar que junto com o lançamento da quinta edição do DSM está sendo anunciada a publicação
de livros de psicofarmacologia e terapia cognitivo-comportamental para crianças e adolescentes, cf.
www.appi.org/Pages/Psychopharmacology.aspx e
www.appi.org/SearchCenter/Pages/SearchDetail.aspx?itemid=62406. Acesso em 14.03.13.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

si mesmo. Essa observação leva Hochmann a supor uma história do autismo antes
do autismo (J. HOCHMANN, 2009).
Em 1912, Bleuler usa o termo “autismo” - do grego auto (si próprio) e do
sufixo ismo (estado) – para indicar um dos sintomas das crianças que tinham
recebido o diagnóstico de “Esquizofrenia”: a predominância relativa ou absoluta do
mundo interior.47 Somente mais tarde, com a descrição de L. Kanner (1943, 1983,
1997), o autismo passou a definir um conjunto de distúrbios (“Distúrbios autísticos
inatos do contato afetivo”) e, logo depois, uma síndrome, designada “Autismo
Infantil Precoce” (KANNER, 1946), nomeação que põe em evidência a precocidade
do aparecimento das manifestações.48

A partir de então, os sinais e sintomas categorizando o autismo mudaram


constantemente até receberem a noção de “espectro autista”.49 Cabe a L. Wing (L.
WING e J. GOULD, 1979 apud U. FRITH, 2003; L. WING, 1996, apud U. FRITH, 2003),
psiquiatra inglesa, a definição de autismo como um espectro, isto é, uma gama de
comportamentos determinados em vários graus e maneiras. Apoiada na descrição
da Síndrome de Asperger e em suas própias pesquisas, sublinha que, dependendo da
severidade e da variedade dos sintomas a criança pode receber o diagnóstico de
autismo de alto funcionamento, com atraso severo no desenvolvimento, ou ainda se
situar em qualquer outra faixa do espectro. Wing baseia essa afirmação a partir da
observação de três déficits comumente presentes nas manifestações do transtorno,

47
Nos primórdios do século XX, o interesse da psiquiatria está voltado para crianças que não são
portadoras de deficiência mental, parecendo normais até apresentarem “sinais de loucura”. Inicialmente
chamado “demência precocíssima”, esse quadro é renomeado, em 1911, com o termo “Esquizofrenia”
(mente dividida) por E. Bleuler (1964, apud BERQUEZ, 1983, pág. 44; S.S.F.O. FERREIRA, 2004). O
termo “autismo” foi criado a partir da noção de autoerotismo, desenvolvida por Freud (1905/1972) para
definir o comportamento sexual infantil precoce, através do qual o indivíduo obtém satisfação recorrendo
ao seu próprio corpo. Por discordar da posição freudiana quanto ao papel essencial da sexualidade na
constituição do psiquismo, Bleuler extraiu da palavra “autoerotismo” a referência à sexualidade designada
por Eros, e estabeleceu o termo autismo para se referir ao investimento em si mesmo, investimento que,
no entanto, não seria da ordem da sexualidade e da libido (CAVALCANTI E ROCHA, 2001; TAFURI,
2003). No entanto, para GAUDERER (1993 apud PRAÇA 2011) o termo autista foi usado pela primeira
vez, na Psiquiatria, por Plouller em 1906, que na época estudava o processo de pensamentos de pacientes
com esquizofrenia. (GAUDERER 1993 apud PRAÇA, 2011).
48
Anos depois, justificando o nome dado à síndrome, Kanner (1958) esclareceu que a escolha tinha sido
efetuada (em 1944) com o objetivo de excluir o autismo do grupo das “Esquizofrenias Infantis”, alegando
que nesse grupo somente se verificava uma evasão da realidade depois de um período de
desenvolvimento normal, enquanto que no “Autismo Infantil Precoce” a criança não estabelecia relações
usuais com o entorno desde o princípio.
49
Aqui, a palavra “espectro” faz referência à definição usada no campo da Farmácia: “espectro contínuo”
é o espectro formado por faixa luminosa sem interrupções, apresentando todas as cores do arco-íris. (Cf.
Dicionário de Língua Portuguesa, São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações, 1989).
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

chamados a Tríade de Wing: (a) alterações qualitativas na comunicação verbal e não


verbal, (b) alterações qualitativas nas interações sociais recíprocas e (c) centro de
interesses restritos, estereotipados e repetitivos.
Surge assim a expressão Transtorno do Espectro Autista (TEA), que passa a
ser usada como sinônimo da classe diagnóstica “Transtornos Globais do
Desenvolvimento”, criada posteriormente pela terceira edição do DSM, quando a
APA, aceitando a ideia da existência do contínuo autista, formula o primeiro
conjunto de critérios para o diagnóstico de autismo.
De acordo com Filipeck et al. (1999), pode-se falar tanto em “Transtornos
Globais do Desenvolvimento (TGD)” como em “Transtorno do Espectro Autista
(TEA)”. Assim, tornou-se corrente entre médicos o uso frequente da expressão
“espectro autista” para o diagnóstico da criança. Ora, adotando esse critério o
médico não precisa situar a particularidade da subcategoria diagnóstica na qual a
criança pode se classificar50.
Esse modo preferencial de lidar com o diagnóstico permite ao médico
reduzir o tempo de consulta, ainda que a indicação de tratamento seja a mesma
para todos os casos: o tratamento medicamentoso e cognitivo-comportamental.
Por outro lado, como vimos, leva também a um aumento do número de
diagnósticos de autismo, na medida em que não há lugar para outras subcategorias
como o Transtorno de Asperger, de Rett e Desintegrativo da Infância.
Com o DSM-5, a APA consagrará e formalizará o uso, já corrente, da
“classificação” espectro autista51, a despeito das consequencias que daí
podem advir. Milhares de observações críticas e manifestos contrários ao
DSM-5 foram postados no site da APA quando os dois primeiros rascunhos
do Manual foram submetidos ao comentário público, contudo sem
resultados.52 Uma parte deles apontava a multiplicação e proliferação de

50
No entanto, mesmo de acordo com a atual versão do DSM, tanto pode tratar-se de um caso de
Transtorno Autista, de Transtorno de Asperger, de Transtorno Desintegrativo da Infância, de Transtorno
de Rett ou de Transtorno Global do Desenvolvimento sem Outra Especificação, que inclui Autismo
Atípico, um subgrupo que a APA diferencia dos outros justamente por não satisfazer os critérios para
Transtorno Autista.
51
Muito embora o DSM-5 deixe de considerar a existência de uma tríade de alterações no autismo, a ideia
de um contínuo autista permanece sendo utilizada.
52
Críticas aos dois primeiros rascunhos do DSM-5 apresentados no site da APA para comentário público
resultaram em 50 milhões de acesso de cerca de 500 mil pessoas e mais de 10.000 comentários, em
grande parte com “duras críticas” (cf. Ferris Jabis, 2013, pág. 34). Uma série de manifestos contrários à
quinta edição foi produzida, entre eles o “Para acabar com a camisa de força do DSM” (França), “Por una
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

categorias diagnósticas, como o manifesto “O DSM-5 e o apagamento do


sujeito”, de Intersecção Psicanalítica do Brasil (IPB, 2012). Outros indicavam
o desaparecimento de categorias diagnósticas antes presentes no DSM, e
muitos se mostraram particularmente contrários à inclusão da Síndrome de
Asperger na classificação de autismo, por considerarem que o caráter
inclusivo da categoria “Transtorno do Espectro do Autismo” extinguirá as
diferenças entre dois quadros clínicos tão distintos. Apesar das críticas, a
quinta edição do Manual manterá as modificações previstas nos rascunhos.

5. Efeitos do diagnóstico “espectro autista” sobre pais e crianças

Desaparecendo do Manual as psicoses infantis e categorias como a Síndrome


de Asperger e outras, o médico ou outro profissional será levado a utilizar o
diagnóstico “Transtorno do Espectro do Autismo”, ou mais simplesmente, “espectro
autista”. Contudo, como o desaparecimento de categorias diagnósticas não faz
desaparecer a patologia, o erro diagnóstico é a consequência mais imediatamente
vislumbrada.
De outra parte, a precipitação na formulação do diagnóstico pelos critérios do
DSM é já uma constatação. Torna-se cada vez mais comum o recebimento de
crianças diagnosticadas com “espectro autista”, muito antes dos três anos. Nesses
casos, privilegia-se a observação do comportamento da criança, quase sempre a
partir de uma única consulta, e se são verificados alguns sintomas que, segundo os
preceitos do Manual são característicos de autismo, o diagnóstico é declarado.
Desconhece-se que, numa idade tão precoce, um quadro patológico não pode ser
considerado já decidido (L. BERNARDINO, 2010).
Ignora-se, de outra parte, que as manifestações podem indicar apenas
perturbações da comunicação que, se tratadas precocemente, podem desaparecer. É

psicopatologia clínica, que no estadística”, com a coordenação de ESPAI Freud (Barcelona), “Por uma
abordaje subjetivante del sufrimiento psíquico em niños y adolescentes, no al DSM”, com a coordenação
de FORUMADD (Buenos Aires), “Em prol de uma psicopatologia clínica” (São João Del Rei – MG),
produzido em conjunto pelo Núcleo de Pesquisa e Extensão em Psicanálise da Universidade Federal de
São João Del Rei (MG), Laboratório Interunidades de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da USP,
PSILACS – Grupo de Pesquisa Psicanálise e Laço Social no Contemporâneo, do CNPq, e Laboratório de
Psicopatologia e Psicanálise da UFMG (IPB, 2011). Convergência, Movimento Lacaniano para a
Psicanálise Freudiana e Intersecção Psicanalítica do Brasil também se opuseram expressamente ao DSM-
5 (IPB, 2011, 2012).
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

importante detectar sinais de sofrimento psíquico que podem perturbar o


desenvolvimento da criança, a fim de que uma intervenção em tempo possa ocorrer.
Entretanto, um diagnóstico de “espectro autista” pode selar definitivamente o
destino da criança. É impressionante a frequência com que pais, a partir daí, passam
a avaliar o comportamento dos filhos como “manifestações da doença”,
comportamento que seria considerado absolutamente normal e esperado em outras
crianças.
A realidade da prática clínica revela que as reações de pais ao diagnóstico
“espectro autista” são na maior parte das vezes devastadoras, tanto para eles como
para os filhos. Por um lado, o preconceito que ainda cerca o diagnóstico leva muitas
vezes os pais a sentirem-se envergonhados e revoltados, fazendo-os afastar a
criança do convívio social. Por outro, os filhos sofrem com o desinvestimento dos
pais, a partir de um tão perturbador diagnóstico53.
Tanto o erro diagnóstico como a precipitação diagnóstica acarretam graves
consequências, na medida em que a direção do tratamento está diretamente
associada ao diagnóstico formulado.
A reação mais comum ao mal-estar é a inclinação pela sua imediata
supressão. Assim, a partir do diagnóstico recomenda-se aos pais o tratamento
medicamentoso e/ou cognitivo-comportamental para a criança. Todavia, apesar dos
grandes avanços da indústria farmacológica, não são desconhecidas as repercussões
desastrosas que determinadas substâncias causam ao organismo, principalmente na
infância e adolescência. Por outro lado, a medicalização não pretende curar o
espectro, mas se destina especificamente aos chamados sintomas-alvo: fazer
desaparecer ou abrandar as crises de agitação, de angústia, os distúrbios de sono.
A terapia cognitivo-comportamental (TCC) adota o mesmo critério: afastar o
comportamento indesejado. Priorizando os quadros nos quais há um predomínio
das questões cognitivas em detrimento da questão da organização da personalidade,
os procedimentos classificatórios do DSM tentam justificar a preferência pelas
terapias cognitivo-comportamentais (TCCs). Assim, e embora os quadros clínicos
possam responder a diferentes lógicas de constituição (diferentes patologias),

53
Muitas vezes se constata que os filhos são submetidos a uma espécie de “superinvestimento”,
caracterizado pelo acompanhamento simultâneo da criança por múltiplos profissionais de saúde, que, de
modo geral, não adotam uma linha de conduta uniforme, característica de uma equipe transdisciplinar, o
que pode causar graves prejuízos para a constituição psíquica infantil.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

crianças com características subjetivas diferentes são submetidas a tratamentos


iguais de treinamento de habilidades sociais e de aprendizagem (N. SIBEMBERG,
2011).

6. A tarefa da Psicanálise

A adoção da nomenclatura do DSM traz, desde sempre, impactos sobre os


pais, sobre as crianças e sobre as formas de atendimento. Um diagnóstico
referenciado pelo DSM constitui-se numa nomeação que ao mesmo tempo em que
nos convoca a um diálogo interdisciplinar, também traz consigo todas as
significações que essa nomeação engendra, sendo um dos grandes equívocos
considerar como definitiva e inequívoca essa nomeação. Faz-se necessário que a
especificidade do discurso psicanalítico seja considerada, pois só ela leva em conta
a dimensão inconsciente, a singularidade do desejo e a condição de sujeito falante,
apostando em sua emergência para além de qualquer diagnóstico.
A escuta psicanalítica inicialmente dá lugar à expressão do drama que se
abriu no interior da família, fazendo-os questionar todo o aparato genético e
psíquico que tinham para conduzirem os processos de desenvolvimento de seu
filho, e que se perdem quando algo estranho se presentifica, deixando as coisas
meio sem rumo.
Ao mesmo tempo, ao escutar a criança em sua singularidade, abre-se um
espaço para que o sujeito possa se expressar. Lacunas discursivas, repetições
sintomáticas, ambiguidades, contradições e acontecimentos inesperados são
pontuados na intenção de elaborar alguma hipótese sobre o funcionamento da
criança. Nesse processo, a criança é colocada na posição de falante, reconhecida
como sujeito capaz de assumir um discurso próprio e particular, demonstrando
qual é sua inscrição subjetiva e o seu funcionamento psíquico.
É nesse lugar que a escuta psicanalítica poderá fazer a diferença na
condução do tratamento. Na medida em que essa escuta transcorre e o analista
leva em conta o sofrimento de todos e fornece pontos de apoio e de fortalecimento
aos pais, proporciona certo alívio ao drama vivido, abrindo espaço para compor o
campo no qual se dará a possibilidade de acesso ao funcionamento mental da
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

criança diagnosticada dentro do espectro autista. Alavanca-se, então, a construção


de possibilidades.
No desenrolar dessa construção, abre-se a possibilidade de fazer circular
os discursos das diversas áreas de atendimento à criança e, mais ainda, de, para
além desses discursos, engendrar o tratamento ético de que ela precisa.
Entretanto, se nesse espaço de atendimento houver saberes hegemônicos e
inquestionáveis, tampona-se a emergência de uma intersecção, inviabilizando
possibilidades de engajamento interdisciplinar. Se, ao contrário, cada segmento
sustenta seu conhecimento, mas decanta a essência disso para favorecer a
circulação dos discursos interdisciplinares, viabiliza-se a existência da diferença,
contando com ela na direção do tratamento. Na medida em que essa circulação
discursiva se dá numa relação horizontal, emerge a possibilidade de apropriação
de outros discursos na mesma proporção em que cada discurso se apropria e é
apropriado pelos demais. Um movimento favorável se instala no campo de
tratamento, propiciando à criança em análise certa estabilidade, na qual poderá
transitar suas instabilidades constitucionais, podendo emergir daí pontos que
favoreçam um enraizamento psíquico.
A presença da psicanálise numa clínica interdisciplinar não está
compromissada em superar os impasses clínicos, as divergências diagnósticas,
nem em homogeneizar os vários campos conceituais, mas, ao contrário, colocar
questões e se servir delas para intervir, reconhecendo sempre os diferentes
discursos disciplinares.
A proposição e a construção de uma prática interdisciplinar sob os
auspícios da ética psicanalítica, reconhecendo e relativizando os saberes
particulares, engendrará sempre um permanente questionamento que se abre
para uma maior compreensão do sujeito desejante. Também se constitui tarefa da
psicanálise assumir posicionamentos diante das políticas gestoras do setor público
e privado em torno da infância e, principalmente, diante da elaboração de
quaisquer manuais classificatórios que desconsiderem a constituição subjetiva da
criança. Nesse sentido, faz-se necessário, desde já, que a psicanálise seja
formalmente considerada e incluída nas futuras revisões e/ou edições do DSM.

Nota 1
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Antecedentes Históricos

Foi a partir de um censo realizado em 1840 que os Estados Unidos da


América do Norte realizaram a primeira tentativa de coletar informações sobre a
doença mental, considerando à época uma única oposição: idiotismo/insanidade.
Em outro censo, levado a efeito em 1880, já foram consideradas sete categorias de
doença: mania, melancolia, monomania, paresia, demência, dipsomania e epilepsia
(C. DUNKER e F. KYRILLOS NETO, 2011, pag.613). No segundo recenseamento se
pretendia estabelecer um quantitativo em termos epidemiológicos estatísticos.

Os organizadores do DSM referem que durante toda a história da medicina


se sentia a necessidade de uma classificação dos transtornos mentais. Havia então
muitas nomenclaturas, assentadas em critérios distintos: sobre a fenomenologia,
sobre a etiologia ou sobre o curso do transtorno. Outra divergência dizia respeito à
finalidade que os sistemas classificatórios deveriam atender: o contexto clínico, de
pesquisa ou estatístico? (APA, 2002). Ao mesmo tempo havia uma constante
preocupação em separar a idiotia (retardo grave) da insanidade mental.

Todavia, reconhecem os idealizadores do DSM que, nos Estados Unidos, “o


impulso inicial para a criação do DSM foi a necessidade de coletar informações
estatísticas” (APA, 2002, pag.22). No entanto, segundo F. Sauvagnat (2012), “[...]
versões anteriores do DSM eram constituídas por instrumentos que não eram
diagnósticos, mas instrumentos epidemiológicos. Isso permitia justamente
trabalhar sobre dossiês, e inicialmente se tratava de encontrar causas da morte, da
mortalidade. Se tentarmos entender a que tipo de paciente o primeiro DSM se
endereça, é um paciente morto".

Até o surgimento do DSM, diversas tentativas de se normatizar uma


classificação em âmbito nacional foram realizadas nos Estados Unidos da América
do Norte. Um sistema classificatório surgiu em 1918, listando 22 classes de
distúrbios, com o nome de Manual Estatístico para o Uso de Instituições de Insanos
(DSM). Uma nova versão desse primeiro sistema classificatório apareceu em 1952:
o DSM-I, que constituía uma variante da CID-6 (Classificação Internacional de
Doenças, 1949). Para a APA (2002), o DSM-I foi “o primeiro manual oficial de
transtornos mentais a concentrar-se na utilidade clínica”.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Em 1968, e considerando 182 classes de distúrbios, foi editado o DSM-II. Em


1980, o DSM-III foi publicado listando 265 categorias diagnósticas. Admitindo
inconsistências e ausência de clareza de critérios nessa versão, a APA desenvolveu
revisões e correções que culminaram em 1987 no DSM-III-R, no qual foi reinserido
o termo neurose, retirado da terceira edição. O DSM-III-R continha 292
diagnósticos e o Manual ainda contava com a visão da psicanálise.

No ano de 1994 foi publicado o DSM-IV e em 2000 sua edição revisada, o


DSM-IV-R, considerando 297 categorias de transtornos mentais. O DSM-5, com
lançamento confirmado para maio de 2013, conterá cerca de 300 categorias. Como
nas edições anteriores, o Manual permanecerá dispensando os fatores da
individualidade em prol de uma massificação que considera apenas o sintoma (P.
CHACÓN, 2012), mesmo assim sem nenhuma precisão, até porque a produção
subjetiva do sujeito não é mensurável nem quantificável.

SOBRE OS AUTORES:
Anna Aline Coutinho - Integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisa
Psicanálise com Bebês e Crianças, segmento de
Intersecção Psicanalítica do Brasil – IPB Recife/PE;
Cristiane Carrijo - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita
Filho” - UNESP – Bauru/SP;
Daniely Siqueira - Membro integrante do Núcleo de Estudos e
Pesquisa Psicanálise com Bebês e Crianças,
segmento de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Recife/PE; participante da Pesquisa PREAUT -
Eixo Recife/PE;
Denize Bomfim - Centro de Orientação Médico-Psicopedagógica da
Secretaria de Estado de Saúde do DF
(COMPP/SES/DF); Associação Brasileira de
Neurologia e Psiquiatria Infantil – DF (ABENEPI –
DF - Presidente da gestão 2012/2013)
Gertrudes Pastl - Membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Recife/PE;
Ione Silva - Membro integrante do Núcleo de Estudos e
Pesquisa Psicanálise com Bebês e Crianças,
segmento de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Brasília/DF; gerenciadora do GT 11 do
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública;
Juliana Tavares - Membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Brasília/DF
Juliana Torres - Integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisa
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Psicanálise com Bebês e Crianças, segmento de


Intersecção Psicanalítica do Brasil – IPB Recife/PE;
Luíza Bradley Araújo - Membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Recife/PE; participante da Pesquisa PREAUT -
Eixo Recife/PE;
Manoel Ferreira - Membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Recife/PE;
Margaret Leivas - Centro de Estudos, Pesquisas e Atendimento
Global da Infância e Adolescência - CEPAGIA /
Brasília/DF;
Maria José Maquiné Celestino - Centro Integrado de Saúde Amauri de Medeiros –
Universidade de Pernambuco - CISAM/UPE;
participante da Pesquisa PREAUT - Eixo Recife/PE;
Mariel Lyra - Membro integrante do Núcleo de Estudos e
Pesquisa Psicanálise com Bebês e Crianças,
segmento de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Recife/PE; participante da Pesquisa PREAUT -
Eixo Recife/PE;
Marisa Brito Neves - Membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Brasília/DF
Miryelle Pedrosa - Membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Brasília/DF
Rachel Rangel - Membro integrante do Núcleo de Estudos e
Pesquisa Psicanálise com Bebês e Crianças,
segmento de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Recife/PE; participante da Pesquisa PREAUT -
Eixo Recife/PE;
Rita Smolianinoff - Membro integrante do Núcleo de Estudos e
Pesquisa Psicanálise com Bebês e Crianças,
segmento de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Recife/PE;
Severina Silvia Ferreira - Membro integrante do Núcleo de Estudos e
Pesquisa Psicanálise com Bebês e Crianças,
segmento de Intersecção Psicanalítica do Brasil –
IPB Recife/PE; NINAR; coordenadora da Pesquisa
PREAUT - Eixo Recife/PE;
Suzana Konstantinos Livadias Hospital das Clínicas – Universidade de
Pernambuco; Pesquisa PREAUT - Eixo Recife/PE;
Tereza Barretto Integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisa
Psicanálise com Bebês e Crianças, segmento de
Intersecção Psicanalítica do Brasil – IPB Recife/PE;
membro do NINAR – Núcleo de Estudos
Psicanalíticos; participante da Pesquisa PREAUT -
Eixo Recife/PE.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Referências Bibliográficas

APA, 1952. Diagnostic and Statistical Manual – Mental Disorders. DSM-I. Disponível em
http://dsm.psychiatryonline.org/data/PDFS/dsm-i-pdf. Acesso em 14.03.13.

APA, 1968. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. DSM-II. Disponível em
http://pt.scribd.com/doc/14532307/dsmii. Acesso em 14.03.13.

APA, 1987. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders.3ª ed. rev. DSM-III-R.
Disponível em http://dsm.psychiatryonline.org/data/PDFS/dsm-iii-r.pdf. Acesso em
14.03.13.

APA, 1994. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders.4ª ed. DSM-IV.
Disponível em http://dsm.psychiatryonline.org/data/PDFS/dsm-iv. Acesso em 14.03.13.

APA, 2000. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 4ª ed. ver. DSM-IV-
TR. Disponível em http://dsm.psychiatryonline.org/data/PDFS/dsm-iv-tr. Acesso em
14.03.13.

APA, 2002. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 4ª ed. Texto


Revisado. DSM-IV-TR. Porto Alegre: Artmed.

APA, 2013. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorder. Disponível em


http://www.dsm5.org/proposedrevision/Pages/proposed-dsm5-organizational-
structure-and-disorder-names.aspx. Acesso em 21.01.13.

BERNARDINO, L.M.F. A questão da psicose na infância, seu diagnóstico e tratamento


diante do seu “desaparecimento” da atual nosografia. In A. Jerusalinsky e S.
Fendrik(org.) O livro negro da psicopatologia contemporânea. São Palo: Via Lettera,
2011, p. 205-217.

BERQUEZ, G. L’autismeinfantile: introductionà une clinique relationelleselonKanner.


Paris: PUF, p. 217-264, 1983.

BLEULER, E. Dementiapraecoxodergrupp der schizophrenien. Tradução resumida para a


língua francesa por Henri Ey. Paris: Anaclitis, 1964.

CHACÓN, P. DSM-5 e o universo psi: diagnósticos à medida do mercado? Disponível em


http://kanzlermelo.wordpress.com/2012/04/02/clarin-com-dsm-5-e-o-universo-psi-
diagnosticos-a-medida-do-mercado/. Acesso em 12.03.2013
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

DUNKER, C. I. L. e KYRILLOS NETO, F. A crítica psicanalítica do DSM-IV: breve história do


casamento psicopatológico entre psicanálise e psiquiatria. Revista Latinoamericana de
Psicologia Fundamental, v. 14, p. 611-626, 2011. Disponível em
redaly.uamix.mx/pdf/2330/233021455003.pdf. Acesso em 14.03.13.

FERREIRA, S.M.O. João, uma criança com olhar de estrela. O autismo – um estudo de
caso. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-
Graduação em Letras e Linguística, Centro de Artes e Comunicação. Recife (PE). 2004.

FILIPEK, P. A. et al. Diagnóstico y La Detección Precoz de lós Trastornos del Espectro


Autista. 1999. Tradução de Luis Neto Del Rincon. Disponível em
http://www.autismo.com/scripts/articulo/listaesp.idc. Acesso em 26.11.03.

FREUD, S. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Obras Psicológicas Completas. Rio
de Janeiro: Imago, vol. VII, 1972.

FRITH, U. Autismo. Hacia una explicación del enigma. 2ª Edição. Madri: Alianza Editorial,
2003.

GAUDERER, E. Christian. Autismo. [S.I]: Atheneu, 1993.


GRINKER, R.R. Autismo – Um mundo obscuro e conturbado. São Paulo: Larousse do
Brasil, 2010.

HOCHMANN, J. Rencontreavec Jacques Hochmann.DeuxSiècles de polémique.


SciencesHumaines, 27, juillet 2009, nº 206. Disponível em
www.risc.cnrs.fr/pdf/SH206_rencontre_hochmann.pdf. Acesso em 09.03.13.

IPB – INTERSECÇÃO PSICANALÍTICA DO BRASIL, 2011. Considerações preliminares sobre


a quinta edição do DSM. Disponível em www.intersccaopsicanaliticadobrasil.com.br.
Acesso em 14.03.13.

IPB – INTERSECÇÃO PSICANALÍTICA DO BRASIL, 2012. O DSM-5 e o apagamento do


sujeito. Disponível em www.intersccaopsicanaliticadobrasil.com.br. Acesso em 14.03.13.

JERUSALINSKY, A. e FENDRIK, S. (org.) O livro negro da psicopatologia contemporânea.


São Paulo: via Lettera, 2011, p. 93-101.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

JERUSALINSKY, J.A. Gotinhas e comprimidos para crianças sem história. Uma


psicopatologia pós-moderna para a infância. In A. Jerusalinsky e S. Fendrik (orgs.) O livro
negro da psicopatologia contemporânea. São Paulo: via Lettera, 2011, p. 231-242.

JABR, F. Redefinindo a doença mental. Revista Mente e Cérebro – psicologia, psicanálise,


neurociências. Ano XIX, Nº 240, p. 33-39.

KANNER, L. Les troubles autistiques du contact affectif. In: BERQUEZ, G. L’autisme


infantile: introduction à une Clinique relationelle selon Kanner. Paris: PUF, p. 217-264,
1983.

________ Early infantile autism. J. Pedia., 25, 211-217, 1946.

________ Os Distúrbios Autísticos de Contato Afetivo. In: ROCHA, P.S. (org.) Autismos.
São Paulo: Escuta, 1997, p. 111-170.

________ “The specificity of early infantil e autismo”. Acta Paedopsychiat., 25, 1-2, 108-
113, 1958.

LAIA, S. A Classificação dos Transtornos Mentais pelo DSM-V e a Orientação Lacaniana.


CliniCAPS, vol. 5, nº 15 (2011) – Artigos.

MAYES, R. e H ORWITZ, A.V. (2005) DSM-III and the revolution in the classification of
mental illness.J. Hist. Behav. Sci., n. 41, v. 3, p. 249-67, 2005. Disponível em
www.worldcat.org/title/dsm-iii-and-the-revolution-in-the-classification-of-mental-
illness.oclc/110617347&referer=brief_results. Acesso em 14.03.13.

OLIVEIRA, S.L. e OLIVEIRA, J. L. O poder da indústria farmacêutica em recompensar e ser


referência. Disponível em
www.ead.fea.usp.br/semead/paginas/artigos%20recebidos/marketing/MKT67. Acesso
em 14.03.13.

POMMIER, G. La bible americaine de La sante mentale. Le Monde Diplomatique, Paris,


dezembro 2011.

PRAÇA, É. T, P. O. Uma Reflexão acerca da Inclusão de Aluno Autista no Ensino Regular.


Disponível em
http://www.ufjf.br/mestradoedumat/files/2011/05/Disserta%C3%A7%C3%A3o-E-
lida.pdf. Acesso em 20.03.2013.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

ROCHA, P. S. (org.) Autismos. São Paulo: Escuta, 1997.

SARANSON, I.G. e SARANSON, B. R. Psicologia anormal: el problema de la conduta


inadaptada. Disponível em www.metabase.net/docs/unibe/00970.html. Acesso em
14.03.13.

SAUVAGNAT, F. Considerações críticas acerca da classificação DSM e suas implicações na


diagnóstica contemporânea. Disponível em
http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/analytica/article/viewFile/231/281, acesso em
02.03.2013.

SIBEMBERG, N. Autismo e psicose infantil. In A. Jerusalinsky e S. Fendrik (org.) O livro


negro da psicopatologia contemporânea. São Paulo: via Lettera, 2011, p. 93-101.

TAFURI, M. I. Dos sons à palavra: Explorações sobre o Tratamento Psicanalítico da


Criança Autista. Brasília: ABRAFIPP, 2003.

WING, L. The autistic spectrum. Londres, Constable, 1996.

WING, L. & GOULD, J. “Severe impairments of social interaction and associated


abnormalities in children: Epidemiology and classifications”. Journal of Autism and
Development al Disorders, 9, p. 11-29, 1979.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Grupo de Trabalho 12 – Outras abordagens

Conhecendo outras abordagens no tratamento do autismo

A proposta deste texto surgiu da necessidade de se conhecer mais detidamente


as diversas abordagens terapêuticas voltadas ao autismo.
Numa época em que a psicanálise se vê chamada a responder sobre acusações
de uma suposta ineficácia no tratamento das pessoas com autismo, torna-se
importante que seu posicionamento se valha de argumentações consistentes, com
base em sua experiência de mais de 70 anos com essas crianças.
Resta à psicanálise, além de fazer uso do saber que se erigiu respaldado em sua
clínica com o autismo, a elucidação de sua metodologia e a reafirmação da vertente
científica de seus pressupostos.
Acreditamos que sua coerência argumentativa se fortaleça na medida em que
consiga estabelecer um diálogo crítico com as demais abordagens sobre o autismo,
demarcando suas convicções, discordâncias e aproximações.
Dessa forma, o texto foi elaborado com o objetivo de apresentar os principais
fundamentos dessas abordagens, reconsiderando a pertinência de algumas críticas
comumente feitas a elas. Trata-se de conhecer como pensam e trabalham aqueles que
concebem o autismo de maneira epistemologicamente distinta da psicanálise.
Entendemos que preconceitos e concepções errôneas sobre as demais abordagens
possam vir a afetar diretamente os argumentos que venham a ser elaborados com
vistas ao enriquecimento do diálogo crítico proposto.
Algumas considerações iniciais parecem ser fundamentais. Em primeiro lugar, o
fato de desejar modificar algum comportamento de um portador de autismo não torna
alguém comportamentalista. A análise do comportamento busca a modificação do
comportamento através de um método muito preciso de investigação, intervenção e
avaliação. Assim, não se pode confundir o objeto de intervenção (o comportamento)
com uma escola de pensamento (o behaviorismo radical) ou uma metodologia (a
terapia por contingências de reforçamento, TCR, ou a terapia cognitivo-
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

comportamental). Esse pode ser um ponto delicado para psicanalistas que, diante de
algumas estratégias de intervenção construídas conjuntamente com os pais, tenham a
impressão de estar impondo um comportamento para a criança, o que não é o caso,
decididamente.
Da mesma forma que o uso, temporário e pontual, da medicação, é uma
condição para que o tratamento ocorra ou para auxiliar os familiares no cotidiano da
criança, a intervenção sobre o comportamento pode se fazer necessária não como
objetivo terapêutico, mas como simples intervenção educativa, pois a orientação de
guardar os brinquedos ao final da sessão é válida para qualquer criança, com ou sem
autismo. Entretanto, o modo de realizar essa intervenção será muito diversa da
maneira como os comportamentalistas trabalham.
Entendidos tais apontamentos, passamos a uma breve apresentação das
diversas abordagens sobre o autismo e suas propostas de intervenção.

A TEORIA COMPORTAMENTAL
A teoria comportamental, por seu princípio estritamente ambientalista, não
tem como objetivo buscar explicações psicológicas para os comportamentos que
observa. Ela se atém exclusivamente a neles intervir, a fim de modificá-los, ou seja,
eliminar comportamentos indesejáveis, “instalar” (na linguagem da análise do
comportamento) novos comportamentos que não fazem parte do repertório do
indivíduo, ou aumentar a frequência de comportamentos desejáveis que já fazem
parte de seu repertório.
As propostas terapêuticas comportamentalistas (ABA e TEACCH) têm como
objetivos programáticos do tratamento com o autista: a) a promoção de um
desenvolvimento normal dos aspectos cognitivo, linguístico e social; b) a promoção da
aprendizagem; c) a redução da rigidez e da estereotipia; d) a eliminação dos
comportamentos desadaptados inespecíficos; e) o alívio do sofrimento familiar e f) a
educação e a conscientização da comunidade para a aceitação do indivíduo.
Elas propõem um método de ensino baseado em uma teoria sobre as leis que
regem o comportamento. Entendem que os comportamentos são operantes, ou seja,
quando um indivíduo se comporta, esse comportamento opera sobre o ambiente,
promovendo uma resposta do ambiente que funciona como reforçador positivo ou
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

negativo para esse comportamento. Assim, os reforçadores ocupam um lugar


primordial nesse tipo de atendimento.
Aqui é necessária uma diferenciação que redunda em um equívoco comum aos
psicanalistas quando se referem à abordagem comportamental com autistas. Não se
trata do condicionamento posto em prática por Pavlov com o cachorro, chamado de
“condicionamento clássico”. Este recolhe respostas involuntárias do indivíduo, com
base estritamente orgânica. O personagem do filme Laranja Mecânica, de Stanley
Kubrick, é submetido a esse tipo de condicionamento, emitindo respostas
condicionadas não voluntárias por meio das náuseas.
A terapia comportamental com autistas se utiliza do condicionamento
operante, conforme dito acima, que conta com a opção de resposta do indivíduo,
portanto voluntária, de acordo com suas consequências no ambiente e o que delas lhe
retorna positiva ou negativamente. Nesse caso, é a Caixa de Skinner que exemplifica os
fundamentos desse tipo de condicionamento.

Métodos de intervenção comportamentais:


• ABA
O ABA — Applied Behavior Analysis ou Análise Aplicada do Comportamento —
é uma metodologia estritamente comportamental que trabalha com o uso de
reforçadores, concretos ou sociais, na modelagem do comportamento do autista.
O ABA baseia-se na Instrução Programada, um método de ensinar cujos
princípios são:
1) Os comportamentos devem ser reforçados positivamente. Na prática, isso
significa que não se faz uso de punição. Quando um comportamento indesejável
aparece, ele simplesmente não é reforçado; por exemplo, é ignorado, mas não punido.
Ao mesmo tempo, o comportamento desejado é reforçado, de modo que sua
frequência aumente;
2) O feedback deve ser imediato;
3) Cada aluno deve ser comparado a si mesmo (e não a indivíduos da mesma
idade ou a uma entidade abstrata como o “indivíduo médio”), partindo da filosofia do
sujeito único;
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

4) O comportamento-alvo é decomposto em pequenos passos, chamados de


pré-requisitos. Por exemplo, para um menino que se senta sobre a privada, mas sem
tirar as calças, o programa será organizado de modo que primeiramente seja ensinado
a colocar os polegares na cintura das calças compridas; em uma segunda etapa,
ensinam-lhe a empurrar as calças para baixo; na terceira fase, ele é instruído a se
inclinar e descer as calças até embaixo dos joelhos para, em uma quarta
etapa, aprender a retirar as calças. O aluno deve ser orientado e auxiliado a compor
suas respostas passando por todos os passos (pré-requisitos) necessários para
executar um comportamento complexo, e deve sempre dominar os pré-requisitos
antes de ser apresentado ao próximo passo;
5) Os conteúdos devem ser apresentados em uma ordem de complexidade
crescente, preocupando-se em manter o comportamento adquirido a cada estágio
novo;
6) O aluno deve ser exposto apenas ao material para o qual está preparado;
7) O ensino deve ser planejado e o desempenho do aluno deve ser monitorado
constantemente, a fim de se avaliar o programa e fazer as mudanças necessárias;
8) Deve-se programar uma aprendizagem sem erros, ou seja, preparar um
programa de modo que as chances de erro sejam mínimas, a fim de não desmotivar o
aluno. Com crianças autistas, esse aspecto torna-se especialmente importante, visto
que se considera que a frustração faz com que o portador de autismo emita
comportamentos estereotipados.
Nesse método, há uma avaliação inicial dos comportamentos que fazem parte
do repertório e dos reforçadores que funcionam para aquele indivíduo, a partir da qual
será montado o programa de aprendizagem.
É importante salientar que uma crítica que os psicanalistas fazem
frequentemente aos comportamentalistas vem do fato de não levarem a história ou as
características individuais em conta. Nada mais equivocado. Os analistas do
comportamento trabalham com a noção de sujeito único, proposta por Skinner. Esse
sujeito não tem relação com o sujeito da psicanálise, mas traduz a ideia de que o que é
reforçador para um indivíduo (portanto, responsável por manter, ou não, certos
comportamentos em seu repertório) depende do ambiente em que ele se insere, ou
seja, de quais comportamentos são ensinados e valorizados pela comunidade a seu
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

redor, como também de sua história de reforçamentos (o que se tornou reforçador


para aquele indivíduo em particular).
Isso tem uma consequência importante para a metodologia. Antes de preparar
um programa, deve haver um período de observação e registro minucioso sobre os
comportamentos instalados e o que é reforçador para dado indivíduo. Assim, por um
lado, não se pode falar na existência de um projeto único para todos os indivíduos,
indiferenciadamente, e, por outro, não podemos acusar os comportamentalistas de
não se aproximarem dos indivíduos portadores de autismo com curiosidade e uma
atitude investigativa. A diferença inicial entre um analista do comportamento e um
psicanalista passa pela pergunta que o profissional usa para nortear seus primeiros
contatos com o portador de autismo: “que comportamentos inadaptados fazem parte
do repertório desse indivíduo e quais reforçadores os mantêm?”, pergunta-se o
analista do comportamento; “qual função esse comportamento diferente tem para
ele?”, indaga-se o psicanalista. É por uma coerência com esse questionamento original
que o modo subsequente das intervenções é construído.
Outro aspecto importante diz respeito a quais comportamentos devem ser
modificados. Os programas são elaborados a partir dos comportamentos que a
comunidade (a família, por exemplo) considera desejáveis e indesejáveis. Do ponto de
vista da psicanálise, devemos manter uma posição crítica sobre a ideia de que seja
possível e desejável moldar os indivíduos a uma norma externa, baseada em critérios
de adaptabilidade e funcionalidade.
O currículo comportamental é composto por programas desenvolvidos por um
analista do comportamento, mas que pode ser executado por qualquer pessoa
treinada por ele, denominada “aplicador”.
Essa é uma característica do trabalho que marca uma diferença fundamental
em relação à psicanálise, que baseia suas intervenções no vínculo estabelecido entre
paciente e psicanalista, como também outros terapeutas implicados no tratamento
interdisciplinar. Para os analistas do comportamento, por outro lado, qualquer pessoa,
desde que bem treinada, pode conduzir o tratamento. De fato, considera-se desejável
que haja essa mudança, a fim de que uma generalização do comportamento se
institua, ou seja, que dado comportamento não esteja vinculado à presença de
determinada pessoa, mas a uma dada situação.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Outra crítica que os psicanalistas muitas vezes fazem aos comportamentalistas


diz respeito aos sentimentos. É importante ressaltar que a crítica de que os
comportamentalistas não levam em consideração os sentimentos e emoções é prenhe
de mal entendidos que promovem seu rechaço. Eles não negam sua existência, mas
consideram que os sentimentos são aprendidos e que são correlatos aos
comportamentos observáveis, não sua causa. Esta é, aliás, a maior crítica que fazem à
psicanálise: o fato de se considerar que estados internos são a causa dos
comportamentos.
Uma dificuldade dessa abordagem mostra-se na prática, pois o fato de pessoas
com autismo recusarem a entrar em contato com as pessoas faz com que muitos
estímulos do ambiente não se tornem estímulos reforçadores para eles, dificultando a
execução dos programas de aprendizagem. Desse modo, lê-se em algumas pesquisas
de metanálise que o ABA não funciona para todos os indivíduos. Consideramos
importante seguir com esse levantamento doravante, pois ele se mostra como uma
linha crítica consistente à infundada proclamação de eficácia única do ABA com o
autismo, por parte de seus defensores.

Nota-se que conceitos superficialmente semelhantes entre a terapia


comportamental e a psicanálise, como os de “sujeito único”, “história” e
“características individuais”, perdem sua proximidade quando examinados com a lente
epistemológica que os origina.
Para a terapia comportamental, tais expressões remetem à história de
condicionamentos por que passou aquele indivíduo, configurando suas características
individuais de respostas aos estímulos e denotando a ênfase no modo como o
ambiente se apresentou a ele, no decorrer de sua vida.
Para a psicanálise, o “sujeito único” diz respeito ao que há de inusitado e
criativo em suas ações e em seu discurso, que repousam nos sentidos que ele
construiu sobre os acontecimentos por que passou, ao longo de sua trajetória. É com
base nesse modo interpretador de se colocar no mundo que o sujeito se manifesta na
criança com autismo por meio de sua movimentação, sua postura corporal, seu choro,
suas palavras, sua cantoria.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Como, então, pode-se considerar um sujeito comportamental “único”, se o que


ele deve fazer é definido pelos valores ambientais, e não pelo seu modo singular de
estar no mundo? Sob a perspectiva comportamental, a importância dada ao único da
criança autista serve apenas como identificação para o caminho que leva à
homogeneização dos comportamentos adaptados e funcionais que se visa.

• O método TEACCH
O método TEACCH — Treatment and Education of Autistic and Related
Communication Handicapped Children ou Tratamento e Educação de Autistas e
Crianças com Deficiência Relacionadas à Comunicação —, criado em 1966 por Eric
Schopler, nos Estados Unidos, é resultante da composição entre o cognitivismo e o
condicionamento operante, sendo uma adaptação dos princípios da terapia cognitivo-
comportamental ao autismo e àquelas crianças com deficiências na área da
comunicação.
Ela utiliza os princípios e técnicas da análise do comportamento, mas introduz
alguns aspectos que auxiliam as dificuldades específicas encontradas no autismo.
Os pais são fundamentais nessa forma de tratamento, pois não somente
colaboram no conhecimento sobre seu filho e na elaboração de um programa
individual a ele destinado, como também aplicam as atividades TEACCH no ambiente
de casa, estabelecendo-se como coterapeutas.
Vê-se aqui uma diferença conceitual em relação à psicanálise, pois esta
considera fundamental que os pais cultivem a “parentalidade”, sua função maior, com
seus modos próprios de ver e lidar com o filho. Esse lugar referencial é importante e
não deve ser substituído pela função de professor ou de terapeuta. Ademais, uma das
tarefas dos pais é a de educadores, mas sem perderem sua subjetividade ao se
colocarem nesse papel. Quando treinados como coterapeutas por uma técnica que
lhes vem de fora, se perdem entre esta e os rompantes de subjetividade que os
acometem, espontaneamente.
Schopler hipotetizou que a falta de estrutura ambiental aumenta a ausência de
objetivo na ação e piora o comportamento estereotipado da criança. Assim, propõe o
uso de um ambiente estruturado: a sala de aula TEACCH possui ambientes separados,
um local reservado para atividades individuais com o terapeuta, outro para atividade
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

em grupo, um terceiro para o lanche e um quarto local destinado às atividades livres


da criança. Neste último, ela tem o direito de executar suas estereotipias gestuais ou
rodar seus objetos sem que haja nenhuma intromissão. Cada um desses espaços é
utilizado somente para a função que lhe é destinada.
Outro aspecto norteador da intervenção diz respeito a uma suposta observação
de que as crianças autistas possuem melhor acuidade visual que outros indivíduos;
assim, o método faz uso intensivo do recurso visual.
Em poucas palavras, o TEACCH parte do pressuposto de que, no tratamento
dos autistas, toda e qualquer situação apresentada deve ser estruturada, com material
disponível, sequência e tempo de duração preestabelecidos.
Na promoção do desenvolvimento da linguagem, a necessidade prioritária é
facilitar a comunicação social. Nos casos de autistas que apresentam pouco ou
nenhum progresso na fala, mas que demonstram alguma compreensão da linguagem,
são introduzidas a linguagem gestual ou a de cartões.
Outra característica dos autistas que dificulta sua aprendizagem é a tendência
de memorização das respostas aprendidas, sem a devida atenção aos conceitos
envolvidos na questão que lhe foi apresentada e a dificuldade de generalização. As
dificuldades das crianças autistas para utilizar as funções simbólicas da linguagem –
representar as coisas por uma palavra – são reconhecidas, mas interpretadas como
uma incapacidade para “generalizar”. Assim, para uma criança que nomeia as letras e
lê algumas palavras, mas considera que “xícara” refere-se a uma xícara em especial, é
recomendado à mãe que etiquete todos os recipientes da casa para desenvolver a
generalização ausente.
Os analistas do comportamento partem do pressuposto de que os autistas
lidam com a frustração recorrendo a um tipo de resposta estereotipada; assim,
advogam que é possível diminuir as estereotipias quando reduzem suas chances de
erro. Também acreditam que alguns aspectos ambientais — tais como ambientes
áridos, pobres e pouco estimulantes — eliciam os comportamentos estereotipados, e
sua intervenção ocorre no sentido de modificar esses ambientes. Também defendem
que esses comportamentos podem ser reduzidos por meio da introdução de
comportamentos incompatíveis com as estereotipias e passíveis de competir com elas.
A redução da rigidez e das estereotipias é obtida pela técnica da “mudança gradativa”,
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

pela qual são introduzidas pequenas modificações, que são percebidas e aceitas pela
criança como não contendo alterações de padrão, até que se atinjam mudanças
importantes em seu comportamento.
A eliminação de comportamentos considerados inespecíficos e desajustados —
ataques de raiva, agressões, medos, enurese noturna — também é feita por análise
funcional do comportamento e aplicação dos princípios da aprendizagem com que
trabalha a terapia comportamental.
Para aliviar o sofrimento familiar, orienta-se a família sobre o que fazer nas
diversas situações domésticas. O esclarecimento do diagnóstico, a discussão sobre o
prognóstico e o estabelecimento da família, sobretudo dos pais, como coterapeutas do
tratamento do filho, juntamente com indicações de leituras voltadas para leigos,
ajudam a obter algum alívio no sofrimento familiar. Os irmãos também são escutados
e orientados, bem como toda a comunidade que participa do cotidiano daquela
criança.
Acredita-se que a ausência da busca de vínculos e de resposta à tentativa de
aproximação dos outros pode ser modificada mediante a intrusão deliberada dos pais
ou terapeuta nas atividades solitárias da criança, de modo que, para exercer essas
ações prazerosas, ela tenha, obrigatoriamente, que interagir com os outros. Tem-se,
ainda, a exigência de, por meio desse recurso, tornar a interação social gratificante
para o autista. Suas incapacidades sociais generalizadas, entretanto, não são sanadas,
e a terapia comportamental reconhece sua ausência de conhecimentos que serviriam
para suprir esse déficit. Sugere-se, no entanto, não deixar de abordar, com essas
crianças, um treinamento em habilidades sociais.
Há, na concepção prévia que a terapia educativa faz do autista, uma ênfase
dada ao déficit — nesse caso, o mental — e a tentativa de superá-lo, com exaustivo
treinamento de comportamentos socialmente adaptados.
O que se pode dizer com segurança sobre esses métodos é que se preocupam
exclusivamente com a mudança de comportamento dos indivíduos, e que essa
determinação é externa à criança.
Uma observação relevante a ser feita retoma a questão do déficit cognitivo
suposto no autismo. A fala enunciativa dessas crianças, verificada em inúmeros casos,
em que uma frase é verbalizada e dirigida a alguém por um autista que “não fala”,
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

objeta essa convicção de deficiência, uma vez que, nessas situações específicas, o
autista demonstra capacidade de elaborar corretamente sua verbalização, inclusive
com o apropriado uso do pronome “eu”.
A metodologia psicanalítica com crianças com autismo enfatiza que os
comportamentos, seus sintomas, são uma resposta ou um meio de comunicação do
seu mal-estar, que na cena terapêutica são reproduzidos, entendidos e modificados e
não tratados apenas como uma falha a ser suprimida.
“Isto porque a exclusão do outro que a criança faz não é um
superficial problema de comportamento a ser corrigido. É uma
profunda resposta que se produziu, é uma forma de estar no mundo.
Por isso não se pode suprimir essa resposta antes que se constituam
para ela (em tratamento) outras formas possíveis de estar com os
demais.” (Movimento “Psicanálise, Autismo e Saúde Pública” ―
Grupo 7, 2013).

Para a psicanálise, a ética requer que, nos cuidados com essas crianças, seu
sofrimento e sua posição subjetiva sejam levados sempre em consideração.
(Movimento “Psicanálise, Autismo e Saúde Pública” ― Grupo 8, 2013).

O MÉTODO SON-RISE
O método Son-Rise foi desenvolvido por um casal estadunidense na década de
1970 na tentativa de ajudar o filho autista. Son-Rise em inglês é homófono a sun rise
(“nascer do sol”), podendo ser traduzido livremente como “o despertar do filho”.
Esse método tem se expandido rapidamente no Brasil, assim como em outros
países. Está ligado a algumas instituições, como a “Inspirados pelo Autismo”, que
adverte, no entanto, ter criado uma metodologia própria a partir de sua formação
inicial no Son-Rise.54
Trata-se de um programa domiciliar dirigido aos pais, que conta com um grupo
multidisciplinar de profissionais e voluntários, que os ajuda a construir “experiências
interativas estimulantes” para o filho no dia a dia. Busca motivar a criança a expandir
seu mundo a partir de suas ações e de uma atitude afetuosa e não crítica dos adultos.

54
Conforme observação constante da Newsletter da Inspirados pelo Autismo, de janeiro de
2013.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Os pais recebem auxílio para planejar sessões lúdicas em um ambiente especialmente


preparado para a criança em sua própria casa.
Dando ênfase à aprendizagem social, oferece ajuda aos pais para recuperar o
otimismo e a esperança, criando uma atitude consistente de aceitação e entusiasmo. A
proposta de que o adulto vá até o mundo do autista, buscando construir uma ponte
entre ele e o resto do mundo, tem como fundamento a ideia de que, nessas condições,
a criança se verá motivada a procurar se relacionar com os pais ou com o terapeuta.
Os comportamentos repetitivos e de isolamento são permitidos “para que a
criança possa fazer a sua autorregulação e satisfazer suas necessidades sensoriais”
(Tolezani, 2010). O ritmo da criança é respeitado, tendo o terapeuta a postura de
juntar-se a ela, realizando o que faz naquele momento. As informações recolhidas
sobre seus interesses e preferências sensoriais são usadas na construção de atividades
interativas que as atendam.
“Quando ela [a criança] passa a nos oferecer ‘sinais verdes para a
interação’, como por exemplo, olhando em nossa direção ou para o
que estamos fazendo, olhando em nossos olhos, falando conosco,
oferecendo algum contato físico, seu estado de disponibilidade está
mudando e ela está agora interessada em nós e em nosso mundo.
Aproveitamos esta oportunidade para tentarmos então criar alguma
atividade interativa com ela, convidando-a para interagir conosco em
uma atividade que possa ser interessante e divertida para ela.
Enquanto a criança participa da atividade ou da brincadeira,
inserimos metas educacionais personalizadas que ajudam a criança a
aprender brincando. Quanto mais motivada a criança estiver dentro
da atividade, mais participações conseguiremos solicitar dela e, de
uma forma divertida, incentivá-la a superar suas dificuldades e
desenvolver suas habilidades.” (Tolezani, 2010).

Em sua análise do método, Schwartzman (2011) o inclui na seção “Terapias


alternativas e controversas”, objetando que não há, até o momento, estudos que
comprovem sua eficácia. Entretanto, nota-se que o Son-Rise é acolhedor quanto ao
modo de estar no mundo do autista, aguardando seu consentimento sobre as
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

atividades propostas. Esses são seus méritos. A despeito disso, suas intervenções se
mantêm no campo das atividades lúdicas e educativas controladas, sendo esse
ambiente diverso daquele do âmbito social em que o autista circula (escola, padaria,
transporte coletivo etc), o que faz questionar, tal como ocorre com as intervenções
comportamentais, a possibilidade de generalização desses aprendizados e aberturas
ao outro.

A TEORIA DA INTEGRAÇÃO SENSORIAL


A teoria da Integração Sensorial baseia-se na hipótese de que o autista
apresenta um déficit específico, localizado no processamento das sensações. Essa
disfunção se caracteriza ou por um problema na modulação sensorial, isto é, na
intensidade e na natureza da resposta dada aos estímulos sensoriais percebidos, ou
por falhas na discriminação destes, com uma interpretação equivocada das
características temporais e espaciais dos estímulos sensoriais. Concordante com essa
acepção, o médico assistente do filme Rain Man descreve o autismo como “uma
deficiência que prejudica o sensorial e seu processamento”.
A teoria da Integração Sensorial foi desenvolvida pela terapeuta ocupacional
americana Anne Jean Ayres e pressupõe que a integração sensorial seria a base para a
aprendizagem, pois existem relações complexas entre o comportamento e o
funcionamento neural. A percepção, a organização, a interpretação e a integração de
informações permitem estabelecer relações funcionais, apropriar-se do ambiente e
aprender. Há testes para se avaliar o processamento sensorial, que permitem o
planejamento da intervenção.
Em crianças com autismo, três aspectos relacionados ao processamento
sensorial são ineficientes: os estímulos sensoriais não são registrados adequadamente,
os estímulos percebidos não são modulados de forma adequada pelo SNC, sobretudo o
vestibular e o tátil, e há inabilidade para integrar muitas sensações do ambiente.
Considera-se que a hiperresponsividade ou as flutuações entre os níveis hipo e
hiperresponsivo causam prejuízos ao desempenho de atividades relacionadas com
autocuidado, mobilidade e função social.
Na Terapia de Integração Sensorial são usadas brincadeiras, jogos e atividades
lúdicas para organizar a estimulação sensorial. O ambiente terapêutico deve conter
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

equipamentos e recursos que promovam sensações e informações sensoriais variadas


e desafiadoras.
As necessidades individuais de cada criança direcionam os objetivos da
intervenção e o processo terapêutico. A criança deve conduzir a terapia. O respeito à
sua motivação intrínseca e à liberdade de exploração devem levar, ao longo do
tratamento, à diminuição do direcionamento verbal ou motor. O terapeuta deve
manter o equilíbrio entre a necessidade e a liberdade de escolha.
Um programa de nutrição sensorial pode ser complementar ao tratamento
clínico, garantindo que a criança receba adequadamente, ao longo do dia, sensações
agradáveis e incentivadoras que reduzam comportamentos de agitação, irritabilidade e
evitamento.
A Terapia de Integração Sensorial não se confunde com a Estimulação
Sensorial, pois não se trata, sempre, da aplicação de estímulos nessa área. Se a criança
apresentar um problema de modulação sensorial, com uma acentuada reação aos
estímulos percebidos, não seria indicado, pois, estimulá-la, mas, ao contrário, reduzir
tais estímulos a níveis suportáveis para ela.
De acordo com as teorias que embasam a Terapia de Integração Sensorial, a
consciência corporal se constitui por meio da coadunação dos estímulos percebidos
pelos sistemas tátil, vestibular e proprioceptivo. Uma vez que a ausência de
consciência corporal no autismo se daria por um déficit nessa área sensorial, o
incentivo ao desenvolvimento geral de seu esquema corporal, com a avaliação e a
instauração dos níveis adequados de estimulação sensorial, é considerado um recurso
bem-vindo.
Uma versão exagerada da técnica de integração sensorial, mas que não se
confunde com ela, seria a terapia do abraço (holding therapy). Ela consiste em
envolver o autista em abraços forçados, com o objetivo de obrigar a criança a um
contato corporal, até torná-lo aceitável, superando sua tendência natural ao
isolamento.
Esse é o extremo da anulação total da subjetividade. Se for considerado o pavor
— conhecido por todos aqueles que lidam com essas crianças — que a maioria dos
autistas apresenta à intrusão direta em seu espaço íntimo, esse tipo de intervenção
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

arrisca-se a promover crises autísticas e o corriqueiro uso de medicamentos para


tentar controlá-las.

A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA E AMPLIADA (CAA)


O grau de comprometimento na comunicação varia em cada indivíduo com
autismo. Os prejuízos comunicativos podem estar relacionados com a comunicação
verbal e/ou à não verbal (utilização de gestos, expressões, contato ocular e posturas
corporais com valor comunicativo). Estima-se que entre 20 e 30% dos indivíduos com
autismo não desenvolvem linguagem verbal. Também são comuns a presença de
ecolalias, inversão pronominal, linguagem sem intenção comunicacional e dificuldade
de interpretação semântica. (Macedo e Orsati, 2011).
A observação da ocorrência conjunta de dificuldades comunicativas e
comportamentos disruptivos e autolesivos leva alguns pesquisadores a supor que
esses comportamentos sejam devidos à impossibilidade de comunicar necessidades e
desejos. Assim, o treino de comunicação funcional tem sido utilizado como uma
maneira de buscar a diminuição de comportamentos inadequados. Baseado nos
pressupostos da Análise Funcional do Comportamento, o treino busca fazer com que o
indivíduo aprenda a comunicar o desejo por um dado reforçador, sem que precise
fazer uso dos comportamentos indesejados.
Para tanto, faz-se uso de sistemas de Comunicação Alternativa e Ampliada
(CAA). Esses sistemas podem ser pictóricos (com uso de fotos, filmes ou desenhos) ou
linguísticos (com o uso de símbolos arbitrários e abstratos que podem ser combinados)
e podem ter um auxílio instrumental (figuras, fotos, teclado para digitação,
comunicador, gravador de voz etc.) ou não (quando utilizam apenas o próprio corpo).
Um dos métodos mais utilizados é a comunicação por sinais manuais, tanto
LIBRAS como símbolos relacionados à realidade dos usuários.
Os computadores têm sido utilizados tanto para auxiliar a comunicação quanto
a aprendizagem de indivíduos com autismo. Em casos de déficit severo de linguagem,
são utilizados comunicadores com saída de voz (em que, por exemplo, uma mensagem
é digitada e pode ser lida pelo parceiro de comunicação ou ser utilizado um recurso de
saída de voz sintetizada). Um deles é a Comunicação Facilitada, utilizado com
indivíduos que não falam, têm discurso muito limitado ou não conseguem apontar
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

com firmeza. Os pacientes recebem treinamento para utilizar o equipamento de forma


independente.
Outro método bastante utilizado é o PECS (Picture Exchange Communication
System ou Sistema de Comunicação por Troca de Figuras), que se utiliza de cartões
com figuras representativas de objetos e ações com a finalidade de ensinar o usuário a
discriminar símbolos, utilizá-los com função comunicativa e agrupá-los para formar
sentenças simples que comuniquem seu desejo por objetos ou atividades. Dentre os
PECS, os mais comuns no Brasil são o PCS (Picture Communication Symbols), utilizado
tanto na versão impressa como a versão virtual, e o sistema brasileiro
ImagoDoAnaVox, um software que apresenta imagens e animações com o nome
escrito e a possibilidade de escutar o nome da imagem emitida pelo computador em
vários idiomas. Ele também permite a comunicação escrito-vocálica, apresentando
sílabas da língua portuguesa que podem ser compostas, impressas e escutadas, assim
como a pré-gravação customizada de 24 mensagens para serem utilizadas na
comunicação do dia a dia.
Recentemente, pesquisadores da Universidade Federal Fluminense (UFF)
modernizaram os fundamentos do PECS e criaram o MeaVox (“minha voz”, na
tradução), um programa interativo por meio de touch-screen que transforma em
palavras audíveis as figuras selecionadas pelo autista na tela do computador ou
mesmo do celular.
Diante da crítica de que a utilização de sistemas de CAA poderia desmotivar os
usuários a se comunicarem por meio da linguagem verbal, os advogados da CAA
defendem que pesquisas indicam que seu uso pode mesmo melhorar a produção
verbal de pacientes com autismo.

PSICOFARMACOTERAPIA
A mudança da compreensão dos mecanismos do autismo no seio da psiquiatria
como sendo eminentemente cognitivos tem como corolário a prescrição de terapias
cognitivas e comportamentais aliadas à farmacoterapia em seu tratamento.
A farmacoterapia tem a finalidade de minimizar os “sintomas-alvo”. No caso do
autismo, manifestações e comportamentos expressos que lhe são específicos
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

(estereotipias, alheamento, resistência a mudanças) ou a eles associados


(hiperatividade, agressividade, crises de birra).
Assumpção e Kuczynski (2011) relatam que se estima que cerca de um terço
dos indivíduos autistas faz uso de alguma droga (psicotrópica ou vitamina) em seu
tratamento. Entretanto, apontam que os medicamentos são efetivos apenas para
alguns sintomas, pois as dificuldades de relacionamento social e de comunicação são
menos responsivas à medicação. Eles esclarecem, ainda, que as drogas psicotrópicas
podem auxiliar na redução de certos sintomas, muito embora não se prestem à sua
cura e tampouco substituem outras formas de suporte e intervenção.
“O objetivo da abordagem farmacológica é o de melhorar sintomas
ou condutas que interfiram na possibilidade de o indivíduo participar
dos sistemas educacionais sociais, laborais e familiares, bem como
melhorar a resposta positiva a outras formas de intervenção.
Entretanto, mesmo considerando a importância da questão
psicofarmacológica, a intervenção compreensiva, o aconselhamento
familiar, a educação especial (em ambiente altamente estruturado),
o treinamento de integração sensorial, a terapia fonoaudiológica e o
treino de habilidades sociais devem, sempre que possível, ser o foco
principal da abordagem a esse paciente.” (Assumpção & Kuczynski,
2011, p. 217).

Drogas mais comumente utilizadas


As drogas mais comumente utilizadas em portadores de transtornos do
espectro autístico são haloperidol, risperidona, clomipramina, fluoxetina, fluvoxamina,
sertralina, amissulprida, olanzapina, buspirona, citalopran, pimozide e clonidina.
Algumas drogas parecem promover uma piora dos sintomas-alvo. A L-DOPA e a
bromocriptina pioram o alheamento, os distúrbios de comunicação, as respostas
bizarras e as estereotipias.
Os efeitos de algumas drogas sobre portadores de autismo, tais como
naltrexone e metilfenidato, apresentam resultados contraditórios. (Assumpção e
Kuczynski, 2011).
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

A utilização de algumas drogas tem sido abandonada devido a seus efeitos


colaterais. Em meados dos anos 1980, a fenfluramina foi utilizada de maneira
entusiástica pelos psiquiatras para melhorar os distúrbios comportamentais e o
desempenho de portadores de autismo; entretanto, seus efeitos colaterais, dentre
eles o desenvolvimento de doença valvular regurgitante grave, fizeram com que fosse
retirada de circulação. O haloperidol promove maior coordenação, autocuidado, afeto,
comportamento exploratório, bem como a redução de estereotipias, do alheamento,
da hiperatividade, da inquietação e da birra em crianças. Seus efeitos colaterais,
principalmente o risco de discinesia tardia, entretanto, faz com que ele seja substituído
por antipsicóticos atípicos.
Há relatos de casos isolados de melhora sob efeito de secretina.
O uso das vitaminas B6, B12 e Magnésio foi associado à melhora na
socialização e dos distúrbios comportamentais em alguns casos, mas os resultados não
foram confirmados. Schwartzman (2011) adverte que a terapia megavitamínica deve
ser contraindicada porque, além de sua questionável eficácia, pode promover efeitos
colaterais como desconforto intestinal e toxicidade hepática.
A dieta livre de glúten e caseína foi associada a uma melhora no
comportamento social, segundo alguns pais, mas nenhum estudo controlado validou
essa observação.
Assumpção e Kuczynski (2011) concluem que as variadas prescrições e seus
efeitos parecem pouco definidos, em razão da baixa validação de seu uso, o que seria
confirmado por estudos controlados sobre os tratamentos farmacológicos. Quando se
trata da validação para uso nos casos do transtorno do espectro autístico, os estudos
são ainda ainda raros na literatura da área.

CONCLUSÃO
As concepções aqui elencadas não esgotam a quantidade de abordagens
terapêuticas existentes para o autismo. E sua diversidade não apaga o comum a todas
elas: a questão de como lidar com a recusa à interação social manifestada pelo autista.
Entretanto, a despeito desse unicismo de objetivos, não se deve desconsiderar
que várias abordagens partem de campos epistemológicos distintos que não se
mesclam. Reconhecer essas visões antagônicas como discursos que se impõem no
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

campo das práticas terapêuticas faz com que se possa confrontá-los, explicitando suas
diferenças. (Cavalcanti & Rezende, 2010).
Uma vez as diferenças explicitadas, pode se promover o diálogo e acompanhar
os avanços científicos conquistados em várias disciplinas que pesquisam o autismo.
Assim, essas conquistas podem ser articuladas para melhorar a abordagem da
complexidade no tratamento do autismo, visando a benefícios que contemplem as
pessoas com autismo e suas famílias. Se todos se propõem a esse objetivo comum, um
diálogo entre a diversidade passa a ser possível.

Participantes e colaboradores diretos do texto: Míriam Rechenberg (Sedes, SP – Dep.


de Psicanálise da Criança), Paula Pimenta (EBP-MG, FCMMG e CePAI/FHEMIG) e Paulina
Rocha (CPPL-Recife, ABEBE, CPP).

Referências Bibliográficas:

Assumpção Jr,. F.B. & Kuczynski, E. (2011) – Psicofarmacoterapia nos Transtornos


Globais do Desenvolvimento. In J. S. Schwartzman & C. A. de Araújo (Coord.).
Transtornos do Espectro do Autismo – TEA. São Paulo: Memnon, pp. 215-226.

Bagaiolo, L.; Guilhardi, C. E. & Romano, C. (2011). Análise Aplicada do Comportamento.


In J. S. Schwartzman & C. A. de Araújo (Coord.). Transtornos do Espectro do Autismo –
TEA. São Paulo: Memnon, pp. 278-296.

Cavalcanti, A. E. & Rezende, L. (2010). Autismo e Condição Humana: sobre as práticas


comportamentalistas e psicanalíticas. In Cavalcanti, A. E. & Rezende, L. Navegar é
preciso, clinicar não é preciso. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

Cohen, D. J. & Volkmar, F. R. (1997). Handbook of autism and pervasive developmental


disorders. 2.ed. New York: John Wiley & sons.

Gauderer, E. C. (Ed.) (1993). Autismo e outros atrasos do desenvolvimento. Uma


atualização para os que atuam na área: do especialista aos pais. Brasília: CORDE.

GEPAPI – Grupo de Estudos e Pesquisas em Autismo e outras Psicoses Infantis (1991).


Autismo: visão multidisciplinar (2. ed.). São Paulo: Memnon.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Kanner, L. (1997). Os distúrbios autísticos do contato afetivo. In P. S. Rocha (Org.).


Autismos. São Paulo: Escuta, pp. 111-170. (Obra original publicada em 1943).

Macedo, E. C. & Orsati, F. (2011). Comunicação Alternativa. In J. S. Schwartzman & C.


A. de Araújo (Coord.). Transtornos do Espectro do Autismo – TEA. São Paulo: Memnon,
pp. 244-254.

Perissinoto, J. (2011). Condutas terapêuticas em linguagem e comunicação. In J. S.


Schwartzman & C. A. de Araújo (Coord.). Transtornos do Espectro do Autismo – TEA.
São Paulo: Memnon, pp. 238-243.

Pimenta, P. (2012). O objeto autístico e sua função no tratamento psicanalítico do


autismo. Tese (doutorado). 215 p. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas,
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Ribas, D. (1992). Un cris obscur. (Trad. Paulina Rocha, especialmente para o atual
trabalho). Paris: Calman-Levy, pp. 103-143.

Rutter, M. (1993). Autismo Infantil. In E. C. Gauderer (Ed.). Autismo e outros atrasos do


desenvolvimento. Uma atualização para os que atuam na área: do especialista aos
pais. Brasília: CORDE, pp. 60-82.

Schwartzman, J. S. (1991). Síndrome de Asperger. In J. S. Schwartzman. Temas sobre


Desenvolvimento, 2, pp. 19-21.

Schwartzman, J. S. (1994). Autismo infantil. Brasília: CORDE.

Schwartzman, J. S. (2011). Terapias alternativas e controversas. In J. S. Schwartzman &


C. A. de Araújo (Coord.). Transtornos do Espectro do Autismo – TEA. São Paulo:
Memnon, pp. 255-262.

Tolezani, M. (2010, setembro). Son-Rise: uma abordagem inovadora. Revista Autismo,


n. 0, pp. 4-6. Disponível em http://www.revistaautismo.com.br/edic-o-0/son-rise-uma-
abordagem-inovadora. Acessado em 24/03/2013.

Volkmar, F. et al. (1999, supplement December). Practice parameters for the


assessment and treatment of children, adolescents, and adults with autism and other
pervasive developmental disorders. J. Am. Acad. Child. Adolesc. Psichiatry, AACAP
official action, 38(12), 32-54s.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Grupo de Trabalho 21 – Política para o tratamento das psicoses

POLÍTICA E ÉTICA DA PSICANÁLISE PARA O TRATAMENTO DAS PSICOSES: A


subversão como resposta à segregação.

Como responderemos nós, os psicanalistas à


segregação trazida à ordem do dia por uma subversão
sem precedentes?”(LACAN, Alocução sobre as
psicoses)
INTRODUÇÃO:
A proposta desse tema de trabalho para a Jornada Autismo, Psicanálise e
Saúde Pública coloca, de saída, um posicionamento em relação a como
compreendemos a articulação possível entre esses três termos. Dessa forma, o
título de nosso trabalho aponta para uma localização da Psicanálise no campo da
Política e da Ética, e uma localização do Autismo no campo das Psicoses.
Consideramos que não há fatos que independam das teorias
subjacentes ao próprio campo em questão, e que não há Clínica que possa
dispensar um rigoroso conjunto de referenciais teóricos, sob pena de reduzir-se a
uma terapêutica com eficácia apenas simbólica e inefável, equiparando-se à magia.
Freud, ao contrário, é responsável pelo reingresso da verdade no campo da ciência,
o que possibilita sustentarmos uma Clínica Psicanalítica a partir da causalidade
psíquica. Destacamos, portanto, que é somente a partir da concepção inédita de
sujeito, trazida pela Psicanálise – sobretudo a partir do ensino de Jacques Lacan –,
tributária de sua relação fundamental com a linguagem, que podemos pensar de
um modo não normativo na questão ética que os sujeitos psicóticos nos convocam
a responder, qual seja: a da possibilidade de se estar na linguagem, mas fora do
discurso.
A partir dessa definição geral do sujeito psicótico e de sua peculiar relação
com a linguagem, o sujeito autista nos indaga ainda mais com sua tipologia
particular, e sua posição no polo limite da relação com o Outro da linguagem.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Assim, ele nos possibilita declararmos a sustentação radical de uma política da


direção do tratamento que responda com a subversão contra a segregação.

I. O AUTISTA: UM ANALISANTE DE PLENO DIREITO

Pensar a política da Psicanálise para o tratamento das Psicoses em geral e,


em particular, para as pessoas com o chamado “transtorno do espectro autista”
implica, antes de mais nada, adotar uma posição ética contrária à segregação. O
que orienta a Clínica Psicanalítica é exatamente o impossível de universalizar.
Como nos lembra C. Soelr:“Penso que o desejo da diferença absoluta ao qual se
devota o psicanalista, é suportado pela necessidade para os sujeitos um a um de se
extraírem do lote para não desaparecerem no um entre outros, sempre anônimo”.
(C. Soler, 1998, p. 289.).
As questões que vêm sendo debatidas sobre o tratamento para os sujeitos
considerados em estado autista remetem necessariamente a uma outra questão
maior que se refere à necessidade de se tomar como sujeito de pleno direito
qualquer um, independente de sua idade, raça, sexo, condição social e,
principalmente, psíquica. Foi esse pensamento subversivo que permitiu a Freud,
desde 1905 – antes mesmo de analisar o caso do pequeno Hans –, abrir para a
criança seu lugar como sujeito para a Psicanálise, na medida em que não recua
diante de suas descobertas clínicas desde as histéricas, e se interroga pelo
“infantil” que se impõe nas construções neuróticas.
De fato, a Modernidade, ao supor deter o saber sobre a criança, a coloca,
paradoxalmente, no lugar de objeto. Segundo Prates Pacheco (2012): “para o bem
ou para o mal o Discurso Universitário cria a criança no lugar do objeto, deixando o
sujeito no lugar de algo a ser produzido pelo saber”. E ela acrescenta que
rapidamente “A Criança” passa a ser um significante absorvido pelo Discurso do
Mestre “que passa a agenciar, a partir de então, um saber sobre A Criança: a
Pedagogia, a Pediatria, a Pedopsiquiatria”. (p. 279).
Nessa mesma direção entendemos o que Rosine Lefort(1997) dirá a
respeito da situação em que se encontravam as crianças institucionalizadas:“(...) a
questão da patologia de crianças pequenas em instituição hospitalar, cujo
funcionamento corporal é submetido apenas a um S2 que se encontra no lugar de
agente no discurso universitário – que faz mandato “come!”, “vai para o penico!” ou
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

“dorme!”– tem como efeito o surgimento de sintomas que não se apresentam como
respostas do sujeito. (p. 147)
Segundo Quinet:
A inclusão do sujeito no tratamento tem duas vertentes
que devem caminhar juntas: por um lado, a inclusão do
sujeito do inconsciente, com sua fala, sua história e
seus sintomas, manifestações de sua singularidade. Isto
significa incluir o sujeito no saber sobre sua patologia,
seu pathos, seu padecimento. (...) A inclusão no campo
social é também tributária do conceito de sujeito em
Lacan, na medida em que não há sujeito sem Outro (...)
O conceito de sujeito, portanto, é ao mesmo tempo
individual e coletivo. Não há sujeito sem Outro – daí a
dificuldade de encontrarmos as manifestações do
sujeito no autismo, onde há um curto-circuito da
alteridade” (Quinet,2006,p.49)
Como então pensar a questão da inclusão do sujeito no caso de pessoas
que, por princípio, são consideradas fora do laço com o Outro, como é o caso dos
autistas? Eis o desafio da Psicanálise, ao considerar o sujeito autista um analisante
de pleno direito.
II. INCLUSÃO, EXCLUSÃO E SEGREGAÇÃO

Sabemos que delimitar um conjunto dos autistas estabelecendo para este


normas e protocolos de tratamento, longe de incluí-los, reforça sua condição de
sujeitos fora das normas, o que promove ainda mais sua segregação. Advertimos
aqui que estamos diferenciando os paradoxos do binômio “inclusão X exclusão” da
segregação, em particular como foi trabalhada por Lacan em 1967.
Para abordarmos brevemente o que diz respeito ao suposto binômio
“inclusão X exclusão”, colocaremos algumas questões de base: trata-se de uma
relação de complementaridade? Será que não poderíamos pensar as relações entre
exclusão X inclusão como sendo de ordem suplementar, incluindo aqui a categoria
do impossível? Como poderemos, a cada vez, atualizar essas questões quando nos
referimos às intervenções clínicas nos diferentes níveis em que elas se
apresentam?
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Considerando tratar-se de uma relação suplementar, propomos que o


tratamento da exclusão da diferença considere, sobretudo, a resposta singular que
inventa versões que subsidiem espaços diferentes para o que é da ordem da
exclusão. Temos então a possibilidade de abalar o binômio “exclusão X inclusão”,
acrescentando o impossível (via o suplementar, em questão). Acrescentemos,
ainda, um quarto termo, qual seja, o desejo do analista. O desejo do analista é a
condição absoluta de manter toda relação de complementaridade em enigma. Ele
cava um fosso em binômios tais como o de inclusão X exclusão. Quinet (2006), ao
se perguntar pelo laço social nas psicoses, escreve:

A inclusão como inserção social é receber do exílio aquele que


cortou os laços com as exigências da civilização, tais como
renunciar às pulsões sexuais em função do outro. (...) A
inclusão de que se trata é a inclusão da diferença radical no
seio da sociedade de supostos iguais – por exemplo, a
sociedade de cidadãos.// Por muito tempo, houve uma
foraclusão da inclusão na história da psiquiatria que adotou
outro binômio: exclusão e reclusão. (...) Em vez de foracluir a
inclusão, trata-se de incluir a foraclusão” (p. 49)

Incluir a foraclusão é um imperativo ético que se atualiza, a cada vez na


clínica. Trata-se de uma resposta que, a seu modo, evoca o que Freud nomeou a
Coisa, e para a qual Lacan inventou o neologismo “êxtimo”. A saber: aquilo que
fosse excluído originalmente será considerado como o mais íntimo do sujeito; um
interior excluído que escreve – como modo lógico necessário: não para de escrever
– uma resposta do ser falante no seu laço ao Outro. Esse interior excluído que é
retroativamente o exterior incluído, a ser reconhecido como o mais íntimo de nosso
ser, foi o que Lacan propôs ao falar da ética da psicanálise. A Coisa Freudiana se
deduz como lugar da perda fundante do ser falante. A possibilidade de criar um
sistema no qual o sujeito encontre asilo ao exílio da sua existência de linguagem
ameaçada por essa obscenidade do Outro. Segundo Berta (2010):“Das Ding é o
fora-do-significado, em função disso, o sujeito construir uma relação patética
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

(pathos) com esse fora, conservando uma distância e extraindo um afeto primário
– a angústia anterior a todo recalque”.

Evoquemos neste ponto preciso o que é da ordem da segregação, entendida


como a facticidade real (Lacan, 1967). Facticidade, termo que evoca o Dasein
Heideggeriano, se diferencia da contingente factualidade dos objetos da
experiência. (Harari, 2007, p. 192) A facticidade exige uma construção que enlaça
os acontecimentos, indica seja a contingência do evento seja a insistência em poder
deles fazer uma ficção subjetiva para dela retirar o seu caráter absurdo. Eis a
proposta de Lacan ao diferenciar o que é da ordem dos acontecimentos e o que é
da ordem de uma construção (elaboração) dos mesmos. Porém, podemos
acrescentar que isso não depende tão somente das identificações (facticidade
imaginária), mas dos modos de gozo, entenda-se com isso os modos de responder
ao impossível. Evoquemos ainda que a facticidade simbólica remete aos usos do
Mito do Complexo de Édipo, foracluído quando se trata da psicose.

Nas últimas décadas os psicanalistas vêm respondendo à segregação da


psicanálise, debatendo sobre os diferentes entraves e mal-entendidos que levaram
a medidas por parte do Estado, que tende a desconhecer o mal-estar e o
tratamento do impossível, tendendo a intervenções que supostamente
evidenciariam sua eficácia a partir da quantificação. Tais quantificações têm
produzido um sintoma que levou ao pior, na sociedade, em particular no século XX:
a segregação. Quantificações que não somente dizem dos diagnósticos, mas da falta
de perguntas pelo que é da ordem da existência, ou seja, em termos psicanalíticos,
pelo que é da ordem do impossível e das respostas subjetivas possíveis que não o
neguem sistematicamente. Em contrapartida, a clínica psicanalítica deverá acolher
e questionar eticamente “a angústia do indivíduo diante da forma
concentracionista do vínculo social”. (Lacan, 1949, Escritos, p. 102).

III. A QUERELA DA ETIOLOGIA E DO DIAGNÓSTICO

Ora, se a partir da Psicanálise sabemos que as respostas do sujeito dependem em


grande medida do discurso predominante no laço social vigente, precisamos
introduzir nesse debate a questão do diagnóstico no contexto da Psiquiatria
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

contemporânea. Concordamos com a afirmação de Quinet (2006) de que: “fundar


uma prática de diagnóstico baseada no consenso estatístico de termos relativos a
transtornos, que por conseguinte devem ser eliminados com medicamentos, é
abandonar a clínica feita propriamente de sinais e sintomas que remetem a uma
estrutura clínica, que, no caso, é a estrutura do próprio sujeito (p.22). Por todas
essas razões:
“restituir a função diagnóstica no tratamento
psiquiátrico a partir de uma clínica do sujeito é um
dever ético que a Psicanálise propõe para a Psiquiatria.
Isto é uma forma de sair do discurso do capitalista que
condiciona desde o diagnóstico até o tratamento para
restituir à medicação seu justo valor paliativo e não
resolutivo do sofrimento mental. Pois a Psicanálise não
se opõe à Psiquiatria, mas sim a todo Discurso que
suprime a função do sujeito.”( p.22)
Nesse ponto, é preciso destacar que a Psicanálise, enquanto campo próprio
do conhecimento humano é, a um só tempo, como queria Freud, seu fundador: um
procedimento para a investigação de processos mentais, um método (baseado
nessa investigação) para tratamento e uma coleção de informações psicológicas
obtidas por essa investigação, que gradualmente se acumula numa nova disciplina
científica.
Segundo Pacheco Filho, os adversários do Positivismo no Campo
Epistemológico questionam justamente a ideia de um desenvolvimento linear,
gradualmente progressivo e contínuo das investigações e realizações científicas, e
privilegiam uma concepção de corte epistemológico, revolução e ruptura. O autor
acrescenta ainda: “São autores que, além do mais, contestam a separação radical
entre fato e teoria”. E segundo Hanson:

(...) observações e interpretações são inseparáveis – não apenas no sentido


de que nunca se manifestam separadamente, mas no sentido de que é
inconcebível manifestar-se qualquer das partes sem a outra. (...) Separar a
urdidura do tecido destrói o produto; separar a pintura da tela destrói o
quadro; separar matéria e forma numa estátua torna-a ininteligível. Assim
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

também, separa os sinais-de-apreensão-de-sensações da apreciação-do-


significado desses sinais destruiria o que entendemos por observação
científica... A concepção de observação proposta pelos neopositivistas – por
meio da qual o registro de dados sensórios e nossas elaborações intelectuais
relativas a eles se mantêm apartados – é um golpe analítico equivalente ao
de um açougueiro lógico. (1967/1975, p. 127-128)

Pacheco Filho (2012) também afirma que “o aspecto importante a registrar


é o fato de que o campo de uma nova disciplina científica sempre se constitui a
partir de uma ruptura com a ordem científica anterior (um corte epistemológico),
em que surgem novos 'compromissos de investigação' adotados pela comunidade
do campo.”

Nessa mesma direção, Nogueira (1997) sustenta que “a pesquisa feita por
Lacan situa epistemologicamente o campo freudiano da linguagem considerando a
materialidade do significante”. E acrescenta que “há aí uma exigência de rigor de
pesquisa que coloca esta clínica no nível de promissoras conquistas científicas da
realidade propriamente humana”.

Assim, a Psicanálise conta com sua própria concepção de sujeito, uma


diagnóstica coerente com essa concepção e uma terapêutica afim.

Do ponto de vista da Psicanálise de orientação lacaniana, a categoria clínica


AUTISMO engloba um conjunto vasto de sinais, sintomas, reações e
posicionamentos subjetivos distintos, que, por sua ampla diversidade, não poderia
ser contemplada por uma classificação uniforme e universal. Dessa forma, em
nossa terminologia específica, utilizemos mais frequentemente a expressão:
“estado autista”. Consideramos que os chamados transtornos do “espectro do
autismo” são em grande parte decorrentes de causa sobredeterminada por muitas
dimensões (orgânica, psicopatológica, histórica, etc.), fato que, de resto, pode-se
inferir da maioria das afecções e transtornos que afetam o ser humano, sobretudo
os transtornos ditos mentais.
O autismo enquanto “estado” pode ser encontrado, sobretudo quando
ocorre na primeira infância, em diversas estruturas e tipos clínicos – se levarmos
em conta o diagnóstico estrutural, próprio da Psicanálise –, e mais frequentemente
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

na Psicose de tipo esquizofrênica prematuramente desencadeada. Por outro lado, é


possível também reconhecer um tipo clínico específico em certos sujeitos, no qual
encontramos o que chamamos de uma “patologia da libido” (Soler, 1997), libido
aqui tomada conceitualmente enquanto órgão produzido pelo encontro com a
linguagem. Segundo Soler, poderíamos dizer que “essas crianças, na condição de
sujeitos, permanecem puros significados do Outro”, e dessa forma, “são sujeitos,
mas não sujeitos que enunciam”. (“Clínica da esquize”, p. 226).
E aqui, precisamos voltar à tão debatida questão da etiologia, a partir da
Psicanálise, cujo campo epistemológico e clínico, com uma noção própria de
causalidade psíquica, rejeita o binômio inatismo X ambientalismo. Citemos, a esse
respeito, nosso colega Bernard Nominé, membro da EPFCL-França, em trabalho
apresentado sobre o tema no VIII Encontro Internacional da IF em 2012:
Entretanto é necessário precisar que os psicanalistas não
temem os avanços da ciência genética. O cognitivismo e a
neuropsicologia se inspiram nas neurociências apenas para se
opor à psicanálise, quer dizer, por não saberem nada da
estrutura de linguagem. (...) Optar pela ciência contra a
psicanálise é, portanto, uma aberração; a psicanálise não se
opõe em nada às descobertas da ciência.
É bastante provável que haja no espectro autístico patologias
hereditárias. Ao mesmo tempo, mesmo nessas patologias
aparentemente hereditárias, não se conseguiu isolar um gene
responsável. Suspeita-se de pelo menos quatro sequências
possíveis. Com isso, não há como propor uma triagem séria!
Os falsos positivos seriam bem mais numerosos e o teste
provocaria mais mal do que bem. Bertrand Jordan, biólogo
molecular, pesquisador no CNRS, de quem dificilmente se
pode suspeitar de ter um a priori favorável à psicanálise,
escreve o seguinte: Sendo o autismo também um problema da
relação, a profecia corrente de um teste muito impreciso corre
o riso de ser autorrealizadora: designado como sendo de
autorrisco, a criança será alvo da solicitação inquieta de seus
pais, assim, se ela não fosse já autista, poderia se tornar...”
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Vindo de um geneticista advertido, essa observação tem o seu


peso.
Esse pesquisador em genética se preocupa em nos lembrar
que não se pode confundir genótipo e fenótipo. O genótipo se
manifesta em fenótipo sob a influência de contingências
diversas que são incalculáveis. A transmissão do genótipo não
basta em si mesma para escrever um destino. A tentação é
grande, para alguns, de apelar à genética para compensar a
questão da causa.

Destacamos, de qualquer forma, que um possível traço de origem orgânica


na etiologia dos estados autistas não altera em nada o fato de que essas crianças e
adultos possam ser amplamente beneficiados por terapias relacionais de forma
geral e, especificamente, pelo tratamento psicanalítico. Nesse contexto, o perigo de
se tratar um sujeito em estado autista a partir de protocolos universalizantes,
como se estes indivíduos fossem todos iguais, é continuar mantendo-os no
anonimato no qual se situam desde muito cedo.

IV - O TRATAMENTO PSICANALÍTICO DE SUJEITOS EM ESTADO AUTISTA:


Como é possível então ao psicanalista responder de forma a subverter o
anonimato de pessoas em estado autista? Como escutar “seres não falantes” para
que possam fazer um uso da língua tal que seja possível um apaziguamento e,
talvez, uma suplência?
Não obstante o fato de constituir-se como um campo científico específico,
como procuramos sustentar, precisamos reconhecer que o tratamento
psicanalítico é efetuado por profissionais de diferentes abordagens no interior do
próprio campo psicanalítico, do mesmo modo como há diferenças nas demais
abordagens da Psicologia Clínica, bem como em qualquer disciplina que
reivindique uma prática clínica, inclusive a própria Medicina. Essa diversidade não
é decorrente da falta de rigor ou de fundamentos adequados, mas é inerente ao
próprio movimento do surgimento da Clínica ao longo da história, como vários
autores têm demonstrado. A diversidade entre os Psicanalistas, portanto, não é
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

vista entre os pares desse campo como algo necessariamente negativo, ou algo que
deva ser eliminado a priori, mas, antes, como um fato decorrente do estado atual
de nossa práxis, e cujo debate livre deve ser reconhecido e aprofundado pelos
atores que participam do próprio campo, como é prática comum nas
Universidades, Institutos e Escolas destinadas à formação dos psicanalistas. Essa
diversidade, é importante ressaltar, é amplamente reconhecida por diversos
Estados de Direito, inclusive o Brasil.
O reconhecimento dessas diferenças não nos impede de afirmar, entretanto,
que o objetivo geral da Psicanálise com sujeitos autistas é o de minimizar suas
angústias, ampliar suas capacidades de aprendizagem, permitir que eles
encontrem prazer nas trocas emocionais e afetivas e proporcionar uma ampliação
de seu campo de escolha, bem como de sua possibilidade de laço social. Trata-se,
evidentemente, de um trabalho a longo prazo, cujos resultados não podem ser
avaliados através de critérios mecanicistas ou quantitativos.
Se por um lado a Psicanálise, em sua origem, permitiu à criança tomar seu
lugar enquanto ser falante, por outro é fundamental que uma pessoa em estado
autístico possa encontrar, na cultura, um outro que não o trate de forma anônima
tal como ele mesmo parece se colocar: sem nome, sem desejo. Sabemos que o
tratamento dos ditos autistas toca no limite do insuportável: deparar com alguém
que recusa um laço com o outro. Para suportar esse encontro, é fundamental
sustentar uma posição em que o único desejo em jogo, da absoluta diferença,
permita uma aposta constante de que o nascimento do Outro seja possível.
A partir de nossa experiência com esses sujeitos, podemos afirmar que a via
da Psicanálise é a da ética que aposta na diferença absoluta: da repetição
estereotipada extrair um gesto que faça laço; da ecolalia, uma voz que se faça
escutar. Sabemos que não há garantia de que um Outro venha a nascer, como
diziam Rosine e Robert Lefort; mas sem essa aposta, é certeza que o anonimato e a
segregação continuarão sendo o destino para essas pessoas.
Como diz Nominé (2001), para isso “é preciso situar o encontro com um
psicanalista que saiba produzir, com tato e prudência, um pouco de alteridade para
fazer suplência a este Outro que tarda a nascer.”(RevistaMarraio,n.2)
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Participantes e colaboradores diretos do texto: Sandra Berta e Beatriz Oliveira


(coordenadora e colaboradora da Rede Clínica do Fórum do Campo Lacaniano de
São Paulo/ FCL-SP); Ana Laura Prates Pacheco e Beatriz Oliveira (coordenadoras
da Rede de Pesquisa “Psicanálise e infância” do FCL-SP); Sandra Berta, Beatriz
Almeida e Glaucia Nagem (coordenadoras da Rede de Pesquisa “As psicoses” do
FCL-SP); Ana Laura P. Pacheco, Raul Albino Pacheco Filho, Sandra Letícia Berta,
Silvana Pessoa (coordenadores da Rede de Pesquisa “Psicanálise e Saúde Pública”
do FCL-SP); Ana Paula Pires (membro do Fórum do Campo Lacaniano/ FCL-SP);
Ana Paula Lacorte Gianesi (diretora do FCL-SP); Tatiana Assadi (coordenadora das
Formações Clínicas do Campo Lacaniano/ FCL-SP)
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Referências Bibliográficas
ALBERTI, S. (1999). Autismo e esquizofrenia na clínica da esquize. Rio de Janeiro,
Marca d’Água Editora LTDA.
BERTA, S. Um Estudo Psicanalítico sobre o Trauma, de Freud a Lacan. São Paulo,
2012 132 p. Teses de Doutorado, 274 f – Programa de Pós-Graduação em
Psicologia. Área de Concentração: Psicologia Clínica – Instituto de Psicologia da
Universidade de São Paulo.
LACAN, J. (1949) O estádio do espelho como formador da função do eu. In______.
Escritos. Trad.: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1998, p. 96-103.
________. (19XX) Alocuções sobre as psicoses na infância. In Escritos. Rio de Janiero:
Jorge Zahar, 2003.
________. (1967). Proposição de 9 de outubro sobre o psicanalista da Escola In:
Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003, p. 248-264.
NOGUEIRA, L.C. A Psicanálise: uma experiência original: o tempo de Lacan e a nova
ciência. Tese de Livre – docência apresentada no IPUSP, 1997.
NOMINÉ, B. “ O autista: um escravo da linguagem”. In: Revista Marraio. n.2
Formações clínicas do Campo Lacaniano. Rio de Janeiro: Marca d’Água Livraria e
Editora, 2001.
PACHECO FILHO, R. (2012). “O frenesi teórico sobre o sujeito do capitalismo
tardio”. In:RUDGE,Ana Maria & BESSET, Vera L. (orgs.) Psicanálise e outros saberes.
Rio de Janeiro, Cia de Freud/FAPERJ, 2012, p. 183-205.
PRATES PACHECO, A.L.. (2012) Da fantasia de infância ao infantil na fantasia: a
direção do tratamento na psicanálise com crianças São Paulo: Annablume, 2012.
________. (1967). Anexos. Primeira versão da “Proposição de 9 de outubro sobre o
psicanalista da Escola” In: Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003, p. 570-
586.
QUINET, A. Psicose e laço social: esquizofrenia, paranoia e melancolia. Rio de
janeiro: Jorge Zahar Ed. 2006.
SOLER,C. A psicanálise na civilização. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 1998.
SOLER,C.“Autismo e Paranoia” In: Autismo e esquizofrenia na clínica da esquize. Rio
de Janeiro, Marca d’Água Editora LTDA., 1999
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Mesa redonda: Psicanálise, Ciência e Universidade

Psicanálise e Ciência: do Equívoco ao Impasse


Christian Ingo Lenz Dunker

Em vez de estabelecer critérios e acepções, mais extensas ou mais restritivas, por


meio das quais se poderia considerar a psicanálise uma ciência, uma contraciência ou
uma anticiência, pretendo assinalar apenas aqueles que posso considerar como
equívocos mais frequentes na abordagem desse problema.
De forma sintética, penso que a pergunta sobre a cientificidade da psicanálise é
menos ociosa, interessada ou reativa do que parece. Transformações no interior da
psicanálise ocorreram, ao longo de sua história, conforme a disciplina científica se
firmasse como um ideal ou um contraideal. O desvio regrado na tradução imposta por
Strachey, a absorção psiquiátrica da psicanálise pela psiquiatria americana, a partir de
Alolf Meyer, o programa da Escola psicossomática de Chicago são exemplos históricos
desses “ajustes” praticados no interior da psicanálise, em nome de seu passaporte de
entrada na ciência. Isso segue a sugestão freudiana de que a psicanálise não é uma visão
de mundo porque ela assume e se inclui na visão de mundo proposta pela ciência.
Opino que a psicanálise é incapaz de criar uma visão de mundo particular. Não lhe
faz falta; ela forma parte da ciência e pode aderir-se à visão de mundo científica. Mas
esta merece este nome grandiloquente, pois não contempla o todo, é demasiadamente
incompleta, não pretende absolutismo nenhum, nem formar um sistema.55
Chamo a atenção de vocês para a segunda parte da proposição. A psicanálise é
uma ciência desde que não se entenda a ciência como sistema completo. Ou seja, o
critério de cientificidade, um critério que resiste ao tempo, não é o acúmulo triunfal
de saber, mas o contrário, a capacidade de errar, de reinterpretar e criar problemas.
Essa é a diferença entre ciência e metafísica, a ciência se equivoca e é capaz de
reconhecer isso. Portanto, quando alguém diz, acerca do tratamento do autismo, que
a psicanálise culpabilizou os pais e particularmente a ”mãe geladeira”, é preciso
dizer que sim, e que a mudança na concepção de tratamento, desde Freud, não é um

55
Freud, S. (1932-1936) 38ª Conferência Introdutória à psicanálise. Sobre a Visão de Mundo. Sigmund
Freud Obras Completas, Buenos Aires, Amorrortu: 168.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

traço de anacronismo, mas da cientificidade da psicanálise. Se a psiquiatria da


década de 1930 amarrava crianças às suas cadeiras e as “modernas técnicas
educativas” dos anos 1950 trancavam crianças em quartos escuros à guisa de
recompensa e punição, isso não significa que a psiquiatria seja indiferente à ciência.
O caso da educação é mais complicado, pois somente em circunstâncias muito
específicas, e em geral com resultados desastrosos, a pedagogia se apresentou como
uma ciência. A ciência da aprendizagem não é uma ciência, mas um conjunto de
técnicas, quiçá um método na acepção fraca do termo.
Lacan, mas não só ele, mostrou como, e não vou me estender nesta tese, a
concepção de psicanálise é historicamente covariante com a concepção de ciência.
Da psicanálise do fogo de Bachelard, às críticas de Witgenstein, do critério
popperiano de irrefutabilidade à redefinição foucaultiana da psicanálise como um
discurso, há um longo caso, um julgamento perpétuo acerca da cientificidade da
psicanálise.
E se recuamos para os antecedentes da psicanálise vemos que esse julgamento já
estava em curso quando se tratava de hipnotismo, desde que, em 1784, o rei Luís
XVI nomeou a comissão mista da Academia Real de Ciências e da Sociedade Real
de Medicina, para investigar as curas ocorridas por meio do magnetismo animal. A
comissão formada por gente como Lavoisier, Benjamin Franklin, Guillotin, Bailly e
Jussieu terminou com a impressão de oitenta mil volumes, nos quais os partidários
de Mesmer abjuravam a existência das curas e da crença no magnetismo. Mas um
olhar atendo aos autos do processo mostra que Jussieu e tantos outros confirmavam
o valor terapêutico da técnica não obstante descartassem sua explicação teórica56.
Retomo o ocorrido para salientar que a discussão sobre a cientificidade da cura pela
palavra divide-se, desde sua origem, em sua dimensão terapêutica e teórica, reunida
pelo campo da clínica e pela intercessão do Estado e da força de lei, consoante seus
interesses.
O que está em jogo na crítica contra a abordagem psicanalítica do autismo não é,
primariamente, sua eficácia ou sua fundamentação conceitual, mas a recusa global
do campo da clínica. A abolição da clínica e sua substituição por um conjunto de
técnicas, de disciplinas, de estratégias, não é uma argumento propriamente
epistemológico, mas uma recusa ética de que a experiência em questão se unifique

56
Chertock, L. & Stengers, I. (1989) O Coração e a Razão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar: 50.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

em torno de uma pessoa que sofre. Não há que se considerar, argumentam certos
críticos, que a criança autista, ela mesma sofre, sem falar em seus familiares:
bastaria abordar a questão como um problema de recuperação de desempenho e
funcionalidade na vida pragmática. Quanto ao resto, deixemos isso com a
metafísica. Ora, essa atitude é profundamente anticientífica.
Mas voltemos ao problema dos fundamentos.
Para uma abordagem específica da dimensão propriamente epistemológica da
psicanálise remeto vocês aos trabalhos57 nos quais tenho defendido a ideia de que a
psicanálise ocupa o lugar do que Kuhn chamava de anomalia cientifica. Para o autor
de “Tensão Essencial”58 a anomalia era originalmente um fenômeno reconhecido
por uma comunidade científica como explicável por um determinado paradigma,
mas que, não obstante, era refratário à sua decifração. Admitido o estado de ciência
normal, a anomalia deve ser incluída ou neutralizada pelo paradigma. Quando isso
não ocorre, a anomalia pode induzir crise e subsequentemente revolução científica,
fazendo emergir um novo paradigma. Considero que a psicanálise é o análogo de
uma anomalia desse tipo, tomada como um fenômeno histórico parasitário da
epistemologia, uma vez que ela não pode nem ser propriamente incluída, nem
propriamente expelida como um epifenômeno inconsequente.
Essa tese da paradoxalidade científica da psicanálise não é nova nem original. Ela
decorre de uma leitura de afirmações lacanianas tais como: “o sujeito da psicanálise é o
sujeito da ciência”, “a psicanálise é a ciência da linguagem habitada pelo sujeito” ou
ainda, que a “a psicanálise visa introduzir o Nome-do-Pai na consideração científica”.
Mas creio que essa discussão está muito longe do impasse que se apresenta em
nosso momento. E ele é um impasse curioso, porque parte de afirmações ridiculamente
banais contra a cientificidade da psicanálise. Desde a mudança epistemológica dos anos
1980 a ciência passou a ser um assunto legislado e definido pela existência de uma
comunidade de cientistas. A ciência é o que os cientistas fazem e o que os cientistas
fazem é ciência. Podemos nos indignar com essa tautologia, mas ela representa o estado
de coisas em vigor hoje no mundo. Ocorre que por este critério não há a menor
possibilidade de que uma disciplina que conta com milhares de teses, dezenas de
milhares de artigos científicos em revistas científicas “controladas”, centenas de
Grupos de Pesquisa cadastrados no Diretório Nacional de Pesquisa do CNPq, que está

57
Dunker, C.I.L. (2011) Estrutura e Constituição da Clínica Psicanalítica. São Paulo: Annablume.
58
Kuhn, T.S. (1997) A Tensão Essencial. São Paulo, UNESP, 2011.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

presente massivamente em cursos universitários, que o Estado paga para se formar


pesquisadores, e assim por diante, possa ser considerada não científica. Ocorre que nós
não gostamos de usar esse argumento. E com razão. Isso significaria apelar para nossa
inclusão no Estado. O psicanalista não se forma como pesquisador e ele não se forma na
universidade. Mas quero crer que muitas vezes nos deixamos acuar por um argumento
que emana de nossa própria consciência crítica e que está muito longe das intenções e
dos subsídios que promovem esse tipo de objeção banal, e simplesmente equivocada
contra a cientificidade da psicanálise. Ou seja, não somos nós que temos que provar que
ela é uma ciência, seriam nossos críticos que deveriam mostrar onde e por que ela trai as
aspirações científicas. E muito que bem tentaram, por exemplo, em O Livro Negro da
Psicanálise, com resultados vexatórios em termos de argumentação.
O único ponto no qual essa estratégia parece funcionar é o da divulgação
científica, ponto no qual nossa inabilidade crônica em expor ideias e de abrirmo-nos a
alguma externalidade é problemática. Isso emana do antigo argumento de que a
psicanálise não deve ser nem se coordenar pelas massas, que ela é um bem precioso
para uma elite bem formada. Mais uma vez são nossos próprios preconceitos que
trabalham e depõem contra nossa cientificidade, não a matéria mesma que está em
questão. Nos opomos à retórica da novidade, nos opomos à ideologia dos resultados,
das aquietações institucionais, nos indispomos com o senso comum da pressa e da
conformidade, não queremos saber de pactuar com as estratégias racionais e
principalmente normativas dominantes. Reencontramos aqui nosso lugar de anomalia e
resistência cultural. Mas para fazer isso não precisamos nos segregar da ciência.
Mas há outros níveis, mais internos, de consideração do problema.
O segundo nível de consideração desta matéria nos leva a uma divisão da pergunta.
Uma divisão dupla que toma em consideração o fato de que a psicanálise ela mesma é
uma prática de tratamento de sintomas e uma teoria que agrupa e interpreta fatos e
considerações obtidos no interior desta prática. Ou seja, se dividimos a pergunta entre
método de tratamento e método de investigação, e se agregamos a estes a ideia de
doutrina ou de teoria, a hipótese científica se aplica de modo diferencial.
Trata-se então de saber se o método psicanalítico é uma forma de abordagem
científica dos objetos e fenômenos a que pretende investigar, e se a concatenação de
seus desenvolvimentos teóricos assume os critérios de transmissibilidade, públicos,
universais e repetitíveis que se espera de um saber em forma de ciência. Penso que é
nesta última acepção que Lacan afirmou que a psicanálise não é uma ciência, mas uma
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

prática. Ou seja, a clínica, seja ela qual for, médica, psicanalítica, psicológica ou
psiquiátrica jamais foi e jamais será um ciência. Isso não significa que seus
procedimentos e seus fundamentos não nos rematam a modalidades de ciência. Mas
assim como anatomia não é medicina e genética não é clínica, a psicanálise não é uma
ciência. Surgem aqui duas estratégias que vêm conferindo resultados positivos ou
incertos, quando se considera esses dois escopos da questão:
Há, por um lado, uma série de estudos comparativos sobre eficácia e eficiência da
psicanálise como forma de tratamento clínico. Após um primeiro momento, no qual a
psicanálise era descartada do “páreo”, uma vez que não se sabia como enquadrar seus
resultados de forma comparativa, e segundo os critérios que ela mesma poderia
oferecer, seguiu-se mais recentemente uma série de pesquisas científicas e meta-
análises, mostrando como a “psicoterapia psicodinâmica de longo prazo”59 apresenta
efeitos mais consistentes60, mais permanentes e mais abrangentes que a maior parte das
psicoterapias conhecidas61. Essas pesquisas utilizam métodos estatísticos complexos
capazes de incorporar dados obtidos por meios e modalidades de apresentação muito
divergentes entre si. Nessa via o problema se desdobra indefinidamente para a
comparação entre tipos de patologias, diferença para adultos ou crianças62, contextos
culturais e institucionais63, extensão e qualidade da experiência do psicanalista,
linhagens e sublinhagens psicanalíticas. Para todos estes casos há pesquisas que
comprovam a eficácia do tratamento psicanalítico. Note-se que esses estudos não
comprovam a cientificidade da psicanálise, mas a sua eficácia. Um xamã amazônico que
utiliza plantas mágicas, que contêm princípios ativos insabidos ao próprio agente da
cura, não está praticando ciência, mesmo que ele seja extremamente eficaz. A eficácia
simbólica64 é um fenômeno interveniente na cura, assim como o efeito placebo,
nenhuma dos dois é um argumento de cientificidade, mas de efetividade técnica. A
cientificidade é um atributo do método, a efetividade um predicado da técnica. Nesse

59
Falk Leichsenring, DSc; Sven Rabung (2008) Effectiveness of Long-term Psychodynamic
Psychotherapy A Meta-analysis. JAMA. 2008;300(13):1551-1565.
60
Dorothea Huber; Johannes Zimmermann; Gerhard Henrich; Guenther Klug (2012) Comparison of
cognitive-behaviour therapy with psychoanalytic and psychodynamic therapy for depressed patients – A
three-year follow-up study. Z Psychosom Med Psychother 58/2012, 299–316.
61
Doidge N. (1997) Empirical evidence for the efficacy of psychoanalytic psychotherapies and
psychoanalysis: an overview. Psychoanal Inq1997;102-150.
62
Fonagy P, Target M. (1996) Predictors of outcome in child psychoanalysis: a retrospective study of
763 cases at the Anna Freud Centre. J Am Psychoanal Assoc 1996;44:27-77.
63
Lucie Cantin (1999) An Effective Treatment of Psychosis with Psychoanalysis in Quebec City, since,
1982. Annual Rewiew of Critical Psychology.
64
Lévi-Strauss, C.L. (1953) A eficácia simbólica. Antropologia Estrutural, Civilização Brasileira, 1988.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

sentido, comparar o método ABA de abordagem do autismo com o método psicanalítico


é uma tolice, simplesmente porque o método ABA não é um método de tratamento, mas
uma técnica de aprendizagem.
O segundo escopo da questão, quando dividimos o problema da cientificidade entre
método clínico, que possui ele mesmo sua teoria, e a teoria, o sentido da integração e
agrupamento dos efeitos da prática deste método, ocorre quando nos atemos ao tema da
teoria psicanalítica como uma teoria científica. E aqui facilmente somos desqualificados
por algo que em princípio é uma virtude, a saber, a diversidade de entendimentos e de
leituras, o que caracteriza a teoria psicanalítica como uma teoria com baixos teores de
consenso. Ou seja, quando se afirma a-cientificidade da psicanálise, para retomar uma
antiga expressão de Joel Dor, temos que produzir “metodologicamente” uma unidade do
que nossa comunidade científica chama de psicanálise, cujo poder de representatividade
é tão redutivo quanto uma redução operacional de conceitos. Nessa direção tem se
argumentado que a psicanálise, enquanto teoria, regula-se por uma teoria da prova
semelhante a que encontramos na teoria da evolução proposta por Darwin. Isso não quer
dizer que a psicanálise seria uma ciência natural, aliás, como advogava este péssimo
epistemólogo de si mesmo chamado Sigmund Freud65, mas que a estrutura da
verificabilidade das evidências clínicas da psicanálise é homóloga à teoria da evolução:
ela reúne fatos de diferentes proveniências, implica hipóteses indemonstráveis, pretende
explicar um grande espectro de fenômenos com poucos princípios básicos. Aqui
também surgem subdivisões do problema: haveria uma única ciência na psicanálise, ou
se tratam de várias ciências, como a linguística, a matemática, a neurologia, a psicologia
do desenvolvimento, a antropologia, que concorrem para formar os fundamentos de
uma ou de mais de uma ciência. Algo semelhante acontece quando se pensa em divisões
como o doutrinal de ciência (moderna) e o ideal de escrita pós-científico, do último
Lacan66.
O terceiro nível de consideração do problema é a crítica política ou ética do que vem
a ser o estado atual da ciência em sua organização disciplinar. Aqui o argumento se
divide entre os que advogam a extraterritorialidade da psicanálise, baseada na
irredutibilidade ética de seus procedimentos, e os que refutam, com boas indicações
críticas, a conveniência entre a ciência e os processos de individualização da

65
Freud, S. (1915) Pulsão e suas vicissitudes. Sigmund Freud Obras Completas, Amorrortu, Buenos
Aires, 1988.
66
Milner, J.C. A Obra Clara. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

modernidade, ou entre a foraclusão do sujeito e seu retorno sob forma de racionalidade


técnica, segregação e alienação. Às vezes isso é acompanhado do exame crítico das
modalidades de pesquisa prevalentes hoje em psicologia67, ou ciências humanas. A
defesa da singularidade do sujeito, contra as generalizações classificantes, que operam
no interior da metodologização dos objetos de pesquisa, do discurso do psicanalista
contra o discurso do capitalista, surgem assim como uma resistência aos fundamentos
da ciência ela mesma, ou melhor, de uma corrupção de seu projeto inicial em uma
ideologia científica. Desde Althusser até Zizek e Darian Leader esse tipo de crítica vem
se consagrando no interior da psicanálise. Contudo, o que ele apresenta em termos de
alta penetrância nas ciências sociais reverte-se, muitas vezes, em admissão de
exterioridade e de demissão epistemológica no contexto das práticas de saúde mental e
de saúde geral.
Posto tais considerações, podemos cernir nossa posição no quadro das duas
estratégias de fundamentação científica que vem caracterizando o debate
contemporâneo. A estratégia internalista nos faz dizer algo assim: nós temos nossa
própria cientificidade, com critérios que podemos apresentar em justificar em termos
universais, públicos e transmissíveis. Neste ponto costumamos cometer o equívoco de
nos opor a outras formas de ciência de tipo empírico ou positivista, sem nos
apercebermos de que o internalismo já foi absorvido pela lógica do capital científico.
Ou seja, o debate dominante não é mais saber se há características intrínsecas e
verificáveis na conceitografia psicanalítica que a tornaria admissível na Stoa da ciência.
O grande ideal unicista do método científico foi abandonado nos anos 1980. No lugar
dele emergiu uma nova cultura científica que tolera perfeitamente bem a diversidade, as
formalizações internas dos objetos, as regionalidades epistêmicas. Essa nova edição da
ciência a define por critérios tais como: a qualidade das revistas científicas, o impacto
de citações, a capacidade de se impor aos seus concorrentes “locais”, a capacidade de
obter e justificar financiamento, a força de seus quadros na administração deste grande
negócio chamado ciência. A ciência assim como a universidade da qual ela se tornou
serva, tronou-se um imenso empreendimento burocrático. Do outro lado a pesquisa
sobre a técnica se autonomizou, formando o novo casamento entre universidade-
empresa.

67
Lapeyre, M.; Sauret, J.M. (2008) A psicanálise como ciência. Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro,
v.40.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Portanto, considero um equívoco remeter a discussão atual sobre a cientificidade


apenas aos fundamentos epistemológicos ou metodológicos da psicanálise. O foco do
problema se deslocou para outra face, ou seja, a face normativa. E é no interior dos
processos de judicialização do saber e de certificação das práticas que a psicanálise tem
mais dificuldade de se posicionar. Neste ponto sua resistência costuma assumir o que há
de pior na estratégia internalista, ou seja, a endogamia. Quando advogamos que nós
temos nossos próprios critérios e que não precisamos da esfera pública para legitimar
nossa prática, ainda um último resíduo da prática liberal, isso facilmente pode se
transformar em um contra-argumento suicidário. Ou seja, entregamos a racionalidade
diagnóstica ao DSM, renunciamos a lutar pela autonomia da psicanálise no interior dos
cursos universitários, recusamos as modalidades de reconhecimento interpares em vigor
na sociedade civil (em prol de uma segmentação progressiva e divergente de nossas
associações), advogamos nossa extraterritorialidade entre as ciências, ao final nos
retiramos de todo contexto regido e organizado pela normatividade. Disso para a auto-
segregação é um passo.
Ocorre que a estratégia inversa, ou seja, o externalismo, requer uma complexidade
igualmente difícil de sustentar. Significaria abrir a pesquisa psicanalítica à outras
modalidades de investigação, exatamente como fez Lacan, a começar pela antropologia
estrutural, e a terminar pela topologia. Contudo, a dificuldade maior não reside no
externalismo epistemológico e metodológico, mas no externalismo normativo.
Quando um médico receita haloperidol para uma criança autista, ele não está
fazendo ciência e nem está agindo em nome da ciência. Ele está adotando um protocolo
de ação, formado e definido pela comparação entre pesquisas no contexto de uma
política pública, no contexto do Estado que segue tal ou qual marco regulatório, sob
influência de tal ou qual representante comercial farmacêutico, em acordo com as
recomendações de sua formação universitária, das escolhas que ele pode fazer como
clínico, mas também das considerações sobre custos e sobre a cobertura de saúde que
está em jogo nessa situação. Quando a medicina baseada em evidência introduz o
cálculo dos custos na equação que define qual estratégia clínica será adotada, esta
consideração simplesmente não tem nada de científico. Ela é uma consideração
administrativa, política e de gestão securitária.

Christian Ingo Lenz Dunker é professor livre-docente do Instituto de Psicologia da USP


Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Jornada Psicanálise, Autismo e Saúde Pública


São Paulo, 22, 23 e 24 de março de 2013
Mesa redonda: Psicanálise, Ciência e Universidade

PSICANÁLISE, CIÊNCIA E UNIVERSIDADE


Luciano Elia68
Eu havia inicialmente pensado em fazer, nesta intervenção, uma articulação que me
pareceu necessária entre a Psicanálise e a Ciência, dois termos dos três que nomeiam
esta mesa, para estabelecer que tipo de relação uma mantém com a outra, relação que
não é nada óbvia ou simples. Vamos ver, pelo andamento do que eu vou dizendo, se
isso será possível ou mesmo necessário, porque decidi fazer outro caminho.
Decido partir de outro ponto: um PONTO POLÍTICO e TEÓRICO-CRÍTICO ao
mesmo tempo, claro, mas que não desconsiderasse ou negligenciasse a dimensão
política da questão, da mesa e deste movimento, importantíssimo, a meu ver. Faço isso
inclusive para nem mesmo SECUNDARIZAR este ponto político, submetendo-o aos
caminhos teórico-discursivos.
Este ponto é o seguinte: trata-se de AFIRMAR que aquilo que se apresenta como
CIÊNCIA, hoje, sobretudo no plano PSI, neurocientífico e comportamental, a
MEDICINA DO COMPORTAMENTO, e a PSIQUIATRIA ORGANICISTA DO DSM
V, NÃO SÃO CIENTÍFICOS. É claro que é preciso ir além de dizer isso, é preciso
FUNDAMENTAR isso, cientificamente, inclusive, e acho mesmo que se me chamaram,
a mim e aos colegas desta mesa, é para trazer fundamento ao que dizemos, é para
fazermos um debate sério, acadêmico no bom sentido do termo, científico, sobre isso,
indo além do mero denuncismo ideológico, que valeria tanto quanto - isto é, tão pouco –
o rechaço, totalmente ideológico, obscurantista, medievalmente inquisidor e
discricionário que estão fazendo vergonhosamente, oficialmente, governamentalmente,
com a psicanálise no campo público, em relação ao autismo, talvez sobretudo, mas não
só em relação ao autismo, desqualificando-a como recurso a ser utilizado, apoiado pelas
políticas e verbas públicas.
Às vezes eu me pergunto de onde vem, o que sustenta tanta desfaçatez, pouca vergonha,
falta de pudor nesses atos. Os conflitos sempre existem, seja entre vertentes de teoria e

68
Psicanalista, supervisor clínico territorial dos CAPSis Pequeno Hans (1998-2011), Eliza Santa Roza
(2000-2010) e da cidade de Vitória (2009-2012), Consultor da Área Técnica do Ministério da Saúde para
a Saúde Mental de Crianças e Adolescentes (2003-2010), professor titular de Psicanálise do Instituto de
Psicologia da UERJ, membro do Laço Analítico Escola de Psicanálise.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

práxis, mais claramente ainda nas políticas públicas, que envolvem dinheiro,
reconhecimento, ação. Mas sempre se tenta dar algum fundamento aos atos de guerra
ideológica. Neste caso, no mundo de hoje, as formas do poder estão tão bem assentadas,
o capitalismo selou seu casamento com a ciência de forma tão sólida que é como se
tivessem a certeza antecipada da mais integral impunidade no que fizerem. Junto com
Freud, Marx, Lacan e Althusser, Foucault teria que retornar ao mundo para nos
orientar em nossa luta. Mas, como isso não vai acontecer, teremos que inventar um
modo de derrotar essa cruzada da frente única ciência-capital contra inimigos que não
se reduzem à Psicanálise, de que tratamos aqui, mas que nomeio logo: o pensamento
dialético, a perspectiva histórico-crítica, e a fenomenologia como método são
igualmente rechaçados (por exemplo, do ponto de vista pseudocientífico que vige, um
usuário de drogas não deve nunca ser considerado em sua perspectiva histórica e social -
isso não seria “científico”, entendem? -, em sua realidade transindividual e
psicossocial. Do ponto de vista do que se quer chamar de ciência (e se consegue, por
força do poder, unicamente, que sustenta esse obelisco de palha no vento, e que de outro
modo nem ficaria de pé por um segundo), o usuário de drogas (crack) é dependente
químico, um organismo cuja dependência é atribuída a algum fator bioquímico ou
transtorno jamais teorizado de conduta. A dialética da história social, e a experiência
imediata de sua relação com a droga, como fenômeno, são tão rechaçados quanto a
tomada da questão pela Psicanálise, como uma experiência do sujeito e do
inconsciente, que precisa ser tomada a partir de seu dizer.
No caso do autismo, o ataque é exclusivo e frontal à Psicanálise, porque é só a
Psicanálise que se tem revelado eficaz na prática clínico-institucional, territorial, para
fazer avanços importantes, em clínica e em pesquisa sobre o autismo. Mais do que na
questão do uso de drogas, o autismo coloca em evidência a questão da própria
constituição de um sujeito no quadro.
Mas, vamos aos fundamentos, que eu comecei afirmando que precisam ser dados à
afirmação de que as formas de pesquisa e de exercício clínico que rechaçam a
Psicanálise, as neurociências aplicadas e a medicina do comportamento, não são
científicas. Digo neurociências aplicadas porque as neurociências têm toda a dignidade
metodológica da ciência, e o cérebro é um mundo a ser pesquisado, estudado, e
urgentemente, diria eu. Mas quando as NC estão a serviço da ideologia psicomédica
comportamental (e ela tem estado sempre), então ela se nivela por baixo na ideologia
dominante.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Toda ciência, desde seu surgimento como ciência moderna com Galileu, parte de uma
formulação teórica (não precisa ser uma hipótese clara), mas de um ponto de vista,
uma posição no simbólico e se dirige ao real que ela pretende tornar inteligível. Não
estou falando de idealismo e racionalismo, mas do método galileano, fundador da
ciência no sentido moderno. Galileu fez importantes formulações sobre a astronomia,
sobre as posições e movimentos dos astros, e as submeteu à observação pelo telescópio,
por exemplo. Mas não foi o telescópio que informou Galileu. Foram conceitos
esboçados por Galileu que o levaram a construir o telescópio e observar astros. O
telescópio é o instrumento, não é o gênio do saber. Disse então coisas que levaram a
Igreja e a Inquisição a interrogá-lo, detê-lo, fazê-lo desmentir para não ser queimado,
como Giordano Bruno foi. Galileu, mais malandro, negou legal o que ele disse lá dentro
da câmera de torturas, mas na saída, gritou: “Mas que se move, se move”, e deu no pé,
porque não era besta de ficar ali esperando as labaredas. Estamos mais ou menos na
posição de Galileu, sendo queimados em fogueiras secularizadas, expulsos da cidade
da ciência e da política pública.
Mas prossigamos nos fundamentos. Galileu introduziu letras, álgebra, literalizou o real
da física, recorreu à matemática. Com isso chegou a um elevado grau de inteligibilidade
deste real, permitindo que seu filho e sucessor, Newton, viesse a formular leis que
violentaram a compreensão imediata dos fenômenos físicos (queda do corpo pela lei
da gravitação universal, o que permitiu a Kant filosofar sobre a racionalidade universal
e transcendental). O que o método científico faz é munir o cientista de recursos para
enfrentar o real e simbolizá-lo, passível de entendimento. Mas de forma alguma o
método científico admite que se inicie qualquer investigação com o que se chama de
petição de princípio. Seu princípio é uma ideia, que deverá ser submetida à
experiência. Por isso método hipotético-dedutivo, do qual a última etapa – e não a
primeira – é a prova experimental.
O que faz a medicina do comportamento hoje? Ela deliberadamente despreza toda e
qualquer possibilidade de que o real seja diverso daquilo que sua petição de princípio
estabelece. Vamos ao autismo, que nos interessa aqui a todos, e que é um excelente
exemplo disso. Um psicólogo comportamental não olha para o autismo com o olhar
instigado por um enigma do real, perguntando: “o que será isso, meu Deus, ou se me
permitem, que porra é essa, esse menino que se bate, que não fala, mas entende, desde
que alguém se digna a dirigir-lhe atos de fala e linguagem, que tapa os ouvidos para o
verbo não entrar demais, que anda meio de lado, enviesado, que não fixa o olhar, que
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

se cobre de cocô, que joga tudo longe, que acende e apara interruptores
ininterruptamente, que se rejubila com água corrente, etc. etc. etc.”. O psicólogo
comportamental diz: esse transtorno invasivo do desenvolvimento (observem que essa
denominação não problematiza, mas afirma, implícita e indiscutidamente, a ideia de
desenvolvimento que Galileu, ou seja, a posição científica, mesmo que com toda a
liberdade de ideias que deve assistir à ciência, no caso a ideia de desenvolvimento, teria
colocado à prova. Há uma petição de princípio: trata-se de um transtorno de
desenvolvimento, transtorno invasivo, marcado por condutas típicas que precisamos
remover para aumentar o nível de competência pragmática e social desta criança.
Nenhum enigma, nenhum real a ser elucidado. Nenhuma ciência.
Isso me faz recordar de um episódio real que presenciei: um psiquiatra, atendendo a
uma mãe de autista que lhe diz que só se deu conta de que estava grávida do filho (que
veio a se tornar autista) aos 7 meses de gravidez (e que pretendia contar ao referido
psiquiatra as circunstâncias - de resto, preciosíssimas - de como se deu conta disso, mas
não conseguiu fazer isso), disse a ela que isso não tinha a menor importância no quadro
clínico e que o que importava era que ela levasse o filho para um exame para detectar
áreas cerebrais afetadas nas crianças autistas. O instrumento assume o comando sobre as
ideias e conceitos, e um fragmento espantoso do real - o relato da mãe sobre esse
incomum desconhecimento de uma gravidez - é declarado "sem importância alguma no
quadro". Que cientista sério despreza o real que se lhe apresenta em nome do
abstracionismo imaginário (das imagens cerebrais, e do imaginário da compreensão de
todo sentido)?
Há, assim, outras petições de princípio complementares: HÁ DE HAVER uma base
orgânico-cerebral para esse comportamento todo assim descrito. Entendem isso? Há de
haver... Não faltará esse componente. Uma vez, em um debate na cidade de Belém,
2009, o CONPSI, Congresso Norte-Nordeste de Psicologia, ao qual fui convidado para
uma mesa especialmente criada pelos próprios organizadores, não resultante do
acolhimento das propostas dos participantes inscritos, portanto, em função do que eu
andava dizendo aos quatro ventos sobre isso, e que ofendeu a sociedade de psicologia
comportamental, também presente à mesa, uma pesquisadora, aliás do Rio, da PUC-
Rio, ao ser perguntada por uma pesquisadora crítica sobre o estatuto de um tal fator
biológico obscuro que estaria (necessariamente) na base da etiologia do autismo,
respondeu: “É, as pesquisas ainda não conseguiram detectar que fator é esse”. Mas,
diante da perplexidade da outra pesquisadora, que dizia: Mas como, então, vocês
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

afirmam que um fator obscuro ainda não detectado existe na base da etiologia de um
quadro como o autismo? Que espécie de rigor científico norteia vocês? A pesquisadora
da PUC respondeu: “A comunidade científica internacional – da qual ela
sistematicamente excluía a Psicanálise, como não fazendo parte desta comunidade –
avalia que este fator existe”. Bem, ele há de existir, não importa se o caminho
metodológico fará encontrá-lo ou não. Isso, meus caros, não é ciência, é dogma,
religião, mais do que ideologia.
Confrontemos esse procedimento com o de Freud, num exemplo clássico, o das
paralisias motoras. Em 1891, vejam bem, antecedentes da Psicanálise, primórdios, pré-
história, Freud, excelente pesquisador neurologista, cientista rigoroso, encontra-se com
uma perna paralisada. Ele conhecia melhor que ninguém a ciência neurológica, que
dispunha de uma lei chamada CÉFALO-CAUDAL E PRÓXIMO-DISTAL, segundo a
qual toda paralisia motora, e toda paralisia era organicamente determinada, deveria
seguir, ao longo de um feixe neuronal, a LEI (científica) de atingir primeiro as áreas
motoras controladas por segmentos MAIS PRÓXIMOS do encéfalo e depois os mais
distantes, na cauda medular (céfalo-caudal e próximo-distal). No entanto, pacientes
que ele atendia paralisavam movimentos ligados a áreas mais distantes E NÃO
PARALISAVAM movimentos ligados a áreas mais próximas (por exemplo,
paralisavam o braço mas moviam o ombro). Isso era um contrassenso, um absurdo
fenomênico, um refutador empírico, um escândalo, enfim. Ou aquela paciente estava
FINGINDO, simulando, como se diz, ou teriam que rever a lei neurológica das
paralisias motoras orgânicas. Acontece que essa lei era sólida, gozava do que Popper
chamaria de alto grau de corroboração empírica, não seria fácil nem cientificamente
plausível derrubá-la não. Ocorreu então a Freud a posição do cientista: ”que é isso?”
“que porra é essa”?, o enigma que o real coloca a um espírito verdadeiramente
científico. Será que não estamos diante de um fenômeno até hoje desconhecido da
ciência neurológica? Bem, o que resultou disso? Freud postulou, como Galileu, a
possibilidade CIENTÍFICA da existência de paralisias motoras que NÃO FOSSEM
ORGANICAMENTE DETERMINADAS. Conceituou-as (produziu conceito)
PARALISIAS MOTORAS HISTÉRICAS, que não respeitavam a LEI CÉFALO-
CAUDAL PRÓXIMO-DISTAL sem com isso precisar derrubar a teoria neurológica,
consistente em seu campo. Pois que disse mais, disse que as paralisias motoras
histéricas decorrem do conhecimento que o SENSO COMUM tem da anatomia.
Imaginam isso? Alguém dizer, no ambiente científico, que o senso comum – e não o
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

conhecimento científico dos feixes neuronais em sua distância para com os centros
cerebrais – é que rege a geografia, o mapa anatômico de uma paralisia histérica? Freud
não sabia que sua coragem científica o levaria à criação de um campo novo, a
Psicanálise.
O que faria um psicólogo comportamental, um psiquiatra organicista, um gestor público
atual, um deputado comprado pelo lobby dos laboratórios de psicofármacos de controle
comportamental? Manteriam a histérica como simuladora? Depende, se a histérica fosse
um IMENSO MERCADO em uma época como a de hoje, os psicólogos e psiquiatras
médico-comportamentais fariam o que estão fazendo com o autismo, iam querer se
apropriar da histeria e dizer que a Psicanálise é ineficaz com a histeria.
Será? Mas a histérica é por demais rebelde a esse tipo de manobra de mestre, pois ela,
como demonstra Lacan, já vem com o pão da castração quando o mestre vai com a
farinha do significante que a vela. Ela sabe que o mestre é castrado, aliás, ela sabe
porque ela É O MESTRE CASTRADO exibindo sua divisão no laço social. Os
psicólogos e pseudocientistas de hoje não teriam tido sucesso com as histéricas não.
Com os autistas, pareceria que sim, eles se deixariam moldar. Será? Penso que não. Os
pseudocientistas têm sucesso com as famílias dos autistas, assim como os gestores da
direita tecnocrática, da internação compulsória, têm sucesso com a classe média, refiro-
me à clássica, aquela que vive ansiando por uma ordem social higienista e fascistóide.
Os autistas, estes, são ainda mais rebeldes do que as histéricas. E proponho que os
tomemos no mesmo lugar, homólogo, que elas ocuparam há 100 anos. A psicanálise
está diante de um desafio bastante diferente, talvez refundador, porém homólogo àquele
que resultou na sua fundação.
Que refundemos, reinventemos, pois, a Psicanálise, desta vez com inimigos sociais mais
armados, um capitalismo que aprendeu o micro político além do macro, que perverteu
as estratégias que poderiam combatê-lo, colocando-as a seu favor. Sejamos mais
estratégicos ainda, guerrilheiros do discurso (e talvez de outros instrumentos também...),
saibamos como reinventar a relação da pesquisa com uma verdadeira ciência na
Universidade, na Clínica e na Política Pública. Mas, atenção: o momento é de guerra.

Obrigado.
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Instituições participantes do Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública:

Universidades:
FEUSP (professores: Leny Mrech, Rinaldo Voltolini, Leda Bernardino)
FMUSP (professor Wagner Ranna)
Grupo de estudo sobre a criança (e sua linguagem) na clínica psicanalítica -
GECLIPS/UFUMG
IPUSP (professores Cristina Kupfer, Christian Dunker, Rogerio Lerner)
PUC /RJ (professora Beatriz Souza Lyma)
Psicologia PUC /SP (professores (Silvana Rabello, Isabel Khan)
Fono PUC/SP (professores Claudia Cunha, Luiz Augusto P. Souza, Regina Freire)
UERJ (professor Luciano Elia)
UFBA - ambulatório infanto-juvenil da Residência em Psicologia Clínica e Saúde Mental
do Hospital Juliano Moreira/UFBA-SESAB (professora Andréa Fernandes)
UFMG (professora Angela Vorcaro)
Laboratório de Estudos Clínicos da PUC Minas (professor Suzana Faleiro Barroso).
UFPE (professora Joana Bandeira de Melo)
UFRJ (professora Ana Beatriz Freire)
UFSM (professora Ana Paula Ramos)
UnB (professores Izabel Tafuri, Marilucia Picanço)
Unesp Bauru (professores Edson Casto, Erico B. Viana, Cristiane Carrijo)
UNICAMP (Nina Leite)
Univ. Católica de Brasília (professora Sandra Francesca)
Setor de Saúde Mental do Departamento de Pediatria da UNIFESP
Centro de Referência da Infância e da Adolescência - CRIA/UNIFESP
DERDIC/PUCSP (professores Sandra Pavone, Yone Rafaele, Lucia Arantes e Carina Faria)
Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais (FCMMG) (professora Paula Pimenta)

Instituições de Psicanálise

ALEPH - Escola de Psicanálise


Associação Psicanalítica de Curitiba- APC
Circulo Psicanalítico MG
Círculo Psicanalítico de Pernambuco CPP
EBP/SP ( escola brasileira de psicanálise)
EBP/MG ( escola brasileira de psicanálise)
EBP/RJ ( escola brasileira de psicanálise)
Escola Letra Freudiana
Espaço Moebus/BA
Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano - Brasil (EPFCL-Brasil)
Fórum do Campo Lacaniano - São Paulo (FCL-SP)
IEPSI
Associação Psicanalítica de Porto Alegre -APPOA
Instituto APPOA
IPB - Intersecção Psicanalítica do Brasil/NEPP
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Grupo de Estudos da clinica com bebês e intervenção precoce da Sociedade Brasileira


de Psicanálise de São Paulo
Grupo de Estudos e Investigação dos TGD da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São
Paulo
Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae (SEDES)
Departamento de Formação em Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae (SEDES)
Departamento de Psicanálise da Criança do Instituto Sapientiae (SEDES)
Espaço Potencial Winnicott do Depto. Psicanálise da Criança do Instituto Sedes
Sapientiae (SEDES)
Curso de Psicossomática Psicanalítica do Instituto Sedes Sapientiae (SEDES)
Núcleo de Investigação Clínica Hans da Escola Letra Freudiana
Sigmund Freud Associação Psicanalítica/RS
GEP - Grupo de Estudos de Psicanálise de Campinas
NEPPC/SP
Instituto da Família –IFA/SP

Centros de atendimentos não governamentais

Ateliê Espaço Terapêutico/RJ


Attenda/SP
Centro de Atendimento e Inclusão Social CAIS/MG
Carretel - Clínica Interdisciplinar do Laço/SP
Carrossel/BA
Centro da Infância e Adolescência Maud Mannoni CIAMM
CERSAMI de Betim
Centro de Estudos, Pesquisa e Atendimento Global da Infância e Adolescência -
CEPAGIA/Brasília/DF
Clínica Interdisciplinar Mauro Spinelli/SP
Centro de Pesquisa em Psicanálise e Linguagem de Recife - CPPL
Escola Trilha
ENFF
Espaço Escuta de Londrina
Espaço Palavra/SP
GEP-Campinas
GLUBE/SP
Grupo Laço/SP
Grupo de Pesquisa CURUMIM do Instituto de Clínica Psicanalítica/RJ
Incere
Instituto de Estudo da Familia INEF
Insituto Langage
Instituto Viva Infância
LEPH/MG
Lugar de Vida
Centro Lydia Coriat de Porto Alegre
NIIPI/BA
NINAR – Núcleo de Estudos Psicanalíticos
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

NÓS - Equipe de Acompanhamento Terapêutico


Projetos Terapêuticos/SP
Trapézio/SP
Associação Espaço Vivo/RJ

Centros de atendimentos do governo

Caps Pequeno Hans/RJ


Capsi Guarulhos/SP
Capsi-Ipiranga/SP
Capsi-Lapa/SP
Capsi Mauricio de Sousa/Pinel-RJ
Capsi Mooca/SP
CAPSI-Taboão/SP
CAPSI de Vitória
CARM/UFRJ
NASF Brasilandia/SP
NASF Guarani/SP
UBS Humberto Pasquale/SP
Centro de Orientação Médico-Psicopedagógica - COMPP/SES-DF
Capsi COMPP/SES-DF
Capsi Campina Brande/PB

Associações

ABEBÊ – Associação Brasileira de Estudos sobre o Bebê.


ABENEPI/Maceio
ABENEPI/RJ
ABENEPI/BSB
Associação Metroviária do Excepcional AME
Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental
CRP/SP ( conselho regional de psicologia)

Hospitais

Centro Psíquico da Adolescência e Infância da Fundação Hospitalar do Estado de


Minas Gerais (CePAI/FHEMIG)
CISAM/UPE - Centro Integrado de Saúde Amauri de Medeiros – Universidade de
Pernambuco
HCB(Hospital da Criança de Brasilia)
Serviço de psicossomática e saúde mental do Hospital Barão de Lucena -HBL/ Recife
Hospital Einstein
IEP/HSC Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital de Santa Catarina
Hospital Pinel
Hospital das Clínicas – Universidade de Pernambuco

Revista
Movimento Psicanálise, Autismo e Saúde Pública

Revista Mente e Cérebro

Grupo de pesquisa
PREAUT BRASIL
Grupo de pesquisa IRDI nas creches

Você também pode gostar