Você está na página 1de 55

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

FERRAMENTA PARA AUTOMATIZAR NÚCLEOS (NAGIOS) DE


TELECOMUNICAÇÕES EM UMA EMPRESA DO (PIM).

MANAUS, AMAZONAS
2015
JÚLIO RIBEIRO DE OLIVEIRA

FERRAMENTA PARA AUTOMATIZAR NÚCLEOS (NAGIOS) DE


TELECOMUNICAÇÕES EM UMA EMPRESA DO (PIM).
Projeto de conclusão de curso desenvolvido
durante a disciplina de Projeto Final e
apresentada à banca avaliadora do Curso de
Ciência da Computação, do Centro
Universitário de Ensino Superior do
Amazonas - CIESA, como pré-requisito para
a obtenção do título de Bacharel em Ciência
da Computação.

Orientadores: Profa. Janaina Silva de Souza

MANAUS, AMAZONAS
2015
TERMO DE APROVAÇÃO

JULIO RIBEIRO DE OLIVEIRA

FERRAMENTA PARA AUTOMATIZAR NÚCLEOS (NAGIOS) DE


TELECOMUNICAÇÕES EM UMA EMPRESA DO (PIM).

Este trabalho de conclusão de curso julgado


adequado para a obtenção do título de
bacharel em Ciência da Computação e
aprovado em sua forma final pela
Coordenação do Curso de Ciência da
Computação do Centro Universitário de
Ensino Superior do Amazonas.

Apresentado à Comissão Examinadora integrada pelos professores:

Aprovado em: _____/_____/_________

_________________________________________
Janaina Silva de Souza, Msc.

_________________________________________
Janainny Sena Carvalho, Msc.

_________________________________________
Aldemir Malveira de Oliveira, Dr.

MANAUS, AMAZONAS
2015
RESUMO

Este trabalho faz uma abordagem sobre o Sistema de Gerenciamento de


Telecomunicações (SGT), de modo a comparar algumas ferramentas open source
disponíveis no mercado. Com base nos estudos das ferramentas, o Nagios foi a
ferramenta escolhida para comprovar a eficácia dos softwares de monitoramento. O
estudo tem por finalidade analisar as especificidades e prerrogativas do Sistema
Nagios em relação a outros softwares de monitoramento existente no mercado e,
implanta-lo em uma empresa de Disjuntores localizada no Polo Industrial de
Manaus. O Sistema de Gerenciamento em Telecomunicações surgiu a partir da
necessidade das empresas estarem conectadas as suas filias. Todavia, com a
multiplicidade de redes, também surgiram uma série de falhas. Por isso, a expressão
“estamos sem sistema” ficou tão popular em vários estabelecimentos. A metodologia
adotada partiu de uma pesquisa minuciosa de material cientifico, tais como: livros,
artigos, monografias, teses e dissertações. Em seguida, a ferramenta foi aplicada na
empresa de Disjuntores. O estudo revelou que a aplicação do software Nagios nas
empresas, é uma das melhores alternativas para resolver os problemas de rede,
isso porque ele apresenta o problema logo que ocorre, o que fornece meios para
identificar a verdadeira fonte de problemas; e notificações que permitem respostas
imediatas a falhas nos servidores conectados à rede.

Palavras-chave: SGT; Nagios; Redes de monitoramento.


LISTA DE FIGURAS

Figura 1 – Estrutura da Gerencia de Redes .............................................................. 12


Figura 2 – Interface web para adicionar dispositivos ................................................. 15
Figura 3 – Interface web do zenoss .......................................................................... 17
Figura 4 - Arquitetura do Zenoss ............................................................................... 18
Figura 5 – Arquitetura principal do Nagios ................................................................ 21
Figura 6 – Interação do Nagios com seus componentes principais .......................... 22
Figura 7 – Tela inicial do Nagios ............................................................................... 24
Figura 8 – Nagios.cfg ................................................................................................ 25
Figura 9 – cgi.cfg ....................................................................................................... 25
Figura 10 – Os plugins .............................................................................................. 26
Figura 11 – Status de notificação do Nagios ............................................................. 27
Figura 12 – Alerta status critico via e-mail ................................................................. 28
Figura 13 – Alerta status critico via sms .................................................................... 29
Figura 14 – Países que mais utilizam o Nagios......................................................... 29
Figura 15 – Empresas que utilizam o Nagios ............................................................ 30
Figura 16 – Ambiente Monitorado ............................................................................. 33
Figura 17 – Monitoramento do espaço em disco....................................................... 36
Figura 18 – Monitoramento da Porta 80 e Banco de Dados ..................................... 36
Figura 19 – Monitoramento do Nagios ...................................................................... 37
Figura 20 – Monitoramento da Memória Ping ........................................................... 38
Figura 21 – Monitorando Alertas ............................................................................... 38
Figura 22 – Ping ........................................................................................................ 39
Figura 23 – Gastos com Suporte Técnico ................................................................. 42
LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Quadro comparativo das Ferramentas ..................................................... 41


LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

CEP Customer Premises Equipment


CPU Central Processing Unit
FAN Fully Automated Nagios
GB Gigabyte
GCC GNU Compiler Collection
GPL General Public License
HD Hard Disk
HTTP Hyper Text Transport Protocol
IP Internet Protocol
ISSO International Organization for Standardization
LAN Local Área Network
MRTG Multi Router Traffic Grapher
MTA Mail Transfer Agent
PHP Hypertext Preprocessor
PIM Polo Industrial de Manaus
POP3 Post Office Protocol
QoS Quality of Service
SGT Sistema de Gerenciamento de Telecomunicações
SMS
Short Message Service
SMTP Simple Mail Transfer Protoco
SNMP Simple Network Management Protocol
TI Tecnologia da Informação
UCD User Centered Design
WAN Wide Area Network
Rede mundial de computadores que trocam informações através do
WEB
HTTP.
Sumário
1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 1
2. OBJETIVOS ............................................................................................................ 3
2.1 Objetivo Geral .................................................................................................... 3
2.2 Objetivos Específicos......................................................................................... 3
3. JUSTIFICATIVA ...................................................................................................... 4
4. PROBLEMA ............................................................................................................ 5
5. HIPÓTESE .............................................................................................................. 6
6. METODOLOGIA...................................................................................................... 7
7. CONCEITOS BÁSICOS .......................................................................................... 8
7. 1 O Sistema de Gerenciamento de Telecomunicações ....................................... 9
7.2 Gerenciamento de rede ................................................................................... 10
7.3 Estrutura do monitoramento ............................................................................ 11
7.3.1 SNMP ........................................................................................................ 12
7.3.2 MIB ............................................................................................................ 13
7.3.3 Agentes ..................................................................................................... 13
7.3.4 Gerente ..................................................................................................... 13
8. FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE REDES DO MERCADO ................ 13
8.1 Zabbix .............................................................................................................. 14
8.1.2. Pontos fortes ............................................................................................ 16
8.1.3 Pontos Fracos ........................................................................................... 16
8.2 Zenoss ............................................................................................................. 16
8.2.1 Pontos fortes ............................................................................................. 18
8.2.2 Pontos fracos ............................................................................................ 18
8.3 Nagios.............................................................................................................. 19
8.3.1 Pontos fortes ............................................................................................. 19
8.3.2 Pontos fracos ............................................................................................ 20
8.4. Por que o Nagios foi escolhido? ..................................................................... 20
9. A ESTRUTURA DO NAGIOS ................................................................................ 21
9.1 Pré-requisitos de Configuração do Nagios ...................................................... 22
9.2 Instalação da Ferramenta ................................................................................ 22
9.3 Configuração do Nagios .................................................................................. 24
9.3.1 Nagios.cfg ................................................................................................. 24
8.3.2 CGI.CFG ................................................................................................... 25
9.4. Os plug-ins...................................................................................................... 25
9.5. Os alertas ....................................................................................................... 27
9.5.1 Alertas via e-mail ....................................................................................... 27
9.5.2 Alertas via sms .......................................................................................... 28
10. USO DO NAGIOS EM GRANDES EMPRESAS ................................................. 29
10.1 Casos de sucesso em Manaus (AM) ............................................................. 30
10.1.1 Semed ..................................................................................................... 30
10.1.2 Cecil Concorde ........................................................................................ 31
10.1.3 Lojas Bemol ............................................................................................ 31
11. NAGIOS X ZENOSS: MOMENTO PRÁTICO ..................................................... 32
11.1 Cenário .......................................................................................................... 32
11.2. Estado dos serviços de rede da empresa sem software de monitoramento. 33
11.3. Proposta de solução de monitoramento de rede. ......................................... 34
11.4 Serviços Monitorados .................................................................................... 34
11.4.1 Wi-Fi ........................................................................................................ 35
11.4.2 Roteador ................................................................................................. 35
11.4.3 Intranet .................................................................................................... 35
11.4.4 Switch...................................................................................................... 35
11.4.5 impressoras ............................................................................................. 36
11.4.6 Monitoramento do Espaço em Disco....................................................... 36
11.4.7 Monitoramento da Porta 80 e Banco de Dados ...................................... 36
11.4.7 Monitoramento da Memória .................................................................... 37
11.4.8 Monitoramento da Internet ...................................................................... 37
12. RESULTADOS DA AMOSTRA ........................................................................... 39
13. ESTADO DA EMPRESA APÓS IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE NAGIOS ..... 41
14. CONCLUSÃO...................................................................................................... 43
REVERENCIAS BIBLIOGRAFICAS .......................................................................... 45
1

1. INTRODUÇÃO

À medida que a rede de computadores se tornou mais popular, todo o


aspecto da vida tem sido deslocado para a tecnologia da informação, resultando em
um aumento de poder da computação, partilha de recursos e comunicação entre
vários usuários. Esse aumento nas tecnologias de rede coloca desafios ao
administrador de redes sobre como gerir e controlar novas redes. A diversidade de
redes implica em desafios aos administradores, o que pode causar problemas em
todo o sistema. Os desafios de gerenciamento de rede crescem na mesma
proporção em que se expandem, ocasionando na necessidade de gerenciar tais
redes.
Existem muitas ferramentas de gerenciamento de rede disponíveis, alguns
são gratuitos ou parcialmente livres e outros não são. Esses aplicativos usados para
lidar com questões de gestão de rede, a escolha pode ser feita de acordo com o
requisito da rede. Neste trabalho, um aplicativo de código aberto de gerenciamento
de rede chamado Nagios será abordado. Essa ferramenta de gerenciamento é
usada para examinar e demonstrar o monitoramento de rede, da infraestrutura de
rede e prestação de alertas quando modificações ou problemas são detectados.
Esse exercício será o foco deste trabalho.
O presente trabalho visa explorar o gerenciamento de rede e demonstrar
como os problemas relacionados com a rede podem ser monitorados e atendidos
com a ajuda de um aplicativo de monitoramento open source. Essa meta será
alcançada através da implementação dessa ferramenta em uma empresa de
disjuntores localizada no Polo Industrial de Manaus (PIM).
As partes restantes do trabalho é destacado como segue: Capitulo II dá uma
explicação sobre Sistema de Gerenciamento de Telecomunicações (SGT),
apresenta os conceitos básicos e uma breve apresentação dos principais sistemas
de monitoramento de rede usados no mercado, apresenta o Nagios; e por fim, define
porque escolhi o Nagios como a ferramenta a ser estudada e posta em prática nesse
trabalho.
Capitulo III apresenta o Nagios em detalhes a partir da sua estrutura, pré-
requisitos, instalação, configuração e a forma como são feitos os alertas.
2

Capitulo IV, apresenta um quadro do uso do Nagios em grandes empresas a


nível nacional e internacional; e casos de sucesso em empresas no cenário local.
Capitulo V faz uma comparação entre o software Nagios e o Zenoss.
No capitulo VI são apresentados os resultados alcançados na empresa com a
implantação do Nagios.
3

2. OBJETIVOS

2.1 Objetivo Geral

Analisar as ferramentas de gerenciamento de redes mais conhecidas no


mercado e aplicar uma delas em uma empresa de disjuntores localizada no Polo
Industrial de Manaus.

2.2 Objetivos Específicos

Quanto aos objetivos específicos, busca:


a). Implantar um Sistema de Gerenciamento de Telecomunicações que
melhor atenda às necessidades da empresa em questão.
b). Pesquisar os mais diversos tipos de sistema de gerenciamento de redes
no mercado.
c). Analisar as prerrogativas, além do custo benefícios.
d). Demostrar como questões que surgem a partir da rede podem ser
monitorados e atendidos com ajuda de um aplicativo de monitoramento, o Nagios.
e). Relatar os resultados encontrados e casos de sucesso da ferramenta no
mercado.
4

3. JUSTIFICATIVA

Com o crescimento massivo da Internet, aumentou simultaneamente a


procura por diferentes tipos de serviços nas redes de comutação por pacotes. Tais
redes deixam de transmitir de forma exclusiva, dados para permitir a transmissão de
áudios e vídeos com qualidade próxima a das redes de comutação por circuito.
Porém, para que isso seja possível, a rede deve ser capaz de disponibilizar serviços
dentro de certos parâmetros de qualidade no que trata de largura de banda, atraso,
variação do atraso e perda de pacotes. A evolução da tecnologia de transmissão
óptica tem feito a velocidade das redes cresceram de maneira célere. Contudo, o
problema de congestionamento não tem sido solucionado de maneira satisfatória
quando a demanda é superior à transmissão, e esse tem se tornado um dos
principais gargalos para se atingir a desejada qualidade requisitada pelos serviços
citados. O uso da Internet como uma rede multisserviços tem repercutido a
proposição de mecanismos de QoS (Qualidade de Serviço), levando em conta que a
Internet foi concebida para prover serviços que primordialmente não demandam
garantia de banda, limites de atraso e variação do atraso (jitter), isto é, seguia o
serviço de melhor esforço.

Analisar o desempenho da rede ainda pode ser relevante quando se almeja


instalar um novo serviço que incorrerá em um tráfego pesado e intenso,
possibilitando analisar se a rede acomodará este novo serviço e, caso contrário,
assessorar no redimensionamento de uma nova topologia. Assim sendo, faz-se
imprescindível a caracterização e posteriormente, a modelagem de tráfego e análise
de desempenho do sistema, com algumas métricas a serem delineadas, por
exemplo: tempo de resposta (total, por componente); taxa de transmissão
(throughput); utilização; escalabilidade; disponibilidade; confiabilidade; em meio a
outros.
5

4. PROBLEMA

As redes de computadores foram pensadas, a princípio, como um mecanismo


para permitir o compartilhamento de recursos caros, tais como impressoras,
modems de alta velocidade, etc, existindo apenas em ambientes acadêmicos,
governamentais (principalmente em organizações militares) e em empresas de
grande porte. Estes sistemas de gerenciamento de rede precoces eram
normalmente projetados para monitorar e registrar um grande volume de
informações a partir dos dispositivos de rede. Tais informações eram interpretadas e
avaliadas por um administrador de rede experiente. Apesar do administrador possuir
conhecimento hábil da rede, tornou-se muito difícil e caro para o administrador
manusear a rede; uma vez que os dispositivos de redes inteligentes se
multiplicavam mais e mais, chegando a complexidade que é na atualidade.
Com base no exposto acima, foi necessário proporcionar redes
automatizadas no sistema de gestão que podem sistematizar o conhecimento do
especialista em redes, de modo que os problemas comuns podem ser detectados,
isolados e fixados por alerta a equipe de TI antes que tais problemas se tornem
críticos. Neste sentido, numa tentativa de garantir uma rede saudável, é necessário
adotar um método automatizado, mecanismo para organizar e gerenciar a rede.
Esses mecanismos são geralmente implementados numa forma de programa de um
ou mais computadores, conhecidas como rede, sistema de gestão ou aplicação.
6

5. HIPÓTESE

Como possíveis resultados, afirma-se que a utilização de um software de


monitoramento pode representar um crescimento na confiabilidade da equipe de TI.
Os alertas promovidos pelo software são fundamentais para que os problemas
possam ser identificados e solucionados com o menor transtorno para o usuário.
7

6. METODOLOGIA

Para este projeto o tipo de pesquisa utilizado será pesquisa descritiva e a


pesquisa aplicada.
A pesquisa descritiva tem como objetivo expor as características de uma
determinada população ou de um determinado fenômeno. Sendo assim, segundo
Vergara (2014), a pesquisa descritiva é aquela onde além de expor as
características, se pode ainda estabelecer correlações entre variáveis, definindo sua
natureza e não têm a compromisso em explicar os fenômenos que descreve.
A pesquisa aplicada, ainda segundo Vergara (2014), se caracteriza por aplicar
os conhecimentos teóricos já adquiridos na resolução de um problema existente na
vida prática, ela é uma ponte entre a teoria e a prática.
8

7. CONCEITOS BÁSICOS

A multiplicidade de desafios inerentes à realidade globalizada e competitiva


dos processos industriais tem impulsionado o desenvolvimento de instrumentos
diversos visando a essencial sincronização de sistema de informação gerencial
dentro dos processos organizacionais.
Devido aos avanços tecnológicos, a maioria das empresas estão investindo
em tecnologia da informação onde a maioria possuem uma conexão de dados, onde
o seu monitoramento é feito por um programa de código aberto de monitoramento
de redes conhecido como Nagios. Este programa verifica constantemente a
disponibilidade do serviço local ou remoto e avisa por meio de e-mail ou celular caso
ocorra algum problema de conexão nestas unidades.
O monitoramento dessas empresas e filias deve ser feito constantemente
devido à necessidade desta comunicação ficar sempre em pleno funcionamento.
Segundo Torres (2009), define-se como sistema o conjunto de objetos ou
pessoas intrinsecamente relacionadas entre si para um determinado fim ou
propósito. Nesse contexto, uma rede de comunicações diz respeito a um sistema de
dispositivos eletrônicos, objetos e pessoas intrinsecamente interligadas tendo como
objetivo básico o compartilhamento de recursos.
Essa conexão tem como finalidade o transporte de dados contendo
informações pertinentes às tarefas realizadas em cada unidade, como por exemplo,
sistemas que trabalham via Web juntamente com os fornecedores, como no caso da
empresa de fornecimento de matérias disponibilizando informações como
cronogramas, agendas, orçamentos, entre outras informações. Assim como a outros
fornecedores necessitam desta conexão permanente para tráfego de informações.
Um problema comum que ocorre nessas empresas de grande porte é a
“queda” da conexão tornando os fornecedores um público off-line, até ser corrigido o
problema. Estes problemas são geralmente causados por defeitos nos
equipamentos de rede.
Gerir um sistema trata-se de supervisionar e controlar sua operação para
que ele atenda aos requisitos tanto dos usuários quanto de seus proprietários.
(SLOMAN, 2010).
Dessa forma, o presente trabalho aponta a relevância em soluções para
problemas existentes nas grandes empresas que necessitam de uma gestão
9

empresarial para o processo decisório, pois ele consolida o plano de atuação das
empresas, produção de informações céleres e de qualidade, que resultarão em
maior produtividade, melhor e maior satisfação interna, melhor imagem externa,
celeridade em atividades rotineiras, ajudando na redução de desperdícios e
maximização dos lucros.
Além disto, a identificação do problema tem sido tardia em decorrência de
falhas na comunicação entre os setores envolvidos nos processos de produção o
que tem obstaculizado a tomada de decisão para resolução do ponto crítico.

7. 1 O Sistema de Gerenciamento de Telecomunicações

O sistema de gerenciamento de Telecomunicações visa automatizar os


processos do núcleo de Comunicação, fazendo a integração entre um Sistema de
Controle de Abertura de Chamado.
O Sistema de Abertura de chamados visa fazer o cadastro das informações
de um link de internet instalado. Este link de internet está ligado a um roteador que
possui uma rede de computadores. Os roteadores geram um número de circuitos de
dados que estão ligados a um CPE – significa um roteador, a um endereço físico
que o circuito está instalado, e cada circuito possui uma topologia de rede, que
conforme a topologia estará ligado a um IP lan – rede interna, uma WanA
Concentrador que seria a ponta do Cliente e uma WanB que seria a Ponta do Setor
de Telecomunicações.
As vantagens da aplicação de Tecnologia da Informação no processo de
automatizar o setor de telecomunicações mostraram uma melhoria no processo de
identificação da perda de conexão com as filiais e acelerou a abertura dos
chamados junto aos provedores de serviços de conexão minimizando os erros de
entrada e no tratamento dos dados.
Este sistema contribuiu para o aumento de produtividade das filiais, visto que
o tempo de atendimento para restabelecer a perda de conexão diminuiu, pois, o
Setor de telecomunicação agora consegue visualizar em tempo real todos os
circuitos e equipamentos que estão instalados na Empresa laboratório. O
desenvolvimento deste sistema automatizou o setor de telecomunicações da
Empresa trazendo agilidade e auxiliando na tomada de decisões.
10

Este trabalho despertou interesse de outras empresas que possuem


atividades semelhantes e com os mesmos problemas. Inclusive essa solução já está
sendo adotada em empresas que possuem filiais e precisam manter o controle de
seus links de dados e trafego de redes.

7.2 Gerenciamento de rede

Gestão de rede é uma forma de gestão e manutenção de operações de rede e


responde as alterações na rede de acordo com as necessidades do usuário. O
ambiente de rede é desafiante e demorado para gerenciar uma quantidade grande
de dispositivos e serviços de rede, verificando manualmente. Contudo, atualmente é
sábio implementar um Simple Network Management Protocol (SNMP) para monitorar
esses serviços.
A implementação do sistema de monitoramento simples ajuda a controlar o
seguinte:
 Disponibilidade e acessibilidade de dispositivos e serviços de rede;
 Desempenho e serviços de rede;
 Conservação de operação de redes;
 Manter um rastro de auditoria de alterações;
 Fácil de programar o tempo de atualização.
Portanto, o principal objetivo de gerenciamento de rede é identificar os problemas
de rede, auxiliando na ação e correção antes que os usuários finais identifiquem o
problema. O segundo ponto importante é que o sistema permite visualizar as
tendências de dispositivos e serviços de rede em toda a rede. Além disso um
sistema de boa gestão da rede ajuda a controlar o uso dos recursos, nível da
temperatura do servidor, uso de disco, implementa algum sistema de alarme que
ajuda a notificar cada falha ou desempenho do dispositivo de rede.
O gerenciamento de falhas é um dos principais componentes de gerenciamento
de rede. O tempo máximo de identificar e analisar a causa dos defeitos em uma rede
consome mais tempo que o período para resolver o problema. Assim, uma rede com
um sistema de gestão devidamente implementado, pode manter-se funcionando em
nível ideal. As falhas em uma rede podem ocorrer por diferentes razões que incluem
o software e hardware.
As principais funções de gerenciamento de falhas incluem:
11

 Monitoramento remoto de dispositivos e serviços de rede a partir de uma


única localização;
 Monitoramento dos dispositivos e serviços de estado constantemente em um
determinado intervalo;
 Valores-limites do ajuste para possíveis falhas;
 Execução de alarme para notificar a rede de administradores
 Rastreamento locais onde ocorre a falha que facilitará a identificação e fixar o
dispositivo ou serviço afetado;
 Tomar medidas necessárias.
Em geral, gerenciamento de falhas pode ser dividido em duas partes: gestão de
falhas passivas e gerenciamento de falhas ativas. Gestão de falha ativa aborda
problemas por dispositivo de monitoração e serviços utilizando ferramentas de
monitoramento, além de verificar se o dispositivo de rede está disponível e de
responder. Por outro lado, o gerenciamento de falhas passivas lida com mecanismos
de notificação; ele envia alarmes quando um dispositivo ou serviço encontrar
problemas.

7.3 Estrutura do monitoramento

A infraestrutura de gerenciamento de redes engloba os três principais conceitos


da gerencia de rede, a saber: agente, gerente e objetos gerenciados. Os agentes
fazem a interface com os objetos a serem gerenciados, além transmitir ao gerente
as notificações provenientes dos objetos gerenciados. O gerente é um agente que
possui uma aplicação que inclui uma interface de operador para autorizar um
usuário a gerenciar a rede. O objeto gerenciado (MIB) pode ser qualquer dispositivo
da infraestrutura de rede. A figura abaixo ilustra essa relação entre os principais
componentes da gerencia de rede.
12

Figura 1 - Estrutura da Gerencia de Redes


Fonte: disponível em <http://docplayer.com.br/1660338-Mib-management-information-base-objetos-
gerenciados-um-objeto-gerenciado-e-a-visao-abstrata.html>acesso em 18.09.2015.

7.3.1 SNMP

O SNMP (Simple Network Management Protocol) é um protocolo de gerência


típica de redes TCP/IP, da camada de aplicação que facilita o intercâmbio de
informação entre os dispositivos de rede. O SNMP possibilita aos administradores
de rede gerenciar o desempenho da rede, encontrar e resolver problemas de rede.
Esse protocolo é o mais utilizado em gerenciamento de redes e permite que
uma ou mais máquinas na rede sejam designadas como gerentes de rede. Esta
máquina recebe informações de todas as outras da rede, chamadas de agentes, e
através do processamento destas informações, pode gerenciar toda a rede e
detectar facilmente os problemas ocorridos. As informações coletadas pela máquina
gerente estão armazenadas nas próprias máquinas da rede (MIB).
Cada dispositivo monitorado é visto como um conjunto de variáveis que
representam as informações referentes ao seu estado atual, tais informações ficam
disponíveis através de consultas e podem ser alteradas por ele.
O resultado desses dados gera indicadores de coleta de dados para tomada
de decisões em uma rede, o SNMP está completamente atualizado com os padrões
dos fabricantes e sua popularidade foi se concretizando a partir do momento em que
nenhum outro gerente de rede apareceu com outra ferramenta de solução de
emergência, o resultado disso é que quase todos os vendedores principais de
13

hardware para internet, tais como pontes e routers, projetam seus produtos para
suportar SNMP.

7.3.2 MIB

A MIB (Management Information Base) é o conjunto dos objetos gerenciados.


A especificação MIB define as variáveis necessárias à monitoração e controle de
vários componentes em redes Internet, um ponto importante é que nem todos os
grupos de variáveis definidas pela especificação MIB são obrigatórios para todos os
componentes de redes Internet, SNMP/RMON os objetos gerenciados são
acessados através de um banco de dados virtual, chamado MIB.
Um objeto gerenciado é uma das inúmeras características específicas de um
dispositivo gerenciado. Objetos gerenciados podem assumir uma ou mais instâncias
dos objetos essencialmente variáveis (identificados pelas suas OIDs)

7.3.3 Agentes

Os agentes coletam dados internos da aplicação para enviar para o centro de


monitoramento, o servidor de monitoramento enxerga cada ponto a ser monitorado.
O agente é um aplicativo presente em um elemento gerenciado. A principal
função de um agente compreende o recebimento de requisições enviadas por um
software gerente e o envio informações ao gerente através de um protocolo.

7.3.4 Gerente

O gerente compreende as maquinas servidores da rede, que tem a função de


requisitar e receber dos agentes as informações essenciais para administração da
rede.

8. FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE REDES DO MERCADO

No mercado existem diversas ferramentas de gerenciamento de rede tanto


de código fechado como de código aberto. As ferramentas open source são as mais
utilizadas por conta do baixo custo. Aqui analisarei três das mais conhecidas e
utilizadas no mercado.
14

8.1 Zabbix

Zabbix é uma solução de monitoramento de rede que é projetado para


monitorar o status e desempenho de componentes de infraestrutura de rede.
Usando o Zabbix é possível coletar dados em tempo real a partir da rede.
Em tempo real a infraestrutura de rede, o estado, os serviços físicos e
dispositivos de rede virtual podem ser monitorados e a informação pode ser
armazenada em um banco de dados. Essas informações podem ser apresentadas
em gráficos que ajudam os administradores de rede a visualizar a tendência dos
limiares de trafego de rede e definir com a finalidade de alertar. Zabbix é uma
ferramenta de monitoramento livre que pode ser adquirido em sua versão mais
recente, instalando-o conforme os pacotes de distribuição. A versão mais recente
encontrada é a 2.4, lançada em 2014. Solução desenvolvida para o monitoramento
de disponibilidade e desempenho de redes, aplicações e recursos na nuvem.
O aspecto positivo do Zabbix está na sua capacidade de apresentar
informações de status em gráficos, porém, não é possível obter histórico de trabalho
e Login porque o aplicativo não tem comentários hora datados como o Nagios.
Zabbix é bem conhecido por sua boa interface que permite visualizar e
comparar o valor dos dispositivos que ele monitora. O sistema pode ser configurado
usando a interface web uma vez que a instalação básica é concluída. A adição de
novos hosts e serviços para o servidor Zabbix é feito também usando a interface
web, mas é difícil de configurar.
Como pode ser visto na figura abaixo, uma vez que um pacote Zabbix é
instalado, novos dispositivos e serviços serão utilizados usando a interface web.
15

Figura 2 - Interface web para adicionar dispositivos


Fonte: Disponível em: < http://homepages.dcc.ufmg.br/~gilson/zabbix >. Acesso em 25 set 2015.

Por meio do Zabbix não é possível definir manutenção programada para um


período de tempo especifico, em hosts e serviços específicos. Para fazer
manutenção programada todo o servidor Zabbix tem que definir off-line ou a
desativação do sistema de alarme deve ser feita manualmente.
O Zabbix pode monitorar toda a infraestrutura de rede, apresenta diversas
características fundamentais para a realização do monitoramento de rede, tais
como:

 Possui suporte a maioria dos sistemas operacionais: Linux, Solaris, HP-UX, AIX,
FreeBSD, OpenBSD, NetBSD, Mac OS X, Windows, entre outros;
 Monitora serviços simples (http, pop3, imap, ssh) sem o uso de agentes;
 Suporte nativo ao protocolo SNMP;
 Interface de gerenciamento Web, de fácil utilização;
 Integração com banco de dados (MySQL, Oracle,PostgreSQL ou SQLite);
 Geração de gráficos em tempo real;
 Fácil instalação e customização;
 Agentes disponíveis para diversas plataformas: Linux,Solaris, HP-UX, AIX,
FreeBSD, OpenBSD,SCO-OpenServer, Mac OS X, Windows
2000/XP/2003/Vista;
 Agentes para plataformas 32 bits e 64 bits;
 Integração com os Contadores de Performance do Windows;
 Software Open Source distribuído pela Licença GPL v2;
16

 Excelente Manual (Em Inglês) – Possui licenciamento próprio – Não GPL;


 Envio de alertas para: e-mail, Jabber, SMS;
 Scripts personalizados.

8.1.2. Pontos fortes

Após a instalação do Zabbix, foi possível observar maior agilidade para


monitorar o trafego de rede em cada porta. Essa ferramenta possibilita a criação dos
itens de cada porta uma única vez e salva-las como template, em seguida pode usa-
los para os switches. Além disso, basta criar o gráfico de apenas um switch e em
seguida copia-los para as outras, sem a necessidade de fazer um a um; basta copiar
e colar.
O Zabbix é fácil de ser instalado e configurado. Para realizar a instalação é
necessário instalar o Ubuntu server e alguns serviços básicos e pacotes essenciais
para o funcionamento do Zabbix, tais como:
 Banco de dados MYSQL
 Front-end Apache 2.
 PHP 5 e extensões do PHP.

8.1.3 Pontos Fracos

Dentre os pontos fracos identificados no Zabbix, pode-se citar a complexidade


de configuração da ferramenta. O uso de gráficos no ZABBIX não requer qualquer
tipo de configuração, isto é, provido para qualquer item numérico. São fornecidos
gráficos customizados, junto com um conjunto de gráficos simplificados, que
permitem verificar os dados dentro de um contexto. Além disso, o Zabbix não realiza
o monitoramento de outros serviços apenas monitoramento de desempenho e
disponibilidade dos ativos.

8.2 Zenoss

Zenoss é um aplicativo de código aberto, consiste em uma plataforma de


gerenciamento de rede baseado na aplicação Zope servidor. A ferramenta possui
uma interface web que profere uma solução para o administrador do sistema, para
servidor, disponibilidade, inventário / configuração, desempenho e eventos.
17

O sistema Zenoss fornece uma completa cobertura para redes, servidores,


aplicativos, serviços e virtualização. Como função principal ele fornece dados para a
consciência operacional combinando a descoberta de novos dispositivos e redes,
disponibilidade, inventário, monitoramento de desempenho, gestão de eventos e
relatórios. No seu nível mais alto, o sistema compreende estas áreas principais:
 Descoberta e configuração de redes e dispositivos;
 Desempenho e disponibilidade;
 Gerenciamento de falhas e eventos;
 Alertas e correções;
 Análise e Relatórios
O Zenoss unifica essas áreas em um único sistema com uma interface de
usuário moderna, interativa e Web.

Figura 3 - interface web do zenoss


Fonte: Disponível em: < http://migre.me/sboGh >. Acesso em 25 set 2015.

Segundo (GUIMARÃES, 2010, p.1), a arquitetura desse software torna mais


hábil o monitoramento de redes:
O Zenoss possui uma arquitetura modular, facilitando assim a incorporação
de novas funcionalidades à ferramenta. Sendo capaz de monitorar vários
tipos de dispositivos como, computadores Linux, switches, roteadores e até
máquinas Windows. O Zenoss possui uma interface web e faz uso do
gerenciador de banco de dados MySQL para armazenar suas informações.
Além disso, a arquitetura do Zenoss apresenta um modelo hierárquico de quatro
camadas, conforme pode-se observar na figura abaixo:
18

Figura 4 - Arquitetura do Zenoss


Fonte: Disponível em: < http://migre.me/sboGh >. Acesso em 10 set 2015
A camada user é acessível pela maioria dos navegadores; a camada data é
responsável pelo armazenamento das informações de configuração e coleta,
utilizado pelo Zenoss; a camada process é o local onde são gerados os processos
de comunicação entre a data e a camada collect; e por fim, na camada collect os
dados são coletados das maquinas remotamente, pelos protocolos.

8.2.1 Pontos fortes

O Zenoss tem um servidor syslong que atua como concentrador de arquivos


de lon, gerados pelos dispositivos monitorados. O monitoramento de long é muito
importante no gerenciamento de uma rede. Por meio da interface de monitoramento
é possível verificar o status de toda a infraestrutura de rede, além de monitorar
separadamente cada dispositivo. As alertas, assim como o do Zabbix, são feitas por
meio e-mail ou sms.
Outra maneira de verificar o status com o Zenoss é por meio do mapa de
rede; a partir do mapa, pode-se determinar rapidamente o status de cada dispositivo
e até mesmo o sistema operacional de cada um.

8.2.2 Pontos fracos

O principal ponto fraco do Zenoss é explicitado na visualização do status. Em


determinados browsers do mercado sua interface é falha, tornando a sua interface
poluída e com diversos problemas visuais.
19

8.3 Nagios

Nagios é um software de monitoramento de serviço. Foi projetado para


informar de problemas da rede antes que seus clientes, end-users ou gerentes
percebam. Trabalha sob o sistema operacional Linux, mas pode ser usado sobre
outros Sistemas Operacionais também. As verificações intermitentes de
monitoramento do funcionamento dos daemons em anfitriões e em serviços que
pode ser especificado usando "plugins externos" que informam o status de retorno
ao Nagios.
Quando os problemas são encontrados, o daemon pode emitir notificações
para os contatos administrativos através de e-mail, mensagem imediata e SMS. O
status atual, registros históricos e relatórios diversos podem ser visualizados através
de um navegador na Internet.
O Nagios é uma ferramenta de monitoramento muito poderosa e possui
diversas características das quais cita-se:
 Monitoração dos serviços de rede (SMTP, POP3, HTTP);
 Projeto plugin simples que permite que os usuários desenvolvam facilmente
seu próprio anfitrião e prestem serviços de manutenção e verificações;
 Habilidade de definir a hierarquia do anfitrião da rede, permitindo a detecção
e a distinção entre os anfitriões que está para baixo e aquelas que são
unreachable;
 Notificações quando os problemas do serviço ou do anfitrião ocorrem e
quando são resolvidos (através do email, do pager, ou por outro método que
o administrador definir;
 Habilidade de definir os alimentadores do evento a ser funcionados durante
eventos do serviço ou do anfitrião para a definição proactive do problema;
 A habilidade de reconhecer problemas através da Web.
Além do Nagios deve-se instalar uma ferramenta para mostrar graficamente o
gráfico da rede, para este trabalho foi utilizado o Cacti uma ferramenta de software
livre que foi usada para completar o gerenciamento de todo processo na rede.

8.3.1 Pontos fortes


20

O Nagios é um sistema de monitoramento que age e executa ações de


resoluções de problemas, notificando quando o problema é detectado e quando é
resolvido. Além disso o software realiza manutenção preventiva; monitora toda a
infraestrutura de rede. Monitora os ativos de rede autonomamente, o que causa
aumento da produtividade da equipe de TI.
É a ferramenta de monitoramento mais conhecida entre as mencionadas
acima; possui comunidade na internet onde usuários experientes dão dicas e tiram
as dúvidas de que resolve trabalhar com o Nagios. Apesar de ser difícil de
configurar, o Nagios apresenta uma maneira mais simples de ser instalado, o FAN
Nagios. Essa ferramenta é uma distribuição baseada no CentOS, criado com a
intenção de facilitar a utilização dos recursos do Nagios, com esta suíte, os
problemas com as configurações e instalações são minimizados. Pode-se ter um
sistema completo de monitoramento, pronto para ser usado em menos de uma hora.
É necessário apenas ter a imagem do sistema e um CD-ROM para gravar.
Atualmente encontra-se na versão 2.4 e é disponível para sistemas x86 ou 64 bits.

8.3.2 Pontos fracos

Um dos principais problemas do Nagios é a falta de recurso gráfico de


configuração; o processo de configuração é processo complexo, até que o usuário
se familiarize com a ferramenta.

8.4. Por que o Nagios foi escolhido?

Na empresa em questão, o Nagios foi escolhido como a ferramenta para


monitoração. As razões para tal escolha não são difíceis; embora os softwares
discutidos acima apresentem funções semelhantes, o Nagios tem-se provado melhor
em alguns aspectos.
Na mesma linha, o Nagios mostra-se mais eficaz na identificação de
problemas em menos tempo; tem extensões que são simples de se desenvolver
(plug-ins), utilizando linguagens bem conhecidas e que contribuem para melhor
desempenho de seu monitoramento . Possui comunidades profissionais que
auxiliam nas duvidas da equipe de TI e iniciantes.
21

Considerando os aspectos da digitação dos arquivos monitorados, a


ferramenta ora escolhida, usa quatro estados para descrever o status: OK, AVISO,
CRITICO e DESCONHECIDO. Além disso, o aplicativo dá relatório do número de
serviços que estão sendo monitorados, tanto em estado aviso, como crítico com
ajuda de sua interface gráfica para o serviço de exibição de status.

9. A ESTRUTURA DO NAGIOS

A fim de obter uma visão mais clara de como o Nagios funciona, é necessário
olhar para sua estrutura. Tal estrutura é baseada sobre o modelo cliente / servidor.
Esta arquitetura pode ser vista na figura abaixo. Ela descreve um servidor Nagios
rodando em host, plug-ins em execução no servidor e os outros hosts remotos para
ser monitorada.

Figura 5 - Arquitetura principal do Nagios


Fonte: Disponível em: <http://www.cirp.usp.br/arqs/4ciclo/Nagios.pdf>. Acesso em 25 set 2015.

Segundo (PESSOA 2010), fundamentalmente o Nagios é formado por quatro


elementos, que estão ilustrados na figura abaixo.
22

Figura 6– Interação do Nagios com seus componentes principais


Fonte: Disponível em: < http://pessoa.eti.br/main/2010/10/11/pra-que-serve-o-nagios/ >. Acesso em
25 set 2015.

9.1 Pré-requisitos de Configuração do Nagios

Para configurar um servidor Nagios funcional, alguns requisitos básicos


devem estar de acordo antes de iniciar o processo de instalação da ferramenta.
Segundo (MENEZES,2008), para dar início a esse processo é necessário preparar o
ambiente para a instalação do Nagios, é recomendado que o Ubuntu Linux esteja
instalado e o proxy configurado ou tenha facilidade em baixar pacotes pela web.
Depois de instalar e atualizar o sistema operacional, os seguintes pacotes
são instalados manualmente na instalação do Ubuntu antes de dar continuidade:
 Apache –Servidor web que o Nagios utiliza para exibir informações
web na página. Basta verificar e iniciar o apache.
 DG – Bibliotecas de desenvolvimento, utilizadas para gráficos e mapas
de status.
 GCC – Compilador

9.2 Instalação da Ferramenta

Após a conclusão da instalação de pacotes pré-requisitos citados acima, é


necessário criar um usuário para executar o serviço e um grupo para executar
comandos externos, seguindo os seguintes comandos:
# useradd -m nagios
# groupadd nagios
# usermod -G nagios nagios
23

# mkdir /usr/local/nagios
# chown -R nagios.nagios /usr/local/nagios
# groupadd nagcmd
# usermod -G nagcmd nagios
# usermod -G nagcmd www-data
Cujo exercício criou contas de usuários e grupos chamados “ Nagios” com
suas respectivas senhas de acesso. A próxima tarefa é compilar e instalar os plug-
ins do Nagios, conforme mostra abaixo:
1. Baixar o nagios-3.4.1.tar.gz:
# wget http://osdn.dl.sourceforge.net/sourceforge/nagios/nagios-3.4.1.tar.gz
2. Descompactar:
# tar -xvzf nagios-3.4.1.tar.gz
# cd nagios-3.4.1
3. Compilar:
# ./configure
4.Instale com os seguintes comandos para automatizar as configurações:
# make all
# make install
5. Salve as configurações originais:
# cd /usr/local/nagios/etc
# mkdir original
# cp *.cfg original
6. Crie senhas via browser:
# htpasswd -c /usr/local/nagios/etc/htpasswd.users admin
Nesta faze o servidor Nagios está pronto para ser acessado através do
navegador web, como mostra a imagem a seguir:
24

Figura 7 – Tela inicial do Nagios


Fonte: o autor.

9.3 Configuração do Nagios

Durante a instalação do Nagios, discutida anteriormente, alguns arquivos de


configuração são instalados por ser padrão no diretório. Porém, existem vários
outros ficheiros de configuração que necessitam de ser criados ou editados antes do
monitoramento do Nagios. “Configurar o Nagios para monitorar até mesmo uma rede
de tamanho modesto é onde a maioria do trabalho reside. ” (BURGESS, Cris, p. 16)

Para este fim o Nagios possui dois arquivos de configuração principais:


Nagios cfg e cgi.cfg. Abaixo serão discutidos esses dois ficheiros.

9.3.1 Nagios.cfg

(CARNEIRO, 2008) O arquivo Nagios.cfg é o principal arquivo de


configuração do Nagios, nele se encontram todas as configurações básicas do
mesmo. Por meio dele é possível configurar o local onde se encontram os arquivos
de configuração dos servidores de rede; especificar os arquivos de configuração
para funções especificas.
25

Figura 8 - Nagios.cfg
Fonte: o autor.

8.3.2 CGI.CFG

O arquivo cgi.cfg é usado principalmente para controlar a interface web e seu


associado programa CGI (Common Gateway Interface).

Figura 9 - cgi.cfg
Fonte: o autor.

9.4. Os plug-ins

Os plug-ins são dispositivos que simulam uma situação real de acesso ao


serviço, o Nagios sem seus plug-ins é um sistema, vazio, para adicionar
26

funcionalidades ao Nagios é necessária a instalação de plugins que são executáveis


compilados ou scripts desenvolvidos na linguagem em Shell Script, Perl, entre
outros, utilizados na linha de comando para checar o estado de um host ou serviço.
Ao contrário de muitas outras ferramentas, o Nagios não inclui nenhum
mecanismo interno de verificação de status de serviços, em vez disso, ele conta com
programas externos chamados plug-ins para fazer todo monitoramento. O Nagios
executa um plug-in sempre que há uma necessidade de se verificar um serviço ou
host que está sendo monitorado. Os plug-ins realizam a verificação, em seguida,
simplesmente retorna os resultados para o Nagios, que por sua vez vai processar os
resultados e tomar as ações necessárias para a resolução do problema.
Essa verificação é alcançável através da execução de plug-ins por meio da
linha de comando. Contudo, os resultados a partir dos plug-ins são usados pelo
Nagios para determinar o status e ações de notificações.
De acordo com (CARNEIRO, 2010), os plug-ins do Nagios podem ser escritos
em qualquer linguagem de programação e qualquer pessoa pode escrever um plug-
in simples em questão de minutos.

Figura 10 – Os plugins
Fonte. Disponível em: <http://www.cirp.usp.br/arqs/4ciclo/Nagios.pdf>. Acesso em 25 set 2015.

Os plug-ins não vem junto com o pacote Nagios; eles precisam ser instalados
separadamente. Há mais de 3.000 plug-ins Nagios desenvolvidos pela equipe da
comunidade Nagios. Porém, existem 50 plug-ins que são desenvolvidos pela equipe
oficial de desenvolvimento do Nagios, e eles são gratuitos.
27

9.5. Os alertas

Uma das características fundamentais do Nagios consiste na propriedade de


notificar os agentes acerca do status das maquinas monitoradas. Considerando os
aspectos da digitação dos dispositivos monitorados, o Nagios usa quatro estados
para descrever o status: OK, AVISO, CRÍTICO OU DESCONHECIDO. Esses valores
correspondem ao valor do monitoramento ou gráficos que podem ser ignorados
quando é necessária uma rápida atenção. Além disso, o Nagios dá relatório do
número de serviços que estão funcionando tanto em estado de aviso, quanto estado
crítico com ajuda de sua interface gráfica.

Quando ocorre algum evento com um host ou serviço de monitoramento, as


pessoas que monitoram o sistema, identificadas como contatos, são notificadas via
e-mail, sms, pagers, popups e outras mensagens.

Segundo (ANDRADE, 2006), as notificações são um meio de se fornecer


informações, em tempo real, relativas ao estado de hosts ou serviços.

Figura 11 – Status de notificação do Nagios


Fonte. Disponível em http://tinovidade.blogspot.com.br/Acesso em 14 de out de 2015

9.5.1 Alertas via e-mail


28

Segundo BURGESS, existem várias maneiras para obter alerta de e-mail para
o trabalho por meio do Nagios. Tudo depende da escolha do servidor que irá utilizar.
Abaixo está listado alguns dos caminhos para se obter o serviço:
 Configure a instalação padrão do Sendmail
 Substitua o Sedmail pelo ssmtp
 Instalar um MTA como Postifix ou Qmail

Os alertas de status crítico são enviados, em sua maioria, via e-mail. A figura
abaixo mostra um alerta do tipo "Critical" exibido a respeito do host "serv100”.

Figura 12 – Alerta status critico via e-mail


Fonte. Disponível em http://www.diorio.com.br/ em 14 de out de 2015

9.5.2 Alertas via sms

Em se tratando de mensagens para o celular via sms, também existem várias


opções para obter os serviços, tais como: ativando um serviço de sms no servidor
Nagios, usando o seu próprio gateway ou usando um terceiro gateway comercial.
29

Figura 13 – Alerta status critico via sms


Fonte. Disponível em <http://www.sms-integration.com/how-to-send-alert-sms-from-nagios-110.html
>acesso em 14 de out de 2015

10. USO DO NAGIOS EM GRANDES EMPRESAS

Quando Ethan Galstad criou o Nagios em 1996, a ferramenta era um simples


aplicativo do MS-DOS projetado para servidores Navell Netware com a finalidade de
enviar páginas numéricas. No entanto, ao longo dos anos Ethan foi o aperfeiçoando,
até nomeá-lo de Nagios em 2002. A partir, daí o software evoluiu de maneira
considerável, tornando-se um dos sistemas de monitoramento de redes mais
poderoso e, portanto, mais usado nas grandes empresas do Brasil e no mundo.
Dentre os países que mais utilizam o Nagios estão os Estados Unidos da
América, Germânia e França. Conforme ilustra gráfico abaixo:

Figura 14 - Países que mais utilizam o Nagios


30

Fonte: FONSECA, Evandro Brasil e ROCHA, Marlon Martins (Nagios)

No Brasil, a ferramenta abrange grande parte das empresas de grande porte,


indo de empresas de telefonia como a TIM; a grandes construtoras, como a
Camargo Correa. A figura abaixo, retrata algumas empresas que utilizam o Nagios
no Brasil.

Figura 15 - Empresas que utilizam o Nagios


Fonte: FONSECA, Evandro Brasil e ROCHA, Marlon Martins (Nagios)

10.1 Casos de sucesso em Manaus (AM)

Abordaremos a seguir alguns casos de empresas e órgãos governamentais


localizados na cidade de Manaus (AM), que utilizam o Nagios como ferramenta para
monitorar seus serviços e que após a implementação viram melhorias e agilidade na
resolução de problemas voltados para os serviços de dados.

10.1.1 Semed

A Secretaria Municipal de Educação do município de Manaus foi um dos


primeiros órgãos a implementar o software Nagios na cidade. Além dos
computadores e impressoras administrativos, o Nagios instalado na Semed -Manaus
monitora 218 telecentros nas escolas municipais de norte a sul da capital e interior.
Os telecentros são espaços públicos onde os alunos podem usar
microcomputadores e internet para realizar pesquisas, trabalhos escolares e cursos
de informática sob a orientação de professores e supervisores.
Segundo o técnico de hardware e redes da secretaria, Maxwell Marques,
através do sistema Nagios é possível identificar qualquer tipo de problema nas
escolas polo.
31

“A Semed tem um sistema de monitoramento chamado NAGIOS


que faz esse levantamento de informações das escolas e tudo isso
acompanhado direto de um computador. Caso algumas destas escolas
sofram algum tipo de pane nós imediatamente acionaremos nossa equipe
de apoio da sede a se deslocar até a escola polo”.

Cada telecentro acomoda em média doze computadores, totalizando cerca de


três mil computadores. Sem um sistema para monitorar remotamente essas
máquinas, a equipe de TI teria muita dificuldade para identificar e fazer os reparos
necessários nos telecentros.

10.1.2 Cecil Concorde

A Cecil Concorde consiste em uma rede de lojas voltado para o mercado de


material escolar, informática e outras variedades. O Nagios foi implantado na
empresa em 2010, a iniciativa surgiu a priori, como parte de um trabalho de curso de
um dos funcionários da empresa. Na época a rede de lojas era composta por sete
filiais e mais de 100 equipamentos ligados à rede, tais como: computadores,
roteadores e switch. Apesar de a ideia ter surgido com fins para um projeto de
conclusão de curso, os idealizadores do projeto afirmam que a eficácia da
ferramenta levou a implementação para uso de monitoramento da rede Cecil
Concorde.
O objetivo que levou a Cecil Concorde a utilizar o Nagios foi exclusivamente
de pesquisa, mas após a instalação, foi verificado que a ferramenta deu
várias soluções para problemas rotineiros, como a falta de espaço para uma
partição do HD do Servidor de Arquivos, Transações de TEF pendentes,
Rádios Sem-fio com interferência, entre outros problemas que faziam o
Administrador e sua equipe perderem tempo para descobrir e solucionar o
problema.

10.1.3 Lojas Bemol

A Bemol é uma das lojas mais populares da capital amazonense no setor de


móveis e eletrodomésticos. Fundada em 1942 pelos irmãos Samuel, Israel e Saul
Benchimol, atualmente as Lojas Bemol estão presentes na Amazônia Ocidental com
20 lojas físicas e três centros de distribuição em Manaus, Porto Velho e Rio Branco.
32

Além disso, a loja possui um site que disponibiliza todos os produtos vendidos nas
lojas físicas, disponível para todo o Brasil.
A loja também faz uso do Nagios para monitorar todas as filiais, no total 700
hosts são monitorados via Nagios. De acordo com Josias Arruda, responsável pela
equipe de TI, os alarmes de falhas detectados pelo software os ajudou a agir de
maneira proativa.
“Reduzimos o nosso Downtime, e principalmente o nosso tempo de reação,
pois com os alarmes estamos agindo de forma proativa. ”

11. NAGIOS X ZENOSS: MOMENTO PRÁTICO

Este capitulo descreve a implantação do sistema de gerenciamento de redes,


Nagios e para demonstrar a monitoração de uma série de dispositivos de rede
(hosts) e serviços associados. Em seguida uma outra ferramenta de monitoramento,
o Zenoss, será testada para que seja feita uma comparação suscita entre essas
duas ferramentas na pratica. O laboratório para realizar essa demonstração é uma
empresa fabricante de Disjuntores Industriais para média e alta tensão, localizada no
Polo Industrial de Manaus-Amazonas.

11.1 Cenário

A empresa na qual a implantação será realizada é uma empresa de Disjuntores


do polo industrial de Manaus (PIM) 1000 (mil) funcionários, distribuídos nos três turnos
(matutino, vespertino e noturno), funcionando 24 (vinte e quatros) horas por dia todos os
dias da semana. A empresa tem um problema que é a descentralização dos servidores
tendo em ativo o total de quarenta máquinas para este fim, sendo que muitos deles
poderiam ser fundidos já que rodam pequenas aplicações individualmente.
Para analise foram escolhidos 10 servidores para fazer a coleta de dados e
informações para serem coletados baseados na topologia de rede da empresa conforme
a figura 14, baseado em filiais que precisam ser monitoradas para gerar o diagnóstico
da rede e dos serviços.
A empresa ora abordada, atualmente, trabalha com cerca de 30 hosts entre
impressoras, computadores e roteadores. A proposta de implantar o serviço de
gerenciamento na empresa, surgiu como teste para a elaboração deste trabalho de
33

conclusão de curso, no entanto, os benefícios fornecidos pela ferramenta, foram


essenciais para a ideia se efetivar na empresa.

Figura 16 - Ambiente Monitorado


Fonte: o autor.

11.2. Estado dos serviços de rede da empresa sem software de


monitoramento.

Os serviços de TI eram feitos via chamados, ou seja, a fábrica tinha um


contrato com uma empresa de suporte técnico localizada na cidade de São Paulo,
que atende a nível nacional. Sendo assim, quando uma máquina apresentava algum
tipo de problema de rede, os chamados eram abertos e um técnico de Manaus (o
autor) que prestava serviço a empresa de suporte técnico de São Paulo era
acionado.
O processo entre as aberturas de chamados e a liberação do técnico para
chegar até a empresa e fazer a checagem da máquina que apresentava problema,
levava em média duas a três horas, dependendo das condições, muitas vezes a
ação era concretizada após vinte e quatro horas da abertura dos chamados.
Essa burocratização dos serviços de TI na fábrica gerava perda de produção
nos setores que trabalham diretamente com os serviços de internet e hosts em
geral. Além disso, o técnico muitas vezes, não sabia de fato onde e qual realmente
34

era o problema. Com isso, passava mais tempo na empresa tentando encontrar e
solucionar o problema. O que tornava o serviço mais caro. Muitas vezes, no dia
seguinte a solução do problema, outra máquina apresentava o mesmo problema;
isso porque não havia uma ação preventiva. E nesta mesma linha o ciclo seguia mês
a mês.

11.3. Proposta de solução de monitoramento de rede.

Diante dos problemas acima citados na empresa, apresentei como proposta


de solução de gerenciamento de rede a implantação de um software útil para
monitorar a disponibilidade de rede, contabilizar a utilização de seus recursos, de
modo a notificar aos administradores quando um evento inesperado ocorrer. A
proposta tem como objetivos:
 Monitorar o estado de todos os serviços de rede;
 Monitorar o estado dos principais serviços de rede nos servidores;
 Monitorar e contabilizar erros nas interfaces dos servidores e ativos de rede;
 Contabilizar o tráfego nas interfaces dos servidores e ativos de rede;
 Contabilizar a utilização de espaço em disco;
 Contabilizar a utilização de CPU nos servidores;
 Contabilizar o consumo de banda da internet;
 Enviar alertas aos administradores de rede sempre que um servidor ou
qualquer outro serviço monitorado estiver indisponível;
 Enviar alertas aos administradores de rede sempre que os valores máximos
definidos para consumo excederem;
 Gerar históricos da utilização da utilização e ocorrências de falhas;
 Proporcionar ao administrador de rede, maneiras de visualizar a qualquer
tempo, os resultados gerais ou parciais de tudo o que está sendo monitorado.
Dentre as ferramentas estudadas no início desse trabalho e com a finalidade
de obter esses resultados, o software Nagios será testado na empresa. Após o
resultado da utilização do Nagios, uma outra ferramenta, o Zenoss, será testada a
fim de comparar a eficácia de cada uma delas.

11.4 Serviços Monitorados


35

O monitoramento de rede nessa empresa de disjuntores do Polo Industrial de


Manaus inclui toda a infraestrutura de rede da empresa.

11.4.1 Wi-Fi

Atualmente, a internet é indispensável para o bom funcionamento de qualquer


empresa, seja de pequeno, médio ou grande porte. Desde 1997 surgiram as
primeiras especificações do wi-fi. Essa nova e popular forma de comunicação de
rede sem fio, serve para interligar os periféricos de computadores; fornecendo-lhes
internet com uma cobertura de raio que oscila entre 60 e 120.
A empresa citada disponibiliza dois pontos de wi-fi para facilitar o acesso à
internet nas maquinas do setor administrativo e diretoria.

11.4.2 Roteador

Os roteadores são dispositivos usados para gerenciar a transferência de


dados entre duas redes de computadores. Na empresa-laboratório deste trabalho,
os roteadores são usados para ligar a rede local ao setor referente as maquinas da
área administrativa e recursos humanos.

11.4.3 Intranet

A intranet consiste em uma rede corporativa interna, que visa compartilhar


informações sobre a empresa e recursos de computação entre os funcionários. Essa
rede comporta informações que podem ser compartilhadas entre vários setores da
empresa; o que facilita a checagem de dados entre todos departamentos.

11.4.4 Switch

O switch é um dispositivo que tem a função de interligar os computadores de


uma rede local, pelo qual, os dados vindos do computador principal são transmitidos,
por meio de uma espécie de comunicação exclusiva, apenas ao computador de
destino. Isso facilita a distribuição da informação entre vários computadores,
36

aumentado o desempenho da rede e, consequentemente minimizando a ocorrência


de erros.

11.4.5 impressoras

A existência de poucas impressoras em uma empresa já foi um grande


problema, todavia, com a revolução das redes imprimir tornou-se mais fácil e prático.
Isso porque uma impressora ligada em rede pode ser usada por todos os
computadores, da mesma forma como arquivos e programas são compartilhados.

11.4.6 Monitoramento do Espaço em Disco

A análise foi realizada em vários servidores, para que o teste fosse aplicado
em todos os servidores para gerar indicadores dos ativos como dados para este
estudo. O resultado como foi o esperado: A precisão na checagem. Exatamente o
espaço mostrado pelo sistema operacional em sua interface, era o mesmo da tela do
Nagios. Até mesmo quando se ocupava o espaço em disco com um arquivo muito
grande, a atualização já era dada na próxima checagem. A figura 15 mostra a
análise no Disk usage c: tendo um consumo de 38.80 % free.

Figura 17 - Monitoramento do espaço em disco


Fonte: Autor Próprio

11.4.7 Monitoramento da Porta 80 e Banco de Dados

Figura 18 - Monitoramento da Porta 80 e Banco de Dados


Fonte: Autor Próprio
37

Este teste visou observar a porta TCP (protocolo utilizado pela porta 80)
especifica do Apache, que por padrão, geralmente é a 8080, mas pode ser alterada.
Por isso, se o teste for aplicado à outra máquina, o detalhe de qual porta está sendo
utilizada pelo Apache deve ser observado.
Não foi utilizado nenhum plugin especifico desenvolvido para esta aplicação.
Foi utilizado apenas o plugin de checagem TCP (check_tcp) que está presente no
pacote de plugins básico do Nagios. Sendo assim, foi dado como entrada no script
de monitoramento da máquina no servidor Nagios a porta que deveria ser escutada
para checar se a mesma está recebendo conexões.

11.4.7 Monitoramento da Memória

Figura 19 - Monitoramento do Nagios


Fonte: Autor Próprio

11.4.8 Monitoramento da Internet


38

Figura 20 - Monitoramento da Memória Ping


Fonte: Autor Próprio

Esta é uma checagem simples, mas extremamente necessária. Tratasse


apenas de um “ping” na máquina, se a mesma não responder a chance de a mesma
estar “fora da rede” é grande, pois são enviados pacotes ao host, e o mesmo os
devolve para a máquina requisitante, analisando o tráfego para verificar se o link
está em consumo máximo ou não.

Figura 21 - Monitorando Alertas


Fonte: Autor Próprio

Esta checagem foi realizada, como dito anteriormente, para verificar se em


algum momento a conexão com a internet da empresa foi interrompida ou caiu. Esta
checagem consiste basicamente na mesma lógica da checagem da disponibilidade
do host. Seria como digitar no Prompt de Comando o comando “ping URL-desejada
39

-t” seriam enviados pacotes para este endereço e as respostas exibidas na tela,
assim, quando a resposta não for obtida, significa que o nó da rede a qual estou
utilizando não alcançou a URL desejada.

Figura 22 – Ping
Fonte: Autor Próprio

12. RESULTADOS DA AMOSTRA

As duas ferramentas utilizadas na empresa são de código aberto e atenderam


as necessidades de gerenciamento, todavia, por algumas atribuições, o Nagios
apresentou-se mais fácil de ser utilizado.
O primeiro ponto a ser analisado antes de escolher um software para ser
implantado em uma empresa é a questão da documentação, é por meio da
documentação e informações adicionais que que o administrador de rede vai poder
manusear a ferramenta, saber como será feita a instalação, as configurações, etc.
O Zenoss possui uma documentação atualizada sobre a ferramenta, a
documentação é baseada em um arquivo em PDF, que traz uma gama de
informações sobre a ferramenta. Porém, não há uma abordagem direta quanto aos
problemas que podem ocorrer durante a execução dos processos. Além disso, não
existem tutoriais oficiais sobre o Zenoss, nem treinamentos abertos ao público.
A documentação do Nagios é mais fácil de ser encontrada, basta fazer uma
pesquisa simples no google “ documentação Nagios”, por exemplo, e imediatamente
abre-se uma guia com opções da documentação do Nagios, site da comunidade
Nagios, manual completo de instalação e configuração do software, etc.
completando essas informações, na internet é possível encontrar vários vídeos e
artigos sobre essa ferramenta, o que a torna a mais conhecida e popular.
40

Quanto a questão do código fonte, o Nagios se mostrou mais eficiente, uma


vez que que facilita a mudança do código fonte. A ferramenta é estruturada de
maneira que novos plug-ins podem ser desenvolvidos, sem a necessidade de
modificar os antigos, podendo ser escrito nas linguagens: C, Perl, Python, Shell e
scripts. Por outro lado, nesse aspecto, o Zenoss mostrou menos facilidade de
adaptação. O código aprece muito espalhado, em diversos arquivos e aparecem
muitas interconexões, que não estão documentadas claramente. A linguagem de
programação utilizada é a Zope, porém, pode ser usada também a Python.
Outro aspecto importante analisado foi a instalação. O Nagios mostrou-se
mais fácil de ser instalado. Em um sistema operacional Ubuntu, o pacote Nagios
está disponível para download e instalação. Basta instala-lo no servidor e no cliente
e tudo estará pronto. Todos os pacotes adicionais são instalados juntos e todas as
configurações também são ajustadas durante a instalação.
Após a instalação, basta iniciar a interface web e configurar o usuário. Para
novos monitores devem ser modificados os arquivos de configuração. Para a
instalação e configuração existem ótimos tutoriais na internet.
Instalar o Zenoss foi uma tarefa mais árdua. Uma máquina virtual com o
servidor Zenoss é disponibilizada pronta, mas não está disponível para instalar
diretamente. Sem a máquina virtual, a segunda opção foi utilizar um script de
instalação feito para o sistema operacional Red Hat, que também não satisfez o
objetivo do trabalho.
Outro ponto analisado foi a capacidade de gerar gráficos. O Nagios não
possui capacidade gráfica. É possível sim gerar gráficos para ele, mas eles são um
pouco mais complicados de serem gerados e são menos claros. O Zenoss é muito
bom para gerar gráficos de analise específicos.
No que se refere aos relatórios, o Nagios não possibilita criação de relatórios.
Não é possível visualizar os dados em formato de tabela nem extrair diretamente no
formato CSV. Para gerar relatórios de Excel, deve-se configurar os plug-ins que irão
buscar essas informações no banco de dados do Nagios e lidar com a
compatibilidade. O Zenoss é uma ferramenta que traz um relatório desejado. Na
área de manipulação de eventos, é possível extrair os dados no formato CSV ou
XML. A tabela a seguir é resultado de uma análise comparativa entre o software
Nagios e o Zenoss.
41

Nagios Zenoss
SLA Reports Através de Plugis Não
Auto Discovery Através de Plugis Sim
Agente Sim Não
SNMP Através de Plugis Sim
Syslog Através de Plugis Sim
Permissão de
Sim Sim
Scripts Externos
Plug-ins Sim Sim
Linguagem que
Perl Python e Zope
foi escrito
Gatilhos e Alertas Sim Sim
Front-end Web Controle Parcial Controle Completo
Monitoramento
Sim Sim
Distribuído
Inventario Através de Plugis Sim
RRDTool para dados
Método de
MySQL. de performance
Armazenamento
MSSQL MySQL para
de Dados
eventos.
Core: GPLPro:
Licenciamento GPL ComercialEntrerprise:
Comercial.
Geração de
Sim / Sim Sim / Sim
Gráficos / Mapas
Eventos Sim Sim
Tabela 1 - Quadro comparativo das Ferramentas
Fonte: Autor Próprio

13. ESTADO DA EMPRESA APÓS IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE NAGIOS

A implantação do aplicativo Nagios obteve êxito. Atualmente, todos os servidores


e ativos de rede estão sendo monitorados, tais como: wi-fi, roteador, intranet, switch,
42

impressoras, espaço em disco, monitoramento de porta 80 e banco de dados,


monitoramento de memória, monitoramento da internet.
Com a instalação do Nagios, a equipe de TI tem agora disponível um panorama
completo da saúde da rede. A ferramenta possibilita visualizar, instantaneamente, o
estado atual da disponibilidade de todos os servidores, serviços complementares e
ativos de rede. A configuração do Nagios permite enviar uma mensagem de alerta aos
administradores de rede sempre que um host perde a conectividade ou um serviço
estiver com falha. O mesmo procedimento é feito no caso de outros recursos, como por
exemplo, a utilização de CPU e ocupação de espaço em disco, quando os valores de
limiar estabelecidos na configuração desses recursos são extrapolados. O Nagios envia
um e-mail e também emite um sinal sonoro associado a cada evento de alerta e altera a
cor do estado, o torna mais fácil a ação dos administradores na identificação dos
problemas.
A ferramenta implantada proporciona aos administradores a identificação do
problema antes que ele alcance aos servidores dos usuários, o que viabiliza a tomada
de ações corretivas antes que os usuários entrem em contato com a equipe de TI para
avisar que ocorreu alguma falha.
Antes que seja detectado pelos usuários, uma mensagem pode ser enviada para
equipe, via serviço interno de mensagem instantânea, avisando a equipe que um serviço
falhou antes que o trabalho seja iniciado. Essas vantagens proporciona um caráter de
competência e agilidade a equipe de TI, tornando seus serviços mais confiáveis.
Além disso, a implantação do Nagios na empresa, reduziu consideravelmente os
gastos com suporte técnico. Cada chamada custava em média R$ 150,00. O gráfico
abaixo mostra o gasto que a empresa tinha com suporte antes da utilização da
ferramenta de gerenciamento de rede de janeiro a março e os gastos após a
implantação do Nagios, entre setembro e novembro.

GASTOS COM SUPORTE TÉCNICO

3.000,00
2.550,00 2.700,00

600,00 450,00 300,00

JANEIRO FEVEREIRO MARÇO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO


20 17 18 4 3 2

Figura 23 - Gastos com Suporte Técnico


Fonte: Autor Próprio
43

14. CONCLUSÃO
O monitoramento de rede é amplamente utilizado para fins de observação e
analise do estado e comportamentos da rede, fornecendo notificações para um
Administrador da rede através de um sistema de mensagens, geralmente, e-mails,
quando um dispositivo falhar. Os objetivos deste trabalho foram explorar o
gerenciamento de rede e demonstrar como questões que surgem a partir da rede
pode ser monitorado e atendido, com a ajuda de um aplicativo de monitoramento
open source.
No decorrer do desenvolvimento do trabalho tornou-se evidente que para
trabalhar com o uma ferramenta de monitoramento, é necessário fazer uma
investigação minuciosa para entender os meandros que abordam o assunto e
também a documentação substituta, a fim de configurar o Nagios para executar as
atividades de monitoramento.
Com o desenvolvimento desse trabalho, pode-se verificar que há várias
ferramentas de monitoramento de rede, algumas se mostram mais fáceis de
trabalhar pelo grau de informação referente a ferramenta, enquanto que outras,
apesar de se mostrarem mais eficazes, como é o caso do Zabbix, a falta de
informação ainda é um entrave, as informações sobre instalação e configuração
disponíveis na documentação deixam lacunas, o que torna difícil de manuseá-lo.
Por outro lado, o Nagios mostra-se mais fácil de trabalhar, existem uma gama
de informações sobre o software na internet, tutoriais, etc. Para quem não tem
experiência, é frustrante configurar qualquer coisa a ser monitorada. No entanto,
para este problema, o Nagios desenvolveu uma solução mais pratica. O FAN.
Com o FAN, os problemas com as configurações e instalações são reduzidos. É
possível ter um sistema completo de monitoramento em um CD-ROM para gravar.
Na atualidade, encontra-se na versão 2.4 e disponível para sistemas x86 ou 64 bits.
O download é gratuito no site do projeto. O FAN é fundamentado na distribuição
CentOS, e tudo o que é adequado para o CentOS se adequa ao FAN.
Portanto, a fim de manter e verificar periodicamente o estado de saúde dos
dispositivos de redes e serviços, pode-se afirmar que o Nagios é ferramentas de
monitoramento com mais acesso a informação referente a sua utilização, portanto, o
melhor para ser utilizado por aqueles que pretendem trabalhar com uma ferramenta
de monitoramento. Além disso, a utilização de um software de monitoramento, reduz
os gastos com suporte técnico podem ser reduzidos em cerca de 80%, melhora a
44

disponibilidade da rede, economiza tempo na execução da resolução das falhas. O


que pode gerar comodidade aos clientes, por meio de um sistema eficaz; e
aumentando consequentemente os lucros da empresa.
45

REVERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

ANDRADE, Hetty Alves de. Nagios como solução de monitoramento de rede.


Monografia submetida à Comissão Examinadora designada pela Universidade
Federal de Lavras para obtenção do título de Especialista em Administração de
Redes Linux. Aprovada em 29 de setembro de 2006.

BURGESS, Chris. O livro do Nagios. Editora copyright. Ano 2005.

CARNEIRO, Eduardo. Manual completo de instalação e configuração do Nagios


3 no Linux Debian 4.0 Etch. Artigo disponível em <
http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Manual-completo-de-instalacao-e-Nonfiguracao-
o-Nagios-3-no-Linux-Debian-4.0-Etch?pagina=7> acesso em 18 de set de 2015.

CHIAVENATO, Idalberto. Administração nos novos tempos. 2.ed. Rio de Janeiro:


Elsevier, 2010.

FILHO, Adilson Galiano. Avaliação da ferramenta Zabbix. Artigo apresentado ao


Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas da Pontifícia
Universidade Católica do Paraná. Curitiba, abril de 2010.

GUIMARÃES, Matuzalém. Monitoramento de redes com Zenoss. Artigo disponível


em < http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Monitoramento-de-redes-com-o-Zenoss>
acesso em 19 de agosto de 2015.

MARCONI, M. de A; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa. 7.ed. São Paulo:


Atlas, 2008.

MENEZES, Daniel. Instalação do Nagios no Ubuntu Linux. Artigo disponível em <


http://www.vivaolinux.com.br/artigo/Instalacao-do-Nagios-no-Ubuntu-Linux> acesso
em 18 de set de 2015.

MONTEIRO, A. J., SILVA, M. O. Tecnologia da Informação: o papel estratégico


da informação e dos sistemas de informação nas empresas, 10. Ed. São Paulo:
Atlas, 2012.

MOURA, Marcos Daniel de, BECKER, Moura, Pedro Cristiano. Utilização da


Ferramenta Nagios Para Monitoramento de Sinal de Antenas de Rede Wireless,
São Paulo, 2011.

PESSOA, Márcio. Pra que serve o Nagios? Artigo disponível em <


http://pessoa.eti.br/main/2010/10/11/pra-que-serve-o-nagios/> acesso em 15 de set
de 2015.

SANDRONI, M A. Redes de computadores. 5.ed. São Paulo: Pearson Prentice


Hall, 2011.

SLOMAN, C.J. Sistemas de Informação Gerenciais. 7 ed. São Paulo: Pearson


Prentice Hall, 2010.

STAIR, R. M., REYNOLDS, G. W. Princípios de sistemas de informação. 14. ed.


São Paulo: Cengage Learning: 2012.
46

TORRES, Gabriel. Redes de Computadores. Versão Revisada e Atualizada. 2.ed.


Novaterra, 2009.

UNIRED, Soluções Coorporativas- Zabbix. Disponível em <


http://www.unirede.net/zabbix/> acesso em 15 de agosto de 2015.