Você está na página 1de 39

Universidade Federal de Santa Catarina

Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia

Metabolismo microbiano

Prof Dr. Diogo Robl

2017
Plano da aula
• Introdução

• Produção de energia

• Enzimas

• Produção de ATP

• Respiração

• Fermentação

• Biossíntese
Introdução
Introdução

• Metabolismo Toda atividade química realizada por


um organismo e seu maquinário.

• São de 2 tipos:
• Liberam E = exergônicas – catabólicas

• Utilizam E = endergônicas – anabólicas

E  Capacidade de realizar trabalho

Química
Luminosa
Produção de energia
Requerimentos de energia
Classificação dos microrganismos de acordo
com a fonte de energia e carbono
Tipo fisiológico Fonte de Energia Fonte de Carbono

Foto Luz

Quimio Química

Organotrófico/heterotrófico Moléculas orgânicas

Autotrófico/litotrófico Moléculas inorgânicas


Enzimas
• Catalisadores das reações

• Aumentam as velocidades de reação química

• Tem sítios ativos de ligação do substrato

• Terminação ase ao seu substrato


• Celulase: degradam celulose
• Glicose-oxidase: catalisa a oxidação da glicose
• Lisozima: cliva o peptideoglicano
Catálise
Armazenamento de energia

(Madigan et al., 2010)


• O ATP é o composto de alta energia mais importante nos
seres vivos. Baixa concentração nas células

• Armazenamento de energia por períodos longos


polímeros insolúveis.

• Ex.: polímeros de glicose (Ex: amido), polímeros lipídicos,


PHA.
Geração de ATP por
microrganismos
Ausência de aceptores
exógenos de elétrons Menos E

Fermentação
Síntese de ATP acoplada
a reações de óxido-redução
Respiração

O2 ou outro
composto como
aceptor exógeno de Mais E
elétrons

Oxidação = perda de e- (Liberam energia)


Redução = ganho de e- (Requerem energia)
Reações de oxi-redução
- Um composto se torna oxidado quando:

- Perde elétrons ou se liga a um átomo mais eletronegativo


- Isto geralmente ocorre quando se liga ao oxigênio

- Um composto se torna reduzido quando:

- Ganha elétrons ou se liga a um átomo menos eletronegativo


- E geralmente isto ocorre quando se liga ao hidrogênio

• Formas reduzidas de C (carboidratos, metano, lipídios, álcoois) são


importantes estoques de energia

• Formas oxidadas de C (cetonas, aldeídos, ácidos carboxílicos e


CO2)
Síntese de ATP por quimiotróficos
1- Fermentação: ocorre na ausência de aceptores externos de
elétrons (fosforilação a nível de substrato)

2- Respiração: atuam aceptores externos de elétrons (fosforilação


oxidativa)
a) Aeróbia: o aceptor externo é o oxigênio
b) Anaeróbia: aceptores diferentes do oxigênio (Ex: nitrato)

3 etapas:

-Produção de Piruvato (Ex glicólise)


-Ciclo do ácido cítrico (ciclo de Krebs)
-Cadeia respiratória
1º etapa
Glicólise

Características:

1. Oxidação parcial da glicose


2. Produção líquida de 2 ATP
2º etapa
Ciclo de
Krebs
Produção direta de 1 GTP
guanosina trifosfato (equivalente ao
ATP)

Também é importante nas reações


biossintéticas.
3º Cadeia
Respiratória

Os prótons e elétrons recolhidos na


glicólise pelo NAD e no Ciclo de Krebs
pelo NAD e FAD são transportados ao
longo de uma cadeia de citocromos em
níveis sucessivamente mais baixos de
energia de modo que seja melhor
aproveitada na formação de ATP.
Fosforilação oxidativa

Geração da força
protomotiva
Síntese da respiração aeróbia

• Reações de oxidação e redução em presença de um aceptor de


elétrons externo, o O2
• A molécula inteira de C é oxidada até CO2

Produção de ATP:

Na cadeia respiratória:
4 NADH formados na glicólise geram 12
ATP
6 NADH formados no ciclo de Krebs geram 18 ATP
2 FADH formados no ciclo de Krebs geram 4 ATP
Formação direta na Glicólise 2 ATP
Formação direta no Ciclo de Krebs 2 GTP
Total de até .................................................... 38 ATP
Respiração anaeróbia

O aceptor de elétrons não é o oxigênio.


Rendimento energético inferior: nenhum aceptor alternativo apresenta
potencial tão oxidante quanto O2.

Permitem os microrganismos respirarem em ambientes sem oxigênio,


sendo de extrema importância ecológica.

Ex: NO3 por enterobactérias


Fermentação

A concentração de NAD+ nas


células é baixo,.
A redução do piruvato a
etanol recicla o NAD

Produção líquida de apenas


2 ATP.
Características da Fermentação:
- Ácido pirúvico é reduzido a ácidos orgânicos e álcoois

- NADH é oxidado a forma NAD:

- O2 não é necessário

- Não há obtenção adicional de ATP.

- Gases (CO2 e/ou H2) podem ser produzidos


Produtos da fermentação
Espécie microbiana Principal produto da fermentação

Acetivibrio cellulolyticus Ácido acético

Actinomyces bovis Ácidos acético, fórmico, láctico, etc.

Clostridium acetobutylicum Acetona, butanol, etanol, ácido fórmico, etc.

Enterobacter aerogenes Etanol, ácido fórmico, CO2, etc.

Escherichia coli Etanol, ácidos láctico, acético, fórmico, succínico, etc.

Lactobacillus brevis Etanol, glicerol, CO2, ácidos láctico, acético, etc.

Streptococcus lactis Ácido láctico

Succinimonas amylolytica Ácidos acético e succínico


FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA
• Realizada principalmente por leveduras  Saccharomyces
cerevisiae

• Combustível
• Vinho
• Cerveja
• Bebidas destiladas
FERMENTAÇÃO ACÉTICA

• Realizada principalmente por bactérias  Acetobacter


spp.

• Vinagre
FERMENTAÇÃO HOMOLÁCTICA

• Realizada principalmente por


bactérias  Lactobacillus spp. e
Streptococcus spp.

• Iogurte e queijos
FERMENTAÇÃO HETEROLÁCTICA

• Realizada principalmente por bactérias 


Leuconostoc

• Vegetais fermentados
CATABOLISMO DE VÁRIAS MOLÉCULAS
ORGÂNICAS

- A glicose é o substrato de
suprimento de energia.

- Microrganismos também
oxidam lipídeos e proteínas.

Tortora, Funke, Case, 2012


•Leucina •Arginina
•Lisina •Glutamina
•Fenilalanina •Corpos •Glutamato •Histidina
•Triptofano •cetônicos •Prolina
•Tirosina
•Isocitrato •α-cetoglutarato

•Isoleucina
•Acetoacetil-CoA •Ciclo •Metionina
•Citrato •de •Succinil-CoA
•Treonina
•Krebs •Valina
•Acetil-CoA •Succinato

•Oxalacetato •Fenilalanina
•Fumarato
•Tirosina
•Malato

•Piruvato
•Glicose

•Alanina
•Cisteína
•Isoleucina •Glicina
•Leucina •Serina •Glicogênicos
•Treonina •Treonina •Asparagina
•Cetogênicos
•Triptofano •Triptofano •Aspartato
Biossíntese
UTILIZAÇÃO DE ENERGIA
Precursores de aminoácidos

(Madigan et al., 2004)


Biossíntese de ácidos nucléicos

(Madigan et al., 2004)


Biossíntese de lipídeos
Glicose

Ácido pirúvico

Acetil CoA e Malonil CoA

Ácidos graxos de cadeia longa

Glicerol fosfato
Fosfolipídios (Madigan et al., 2004)
Referências Bibliográficas
• MADIGAN, Michael T. Brock biology of microorganisms. 12th.ed. San Francisco:
Pearson/Benjamin Cummings, 2009, xxviii, 1061, [65]p. ISBN 9870132324601.Cap
5

• TORTORA, Gerard J.; FUNKE, Berdell R.; CASE, Christine L. Microbiologia. 10.
ed. Porto Alegre (RS): ARTMED, 2012. xxvii, 934 p. ISBN 9788536326061. Cap 5

• TRABULSI, Luiz Rachid; ALTERTHUM, Flavio. Microbiologia. 5. ed. São Paulo:


Atheneu, 2008. 760p. (Biblioteca biomedica). ISBN 9788573799811.

• PELCZAR, Michael J.; CHAN, Eddie C. S.; KRIEG, Noel R. Microbiologia:


conceitos e aplicações. 2. ed. São Paulo (SP): Makron Books, c1997. 2v. Cap 11 e
12