Você está na página 1de 28

1

Título : Atendimentos Breves: Plano Geral e 1ª unidade


Conteúdo :

ATENDIMENTOS BREVES

I – EMENTA

Fundamentos filosóficos e teóricos das modalidades de atendimentos breves . Enquadre


destas modalidades de atendimento psicológico.

II – OBJETIVOS GERAIS

Compreensão dos fundamentos teóricos e técnicos dos atendimentos breves.

III – OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Tal competência será desenvolvida a partir das seguintes habilidades:

Desenvolver o raciocínio clínico fundamentado na concepção dos atendimentos breves.


Identificar demandas de atendimento clínico
Selecionar e indicar o melhor encaminhamento dos casos.

IV – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Aconselhamento Psicológico e Terapêutico

V – BIBLIOGRAFIA BÁSICA
FORGHIERI, Y. C. Aconselhamento terapêutico: origens, fundamentos e práticas. São
Paulo: Thomson Learning, 2007.

ROSENBERG, R. L. (org.) Aconselhamento psicológico centrado na pessoa. São


Paulo: EPU, 1987.

MORATO, H. T. P. (coord) Aconselhamento psicológico centrado na pessoa; novos


desafios. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

FORGHIERI, Y. C. Psicologia fenomenológica: fundamentos, método e pesquisas.


São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004

PATTERSON, L. E.; EISENBERG, S. O processo de aconselhamento. São Paulo,


Martins Fontes, 2003.

GOBBI, S. L.; MISSEL, S. T. Vocabulário e noções básicas da abordagem centrada


na pessoa. São Paulo: Vetor, 2002

PLANO DE AULAS – ATENDIMENTOS BREVES

CRONOGRAMA SEMANAL DAS AULAS TEÓRICAS.


 1ª unidade: Definição de aconselhamento
Histórico do aconselhamento e tendências atuais.

1
2
PATTERSON, L. E.; EISENBERG, S. O processo de aconselhamento, cap. 2, p. 19 a 36,
cap. 11, p. 173 a 200.
 2ª. unidade
Definição de aconselhamento psicológico rogeriano
Atitudes básicas do terapeuta na abordagem centrada na pessoa
Formação do conselheiro

ROSENBERG, R. L. (org.) Aconselhamento psicológico centrado na pessoa. Cap. 1 a 4, p.


14 a 59

3ª unidade: Aplicações do aconselhamento psicológico rogeriano:


Plantão Psicológico, Oficina de Criatividade e Supervisão de Apoio Psicológico

ROSENBERG, R. L. (org.) Aconselhamento psicológico centrado na pessoa. Cap. 6: 75 a


83.
MORATO, H. T. P. (coord) Aconselhamento psicológico centrado na pessoa; novos
desafios. Cap. 1, p. 27 a 44; Cap. 4, p. 91 a 106, Cap. 11, p. 187 a 205; Cap. 12, p. 209 a
222; Caps. 20 p. 331, a 334.

4ª Unidade:
Fenomenologia e suas relações com a personalidade.
Perspectiva fenomenológica da personalidade.
Saúde e Adoecimento existenciais
FORGHIERI, Y. C. Psicologia fenomenológica: fundamentos, métodos e pesquisa, cap. 2 p. 13 a 22.
FORGHIERI, Y. C. Aconselhamento terapêutico: origens, fundamentos e práticas. Caps.
10 e 11, p. 93 a 101.
FORGHIERI, Y. C. Psicologia fenomenológica: fundamentos, métodos e pesquisa. Cap. V, parte III:
Considerações sobre o ser-doente e o ser saudável, existencialmente. P. 51 a 55.

5ª unidade:
A práxis do aconselhamento terapêutico fenomenológico-existencial.
FORGHIERI, Y. C. Aconselhamento terapêutico: origens, fundamentos e práticas. Caps.
12 a 16, p. 109 a 142

EXERCÍCIOS

01- Aconselhamento Psicológico definido como um processo interativo tem como objetivo
promover mudanças no comportamento, em constructos pessoais, na capacidade de ser bem
sucedido nas situações da vida e na promoção de habilidades para tomada de decisão.

Em decorrência da afirmação acima, pode-se dizer que:

I – a alteração do auto-conceito pode conduzir às referidas mudanças.

II – se é um trabalho que conduz a mudanças, é árduo e envolve tanto o conselheiro quanto o


cliente.

III – os aspectos afetivos devem ser privilegiados para que as mudanças aconteçam.

- Responda:

O Aconselhamento Psicológico definido como um processo interativo tem como objetivo promover
mudanças no comportamento, em constructos pessoais, na capacidade de ser bem sucedido nas
situações da vida e na promoção de habilidades para tomada de decisão.

2
3

Em decorrência da afirmação acima, pode-se afirmar que:

I – a alteração do auto-conceito pode conduzir às referidas mudanças.

II – se é um trabalho que conduz a mudanças, é árduo e envolve tanto o conselheiro quanto o


cliente.

III – os aspectos afetivos devem ser privilegiados para que as mudanças aconteçam.

Assinale a alternativa correta:

A) Somente as afirmativas I e II são corretas.


B) Somente as afirmativas I e III são corretas.
C) Somente as afirmativas II e III são corretas.
D) Somente a afirmativa I é correta.
E) Todas as afirmativas são corretas

02- procura auxílio para avaliar sua escolha profissional. Em seu relato, apresenta uma dúvida em
relação ao mercado de trabalho e sua capacidade de adaptação às exigências da profissão. Você
indicaria que tipo de aconselhamento para ele?
A) O Aconselhamento Gestáltico, com ênfase no contato inicial.
B) O Aconselhamento Behaviorista, com a utilização da teoria da aprendizagem.
C) O Aconselhamento baseado em Traços e Fatores, com ênfase em testes e informação
detalhada.
D) O Aconselhamento Rogeriano, com ênfase na empatia e escuta acolhedora.
E) O Aconselhamento Emotivo-Racional, com ênfase na técnica da congruência

03- Aconselhamento Gestáltico compreende o crescimento como uma seqüência de


acontecimentos com as seguintes etapas: experiência, sensação, excitação e integração. Em
decorrência dessa concepção, é correto afirmar que:
A) os mecanismos de defesa proporcionam a estagnação do desenvolvimento e devem ser
confrontados.
B) a transformação decorre da atuação passiva do conselheiro que estimula a auto-compreensão
através da escuta incondicional.
C) o passado deve ser vasculhado e as causas dos conflitos elucidadas.
D) o instinto de fome e a libido desempenham papel importante na motivação do
comportamento.
E) o aspecto cognitivo do comportamento deve ser priorizado pelo conselheiro
04- Segundo Patterson (2003) o aconselhamento profissional como serviço de ajuda humana
não se ajusta ao uso convencional da palavra. Leia as afirmações abaixo e marque a
alternativa correta:
I. A abordagem enfatiza o potencial único de cada individuo e define o papel do conselheiro
como facilitador do crescimento pessoal.
3
4
II. Ter consciência de que o aconselhamento deve levar à mudança diminui o risco de o cliente
considerá-lo “apenas uma conversa agradável”.
III. As ações podem ser avaliadas para uma finalidade não definida e esse objetivo pode ser
definido mesmo que o problema não tenha sido explorado.
IV. Os problemas do cliente devem ser tratados isoladamente, caso contrário o processo deverá
voltar ao inicio absoluto.

É verdadeiro o que se afirma em:


A) I e II, apenas.
B) I, II e III, apenas.
C) II, III e IV, apenas.
D) IV, apenas.
E) III e IV, apenas

05- Aconselhamento baseado em Traços e Fatores é criticado pelo poder de influência do


conselheiro em relação ao cliente. No entanto, um procedimento para amenizar esse aspecto do
processo de interação seria:
A) a) o conselheiro valorizar a fase da descoberta inicial em detrimento das outras.
B) a) o conselheiro enfatizar os aspectos emocionais do cliente.
C)
a) o conselheiro utilizar a técnica da interpretação para que insights auxiliem na auto-
compreensão.
D) a) o conselheiro apresentar os dados obtidos e as informações objetivas de forma criteriosa
ressaltando que o discernimento cabe ao cliente.
E) a) o conselheiro fazer uso da confrontação construtiva para destacar os conflitos da
personalidade do cliente

06- Seguem relatos de pessoas que passaram por um atendimento psicológico,


Leia atentamente:

“ não acho que o atendimento recebido tenha resolvido o meu problema, mas tenho plena
convicção de que abriu-me algumas portas, deu-me algumas luzes e fez-me refletir. Creio que
agora estou mais apto a resolvê-lo e muito otimista por saber que posso”
“achei ótima essa idéia, psicólogos ouvindo pessoas em casos de emergência emocional. Deve
continuar e se expandir em vários locais e ser divulgado e ensinado, dado como um curso nas
escolas de psicologia”

“acho essa iniciativa muito válida e isso, acredito eu, vem ressaltar ainda mais o papel, ainda
que às vezes reprimido do psicólogo na sociedade. Acredito que mesmo sendo um só encontro,
estes 50 ou 60 minutos que sejam, nossas 23 horas restantes e dias posteriores serão melhores”

A) a) Trata-se de um aconselhamento baseado em traços e


fatores que apresenta uma analise, síntese, diagnose, prognóstico,
aconselhamento e acompanhamento.

4
5

B) Não se trata de um atendimento psicológico com efeito


terapêutico, pois o psicólogo desempenhou o papel semelhante a um
assistente social.
C) Trata-se de uma psicoterapia breve com números definidos de
sessão.
D) Trata-se de um plantão psicológico onde o psicólogo enfrenta a
problemática apresentada a partir da experiência da pessoa ali
presente, permite acolher a demanda já naquele momento, no
momento de sua expressão.
E) Trata-se de um aconselhamento psicanalítico, e utiliza-se de
associação livre e interpretação

07- Convencionalmente, classifica-se a ansiedade em real, moral e neurótica. A ansiedade real é o


medo de perigo real. A ansiedade moral é o medo de fazer alguma coisa que seja moralmente
errada. A ansiedade neurótica é o medo de perigos ou humilhações imaginários. O objetivo do
aconselhamento é:
I Eliminar a ansiedade do cliente para que ocorra o crescimento pessoal.
II Ajudar as pessoas a compreenderem suas ansiedades e a reduzirem a ansiedade debilitadora.
III Fazer com que o cliente passe a apresentar um nível de ansiedade apropriado à situação.

É verdadeiro o que se afirma em:


A) I apenas
B) II apenas
C) II e III apenas
D) II e III apenas
E) I, II e III

08- Thad, um jovem de 25 anos, procurou serviço de orientação da universidade, porque tinha
problemas de concentrar-se em seus estudos e sentia-se sob tensão constante. Dois meses antes, ele
mudara para seu próprio apartamento, deixando pela primeira vez a casa de seus pais. Sentia-se
culpado por “abandoná-los, quando precisavam dele”. Seu pai tinha um sério problema
degenerativo de saúde e requeria algum cuidado especial, embora não fosse um inválido. Sua mãe
era ativa e saudável, capaz e desejosa de ajudar a tornar confortável a vida de seu marido.
À medida que o aconselhamento prosseguiu, Thad veio a compreender que seus pais necessitavam
de sua afeição e envolvimento, mas não de seu auxílio físico e presença. Suas visitas diárias
estavam, realmente, interrompendo outras coisas que eles queriam fazer. Thad mudou a percepção
pessoal de seu papel na família, e a nova visão permitiu-lhe viver fora de casa sem culpa. Passou a
fazer das visitas para a família ocasiões especiais, e ele e os pais voltaram a apreciar a companhia
um dos outros. A sensação de tensão desapareceu e Thad tornou-se capaz de concentrar-se no
trabalho escolar e em outros aspectos de sua vida pessoal.
No estudo de caso acima, Thad consegue realizar algumas mudanças com a ajuda do processo de
aconselhamento. Segundo os pressupostos do aconselhamento assinale a alternativa INCORRETA
no que diz respeito aos “construtos pessoais”:

5
6

A) Construtos pessoais é uma visão particular que o indivíduo tem de si mesmo, mesmo diante
de uma processo de aconselhamento a pessoa não consegue mudá-la. Thad muda seu
comportamento, mas não consegue mudar seus construtos pessoais.
B) Embora não observável diretamente, é possível que a mudança em construtos pesoais ocorra
no aconselhamento.
C) Algumas pessoas se vêem de forma muito negativa, um objetivo comum do aconselhamento
é que o cliente melhore o seu próprio autoconceito e passe a julgar-se uma pessoa mais competente,
amável ou merecedora.
D) Construtos pessoais é uma visão particular que o indivíduo tem de si mesmo, podendo ser
modificada. Thad, com a ajuda do processo de aconselhamento consegue mudar seu comportamento
e também seus pensamentos.
E)
Embora não observável diretamente, é possível que a mudança em construtos pessoais
ocorra no aconselhamento, podendo ser avaliada pela produção verbal do cliente.

09- O aconselhamento racional-emotivo foi desenvolvido por Albert Ellis que, como
Rogers e Perls, recebeu formação para ser terapeuta psicanalista. Analise as afirmações
abaixo:

I O aconselhamento racional-emotivo caracteriza-se por um procedimento de


“despropaganda”. O conselheiro identifica o pensamento irracional do cliente, indica-o e
então procura substituí-lo por um pensamento mais racional.
II O processo de aconselhamento racional-emotivo inclui persuasão, condicionamento,
dessensibilização. Todas essas técnicas procuram estimular o cliente a pensar mais
racionalmente.
III No processo de aconselhamento racional-emotivo o cliente é instruído para comportar-
se de modo diferente, com base em seus pensamentos irracionais recentes sobre suas
experiências de vida.
IV O aconselhamento racional-emotivo elimina a necessidade de um completo processo
diagnóstico histórico e passa diretamente a apoiar as mudanças no cliente. Faz com que
este perceba corretamente como pensa e sente, sem dedicar excessivamente energia em
compreender o porquê, e reestrutura o processo cognitivo do cliente.
V A abordagem racional-emotivo de aconselhamento situa-se próxima à extremidade de
caráter racional e de controle pelo conselheiro de nossa escala de teorias de
aconselhamento.
Assinale a alternativa correta:
A) Apenas as alternativas IV e V estão corretas.
B) a) Somente a alternativa V está correta.
C) a) Todas as alternativas estão corretas.
D) a) Somente a alternativas I e II estão corretas.
E) a) Somente as alternativas I, II, III e V estão corretas

10- psicanálise foi criada por Sigmund Freud, que desenvolveu sua teoria a partir de sua
experiência como terapeuta e escreveu sobre seu trabalho por um período de quase cinqüenta anos.
Após Rogers ter aberto o caminho para os conselheiros trabalharem com a emoção humana, a obra
freudiana foi descoberta pelos profissionais do aconselhamento. Analise as afirmativas abaixo:

6
7

I O processo de aconselhamento psicanalítico encoraja o cliente a desalojar o material inconsciente


e resolver os conflitos contidos nele.
II No aconselhamento psicanalítico o cliente aprende a pensar de modo diferente sobre seu
comportamento ou simplesmente e condicionado a comportar-se de maneira diferente.
III O conselheiro psicanalítico tenta compreender a dinâmica do cliente e interpreta para ele o seu
comportamento.
IV O conselheiro psicanalítico utiliza, predominantemente, a técnica da dramatização com o cliente,
para que esse possa tornar conscientes os conteúdos inconscientes.
V- No aconselhamento psicanalítico, o cliente é encorajado a falar mais livremente possível sobre
situações incômodas. Em alguns casos, emprega-se a associação livre e algumas vezes, são
analisados os sonhos.
Assinale a alternativa correta no que diz respeito ao aconselhamento psicanalítico.

A) a) Apenas as afirmativas I e V estão corretas.


B) Somente a afirmativa V está correta.
C) Todas as afirmativas estão corretas.
D) c) Somente a afirmativas I e III e IV estão corretas.
E) Somente as afirmativas I, II, III e IV estão corretas

Título : 2ª unidade
Conteúdo :
 2ª. unidade
Definição de aconselhamento psicológico rogeriano
Atitudes básicas do terapeuta na abordagem centrada na pessoa
Formação do conselheiro

ROSENBERG, R. L. (org.) Aconselhamento psicológico centrado na pessoa. Cap. 1 a 4, p. 14 a 59

01- Segundo Forghieri (2007), “a personalidade é um conjunto de características básicas do ser


humano, estruturadas a partir de como ele se apreende existindo no mundo... O mundo constitui-se
de três aspectos intimamente articulados: o mundo circundante, o mundo humano e o mundo
próprio”. Assinale a alternativa INCORRETA no que diz respeito ao ser-no-mundo:

a) ( ) O mundo próprio consiste na relação que o indivíduo estabelece consigo, ou em outras


palavras, no seu ser-si-mesmo, na consciência de si e no autoconhecimento.
b) ( ) O mundo circundante abrange as coisas, as plantas e o frio, o bom tempo e as intempéries.
Consiste no relacionamento da pessoa com o que costumamos denominar de ambiente. Abarca tudo
aquilo que se encontra concretamente presente nas situações vividas pela pessoa, em seu contato
com o mundo.
c) ( ) O mundo humano é aquele que diz respeito a relação do sujeito com o objeto. Todo sujeito é
sujeito para uma consciência e toda consciência é consciência para um objeto.
d) ( ) Ser e mundo, sujeito e objeto, não são dois absolutos essencialmente independentes, mas
comparáveis a dois pólos, necessariamente ligados em relação recíproca.
e) ( ) O pressuposto “ser-no-mundo” nos diz que, não conseguimos compreender o ser sem
compreender o seu mundo. Compreender o ser é compreendê-lo em seu mundo.
A)

7
8

B)
C)
D)
E)
02- O holocausto representa para o sec. XX a desmistificação daquele caráter progressivo e
benéfico do processo civilizatório do ocidente, construído a partir do projeto iluminista. A
psicologia, entre outras disciplinas, foi fortemente influenciado por esse momento histórico, entre
elas surge o aconselhamento centrado na pessoa de Carl Rogers.
Assinale a alternativa incorreta na referencia dessa escola:
A) A insatisfação com os ideais nazistas gerou a necessidade de maior
cuidado e controle do comportamento humano, fundamentado nos ideais
humanistas.
B) O desencanto com o caráter progressivo civilizatório, com a ciência como o “bem maior da
humanidade”, implicou ao homem a revalorização dos princípio éticos da humanidade.
C) Uma mudança no paradigma científico foi instalada, desde então,
consubstaciados na redefinição dos Direitos humanos, a psicologia redirecionou
seu objeto de estudos: da alienação mental para a responsabilidade política do
profissional de saúde.
D) A dimensão humanista renasce, a parir da tragédia do holocausto, como um movimento
compensatório às violações dos Direitos Humanos.
E) A função social do psicólogo clínico, no modelo humanista pode ser
compreendida como conseqüência, sócio-histórica, do holocausto.

03- Leia a frase abaixo de Clarice Lispector (in Morato, 1999, p.216), e em seguida responda a
questão.

“A linguagem é meu esforço humano. Por destino tenho que ir buscar e por destino volto com as
mãos vazias. Mas – volto com o indizível. O indizível só me poderá ser dado através do fracasso de
minha linguagem. Só quando falha a construção é que obtenho o que ela não conseguiu”.

Morato cita Clarice para exemplificar que:


I. No atendimento clínico é importante que considere que não atende simplesmente um corpo;
II. O profissional de saúde deve ter claro que lida com o humano, importante para que se faça da
prática de saúde uma Ciência;
III. Ao atender o paciente o profissional de saúde deve se deter ao imediato, aos sintomas da
doença que relata o paciente;
IV. O paciente ao buscar o atendimento clínico deve ter claro que o profissional de saúde o
conhece melhor do que ele próprio;
V. O profissional de saúde deve ter claro que o corpo vai além do que se observa, na medida em
que é também uma formação humana.

Podemos afirmar que apenas as afirmativas abaixo correlacionadas estão corretas:


A) I, II e V
B) II, III e IV
C) I, III e V

8
9

D) III e IV
E) IV e V

04- Em um grupo de encontro, um homem vinha fazendo comentários vagamente negativos a


respeito de seu pai. O facilitador diz: “Parece que você está com raiva de seu pai”. Ele replica:
“Não, acho que não”. ‘Quem sabe está insatisfeito com ele”. “Bem, sim, talvez...” (sem muita
convicção). “Talvez você esteja decepcionado com ele” ; “ É isto! Estou decepcionado pelo fato
dele não ser uma pessoa forte; acho que sempre estive decepcionado com ele, desde menino” (in, A
Pessoa como Centro,pg.72).

Segundo a abordagem rogeriana, em relação a quê o homem está verificando a exatidão destes
termos? Assinale a alternativa correta:
A) le as compara com o fluxo-psicofisiológico em curso dentro dele, a fim de verificar sua
exatidão. Este fluxo é algo muito real e as pessoas podem usá-los como um ponto de referência.
B) Ele as compara com o conteúdo interno ainda não elaborado, a fim de verificar sua exatidão.
Essa elaboração ocorre com a ajuda do facilitador
C) Ele as reflete racionalmente a fim de compreender seus conteúdos subjetivos.
D) a- Ele as compara com os conteúdos introjetados que estão inconscientes, a fim de verificar
sua exatidão.Essa consciência se dá com a projeção de conteúdos.
E) a- Ele as compara com a auto-regulação organísmica que leva à integração das partes umas
com as outras, numa totalidade que verifica sua exatidão.

05- Observe o pensamento abaixo:

Ouvir é diferente de apenas ficar em silêncio, pois só ficar em silêncio é algo


negativo; ouvir é algo positivo. Apenas ficar em silêncio é algo passivo e o ouvir é
uma passividade alerta, que espera algo sem nada dizer, mas espera com todo o
ser (Osho,2005).

O trecho acima:
A) Expressa a escuta terapêutica da abordagem psicanalítica, caracterizada pela atenção
flutuante.
B) Expressa a atitude da gestalt-terapia, na qual o terapeuta desempenha um papel não-diretivo.
C) Expressa a importância de não apenas ouvir, mas agir, característica a abordagem gestáltica.
D) Expressa a escuta terapêutica da abordagem rogeriana, na qual o facilitador é receptivo e
fornece apoio, mas fica em silêncio, pois cabe ao cliente encontrar seu próprio caminho.
E) Expressa a escuta terapêutica segundo a abordagem rogeriana, caracterizada por aceitação
positiva incondicional, empatia e autenticidade.

06- A teoria de aconselhamento psicológico de abordagem centrada na pessoa,


defende que somos positivamente motivados e progredimos em direção a níveis mais

9
10
altos de funcionamento, ou seja, que a existência humana não significa somente lidar
com conflitos ocultos.
Assinale a alternativa correta. Neste caso podemos dizer que os psicólogos trabalham
o potencial das pessoas para:
A) Desenvolverem-se em direções indesejadas, mesmo com condições de vida razoáveis.
B) Viverem objetivamente suas vidas no momento futuro.
C) Pensar em como se sentiram ou agiram no passado.
D) Crescer e mudar em seu ritmo tempo e necessidade.
E) Deixarem-se influenciar negativamente, pelo passado e futuro.
07- Carl Rogers é criador do método não-diretivo em Psicologia, enfatizando os aspectos
pessoais do relacionamento entre psicoterapeuta e cliente. Leia as afirmações abaixo e
assinale a alternativa correta.
I. No método não-diretivo a responsabilidade pela condução da entrevista cabe ao cliente.
II. No método diretivo o cliente pode e deve aceitar os resultados da entrevista e não perderá as próprias
possibilidades de auto-direção.
III. No método diretivo o conselheiro explica ao cliente que a situação do aconselhamento lhe dá
oportunidade de resolver o problema com assistência.
IV. Um dos pontos que diferencia o aconselhamento não-diretivo do diretivo, é que neste há ênfase no
diagnóstico dos problemas do cliente, enquanto que no método não-diretivo há o objetivo de encarar o
cliente, como uma pessoa e não como um problema a ser resolvido.
É verdadeiro o que se afirma em:
A) I, II e III, apenas.
B) II, III e IV, apenas
C) IV, apenas.
D) II e III, apenas.
E) I, II e IV, apenas.

08- Alguns elementos são destacados por Schmidt (1987) para referir as relações entre
Aconselhamento, Orientação e Psicoterapia dentro da Abordagem Centrada na Pessoa
(ACP). Leia as afirmações abaixo e assinale a alternativa incorreta:
A) O campo da relação de ajuda anula a importância atribuída às distinções
entre orientação, aconselhamento e psicoterapia.
B) Do ponto de vista da ACP distinções e/ou delimitação de certo tipo de
enquadre atribuídas entre orientação, aconselhamento e psicoterapia são
secundárias.
C) O fato de um atendimento se constituir como orientação ou psicoterapia vai
depender da maneira como o cliente configura, para si e diante do conselheiro, o
seu pedido de ajuda.
D) Deve-se partir do pressuposto que todo o tipo de ajuda é indicação para
psicoterapia.
E) O conselheiro constitui-se como profissional que recebe certa demanda e que
possui recursos e flexibilidade para propor alternativas de ajuda, incluindo
informação, orientação, encaminhamento e psicoterapia.

10
11

09- Morato (1987) faz uma reflexão sobre os pressupostos filosóficos da Abordagem
Centrada na Pessoa, a fim de compreender os fundamentos das proposições básicas desta
abordagem. Considerando o que a autora descreve a este respeito assinale a alternativa
correta:
I. O psicólogo-conselheiro é procurado para fornecer ajuda as pessoas que estão passando por mudanças
em suas vidas com muito ardor e angustia gerando desequilibro e terem dificuldades em recuperar-se.
Entretanto, dependendo de fatores externos e internos, tais crises são inegavelmente expressões pessoais de
vivência e, como tal, imprevisíveis.
II. Todo psicólogo-conselheiro deve seguir um padrão de funções a serem praticadas na relação de ajuda,
caso contrário, levará ao cliente a sentir-se confuso neste contato.
III. Numa relação de ajuda o psicólogo assume a posição de facilitador, pois facilita as condições para que
as crises vivenciadas pela pessoa passem a ser compreendidas dentro do processo de desenvolvimento de
vida desta.
IV. Para desempenhar suas funções não cabe ao conselheiro enquadrar em categorias as pessoas que o
procuram para uma ajuda, mas sim dirigido para atitudes profissionais que facilitam o processo de
crescimento dessas pessoas.

É verdadeiro o que se afirma em:


A) Todas as afirmações.
B) I, III e IV, apenas.
C) I e II, apenas.
D) II e IV, apenas.
E) III apenas.
10- Em busca de um referencial teórico que legitime as aplicações práticas de uma ciência
empírica e de uma visão integradora de homem, a Psicologia Humanista retoma
seu vinculo com a filosofia. Nesta busca os enfoques fenomenológico e existencial
influenciam este movimento. Leia as afirmações abaixo atentamente e marque a
alternativa correta.
I. A condição de ser é a base de uma ontologia que pode direcionar-se para a investigação
cientifica e, neste sentido, o enfoque existencial e fenomenológico concebe que o mundo
particular, a “realidade” para a pessoa é sua expressão de como se vê e vê os outros.

II. Sabe-se que a fenomenologia estuda o campo de consciência e os modos de relação do sujeito com o
objeto do conhecimento e é neste sentido que a ACP considera que a única possibilidade de realidade é a
consciência da experiência vivida.

III. O psicólogo-conselheiro deve ser capaz de vivenciar a relação de ajuda dentro do contínuo
fenomenológico que marca a existência do outro – seu mundo experiencial – o contrário disso, não poderá
proporcionar a esse outro as condições favoráveis de crescimento.

IV. Considerando o enfoque fenomenológico entende-se que a relação de ajuda é possível desde que
vivenciada pelo cliente, em sua necessidade de ser auxiliado no reconhecimento de suas escolhas e de seu
mundo experiencial. Para tanto, o psicólogo-conselheiro deve ser um especialista nesta técnica para que o
processo se desenvolva.

É verdadeiro o que se afirma em:


A) II, III e IV.
B) III e IV, apenas.
C) I, II e III
D) II e III, apenas.

11
12

E) I e IV apenas.

Título : 3ª unidade

Conteúdo :

3ª unidade: Aplicações do aconselhamento psicológico rogeriano:


Plantão Psicológico, Oficina de Criatividade e Supervisão de Apoio Psicológico

ROSENBERG, R. L. (org.) Aconselhamento psicológico centrado na pessoa. Cap. 6:


75 a 83.
MORATO, H. T. P. (coord) Aconselhamento psicológico centrado na pessoa; novos
desafios. Cap. 1, p. 27 a 44; Cap. 4, p. 91 a 106, Cap. 11, p. 187 a 205; Cap. 12, p. 209 a
222; Caps. 20 p. 331, a 334.

01- procura o plantão psicológico bastante tensa, preocupada, cabeça baixa. Diz que é a primeira vez que
procura ajuda psicológica e que nunca conversou com ninguém sobre seu problema atual. Conta que se
sente encurralada: estando casada há dois anos, apaixonou-se por outro rapaz com quem trabalha, e
depois de declarar-se a ele e confirmar que seus sentimentos eram correspondidos, contou ao marido o que
estava acontecendo. Este lhe deu um prazo de 15 dias para que se decidisse, sob pena de ser expulsa de
casa e perder o filho de um ano. Paula não se sentia em condições de resolver nada, mas a situação era
limite.

Segundo os pressupostos do plantão psicológico, de que forma (supostamente) o psicólogo conduziria essa
sessão?

I O psicólogo, percebendo a angústia de Paula, a encaminharia imediatamente para um processo de


psicoterapia.
II O conselheiro procuraria ouvir com atenção, estar junto a ela naquele momento marcado por emoções
fortes ante sentimentos de fracasso e de abandono e ante interesses incertos. Isso facilitaria a Paula expor-
se, ouvir-se, sentir-se.
III O psicólogo orientaria Paula a conversar com o rapaz do trabalho, explicando a ele que seus sentimentos
estão confusos e que precisam dar um tempo resolver o que fazer à respeito desta situação.
IV O conselheiro procuraria facilitar à Paula uma visão mais clara de si mesmo e de sua perspectiva ante a
problemática apresentada.
V O conselheiro, percebendo a angústia dela, continuaria atendendo Paula até quando fosse necessário.

a) ( ) Somente a alternativa II está correta.


b) ( ) Somente a alternativa I está correta.
c) ( ) Apenas as alternativas IV e V estão corretas.
d) ( ) Apenas as alternativas II e IV.
e) ( ) Apenas as alternativas II, III e IV.

A)
B)
C)
D)
E)

12
13

02- supervisão é o momento onde é possível retomar a experiência vivida, gerando sentidos. Sendo assim, torna-se claro que
os psicólogos de saúde e educação se beneficiam de um espaço que lhes garanta a reflexão sobre sua prática e sobre aquilo que
esta desperta, para assim ressignificá-la, ampliá-la e torná-la comunicável.
Assinale a alternativa que NÂO complementa esses pressupostos sobre a supervisão clínica:

a) ( ) Na supervisão, o supervisionando também é espectador, pode ver-se no atendimento que realiza, pode entregar-se sem
perder-se. Conseguir ser espectador é habitar o espaço intersubjetivo, que é o que permite que diferentes subjetividades tenham
acesso ao mesmo mundo.
b) ( ) Na supervisão, novos sentidos são possibilitados por novas observações. A verdade, se é que se pode falar assim, só
existe quando algo se revela nas diversas interpretações que o mundo suscita em cada um de nós, no sentido de que olhares
variados podem apreender partículas dessa verdade, que jamais será única e esgotada.
c) ( ) A supervisão se mostra como momento privilegiado porque é um momento de contato, contato que permite trocas, trocas
que permite compreensões, compreensões que se traduzem como um toque de leve nas asas da verdade do outro (e do mundo).
d) ( ) A supervisão será o momento do supervisionando aprender a atender de forma correta, enquanto observador participante,
aprenderá a fazer segundo o modelo de seu supervisor. Por isso a importância do supervisionando escolher um supervisor que
atue em sua abordagem preferida.
e) ( ) É nesse espaço intersubjetivo que se dá entre supervisor e supervisionando que esse último compreenderá, através das
reflexões, o que acontece entre ele e seu cliente. Espaço, por excelência, intersubjetivo, onde os sentidos só adquirem
significado entre as subjetividades em questão.

A)

B)
C)
D)
E)

03- Experiência entendida por Gendlin refere-se à pré-lógica e ao pré-conceitual. Gendlin fala de experiência como algo que não
pode ser igualado a definições lógicas e esquemas, à medida que não é construída por certos conteúdos dados e definidos. É um
processo, atividade, funcionamento, não um conjunto estático. Desse modo, os conceitos podem apenas se referir, mas nunca representar
o experienciar, que é amplo e inclui a sensação, o sentimento despertado. Portanto, os sentidos sobre as coisas não são uma estrutura
lógica, mas advém da interação entre experiência e símbolos, pois qualquer experiência pode ser interpretada de diversas maneiras,
levando a várias simbolizações.
De que forma essa experiência aparece e é trabalhada na supervisão?

a) ( ) No momento da supervisão, o supervisor compartilhará com os seus supervisionandos a sua vasta experiência de prática clínica.
b) ( ) A supervisão é um espaço em que todos os supervisionandos compartilharão suas experiências de vida para que, possam refletir,
de que forma essa experiência contribuirá para a sua prática clínica.
c) ( ) A supervisão é um momento em que as experiências de cada supervisionando, relacionadas ao seu encontro com o cliente, serão
compartilhadas no grupo e, onde, ocorrerá novas experiências.
d) ( ) Partindo deste pressuposto de experiência, a supervisão proporcionará aos supervisionandos um momento para refletir sobre os
pressupostos teóricos que servirão de base para explicar a dinâmica estrutural do paciente.
e) ( ) Partindo deste pressuposto de experiência, a supervisão será um espaço para que os supervisionandos elaborem as suas
experiências, ou seja, trata-se também de um espaço terapêutico para os psicólogos supervisionandos a fim de analisarem as suas próprias
vidas.

A)
B)
C)
D)
E)

04- Pensemos em uma peça de teatro:


13
14
“Em uma peça de teatro, a única maneira de apreendê-la em parte na sua verdade é deixando-se conduzir pelos atores, permitindo-se
viver o que eles vivem, introduzindo-se na história por eles representada, sabendo-se na platéia (ser espectador é vivenciar da platéia).
A história é sentida pelo espectador, que é capaz de chorar, sorrir, gargalhar, angustiar-se, entristecer-se, sem, no entanto, perder-se a si
mesmo, pois sabe que não vive a história apresentada. História que mobiliza, convence, atrai atenção, revela e oculta. Não há como
participar e/ou abarcar seu sentido sem que possamos permitir-nos a invasão necessária, a entrega de nós mesmos, mantendo-nos
distantes”. Esse exemplo ilustra, de forma metafórica, o momento da supervisão clínica. Assinale a alternativa que complementa esse
momento:

I Na supervisão, o supervisionando também é espectador, pode ver-se no atendimento que realiza, pode entregar-se sem perder-se.
II A supervisão se mostra como momento privilegiado porque é um momento de troca de informações teóricas. As teorias são
compreendidas e analisadas mais profundamente por cada supervisionando. É o momento de interpretar a teoria por vários prismas
diferenciados.
III A supervisão é um espaço dedicado, exclusivamente, para a compreensão do caso clínico atendido.
IV A supervisão se mostra como momento privilegiado porque é um momento de contato, contato que permite trocas, trocas que permite
compreensões, compreensões que se traduzem como um toque de leve nas asas da verdade do outro (e do mundo).
V Conseguir ser espectador (na supervisão) é habitar o espaço intersubjetivo, que é o que permite que diferentes subjetividades tenham
acesso ao mesmo mundo. Novos sentidos são possibilitados por novas observações. A verdade, se é que se pode falar assim, só existe
quando algo se revela nas diversas interpretações que o mundo suscita em cada um de nós, no sentido de que olhares variados podem
apreender partículas dessa verdade, que jamais será única e esgotada.

a) ( ) Somente as alternativas I, IV e V estão corretas.


b) ( ) Apenas a alternativa V está correta.
c) ( ) Somente as alternativas I, III, IV e V estão corretas.
d) ( ) Somente as alternativas II, IV e V estão corretas.
e) ( ) Somente as alternativas IV e V estão corretas.

A)

B)
C)
D)
E)

05- Marcos, cinqüenta anos, procura ajuda no plantão psicológico, pois seu filho de vinte e cinco anos está
tendo uma conduta que o tem preocupado. Ele tem notado que o filho, André, que no momento encontra-se
desempregado, tem bebido demais, e se envolve em brigas constantes com a namorada, chegando ao ponto
de ter ocorrido agressão física. Na última briga que teve com a namorada, André ameaçou se matar, o que
mobilizou a família. Sobre o atendimento no plantão psicológico, é CORRETO afirmar que:
a) Os recepcionistas da instituição que oferece o plantão psicológico devem encaminhar o caso
imediatamente à assistência psiquiátrica, pois André pode estar em um surto psicótico e neste caso não será
necessário que ocorra entrevista com o psicólogo plantonista.
b) O plantonista deve encaminhar o caso necessariamente à psicoterapia familiar.
c) O plantonista deve encaminhar André para a participação nas reuniões dos Alcoólicos Anônimos.
d)O plantonista deve escutar Marcos e tentar entender a sua percepção de sobre o assunto. A partir desta
percepção, o caso deve ser “trabalhado”.
e) O plantonista deve encaminhar André para uma psicoterapia individual e Marcos para a terapia de apoio.

A)

14
15

B)
C)
D)
E)

06- O Plantão Psicológico é um serviço que coloca um psicólogo ou equipe de profissionais trabalhando à
disposição de qualquer pessoa que procure, em locais e horários pré-determinados, sem que haja necessidade
de um agendamento prévio ou de se responsabilizar pela continuidade do tratamento. Analise as afirmações
abaixo:
I – Cada encontro deve ser compreendido pelo psicólogo como único, embora o cliente possa retornar para
outros atendimentos estes não deverão ser realizados pelo mesmo profissional.
II – Deve haver disponibilidade do terapeuta para a possibilidade de que o encontro com o cliente possa ser o
único
III – Devido à fixação de algumas prioridades, como o atendimento de casos mais graves, observa-se que
uma das conseqüências é a especialização em demanda bastante restrita.
IV - Normalmente a sessão de um plantão psicológico dura uma hora e poderá ser marcado um retorno ao
plantão para três dias depois.
Assinale a alternativa correta:
a) Apenas as afirmações I e II estão corretas.
b) Apenas as afirmações I e III estão corretas.
c) Apenas as afirmações I, II e IV estão corretas.
d) Apenas as afirmações I, II e III estão corretas.
e) Apenas as afirmações II e III estão corretas.

A)

B)
C)
D)
E)

07- Sérgio procura o Serviço de Plantão Psicológico buscando atendimento para sua esposa. Conta com detalhes os
comportamentos dela que o preocupam, como por exemplo: não dar mais conta de atividades rotineiras, como cozinhar, estar
completamente desatenta às necessidades dos filhos, dormir muito, ouvir vozes e, acordar assustada durante a noite imaginado
que ele esteja morto.

Segundo os pressupostos do plantão psicológico, de que forma (supostamente) o psicólogo conduziria essa sessão?

I O conselheiro focaliza toda atenção para a problemática da esposa de Sérgio, a fim de construir um diagnóstico.
II O conselheiro, atento também à ansiedade de Sérgio, comenta que percebe estar sendo difícil para ele ficar nessa situação, assumindo
tarefas que seriam dela, preocupando-se com os filhos que passam o dia com ela e assustando-se ao ser apalpado no meio da noite
quando ela quer verificar se está vivo ou morto.

15
16
III O conselheiro focaliza a atenção ao fato da esposa de Sérgio ouvir vozes. Diante dessa problemática grave, chama o psiquiatra que
também se encontra em plantão para conversar em conjunto com Sérgio.
IV O conselheiro, atento à ansiedade de Sérgio, procuraria facilitar a ele uma visão mais clara de si mesmo e de sua perspectiva ante a
problemática apresentada. No final, oferece a possibilidade de encontros regulares como aquele, caso estivesse interessado em um
processo de aconselhamento para si mesmo que está vivendo um período difícil.
V O conselheiro fala da importância em trazer a esposa para o atendimento e o dispensa da consulta.

a) ( ) Apenas a alternativa V está correta.


b) ( ) Somente as alternativas II e IV estão corretas.
c) ( ) Somente as alternativas I e III estão corretas.
d) ( ) Apenas a alternativa II está correta.
e) ( ) Somente as alternativas I e II estão corretas.

A)

B)
C)
D)
E)

08- “O Aconselhamento, como a educação, reconhece a característica única e singular da


individualidade. Mas isso não implica em um enfoque atomístico da natureza humana, pois os
indivíduos são essencialmente interdependentes, e a individualidade só se configura realmente no
contexto do relacionamento com outros indivíduos”.
(SCHEEFFER, 1976, p.28)

Em relação ao trecho acima, pode-se afirmar que:

a) o Aconselhamento Traço e Fator identifica potencialidades individuais para serem “aplicadas”


adequadamente.
b) o Aconselhamento tal como a educação estabelece metas que contemplam ideais de conduta.
c) apesar da ênfase ao coletivo, a competitividade e o destaque individual são incentivados para que
modelos sejam estabelecidos e possam ser seguidos.
d) a intersubjetividade é condição necessária para a produção da subjetividade.

e) o organismo e o meio ambiente formam uma unidade.

A)
B)
C)
D)
E)

09- Rogers, ao inovar o campo do Aconselhamento, estabelece que a equação básica compreende os
processos psicoterápicos e de aprendizagem. Em relação a essa importante contribuição, pode-se
afirmar que:

a) ele estabelece uma perspectiva clínica para o trabalho do psicólogo.


b) ele não questiona o poder do especialista.
16
17
c) ele não produz teorias do desenvolvimento e da personalidade.
d) a compreensão de espaços intra e extra-profissionais constituídos pela relação de ajuda é o que
lhe interessou investigar.
e) sua proposta responde às diferenças e singularidades individuais, grupais e institucionais.

A)

B)
C)
D)
E)

10- P, 48 anos, músico, diagnosticado como esquizofrênico crônico, relata que


passou por quatro internações em hospitais psiquiátricos em Porto Alegre: “Ao todo
foram mais de 15 anos de internação .O atendimento era horrível, as pessoas ficavam
amarradas em camas e nos davam injeções a todo momento. Eu só lembrava que era
gente quando entrava na oficina de criatividade, inaugurada recentemente, ela
permitiu que eu me lembrasse quem era, por detrás da doença. Foi lá que eu me
descobri, a arte me salvou” A oficina era um lugar simples, relata ele, com poucos
recursos técnicos e sem nenhum especialista dando instrução, apenas um atendente
ficava no local, para o caso de precisarmos de algo.”. P. veio ao ambulatório do
CAPS e fez esse relato ao psicólogo plantonista. Assinale a alternativa que condiz
com a visão existencial humanista..
I- O depoimento do cliente. é inconsistente, pois a oficina de criatividade é apenas
um momento de lazer, distrai, mas não é capaz de melhoras significativas em casos
de pacientes crônicos.
II- P. era músico, e foi por essa razão que a oficina pode lhe trazer benefícios,
ajudando-o a lembrar-se de quem ele era.
III- O depoimento de P. é um retrato falado, de que o tratamento humanizado traz
efeitos surpreendentes, mesmo a “pacientes crônicos”.
Está correto o que se afirma apenas nas afirmativas:

A) I

B) II
C) III
D) I e II
E) II e III

Título : 4ª Unidade

Conteúdo :

17
18
4ª Unidade:

Fenomenologia e suas relações com a personalidade.


Perspectiva fenomenológica da personalidade.
Saúde e Adoecimento existenciais

FORGHIERI, Y. C. Psicologia fenomenológica: fundamentos, métodos e pesquisa, cap. 2 p. 13 a 22.


FORGHIERI, Y. C. Aconselhamento terapêutico: origens, fundamentos e práticas.
Caps. 10 e 11, p. 93 a 101.
FORGHIERI, Y. C. Psicologia fenomenológica: fundamentos, métodos e pesquisa. Cap. V,
parte III: Considerações sobre o ser-doente e o ser saudável, existencialmente. P. 51 a 55.

01- “A essência de todos os sofrimentos humanos fundamenta-se no fato de que a pessoa


perdeu a capacidade de se abrir e de se decidir livremente acerca de suas
possibilidades de comportamento normal... os métodos psicoterapêuticos têm
por objetivo devolver à pessoa, na medida do possível, a livre disposição de suas
possibilidades existenciais de comportamento que respondem aos dados do mundo”.
(Boss, 1975 apud Forguieri, 1993).

Assinale a alternativa que NÂO condiz com a idéia de saúde e adoecimento existencial:
a) ( ) Os indivíduos adoecem existencialmente quando reconhecem, aceitam e lidam com a
insegurança, limitações e paradoxos de sua existência.
b) ( ) Ser sadio existencialmente consiste tanto em se abrir às próprias possibilidades, como
em aceitar e enfrentar os paradoxos e restrições da existência.
c) ( ) A pessoa que encontra-se existencialmente doente não dispõe livremente e nem
normalmente de todas as possibilidades de relações que poderia manter com o mundo. Sua
relação consigo e com o mundo encontra-se consideravelmente restrita.
d) ( ) Apesar de vivenciar momentos de restrição, conflitos e intensas contrariedades,
o ser humano saudável, embora nessas ocasiões possa ficar inicialmente confuso, ou
alheio à situação, acaba conseguindo recuperar o envolvimento e sintonia com o
seu sofrimento, atribuindo-lhe significado em sua existência.
e) ( ) Há pessoas que não conseguem reconhecer e aceitar a insegurança, paradoxos e
limitações de sua existência, sentindo-se sempre confusas e desanimadas. Essas pessoas
encontram-se existencialmente doentes.

A)
B)
C)
D)
E)

02- Quando estou fazendo minha caminhada matinal e me deparo com uma frondosa árvore,
toda florida, durante alguns instantes, sinto-me agradavelmente envolvida. Em seguida penso:
será que é uma paineira?” (FORGHIERI, Y.C. Aconselhamento Terapêutico. Origens, fundamentos
e prática).
Esse exemplo ilustra duas maneiras básicas do homem experienciar o mundo. Qual alternativa

18
19
abaixo NÃO condiz com essas duas maneiras básicas do homem experienciar o mundo?

a) ( ) A parte do exemplo que fala sobre o envolvimento da pessoa com a árvore, ilustra a vivência
imediata que, consiste no nosso existir imediato, pré-reflexivo.
b) ( ) O envolver-se com a árvore é a experiência da vivência imediata. Pois só assim conseguimos,
como nos afirma Minkowski (1982) recobrar o contato com a vida e com que ela tem de mais
espontâneo e originário; voltar a fonte primeira da qual brota não apenas a ciência, mas todas as
manifestações da vida.
c) ( ) A pergunta que a pessoa se faz: “será que é uma paineira?”, ilustra a vivência racional.
Consiste no nosso pensamento ou reflexão a respeito do que experienciamos pré-reflexivamente
na vivencia imediata.
d) ( ) O exemplo ilustra a passagem da vivência imediata para a racional, ambas de bem-estar.
e) ( ) O exemplo ilustra a vivencia racional do tempo. A temporalidade trata-se de nossa experiência
imediata e racional do encontro que temos com os objetos.

A)
B)
C)
D)
E)

03- Segundo Forghieri (2007), “a personalidade é um conjunto de características básicas


do ser humano, estruturadas a partir de como ele se apreende existindo no mundo...
O mundo constitui-se de três aspectos intimamente articulados: o mundo circundante,
o mundo humano e o mundo próprio”. Assinale a alternativa INCORRETA no que diz
respeito ao ser-no-mundo:

a) ( ) O mundo próprio consiste na relação que o indivíduo estabelece consigo, ou


em outras palavras, no seu ser-si-mesmo, na consciência de si e no autoconhecimento.
b) ( ) O mundo circundante abrange as coisas, as plantas e o frio, o bom tempo e as
intempéries. Consiste no relacionamento da pessoa com o que costumamos
denominar de ambiente. Abarca tudo aquilo que se encontra concretamente presente
nas situações vividas pela pessoa, em seu contato com o mundo.
c) ( ) O mundo humano é aquele que diz respeito a relação do sujeito com o objeto.
Todo sujeito é sujeito para uma consciência e toda consciência é consciência para
um objeto.
d) ( ) Ser e mundo, sujeito e objeto, não são dois absolutos essencialmente
independentes, mas comparáveis a dois pólos, necessariamente ligados em
relação recíproca.
e) ( ) O pressuposto “ser-no-mundo” nos diz que, não conseguimos compreender
o ser sem compreender o seu mundo. Compreender o ser é compreendê-lo em seu
mundo.

A)

B)
C)
D)
19
20

E)

04- Considere a seguinte afirmação:

“O ser-doente só pode ser compreendido a partir do modo de ser-sadio e da


constituição fundamental do homem saudável, não perturbado, pois todo modo de
ser-doente representa um aspecto privativo de determinado modo de ser-não.”
(Boss, 1976, p.14)

- Em relação à citação, é incorreto afirmar que:

a) a relação consigo e com o mundo de uma pessoa doente encontra-se


consideravelmente restringida.
b) a diminuição de recursos pessoais pode transformar-se em estímulo para que um
indivíduo se dedique à descoberta e atualização de possibilidades.
c) algumas pessoas ao vivenciarem situações de grande contrariedade podem
apresentar manifestações somáticas.
d) o ser sadio deve se abrir às próprias possibilidades e não aceitar as restrições da
existência.
e) a atuação psicoterapêutica deve promover no cliente o envolvimento e a sintonia
dele consigo mesmo e com o mundo.

A)

B)
C)
D)
E)

05- Considere a seguinte afirmação:

Ser sadio existencialmente consiste tanto em se abrir às próprias


possibilidades, como em aceitar e enfrentar os paradoxos e restrições da
existência. A saúde existencial está profundamente relacionada ao modo
como conseguimos estabelecer articulações eficientes entre a amplitude e as
restrições de nosso existir.

- Considerando a afirmação, é incorreto afirmar que:

A) a própria existência de opostos é que nos dá o verdadeiro significado de cada um dos pólos
da existência.

B) no contínuo fluxo do existir, os acontecimentos estão constantemente mudando de sentido.

20
21

C) o ser doente só pode ser compreendido a partir do modo de ser sadio.


D) não é saudável o indivíduo envolver-se com a situação de sofrimento e aceitá-la.
E) a atuação psicoterapêutica não deve promover no cliente o distanciamento do mundo e a
auto-proteção no contato com as pessoas.

06- Jean Paul Sartre retoma no existencialismo de Kierkegaard e Heidegger a


corrente humanista afirmando que o existencialismo é um humanismo. Nesse
enfoque escolha a afirmação incorreta:

A) O homem é responsável por aquilo que é, ou seja: por suas escolhas, criações, omissões
B) A- O homem é angústia.
C) Evitar a angústia, dominando a ansiedade é um modo de aprender a vencer a si mesmo
D) Suportar a angústia, sem disfarces ou defesas, encontrar um sentido para ela é a meta do
existencialismo.
E) O que amedronta, é o fato dessa corrente de pensamento deixar ao homem, a possibilidade
de escolha

07- A psicologia humanista se vincula particularmente à filosofia fenomenológico-


existencial. Edmund Husserl sistematizou a fenomenologia (estudo do fenômeno). “É
a ciência do fenômeno, objetos, como ele é experenciado na consciência”. Dentre suas
premissas podemos identificar:
Assinale a alternativa correta..
I- Discriminação, separação e clareza entre o que é percebido, imaginado e sentido,
entre o real e o imaginário, é tarefa do conselheiro.
II- Libertar-se de qualquer preconceito é condição si ne qua non para essa prática.
III- No processo de Aconselhamento, o conselheiro deve buscar o sentido, o
significado da experiência em si mesmo, para posteriormente oferecê-la a seu cliente.
IV- A condição para o conhecimento é a apreensão da essência das coisas.
V- Explorar o fenômeno sem julgamentos, crenças ou suposições é suspender seus
habituais modos de pensar.

Assinale a alternativa correta:

A) Está correto apenas o que se afirma em I e II..


B) Está correto apenas o que se afirma em I e III
C) Está correto apenas o que se afirma em II , IV e V.
D) Está correto apenas o que se afirma em II, III, IV e V.
E) Está correto apenas o que se afirma em I, II, IV e V

08- Leia o trecho abaixo e responda dentre as alternativas aquela que melhor representa
o referencial teórico da referida discussão:
21
22
Tal discussão foi realizada por E. Minkowki junto de um paciente com delírio melancólico
acompanhado de idéias de perseguição.
“Uma primeira compreensão do doente é a compreensão espontânea do familiar que se
vê em face de uma conduta desnorteante e que não pode se impedir de reagir segundo
seu próprio humor: compaixão, doçura, persuasão, paciência, e cólera, aparecem cada
uma por sua vez. Mas, se o quadro dos sintomas e de suas correlações faz conhecer a
doença, constituirá ele (médico), por si próprio, uma compreensão do doente? Mesmo de
posse do quadro clínico, o psiquismo do médico permanece estranho ao do doente
enquanto não houver respondido à questão: “onde se produz a defasagem de seu
psiquismo em relação ao nosso”? Se, mesmo de posse de um diagnóstico preciso, o
médico permanece exterior ao psiquismo do doente, é porque que ele ainda não
consegue perceber o que distingue a vivência do psicótico da do homem normal.
Precisemos bem que perceber do interior essa vivência não significa para o médico
reproduzir nele o universo mental do doente: não é preciso se tornar psicótico para poder
compreendê-lo. Trata-se de descobrir, além dos dados objetivos e com sua ajuda, qual é
a fundamental dimensão do ser homem ou do estar no mundo, pela qual é definido o
existente humano, que se encontra perturbado na doença. É sobre o fundo dessa intuição
– que o médico encontrará em si próprio e não no quadro clinico – que poderão ser
compreendidos os dados objetivos do diagnóstico”.

A) Behaviorismo

B) Fenomenologia
C) Teoria traço-fator
D) Psicanálise
E) Humanismo

09- Saúde e adoecimento existenciais fazem parte da vida de todos nós. Neste
sentido segundo Forghieri analise as afirmações abaixo:

I. A saúde existencial consiste em mal-estar, contrariedade e angústia, caracterizando-


se por uma vivência global de impotência, insatisfação em relação a si mesmo, à
própria vida e aos seus semelhantes, e por uma revolta.
II.Todos nós temos um secreto medo de adoecer existencialmente, que se manifesta
sempre que vivenciamos situações de intensa contrariedades, que ameaçam
ultrapassar nossos limites para suportá-las.
III. O fluxo do nosso existir é único e flui tanto no bem-estar como na contrariedade,
mas se esta não for aceita, também não é compreendida, passando, então, a dificultar
ou mesmo bloquear o referido fluxo.
IV. Inspirada em Buber e Binswanger, Forghieri considera que a saúde e o
adoecimento existências encontram-se articulados a dois tipos primordiais de humor:
o amor e a angústia.

Assinale a alternativa correta. Estão corretas somente as afirmações:

22
23

A) I

B) II
C) III
D) II e III
E) II, III e IV

10- As formulações fornecidas por Husserl e esclarecidas por Merleau-Ponty a


respeito do inter-relacionamento entre a Fenomenologia e Psicologia levam, também,
a uma consideração mais ampla da Psicologia, de acordo com a qual ela é uma
ciência cujo conhecimento é peculiar e paradoxal. Neste sentido, leia atentamente as
afirmativas abaixo e as analise:

I. A Fenomenologia apresenta-se como conhecimento da realidade concreta;


visa ser objetiva e a abranger um domínio particular, delimitado e sem
profundidade.

II. A Fenomenologia de Husserl contribuiu, consideravelmente, para a


possibilidade de estabelecimento de relações entre a Filosofia e a
Psicologia, pois , embora ele tivesse a intenção de chegar ao fundamento do
próprio conhecimento e de todo saber, tomou o mundo vivido como ponto
de partida para realizar este seu ideal.
III. A importância do método fenomenológico reside na reflexão de que a
Fenomenologia vai em direção ao “mundo da vida”, ao mundo da vivência
cotidiana imediata, no qual todo nós vivemos, temos aspirações e agimos,
sentindo-nos ora satisfeitos e ora contrariados.
IV. À Fenomenologia propõe-se a ser uma “ciência descritiva das essências da
vivência”. Por isso encontra-se intimamente relacionada à Psicologia,
fornecendo-lhe os seus fundamentos.

Assinale a alternativa correta:

A) Apenas a afirmativa I é verdadeira.

B) Apenas a afirmativa II é verdadeira.


C) Apenas a afirmativa III é verdadeira.
D) Apenas as afirmativas II e III são verdadeiras.

E) afirmativas II, III e IV são verdadeiras

23
24

Título : 5ª unidade
Conteúdo :

5ª unidade:
A práxis do aconselhamento terapêutico fenomenológico-existencial.
FORGHIERI, Y. C. Aconselhamento terapêutico: origens, fundamentos e práticas. Caps.
12 a 16, p. 109 a 142

01- Segundo Forghieri (2007), nosso existir está sempre fluindo entre vivências
paradoxais, bem-estar e contrariedade, possibilidade e limites, ora pré-reflexivas ora
racionalmente. Assinale a alternativa que complemente esse ensinamento:
I Na vivência imediata de bem-estar e contentamento há um envolvimento e uma
sintonia da pessoa com a situação e consigo mesma que lhe propiciam uma agradável
sensação de estar integrada ao mundo.
II A pessoa que consegue viver de forma plena, focalizando somente as vivências
imediatas de bem-estar não passarão por momentos de contrariedade. O
aconselhamento, no enfoque existencial, tem como objetivo incentivar somente esses
momentos de bem-estar.
III Na vivencia imediata de contrariedade e preocupação há uma insatisfação, uma
intranqüilidade por termos de cuidar de algo, até uma profunda preocupação, uma
angústia que chega a nos dominar por completo.
IV Essas duas vivências fazem parte de nossa existência humana, não temos como
evitar. A saúde existencial consiste tanto em se abrir às vivências de bem-estar, como
aceitar e enfrentar as vivências de contrariedade.

a) ( ) Apenas a alternativa IV está correta.


b) ( ) Somente as alternativas I e III estão corretas.
c) ( ) Apenas a alternativa II está correta.
d) ( ) Somente as alternativas I, III e IV estão corretas.
e) ( ) Somente as alternativas I e II.

A)

B)
C)
D)
E)

02- Uma das dificuldades para o terapeuta é quando o cliente adota uma atitude
predominantemente intelectualizada. Qual das atitudes abaixo poderia amenizar essa
problemática?

24
25

A) o terapeuta conversaria com ele utilizando a mesma linguagem intelectualizada.


B) o terapeuta permaneceria em silêncio como forma de protesto para que o cliente percebesse
a intelectualização.
C) o terapeuta confrontaria o cliente questionando o porquê de tal característica.
D) o terapeuta faria uma proposta para que esquecessem que eram “intelectuais” e
conversassem em linguagem simples.
E) o terapeuta adotaria uma postura ativa escolhendo os temas a serem tratados.

03- Além das dificuldades que encontramos em nossa vida cotidiana, existem
algumas que costumam surgir, especialmente para o terapeuta durante sua prática.
Forghieri ( Dificuldades para o Terapeuta in Aconselhamento Terapêutico). De acordo
com a perspectiva teórica da autora, analise as afirmações abaixo:

I. É importante que o terapeuta proteja-se por risco de ser contaminado pelos sintomas de seu
cliente.

II. O terapeuta precisa aprender a "agüentar” os sintomas do cliente, acolhendo-o,


querendo ajudá-lo a ultrapassar esse momento desagradável, manifestando-lhe sua
solidariedade, seu bem-querer.
III. A dificuldade do terapeuta de se envolver com o cliente pode ocorrer, também
motivada pelo preconceito daquele em relação a alguma característica deste.
IV. Uma outra dificuldade consiste na tentativa do cliente de adotar uma atitude
predominantemente intelectualizada e insistir em mantê-la.
V. No decorrer do processo terapêutico podem, também, surgir momentos de
lentidão ou até mesmo de retrocesso, que talvez sinalizem que o cliente esteja
conseguindo contaminar o terapeuta com seus sintomas , em lugar de o terapeuta
influenciá-lo com seus próprios aspectos saudáveis.

A) Apenas I é falsa.

B) Apenas II é falsa.
C) Apenas V é falsa.
D) Apenas II e III são falsas.
E) Apenas II, III , IV e V são falsas.

04- O ser humano é um ser-no-mundo; existe sempre em relação com algo ou


alguém e compreende as suas experiências. Desse modo, leia atentamente as
afirmativas abaixo:

I. O ser humano compreende suas experiências e lhes atribui significados;


dando sentido à sua existência.

25
26
II. O ser humano vive num certo espaço e em determinado tempo, mas os
vivencia com uma amplitude que ultrapassa estas dimensões objetivas, pois
consegue transcender a situação imediata.
III. O homem não consegue realizar todas as suas possibilidades, precisa fazer
escolhas entre estas e cada escolha implica em muitas renúncias.
IV. Para o homem a insegurança some quando procuramos nos apoiar nas
experiências passadas, agindo em termos o que já conhecemos.

Assinale a alternativa correta:

A) Apenas a afirmativa I é falsa.

B) Apenas a afirmativa II é falsa.


C) Apenas a afirmativa IV é falsa.
D) Apenas as afirmativas II e III são falsas.
E) Apenas as afirmativas II, III e IV são falsas.

05- O aconselhamento terapêutico fenomenológico, é uma das novas


modalidades do aconselhamento, caracterizando-se por algumas
características. Assinale a alternativa que não corresponde a este
processo:
A) A linguagem do terapeuta para com o cliente deve ser simples e direta, livre de termos e
conceitos sofisticados.
B) O processo terapêutico primeiramente constitui-se de vivências imediatas entre o terapeuta e
o cliente.
C) No envolvimento existencial há o predomínio de humor manifestado pelo terapeuta num
sentimento de acolhimento e de bem querer do cliente.
D) No distanciamento reflexivo diminui-se o envolvimento com o cliente para poder para
captar os significados e conhecimentos da vivência imediata de ambos, predominando assim o
raciocínio do terapeuta.
E) O terapeuta fenomenológico só sente e experiência amor pelo seu cliente

06- A vivência imediata consiste no nosso existir imediato, pré-reflexivo, no qual predomina o
_____________. A vivência racional, é aquela em que predominam o ________________ e o
raciocínio. Assinale a alternativa que preenche as lacunas acima:

A) raciocínio, sentimento
B) amor, intuição
C) humor, significado
D)
medo, pensamento

26
27

E) desabrigo, saber

07- Segundo a perspectiva fenomenológica da personalidade e o aconselhamento terapêutico


fenomenológico-existencial de Forghieri, podemos afirmar:

I. A personalidade constitui-se do conjunto de características básicas do ser humano estruturadas a


partir de como ele se apreende existindo do mundo.

II. Diferente da perspectiva psicanalítica, que trabalha com a noção de estrutura psíquica, a
perspectiva fenomenológica baseia-se nas características básicas do existir humano, como por
exemplo, ser-no-mundo, espacialidade, temporalidade, expansividade.

III. As vivências agradáveis facilitam a sintonia e a atribuição de significados, enquanto as


desagradáveis favorecem a esquiva e dificultam, distorcem ou até mesmo podem chegar a impedir a
atribuição de significados.

IV. No aconselhamento de base fenomenológico- existencial o passado recente e o presente do


cliente são considerados menos importantes, pois acredita-se que o real siginificado dos sofrimentos
existenciais se encontra nas vivências infantis.

Assinale a alternativa correta:

A) Todas as afirmações são verdadeiras

B) Apenas I e III são verdadeiras


C) Apenas I e II são verdadeiras
D) Todas as afirmações, com exceção da IV, são verdadeiras
E) Todas as afirmações, com exceção da II, são verdadeiras.

08- Forghieri (2007), baseada no enunciado de Husserl em que ele apresenta o “mundo
da vida” como ponto de partida de todo conhecimento, considera que é na vivência entre
o paciente e terapeuta que se inicia o processo terapêutico. De acordo com o
aconselhamento terapêutico de base existencial todas as afirmações estão corretas,
exceto:

A) A saúde existencial consiste no bem-estar geral que cada um pode experienciar no decorrer
da própria existência, caracterizado por uma vivência global de liberdade, acolhimento, e sintonia
em relação a si, aos semelhantes e ao mundo geral.
B) A angústia é considerada como uma vivência de distanciamento do
mundo, que ameaça o próprio ser.
C) São dois os momentos básicos do processo terapêutico: envolvimento
reflexivo e distanciamento existencial, que formam o equivalente psicológico-
terapêutico da redução fenomenológica.

27
28

D) As interpretações existenciais procuram mostrar ao cliente outras


perspectivas e significados, sob os quais determinadas vivências relatadas
podem ser consideradas.
09- Assinale a alternativa incorreta. De acordo com Forghieri, o terapeuta sugere situações nas
quais o cliente retome sua sintonia com o mundo a partir de sua relação com a natureza e os entes
que dela fazer parte, as situações sugeridas podem ser, por exemplo:

A) envolver-se e sintonizar-se ao contemplar o entardecer, o anoitecer, uma árvore, uma flor, o


mar.
B) sentir o sabor de seu alimento preferido, a água em sua garganta ao saciar a sede ou ao
tocar seu corpo no banho.
C) ouvir sua música preferida, o canto de um pássaro.
D) a masturbação, por envolver, geralmente, uma vivencia de solidão.
E) relacionamentos com seres vivos de sua estima.
10- Além de dificuldades que encontramos em nossa vida cotidiana, existem algumas que
costumam surgir, especialmente para o terapeuta durante sua prática. Analise as afirmações abaixo:

I- Não ocorrer envolvimento com seu cliente por um preconceito, surgindo a antipatia.
II- O envolvimento existencialmente estabelecido dificulta voltar para a racionalidade.
III- O terapeuta se encontrar encantado com um profundo bem-querer e amor ao cliente.
IV- O cliente não adotar uma atitude predominantemente intelectualizada.
V- O cliente assumir atitude agressiva.

São fatores de dificuldades para o terapeuta, as posturas existenciais dos clientes associadas às
afirmações:

A) Apenas III, IV e V.

B) Apenas II, III, V


C) Apenas I, II, V
D) Apenas I e III
E) Apenas IV e V

BOA PROVA!!!
08/10/2009

28

Você também pode gostar