Você está na página 1de 1

IntroduÁ„o ‡

Imunologia

A imunologia È uma ciÍncia recente. Sua origem È atribuÌda, por alguns autores, a Edward Jenner, que, em 1796, verificou
proteÁ„o induzida pelo cowpox (vÌrus da varÌola bovina) contra a varÌola humana, nomeando tal processo da vacinaÁ„o. No
entanto, È sabido que, na antiguidade, os chineses j· inalavam o pÛ das crostas secas das p˙stulas de varÌola ou as inseriam
em pequenos cortes na pele, em busca de proteÁ„o. O sistema imune È o conjunto de cÈlulas, tecidos, Ûrg„os e molÈculas
que os humanos e outros seres vivos usam para a eliminaÁ„o de agentes ou molÈculas estranhas, inclusive o c‚ncer, com a
finalidade de se manter a homeostasia do organismo. Os mecanismos fisiolÛgicos do sistema imune consistem numa
resposta coordenada dessas cÈlulas e molÈculas diante dos organismos infecciosos e dos demais ativadores, o que leva ao
aparecimento de respostas especÌficas e seletivas, inclusive com memÛria imunit·ria, que tambÈm 20 | Conceitos e
MÈtodos para a FormaÁ„o de Profissionais em LaboratÛrios de Sa˙de pode ser criada artificialmente, atravÈs das vacinas.
Na ausÍncia de um sistema imune funcional, infecÁıes leves podem sobrepujar o hospedeiro e lev·-lo ‡ morte. PorÈm,
mesmo com um sistema imune funcional, o homem, por exemplo, pode adquirir uma doenÁa infecciosa ou um c‚ncer, pois
a resposta imune especÌfica, diante de um agente agressor, leva tempo para se desenvolver e, alÈm disso, tanto organismos
estranhos, como cÈlulas neopl·sicas, desenvolvem mecanismos de evas„o para fugir da resposta imune. Neste capÌtulo,
ser„o abordados conceitos b·sicos dos principais componentes do sistema imune, os mecanismos de resposta especÌfica
ante os diversos agentes infectoparasit·rios, como tambÈm a investigaÁ„o dos vestÌgios da passagem desses agentes, por
meio de mÈtodos laboratoriais para pesquisa de antÌgenos e anticorpos especÌficos, principal propÛsito desse texto, uma
vez que se destina a alunos de escolas tÈcnicas de nÌvel mÈdio. 2. ”rg„os, tecidos e cÈlulas envolvidos na resposta imunit·ria
2.1. CÈlulas que participam do sistema imunit·rio As respostas imunes s„o mediadas por uma variedade de cÈlulas e por
molÈculas que estas cÈlulas expressam (Figura 1). Os leucÛcitos s„o as cÈlulas que desempenham as principais aÁıes, mas
outras cÈlulas, que se encontram nos tecidos, tambÈm participam da resposta imunit·ria, enviando sinais e recebendo
estÌmulos dos leucÛcitos. As cÈlulas que participam do sistema imunit·rio se originam na medula Ûssea, onde muitas
evoluem para a fase adulta. A partir da medula, e por meio de vasos sanguÌneos, elas migram junto com todos os elementos
celulares do sangue. Inclusive as hem·cias, que transportam o oxigÍnio, e as plaquetas que participam da coagulaÁ„o, uma
vez que estes elementos se originam das cÈlulas-tronco progenitoras da medula. As cÈlulas que derivam do progenitor
mieloide e do progenitor linfoide s„o as que mais | 21 interessam para o entendimento das aÁıes do sistema imunit·rio, de
modo que, neste texto, n„o ser„o considerados os megacariÛcitos e os eritrÛcitos. O progenitor mieloide È o precursor dos
granulÛcitos, fagÛcitos mononucleares (macrÛfagos), cÈlulas dendrÌticas e mastÛcitos do sistema imune. Os macrÛfagos
s„o as cÈlulas fagocit·rias mais relevantes. Estas cÈlulas s„o a forma diferenciada dos monÛcitos sanguÌneos, que se
encontram estrategicamente distribuÌdos em v·rios tecidos para dar origem ao sistema fagocit·rio mononuclear. Os
microgliÛcitos s„o os macrÛfagos do cÈrebro, as cÈlulas de Kupffer s„o os macrÛfagos do fÌgado, os macrÛfagos alveolares
fazem parte do tecido pulmonar, entre outros macrÛfagos residentes em diferentes tecidos. As funÁıes dos macrÛfagos se
caracterizam pela neutralizaÁ„o, ingest„o e destruiÁ„o de partÌculas, incluindo os biopatÛgenos, alÈm de processar e
apresentar antÌgenos para os linfÛcitos T. Neste contexto, s„o as cÈlulas dendrÌticas as mais especializadas na captura e na
apresentaÁ„o de antÌgenos para os linfÛcitos T. As cÈlulas dendrÌticas imaturas migram do sangue para residirem nos
tecidos e realizam tanto a fagocitose quanto a micropinocitose. ApÛs o encontro com um patÛgeno, maturam rapidamente
e migram para os nÛdulos linf·ticos, onde encontram o ambiente adequado para a apresentaÁ„o de antÌgenos. Os
granulÛcitos recebem essa denominaÁ„o por possuÌrem gr‚nulos em seu citoplasma que se coram densamente por
corantes hematolÛgicos tradicionais. S„o tambÈm chamados de leucÛcitos polimorfonucleares, devido ‡s formas de seus
n˙cleos. Existem trÍs tipos de granulÛcitos, sendo eles os neutrÛfilos, os eosinÛfilos e os basÛfilos; todos com um tempo de
vida relativamente curto e produzidos em grande n˙mero durante as respostas inflamatÛrias. Os neutrÛfilos, assim como os
macrÛfagos e as cÈlulas dendrÌticas, s„o representantes do grupo de cÈlulas fagocit·rias do sistema imunit·rio, mas,
diferentemente destas cÈlulas, n„o apresentam antÌgenos para os linfÛcitos T. Os neutrÛfilos s„o os elementos celulares
mais numerosos e importantes da resposta inata.