Você está na página 1de 17

AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

162
________________________________________________________________________________

O conhecimento do paciente diabético sobre a complicação pé diabético

Knowledge of diabetic patient about the diabetic foot complications

Priscila Christian R. A. Aires1


Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC)
. priscilachristian7@hotmail.com

Yesmin Rocha D. M. Costa2


Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC)
yesmiss7@hotmail.com

Karine Kummer Gemelli 3


Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC)
karinekummer@ig.com.br.

RESUMO: O Diabetes Mellitus (DM) está em curso devido ao crescimento do envelhecimento populacional,
obesidade e sedentarismo, tendo como perspectiva para 2030 atingir 300 milhões de casos no mundo. É uma
doença crônica que leva a internações devido à descompensação da glicemia, geralmente em decorrência das
complicações da doença. Entre as complicações destacam-se as neuropatias, retinopatias, alterações vasculares e
o pé diabético, sendo o último a principal causa de amputações não traumáticas no Brasil. O objetivo é avaliar o
conhecimento do paciente internados com diabetes a respeito da complicação pé diabético. Os materiais e
métodos são de uma pesquisa transversal, descritiva, quali quantitativa nos meses de março e abril de 2014 com
50 pacientes diabéticos hospitalizados em hospital de referência do Tocantins. Aplicou-se dois questionários
para avaliar o perfil do paciente diabético hospitalizado e seu conhecimento quanto à complicação pé diabético.
Os dados foram analisados com ANOVA com IC 95% através do programa Bioestat 5.0. Obteve-se aprovação
em comitê de ética em pesquisa CEP/UFT 252/2013. Os resultados do estudo caracterizou população
predominante idosa (82%) com baixo nível de escolaridade(88%) e com baixa renda (96%). Quanto ao tempo de
doença 48% apresentavam DM ≥ 5 anos, 12% estavam internados por pé diabético e 70% por outras
complicações do DM. Dos avaliados60% desconheciam qualquer complicação da doença e 28% apresentavam
pé diabético. E somente 12% dos avaliados demonstraram conhecimento significativo de cuidados com os pés,

1
Enfermeira graduada pelo Curso de Enfermagem do ITPAC-Porto Nacional. Rua 02, QD 07 S/N- Jardim dos
Ipês- Porto Nacional- Tocantins- CEP: 77500-000.
2
Enfermeira graduada pelo Curso de Enfermagem do ITPAC- Porto Nacional. Rua 02, QD 07 S/N- Jardim dos
Ipês- Porto Nacional- Tocantins- CEP: 77500-000
3
Enfermeira Graduada e Pós Graduada em Enfermagem do Trabalho pela UFRGS. Docente do Curso de
Enfermagem do ITPAC-Porto Nacional Enfermeira do Hospital Regional de Porto Nacional.

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

mostrando relação entre conhecimentoe nível de escolaridade (p<0,05). N conclusão faz-se necessário programar
ações educativas inovadoras voltadas à realidade socioeconômica do paciente envolvendo a família no processo
do cuidar, pois oconhecimento é independente do gênero, idade e/ou tempo de doença, mas dependente do nível
de escolaridade.

Palavras chaves:Conhecimento. Diabetes Mellitus. PéDiabético.

ABSTRACT: Diabetes Mellitus ( DM ) is ongoing because the growth of the aging population , obesity and 163
sedentary, with the outlook for 2030 to reach 300 million cases worldwide. It is a chronic disease that leads to
hospitalization due to decompensation of glucose, usually as a result of complications of the disease. Among the
highlights are the complications neuropathy, retinopathy, vascular changes and diabetic foot, the latter being the
leading cause of nontraumatic amputations in Brazil. To assess the knowledge of the hospitalized patient with
diabetes about diabetic foot complication.This was a cross-sectional, descriptive, quantitative quality in the
months of March and April 2014 with 50 diabetic patients from referral hospital of Tocantins. Applied two
questionnaires to assess the profile of diabetic patients hospitalized and his knowledge regarding diabetic foot
complication. Data were analyzed with ANOVA with 95 % through Bio Stat 5.0 software. Obtained approval
from research ethics committee.: 54 % of the sample were male, 82 % aged ≥ 65 years, 88 % were illiterate and /
or incomplete primary education, 42% were married and / or stable, 96% on income up to 2 minimum wages and
78 % African descent. As to the duration of disease 48 % had disease ≥ 5 years, 60% treated with oral
medications , 70 % were hospitalized for complications of DM and 12 % for diabetic foot complications , and 60
% of patients were unaware of any complication of the disease. Only 12% of reviews scored cutting score of
83.3 % positive attitude with the feet, linking knowledge with educational level ( p< 0.05 ) . It is necessary to
program innovative educational initiatives aimed at socio-economic reality of the patient involving the family in
the care process, because knowledge is independent of gender, age and / or duration of the disease, but
dependent on the level of schooling.

Keywords: Diabetic Foot. Diabetes Mellitus.Knowledge.

INTRODUÇÃO

O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença silenciosa, assintomática, decorrente da


deficiência no metabolismo da produção, ação ou excreção da insulina (CARVALHEIRA,
ZECCHIN, SAAD, 2002). E abrange um grupo de doenças metabólicas, caracterizado por
níveis aumentados da glicose no sangue (hiperglicemia) (SMELTZER et al, 2011).
O diagnóstico do DM geralmente ocorre de forma acidental e estudo de rastreamento
de diabéticos constatou que 50% da população diagnosticada desconhecia que havia sido
acometida pela doença (MAZZINI et al., 2013). As estatísticas mostram que a incidência de
pessoas acometidas pela doença vem aumentado decorrente do aumento da taxa de
envelhecimento populacional, obesidade, vida sedentária e inadequados padrões alimentares
(PEDROSA, 2001).
A doença DM tem como perspectiva para 2030 atingir 300 milhões de casos no
mundo, sendo a 5º causa de morte no mundo e a 6º causa de internações hospitalares devido
seu agravo. O que leva o paciente à morte são as complicações do DM tais como as

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

complicações cardiovasculares e cerebrovasculares decorrente do inadequado controle da


patologia (MAZZINI et al., 2013; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006).
O DM pode ser classificado em tipo 1 (acomete pessoas antes dos 30 anos e necessário
o uso exógeno de insulina em decorrência da deficiência na sua produção,)tipo 2 (mais
comumente encontrado, com prevalência > 40 anos, podendo acometer os jovens devido o 164
aumento dos índices de obesidade, sedentarismo e o mal hábitos alimentares)e gestacional
(acomete mulheres com o diagnóstico confirmado durante a gestação) (MAZZINI et al.,
2013).
É uma doença crônica que necessita ser controlada por levar a complicações agudas e
crônicas, principais causas de óbitos no DM (GIL, HADDAD, GUARIENTE, 2008). Dentre
as principais complicações encontra-se a retinopatia, neuropatia diabética, alterações
vasculares como a doença vascular periférica e o pé diabético (PEDROSA, 2001).
O pé diabético engloba várias condições patológicas como a neuropatia,
neuroartropatia de Charcot, ulceração do pé e osteomielite (DUARTE, 2011). É uma
complicação caracterizada pelo comprometimento tecidual decorrente do mau controle
glicêmico, da neuropatia diabética e da doença vascular periférica e atualmente é um
problema de saúde pública por representar a principal causa de amputações de membros
inferiores e internações recorrentes (VIDAL, 2009). As amputações resultam em
hospitalização prolongada, reabilitação e na necessidade de cuidados domiciliares e de
serviços sociais (PEDROSA, 2001).
Os locais mais comuns de aparecimento de lesões são os dedos dos pés, devido às
pressões exteriores causadas por atrofia da musculatura, e os sulcos interdigitais pela
ocorrência de fissuras e pequenos cortes, o que favorece a colonização de fungos na pele. As
lesões quando infectadas geralmente apresentam contaminação por bactérias nos tecidos
superficiais e nos tecidos profundos, extremamente invasivos e de caráter polimicrobiano,
responsáveis por amputação dos membros ou partes acometidas (VIDAL, 2009).
Sabe-se que a taxa de amputações pelo pé diabético pode ser reduzida em mais de
50% com a avaliação periódica e sistemática do pé do paciente diabético e das ações
educativas em conjunto com o adequado controle glicêmico (SMELTZER et al, 2011;
OCHOA-VIGO, PACE, 2005).
Sendo assim acredita-se que o conhecimento da complicação pé diabético, pelo
paciente diabético, está relacionado ao tempo de doença, escolaridade e gênero do paciente.

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

Logo, a pesquisa objetiva avaliar o perfil do paciente diabético hospitalizado e seu


conhecimento a respeito da complicação pé diabético.

2 MATERIAIS E MÉTODOS 165

O estudo trata-se de uma pesquisa de campo transversal de caráter descritivo com


abordagem quali-quantitativo realizada com paciente internados nas alas de clínica médica,
clínica cirúrgica, geriatria e unidade de cuidados intermediários do Hospital Regional de Porto
Nacional (Tocantins), no período de fevereiro e março do ano de 2014.
Foram incluídos no estudo os pacientes hospitalizados com diagnóstico de Diabetes
Mellitus com idade ≥ 18 anos e que se apresentaram orientados e comunicativos. Excluíram-
se os pacientes que concordaram em participar do estudo, mas não estiveram disponíveis para
aplicação dos questionários em duas visitas consecutivas ou não assinaram o Termo de
Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).
A coleta de dados foi realizada partir do mapa diário do enfermeiro e da conferência
dos prontuários de internação, onde se verificou a presença de paciente com diagnóstico de
Diabetes Mellitus que atendia aos critérios de inclusão. O paciente fora comunicado das
finalidades e intenções do estudo e convidado a participar, em local reservado, respeitando a
individualidade e o sigilo do entrevistado.
Para a coleta de dados utilizaram-se dois instrumentos com perguntas fechadas,
elaborados pelos pesquisadores, sendo que o primeiro avaliou o perfil do paciente diabético
quanto às características socioeconômicas e da patologia; e o segundo verificou o
conhecimento do paciente diabético referente à complicação pé diabético.
Os resultados obtidos do primeiro e segundo questionários foram apresentados na
forma de tabelas com os valores encontrados para cada categorial e o seu percentual.
No segundo momento, os dados contidos no questionário sobre o conhecimento do
paciente a respeito da complicação pé diabético e sua conduta quanto aos cuidados com os
pés, composto de 13 questões, foi avaliadoconforme as seguintes variáveis categóricas: 1) o
gênero do paciente - masculino e feminino; 2) idade- até 50 anos e mais de 50 anos; 3)
escolaridade - analfabeto e alfabetizado; e 4) tempo de DM - até um ano, entre 1 e 5 anos,
acima de 5 anos. Para comparação utilizou-se a análise de variância (ANOVA), ao nível de

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

5% de probabilidade, comparando o escore de cada grupo, com o auxílio do programa


Bioestat 5.0.
Seguindo os preceitos éticos o projeto foi submetido e aprovado no Comitê de Ética
em Pesquisa da Universidade Federal do Tocantins sob número 0252/2013, respeitando todas
as normas da pesquisa envolvendo seres humanos estabelecidos pela resolução 466/12 do 166
Conselho Nacional de Saúde.

3 RESULTADOS

No período da pesquisa foram abordados 52 pacientes diabéticos que estiveram


hospitalizados nas alas de internação do Hospital Regional de Porto Nacional. Destes incluiu-
se 50 (96,2%), e foram excluídos 2 (3,8%) por não atenderem os critérios de inclusão.
No perfil sócio econômico dos pacientes diabéticos hospitalizados apresenta-se o
gênero, faixa etária, naturalidade, escolaridade, estado civil, raça e renda mensal (tabela 1).
A tabela 2 apresenta o perfil dos pacientes quanto à doença DM, e o conhecimento das
suas complicações, onde se inclui os questionamentos de tempo de doença, forma de
tratamento, motivo da internação, conhecimento quanto às complicações do DM,
identificação das complicações e presença ou ausência da complicação pé diabético.
Na tabela 3 apresenta-se a avaliação da conduta do paciente quanto aos cuidados com
os pés. A tabela representa os questionamentos realizados aos pacientes diabéticos (número e
%) onde a pontuação máxima para um cuidado considerado excelente com os pés é de 18
pontos. Conforme a resposta mencionada pelo paciente e a avaliação realizada pelo
pesquisador realizou-se a mensuração das práticas positivas de cuidado com os pés.
Para traçar o perfil dos pacientes diabéticos quanto ao conhecimento e atitudes de
cuidado, definiu-se ponto de corte de 15 escores, o que equivale a 83,3% de atitude positiva.
A pontuação mínima era de zero pontos e a máxima de 18 pontos. Acrescenta-se que quanto
ao escore obtido o valor mínimo foi de 5 (28%) pontos e o máximo 18, apresentando média
de 11,08 (62%) pontos, com desvio padrão de 2,88.
Na tabela 4 é apresentada os valores médios e seus respectivos desvios e erro padrão,
que avaliam à conduta do paciente quanto aos cuidados com os pés, comparado quanto ao
sexo, idade, escolaridade e tempo de DM. Não houve diferença significativa nos escores

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

quanto ao sexo, classe de idade, e tempo de DM. Pôde-se notar diferença significativa quanto
a escolaridade (p < 0,05), indicando que pessoas analfabetas apresentam menor conhecimento
quanto a conduta do pé diabético.

167
TABELA 1 – Perfil socioeconômico dos pacientes hospitalizados em fevereiro e março de
2014, com diagnóstico de Diabetes Mellitus, no Hospital Regional de Porto Nacional,
Tocantins.

VARIÁVEL N %
Gênero
Feminino 23 46
Masculino 27 54
Faixa Etária
18 ≥ a < 30 1 2
30 ≥ a < 50 5 10
50 ≥ a < 65 13 26
65 ≥ a < 80 22 44
80 ≥ 9 18
Naturalidade
Porto Nacional 7 14
Outras cidades do Tocantins 24 48
Outros estados 19 38
Escolaridade
Analfabetos 21 42
Ensino fundamental incompleto 23 46
Ensino fundamental completo 1 2
Ensino médio incompleto 1 2
Ensino médio completo 4 8
Estado civil
Casados e/ou União Estável 21 42
Solteiros 15 30
Divorciados 4 8
Viúvos 10 20
Raça
Brancos 11 22
Negos 17 34
Pardos 22 44
Amarelo e Indígena - -
Renda mensal
≤ 1 salário (valor de referência R$ 40 80
724,00)
1> a ≤ 2 salários 8 16
> 2 salários 2 4

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

TABELA 2 – Perfil dos pacientes hospitalizados em fevereiro e março de 2014,no Hospital


Regional de Porto Nacional (Tocantins) quanto à doença Diabetes Mellitus e suas
complicações.

VARIÁVEL N %
Tempo de diagnóstico do Diabetes Mellitus
< 1 ano 10 20 168
1 ≥ a < 2 anos 6 12
2 ≥ a < 3 anos 5 10
3 ≥ a < 4 anos 2 4
4 ≥ a < 5 anos 3 6
≥5 anos 24 48
Tratamento do Diabetes Mellitus
Dieta 8 16
Hipoglicemiante Oral 30 60
Insulina 5 10
Hipoglicemiante Oral e Insulina 1 2
Dieta e hipoglicemiante oral e/ou insulina 6 12
Motivo da Internação
Diabetes Mellitus descompensada 1 2
Complicação pé diabético 6 12
Complicação do diabetes exceto pé diabético 35 70
Traumas / Cirurgia 6 12
Outra doença clínica 2 4
Você conhece alguma complicação do Diabetes
Mellitus?
Não 30 60
Sim 20 40
Quais complicações você conhece?
Pé Diabético 3 6
Pé Diabético e Retinopatia 5 10
Pé Diabético, Retinopatia, Lesão Cerebrovascular, Lesão 1 2
Cardiovascular, e Lesão Renal
Pé diabético, Retinopatia e Lesão Renal 1 2
Retinopatia 5 10
Retinopatia, Lesão Cardiovascular, Lesão Renal 2 4
Retinopatia e Lesão Renal 3 6
Você apresenta a complicação pé diabético?
Não 36 72
Sim 14 28

TABELA 3 – Avaliação da conduta de cuidados com os pés dos pacientesinternados no


período de fevereiro e março de 2014, no Hospital Regional de Porto Nacional, Tocantins.

VARIÁVEL N % Score
Anda sem calçados?

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

Às vezes 1 2 1
Não 42 84 2
Sim 7 14 0
Faz escalda pés?
Às vezes 5 10 1
Não 41 82 2
Sim 4 8 0 169
Usa meias ao usar sapato fechado?
Às vezes 4 8 1
Não 10 20 0
Não usa 21 42 1
Sim 15 30 2
Seca os pés após molhar?
Às vezes 7 14 1
Não 17 34 0
Sim 26 52 2
Hidrata os pés?
Às vezes 10 20 1
Não 17 34 0
Sim 23 46 2
Como corta as unhas?
Arredondadas 39 78 0
Retas 11 22 1
Apresenta onicomicose?
Não 26 52 1
Sim 24 48 0
Apresenta micose interdigital?
Não 26 52 1
Sim 24 48 0
Apresenta pele ressecada?
Não 15 30 1
Sim 35 70 0
Apresenta rachadura nos pés?
Não 33 66 1
Sim 17 34 0
Apresenta calos?
Não 49 98 1
Sim 1 2 0
Faz lesões nos pés sem sentir?
Não 34 68 1
Sim 16 32 0
Apresenta “dedo em martelo”?
Não 37 74 0
Sim 13 26 1

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

TABELA 4 – Valores de média, desvio e erro padrão segundo o sexo, idade, escolaridade e
tempo de diagnóstico de Diabetes Mellitus dos pacientes hospitalizados em fevereiro e março
de 2014, no Hospital Regional de Porto Nacional, Tocantins.

VARIÁVEL N Média Desvio Erro


Sexos do Paciente
F = 0.0766; p = 0.7832 170
Feminino 23 10.96 2.48 0.61
Masculino 27 11.18 3.23 0.56
Total 50

Idade
F = 0.7297; p = 0.39722
Até 49 anos 19 11.53 3.02 0.66
Acima de 50 anos 31 10.81 2.67 0.52
Total 50

Escolaridade
F = 11.2270; p = 0.0016
Analfabeto 21 9.62 2.69 0.57
Alfabetizado 29 12.13 2.57 0.49
Total 50

Tempo de diagnóstico de
Diabetes Mellitus
F = 0.0776; p = 0.9254
Até 1 ano 10 10.90 3.75 0.93
Entre 1 e 5 anos 16 11.31 2.33 0.74
Mais de 5 anos 24 11.00 2.93 0.60
Total 50

4 DISCUSSÃO

A pesquisa apresentou, quanto ao gênero, uma amostra homogênea de pacientes


internados com diagnóstico de Diabetes Mellitus, com pequena prevalência aumentada do
sexo masculino(54%).Outros estudos mostram índices femininos de 57,5% a 71,3% e de
homens de 64,4% (CUBAS et al., 2013; RODRIGUES et al., 2012; VIGO et al., 2006) .
Apesar de alguns estudos mostrarem índices maiores de mulheres acometidas pelo DM,
parece não ter tendência à algum gênero específico, acometendo homens e mulheres em
proporções semelhantes.

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

A maioria dos pacientes (62%) apresentou-se com idade≥ 65 anos e quanto à


escolaridade 88% eram analfabetos ou apresentavam ensino fundamental incompleto, o que
caracterizou uma população idosa e com baixa capacidade cognitiva. Outros estudos também
mostram prevalência aumentada de DM em paciente idosos (ARAUJO; ALENCAR, 2009;
MORAIS et al., 2009), e com baixa escolaridade predominando os analfabetos e com ensino 171
.
fundamental incompleto (RODRIGUES et al., 2012; MELO et al., 2011) A idade avançada e
a baixa escolaridade dificultam o entendimento às orientações, a adesão ao tratamento e ao
cuidado adequado da saúde. Outro estudo que mostrou predomínio de paciente com ensino
médio completo evidenciou nível de compreensão mais elevado. A mudança no estilo de vida
com adesão à hábitos saudáveis e cuidados específicos é fundamental para o sucesso do
controle glicêmico do paciente evitando as complicações. No entanto, realizar orientação em
saúde aos pacientes idosos com baixo nível de instrução torna-se um desafio para as equipes
de saúde. É necessário estratégias educativas voltadas para esse tipo de clientela através de
linguagem simples e de fácil entendimento.
Ao avaliar o estado civil observa-se que 42% dos pacientes eram casados/união
estável, ou seja, viviam com algum acompanhante e 58% eram solteiros, divorciados ou
viúvos. Outros estudos mostraram 71% dos pacientes casados/união estável e 38,1% viúvos
ou solteiros (VIGO et al., 2006; PACE et al., 2002). A importância na avaliação do estado
civil do paciente hospitalizado com DM dá-se pela necessidade de envolver o companheiro
(a) ou algum familiar e/ou cuidador no processo das orientações, tendo em vista que a maioria
da população é idosa e com baixa escolaridade.
Quanto a renda mensal notou-se prevalência de baixa renda, com 96% dos pacientes
recebendo até 2 salário mínimo mensal.A literatura evidencia que os pacientes diabéticos
realmente tendem a receber até 2 salários mínimos por mês14. É preciso considerar que o
estudo em questão desenvolveu-se em instituição pública, onde predomina uma população
carente na busca de atendimento. No entanto é necessário acrescentar que para o paciente
portador de doença crônica do tipo DM ter hábitos saudáveis para prevenir complicações,
necessita investir financeiramente em sua saúde, com medicamentos (nem sempre oferecidos
gratuitamente), boa alimentação e uso de sapatos adequados, o que com baixa renda é difícil
de ser realizado.
Quanto à raça e naturalidade dos pacientes, nota-se predomínio de afrodescendentes
(78%) procedentes do município da pesquisa (14%) ou outras cidades do Estado (48%). Os

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

dados foram esperados devido o Tocantins ser um estado localizado na região norte do Brasil,
caracterizado por população afrodescendente, e o hospital da pesquisa ser de referência para
municípios vizinhos. Não se encontrou estudos que relacionassem a doença com raça, como
mostra pesquisa realizada em Blumenau/SC, onde se encontrou 2,4% de negros,
provavelmente por ser uma localização de imigrantes europeus (PRZYSIEZNY, 172
.
RODRIGUES, SANTIAGO, SILVA, 2013)
Na avaliação do perfil do paciente quanto a doença DM encontrou-se que 48% dos
avaliados apresentavam tempo de doença ≥ 5 anos. Estudos mostram que o DM é uma doença
que tende a ser diagnosticada tardiamente, e que quando isto acontece algum tipo de
.
complicação já esta instalada (PRZYSIEZNY, RODRIGUES, SANTIAGO, SILVA, 2013)
e inclusive o tempo de duração da doençaé indicativo de gravidade e surgimento de
úlceras (MELO et al., 2011).Estudos que avaliou paciente com pé diabético mostrou que
86,6% dos acometidos pela complicação apresentavam a doença por um tempo≥ 6
anosressaltando ser fundamental orientar o paciente diabético sobre o caráter assintomático da
doença (MELO et al., 2011).. Sabe-se que o tempo de diabetes esta relacionado com
complicações vasculares e alterações na glicemia. E as complicações podem ocorrer
principalmente, se o paciente for idoso, devido a vulnerabilidade deste paciente ao
aparecimento das ulcerações e outras complicações. Logo, quanto maior o tempo da doença
maior a probabilidade de aparecimento de complicações.
O estudo mostrou que 60% dos avaliados tratavam a doença somente com medicações
orais, enquanto outros estudos mostraram índicesde 82% e 84,9% de pacientes tratando DM
com antidiabéticos orais (SANTOS, et al., 2008). Estudo evidenciou que40% dos adultos
brasileiros com DM utilizam hipoglicemiantes orais (GAMBA, et al., 2004)e mostra que os
pacientes que não fazemuso de medicamentos orais, usam de forma contrária a prescrição ou
deixam de utilizar continuamente são mais acometidos ou apresentam maior chance de sofrer
amputações19. Vale destacar que o DM por ser uma doença crônica de detecção geralmente
tardia, a adesão ao tratamento medicamentoso contínuo é necessário para evitar as
complicações advindas das altas taxas glicêmicas.
Ressalta-se neste estudo que quanto ao motivo que levou o paciente diabético à
internação70% estavam internados por complicações do diabetes exceto pé diabético. O pé
diabético é uma complicação que tende a aparecer após 10 anos de doença acometendo em
torno de 15% dos diabéticos. Este estudo mostra que dos avaliados somente 48%

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

apresentaram tempo de doença ≥ 5 anos e 12% estavam internados pela complicação pé


diabético, no entanto 28% dos pacientes já apresentavam a complicação instalada. Ressalta-se
que a doença é causa de internação, e o pé diabético por ser uma complicação tardia
diagnosticada geralmente pela presença da úlcera, leva às amputações, infecções e aumento
de gastos do serviço público. 173
Na tabela 2, ao questionar o conhecimento do paciente às complicações da doença
60% referiram desconhecer qualquer complicação. Dos 20 (40%) pacientes que relataram
conhecer alguma complicação da DM somente 50% fizeram menção ao pé diabético. Estudo
que avaliou pacientes diabéticos em Unidade Básica de Saúde, quanto ao grau de risco para o
pé diabético, 78% relataram desconhecer a complicação pé diabético15. É necessário que a
equipe de saúde crie estratégias educativas para o paciente diabético a fim de instrui-lo sobre
a doença e seus riscos (MELO et al., 2011).
Acrescenta-se que dos pacientes que relataram conhecer o pé diabético como
complicação da doença 40% já apresentava a complicação instalada, motivo pelo qual podem
ter respondido conhecer o pé diabético. No entanto 60% ainda não haviam desenvolvido a
complicação, mas referiram saber do problema, o que é positivo para a implementação de
orientações de cuidados em busca de prevenir este tipo de complicação. Estudo realizado no
interior de São Paulo em um ambulatório de diabetes avaliou os conhecimentos dos pacientes
antes e após processo educativo sobre cuidados com os pés e evidenciando mudanças
significativas de atitudes em alguns critérios de cuidados com os pés (MARTIN, et al., 2011).
Na avaliação das atitudes de cuidado com os pés observou-se pontuação máxima de 18
pontos de escore deu-se para 1 (2%) dos avaliados, o que representa 100% de atitude positiva
quanto ao cuidado com os pés, mas somente 6 (12%) dos avaliados alcançaram a pontuação
de corte para 83,3% de atitude positiva. Apesar no número pequeno de avaliados atingirem o
ponto de corte determinado, a média geral de acertos (11,08 pontos) ficou acima da média de
escore e 84% dos pacientes pontuaram ≥ 50% do escore.Outro estudo que avaliou 55
pacientes mostrou que ao investigar o comportamento dos pacientes em relação aos cuidados
com os pés o somatório dos escores obtidos para as questões corretas foi baixo, encontrando
média de 12,9 onde 36,4% dos avaliados acertaram menos de 50% das 24 questões
investigadas (ROCHA, ZANETTI, SANTOS, 2009) .E este mesmo estudo, quando avaliou o
conhecimento dos pacientes em relação aos cuidados essenciais com os pés o somatório dos

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

escores para as questões corretas foi satisfatório, atingindo média de 16,6 (ROCHA,
ZANETTI, SANTOS, 2009).
Nota-se que apesar deste estudo ter apresentado prevalência de população idosa com
baixo nível socioeconômico, em comparativo ao estudo semelhante 24 apresentou maior índice
de conhecimento. Acrescenta-se ainda que nesta pesquisa 60% dos que relataram conhecer o 174
pé diabético como complicação ainda não a haviam desenvolvido, no entanto o fato do
paciente conhecer as complicações e os cuidados não indica que aplicará os conhecimentos de
forma preventiva (ROCHA, ZANETTI, SANTOS, 2009).
Este estudo não mostrou relação entre conhecimento e gênero feminino (tabela
4).Sabe-se que as mulheres tendem a buscar os serviços de saúde com maior frequência que
os homens e são mais atentas aos sintomas de doenças, procurando auxílio com brevidade,
além do que geralmente são responsáveis pelo cuidado da família (CAROLINO et al., 2008).
Logo, pelo fato da mulher apresentar atitude diferente em relação às doenças acreditava-se
poder conhecer mais sobre os cuidados com o pé.
Além disso, observa-se na tabela 4, que não houve diferença significativa nos escores
quanto à classe de idade e o tempo de DM. No entanto a pesquisa evidenciou diferença
significativa quanto a escolaridade (p < 0,05), indicando que pessoas analfabetas apresentam
menor conhecimento quanto a conduta do pé diabético. Os avaliados não demostram atitudes
de conhecimento, além do que apresentaram baixa escolaridade.
Os pacientes com maior grau de instrução tendem a apresentar um poder cognitivo
mais elevado, o que colabora na compreensão e adesão das orientações, e isso foi visto em
estudo descritivo que mostrou população predominante com ensino médio e maior
conhecimento sobre a doença DM . Outro estudo mostrou relação estatística entre
conhecimento e nível de escolaridade (RODRIGUES, 2012) o que concorda com nosso
estudo, onde se evidenciou que pessoas com menor grau de instrução apresentam menor
conhecimento de cuidados.
Acreditava-se que com um maior tempo de doença o paciente houvesse recebido
maior número de informações, podendo apresentar maior conhecimento sobre as
complicações, como o pé diabético. Este estudo não mostrou relação entre tempo de doença e
maior conhecimento, embora outro estudo evidenciou com significância que o tempo de
doença é uma variável relevante, por possuir relação inversa com a adesão ao tratamento,

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

visto que quanto maior o tempo de doença menor é a adesão do paciente ao tratamento
(RODRIGUES, 2012).
O conhecimento dos pacientes em relação ao DM é limitado, superficial e inadequado
28
e esta associação aos fatores de risco propicia o surgimento das complicações . Sabe-se que
tanto o tempo de conhecimento do DM quanto o modo de conhecimento estão associados com 175
a ocorrência de amputações, motivo pelo qual as ações educativas e preventivas ao pé
diabético devem ser iniciadas imediatamente após o diagnóstico do Diabetes (SANTO et al.,
2008). Já foram mostradas evidências científicas em estudos que analisaram o conhecimento
das pessoas com DM após o término de um programa educativo que os pacientes obtiveram
maior percentual de acerto quanto ao conhecimento das complicações crônicas, cuidado com
os pés, automonitorização da glicemia, conceito, fisiopatologia, tratamento do DM, atividade
física e alimentação, comparados às atitudes antes do programa (CHAGAS et al., 2013). Além
do que as úlceras nos pés causam sofrimento e mudança no estilo de vida apresentando
alteração na qualidade de vida do paciente, principalmente ao que se relaciona ao bem estar
físico, social e psicoemocional (ALMEIDA, et al., 2013).
Por fim, esta pesquisa caracterizou uma população de pacientes diabéticos
hospitalizados predominante masculina, idosa, com baixo nível socioeconômico. A maioria
dos pacientes estava internada por complicações do diabetes sendo que na a maior parte
desconhece as complicações da doença apresentando pouco conhecimento de práticas
positivas de cuidados com os pés.
O enfermeiro tem papel importante na prevenção de complicações, principalmente ao
que tange o paciente hospitalizado, pois as orientações de cuidados e práticas corretas com os
pés podem englobar a programação de alta deste paciente.
Embora o estudo tenha demonstrado independência entre maior conhecimento e
gênero, idade e/ou tempo de doença, observou-se significância estatística ao relacionar o
conhecimento com nível de escolaridade. Ações educativas inovadoras voltadas à realidade
socioeconômica do paciente, e que envolvam a família no processo do cuidar, podem
colaborar no aumento do conhecimento das práticas adequadas de cuidado com os pés.

REFERÊNCIAS

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

ALMEIDA SA, SILVEIRA MM, ESPÍRITO SANTO PF, PEREIRA RC, SALOMÉ GM.
Avaliação da qualidade de vida em pacientes com diabetes mellitus e pé ulcerado. Rev. Bras.
Cir. Plást. 2013 Mar; 28( 1 ): 142-146.
ARAUJO MM, ALENCAR AMPG. Pés de risco para desenvolvimento de ulcerações e
amputações em Diabéticos. Revista Rene, Fortaleza.2009; 10 (2): 19-28.
AUDI EG, MOREIRA RC, MOREIRA ACMG, PINHEIRO
176
EFC,MANTOVANIMF,ARAUJOAG.Avaliação do Pé e Risco Para Pé Diabético:
Contribuições para Enfermagem.CogitareEnferm. 2011 Abr/Jun; 16(2):240-6.
CAROLINO IDR, MOLENA-FERNANDESCA, TASCA RS, MARCONSS, CUMAN
RKN. Fatores de risco em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. Rev. Latino-Am.
Enfermagem. 2008; 16(2): 238-244.
CUBAS MR, SANTOS OMS, RETZLAFF EMA, Telma HLC, Andrade IPS, Moser ADL,
Erzinger AR. Pé diabético: orientações e conhecimento sobre cuidados preventivos. Fisioter
Mov. 2013Jul/Set; 26(3):647-55.
CHAGAS IA, CAMILO J, SANTOS MA, RODRIGUES FFL, ARRELIAS CCA, TEIXEIRA
CRS. Patients' knowledge of Diabetes five years after the end of an educational program. Rev.
esc. enferm. USP.2013 Oct; 47(5): 1137-1142.
CARVALHEIRA JBC, ZECCHIN HG, SAAD MJA. Vias de Sinalização da Insulina. Arq
Bras EndocrinolMetab.2002 Aug; 46(4): 419-425.
CARVALHO CBM, NETO RM, ARAGÃO LP, OLIVEIRA MM, NOGUEIRA MB, FORTI
AC. Pé diabético: análise bacteriológica de 141 casos. ArqBrasEndocrinolMetab. 2004 June;
48( 3 ): 406-413.
DUARTE N, GONÇALVES A. Pé diabético. AngiolCir Vasc.2011 Jun; 7(2): 65-79.
GAMBA MA,GOTLIEBSLD,BERGAMASCHIDP,VIANNA LAC. Amputação de
Extremidades Inferiores por Diabetes Mellitus: Estudo de Caso-Controle. Rev. Saúde
Pública.2004; 38 (3).
GHELMANC, L, SOUZA,NASCIMENTO MH ,ROSAS MTF, A M. Conhecimento de
portadores de diabetes mellitus atendidos em uma unidade básica de saúde, quanto às práticas
de auto-cuidado com pés.Enferm. glob. 2009; (17)
GIL GP, HADDAD MCL, GUARIENTE MHDM, Conhecimento sobre diabetes mellitus de
pacientes atendidos em programa ambulatorial interdisciplinar de um hospital universitário
publico. Revista Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina.2008; 29 (2): 141-154.
OCHOA-VIGO K, PACE AE. Pé diabético: estratégias para prevenção. Acta Paulista de
Enfermagem, Ribeirão Preto. 2005; 18 (1): 100-9.
MARTIN VT, RODRIGUES CDS,CESARINO CB. Conecimento do Paciente com Diabetes
Mellitus Sobre o Cuidado com os pés. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro. 2011; 19 (4): 621-
625.
MAZZINI MCR, BLUMER MG, HOEHNE EL, GUIMARÃES KRLSLQ, CARAMELLI B,
FORNARI L, et al . Rastreamento do risco de desenvolvimento de diabetes mellitus em pais
de estudantes de uma escola privada na cidade de Jundiaí, São Paulo. Rev. Assoc. Med.
Bras. 2013 Apr; 59( 2 ): 136-142.

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

MILMAN MHSA., LEME CBM., BORELLI DT., KATER FR., BACCILI ECDC., ROCHA
RC.M. et al . Pé diabético: avaliação da evolução e custo hospitalar de pacientes internados no
conjunto hospitalar de Sorocaba. ArqBrasEndocrinolMetab. 2001 Oct; 45( 5 ): 447-451.
MELO EM, TELES MS, TELES RS, BARBOSA IV, STUDART RMB, Oliveira MM.
Avaliação dos fatores interferentes na adesão ao tratamento do cliente portador de pé
diabético. Rev. Enf. Ref. 2011 Dez; serIII(5): 37-44.
177
MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Diabetes Mellitus: cadernos de atenção básica nº 16. Brasília: Ministério da Saúde,
2006. 56 p.
MORAIS GFC, SOARES MJGO, COSTA MML, SANTOS IBC. O diabético diante do
tratamento, fatores de risco e complicações crônicas. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro,
2009 Abr/Jun; 17(2):240-5.
OLIVEIRA PS, BEZERRA EP, ANDRADE LL, SOARES MJGO, COSTA MML. Fatores de
risco para complicações decorrentes do diabetes mellitus.Revenferm UFPE online., Recife,
2013 Ago; 7(8):5265-73.
OTERO LM, ZANETTI ML, OGRIZIO MD. Knowledge of diabetic patients about their
disease before and after implementing a diabetes education program. Rev. Latino-Am.
Enfermagem. 2008 Apr; 16( 2 ): 231-237.
PACE AE, FOSS MC, OCHOA- VIGO k, HAYASHIDA M. Fatores de risco para
complicações em extremidades intefriores de pessoas com diabetes mellitus. Rev. Bras.
Enferm. 2002;55 (5): 514-521.
PEDROSA HC (Org.). Grupo de Trabalho Internacional Sobre Pé Diabético. Consenso
Internacional sobre Pé Diabético. Tradução de Ana Cláudia de Andrade, Hermelinda Cordeiro
Pedrosa. Brasília: Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal 2001. 126 p.
PRZYSIEZNY A, RODRIGUES KF, SANTIAGO LH,SILVA MCV. Características
sociodemográficas de pacientes com diabetes mellitus portadores de pé diabético e ou
retinopatia diabética atendidos em 16 unidades de Estratégia de Saúde da Família de
Blumenau. Arq. Catarin. Med. 2013 Jan/Mar; 42(1): 76-84.
ROCHA RR, ZANETTI ML, SANTOS MA. Comportamento e conhecimento: fundamentos
para prevenção do pé diabético. Actapaul. enferm. 2009 Feb; 22(1): 17-23.
RODRIGUES FFL, SANTOS MA, TEIXEIRA CRS, GONELA JT, ZANETTI ML. Relação
entre conhecimento, atitude, escolaridade e tempo de doença em indivíduos com diabetes
mellitus. Actapaul. enferm. 2012; 25(2): 284-290.
SANTO ICRV, SILVA ACFB, MELO LCP. Condutas preventivas na atenção básica e
amputação de membros inferiores em portadores de pé diabético. Rev. Rene. Fortaleza. 2008
Out/Dez; 4 (9): 40-48.
SANTOS RV, ISABEL C, SILVA FB, SILVA AC,MELO APP, Calou L. Condutas
Preventivas na Atenção Básica e Amputação de Membros inferiores em portador de pé
diabético. Rev. Rene. Fortaleza. 2008 Out/Dez; 4 (9): 40-48.
SMELTZER SC, BARE BG, HINKLE JL, CHEEVER KH. BRUNNER e SUDDARTH:
Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 12. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan ,2011.

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.


AIRES, Priscila; COSTA, Yesmin & GEMELLI, Karine (2015)_______________________________________________________

VIDAL L. Avaliação do sistema de classificação de risco do pé, proposto pelo grupo de


trabalho internacional sobre o pé diabético, hospital da policia militar de minas gerais 2002-
2007. Dissertação de Mestrado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas
Gerais, Belo Horizonte. 2009; 172 f.
VIGO KO, TORQUATO MTCG,SILVÉRIO IAS, QUEIROZ FA,GUANILO MCDLTU,
Pace AE. Caracterização de pessoas com diabetes em unidades de atenção primária e
secundária em relação a fatores desencadeantes do pé diabético. Acta Paul Enferm. 178
2006;19(3): 296-303.

Revista Interface, Edição nº 10, dezembro de 2015 – p. 162-178.