Você está na página 1de 11

ECC 1006 – CONCRETO ARMADO A

DIMENSIONAMENTO DE SEÇÕES T
(Aulas 25-26)

Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva


OCORRÊNCIA DE SEÇÕES T NAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

Vigas de pontes
Pavimentos de edifícios (conjunto laje-viga)

1 - Lajes maciças

bf  Largura colaborante

b f  b w  0,10.a em cada lado da viga que


houver laje colaborante
com 0,10.a  0,5b 2
a Distância entre pontos de momento fletor nulo (tramo analisado)

a Obtida do DMF ou estimada a partir do comprimento L


(Ver item 14.6.2.2 da NBR 6118)
Viga simplesmente apoiada: a  1,0.L
Tramo com momento em uma só extremidade: a  0,75.L
Tramo com momentos nas duas extremidades: a  0,60.L
Tramo em balanço: a  2,0.L

Mais detalhes sobre a obtenção


da largura colaborante Ver item 14.6.2.2 da NBR 6118
2- Lajes treliçadas com vigotas em uma direção

Fonte: Fortlajes
http://fortlajes288.goldenbiz.com.br
bf

Seção: Nervura

Adaptado de Filho e Carvalho (2010)


SITUACÕES DE CÁLCULO POSSÍVEIS EM SEÇÕES T

Momentos positivos

Seção T “falsa” Cálculo como seção retangular de largura bf


Situação válida até x  1,25.hf
0,8 x  hf x  1,25.hf
Portanto se:

x  1,25.hf Seção T “falsa”

x  1,25.hf Seção T “verdadeira”


Cálculo de seção T “verdadeira”

MSd  MRd1  MRd2


AS  A s1  A s2
hf
MRd1  Rc1.z1 Rc1  0,85.fcd.b f  b w .hf z1  d 
2
MRd2  MSd  MRd1
MRd2  Rc 2 .z 2

Rc 2  0,85.fcd 
. b w .0,8 x   0,68.fcd.b w .x z 2  d  0,4x

MRd2  0,68.fcd.b w .x.d  0,4x  Resolver x e encontrar domínio

MRd1 MRd2
A s1  A s2   s1 s2
z1.s1 z 2 . s2
Momentos negativos

Cálculo como seção retangular de largura bw


REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto de estruturas de


concreto – procedimento. Rio de Janeiro, 2014.

FILHO, F.M.A; CARVALHO, R. C. Análise do Desempenho na Deformação do Sistema Estrutural de


Lajes Treliçadas com a Utilização de Nervuras Transversais. III Congresso Brasileiro de Pontes e
Estruturas. Rio de Janeiro, 2010.