Você está na página 1de 2

Prefácio à Antologia de poetas modernos

Dante Milano

Esta antologia tem um caráter documental e fixa uma época literária, – o


movimento intelectual do nosso tempo e o seu reflexo na poesia brasileira.
Esse movimento, que se chamou de “moderno” numa ampliação de
sentido que serviu para qualificar um estado de espírito latente em todas as
manifestações da época, teve uma repercussão mundial e irradiou-se em
múltiplas tendências e diretrizes.
Nessa multiplicidade consiste, justamente, a riqueza da nova poesia,
que mantém sempre um caráter de procura, de tentativa, de experiência, cada
vez mais se enriquecendo, nunca se bastando, não atingindo jamais o
formalismo da “perfeição”, no significado acadêmico da palavra.
As consequências principais desse movimento – o alargamento do
campo poético, a criação de novos ritmos, o desrespeito às fórmulas
tradicionais, ao convencionalismo estético, aos cânones literários, etc., – são
cousas tão sabidas que não vale a pena repetir.
Como pequena indicação aos que por acaso ainda o ignorem, limitamo-
nos a chamar a atenção do leitor para o sentido social de que se reveste a
literatura moderna e a arte em geral, e que é o seu lado mais significativo, na
fase que atravessamos.
Seria um observador superficial quem visse nessa agitação um simples
fenômeno literário. Impossível que esse estado de espírito não refletisse as
convulsões e flutuações por que passam as gerações atuais e não tivesse
ligação com o sentimento da necessidade de uma renovação social, cujo ideal,
mesmo desfigurado, é latente na consciência do homem de hoje.
Formou-se assim uma nova mentalidade. Daí veio a revolução. Para
onde irá não sabemos.
Não sabemos que forma revestirá a ideia a que procuramos dar
expressão, mas há qualquer coisa no mundo que já pertence ao futuro.
Talvez nem todos os poetas que fazem parte desta antologia tenham
consciência desse estado. Decerto, alguns fazem uma experiência estética, da
qual ignoram a origem e as consequências; outros se sentem arrastados pela
corrente...
Ao menos, abriu-se o caminho.

MILANO, Dante. Antologia de poetas modernos. Organização e introdução. Rio de


Janeiro: Ariel, 1935.

Poetas (34):

Abgar Renault
Afonso Arinos de Melo Franco
Álvaro Moreyra
Ascenso Ferreira
Atílio Milano
Augusto Frederico Schmidt
Augusto Meyer
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Lebeis
Cassiano Ricardo
Felippe d’Oliveira
Francisco Karam
Guilherme de Almeida
Ismael Nery
João Alphonsus
Jorge de Lima
Jorge Fernandes
José Geraldo Vieira
Luiz Martins
Manuel Bandeira
Mário de Andrade
Menotti Del Picchia
Murilo Araújo
Murilo Mendes
Olegário Mariano
Onestaldo de Pennafort
Oswald de Andrade
Pádua de Almeida
Paulo Torres
Pedro Nava
Raul Bopp
Ribeiro Couto
Ronald de Carvalho
Tasso da Silveira