Você está na página 1de 3

Infecção do Recém-Nascido

Corioanminionite
Resulta da invasão patogênica do fluido amniótico e membranas coriônicas, geralmente decorrente de uma rotura prolongada das membranas
ovulares. Porém, pode ocorrer corioamnionite sem rotura das membranas (mães com infecção urinária, bacteriúria assintomática. etc.).

Existe maior risco de infecção do RN quando há: Ruptura das membranas é > 18 horas
Fatores de Risco:

◍ Prematuridade
◍ Doença de Base
◍ Procedimentos invasivos

Ressuscitação ao nascimento

Sinais clínicos

⤵ Febre materna Periparto


⤵ Leucocitose materna >18.000
⤵ hipotonia uterina
⤵ Líquido amniótico com mal cheiro
⤵ Taquicardia fetal
⤵ Instabilidade térmica, desconforto respiratório, distúrbios gastrointestinais, alterações do SNC ou glicemia e má perfusão periférica.

O que fazer com o RN?


Índice neutrofílico: Numero de bastões neutrófilos jovens sob os
números de bastões neutrófilos totais.
◍ Hemocultura + hemograma Quando os bastões ultrapassam 15 a 20% dos neutrófilos totais (0,15 a
◍ Iniciar Antibiótico aguarda ATB e Evolução clínica 0,20) já é bastante sugestivo de Infecção.
◍ Exames normais? Suspender ATB Plaquetopenia também aponta para infecção

Os microrganismos mais comuns estão presentes no trato geniturinário ou gastrointestinal:

◍ Streptococcus do grupo B (GBS)


◍ Organismos entéricos
o E.Coli
◍ Gonococo
◍ Chlamydia
◍ Vírus
o Citomegalovírus
o HIV
o Herpes - simples

Se classifica em:

SEPSE PRECOCE SEPSE TARDIA


< 48 h a 1 semana de vida >48 h >1 semana de vida/ pode ser antes
Adquiridos no Útero o durante o parto Associada a fatores Nosocomiais ou da comunidade
Adquirida antes ou ao nascimento Peri parto Após o nascimento
 Estreptococos B-hemolítico B Agalactiae  Estafilococos Coagulasse Negativos (epidermites)
 Gram (-): E. coli  Staphylococcus aureus
 Listeria monocytogenes  Bactérias Gram (-)
- Klebsiella,
- Pseudomonas e Enterobacter
 Fungos
- Cândida Albicans
Estreptococo do Grupo B (GBS) Agalactiae
◍ Os sinais clínicos da infecção aparecem geralmente 24 horas após o parto
◍ Recém-nascido a termo: infecção 2x mais comum no sexo masculino.

Prevenção da Infecção perinatal pelo estreptococo do grupo B através do Swab Anal e vaginal

SCREENING UNIVERSAL - Swab Anal e Vaginal

É um teste fácil, indolor e eficaz que permite que o ginecologista extrair uma amostra do fluxo de ambas as áreas, através da introdução de um
cotonete, a fim de descartar possíveis infecções vaginais.

O exsudato é feito geralmente no terceiro trimestre da gravidez, em especial entre as semanas 35 e 37, com o objectivo de detectar se há a
possibilidade de contágio para o bebê através do canal de entrega pela bactéria Streptococcus Grupo B (EGB).

É valido por 5 semanas.

Objetivo: é o uso de antibiótico intraparto para profilaxia contra a infecção neonatal por GBS nas gestantes cuja hemoculturas indiquem colonização.

REGRA NÚMERO 1:TODAS as gestantes devem ser rastreadas para colonização por GBS através de swab retal e vaginal e cultura
durante a 35ª a 37ª semana de gestação.

Quando indicar profilaxia antibiótica?

SWAB POSITIVO + FATORES DE RISCO: ANTIBIÓTICO INTRAPARTO


Fatores de risco

⤵ Prematuridade
⤵ Febre materna
⤵ Bolsa rota ≥18 horas

Quando indicar a profilaxia antibiótica intraparto?

◍ Deve ser indicada pelo menos 4 horas antes do nascimento.

# cai na prova!

↬ Se não tenho Swab avaliar fatores de risco.


↬ Porém se Swab negativo e a mãe tem fatores de risco: Não deve ser feito ATB.
↬ Somente se Swab (+) indica ATB intraparto.
↬ Não há indicação de antibioticoterapia em gestante que venham se submeter a Cesária antes do início do trabalho de parto.
↬ Situações especiais
o Infecção Urinária do Grupo B durante a gestação
o História de sepse em neonato anterior por GBS.
↬ Cultura retovaginal positiva para GBS no teste de triagem com 35-37 semanas de gestação*.
↬ Bacteriúria por GBS em qualquer trimestre gestacional*.
↬ Gestante com cultura não realizada ou sem resultado) na presença de qualquer um dos critérios abaixo:
o Trabalho de parto prematuro < 37 semanas
o Duração de RPM ≥ 18 horas.
o Temperatura materna intraparto ≥ 38ºC

Antibióticos de escolha

◍ GPS: Penicilina e ampicilina: Via IV o início do trabalho de parto, iniciado no mínimo 4 horas antes.
o Se alérgica/ sem risco de anafilaxia: Cefazolina
o Se Gestantes com risco de anafilaxia:
 Clindamicina (necessita fazer antibiograma para usar, porque GBS é quase sempre resistente a Clinda).
 Eritromicina ou vancomicina (cepas resistentes).

Conduta com o Recém-Nascido no Berçário

A. SINAIS DE SEPSE
⤵ Hemoculturas: Padrão-ouro para definição diagnóstica de sepse neonatal/ sensibilidade (< 80%).
⤵ Isolamento do agente etiológico em liquido estéril: infecção fúngica ou bacteriana
⤵ Leucograma: pode haver:
o Leucocitose (>25.000/mm³) ou leucopenia (< 5.000/mm³)
o Neutropenia (< 1.500-1.000/mm³)
o A relação de neutrófilos imaturos (mielócitos + metamielócitos + bastonados) e neutrófilos totais (relação I/T) tem valor
preditivo para sepse quando seu índice for igual ou superior a 0,2 (I/T ≥ 0,2).
o Plaquetas: a plaquetopenia (< 100.000/mm³) (maior gravidade da infecção).
o VHS: > 10 mm nas primeiras 48 horas de vida.
⤵ Testes imunológicos
o PCR: Proteína C reativa: > 10 mg/dl
o PCT: Procalcitonina:
⤵ Exame de urina
⤵ Raio X de tórax
Iniciar ATB DE AMPLO ASPECTRO.

B. Se CORIOAMINIONITE:
o Porem o RN em bom estado geral
o Colher exames Simples e iniciar ATB) reavaliar em 48 a 72 horas se esta bem... suspender ATB.

C. Mãe Usou ATB intraparto no mínimo 4 horas antes do nascimento


o Observação por 48 horas (sem exames complementares)

D. Mãe não usou ATB intraparto (apesar de indicação)


o RN em bom estado >37 semanas
o Bolsa Rota <18 horas
o Observação por 48 horas sem exames

E. Mãe não Usou ATB intraparto


o RN em bom estado geral <37 semanas
o Bolsa rota por >18 horas
o Observação por 48 horas com exames complementares simples. (CULTURA E HEMOGRAMA)

Infecção de Início tardio Nosocomiais

◍ Mãos contaminadas dos profissionais de saúde


◍ Associação grande ao uso do cateter intravascular
◍ Estafilococos coagulase-negativo (epidermidis) é o agente hospitalar neonatal + comum

Tratamento da infecção neonatal


PRECOCE TARDIA
◍ Ampi 200 mg/kg/dia+ Genta 5 mg/kg/dia 7 a 10 dias ◍ Staphylococcus: Oxacilina e aminoglicosídeo em
casos leves, ou vanco e cefotaxima em casos
graves.
◍ Listeria (ampicilina) ◍ Enterococcus: Penicilina + ou piperacilina
◍ Penicilina – GBS ◍ Herpes neonatal/meningoencefalite: Aciclovir
◍ Clindamicina ou metronidazol: infecções anaeróbicas
◍ Meningites: Ampicilina + cefotaxima (Cefa de 3ªg)