Você está na página 1de 86

N-58 REV.

C FEV / 99

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma estabelece os símbolos gráficos a serem utilizados no traçado dos
fluxogramas de processo e de engenharia da PETROBRAS.

1.2 Para símbolos de instrumentos, vide norma ISA S 5.1.

1.3 As prescrições desta Norma se aplicam aos trabalhos realizados a partir da data da sua
edição.

1.4 Esta Norma contém somente Requisitos Mandatórios.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Os documentos relacionados a seguir são citados no texto e contêm prescrições válidas para a
presente Norma.

PETROBRAS N-381 - Execução de Desenho e Outros Documentos Técnicos


em Geral;
PETROBRAS N-1521 - Identificação de Equipamentos Industriais;
ISA S 5.1 - Instrumentation Symbols and Identification.

3 CONDIÇÕES GERAIS

3.1 Os símbolos devem ser traçados guardando-se, sempre que possível, a proporcionalidade
de suas dimensões.

3.2 Os equipamentos que possuam acionador (ex: bomba, agitador, etc.) podem ser
representados compondo-se os símbolos do equipamento e do acionador.

3.3 Os equipamentos industriais devem ser identificados conforme a norma PETROBRAS


N-1521.

3.4 Os fluxogramas devem ser elaborados conforme a norma PETROBRAS N-381.

3
N-58 REV. C FEV / 99

4 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

4.1 Itens de Tubulação (ANEXO A)

- Amortecedor de Pulsações;
- Aquecimento e Isolamento de Tubulações;
- Bico de Gás;
- Bombona de Líquido Gerador de Espuma;
- Borrifador, Espargidor;
- Bujão;
- Cabeçote de Exaustão;
- Chuveiro;
- Conexão para Mangueira;
- Conexão para “Swivel”;
- Disco de Ruptura;
- Esguicho Formador de Espuma;
- Figura Oito;
- Filtro de ar para Sucção de Compressor;
- Filtros de Linha;
- Flanges e Conexões;
- Hidrantes;
- Junta de Expansão;
- Lava-Olhos;
- Mangote Flexível e Bobina com Mangote;
- Pote de Injeção;
- Purgador de Vapor;
- Raquete;
- Redução;
- Respiro Atmosférico;
- Separador de Linha;
- Sifão;
- Silenciador em Linha;
- Símbolo Especial de Tubulação;
- “T” Gradeado;
- “T” Misturador;
- Tampão Roscado;
- Válvulas;
- Ventosa;
- Visor de Linha (Visor de Fluxo).

4.2 Máquinas e Equipamentos para Transferência de Fluidos (ANEXO B)

- Acionadores;
- Bombas;
- Compressores e Sopradores;
- Ejetor;
- Ventilador.

4
N-58 REV. C FEV / 99

4.3 Equipamentos de Troca Térmica (ANEXO C)

- Aquecedor de Linha;
- Baioneta Elétrica;
- Caldeira (gerador de vapor);
- Condensador Barométrico;
- Condensador ou Resfriador a Ar;
- Forno;
- Gerador de Vapor do Reformador;
- Permutador de Calor e Condensador de Feixe Tubular;
- Permutador de Calor de Tubos Concêntricos;
- Permutador de Placa;
- Recuperador de Calor;
- Refervedor;
- Refrigerador;
- Resfriador de Amostra;
- Serpentina de Aquecimento;
- Torre de Resfriamento;
- Trocador Multifluxo;
- Vaporizador de Tocha.

4.4 Equipamentos de Caldeiraria (ANEXO D)

- Cabeça de Poço;
- Chaminé;
- Coalescedor;
- Desaerador Térmico;
- Filtros;
- Gasômetro;
- Misturador de Jato;
- Misturadores Estáticos (Misturador de Linha);
- Silenciador;
- Tanque de Armazenamento;
- Tocha (“Flare”);
- Tocha Tipo Multiponto;
- Torre de Destilação ou de Retificação ou de Fracionamento;
- Tratador de Óleo;
- Tubo de Despejo;
- Vasos de Pressão.

4.5 Internos de Equipamentos (ANEXO E)

- Eliminador de Névoa;
- Quebra-Vórtice.

5
N-58 REV. C FEV / 99

4.5 Equipamentos Mecânicos (ANEXO F)

- Balança;
- Braço de Carregamento;
- Filtro de Tela Rotativa;
- Misturador (Agitador).

4.6 Equipamentos para Manuseio de Sólidos (ANEXO G)

- Alimentador de Correia;
- Alimentador de Correia Com Balança;
- Alimentador de Placas;
- Alimentador Vibratório Eletromecânico;
- Amostrador Automático;
- Amostrador Automático Duplo;
- Amostrador Manual;
- Briquetador;
- Britador Cônico;
- Britador Giratório;
- Britador de Mandíbulas;
- Britador de Martelos;
- Calha Vibratória;
- Caminhão Fora de Estrada;
- Carregadeira Frontal;
- Centrifugador;
- Ciclone/Hidrociclone;
- Classificador Espiral;
- Coletor de Amostras;
- Desviador Automático Sob Rodas;
- Desviador de Fluxo Manual;
- Desviador de Fluxo Motorizado;
- Desviador Sob Rodas com Três Saídas;
- Elevador de Canecas;
- Empilhadeira;
- Empilhadeira/Retomadora;
- Enquartador;
- Ensacadeira;
- Filtro Prensa;
- Filtro de Sacos;
- Grelha Fixa;
- Grelha Vibratória;
- Misturador de Rosca;
- Moinho Autógeno;
- Moinho de Barras;
- Moinho de Bolas;
- Moinho de Discos;
- Peneira;

6
N-58 REV. C FEV / 99

- Peneira Vibratória Inclinada;


- Peneira Vibratória Inclinada Com Dois “Decks”;
- Ponte Rolante;
- Retomador Tipo “Bucket Wheel”;
- Retorta;
- Rompedor de Matacão ou Martelete Hidráulico;
- Silo;
- Silo com Medidor de Peso Tipo “Load Cell”;
- Silo com Sistema de Descarga Tipo “Clam Shell”;
- Talha;
- Talha Elétrica;
- “Tripper” Fixo;
- “Tripper” Móvel;
- Transportador;
- Transportador de Correia;
- Transportador de Correia com Acionamento Especial;
- Transportador de Correia com Balança;
- Transportador de Correia com Detetor de Metal;
- Transportador de Correia com Extrator de Sucata;
- Transportador de Correia Reversível;
- Transportador Helicoidal;
- Transportador Móvel-Reversível;
- Transportador Pneumático;

Nota: Para fins explicativos, foram incluídos nos diversos símbolos, quando aplicável, o
acionamento por motor elétrico.

4.7 Diversos (ANEXO H)

- Adufas e Comportas;
- Caixa de Mar;
- Câmara de Espuma e Aplicador;
- Cilindro;
- Desarenador;
- Lançador/Recebedor;
- Precipitador Eletrostático;
- Retentor de Chama;
- Separador de Água e Óleo (SAO);
- Símbolos para Condições de Operação.

___________

/ANEXO A

7
N-58 REV. C FEV / 99

PÁGINA EM BRANCO

8
N-58 REV. C FEV / 99

PÁGINA EM BRANCO

14
N-58 REV. C FEV / 99

PÁGINA EM BRANCO

18
N-58 REV. C FEV / 99

PÁGINA EM BRANCO

22
N-58 REV. C FEV / 99

PÁGINA EM BRANCO

24
N-58 REV. C FEV / 99

PÁGINA EM BRANCO

26
N-1570 REV. C AGO / 99

FOLHA DE DADOS DE PROCESSO PARA


INSTRUMENTAÇÃO VÁLVULA DE
SEGURANÇA / ALÍVIO
Padronização
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.

Toda esta Norma foi alterada em relação à revisão anterior.

Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto


desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o responsável pela
adoção e aplicação dos itens da mesma.
Requisito Mandatório: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser
CONTEC utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de
Comissão de Normas não seguí-la ("não-conformidade" com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-
Técnicas gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta
Norma. É caracterizada pelos verbos: “dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros
verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada (não-mandatória): Prescrição que pode ser utilizada nas


condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade
de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário
desta Norma. É caracterizada pelos verbos: “recomendar”, “poder”, “sugerir” e
“aconselhar” (verbos de caráter não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática
SC - 10 Recomendada].
Cópias dos registros das "não-conformidades" com esta Norma, que possam contribuir
Instrumentação e Automação
para o aprimoramento da mesma, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão
Industrial
Autora.
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão
Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o item a ser revisado, a
proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas
durante os trabalhos para alteração desta Norma.
“A presente norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO
S.A. - PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução
para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização
da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente,
através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A
circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e
Confidencialidade, nos termos de direito intelectual e propriedade
industrial.”

Apresentação

As normas técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho – GTs (formados
por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelos Representantes
Locais (representantes das Unidades Industriais, Empreendimentos de Engenharia, Divisões
Técnicas e Subsidiárias), são aprovadas pelas Subcomissões Autoras – SCs (formadas por técnicos
de uma mesma especialidade, representando os Órgãos da Companhia e as Subsidiárias) e
aprovadas pelo Plenário da CONTEC (formado pelos representantes das Superintendências dos
Órgãos da Companhia e das suas Subsidiárias, usuários das normas). Uma norma técnica
PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser
reanalisada a cada 5 (cinco) anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As normas técnicas
PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a norma PETROBRAS N -1. Para informações
completas sobre as normas técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 4 páginas e 1 formulário


N-1570 REV. C AGO / 99

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma padroniza a Folha de Dados de Processo para Instrumentação relativa a
Válvulas de Segurança/Alívio, utilizadas na PETROBRAS.

1.2 Esta Norma se aplica a projetos iniciados a partir da data de sua edição.

1.3 Esta Norma contém somente Requisitos Mandatórios.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Os documentos relacionados a seguir são citados no texto e contêm prescrições válidas para a
presente Norma.

PETROBRAS N-381 - Execução de Desenho e Outros Documentos Técnicos


em Geral;
ANSI B 31.1 - Power Piping;
ANSI B 31.2 - Fuel Gas Piping;
ANSI B 31.3 - Chemical Plant and Petroleum Refinery Piping;
ANSI B 31.4 - Liquid Petroleum Transportation Piping Systems;
ANSI B 31.8 - Gás Transmission and Distribution Piping Systems.

3 DEFINIÇÕES

Para os propósitos desta Norma são adotadas as definições indicadas nos itens 3.1 a 3.3.

3.1 Pressão de Ajuste (“Set Pressure”)

Pressão manométrica na entrada da válvula, na qual a válvula está ajustada e deve abrir em
serviço devido às condições anormais de processo.

3.2 Pressão de Ajuste em Válvulas de Alívio (Operação com Líquidos)

Pressão de entrada na qual a válvula inicia a abertura.

3.3 Pressão de Ajuste em Válvulas de Segurança (Operação com Gases e Vapores)

Pressão de entrada na qual a válvula abre instantaneamente (“popping”).

4 CONDIÇÕES GERAIS

4.1 Esta Folha de Dados deve ser reproduzida para sua utilização rotineira.

2
N-1570 REV. C AGO / 99

4.2 No caso de utilização de impressão por computador, outros padrões podem ser utilizados,
desde que sejam mantidas as informações contidas nesta Norma.

4.3 O cabeçalho e o rodapé devem ser preenchidos de acordo com a norma PETROBRAS
N-381. Caso seja necessário usar folha de continuação, utilizar o modelo aplicável do
ANEXO A da norma PETROBRAS N-381.

4.4 Esta Folha de Dados, após preenchida, deve se constituir em um documento permanente
do projeto.

_____________

/ANEXO A

3
N-1570 REV. C AGO / 99

ANEXO A - TABELA

TABELA A- 1 - INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

CAMPO DESCRIÇÃO
01 Identificar a válvula segundo o fluxograma. Ex.: TV-01.
02/03 Indicar o fluido de processo.
04 Indicar o estado físico do fluido de processo.
Indicar o diâmetro nominal da linha ou a identificação do equipamento onde deve
05
ser instalada a válvula em polegadas.
Especificar o critério de dimensionamento da capacidade requerida da válvula tal
06 como: fogo, descarga bloqueada, alívio térmico, falha do sistema de água de
resfriamento.
Indicar a vazão de líquido aliviado pela válvula e a unidade de vazão. Se o
07
escoamento for bifásico, preencher também o item 8.
Indicar a vazão de vapor ou gás aliviada pela válvula. Se o escoamento for
08
bifásico, preencher também o item 7.
09 Indicar a pressão normal de operação da linha ou equipamento.
10 Especificar a pressão de ajuste de válvula de segurança/alívio (ver itens 3.1 e 3.3).
11 Indicar a pressão na descarga da válvula, se for constante.
Indicar a máxima pressão “superimposta” descarga da válvula, quando da abertura
12
da mesma.
13 Indicar a mínima pressão na descarga da válvula, sem fluxo.
14 Indicar a temperatura normal de operação.
15 Indicar a temperatura nas condições de alívio da válvula.
Indicar a temperatura de projeto da linha ou equipamento, de acordo com a(s)
seguinte(s) norma(s):
16
- Tubulação: ANSI B 31.1, B 31.2, B 31.3, B 31.4 e B 31.8;
- Vasos de Pressão: norma PETROBRAS N-254.
17 Indicar a menor temperatura que ocorrerá durante o alívio pela PSV.
18 Indicar a densidade relativa na temperatura de alívio.
19 Indicar a viscosidade, na temperatura de alívio.
20 Indicar o peso molecular.
21 Indicar a relação entre os calores específicos, nas condições de alívio da válvula.
22 Indicar o fator de compressibilidade Z, nas condições de alívio da válvula.
23 Indicar a sobrepressão, em relação à pressão de ajuste.
24 Responder “SIM” ou “NÃO, conforme a resposta à pergunta formulada.
Indicar o número do Fluxograma de Engenharia no qual a válvula está
25
representada.
26 Relacionar, se necessário, os números das notas aplicáveis à válvula.

____________

/ANEXO B

4
Nº REV.
FOLHA DE DADOS DE PROCESSO
FOLHA
de

PETROBRAS VÁLVULAS DE SEGURANÇA / ALÍVIO


01 IDENTIFICAÇÃO
02
FLUIDO
03
GERAL

04 ESTADO FÍSICO
05 EQUIP. OU DIÂM. NOM. DA LINHA, (in)
06 CRITÉRIO PARA DIMENSIONAMENTO
LÍQUIDO, (m3/h)
VAZÃO

07
08 VAPOR OU GÁS, kg/h
09 OPERAÇÃO, (kPa) (kg/cm2)
PRES. MANO.

10 AJUSTE, (kPa) (kg/cm2)


11 CONSTANTE, (kPa) (kg/cm2)
PRESSÃO
CONTRA

12 MÁXIMA, (kPa) (kg/cm2)


VARIÁVEL
13 MÍNIMA, (kPa) (kg/cm2)
14 OPERAÇÃO, °C
TEMP.

15 ALÍVIO, °C
16 PROJETO, °C
17 MÍNIMA A JUSANTE, °C
18 DENSIDADE A TEMP. ALÍVIO
LÍQ.

19 VISCOS. A TEMP. ALÍVIO, cP


20 PESO MOLECULAR
VAPOR
GÁS/

21 Cp / Cv
22 FATOR DE COMPRESSIBILIDADE
23 SOBREPRESSÃO (%)
24 CONTACTO C/ FLUÍDO CORROSIVO? (SIM / NÃO)
25 FLUXOGRAMA
26 NOTAS APLICÁVEIS
NOTAS:

AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA PETROBRAS SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE
N-1569 REV. B AGO / 99

FOLHA DE DADOS DE PROCESSO PARA


INSTRUMENTAÇÃO - VAZÃO

Padronização
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.

Toda esta Norma foi alterada em relação à revisão anterior.

Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto


desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o responsável pela
adoção e aplicação dos itens da mesma.
Requisito Mandatório: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser
CONTEC utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de
Comissão de Normas não seguí-la ("não-conformidade" com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-
Técnicas gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta
Norma. É caracterizada pelos verbos: “dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros
verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada (não-mandatória): Prescrição que pode ser utilizada nas


condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade
de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário
desta Norma. É caracterizada pelos verbos: “recomendar”, “poder”, “sugerir” e
“aconselhar” (verbos de caráter não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática
SC - 10 Recomendada].
Cópias dos registros das "não-conformidades" com esta Norma, que possam contribuir
Instrumentação e Automação
para o aprimoramento da mesma, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão
Industrial
Autora.
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão
Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o item a ser revisado, a
proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas
durante os trabalhos para alteração desta Norma.
“A presente norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO
S.A. - PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução
para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização
da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente,
através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A
circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e
Confidencialidade, nos termos de direito intelectual e propriedade
industrial.”

Apresentação

As normas técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho – GTs (formados
por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelos Representantes
Locais (representantes das Unidades Industriais, Empreendimentos de Engenharia, Divisões
Técnicas e Subsidiárias), são aprovadas pelas Subcomissões Autoras – SCs (formadas por técnicos
de uma mesma especialidade, representando os Órgãos da Companhia e as Subsidiárias) e
aprovadas pelo Plenário da CONTEC (formado pelos representantes das Superintendências dos
Órgãos da Companhia e das suas Subsidiárias, usuários das normas). Uma norma técnica
PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser
reanalisada a cada 5 (cinco) anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As normas técnicas
PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a norma PETROBRAS N -1. Para informações
completas sobre as normas técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 3 páginas e 1 formulário


N-1569 REV. B AGO / 99

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma padroniza a Folha de Dados de Processo para Instrumentos de Vazão,
utilizada na PETROBRAS.

1.2 Esta Norma se aplica a projetos iniciados a partir da data de sua edição.

1.3 Esta Norma contém somente Requisitos Mandatórios.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

O documento relacionado a seguir é citado no texto e contém prescrições válidas para a


presente Norma.

PETROBRAS N-381 - Execução de Desenho e Outros Documentos Técnicos em


Geral.

3 CONDIÇÕES GERAIS

3.1 Esta Folha de Dados deve ser reproduzida para sua utilização rotineira.

3.2 No caso de utilização de impressão por computador, outros padrões podem ser utilizados,
desde que sejam mantidas as informações contidas nesta Norma.

3.3 A Folha de Dados anexa é típica para folha de continuação e deve ser preenchida de
acordo com a norma PETROBRAS N-381. Caso seja utilizada como folha única, sem capa, o
cabeçalho e o rodapé devem ser preenchidos conforme modelo de 1ª folha aplicável, da norma
PETROBRAS N-381.

3.4 Esta Folha de Dados, após preenchida, deve se constituir em um documento permanente
do projeto.

____________

/ANEXO A

2
N-1569 REV. B AGO / 99

ANEXO A - TABELA

TABELA A-1 - INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

CAMPO DESCRIÇÃO
01 Identificar o instrumento segundo a norma em vigor para o projeto.
02 Indicar o fluido de processo.
03 Indicar o estado físico do fluido de processo.
04 Indicar o diâmetro nominal da linha onde deve ser instalado o instrumento.
05 Indicar a vazão normal de operação da linha.
06 Indicar a vazão máxima de operação da linha.
07 Indicar a vazão mínima de operação da linha.
Especificar os pontos de atuação, em valor absoluto, para alarme e/ou parada
08/09
de emergência.
Indicar a pressão normal de operação da linha, a montante do elemento
10
primário.
11 Indicar a pressão de projeto da linha.
12 Indicar a temperatura normal de operação.
13 Indicar a temperatura de projeto da linha.
14 Indicar a densidade relativa na temperatura de operação.
15 Indicar a densidade relativa do fluido a 20 ºC em relação à água a 4 ºC.
16 Indicar a viscosidade, nas condições normais de operação em centipoise.
Indicar com “SIM” ou “NÃO” se o ponto de fluidez do fluido de processo for
17
superior à temperatura ambiente.
Indicar com “SIM” ou “NÃO” se o fluido de processo polimerizar à
18
temperatura ambiente.
Indicar com “SIM” ou NÃO” se o fluido de processo contiver sólidos em
19
suspensão.
20 Indicar o peso molecular.
21 Indicar a relação entre calores específicos, nas condições normais de operação.
22 Indicar o fator de compressibilidade Z, nas condições normais de operação.
23 Indicar o título de vapor, em porcentagem, somente para vapor d’água.
24 Indicar “Sim ou Não” se o fluido de processo contiver líquido arrastado.
25 Indicar a perda de carga máxima admissível no elemento primário.
Indicar o número do fluxograma de engenharia ou desenho no qual o
26
instrumento está representado.
27 Relacionar, se necessário, os números das notas aplicáveis ao instrumento.

_____________

/ANEXO B

3
Nº REV.
FOLHA DE DADOS DE PROCESSO
FOLHA
de

PETROBRAS VAZÃO
01 IDENTIFICAÇÃO

02 FLUIDO
GERAL

03 ESTADO FÍSICO
04 DIÂMETRO NOMINAL DA LINHA, in
05 OPERAÇÃO, (kg/h) (m3/h)
06 MÁXIMA, (kg/h) (m3/h)
VAZÃO

07 MÍNIMA, (kg/h) (m3/h)


BAIXA, (kg/h) (m3/h)
08 ALARME
ALTA, (kg/h) (m3/h)
09 PARADA, (kg/h) (m3/h)
TEMP. PRES.

10 OPERAÇÃO, (kPa) (kgf/cm2)


MAN.

11 PROJETO, (kPa) (kgf/cm2)


12 OPERAÇÃO, °C
13 PROJETO, °C
14 DENSIDADE A TEMP. OP.
15 DENSIDADE A 20 / 4 °C
LÍQUIDO

16 VISCOSIDADE A TEMP. OP., (cP) (Pa.s)


17 PT. FLUIDEZ SUP. A TEMP. AMB.? (S / N)
18 POLIMERIZA A TEMP. AMB.? (S / N)
19 CONTÉM SÓL. EM SUSPENSÃO? (S / N)
20 PESO MOLECULAR
GÁS/VAPOR

21 Cp / Cv
22 FATOR DE COMPRESSIBILIDADE
23 TÍTULO DO VAPOR %
24 CONTÉM LÍQ. EM SUSPENSÃO? (S / N)
25 ∆P MÁXIMO ADMISSÍVEL, kPa (kgf/cm2)
26 FLUXOGRAMA
27 NOTAS APLICÁVEIS
NOTAS:

AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA PETROBRAS SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE
N-1568 REV. B AGO / 99

FOLHA DE DADOS DE PROCESSO PARA


INSTRUMENTAÇÃO - NÍVEL

Padronização
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.

Toda esta Norma foi alterada em relação à revisão anterior.

Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto


desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o responsável pela
adoção e aplicação dos itens da mesma.
Requisito Mandatório: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser
CONTEC utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de
Comissão de Normas não segui-la ("não-conformidade" com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-
Técnicas gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta
Norma. É caracterizada pelos verbos: “dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros
verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada (não-mandatória): Prescrição que pode ser utilizada nas


condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade
de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário
desta Norma. É caracterizada pelos verbos: “recomendar”, “poder”, “sugerir” e
“aconselhar” (verbos de caráter não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática
SC - 10 Recomendada].
Cópias dos registros das "não-conformidades" com esta Norma, que possam contribuir
Instrumentação e Automação
para o aprimoramento da mesma, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão
Industrial
Autora.
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão
Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o item a ser revisado, a
proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas
durante os trabalhos para alteração desta Norma.
“A presente norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO
S.A. - PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução
para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização
da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente,
através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A
circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e
Confidencialidade, nos termos de direito intelectual e propriedade
industrial.”

Apresentação

As normas técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho – GTs (formados
por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelos Representantes
Locais (representantes das Unidades Industriais, Empreendimentos de Engenharia, Divisões
Técnicas e Subsidiárias), são aprovadas pelas Subcomissões Autoras – SCs (formadas por técnicos
de uma mesma especialidade, representando os Órgãos da Companhia e as Subsidiárias) e
aprovadas pelo Plenário da CONTEC (formado pelos representantes das Superintendências dos
Órgãos da Companhia e das suas Subsidiárias, usuários das normas). Uma norma técnica
PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser
reanalisada a cada 5 (cinco) anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As normas técnicas
PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a norma PETROBRAS N -1. Para
informações completas sobre as normas técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas
PETROBRAS.

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 3 páginas e 1 formulário


N-1568 REV. B AGO / 99

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma padroniza a Folha de Dados de Processo para Instrumentação relativa a
Nível, utilizada na PETROBRAS.

1.2 Esta Norma se aplica a projetos iniciados a partir da data de sua edição.

1.3 Esta Norma contém somente Requisitos Mandatórios.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

O documento relacionado a seguir é citado no texto e contém prescrições válidas para a


presente Norma.

PETROBRAS N-381 - Execução de Desenho e Outros Documentos Técnicos


em Geral.

3 CONDIÇÕES GERAIS

3.1 Esta Folha de Dados deve ser reproduzida para sua utilização rotineira.

3.2 No caso de utilização de impressão por computador, outros padrões podem ser utilizados,
desde que sejam mantidas as informações contidas nesta Norma.

3.3 A Folha de Dados anexa é típica para folha de continuação e deve ser preenchida de
acordo com a norma PETROBRAS N-381. Caso seja utilizada como folha única, sem capa, o
cabeçalho e o rodapé devem ser preenchidos conforme modelo de 1ª folha aplicável, da norma
PETROBRAS N-381.

3.4 Esta Folha de Dados, após preenchida, deve se constituir em um documento permanente
do projeto.

4 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Para cada equipamento indicado no item 4 da Folha de Dados de Processo (ANEXO B) deve
ser fornecido um desenho simplificado, contendo no mínimo, suas dimensões e as cotas dos
níveis normal, mínimo e máximo.

_____________
/ANEXO A

2
N-1568 REV. B AGO / 99

ANEXO A - TABELA

TABELA A-1 - INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

CAMPO DESCRIÇÃO
01 Identificar o instrumento segundo a norma em vigor para o projeto.
02 Indicar o fluido inferior de processo.
03 Indicar o fluido superior de processo, no caso de interface Líquido/Líquido.
04 Identificar o equipamento onde deve ser instalado o instrumento.
Indicar a cota do nível normal em relação à linha de tangência ou geratriz
05
inferior.
Indicar a cota do nível máximo, em relação à linha de tangência ou geratriz
06
inferior.
Indicar a cota do nível mínimo, em relação à linha de tangência ou geratriz
07
inferior.
Especificar os pontos de atuação para alarme e/ou parada de emergência,
08/09/10
indicando as cotas em relação à linha de tangência ou geratriz inferior.
11 Indicar a pressão normal de operação.

12 Indicar a pressão de projeto do equipamento.

13 Indicar a temperatura normal de operação.

14 Indicar a temperatura de projeto do equipamento.

15 Indicar a densidade relativa nas condições de operação.


16 Indicar a densidade relativa do fluido a 20 ºC em relação à água a 4 ºC.
17/18 Indicar a viscosidade nas condições de operação e a 20 ºC.
Indicar com “SIM” ou “NÃO” se o ponto de fluidez do fluido de processo for
19
superior à temperatura ambiente.
Indicar com “SIM” ou “NÃO” se o fluido de processo polimerizar à
20
temperatura ambiente.
Indicar com “SIM” ou “NÃO” se o fluido de processo contiver sólidos em
21
suspensão.
Devem ser preenchidos somente em caso de medição de nível de interface de
22 a 28
Líquido/Líquido conforme itens 15 a 21 respectivamente.
Indicar número do Fluxograma de Engenharia, no qual o instrumento está
29
representado.
30 Relacionar, se necessário, os números das notas referenciadas.

____________

/ANEXO B

3
Nº REV.
FOLHA DE DADOS DE PROCESSO
FOLHA
de

PETROBRAS NÍVEL
01 IDENTIFICAÇÃO

02 FLUIDO INFERIOR
GERAL

03 FLUIDO SUPERIOR

04 EQUIPAMENTO
05 NORMAL, mm
06 MÁXIMO, mm
NÍVEL (*)

07 MÍNIMO, mm
08 BAIXO, mm
ALARME
09 ALTO, mm
10 PARADA, mm
PRES.

OPERAÇÃO, (kPa) (kgf/cm2)


MAN.

11
12 PROJETO, (kPa) (kgf/cm2)
TEMP.

13 OPERAÇÃO, °C
14 PROJETO, °C
15 DENSIDADE DO LÍQ. A TEMP. OP.

16 DENSIDADE DO LÍQ. A 20°C / 4°C


INFERIOR

17 VISCOSIDADE DO LÍQ. A TEMP. OP., (Pa.s) (cP)

18 VISCOSIDADE DO LÍQ. A 20°C, (Pa.s) (cP)

19 PT. FLUIDEZ SUP. A TEMP. AMB.? (S / N)

20 POLIMERIZA A TEMP. AMB? (S / N)


FLUÍDO(S)

21 CONTÉM SÓL. EM SUSPENSÃO? (S / N)

22 DENSIDADE DO LÍQ. A TERMP. OP.

23 DENSIDADE DO LÍQ. A 20°C / 4°C


SUPERIOR

24 VISCOSIDADE DO LÍQ. A TEMP. OP., (Pa.s) (cP)

25 VISCOSIDADE DO LÍQ. A 20°C, (Pa.s) (cP)

26 PT. FLUIDEZ SUP. A TEMP. AMB.? (S / N)

27 POLIMERIZA A TEMP. AMB? (S / N)

28 CONTÉM SÓL. EM SUSPENSÃO? (S / N)


29 FLUXOGRAMA
30 NOTAS APLICÁVEIS
NOTAS: (*) COTAS DOS NÍVEIS EM RELAÇÃO À LINHA DE TANGÊNCIA INFERIOR OU GERATRIZ INFERIOR DO EQUIPAMENTO.

AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA PETROBRAS SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE
N-1567 REV. C AGO / 99

FOLHA DE DADOS DE PROCESSO PARA


INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

Padronização
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.

Toda esta Norma foi alterada em relação à revisão anterior.

Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto


desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o responsável pela
adoção e aplicação dos itens da mesma.
Requisito Mandatório: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser
CONTEC utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de
Comissão de Normas não seguí-la ("não-conformidade" com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-
Técnicas gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta
Norma. É caracterizada pelos verbos: “dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros
verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada (não-mandatória): Prescrição que pode ser utilizada nas


condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade
de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário
desta Norma. É caracterizada pelos verbos: “recomendar”, “poder”, “sugerir” e
“aconselhar” (verbos de caráter não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática
SC - 10 Recomendada].
Cópias dos registros das "não-conformidades" com esta Norma, que possam contribuir
Instrumentação e Automação
para o aprimoramento da mesma, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão
Industrial
Autora.
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão
Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o item a ser revisado, a
proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas
durante os trabalhos para alteração desta Norma.
“A presente norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO
S.A. - PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução
para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização
da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente,
através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A
circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e
Confidencialidade, nos termos de direito intelectual e propriedade
industrial.”

Apresentação

As normas técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho – GTs (formados
por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelos Representantes
Locais (representantes das Unidades Industriais, Empreendimentos de Engenharia, Divisões
Técnicas e Subsidiárias), são aprovadas pelas Subcomissões Autoras – SCs (formadas por técnicos
de uma mesma especialidade, representando os Órgãos da Companhia e as Subsidiárias) e
aprovadas pelo Plenário da CONTEC (formado pelos representantes das Superintendências dos
Órgãos da Companhia e das suas Subsidiárias, usuários das normas). Uma norma técnica
PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser
reanalisada a cada 5 (cinco) anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As normas técnicas
PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a norma PETROBRAS N -1. Para informações
completas sobre as normas técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 3 páginas e 1 formulário


N-1567 REV. C AGO / 99

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma padroniza a Folha de Dados de Processo para Instrumentação relativa a
Temperatura, utilizada na PETROBRAS.

1.2 Esta Norma se aplica a projetos iniciados a partir da data de sua edição.

1.3 Esta Norma contém somente Requisitos Mandatórios.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

O documento relacionado a seguir é citado no texto e contém prescrições válidas para a


presente Norma.

PETROBRAS N-381 - Execução de Desenho e Outros Documentos Técnicos


em Geral.

3 CONDIÇÕES GERAIS

3.1 Esta Folha de Dados deve ser reproduzida para sua utilização rotineira.

3.2 No caso de utilização de impressão por computador, outros padrões podem ser utilizados,
desde que sejam mantidas as informações contidas nesta Norma.

3.3 A Folha de Dados anexa é típica para folha de continuação e deve ser preenchida de
acordo com a norma PETROBRAS N-381. Caso seja utilizada como folha única, sem capa, o
cabeçalho e o rodapé devem ser preenchidos conforme modelo de 1ª folha aplicável, da norma
PETROBRAS N-381.

3.4 Esta Folha de Dados, após preenchida, deve se constituir em um documento permanente
do projeto.

____________

/ANEXO A

2
N-1567 REV. C AGO / 99

ANEXO A - TABELA

TABELA A-1 - INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

CAMPO DESCRIÇÃO

01 Identificar o instrumento segundo a norma em vigor para o projeto.

02 Indicar o fluido de processo.

03 Indicar o estado físico do fluido de processo.

Indicar a identificação do equipamento ou o diâmetro nominal da linha onde deve


04
ser instalado o instrumento.

05 Indicar a temperatura normal de operação.

06 Indicar a temperatura máxima de operação.

07 Indicar a temperatura mínima de operação.

08 Indicar a temperatura de projeto da linha ou equipamento.

09 Especificar o ponto de atuação para alarme de temperatura baixa.

10 Especificar o ponto de atuação para alarme de temperatura alta.

11 Especificar o ponto de atuação para parada de emergência.

12 Indicar a pressão de projeto da linha ou equipamento.

Indicar o número do Fluxograma de Engenharia ou desenho no qual o


13
instrumento está representado.

14 Relacionar, se necessário, os números das notas aplicáveis ao instrumento.

––––––––––––

/ANEXO B

3
Nº REV.
FOLHA DE DADOS DE PROCESSO
FOLHA
de

PETROBRAS TEMPERATURA
01 IDENTIFICAÇÃO

02 FLUIDO
GERAL

03 ESTADO FÍSICO
04 EQUIP. OU DIÂM. NOM. DA LINHA, in
05 OPERAÇÃO, °C
06 MÁXIMA, °C
TEMPERATURA

07 MÍNIMA, °C
08 PROJETO, °C
09 BAIXA / MUITO BAIXA ºC
ALARME
10 ALTA / MUITO ALTA ºC
11 PARADA
12 PRESSÃO DE PROJETO MAN., (kPa) (kgf/ cm2)
13 FLUXOGRAMA
14 NOTAS APLICÁVEIS

01 IDENTIFICAÇÃO

02 FLUIDO
GERAL

03 ESTADO FÍSICO
04 EQUIP. OU DIÂM. NOM. DA LINHA, in
05 OPERAÇÃO, °C
06 MÁXIMA, °C
TEMPERATURA

07 MÍNIMA, °C
08 PROJETO, °C
09 BAIXA / MUITO BAIXA ºC
ALARME
10 ALTA / MUITO ALTA ºC
11 PARADA
12 PRESSÃO DE PROJETO MAN., (kPa) (kgf/ cm2)
13 FLUXOGRAMA
14 NOTAS APLICÁVEIS
NOTAS:

AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA PETROBRAS SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE
N-1566 REV. B AGO / 99

FOLHA DE DADOS DE PROCESSO PARA


INSTRUMENTAÇÃO - PRESSÃO E
PRESSÃO DIFERENCIAL
Padronização
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.

Toda esta Norma foi alterada em relação à revisão anterior.

Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto


desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o responsável pela
adoção e aplicação dos itens da mesma.
Requisito Mandatório: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser
CONTEC utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de
Comissão de Normas não segui-la ("não-conformidade" com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-
Técnicas gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta
Norma. É caracterizada pelos verbos: “dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros
verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada (não-mandatória): Prescrição que pode ser utilizada nas


condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade
de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário
desta Norma. É caracterizada pelos verbos: “recomendar”, “poder”, “sugerir” e
“aconselhar” (verbos de caráter não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática
SC - 10 Recomendada].
Cópias dos registros das "não-conformidades" com esta Norma, que possam contribuir
Instrumentação e Automação
para o aprimoramento da mesma, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão
Industrial
Autora.
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão
Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o item a ser revisado, a
proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas
durante os trabalhos para alteração desta Norma.
“A presente norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO
S.A. - PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução
para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização
da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente,
através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A
circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e
Confidencialidade, nos termos de direito intelectual e propriedade
industrial.”

Apresentação

As normas técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho – GTs (formados
por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelos Representantes
Locais (representantes das Unidades Industriais, Empreendimentos de Engenharia, Divisões
Técnicas e Subsidiárias), são aprovadas pelas Subcomissões Autoras – SCs (formadas por técnicos
de uma mesma especialidade, representando os Órgãos da Companhia e as Subsidiárias) e
aprovadas pelo Plenário da CONTEC (formado pelos representantes das Superintendências dos
Órgãos da Companhia e das suas Subsidiárias, usuários das normas). Uma norma técnica
PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser
reanalisada a cada 5 (cinco) anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As normas técnicas
PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a norma PETROBRAS N -1. Para informações
completas sobre as normas técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 3 páginas e 1 formulário


N-1566 REV. B AGO / 99

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma padroniza a Folha de Dados de Processo para Instrumentação relativa a
Pressão e Pressão Diferencial, utilizada na PETROBRAS.

1.2 Esta Norma se aplica a projetos iniciados a partir da data de sua edição.

1.3 Esta Norma contém somente Requisitos Mandatórios.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

O documento relacionado a seguir é citado no texto e contém prescrições válidas para a


presente Norma.

PETROBRAS N-381 - Execução de Desenho e Outros Documentos Técnicos


em Geral.

3 CONDIÇÕES GERAIS

3.1 Esta Folha de Dados deve ser reproduzida para sua utilização rotineira.

3.2 No caso de utilização de impressão por computador, outros padrões podem ser utilizados,
desde que sejam mantidas as informações contidas nesta Norma.

3.3 A Folha de Dados anexa é típica para folha de continuação e deve ser preenchida de
acordo com a norma PETROBRAS N-381. Caso seja utilizada como folha única, sem capa, o
cabeçalho e o rodapé devem ser preenchidos conforme modelo de 1ª folha aplicável, da norma
PETROBRAS N-381.

3.4 Esta Folha de Dados, após preenchida, deve se constituir em um documento permanente
do projeto.

4 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Em caso de medição de pressão diferencial entre duas linhas ou entre dois equipamentos, nos
quais as características do(s) fluido(s) sejam diferentes, devem ser preenchidas duas colunas
contíguas da Folha de Dados, com a mesma identificação do instrumento.

_____________
/ANEXO A

2
N-1566 REV. B AGO / 99

ANEXO A - TABELA

TABELA A-1 - INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

CAMPO DESCRIÇÃO
Identificar o instrumento segundo norma em vigor para o projeto.
01
02/03 Indicar o fluido de processo.
04 Indicar o estado físico do fluido de processo.
05 Indicar o diâmetro nominal da linha ou a identificação do equipamento onde
deve ser instalado o instrumento.
06 Indicar a pressão (ou pressão diferencial) normal de operação.
07 Indicar a pressão (ou pressão diferencial) máxima de operação.
08 Indicar a pressão (ou pressão diferencial) mínima de operação, se necessário.
09/10/11 Especificar os pontos de atuação para alarme e/ou parada de emergência.
12 Indicar a pressão de projeto da linha ou equipamento.
13 Indicar a temperatura normal de operação.
14 Indicar a temperatura de projeto da linha ou equipamento.
15 Indicar a densidade relativa nas condições de operação, para líquidos.
16 Indicar a densidade relativa a 20/4 ºC para líquidos.
17/18 Indicar a viscosidade, nas condições de operação e a 20/4 ºC para líquidos.
19 Indicar o peso molecular, para gases e vapores.
20 a 22 Responder “Sim ou Não”, conforme a resposta à pergunta formulada.
23 Informar número do fluxograma no qual o instrumento está representado.
24 Relacionar, se necessário, os números das notas aplicáveis ao instrumento.

––––––––––––

/ANEXO B

3
Nº REV.
FOLHA DE DADOS DE PROCESSO
FOLHA
de

PETROBRAS PRESSÃO E PRESSÃO DIFERENCIAL


01 IDENTIFICAÇÃO
02
FLUIDO
GERAL

03
04 ESTADO FÍSICO
05 EQUIP. OU DIÂM. NOM. DA LINHA, in
06 OPERAÇÃO, (kPa) (kgf/cm2)
07 MÁXIMA, (kPa) (kgf/cm2)
PRES. MAN. OU
DIFERENCIAL

08 MÍNIMA, (kPa) (kgf/cm2)


BAIXA / MUITO BAIXA,
09
(kPa) (kgf/cm2)
ALARME
ALTA / MUITO ALTA,
10
(kPa) (kgf/cm2)
11 PARADA, (kPa) (kgf/cm2)
12 PRESSÃO DE PROJETO MAN., (kPa) (kgf/cm2)
TEMP.

13 OPERAÇÃO, °C
14 PROJETO, °C
15 DENSIDADE DO LÍQUIDO A TEMP. OP.
16 DENSIDADE DO LÍQUIDO A 20°C / 4°C
17 VISCOSIDADE DO LÍQ. A TEMP. OP., (Pa.s) (cP)
FLUIDO

18 VISCOSIDADE DO LÍQ. A 20°C, (Pa.s) (cP)


19 PESO MOLECULAR DO VAPOR
20 PT. FLUIDEZ SUP. A TEMP. AMB.? (S / N)
21 POLIMERIZA A TEMP. AMB.? (S / N)
22 CONTÉM SÓLIDOS EM SUSPENSÃO? (S / N)
23 FLUXOGRAMA
24 NOTAS APLICÁVEIS
25 REVISÃO
NOTAS:

AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA PETROBRAS SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE
N-1565 REV. C AGO / 99

FOLHA DE DADOS DE PROCESSO PARA


INSTRUMENTAÇÃO - VÁLVULA DE
CONTROLE
Procedimento
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.

Toda esta Norma foi alterada em relação à revisão anterior.

Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto


desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o responsável pela
adoção e aplicação dos itens da mesma.
Requisito Mandatório: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser
CONTEC utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de
Comissão de Normas não seguí-la ("não-conformidade" com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-
Técnicas gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário desta
Norma. É caracterizada pelos verbos: “dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros
verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada (não-mandatória): Prescrição que pode ser utilizada nas


condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade
de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da PETROBRAS usuário
desta Norma. É caracterizada pelos verbos: “recomendar”, “poder”, “sugerir” e
“aconselhar” (verbos de caráter não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática
SC - 10 Recomendada].
Cópias dos registros das "não-conformidades" com esta Norma, que possam contribuir
Instrumentação e Automação
para o aprimoramento da mesma, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão
Industrial
Autora.
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão
Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o item a ser revisado, a
proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas
durante os trabalhos para alteração desta Norma.
“A presente norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO
S.A. - PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução
para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização
da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente,
através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A
circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e
Confidencialidade, nos termos de direito intelectual e propriedade
industrial.”

Apresentação

As normas técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho – GTs (formados
por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelos Representantes
Locais (representantes das Unidades Industriais, Empreendimentos de Engenharia, Divisões
Técnicas e Subsidiárias), são aprovadas pelas Subcomissões Autoras – SCs (formadas por técnicos
de uma mesma especialidade, representando os Órgãos da Companhia e as Subsidiárias) e
aprovadas pelo Plenário da CONTEC (formado pelos representantes das Superintendências dos
Órgãos da Companhia e das suas Subsidiárias, usuários das normas). Uma norma técnica
PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser
reanalisada a cada 5 (cinco) anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As normas técnicas
PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a norma PETROBRAS N -1. Para informações
completas sobre as normas técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 4 páginas e 1 formulário


N-1565 REV. C AGO / 99

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma padroniza a Folha de Dados de Processo para Instrumentação relativa a
Válvulas de Controle, utilizada na PETROBRAS.

1.2 Esta Norma se aplica a projetos iniciados a partir da data de sua edição.

1.3 Esta Norma contém somente Requisitos Mandatórios.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Os documentos relacionados a seguir são citados no texto e contém prescrições válidas para a
presente Norma.

PETROBRAS N-381 - Execução de Desenho e Outros Documentos Técnicos em


Geral;
ANSI/FCI 70-2 - Control Valve Seat Leakage.

3 CONDIÇÕES GERAIS

3.1 Esta Folha de Dados deve ser reproduzida para sua utilização rotineira.

3.2 No caso de utilização de impressão por computador, outros padrões podem ser utilizados,
desde que sejam mantidas as informações contidas nesta Norma.

3.3 A Folha de Dados anexa é típica para folha de continuação e deve ser preenchida de
acordo com a norma PETROBRAS N-381. Caso seja utilizada como folha única, sem capa, o
cabeçalho e o rodapé devem ser preenchidos conforme modelo de 1ª folha aplicável, da norma
PETROBRAS N-381.

3.4 Esta Folha de Dados, após preenchida, deve se constituir em um documento permanente
do projeto.

____________

/ANEXO A

2
N-1565 REV. C AGO / 99

ANEXO A - TABELA

TABELA A-1 - INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

CAMPO DESCRIÇÃO

01 Identificar a válvula de controle segundo o fluxograma. Ex.: TV-01.

02 Indicar o fluido de processo: ex.: gás natural, nafta, etc.

03 Indicar o estado físico do fluido de processo. Em caso de escoamento bifásico, indicar


as 2 fases.

04 Indicar o diâmetro nominal da linha onde deve ser instalada a válvula de controle em
polegadas.

05 Indicar a vazão normal de operação da linha. Em caso de escoamento bifásico, indicar


as vazões de cada fase.

06 Indicar a vazão máxima de operação da linha. Em caso de escoamento bifásico, indicar


as vazões de cada fase.

07 Indicar a vazão mínima de operação da linha. Em caso de escoamento bifásico, indicar


as vazões de cada fase.

08/09/10 Indicar a pressão da linha a montante da válvula, nas condições de vazão normal, nas
condições de vazão máxima e mínima, respectivamente.

11/12/13 Indicar a pressão da linha a jusante da válvula, nas condições de vazão normal,
máxima e mínima, respectivamente.

14
Indicar a pressão de projeto da linha a montante da válvula de controle.

15 Indicar o diferencial de pressão máximo, contra o qual a válvula deve abrir ou fechar.
(este dado serve para especificar o atuador).

16/18 Indicar a perda de carga (DP) que ocorrerá no sistema (tubulação, equipamentos,
acessórios), que precedem a válvula de controle e que a sucedem, respectivamente,
quando pelo sistema estiver passando a vazão normal de operação. Este dado serve
para a seleção da característica de controle da válvula.

17/19 Indicar as pressões normais, a montante e a jusante da válvula, quando a vazão


passando por ela for nula.

20 Indicar a temperatura de operação normal da válvula.

21 Indicar a temperatura máxima na válvula, em operação ou pré-operação.

22 a 27 Explicitar os dados de processo do fluído em escoamento pela válvula, nas condições


normais quando este fluído for líquido ou bifásico com fase líquida.
(CONTINUA)

3
N-1565 REV. C AGO / 99

TABELA A-1 (CONCLUSÃO) - INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

CAMPO DESCRIÇÃO

28 a 33 Explicitar os dados de processo do fluido em escoamento pela válvula, nas condições


normais quando este for gás ou bifásico com uma das fases sendo gás ou vapor.

34 Indicar o tipo de falha (Falha abre-FA, Falha fecha-FF ou Falha estacionária), da


válvula de controle.

35 Indicar a classe de vazamento segundo a norma ANSI FCI-70-2

36 Indicar o número do Fluxograma de Engenharia ou do desenho no qual a válvula de


controle está representada.

37 Explicitar quais as notas que são aplicáveis àquela válvula que está sendo especificada.

––––––––––––

/ANEXO B

4
Nº REV.
FOLHA DE DADOS DE PROCESSO
FOLHA
de

PETROBRAS VÁLVULAS DE CONTROLE


01 IDENTIFICAÇÃO

02 FLUIDO
GERAL

03 ESTADO FÍSICO
04 DIÂMETRO NOMINAL DA LINHA, in
05 OPERAÇÃO, kg/h
VAZÃO

06 MÁXIMA, kg/h
07 MÍNIMA, kg/h
08 A VAZÃO OPERAÇÃO, (kPa) (kgf/cm2)
A MONT.

09 A VAZÃO MÁXIMA, (kPa) (kgf/cm2)


PRESSÃO MAN.

10 A VAZÃO MÍNIMA, (kPa) (kgf/cm2)


11 A VAZÃO OPERAÇÃO, (kPa) (kgf/cm2)
A JUS.

12 A VAZÃO MÁXIMA, (kPa) (kgf/cm2)


13 A VAZÃO MÍNIMA, (kPa) (kgf/cm2)
14 PROJETO, (kPa) (kgf/cm2)
15 ∆P MÁXIMA, kPa (kgf/cm2)
16 DINÂMICO A MONTANTE, (kPa) (kgf/cm2)
SISTEMA (1)

ESTÁTICO A MONTANTE, (kPa) (kgf/cm2)


DP DO

17
18 DINÂMICO A JUSANTE, (kPa) (kgf/cm2)
19 ESTÁTICO A JUSANTE, (kPa) (kgf/cm2)
OPERAÇÃO, °C
TEMP.

20
21 PROJETO, °C
22 DENSIDADE A 20°C / 4°C
23 DENSIDADE A TEMP. OPERAÇÃO
LÍQUIDO

24 VISCOSIDADE A TEMP. OPERAÇÃO, (cP) (Pa.s)


25 PRESSÃO VAPOR ABS., (kPa) (kgf/cm2)
26 PRESSÃO CRÍTICA ABS., (kPa) (kgf/cm2)
27 % VAPORIZADA EM MASSA A JUS. (OP.)
28 PESO MOLECULAR
29 Cp / Cv
(COND. OP.)
GÁS/VAPOR

30 FATOR DE COMPRESSIBILIDADE A MONTANTE

31 VOL. ESPECIF. ENTRADA, m3 / kg


32 VOL. ESPECIF. SAÍDA, m3 / kg
33 GRAU DE SUPERAQUECIMENTO, °C
34 AÇÃO EM CASO DE FALHA
35 MENOR CLASSE DE VAZAMENTO REQUERIDA (2)
36 FLUXOGRAMA
37 NOTAS APLICÁVEIS
Notas:
(1) ∆P DINÂMICO NA VAZÃO DE OPERAÇÃO E ∆P ESTÁTICO NO SENTIDO DO FLUXO.
(2) SEGUNDO NORMA ANSI/FCI 70-2 - CONTROL VALVE SEAT LEAKAGE

AS INFORMAÇÕES DESTE DOCUMENTO SÃO PROPRIEDADE DA PETROBRAS SENDO PROIBIDA A UTILIZAÇÃO FORA DA SUA FINALIDADE

FOLHA DE DADOS DE PROCESSO ANEXO – 23.2
CLIENTE: FOLHA
De
PROGRAMA:

ÁREA:

TÍTULO:

VÁLVULAS DE SEGURANÇA / ALÍVIO


RESPONSÁVEL TÉCNICO / CREA: OSE:

CONTRATO: ARQUIVO ELETRÔNICO:

ÍNDICE DE REVISÕES

REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

REV. 0 REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G REV. H


DATA
PROJETO
EXECUÇÃO
VERIFICAÇÃO
APROVAÇÃO
Nº REV.
FOLHA DE DADOS DE PROCESSO ANEXO-23.2
FOLHA
de

VÁLVULAS DE SEGURANÇA / ALÍVIO


01 IDENTIFICAÇÃO
02
FLUIDO
03
GERAL

04 ESTADO FÍSICO
05 EQUIP. OU DIÂM. NOM. DA LINHA, (in)
06 CRITÉRIO PARA DIMENSIONAMENTO
3
VAZÃO

07 LÍQUIDO, (m /h)
08 VAPOR OU GÁS, kg/h
2
09 OPERAÇÃO, (kPa) (kg/cm )
PRES. MANO.

2
10 AJUSTE, (kPa) (kg/cm )
2
11 CONSTANTE, (kPa) (kg/cm )
PRESSÃO
CONTRA

2
12 MÁXIMA, (kPa) (kg/cm )
VARIÁVEL 2
13 MÍNIMA, (kPa) (kg/cm )
14 OPERAÇÃO, °C
TEMP.

15 ALÍVIO, °C
16 PROJETO, °C
17 MÍNIMA A JUSANTE, °C
18 DENSIDADE A TEMP. ALÍVIO
LÍQ.

19 VISCOS. A TEMP. ALÍVIO, cP


20 PESO MOLECULAR
VAPOR
GÁS/

21 Cp / Cv
22 FATOR DE COMPRESSIBILIDADE
23 SOBREPRESSÃO (%)
24 CONTACTO C/ FLUÍDO CORROSIVO? (SIM / NÃO)
25 FLUXOGRAMA
26 NOTAS APLICÁVEIS
NOTAS:

FOLHA DE DADOS DE PROCESSO ANEXO-23.1
CLIENTE: FOLHA
De
PROGRAMA:

ÁREA:

TÍTULO:

VAZÃO
RESPONSÁVEL TÉCNICO / CREA: OSE:

CONTRATO: ARQUIVO ELETRÔNICO:

ÍNDICE DE REVISÕES

REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

REV. 0 REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G REV. H


DATA
PROJETO
EXECUÇÃO
VERIFICAÇÃO
APROVAÇÃO
Nº REV.
FOLHA DE DADOS DE PROCESSO ANEXO-23.1
FOLHA
de

VAZÃO
01 IDENTIFICAÇÃO

02 FLUIDO
GERAL

03 ESTADO FÍSICO
04 DIÂMETRO NOMINAL DA LINHA, in
3
05 OPERAÇÃO, (kg/h) (m /h)
3
06 MÁXIMA, (kg/h) (m /h)
VAZÃO

3
07 MÍNIMA, (kg/h) (m /h)
3
BAIXA, (kg/h) (m /h)
08 ALARME 3
ALTA, (kg/h) (m /h)
3
09 PARADA, (kg/h) (m /h)
2
PRES.

10 OPERAÇÃO, (kPa) (kgf/cm )


MAN.

2
11 PROJETO, (kPa) (kgf/cm )
TEMP.

12 OPERAÇÃO, °C
13 PROJETO, °C
14 DENSIDADE A TEMP. OP.
15 DENSIDADE A 20 / 4 °C
LÍQUIDO

16 VISCOSIDADE A TEMP. OP., (cP) (Pa.s)


17 PT. FLUIDEZ SUP. A TEMP. AMB.? (S / N)
18 POLIMERIZA A TEMP. AMB.? (S / N)
19 CONTÉM SÓL. EM SUSPENSÃO? (S / N)
20 PESO MOLECULAR
GÁS/VAPOR

21 Cp / Cv
22 FATOR DE COMPRESSIBILIDADE
23 TÍTULO DO VAPOR %
24 CONTÉM LÍQ. EM SUSPENSÃO? (S / N)
2
25 ∆P MÁXIMO ADMISSÍVEL, kPa (kgf/cm )
26 FLUXOGRAMA
27 NOTAS APLICÁVEIS
NOTAS:
NORMAS E SIMBOLOGIAS DE INSTRUMENTAÇÃO

1 INTRODUÇÃO

A norma ANSI/ISA-S5.1-1984 (R1992) Instrumentation Symbols and Identification foi concebida para ser uma
padronização de simbologia e identificação de instrumentos e equipamentos de processo, sendo atualmente sua
abrangência a nível mundial.

Esta Norma éutilizada na elaboração dos seguintes documentos:

− Fluxogramas de processo e mecânico;

− Diagramas de sistemas de instrumentação;

− Especificações, listas de instrumentos;

− Identificação de instrumentação e funções de controle.

Para os Fluxogramas de Processo admite-se uma simplificação na utilização dos símbolos gráficos
recomendados por esta Norma.

2 DEFINIÇÕES

Para entendimento da Norma são utilizadas as seguintes definições:

- Acessível (Accessible)

Termo aplicado a um dispositivo ou função programada que poderá ser visto ou utilizado pelo operador com o
propósito de acompanhamento do processo ou atuação em ações de controle.

- Alarme

Indicação da existência de uma condição anormal por meio de um sinal sonoro, visual ou de ambos.

- Atrás do Painel (Behind the panel)

Termo aplicado a instrumentos inacessíveis ao operador e que normalmente estão localizados no interior do painel
ou em armários separados.

- Binário (Binary)

Termo aplicado a um dispositivo ou sinal que tem somente 2 posições ou estados. Quando usado na sua forma
mais simples, como em "SINAL BINÁRIO" (oposto a "SINAL ANALÓGICO"), o termo representa os estados
"LIGA/DESLIGA" ou "ALTO/BAIXO", isto é, não representa uma contínua variação de quantidade.

- Chave (Switch)

Dispositivo que conecta, desconecta ou transfere um ou mais circuitos, manualmente ou automaticamente. Neste
caso deverá ser atuado diretamente pela variável de processo ou seu sinal representativo e, sua saída poderá ser
utilizada para acionar alarmes, lâmpadas pilotos, intertravamentos ou sistemas de segurança

- Configurável
Termo aplicado a um dispositivo ou sistemas cuja estrutura ou característica funcional poderão ser selecionada ou
rearranjada através de programação ou outros métodos. O conceito exclui rearranjo de fiação como meio de
alterar a configuração.

- Comutável Logicamente (Assignable)

Termo aplicado a uma característica que permite logicamente o direcionamento de um sinal de um dispositivo
para outro sem a necessidade de comutação manual, ligação provisória ou mudança na fiação.

- Controlador (Controller)

Dispositivo que tem por finalidade manter em um valor pré-determinado, uma variável de processo. Esta atuação
poderá ser feita manual ou automaticamente, agindo diretamente na variável controlada ou indiretamente através
de outra variável, chamada de variável manipulada.

- Controlador Multi-Malha (Compartilhado)

Controlador com algorítmos pré-programados que são usualmente acessíveis, configuráveis e comutáveis
logicamente, contendo várias entradas e saídas, capaz de controlar simultaneamente diversas malhas de
controle.

- Controlador Programável (Programable Logic Controller)

Controlador com múltiplas entradas e saídas, que contém um programa que poderá ser configurado.

- Conversor (Converter)

Dispositivo que emite um sinal de saída padronizado modificado (ex.: 4-20 mA, 1-5Vcc, 0~10Vcc), em relação à
natureza do correspondente sinal de entrada, também padronizado.

O instrumento que converte o sinal de um sensor para um sinal padronizado deverá ser designado como
transmissor. Dessa forma na malha de temperatura o componente ligado ao elemento primário (TE) deverá ser
designado como transmissor (TT) e não como conversor (TY).

- Digital

Designação aplicada a dispositivos ou sinais que utilizem dígitos binários para representar valores contínuos ou
estados discretos.

- Elemento Final de Controle (Final Control Element)

Dispositivo que altera diretamente o valor da variável manipulada de uma malha de controle.

- Elemento Primário ou Sensor

Parte de uma malha ou de um instrumento que primeiro sente o valor da variável de processo e que assume um
estado ou sinal de saída, pré-determinado e inteligível, correspondente ao valor da variável de processo.

- Estação de Controle (Control Station)

É uma estação manual de controle provida de chave de transferência de controle manual para automático e vice-
versa. É também conhecida como estação seletora auto-manual. Como extensão, podemos dizer que a interface
homem-máquina de um sistema de controle distribuído pode ser considerada como uma Estação de Controle.
- Lâmpada Piloto (Pilot Light)

Lâmpada que indica estados operacionais de um sistema ou dispositivo.

- Local

Termo que designa a localização de um instrumento que não está montado em painel ou sala de controle. Os
instrumentos locais deverão estar próximos aos elementos primários ou finais de controle. A palavra "campo" é
frequentemente utilizada como sinônimo de local.

- Malha (Loop)

Combinação de dois ou mais instrumentos ou funções de controle interligados para medir e/ou controlar uma
variável de processo.

- Medição (Measurement)

Determinação da existência ou magnitude de uma variável. Todos os dispositivos usados direta ou indiretamente
com esse propósito são chamados de instrumentos de medida.

- Monitor

Designação geral para um instrumento ou sistema de instrumentos utilizados para medir ou detetar o estado ou a
grandeza de uma ou mais variáveis.

- Mostrador Compartilhado (Shared display)

Parte do dispositivo (usualmente uma tela de vídeo) que permite apresentar ao operador as informações de
diversas malhas de controle.

- Painel (Panel)

É um conjunto de instrumentos montados em estruturas, que abriga a interface do operador com o processo. O
painel pode consistir de uma ou mais seções, cubículos, consoles ou mesas de operador.

- Painel Local (Local Panel)

Painel que não é considerado central ou principal e que contém os instrumentos de controle, indicação e/ou
segurança de determinado equipamento ou sistema. Em geral deverá ser montado próximo do equipamento ou
sistema.

- Ponto de Controle/Ajuste (Set Point)

O valor desejado da variável controlada.

- Ponto de Teste (Test Point)

Tomada de conexão do sensor ao processo onde normalmente se instala um instrumento em caráter temporário
ou intermitente para medição de uma variável de processo.

- Programa (program)

Sequência repetitiva de ações que define o estado das saídas numa relação fixa com um conjunto de entradas.
- Relé (Relay)

Dispositivo que conecta, desconecta ou transfere um ou mais circuitos, automaticamente, não atuado diretamente
pela variável de processo ou seu sinal representativo, isto é, atuado por chaves, controladores de duas posições
ou outros relés.

- Sistema de Controle Distribuído (Distributed Control System)

Sistema que embora funcionalmente integrado, consiste de subsistemas que poderão estar fisicamente
separados e montados remotamente um do outro, obedecendo a uma hierarquia configurável.

- Transmissor (Transmiter)

Dispositivo que sente uma variável de processo por meio de um elemento primário e que produz uma saída cujo
valor é geralmente proporcional ao valor da variável de processo. O elemento primário poderá ser ou não parte
integrante do transmissor.

- Válvula de Controle (Control Valve)

Dispositivo que manipula diretamente a vazão de um ou mais fluídos de processo. Não deverão ser consideradas
as válvulas manuais de bloqueio e as válvulas de retenção auto-atuadas. A designação de válvula de controle
manual deverá ser limitada a válvulas atuadas manualmente que são usadas para regulagem de vazões de fluídos
de processo ou necessitem de identificação como instrumento.

- Variável Diretamente Controlada

Variável cujo valor medido origina um sinal de modo a originar um controle de "feedback".

- Variável Manipulada

Quantidade ou condição que varia em função do sinal de erro para mudar o valor de uma variável controlada.

- Variável de Processo

Qualquer propriedade mensurável de um processo.

- Varredura

Função que consiste em amostrar, intermitentemente, de uma maneira pré-determinada cada uma das variáveis
de um grupo. Normalmente, a finalidade de dispositivos com varredura é indicar o estado ou valor de variáveis,
porém poderão estar associados a outras funções tais como registro e alarme.

3 IDENTIFICAÇÃO (TAG NUMBER)

Cada instrumento ou função programada deverá ser identificado por um conjunto de letras que o classifica
funcionalmente e por um conjunto de algarismos que indica a malha a qual pertence o instrumento ou função
programada, obedecendo a seguinte estrutura:

3.1 Identificação Funcional

3.1.1 A identificação funcional deverá ser formada por um conjunto de letras cujo significado está indicado na
Tabela do Anexo I. O 1º Grupo de Letras identificará a variável medida ou iniciadora e o 2º Grupo de Letras
identificará as funções do instrumento ou função programada.
3.1.2 A identificação funcional deverá ser estabelecida de acordo com a função do instrumento ou função
programada e não de acordo com sua construção. Assim, um registrador de pressão diferencial usado para
registro de vazão deverá ser identificado por FR. Um indicador de pressão e um pressostato conectado à saída de
um transmissor de nível deverão ser identificados respectivamente como LI e LS.

3.1.3 O 2º Grupo de Letras identifica as funções do instrumento ou função programada, que poderão ser:

− função passiva - elemento primário, orifício de restrição, poço;

− função de informação - alarme, indicador, registrador;

− funções ativa ou de saída - controlador, transmissor, chave.

3.1.4 Algumas letras poderão ser utilizadas como modificadoras. A letra modificadora altera ou complementa o
significado da letra precedente.

3.1.5 A seleção das letras de identificação deverá estar de acordo com a Tabela do
Anexo I, como segue:

(a) Variável medida ou iniciadora: 1ª letra (ex.: Pressão - P);

(b) Modificadora da variável medida ou iniciadora, quando necessário. (ex.: Diferencial - D);

(c) Funções passiva ou de informação, em qualquer ordem entre si. (ex.: Alarme - A);

(d) Modificadora das funções, quando necessário. (ex.: Baixo - L).

3.1.6 Dispositivo com Funções Múltiplas

Deverão ser representados nos fluxogramas tantos símbolos quantos forem as variáveis medidas, saídas e/ou
funções.

Assim, por exemplo, um controlador de temperatura com uma chave deverá ser representado por dois círculos
tangentes, e identificado com TIC-3 e o outro com TSH-3.

3.1.7 A identificação funcional deverá ser composta de no máximo 4 letras. Dentro deste limite, recomenda-se
ainda, usar o mínimo de letras, adotando os seguintes procedimentos:

(a) para instrumentos com funções múltiplas, as letras poderão ser divididas em subgrupos conforme estabelece
o item 3.1.6;

(b) no caso de um instrumento com indicação e registro da mesma variável, a letra I poderá ser omitida.

3.1.8 Todas as letras da identificação funcional deverão ser maiúsculas.

3.2 Identificação da Malha

3.2.1 Complementando a identificação funcional, cada instrumento deverá receber um número que identificará a
malha a qual ele pertence. Este número deverá ser comum a todos instrumentos que compõem uma mesma
malha.

3.2.2 Um instrumento que pertence a duas malhas deverá receber o número da malha principal; nos casos em
que não for conveniente caracterizar uma das malhas como principal, o instrumento poderá ser numerado
considerando-o integrante de uma nova malha.
3.2.3 A identificação da malha deverá ser composta por prefixos numéricos que corresponderão aos números de
seqüencial de processo e subprocesso e por um número seqüencial de 3 dígitos numéricos.

3.2.4 Em documentos, como os fluxogramas, onde aparece um único número de seqüencial de processo e
subprocesso claramente identificados, o prefixo característico destes seqüenciais poderá ser omitido no intuito de
se evitar a repetição. Porém, um instrumento que no fluxograma foi identificado sem o prefixo, quando referido em
documentos avulsos, tipicamente requisições, deverá ser identificado com o número completo, incluindo estes
prefixos.

3.2.5 As malhas deverão ser numeradas seqüencialmente por números de processo e subprocesso, isto é,
dentro de um mesmo seqüencial de processo e subprocesso haverá uma seqüência numérica, para cada variável.

3.2.6 Na fase inicial de um projeto as malhas deverão ser preferencialmente numeradas em seqüência crescente
de acordo com o fluxo principal do processo. Quando no decorrer do projeto forem acrescentados novos
instrumentos, a seqüência estabelecida não deverá sofrer revisões, sendo as malhas novas acrescidas à
seqüência existente.

3.2.7 Sempre que numa malha houver mais que um instrumento com a mesma identificação, deverá ser utilizado
um sufixo para identificar cada um dos instrumentos.

3.2.8 Acessórios de instrumentos, tais como, reguladores de ar, rotâmetros de purga e outros que não estejam
simbolizados nos fluxogramas, mas que precisam de designação em outros documentos, deverão ser
identificados pela primeira letra de identificação funcional e pelo número da malha a que pertencem.

As letras subseqüentes deverão ser escolhidas de acordo com a função do acessório.

4 SÍMBOLOS GRÁFICOS

4.1 Os desenhos dos Anexos IV a XII indicam os símbolos que deverão ser utilizados com o objetivo de
representar a instrumentação em fluxogramas, outros desenhos, e estender sua aplicação para uma variedade de
processos. As aplicações mostradas foram escolhidas para ilustrar os princípios dos métodos de identificação e
símbolos gráficos.

4.2 Os símbolos gráficos gerais para instrumentos ou funções programadas do Anexo V são usados com
finalidades distintas:

(a) representar e identificar um instrumento (ex.: controlador);

(b) identificar um instrumento que tem símbolo próprio (ex.: válvula de controle). Neste caso o traço que une o
símbolo com identificação do instrumento ao símbolo representativo do instrumento não deverá tocar este
último.

4.3 O número de identificação de um componente de uma malha de controle não precisará ser obrigatoriamente,
colocado em todos os componentes da malha. Por exemplo, válvulas de controle, placas de orifícios e termopares
poderão deixar de ser identificados.

4.4 Notações abrevi adas poderão ser acrescentadas junto aos símbolos, para esclarecer sua função na malha.

Ex.: Válvulas de controle que trabalhem em alcance bipartido deverão ter as notações "3- 9psig" e "9-15psig",
bem como as respectivas ações na falta de energia de atuação, apresentadas adjacentes às linhas de sinal.

4.5 Os símbolos poderão ser traçados com qualquer orientação. As linhas de sinal poderão ser desenhadas
entrando ou saindo de um símbolo em qualquer ângulo. Entretanto os indicadores de função do Anexo III e as
identificações dos instrumentos deverão estar sempre na horizontal. As setas direcionais deverão ser utilizadas
nas linhas do sinal quando necessárias para o esclarecimento do sentido de fluxo de informações.
4.6 As fontes de suprimento elétrico, pneumático ou outras poderão ser omitidas, a não ser que a sua
representação seja essencial para se entender a operação de um instrumento ou malha de controle.

4.7 De um modo geral apenas uma linha de sinal é suficiente para representar as interconexões entre dois
instrumentos, embora fisicamente, tais interconexões se façam através de várias linhas.

4.8 A seqüência em que os instrumentos ou funções programadas de uma malha são conectados num
fluxograma, deverão refletir, a lógica funcional, podendo ou não corresponder à seqüência das conexões físicas.

4.9 Os Fluxogramas de Engenharia deverão mostrar todos os componentes essenciais de um processo, mas
poderão diferir de usuário para usuário quanto à quantidade de detalhes não essenciais a serem implementados.

4.10 Os anexos XI e XII foram escolhidos para representar exemplos típicos de utilização dos símbolos gráficos.

5 TABELAS

A finalidade das tabelas é apresentar o conjunto de caracteres padronizados e símbolos indicadores de funções
utilizadas na norma.

5.1 Tabela de Letras de Identificação (ANEXO I)

5.1.1 Apresenta o significado das letras de identificação, utilizadas na identificação funcional, de acordo com o
item 3.1.

5.1.2 Notas Complementares da Tabela de Letras de Identificação:

Nota 1 – Letras definidas como “escolha do usuário” (user´s choice) destina-se a cobrir significados não cobertos
pela tabela, que posem ser utilizados em um, projeto particular.

Nota 2 - A letra “X” que serve para representar variáveis não previstas devido ao uso pouco freqüente.

Nota 3 - Os termos “ALTO (H)” e “BAIXO (L)”, quando utilizados para indicar a posição de válvulas e outros
equipamentos como aberto e fechado são definidas como:

− ALTO (H) - indica que a válvula está ou aproxima-se da posição totalmente aberta;

− BAIXO (L) - indica que a válvula está ou aproxima-se da posição totalmente fechada.

Nota 4 - As letras modificadoras de função “L” ou “H” quando repetidas, representam a graduação de valores de
uma variável em uma mesma malha.

Ex.: HH - muito alto

LL - muito baixo

Nota 5 - Quando uma "lâmpada piloto" é parte de uma malha de instrumentos deverá ser designada por uma
"primeira letra" seguida pela "letra-subsequente" L. Por exemplo, uma "lâmpada piloto" que indica um período de
tempo esgotado poderá ser identificada como KL. Entretanto se é desejado identificar uma "lâmpada piloto" que
não é parte de uma malha de instrumentos, esta deverá ser designada por uma simples letra L. Por exemplo, a
luz que indica a operação de um motor elétrico deverá ser designada com EL, assumindo que voltagem é a
variável de medida.

5.2 Tabela de Combinação de Letras de Identificação Típica (Anexo II)


Apresenta um conjunto de combinações típicas, a partir da sistemática estabelecida na Tabela de Identificação de
Letras (Anexo I).

5.3 Tabela de Funções (Anexo III)

É uma adaptação dos símbolos da SAMA PMC 22.1-1981. Os blocos de função poderão ser representados nos
diagramas, nas seguintes maneiras:

(a) representando o instrumento ou função programada interligando diretamente na malha como em fluxogramas
conceptuais;

(b) representando a função matemática adjacente ao símbolo do instrumento ou função programada como em
fluxogramas de engenharia;

(c) uma combinação dos itens anteriores nos casos de instrumentos de funções múltiplas onde os blocos de
funções e o símbolo do instrumento que as contém são contíguos podendo as linhas de sinal entrar ou sair de
qualquer um deles.

6 DESENHOS

A finalidade dos desenhos apresentados nos Anexos IV a X será padronizar os símbolos utilizados nos
documentos de projeto de instrumentação. Os Anexos XI a XII mostram exemplos de aplicação.

6.1 Os títulos Fluxograma Complexo e Fluxograma Detalhado, dos Anexos XI e XII, representam uma utilização
típica dos tipos de sinais dos símbolos gráficos detalhados e de identificação completa.

6.2 Símbolos Binários

6.2.1 O Anexo IV, Símbolos de Linha para Instrumentação apresenta nos itens 11 e 12 uma opção para a
representação dos sinais binários, para aplicações onde haja necessidade de distinção entre sinais analógicos e
binários.

6.2.2 Quando for utilizada a opção pelos símbolos binários, deve-se manter a consistência para os sinais
elétricos apresentados como alternativa.

6.2.3 Quando se utilizar a linha tracejada para sinal elétrico, deve-se usar a linha tracejada com barras para o
sinal elétrico binário.

7 ANEXOS

7.1 - ANEXO I - Tabela de Letras de Identificação (1 folha);

7.2 - ANEXO II - Tabela de Combinação Letras de Identificação Típicas (1 folha);

7.3 - ANEXO III - Tabela de Funções (3 folhas);

7.4 - ANEXO IV - Símbolos de Linha para Instrumentação (1 folha);

7.5 - ANEXO V - Símbolos Gerais Instrumentos ou Funções Programadas


(1 folha);

7.6 - ANEXO VI - Símbolos de Corpo de Válvulas (1 folha);

7.7 - ANEXO VII - Símbolos de Atuadores (1 folha);

7.8 - ANEXO VIII - Símbolos de Ação de Atuadores na Falta de Energia (1 folha);


7.9 - ANEXO IX - Símbolos de Elementos Primários de Vazão (1 folha);

7.10 - ANEXO X - Símbolos de Dispositivos Auto-Atuados (2 folhas);

7.11 - ANEXO XI - Fluxograma Complexo

7.12 - ANEXO XII - Fluxograma Detalhado


ANEXO I

TABELA DE LETRAS DE IDENTIFICAÇÃO

1º GRUPO DE LETRAS 2º GRUPO DE LETRAS


VARIÁVEL MEDIDA OU INICIADORA FUNÇÃO
LETRAS 1ª LETRA MODIFICADORA PASSIVA OU DE ATIVA OU DE SAÍDA MODIFICADORA
INFORMAÇÃO
A ANÁLISE ALARME

B CHAMA

C ESCOLHA DO CONTROLADOR
USUÁRIO
D ESCOLHA DO DIFERENCIAL
USUÁRIO
E TENSÃO SENSOR (ELEMEN-
TO PRIMÁRIO)
F VAZÃO RAZÃO

G ESCOLHA DO VISOR
USUÁRIO
H COMANDO ALTO
MANUAL
I CORRENTE INDICADOR
ELÉTRICA
VARREDORA OU
J POTÊNCIA SELEÇÃO MANUAL
TEMPO OU TAXA DE ESTAÇÃO DE
K TEMPORIZAÇÃO VARIAÇÃO COM O CONTROLE
TEMPO
L NÍVEL LÂMPADA PILOTO BAIXO

M ESCOLHA DO INSTANTÂNEO MÉDIO OU INTER-


USUÁRIO MEDIÁRIO
N ESCOLHA DO ESCOLHA DO ESCOLHA DO ESCOLHA DO
USUÁRIO USUÁRIO USUÁRIO USUÁRIO
O ESCOLHA DO ORIFÍCIO DE
USUÁRIO RESTRIÇÃO
P PRESSÃO, VÁCUO CONEXÃO PARA
PONTO DE TESTE
Q QUANTIDADE OU INTEGRAÇÃO OU
EVENTO TOTALIZAÇÃO
R RADIAÇÃO REGISTRADOR OU
IMPRESSORA
S VELOCIDADE OU SEGURANÇA CHAVE
FREQUÊNCIA
T TEMPERATURA TRANSMISSOR

U MULTIVARIÁVEL MULTIFUNÇÃO MULTIFUNÇÃO MULTIFUNÇÃO

VIBRAÇÃO, VÁLVULA OU
V ANÁLISE DEFLETOR
MECÂNICA (DAMPER OU
LOUVER)
W PESO OU FORÇA POÇO OU PONTA
DE PROVA
X NÃO EIXO X NÃO NÃO NÃO
CLASSIFICADA CLASSIFICADA CLASSIFICADA CLASSIFICADA
ESTADO, EIXO Y RELÉ, RELÉ DE
Y PRESENÇA OU COMPUTAÇÃO,
SEQUÊNCIA DE CONVERSOR OU
EVENTOS SOLENÓIDES
POSIÇÃO EIXO Z ELEMENTO FINAL
Z DE CONTROLE
N/CLASSIFICADO
ANEXO II

TABELA DE COMBINAÇÃO DE LETRAS DE IDENTIFICAÇÃO (I)


ANEXO III
TABELA DE FUNÇÕES
1/3
REPRESENTAÇÃO
FUNÇÃO SÍMBOLO EQUACÃO MATEMÁTICA GRÁFICA DEFINIÇÃO

A SAÍDA É IGUAL A SOMA


ALGÉBRICA DAS ENTRADAS
SOMA

A SAÍDA É IGUAL A SOMA


ALGÉBRICA DIVIDIDA PELO
MÉDIA NÚMERO DE ENTRADAS

A SAÍDA É IGUAL A
DIFERENÇA ALGÉBRICA
DIFERENCA
,
DAS DUAS ENTRADAS

A SAÍDA É DIRETAMENTE PRO-


PORCIONAL A ENTRADA. NO
CASO DE REFORÇADOR(BOOS-
PROPORCIONAL TER)DE VOLUME DEVE SER RE-
PRESENTADO . P/ GANHOS
INTEIROS, , ETC.
A SAÍDA VARIA DE ACORDO
COM A INTENS. E A DURAÇÃO
DA ENTRADA. A FUNÇÃO DE
INTEGRAL
SAIDA É PROPORCIONAL A
INTEGRAL DA FUNÇÃO DE
ENTRADA EM REL. AO TEMPO
A SAIDA É PROPORCIONAL A
TAXA DE VARIAÇÃO DA EN-
DERIVATIVO TRADA.A FUNÇÃO DE SAÍDA
É PROPORCIONAL A DERIVADA
DA FUNÇÃO DE ENTRADA
EM RELAÇÃO AO TEMPO

A SAÍDA É IGUAL AO PRODUTO


MULTIPLICAÇÃO DE DUAS ENTRADAS

A SAÍDA É IGUAL AO
QUOCIENTE DE DUAS
DIVISÃO O
O ENTRADAS

A SAÍDA É IGUAL A RAIZ


ENÉSIMA DA ENTRADA.
RADICIAÇÃO ASSUME-SE O VALOR 2
QUANDO "N" FOI OMITIDO.
TABELA DE FUNÇÕES
2/3

FUNÇÃO SÍMBOLO EQUAÇÃO MATEMÁTICA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DEFINIÇÃO

A SAÍDA É IGUAL A
ENTRADA ELEVADA A
ENÉZIMA POTÊNCIA.
EXPONENCIAÇÃO

A SAÍDA É IGUAL A UMA


FUNÇÃO FUNÇÃO, NÃO LINEAR OU
NÃO LINEAR NÃO ESPECÍFICA DA
OU ENTRADA.
NÃO ESPECÍFICA

A SAÍDA É IGUAL AO
PRODUTO DA ENTRADA POR
UMA VARIÁVEL FUNÇÃO DO
TEMPO
TEMPO OU É IGUAL A
VARIÁVEL FUNÇÃO DO
TEMPO SOZINHA.

A SAÍDA É IGUAL A MAIOR


SELEÇÃO
DAS ENTRADAS.
DE
ALTA

A SAÍDA É IGUAL A MENOR


SELEÇÃO DAS ENTRADAS.
DE
BAIXA

A SAÍDA É O MENOR VALOR


LIMITE ENTRE A ENTRADA E O
SUPERIOR VALOR LIMITE SUPERIOR.

A SAÍDA É O MAIOR VALOR


LIMITE ENTRE A ENTRADA E O
INFERIOR VALOR LIMITE INFERIOR.

A SAÍDA É INVERSAMENTE
INVERSAMENTE PROPORCIONAL A ENTRADA.
PROPORCIONAL

A SAÍDA É IGUAL A ENTRADA


LIMITE DA ENQUANTO A TAXA DE
TAXA DE VARIAÇÃO ANGULAR DA
VARIAÇÃO ENTRADA NÃO EXCEDER A UM
NO TEMPO VALOR LIMITE. DESDE QUE
EXCEDA, A SAÍDA ASSUMIRÁ
A TAXA ESTABELECIDA COMO
LIMITE, ATÉ QUE SE IGUALE
A ENTRADA.
TABELA DE FUNÇÕES
3/3

FUNÇÃO SÍMBOLO EQUAÇÃO MATEMÁTICA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DEFINIÇÃO

A SAÍDA É IGUAL A ENTRADA


MAIS (OU MENOS) UM VALOR
POLARIZAÇÃO ARBITRÁRIO CONSTANTE.
(BIAS)

A NATUREZA DO SINAL DE
SAÍDA É DIFERENTE DO SINAL
DE ENTRADA
CONVERSÃO ENTRADA=SAÍDA NENHUMA * *
E-TENSÃO H-HIDRÁULICO
I-CORRENTE B-BINÁRIO
P-PNEUMÁTICOQ-ELETROMAGNÉTICO,
A-ANALÓGICO SÔNICO
D-DIGITAL R-RESIST.ELÉTRICA

ESTADO 1 X < H
A SAÍDA TEM ESTADOS DISCRETOS
**
ESTADO 2 X > H QUE DEPENDEM DA ENTRADA.
(ENERGIZADO) QUANDO A ENTRADA EXCEDE
(OU TORNA-SE MENOR QUE) UM
ESTADO 1 X < L VALOR LIMITE ARBITRÁRIO, A
MONITOR
(ENERGIZADO) SAÍDA MUDA DE ESTADO.
DE **
SINAL ESTADO 2 X > L

ESTADO 1 X < L
(PRIMEIRA SAÍDA M1,ENERGIZADA)
LETRAS DE IDENTIFICAÇÃO
** ESTADO 2 L < X < H (ANEXO I)
(AMBAS AS SAÍDA INATIVAS
OU DESENERGIZADAS)

ESTADO 3 X > H
(SEGUNDA SAÍDA M2,ENERGIZADA)

CÓDIGOS USADOS:
t VALOR DE BIAS ANALÓGICO
d
DERIVADA EM RELAÇÃO AO TEMPO
dt
H VALOR ARBITRÁRIO DE LIMITE SUPERIOR ANALÓGICO
I
TAXA DE INTEGRAÇÃO
T1
L VALOR ARBITRÁRIO DE LIMITE INFERIOR ANALÓGICO
M SAÍDA DE VARIÁVEL ANALÓGICA
n NÚMERO DE ENTRADAS ANALÓGICAS OU VALOR DE EXPOENTE
t TEMPO
To TEMPO DERIVATIVO
X ENTRADA DE VARIÁVEL ANALÓGICA
X "N" ENTRADAS DE VARIÁVEIS ANALÓGICAS
ANEXO IV
SÍMBOLOS DE LINHA PARA INSTRUMENTAÇÃO 1/1

1 2
SUPRIMENTO (2) (3) OU SINAL A SER DEFINIDO (7)
IMPULSO

3 4

OU (5)
SINAL PNEUMÁTICO SINAL ELÉTRICO

5 6

SINAL HIDRÁULICO TUBO CAPILAR

7 8
SINAL ELETROMAGNÉTICO (6) SINAL ELETROMAGNÉTICO (6)
OU SÔNICO (TRANSMISSÃO OU SÔNICO (TRANSMISSÃO
GUIADA) NÃO GUIADA)

9 10
LIGAÇÃO CONFIGURADAS
INTERNAMENTE AO SISTEMA LIGAÇÃO MECÂNICA
(LIGAÇÃO DE "SOFTWARE")

11 12
SINAL BINÁRIO PNEUMÁTICO SINAL BINÁRIO ELÉTRICO
OU (5)
(VER ITEM 6.3) (VER ITEM 6.3)

NOTAS:

(1) TODAS AS LINHAS DEVEM SER MAIS FINAS QUE AS LINHAS DE PROCESSO.
(2) QUANDO NECESSÁRIO, DEVEM SER ACRESCENTADAS AS ABREVIATURAS ABAIXO, PARA A DESIGNAÇÃO DO
TIPO DE SUPRIMENTO:
(A) AS - AR;
(B) ES - ELÉTRICO;
(C) GS - GÁS;
(D) HS - HIDRÁULICO;
(E) NS - NITROGÊNIO;
(F) SS - VAPOR;
(G) WS - ÁGUA;
(3) QUANDO NECESSÁRIO, DEVE SER ACRESCENTADO O NÍVEL DE SUPRIMENTO.
EX. 1; AS-7, ISTO É, SUPRIMENTO DE AR A 7 Kgf/cm2
EX. 2; ES-24 VCC, ISTO É, SUPRIMENTO ELÉTRICO, EM CORRENTE CONTÍNUA DE 24 V
(4) O SÍMBOLO DE SINAL PNEUMÁTICO SE APLICA A SINAIS QUE USEM QUALQUER GÁS COMO MEIO DE
TRANSMISSÃO. COM EXCEÇÃO DO AR, OS DEMAIS GASES DEVEM SER IDENTIFICADOS.
(5) A UTILIZAÇÃO DE QUALQUER DAS ALTERNATIVAS APRESENTADAS É ACEITÁVEL, DESDE QUE A
OPÇÃO SEJA MANTIDA PARA TODOS OS DOCUMENTOS DE PROJETO.
(6) O FENÔMENO ELETROMAGNÉTICO INCLUI CALOR, ONDAS DE RÁDIO, RADIAÇÃO NUCLEAR E LUZ.
(7) APLICAÇÃO RESTRITA AOS FLUXOGRAMAS SIMPLIFICADOS E CONCEPTUAIS.
ANEXO V
SÍMBOLOS GERAIS PARA INSTRUMENTOS OU FUNÇÕES PROGRAMADAS 1/1
LOCAÇÃO PRINCIPAL NOR- LOCAÇÃO AUXILIAR NORMAL-
LOCALIZAÇÃO
MALMENTE ACESSÍVEL AO MONTADO NO CAMPO MENTE ACESSÍVEL AO
TIPO
OPERADOR (1) OPERADOR (1) (2)

INSTRUMENTOS DISCRETOS MD 1(3)

INSTRUMENTOS
CO 2(3)
COMPARTILHADOS

COMPUTADOR DE
PROCESSO

CONTROLADOR
PROGRAMÁVEL

NOTA:

(1) LOCAÇÃO PRINCIPAL CORRESPONDE NORMALMENTE, PARA INSTRUMENTOS DISCRETOS, AO PAINEL CENTRAL.
ANALOGAMENTE LOCAÇÃO AUXILIAR CORRESPONDE AO PAINEL LOCAL OU CASA DE CONTROLE DEDICADA
A UM CONJUNTO DE FUNÇÕES ESPECÍFICAS DE UM SISTEMA DE PROCESSO.

(2) OS DISPOSITIVOS OU FUNÇÕES PROGRAMADAS, NORMALMENTE INACESSÍVEIS OU "ATRÁS DO PAINEL" DEVEM


SER DESENHADOS USANDO O MESMO SÍMBOLO MAS COM A LINHA HORIZONTAL CENTRAL TRACEJADA.

(3) QUANDO NECESSÁRIO ESPECIFICAR A LOCALIZAÇÃO DO INSTRUMENTO OU FUNÇÃO PROGRAMADA PODEM


SER UTILIZADAS ABREVIATURAS JUNTO AO SÍMBOLO GRÁFICO, TAIS COMO:

(A) MD 1: MÓDULO Nº 1.
(B) CO 2: CONSOLE DE OPERAÇÃO Nº 2.
ANEXO VI
SÍMBOLOS DE CORPO DE VÁLVULAS 1/1

1 2

ANGULAR (OPCIONAL)
GERAL

3 4

BORBOLETA(OPCIONAL) ESFERA (OPCIONAL)

5 6

TRÊS VIAS QUATRO VIAS


(USO GERAL)

7 8
QUATRO VIAS (USUAL NÃO CLASSIFICADAS
PARA COMUTAÇÃO DE (O TIPO DO CORPO
DEVE SER INDICADO
SINAIS PNEUMÁTICOS)
NO RETÂNGULO)

9 10

DEFLETORA
DIAFRAGMA
("DAMPER" OU "LOUVER")

11

GLOBO

NOTA:
(1) ADJACENTES AOS SÍMBOLOS DOS CORPOS DAS VÁLVULAS PODEM SER DADAS INFORMAÇÕES
ADICIONAIS.
ANEXO VII
1/1
SÍMBOLOS DE ATUADORES
DIAFRAGMA COM DIAFRAGMA, COM
1 2
RETORNO POR MOLA RETORNO POR MOLA, OU
OUTRO TIPO DE
OU OUTRO TIPO DE
ATUADOR, COM
ATUADOR COM OU SEM
POSICIONADOR (2)
PILOTO (1) PNEUMÁTICO

3 4

DIAFRAGMA BALANCEADO CILINDRO COM RETORNO


POR MOLA

ALTERNATIVA
6
5 PREFERENCIAL PARA
QUALQUER CILINDRO QUE
CILINDRO DE DUPLA AÇÃO SEJA MONTADO COM
PILOTO(1) ONDE O
O CONJUNTO É ATUADO
POR UMA ENTRADA
CONTROLADORA
7 8
SOLENÓIDE
SOLENÓIDE DUPLO

9 10
SOLENÓIDE COM TRAVA MOTOR ROTATIVO
PARA REARME MANUAL (ELÉTRICO, PNEUMÁTICO
LOCAL OU REMOTO OU HIDRÁULICO)

11 MOLA, PESO OU PILOTO 12


INTEGRAL (UTILIZADO ATUADOR MANUAL
SOMENTE PARA LOCAL OU VOLANTE
VÁLVULA DE ALÍVIO
OU SEGURANÇA)

13 14

DIGITAL ELETROHIDRÁULICO

15 ATUADOR TIPO
DIAFRAGMA COM
RETORNO POR MOLA
COM CONVERSOR
ELETROPNEUMÁTICO
INTEGRAL

NOTA:
(1) O PILOTO PODE SER UM POSICIONADOR, UMA VÁLVULA SOLENÓIDE, UM CONVERSOR DE SINAL,ETC.
(2) O POSICIONADOR NÃO PRECISA SER REPRESENTADO, A MENOS QUE HAJA UM DISPOSITIVO
INTERMEDIÁRIO. QUANDO USADO O SÍMBOLO DO POSICIONADOR, ONDE NÃO EXISTA
DISPOSITIVO INTERMEDIÁRIO, O SINAL DE SAÍDA NÃO PRECISA SER MOSTRADO.
QUANDO O SÍMBOLO DO POSICIONADOR É O MESMO PARA TODOS OS TIPO DE ATUADORES
A IDENTIFICAÇÃO DO POSICIONADOR , ZE , NÃO PRECISA SER MOSTRADA.
(3) A FLECHA REPRESENTA O CAMINHO DO FLUIDO NA CONDIÇÃO DE FALHA DE ENERGIA E NÃO
NECESSARIAMENTE O SENTIDO DO ESCOAMENTO.
ANEXO VIII
SÍMBOLOS DE AÇÃO DOS ATUADORES (1) NA FALTA DE ENERGIA (2) 1/1
1 2

ABRE FECHA

3 4
A

ABRE O CAMINHO A-B e C-D


ABRE O CAMINHO A-B B D
C

5 6
MANTÉM A ÚLTIMA POSIÇÃO
DO ATUADOR QUALQUER POSIÇÃO DO
ATUADOR

NOTA:

(1) OS SÍMBOLOS DE AÇÃO DOS ATUADORES APRESENTADOS SERVEM APENAS PARA ILUSTRAÇÃO, PODENDO
SER REPRESENTADO COM QUALQUER TIPO DE ATUADOR QUE SEJA COMPATÍVEL COM O CORPO DA VÁLVULA.
(2) AS REPRESENTAÇÕES DAS AÇÕES DOS ATUADORES, NA FALTA DE ENERGIA, SÃO AS MESMAS DEFINIDAS
USUALMENTE PELA EXPRESSÃO "CONDIÇÃO DE PRATELEIRA" ("SHELF POSITION").
(3) COMO ALTERNATIVA PARA AS FLECHAS E BARRAS, PODEM SER EMPREGADAS AS SEGUINTES ABREVIAÇÕES:

FA ("FALHA ABRE") - ABRE NA FALHA DE ENERGIA;


FF ("FALHA FECHA") - FECHA NA FALHA DE ENERGIA;
FE ("FALHA ESTACIONÁRIA") - MANTÉM A ÚLTIMA POSIÇÃO DO ATUADOR APÓS A FALHA DE ENERGIA;
FI ("FALHA INDETERMINADA") - VAI PARA QUALQUER POSIÇÃO APÓS A FALHA DE ENERGIA.
ANEXO IX
SÍMBOLOS DE ELEMENTOS PRIMÁRIOS DE VAZÃO 1/1

1 SÍMBOLO GERAL PARA 2 FE


ELEMENTOS PRIMÁRIOS CONEXÕES PARA TESTE
FE DE VAZÃO. EXPRESSÕES TIPO TOMADA OU NO
TAIS COMO: ESCOAMENTO CANTO ("CORNER TAPS")
LAMINAR,VAZÃO MÁSSICA
SEM PLACA DE ORIFÍCIO
ETC..PODEM SER
ACRESCENTADAS.

3 4
FE PLACA DE ORIFÍCIO
COM TOMADAS NO PLACA DE ORIFÍICIO COM
FLANGE OU NO CANTO FE TOMADAS NA VENA
CONTRACTA
VC

5 FE 6 FE
DISPOSITIVO PARA TUBO PITOT SIMPLES OU
TROCA RÁPIDA DE TUBO PITOT-VENTURI
PLACAS DE ORIFÍCIO

7 FE 8 FE
TUBO VENTURI TUBO PITOT DE MÉDIA
(ANNUBAR)

9 FE 10 FE

CANAL ABERTO
VERTEDOR

11 FE 12
MEDIDOR DE VAZÃO FE MEDIDOR DE VAZÃO TIPO
TIPO TURBINA ÁREA VARIÁVEL

13 14
FE FE
MEDIDOR DE VAZÃO
SENSOR DE VORTICE
TIPO DESLOCAMENTO
POSITIVO (VORTEX)

15 FE 16 FE
SENSOR TIPO ALVO
(TARGET) BOCAL DE VAZÃO

17 FE 18
MEDIDOR DE VAZÃO
MEDIDOR DE VAZÃO
TIPO MAGNÉTICO
M FE TIPO SÔNICO
ANEXO X
SÍMBOLOS DE DISPOSITIVOS AUTO-ATUADOS 1/2

1 VÁLVULA DE CONTROLE 2

FICV AUTO-ATUADA COM FCV VÁLVULA DE CONTROLE


INDICADOR DE VAZÃO AUTO-ATUADA
INTEGRAL

3 MEDIDOR DE VAZÃO 4
TIPO ÁREA VARIÁVEL
FI
COM INDICAÇÃO E FO ORIFÍCIO DE RESTRIÇÃO
VÁLVULA REGULADORA
MANUAL INTEGRADA

FG
VISOR DE FLUXO

1 2
VÁLVULA MANUAL DE VÁLVULA MANUAL PARA
CONTROLE, EM LINHA HS COMUTAÇÃO DE
HV DE PROCESSO SINAL PNEUMÁTICO

3
VÁLVULA MANUAL DE
CONTROLE, EM LINHA
HV DE SINAL PNEUMÁTICO

1
VÁLVULA REGULADORA
DE NÍVEL COM ATUADOR
TIPO BÓIA LIGADO
LCV
MECANICAMENTE

1 VÁLVULA REGULADORA 2
VÁLVULA REGULADORA
DE PRESSÃO A JUSANTE
DE PRESSÃO COM
COM TOMADA INTERNA E
VP AJUSTE POR MEIO VP TOMADA EXTERNA
DE VOLANTE

3 VÁLVULA REGULADORA 4
VÁLVULA REGULADORA
PRESSÃO DIFERENCIAL DE PRESSÃO C/ TOMADA
VDP VP INTERNA A MONTANTE
SÍMBOLOS DE DISPOSITIVOS AUTO-ATUADOS
2/2

5 VÁLVULA REGULADORA 6 VÁLVULA REGULADORA


DE PRESSÃO COM DE PRESSÃO COM
TOMADA EXTERNA A VS VÁLVULA DE ALÍVIO
MONTANTE E MANÔMETRO

7 VS SÍMBOLO GERAL PARA 8 VS VÁLVULA DE SEGURANÇA


VÁLVULAS DE
OU ALÍVIO TIPO
SEGURANÇA E ALÍVIO
DE PRESSÃO PASSAGEM RETA

9 VS SÍMBOLO GERAL PARA 10 VS


VÁLVULAS DE ALÍVIO VÁLVULA DE ALÍVIO
DE PRESSÃO E VÁCUO DE PRESSÃO E VÁCUO
VÁCUO PRESSÃO

11 RESPIRO DE EMERGÊNCIA 12 VÁLVULA DE SEGURANÇA


VS
PARA ALÍVIO DE VS S
OU ALÍVIO ANGULAR
PRESSÃO E VÁCUO
TANQUE ATUADO POR
SOLENÓIDE (1)

13 VS 14 PSE
DISCO DE RUPTURA DISCO DE RUPTURA
POR PRESSÃO POR VÁCUO

15 VS
P
VÁLVULA DE ALÍVIO
PILOTO OPERADA

VASO

1 VÁLVULA TERMOSTÁTICA 2 TSE


TCV
ATUADA POR SISTEMA
TANQUE BUJÃO OU DISCO FUSÍVEL
SELADO DE EXPANSÃO
(TIPO BULBO)

NOTA: (1) A VÁLVULA DE SEGURANÇA OU ALÍVIO ATUADA POR SOLENÓIDE EMBORA SEJA ATUADA
POR ENERGIA EXTERNA ESTÁ GRUPADA ENTRE OS DIPOSITIVOS AUTO-ATUADOS COM
A FINALIDADE DE APRESENTAR OS SÍMBOLOS DE VÁLVULAS DE ALÍVIO NO MESMO
ANEXO.
ANEXO XI
COMBINAÇÃO COMPLEXA-EXEMPLO 1/1

TIC SP

TT

TY FIC
M YIC

YV CARGA

YIC FT

VAPOR

YV
YIC

ÁGUA DE
RESFRIAMENTO
YV YIC YIC

YV

YIC
ARMAZENAMENTO

YV CONDENSADO

VY
CONTROLE DE PROCESSO DE
YIC DE BATELADA ENVOLVENDO
CONTROLADOR/MOSTRADOR
COMPARTILHADO E CONTROLADOR
AS PROGRAMÁVEL

ZSH ZSL
V

DETALHE TÍPICO PARA OPERAÇÃO DAS VÁLVULAS


ANEXO XII
GRAU DE DETALHAMENTO - EXEMPLO 3/3