Você está na página 1de 16

O QUE PODE CAUSAR A GENGIVITE

GRANULOMATOSA?

LIGANTE VITOR LEÃO


ORIENTADOR : PROF. DR. LIONEY NOBRE CABRAL
O que é a gengivite granulomatosa?

Desdobramento da Granulomatose Orofacial


• Alterações teciduais + inflamação granulomatosa não
caseosa;

Envolvimento de tecido gengival


• Ocorre em 25% dos casos, denominada gengivite
granulomatosa;
O que é a gengivite granulomatosa?

Gengivite por corpo estranho


• Inicialmente descrita como gengivite
granulomatosa;
• Reação inflamatória não granulomatosa que
pode simular líquen plano ou padrão inespecífico
de mucosite crônica ou subaguda;
Características Clínicas

Qualquer idade, predileção por adultos;

Lesões solitárias ou multifocais, de


diâmetro < 2cm;

Máculas vermelhas ou vermelhas e


brancas;

IMAGEM 1
Papilas interdentais ou ao longo da gengiva
marginal;
Gengivite granulomatosa. Aumento gengival localizado
e eritematoso associado ao incisivo central superior
Hiperplasia gengival em padrão localizado esquerdo. As alterações desenvolveram-se logo após a
ou generalizado colocação de uma coroa total metalo-cerâmica e não
responderam ao tratamento local conservador.
Características Clínicas

Dor ou sensibilidade

Lesões persistem mesmo com terapia


convencional e H.O. adequada

Gengivite por corpo estranho

IMAGEM 2
• Áreas de mucosite eritematosa ou atrófica que
assemelham-se a líquen plano gengival;
Gengivite por Corpo Estranho. Mucosa vermelha,
atrófica, da gengiva vestibular esquerda. Essas
alterações surgiram após a colocação de duas
coroas de porcelana fundida com metal (PFM). A
biópsia revelou mucosite liquenoide com
fragmentos de corpo estranho misturados.
Características Clínicas

Dor ou sensibilidade

Lesões persistem mesmo com terapia


convencional e H.O. adequada

Gengivite por corpo estranho

IMAGEM 2
• Áreas de mucosite eritematosa ou atrófica que
assemelham-se a líquen plano gengival; Gengivite por Corpo Estranho. Mucosa vermelha,
atrófica, da gengiva vestibular esquerda. Essas
alterações surgiram após a colocação de duas
coroas de porcelana fundida com metal (PFM). A
biópsia revelou mucosite liquenoide com
fragmentos de corpo estranho misturados.
Fatores Etiológicos

Gengivite Granulomatosa
• Assim como a granulomatose orofacial, a causa é idiopática;
• Lesões semelhantes associadas e diversas doenças
sistêmicas;
• Reação imune anormal a inúmeros agentes
desencadeantes;
• O histopatológico deve confirmar a presença de inflamação
granulomatosa não específica;
Fatores Etiológicos

Gengivite por corpo estranho


• Introdução de materiais dentários no tecido conjuntivo
abaixo do epitélio sulcular;
• Corpo estranho muitas vezes é < 1 µm;
• Elementos mais comuns que causam a irritação: prata,
alumínio, silício, estanho, enxofre, cobre, cálcio, fósforo e
ferro;
• Elementos compatíveis com poeira fina de amálgama;
Fatores Etiológicos

Gengivite por corpo estranho


• Partículas correntes com coríndon, como discos de lixa,
pasta de polimento, cremes dentais e, possivelmente,
material restaurador;
• Menor frequência: poeira de brocas carbide de tungstênio,
compósitos, material de cimento endodôntico e cimento
temporário;
• Agentes causadores diversos de uma grande variedade de
materiais odontológicos;
Fatores Etiológicos

IMAGEM 8
IMAGEM 4 IMAGEM 5

IMAGEM 3

IMAGEM 6 IMAGEM 7
Aspectos Histopatológicos

Corantes especiais para


microrganismos negativos

Gengivite granulomatosa

• Acúmulos focais de histiócitos;

IMAGEM 9
• Infiltrado linfocítico intenso;
• Células gigantes multinucleadas; Gengivite granulomatosa. Coleção focal de
• Corpo estranho não detectado; histiócitos, linfócitos e células gigantes
multinucleadas dentro da lâmina própria
superficial da gengiva.
Aspectos Histopatológicos

Gengivite por corpo estranho


• Partículas de corpo estranho
presente em vários cortes;
• Inflamação granulomatosa
presente em 20% dos casos;
• Infiltrado linfocítico, mesclado com
plasmócitos e macrófagos;

IMAGEM 10
• Mucosite liquenoide, com
degeneração de células epiteliais Gengivite por corpo estranho. Partículas de corpo
basais; estranho (seta) misturadas com linfócitos e
plasmócitos.
Tratamento

Diagnóstico diferencial final: forma localizada da


granulomatose orofacial ou reação de corpo estranho

Excisão cirúrgica

IMAGEM 11
Enxerto de sítio doador saudável

Cuidado em procedimentos restauradores e de H.O

• Profilaxia postergada por 2 dias após RAR e curetagem;


Referências Bibliográficas

1. NEVILLE, B.W. et al. Patologia Oral & Maxilofacial. 4ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016. 972p
Referências de Imagens
• IMAGEM 1: NEVILLE, B.W. et al. Patologia Oral & Maxilofacial. 4ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016. 972p IMAGEM 2:
NEVILLE, B.W. et al. Patologia Oral & Maxilofacial. 4ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016. 972p IMAGEM 3:
http://luisgustavoleite.com.br/blog/protese-dentaria-resina-zirconia-porcelana/
• IMAGEM 4: http://www.jacomar.com.br/artigos/quais-sao-os-tipos-de-cremes-dentais/
• IMAGEM 5: https://www.suryadental.com.br/broca-carbide-19mm-fg-kavo.html
• IMAGEM 6: http://www.forp.usp.br/restauradora/Teses/Savioli/Savimaster/Savimaster.html
• IMAGEM 7: http://www.scielo.br/pdf/abd/v82n6/v82n06a08.pdf
• IMAGEM 8: http://blog.dentalcremer.com.br/o-passo-a-passo-restaurador-em-facetas-diretas/
• IMAGEM 9: NEVILLE, B.W. et al. Patologia Oral & Maxilofacial. 4ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016. 972p IMAGEM 10:
NEVILLE, B.W. et al. Patologia Oral & Maxilofacial. 4ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016. 972p
• IMAGEM 11: https://pngtree.com/free-png-vectors/scalpel
OBRIGADO