Você está na página 1de 9

SEMINÁRIO TEOLÓGICO BATISTA INTENSIVO

ALESSANDRA FERREIRA LOPES

DECLARAÇÃO DOUTRINÁRIA

BALSAS-MA
2018
ALESSANDRA FERREIRA LOPES

DECLARAÇÃO DOUTRINÁRIA

Trabalho apresentado à disciplina de “Teologia


Sistemática” do Seminário Teológico Batista Intensivo,
para obtenção de nota.

Professor: Pr. Bruce

BALSAS-MA
2018
1 DOUTRINA DA REVELAÇÃO E INSPIRAÇÃO

Deus se revelou ao homem por meio das coisas criadas, por meio da consciência
do homem, por meio de visões, sonhos, falando boca a boca, e através da palavra escrita,
onde a Bíblia é o registro dessa revelação (Sl 8.1; 19; Ex 32.15-16; Dn 7.1; Rm 1.20; Hb 1.1,2;
Rm 16. 25,26). A Bíblia é a Palavra de Deus escrita por homens santos movidos e dirigidos
pelo Espírito Santo, tendo em Deus sua autoria e por isso é a verdade inequívoca, imutável,
eterna, perfeita, completa, suficiente e única autoridade em matéria de salvação, vida cristã
e vida eterna (Ex 24.2; 34.27; Sl 119.89, 144; Hb 1.1,2; 2 Tm 3.16,17; 1 Pe 1.25; 2 Pe 1.21). A
sua finalidade é tornar Deus e sua vontade conhecidos, levando o homem a salvação,
santificação na promoção da gloria de Deus e do serviço cristão (Jo 17.17; 20.31; Rm 10.17;
15.4; 2 Tm 3.16,17; 1 Pe 2.2). Ela deve ser interpretada a luz da pessoa e dos ensinos de
Jesus Cristo, tendo no Espirito Santo o seu verdadeiro interprete (Mt 5.21-39; Jo 1.1-2;
5.39,40; Hb 1.1,2; 2 Pe 1.21). Na bíblia encontramos a revelado a origem do homem, seu
pecado, queda e condenação, assim como os critérios do juízo divino (Gn 1.26; 2.7; 3; Jo
3.16-36; Rm 2.12,13; 3.23). A bíblia enquanto revelação especial de Deus, inspirada por Ele,
esta completa e a ela nada pode ser acrescentado ou retirado (Dt 4.2; Pv 30.6; 2 Tm 3.16,17;
Ap 22.18,19).

2 DOUTRINA DE DEUS

Deus é Espírito pessoal, único e verdadeiro, onipotente, onisciente, onipresente


eterno, infinito, imutável que criou, sustenta e governa todo o universo, seus habitantes e
sua história (Gn 1.1; 21.33; Dt 5.26; 6.4; Sl 90.2; 139; Ml 3.6; Jo 4.24; At 14.15-17; 17.24-28;
Ef 1.11; Hb 11.3; Ap 10.6). Ao se relacionar com o homem, Deus se revela amoroso, zeloso,
salvador e juiz, devendo o homem responder a Ele com obediência e somente a Ele com
adoração (Ex 34.14; Dt 1.17; 4.24; 5.9; Ne 1.2; Mt 4.10; 22.37; At 14.15-17; Ef 2.4,8; 1 Jo 4.
8-16). Deus é triuno, revelando-se como Pai, Filho e Espírito Santo, três pessoas distintas,
mas indivisíveis em sua essência (Gn 1.26; Mt 28.19; Rm 15.30; Fp 3.3; 1 Jo 5.17). Deus o
Pai, é o pai de nosso Senhor Jesus Cristo, e revela sua paternidade de forma geral na Criação
e de forma especial em Cristo, mediante adoção em um novo nascimento do pecador. Ele é
Pai justo, disciplinador, santo, misericordioso, protetor e fiel (Gn 1.26; Dt 7.6-9; Sl 2.7; 91; Is
64.8; Jo 12.13; Jo 17.11-25; At 1.4-8; Hb 12.6-11; 1 Jo 3.1,2).

3 DOUTRINA DE JESUS CRISTO

Jesus Cristo é o eterno Filho de Deus, o Messias prometido, a revelação exata de


Deus ao homem (Gn 3.15; Mt 16.16,17; Rm 15.6; Ef 1.2,3, Cl 1.15,19; Hb 1.1-8). Ele é Deus,
sendo um em essência com o Pai (Jo 1.1-3; 10.30; Rm 9.5, 11.36). Em sua humanidade, Jesus
nasceu da virgem Maria, gerado pelo Espírito Santo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, e
viveu entre os homens sem pecar e cumpriu toda a Lei, revelando e realizando a vontade
Deus (Is 7.14; 9.6; 53; Mt 1.18-25; Rm 1.3,4; Gl 4.4,5; 2Co 5.21; Fl 2.6-11; 1Tm 3.16; Hb 2.14;
4.14-16; 1Pe 2.22; 1Jo 1.1-3). Como verdadeiro homem, levou sobre si o castigo e a culpa
dos pecados da humanidade, morreu numa cruz, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia,
afim de salvá-la (Is 53; Mt 28.1-6; Lc 24.46,47; Jo 10.1-18; 20; Rm 5.8,9; Fl 2.6-11; Hb
7.25,26; 9.14; 1Pe 2.21-25). Após sua ressurreição e várias aparições, Ele subiu aos céus, de
onde voltará em grande poder e glória, sentou-se a destra de Deus, onde está preparando
lugar para os salvos, advogando e intercedendo por eles, e dirigindo sua Igreja pela ação do
Espírito Santo nos salvos (Mt 24. 29-31; 25.31 -46; 28.20; Jo 14.2,3,16,17; 15.26; 16.7; 17.13;
At 1.6-14; 7.55,56; Rm 8.34; 5.23,24; Cl 1.18; 1Jo 2.1; 1Tss 4.14-18; Tt 2.13; Hb 7.23-28). Ele
é profeta, sacerdote e rei, o único mediador entre Deus e os homens e o único que pode
salvar e tornar filhos de Deus aqueles que nEle creem (Mt 28.18; Mc 1.14,15; Jo 1.12; 14.6;
At 4.12; Gl 3.19-29; Ef 1.22,23; Hb 1.1-3; 4.14-16; 2Pe 1.11).

4 DOUTRINA DO ESPÍRITO SANTO

O Espírito Santo é espírito pessoal, é Deus, um em essência com o Pai e o Filho, o


qual atuou na criação, moveu e dirigiu homens santos a escreverem a Bíblia, atuou no
nascimento, batismo, ministério e morte de Jesus Cristo e testemunha Dele e o glorifica (Gn
1.2; Sl 139.7-10; Mt 12.28; Mc 1.9-11; Lc 1.35; 4.1; Jo 14.16,17; 16.13,14; At 5.3, 4; 16.7;
1Co 2.10,11; 12.11; 2Tm 3.16; Hb 9.14; 2Pe 1.21; 1Jo 5.6,7). Antes do Pentecostes, o
Espirito era dado a certos homens para capacitação na realização de uma tarefa comum ou
especial e depois retirado; depois do Dia de Pentecostes, o cumprimento da profecia e das
promessas do derramar do Espírito quando os primeiros discípulos foram batizados no
Espírito, passou a habitar nos que crêem em Jesus Cristo, para a regeneração deles e selo
para o dia da redenção (Ex 28.3; 31.2,3,6; 35.35; 1Sm 11.6; 16.13-16; Jl 2.28-32; Jo 3.5; 7.39;
14.16,17; At 1.5; 2.1-13,38,39; 8.14-17; Rm 8.9-11; 1Co 12.13; Ef 1.13). Aos salvos Ele
confirma que são Filhos de Deus, guia-os na verdade, os fortalece, intercede por Eles, e os
capacita para a obediência, para a vida cristã e produção do Seu fruto (Jo 16.13; At 1.8; Rm
8.14-27; Gl 5.22,23; Ef 3.16). O Espírito Santo une os crentes na Igreja dando-lhes dons
espirituais e vocacionado ministros para a edificação e crescimento do Corpo (At 9.31; 13.2;
20.28; 1Co 12; Ef 4.11-13). Ele convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8-
11).

5 DOUTRINA DE SATANÁS E OS DEMÔNIOS

Satanás é um ser espiritual criado por Deus, um anjo caído que no seu estado
original foi criado santo, formoso e cheio de sabedoria, mas em seu orgulho rebelou-se
contra Deus e caiu (Jó 1.7,8; Is 14.12-14; Ez 28.12-17; Mt 25.41; 1Tm 3.6; Hb 11.3). Ele é o
líder de um império maligno composto pelos filhos da desobediência e anjos caídos, que são
os demônios (Mt 25.41; Jo 14.30; Ef 2.2; Ap 2.13). Ele se opoe ao Reino de Deus, e o faz
roubando, matando, destruindo e enganado, pois é homicida, enganador, astuto, pai da
mentira, acusador e pecador contumaz (Gn 3.1,15; Mt 13.19; Jo 8.44; 10.10; Ef 6.12; 1Pe
5.8,9; 1Jo 3.8; 5.19; Ap 2.10; 12.7,10). Satanás já foi vencido por Jesus Cristo em sua morte e
ressurreição, sua ação está sob o controle de Deus e no julgamento final será juntamente
com seus súditos lançado no lago de fogo (Jó 1.12; Mt 25.41; 28.18-20; Jo 12.30-32; Cl 2.15;
1Jo 3.8; Ap 12.11; 20.10 ). O crente está liberto do domínio de satanás, por isso deve lhe
resistir sujeitando-se a Deus (Rm 6.2,11;Cl 1.13; Tg 4.7).

6 DOUTRINA DOS ANJOS

Os anjos são seres espirituais, pessoais e imortais criados por Deus e


subordinados a Ele, que não aceitam adoração pois não são deuses (Gn 21.17; Dn 9.21,22;
Mt 26.53; Cl 1.16; Hb 1.13,14; 1Pe 1.12; Ap 19.10; 22.8,9). São seres inumeráveis, finitos e
diferentes do homem, sendo maiores em força e poder (Sl 8; 103.20; Dn 10.10-13; Mt 22.30;
Hb 2.6,7; 12.22; 2Pe 2.4,11; Jd 6). Foram criados santos, mas alguns caíram sob a liderança
de satanás, os quais se opõem aos os salvos e buscam enganá-los (Ef 6.11,12; 1Tm 4.1-4;
2Pe 2.4; Jd 6; Ap 5.11). Os anjos que não caíram, desenvolvem seu ministério junto ao povo
de Deus servindo-lhes, e para os que não são povo de Deus, aplicam os juízos de Deus (Gn
19.13; Sl 34.7; Dn 6.22; Mt 28.2,5; At 5. 18-20; 27.23-24; Hb 1.13,14; Ap 14.6,7). Eles tem
interesse especial pelo estudo da bíblia e enorme alegria na conversão do pecador (Lc 15.10;
1Pe 1.12).

7 DOUTRINA DO HOMEM

O homem é um espiritual e pessoal, criado por Deus, conforme sua imagem e


semelhança, inocente e em plena comunhão com Deus, livre e capaz de conhecer e
compreender a Revelação Divina sem interferência ou imposição de qualquer poder humano
(Gn 1. 26-31; Gn 2.15-17,25; Sl 8; Ec 7.29; Mt 19.4; Mc 16.15,16; At 17.26; Rm 1.18-32; 1Tm
2.5; Tg 3.9). Em sua composição o homem é ser material (corpo) feito do pó da terra e que
ao pó voltará; e ser imaterial (alma ou espírito) que procede de Deus e a Ele retornará (Gn
2.7; 3.19; Ec 3.20; 12.7; Jo 5.28; 1 Tss 5.23; Hb 4.12; 1Pe 4.19; Ap 20.12,15). Seu propósito é
glorificar a Deus, manter comunhão com Ele, amá-lo, conhecer e fazer sua vontade (Is 43.7;
At 17.26-29; Rm 1.18-21; 1 Co 10.31; Ef 2.10; Cl 1.16). No ato criador, Deus deu ao homem
autoridade sobre a criação e lhe deu missão de multiplicar-se e povoar a Terra (Gn 1.26-30; Sl
8; 115.16).

8 DOUTRINA DO PECADO

O pecado é a quebra da lei do Senhor, e está presente a raça humana desde que
o primeiro homem, Adão, pecou a parti de onde todos os homens nascem pecadores e
tendenciosos ao mau (Gn 3; Sl 51.5; Ef 2.1-3; 4.29; Rm 1.18-32; 3.23; Tg 4.17; 1Jo 1.8; 3.4;
5.17). Ao pecar o homem perdeu a comunhão com Deus, pois o pecado causa separação
entre ele e Deus, gerando morte física, espiritual e eterna, e o incapacita de salvar-se a si
mesmo por suas próprias forças (Gn 3.7-19; Is 59.2; Jo 8.24; Rm 6.23; Ef 2.1-3,8,9). Todo
pecado é primeiramente contra Deus, podendo ser secundariamente contra si mesmo ou
contra o próximo e com exceção da blasfêmia contra o Espírito Santo, há perdão para todo
pecado no sangue de Jesus, após arrependimento e confissão a Deus por parte do pecador
(Sl 51.4; Mt 6.14,15; 12.31,32; Tg 5.16; 1Jo 1.9 - 2.4).

9 DOUTRINA DA SALVAÇÃO

A salvação vem de Deus gratuitamente e constitui a redenção completa do


homem. Ela individual e é concedida ao pecador arrependido pela graça de Deus, somente
pela fé em Jesus Cristo, único e suficiente Salvador, que a pagou uma vez para sempre em
sua morte na cruz (Is 53.4-6; Mc 16.15,16; Jo 3.16; At 4.12; Rm 5.7-10; Rm 10.9; Ef 2.8,9; 1
Tm 2.3-6; 4.10; Tt 2.11; Hb 2.9; 9.28; 1Jo 4.14). A salvação compreende a Eleição,
Regeneração, Justificação, Santificação e Glorificação do homem; A eleição é o ato eterno de
Deus, em que Ele, por sua soberana vontade, escolheu em Jesus Cristo, indivíduos sem
nenhum merecimento para a salvação e realização de sua vontade no mundo; A
Regeneração é o novo nascimento operado pelo Espírito Santo no pecador arrependido; A
Justificação é o ato pelo qual Deus declara justo o pecador arrependido, absorvendo-o da
culpa do pecado; A Glorificação é o ato final do processo de salvação, onde os crentes
receberão novos corpos, estes espirituais e incorruptíveis (Jo 3.1 -36; Rm 3.21-30; 5.1-9; 6.1-
14; 8.28-30; 1Co 13.12; 15.38-54; 2Co 1.21,22; 4.6; 5.17; Ef 1.3-19; Cl 3.12; 1Tss 1.4; 4.1-12;
5.23; Hb 2.11; 9.13,14; 10.10; 12.14; 13.12; 1Pe 1.1,2,15,16; 2Pe 1.10). Na Triunidade de
Deus, o Pai planeja a salvação do pecador, o Filho consuma e o Espírito Santo a aplica, e
como toda ela é obra de Deus, é eterna pois é o próprio Deus que a garante e a confirma na
vida do salvo levando-o a perseverar em santificação e permanência em Cristo (Gn 3. 14,15;
Mt 24.13; Jo 3.5,16,36; 6.57; 10.28,29; 16.8-11; Rm 8.2,35-39; Ef 1.13; Tt 3.5; Hb 5.8,9; 1Pe
1.18-20; 1Jo 2.19; Ap 2.10,11).

10 DOUTRINA DA IGREJA

A Igreja é uma congregação local composta de pessoas regeneradas e batizadas,


após publica profissão de fé, tendo Jesus Cristo como seu fundador e cabeça que a comprou
com seu sangue e a edifica (Mt 16.18; At 2.41; 4.10,11; 20.28; Ef 1.20-23; Cl 1.18). A Igreja
se reúne voluntariamente para prestar culto a Deus, estudar e ensinar sua palavra para
edificação mútua, evangelizar e ajudar uns aos outros, tendo sua integração e crescimento
promovido pelo Espírito Santo (Mt 28.18-20; At 2.37-47; 1Co 12; 14.12; Ef 4.10-12; Cl 3.16).
O Novo Testamento nos apresenta um modelo de Igrejas que eram autônomas, completas
quanto a finalidades e atribuições, que cooperavam entre si e eram lideradas por pastores,
tendo governo democrático, e que nas suas decisões e práticas agiam sob a condução do
Espírito Santo e sob a égide da Palavra de Deus, como única regra de fé e conduta e eram
sustentadas através de contribuições voluntárias, dízimos e ofertas, de seus membros (Mt
18.15-22; At 1.15-26; 2.37-47; 5.3-5; 6.3-6; 11.19-30; 13.1-3; Rm 15.25,26; 1Co 5.4-7; 2 Co
9.7). Seus líderes são servos, vocacionados pelo Espírito Santo para instruir os demais para o
serviço e edificação (At 1.23-26; 13.1-3; Ef 4.1-13). Entre os seus direitos exclusivos estão a
realização das ordenanças (Batismo e Santa Ceia), consagração de lideres e a disciplina de
seus membros (Mt 18.15-17; 28.18-20; Mc 16.15,16; At 1.26; 5.1-10; 6.1-7; 1Co 5.1-13;
11.23-26).

11 DOUTRINA DO PORVIR

No futuro (porvir) acontecerão o cumprimento das promessas descritas nas


escrituras sobre a tribulação, arrebatamento da igreja, volta do senhor Jesus Cristo,
ressurreições, juízos e eternidade (Dn 9.27; Mt 24.9,22,30; Jo 14.1-3; At 1.11; 1Co 15.51,52;
1Tss 4.13-18; Hb 9.28; Ap 20.1-6,11-15; 21.1; 22.1-5). A tribulação é o período onde haverá
o derramamento da ira de Deus sobre o mundo, a perseguição do povo de Deus, a salvação
de multidões e a ascensão do domínio do anticristo (Mt 24.1-30; Mc 13.1-26; Ap 6-9). A
volta de Jesus Cristo será gloriosa, triunfal, física e visível a todos, repentina e inesperada,
sendo que nesta ocasião acontecerá o arrebatamento da Igreja, onde os mortos em Cristo
ressuscitarão e os crentes terão seus corpos transformados, e então serão levados por entre
as nuvens para se encontrarem com Cristo nos ares (Mt 24.29-44; Mc 13.24-37; At 1.11; 1Co
15; Cl 3.4; 1Tss 4.15-18; Ap 16.15). Todos, grandes e pequenos comparecerão diante de
Deus e então acontecerá o Juízo final. A morte, o inferno e todos os não escritos no livro da
vida serão lançados no lago de fogo, junto com Satanás e seus anjos no lago de fogo (Ap
20.11-15). E então haverá novo Céu e nova Terra, destino final dos crentes e cenário de
adoração, vida plena e eterna sob total domínio de Deus (Rm 8. 18-25; 2Pe 3.13; Ap 21,22).
No tempo presente ao crente cabe vigiar e aguardar em santidade de vida (Mt 24.36-51; 2Pe
3.9-13).
REFERÊNCIAS

ERICKSON, Millard J.; Introdução à Teologia Sistemática. São Paulo: Sociedade Religiosa
Edições Vida Nova, 2007.