Você está na página 1de 10

Nota de Aula

Física
2. Radiação do Corpo Negro
Fundamentos da Um dos aspectos ou “detalhe” que intrigava os Físicos do final do séc.
Física Quântica XIX era a radiação emitida pelos corpos aquecidos. Sabe-se que todo corpo
aquecido a altas temperaturas torna-se emissor de luz (incandescência).
1. INTRODUÇÃO

No final do séc. XIX acreditava-se que todos os fenômenos


naturais podiam ser explicados pela Mecânica, de Newton ou pela Teoria
Eletromagnética, de Maxwell. Isto fez com que boa parte dos físicos da época
declarasse que “não havia mais nada a ser estudado”; que apenas dever-se-ia
procurar métodos de cálculo e instrumentos mais avançados para a obtenção
de medidas físicas mais precisas.

Porém, neste período, surgiram quatro grandes questões que abalaram


radiação infravermelha é usada em termografia
os alicerces da Física Clássica:
Resumidamente:
A Radiação do Corpo Negro;
O aumento gradativo da temperatura de um corpo acarreta em emissão
O Efeito fotoelétrico;
de luz visível: vermelha, amarela, azul e branca (lâmpadas incandescentes).
As Linhas Espectrais dos Elementos Químicos; Quanto maior a frequência da radiação emitida, maior a temperatura do corpo.

A compatibilidade entre as Leis de Newton e as Leis de Maxwell. 1882 ® Gustav R. Kirchhoff conclui que corpos que são bons
emissores, também são bons absorvedores de radiação. A partir desta
Em particular, o aprofundamento no estudo do mundo atômico mostrou observação, criou o conceito de corpo negro: objeto com poder de absorção
uma diferença entre os dados experimentais obtidos eram inconsistentes com máximo; e, portanto, não reflete a luz e o calor.
as teorias existentes. Só uma mudança radical no pensamento físico foi capaz
de solucionar estas questões. Assumindo que a teoria de Maxwell, que funcionava bem na escala
macroscópica, também fosse válida na escala microscópica, essas cargas
A Física Quântica é um ramo da ciência que lida com quantidades oscilantes deveriam irradiar luz e calor. O grande mistério era por que as previsões
discretas, unidades indivisíveis de energia chamados quanta. There are five baseadas na teoria acima não eram condizentes com as medidas experimentais.
main ideas represented in Quantum Theory: Há cinco ideias representadas na
Teoria Quântica:

Energy is not continuous, but comes in small but discrete units. 1A


energia não é contínua, mas discreta, mas vem em pequenas unidades.

The elementary particles behave both like particles and like waves.
As partículas elementares se comportar tanto como partículas e como ondas.
2

The movement of these particles is inherently random. 3O movimento


dessas partículas é inerentemente aleatório.

It is physically impossible to know both the position and the momentum


of a particle at the same time.É fisicamente impossível saber tanto a posição
e o momentum de uma partícula ao mesmo tempo. The more precisely one Lei de Rayleigh-Jeans: resultado experimental da medida da intensidade
is known, the less precise the measurement of the other is. 4 Quanto mais da radiação por um corpo negro em função do comprimento de onda.
precisamente uma é conhecida, a medida menos precisa do outro. 1879 ® Josef Stefan deduziu, experimentalmente, que a quantidade
The atomic world is nothing like the world we live in. 5O mundo total de energia irradiada por um Corpo Negro era proporcional à quarta
atômico não é nada como o mundo em que vivemos. potência de sua temperatura absoluta.

While at a glance this may seem like just another strange theory, it 1884 ® L. Boltzmann chegou à mesma conclusão através de
contains many clues as to the fundamental nature of the universe and is more considerações Termodinâmicas. O resultado final ficou conhecido como lei
important then even relativity in the grand scheme of things (if any one thing de Stefan-Boltzmann.
at that level could be said to be more important then anything else). Embora à E = σ.T4
primeira vista isso possa parecer apenas mais uma teoria estranha, ele contém
muitas pistas sobre a natureza fundamental do Universo. Furthermore, it (σ = 5,67 x 10-8 W.m-2/K-4)
describes the nature of the universe as being much different then the world
1894 ® Wien publicou sua “lei do Deslocamento”. Esta lei
we see. Além disso, descreve a natureza do Universo como sendo muito
equação só era coerente com os dados experimentais em baixas
diferente do mundo que vemos. As Niels Bohr said, “Anyone who is not
temperaturas e para pequenos comprimentos de onda. Apesar disso,
shocked by quantum theory has not understood it.” 6 Como Niels Bohr disse:
uma consequência importante dos estudos de Wien e válido até hoje,
1 / NA 01 IME/ITA

“Quem não fica chocado com a teoria quântica não a compreendeu”.


é a relação entre a temperatura absoluta de um Corpo Negro e o
comprimento de onda de máxima emissão ou comprimento de onda
de pico.

λmax×T = 2897,8 µm.K


Nota de Aula
Física
Os fótons são as partículas elementares da luz. Estudá-las isoladamente
está se tornando cada vez mais importantes não apenas para a ciência básica,
mas também para a tecnologia, sobretudo com os crescentes avanços da
fotônica e da óptica em geral, e da computação quântica.

Mas como acompanhá-los para conhecer seu comportamento e como


eles interagem com a matéria e com os campos eletromagnéticos? Afinal,
observar a matéria é fácil: nossos olhos captam os fótons que se refletem sobre
a matéria e criam uma imagem. Mas como fazer uma imagem de um fóton?

Foi justamente isto o que os cientistas conseguiram agora: eles


literalmente filmaram fótons, utilizando elétrons para visualizá-los.
Variação do nível máximo de emissão em função da temperatura & cor:
http://liliputinano.blogspot.com/2010/06/foto-de-um-foton.html.
Quando a temperatura de cor diminui, o nível máximo de emissão move-se
Acesso em 25/04/2011.
através do comprimento de ondas.

Modelo de osciladores: átomos interligados por “molas” cuja


3. EFEITO FOTOELÉTRICO
amplitude de oscilação dependeria da temperatura do corpo. Teoricamente,
o aumento de energia poderia ter qualquer valor contínuo. Observado pela primeira vez em 1887 por Hertz, consiste na produção
de corrente elétrica em uma superfície metálica quando iluminada.
1900: O físico alemão Max Planck (1858 - 1947) propõe
que a energia dos “osciladores” não poderia ser
contínua, mas sim que deveria ser emitida em pacotes
de energia (denominados quanta) - valores múltiplos
de uma quantidade mínima de energia (quantum).

Max Planck

Postulados de Planck:

(I) Os osciladores emitem radiação em quantidades inteiras de energia Segundo a Física Clássica, a energia dos fotoelétrons deveria
En dada por: depender da intensidade da luz incidente, visto que a energia das ondas
eletromagnéticas é uma função da intensidade (amplitude das ondas). Isto
En = n-h-f não foi verificado experimentalmente, mas sim, que a energia dos elétrons
emitidos dependia apenas da frequência da luz.
com n = 1, 2, 3... (inteiro); f é a frequência da radiação emitida e h é
denominada como a constante de Planck, cujo valor no S.I. é igual a: h =
6,63x10-34J.s

(II) Os corpos emitem radiação em valores discretos denominados


fótons, que significa “partículas de luz”. Os fótons são emitidos ao “saltar”
de um nível de energia para outro. Entre dois níveis adjacentes de energia,
temos DE = hf.

Gráfico da corrente elétrica em função da diferença de potencial entre


as placas. O valor –V0 é denominado potencial elétrico de corte, ou seja:

V(i = 0) = - V0
A FOTO DE UM FÓTON A explicação correta do efeito fotoelétrico foi feita por A. Einstein em
1905. Admitiu que a luz devesse ser constituída por fótons, cada um com
uma quantidade de energia discreta dada por h∙f.
2 / NA 01 IME/ITA

Representação de um fóton

Vendo a luz
Nota de Aula
Física
Segundo a Física Moderna, os fótons podem se comportar tanto O espectro emitido por um elemento é uma característica intrínseca.
como partícula quanto como onda, pois apresentam energia, momento linear Jamais dois elementos químicos distintos emitem o mesmo espectro.
e frequência.
Esta característica levou o físico dinamarquês Niels Bohr (1885 - 1962)
Pelo Princípio da Conservação da Energia, a energia total do a elaborar um modelo explicativo para as linhas espectrais do hidrogênio e
fóton incidente será: aperfeiçoar o modelo atômico de Rutherford.

h∙f = EC + W No modelo de Rutherford (“Modelo Planetário” do átomo), os elétrons


giram em órbitas circulares em torno do núcleo atômico; e, portanto,
EC: energia cinética do elétron extraído do metal. submetidos a uma aceleração (centrípeta) e, de acordo com as Leis de
W: característica do metal, denominada função trabalho, que Maxwell, deveriam emitir radiação e perderem, assim, energia.
representa o trabalho necessário para arrancar um elétron do cátodo.

No modelo planetário do átomo, o elétron deveria emitir energia e


Cada fóton, ao se chocar contra um elétron, transfere energia então cair, em uma espiral, em direção ao núcleo atômico.
proporcional à frequência da luz incidente. Quanto maior a intensidade da Em 1885, o físico e professor suíço Johann Balmer, ao estudar as linhas
luz, maior a quantidade de colisões entre os fótons e os elétrons da placa de emissão do Hidrogênio, conseguiu obter uma fórmula matemática empírica
metálica, e assim, aumentando a quantidade de fotoelétrons emitidos. (através de experimentos) para a distância entre as linhas deste elemento. Esse
Em 1921, A. Einstein ganhou o Prêmio Nobel de Física por este feito acabou por desencadear uma incansável busca por outras fórmulas que
trabalho. descreveriam os padrões tão complicados dos outros elementos.

O entendimento deste fenômeno foi possível apenas depois do


surgimento da física quântica. O físico dinamarquês Niels Bohr propôs um
4. LINHAS ESPECTRAIS modelo atômico utilizando a ideia de quantização de energia introduzida por
Planck no início do século XX, que já tinha sido ressignificada por Einstein
Os espectros são linhas discretas que representam algumas
quando este escreveu seu artigo sobre Efeito Fotoelétrico, em 1905, pelo
frequências definidas. Newton, utilizando um prisma, observou as linhas
qual depois ganhou o prêmio Nobel de Física em 1921, um ano antes do
espectrais da dispersão da luz solar, semelhantes as que compõem o arco-íris.
próprio Bohr receber o seu.

Ao formular sua teoria, Bohr foi muito esperto, pois acabou postulando
(isto é, tomando como verdades a partir das quais se desenvolve a teoria)
alguns enunciados que batem de frente com algumas concepções da física
clássica. Este fato tornou sua teoria um tanto indigesta, os físicos não estavam
satisfeitos de engolir seus postulados sem mastigá-los. Porém, na época, não
se tinha dentes capazes de mastigar aqueles enunciados, e já que a teoria
Linhas espectrais do hidrogênio, na região da luz visível. de Bohr acabava por descrever muito bem vários resultados experimentais
A análise da luz emitida por diversos elementos pode ser realizada conhecidos àquela época, foi aceita.
com um espectrômetro.

O correspondente espectro pode apresentar simplesmente um contínuo, Modelo Atômico de Bohr


ou pode ter sobrepostas nesse contínuo um conjunto de riscas brilhantes
(espectro de emissão) ou de riscas escuras (espectro de absorção). Devido a instabilidade eletrônica do modelo atômico de Rutherford,
Bohr propôs dois postulados para explicar a estabilidade dos átomos.

(I) Um elétron não pode percorrer em torno do núcleo uma órbita


qualquer, mas apenas determinadas órbitas. Quando o elétron se
encontra numa dessas órbitas, o átomo apresenta uma energia bem
definida.

(II) Ao passar de um estado estacionário para o outro, o átomo


3 / NA 01 IME/ITA

absorve ou emite radiação. A energia do fóton absorvido ou emitido


será igual à diferença de energia dos níveis envolvidos. Portanto, a
frequência da radiação absorvida ou emitida será igual à do fóton
envolvido na transição.
Nota de Aula
Física
Princípio da Correspondência:

“A teoria quântica deve concordar com a teoria clássica, no limite


dos grandes números quânticos”.

Ao absorver energia, um elétron pode passar de uma órbita mais


interna para uma mais externa. Ao fazer a passagem inversa, o elétron
libera, sob a forma de radiações eletromagnéticas, a energia correspondente
à diferença entre as energias dos níveis das duas órbitas.

O primeiro postulado de Bohr diz que quando um elétron numa


órbita de maior energia cai para uma órbita de menor energia, libera uma
energia igual à diferença das energias do nível inicial e do nível final.
Matematicamente, E = Ei - Ef. Como E = hf, então hf = Ei - Ef, onde h =
6,626×10-34J.s é a constante de Planck. Quando o elétron sai de um nível
de maior energia para um nível de menor energia, ele libera essa diferença
de energia num fóton (o mesmo que radiação eletromagnética). Esse fóton
liberado terá frequência f = (Ei - Ef)/h. Lembrando que c = λf é a velocidade
de uma onda eletromagnética que se propaga no vácuo, podemos saber o
comprimento de onda λ do fóton.

Modelo Atômico Moderno

Ao fazer o processo descrito no parágrafo anterior, ou seja, ao Os elétrons ocupam regiões do espaço (orbitais) cuja forma está
fazer as transições eletrônicas entre os diversos níveis, para o átomo de descritas em complexas equações matemáticas.
Hidrogênio, é fácil de notar que os comprimentos de onda associados aos
fótons liberados pelo H caem sempre dentro de seu espectro de emissão. O
que constituiu um forte argumento a favor da teoria de Bohr, pois com ela é
possível explicar as linhas de emissão e absorção estudadas no século XIX.

Louis de Broglie (1892-1987), partindo de uma ideia que nasceu do


átomo quantizado de Bohr, lançou a hipótese de que os elétrons também
teriam características de onda. A partir daí, Erwin Schrödinger (1887-1961)
e Heisenberg (1901-1976) lançaram a Mecânica Quântica, na qual as
partículas elementares são tratadas matematicamente como ondas.

Os orbitais indicam regiões do espaço de maior probabilidade de se


encontrar elétrons. Quanto mais clara a região, maior a probabilidade de
nela se encontrar o elétron.
4 / NA 01 IME/ITA

Representação do átomo na visão de Louis de Broglie


Nota de Aula
Física
situações de intensidades de iluminação, que permitiram obter os gráficos I1
e I2. Com base nessas informações, julgue os itens que se seguem.
Exercícios
1) Uma das exigências para que o amperímetro não interfira na medida
e que ele tenha resistência infinita.

2) Mesmo não havendo potencial aplicado entre as placas metálicas


(UnB/1º Vestibular de 2008) No final do século XIX e início do século (V = 0), ha geração de corrente elétrica (i ≠ 0) devido a luz incidente na placa
XX, foram propostos diversos modelos para o átomo, entre eles, os modelos metálica.
de Thomson e de Rutherford. Posteriormente, o modelo de Rutherford foi
aperfeiçoado por Niels Bohr, o qual assumiu que os elétrons se comportavam, 3) No esquema da figura I, se R = 0, ainda é possível que a corrente
em seu movimento ao redor do núcleo, como ondas com comprimento de medida pelo amperímetro seja não-nula.
onda λ = h , em que m e vn são, respectivamente, a massa e a velocidade 4) E correto inferir que o gráfico I1 esta associado a uma intensidade
n
mvn
de luz maior que a intensidade de luz associada ao gráfico I2.
do elétron que se encontra na órbita indicada pelo número natural n, e h é
uma constante física. Essas ondas, no modelo de Bohr, obedecem à relação 5) No circuito ilustrado na figura I, a corrente elétrica i segue no
nλn=2πrn, em que rn é o raio da órbita de índice n. sentido do ponto X para o ponto Y.
A partir das informações apresentadas no texto, julgue os itens a 6) Infere-se dos gráficos I1 e I2 que a velocidade do elétron mais veloz
seguir, sabendo que a constante elétrica , em que ε0 é a constante independe da intensidade de luz que incide na placa P1.

dielétrica do vácuo, e representando por e a carga do próton.

1) No modelo de Bohr para determinado átomo, quanto maior for o


raio da órbita de índice n, menor será a velocidade do elétron que se encontra
nessa órbita.
3. (UnB/Subprograma 2006 – Terceira Etapa)
2) No modelo de Rutherford, a maior parte da massa do átomo se
concentrava na eletrosfera, onde os elétrons giravam em órbitas ao redor do
núcleo, em um modelo similar ao planetário.

3) No modelo de Bohr, a relação nλn=2πrn, referida no texto, está


associada ao fato de que os nós e os ventres de uma onda estacionária não
mudam de posição ao longo do tempo.

4) Sabendo-se que no átomo de hidrogênio no modelo de Bohr a


força elétrica entre núcleo e elétron é centrípeta, é correto afirmar que, nesse
modelo, rn = n²r1, em que r = ε 0 h ² .
1
2πme²
5) No átomo de hidrogênio no modelo de Bohr, a energia cinética do
elétron é dada por rn ke² .
2
6) A energia total do elétron no átomo de hidrogênio no modelo de
Bohr é dada por − me .
4

4n² ε 02 h ²
As teorias do compositor Francês Edgard Varese, que mesclam o
pensamento cientifico e o musical, parecem memoráveis, uma vez que
foram concebidas 20 anos antes dos eventos científicos relativos a partição
do átomo, que afloraram nos anos 50 do século XX.
(UnB/Subprograma 2006 – Terceira Etapa)
Chou Wen-Chung. Perspectivas da nova música, 1966 (com adaptações).

O título da obra de Varese, Ionisation, que se refere ao processo de


retirada de elétrons de um átomo, esta associado ao nascimento da física
moderna. No início da teoria quântica, foi proposto o modelo de Bohr para
o átomo de hidrogênio, que explicava muito bem a composição discreta
do espectro da luz emitida por átomos de hidrogênio excitados, o que se
denomina raias espectrais — mostradas, à direita, na figura acima.
É possível transformar energia luminosa em energia elétrica por meio Esse modelo permitia, também, calcular os respectivos comprimentos
do efeito fotoelétrico. O diagrama mostrado na figura I esquematiza uma de onda associados a essas raias. Bohr deduziu que os níveis de energia
célula fotoelétrica. Nesse esquema, um raio luminoso monocromático incide associados a essas raias espectrais obedecem a seguinte relação: E0/n2,
5 / NA 01 IME/ITA

na placa metálica P1 da célula, retirando elétrons, que se deslocam para a outra em que E0 e a energia do nível fundamental. O diagrama à esquerda, na
placa — P2 —, o que gera uma corrente elétrica i, que pode ser medida por figura referida, esquematiza alguns desses níveis de energia, em que n
um amperímetro. Com o objetivo de se determinar a velocidade do elétron = 1 refere-se ao nível fundamental, cujo raio da órbita correspondente
mais veloz emitido pela placa iluminada, um potencial reverso ― inserido é de 0,53Ǻ. Com base nessas informações e considerando a constante
para desacelerar o movimento dos elétrons ― e aplicado entre as placas de Planck — h —, que é igual a 4,14×10−15eV.s, e a velocidade da luz
metálicas, com auxilio de uma fonte ε. A figura II apresenta o comportamento no vácuo — c —, dada por 3×108m/s, julgue os itens.
da corrente elétrica i, medida como função desse potencial reverso para duas
Nota de Aula
Física
1) Sabe-se que o elétron-volt (eV) é uma unidade frequentemente 2) De acordo com a teoria ondulatória da matéria, o comprimento de
usada na física atômica, como pode ser visto na figura acima, para a onda de um elétron com massa igual a 9,11×10-31kg será 100 vezes menor que
especificação dos níveis de energia. No sistema internacional de unidades o de uma bola de boliche de 1,0kg quando ambos estiverem em movimento
(SI), a unidade padronizada correspondente é o joule. com a mesma velocidade.

2) Sabendo-se que a razão entre o raio atômico de um nível n e o raio


atômico do nível fundamental é dada por n2, o raio da orbita para o nível n
= 2 do átomo de hidrogênio vale 2,12Ǻ.
(OLIMPÍADA PAULISTA DE FÍSICA) Um elétron de um átomo
3) Sabendo-se que a mudança entre níveis de energia e a responsável de hidrogênio, ao passar de um estado quântico para outro, emite ou absorve
pela emissão de luz nos átomos e a diferença de energia entre dois níveis e fóton. Na figura abaixo, representamos os três primeiros níveis de energia
o produto da constante de Planck pela frequência da luz da raia associada, do átomo de hidrogênio.
é correto afirmar que, para o átomo de hidrogênio, a frequência da luz
emitida por um elétron que decai do nível n = 3 para o nível n = 2 e maior
que 5×1014Hz.

4) Deduz-se do diagrama que, no átomo de hidrogênio, a quantidade


de energia necessária para ionizar um elétron que está no nível n = 2 é 10,2eV.

5) O titulo da obra de Varese, Ionisation, que se refere ao processo


de retirada de elétrons de um átomo, esta associado ao nascimento da física Considere três fótons f1, f2 e f3 com energias 12,1 eV, 10,2 eV e 8,5 eV,
moderna. respectivamente. O átomo de hidrogênio está no estado fundamental. Quais
fótons (f1, f2 ou f3) poderá o átomo de hidrogênio absorver?

(UnB/Subprograma 2006 – Terceira Etapa) Com relação ao


diagrama dos níveis de energia apresentado no texto, calcule, para o átomo (UFC-CE) Na figura, as flechas numeradas de 1 até 9 representam
de hidrogênio, o módulo da energia, em eV, do nível n = 4. Multiplique o transições possíveis de ocorrer entre alguns níveis de energia do átomo de
valor obtido por 1.000. hidrogênio de acordo com o modelo de Bohr.

(UnB/Subprograma 2007 – Terceira Etapa) Louis de Broglie


sugeriu a existência de propriedades ondulatórias nos elétrons no átomo.
Utilizando a hipótese de Planck de que a energia do fóton é igual a h × f, em
E
que f é a frequência e h é uma constante, de Broglie propôs que f =
h h
e λ= , em que E é a energia dos elétrons, λ, o comprimento de onda e
p
Para ocorrer a transição, o átomo emite (ou absorve) um fóton cuja
p, o momento da partícula.
energia │ΔE│= hc/λ (h é a constante de Planck, λ é o comprimento de onda
Essas equações, segundo Broglie, seriam válidas para qualquer tipo do fóton e ΔE é a diferença de energia entre os dois níveis envolvidos na
de matéria. transição).

A partir das informações acima, julgue os itens Suponha que o átomo emite os fótons X e Y, cujos comprimentos de onda
são, respectivamente, λx = 1,03.10-7 m e λy = 4,85.10-7m.
1) De acordo com de Broglie, o comprimento de onda λ de uma
As transições corretamente associadas às emissões desses dois fótons
partícula de massa m, movendo-se à velocidade v, é dado pela expressão são (use h = 4,13.10-15 eV.s e c = 3,0.108m/s).
. Nesse contexto, o gráfico a seguir ilustra corretamente, para uma a) 4 e 8
velocidade constante, a relação entre as grandezas λ e m. b) 2 e 6

c) 3 e 9                        

d) 5 e 7

e) 1 e 7           
6 / NA 01 IME/ITA
Nota de Aula
Física

(UNICAMP-SP) Todos os corpos trocam energia com seu ambiente (UNIMONTES-MG) Um buraco negro é o que sobra quando morre
por meio da emissão e da absorção de ondas eletromagnéticas em todas uma gigantesca estrela, no mínimo 10 vezes maior que o nosso Sol. Uma
as frequências. Um corpo negro é um corpo que absorve toda onda estrela é um imenso e incrível reator de fusão. As reações de fusão, que
eletromagnética nele incidente e também apresenta a máxima eficiência de ocorrem no núcleo, funcionam como gigantescas bombas, cujas explosões
emissão. A intensidade das ondas emitidas por um corpo negro só depende impedem que a massa da estrela se concentre numa região pequena. O
da temperatura desse corpo. O corpo humano à temperatura normal de 37°C equilíbrio entre as forças oriundas das explosões e as de origem gravitacional
pode ser considerado um corpo negro. Considere que a velocidade das ondas define o tamanho da estrela. Quando o combustível para as reações se esgota,
eletromagnéticas é igual a 3,0.108m/s. a fusão nuclear é interrompida.

A figura abaixo mostra a intensidade das ondas eletromagnéticas


emitidas por um corpo negro a 37°C em função da frequência. Qual é o
comprimento de onda correspondente à frequência para qual a intensidade
é máxima? Ao mesmo tempo, a gravidade atrai a matéria para o interior da estrela,
havendo compressão do núcleo, que se aquece muito. O núcleo finda por
explodir, arremessando para o espaço matéria e radiação. O que fica é o núcleo
altamente comprimido e extremamente maciço. A gravidade em torno dele é
tão forte que nem a luz consegue escapar. Esse objeto literalmente desaparece
da visão. O diâmetro da região esférica, dentro da qual toda a massa de
uma estrela deveria ser concentrada, para que ela começasse a se comportar
como um buraco negro, pode ser calculado utilizando-se a equação para a
velocidade de escape, que permite encontrar a velocidade mínima, v, para que
um corpo maciço escape do campo gravitacional de uma estrela ou planeta.
A equação é v2 = 2GM/R, em que G = 6,67.10-11(m3/s2·kg) é a constante
gravitacional, M é a massa e R o raio do planeta. Nesse caso, a velocidade
de escape deveria ser igual à da luz, ou seja, 3.108 m/s. Considerando ser
Se um corpo negro cuja temperatura absoluta é T se encontra em um
possível a Terra transformar-se num buraco negro, o diâmetro da região
ambiente cuja temperatura absoluta é Ta, a potência líquida que ele perde
esférica, dentro da qual toda a sua massa, igual a
por emissão e absorção de ondas eletromagnéticas é dada por P = σ A(T4 –
T4a) em que A é a área da superfície do corpo e σ = 6.10-8W/(m2K4). Usando 5,98.1024kg, deveria ser concentrada, seria, aproximadamente,
como referência uma pessoa com 1,70 m de altura e 70 kg de massa, faça
uma estimativa da área da superfície do corpo humano. A partir da área a) 1,8 m.                          
estimada, calcule a perda total diária de energia por emissão e absorção de b) 1,8 cm.                             
ondas eletromagnéticas por essa pessoa se ela se encontra num ambiente a
27°C. Aproxime a duração de 1 dia por 9,0· 104 s. c) 0,9 km.                               

d) 0,9 m.

(ITA-SP) Suponha que o átomo de hidrogênio emita energia quando seu


elétron sofre uma transição entre os estados inicial n = 4, e final n = 1. Qual é a
(Unicamp 2008) Com um pouco de capacidade de interpretação do
energia do fóton emitido? Qual é a frequência da radiação emitida (Constante
enunciado, é possível entender um problema de Física moderna, como o
de Planck = 6,63 .10-34J.s)
exposto a seguir, com base nos conhecimentos de ensino médio. O Positrônio
é um átomo formado por um elétron e sua anti-partícula, o pósitron, que
possui carga oposta e massa igual à do elétron. Ele é semelhante ao átomo
de Hidrogênio, que possui um elétron e um próton. A energia do nível
fundamental desses átomos é dada por

onde me é a massa do elétron e mp é a massa do pósitron, no caso do


Positrônio, ou a massa do próton, no caso do átomo de Hidrogênio. Para o
átomo de Hidrogênio, como a massa do próton é muito maior que a massa
do elétron, E = - 13,6 eV.

a) Calcule a energia do nível fundamental do Positrônio.

b) Ao contrário do átomo de Hidrogênio, o Positrônio é muito


7 / NA 01 IME/ITA

instável, pois o elétron pode aniquilar-se rapidamente com a sua anti-partícula,


produzindo fótons de alta energia, chamados raios gama. Considerando que
as massas do elétron e do pósitron são me = mp = 9 × 10­31kg e que, ao se
aniquilarem, toda a sua energia, dada pela relação de Einstein Ep + Ee = mec²
+ mpc², é convertida na energia de dois fótons gama, calcule a energia de cada
fóton produzido. A velocidade da luz é c = 3,0×108 m/s.
Nota de Aula
Física
Apresente um modelo matemático adequado para se calcular a energia
cinética do elétron ejetado em função da frequência f do fóton incidente.
(UFG 2008) COMO SERÁ A VIDA DAQUI A MIL ANOS? Usando seu modelo, estime a constante de Planck, h, e a energia mínima
necessária para se ejetar um elétron da placa.
No texto “Como será a vida daqui a mil anos?”, datado de 1925, o
autor faz alusão a uma temperatura ambiente agradável, mantida constante
o ano todo, através de fontes artificiais de radiação.

A lei de Stefan-Boltzmann afirma que um corpo a uma temperatura T


não só absorve radiações do ambiente como também emite radiações para
o ambiente. Essa emissão é regida pela equação R = e.σ.T4, na qual R é a
potência irradiada por unidade de área, e é a emissividade, σ é a constante
de Stefan-Boltzmann e T é a temperatura absoluta.

a) Suponha que a potência irradiada por unidade de área pela fonte


seja 256W/m² e que as pessoas usarão roupas especiais de capacidade térmica
desprezível, que expõem em média 0,8m² da área do seu corpo, mantendo
assim a temperatura corporal em 37°C. Nesse sentido, para um dia inteiro,
qual será a energia absorvida da fonte pela pessoa?

b) Sabendo-se que são necessários 100W para uma pessoa manter


seu corpo em plenas condições de funcionamento, quanto de energia ela
(UnB/Subprograma 2008 – 3.ª Etapa)
deverá repor através de alimentação, por exemplo, para compensar as perdas
resultantes da diferença entre o fluxo emitido e o fluxo absorvido?

Dados: e = 0,6 σ = 5,7 10­8 W/m².K4

O Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, instalado em Campinas, é o


(Unicamp 2009) A Física de Partículas nasceu com a descoberta único que pesquisa esse tipo de luz na América Latina e o primeiro a funcionar
do elétron, em 1897. Em seguida foram descobertos o próton, o nêutron e no Hemisfério Sul. Luz síncrotron é a intensa radiação eletromagnética produzida
várias outras partículas, dentre elas o píon, em 1947, com a participação do por elétrons de alta energia em um acelerador de partículas. A luz síncrotron
brasileiro César Lattes. abrange ampla faixa do espectro eletromagnético: raios X, luz ultravioleta e
infravermelha, além de luz visível, que sensibiliza o olho humano.
a) Num experimento similar ao que levou à descoberta do nêutron,
em 1932, um nêutron de massa m desconhecida e velocidade v0 = 4×107m/s É com o uso da luz síncroton que cientistas estão descobrindo novas
colide frontalmente com um átomo de nitrogênio de massa M = 14 u (unidade propriedades físicas, químicas e biológicas de átomos e moléculas, componentes
de massa atômica) que se encontra em repouso. Após a colisão, o nêutron básicos de todos os materiais.
retorna com velocidade v› e o átomo de nitrogênio adquire uma velocidade
V = 5×106m/s. Em consequência da conservação da energia cinética, a Tendo como referência o texto acima e os vários aspectos relacionados a
velocidade de afastamento das partículas é igual à velocidade de aproximação. ele, julgue os itens
Qual é a massa m, em unidades de massa atômica, encontrada para o nêutron
1) A figura abaixo ilustra um aparelho mais antigo que o síncrotron, o
no experimento?
cíclotron, no qual as partículas se deslocam em movimento circular a partir do
b) O Grande “Colisor” de Hádrons (“Large Hadron Collider-LHC”) ponto S. A figura mostra dois semidiscos, separados por uma abertura, feitos
é um acelerador de partículas que tem, entre outros propósitos, o de detectar de folhas de cobre e ligados a um oscilador elétrico, que alterna a voltagem
uma partícula, prevista teoricamente, chamada bóson de Higgs. Para esse entre os dois lados na abertura que separa os semidiscos. Na região de cobre,
fim, um próton com energia de E = 7×1012 eV colide frontalmente com outro existe um campo magnético B, com sentido saindo do papel. A partir dessas
próton de mesma energia produzindo muitas partículas. O comprimento de informações, é correto afirmar que, ao se aplicar voltagem constante no
onda (λ) de uma partícula fornece o tamanho típico que pode ser observado oscilador, não seria obtida a espiral desenhada na figura, e o movimento da
quando a partícula interage com outra. No caso dos prótons do LHC, E = partícula se restringiria a dois semicírculos de raios diferentes.
hc/λ , onde h = 4×10-15eV.s, e c = 3 × 108m/s. Qual é o comprimento de onda
dos prótons do LHC?

(UnB/Subprograma 2007 – Terceira Etapa)

O efeito fotoelétrico foi descoberto por Hertz em 1887 e estudado


por Lenard em 1900, após terem verificado que placas metálicas
8 / NA 01 IME/ITA

2) Em um síncrotron, se as trajetórias das partículas forem mantidas


emitiam elétrons quando iluminadas com comprimentos de ondas
o mais próximo possível de um círculo, então as partículas carregadas em
específicos. O gráfico acima apresenta resultados de um experimento
movimento circular, à medida que são aceleradas, irradiam, devido à sua
realizado para observar esse fenômeno em átomos de sódio. Nesse
aceleração centrípeta, sendo esta a origem básica da radiação obtida em um
caso, a energia cinética dos elétrons emitidos foi medida em função da
síncrotron.
frequência do fóton incidente, cuja energia é h×f, em que h é a constante
de Planck e f, a frequência da radiação incidente.
Nota de Aula
Física
3) Ao emitir radiação durante uma volta em um síncrotron, a partícula
carregada perde energia. Considere que, para altas velocidades, a fórmula
(Fuvest 2005) O ano de 2005 foi declarado o Ano Internacional da
relativística para a fração de energia perdida pela radiação — DE — em
Física, em comemoração aos 100 anos da Teoria da Relatividade, cujos
relação à energia total por ciclo — E — seja dada por , em que m resultados incluem a famosa relação E = ∆m.c². Num reator nuclear, a energia
provém da fissão do Urânio. Cada núcleo de Urânio, ao sofrer fissão, divide-
e q são, respectivamente, a massa e a carga da partícula, ε0 é a permissividade se em núcleos mais leves, e uma pequena parte, ∆m, de sua massa inicial
elétrica do espaço livre, e r, o raio do círculo descrito pela partícula. Nessas transforma-se em energia. A Usina de Angra II tem uma potência elétrica de
condições, um elétron perderá mais de 1013 vezes energia por ciclo que um cerca 1350 MW, que é obtida a partir da fissão de Urânio-235.
próton.
a) Para produzir tal potência, devem ser gerados 4000MW na forma
de calor Q. Em relação à Usina de Angra II, estime a quantidade de calor Q,
em joules, produzida em um dia.
(Unicamp 2005) O efeito fotoelétrico, cuja descrição por Albert b) Quantidade de massa ∆m que se transforma em energia na forma
Einstein está completando 100 anos em 2005 (ano internacional da Física), de calor, a cada dia.
consiste na emissão de elétrons por um metal no qual incide um feixe de
luz. No processo, “pacotes” bem definidos de energia luminosa, chamados c) Massa MU de Urânio-235, em kg, que sofre fissão em um
fótons, são absorvidos um a um pelos elétrons do metal. O valor da energia dia, supondo que a massa ∆m, que se transforma em energia, seja
de cada fóton é dado por E(fóton) = h f, onde h = 4 × 10­15eV.s é a chamada aproximadamente 0,0008 (8×10­4) da massa MU.
constante de Planck e f é a freqüência da luz incidente. Um elétron só é
E = ∆mc²
emitido do interior do metal se a energia do fóton absorvido for maior que
uma energia mínima. Para os elétrons mais fracamente ligados ao metal, essa Essa relação indica que massa e energia podem se transformar uma na
energia mínima é chamada função trabalho W e varia de metal para metal outra. A quantidade de energia E que se obtém está relacionada à quantidade
(ver a tabela a seguir). Considere c = 300.000 km/s. de massa ∆m, que "desaparece", através do produto dela pelo quadrado da
velocidade da luz (c).
a) Calcule a energia do fóton (em eV), quando o comprimento de
onda da luz incidente for 5×10­7m. NOTE E ADOTE:

b) A luz de 5×10­7 m é capaz de arrancar elétrons de quais dos metais Em um dia, há cerca de 9×104s
apresentados na tabela? 1MW = 106 W c = 3×108m/s

c) Qual será a energia cinética de elétrons emitidos pelo potássio, se


o comprimento de onda da luz incidente for 3×10­7 m? Considere os elétrons
mais fracamente ligados do potássio e que a diferença entre a energia do
(Fuvest 2006) Na época da formação da Terra, estimada como tendo
fóton absorvido e a função trabalho W é inteiramente convertida em energia
ocorrido há cerca de 4,2 bilhões de anos, os isótopos de Urânio radioativo
cinética. 235
U e 238U existiam em maior quantidade, pois, ao longo do tempo, parte
deles desintegrou-se, deixando de existir como elemento Urânio. Além disso,
eram encontrados em proporções diferentes das de hoje, já que possuem
meias-vidas diferentes. Atualmente, em uma amostra de 1,000 kg de Urânio,
há 0,993 kg de 238U e 0,007 kg de 235U, de modo que o 235U corresponde a
0,7% da massa total e tem importância estratégica muito grande, pela sua
utilização em reatores nucleares.
(Unicamp 2009) A evolução da sociedade tem aumentado a demanda
por energia limpa e renovável. Tipicamente, uma roda d’água de moinho a) Estime a massa M238, em kg, de uma amostra de 238U, na época
produz cerca de 40 kWh (ou 1,4×108 J) diários. Por outro lado, usinas da formação da Terra, a partir da qual restaram hoje 0,993 kg de 238U.
nucleares fornecem em torno de 20% da eletricidade do mundo e funcionam b) Estime, levando em conta o número de meias-vidas do 235U, a massa
através de processos controlados de fissão nuclear em cadeia. M235, em kg, de uma amostra de 235U, na época da formação da Terra, a
a) Um sitiante pretende instalar em sua propriedade uma roda d’água partir da qual restaram hoje 0,007 kg de 235U.
e a ela acoplar um gerador elétrico. A partir do fluxo de água disponível e c) Estime a porcentagem P em massa de 235U em relação à massa total
do tipo de roda d’água, ele avalia que a velocidade linear de um ponto da de Urânio em uma amostra na época da formação da Terra.
borda externa da roda deve ser v = 2,4 m/s. Além disso, para que o gerador
funcione adequadamente, a frequência de rotação da roda d’água deve ser NOTE E ADOTE
igual a 0,20 Hz. Qual é o raio da roda d’água a ser instalada, em metros?
A meia-vida de um elemento radioativo é o intervalo de tempo
Use p = 3.
necessário para que a metade da massa de uma amostra se desintegre;
b) Numa usina nuclear, a diferença de massa ∆m entre os reagentes e o restante de sua massa continua a se desintegrar.
os produtos da reação de fissão é convertida em energia, segundo a equação
Meia-vida do 238U ¸ 4,2 bilhões de anos (4,2 × 109 anos)
de Einstein E = ∆mc², onde c = 3 × 108m/s. Uma das reações de fissão que
9 / NA 01 IME/ITA

podem ocorrer em uma usina nuclear é expressa de forma aproximada por Meia-vida do 235U ¸ 700 milhões de anos (0,7 × 109 anos)
(1000 g de U235) + (4 g de nêutrons) ® (612 g de Ba44) + (378 g de (Os valores apresentados foram aproximados, para facilitar os
Kr89) + (13 g de nêutrons) + energia. cálculos).
c) Calcule a quantidade de energia liberada na reação de fissão
descrita acima.
Nota de Aula
Física

(Fuvest 2007) Uma substância radioativa, cuja meia-vida é de


aproximadamente 20 minutos, pode ser utilizada para medir o volume do
sangue de um paciente. Para isso, são preparadas duas amostras, A e B, iguais,
dessa substância, diluídas em soro, com volume de 10cm³ cada. Uma dessas
amostras, A, é injetada na circulação sanguínea do paciente e a outra, B, é
mantida como controle. Imediatamente antes da injeção, as amostras são
monitoradas, indicando NA= NB = 160 000 contagens por minuto. Após uma
hora, é extraída uma amostra C de sangue do paciente, com igual volume de
10 cm³, e seu monitoramento indica NC = 40 contagens por minuto.

Gabarito

1. C E C E E E

2. E C C C C C

3. C C E E E

4. 850

a) Estime o número NB2‚, em contagens por minuto, medido na 5. C E


amostra de controle B, uma hora após a primeira monitoração.
6. f1 e f2.
b) A partir da comparação entre as contagens NB2‚ e NC, estime o
7. letra b
volume V, em litros, do sangue no sistema circulatório desse paciente.
8. a) λ @ 1,7×10­5 b) E @ 1,2 × 107J
NOTE E ADOTE
9. ΔE= +12,75 eV;  f = 3,07.1015 Hz
A meia vida é o intervalo de tempo após o qual o número de átomos
radioativos presentes em uma amostra é reduzido à metade. Na monitoração 10. letra b
de uma amostra, o número de contagens por intervalo de tempo é proporcional
ao número de átomos radioativos presentes. 11. a) E = - 6,8 eV. b) Efóton = 8,1×10­14 J.

12. a) E = 1,77×107J b) E = 1,27×107J.

13. a) m = 0,93 u b) λ = 1,7 × 10­19m

14. Pela conservação da energia mecânica, tem-se:

Efóton = Emínima + Ec → hf = Emínima + Ec → Ec = hf – Emínima

Adotando-se dois pontos do gráfico sugerido, encontram-se as


seguintes equações:

O que fornece as seguintes soluções:

15. E C C

16. a) 2,4eV b) césio e potássio c) 1,7eV

17. a) r = 2 m b) E = 9×1013J
10 / NA 01 IME/ITA

18. a) 3,6×1014J b) 4,0×10­3 kg c) 5,0kg

19. a) M238 = 1,986 kg b) M235 = 0,448 kg

c) P = 18,4%

20. a) 20 000 contagens por minuto. b) 5,0L.

Você também pode gostar