Você está na página 1de 37

Sistema de Ensino Presencial Conectado

Construindo o sucesso de sua carreira.

Módulo I

Conteúdo Curricular: Construção de Edifícios II

Pintura

www.colegiosoer.com.br
edificacoes@colegiosoer.com.br
(18) 3117-7481 / (18)3117-7482 / (18) 3625-6960
CRÉDITOS

Diretora Geral do Colégio SOER: Prof.ª Drª Maria das Graças Rodrigues de Paula

Coordenador do Curso: Diogo Mendonça França

Professor: Diogo Mendonça França

OBJETIVOS

Esta apostila de estudos tem como objetivo transmitir as principais noções de: Pintura
conteúdo referente ao Curso Técnico em Edificações pelo Sistema de Ensino Presencial
Conectado SOER/EAD.
Para isso, apresentamos uma visão do conteúdo para aplicação no curso EAD. Este estudo
dará conhecimentos ao Profissional Técnico em Edificações.

LEGENDA

Atividades a serem feitas pelo aluno

Conteúdos complementares

Destaque da parte importante do


conteúdo apresentado

Hora de refletir o assunto apresentado

Espaço utilizado para anotações do


aluno

Links de vídeos indicados pelo curso


SUMÁRIO

Pintura ................................................................................................................. 5
Tipos de Pintura ................................................................................................... 6
Como preparar a cal ............................................................................................ 7
Pintura interna de paredes e forro a óleo............................................................. 8
Pintura a óleo sobre massa plástica................................................................... 10
Pintura a óleo sobre massa plástica, com acabamento a pastel ........................ 11
Pintura das paredes internas com tintas sintéticas ............................................ 11
Repintura de paredes com tintas látex, previamente pintadas com caiação ...... 13
Repintura de paredes pintadas com tinta látex (sobre tinta brilhante)................ 13
Pintura de paredes internas com tintas e esmalte ou óleo ................................. 14
Cuidados especiais na pintura ........................................................................... 15
Pinturas externas em paredes............................................................................ 16
Pintura externa com cal...................................................................................... 16
Tintas prontas em pó, aplicadas com pinturas externa ...................................... 16
Pintura de tinta látex em paredes novas externas.............................................. 18
Repintura com tinta látex em paredes em bom estado pintadas com látex ....... 18
Repintura com tinta látex sobre paredes em mau estado .................................. 18
Pintura de tinta látex sobre paredes externas caiadas ou poeirentas ................ 18
Pintura de tinta látex sobre paredes externas com pintura brilhante .................. 18
Pintura sobre alvenaria de tijolos aparentes ou concretos aparentes ................ 19
Pintura com borracha clorada e pintura com epóxi ............................................ 20
Pintura com borracha clorada ............................................................................ 21
Pintura com epóxi............................................................................................... 21
Pintura sobre esquadrias de madeira................................................................. 22
Pintura de esquadrias de madeira a óleo simples. ............................................. 22
Pintura de esquadrias de madeira a meio esmalte ............................................ 23
Pintura de esquadrias de madeira a esmalte polido........................................... 23
Verniz ................................................................................................................. 24
Pintura sobre esquadrias metálicas ................................................................... 28
Pintura à grafita .................................................................................................. 28
Pintura a óleo ou esmalte ................................................................................... 28
Pintura de peças metálicas já pintadas .............................................................. 29
Pintura sobre esquadrias e peças de alumínio ou galvanizadas ........................ 30
Medição dos serviços de pintura ........................................................................ 30
Pintura a óleo, ou esmalte, ou verniz ................................................................. 31
Contratação de serviços de pintura .................................................................... 32
Algumas ferramentas utilizadas nos serviços de pintura.................................... 34
Espaço para anotações...................................................................................... 37
Pintura

A pintura é uma das últimas etapas da construção, inclusive é realizada após uma
limpeza geral da obra.
Dependendo do tipo da tinta é uma etapa bastante cara pelo preço do profissional e das
tintas, além de ser demorada e minuciosa, pois uma pintura mal deteriora a construção
por melhor que esta seja, portanto cuidado ao escolher o profissional, informe-se sobre
seus trabalhos anteriores, acompanhe o serviço, e para isto se faça acompanhar de
pessoas que conheçam sobre pintura.
Ao proprietário cabe a escolha das cores podendo ser assessorado pelo engenheiro ou
pelo arquiteto sobre as cores mais convenientes para cada local da construção e também
do propósito da construção, pois um prédio coletivo ou uma empresa dependerão de
cores convenientes.
Em primeiro lugar, qualquer tipo de tinta deve ser aplicada sobre paredes secas, se a
aplicação for de tinta a base de látex ela retém a umidade na parede que se deteriorará
em pouco espaço de tempo. É comum o aparecimento de bolor que é o escurecimento da
parede e apresenta um cheiro desagradável, pode também, aparecer bolhas em que a
película da tinta estufa e nestes casos a pintura deverá ser refeita.
A caiação não retém a umidade, pois ela não é impermeável, este tipo de pintura permite
que a umidade evapore, mas dificilmente ela é aplicada em construções de alto padrão e
edifícios comerciais. No Brasil caiação é sinônimo de obra barata, o que não ocorre em
outros países. Se aplicar uma primeira demão de cal verificamos todas as imperfeições
das paredes e até a umidade o que deixa a cal amarela, aí se pode lixar e aplicar a tinta
desejada, mas isto muitas vezes é condenada pelos pintores, eles preferem aplicar
secantes nas paredes antes da pintura.
Não se aplica tinta nas construções só pela parte estética com o sentido de tornar a
construção mais bonita, há também a finalidade de proteção, higienização e limpeza.
A maioria das tintas podem ser lavadas depois de aplicadas, mas elas têm um certo
tempo de durabilidade.

5
As cores têm certa influência sobre o humor das pessoas: para refletir a luz devemos usar
cores claras, verde e azul são calmantes, as cores chamadas “quentes”, como vermelho e
laranja devem ser evitadas em ambientes muito amplos, em hospitais e casas de
repouso. É comum atualmente pintar algumas paredes nestas cores, mas não todo o
cômodo.
Cada elemento da construção exige um tipo de tinta e é necessário conhecer para aplicar,
por exemplo, a tinta da madeira e a sua aplicação é diferente dos caixilhos metálicos, as
superfícies tem que ser preparadas antes da aplicação da tinta, devendo se observar que
toda a superfície antes de qualquer procedimento deve estar limpa de qualquer sujeira
que possa haver. A maioria dos pintores usa o ar do compressor para limpar as
superfícies a serem pintadas.
A pintura deve ser executada com tinta de boa qualidade e de maneira correta e devemos
lembrar ainda que as mesmas tem um tempo de duração limitada, precisando para ficar
apresentável uma boa conservação e renovação periódica.
Há muito material novo no mercado, consequentemente muita diversificação de materiais
devido às exigências do mercado da construção civil, hoje temos materiais para pintura
interna e externa, piso, parede, teto, madeira, metal e outros materiais novos que existem
no mercado.

Tipos de Pintura
As Pinturas mais utilizadas são: caiação, sintéticas, óleo, esmalte...

Caiação

A caiação que é a pintura de cal é muito saudável e higiênica. Ela não impermeabiliza a
superfície, ela absorve umidade, fácil de aplicar, mas exige renovação em menor tempo,
pois sua duração é menor que as sintéticas. Aconselha-se aplicar duas demãos para que
não fique muito espessa a tinta. A caiação deve ser aplicada primeiro no sentido
horizontal e a segunda demão no sentido vertical. Ao se aplicar uma nova caiação sobre
6
outra já existente deve-se raspar a antiga com uma espátula metálica e escova a fim de
retirar da parede a pintura antiga e o pó acumulado.
Em paredes novas, deve se retirar com espátula todos os resíduos de massa que possam
ter nas mesmas, deve-se retirar todo o pó existente e possíveis sujeiras.
Em paredes já pintadas anteriormente deve-se proceder da seguinte maneira: passar
escova de aço na caiação já existente. Com cal, gesso ou massa acrílica calafetar todos
os furos e trincos existentes nas paredes, se houver umidade ocasionada por vazamento
de tubulação, infiltração, parede oca, ou outro motivo deve-se efetuar o conserto antes de
iniciar a pintura, fazendo o revestimento necessário. Mofo deve ser retirado com água,
sabão e água sanitária, enxágue bem e espere secar. Nunca se aplica cal em paredes
úmidas.
Como preparar a cal:

Existem muitos tipos de cal no mercado, comprar cal de boa qualidade para não ter
problemas futuros. Observe a cor da cal, cujo branco pode variar na tonalidade. Pode-se
colocar corante na cal branca para colorir ou comprar a cal já colorido que é o mais
indicado para não haver problemas com tonalidade e riscos que ocasionalmente podem
se formar quando a cal não é corretamente preparada.
Para temperar a cal deve-se colocá-la em um recipiente e ir colocando água aos poucos
para fazer a queima da cal que se transforma em uma pasta que não deve ser fina e nem
tão espessa. Deve-se observar que esta queima atinja todas as partículas do recipiente,
caso contrário aconselha-se a passar na peneira para que a pasta de cal fique por igual
não trazendo problemas de partículas que ficarão grudadas na parede, danificando a
caiação. O mais comum hoje é comprar a cal pronta que não precisa queimar, é só
adicionar água na quantidade indicada.
A pasta de caiação deve ser densa na medida certa e pode-se aplicar óleo de cozinha ou
de linhaça na proporção de 1 litro de óleo para duzentos litros de cal temperado, cerca de
0,5% em volume, ou seja para cada 20 litros adiciona-se 1/10 da lata de óleo de 1 litro. A
7
finalidade da colocação do óleo é para a brocha correr na parede e fixar melhor a cal. Há
também nas lojas especializadas fixador de cal de várias marcas.
A aplicação da cal é feita com uma brocha (trincha) após a preparação da cal que deve
ser usada em latas menores daquela em que foi preparada. Deve-se aplicar a primeira
demão no sentido horizontal e a segunda no sentido vertical. A terceira demão só deve
ser aplicada se houver muitas falhas na pintura, caso contrário engrossa muito a
aplicação. Só se efetua a segunda demão quando a primeira estiver seca, nunca aplique
em parede úmida e assim também a terceira. Se a trincha soltar pelos os mesmos devem
ser retirados com as paredes ainda úmidas.
Deve-se escolher cores claras para a caiação colorida, pois a cor forte não produz um
efeito agradável, costuma ficar irregular. Usa-se o mesmo processo da caiação branca,
mas recomenda-se usar a primeira demão na cor branca que é chamada de fundo, após a
aplicação do fundo prepara-se a segunda demão de cal com corante. Há vários corantes
e pigmentos usados na preparação da cal colorida, o mais comum é o Xadrez. Esta
mistura deve ser efetuada com uma madeira seca e esperar que ela se torne uniforme.
Em uma superfície plana teste a cor da cal colorida, pois na parede ela tende a ser
diferente do que se vê na lata. A caiação em cores exige a terceira demão já que a
primeira é chamada de fundo.
Como é uma pintura mais barata tende a ser usada em construções populares, o que não
invalida a sua qualidade. É costume nas cozinhas, banheiros, áreas de serviço, usar tinta
a óleo ou azulejo até uma altura de 1,50 nas paredes e só depois se usa a caiação. Lajes
também podem ser pintadas de cal, usando o mesmo procedimento das paredes internas
e externas.

Pintura interna de paredes e forro a óleo


É a pintura cujo acabamento é considerado de luxo, especialmente quando aplicada
sobre paredes aparelhadas com massa plástica.
Antigamente, as caiações eram consideradas pinturas pobres, de bom acabamento as
pinturas a têmpera, a acabamento luxuoso a pintura a óleo.
A pintura a óleo será estudada sob duas formas: pintura a óleo sem massa plástica e
pintura a óleo sobre massa plástica.
Pintura a óleo sem massa plástica – Este tipo de pintura é aplicado em onde não há
preocupação quanto ao acabamento, pois não estando a parede aparelhada, todos os
defeitos do revestimento após a pintura, tornando-se mais visíveis.

8
Essa forma de pintura é feita em locais onde se pretenda que a parede fique
impermeável. É comum seu emprego em cozinhas e banheiros de acampamento de
obras, barracões, garagens, etc.
Com paredes aparelhadas, poderá essa pintura substituir outros tipos de barras
impermeáveis nas cozinhas, banheiros, lavanderias, etc., pois a pintura a óleo, para
formar o fundo.
A execução dessa pintura, é feita da seguinte forma:
1) Aplicar uma demão de cal sobre a parede onde será aplicada a pintura a óleo, para
formar o fundo.
2) Aplicar uma demão de liquido impermeável especial para acabamento a óleo, vendido
nas casas de tintas.
3) Aplicar uma demão de tinta a óleo, deixar secar, e em seguida, aplicar nova demão de
tinta a óleo, totalizando então, duas demãos.
Pintura a óleo sobre a massa plástica – A massa plástica tem a finalidade de aparelhar a
parede, isto é, deixá-la perfeitamente lisa, sem defeitos, para receber a pintura de
acabamento.
Essa massa plástica é constituída de uma pintura de gesso e alvaiade em partes iguais,
com adição de partes iguais de óleo de linhaça e aguarrás que formam uma pasta, na
qual se adiciona um secante, para que endureça mais rapidamente depois de aplicada na
parede.

Gesso crê (50%) Óleo de linhaça


(50%)
+
Dissolve em:
+
Massa plástica = Alvaiade (50%)
Aguarrás (50%)
+ secante

O secante também é vendido nas lojas de tintas.


A quantidade do liquido formado pelo óleo de linhaça e aguarrás colocado, para se
misturar com o gesso e o alvaiade, vai depender da consistência que sequeira das à
massa resultante.
O óleo de linhaça é misturado à aguarrás para dissolver melhor, pois esta é um solvente.
Com a aplicação da massa plástica, podemos na pintura a óleo, obter três tipos de
acabamento: liso, batido à escova, pastel.
Pintura a óleo sobre massa plástica com acabamento liso – Maneira de execução.

9
1) Dar uma demão de caiação simples, para formar o fundo. A parede ficará com o
revestimento totalmente branco e uniforme.
2) Aplicar uma demão de liquido impermeável especial para receber a tinta a óleo.
3) Fazer a aplicação da massa plástica na parede com espátula, procurando conseguir
uma superfície bem lisa.
4) Quando a massa plástica secar (ficar bem dura), lixar a parede toda com uma lixa bem
fina para madeira.
5) Passar uma escova de pelos bem moles, ou espanador, para retirar o pó da parede
lixada.
6) Como acabamento final, aplicar duas demãos de tinta a óleo, sendo a segunda demão
aplicada quando a primeira estiver seca.
As tintas a óleo são vendidas com acabamento brilhante e acabamento fosco (sem
brilho), motivo pelo qual a aplicação dessas tintas pode ser fosca ou brilhante.
Para acabamento da pintura a óleo brilhante, dá-se a primeira demão com tinta a óleo
fosca e a segunda demão com tinta a óleo brilhante.
Para acabamento da pintura a óleo fosca, a primeira demão será feita a óleo brilhante e a
segunda demão a óleo fosca.
A pintura a óleo sobre a massa plástica fica muito bonita, pois a parede fica bem lisa e a
cor uniforme, devendo para isso a massa plástica ser aplicada por profissionais
competentes.
Sendo ela aplicada de maneira incorreta, com sulcos, lixamento mal feito, irá
comprometer o acabamento final da pintura, tornando-se feio.

Pintura a óleo sobre massa plástica

Acabamento batido à escova


Essa pintura deve ser executada da seguinte forma:
1) Dar uma demão de caiação para formar o fundo.
2) Aplicar uma demão de liquido impermeável para recebera tinta a óleo.
3) Aplicar a massa plástica, de maneira pouco densa.
10
4) Bater a massa à escova, antes que ela seque, para deixar a superfície bem rugosa,
quando seca.
5) Finalmente, fazer a aplicação de duas demãos de tinta a óleo, dando-se acabamento
fosco ou brilhante, conforme já explicado.

Pintura a óleo sobre massa plástica, com acabamento a pastel.


Executá-la conforme segue:
1) Dar uma demão de caiação, para formar fundo.
2)Dar uma demão de liquido impermeável especial para a tinta a óleo.
3) fazer a aplicação da massa plástica e, enquanto ela ainda estiver mole, aplicar os
desenhos que marcarão o formato na massa. Esses desenhos que ficam marcados na
massa plástica (pastel), são executados com rolete, pente, etc., conforme o desenho.
4) A seguir, faz-se a aplicação das duas demãos finais com a tinta a óleo, com
acabamento fosco ou brilhante.
Para qualquer tipo de pintura a óleo utilizado nas paredes, o forro é sempre executado
com pintura a óleo, com acabamento liso.

Pintura das paredes internas com tintas sintéticas


As tintas sintéticas apareceram no mercado por volta de 1946, fazendo grande sucesso
por ser uma novidade e pela facilidade de aplicação, além de possuírem cores muito
bonitas.
É uma tinta à base de látex e solúvel em água.
Um galão de tinta é dissolvido com meio galão de água (ou alguma outra aplicação
especificada pelo fabricante).
É uma tinta que pode ser aplicada nas paredes com pincel ou rolo. Sua aplicação é sobre
a massa corrida, devendo-se levar em consideração a preparação da parede, antes da
aplicação da massa corrida.
Para bons resultados finais, é conveniente aplicar produtos sempre do mesmo fabricante.

Aplicação de tinta látex nas paredes internas novas, usando produtos Coral
Modo de aplicação:
1) Sobre a parede nova aplicar uma demão de liquido selador, se o revestimento estiver
firme. Se o revestimento esfarela (massa fraca) e para evitar posterior descascamento,
aplicar uma demão de liquido preparador de paredes.

11
2) Desejando-se acabamento fino, aplicar com a espátula massa corrida em camadas
bem finas (que nada mais é que a massa plástica vendida já preparada pela fábrica).
3) Estando a massa corrida aplicada (e bem seca), lixar com lixa par madeira nº 60 ou nº
80. Os números das lixas, referem-se à sua espessura; os números citados, (60 e 80),
dizem respeitos às lixas finas.
4) Após a aplicação da lixa, passar sobre a parede um pano úmido, para retirada do pó. O
pano devera estar limpo, para não sujar a parede.
5) Para economia da quantidade de tinta, recomenda-se a aplicação de uma demão de
liquido selador sobre a massa corrida que foi lixada, para que as parede absorva a tinta
de maneira uniforme, pois não existindo essa uniformidade, a tonalidade da pintura será
diferente em vários pontos, de acordo com a quantidade de tinta absorvida pela parede.
6) Aplicado o liquido selador, deixa-se secar.
7) Parede seca, aplicar duas a três demãos de tinta látex, conforme as instruções
contidas no rótulo da lata. Nunca aplique nova demão, se a demão anterior não estiver
totalmente seca.
As tintas látex são vendidas nas cores prontas, e você as escolhe, de acordo com o
mostruário.
No entanto, se no mostruário não constar tintas nas cores de seu agrado, pode-se
comprar tintas látex branca, e misturar corantes, até se obter a cor desejada.
Aplicação de tinta látex sobre paredes velhas (paredes que já foram pintadas).
A operação de pintar novamente paredes que já foram pintadas recebe o nome de
repintura.
A repintura pode ser efetuada em 4 casos:
1) Repintura de paredes em bom estado – Procedimentos:
a) Escovar a parede para certificar-se se a película de tinta existente se destaca. Caso
isso aconteça, retirar totalmente essa película, com espátula.
b) Aplicar as demãos de tinta látex diretamente sobre a parede previamente limpa com
um pano úmido, para retirada do pó.
2) Repintura de paredes em mau estado – Procedimentos:
a) Retirar totalmente a pintura existente com escova de aço e espátula, procedendo-se
posteriormente ao lixamento. Durante a aplicação da escova e espátula, deve-se tomar
cuidado para não “manchar” o revestimento, para não ser preciso depois, tapar os
buracos com massa.
b) Com pano limpo e úmido, limpar a parede, para retirada do pó.
c) Após a retirada do pó, aplicar uma demão de liquido preparador de parede.
12
d) Estando seca essa demão, podemos complementar a pintura com duas ou três
demãos de tinta látex, conforme o aspecto da uniformidade da cor.
Repintura de paredes com tintas látex, previamente pintadas com caiação.

As paredes pintadas com cal, não devem receber a repintura com tinta látex (ela ficara
danificada).
Tais paredes devem ser convenientemente preparadas, de acordo com esses
procedimentos.
1) Remover totalmente a caiação com escova de aço ou espátula.
2) Eliminar o pó com pano úmido.
3) Neutralizar toda a cal existente, com uma demão de água mais água sanitária (tipo
Cândida).
4) Após a parede estar seca, aplicar uma demão de liquido preparador de paredes
misturado com aguarrás na proporção de 1:1 (1 volume de liquido preparador e 1 volume
de aguarrás).
5) Quando a parede estiver seca, aplicar a tinta látex (duas ou três demãos), conforme a
uniformidade da cor.

Repintura de paredes pintadas com tinta látex (sobre tinta brilhante)

Procede-se da seguinte forma:


1) Lixar a parede, eliminando o brilho.
2) Com pano úmido e limpo, retirar totalmente o pó da parede.
3) Estando seca a parede, proceder à pintura com a tinta látex (duas ou três demãos),
obedecendo-se ao aspecto uniforme da pintura.
Resumo da pintura com tinta látex nas paredes e externas, conforme especialização do
fabricante Coral:

13
Liquido selador Coralatex (P.V.A)
Preparação da superfície
Liquido preparador de paredes coral
Emassamento Massa corrida Coralatéx
Coralatex extra
Acabamento com tintas látex (tipos de Coralar
tintas) Coralmur
Coralplast interior
As paredes pintadas com tintas látex poderão ser lavadas com água e sabão neutro, de
preferência após 30 dias a pintura ter sido efetuada, tempo necessário para que a película
de tinta fique firme.

Pintura de paredes internas com tintas e esmalte ou óleo, com produtos prontos
Quando estudamos a aplicação de tintas a óleo sobre massa plástica, descrevemos a
maneira de protegê-las.
Atualmente, a massa plástica não mais é preparada na obra, preferindo os pintores
comprá-la já pronta, por proporcionar menos trabalho.
Baseado nesse fato, vamos mostrara como se efetua a pintura a esmalte ou a óleo sobre
paredes, com produtos existentes no comércio. Vamos considerar os produtos Coral e
suas especificações.
Aplicação de tinta a esmalte ou óleo, sobre paredes novas
Sequência de execução dos serviços.
1) Aplicar inicialmente uma demão de liquido preparador de paredes.
2) Deixar secar, aplicando-se após a massa a óleo com a espátula, em camadas finas.
3) Secando, lixar com lixa fina para madeira nº 60 ou 80.
4) Remover o pó, com pano limpo e úmido, embebido com aguarrás.
5) A seguir, estando a parede seca, aplicar duas demãos de tinta a óleo ou esmalte,
esperando-se secar a primeira demão, para aplicar a segunda.

Repintura com tinta a óleo ou esmalte, nas paredes pintadas com látex.
No caso, temos a parede em bom estado, pintada com tinta látex, que agora será pintada
com tinta a esmalte ou óleo.
Devemos proceder da seguinte forma:
1) Escovar a pintura executada com látex, retirando películas da tinta.
2) Com um pano úmido e limpo, retirar da parede o pó proveniente do escovamento.
3) Aplicar duas demãos de tinta a esmalte ou óleo.

14
Repintura em paredes em bom estado, pintadas com tinta a esmalte ou a óleo.
Trata-se no caso, de repintar as paredes que tenham sido pintadas com tinta a óleo ou
esmalte.
O procedimento pode ser assim descrito:
1) Lixar as paredes com lixa para madeira nº 80 ou 100, até eliminar o brilho.
2) Passar um pano úmido embebido em aguarrás, para eliminar o pó resultante do
lixamento.
3) Aplicar como acabamento, a tinta a óleo ou esmalte.

Repintura de paredes em mau estado, com tinta a óleo ou a esmalte.


Modo de execução.
1) Remover as partes soltas das tintas e revestimentos existentes, com espátula ou lixa.
2) Aplicar uma demão de liquido preparador de paredes, nas partes que deverão ser
preparadas.
3) fazer os reparos necessários, com massa a óleo.
4) Lixar a parede com lixa nº 8 ou nº 10, para deixá-la bem lisa.
5) Retirar o pó do lixamento com pano úmido com água, ou aguarrás.
6) Aplicar uma demão de fundo tingido na cor do acabamento.
7) Estando seca a parede, aplicar como acabamento, duas a três demãos de tinta a óleo
ou esmalte.

Cuidados especiais na pintura


Para que seja obtida uma boa pintura em paredes novas ou velhas, é aconselhável;
1) Efetuar a pintura em paredes que tenham o reboco sido feito a pelo menos trinta dias,
tempo necessário para que toda a cal do revestimento tenha se extinguido.
2) Eliminar e refazer o reboco solto.
3) eliminar as causas que produzem umidade na parede, secando-a.
4) As manchas gordurosas existentes na parede, provenientes dos encanadores ou
eletricistas, devem ser retiradas com uma solução de água morna com detergente
(Limpol, Minerva, etc.).
5) O eventual mofo existente nas paredes, deve ser retirado com uma solução de água
com água sanitária (Cândida); depois, enxaguar a parede, deixando-a secar.

15
Com os tipos de pintura mostrados para serem aplicados em paredes internas e forros,
acreditamos ter fornecido todas as opções possíveis e comumente aplicadas nas pinturas
de residências ou prédios, e demais construções.

Pinturas externas em paredes


A pintura externa tem duas funções importantes:
a) Proteção do revestimento das paredes contra as intempéries.
b) Dar bonito acabamento, na cor, na estética, embelezando a construção.
Se antes, a tinta tinha como papel fundamental a proteção do revestimento, atualmente,
nas construções populares, com a finalidade de se economizar, não mais se aplicam os
revestimentos internos, ficando para as tintas a difícil tarefa de proteger as alvenarias sem
o revestimento.
Percebe-se que para essas casas, as tintas devem ter acentuadas propriedades de
impermeabilização, a fim de evitar que a água das chuvas penetre na alvenaria, indo
consequentemente, umedecer as paredes do lado interno.
Vamos inicialmente, estudar as pinturas externas sobre paredes revestidas.

Pintura externa com cal.


Trata-se de caiação simples ou à cores, utilizada em paredes nas quais tenha sido
aplicado revestimento impermeabilizado (argamassa com impermeável).
A pintura à caiação não é permeável, portanto, sua aplicação em revestimentos comuns,
sem impermeabilização, acarreta a passagem da umidade do lado externo para o interno.
Na caiação externa a cores, deve-se evitar cores vivas, pois estas, em contato com a
água das chuvas desbotam, não ficando portanto, informes. Deve-se evitar as cores
vermelhas, azul, verdes, cinza, ocre, usando-se sempre cores claras, como o branco,
creme, etc.
Tintas prontas em pó, aplicadas com pinturas externa.

16
No comercio existem vários tipos de tinta em pó, aplicáveis nas paredes externas.
Apresentam, porém problemas de impermeabilização, isto é, não seguram a umidade das
águas provenientes de chuvas, embora seus fabricantes afirmem o contrario.
Dentre essas tintas, a que melhor resultado apresentou quanto à impermeabilização, foi o
cimentol extra, cujas características dadas pelo fabricante, apresentamos abaixo:
Finalidade: tinta impermeável para paredes externas.
Cor: branca ou varias cores, conforme o catálogo.
Propriedade: É uma tinta em pó, vendida em latas de 5 kg, 20 kg e 50 kg. Tinta à base de
cimento, de grande durabilidade e resistência ao desgaste. É impermeável e decorativa,
mantém aparência inalterável; é lavável com água e escova.
Essa tinta é aplicada sobre concreto, alvenaria, pedra, fibrocimento, se incorporando na
superfície e nunca se destacando.
Não pode ser aplicada sobre ferro, madeira e paredes com caiação, ou pinturas que
contenham óleo. Estas devem ser removidas antes da aplicação do cimentol.
É utilizada em pinturas externas de residências, edifícios, escolas, obras públicas e nas
construções industriais.
Preparo das paredes para receber a tinta cimentol extra – Sendo paredes antigas, raspar,
a pintura existente, lavando-a em seguida.
Umedecer as paredes com água limpa, por meio de rolo de pintura, antes de cada
aplicação.
Preparação da tinta: para duas partes de cimentol, adicionar uma parte de água; mexer
bem até obter uma pasta homogênea e bem lisa. Deixar a pasta repousar durante 10
minutos e diluir com água, até obter a consistência necessária para pintar (a variação da
água é de 1/2 a 1 parte). Manter sempre a mesma diluição em toda a demão de pintura.
Cuidados – Não preparar mais a tinta que o necessário para a primeira hora de serviço.
Evitar uma secagem rápida, umedecendo a pintura com água limpa. Tão logo esteja
secando (dentro 1 a 2 horas), usar novamente o rolo de pintura. Entre uma demão e
outra, espera 1 dia. A ultima demão poderá ser batida à escova ou com aplicação a rolo
(rústica).
Consumo de tinta: 400g/m², proporcionando boa cobertura com três demãos.

Algumas vezes, essa tinta não produz os resultados especificados pelo fabricante, devido
À sua forma incorreta de preparação e aplicação.

17
Aplicação de tinta látex nas paredes externas, segundo instruções contidas no
catálogo das tintas Coral
Pintura de tinta látex em paredes novas externas – As instruções para sua aplicação
são as seguintes:
1) Aplicar uma demão de selador acrílico ou liquido preparador de paredes, diluído com
aguarrás na proporção de 1:1, se a argamassa for fraca ou o reboco estiver solto,
deixando-se secar.
2) Pretendendo-se um acabamento perfeitamente liso, aplicar uma demão de massa
acrílica.
3) Pretendendo-se um acabamento texturizado, aplicar a textura acrílica.
4) Como acabamento, aplicar duas a três demãos de tinta látex P.V.A. para exteriores ou
tinta látex acrílico. Deixar secar bem, antes de aplicar as demãos.

Repintura com tinta látex em paredes em bom estado pintadas com látex.
1) Limpar totalmente a pintura existente com a escova.
2) Limpar o pó com pano limpo e úmido.
3) Aplicar duas a três demãos de tinta látex.

Repintura com tinta látex sobre paredes em mau estado.


1) Remover a pintura existente com espátula, escova de aço ou lixa, tomando-se cuidado
para não “ferir” o reboco.
2) Limpar o pó existente com pano limpo e úmido.
3) Aplicar uma demão de selador acrílico, ou estando o reboco esfarelando, aplicar uma
demão de liquido preparador de paredes diluído e aguarrás na proporção de 1:1.
4) Estando seca a parede, aplicar o acabamento com duas a três demãos de tinta látex.

Pintura de tinta látex sobre paredes externas caiadas ou poeirentas.


1) remover a caiação existente (o máximo possível), com escove de aço.
2) Eliminar o pó com pano limpo e úmido.
3) aplicar uma demão de liquido preparador de paredes, diluído em aguarrás na
proporção de 1:1.
4) Aplicar a tinta látex como acabamento, com duas a três demãos.

Pintura de tinta látex sobre paredes externas com pintura brilhante.


1) Lixar a parede para retirar o brilho.
18
2) Remover o pó existente com pano úmido.
3) Aplicar como acabamento, duas a três demãos de tinta látex P.V.A. para exteriores, ou
tinta látex acrílico.
Resumindo as etapas e produtos utilizados para pinturas externas com tinta látex, temos:

 Preparação da parede com: liquido preparador de paredes ou selador acrílico.


 Emassamento: massa acrílica.
 Texturização: látex textura acrílico.
 Tintas de acabamento: Coralatex extra, Coralmur P.V.A., Coralmur 100% acrílico.

Cuidados especiais recomendados para pinturas externas.


1) Evitar pintar em dias chuvosos.
2) Em dias de muito calor, umedecer a parede antes da pintura.
3) para paredes novas, só aplicar a pintura 30 dias após o revestimento.
4) Eliminar as gorduras e o mofo, utilizando solução de água e detergente (para as
gorduras) e solução de água sanitária (para o mofo). Enxaguar bem a parede com água
limpa.

Pintura sobre alvenaria de tijolos aparentes ou concretos aparentes

Chama-se alvenaria de tijolos aparentes, as alvenarias constituídas de tijolos comuns de


barro, fabricados com esmero, e/ou tijolos laminados, bem assentes com juntas
perfeitamente horizontalizados e uniformes, sem revestimento.
Essas alvenarias são executadas nas fachadas, portanto sujeitas às intempéries, devendo
por isso, serem protegidas por pinturas impermeáveis, pinturas essas que não alterem o
visual das alvenarias, seja na cor, seja na aparência.
O único tipo de tinta apropriado que tem características de impermeável e transparente,
não altera o aspecto da alvenaria, é a tinta à base de silicone.
A Acquella, por exemplo, apresenta as seguintes características:
a) É um liquido incolor, inflamável, à base de silicone.
19
b) Aplicada sobre superfícies, torna-as repelentes à água, impedindo a penetração da
umidade.
c) não modifica a aparência da alvenaria, ou outro material qualquer, pois é transparente.
d) Evita o aparecimento de eflorescências e manchas.
e) É aplicada sobre concreto aparente, alvenaria à vista (aparente), revestimentos,
cerâmicas, pastilhas, telhas, etc.
Modo de usar: limpar bem a superfície, retirando todo o pó com pano úmido, devendo a
superfície estar bem seca.
Aplicação: a tinta é aplicada com trincha ou pulverizador de baixa pressão com uma só
demão bastante farta, a ponto de escorrer.
Depois de aplicada, a Acquella requer o mínimo de duas horas de tempo firme para secar.
Consumo: aplicada sobre tijolos comuns, blocos de concreto e pedra mineira, 1 litro de
tinta = 2 m²; tijolo cerâmico, concreto aparente e reboco = 1 litro = 4 m².
O que foi explicado para alvenaria aparente, é valido para o concreto aparente.
Para concreto aparente sujeito à atmosfera agressiva, como a poluição industrial, o verniz
poliuretânico, como pintura protetora, traz melhor resultado.

Pintura com borracha clorada e pintura com epóxi


São pinturas especiais utilizadas sobre paredes que sofrem a ação da umidade;
substituem os revestimentos impermeáveis.
Os banheiros modernos de acabamento de alto luxo utilizam esse tipo de pintura, bem
como as cozinhas, e também, as piscinas.
A dificuldade maior para sua aplicação, esta na qualidade dos materiais, bem como a falta
de conhecimento profissional dos pintores.
É muito grande o número de obras de alto padrão de acabamento em que essa pintura foi
aplicada, e que tiveram resultados desastrosos. Em pouco tempo a pintura se destacou,
estragando-se completamente pela ação da água.
Para explicar como se procede a aplicação dessas pinturas, vamos nos basear nas
informações do manual das Tintas Coral, na utilização dos materiais recomendados, para
obter resultados positivos, pois não convém aplicar materiais de diversos fabricantes.
Para a aplicação da pintura com borracha clorada e pintura com epóxi, o revestimento
deve ser feito conforme explicaremos a seguir. Denominaremos esse revestimento como
revestimento especial.
As paredes devem ser revestidas com argamassa sem cal. O traço é de cimento e areia
(1:3), não devendo esse revestimento conter nenhum impermeável (vedacit, sika, etc.).
20
Para aplicação da tinta, deve-se aguardar a cura do revestimento em pelo menos 40 dias,
para que o cimento chegue à resistência máxima, e o revestimento e bom acabamento.
Pintura com borracha clorada – Executado o revestimento especial, e decorridos pelo
40 dias, aplica-se o esmalte coralflex, que tem boa durabilidade e bom acabamento.
Em paredes velhas, também pode-se aplicar o esmalte coralflex, desde que esteja limpa e
isenta de pó, reboco solto, gorduras, ferrugens e umidade.
Quando se pretende das um acabamento superficial de alta dureza e resistência, prepara-
se a superfície com massa epóxi catalizável FB-5634.
Como acabamento, aplicar Coralflex, na cor desejada em duas ou três demãos,
respeitando o intervalo de 12 horas entre elas.
Para melhorar a consistência da tinta para pintura a rolo ou pincel, usa-se o solvente SB
1377; se a tinta for aplicada a revolver, usar diluente SB 1350.

Obs.: A borracha clorada não é recomendada nas paredes da cozinha ou em ambientes


sujeitos a vapores gordurosos. Quando se utilizar o rolo de pintura para sua aplicação, ele
deverá ser de lã de carneiro.
Pintura com epóxi

Epóxi é uma tinta de alta resistência, à base de dois componentes.


Na fase de preparação da superfície, aplicar uma demão de coramax primer branco
poliamida FB 6396, misturando na proporção de 5:1 com o convertidor SB 5335.
Desejando-se um acabamento superficial bem liso, aplicar a massa epóxi FB 5634,
misturando com o convertidor SB 5234.
Como acabamento, aplicar de 2 a 3 demãos de coramax epóxi poliamida, misturada na
proporção de 3:1 com convertidor SB 5277, respeitando um intervalo de 24 horas entre as
demãos.
Caso haja necessidade de solvente para a tinta, usa-se o solvente SB 1202 para
aplicação a revólver, e, SB 1327 para aplicação a rolo ou pincel.

Obs.: a) na fase de preparação da parede, para preparação da mistura, tanto do primer,


como da massa e da tinta com o convertidor. Ler atentamente as instruções do rótulo;
21
b) todas as marcas dos materiais citados foram extraídas do manual de pinturas das
Tintas Coral S.A.;
c) dada a complexidade desses tipos de pintura, aconselha-se que os serviços a serem
empreitados, sejam com profissionais experientes, poucos na verdade.

Pintura sobre esquadrias de madeira


Nossa explicação via abranger a execução da pintura de esquadrias de madeira, feita
com a preparação dos materiais na própria obra, ou apenas com as tintas já compradas
prontas, ou ainda, considerando a compra de todos os materiais já prontos, bastando
apenas aplicá-los.
Apresentando essas opções, caberá ao mestre-de-obras, caso deseje trabalhar como
empreiteiro de pinturas, escolher a forma mais conveniente.
Os tipos de pintura mais utilizados em esquadrias de madeira são:
 pintura a óleo simples
 pintura a meio esmalte
 pintura a esmalte polido
 verniz
 cera
 pintura a óleo ou esmalte com materiais prontos.
Nossa descrição sobre esse assunto está baseada nas obras:
Pratica das Pequenas Construções do Prof. Alberto C. Borges;
Materiais de Construção de Eladio G. R. Petrucci.

Pintura de esquadrias de madeira a óleo simples.


Para a pintura a óleo simples, a sequência dos trabalhos é a seguinte, pela ordem:
1) Lixar bem a esquadria, deixando-a bem lisa.
2) Aplicar uma demão de tinta bruta preparada na obra, com alvaiade + aguarrás +
secante. Mistura-se o alvaiade com a aguarrás, até se obter a consistência de uma tinta;
adiciona-se secante à mistura, para que esta não demore a secar quando aplicada.
3) Aplica a massa de calafetação nos eventuais buracos e imperfeições da madeira, tais
como nós, trincos, etc. A massa de calafetação é feita na obra com uma mistura de gesso
crê e óleo de linhaça, sendo que a quantidade dos componentes está em função da
consistência da massa, mais dura ou mais mole.
4) Feita a aplicação da massa de calafetação, fazer o lixamento da esquadria
integralmente.
22
5) Retirar todo o pó com pano úmido.
6) Aplicar uma demão de tinta a óleo fosca.
7) Aplica a segunda demão com tinta a óleo brilhante.
Esse tipo de pintura é normalmente executado nas portas, janelas, etc., sendo chamado
de acabamento normal.

Pintura de esquadrias de madeira a meio esmalte


É um acabamento melhor que o anterior, utilizado em obras de bom acabamento.
A sequência de execução é a seguinte, pela ordem:
1) Lixar esquadria com lixa de madeira.
2) Aplicar uma demão de tinta bruta (alvaiade + aguarrás + secante).
3) Aplicar a massa de calafetação para cobrir as imperfeições da madeira.
4) Aparelhar a esquadria, lixando-a com lixa de madeira.
5) Após o lixamento, aplicar a massa corrida, cuja composição é idêntica à aplicada nas
paredes.

Obs.: Utiliza-se a mistura: 50% de alvaiade + 50% de gesso crê, misturada com liquido
formado pela mistura de 50% de óleo de linhaça + 50% de aguarrás e um pouco de
secante, para a massa endurecer mais rapidamente. Essa mistura devera ter a
consistência de uma massa, e será aplicada na sequência, com a espátula.

6) Aplicada amassa corrida e estando bem seca, lixar novamente o caixilho, que devera
ficar com a superfície bem lisa.
7) Aplicar a primeira demão de tinta a óleo fosca.
8) Estando seca a primeira demão, aplicar a segunda demão de tinta a óleo, misturando
50% de tinta a óleo fosca + 50% de tinta a óleo brilhante.

Pintura de esquadrias de madeira a esmalte polido


Trata-se de uma pintura com acabamento de alto luxo, somente executada por
profissionais super-especializados, sendo considerados verdadeiros artistas.
Acreditamos que o mestre-de-obras dificilmente terá oportunidade de ver tal tipo de
pintura, porém como tudo é possível, veremos a sequência de sua execução.
1) Preparar a esquadria, lixando-a totalmente.
2) Aplicar a primeira demão de tinta bruta.
3) Aplicar a massa de calafetação.
23
4) Aparelhar a esquadria com lixa de madeira.
5) Aplicar a massa corrida sobre a esquadria.
6) Aplicar a massa corrida com lixa d’água; a superfície da esquadria ficara bem lisa,
quase que espelhada. Para que o lixamento seja uniforme, a esquadria é colocada sobre
cavaletes, na posição horizontal
7) Aplicar a tinta esmalte como acabamento final.
A pintura também é feita com a esquadria na posição horizontal, apoiada sobre os
cavaletes, para evitar que a tinta escorra verticalmente.
O local de aplicação da tinta deve estar isenta de pó, sendo que, inclusive as latas devem
ser abertas na hora da aplicação, para evitar que a poeira caia sobre a tinta.
Os pinceis deverão ser de pêlo não muito duro para não riscar a pintura, dando-se
preferência a pinceis semi-usados, bem macios.
Com esses cuidados, consegue-se uma película de tinta lisa, sem qualquer defeito.

Verniz
A pintura a verniz das esquadrias, quando não ficam sob a ação do sol ou da chuva,
estando bem protegida pode durar mais de dez anos, sendo, portanto uma pintura
econômica.
Para esse tipo de pintura, as esquadrias de madeira não devem apresentar defeitos,
defeitos esses não escondidos pelo verniz, pois se trata de uma pintura transparente.
As esquadrias de madeira mais baratas, como a peroba, cedro, imbuia, canela, quando
aplicada a verniz, tornam-se de coloração escura, escurecendo por consequência, os
ambientes.
Ficam muito bonitas as esquadrias de madeira clara, como o marfim, cerejeira, etc.,
quando envernizadas, sendo o custo, porém muito elevado.
A madeira das esquadrias deve ser protegida dos respingos de cal ou cimento, ou ainda
tintas, pois eles queimam e mancham madeira, escurecendo-a. Com aplicação do verniz
essas manchas aparecem, deixando-a com péssimo aspecto.
O ideal, quando da colocação das esquadrias, é aplicar uma fina demão de óleo de
linhaça, para protegê-la quanto aos respingos acima mencionados.
Quando na obra, temos esquadrias de madeira cuja coloração não é uniforme, ou
apresentam algum defeito, podemos em parte ocultá-los aplicando uma demão de extrato
de nogueira, que tem a propriedade de escurecer qualquer madeira, disfarçando-os.
Cabe aqui um comentário. No ato da compra das esquadrias, já devemos saber se elas
serão pintadas ou envernizadas. Caso sejam pintadas, não haverá preocupação quanto a
24
sua aparência, pois a tinta cobrira os defeitos, o que não acontece com as esquadrias que
serão envernizadas.
A aplicação do verniz na esquadria de madeira obedece a seguinte sequência, pela
ordem:
1) Lixar a esquadria com lixa de madeira.
2) Aplicar uma demão de verniz diluído em aguarrás (50% de verniz com 50% de
aguarrás).
3) Secando a primeira demão, aplicar a segunda demão, com 90% de verniz e 10% de
aguarrás.
4) Secando a segunda demão, aplicar a terceira demão de verniz (50% de verniz
misturado com 50% de aguarrás).
A aplicação de verniz nas esquadrias sujeitas à ação das intempéries, dever ser com
verniz especial tipo Naval, que é bastante caro. Aplicando-se o verniz comum, sua vida
útil será pequena, descascando rapidamente.
Vamos agora mostrar aplicação de verniz em qualquer peça ou esquadria de madeira,
especificando o nome do verniz e o nº das lixas. Evidentemente, conforme a qualidade da
matéria, as proporções serão diferentes das anteriormente indicadas.
Aplicação do verniz em madeiras novas (que nunca receberam pintura).

Sequência da aplicação:
1) Lixar a superfície da madeira nova, com lixa para madeira nº 60.
2) Remover o pó do lixamento.
3) Aplicar novo lixamento na madeira, com lixa nº 100 (para madeira).
4) Remover todo o pó com o pano embebido em aguarrás.
5) Aplicar a primeira demão de verniz, diluído na proporção de 1:1 com aguarrás.
6) Deixar secar.
7) lixar novamente a superfície com lixa de madeira nº 120, retirando o pó.
8) Aplicar a segunda demão, diluindo o verniz com aguarrás, na proporção de 2 partes de
verniz para 1 parte de aguarrás.
9) Deixar secar.
10) Lixar com lixa nº 150 (madeira) removendo o pó.
11) Aplicar a terceira demão pura ou diluída em aguarrás, se necessário.
As dosagens descritas referem-se à utilização de aguarrás marca Coralraz e os vernizes
que poderão ser aplicados:

25
 Verniz Marinho Coramar com filtro solar para esquadrias externas, sujeitas à
intempéries.
 Verniz Poliuretânico Coral Marinho 1 componente (para ambientes internos ou
externos).
 Verniz Poliuretânico 2 componentes (para ambiente externo).
 Verniz Fosco Aceitinado Coral – somente para ambientes internos.
 Verniz Copal – somente para ambientes internos.
Outros fabricantes de verniz fornecerão novas dosagens, porém somente o pintor
experiente poderá dosar a sua pintura (verniz + aguarrás), de maneira mais conveniente e
econômica.
Cada pintor, em função de sua experiência, terá, evidentemente, uma preferência
especial por determinada marca de tinta ou verniz.
As duas maneiras apresentadas de se executar pintura a verniz, dizem respeito a serviços
executados de maneira correta, sabendo-se é, claro que existem pintores de baixo nível
profissional, que para aplicação do verniz, procedem inicialmente a um lixamento
executado de qualquer forma, não se preocupando quanto à diluição do verniz com
aguarrás, executando enfim, um trabalho irregular.
Repintura com verniz de peças já envernizadas – No caso de repintura, se a antiga
pintura estiver em bom estado, lixar a peça com lixa de madeira nº 150, até eliminar
totalmente o brilho. Em seguida, retirar o pó com pano úmido, e fazer a aplicação do
verniz, conforme já explicado anteriormente.
Aplicação de cera nas esquadrias de madeira
Quando as esquadrias são feitas com madeiras nobres, isto é, com madeiras formando
lindos desenhos, tais como, cerejeira, caviúna, jacarandá, sucupira, etc., por razoes de
decoração, procura-se realçar sua beleza, aplicando cera.
A cera aplicada é incolor. Dá um brilho discreto na madeira, realçando todos os veios
(ramificações) e protegendo-a contra o ressecamento.
O enceramento (aplicação de cera) é feito por profissionais especializado, chamado de
Lustrador.
A aplicação da cera é com um chumaço de pano amarrado, chamado de boneca, da
mesma maneira como é efetuado o lustramento dos móveis.

Pintura de tinta a óleo ou esmalte, nas esquadrias de madeira com materiais prontos.

26
Nas explicações sobre pinturas em esquadrias de madeira, você deve ter percebido que o
preparo da esquadria é efetuado com material preparado na própria obra, aproveitando
como produto já pronto, apenas a tinta.
Realmente, a grande maioria dos pintores procura aplicar materiais já prontos, vendidos
nas casas de tintas, não se preocupando em prepará-los, ou por economia de mão-de-
obra, ou por desconhecer como o material é feito.
Baseado nesse fato, vamos descrever como é feita a pintura nas esquadrias, dando o
nome das tintas, e para isso, baseamo-nos em informações contidas no manual das
Tintas Coral.

Aplicação de tinta a óleo ou esmalte, em esquadrias de madeira nova – A sequência dos


serviços, pela ordem, é a seguinte:
1) Lixar a superfície nova com lixa de madeira nº 80 ou nº 100.
2) Remover o pó com pano embebido em aguarrás.
3) Aplicar uma demão de fundo sintético nivelador, que permite um bom lixamento,
uniformização da superfície e economia da tinta de acabamento.
4) Lixar com lixa de madeira nº 120.
5) Remover o pó.
6) Para conseguir fino acabamento nas superfícies internas, aplicar massa a óleo Coral.
7) Lixar com lixa de madeira nº 80.
8) remover o pó.
9) Aplicar uma demão do fundo tingido com Coralcor Universal, com tonalidades
semelhantes ao de acabamento.
10) Lixar com lixa de madeira nº 120.
11) Remover o pó co pano embebido em aguarrás.
12) Aplicar duas ou três demãos de tinta a óleo ou tinta esmalte, deixando secar, entre
uma demão e outra.
Repintura – Antes de repintar, retirar as partes soltas da tinta velha, eliminando gorduras,
graxas, etc. com pano embebido em aguarrás; deixar secar.
Se a pintura antiga estiver em bom estado, lixar com lixa para madeira nº 150, até
eliminar todo o brilho, aplicando em seguida as demãos com tinta a óleo ou esmalte.

Resumo das tintas a serem empregadas:


 Preparação da superfície: usa-se fundo nivelador branco fosco Coralit.
 Emassamento: usar a óleo Coral.
27
Tintas de acabamento – usar:
a) em pinturas com tintas a óleo Coral e Coralsol;
b) em pinturas a esmalte: Coralit alto brilho, Coralit acetinado, Coralit fosco e Coralsint.

Caberá ao profissional optar pela marca de tinta de sua preferência, pois as finalidades
são as mesmas, variando apenas a qualidade, de acordo com o fabricante.
Resta fazer somente uma importante observação. O sucesso da pintura das esquadrias
de madeira, além da qualidade das tintas e da mão-de-obra, está na dependência direta
que a madeira esteja totalmente seca.

Pintura sobre esquadrias metálicas


(materiais ferrosos)
As esquadrias metálicas devem merecer especial atenção quanto à proteção, pois
enferrujam com facilidade.
Dois tipos de tinta oferecem essa proteção: grafita e pintura a óleo ou esmalte.

Pintura à grafita
È a melhor proteção para esquadrias metálicas, podendo ser aplicada somente m duas
cores:
 cor de chumbo – cinza escuro quase preto;
 cor de alumínio – conseguida pela adição de pó de alumínio.

Sequência de execução da pintura:


1) Limpar muito bem o caixilho, com lixa.
2) Aplicar uma ou duas demãos de zarcão. O zarcão tem uma coloração vermelho-
alaranjado (óxido vermelho de chumbo) e impede o desenvolvimento da ferrugem.
3) Aplicar uma demão de grafita.
4) Colocar os vidros.
5) Aplicar mais uma demão de grafita.
É necessária a aplicação de uma demão de grafita antes da colocação dos vidros, para
cobrir as partes que não poderão ser pintadas após a colocação dos mesmos.

Pintura a óleo ou esmalte


Embora não projeta as esquadrias da mesma forma que a grafita, a pintura a óleo ou
esmalte é a mais utilizada, por apresentar uma grande variação de cores.
28
A sequência para a aplicação da tinta a óleo ou esmalte, é a seguinte:
1) Lixar o caixilho, retirando toda a sujeira.
2) Aplicar duas demãos de zarcão.
3) Aplicar uma demão de tinta a óleo (fosco) ou esmalte.
4) Colocar os vidros.
5) Passar duas demãos de tinta a óleo, sendo a primeira fosca e a segunda co brilho, ou
as duas demãos de esmalte.

Aplicação de tinta a óleo ou esmalte, segundo recomendações das Tintas Coral


Metais novos (que nunca foram pintados) – Sequência de execução:
1) Remover o primer do serralheiro, com Removedor Coral.
2) Eliminar os pontos de ferrugem, lixando.
3) Lavar a peça metálica com água limpa, enxugando bem.
4) Eliminar graxas e gorduras com pano embebido em aguarrás; deixar secar bem.
5) Aplicar uma demão de fundo anticorrosivo Zarcoral ou fundo antióxido Coralit; deixar
secar bem.
6) Lixar com lixa nº 150 e remover o pó com pano embebido em aguarrás.
7) Aplicar duas a três demãos de tinta a óleo ou esmalte.

Pintura de peças metálicas já pintadas


Em caso de repintura, se a pintura estiver firma, lixar primeiramente com lixa de ferro nº
180, até a total eliminação do brilho, e aplicar as demãos de acabamento, com tinta a óleo
ou esmalte.
Se a pintura antiga estiver em mau estado, removê-la, utilizando o removedor Coral; lavar
a esquadria com aguarrás. Deixá-la secar, aplicando o acabamento com duas ou três
demãos de tintas a óleo ou esmalte.

 Recomendação: não deixar as peças metálicas protegidas com tinta de fundo por mais
de uma semana, pois decorrido esse tempo, a aderência da tinta de acabamento ficará
prejudicada.
Resumo dos nomes das tintas e sua utilização:
Fundo protetor: fundo antióxido Coralit ou Zarcoral.
Acabamentos:
a) Tinta a óleo: Coral e Corasol
b) Esmalte: Coralit alto brilho, Coralit acetinado, Coralit fosco e Croalsint.
29
Você deve escolher a marca e tinta de sua preferência, verificando a qualidade oferecida
por outros fabricantes.

Pintura sobre esquadrias e peças de alumínio ou galvanizadas (materiais não


ferrosos)
A necessidade da pintura de materiais feitos de alumínio ou galvanizadas, é uma
necessidade atual, devendo, portanto ser de seu conhecimento, como se procede para
sua execução.
Para pintura de peças de alumínio, a sequência de trabalhos é a seguinte:
1) Limpar bem a peça.
2) Aplicar uma fina camada de wash primer, que impede o ataque da ferrugem. Sendo
chamado de condicionador, ele reage quimicamente com a superfície do metal.
3) Como acabamento, aplica-se duas ou três demãos de tinta a óleo ou esmalte.

Pintura de peças galvanizadas


1) Limpar bem a peça.
2) Aplicar uma camada de primer epóxi poliamida.
3) Como acabamento final, aplicar duas ou três demãos de tinta a óleo ou esmalte.

Medição dos serviços de pintura


Para fazer o pagamento dos serviços de pintura, ou elaborar o orçamento, é necessário
ter um critério para medição desses serviços, conforme o tipo de pintura.
Vamos então especificar como são feitas essas medições.
Pintura à cal (caiação) – Calcula-se toda a área de pintura, não se descontando vãos até
2,00 m² e não se computando as espaletas e os vãos superiores. Os vãos acima de 2,00
m², são totalmente descontados.
O cálculo, segundo exemplo mostrado na figura 2, será assim procedido:

30
Vão aberto = 2,10 m x 0,80 m = 1,68 m², portanto menor que 2,00 m². Não se soma a
área do vão superior e a área das espaletas. Portanto, a área de pintura calculada será:
6,00 m x 2,80 m = 16,80 m².
Todo vão não pintado até 2,00 m² é considerado cheio.

Pintura à látex
a) Pintura à látex sem massa acrílica – mede-se a área de pintura, não se descontando os
vazios (vãos) até 2,00 m². Vãos acima de 2,00 m² são totalmente descontados.
b) Pintura à látex com massa acrílica – Calcula-se a área, descontando-se todos os vãos.

Pintura a óleo, ou esmalte, ou verniz


a) Para pintura a óleo sobre paredes, o cálculo da área a ser pintada é feito, medindo-se a
área total, descontando-se todos vazios (vãos).
b) Para pintura em portas de madeira de uma folha, com área até 2,10 m², com batente
de madeira, a área será assim calculada:
Área livre d porta x 3
Se a porta medir 0,80 x 2,10 m = 1,68 m² é menor que 2,10 m.
O pagamento da área pintada, será referente a: 1,68 m x 3 = 5,04 m².
Por que multiplica-se por 3? A explicação é a seguinte:
1 vez de cada lado da porta = 2
1 vez pelo batente = 1__
3 (vezes)
c) Para pintura em portas de madeira com duas folhas, com área de luz medindo até 2,10
m, com batente de madeira.
O cálculo da área será: área da pintura = área do vão x 3. Veja figura 3.
d) Pintura em portas de madeira de duas folhas, área de luz medindo acima de 2,10 m².

Pintura em portas de armários, portas essas pintadas dos dois lados, com batente de
madeira.

31
Cálculo a área: área do vão luz x 2,5

e) Pintura em portas de madeira e batentes metálicos.


Cálculo da área: área do vão de luz da porta x 2. O batente metálico é medido por metro
linear.
f) Pintura sobre portas de ferro com batentes de ferro ou sobre caixilhos de ferro ou de
madeira.
Cálculo da área: área do vão x 2.
g) Pintura em venezianas ou persianas de ferro ou madeira.
Cálculo da área: área do vão x 3.
h) Pintura sobre janelas tipo guilhotina, veneziana e batente de madeira.
Cálculo da área: área do vão x 5.
i) Pintura em rodapés, cordões, rufos, calhas (somente do lado interno), condutores,
tubulações.
A pintura é paga por metro linear.
j) Pintura sobre grades ou grelhas.
Cálculo da área: calcula-se a área e multiplica-se por 2.
k) Pintura sobre corrimão de ferro.
Paga-se a pintura por metro linear dos componentes.

Contratação de serviços de pintura


É necessário ao se contratar os serviços de pintura, estabelecer os critérios de medição
desses serviços, pois talvez o pintor esteja acostumado a calcular as áreas pintadas, de
maneira diferente da grande maioria dos pintores. Combinando-se então
antecipadamente, evita-se dissabores futuros.
Aconselha-se que os serviços de pintura sejam contratados por profissionais experientes,
e este contrato seja feito por escrito, devendo constar preços unitários dos serviços, prazo
de execução, critérios de medição, se o profissional fornece tintas e mão-de-obra, marcas
das tintas, etc.

32
Para se contratar serviços de pintura, podemos optar por algumas formas, descritas a
seguir.
1) Contrata-se a pintura da residência, sendo que o pintor fornece as tintas, mão-de-obra,
equipamentos e ferramentas, sendo o pagamento global ou por medição.
2) Contrata-se a pintura, sendo que o pintor fornece somente a mão-de-obra; o
proprietário fornece as tintas.

Obs.: O pagamento da mão-de-obra poderá ser pelo serviço global, ou pagamento por
hora trabalhada.
Para termos a melhor opção, vamos em primeiro lugar considerar o tipo da construção.
Prédios – Duas opções podem ser consideradas:
1ª) Contrata-se os serviços de pintura por preço global. O pintor fornece os materiais e a
mão-de-obra, ferramentas e equipamentos. O pagamento é feito de acordo com o
andamento dos serviços.
Como no prédio, os serviços são em grande quantidade, demorando para serem
executados, a firma empreiteira de pinturas, aplicara um capital considerável para a
compra de tintas.
Caso assim não proceda, a empreiteira irá perder dinheiro, pelo aumento crescente dos
materiais.
2ª) O proprietário compra as tintas e empreita os pintores, somente a mão-de-obra e as
ferramentas (pinceis, espátulas) e os equipamentos (escadas, latas, etc.), pagando essa
mão-de-obra por m² ou metro linear, conforme os serviços sendo executados, de acordo
com os critérios de medição vistos anteriormente.
Residências – O contrato de serviços de pintura, poderá ter as seguintes opções:
1ª) Preço global – o pintor fornece as tintas, equipamentos, ferramentas, etc., ale da mão-
de-obra, por um preço global. O proprietário faz o pagamento, em função do andamento
da obra.
A vantagem é que não existem preocupações para o proprietário, pois ela paga os
serviços, à medida que vão sendo executados.
A desvantagem é que o pintor, por medida de economia em relação ao orçamento
apresentado, poderá utilizar tintas de qualidade inferior na execução da pintura.
2ª) Contrata-se os serviços de pintura por metro quadrado ou metro linear, de acordo com
os critérios vistos. O pintor fornecera as tintas, mão-de-obra e equipamentos.

33
O resultado, é que as tintas utilizadas, serão de péssima qualidade, haverá briga por
causa das medições, os serviços serão mal executados e o número de demãos de tinta,
será inferior ao necessário.
3ª) Contrata-se apenas os serviços de pintura. O proprietário fornece as tintas e contrata
mão-de-obra dos pintores, por hora trabalhada.
A vantagem é que o proprietário compra s tintas, de acordo com a marca de sua
preferência.
A desvantagem é que como somente foi contratada a mão-de-obra, o proprietário deverá
providenciar as escadas, as latas, os pinceis e o carreto para o transporte desses
equipamentos para a obra. Nesse meio tempo, os pintores ficarão com tempo ocioso,
aumentando o número de horas.
Resultado: não é aconselhável, pelos aborrecimentos que isso irá causar, além de elevar
demasiadamente o custo da mão-de-obra.
4ª) A melhor opção, é contratar-se os serviços de pintura, com o proprietário fornecendo
as tintas e o pintor sendo pago por um valor global pelo fornecimento da mão-de-obra,
equipamentos e ferramentas.
Na pratica, essa opção funciona da seguinte maneira: compra-se o material necessário
para cada etapa do serviço; a marca e a qualidade ficam a critério do proprietário.
Controla-se o consumo desse material, para não haver desperdício ou roubo; vai-se
comprando o necessário para suprir eventuais faltas no estoque.
O pintor, ou firma de pinturas, fornece os pintores, os pinceis, as latas, as escadas, etc., e
se encarrega de trazer e levar os equipamentos de pintura.
O pagamento dos serviços será feito de acordo com o seu andamento, não ultrapassando
o valor global tratado.
Quando os pintores não estiverem devidamente equipados com as ferramentas e
equipamentos necessários, o proprietário poderá adquirir esses equipamentos, debitando
no pagamento da mão-de-obra tratada.

Algumas ferramentas utilizadas nos serviços de pintura


Trinchas – Para aplicar tintas, vernizes e esmaltes. São vendidas em vários tamanhos.

34
Pincéis – Usados para pinturas de detalhes, esquadrias e batentes. São fabricados de
pêlos naturais de animais como porco e orelha de boi. Esses pelos são chamados cerdas

Pincéis chatos, encontrados em 15 tamanhos.

Pincéis redondos, ótimos para retoques. Em 15 tamanhos.

Chatos, com cerdas mais abertas, especiais para esquadrias.


Sete tamanhos.

Ovais, também indicados para esquadrias e retoques. Sete


tamanhos.

Broxas – Usadas para a caiação e pintura de superfícies rugosas ou chapiscadas.


Podem ser fabricadas com cerdas ou fibras vegetais, como a fibra vegetal de coco.

Broxa oval, para superfícies amplas, retas ou curvas. Vendida em


5 tamanhos.

Broxa redonda para tinta a óleo, em 5 tamanhos. As cerdas são


amarradas com barbante para não se soltarem.

Broxa retangular de fibras vegetais de coco, própria para tintas à


base de água.

Broxa redonda com pêlos sintéticos, própria para aplicação de


ácidos.
Escovas – Para aplicar vernizes, seladores e tintas betuminosas, principalmente sobre
pisos. Serve também para limpeza, podendo ser de cerdas ou fios sintéticos.

35
Escova especial para aplicação de vernizes com cerdas.

Desempenadeira metálica – Para aplicação de massas.

Rolos de pintura – Usados para pintar com rapidez, grandes superfícies. São fabricados
com espuma, tecido acrílico, pele de carneiro e espuma rígida. Os rolos de pele são
usados nas pinturas com látex. Os rolos de espuma, para pinturas a óleo ou esmalte. Os
rolos de espuma rígida texturizada, para pinturas formando relevos. Temos também rolos
especiais, para aplicação de tintas à base de epóxi ou poliuretano; rolos comuns são
normalmente dissolvidos por esses tipos de tintas (figura 10)

Raspadeiras – Usadas para remover tintas e vernizes velhos, após a aplicação o


removedor. Possuem a lâmina presa no corpo da madeira (figura 11).

Espátulas – Usadas para aplicação de massa ou para remover pinturas velhas. São
constituídas de lâminas de aço presas no corpo de madeira. São vendidas em vários
tamanhos (figura 12).

36
Hora de refletir o assunto apresentado

Espaço utilizado para anotações do aluno

________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

37