Você está na página 1de 4

Introdução

A cadeira de Clínica Jurídica tal como todas as outras, desenvolve no estudante um conjunto
determinado de conhecimentos, competências jurídicas, atitudes e valores sobre a nossa
jurisdição. No entanto o presente mini relatório ira abordar aspectos sobre o seminário de
lançamento do livro Desafios para moçambique 2018. O objectivo pretendido neste presente
documento e detalhar e relatar o desenrolar da actividade por nos presenciada.
Relatório do lançamento do livro desafios para moçambique 2018

O lançamento do livro desafios pra moçambique 2018 9ºedicão, foi realizado no dia 28 de
fevereiro do ano em curso num seminário realizado na Faculdade de Economia e Gestão
organizado pelo instituto de estudos sociais e económicos (IESE) e a universidade católica de
moçambique (UCM). Numa primeira fase do seminário tivemos como aspectos introdutórios o
seguinte:

 09.00h Abertura oficial do seminário feita pela Dra. Natália Bolacha


(directora da faculdade de economia e gestão)
De seguida.
 09.10h intervenção do Excelentíssimo Professor Dr. Salvador Forquilha
(Director do IESE)

Na sua intervenção o Dr. Forquilha começou por apresentar se e dar uma breve introdução
acerca do IESE e sobre o livro desafios para moçambique que começou a desenvolver-se em
2010 e que vem ate aos dias de hoje o objectivo principal do livro e promover e informar o
debate sobre temas de interesse económico politico e social. Também diz que um dos focos e a
liberdade de expressão, pois esta torna um papel importante para a cidadania.

Dentro do livro encontram-se investigações mais ou menos totais, sobre o dossiê das dívidas
ilegais, instabilidade politica. Este livro e composto por 18 artigos de 36 escritores dos quais
15 nacionais e 21 estrangeiros todos de diferentes centros de investigação, todos os artigos
resultam da 5ºconferencia do IESE realizada em setembro de 2017.

O livro esta divido em 4 secções nomeadamente politica 5 artigos, económica 5 artigos,


sociedade 4 artigos, e por fim moçambique no mundo 4 artigos. E de salientar que o livro 6
meses apos a sua publicação fica disponível para todos na internet no website do IESE.

 9.45h De seguida tivemos a intervenção do Dr. Yasfir Ibraimo mestre


em macroeconomia

Na sua intervenção o Dr. Yasfir apresentou um dos artigos que constam do livro que traduz-se
numa discussão sobre os efeitos macroeconómicos efeitos macroeconómicos da dívida pública
e do serviço da dívida, num contexto de endividamento crescente e crítico do país. Com base
em análise econométrica. A estrutura da apresentação foi baseada 5 aspectos nomeadamente:
contextualização e o problema da pesquisa, literatura sobre a divida publica, dados
metodologia, resultados empíricos, e por fim a sua conclusão. O Dr. Yasfir diz o que
moçambique esta a viver nos dias de hoje não e novidade pois isto já vem de muito antes, ele
também faz referência a dois autores que versam sobre diferentes literaturas sobre a divida
pública nomeadamente: Buchanan (1958) - quem paga pela emissão da dívida pública e
quando é que esta é paga. E, Barro (1974), os estímulos fiscais financiados pela dívida pública
são ineficientes para atingir o crescimento económico.

 10.30 De seguida tivemos por uma segunda vez a intervenção do professor Dr.
Salvador Forquilha

Desta vez, na sua intervenção o Dr. Forquilha apresenta uma discussão sobre um dos artigos
que traduz-se no saber se os munícipes moçambicanos estão aptos para mobilizar receitas
locais. Focalizando concretamente nos obstáculos a ordem administrativas a mobilização da
receita local nos municípios moçambicanos, com a fundamental questão porque os municípios
moçambicanos não conseguem alcançar as receitas locais. Diz que o presente artigo teve 8
investigadores dos quais um deles foi ele. O plano de apresentação foi baseado num esquema 4
pontos. Problema, metodologia, resultados, conclusão

O problema e baseado na maioria das receitas próprias cobradas pelos municípios tende a provir
de instrumentos não tributários os impostos autárquicos representam uma pequena parte do total
da receita autárquica, apenas 37 % das receitas municipais vêm dos contribuintes
municipais;63% das transferências do Governo e das doações.

A conclusão que se retira do artigo e que parece haver falta de consciência por parte de alguns
municípios da relação custo-benefício de diferentes fontes de receita isso dificulta a abordagem
estratégica para a cobrança de receitas, no entanto, os municípios têm plena consciência de
quais são os desafios que enfrentam em matéria de arrecadação de receitas.
Conclusão

Finda a explanação das actividades decorridas no seminário de lançamento do livro desafios de


moçambique conclui se que aprendemos bastantes com os oradores da seminário pois o
conhecimento e base fundamental do nosso dia a dia.

Desta forma espero ter atingido as espectativa da docente na elaboração do relatório. Mas pelo
que as criticas com vista ao melhoramento do mesmo são bem-vindas.