Você está na página 1de 28

GABARITO ITA

PROVA 2017/2018

MATEMÁTICA
14/12/17
NOTAÇÕES
: conjunto dos números reais
: conjunto dos números naturais
: conjunto dos números complexos
i : unidade imaginária: i 2 = − 1
|z|: módulo do número z ∈ C
det A : determinante da matriz A
d(A, B): distância do ponto A ao ponto B
d(P, r): distância do ponto P à reta r
AB: segmento de extremidades nos pontos A e B
A : medida do ângulo do vértice A
[a, b] = {x ∈ : a ≤ x ≤ b}
[a, b[ = {x ∈ : a ≤ x < b}
]a, b] = {x ∈ : a < x ≤ b}
]a, b[ = {x ∈ : a < x < b}
(f o g)(x) = (f(g(x))
X\Y ={x ∈ X e x ∉ Y}
n

∑a
k =0
k
= a0 + a1 + a2 + ...an, sendo n inteiro não negativo

Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são os cartesianos retangulares.

Questão 1
Os lados de um triângulo de vértices A, B e C medem AB = 3 cm, BC= 7 cm e CA = 8 cm.
A circunferência inscrita no triângulo tangencia o lado AB no ponto N e o lado CA no ponto K. Então, o
comprimento do segmento NK, em cm, é

A ( ) 2.
B ( ) 2 2.
C ( ) 3.
D ( ) 2 3.
7
E ( ) .
2

2
GABARITO ITA – MATEMÁTICA
Gabarito: Letra A.
B

N 7
3

A C
K
8

( 3 + 7 + 8 ) − 7 = 2.  ; pela Lei dos cossenos:


Veja que AN = AK = Além disso, seja a = ANK
2

64 + 9 − 49 1
72 = 32 + 82 – 2 · 3 · 8 cos α ⇒ cos α = = .
48 2
 é agudo, então α = 60° ⇒ AN = NK = 2.
Como ANK

Questão 2
Se x é um número real que satisfaz x3 = x + 2, então x10 é igual a

A ( ) 5x2 + 7x + 9.
B ( ) 3x2 + 6x + 8.
C ( ) 13x2 + 16x + 12.
D ( ) 7x2 + 5x + 9.
E ( ) 9x2 + 3x + 10.

Gabarito: Letra C.

Veja que x6 = (x3)2 = (x + 2)2 = x2 + 4x + 4


Logo, x9 = x3 · x6 = (x + 2) (x2 + 4x + 4) = x3 + 6x2 + 12x + 8 ⇒
⇒ x9 = 6x2 + 13x + 10

Portanto, x10 = x9 · x = (6x2 + 13x + 10)x = 6x3 + 13x2 + 10x ⇒


⇒ x10 = 13x2 + 10x + 6(x + 2) = 13x2 + 16x + 12

3
14/12/17

Questão 3
Sejam a e b números inteiros positivos. Se a e b são, nessa ordem, termos consecutivos de uma progressão
12
1 e o termo independente de  b 
geométrica de razão
2  ax −  é igual a 7920, então a + b é
 x
A ( ) 2.
B ( ) 3.
C ( ) 4.
D ( ) 5.
E ( ) 6.

Gabarito: Letra B.
Como a e b são termos consecutivos de uma P.G. de razão 1/2, temos:
1
a ⋅ = b ( I)
2

12 12 − k
 b   12  k  −b 
O termo independente de x em  ax −  pode ser calculado como:   ⋅ ( ax )   ,
 x  k  x
 −1 
onde k + (12 − k ) ⋅   = 0 é o expoente de x.
 2

⇒k=4

 12  4
Logo, o termo independente é:   ⋅ a ⋅ ( − b ) = 7920 (II)
8

 4

 12 
De (I) e(II),   ⋅ ( 2 b ) ⋅ b8 = 7920 ⇒
4

 4
12 ⋅ 11 ⋅ 10 ⋅ 9
⇒ ⋅ 16 ⋅ b12 = 24 ⋅ 32 ⋅ 5 ⋅ 11
1⋅ 2 ⋅ 3 ⋅ 4
⇒ b12 = 1, como b é inteiro positivo, b = 1 → a = 2
Portanto,, a + b = 3.

4
GABARITO ITA – MATEMÁTICA

Questão 4
Considere as funções f, g :  →  dadas por f ( x ) = ax + b e g( x ) = cx + d, com a, b, c, d ∈  ,
a ≠ 0 e c ≠ 0. Se f–1 ° g–1 = g–1 ° f–1 , então uma relação entre as constantes a, b, c e d é dada por

A ( ) b + ad = d + bc.
B ( ) d + ba = c + db.
C ( ) a + db = b + cd.
D ( ) b + ac = d + ba.
E ( ) c + da = b + cd.

Gabarito: Letra A.
Solução 1:
f e g são bijetoras de  em . Então:

Como f–1 ° g–1 = g–1 ° f–1 ⇒ f ° f–1 ° g–1 = f ° g–1 ° f–1

⇒ g–1 = f ° g–1 ° f–1 (1) e g ° g–1 ° f–1 = g ° f–1 ° g–1 ⇒ f–1 = g ° f–1 ° g–1 (2)

(1): g ° f ° g–1 ° f–1 = I ⇒ g–1 ° f–1 é a inversa de g ° f

(2): f ° g ° f–1 ° g–1 = I ⇒ f–1 ° g–1 é a inversa de f ° g

⇒ f ° g = g ° f ⇒ a(cx + d) + b = c(ax + b) + d

⇔ b + ad = d + bc

Solução 2:
x−b x −d
Veja que f −1( x ) = e g −1(x) = . Então:
a c
x −d x−b
−b −d
f og =g of ⇔
−1 −1 −1c −1
= a ⇔ x − d − bc = x − b − ad ⇔
a c
⇔ b + ad = d + bc

5
14/12/17

Questão 5
Sejam x1, ..., x5 e y1, ... , y5 números reais arbitrários e A = (aij) uma matriz 5 × 5 definida por
aij = xi+ yj, 1 ≤ i, j ≤ 5. Se r é a característica da matriz A, então o maior valor possível de r é

A ( ) 1. B ( ) 2. C ( ) 3. D ( ) 4. E ( ) 5.

Gabarito: Letra B.
Lembremos que característica é, por definição, o maior k para o qual podemos selecionar linhas L1, L2 ...,
Lk e colunas C1, C2, ..., Ck numa matriz A e o determinante k × k formado pelos elementos dessas linhas e
colunas seja não nulo.
A característica não se altera ao somar a uma fila uma combinação linear de filas paralelas a ela.
Assim, das linhas 2, 3, 4 e 5, subtraia a linha 1:
 x1 + y1 x1 + y 2 x1 + y 3 x1 + y 4 x1 − y 5 
 
 x 2 − x1 x 2 − x1 x 2 − x1 x 2 − x1 x 2 − x1 
 x 3 x1
A ' =− x 3 − x1 x 3 − x1 x 3 − x1 x 3 − x1 
 
 x 4 − x1 x 4 − x1 x 4 − x1 x 4 − x1 x 4 − x1 
x − x x 5 − x1 x5 − x1 x5 − x1 x5 − x1 
 5 1

Das 4 últimas linhas, para um det não nulo, só pode-se escolher uma. Além disso, podemos escolher a
linha 1. Portanto, a característica é no máximo 2.
Para xi = i, xj = j (i, j = 1, 2, 3, 4, 5), obtemos um exemplo com característica 2.

Questão 6
Sobre duas retas paralelas r e s são tomados 13 pontos, m pontos em r e n pontos em
s, sendo m > n. Com os pontos são formados todos os triângulos e quadriláteros convexos possíveis.
Sabe-se que o quociente entre o número de quadriláteros e o número de triângulos é 15/11. Então, os
valores de n e m são, respectivamente,

A ( ) 2 e 11.
B ( ) 3 e 10.
C ( ) 4 e 9.
D ( ) 5 e 8.
E ( ) 6 e 7.

Gabarito: Letra E.

m pontos

13 – m pontos

6
GABARITO ITA – MATEMÁTICA

 m   13 − m   m   13 − m 
No de triangulos possíveis:   ·   + · 
 2  1   1  2 
 m   13 − m 
No de quadriláteros convexos possíveis:   ·  
2  2 

Pelo problema:

 m   13 − m   m   13 − m 
 ·  + · 
 2   1   1   2  = 11 ⇒
 m   13 − m  15
 · 
2  2 
 m ( m − 1) (13 − m)(12 − m)  m ( m − 1) (13 − m)(12 − m)
15 ·  · (13 − m) + m  = 11· ·
 2 2  2 2

( )
30 (m − 1)(13 − m) + (13 − m)(12 − m) = 11( m − 1)(13 − m) (12 − m)
30 ( m − 1 + 12 − m) = 11 ( m − 1)(12 − m)
( m − 1)(12 − m) = 30 ⇒ m = 7 e n = 13 − m = 6

Questão 7
Considere a definição: duas circunferências são ortogonais quando se interceptam em dois pontos
distintos e nesses pontos suas tangentes são perpendiculares. Com relação às circunferências
C1: x2 + (y + 4)2 = 7, C2 : x2 + y2 = 9 e C3 : (x – 5)2 + y2 = 16, podemos afirmar que

A ( ) somente C1 e C2 são ortogonais.


B ( ) somente C1 e C3 são ortogonais.
C ( ) C2 é ortogonal a C1 e a C3.
D ( ) C1, C2 e C3 são ortogonais duas a duas.
E ( ) não há ortogonalidade entre as circunferências.
Gabarito: Letra C.
Sejam 2 circunferências que se interceptam em 2 pontos distintos.

s
r
Seja α o ângulo entre as tangentes no ponto de P
interseção P. C1 C2
^
Logo, o ângulo O1P O2 é 180 – α. α 90
–α
–α

Se α = 90° (circunferências ortogonais) ⇒ O1 O2


^
90

⇒ O1P O2 = 90°.

7
14/12/17
• Logo, devemos fazer dois testes para avaliar a ortogonalidade:
1) circunferências secantes: (distância entre os centros) < (soma dos raios)
^
2) ângulo O1P O2 = 90°: (distância entre os centros)2 = (raio1)2 + (raio2)2, por pitágoras

Veja que a condição 2 já garante a condição 1, então basta testá-la.

⇒ teste 1: C1 e C2:

C1 centro: (0,–4)
raio: 7 ⇒ (distância entre os centros)2 = (0)2 + (4)2 = 16

C2 centro: (0,0) ⇒ (raio1)2 + (raio2)2 = ( 7 )2 + (3)2 = 16


raio: 3 ⇒ são ortogonais

⇒ teste 2: C1 e C3:

C1 centro: (0,–4)
raio: 7 ⇒ (distância entre os centros)2 = (–5)2 + (–4)2 = 41

C3 centro: (5,0) ⇒ (raio1)2 + (raio2)2 = ( 7 )2 + (4)2 = 23


raio: 4 ⇒ não são ortogonais

⇒ teste 3: C2 e C3:

C2 centro: (0,0)
raio: 3 ⇒ (distância entre os centros)2 = (5)2 + (0)2 = 25

C3 centro: (5,0) ⇒ (raio2)2 + (raio3)2 = (3)2 + (4)2 = 25


raio: 4 ⇒ são ortogonais

Questão 8
As raízes do polinômio 1 + z + z2 + z3 +z4 + z5 + z6 + z7, quando representadas no plano complexo,
formam os vértices de um polígono convexo cuja área é
2 −1
A ( ) .
2
2 +1
B ( ) .
2
C ( ) 2.
3 2 +1
D ( ) .
2
E ( ) 3 2.

8
GABARITO ITA – MATEMÁTICA
Gabarito: Letra D.
z8 − 1
Somando a PG temos 1 + z + z + z + z + z + z + z =
2 3 4 5 6 7
.
z −1
 z = 1
8

Veja que as 7 raízes satisfazem  e podem ser representadas como na figura.


 z ≠ 1
Assim, a área do heptágono é a soma de 6 triângulos do tipo A com um do tipo B.
1 2 1 1
A: ⋅ 1⋅ 1⋅ sen 45° = B: ⋅ 1⋅ 1 =
2 4 2 2

2 1 3 2 +1
∴S = 6 ⋅ + = .
4 2 2

A A

A
B
1
A

A A

Questão 9
Se log2 p = a e log5 p = b, então

1 1 1 1 1 1 1 1 3
A ( ) + ≤ . B ( ) < + ≤ 1. C ( ) 1 < + ≤ .
a b 2 2 a b a b 2
3 1 1 1 1
D ( ) < + ≤ 2. E ( ) 2 < + .
2 a b a b

Gabarito: Letra E.
1 1
Analisemos + :
a b
1 1 1 1
+= + = logp 2 + logp =
5 logp10.
a b log2 p log5 p
Com 2 casas decimais, sabemos que π ≈ 3,14 e 10 ≈ 3,16
Daí, π < 10 ⇒ π2 < 10.
1 1
Então, =+ log p10 > log=
pp
2
2.
a b
9
14/12/17

Questão 10
O lugar geométrico das soluções da equação x2 + bx + 1 = 0, quando |b| < 2, b ∈ , é representado
no plano complexo por

A ( ) dois pontos. B ( ) um segmento de reta.


C ( ) uma circunferência menos dois pontos. D ( ) uma circunferência menos um ponto.
E ( ) uma circunferência.

Gabarito: Letra C.
Equação x2 + bx + 1 = 0 ⇒ D = b2 – 4
Como b < 2 ⇒ Δ < 0 ⇒ raízes são não reais.

Como os coeficientes são reais, as raízes serão conjugadas uma da outra.


⇒ Raízes: Z e Z.

• Relações de Girard:
b
– soma: Z + Z = –b ⇒ 2 Re (Z)= –b ⇒ Re (Z)= − ⇒ com b < 2: ⇒ <<Re
–1 Δ 0 (Z) < 1
2 2 2
– produto: Z · Z = 1 ⇒ Z = 1 ⇒ Z == 1
2
1 com a restrição de Re (Z) ∈ ]–1,1[
Logo, temos que Z == 1,

LG: Im
1

–1 1 Re

–1

Resposta: uma circunferência menos 2 pontos.

10
GABARITO ITA – MATEMÁTICA

Questão 11
Em um triângulo de vértices A, B e C são dados B  = π/2, C  = π/3 e o lado BC= 1 cm. Se o lado AB é o
diâmetro de uma circunferência, então a área da parte do triângulo ABC externa à circunferência, em cm2, é

A ( ) π − 3 3 . B ( ) 5 3 − π . C ( ) 5π − 3 3 .
8 16 4 2 8 4

D ( ) 5 3 − π . E ( ) 5π − 3 3 .
16 8 8 16

C
Gabarito: Letra D.

P
 = π/2, C
Como B  = π/3, então A = π/6.
1
Além disso, AB = 3, portanto o raio do círculo é
3
. Seja O o centro desse círculo, P a interseção
2
da circunferência com AC. 30° 60°
A
O B

 .
A área desejada é dada por [ ABC] − [ AOP ] − setor POB
 

1⋅ 3 3
[ ABC] = = .
2 2

3 3

[ AOP ] = 2 2 ⋅ sen 120° = 3 3 .
2 16

2
  = 60° ⋅ π ⋅  3  = π .
setor POB
  3 60°  2  8
 

3 3 3 π 5 3 π
Logo, a área desejada é S = − − = −
2 16 8 16 8

11
14/12/17

Questão 12
tg3 x − 3 tg x
Com relação à equação + 1 = 0 , podemos afirmar que
1 − 3 tg2 x

 π π
A ( ) no intervalo  − ,  a soma das soluções é igual a 0.
 2 2
 π π
B ( ) no intervalo  − ,  a soma das soluções é maior que 0.
 2 2
C ( ) a equação admite apenas uma solução real.

 π
D ( ) existe uma única solução no intervalo 0,  .
 2
π
E ( ) existem duas soluções no intervalo  − , 0  .
 2 

Gabarito: Letra B.

3 tg x − tg3 x
Sabemos que tg(3 x ) = .
1 − 3 tg2 x
Logo, a equação do enunciado equivale a tg (3x) = 1. Portanto, as soluções são da forma
1 π 
x =  + kπ , k ∈ 
3 4 

 π π
Analisando as soluções no intervalo  − ,  , obtemos:
 2 2
π π 5π

4 12 12

π 0 π

2 2

Veja que de fato nenhuma das raízes acima zera o denominador 1 – 3 tg2x.

Temos que a soma das raízes nesse intervalo é:


π π 5π π
− + + = > 0, o que nos dá a letra B como resposta.
4 12 12 4

12
GABARITO ITA – MATEMÁTICA

Questão 13
Sejam A e B matrizes quadradas n × n tais que A + B = A · B e In a matriz identidade n × n. Das afirmações:

I. In – B é inversível;
II. In – A é inversível;
III. A · B = B · A.

é(são) verdadeira(s)

A ( ) Somente I.
B ( ) Somente II.
C ( ) Somente III.
D ( ) Somente I e II.
E ( ) Todas.

Gabarito: Letra E.
A + B = AB
AB – A – B = 0
AB – A – B + I = I
(A – I)(B – I) = I
(I – A)(I – B) = I

Logo, I – A e I – B são inversas uma da outra. Assim, I e II são verdadeiras.


Daí, (B – I)(A – I) = I, o que implica BA – A – B = 0
Logo, BA = A + B = AB. Portanto, III é verdadeira.

Questão 14
x + y + z = 0


( )
Se o sistema 2 a2 y + 2 a4 − a z = 0 admite infinitas soluções, então os possíveis valores do parâmetro
 3
(
 x + ay + a − 1 z = 0 )
a são
−1 − 3 −1 + 3
A ( ) 0, − 1, , .
2 2
1− 3 1+ 3
B ( ) 0, − 1, , .
2 2

C ( ) 0, − 1, −1 + 3 , 1 + 3 .
2 2
D ( ) 0, − 1, − 1 − 3 , − 1 + 3 .
E ( ) 0, − 1, 1 − 3 , 1 + 3 .

13
14/12/17
Gabarito: Letra B.
Para que o sistema admita infinitas soluções, dado que é homogêneo, então ele deve ser possível e
indeterminado. Logo, o determinante principal deve ser nulo. Portanto:

1 1 1
2 4
0 2a 2a − a = 0 ⇔
1 a a3 − 1

1 1 1 (Chió)
3
⇔ a 0 2a 2a − 1 = 0 ⇔
1 a a3 − 1

2a 2 a3 − 1
⇔a = 0 ⇔ a = 0 ou − 4 a + 2 a3 + a − 1 = 0
a − 1 a3 − 2

2 ± 12 1 ± 3
⇔ a = 0 ou ( a + 1)( 2 a2 − 2 a − 1) = 0 ⇔ a = 0 ou a = −1 ou a = =
4 2

Questão 15
1 x x2 x3 
 
1 2 3 4
Considere a matriz  , x ∈ . Se o polinômio p(x) é dado por p(x) = detA, então o
 −1 3 4 5
 
 −2 2 1 1 
produto das raízes de p(x) é

1
A ( ) .
2
1
B ( ) .
3
1
C ( ) .
5
1
D ( ) .
7
1
E ( ) .
11

14
GABARITO ITA – MATEMÁTICA
Gabarito: Letra D.
Como queremos o produto das raízes basta analisarmos o coeficiente de x3 e o coeficiente de x0

1) Coeficiente de x3 = cofator de x3:

1 2 3
5 7
−1 ⋅ −1 3 4 = − 1 ⋅ =7
Chió 6 7
−2 2 1

2) Coeficiente de x0 = cofator de x0:

2 3 4
1· 3 4 5 =
Sarrus
8 + 30 + 12 − 32 − 10 − 9 = −1
2 1 1

Por Girard, o produto das raízes é:


−( −1) 1
= .
7 7

Questão 16
Considere a classificação: dois vértices de um paralelepípedo são não adjacentes quando não pertencem
à mesma aresta. Um tetraedro é formado por vértices não adjacentes de um paralelepípedo de arestas
3 cm, 4 cm e 5 cm. Se o tetraedro tem suas arestas opostas de mesmo comprimento, então o volume do
tetraedro é, em cm3:

A ( ) 10.
B ( ) 12.
C ( ) 15.
D ( ) 20.
E ( ) 30. D’
C’
A’ B’
Gabarito: Letra D.

O tetraedro A’BC’D satisfaz a definição dada, 3


considerando o paralelepípedo ABCDA’B’C’D’.

D C
4
A
5 B
Portanto:
Vol(A’BC’D) = Vol(ABCDA’B’C’D’) – Vol(AA’BD) – Vol(BB’A’C’) – Vol(CC’BD) – Vol(DD’A’C’) =
1 4⋅5
3⋅4⋅5 − 4⋅ ⋅ ⋅ 3 = 60 − 40 = 20
3 2

15
14/12/17

IME 2018
36 APROVADOS

HÁ 7 ANOS,
A MAIOR
APROVAÇÃO

16
DO RIO
GABARITO ITA – MATEMÁTICA

Questão 17
Os triângulos equiláteros ABC e ABD têm lado comum AB. Seja M o ponto médio de AB e N o ponto médio
de CD. Se MN = CN = 2 cm, então a altura relativa ao lado CD do triângulo ACD mede, em cm,

60
A ( ) .
3
50
B ( ) .
3
40
C ( ) .
3

D ( ) 30
.
3
2 6
E ( ) .
3

Gabarito: Letra A.

Como os DABC e DABD são equiláteros, as alturas MC e MD são iguais, portanto DMCD é isósceles.
Também o DACD é isósceles, de altura AN.
No DMNC, por Pitágoras, tem-se que MC =
22 + 22 = 2 2.
 3 4 6
No DABC equilátero, =
MC 2=2 , logo AC= = .
2 3
2
4 6 60
No DANC, por Pitágoras, tem-se que AN= AC − CN=
2 2
  − 2=
2
.
 3  3

B D
M
A

17
14/12/17

Questão 18
Uma progressão aritmética (a1, a2, ... , an) satisfaz a propriedade: para cada n ∈ , a soma da progressão
 a1 a2 a3 
 
é igual a 2n +5n. Nessas condições, o determinante da matriz  4
2 a a5 a6  é
a +2 a a9 
A ( ) –96.  7 8

B ( ) –85.
C ( ) 63.
D ( ) 99.
E ( ) 115.

Gabarito: Letra A.

Veja que, pelo enunciado, a1 = 2 · 12 + 5 · 1 = 7 e a1 + a2 = 2 · 22 + 5 · 2 = 18 ⇒ a2 = 11


Assim, a razão r desta P.A. é dada por r = a2 – a1 = 4
a1 a2 a3 a1 r r
C '3 = C3 − C2
No determinante a4 a5 a6 , aplicamos Jacobi  . Logo, basta calcular a4 r r.
C '2 = C2 − C1
a7 + 2 a8 a9 a7 + 2 r − 2 r

 L '3 = L3 − L2
Aplicando Jacobi novamente 
 L '2 = L2 − L1

a1 r r
Obtemos então 3r 0 0 . Aplicando Laplace na segunda linha, o determinante é calculado por:
3 r + 2 −2 0

r r
− (3r ) ⋅ = − ( 3 r ) ( +2 r ) = − 6 ⋅ r 2 = − 96
−2 0

Questão 19
São dadas duas caixas, uma delas contém três bolas brancas e duas pretas e a outra contém duas bolas
brancas e uma preta. Retira-se, ao acaso, uma bola de cada caixa. Se P1 é a probabilidade de que pelo
menos uma bola seja preta e P2 a probabilidade de as duas bolas serem da mesma cor, então P1 + P2 vale

8 7 6 17
A ( ) . B ( ) . C ( ) . D ( ) 1. E ( ) .
15 15 15 15

18
GABARITO ITA – MATEMÁTICA
Gabarito: Letra E.

Vamos calcular cada probabilidade separadamente:


P1: Pelo menos uma bola preta = TOTAL – DUAS BOLAS BRANCAS

3 2 2 3
1− ⋅ = 1− =
5 3 5 5
P2: As duas bolas da mesma cor = DUAS BOLAS BRANCAS + DUAS BOLAS PRETAS

3 2 2 1 8
⋅ + ⋅ =
5 3 5 3 15
Logo
3 8 17
P1 + P2 = + = .
5 15 15

Questão 20
 x+y = 1
Para que o sistema  3 3 2 admita apenas soluções reais, todos os valores reais de c pertencem
x + y = c
ao conjunto

 1  1  1  1 1
A ( )  −∞, −  . B ( )  −∞, −    , ∞  . C ( )  − , −  .
 4   4 4   2 4

1   1  1 
D ( )  , ∞  . E ( )  −∞, −    , ∞  .
2   2 2 

Gabarito: Letra E.
x + y =1 ↔ y = 1 – x

Substituindo em x3 + y3 = c2:
x3 + (1 – x)3 = c2
3x2 – 3x – (c2 – 1) = 0

Soluções reais: D ≥ 0
9 + 12(c2 – 1) ≥ 0
1
c2 ≥
4
1 1
c ≥ ou c ≤ −
2 2
A resposta do item B contém a do item E, o que pode gerar um problema de interpretação no que foi pedido.

19
14/12/17

Questão 21
Um poliedro convexo tem faces triangulares e quadrangulares. Sabe-se que o número de arestas, o
número de faces triangulares e o número de faces quadrangulares formam, nessa ordem, uma progressão
aritmética de razão -5. Determine o número de vértices do poliedro.

Gabarito:
Usemos a notação convencional.
(A, F3, F4) é P.A. de razão –5. Assim:
F3 = A – 5
F4 = A – 10
Como só há faces triangulares e quadrangulares, tem-se F = F3 + F4 = (A – 5) + (A – 10) = 2A – 15.
Sabemos, também, que 2A = 3F3 + 4F4. *
Daí, 2A = 3(A – 5) + 4(A – 10) = 7A – 55
⇒ A = 11.
Em *, F = 7.
Pela relação de Euler, V – A + F = 2.
∴ V – 11 + 7 = 2
V = 6.

Comentário: De fato, esse poliedro existe:

Questão 22
4
1081
Encontre o conjunto solução S ⊂  da inequação exponencial: 3 x − 2 + ∑3
k =1
x+k

18
.

Gabarito:

Abrindo o somatório:
1081
3 x −2 + 3 x +1 + 3 x +2 + 3 x +3 + 3 x +4 ≤⇒
18
1081
3 x −2 1 + 33 + 34 + 35 + 36  ≤ ⇒
18
  1081
3 x −2 1 +
27 + 
81+ 
243 + 729  ≤ 18 ⇒
 1081 
1
3 x −2 ≤
18

20
GABARITO ITA – MATEMÁTICA
Aplicando log na base 3:
x − 2 ≤ 0 − log3 18 ⇒
x ≤ 2 − log3 18 ⇒
x ≤ 2 − log3 32 − log3 2 ⇒
x ≤ − log3 2

Assim, o conjunto solução é:


{ x ∈ | x ≤ − log3 2}

Questão 23
No plano cartesiano são dadas as circunferências C1 : x2 + y2 = 1 e C2 : (x - 4)2+ y2 = 4. Determine
o centro e o raio de uma circunferência C tangente simultaneamente a C1 e C2, passando pelo ponto
(
A = 3, 3 . )
Gabarito: A

Consideramos, inicialmente, que C tangencia C1 e C2 2


C2
externamente
Veja que A e C2. 3 60°
Sendo O1 e O2 os centros de C1 e C2, respectivamente, 1 O2 x
veja na figura 1 que AO2 faz ângulo de 60° com o eixo figura 1
1
x negativo. (cosseno igual a ).
2
Sejam O o centro de C e r o seu raio.

Pela lei dos cossenos no DOO1O2; O


figura 2
(r + 1)2 = (r + 2)2 + 42 – 4(r + 2)
11
r= r+1 r+2
2

Na figura 3:
60°
15 15 3  O1 4 O2
y 0 = sen 60° = 
2 4  ⇒ 0 =  1 , 15 3 
 4 4 
15 1
R0 = 4 − cos 60° =   
2 4

21
14/12/17
 1 15 3 
Logo, nesse caso, o centro é  ,  e o O
11 4 4 
raio é .
2 11 15
Comentário: C poderia tangenciar C1 2 2

externamente e C2 internamente. A solução A


11
é análoga e encontramos raio = e 2
 23 7 3  2
centro =  ,−  , que também é uma 60°
 4 4 
figura 3 O2
possibilidade.

Questão 24
π π
Seja z = cos + i sen . Pedem-se:
7 7
kπ kπ π 3π 5π
 se a propriedade z = cos + i sen
k
a) U , k ∈ , para expressar cos , cos e cos
7 7 7 7 7
em função de z.
a π 3π 5π
b) Determine inteiros a e b tais que = cos + cos + cos .
b 7 7 7

Gabarito:

π 1  π π π
a) Se z = cis , então, = z = cis  −  = cos − i sen
7 z  7  7 7
1
z+
π z.
Daí cos =
7 2
3 5
3π  π  5π  π 
=  cis  = z 3 e cis
Analogamente, com o cis = cis = z 5,
7  7 7  7 
1 1
z3 + 3 z5 + 5
3π z 5π z
temos cos = e cos = .
7 2 7 2
π 3π 5π 1  1 1 1
b) Somando os cossenos, temos que E = cos + cos + cos =  z + z3 + z5 + + 3 + 5 .
7 7 7 2 z z z 
7
 π
Veja que z 7 =  cis  = cis π = −1. Daí,
 7

22
GABARITO ITA – MATEMÁTICA

1
 z = −z
6


1
 3 = −z
4

 z
1
 z5 = − z
2


1
Então, E =
2
( z − z 2 + z 3 − z 4 + z 5 − z 6 ). Somando a PG:
1  ( − z )6 − 1  1  z 6 − 1 
E= ⋅ z  = z ⋅ =
2  ( − z ) − 1  2  − z − 1
 1 
− − 1
1  1  −1 − z  1
= z z = = .
2  − z − 1  2  − z − 1  2
 
 

Podemos, então tomar a = 1, b = 2 (Funcionam quaisquer a = k, b = 2k, k ∈ *)

Questão 25
Uma reta r separa um plano p em dois semiplanos p1 e p2. Considere pontos A e B tais que A ∈ p1 e B p2
de modo que d(A, r) = 3, d(B, r) = 6 e d(A, B) = 15. Uma circunferência contida em p passa pelos pontos
A e B e encontra r nos pontos M e N. Determine a menor distância possível entre os pontos M e N.

Gabarito:
Chamando de P a interseção de AB com a reta r,
A
MP = a, PN = b, tem -se por semelhança que
A
AP 3  AP = 5
= ⇒ 3
PB 6  PB = 10 M P b N
a r
Quer-se MN = a + b mínimo. Por Potência,
MP · PN = PA · PB ⇒ a · b = 50. 6
10
Por desigualdade M.A. ≥ M.G., temos:

a+ b B
≥ ab ⇒ ab ≥ 2 50 = 10 2
2

com igualdade quando a = b = 5 2 (esse caso é possível, quando o centro do círculo é a interseção da
perpendicular a r traçada por P com a mediatriz AB).

Logo, o valor mínimo de MN é 10 2.

23
14/12/17

Questão 26
De uma caixa que contém 10 bolas brancas e 6 bolas pretas, são selecionadas ao acaso k bolas.
a) Qual a probabilidade de que exatamente r bolas sejam brancas, nas condições 0 ≤ k – r ≤ 6 e 0 ≤ k ≤ 10.
b) Use o item (a) para calcular a soma
6
 10   6 
∑   
r= 0  r  6 − r 

Gabarito:
escolha
escolha
das pretas  10   6 
a)  
das brancas
 b) O item (a) nos diz que o produto   ⋅   é a escolha de 6 bolas
 10   6   r  k − r
  ⋅  dentre 10 bolas brancas e 6 bolas pretas onde há exatamente r bolas
 r  k − r
 16 
 
6
 10   6 
 k brancas com 0 ≤ r ≤ 6. Dessa forma ∑ r  ⋅  k − r  é a soma de
total de casos
r =0    
todos os casos, ou seja, é a escolha de 6 bolas dentre 16 bolas que é

 16 
igual a   = 8008 .
6

Questão 27
Quantos pares de números inteiros positivos (A, B) existem cujo mínimo múltiplo comum é
126 × 103? Para efeito de contagem, considerar (A, B) ≡ (B, A).
Gabarito:
Veja que N = 126 · 103 = 24 · 32 · 53 · 7. Como mmc(A, B) = 126 · 103, A e B só possuem os fatores 2,
3, 5 ou 7. Logo, podemos escrever A = 2a13a2 5a3 7a4 e B = 2b13 b2 5 b3 7 b4 . Sejam e1, e2, e3 e e4 os expoentes
correspondentes aos fatores 2, 3, 5 e 7 em N, respectivamente.
Para o m.m.c. ser exatamente N, algum entre α1 e b1, deve ser igual a 4, algum entre a2 e b2 deve ser
igual a 2 e assim por diante. Logo, para cada par (ai, bi), ou ai = bi e ambos são iguais ao expoente de
N correspondente ei ou temos 2 maneiras de escolher quem será igual a ei e o outro varia de 0 a ei – 1.
Portanto, temos:
1 + 2ei possibilidades para o par (ai, bi)

Portanto, variando i e aplicando o princípio multiplicativo, temos no total:


(1 + 2 · 4)(1 + 2 · 2)(1 + 2 · 3)(1 + 2 · 1) = 945 pares.

Mas devemos retirar as repetições. Todos os pares repetem duas vezes, menos o par (N, N). Logo, o total
de pares é:
945 − 1
+ 1 = 473
2

24
GABARITO ITA – MATEMÁTICA

Questão 28
A aresta lateral de uma pirâmide reta de base quadrada mede 13 cm e a área do círculo inscrito na base
25p 2
mede cm . Dois planos, p1 e p2, paralelos à base, decompõem a pirâmide em três sólidos de mesmo
2
volume. Determine a altura de cada um desses sólidos.

Gabarito:

25π 5
Sendo r o inraio da base quadrada, πr 2 = , logo r = .
2 2
Seja V-ABCD a pirâmide, cuja base tem centro O.

5 2
Tem-se VA = 13,=
OA = 5. Logo, por Pitágoras, a altura da pirámide é VO =12 = H.
2
Decompondo a pirâmide como no enunciado, obtém-se três pirâmides, digamos, de volumes v, 2v e 3v, e
alturas h1, h2 e H, respectivamente.
V
Por semelhança,
3
v  h1  H
= ⇒ h1 = 3
3v  H  3
2v h2 H3 2
= ⇒ h2 = 3 .
3v H 3 D C
O

Assim, as alturas dos sólidos em que a pirâmide fica A B


decomposta são:
H 12 3 9
h1 = 3 = = 4 3 9 cm
3 3 V

h1 h1
h2 − h1 =
H3 2
3
3

H
3
3
= 43 9 ( 3
)
2 − 1 cm h2
H
h1 – h1
e
H – h2
H − h2 = H −
H3 2
3
3
= 43 9 ( 3
3 − 3 2 cm.)

25
14/12/17

Questão 29
Seja p(x) um polinômio não nulo. Se x3 – 4x2 + 5x – 2 e x3 – 5x2 + 8x – 4 são divisores de p(x), determine
o menor grau possível de p(x).

Gabarito:
Veja que 1 é a raiz nos dois polinômios:

1 –4 5 –2
⇒ x3 – 4x2 + 5x – 2 = (x – 1) (x2 – 3x + 2)
1 1 –3 2 0 = (x – 1) (x – 1) (x – 2) = (x – 1)2 (x – 2)

1 –5 8 –4
⇒ x3 – 5x2 + 8x – 4 = (x – 1) (x2 – 4x + 4)
1 1 –4 4 0 = (x – 1) (x – 2) (x – 2) = (x – 1) (x – 2)2

Logo, (x – 1)2 (x – 2) e (x – 1) (x – 2)2 dividem p(x) e como mdc (x – 1, x – 2) = 1, devemos ter pelo menos (x
– 1)2 e (x – 2)2 como fatores de p(x) e por isso o grau de p(x) é no mínimo 4 (já que o p(x) ≠ 0). Um exemplo é
p(x) = (x – 1)2 (x – 2)2.

Questão 30
No plano cartesiano são dados o ponto P = (0, 3) e o triângulo de vértices A = (0, 0), B = (3, 0) e C = (3, 2).
Determine um ponto N sobre o eixo dos x de modo que a reta que passa por P e N divida o triângulo ABC
em duas regiões de mesma área.

Gabarito:

P C
K
3 2

A B

Seja =
K AC ∩ BP. Veja que, por semelhança, AP > BC implica AK > CK. Daí, área (ABK) > área (BCF).
Portanto, temos que xN < xB.
Seja =
J AC ∩ PN.

26
GABARITO ITA – MATEMÁTICA
Veja que área (AJN) = área (BCJN) P C
1 1 3⋅2 3
⇒ área (AJN) = área (ABC) = ⋅ = . J
2 2 2 2
Seja N = (n, 0).
 2 A
 AC: y = 3 x N B
Temos  .
 PN: x + y = 1
 n 3
Encontrando J:
2
x
xJ 3 J  1 2
+ =⇒1 xJ  +  = 1
n 3  n 9
9n 6n
= xJ = e yJ
2n + 9 2n + 9
n ⋅ yJ 3
Agora, veja que área (AJN) = =
2 2
6n
⇒ n⋅ = 3
2n + 9
⇔ 2n2 = 2n + 9 ⇔ 2n2 − 2n − 9 = 0
2 ± 2 19
n= .
4
19 + 1
Como n > 0, segue que n = .
2
 19 + 1 
∴N =
 , 0 .

 2 

Comentários da prova de Matemática


A prova de Matemática do ITA abrangiu o conteúdo previsto e apresentou nível de dificuldade
mais elevado em relação aos anos anteriores, com destaque para as questões 5, 10, 13, 23 e 25.
A questão 5 apresentou o conceito de característica de uma matriz, pouco visto no Ensino
Médio. Portanto, um pouco obscuro para os candidatos.
Por fim, parabenizamos a banca de Matemática do ITA pela prova elaborada.

Professores:
Jorge Henrique / Lucas Herlin / Rafael Filipe / Raphael Mendes /
Renan Rodrigues / Rodrigo Villard / Sandro Davison

27