Você está na página 1de 31

TEORIA DAS ESTRUTURAS

Questão 1: Na viga abaixo, calcular os diagramas de esforços internos solicitantes através do


método dos deslocamentos:

As únicas deslocabilidades da estrutura são as rotações D1 e D2:

O sistema hipergeométrico fica:

Uma vez identificadas as deslocabilidades e o SH, a metodologia do Método dos Deslocamentos


segue com a superposição de casos básicos, cada um isolando um determinado efeito no SH. Isso é
mostrado a seguir.

Caso (0) – Solicitação externa (carregamento isolada no SH)

Neste caso, é imposta uma configuração deformada na qual as rotações dos nós dos apoios internos
são mantidas nulas enquanto atua o carregamento. Para que o SH fique em equilíbrio com essa
condição imposta, aparecem reações momentos nas chapas fictícias do SH. Essas reações nos
apoios fictícios do SH são chamadas de termos de carga. Os termos de carga β10 e β20 são
apresentados genericamente na figura anterior com seus sentidos positivos (ver tabela de conveções
de sinais).
A interpretação física desses termos pode ser entendida com o auxílio do diagrama de momentos
fletores para o caso (0):

Os momentos fletores para o caso (0) são determinados a partir da solução conhecida para uma viga
biengastada com carregamento uniformemente distribuído. Os momentos de engastamento perfeito
nas extremidades de uma barra têm valores em módulo igual a ql2/12, sendo l o comprimento
da barra. Os momentos fletores são mostrados na Figura de duas maneiras. Na primeira, o diagrama
é traçado na convenção usual, isto é, do lado da fibra da seção transversal que é tracionada. Na
segunda, os valores dos momentos fletores são indicados nas extremidades das barras de acordo
com a convenção de sinais adotada no Método dos Deslocamentos. Observam-se, no diagrama
traçado, as descontinuidades do diagrama de momentos fletores, indicando condições de equilíbrio
da estrutura original (sem as chapas fictícias) que são violadas. Entretanto, o equilíbrio do SH é
satisfeito com a introdução dos ermos de carga β10 e β20.

Nota-se também a simplicidade para a obtenção dos valores dos termos de carga. Como o sentido
das reações momento é compatível com o sentido dos momentos fletores que atuam nas
extremidades das barras, para obter os valores dos termos de carga basta somar os valores, com
sinal, dos momentos fletores nas seções adjacentes ao nó do termo de carga. Dessa forma:

β 10=−q 6 2 /12+ q 62 /12=−60+60=0 kN /m

β 20=−q 6 2 /12=−60 kN / m

Caso (1) – Deslocabilidade D1 isolada no SH

No caso (1) é imposta uma configuração deformada na qual a rotação D1 é unitária, colocando o
seu valor a ser determinado em evidência. Os valores dos momentos fletores são obtidos dos
coeficientes de rigidez de barra (4EI/l e 2EI/l) provocados por rotações impostas em suas
extremidades, tal como indicado na Figura a seguir (com θ = 1). Os momentos fletores são
mostrados com valores nas extremidades das barras.
Os valores de K11 e K21 são obtidos pelas somas dos momentos fletores (com sinal) nas seções
adjacentes ao nó correspondente:

K 11=+ 4 EI /6+4 EI /6=( 4 EI /3)kNm/rad

K 21=(+2 EI /6)kNm /rad

Caso (2) – Deslocabilidade D2 isolada no SH

O caso (2) mostrado na figura é análogo ao caso (1). Os valores dos coeficientes de rigidez glovais
obtidos nesse caso são:

K 12=(2 EI /6) kNm /rad

K 22=( 4 EI /6) kNm /rad

Equações de equilíbrio

Para se resolver a estrutura pelo Método dos Deslocamentos são impostas condições de equilíbrio
que determinam que os momentos externos totais introduzidos pelas chapas fictícias do SH sejam
nulos. Utilizando a superposição dos casos básicos, essas condições de equilíbrio resultam no
seguinte sistema de equações de equilíbrio:

{ }{ } [
β 20 + K 21 D1 + K 22 D2 =0 −60 1/3 4/6 D 2 ]{ } { }
β 10 + K 11 D1 + K 12 D2=0 → 0 + EI 4 /3 1/3 D1 = 0
0

A solução desse sistema de equações fornece os seguintes valores para as deslocabilidades:

D1=(−25,71/EI ) rad

D2=(102,86/ EI )rad

O valor negativo de D1 indica que a rotação da seção do apoio interno da esquerda se dá no sentido
horário e o valor positivo de D2 indica que a rotação na seção do outro nó interno tem o sentido
anti-horário. Esses sentidos de rotação são compatíveis com a configuração deformada da estrutura,
para este carregamento, que é mostrada (ampliada exageradamente) na Figura.

Determinação do diagrama de momentos fletores finais

Após a determinação dos valores das deslocabilidades, resta a determinação dos efeitos finais na
estrutura. Isto é feito utilizando a superposição de casos básicos, sendo que agora os casos (1) e (2)
são ponderados com os valores encontrados para D1 e D2. Por exemplo, os momentos fletores finais
na estrutura são obtidos por:

25,71 102,86
M = M 0 + M 1 D1 + M 2 D2 → M = M 0 − × M1 + × M2
EI EI

Essa superposição é feita individualmente para todas as seções extremas das barras, honrando o
sinal da convenção do método que aparece nos diagramas dos casos básicos. O resultado é mostrado
na Figura. Pode-se observar que a soma dos momentos fletores finais, com sinais, das duas seções
adjacentes a cada nó interno é nula, indicando que o equilíbrio do nó à rotação está sendo satisfeito.

Entretanto, essa forma de apresentação de resultados de momentos fletores não é adequada. É


preciso traçar o diagrama de momentos fletores ao longo da estrutura, sendo que o diagrama é
desenhado usualmente do lado da fibra tracionada das seções transversais. Portanto, é preciso
interpretar a convenção de sinais de momentos fletores, verificando o sentido dos momentos nas
duas extremidades de cada barra. Dessa forma, pode-se obter o traçado do diagrama de momentos
fletores finais da estrutura.
Os esforços restantes podem ser obtidos por equilíbrio, como mostrado a seguir, ou seguindo o
mesmo procedimento adotado para obtenção dos momentos:

Com os resultados obtidos, pode-se determinar o diagrama de força cortante:

Questão 2: Utilize o método dos deslocamentos para calcular as reações de apoio e trace os
diagramas de esforços normal, cortante e momento fletor da estrutura abaixo:
Para esta estrutura, temos as seguintes deslocabilidades e o seguinte sistema hipergeométrico (SH):

Caso (0) – Solicitação externa (carregamento) isolada no SH

2 2
ql 35×4
β 10= = =46,67 kN . m
12 12

β 20=0

ql 35×4
β 30= = =70 kN
2 2

−ql 2 −35×4 2
β 40= = =−46,67 kN . m
12 12
Os momentos fletores desse caso serão:

Caso (1) – Deslocabilidade D1 isolada no SH

4 EI 4 EI
K 11= = =EI
l 4

K 21=0
−6 EI −6 EI −3 EI
K 31= = 2 =
l2 4 8

2 EI 2 EI EI
K 41= = =
l 4 2

Caso (2) – Deslocabilidade D2 isolada no SH

K 12=0

12 EI EA 12 EI EA EI EA
K 22= + = 3 + = +
l
3
l 6 4 18 4

K 32=0

6 EI 6 EI EI
K 42= = 2 =
l2 6 6
Caso (3) – Deslocabilidade D3 isolada no SH

−6 EI −6 EI −3 EI
K 13= = 2 =
l
2
4 8

K 23=0

12 EI EA 12 EI EA 3 EI EA
K 33= + = 3 + = +
l
3
l 4 6 16 6

−6 EI −6 EI −3 EI
K 43= = =
l2 42 8
Caso (4) – Deslocabilidade D4 isolada no SH

2 EI 2 EI EI
K 14= = =
l 4 2

6 EI 6 EI EI
K 24= = 2 =
l2 6 6

−6 EI −6 EI −3 EI
K 34= = =
l2 42 8

4 EI 4 EI 4 EI 4 EI 5 EI
K 44= + = + =
l l 4 6 3

Equações de equilíbrio

Para a resolução do sistema, é necessário que se saiba a relação A/I. Como não foi informado esse
dado no enunciado do problema, considerou-se A/I = 2 m-2.
{ }{ } [ ]{ } { }
β 10+ K 11 D 1+ K 12 D2+ K 13 D3 + K 14 D 4=0 46,67 1 0 −3/8 1/2 D1 0
β 20+ K 21 D1+ K 22 D2+ K 23 D3 + K 24 D4 =0 0 0 5/ 9 0 1/6 D2
→ + EI = 0
β 30+ K 31 D1+ K 32 D2+ K 33 D3 + K 34 D4=0 70 −3/8 0 25/ 48 −3/8 D3 0
β 40 + K 41 D 1+ K 42 D2 + K 43 D 3+ K 44 D 4=0 −46,67 1/2 1/ 6 −3/8 5/3 D4 0

Resolvendo o sistema:

{} { }
D1 −139,61
D2 1 −6,32
=
D3 EI −219,75
D4 21,07

Determinação do diagrama de momentos finais

Os momentos finais podem ser obtidos por superposição dos casos básicos:

M = M 0 + M 1 D1 + M 2 D2 + M 3 D3 + M 4 D 4

−139,61 −6,32 − 6 EI −219,75 2 EI 21,07


M A =46,67 + EI × +0× + × + × =1,25 ×10−3 ≈ 0
EI EI 4 2
EI 4 EI

O valor obtido não foi exatamente zero devido a arrendondamentos.

EI −139,61 −6,32 −6 EI −219,75 4 EI 21,07


M B =− 46,67 + × +0× + × + × =−13,00 kN /m
2 EI EI 4
2
EI 4 EI

−139,61 6 EI −6,32 −219,75 4 EI 21,07


MC= 0+0× + 2 × +0× + × = 13,00 kN / m
EI 6 EI EI 6 EI

− 139,61 6 EI −6,32 −219,75 2 EI 21,07


M D = 0+ 0 × + 2 × +0× + × = 5,97 kN / m
EI 6 EI EI 6 EI

O sinal dos momentos obtidos aqui se referem à convenção de sinais adotada para o método dos
deslocamentos. Dessa forma, deve-se interpretar os sinais de acordo com a convenção adotada no
diagrama de momentos fletores. Assim, temos o seguinte diagrama de momentos fletores:
Os demais esforços podem ser obtidos por equilíbrio de barras e nós, como mostrado a seguir, ou
seguindo o mesmo procedimento adotado para o momento.

Com os esforços calculados, pode-se obter os diagramas de cortante e normal:


Questão 3: Na figura da viga contínua abaixo, calcular os diagramas de esforços internos
solicitantes.

Deslocabilidades e SH

Caso (0) – Solicitação externa (carregamento) isolada no SH


2 2
ql 120 ×6
β 10 = = =360 kN / m
12 12

− ql 2 Pab2 − 120× 62 180 ×3 ×62


β 20 = + 2 = + =−360 + 240 =− 120 kN / m
12 l 12 92

− Pba2 −180 × 6× 32
β 30 = = =− 120 kN / m
l2 92

Caso (1) – Deslocabilidade D1 isolada no SH

4 EI 4 EI 2 EI
K 11 = = =
l 6 3

2 EI 2 EI EI
K 21 = = =
l 6 3

K 31 = 0
Caso (2) – Deslocabilidade D2 isolada no SH

2 EI 2 EI EI
K 12 = = =
l 6 3

4 EI 4 EI 4 EI 4 EI 10 EI
K 22 = + = + =
l l 6 9 9

2 EI 2 EI
K 32 = =
l 9
Caso (3) – Deslocabilidade D3 isolada no SH

K 13 = 0

2 EI 2 EI
K 23 = =
l 9

4 EI 4 EI
K 33 = =
l 9

Equações de equilíbrio

{ }{ } [ ]{ } { }
β 10 + K 11 D1 + K 12 D2 + K 13 D3 =0 360 2/3 1/3 0 D1 0
β 20 + K 21 D1 + K 22 D2 + K 23 D3=0 → −120 + EI 1/3 10/ 9 2/9 D2 = 0
β 30 + K 31 D1 + K 32 D2 + K 33 D3=0 −120 0 2/9 4 /9 D3 0

Resolvendo o sistema:

{} { }
D1
1 −684
D2 = 288
EI
D3 126

A deformada pode ser vista a seguir, sendo esta coerente com os sinais obtidos para os
deslocamentos calculados:
Determinação do diagrama de momentos finais

Os momentos finais podem ser obtidos por superposição dos casos básicos:

M = M 0 + M 1 D1 + M 2 D2 + M 3 D3 + M 4 D 4

− 684 288 126


M = M 0 + M 1× + M 2× + M3×
EI EI EI

2 EI − 684 EI 288 126


M A =360 + × + × + 0× =0
3 EI 3 EI EI

EI − 684 2 EI 288 126


M B (esquerda)=−360 + × + × + 0× =− 396 kN . m
3 EI 3 EI EI

−684 4 EI 288 2 EI 126


M B (direita)= 240 + 0 × + × + × =396 kN . m
EI 9 EI 9 EI

−684 2 EI 288 4 EI 126


M C =− 120 + 0 × + × + × =0
EI 9 EI 9 EI

Determinação do diagrama de cortantes finais

−684 288 126


V = V 0 + V 1× + V 2× + V 3×
EI EI EI

6 EI −684 6 EI 288 126


V A =360 + × + 2 × +0× =294 kN
6 2
EI 6 EI EI

−6 EI −684 −6 EI 288 126


V B (esquerda)=360 + × + × +0× = 426 kN
6 2
EI 6 2
EI EI
−684 6 EI 288 6 EI 126
V B (direita)=133,33 + 0 × + 2 × + 2 × =164,00 kN
EI 9 EI 9 EI

− 684 − 6 EI 288 −6 EI 126


V C = 46,67 + 0× + × + × =16,00 kN
EI 92 EI 92 EI
Questão 4: Utilize o método dos deslocamentos para calcular as reações de apoio e trace os
diagramas de esforços normal, cortante e momento fletor do quadro hiperestático.

Deslocabilidades e SH
Caso (0)

45 ×9 2
β 10 = ql 2 /12 = =303,75
12

β 20 = 0

45× 9 45 × 5
β 30 = + =202,50 + 112,50 = 315,00
2 2

− 45× 92 45 × 52
β 40 =−ql 2 /12+ ql 2 /12 = + =−303,75 + 93,75=−210
12 12

β 50 = 0

− 45 ×52
β 60 =−ql 2 / 12= =− 93,75
12
Caso (1)

4 EI 4 EI
K 11 = =
l 9

K 21 = 0

−6 EI −6 EI −2 EI
K 31 = = =
l
2
9
2
27

2 EI 2 EI
K 41 = =
l 9

K 51 = 0

K 61 = 0
Caso (2)

K 12 = 0

EA EA 12 EI 14 EA 12 EI 28 EI 12 EI 808 EI
K 22 = + + 3 = + considerando A = 2 I → + =
9 5 5 45 125 45 125 1125

K 32 = 0

6 EI 6 EI
K 42 = =
5
2
25

− EA − 2 EI
K 52 = considerando A =2 I →
5 5

K 62 = 0
Caso (3)

− 6 EI −2 EI
K 13 = =
92 27

K 23 = 0

12 EI 12 EI EA 12 EI 12 EI E ×2 I
K 33 = + 3 + = 3 + 3 + = 0,512 EI
9
3
5 5 9 5 5

− 6 EI 6 EI 112 EI
K 43 = + 2 =
9
2
5 675

K 53 = 0

6 EI
K 63 =
25
Caso (4)

2 EI
K 14 =
9

6 EI
K 24 =
25

− 6 EI 6 EI 112 EI
K 34 = + 2 =
92 5 675

4 EI 4 EI 4 EI + 92 EI
K 44 = + + =
9 5 5 45

K 54 = 0

2 EI
K 64 =
5
Caso (5)

K 15 = 0

− EA −2 EI
K 25 = =
5 5

K 35 = 0

K 45 = 0

EA 2 EI
K 55 = =
5 5

K 66 = 0
Caso (6)

K 16 = 0

K 26 = 0

6 EI
K 36 =
25

2 EI
K 46 =
5

K 56 = 0

4 EI
K 66 =
5
Equações de equilíbrio

{ }
β 10 + K 11 D1+ K 12 D2 + K 13 D3 + K 14 D4 + K 51 D5+ K 61 D6=0
β 20+ K 21 D1 + K 22 D2 + K 23 D 3+ K 24 D4 + K 52 D5 + K 62 D6 =0
β 30+ K 31 D1 + K 32 D2 + K 33 D3 + K 34 D4 + K 53 D5 + K 63 D6 =0
β 40 + K 41 D 1+ K 42 D2 + K 43 D 3+ K 44 D 4 + K 54 D5 + K 64 D6=0
β 50+ K 51 D1 + K 52 D2 + K 53 D3 + K 54 D4 + K 55 D5 + K 65 D6 =0
β 60+ K 61 D1+ K 62 D2 + K 63 D3 + K 64 D4 + K 65 D5 + K 66 D6 =0

{ }[ ]{ } { }
303,75 4 /9 0 −2/27 2/9 0 0 D1 0
0 0 808/1125 0 6/25 −2/5 0 D 2 0
315 + EI −2/27 0 0,512 112/675 0 6/25 D3 = 0
−210 2/9 6 /25 112/675 92/45 0 2/5 D4 0
0 0 −2 /5 0 0 2/5 0 D5 0
−93,75 0 0 6 /25 2/5 0 4 /5 D 0
6

Resolvendo o sistema:

{} { }
D1 −972,51
D2 −192,14
D3 1 −970,14
=
D4 EI 254,77
D5 −192,14
D6 280,85

A deformada pode ser vista a seguir, sendo esta coerente com os sinais obtidos para os
deslocamentos calculados:
Determinação do diagrama de cortantes finais

− 972,51 − 192,14 − 970,14 254,77 −192,14 280,85


V = V 0 + V 1× + V 2× + V 3× +V4× +V 5 × +V6×
EI EI EI EI EI EI

Como exemplo:

6 EI −972,51 − 12 EI − 970,14 6 EI 254,77


V A =202,5 + × + × + 2 × =165,30 kN
9
2
EI 9
3
EI 9 EI

Os demais valores de cortante podem ser obtidos da mesma maneira.

Determinação dos diagramas de momento e normal

Os esforços de momento fletor e normal podem ser obtidos com o mesmo procedimento feito para o
cortante ou fazendo o equilíbrio de cada barra.