Você está na página 1de 12

Cistos

A maioria dos cistos tem uma capsula bem espessa, com exceção de um cisto que tem uma
recidiva altíssima que é o ceratocisto odontogênico.

O conteúdo geralmente é liquido ou seroso, pode ter um liquido como ceratina, meio pastoso,
principalmente o ceratocisto.

O epitélio interno é o que define se o cisto é de desenvolvimento ou inflamatório, e que cisto


é, junto com as características clinicas, radiográficas e histopatológicas, vc consegue definir que
cisto é, se vc tiver só o histopatológico vc não vai conseguir definir. Por exemplo, vc tem o cisto
periodontal lateral e o cisto dentígero, são dois cistos de desenvolvimento, se vc tiver só
histopatológico e não tiver a história clinica do paciente em que por exemplo, o cisto ta localizado
na lateral da raiz na região de pré molares e caninos mandibulares, vc não consegue definir só com
o histopatológico que é um cisto periodontal lateral, vc vai precisar dos dados clínicos e
radiográficos, se vc tem uma imagem, tem o histopatológico de um cisto de desenvolvimento e tem
uma radiografia que tem uma área radiolúcida envolvendo a coroa de um dente, a gente sabe que
é um cisto dentígero.

Nova classificação: duas entidades que eram consideradas tumores ate 2017 voltaram a ser
considerados cistos, que é o ceratocisto odontogênico e o cisto odontogênico calcificante, o cisto
odontogênico calcificante é também chamado cisto de Gorlin, não trocar com a síndrome de Gorlin-
Goltz, na síndrome uma das características fortes é múltiplos ceratocistos odontogênico, não tem
nada haver uma coisa com outra, o Gorlin identificou o cisto odontogenico calcificante e ele também
identificou a síndrome junto com Goltz.

Então pode ser que a gente coloque também algumas tabelas, gráficos, pra vcs identificarem
a prevalência, o cisto mais comum é o cisto odontogênico inflamatório radicular, ele pode ser
radicular apical ou radicular lateral, ele normalmente é radicular apical, então cisto periapical e cisto
radicular é a mesma coisa, por ser um cisto inflamatório tem que ver qual o estimulo que
inflamatório, vem de onde? Da necrose pulpar. Então é um sinal que deve ter, toda vez que vc
desconfiar de um cisto radicular, vc vai ter que fazer o teste de sensibilidade pulpar, vc só estará
certo que é um cisto radicular apical ou um cisto radicular lateral se o dente tiver necro, se o dente
não tiver necro então não é um cisto radicular apical nem lateral.

Então nós temos os cistos de desenvolvimento e os cistos inflamatórios, os de


desenvolvimento geralmente são de tecidos da odontogeneses e os inflamatórios por estímulos
inflamatórios, como eu falei o radicular que é o mais frequente. De desenvolvimento o mais
frequente é o cisto dentígero, geralmente tem relação com um folículo, por isso também é
chamado de cisto folicular. Outro cisto inflamatório que a gente tem, que é muito comum também,
é o chamado cisto paradental que geralmente da na distal do terceiro molar normalmente semi-
retido, que tem aquele capuz envolvendo a metade do dente, então aquele estimulo inflamatório da
pericoronarite leva ao desenvolvimento daqueles restos que tão lá no folículo na distal do dente ao
surgimento de um outro cisto, que é o cisto paradental ou paradentário. No cisto inflamatório vc ver
o infiltrado inflamatório, vc ve tbm exocitose, espongiose , ou seja, aqueles espações de edema,
que diferencia o cisto de desenvolvimento para o inflamatório. É bom dar uma observada na
frequência dos cistos, por exemplo, o cisto dentígero e mais frequente na região posterior de
mandíbula e região anterior de maxila, o cisto radicular é o contrário, mais frequente na região
anterior da maxila do que na região posterior, pelo menos os mais frequentes é bom decorar a
frequência.

Então, cisto dentígero é aquela imagem radiolúcida unilocular envolvendo a coroa do dente,
ele se insere no limite cervical, se não estiver inserido no limite cervical não é cisto dentígero, muito
provavelmente é algum tumor, se ele estiver inserido na raiz, no meio da raiz, não é cisto dentígero.

Cisto de erupção, é chamado cisto dentígero periférico, ou também de hematoma de


erupção, normalmente não tem imagem radiográfica, aparece em criança também, normalmente
na região anterior.
Cisto gengival do recém-nascido é esse aí, também é uma lesão periférica e
geralmente se rompe por si só, mas é bom saber o que é pra poder tranquilizar a mãe. Como é
periférico não tem uma imagem radiográfica e nenhum tratamento.

Cisto periodontal lateral, esse tem que dar uma importância, é raro, mas vcs tem
que diferenciar ele do cisto radicular lateral, e a coisa básica pra diferenciar é a necrose pulpar, o
cisto periodontal lateral é um cisto de desenvolvimento então esse dente que ta envolvido aí, o
canino e o lateral, são dentes bios, sensibilidade positiva, se fosse um cisto radicular lateral,
estariam necro. Então ele é muito comum na região de mandíbula, caninos e pré-molares, tem esse
aspecto ovoide, unilocular, na lateral do dente com vitalidade. Quando ele se apresenta multilocular
e multilobular, ele é chamado cisto odontogenico botrioide, essa é uma entidade reconhecida só
pela macrografia, o cisto odontogenico botrioide é uma entidade diagnosticada pela imagem, coisa
de radiologista.

Temos o cisto gengival do adulto também que é periférico, ta mais acima na região
da gengiva, também muito comum na região de pre-molar e canino inferior
Cisto odontogenico glandular, tem esse nome glandular não porque tem haver com
a origem, mas sim pelo padrão histopatológico, formação de ductos semelhantes ao da glandula,
pode ser um pouco agressivo com deslocamento de dentes, expansão de cortical, pode ser
unilocular ou multilocular.

Os inflamatórios, no caso do cisto radicular tem que ter necrose pulpar, pode ta
sintomático ou não e quando punciona o cisto radicular sempre vem liquido citrino, as vezes vem
um liquido mais escurecido a depender da idade do cisto, e tambem pode vir pus quando ele é
contaminado quando a infecção permanece e os microrganismos permanecem no conduto
contaminando aquela região. Aqui a gente vê alguns aspectos, o cisto radicular aqui que tem que
ser diferenciado do cisto periodontal lateral, o cisto radicular em um resto de raiz e um cisto radicular
em um dente que foi feito uma restauração, ou seja, uma necrose silenciosa. Vai ter união de coroas
e afastamento de raizes. Mais comum na região anterior da maxila e posterior de mandibula,
principalmente na região de primeiro molar, justamento aonde ocorre a erupção de forma mais
precose, então por com seis anos a gente tem a erupção dos incisivos e o canino fica lá só com
nove anos/ dez anos vai realizar a erupção, então os incisivos geralmente é mais frequente o cisto
radicular e na região de molares por conta do primeiro molar, molar de seis anos, por isso que nas
pessoas que é o dente permanente é o dente mais perdido, justamente porque as pessoas pensam
ainda que é dente deciduo.
Outro cisto também raro, é o cisto da bifurcação, é um cisto inflamatório também, na
vestibular dos molares inferiores, nesse caso aqui foi o terceiro molar, mas é muito comum na
região de primeiro molar e vc não tem necessidade de realizar a exodontia do dente, diferente de
um tumor, cisto normaçmente vc faz de tudo pra reduzir ele, tirar ele mantendo o dente,
principalmente quando se trata de um primeiro molar ou um seguundo molar permanente, terceiro
molar não é um dente que vc tenha q ter tanto cuidado assim pq normalmente é um dente que está
fora de oclusão.

Os não odontogencios, temos o cisto do ducto nasopalatino que é um csito central na


região do forame palatino, então ele ta nessa região anterior mais pro palato, tem aspectos
radiográficos interessantes, pode ter um abaulamento, aumento de volume, ele tem como
caracteristica radiográfica, area radiolúcida tipo pera invertida ou coração invertido

O nasolabial já é um cisto perifério, fica no sulco nasolabial, ele tem como caracteristica o
epitélio cilindrico ciliaado, que é o epitélio do sistema respiratório, essa é a diferença dele, está
rrelacionado ao nariz, as vezes causa entupimento. Só quando tem uma lesão muito grande é que
vai dar um aspecto radiográfico.
Tratamento dos cistos

Temos alguns tratamentos:


1. Descompressão
2. Marsupialização
3. Enucleação e/ou curetagem
4. Enucleação e/ou curetagem com procedimentos adjuvantes
 Esses procedimentos adjuvantes ficam restritos mais ao ceratocisto
odontogenico, muito frequente na região posterior de mandíbula, ele tem
uma capsula friável, alto índice de recidiva e tem o que chama também de
cistos satélites. Então com muita frequência vc vai tirar um ceratocisto e vc
geralmente abandona restos do cisto, cistos filhos, cistos satélites e vão
recidivar, e por isso se utiliza de alguns procedimentos para necrosar ou
matar as celulas que tenha abandonado la. Um desses procedimentos
coadjuvantes é a osteotomia periférica, ou seja, cureta tudo, ai ta a cavidade
la, então pega uma broca e retira uma parte de tecido ósseo pra ficar bem
liso pra o caso de ter abandonado alguma coisa. Tem outros procedimentos
coadjuvantes como o uso de crioterapia com nitrogênio liquido e também
uso de solução chamada de solução de Carnoy é uma mistura que causa
necrose. Qual é o problema de se utilizar esses procedimentos
coadjuvantes? Você mata as células que deixou la, mas também danifica o
tecido ósseo, então pode ter uma infecção, se a solução de Carnoy pegar
no alveolar inferior vai causar parestesia temporária, se a gente tirar muito
com a broca e pegar no alveolar inferior vai ter uma parestesia temporária.

Descompressão e Marsupialização são pra cistos grandes, cistos que estejam muito
extensos e que estejam invadindo seio maxilar, próximo ao canal mandibular, próximo
ao mentoniano, próximo a fossa nasal, então a gente vai fazer a descompressão ou
Marsupialização pra reduzir, pq cisto é o que? Bexiga, uma bola de ar, ele cresce de
dentro pra fora por causa da pressão interna, se vc tira a pressão interna ele tende a
reduzir, a descompressão e Marsupialização se utiliza dessa técnica. A
descompressão vc coloca um dreno rígido e a Marsupialização, vc cria uma bolsa
comunicando o interior do cisto com a cavidade bucal.

Resumidamente, esse caso de cisto da bifurcação, na região de terceiro molar,


próximo ao nervo mandibular, a gente fez aqui o pendulo, colocou aqui, sutura,
irrigação, toda vez que se alimentar tem que irrigar, Marsupialização fica uma bolsa
aberta, então comeu tem q ir pro banheiro bochechar, eventualmente infecta e tem
que passar um antibiótico. Quanto tempo leva? Depende. Jovens tem uma redução
mais rápida, idosos tem uma redução mais devagar. Depende muito da idade do
paciente e do cuidado que ele tem com a técnica, como dreno ou a bolsa. Aqui a
redução, praticamente o dreno sendo expulso. Foi retirado o dente, então foi retirado
o fator etiológico, por isso que sumiu tudo, mas no caso se for um primeiro molar, não
vai se extrair, faz a redução e depois faz a curetagem e mantem o dente la.
Descompressão:
Marsupialização:
A Marsupialização de um cisto de erupção, não precisa técnica anestésica de
bloqueio regional, apenas terminal infiltrativa, tira o tampão e sutura isso aqui continua
simples, deixa lá o dente e a mãe tem que sempre limpar.

Outro caso aqui de Marsupialização, lesão grande, punção, lembrando sempre,


toda lesão central, pode ser unilocular, multilocular, radiolúcida, tem que puncionar
ates de incisar, principalmente se for multilocular, porque o hemangioma e o cisto
ósseo aneurismático, que são lesões sangrantes, eles tem o aspecto parecido com
alguns tumores, tipo multilocular bolha de sabão, favo de mel, então vc pode pensar
que é um ameloblastoma, vai fazer a biopsia, não faz a punção, incisa. Então sempre
puncionar a lesão, mesmo que seja radiolúcida unilocular. Lesão radiopaca punciona?
Não. Pq radiopacidade é tecido mineralizado. Tira o tampão e essa parte manda pra
o diagnóstico e faz sutura continua, quando fizer a sutura vai reduzir a abertura que
vc fez.
O caso de Enucleação, uma lesão grande, a gente fez Enucleação, poderia
fazer Marsupialização ou descompressão aqui? Era o ideal, mas nesse caso dessa
paciente a gente optou por fazer a Enucleação.

Aqui a gente vê um caso de ceratocisto odontogenico, multilocular,


afastamento de raízes, aproximação de coroa, são sinais clínicos, abaulamento,
assimetria facial. Punção, liquido mais escurecido, incisão, fez a remoção do tampão,
tem a cortical e a capsula junto, vc manda pro histopatológico de preferencia
separado, a parte da cortical e a parte da capsula, pq se vc mandar junto vai demorar
muito, sempre que vc tiver uma lesão associada ao dente, vc vai mandar o dente
também, mas manda separado, pq se não demora muito. Aqui a gente ve ceratina,
aquela pasta e aqui a gente colocou o dreno, descompressão, redução da lesão,
diagnóstico deu ceratocisto, já reduziu mais, a gente abriu mais com anestesia geral,
curetou a lesão toda restante ainda e fez a chamada osteotomia com a broca maxicut,
vc entra e alisa.
Sobre ceratocisto é bom lembrar , o paciente tem bossa frontal, pseudo
prognatismo por conta da atresia da maxila, são sinais fracos, os sinais fortes da
síndrome de Gorlin Goltz são três: costela ou vertebra bífida, múltiplos ceratocistos e
múltiplos nevos celulares, ou seja, aquelas pintas que tem na pele, e aqueles nevos
normalmente se transformam com a idade em carcinoma basocelular, paciente vai a
óbito por conta do câncer de pele, é um câncer moderado, não agressivo, mas ele
tem muitos, então chega numa idade por volta de 40-50 anos e começa aparecer
muitos carcinomas basocelular, essas são as características fortes.