Você está na página 1de 56

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

CENTRO TECNOLÓGICO
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL
Campus Universitário – Trindade
Florianópolis – SC – CEP 88040-900
Caixa Postal 476

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações


http://www.labeee.ufsc.br
Telefones: (48) 3721-5184 / 3721-5185

MANUAL DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DE


EDIFÍCIOS NATURALMENTE VENTILADOS
NO PROGRAMA ENERGYPLUS – Versão 8.0

Helena A. da C. Pereira, IC.


Ana Paula Melo, Dr. Eng.
Rogério Versage, M. Eng.
Márcio Sorgato, M. Eng.
Roberto Lamberts, PhD.

Florianópolis, Outubro de 2013.


MANUAL DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DE
EDIFÍCIOS NATURALMENTE VENTILADOS
NO PROGRAMA ENERGYPLUS – Versão 8.0

Elaborado por:

Helena A. da C. Pereira, IC.


helenaaviz@labeee.ufsc.br

Ana Paula Melo, Dr. Eng.


apaula_melo@labeee.ufsc.br

Rogério Versage, M. Eng.


versage@labeee.ufsc.br

Márcio Sorgato, M. Eng.


marciosorgato@labeee.ufsc.br

Roberto Lamberts, PhD.


lamberts@labeee.ufsc.br
INFORMAÇÕES GERAIS

Este manual foi elaborado com o objetivo de auxiliar o usuário do programa


EnergyPlus a inserir os parâmetros necessários para simular edificações naturalmente
ventiladas, utilizando a versão 8.0 do programa. A elaboração do manual baseou-se
nos resultados de simulações computacionais com a integração da ventilação natural, e
nos documentos Input Output Reference e Engineering Reference, fornecidos pelo
programa EnergyPlus. O manual é apresentado de forma clara e objetiva, descrevendo
cada input necessário para a utilização da estratégia de ventilação natural nas
edificações.
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO .................................................................................................7
2. O PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS ............................................9
3. AIRFLOW NETWORK .................................................................................... 10
3.1 AIRFLOWNETWORK SIMULATION CONTROL .................................................... 11
3.1.1 Field: Name ................................................................................................ 11
3.1.2 Field: AirflowNetwork Control........................................................................ 11
3.1.3 Field: Wind Pressure Coefficient Type ............................................................ 11
3.1.4 Field: AirflowNetwork Wind Pressure Coefficient Array Name ........................... 14
3.1.5 Field: Height Selection for Local Wind Pressure Calculation.............................. 14
3.1.6 Field: Building Type ..................................................................................... 14
3.1.7 Field: Maximum Number of Iterations ............................................................ 15
3.1.8 Field: Initialization Type ............................................................................... 15
3.1.9 Field: Relative Airflow Convergence Tolerance ................................................ 15
3.1.10 Field: Absolute Airflow Convergence Tolerance ............................................. 15
3.1.11 Field: Convergence Acceleration Limit .......................................................... 15
3.1.12 Field: Azimuth Angle of Long Axis of Building ............................................... 15
3.1.13 Field: Ratio of Building Width Along Short Axis to Width Along Long Axis ........ 16
3.2 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:ZONE ........................................................... 16
3.2.1 Field: Zone Name ........................................................................................ 16
3.3 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:SURFACE ...................................................... 16
3.3.1 Field: Surface Name..................................................................................... 16
3.3.2 Field: Leakage Component Name .................................................................. 16
3.3.3 Field: External Node Name ........................................................................... 16
3.3.4 Field: Wind/Door Opening Factor, or Crack Factor .......................................... 16
3.3.5 Field: Ventilation Control Mode ..................................................................... 17
3.3.6 Field: Ventilation Control Zone Temperature Setpoint Schedule Name .............. 18
3.3.7 Field: Minimum Venting Open Factor ............................................................. 18
3.3.8 Field: Venting Availability Schedule Name ...................................................... 19
3.4 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:COMPONENT DETAILED OPENING .................. 20
3.4.1 Field: Name ................................................................................................ 20
3.4.2 Field: Air Mass Flow Coefficient When Opening is Closed ................................. 20
3.4.3 Field: Air Mass Flow Exponent When Opening is Closed .................................. 26
3.4.4 Field: Type of Rectangular Large Vertical Opening (LVO) ................................ 27
3.4.5 Field: Extra Crack Length or Height of Pivoting Axis ........................................ 27
3.4.6 Field: Number of Sets of Opening Factor Data ................................................ 27
3.4.7 Field: Opening Factor #n.............................................................................. 28
3.4.8 Field: Discharge Coefficient for Opening Factor #n ......................................... 28
3.4.9 Field: Width Factor for Opening Factor #n ..................................................... 28
3.4.10 Field: Height Factor for Opening Factor #n .................................................. 29
3.4.11 Field: Start Height Factor for Opening Factor #n .......................................... 29
3.5 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:EXTERNAL NODE ........................................... 29
3.5.1 Field: Name ................................................................................................ 29
3.5.2 Field: External Node Heigh ........................................................................... 29
3.5.3 Field: Wind Pressure Coefficient Values Object Name...................................... 29
3.6 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:WIND PRESURE COEFFICIENT ARRAY ............. 29
3.6.1 Field: Name ................................................................................................ 30
3.6.2 Field: Wind Direction #1 – Wind Direction #n ................................................ 30
3.7 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:WIND PRESURE COEFFICIENT VALUES ........... 30
3.7.1 Field: Name ................................................................................................ 30
3.7.2 Field: AirflowNetwork WindPressureCoefficient Array Name ............................. 30
3.7.3 Field: Wind Pressure Coefficient Value #1 ...................................................... 30
4. AIRFLOW NETWORK OUTPUTS.................................................................... 31
4.1 ZONE MEAN TEMPERATURE ............................................................................ 31
4.2 AFN NODE WIND PRESSURE [Pa] .................................................................... 31
4.3 AFN SURFACE VNETING WINDOW OR DOOR OPENING FACTOR ........................ 31
4.4 AFN SURFACE VENTING INSIDE SETPOINT TEMPERATURE [C] .......................... 31
4.5 AFN SURFACE VENTING AVAILABILITY STATUTS .............................................. 31
4.6 AFN ZONE INFILTRATION AIR CHANGE RATE ................................................... 31
4.7 AFN SURFACE VENTING WINDOW OR DOOR OPENING MODULATION MULTIPLIER
.......................................................................................................................... 32
5. EXEMPLO ...................................................................................................... 32
5.1 MODELO RESIDENCIAL ................................................................................... 32
5.1.1 AirflowNetwork Simulation Control ................................................................ 34
5.1.2 AirflowNetwork:Multizone:Zone ..................................................................... 34
5.1.3 AirflowNetwork:Multizone:Surface ................................................................. 34
5.1.4 AirflowNetwork:Multizone:Component Detailed Opening ................................. 35
5.1.5 Análise dos resultados .................................................................................. 35
5.2 MODELO COMERCIAL ..................................................................................... 43
5.2.1 AirflowNetwork Simulation Control ................................................................ 44
5.2.2 AirflowNetwork:Multizone:Zone ..................................................................... 44
5.2.3 AirflowNetwork:Multizone:Surface ................................................................. 44
5.2.4 AirflowNetwork:Multizone:Component Detailed Opening ................................. 45
5.2.5 Análise dos resultados .................................................................................. 46
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................. 55
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

1. INTRODUÇÃO
A ventilação natural quando corretamente utilizada pode representar importante
fator de conforto e melhoria das condições ambientais no interior dos edifícios. Trata-
se de uma estratégia aplicada desde o início da história da arquitetura, para amenizar
as altas temperaturas internas, em regiões de clima quente, sendo até hoje
amplamente empregada em edificações residenciais e comerciais.
O uso da ventilação natural nas edificações pode proporcionar conforto térmico
aos seus usuários, por diminuir as altas temperaturas internas. Esta estratégia também
reduz o consumo de energia, por evitar ou minimizar a utilização dos sistemas de
condicionamento de ar. Além disso, a ventilação natural mantém a qualidade interna
do ar pela renovação, entre outras funções.
Entretanto, a grande maioria das edificações comerciais é resfriada através de
sistemas de condicionamento de ar. Os sistemas de condicionamento de ar são
responsáveis por manter o ambiente interno em condições constantes de temperatura,
mas como consequência isto representa elevados gastos de consumo de energia
elétrica refletindo em um grande impacto para o meio ambiente. Além disso, os
usuários têm uma menor oportunidade de ajustar estes sistemas para a sua
preferência de conforto térmico. Em contraste, edificações naturalmente ventiladas
permitem que os seus ocupantes tenham o controle da abertura ou fechamento das
janelas para manter a temperatura do ambiente em condições agradáveis, refletindo
em um menor consumo de energia elétrica quando comparadas às edificações
condicionadas.
A otimização do sistema de ventilação natural em edificações de países de clima
quente, como o Brasil, pode contribuir para a diminuição do consumo dos sistemas de
condicionamento de ar, o que traz benefícios ao usuário e à sociedade em geral. Os
benefícios podem vir da redução de custos com energia elétrica, da redução das
penalidades pelo uso da energia e do aumento do conforto térmico.
Muitos programas computacionais nacionais e internacionais estão sendo
desenvolvidos para o cálculo de cargas térmicas, avaliação das condições de conforto
térmico e desempenho energético de edificações. Atualmente, existem diversas
ferramentas computacionais para analisar o desempenho energético e o consumo de
energia das edificações, sendo que a escolha vai depender da aplicação. Segundo o
DOE (2013) o Diretório de Ferramentas de Simulações Computacionais do

7
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Departamento de Energia dos Estados Unidos apresenta mais de 408 programas de


simulação desenvolvidos em diversos países, como por exemplo: BLAST, Comis,
DOE2.1E, EnergyPlus, Sunrel, TRNSYS, Tas, TRACE, eQUEST, ECOTECT, Window,
entre outros.
O uso de programas computacionais tem contribuído em muito na busca de
soluções para a área energética. Seja na escolha de um sistema de condicionamento
de ar eficiente, de lâmpadas e luminárias de alto rendimento; no projeto de proteções
solares; na instalação de um sistema de cogeração ou até mesmo na análise das
contas de energia elétrica de uma edificação.
O programa EnergyPlus, internacionalmente conhecido, possibilita simulações
confiáveis de diversas tipologias arquitetônicas, sistemas construtivos e
condicionamento de ar. Trata-se de um software de simulação de carga térmica e
análise energética, desenvolvido pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos, a
partir de dois outros softwares, o BLAST e o DOE-2.
O método da ventilação natural presente no programa EnergyPlus foi validado
através de medições de dados obtidos pelo Laboratório Nacional de Oak Ridge (ORNL)
e pelo Centro de Energia Solar da Flórida (FSEC). Foram adotadas diferentes
edificações, onde estas foram inseridas no programa EnergyPlus para validar
específicos parâmetros relacionados com o modelo de ventilação natural inserido no
programa. Através dos resultados foi possível comparar os resultados das medições
com os resultados obtidos através da simulação computacional. Observou-se que estes
estavam de acordo com os dados das medições realizadas, podendo afirmar que o
método da ventilação natural inserido no programa EnergyPlus está coerente.
O Instituto Internacional de Normalização e Tecnologia (NIST) desenvolveu o
programa AIRNET (WALTON, 1989). Em 1990, pesquisadores do Laboratório Nacional
de Lawrence Berkeley desenvolveram o programa COMIS. Ambos os programas
analisam as trocas de ar do modelo de acordo com as temperaturas de cada nó.
Primeiramente, o programa EnergyPlus utilizava o COMIS para analisar a
ventilação uma vez que este permitia mais interações com os modelos. Depois, foi
inserido no EneryPlus um sistema de distribuição de ar o qual utilizava equações
derivadas do programa AIRNET. Este sistema analisava a ventilação através do sistema
de distribuição de ar e calculava as perdas de energia.
Durante algum tempo, ambos os programas estavam inseridos no EnergyPlus,
apesar de o COMIS e o AIRNET possuírem focos diferentes. Entretanto, hoje em dia o

8
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

programa AIRNET substituiu o COMIS para que o EnergyPlus ficasse integrado com o
sistema de ventilação e distribuição de ar (GU, 2007).
Através deste manual pretende-se detalhar os parâmetros necessários para a
modelagem da ventilação natural no programa computacional EnergyPlus,
apresentando o porquê da utilização dos dados de entrada em cada item do programa.

2. O PROGRAMA COMPUTACIONAL ENERGYPLUS

Para a elaboração do manual referente a ventilação natural adotou-se o


programa de simulação computacional EnergyPlus, utilizando a versão 8.0.0 (DOE,
2013). O programa EnergyPlus foi desenvolvido através da fusão dos programas DOE-
2 e BLAST pelo Lawrence Berkeley National Laboratory (LBNL), em sociedade com
outros laboratórios. Esta foi uma iniciativa do Departamento de Energia Norte-
Americano, para estimular o desenvolvimento de um código computacional que fosse
capaz de calcular não só a carga térmica da edificação, mas também que pudesse
prever o consumo de energia do sistema de climatização.
Além disso, o algoritmo COMIS (FEUSTEL & RAYNOR-HOOSEN, 1990) foi
incorporado ao Energyplus, o que permite a simulação da ventilação natural,
juntamente com a simulação térmica da edificação, a partir da sua geometria e das
condições climáticas locais. A partir da versão 1.3.0 do programa, o modelo de cálculo
do fluxo de ar passou a ser chamado de AirflowNetwork. Esse modelo, além de incluir
partes da versão mais recente do COMIS, passou a adotar partes da rotina de cálculo
do programa AIRNET (WALTON, 1989). O COMIS foi desenvolvido através de um
esforço multinacional e multi-institucional sob a supervisão da Agência Internacional de
Energia (IEA). O programa AIRNET foi desenvolvido por George Walton do NIST – USA
National Institute of Standards and Technology.
Para realizar uma simulação no EnergyPlus é necessário, inicialmente, modelar a
geometria e os componentes construtivos do modelo. A modelagem da geometria é
realizada através de coordenadas cartesianas. E os componentes construtivos são
tratados como layers, ou seja, é necessário criar cada camada constituinte. A maioria
das informações necessárias para o cálculo do fluxo de ar é automaticamente extraída
da descrição da edificação para a modelagem térmica. Alguns exemplos são o volume
e a altura neutra das zonas, a orientação e localização das superfícies da edificação
que contém frestas ou aberturas. O objeto AirflowNetwork calcula o fluxo de ar entre

9
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

zonas e o exterior, através de frestas e janelas. No módulo relacionado à ventilação


natural são determinados os links (entradas) do fluxo de ar, as características do
entorno da edificação, as condições de abertura das janelas e portas e as condições de
ventilação. O algoritmo permite que sejam criadas schedules de controle, de
disponibilidade de ventilação, entre outras. O programa pode calcular automaticamente
os coeficientes de pressão, mas para isso é necessário que o prédio possua uma
geometria retangular.

3. AIRFLOW NETWORK
A ventilação no programa EnergyPlus pode ser dividida em dois tipos: natural e
forçada. Na ventilação forçada, força-se a renovação de ar através de equipamentos e
outros métodos. Já na ventilação natural, a qual será abordada neste manual, é
baseada na movimentação do ar por forças naturais, particularmente através da
movimentação do ar pelo interior da edificação. A ventilação natural depende da
diferença de temperatura entre o ar dentro e fora da edificação; da diferença da altura
entre a entrada de ar e as aberturas de exaustão; convecção do calor ascendente e da
velocidade e direção do vento.
Para inserir a estratégia da ventilação natural no programa EnergyPlus são
necessários inserir os seguintes objetos:

- AirflowNetwork: SimulationControl (define os parâmetros básicos para a


simulação da ventilação);
- AirflowNetwork:MultiZone:Zone (controla a ventilação natural através das
aberturas externas e internas da zona térmica);
- AirflowNetwork:Multizone:Surface (propriedades das superfícies para a
ventilação natural);
- AirflowNetwork:MultiZone:Component:DetailedOpening (características da
ventilação natural através das portas e janelas);
- AirflowNetwork:MultiZone:ExternalNode (define as condições externas da
edificação);
- AirflowNetwork:Multizone:WindPressureCoefficientArray (características do
vento);
- AirflowNetwork:Multizone:WindPressureCoefficientValues (definidos de acordo
com a direção adotada para cada fachada).

10
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

A seguir, cada objeto de entrada e seus respectivos itens serão listados acima,
apresentando o seu real significado para o funcionamento da ventilação natural em
edificações.

3.1 AIRFLOWNETWORK SIMULATION CONTROL

Este objeto de entrada define os parâmetros básicos para o cálculo da


ventilação e define se os coeficientes de pressão do vento são inseridos pelo usuário
ou calculados pelo programa. As especificações de cada parâmetro de entrada
relacionado com este objeto são:

3.1.1 Field: Name


Este parâmetro está relacionado com o nome que o usuário irá fornecer para o
sistema de ventilação.

3.1.2 Field: AirflowNetwork Control

Este parâmetro está relacionado com o controle da ventilação. O programa


fornece quatro tipos de controle:

- Multizone with distribution: o cálculo de ventilação das zonas acontece


durante toda a simulação, incluindo o impacto do sistema de distribuição de ar;
- Multizone without distribution: o cálculo de ventilação das zonas acontece
durante toda a simulação, mas o sistema de distribuição do ar não é modelado
mesmo que este seja inserido no programa;
- Multizone with distribution only during fan operation: o cálculo de ventilação
das zonas e o impacto do sistema de distribuição de ar somente ocorrem
quando o ventilador do sistema de condicionamento de ar está funcionando.
- No multizone or distribution: Não ocorre o cálculo de ventilação das zonas e
do sistema de distribuição do ar.

3.1.3 Field: Wind Pressure Coefficient Type

Determina se os coeficientes de pressão do vento são inseridos pelo usuário ou


calculados pelo programa. As opções são:

- INPUT: o usuário deve inserir os coeficientes de pressão do vento nos


seguintes objetos AirflowNetwork:Multizone:Wind Pressure Coefficient Array;

11
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

AirflowNetwork:Multizone:External Node e AirflowNetwork:Multizone:Wind


Pressure Coefficient Values;
- SURFACE-AVERAGE CALCULATION: os coeficientes de pressão do vento são
calculados pelo programa. Ressalta-se que esta opção somente pode ser
utilizada se a edificação em estudo for retangular.

Caso o usuário opte em calcular os coeficientes de pressão do vento, pode-se


utilizar a equação de Swami e Chandra (1988) localizada na ASHRAE 2001 –
Fundamentals Handbook (ASHRAE, 2001).
Outra opção de cálculo dos coeficientes de pressão do vento é o programa CP
Generator o qual está sendo desenvolvido pelo TNO Built Environment and Geoscience
(www.cpgen.bouw.tno.nl/cp/). Este programa é um aplicativo online, possuindo os
arquivos de entrada em formato de texto.
Este programa dimensiona os coeficientes de pressão nas fachadas e cobertura
da edificação, levando em consideração as obstruções externas. Os dados de entrada
são inseridos de forma simples, determinando quais são as coordenadas da edificação,
da sua orientação e de seus obstáculos. Deve-se também inserir as coordenadas do
posicionamento dos coeficientes de pressão. O CP Generator é geralmente utilizado
para calcular os coeficientes de pressão de edificações não complexas.
Outra opção é a base de dados do cálculo dos coeficientes de pressão realizado
no Japão (Wind Effects on Buildings and Urban Environment). Nesta base de dados
pode-se escolher a geometria da edificação e as proporções desta para analisar os
resultados encontrados dos coeficientes de pressão (www.wind.arch.t-
kougei.ac.jp/eng/w_it.html)
Esta base de dados fornece coeficientes de pressão em diferentes coordenadas
das fachadas da edificação e cobertura. Mas para isso, foi necessário analisar a
velocidade do vento, as características da influência deste nas edificações, estabelecer
um método para analisar a sua influência, construir um modelo para monitorar a
influência nas edificações e desenvolver um método para determinar as aberturas para
a utilização da ventilação natural.

12
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Caso o usuário opte em não calcular os coeficientes de pressão do vento, o


programa EnergyPlus utiliza a equação de Swami e Chandra (1988) para edificações de
pequeno porte, apresentada na Figura 1.

Figura 1 - Fórmula de Swami e Chandra (1988).

Já para edificações de grande porte, o programa baseia-se nos coeficientes de


pressão do vento apresentados na ASHRAE 2001 – Fundamentals Handbook (ASHRAE,
2001): “Surface Averaged Wall Pressure Coefficient for Tall Buildings”, apresentada na
Figura 2.

Figura 2 - Fórmula de Walker e Wilson (1994).

13
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

3.1.4 Field: AirflowNetwork Wind Pressure Coefficient Array Name


Este parâmetro está relacionado com o nome fornecido pelo usuário para o
objeto AirflowNetwork:Multizone:Wind Pressure Coefficient Values. Este parâmetro só
será utilizado caso o usuário escolher em inserir valores dos coeficientes de pressão do
vento (INPUT) no objeto acima.

3.1.5 Field: Height Selection for Local Wind Pressure Calculation


Determina se a pressão do vento local é calculada com base na altura de
qualquer nó externo ou da altura da abertura. As opções são ExternalNode ou
OpeningHeight, sendo o padrão OpeningHeight. O procedimento de cálculo da
velocidade do vento local ao ar livre pode ser observada na seção “Local Wind Speed
Calculation” no manual Engineering Reference do EnrgyPlus.

- EXTERNAL NODE: As alturas dadas no AirflowNetwork:Multizone:


ExternalNode são usadas para calcular as pressões do vento local com
base na velocidade do vento desta dada altura. Usado somente se Wind
Pressure Coefficient Type = INPUT (ver descrição de campo anterior).
- OPENING HEIGHT: O número no objeto
AirflowNetwork:MultiZone:ExternalNode deve ser igual ao número de
superfícies externos definidos no objeto
AirflowNetwork:MultiZone:Surface. O dado de entrada é necessário se
WindPressureCoefficientType = INPUT (ver descrição do campo anterior).
Se WindPressureCoefficientType = SurfaceAverageCalculation, um valor
neste campo não é necessário e um espaço em branco pode ser inserida.
A opção padrão é usado internamente para gerar o objeto
AirflowNetwork:MultiZone:ExternalNode.

3.1.6 Field: Building Type


Deve ser somente utilizado se o usuário utilizou o parâmetro SURFACE-
AVERAGE CALCULATION. Este objeto permite que o usuário opte pelo tipo da
edificação:
- LOWRISE: corresponde a uma edificação retangular onde a altura é 3 (três)
vezes menor que a largura da área do piso e três vezes menor que o
comprimento da área do piso;

14
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

- HIGHRISE: corresponde a uma edificação retangular onde a altura é 3 (três)


vezes maior que a largura da área do piso ou três vezes maior que o
comprimento da área do piso.

3.1.7 Field: Maximum Number of Iterations


Relacionado com o número máximo de interações permitidas para solucionar
algum item relacionado com o uso da ventilação. O valor de default utilizado é 500.

3.1.8 Field: Initialization Type


Define qual o método utilizado para inicializar o cálculo da ventilação. As opções
são: Linear Initialization Method e Zero Node Pressures. O método de default utilizado
é o Zero Node Pressures.

3.1.9 Field: Relative Airflow Convergence Tolerance


O valor de default é 1.0x10-4.

3.1.10 Field: Absolute Airflow Convergence Tolerance


Assume-se que houve convergência quando a soma do valor absoluto de todos
os sistemas de ventilação é menor que o valor especificado neste objeto. O valor de
default é 1.0x10-6.

3.1.11 Field: Convergence Acceleration Limit


Caso a razão das correções das pressões resultarem em valores menores que o
limite, deve-se utilizar o algoritmo de aceleração de Steffensen (EnergyPlus
Engineering Reference). O valor pode variar entre -1 e +1, sendo o valor de default de
-0.5.

3.1.12 Field: Azimuth Angle of Long Axis of Building


Orientação da edificação retangular para calcular o coeficiente de pressão do
vento. Utilizar este objeto somente se o usuário optou pelo SURFACE-AVERAGE
CALCULATION.

15
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

3.1.13 Field: Ratio of Building Width Along Short Axis to Width Along Long Axis
É a razão da área do piso retangular. Utilizar este objeto somente se o usuário
optou pelo SURFACE-AVERAGE CALCULATION.

3.2 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:ZONE
Este objeto de entrada permite controlar a ventilação natural através das
aberturas externas e internas presentes em cada zona térmica. Para o cálculo da
ventilação natural, somente o primeiro parâmetro deste objeto deve ser inserido. As
especificações de cada parâmetro de entrada relacionado com este objeto são:

3.2.1 Field: Zone Name


Neste objeto deve-se inserir o nome correspondente à zona térmica que será
inserida a ventilação natural.

3.3 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:SURFACE
Este objeto especifica as propriedades das superfícies que possuem a ventilação
natural.

3.3.1 Field: Surface Name


Nome fornecido pelo usuário correspondente às superfícies que serão utilizadas
para ventilar as zonas térmicas.

3.3.2 Field: Leakage Component Name


Nome fornecido pelo usuário, no objeto AirflowNetwork:Multizone:Component
Detailed Opening, para especificar a abertura e fechamento das portas e janelas.

3.3.3 Field: External Node Name


Nome fornecido pelo usuário, no objeto AirflowNetwork:Multizone:External
Node, para nomear o coeficiente de pressão do vento na superfície.

3.3.4 Field: Wind/Door Opening Factor, or Crack Factor


Especifica que a porta ou janelas são operáveis, apresentando o valor da
abertura. O programa EnergyPlus utiliza uma combinação de fatores para determinar a
área de abertura das portas e janelas.

16
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

3.3.5 Field: Ventilation Control Mode


Especifica qual será o tipo de controle da ventilação natural de cada abertura
das zonas térmicas. Os tipos de controle que o objeto permite adotar são:

- NOVENT: as portas e janelas estão fechadas durante todo o tempo,


independente das condições internas e externas. A schedule Venting Availability
Schedule não é utilizada neste caso.
- TEMPERATURE: as portas e janelas serão abertas se:
* a temperatura da zona for maior que a temperatura externa;
* a temperatura da zona for maior que a temperatura da schedule de
temperatura da zona e;
* a schedule de Venting Availability Schedule permitir a ventilação na
edificação.
- ENTHALPY: as portas e janelas serão abertas se:
* a entalpia da zona for maior que a entalpia externa;
* a temperatura da zona for maior que a temperatura da schedule de
temperatura da zona e;
* a schedule de Venting Availability Schedule permitir a ventilação na
edificação.
- CONSTANT: as portas e janelas serão abertas de acordo com a schedule de
Venting Availability Schedule, independente das condições internas e externas.
- ZONELEVEL: a ventilação através das portas e janelas não é controlada
individualmente, e sim através da zona térmica. A ventilação será determinada
através do objeto AirflowNetwork:Multizone:Zone.
- ADJACENT TEMPERATURE: esta opção é somente utilizada para as superfícies
internas. As portas e janelas serão abertas se:
* a temperatura da zona for maior que a temperatura da zona
adjacente;
* a temperatura da zona for maior que a temperatura da schedule de
temperatura da zona e;
* a schedule de Venting Availability Schedule permitir a ventilação na
edificação.
- ADJACENT ENTHALPY: esta opção é somente utilizada para as superfícies
internas. As portas e janelas serão abertas se:

17
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

* a entalpia da zona for maior que a entalpia da zona adjacente;


* a temperatura da zona for maior que a temperatura da schedule de
temperatura da zona e;
* a schedule de Venting Availability Schedule permitir a ventilação na
edificação.
- ASHRAE55Adaptive: A janela ou porta que se pode abrir relacionado com esta
superfície é aberta quando a temperatura operativa é maior do que a
temperatura de conforto (linha central) calculado pelo modelo de conforto
adaptativo da ASHRAE Standard 55 (2010) e a schedule de Venting Availability
que permitir a ventilação.
- CEN15251Adaptive: A janela ou porta que se pode abrir relacionado com esta
superfície é aberta quando a temperatura operativa é maior do que a
temperatura de conforto (linha central) calculado pelo modelo de conforto
adaptativo CEN15251 e a schedule de Venting Availability que permitir a
ventilação.

3.3.6 Field: Ventilation Control Zone Temperature Setpoint Schedule Name


Nome da schedule de temperatura de set-point da zona que controla a abertura
das portas e janelas para permitir a ventilação natural. Esta temperatura de set-point
está relacionada com a abertura das portas e janelas, referente as condições
estabelecidas no objeto Ventilation Control Mode.

3.3.7 Field: Minimum Venting Open Factor


Este parâmetro deve ser utilizado somente se o Ventilation Control Mode
adotado para TEMPERATURE ou ENTHALPIC. O valor a ser inserido pode variar de 0 a
+1, sendo o valor de default igual a 0. A Figura 3 deve ser utilizada para
TEMPERATURE e a Figura 4 deve ser utilizada para ENTHALPIC.

18
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Figura 3 - Ventilation Control Mode adotado para TEMPERATURE.

Figura 4 - Ventilation Control Mode adotado para ENTHALPIC.

3.3.8 Field: Venting Availability Schedule Name


Este objeto está relacionado com a schedule criada pelo usuário para
especificar quando ocorre a ventilação natural durante o ano. Uma schedule com valor
negativo ou igual a zero significa que não é permitida a ventilação natural. Um valor
maior que zero significa que a ventilação pode ocorrer caso as outras condições de

19
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

controle permitam. Ressalta-se para ter o cuidado de não confundir está schedule com
a Vent Temperature Schedule Name.

3.4 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:COMPONENT DETAILED OPENING


Este objeto especifica as propriedades da ventilação natural através das portas
e janelas quando estes estão fechados ou abertos. As especificações de cada
parâmetro de entrada relacionado com este objeto são:

3.4.1 Field: Name


Nome fornecido pelo usuário para especificar a superfície de abertura. Este
nome está relacionado com o objeto AirflowNetwork:Multizone:Surface.

3.4.2 Field: Air Mass Flow Coefficient When Opening is Closed


Este parâmetro está relacionado com as frestas através das portas e janelas
quando estes elementos estiverem fechados. Não existe um valor de default para este
objeto, entretanto o valor inserido deve ser maior que zero. O programa EnergyPlus irá
automaticamente criar quatro frestas em volta do perímetro da porta ou da janela.
Através do livro “Air Infiltration Calculation Techniques – An Applications Guide”
(LIDDAMENT, 1986) encontrou-se dados de infiltração prontos para projetistas
selecionarem valores apropriados aos seus modelos de infiltração de ar. Os dados
estão disponíveis em uma tabela com as características de infiltração de cada
componente (flow coefficient e exponent). A Tabela 1 representa a descrição de portas
e a Tabela 3 à descrição de janelas comuns.
Ressalta-se que a unidade do flow coefficent no livro é em (dm³/s.m). No
programa EnergyPlus, deve-se inserir os valores na seguinte unidade: (kg/s.m). Os
valores convertidos segunda a unidade no programa EnergyPlus para portas e janelas
podem ser observados na Tabela 3 e Tabela 4.

20
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Tabela 1 - Coeficientes e expoentes de fluxo de ar para portas - Liddament, 1986.


Flow Exponent (n) Flow Coefficient (C)
Max. Med. Min. Max. Med. Min.
Interna 0.700 0.600 0.500 2.570 1.450 0.810

vedação
Com
1 folha Pivotante

Externa 0.640 1.240 0.960 0.70


Corta-fogo
vedação Interna 0.790 0.590 0.510 3.380 1.580 0.490
Sem

Externa 0.710 0.590 0.500 3.520 1.320 0.790


Corta-fogo 0.580 1.710
Interna
vedação
2 folhas Pivotantes
Porta de madeira

Com

Externa
Corta-fogo
Interna 0.660 4.170
vedação
Sem

Externa 0.600 1.950


Corta-fogo
Interna
vedação
Com
1 folha de correr

Externa
Corta-fogo
Interna
vedação
Sem

Externa 0.660 0.200


Corta-fogo
Interna
vedação
1 folha Pivotante

com

Externa
Porta de metal

Corta-fogo
Interna 0.660 0.038
vedação
Sem

Externa 0.660 0.038


Corta-fogo
Interna
Porta de enrolar

Externa 0.660 14.0


m² de porta

Corta-fogo

21
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Tabela 2 – Coeficientes e expoentes de fluxo de ar para janelas - Liddament, 1986.

Flow Exponent (n) Flow Coefficient (C)

Max. Med. Min. Max. Med. Min.


Madeira 0.66 0.10 0.03 0.01
Com vedação
Madeira +
Pivotante – eixo vertical lateral

0.66 0.17
Metal
Metal 0.66 0.29 0.27 0.14
Plástico
Madeira 0.85 0.66 0.50 1.19 0.23 0.04
Sem vedação

Madeira +
Metal
Metal
Plástico
Madeira 0.69 0.57 0.50 1.22 0.42 0.11
Pivotante - eixo horizontal superior

Com vedação

Madeira +
Metal
Metal 0.64 0.60 0.52 0.55 0.32 0.18
Plástico
Madeira 0.61 0.56 0.60 1.38 1.08 0.88
Sem vedação

Madeira +
Metal
Metal
Plástico
Madeira 0.78 0.03
Com vedação

Madeira +
Pivotante – eixo vertical central

Metal
Metal 0.7 0.66 0.63 0.12 0.07 0.02
Plástico
Madeira
Sem vedação

Madeira +
Metal
Metal
Plástico

22
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Madeira

Com vedação
Madeira +

1 folha - Deslizamento vertical


Metal
Metal 0.66 0.09
Plástico
Sem vedação Madeira 0.66 0.16
Madeira +
Metal
Metal
Plástico
Madeira 0.66
Com vedação

Madeira +
2 folhas - Deslizamento vertical

0.66
Metal
Metal 0.79 0.66 0.56 0.28 0.18 0.04
Plástico
Madeira 0.66 0.17
Sem vedação

Madeira +
Metal
Metal 0.69 0.58 0.45 1.20 0.45 0.20
Plástico
Sem vedação
Clarabóia

Metal 0.59 0.55 0.50 3.07 0.18 0.16

23
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Tabela 3 – Coeficientes e expoentes de fluxo de ar para portas – EnergyPlus.


Flow Coefficient (C)
(kg/s.m)
Max. Med. Min.
Interna 0.00332 0.00187 0.00105

vedação
Com
1 folha Pivotante
Externa 0.00160 0.00124 0.00090
Corta-fogo
Interna 0.00437 0.0024 0.00063
vedação
Sem

Externa 0.00455 0.00171 0.00102


Corta-fogo 0.00221
Interna
vedação
2 folhas Pivotantes
Porta de madeira

Com

Externa
Corta-fogo
Interna 0.00539
vedação
Sem

Externa 0.00252
Corta-fogo
Interna
vedação
Com
1 folha de correr

Externa
Corta-fogo
Interna
vedação
Sem

Externa 0.00026
Corta-fogo
Interna
vedação
Com
1 folha Pivotante

Externa
Porta de Metal

Corta-fogo
Interna 0.00005
vedação
Sem

Externa 0.00005
Corta-fogo

24
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Tabela 4 – Coeficientes e expoentes de fluxo de ar para janelas – EnergyPlus

Flow Coefficient (C)


Max. Med. Min.
Madeira 0.00013 0.00004 0.0001

Com vedação
Madeira +
Pivotante – eixo vertical lateral
Metal
Metal 0.00037 0.00035 0.00018
Plástico
Madeira 0.0154 0.00030 0.00005
Sem vedação

Madeira +
Metal
Metal
Plástico
Madeira 0.00158 0.00054 0.00014
Pivotante - eixo horizontal superior

Com vedação

Madeira +
Metal
Metal 0.00071 0.00041 0.00023
Plástico
Madeira 0.00178 0.00140 0.00114
Sem vedação

Madeira +
Metal
Metal
Plástico
Madeira 0.00004
Com vedação

Madeira +
Pivotante – eixo vertical central

Metal
Metal 0.00016 0.00009 0.00003
Plástico
Madeira
Sem vedação

Madeira +
Metal
Metal
Plástico

25
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Madeira

Com vedação
Madeira +

1 folha - Deslizamento vertical


Metal
Metal 0.00012
Plástico
Madeira 0.00021

Sem vedação
Madeira +
Metal
Metal
Plástico
Madeira
Com vedação

Madeira +
2 folhas - Deslizamento vertical

Metal
Metal 0.00036 0.00023 0.00005
Plástico
Madeira 0.00022
Sem vedação

Madeira +
Metal
Metal 0.00155 0.00058 0.00026
Plástico
Sem vedação
Clarabóia

Metal 0.00397 0.0023 0.00021

3.4.3 Field: Air Mass Flow Exponent When Opening is Closed


Este parâmetro está relacionado com as frestas através das portas e janelas
quando estes elementos estiverem fechados. O valor a ser inserido é o valor utilizado
como expoente na equação da ventilação pelas frestas. O valor do expoente pode
variar de 0.5 a 1.0, sendo o valor de default igual a 0.65.
No livro “Air Infiltration Calculation Techniques – An Applications Guide”
(LIDDAMENT, 1986), encontrou-se uma tabela a qual determina o valor do fluxo de ar
através das frestas de acordo com a sua característica. Pode-se observar através da

26
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Tabela 5 que este valor pode variar de 0.50 a 1.00, sendo o valor de 0.50 adotado
para o fluxo de ar turbulento e 1.00 para o fluxo de ar laminar.

Tabela 5 – Fluxo de ar através das frestas.


Tipo de abertura n

Aberturas grandes 0.50


Frestas - cracks (portas e janelas) 0.66
Materiais porosos com juntas 0.75
Materiais porosos 1.00

3.4.4 Field: Type of Rectangular Large Vertical Opening (LVO)


Este parâmetro especifica o tipo de portas e janelas retangulares. As opções
são:
- NON-PIVOTED: representa uma porta ou janela normal;
- HORIZONTALLY PIVOTED: representa uma janela com a dimensão maior na
horizontal, podendo também ser utilizada como uma porta.

3.4.5 Field: Extra Crack Length or Height of Pivoting Axis


Especifica as características das janelas e portas dependendo do tipo da
abertura vertical. Para o tipo Non-pivoted este valor deve ser o comprimento das
frestas. Já para o tipo Horizontally pivoted o valor inserido deve ser a altura do pé-
direito medida a partir da parte inferior do vidro da janela.

3.4.6 Field: Number of Sets of Opening Factor Data


Este parâmetro define a quantidade de frações de aberturas que as portas e
janelas possuem (Figura 5). O valor do primeiro fator de abertura deve ser 0, referente
à mínima fração de abertura considerada para a janela ou porta e o último
valor para o fator de abertura deve ser 1. No caso de haver três níveis de
abertura para uma janela, o primeiro fator de abertura deve ser 0 (mínima
fração de abertura), o segundo 0.5 (para uma fração de abertura
intermediária) e o último 1 (máxima fração de abertura).

27
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Figura 5 - Frações de aberturas de portas e janelas.

3.4.7 Field: Opening Factor #n


Representa o fator de abertura da porta ou da janela. O valor inicial deve ser 0,
sendo que os próximos valores podem variar até o valor 1. Este fator de abertura pode
variar n vezes, para representar o quanto a janela/porta está aberta. Para o Non-
pivoted o fator de abertura corresponde a fração de abertura das portas e janelas.
Para o Horizontally pivoted o fator de abertura é determinado pelo ângulo de abertura
das portas e janelas.

3.4.8 Field: Discharge Coefficient for Opening Factor #n


Corresponde a fração eficaz da ventilação natural das portas e janelas com
relação ao fator de abertura #1. O valor a ser inserido pode variar de 0.0 a 1.0, sendo
o valor de default igual a 0.001.

3.4.9 Field: Width Factor for Opening Factor #n


O fator de largura das aberturas é a razão da largura da abertura pela largura
da janela ou da porta. O valor pode variar de 0.0 a 1.0, sendo o valor de default igual
a 0.0. O valor deste fator de largura das aberturas corresponde ao Opening Factor #1.

28
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

3.4.10 Field: Height Factor for Opening Factor #n


O fator de altura das aberturas é a razão da altura da abertura pela altura da
janela ou da porta. O valor pode variar de 0.0 a 1.0, sendo o valor de default igual a
0.0. O valor deste fator de altura das aberturas corresponde ao Opening Factor #1.

3.4.11 Field: Start Height Factor for Opening Factor #n


Este fator corresponde à razão da altura do piso até a parte inferior da janela
pela altura da janela ou da porta. O valor pode variar de 0.0 a 1.0, sendo o valor de
default igual a 0.0. O valor deste fator de altura das aberturas corresponde ao Opening
Factor #1.

3.5 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:EXTERNAL NODE


Define as condições externas da edificação, incluindo coeficiente de pressão do
vento o qual varia de fachada a fachada e pode ser consideravelmente dependente da
geometria da edificação. Este objeto não precisa ser utilizado se o usuário optou pelo
SURFACE-AVERAGE CALCULATION. As especificações de cada parâmetro de entrada
relacionado com este objeto são:

3.5.1 Field: Name


Nome fornecido pelo usuário para um nó externo da edificação associado com
uma fachada da edificação. Podem ser determinados diversos pontos na fachada,
desde que se tenha o conhecimento dos valores de coeficientes de pressão destes nós.

3.5.2 Field: External Node Heigh


Referente à altura utilizada para o cálculo da pressão do vento. O programa
EnergyPlus aceita somente um nó por fachada.

3.5.3 Field: Wind Pressure Coefficient Values Object Name


Relacionado com o nome de um determinado
AirflowNetwork:MultiZone:WindPressureCoefficientValues.

3.6 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:WIND PRESURE COEFFICIENT ARRAY


Este parâmetro refere-se à altura e direção do vento. Ressalta-se que este
objeto é somente utilizado se o usuário optou em utilizar o INPUT como opção de

29
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

cálculo do coeficiente de pressão do vento. As especificações de cada parâmetro de


entrada relacionado com este objeto são:

3.6.1 Field: Name


Nome fornecido pelo usuário para referente à ventilação natural.

3.6.2 Field: Wind Direction #1 – Wind Direction #n


Correspondem às orientações que serão utilizadas para a realização do cálculo
do coeficiente de pressão do vento.

3.7 AIRFLOWNETWORK:MULTIZONE:WIND PRESURE COEFFICIENT VALUES


Estes parâmetros são definidos de acordo com cada direção inserida no objeto
AirflowNetwork:Multizone:Wind Pressure Coefficient Array. Ressalta-se que este objeto
é somente utilizado se o usuário optou em utilizar o INPUT como opção de cálculo do
coeficiente de pressão do vento. As especificações de cada parâmetro de entrada
relacionado com este objeto são:

3.7.1 Field: Name


O nome do objeto WindPressureCoefficientValues. Este nome pode estar
relacionado à múltiplos objetos do AirflowNetwork:MultiZone:ExternalNode objects.

3.7.2 Field: AirflowNetwork WindPressureCoefficient Array Name


Nome fornecido pelo usuário no objeto AirflowNetwork:Multizone:Wind Pressure
Coefficient Array, o qual relaciona as direções do vento correspondente aos valores do
cálculo dos coeficientes de pressão do vento.

3.7.3 Field: Wind Pressure Coefficient Value #1


Valor do coeficiente de pressão do vento de acordo com a fachada da
edificação adotada. O valor pode ser positivo, negativo ou zero.

30
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

4. AIRFLOW NETWORK OUTPUTS


O sistema de ventilação natural do programa EnergyPlus possui diversas
variáveis de saída, permitindo o usuário analisar cada variável inserida no programa. A
grande maioria das variáveis de saída está relacionada com a utilização do sistema de
ventilação juntamente com um sistema de condicionamento de ar (mixed-mode).
Abaixo estão relacionadas algumas das variáveis de saída mais utilizadas, relacionadas
com a utilização da ventilação natural.

4.1 ZONE MEAN TEMPERATURE


Esta variável determina a temperatura interna da zona. É utilizada para o
sistema de ventilação natural, permitindo analisar o funcionamento da ventilação
natural de acordo com os tipos de controle.

4.2 AFN NODE WIND PRESSURE [Pa]


Esta variável fornece a pressão do vento para todos os nós externos que foram
adotados.

4.3 AFN SURFACE VNETING WINDOW OR DOOR OPENING FACTOR


Esta variável fornece o fator de abertura relacionado com uma janela/porta
presente na edificação.

4.4 AFN SURFACE VENTING INSIDE SETPOINT TEMPERATURE [C]

Esta variável fornece o valor por time-step da temperatura de ventilação da


zona.

4.5 AFN SURFACE VENTING AVAILABILITY STATUTS


Esta variável fornece os valores da schedule de abertura das janelas/portas
presentes na edificação, adotadas pelo simulador.

4.6 AFN ZONE INFILTRATION AIR CHANGE RATE


Esta variável fornece o número de trocas por hora realizada pela ventilação do
ar externo para dentro da zona através das aberturas das janelas/portas.

31
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

4.7 AFN SURFACE VENTING WINDOW OR DOOR OPENING MODULATION MULTIPLIER


Através desta variável é possível analisar o funcionamento das schedules
inseridas no arquivo.idf. Os valores de saída variam de 0.0 a -1.0. A Figura 6 determina
os valores para diferentes condições de ventilação.

Figura 6 - Valores de funcionamento das schedules de ventilação.

5. EXEMPLO

5.1 MODELO RESIDENCIAL

Como exemplo, foi utilizada uma edificação residencial unifamiliar (Figura 7) de


um pavimento tipo, com as seguintes características:

Figura 7- Edificação adotada.

32
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

- Dimensões: 6 m x 6 m x 4,32 m (pé direito de 2,80 m);


- Cinco zonas térmicas: sala, banheiro, quarto 01, quarto 02, ático;
- Clima: arquivo climático de Florianópolis (TRY 1963);
- Piso: laje maciça de concreto 100 mm e piso cerâmico;
- Parede externa e interna: argamassa 25 mm, tijolo 8 furos cerâmico 100 mm,
argamassa 25 mm;
- Cobertura: telha cerâmica 10 mm;
- Vidro: simples 3 mm;
- Orientação: quartos com orientação norte e sala com orientação sul;
- Sombreamento: beiral de 50 cm;
- Ocupação: 4 pessoas, 2 em cada quarto;
- Atividade metabólica: no quarto 80 Watts/pessoa; na sala 110 Watts/pessoa);
- Schedules de ocupação quartos:
- Dias de semana: 23h00 às 7h00
- Finais de semana: 24h00 às 8h00
- Schedules de ocupação sala:
- Dias de semana: 08h00 às 12h00
- Finais de semana: 09h00 às 23h00
- Iluminação: 44 Watts nos quartos e 29 Watts na sala;
- Equipamentos: 161 Watts nos quartos e 90 Watts na sala.
- Schedules de ventilação dos quartos:
- Até dia 30/04: 7h00 às 21h00
- Até dia 30/09: 7h00 às 20h00
-Até dia 31/12: 7h00 às 21h00
- Schedules de ventilação da sala:
- Até dia 30/04: 8h00 às 18h00
- Até dia 30/09: 9h00 às 18h00
-Até dia 31/12: 8h00 às 18h00
- Temperatura de setpoint da ventilação: 20ºC;
- Ventilation Control Mode: Temperature (explicação página 17).

33
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Abaixo estão relacionados os objetos de entrada necessários para a simulação da


ventilação natural desta edificação.

5.1.1 AirflowNetwork Simulation Control

5.1.2 AirflowNetwork:Multizone:Zone

5.1.3 AirflowNetwork:Multizone:Surface

34
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

5.1.4 AirflowNetwork:Multizone:Component Detailed Opening

5.1.5 Análise dos resultados


A seguir são apresentados alguns resultados da ventilação natural através dos
relatórios de saída fornecidos pelo programa EnergyPlus. Todas as análises foram
realizadas para o dia 25/01.

1) Comparação da temperatura interna e externa do caso base com e sem a


utilização da ventilação natural: para analisar a influência da ventilação natural
no modelo, observou-se a temperatura interna da edificação com e sem a
utilização da ventilação natural. Através da Figura 8 pode-se observar que o
valor da temperatura interna do caso base com a utilização da ventilação
natural acompanha a temperatura externa durante o período de ocupação. Já
na Figura 9, nota-se que a temperatura interna do caso base é maior que a
temperatura externa em razão da não utilização da ventilação natural no

35
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

período de ocupação. Este mesmo comportamento foi observado para o Quarto


2 (Figura 10 e Figura 11) e para a Sala (Figura 12 e Figura 13).

25 de janeiro

Figura 8 – Temperatura interna do Quarto 1 com o uso da ventilação natural.

25 de janeiro

Figura 9 – Temperatura interna do Quarto 1 sem o uso da ventilação natural.

36
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

25 de janeiro

Figura 10 – Temperatura interna do Quarto 2 com o uso da ventilação natural.

25 de janeiro

Figura 11 – Temperatura interna do Quarto 2 sem o uso da ventilação natural.

37
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

25 de janeiro

Figura 12 – Temperatura interna da Sala com o uso da ventilação natural.

25 de janeiro

Figura 13 – Temperatura interna da Sala sem o uso da ventilação natural.

38
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

2) Análise das trocas de ar da edificação versus a velocidade do vento: a


análise da troca de ar de cada ambiente foi analisada, observando a
frequência de ocorrência das trocas. Nota-se que as trocas de ar em cada
ambiente depende das schedules de condições de aberturas e temperatura
pré-determinadas no objeto AirflowNetwork. O controle da ventilação
natural é definido no objeto Ventilation Control Mode. Neste caso, as
aberturas de portas e janelas das zonas térmicas respeitam o controle
Temperature. Desta forma, conforme explicado anteriormente (página 17),
as portas e janelas serão abertas se: - a temperatura da zona for maior que
a temperatura externa; - temperatura da zona for maior que a temperatura
da schedule de temperatura da zona, definida em Ventilation Control Zone
Temperature Setpoint.
Conforme explicado anteriormente (página 20), na classe
AirflowNetwork:Multizone:Component Detailed Opening define-se as
características das aberturas quando estas encontram-se abertas ou
fechadas. Quando o objeto Opening Factor #n é nulo para as portas e
janelas, ou seja, estas aberturas encontram-se fechadas, o objeto Discharge
Coefficient for Opening Factor #n demostra a fração eficaz da ventilação, a
qual é igual a 0,001. Desta forma, nos horários em que a schedule de
ventilação impõe que as aberturas fiquem fechadas, as trocas de ar
correspondentes são inferiores à 0,05 ACH.
Através das Figura 14 e Figura 15 pode-se observar que para o Quarto 1
pode-se chegar a 30 trocas de ar por hora. A maior frequência de
ocorrência das trocas de ar por hora é superior a 18 trocas. Para o Quarto 2
(Figura 16 e Figura 18), as trocas de ar por hora chegam a ser superior a
60 trocas de ar por hora no período da manhã, e a praticamente 50 trocas
de ar por hora no período da tarde. A maior frequência de ocorrência das
trocas de ar encontrada para o Quarto 2 é superior a 24 trocas. Para o
ambiente da Sala (Figura 18 e Figura 19), nota-se que foram encontradas
as menores trocas de ar por hora no dia analisado, de aproximadamente 20
trocas de ar no período da manhã. A frequência de ocorrência das trocas de
ar concentrou-se no valor superior a 18 trocas de ar.

39
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Trocas de ar x Velocidade do vento


Quarto 1
70 25 de janeiro 6

Velocidade do vento (m/s)


Trocas de ar por hora (ACH)
60 5
50
4
40
3
30
2
20
10 1
0 0
01:00
02:00
03:00

05:00

07:00

13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
24:00
04:00

06:00

08:00
09:00
10:00
11:00
12:00
Trocas de ar por hora (ACH) Velocidade do vento (m/s)

Figura 14 – Análise da velocidade do vento e trocas de ar no Quarto 1.

Frequência das trocas de ar da


edificação - Quarto 1
200

150

100

50

0
0≤x<3 3≤x<9 9≤x<12 12≤x<18 x≥18

Trocas de ar

Figura 15 – Frequência de ocorrência das trocas de ar – Quarto 1.

40
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Trocas de ar x Velocidade do vento


Quarto 2
70 25 de janeiro 6

Trocas de ar por hora (ACH)

Velocidade do vento (m/s)


60 5
50
4
40
3
30
2
20
10 1

0 0
01:00
02:00
03:00

05:00

07:00

13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
24:00
04:00

06:00

08:00
09:00
10:00
11:00
12:00
Trocas de ar por hora (ACH) Velocidade do vento (m/s)

Figura 16 – Análise da velocidade do vento e trocas de ar no Quarto 2.

Figura 17 - Frequência de ocorrência das trocas de ar – Quarto 2.

41
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Trocas de ar x Velocidade do vento


Sala
70 6

Velocidade do vento (m/s)


Trocas de ar por hora (ACH)
60 25 de janeiro 5
50
4
40
3
30
2
20
10 1
0 0
01:00
02:00
03:00

05:00

07:00

13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
24:00
04:00

06:00

08:00
09:00
10:00
11:00
12:00
Trocas de ar por hora (ACH) Velocidade do vento (m/s)

Figura 18 – Análise da velocidade do vento e trocas de ar da Sala.

Frequência das trocas de ar da


edificação - Sala
200

150

100

50

0
0≤x<6 6≤x<12 12≤x<18 x≥18

Trocas de ar

Figura 19 - Frequência de ocorrência das trocas de ar – Sala.

42
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

5.2 MODELO COMERCIAL

Como exemplo foi utilizado uma edificação de 5 pavimentos (Figura 20) com as
seguintes características:

Figura 20 – Modelo comercial com 5 pavimentos.

- Dimensões de 20m x 20m x 15m


- Cinco zonas para cada pavimento
- WWR 40%
- 3 portas em cada pavimento
- Orientação Norte
- Iluminação: 12 W/m2
- Equipamentos: 150 W/pessoa
- Infiltração 0,3 ACH
- Clima: Florianópolis (arquivo climático TRY 1963)
- Ocupação comercial (8h00 – 18h00)
- Schedules de ventilação dos ambientes:
- 8h00 às 18h00
- Temperatura de setpoint da ventilação: 20ºC;
- Ventilation Control Mode: Temperature (explicação página 17).

43
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Abaixo estão relacionados os objetos de entrada necessários para a simulação da


ventilação natural desta edificação.

5.2.1 AirflowNetwork Simulation Control

5.2.2 AirflowNetwork:Multizone:Zone

No caso deste exemplo, todas as zonas devem ser especificadas, com exceção da zona
central, totalizando em 20 objetos. Neste exemplo, somente 3 zonas estão sendo
apresentadas.

5.2.3 AirflowNetwork:Multizone:Surface

44
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Neste exemplo, apresenta-se a descrição de duas portas e duas janelas. Porém,


ressalta-se que cada porta deve ser inserida no modelo duas vezes (cada uma
referente à específica zona). Para descrever as 15 portas existentes na edificação, foi
necessário inserir um total de 30 objetos. Com relação às janelas, foram inseridos um
total de 40 objetos.

5.2.4 AirflowNetwork:Multizone:Component Detailed Opening

45
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

5.2.5 Análise dos resultados


A seguir são apresentados alguns resultados da ventilação natural através dos
relatórios de saída fornecidos pelo programa EnergyPlus. Todas as análises foram
realizadas para o dia 25/01, considerando todas as zonas do pavimento tipo – exceto a
zona central.

1) Comparação da temperatura interna e externa do caso base com e sem a


utilização da ventilação natural: para analisar a influência da ventilação
natural no modelo, observou-se a temperatura interna da edificação com e
sem a utilização da ventilação natural. Pode-se observar que o valor da
temperatura interna do caso base com a utilização da ventilação natural
acompanha a temperatura externa durante o período de ocupação. Já no
caso sem a utilização da ventilação natural, nota-se que a temperatura
interna do caso base é maior que a temperatura externa. As comparações
podem ser observadas nas Figura 21 a Figura 28.

Ventilação - Zona 1 Tipo


45 25 de janeiro

40

35
Temperatura

30

25

20

15
10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00

Temperatura Interna_ZN1 Temperatura Externa

Figura 21 – Temperatura interna da Zona 1 com o uso da ventilação


natural.

46
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Sem Ventilação - Zona 1 Tipo


45 25 de janeiro

40
Temperatura (˚C)
35

30

25

20

15

10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00
Temperatura Interna_ZN1 Temperatura Externa

Figura 22 - Temperatura interna da Zona 1 sem o uso da ventilação


natural.

Ventilação - Zona 2 Tipo


45 25 de janeiro
40
Temperatura

35

30

25

20

15
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00
10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00

Temperatura Interna_ZN2 Temperatura Externa

Figura 23 - Temperatura interna da Zona 2 com o uso da ventilação


natural.

47
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Sem Ventilação - Zona 2 Tipo


45 25 de janeiro

40
Temperatura (˚C)
35

30

25

20

15

10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00
Temperatura Interna_ZN2 Temperatura Externa

Figura 24 - Temperatura interna da Zona 2 sem o uso da ventilação


natural.

Ventilação - Zona 3 Tipo


45 25 de janeiro

40

35
Temperatura

30

25

20

15
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00
10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00

Temperatura Interna_ZN3 Temperatura Externa

Figura 25 - Temperatura interna da Zona 3 com o uso da ventilação


natural.

48
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Sem Ventilação - Zona 3 Tipo


45 25 de janeiro

40
Temperatura (˚C)
35

30

25

20

15

10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00
Temperatura Interna_ZN3 Temperatura Externa

Figura 26 - Temperatura interna da Zona 3 sem o uso da ventilação


natural.

Ventilação - Zona 4 Tipo


45 25 de janeiro

40
Temperatura

35

30

25

20

15
10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00

Temperatura Interna_ZN4 Temperatura Externa

Figura 27 - Temperatura interna da Zona 4 com o uso da ventilação


natural.

49
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Sem Ventilação - Zona 4 Tipo


45 25 de janeiro

40

Temperatura (˚C) 35

30

25

20

15

10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00
Temperatura Interna_ZN4 Temperatura Externa

Figura 28 - Temperatura interna da Zona 4 sem o uso da ventilação


natural.

Análise das trocas de ar da edificação versus a velocidade do vento: com


base nos gráficos, nota-se que as trocas de ar variam de acordo com a
mudança de velocidade do vento. A análise da troca de ar e velocidade do
vento dos pavimentos tipo podem ser observadas nas Figura 29 a Figura
36. Observa-se que para todas as zonas analisadas há a ocorrência de troca
de ar durante o período de ocupação. O controle da ventilação natural é
definido no objeto Ventilation Control Mode. Neste caso, as aberturas de
portas e janelas das zonas térmicas respeitam o controle Temperature.
Desta forma, conforme explicado anteriormente (página 17), as portas e
janelas serão abertas se: - a temperatura da zona for maior que a
temperatura externa; - temperatura da zona for maior que a temperatura
da schedule de temperatura da zona, definida em Ventilation Control Zone
Temperature Setpoint.
Conforme explicado anteriormente (página 20), na classe
AirflowNetwork:Multizone:Component Detailed Opening define-se as
características das aberturas quando estas encontram-se abertas ou
fechadas. Quando o objeto Opening Factor #n é nulo para as portas e
janelas, ou seja, estas aberturas encontram-se fechadas, o objeto Discharge

50
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Coefficient for Opening Factor #n demostra a fração eficaz da ventilação, a


qual é igual a 0,001. Desta forma, nos horários em que a schedule de
ventilação impõe que as aberturas fiquem fechadas, as trocas de ar
correspondentes são inferiores à 0,03 ACH.

Trocas de ar x Velocidade do vento


Zona 1 Tipo
18 25 de janeiro 6

Velocidade do vento (m/s)


Trocas de ar por hora (ACH)

16
5
14
12 4
10
3
8
6 2
4
1
2
0 11:00 0

13:00

15:00

17:00

19:00

21:00

23:00
1:00

3:00

5:00

7:00

9:00

Trocas de ar por hora_ZN1 (ACH) Velocidade do Vento (m/s)

Figura 29 - Análise da velocidade do vento e trocas de ar da Zona 1.

Frequência das trocas de ar da


edificação - Zona 1 Tipo
50

40

30

20

10

0
0≤x<3 3≤x<6 6≤x<9 9≤x<12 x≥12

Trocas de ar (ACH)

Figura 30 - Frequência de ocorrência das trocas de ar – Zona 1.

51
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Trocas de ar x Velocidade do vento


Zona 2 Tipo
18 25 de janeiro 6

Velocidade do vento (m/s)


Trocas de ar por hora (ACH)
16
5
14
12 4
10
3
8
6 2
4
1
2
0 0
1:00

3:00

5:00

7:00

9:00

11:00

13:00

15:00

17:00

19:00

21:00

23:00
Trocas de ar por hora_ZN2 (ACH) Velocidade do Vento (m/s)

Figura 31 - Análise da velocidade do vento e trocas de ar da Zona 2.

Frequência das trocas de ar da


edificação - Zona 2 Tipo
40
35
30
25
20
15
10
5
0
0≤x<3 3≤x<6 6≤x<9 9≤x<12 x≥12

Trocas de ar

Figura 32 - Análise da velocidade do vento e trocas de ar da Zona 2.

52
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Trocas de ar x Velocidade do vento


Zona 3 Tipo
18 25 de janeiro 6

Velocidade do vento (m/s)


Trocas de ar por hora (ACH)
16
5
14
12 4
10
3
8
6 2
4
1
2
0 0
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00
10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
Trocas de ar por hora_ZN3 (ACH) Velocidade do Vento (m/s)

Figura 33 - Análise da velocidade do vento e trocas de ar da Zona 3.

Frequência das trocas de ar da


edificação - Zona 3 Tipo
80
70
60
50
40
30
20
10
0
0≤x<3 3≤x<6 6≤x<9 9≤x<12 x≥12

Trocas de ar (ACH)

Figura 34 - Análise da velocidade do vento e trocas de ar da Zona 3.

53
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

Trocas de ar x Velocidade do vento


Zona 4 Tipo
18 25 de janeiro 6

Velocidade do vento (m/s)


Trocas de ar por hora (ACH)
16
5
14
12 4
10
3
8
6 2
4
1
2
0 0
1:00
2:00
3:00
4:00
5:00
6:00
7:00
8:00
9:00

0:00
10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00
22:00
23:00
Trocas de ar por hora_ZN4 (ACH) Velocidade do Vento (m/s)

Figura 35 - Análise da velocidade do vento e trocas de ar da Zona 4.

Frequência das trocas de ar da


edificação - Zona 4 Tipo
60

50
40

30

20

10

0
0≤x<3 3≤x<6 6≤x<9 9≤x<12 x≥12

Trocas de ar (ACH)

Figura 36 - Análise da velocidade do vento e trocas de ar da Zona 4.

54
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASHRAE – American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Enginners.


ASHRAE Handbook – Fundamentals. Atlanta, 2001.

ASHRAE – American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Enginners.


ANSI/ASHRAE Standard 55-2010: Thermal Environmental Conditions for Human
Occupancy. Atlanta, 2004.

DOE. United States Department of Energy. Disponível em: http://www.energy.gov/


Acesso em: maio 2013.

ENERGYPLUS. Programa de simulação computacional. Disponível em:


http://www.eere.energy.gov/buildings/energyplus

ENGINEERING REFERENCE. Fórmulas e métodos de cálculo adotados pelo programa


EnergyPlus. Disponível juntamente com o download do programa.

FEUSTEL, H. E.(ed.); RAYNOR-HOOSEN, A. (ed) Fundamentals of the Multizone Air


Flow Model – COMIS. Technical Note 29. Great Britain: AIVC, 1990.

GETTING STARTED. Manual do programa EnergyPlus. Disponível juntamente com o


download do programa.

INPUT OUTPUT REFERENCE. Dados de entrada e saída do programa EnergyPlus.


Disponível juntamente com o download do programa.

LIDDAMENT, M. Air Infiltration Calculation Techniques – An Applications Guide.


Bracknell, Berkshire. 1986.

GU, Lixing. Airflow network modeling in EnergyPlus. In: 10th International Building
Performance Simulation. Proceedings…Beiing,2007.

55
Laboratório de Eficiência Energética em Edificações
http://www.labeee.ufsc.br

SWAMI, M. V. and S. CHANDRA. 1988. Correlations for pressure distribution on


buildings and calculation of natural-ventilation airflow, ASHRAE Transactions 94 (1988)
(Pt 1), pp. 243-266.

TNO BUILT ENVIRONMENT AND GEOSCIENCES. Programa para cálculo do coeficiente


de pressão do vento. Disponível em: http://www.cpgen.bouw.tno.nl/cp/

WALKER, I.S., and WILSON, D.J., (1994), "Practical Methods for Improving Estimates
of Natural Ventilation Rates", Proc. 15th AIVC Conference : The Role of Ventilation,
Buxton, U.K., September 1994. (Presented by ISW, Best Paper Award).

WALTON, G. N. 1989. “AIRNET – A Computer Program for Building Airflow Network


Modeling,” NISTIR 89-4072, National Institute of Standards and Technology,
Gaithersburg, Maryland.

WINDS EFFECTS ON BUILIDNGS AND URBAN ENVIRONMENT. Valores dos coeficientes


de pressão. Disponível em: http://www.wind.arch.t-kougei.ac.jp/eng/w_it.html

56