Você está na página 1de 10

Salmo 133: 1

Unidade

Veja quão bom e agradável é

Para os irmãos morarem juntos em unidade. - Salmos 133: 1 1. Herder diz desta
pequena e deliciosa canção que “tem a fragrância de uma linda rosa.” Em nenhum lugar a
natureza da verdadeira unidade - aquela unidade que une os homens, não por meio de
restrições artificiais, mas como irmãos de um coração - foi descrita com mais fidelidade, em
nenhum lugar tão graciosamente ilustrada, como nesta ode curta. O verdadeiro acordo, aqui
ensinado, é uma coisa sagrada, um óleo sagrado, um perfume rico que, descendo da cabeça
até a barba, da barba à roupa, santifica todo o corpo. É um doce orvalho da manhã, que cai
não apenas nos altos picos das montanhas, mas nas colinas menores, abraçando todos e
refrescando todos com sua influência.

2. A preservação desta unidade foi o objeto da seleção de um lugar para o qual as


tribos deveriam subir em peregrinação três vezes por ano. E a intercomunhão entre si que as
peregrinações promoveram foi certamente um dos principais meios pelos quais a unidade
de sentimento e sentimento foi mantida entre os membros dispersos da nação século após
século. As peregrinações eram para os israelitas o que as reuniões nos Jogos Olímpicos e
outros jogos eram para os gregos - ao mesmo tempo testemunha a crença na unidade étnica
e um forte e eficiente vínculo de união. Este salmo foi, portanto, admiravelmente adequado
para um “cântico de peregrino”, que é permitido ter sido em todas as mãos, e deve ter
ajudado muito as várias classes de peregrinos - as autoridades espirituais e seculares, os
ricos, os pobres, os cidadãos. o camponês

Eu

o segredo da unidade

Existem inúmeras maneiras em que estamos ligados juntos na vida. Há laços de


relação ou de amizade, mais próximos ou mais distantes, de classe e ocupação, de gostos
comuns, de gosto pessoal, de sentimento religioso, de afeto natural. Existe aquele vínculo
mais elevado pelo qual os homens estão unidos no esforço de se tornarem melhores e
viverem acima do mundo. Há ainda uma união superior que, em nosso estado imperfeito,
pode ser considerada visionária ou impossível, quando as vontades dos homens se
encontram em Deus, e não conhecem outra lei ou regra de vida que a Sua vontade. No
entanto, tem havido aqueles em quem tal unidade do humano e do Divino realmente existiu
- pode existir em qualquer um de nós. Todas essas unidades contêm elementos de
diversidade decorrentes de circunstâncias, caráter ou educação.

1. Uma vida comum liga os membros de uma família. Uma vida comum é a base da
unidade de uma nação. No entanto, estes podem, mas ilustrar o muito mais completo e busca
unidade daqueles que, tendo ovida comum - a vida sublime, espiritual e eterna em Cristo -
se unem na comunhão da Igreja Cristã. Eles são um em laços que são eternos; um por mero
acidente de parto natural ou lugar social; um de maneiras que não podem passar com as
mudanças de moda do mundo. Eles são um como nascidos de novo do Espírito; como sendo
criado de novo em Cristo Jesus; como sendo vivificado da morte de transgressões e pecados;
como sendo comprados, não com coisas corruptíveis como prata ou ouro, mas com o
precioso sangue de Cristo. Sua vida em comum em Cristo respira uma atmosfera comum, e
se alimenta de um alimento comum, e encontra expressão em um desejo comum. Eles
inspiram o sorriso da aceitação de Cristo e o conhecimento da vontade de Cristo. Eles se
alimentam da provisão da graça de Cristo. Eles querem, acima de tudo, a honra de Cristo.

Nós podemos formar uniões mecânicas. Podemos unir madeira e ferro e ouro e prata
juntos. Cada objeto que entra na combinação retém todas as qualidades peculiares a ele. Há
união é tais combinações mas não unidade. O ouro é o mesmo em todas as partes do
universo. É o mesmo em todas as idades e em todos os mundos. O mesmo é verdade para
todos os cristãos. Eles são gerados por Deus; eles são possuidores de Sua natureza; eles são
um em mente e no coração. Eles são um, apesar da fuga do tempo. Os cristãos do primeiro
século e do último e de todos os séculos intervenientes formam uma comunidade. Eles são
um apesar do espaço. Cristãos em todas as partes do mundo, aqueles que falam línguas
diferentes e têm diferentes maneiras e costumes, são um só rebanho, assim como todos eles
são tratados por um Pastor. Eles são um, apesar de todas as diferenças, físicas, mentais,
social e espiritual. Eles são filhos de um só Pai e constituem a única casa da fé.1 [Nota: A.
M'Lean, Onde o Livro Fala, 231.]

2. Existe unidade na diversidade. Você está de olho em uma paisagem, e seu coração
se alegra com a harmonia revelada na cena diante de você, mas há em toda parte uma
diferença na manifestação. Na beleza e graça das formas que você vê, no espírito que
insensivelmente se revela a você de madeira e córrego, lago, prado e montanha-lado, você
sente o senso de unicidade. Uma Mente, evidentemente, planejou tudo isso. Uma Mão,
através de quaisquer canais de força física, moldou tudo isso manifestamente. Ainda, quando
grupo por grupo e item por item, você vira seu olhar e pensa nos objetos desta paisagem,
você nota como a diferença é grande entre um e outro. Não seja assim também com a Igreja
do Deus vivo? Que a bênção da graça divina não abandone a doçura da unidade fraterna,

Como não há duas lâminas de grama exatamente iguais, também não há duas mentes
capazes de olhar para qualquer verdade exatamente da mesma luz. A rainha Elizabeth não
conseguiu que seus ministros concordassem entre si quanto a uma determinada política. Ela
pegou meia dúzia de relógios e começou todos eles ao mesmo tempo. Depois de um tempo,
alguns ficaram para trás, outros dispararam para a frente; não há dois mantidos juntos.
“Ah!”, Disse ela, “posso desistir de tentar fazer meus ministros concordarem, quando não
posso conseguir meia dúzia de relógios para manter o tempo juntos.” Mas a natureza tem
unidade na mais variada diversidade. Não há dois átomos no número incontável que
compõem o nosso globo são exatamente iguais, mas eles formam um mundo inteiro. Não
há duas gotas no mar que provavelmente têm o mesmo peso e forma, mas todas se unem
para formar um único mar. Não há duas areias idênticas, mas todas elas se unem para formar
uma margem. Eis aqui a unidade na diversidade. Tomando uma visão ampla

O único fundamento da Igreja

É Jesus Cristo seu Senhor:


Ela é Sua nova criação

Pela água e pela palavra.

A fundação é uma só; as pedras construídas na fundação são tão variadas quanto
possível; mas todos eles se unem para fazer um edifício. Muito, então, como podemos variar
em coisas não essenciais, não há uma base comum na qual todos os cristãos possam se unir
em coisas essenciais? [Nota: OFSP Jenkins.]

3. A unidade não oblitera a individualidade, mas dá espaço para seu livre


desenvolvimento. Um organismo vivo, tal como o corpo do homem ou qualquer outro
animal, não é meramente uma unidade de partes, cada uma das quais cumpre uma função
necessária ao resto, de modo que o cérebro, coração, pulmões, os vários membros e órgãos
têm absolutamente nenhuma existência separada ou separável ou vida, de forma que cada
um viva em e pelo resto, a vida deles / delas a vida, a vida não a própria mas a deles; mas,
mais do que isso, é uma unidade que, ao contrário da máquina, as próprias partes sentem,
de modo que cada um sofre na lesão ou sofrimento, está feliz com a felicidade e o bem-
estar, do resto. A unicidade mais íntima e integral não é alcançada à custa, mas sim pelo
desenvolvimento mais intenso, da distinção individual. Cada membro e órgão, ele próprio,
alcança o desenvolvimento mais rico de sua natureza individual, ganha, por assim dizer,
somente onde se rende, todo o seu ser e atividade, à unidade na qual ele é compreendido. Se
ela começa a agir por si mesma, a se isolar, a exibir qualquer fenômeno independente,
qualquer movimento menor que não seja condicionado pelo organismo ao qual pertence, o
isolamento é fatal. E se estiver inteiramente separado do resto, se deixar de ser permeado
por uma vida diferente da sua, o membro decepado ou o órgão dissecado perde toda a sua
realidade e valor,

No último ano de sua vida, o bispo escreveu ao Dr. Guinness Rogers, um dos mais
conhecidos líderes da Inconformidade Inglesa: “Para mim é a prova mais dolorosa de nossa
inadequada posição sobre os princípios do cristianismo que a profissão desses princípios
deve ser uma causa de desunião e amargura. Tentativas de remediar esta falha porque elas
concebem unidadecomo algo externo e estrutural. Quando olhamos para o desenvolvimento
do mundo, vemos opiniões cada vez mais variadas, mantidas dentro de limites úteis por um
senso geral do bem-estar comum. Posso conceber uma comunidade cristã, composta de
corpos de crentes, cada um com suas próprias opiniões sobre questões de organização,
compreensão mútua e respeito mútuo, mas consciente de um propósito comum, que
transcende todos os métodos humanos. Um amigo meu italiano citou em uma carta um
ditado de um bispo grego - que nossos sistemas eram proteções necessárias contra as
tempestades do mundo, mas, embora as paredes pudessem ser espessas abaixo, todas se
abriram para o mesmo céu ”. : Vida e Letras de Mandell Creighton, ii. 472.] II A Realização
da Unidade
1. O salmista nos dá duas figuras. Ambos são peculiares e talvez difíceis de entender;
mas ambos são muito expressivos para a mente oriental. Eles são as figuras do óleo e do
orvalho. A unidade fraterna é como “o precioso óleo sobre a cabeça, que desceu sobre a
barba, a barba de Arão; que desceu sobre a saia de suas vestes. ”A unidade fraternal é como“
o orvalho de Hermom, que desce sobre os montes de Sião ”. Evidentemente, em cada uma
dessas figuras, a influência impregnante, disseminadora e embelezadora do espírito solidário
é representado. O próprio Deus derrama sobre os homens a sagrada unção de Seu Divino
Espírito e o orvalho de Suas influências vitais. Quando Seus servos estão unidos, como
deveriam, eles transmitem uns aos outros os dons espirituais recebidos de cima. Quando os
cristãos são verdadeiramente um como irmãos, a graça de Deus irá frutificar através de cada
um para todos.

(1) Como o óleo preciosoOs orientais se perfumavam com óleos aromáticos, como
fazemos agora com os espíritos cheirosos; e a ideia da pomada mencionada viria melhor
para nós se fosse chamada de “perfume”. O óleo perfumado usado para preparar o sumo
sacerdote para os seus deveres solenes era feito por injunção especial de Deus, e o cheiro
era forte. e delicioso. Derramado sobre a cabeça de Aarão, ele escorreu pelo rosto e pescoço,
tocou a gola de seu manto e espalhou sua fragrância até a borda, e todo o lugar foi preenchido
e santificado com os deliciosos odores Divinos. Assim, derrame qualquer família, ou Igreja,
o doce óleo da unidade, paz, tolerância mútua e tolerância, e amor fraterno, e isto fluirá
sobre todo o corpo, adornando cada membro, e fazendo de cada um um centro. de fragrância
e uma fonte de bênção.

O emblema é feliz em razão da preciosidade, da fragrância e dos múltiplos usos do


óleo; mas estes devem ser levados em conta apenas em grau subordinado, se é que são. O
único ponto de comparação é o fluxo do óleo da cabeça sacerdotal para a barba e daí para
as vestes. É duvidoso se o Salmo 133: 2 se refere ao óleo ou à barba do sumo sacerdote. A
última referência é preferida por muitos, mas a primeira é mais concordante com o
paralelismo, e com o uso da palavra “flui para baixo”, que dificilmente pode ser duas vezes
usada em relação ao óleo e orvalho, os principais assuntos nas figuras, e ser tomado em uma
referência totalmente diferente na cláusula interveniente.

Lutero diz: “Naquele que diz 'da cabeça', Ele mostra a natureza da verdadeira
concordância. Porque assim como o unguento descia da cabeça de Arão, o sumo sacerdote,
sobre a barba, e assim descia até as beiras das suas vestes, a concordância tão verdadeira na
doutrina e no amor fraternal flui como um unguento precioso, pela unidade de o Espírito, de
Cristo, o Sumo Sacerdote e Cabeça da Igreja, para todos os membros da mesma. Pois pela
barba e pelas partes extremas da vestimenta Ele Significa que, até onde a Igreja alcança, até
agora espalha a unidade que flui de Cristo por sua cabeça. ”

(2) Como o orvalho de HermonNesta figura, a mesma ideia é preservada. O orvalho


toca primeiro a cabeça, a alta colina de Hermon, mas ela desce até as colinas menores de
Sião e espalha suas influências refrescantes sobre o lado da montanha e o vale. Orvalho é o
emblema da graça e bênção Divinas, então pode ser usado como uma figura para a graça
especial da unidade fraterna. Onde quer que o orvalho gracioso caia, as famílias secas, as
igrejas secas de Sião, são certamente nutridas e renovadas.
Como pode o orvalho de Hermon no extremo norte cair nas montanhas de Sião?
Alguns comentaristas, como Delitzsch, tentam entender que “um orvalho abundante em
Jerusalém pode ser explicado justamente pela influência da corrente fria do ar que desce do
norte sobre Hermon”. Mas isso é uma suposição violenta; e não há necessidade de exigir
precisão meteorológica de um poeta. É o orvalho que cai nas duas montanhas; e desde que
Hermon se eleva acima da altura de Sião, e é visitado com abundância singular da bênção
noturna, não é uma licença poética inadmissível dizer que a colina mais alta a transmite para
o menor. Essa comunidade de bênçãos é o resultado da concórdia fraterna, pela qual os altos
servem os humildes, e nenhum homem, relutantemente, guarda algo para si mesmo, mas
todos compartilham o bem de cada um. Orvalho, como óleo, é apropriado para esse uso
simbólico, em razão de qualidades que, embora não apareçam proeminentemente, não
precisam ser totalmente excluídas. Refresca o terreno sedento e acelera a vegetação;
concórdia tão fraterna, caindo suavemente no espírito dos homens, e ligando os distantes
uns aos outros por uma cadeia misteriosa de bem transmitido, ajudará a reavivar a força
falha e refrescar os lugares ressecados.1 [Nota: A. Maclaren.]

2. O Espírito da unidade precisa ser cultivado. A unidade do amor fraternal nunca se


tornará geral, ainda menos perfeita, até que todos venhamos a amar a Deus nosso Pai
supremamente, com todo o nosso coração, nunca até vermos que a próxima grande lei que
Ele deseja que tenhamos é amar um outro como irmãos, como todos os filhos da mesma
família que nós, até vermos que somente amando uns aos outros poderemos provar nosso
amor a Ele. De modo que quanto mais amamos a Deus mais amaremos uns aos outros,
porque essa é a única maneira pela qual podemos agradar a Ele ou sermos dignos de nosso
alto chamado como Seus filhos e filhas; Além disso, esta é a única maneira pela qual
conhecê-lo verdadeiramente. E no cultivo da simpatia com os outros, desenvolvemos nossos
próprios eus superiores.

A personalidade não tem existência exceto na e pela comunhão. Portanto, nós, que
cremos que há uma distinção vital entre pessoas e coisas, e que as pessoas são feitas à
imagem de Deus e redimidas por Ele a fim de serem restauradas à Sua semelhança, não
podem concordar com qualquer separação permanente do mundo. lei mais íntima da vida
de Deus, que nos revela - até onde podemos discernir - a personalidade aperfeiçoada na e
pela comunhão. Cada vez que proclamamos nossa crença na doutrina da Trindade, nos
unimos novamente para tentar aprender o segredo Divino que deve ser verdadeiro, não
apenas dentro da Divindade, mas de todas as personalidades humanas chamadas à existência
por Ele. Pode muito bem sermos colocados na terra com o propósito de aprender esta lição
de comunhão e comunhão uns com os outros, com as leis que a governam,

Os periódicos da Scott's Last Expedition, recentemente publicados, fornecem


exatamente a ilustração de que precisamos. Aquela expedição consistia em sessenta e cinco
membros, trinta e dois dos quais estavam ligados à tripulação do navio e trinta e dois
formavam aquela parte que, com ele como líder, aterrissou e viveu juntos naquela região
gelada, cinco deles combatentes. seu caminho ao longo dos 800 quilômetros que os separava
do objetivo de sua ambição. Vale a pena notar que esse corpo intrépido representou muitos
interesses. Se os capitalistas tivessem contribuído com grandes somas de dinheiro para o
privilégio de participar, não menos dispunha de seus representantes naqueles cuja principal
recomendação consistia em sua capacidade de trabalho árduo. A arte, assim como a ciência
em vários ramos, era habilmente representada entre eles; algumas eram das profissões
aprendidas, enquanto outros poderiam ser descritos como homens ignorantes e ignorantes.
Ambos os grandes serviços, a Marinha e o Exército, fizeram contribuições características
nos homens de coragem e caráter que os representavam. Somente aqueles que leram os
periódicos podem perceber que as abundantes desculpas que poderiam ter sido apresentadas
divergiram entre eles. Mas o que nós lemos nas próprias palavras do Capitão Scott? - “Nunca
poderia ter havido uma maior liberdade de brigas ou problemas de todos os tipos. Eu nunca
ouvi uma palavra dura ou vi um olhar negro. É glorioso perceber que os homens podem
viver juntos sob condições de dificuldade, monotonia e perigo, em tão abundante boa
camaradagem e harmonia. ”Enquanto estávamos a bordo, lemos:“ Nenhuma palavra de
queixa ou de perigo foi ouvida, e a vida interior de nossa pequena comunidade é muito
agradável de se pensar, e também muito maravilhosa considerando o pequeno espaço em
que estamos confinados. ”Na cabana durante os cansados meses de janeiro a novembro de
1911, as muitas referências do capitão Scott A unidade pode ser resumida no seguinte
testemunho impressionante: “Estou muito impressionado com a extraordinária e genuína
cordialidade das relações que existem entre nosso povo. Eu não suponho que uma afirmação
da verdade real - isto é, não haja nenhuma fricção - será acreditada. É tão comum pensar
que os muitos atritos de uma vida como essa são silenciosamente e propositadamente
afundados no esquecimento. Comigo não há necessidade de desenhar um véu - não há nada
para encobrir. Não há relações tensas existindo aqui e nada é mais enfaticamente evidente
do que o espírito amigável universal que é mostrado em todas as ocasiões ”. Aqui, então,
será concedido que os homens achavam bom que os irmãos vivessem juntos em unidade;
mas surge a pergunta como foi feito? A resposta pode nos dar pelo menos uma indicação do
remédio para satisfazer nossa própria necessidade. Foi sua crença ilimitada em seu líder.
Cada um e todos encontraram sua unidade em subordinar sua vontade à dele. Eles não eram
da mesma opinião, e ainda menos eram da mesma opinião, mas eram todos "afins" a esse
respeito, para citar a distinção que o bispo Creighton fez ao comentar a análise de São Pedro:
"Sê todos vós parecido, simpático. Embora houvesse momentos em que a decisão do
Comandante causou um desapontamento terrível a indivíduos e grupos de indivíduos, ainda
assim, lemos que eles o levaram muito bem e se comportaram como homens. Em segundo
lugar, “duradoura dureza” era comum a todos eles, líderes e seguidores. Encontraram-se
unidos em uma região inóspita, empenhados em alcançar um empreendimento difícil, cada
um precisando de ajuda, cada um representando-o por sua vez. Sob essas condições, eles
aprenderam a viver em uma atmosfera de auto-sacrifício constante, e a divisão e desunião
que tantas vezes surgem da auto-afirmação inconsciente, enraizada na vontade própria, deve
ter sido, por assim dizer, “congelada”. No começo e permitiu perecer. Uma prova ainda
maior de que possuíam a virtude da auto-repressão foi dada pela magnanimidade com que
se depararam com sua decepção ao descobrir que exploradores rivais os haviam superado.
Não houve tontura, embora desapontamento natural, ao perceber que, embora a vitória
tivesse sido ganha, ainda assim a preeminência e a prioridade de ser primeiro pertenciam a
seus concorrentes, não a si mesmos. A lição mais difícil de aprender a classificar o triunfo
de uma causa maior do que o triunfo de alcançá-la pessoalmente não foi a menor das
dificuldades pelas quais foram julgadas e testadas e não foram encontradas como
insuficientes. Mais uma vez, eles perceberam que tinham os olhos da nação sobre eles, e
não de uma única nação, mas de todo o mundo civilizado. O interesse do mundo inteiro
pelas notícias do destino dos cinco homens heróicos que entregaram suas vidas pela causa
provou a tensão e o suspense com que estavam sendo vigiados. Esses homens eram, e se
sentiam, fiduciários da honra nacional e das tradições nacionais. Foi, portanto, o verdadeiro
instinto que levou seu líder a plantar não só a bandeira de seu país no Pólo Sul, mas também
na hora de sua morte para pedir que uma porção daquela bandeira fosse entregue a seu
soberano, pois ele e seus companheiros ganhou o direito de ser considerado representante
do Império.1 [Nota: Canon Bickersteth, The Guardian, 30 de janeiro de 1914] curadores da
honra nacional e tradições nacionais. Foi, portanto, o verdadeiro instinto que levou seu líder
a plantar não só a bandeira de seu país no Pólo Sul, mas também na hora de sua morte para
pedir que uma porção daquela bandeira fosse entregue a seu soberano, pois ele e seus
companheiros ganhou o direito de ser considerado representante do Império.1 [Nota: Canon
Bickersteth, The Guardian, 30 de janeiro de 1914] curadores da honra nacional e tradições
nacionais. Foi, portanto, o verdadeiro instinto que levou seu líder a plantar não só a bandeira
de seu país no Pólo Sul, mas também na hora de sua morte para pedir que uma porção
daquela bandeira fosse entregue a seu soberano, pois ele e seus companheiros ganhou o
direito de ser considerado representante do Império.1 [Nota: Canon Bickersteth, The
Guardian, 30 de janeiro de 1914]

III

As Bênçãos da Unidade

“Pois ali o Senhor ordenou a bênção, a vida para sempre”. Isso significa para o
indivíduo simplesmente uma vida que é infinita? À luz de todo o Saltério, alguém pode
responder “Não”. “Para sempre” no Antigo Testamento tem um sentido relativo, que em
cada caso particular deve ser investigado separadamente. Se fosse simplesmente vida sem
fim, poderíamos ser encorajados a pensar na bênção de Deus como prosperidade contínua
em circunstâncias externas. É melhor ter essetipo de bênção de Deus mutável, porque as
nossas circunstâncias não podem permanecer muito as mesmas, e a relação das
circunstâncias para conosco, e a influência das circunstâncias sobre nós, estão
constantemente variando. Se Deus aprisionasse e fixasse um conjunto de circunstâncias para
sempre, e nos desse a escolha daquilo que teríamos assim fixado, deveríamos estar
irremediavelmente confusos, e Deus não estaria nos fazendo nenhuma gentileza. As pessoas
falam sobre “para sempre” e “eternidade”, sem pensar a que esses termos podem ser
aplicados, se eles representam uma verdadeira bênção para nós. Toda a esfera do sensual
não pode ser "para sempre". É da sua própria natureza que ela começa e termina. A “moda
deste mundo passa”. É a vida que é para sempre. É o ser espiritual que o homem éque vive
para sempre. É o caráter espiritual que o homem ganha que permanece para sempre. E ajudá-
lo a conquistar esse caráter é a bênção - a “vida para todo o sempre” que Deus concede.

1. Com a unidade cristã, vem a paz. Nos dias do salmista, a unidade fraterna trouxe a
paz. Benjamim deixou de "mugir como lobo", e Efraim não mais "aborreceu a Judá". A luta
civil da terra cessou, e a paz fluiu como um rio. É sempre assim quando a unidade cristã
obtém seu poder sagrado. A luta falha. Irmandade pendura a espada, o escudo e a lança
desnecessários. A fraternidade logo esquece todos os ciúmes e deixa de praticar as artes da
guerra. A fraternidade torna o prejuízo mútuo impossível. Os irmãos suportam os fardos uns
dos outros. Os irmãos em Cristo seguem a paz com todos os homens e a santidade. Os irmãos
têm uma grande ansiedade, que, se for possível, podem ver olho a olho e ter uma só mente
no Senhor. A união sempre traz paz.
Como base da comunhão cristã e da fraternidade plenamente reconhecida,
consideramos que nada mais é necessário do que evidência de fé não fingida no Senhor
Jesus Cristo. “ Unum corpus sumus in ChristoIsso é suficiente: “Cristo é tudo e em todos”.
Mas, até agora, parece que estamos cada vez mais longe de uma união que é manifesta ao
mundo. Uma grande organização eclesiástica é uma coisa visível; a uniformidade, embora
menos impressionante, ainda é facilmente observada; até mesmo um credo é algo que pode
se tornar visível depois de uma moda pelo uso da imprensa; mas essa “fé em Cristo” retira
a unidade essencial tão completamente na região espiritual que não se pode esperar que o
mundo a siga até lá e descubra, e seja o mais sábio ou melhor para ela. Permanece, então,
mostrar como essa unidade de fé em Cristo pode se manifestar ao mundo. E aqui será seguro
ir ao apóstolo Paulo. "Nem circuncisão", diz ele, "nem incircuncisão, mas fé" - até aí tudo
bem, e o que vem depois? "Fétrabalhando, amorAqui temos a transição do invisível para o
visível. A fé que liga cada cristão a Cristo não é vista pelos homens, mas o amor que é o
resultado disso, não precisa, não pode, de fato, ser escondido deles, se estiver em vigor. E
todo esforço deve ser feito para promover o amor entre os cristãos e induzi-los a se valer de
todos os meios ao seu alcance, não apenas de acalentá-lo em seus corações, mas também de
expressá-lo em suas vidas. Houve progresso nessa direção também, progresso muito
marcado e feliz, nos últimos anos; mas precisa haver um desenvolvimento muito maior e
uma expressão mais completa dessa afeição cristã, antes que muita impressão possa ser feita
em um mundo incrédulo. Deve, de fato, ser tão marcante e notável como não apenas para
forçar a atenção, mas obrigar aqueles que a observam a fazer as perguntas, como pode ser?
De onde vem isso? Ninguém pode dizer que esse ponto já foi alcançado.1 [Nota: J. Monro
Gibson, Cristianismo Segundo Cristo, 102.]

2. A união traz simpatia . “Eis quão bom e quão agradável é!” A unidade coloca
graciosidade e beleza em uma comunidade ou igreja, de modo que os homens acham que é
agradável de se ver. A unidade é uma flor sobre a fruta, o sol sobre a paisagem, o polimento
sobre o diamante, a saúde do rosto, o brilho da manhã sobre as flores, o tom da voz e o azul
claro e profundo do vasto céu. Unidade une uma família, uma igreja, uma empresa com
prazer. Quão agradável é para os irmãos morarem juntos em união!

É relatado pelo duque de Wellington, que uma vez, quando ele permaneceu para
tomar o sacramento em sua igreja paroquial, um homem muito pobre subiu pelo corredor
oposto, e, chegando à mesa de comunhão, se ajoelhou ao lado do duque. . Alguém
(provavelmente um abridor de bancada) veio e tocou o pobre homem no ombro, e sussurrou
para ele se afastar, ou para se levantar e esperar até que o duque recebesse o pão e o vinho.
Mas o olho de águia e o ouvido rápido do grande comandante captaram o significado
daquele toque e daquele sussurro. Apertou a mão do velho e segurou-o, para evitar que se
levantasse e, num tom reverente, mas de maneira mais clara, disse: “Não se mexa; somos
todos iguais aqui. ”1 [Nota: R. Tuck.]

3. A união é o segredo da prosperidade. Divididos, os homens sempre falham, mas


unidos, tornam-se mais que vencedores. Os fios de uma corda não impedem que uma criança
caia. Una-os juntos, entrelaçá-los uns aos outros e eles manterão o grande navio em suas
amarras. Unidos, Deus dá prosperidade. “Naquele dia ouvirei, diz o Senhor: Ouvirei os céus
e eles ouvirão a terra; e a terra ouvirá o trigo, o vinho e o azeite; e eles ouvirão a Jizreel.
”Deus retém Sua bênção até que o clamor que se eleva a Ele é o clamor unificado da terra e
do céu e das colheitas e dos homens.

Durante o cerco das legações nas linhas nacionais de Pequim e as linhas religiosas
foram esquecidas. Na presença dos Boxeadores enfurecidos todos sentiram que eles eram
um e que a salvação deles dependia da posição deles juntos. Protestantes e católicos e gregos
eram um para a época. Durante o cerco, onde quer que a linha fosse pressionada, os
defensores se reuniram, independentemente da nacionalidade que detinha o ponto mais
difícil, porque uma falha em um ponto significava uma falha em cada ponto. Um dos
incidentes interessantes do cerco estava relacionado com a arma internacional. Este era um
velho inglês de seis libras. Foi montado em uma carruagem austríaca; estava cheio de
pólvora alemã e conchas russas; foi disparado pela mão e pelo olho treinados de um
artilheiro americano.

4. Unidade dá poder . Nosso Senhor, evidentemente, teve uma idéia profunda do valor
e do poder da unidade entre Seus discípulos. Em sua última oração, observe o que mais
parecia desejar para eles: “Que todos sejam um; como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para
que também eles estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. Assim que
uma igreja foi reunida, o espírito de concórdiaParecia ser um recurso necessário, que
apareceu sem ser forçado. “Todos estes continuaram unanimemente em oração e súplica”.
Todos continuaram “diariamente com um acordo no templo”, etc. Escrevendo às igrejas, os
apóstolos evidentemente pensam que a unidade fraterna é da maior importância para a
prosperidade dessas comunidades. . Eles constantemente pedem sua preservação. “Seja
perfeito, tenha bom conforto, tenha uma mente, viva em paz; e o Deus de amor e paz estará
convosco. ”“ Suplico-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que todos falais
a mesma coisa e que não haja divisões entre vós; mas que vocês estejam perfeitamente
unidos na mesma mente, e no mesmo julgamento. ”“ Nós, sendo muitos, somos um só corpo
em Cristo, e cada um membro um do outro. ”“ Seja amavelmente amado um ao outro com
amor fraternal. ; em honra, preferindo-se uns aos outros. ”“ Eu suplico a Euodias, e rogo a
Síntique, que sejam da mesma opinião no Senhor. ”“ Olhando diligentemente para que
algum homem falhe da graça de Deus; para que nenhuma raiz de amargura te incomodasse,
e assim muitos se contaminem. ”“ Continua o amor fraternal. ”“ Mas, quanto ao amor
fraternal, não necessitais de que eu vos escreva: pois vós sois ensinados a amar Deus uns
aos outros. . ”“ Esforçando-se para manter a unidade do Espírito no vínculo da paz. ”

Dizem que a gota de orvalho tem dentro de si um raio latente, mas se dissolve na
corola da flor silvestre e faz seu trabalho gentil de nutrir tão silenciosamente que nenhum
ouvido pode marcá-la. Há muitos homens, e ainda mais mulheres, que afundam suavemente
nas correntes terrestres da vida como uma gota de orvalho, que têm trovões latentes o
bastante dentro deles para abalar a sociedade, caso ela devesse ir adiante dessa maneira. Mas
seu poder para o bem seria assim maior? Não é essa uma falsa estimativa das forças morais
que as mede pelo ruído e agitação, os flashes e os trovejantes ecos que resultam de seu
exercício? Não são gentileza e repouso, afinal, os poderes mais poderosos? Que aqueles que
amam e decidam ter suas palavras destiladas como o orvalho, lembrem-se de que no
silêncio,
Nenhuma mera coincidência de opinião ou prática em outras direções pode ser
comparada em unir poder com devoção a nosso Senhor Jesus Cristo. Mesmo agora, em meio
a todos os nossos cismas externos e a todas as nossas alienações internas uns dos outros, faz
nossos corações queimarem dentro de nós para falarmos juntos de Cristo. Nesses momentos,
é claro, quero dizer, onde o amor de Cristo é visto como genuíno e de coração simples, nos
sentimos impacientes com as miseráveis barreiras que se ergueram entre nós para derrotar
ou retardar Seus propósitos. Estamos conscientes de ser realmente um, e sinto que é uma
pena que essa unidade não deve ter a sua expressão aberta e feliz. Que direito tem
divergências de opinião ou prática pelas quais uma das partes pretende apenas promover a
causa de Cristo para interromper a unidade eclesiástica entre aqueles que se amam pelo amor
que ambos trazem a Ele? Nos dias antigos, o amor de Cristo foi confessado como sendo o
princípio interno da unidade dos cristãos. “A graça seja com todos os que amam o Senhor
Jesus Cristo com sinceridade”: assim São Paulo termina a grande epístola que mostra as
glórias da única Santa Igreja. É adorador do amor de Cristo, que é o verdadeiro artigo
fundamental do credo cristão. Pode coexistir com muitos erros, muitas superstições, muitas
cegueiras; e os cristãos podem muito bem ser pacientes com isso, enquanto procuram
aumentar o amor central que, em sua ação natural e saudável, finalmente os dissipará. “Se
as pessoas forem cristãs em suas vidas,

Interesses relacionados