Você está na página 1de 4

O texto que segue narra uma das mais conhecidas aventuras de Dom Quixote e Sancho Pança: o ataque aos

moinhos de vento.

A noite das confusões


Naquele dia, nem bem amanheceu viram ao longe trinta ou quarenta moinhos de vento.
Então Dom Quixote disse:
- Já temos aqui a primeira aventura, amigo Sancho! Está vendo aqueles gigantes tão
furiosos? Pois penso lutar com eles até matá-los para que nunca mais façam maldades.
- Que gigantes? – perguntou Sancho.
- Aqueles que despontam lá longe. Não está vendo que braços enormes?
- Aqueles não são gigantes, são moinhos de vento, e o que parecem braços são as pás.
Acontece que, como Dom Quixote estava louco de amarrar, tudo o que via lhe parecia igual
ao que havia lido nos livros. Confundia porcos com dragões, criadas com princesas, pousadas com
castelos e moinhos de vento com gigantes poderosos. Sancho lhe repetiu mil vezes que o que viam
ao longe eram moinhos. Mas vocês acham que ele acreditou?
- Vejo que está com medo! – exclamou Dom Quixote. – Mas não tema, que esse combate é
assunto meu.
E sem acrescentar mais nada, começou a cavalgar a toda velocidade, empunhando a lança
contra os gigantes da sua imaginação.
- São moinhos, senhor! – gritava Sancho.
Mas seu patrão já não podia ouvi-lo. E como o vento movesse as pás dos moinhos. Dom
Quixote dizia com grande valentia:
- Podem agitar os braços quanto queiram, que não me assustam!
Porém, quando chegou ao primeiro moinho e cravou a lança na pá, o golpe foi tão forte que
Dom Quixote e Rocinante rolaram no chão em meio a uma nuvem de poeira. O pobre cavaleiro
viu estrelas e ficou mais branco que um fantasma. Nisso, chegou Sancho gritando:
- Eu não disse que eram moinhos?
Ao que respondeu Dom Quixote:
- Cale-se, meu amigo, que tudo isso foi coisa do mago Frestón. No outro dia levou meus livros
pelos ares, e agora transformou os gigantes em moinhos para me ver rolar no chão. Mas juro por
minha Dulcinéia que esse feiticeiro pagará muito caro por todo o mal que está me fazendo.
(Miguel de Cervantes. Era uma vez D. Quixote. Adaptação de Augustin Sánchez
Aguilar e tradução de Marina Colasanti. São Paulo: Global, 2005. p.36-9)
Com base na leitura do texto “A noite das confusões”, responda:
1. No texto, nota-se que Sancho Pança é bastante diferente de seu patrão. A partir da luta contra os moinhos de
vento, explique:
a) Qual a principal diferença entre os dois? (1,0)
Dom Quixote vivia no fundo da fantasia, enxergava coisas inexistentes. Sancho Pança acompanhava o amigo,
mas ia lhe mostrando a realidade.
b) De que forma Sancho tenta ajudar Dom Quixote a enxergar a realidade? (1,0)
Sancho explica que as visões de Dom Quixote são fantasias de seus livros e aponta o que realmente são as coisas
vistas.
2. No texto, o narrador diz: “Acontece que, como Dom Quixote estava louco de amarrar, tudo o que via lhe
parecia igual ao que havia lido nos livros.”
a) Qual é o sentido da expressão louco de amarrar, no contexto? (1,0)
Louco de amarrar no texto significa alguém que já perdeu a lucidez total.
b) Cite duas passagens do texto que comprovem a loucura de Dom Quixote. (1,0)
“E sem acrescentar mais nada, começou a cavalgar a toda velocidade, empunhando a lança contra os gigantes da
sua imaginação.”
“- Cale-se, meu amigo, que tudo isso foi coisa do mago Frestón.”
3. Nas novelas de cavalaria, os heróis são geralmente cavaleiros andantes, isto é, cavaleiros que caminham
solitariamente em busca de aventuras e de fama. Esse perfil de herói é confirmado no texto? Explique. (1,0)
Não, Dom Quixote não tem a mesma elegância dos cavaleiros medievais, além disso não vive a realidade,
somente a fantasia.
Relacione: : (1,0)
a) Dom Quixote/Dom Alonso ( ) Belo e formoso, porém é um grande trambiqueiro, Sansão Carrasco é outro
Quixano: louco e um falso cavaleiro, que travou duas batalhas com Dom Quixote (na primeira
batalha ele tinha perdido, mas na segunda ganhou de Dom Quixote).
b) Sancho Pança: ( ) Ele a chama de Dulcinéia Del Toboso por Dom Quixote. Ela é uma gorda,
feia, desengonçada e analfabeta, mas para Dom Quixote, ela era uma bela princesa.
c) Senhor Cura: (........) Casado com a bela duquesa é um jovem senhor; Elegante. E deu a tão
sonhada ‘ilha’ a Sancho, mas só que era falsa, fazia parte da peça que pregavam
d) Mestre Nicolau: em Dom Quixote.
(........)Uma bela senhora casada e morava em um belo castelo, apaixonada pelos
e) Antonia: livros de Dom Quixote, seu reino todo pregou uma peça em Dom Quixote.
(........)Um pangaré magro e feio usado nos serviços do sitio, foi batizado pelo fidalgo
Rocinante: de Rocinante que participou das grandes aventuras do Dom Quixote.
(........)Jovem e bonita, e mandona, toda vez que seu tio saia tentava tomar medidas
g) Amazonas/Duquesa drásticas, já queimou a maioria dos livros da biblioteca de seu tio.
(........)Um dos melhores amigos Dom Alonso, e discutia com ele qual cavaleiro das
h) Duque: novelas de cavalaria era mais forte. E também era barbeiro.
(........)Amigo de Dom Quixote, e vigário da aldeia de La Mancha.
Camponesa : (........)Escudeiro de Dom Quixote, ele é baixo e gordo, pensa que vai ganhar uma
ilha prometida por Dom Quixote, às vezes apanha no lugar no lugar de seu amo,
Sansão Carrasco: Sancho tem uma mulher e dez filhas.
(........)Um velho fidalgo que morava em uma aldeia chamada La Mancha, ele
adorava ler, histórias sobre cavalaria, um dia leu tanto sobre cavalaria que ficou
achando que era um cavaleiro andante.

“Dom Quixote – Engenheiros do Hawaii”

10- Tendo em vista o livro Dom Quixote, responda:


a) A qual gênero literário pertence? Por quê?
b) Por que Dom Quixote faz questão de ter uma mulher a quem amar?
c) Qual a relação existente entre Dom Quixote e Sancho?
d) Suponha, por que Dom Quixote alucinava ser um cavaleiro e vivenciar grandes
aventuras?

1) Existem algumas batalhas travadas por Dom Quixote que são lendárias. Resuma como foram
as seguintes batalhas:

a) Contra os moinhos de vento.


b) Contra os rebanhos de ovelhas.

2) Após dispersar a procissão que levava o corpo de um cavaleiro que seria sepultado em
Segóvia, Dom Quixote acaba sendo chamado por Sancho de “Cavaleiro da triste figura”. Qual foi
a explicação dada pelo escudeiro para chamá-lo assim?

3) Qual a intenção de Miguel de Cervantes ao escrever Dom Quixote?

4) Leia o texto e responda a seguir:

Paradoxo de Dom Quixote e Sancho Pança

Este paradoxo foi criado por Miguel de Cervantes no seu livro Dom Quixote de la Mancha.
Sancho Pança, o fiel escudeiro de Dom Quixote, torna-se governador de uma ilha com
uma lei muito curiosa. O guardião da ilha deveria perguntar a cada visitante o motivo da visita.
Se o visitante responder a verdade, tudo certo. Mas caso mentisse, o visitante seria enforcado.
O problema é que num belo dia apareceu um visitante que respondeu que visitava a ilha
para ser enforcado! E agora? O visitante deveria ou não ser enforcado? Se não o enforcassem,
ele teria mentido: portanto deveria ser enforcado. Mas se o enforcassem ele teria falado a
verdade e não deveria ser enforcado. Na história de Cervantes, o governador é bonzinho e
liberta o visitante.

 Explique o que é a figura de linguagem conhecida como paradoxo a partir do exemplo


supracitado, demonstrando por que tal situação é paradoxal.

5) Leia a canção do grupo de rock gaúcho Engenheiros do Hawaii, escolha uma estrofe e a
associe ao livro lido, explicando uma em relação à outra.

Dom Quixote

Muito prazer, meu nome é otário


Vindo de outros tempos, mas sempre no horário
Peixe fora d'água, borboletas no aquário
Muito prazer, meu nome é otário
Na ponta dos cascos e fora do páreo
Puro sangue, puxando carroça
Um prazer cada vez mais raro
Aerodinâmica num tanque de guerra
Vaidades que a terra um dia há de comer
Ás de Espadas fora do baralho
Grandes negócios, pequeno empresário
Muito prazer, me chamam de otário

Por amor às causas perdidas


Tudo bem, até pode ser
Que os dragões sejam moinhos de vento
Tudo bem, seja o que for
Seja por amor às causas perdidas

Engenheiros do Hawaii

Você também pode gostar