Você está na página 1de 3

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS


Processo Nº. : 0009373-72.2015.8.05.0080
Classe : RECURSO INOMINADO
Recorrente(s) : TIAGO CORREIA DA SILVA
Recorrido(s) : ADVOCACIA BELLINATI PEREZ
BV FINANCEIRA S A CREDITO FINANCIAMENTO E
INVESTIMENTO
Origem : 2ª VARA DO SISTEMA DOS JUIZADOS - FEIRA DE
SANTANA
Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

VOTO- E M E N T A

RECURSO INOMINADO. CONSUMIDOR. COBRANÇA INDEVIDA. ESCRITÓRIO DE


COBRANÇA. DÍVIDA CONTRAÍDA PELO CLIENTE DA PARTE AUTORA. DEVEDOR
QUE FORNECEU O CONTATO TELEFÔNICO DO AUTOR, SEU ADVOGADO, PARA
NEGOCIAÇÃO COM OS RÉUS. FALHA NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS
CONFIGURADA, INSUFICIENTE, CONTUDO , PARA ENSEJAR VIOLAÇÃO A
DIREITOS DA PERSONALIDADE. DANOS MORAIS NÃO OCNFIGURADOS.
SENTENÇA MANTIDA.
1. Trata-se de recurso interposto contra sentença que julgou parcialmente
procedente os pedidos, nestes termos: “Isto posto, JULGO PROCEDENTE EM
PARTE os pedidos, exclusivamente, para determinar que a Primeira Ré se abstenha de realizar
cobranças do Sr. Jossanan Teles, diretamente à parte autora...”

2. A parte recorrente busca a reforma da sentença , reiterando a argumentação


já exposta na exordial, aduzindo ainda ter sofrido cobranças excessivas oriundas
do escritório réu, por dívida que não contraiu, insurgindo-se no tocante ao
indeferimento do pedido indenizatório por danos morais, por entender que se
encontram plenamente preenchidos os seus requisitos ensejadores no caso
concreto.

3. A demonstração do fato básico para o acolhimento da pretensão é ônus do


autor, segundo o entendimento do art. 373, inciso I, do CPC, partindo daí a análise
dos pressupostos da ocorrência de indenização por danos morais, recaindo sobre
o réu o ônus da prova negativa do fato, segundo o inciso II do mesmo artigo
supracitado.

4. A sentença vergastada não merece reparos. Em que pese o quanto alegado


pela parte autora, a falha na prestação dos serviços verificada no caso concreto,
consistente nas cobranças excessivas relativas a dívida do cliente da parte autora,
de per si, se revelam insuficiente para causar danos morais.
5. Tenho que não há nos autos provas acerca da lesão a direitos
subjetivos, mas tão somente meras cobranças, insuficientes, de per si, para
embasar um édito condenatório. Do quanto exposto nos autos, não consta ter
havido a negativação do nome da parte autora nos cadastros de proteção ao
crédito, ou qualquer repercussão negativa do ato da cobrança em si na esfera
patrimonial , ou a ocorrência de qualquer prejuízo, sendo portanto mister a
manutenção da sentença no que tange ao indeferimento do pedido condenatório
por danos morais.

6. Logo, a sentença fustigada é incensurável, e por isso merece confirmação


pelos seus próprios fundamentos. Em assim sendo, servirá de acórdão a súmula
do julgamento, conforme determinação expressa do art. 46, da lei n°. 9099/95,
segunda parte: “O julgamento em segunda instância constará apenas da ata, com
indicação suficiente do processo sucinta e dispositiva. Se a sentença for confirmada
pelos seus próprios fundamentos, a súmula do julgamento servirá de acórdão”.

7. ISTO POSTO, voto no sentido de CONHECER DO RECURSO INTERPOSTO E


NEGAR-LHE PROVIMENTO, para manter a sentença objurgada pelos próprios
fundamentos. Sem custas processuais e honorários advocatícios, por ser a
parte beneficiária da justiça gratuita.

Salvador, Sala das Sessões, 09 de Março de 2016.


BELA. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE
Juíza Relatora
BELA CÉLIA MARIA CARDOZO DOS REIS QUEIROZ
Juíza Presidente
PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA

2ª TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS


Processo Nº. : 0009373-72.2015.8.05.0080
Classe : RECURSO INOMINADO
Recorrente(s) : TIAGO CORREIA DA SILVA
Recorrido(s) : ADVOCACIA BELLINATI PEREZ
BV FINANCEIRA S A CREDITO FINANCIAMENTO E
INVESTIMENTO
Origem : 2ª VARA DO SISTEMA DOS JUIZADOS - FEIRA DE
SANTANA
Relatora Juíza : MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE

ACÓRDÃO

Acordam as Senhoras Juízas da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais


Cíveis e Criminais do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, CÉLIA MARIA
CARDOZO DOS REIS QUEIROZ –Presidente, MARIA AUXILIADORA SOBRAL
LEITE – Relatora e ALBÊNIO LIMA DA SILVA HONÓRIO, em proferir a seguinte
decisão: RECURSO CONHECIDO E IMPROVIDO . UNÂNIME, de acordo com a ata
do julgamento. Sem custas processuais e honorários advocatícios por ser a parte
beneficiária da justiça gratuita.

Salvador, Sala das Sessões, 09 de Março de 2016.


BELA. MARIA AUXILIADORA SOBRAL LEITE
Juíza Relatora
BELA CÉLIA MARIA CARDOZO DOS REIS QUEIROZ
Juíza Presidente