Você está na página 1de 6

UEMG - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CURSO DE PSICOLOGIA

ATIVIDADE AVALIATIVA DE NEUROPSICOLOGIA

DIVINÓPOLIS
2019
SIDNEY CLAYTON PEREIRA

ATIVIDADE AVALIATIVA DE NEUROPSICOLOGIA

Atividade avaliativa sobre Neuropsicologia


proposta pelo Prof. Dr. Arthur Alves para obtenção
de créditos na disciplina Neuropsicologia
ministrada ao 3º Período de Psicologia da
UEMG/Divinópolis.

Divinópolis
2019
Questões

O que entendemos por Neuropsicologia?

Resposta:

Neuropsicologia, para além de ser uma especialidade da Psicologia, é uma ciência que busca
compreender a relação entre o comportamento humano e o cérebro e suas funções. Pode se
dizer que é uma forma de interlocução entre a Psicologia e a Neurologia.

O que entendemos por Avaliação e Reabilitação Neurológica?

Resposta:

Avaliação Neurológica é um meio de levantar dados e informações importantes sobre o


funcionamento Neurológico de um indivíduo diante de uma suspeita de possíveis lesões ou
deterioração de ordem neurológica que possam estar comprometendo sua capacidade de
realização pela de suas atividades.

Reabilitação Neurológica são atividades desenvolvidas por profissionais capacitados no


sentido de promover uma compreensão e adaptação de indivíduos acometidos por problemas
de ordem neurológica em relação às suas novas realidades, produzindo uma maior qualidade
de vida desses indivíduos e de suas famílias.

Resumo do texto: “A EMERGÊNCIA, UMA SOLUÇÃO AO PROBLEMA MENTE-


CÉREBRO?” – Rémy Lestienne

No presente texto, o autor aborda a problemática da dicotomia Mente-Cérebro, representada


pelo Pensamento versus Processos Nervosos. A questão do livre arbítrio também aparece
como tema importante, pois diante do dualismo de Descarte afirmando a perspectiva da mente
separada do cérebro, o princípio de livre arbítrio ficaria comprometido. O autor traz a
perspectiva de Spinoza que vem rebater as ideias anteriores colocando o pensamento e os
processos nervosos como atributos de uma mesma fonte: a realidade.

O texto traz a contribuição de Roger Sperry, um neurofisiologista embasado no Behaviorismo,


que estudou o comportamento sob o viés do cérebro como uma caixa preta, onde seria
impossível conhecer seu interior, e tendo que se basear apenas na perspectiva da entrada-
saída, ou estímulo-resposta. Muito compreensível, pois neste momento histórico a ciência na
área do comportamento humano buscava uma aproximação às ciências naturais, mais
apropriadamente estudadas no âmbito do laboratório, e, portanto, privilegiando aquilo que
seria observável e mensurável. Mas Sperry não satisfeito com as limitações do Behaviorismo,
continuou seus estudos, e trouxe posteriormente o seu trabalho sobre a visão, onde considerou
o processamento da visão do olho esquerdo pelo hemisfério direito e do olho direito pelo
hemisfério esquerdo. Compreendendo que, embora o cérebro processe essas informações de
forma separada, a consciência seria a sempre percepção do fenômeno como um todo.

O texto traz também que Sperry construí a ideia da consciência como algo que representa o
“todo” dos processos mentais de um indivíduo.

Resumo do texto: “ Primeiras noções da psique: das concepções animistas às primeiras


concepções hierarquizadas em antigas civilizações” – William B. Gomes

No texto, o autor traz um panorama histórico do pensamento humano, começando pelas


mitologias usadas para explicar os fenômenos incompreendidos até o momento. A mitologia
teve muita relevância na compreensão do mundo. Elas traziam, além de explicações dos
fenômenos naturais, uma concepção de conceitos éticos e uma perspectiva de uma vida após a
morte.

O texto aponta que pós mitologia, veio o momento da preocupação com a objetividade na
explicação do mundo, e aborda também, um movimento importante, na transição da idade
média para moderna, a Renascença, que trouxe a ideia de que a racionalidade, por si só, não
conseguiria abarcar todo o conhecimento do humano. Como o texto aponta, havia uma relação
conturbada entre razão e emoção.

O autor aborda ainda a questão do animismo, que concebe uma alma como entidade distinta e
separada do corpo, e a esta alma seria atribuída a responsabilidade pelo psiquismo.

O Texto também traz a perspectiva de Wilhelm Wundt, considerado por muitos como o pai da
psicologia como ciência, em que ele trata da questão da alma como “...fôlego vital que
deixava o corpo no momento da morte.”.

O autor destaca a importância desses momentos históricos na construção dos saberes da


psicologia, mesmo quando ainda habitava um campo mais filosófico e metafórico, apontando
que o psicólogo deve ter a competência científica e uma sensibilidade sociocultural para lidar
com a questão das crenças.

O texto destaca a importância do estudo da história do pensamento humano como introdução


ao estudo da psicologia, e por fim traz um panorama de concepções sobre o universo e a
psique de culturas como China antiga, Índia antiga e Egito antigo.
REFERÊNCIAS

GOMES, William B. Primeiras noções da psique: das concepções animistas às primeiras


concepções hierarquizadas em antigas civilizações. Disponível em:
<http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/artigos07/artigo03.pdf > Acesso em: 09 de março
de 2019.

LESTIENNE, Rémmy. A emergência, uma solução ao problema mente-cérebro?. Disponível


em:<http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S000967252013000400016 > Acesso em: 09 de março de 2019.