Você está na página 1de 95

Saúde Ambiental

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA SAÚDE


AMBIENTAL

• HIPÓCATRES – Século V A.C. – “AS doenças dos


seres humanos provavelmente estão
relacionadas com o ambiente externo e
interno do indivíduo…”
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA SAÚDE
AMBIENTAL

• Agricola (1494-1555) descreveu a doença


respiratória dos mineiros das minas de metais.

• Paracelso (1493-1591) descreveu a doença


dos fundidores de metais.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA SAÚDE
AMBIENTAL

• Ramazzini (1633-1714) descreveu


sistematicamente doenças profissionais.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA SAÚDE
AMBIENTAL
• O.N.U.(1972) – 1.ª Conferência Mundial sobre Meio
Ambiente Humano

• O cidadão deve ser educado para a solução dos


problemas ambientais.
EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA SAÚDE
AMBIENTAL
• ECO 92 – Conferência da ONU sobre o Meio
Ambiente e Desenvolvimento

• Re-orientar a Educação para o desenvolvimento


sustentável e o analfabetismo ambiental
CATÁSTROFES AMBIENTAIS:
CHERNOBYL (UCRÂNIA)
• Nos anos que se seguiram ao acidente cerca de 370
000 pessoas foram deslocadas para áreas menos
contaminadas, tendo sido criada uma zona de
exclusão que abrangia 4 300Km2.

7
CHERNOBYL (26 de abril de
1986)
• https://www.youtube.com/watch?v=Z4vMk5a
CCg8
PROBLEMAS AMBIENTAIS

Maribel Carvalhais
PROBLEMAS AMBIENTAIS
Produção Utilização intensiva
dos recursos Esgotamento do
intensiva meio receptor
naturais

•Poluição do ar
•Contaminação de rios e oceanos
•Acumulação de resíduos
•Ruído ambiental
•Radioactividade

10
PRINCIPAIS CATÁSTROFES AMBIENTAIS

• 1932-1968 – Minamata;

• 1976 – Seveso;

• 1979 – Three Mile island;

• 1984 – Bophal;

• 1986 – Chernobyl;

• 2011 – Terramoto e Tsunami no Japão


AMBIENTE

……………………………………………………………..

• Tudo aquilo que nos rodeia.

………………………………………………………………

12
AMBIENTE
• POLUIÇÃO:
– Alteração do equilíbrio natural, que provoca efeitos
adversos na saúde e bem-estar das populações, nos
ecossistemas, na biodiversidade, nos materiais e no clima,
á escala local, regional e global…

13
EFEITOS DA POLUIÇÃO
• Esgotamento dos recursos naturais;

• Destruição das florestas;

• Assimetria na distribuição da riqueza mundial, aumento do


subdesenvolvimento e fome;

• Diminuição da biodiversidade;

• Aumento das doenças resultantes da poluição.

14
CATÁSTROFES ECOLÓGICAS:

• Marés Negras;

• Contaminação das águas;

• Acidentes químicos;

• SMOG Fotoquímico;

• Alterações atmosféricas;

• Radiações…

15
MINIMIZAÇÃO DOS PROBEMAS
AMBIENTAIS:
• Tecnologias de fim de linha (ETAR´s);

• Avaliação prévia dos impactos ambientais;

• Avaliação do risco;

• Saúde Ambiental (Avaliar os impactos do ambiente sobre a


saúde: preventiva e curativa);

• Princípio da prevenção precaução.

16
•Água

17
18
ÁGUA
• A água actua como solvente e como meio de
transporte.

• Solvente Universal –é capaz de dissolver uma


grande quantidade de compostos, tanto orgânicos
como inorgânicos.

19
ÁGUA
• Sabe-se que mais de metade das substâncias conhecidas
está dissolvida nas águas que circulam pela Terra.

• Além disso, muitos materiais essenciais à nutrição dos


animais e vegetais só podem ser ingeridos se dissolvidos na
água.

20
ÁGUA
• Água Pura – A água na natureza raramente é pura
no sentido de “água destilada”, contém sais
dissolvidos, substâncias tampão, nutrientes, etc.,
com concentrações várias dependendo das
condições locais.

21
ÁGUA

• O tipo e natureza das impurezas, determina


a qualidade da água e limita o seu uso.

22
ÁGUA - IMPUREZAS
• SUSPENSÃO – areia, partículas de terra, matéria orgânica, etc.

• DISSOLUÇÃO COLOIDAL - sílica, alumínio, argilas, ferro, ácidos


orgânicos, etc.

• DISSOLUÇÃO – cloretos, sulfatos, bicarbonatos, nitratos, matéria


orgânica solúvel, etc.

• GASES

• ORGANISMOS - algas, protozoários, bactérias, etc.

23
ÁGUA
ÁGUA SUPERFICIAL SUBTERRÂNEA
Temperatura Variável Constante

Turvação Variável Fraca ou nula

Mineralização Variável +_ constante

Fe e Magnésio Geralmente Geralmente


ausentes presentes
Co2 agressivo Geralmente Geralmente
ausentes presentes
Sílica Teor baixo Teor elevado
24
ÁGUA
SUPERFICIAL SUBTERRÂNEA

Muito vulneráveis Menos vulneráveis

Capacidade de Alternativa para o


autodepuração abastecimento simples e
limitada baixo custo
Elevados custos de Problemas de poluição
tratamento principais: nitratos e
pesticidas

25
ÁGUA – UTILIZAÇÕES CONCORRENTES
• Uso urbano – doméstico, comercial e público;

• Actividades agro-pecuárias;

• Indústria (sanitário e de refrigeração de processos);

• Produção de energia eléctrica;

• Actividades recreativas (natação, pesca, desporto);

• Preservação da fauna e flora;

• Harmonia paisagística;

• Rega;

• Navegação fluvial;

• Controlo de incêndios.
26
ÁGUA NO CORPO HUMANO

• Água representa 70% da massa do corpo


humano.

• Uma pessoa pode suportar até 50 dias sem


comer, mas apenas 4 dias sem beber água.

27
ÁGUA NO CORPO HUMANO
• Sintomas de desidratação:
– Perda de 1 a 5% de água – sede, pulso acelerado,
fraqueza;

– Perda de 6 a 10% de água – dor de cabeça, fala confusa,


visão turva;

– Perda de 11 a 12% de água – delírio, língua inchada,


morte.

28
POLUIÇÃO DA ÁGUA

• A poluição da água está associada a diversos


factores:
– Ao aumento da população,

– Ao desenvolvimento urbanístico;

– Á expansão industrial.

29
POLUIÇÃO DA ÁGUA
Pontual ou Difusa

Escoamento superficial
urbano
Descarga de efluentes Escoamento superficial
de áreas agrícolas
e deposição atmosférica

Espalham-se por toda


São bem localizadas,
a cidade
fáceis de identificar
São difíceis de
e de monitorar
identificar e tratar
30
PRINCIPAIS FONTES DE POLUIÇÃO DA
ÁGUA

Reservas
de água

Poluição

Sedimentar Biológica Térmica Descarga de substâncias


31
• POLUIÇÃO SEDIMENTAR -Acumulação de
partículas em suspensão (solo, produtos
químicos insolúveis)

32
POLUIÇÃO BIOLÓGICA

• Presença de microrganismos patogénicos.

• 4 biliões de pessoas no mundo não têm


acesso à água potável tratada.

• 2,9 biliões de pessoas vivem em áreas sem


saneamento básico.

33
 POLUIÇÃO TÉRMICA - Descarga de grandes volumes de água
aquecida em rios e oceanos (diminui a quantidade de o2 dissolvido,
diminui o tempo de vida de algumas espécies aquáticas, aumenta a
quantidade de CO2 na atmosfera…)

• POLUIÇÃO POR DESCARGA DE SUBSTÂNCIAS -


Substâncias tóxicas cuja presença na água não é fácil de identificar nem de
remover (fertilizantes agrícolas, petróleo, plásticos…)

34
POLUIÇÃO DA ÁGUA POE
EFLUENTES DOMÉSTICOS E
INDUSTRIAIS
POLUIÇÃO DA ÁGUA POR EFLUENTES DOMÉSTICOS E
INDUSTRIAIS

Matéria Orgânica Biodegradável Bactérias, vírus, larvas e parasitas

Explosão na população
de microrganismos Coliformes fecais – doenças

Consumo de Oxigénio Praias, rios e lagos impróprios


POLUIÇÃO POR PÁSTICOS
• A alta produção de plástico, leva a alta velocidade de
uso e descarga.

• O plástico leva muito tempo a degradar.

• Causa de morte de animais por sufocação.


POLUIÇÃO POR PETRÓLEO
• O petróleo é derramado e espalha-se ma massa de
água.

• A mancha recobre a superfície das águas e mata o


fitoplanton e o zooplanton.

• Sem a luz do sol as algas param de fazer fotossíntese.


POLUIÇÃO POR PETRÓLEO
• A quantidade de oxigénio diminui e outras espécies acabam por morrer.
– Os peixes morrem por intoxicação e falta de oxigénio.

– As aves marinhas ficam com o corpo impregnado de óleo e morrem afogadas


ou intoxicadas.

– Os crustáceos morrem por falta de alimento, ou afogamento.

– As famílias dos pescadores ficam sem sustento…

– O turismo morre …
O TRATAMENTO DA ÁGUA - ETAPAS
1. Coagulação,

2. Floculação,

3. Decantação,

4. Filtração,

5. Desinfecção,

6. Fluoretação,

7. Correcção do pH,

8. Reservatório e destribuição.
O TRATAMENTO DA ÁGUA - ETAPAS

• Coagulação
– Nesta etapa a adição de coagulantes: cal virgem
– CaO, Cal hidratada – Ca(OH)2, sulfato de
alumínio – Al2(SO4)3 e Cloreto de ferro III -
FeCl3.
O TRATAMENTO DA ÁGUA - ETAPAS

• Floculação
– Formação de aglomerados de partículas
(impurezas presentes na água) em flocos
maiores que possam ser removidos pela
decantação e filtração.
O TRATAMENTO DA ÁGUA - ETAPAS

• Decantação
– Após a floculação, a água é encaminhada para os
tanques de decantação, onde os flocos formados
são sedimentados pela acção da gravidade.
O TRATAMENTO DA ÁGUA - ETAPAS

• Filtração
– A água já coagulada é encaminhada para as
unidades filtrantes.
O TRATAMENTO DA ÁGUA - ETAPAS

• Desinfecção
– Para garantir a eliminação de microrganismos
nocivos à saúde, adiciona-se normalmente
agentes desinfectantes.
O TRATAMENTO DA ÁGUA - ETAPAS

• Fluoretação
– É feita pela adição de compostos à base de flúor
como ácido fluorsilícico ou fluorssilicato de
sódio. Esses compostos contribuem para a
redução da incidência de cárie dentária.
O TRATAMENTO DA ÁGUA - ETAPAS

• Correcção final de pH
– A correcção do pH é um método preventivo da
corrosão das tubagens.
O TRATAMENTO DA ÁGUA - ETAPAS

• Reservatório e distribuição
– A água proveniente da unidade de tratamento é
armazenada em reservatórios e distribuída à
população.

http://www.adp.pt/pt/atividade/gestao-da-
agua/?id=28
ÁGUA PARA CONSUMO
HUMANO
ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO
• É toda a água no seu estado original, ou após tratamento, destinada a ser
bebida, a cozinhar, a preparar alimentos ou outros fins domésticos,
independentemente da sua origem e de ser fornecida a partir de:

– Uma rede de distribuição,

– Um camião ou navio-cisterna,

– Em garrafas ou outros recipientes, com ou sem fins comerciais.

– E…

50
ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

• É toda a água utilizada numa empresa de indústria alimentar


para o fabrico, transformação, conservação ou
comercialização de produtos ou substâncias destinadas ao
consumo humano excepto quando a utilização dessa água não
afecta a salubridade do género alimentício na sua forma
acabada.

51
ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

Riscos

Curto prazo: Médio e Longo Prazo:


Contaminação microbiológica Poluição química e orgânica

Incidência clínica aguda Efeitos nocivos após


exposição continuada

52
Decreto-Lei n.º 152/2017, de 7 de
dezembro
• Regula a qualidade da água destinada ao consumo humano e
tem por objectivo proteger a saúde humana dos efeitos
nocivos resultantes de qualquer contaminação da água
destinada ao consumo humano, assegurando a sua
salubridade e limpeza.

53
Vigilância Sanitária
Decreto-Lei n.º152/2017, de 7 de dezembro

• É da competência das autoridades de saúde a


definição da necessidade ou não da realização de
análises suplementares inerentes à qualidade da
água para consumo humano e a avaliação do risco
para a saúde pública.(Autoridade de saúde- é a entidade à qual
compete a decisão de intervenção do Estado na defesa da saúde pública,
na prevenção da doença e na promoção e proteção da saúde, bem como
no controlo dos fatores de risco e das situações suscetíveis de causarem
ou acentuarem prejuízos graves à saúde dos cidadãos ou dos aglomerados
populacionais)

54
Vigilância Sanitária/Verificação da
Conformidade
Vigilância Sanitária: Verificação da Conformidade:

Conjunto de acções de
avaliação da qualidade da água
É a constatação da qualidade
Realizadas com carácter regular
num determinado instante,
pelas entidades gestoras com
devendo os critérios de
o objectivo de:
qualidade ser um sinal,
-Verificar e manter a qualidade,
visando a prevenção do risco
em conformidade com
Sanitário
requisitos pré-estabeleidos;
-Avaliar a eficiência dos
tratamentos existentes,
Assume um carácter
Principalmente da desinfecção.
de fiscalização
(Delegado de Saúde)

55
Vigilância Sanitária
Avaliação dos riscos para a Saúde
• As características físicas dos sistemas, práticas operacionais e de
controlo da qualidade da água;

• Informação local (localização geográfica, características hidrogeológicas,


histórico das características da água, antecedentes e actividades
desenvolvidas);

• Plantas topográficas das zonas de risco;

• Identificação dos pontos de amostragem;

56
Vigilância Sanitária
Avaliação dos riscos para a Saúde
• Informação da morbi-mortalidade associada ao agente contaminante
(causa de óbito nos últimos dez anos e perturbações crónicas);

• Identificação da extensão da contaminação do meio (água e cadeia


alimentar);

• Pontos geograficamente representativos (acompanhamento de análises


suplementares e questionário de exposição ambiental)

57
Vigilância Sanitária
Avaliação dos riscos para a Saúde
• Identificação dos perigos reais e potenciais associados à contaminação
aq eu as populações estão sujeitas;

• Avaliação da exposição das populações à contaminação (demografia,


subgrupos de risco – escolas, pesquisa de biomarcadores da exposição
do contaminante numa amostra da população);

• Determinação de implicações para a saúde.

58
QUALIDADE DO AR
POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA

• É quando se verifica a alteração de um constituinte atmosférico,


substância ou energia, susceptível de causar efeitos adversos:
– Na saúde humana e bem estar das populações;

– Nos recursos biológicos e ecossistemas;

– Nos materiais, no património no valor recreativo ou outras utilizações


legítimas do ambiente;

– À escala global.

60
Enquadramento legal
• A protecção da qualidade do ar enquadra-se na política de
preservação e melhoria do ambiente e da defesa da sua
qualidade, consignada na Lei de Bases do Ambiente, Lei
11/87, alterada pelo Decreto Lei nº 43/2015 de 27 de março ,
com a adopção de medidas legislativas para salvaguarda da
qualidade do recurso “ar” através da redução e controlo das
emissões de contaminantes para a atmosfera.

61
QUALIDADE DO AR
FONTES Poluição
FIXAS atmosférica

MÓVEIS

•Chaminés, dimensionamento e condições


de dispersão
•SO2 (enxofre); CO; CO2; NOx (azoto);
•Veículos automóveis; COV´s (compostos orgânicos voláteis);
•CO; CO2; SO2; NOx; Dioxinas e furanos ; outros compostos
O3; partículas; resultantes das actividades específicas
•Amostragem do ar ambiente,
• Medições na fonte (chaminé), condições
representatividade
de Isocinetismo (na fonte de escoamento)

62
PRINCIPAIS POLUENTES
POLUENTE PRINCIPAL FONTE EFEITOS NA POLUIÇÃO
SAÚDE ATMOSFÉRICA
CO Queima de combustível Formação de Directamente
fóssil – poluição automóvel Carboxihemoglobina relacionado com o
(COHb) tráfego automóvel
NOx Combustíveis, Centrais Lesões respiratórias Oxidante
NO2 termoeléctricas, Brônquios, alvéolos, Fotoquímico
Fábricas de fertilizantes, edema pulmonar, SMOG fotoquímico
de Ác. Nítrico, de bronquite crónica e (nevoeiro)
explosivos enfisema
SO2 Combustíveis fósseis em Danos e irritações do Chuvas Ácidas
especial de nafta/fuelóleo tracto respiratório
superior, doenças
cardiovasculares
PARTÍCULAS Queima de combustível <2 microns atingem Absorção superficial
os pulmões inibindo de metais pesados e
a respiração tóxicos
O3 Reacções fotoquímicas (luz Irritação dos olhos, Oxidante
solar) a partir de NOx e lacrimação, fotoquímico, SMOG
HC´s deficiências fotoquímico
respiratórias
DIOXINA Combustões de compostos Rupturas hormonais, Bioacumulação
FURANO químicos orgânicos e alterações genéticas,
plásticos imunológicas, cancro
63
POLUIÇÃO – EFEITOS À ESCALA GLOBAL
POLUENTES EFEITOS

CFC´s Destruição da camada de ozono

CO2 Efeito de estufa

CO Formação da carboxihemoglobina

NOx/NO3 Reacções fotoquímicas


Smog fotoquímico
SO2 Chuvas ácidas

64
POLUENTES
• Os efeitos da presença de poluentes no ar, na
saúde humana, nos seres vivos e nos
materiais, depende directamente das
concentrações dos poluentes e do tempo de
exposição.

65
FACTORES INTRÍNSECOS ÁS POPULAÇÕES

• Os efeitos dos poluentes sobre as populações, para além das


concentrações e da exposição estão directamente
relacionados com o estado de saúde das populações,
nomeadamente:
– Idade,

– Condição física,

– Predisposições genéticas,

– Hábitos sociais.

66
QUALIDADE DO AR

• O conhecimento da qualidade do ar implica os


seguintes parâmetros:
– Concentrações e variações de poluentes diurna e anual,

– Condições meteorológicas e climáticas,

– Fontes de emissão, móveis e fixas,

– Mecanismos de dispersão e transporte.

67
QUALIDADE DO AR - CAUSAS
• Economia,

• Tecnologia,

• Crescimento demográfico,

• Urbanismo,

• Ordenamento,

• Tráfego automóvel,

• Crescimento automóvel,

• Combustíveis…

68
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

• Conjunto de acções que propiciam o conhecimento, a


detecção ou prevenção de qualquer mudança nos factores
determinantes e condicionantes da saúde individual ou
colectiva, com finalidade de recomendar e adoptar as
medidas de prevenção e controle das doenças ou redução do
bem-estar.

69
VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

• Consiste no conhecimento, detecção e prevenção das


concentrações dos poluentes que constituem risco para a
saúde pública, das doenças por eles provocadas na população
e dos riscos resultantes em termos de saúde pública, com a
finalidade de serem estabelecidas medidas de prevenção,
precaução e controle.

70
CONCLUSÃO
• Afigura-se como essencial o conhecimento das doenças do foro
respiratório, pulmonar, dermatológico e alergológico, que afectam a
população e que possam ser causadas por poluição atmosférica.

• Para tal há que ter conhecimento dos parâmetros de qualidade do ar,


sendo essencial a monitorização e conhecimento das variações das
concentrações dos constituintes e poluentes atmosféricos.

71
OZONO E QUALIDADE DO AR
COMO SE FORMA O OZONO?

Radiação
Compostos Óxidos de solar intensa,
Orgânicos azoto (NOx): Condições
Voláteis: Combustão climáticas,
de gasolina, Ozono de
Solventes, + + Temperaturas =
carvão, superfície
Tintas, elevadas,
Combustíveis, gasóleo, Humidade,
etc. fuel, etc. vento fraco

73
Decreto lei nº 164/2016 de 26 de agosto
(Resolução do Conselho de Ministros n.º 46/2016)

• Obrigação para os Estados membros estabelecerem um procedimento


harmonizado de:

– Monitorização;

– Intercâmbio de informações;

– Informação e alerta da população, no respeitante à poluição


atmosférica pelo ozono, que optimize as acções necessárias para
reduzir a formação de ozono.

74
• VISA:

– A optimização de acções necessárias para reduzir a


formação de ozono e a garantia da informação do público,
no caso de serem ultrapassados os limiares de informação
e alerta à população.

75
EFEITOS NA SAÚDE

• Acção directa sobre as mucosas;

• Ao nível dos olhos: irritação das conjuntivas, olhos vermelhos,


diminuição da visão;

• Ao nível do tracto respiratório: inducção de reacções


inflamatórias, diminuição da capacidade vital.

76
EFEITOS NA SAÚDE - SINTOMAS

• Tosse,

• Respiração curta e rápida,

• Diminuição dos valores espirométricos,

• Aumento da resistência das vias respiratórias,

• Diminuição do limiar de sensibilidade aos alergenos.

77
EFEITOS NA SAÚDE - CONSEQUÊNCIAS

• Dificuldades respiratórias, dores no peito, náuseas, irritação na garganta;

• Problemas respiratórios graves;

• Redução da capacidade respiratória pulmonar;

• Inflamação dos tecidos pulmonares;

• Aumento de internamentos hospitalares e urgências organismos mais


susceptíveis a;

• Diminuição do sistema imunológico tornando os organismos mais


susceptíveis aos problemas respiratórios, incluindo bronquite e
pneumonia.

78
COMO REDUZIR AS EMISSÕES DE OZONO?

• Optimizando a utilização de energia.

• Fazendo cuidadosamente os abastecimentos de combustíveis, sem derrames, ou


evaporações desnecessárias.

• Verificando a pressão dos pneus e procedendo á manutenção do motor do seu


veículo, das suspensões, etc.

• Utilizando os transportes colectivos.

• Usando tintas, vernizes e solventes amigos do ambiente, seguindo


cuidadosamente as instruções de utilização.

• Mantendo as embalagens devidamente vedadas e armazenadas em locais onde


não evaporem facilmente.

79
CHUVA ÁCIDA
• A maioria das chuvas é ligeiramente ácida por causa da
pequena quantidade de dióxido de carbono dissolvido na
própria atmosfera. O dióxido de carbono atmosférico dissolve-
se nas nuvens e na chuva para formar um ácido fraco: o ácido
carbónico.

80
EFEITOS DA CHUVA ÁCIDA NAS FLORESTAS

• Enfraquece a árvore matando as suas folhas, limitando os nutrientes de que


precisa ou envenenando o solo com substâncias tóxicas.

• Os cientistas acreditam que a água acidificada dissolve os nutrientes que estão no


solo e arrasta-os rapidamente antes que as plantas os possam utilizar para crescer.

• Ao mesmo tempo, a chuva ácida pode causar a libertação de substâncias tóxicas


como o alumínio no solo. Quando ocorrem chuvas intensas a água arrasta essas
substâncias tóxicas até aos rios e lagos, provocando contaminação.

81
EFEITOS DA CHUVA ÁCIDA NA ÁGUA

• A maior parte dos rios e lagos tem um pH entre 6 e 8. No


entanto, se os solos e mesmo a água não tem capacidade de
neutralizar a chuva ácida, o pH dos lagos pode atingir valores
perto de 5, o que pode levar à morte de alguns organismos
que habitam nos meios aquáticos.

82
EFEITOS DA CHUVA ÁCIDA NAS
CONSTRUÇÕES
• A chuva ácida é responsável pela corrosão de pedra, metal ou
tinta.

• Praticamente todos os materiais expostos à chuva e ao vento


durante muito tempo degradam-se gradualmente.

• A chuva ácida vai acelerar esse processo, destruindo estátuas,


prédios ou monumentos….

83
EFEITO DE ESTUFA
EFEITO DE ESTUFA
• A radiação solar atravessa a atmosfera. A maior parte da radiação é
absorvida pela superfície terrestre e aquece-a.

• Alguma da radiação solar é reflectida pela Terra à atmosfera, de volta ao


espaço.

• Parte da radiação infravermelha (calor) é reflectida pela superfície da


terra, mas não regressa ao espaço, pois é reflectida de novo e absorvida
pela camada de gases de estufa que envolve o planeta. O efeito é o
aquecimento da superfície terrestre e da atmosfera.

85
86
CONSEQUÊNCIAS DO AUMENTO DO
EFEITO DE ESTUFA
• Aumento da temperatura da terra em torno de 4 a 5ºC no próximo Século.

• Elevação de 15 a 95 cm no nível dos oceanos.

• Fusão da calote polar.

• Alteração dos ciclos de produtividade das culturas e vegetais.

• Transformação e perda de áreas produtivas e ecossistemas.

• Expulsão de milhões de seres humanos das áreas das costas marítimas e


outros.

87
RADIAÇÕES
ELECTROMAGNÉTICAS E EFEITOS
NA SAÚDE
RADIAÇÃO ELECTROMAGNÉTICA

• Radiação – relacionada com a noção de propagação


no espaço (propagação de energia)

• Electromagnética – campos eléctricos e magnéticos

27-02-2018 89
Possíveis efeitos na saúde

• Efeitos Térmicos;

• Efeitos Não Térmicos.

27-02-2018 90
EFEITOS TÉRMICOS
Absorção de energia de radiofrequência

Aquecimento dos tecidos biológicos

Aumento da temperatura

Mecanismos de termorregulação Aumento intensidade radiação

Efeitos térmicos
27-02-2018 91
PRINCIPAIS EFEITOS TÉRMICOS
• Alterações genéticas (studos laboratoriais),

• Cataratas (exposição aguda),

• Alterações: regulação da temperatura, função endócrina, sistema


cardiovascular, resposta imunitária, actividade do sistema nervoso,
comportamento (estudos em animais),

• Alterações na função cerebral e neuromuscular, aumento permeabilidade


da barreira hemato-encefálica, alterações hematológicas e reprodutivas,
variações na morfologia das células (estudos em sistemas celulares e
animais).

27-02-2018 92
EFEITOS NÃO TÉRMICOS
Frequências associadas ao Frequências utilizadas
funcionamento do Nos sistemas de
organismo humano Comunicação móvel

Interacção / Interferência

O organismo reconhece determinadas características


Da radiação e responde aos seus estímulos

27-02-2018 93
PRINCIPAIS EFEITOS NÃO TÉRMICOS
• Sistema Nervoso: falhas de memória, alterações da atenção, variações da
pressão arterial;

• Membrana Celular: alteração do potencial intracelular;

• Fluxo de cálcio: decréscimo do estado geral de excitabilidade do tecido


nervoso, influência na função cerebral,

• Melatonina: influência na iniciação e desenvolvimento de tumores,


alterações do ritmo circandiano.

27-02-2018 94
PRINCIPAIS EFEITOS NÃO TÉRMICOS

• Efeitos oculares: cataratas,

• Doenças neurológicas específicas: epilepsia.

• Sintomas:
– Cefaleias,

– Disfunção ocular,

– Fadiga,

– Tonturas,

– Perturbações do sono.

27-02-2018 95