Você está na página 1de 3

O filme “Fome de Poder” apresenta a história da criação e expansão da empresa

norte-americana McDonald’s, abordando o seu sistema de operações, o seu


relacionamento com os clientes e franqueadores e a sua cultura organizacional. Esses
diversos aspectos são analisados a seguir sob a ótica da psicologia do trabalho.
A empresa foi fundada pelos irmãos Dick e Mac McDonald que iniciaram os negócios
com uma barraca de cachorro quente. Em seguida se mudaram para a cidade de San
Bernardino e abriram um restaurante cujo prato principal era churrasco. O sistema de
serviço de vendas de produtos adotado pela empresa era o drive-in que permitia o
cliente comprar o produto sem precisar sair do carro.
Com o passar de alguns anos, os irmãos McDonald’s perceberam que a maior parte
das vendas eram oriundas de três produtos: hamburguer, batata fritas e refrigerantes.
Além disso, eles notaram diversos desperdícios que poderiam ser evitados. Então,
decidiram realizar um estudo e inovar todo o seu sistema de operações e serviços,
reduzindo o seu cardápio.
Nesse contexto, dois sistemas de produção foram adotados: o Taylorismo e o
Fordismo. Sabe-se que a Psicologia Organizacional começou a se desenvolver com
o taylorismo e com a consolidação dos Princípios da Administração Científica, do
Estudo de Tempos e Movimentos e da Organização Racional do Trabalho.
Esse sistema de produção tinha como objetivo aumentar a produtividade do operador,
através da eliminação da ociosidade e reduzir os custos de produção por meio da
eliminação de desperdícios de tempos e movimentos. As operações eram realizadas
seguindo o princípio da divisão de tarefas com base nas aptidões de cada trabalhador
e na padronização dos métodos de trabalho que era realizado mediante treinamentos
e supervisões de forma a garantir um melhor desempenho e controle das operações.
O Fordismo é um sistema de produção em massa que se baseia numa linha de
montagem cujo objetivo é a redução dos custos de produção por meio de uma
produção elevada no menor tempo possível. Nesse sistema é possível controlar todas
as fontes de matéria-prima e os trabalhadores executam apenas uma função,
reproduzindo mecanicamente o mesmo movimento durante sua jornada de trabalho.
Nesse sentido, após estudos e adoção desses novos meios de produção, os irmãos
McDonald’s reduziram os custos operacionais e melhoraram a produtividade. Um dos
principais resultados obtidos foi a melhoria no tempo de espera pela entrega de um
pedido que antes durava 30 minutos e foi reduzido para 30 segundos, passando a
produzir em grande escala.
As principais mudanças realizadas pela empresa foram as seguintes: 1) os clientes
passaram a fazer pedidos no balcão e a entrega dos alimentos era feita imediatamente
após o pagamento, nesse caso, não haviam mais garçonetes; 2) os alimentos não
eram mais servidos em pratos e talheres convencionais, eles adotaram a opção de
embalagens descartáveis; 3) eles retiraram as máquinas que vendiam cigarros,
optaram por não mais vender bebidas alcóolicas e retiraram a música alta com a
finalidade de tornar o ambiente mais familiar.
Nessa perspectiva, devido o sucesso do novo sistema de trabalho adotado, os irmãos
McDonald’s começaram a expansão dos negócios por meio de franquias, entretanto,
sem sucesso, em razão da dificuldade em manter o padrão de qualidade, de controlar
os processos a distância, além da má administração dos franqueados. Não obstante
isso, pouco tempo depois eles conheceram Ray Kroc que ficou encantando com o
modelo de negócio deles e o fizeram mudar de ideia com relação as franquias.
É importante destacar que Ray Kroc foi o grande responsável pela expansão da marca
McDonald’s devido o seu espírito visionário e suas habilidades com marketing. Uma
das importantes mudanças implementadas por ele diz respeito a cultura
organizacional da empresa e o relacionamento com clientes e franqueadores. Em
determinado momento, ele compara a empresa com grandes instituições de respeito
que possuíam símbolos de referência. O tribunal que continha a bandeira, a Igreja que
era representada pela cruz e para ele o McDonald’s seria conhecido pelos arcos
dourados, símbolos já idealizados pelos irmãos McDonald’s.
Além disso, Ray Kroc dizia: “O McDonald’s é o local da família, da comunidade, onde
americanos partilham o pão”. Acrescentava ainda: “É a nova Igreja Americana,
alimentando corpos e almas e não abrem só aos domingos, fica aberto sete dias por
semana.” Diante dessas afirmações, é evidente o pensamento de Ray com relação
ao negócio, ele queria que o cliente ao chegar ao McDonald’s sentisse um bem-estar
como se estivesse em seu próprio lar. Ou até mesmo na Igreja, local onde as pessoas
buscavam se encontrar com Deus, viver a fraternidade e o amor.
No início, os primeiros contratos de franquias fechados por Ray Kroc foram com
amigos já aposentados que não tinham o negócio McDonald’s como uma prioridade,
por isso haviam diversos problemas com relação a padronização dos processos e
produtos e a limpeza do ambiente. A partir disso, Ray começa procurar novos
franqueados, apresentando a empresa e a oportunidade de negócios em locais
diferentes do que estava habituado a frequentar. Ele começou dar prioridade para
casais, onde marido e esposa tinham aptidões para o negócio de forma a trabalharem
juntos, o que ia configurar a empresa como um ambiente familiar e acolhedor.
Logo em seguida, várias pessoas se interessaram pelo negócio e passaram a procura-
lo para também abrir uma franquia. Com esse ritmo, a empresa cresceu rapidamente,
entretanto havia algumas barreiram no contrato acordado por Ray e os irmãos
McDonald’s que o impedia de executar seu ambicioso plano de expansão, havendo
diversos conflitos entre eles. Pouco tempo depois, Ray compra a parte dos irmãos no
negócio, bem como os direitos autorais da marca. Em seguida, ele abre uma franquia
próxima a lanchonete dos irmãos, levando-os a falência. Alguns anos depois o
McDonald’s se tornou uma multinacional e atualmente possui franquias espalhadas
em diversos países.
Assim, no que se refere ao sistema de produção adotado pela empresa é importante
pontuar que a superespecialização do operador torna-o semelhante a um robô o que
interfere nas suas motivações, satisfação pelo serviço executado, qualidade de vida
no ambiente de trabalho e consequentemente na sua permanência na empresa.
Nesse sentido, em uma pesquisa realizada em 2018, pela People Report, constatou-
se que a rotatividade de funcionários nos restaurantes fast-foods dos EUA alcançou
150%. A pesquisa relata a dificuldade com as ofertas de trabalho e a contratação de
novos colaboradores. Isso ocorre devido o ritmo do trabalho e da tecnologia e a
remuneração oferecida pela empresa. ¹
Portanto, há uma necessidade de conscientização por parte da empresa que declara
como um de seus valores “temos um compromisso com as nossas pessoas”, mas que
na prática demonstra que os funcionários representa apenas custos e os clientes e
franqueadores são fontes de lucros, esquecendo que a verdadeira força que move a
empresa são os colaboradores.

¹ Resultados da pesquisa disponível em: <https://exame.abril.com.br/negocios/exodo-de-funcionarios-


do-mcdonalds-expoe-rotatividade-do-setor/>