Você está na página 1de 35

FISIOPATOLOGIA CLÍNICA

1
Gedeão B. Oliveira

FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
MEDICINA

1. Qual dos achados abaixo é menos provável de ser encontrado em um paciente com
glomerulonefrite pós-estreptocócica?
a) Edema.
b) Proteinúria maior ou igual a 500mg/24 horas.
c) Hipertensão arterial.
d) Hemácias dismórficas na urina.
e) Oligúria.

2. Assinale a alterantiva correta em relação à pancreatite aguda:


a) Os sinais de Grey Turner e de Cullen são comuns e indicam gravidade.
b) Estão entre as causas mais frequentes a obstrução do ducto pancreático por cálculo
biliar e o consumo abusivo de bebidas alcoólicas.
c) A tomografia de abdome é mais sensível que a dosagem das enzimas pancreáticas no
diagnóstico.
d) A necrose pancreática com infecção sobreposta leva à elevada taxa de mortalidade.
e) Pode ser necessária reposição volêmica de até 20 litros nas primeiras 24 horas da crise.

3. Em relação à doença ulcerosa péptica sangrante, assinale a alternativa correta:


a) As úlceras são causa de sangramento em cerca de metade dos pacientes com varizes de
esôfago.
b) Doentes em estado grave e sem dieta enteral estão sob maior risco.
c) Por tratar-se de hemorragia alta, os pacientes com úlcera péptica não apresentam
hematoquezia.
d) Os inibidores da bomba de prótons não surtem efeito no sangramento agudo, mas
reduzem as taxas de ressangramento.
e) O manejo das úlceras sangrantes é mais efetivo quando é visto vaso sangrante.

4. Sobre a insuficiência renal é FALSO afirmar:


a) As causas mais comuns de insuficiência renal crônica são diabetes mellitus,
hipertensão, glomerulonefrite crônica e doença dos
rins policísticos.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
2
Gedeão B. Oliveira

b) Agentes de contraste radiológico não estão envolvidos na patogênese da insuficiência


renal aguda.
c) Anorexia, náuseas, soluço, vômitos, hematêmese, prejuízo na hemostasia são mais
frequentes na retenção aguda de toxinas
urêmicas.
d) Prurido cutâneo, pericardite e anemia são mais frequentemente vistas após uremia
prolongada.
e) A ureia é o mais importante metabólito do catabolismo de proteínas, sendo excretada
primariamente pelos rins.

5. Paciente do sexo feminino, 60 anos de idade, é atendida na emergência com queixa de


dor subesternal de início súbito, com irradiação para pescoço e região dorsal persistente
há cerca de 45 minutos. Hipertensa de longa data, tabagista (10 cigarros/ dia), sem
antecedentes de IAM ou insuficiência cardíaca. Ao exame, encontrava-se ansiosa,
sudoreica. À ausculta cardíaca, ritmo regular em 2 tempos, presença de B4, PA:
150x100mmHg, frequência de 94 batimentos por minuto. O eletrocardiograma mostrava
hipertrofia ventricular esquerda com alteração difusa de repolarização. A radiografia de
tórax mostrava cardiomegalia e alargamento do mediastino. Qual a conduta inicial mais
apropriada neste caso?
a) Iniciar trombolítico.
b) Iniciar heparina endovenosa.
c) Aguardar resultado de enzimas.
d) Solicitar ecocardiograma transesofágico.
e) Solicitar angiografia coronariana de urgência.

6. A proteína C ativada é eficaz em reduzir a mortalidade na sepse grave. Seu uso é


recomendado nas condições abaixo, EXCETO:
a) Choque séptico.
b) Score APACHE ≥ 25.
c) Síndrome do desconforto respiratório agudo.
d) Disfunção de múltiplos órgãos.
e) Sangramento ativo.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
3
Gedeão B. Oliveira

7. Em que situação clínica um aumento de creatinina sérica seria explicado apenas por
uma redução na taxa de filtração glomerular?
a) Uso de cimetidina em um paciente com úlcera péptica.
b) Diabético com bexiga neurogênica.
c) Convulsões em paciente com estado epiléptico.
d) Contração severa de volume extracelular em paciente com diarreia.
e) Uso de trimetropim em paciente com infecção urinária.

8. Dentre os pacientes com infecção crônica pelo vírus da hepatite C (VHC), qual
provavelmente terá a taxa mais baixa de progressão para fibrose hepática?
a) Um homem que adquiriu a infecção pelo VHC com 40 anos e bebe cinco doses de
bebida alcoólica por dia.
b) Um homem com infecção por HIV e VHC adquirida há 20 anos.
c) Uma mulher que adquiriu infecção pelo VHC há mais de 20 anos e não ingere bebida
alcoólica.
d) Uma mulher imunossuprimida pós-transplante hepático com 45 anos de idade.
e) Uma mulher que adquiriu a infecção pelo VHC aos 43 anos de idade e bebe três doses
de bebida alcoólica por dia.

9. NÃO se relaciona à glomerulonefrite pós-estreptocócica (GNPE):


a) A reação inflamatória atinge todos os glomérulos de ambos os rins
b) A perda da integridade da membrana basal diminui o ritmo de filtração glomerular
c) Há formação de imunocomplexos (Ag-Ac) circulantes com ativação do sistema
complemento
d) A diminuição do volume filtrado aumenta a reabsorção tubular de sódio e água
e) A hipervolemia representa o principal componente da sua fisiopatologia

10. Caracteriza a presença de artrite:


a) Dor à palpação articular.
b) Derrame articular.
c) Dor à movimentação ativa de uma articulação.
d) Hiperemia da pele sobrejacente a uma articulação.
e) Dor à movimentação passiva de uma articulação.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
4
Gedeão B. Oliveira

11. NÃO se refere à hepatite viral A:


a) Forma subclínica na infância.
b) A imunoprofilaxia passiva é pouco efetiva na prevenção de surtos epidêmicos.
c) A imunoprofilaxia ativa é segura e efetiva, cuja vacina pode ser aplicada em qualquer
idade.
d) Cronicidadade do quadro.
e) Até 15% dos pacientes afetados apresentam quadro prolongado ou manifestações
recorrentes por um período, habitualmente, não superior a seis meses.

12. Com relação a glomerulonefrite difusa aguda(GNDA) podemos afirmar, EXCETO:


a) Constitui a principal causa de síndrome nefrítica de início súbito na infância.
b) A hematúria macroscópica é a forma mais comum de apresentação oligossintomática.
c) A recuperação espontânea ocorre na maioria absoluta dos pacientes.
d) A reação inflamatória nos glomérulos é responsável pela hematúria, leucocitúria,
proteinúria e cilindrúria que ocorrem na doença.
e) A tríade proteinúria, edema e hematúria é característica da GNDA e serve de base para
o seu diagnóstico.

13. Com relação à cirrose hepática, identifique como verdadeiras (V) ou falsas (F) as
seguintes afirmativas:
( ) Nos casos de cirrose com hipertensão porta que apresentam derrame pleural sem ascite,
é importante avaliar se o paciente tem hidrotórax hepático.
( ) A classificação de Child Pugh analisa a presença de ascite e encefalopatia, assim como
os valores laboratoriais de creatinina, tempo de protrombina e bilirrubinas.
( ) O hepatocarcinoma é uma complicação importante da cirrose. Pode ser diagnosticado
por imagem característica de tomografia ou ressonância magnética, quando há
impregnação de contraste na fase arterial do exame e wash out na sua fase venosa.
( ) Encefalopatia, índice de massa corpórea, gradiente venoso de pressão hepática, sódio
sérico e bilirrubinemia são fatores associados ao mau prognóstico da cirrose.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo.
a) V – V – F – F.
b) F – F – V – V.
c) V – V – F – V.
d) V – F – V – V.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
5
Gedeão B. Oliveira

e) F – V – V – F

14. Um paciente com suspeita de síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) pode


apresentar lesões cutâneas sugestivas da doença. Assinale a alternativa em que TODAS
as entidades citadas estão relacionadas a esse quadro:
a) Angiomatose bacilar, leucoplasia pilosa oral, sarcoma de kaposi, onicomicose
subungueal proximal.
b) Sarcoma de kaposi, vasculite leucocitoclásica, foliculite herpética, alopecia central
centrífuga.
c) Candidíase orofaríngea, sarcoma de kaposi, angiofibromas em face, manchas café com
leite disseminadas.
d) Sarna norueguesa, sarcoma de kaposi, eritema migratório necrolítico, eritromelalgia.
e) Herpes zoster, acantose nigricante, eritema pérnio, sarcoma de kaposi.

15. Com relação à endocardite infecciosa, assinale a alternativa correta.


a) Os enterococos são a maior causa de endocardite infecciosa em valva nativa em idosos.
b) As endocardites mais comuns em drogaditos são as do lado direito do coração,
geralmente causadas por estreptococos.
c) Os fungos são a maior causa de endocardite tardia em próteses valvares.
d) O Staphylococcus aureus é o maior causador de endocardite associada a cuidados de
saúde.
e) Os Streptococcus viridans são resistentes à penicilina em 40 a 50% dos casos.

16. Referem-se aos critérios menores de Duke modificados para o diagnóstico da


endocardite infecciosa:
a) febre maior que 38 °C; microrganismo típico em duas amostras de hemocultura;
nódulos de Osler.
b) histórico de uso de drogas intravenosas; ecocardiograma com massa oscilante na valva;
fator reumatoide positivo.
c) microrganismo típico em uma amostra de hemocultura; manchas de Roth na
fundoscopia; aneurisma micótico.
d) deiscência parcial nova de prótese; aneurismas micóticos; glomerulonefrite.
e) lesões de Janeway; regurgitação valvar nova; hemorragias conjuntivais.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
6
Gedeão B. Oliveira

17. O risco de infarto agudo do miocárdio é de cerca de 4% entre os pacientes com


histórico de doença arterial coronariana. Um eletrocardiograma normal não exclui a
possibilidade de síndrome coronariana aguda, apesar de mostrar melhor prognóstico a
esses pacientes. Contudo, para que o diagnóstico de infarto seja confirmado, torna-se
necessária mais uma avaliação, além da história clínica e do eletrocardiograma. A
avaliação importante a ser feita para o diagnóstico de infarto agudo do miocárdio é
análise:
a) de biomarcadores, preferencialmente a troponina.
b) da radiografia de tórax.
c) do eletrocardiograma de esforço.
d) de biomarcadores, preferencialmente a mioglobina.
e) do ecocardiograma de esforço.

18. No tamponamento cardíaco, à medida que o líquido se acumula no saco pericárdico,


as pressões diastólicas atrial e ventricular, tanto direita quanto esquerda, elevam-se,
levando à equalização das pressões. A partir disso, alguns sinais tornam-se evidentes no
tamponamento cardíaco. Assinale a alternativa que apresenta um sinal do tamponamento
cardíaco.
a) Os volumes cardíacos aumentam.
b) O pulso paradoxal é um achado hemodinâmico característico, que geralmente está
presente.
c) Ocorre acentuação da descendente y da curva de pressão atrial direita.
d) O sinal da ‘raiz quadrada’ na pressão ventricular está presente.
e) Há elevada alteração inspiratória na pressão venosa sistêmica (sinal de Kussmaul).

19. Existem alguns achados hemodinâmicos e ecocardiográficos da pericardite constritiva


que, quando comparados com os da cardiomiopatia restritiva, podem diferenciar uma
patologia da outra. Com relação ao assunto, identifique como verdadeiras (V) ou falsas
(F) as seguintes afirmativas:
( ) O knock pericárdico está presente na constrição pericárdica e ausente na restrição.
( ) Pressões de enchimento maior que 25 mmHg são raras na constrição e comuns na
restrição.
( ) O abaulamento septal está presente na constrição e ausente na restrição.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
7
Gedeão B. Oliveira

( ) A espessura pericárdica encontra-se aumentada na constrição pericárdica e na restrição


miocárdica.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo.
a) V – F – V – F.
b) V – F – F – V.
c) F – V – V – F.
d) F – V – F – V.
e) V – V – V – F.

20. Em pacientes com estenose aórtica importante, sem doença arterial coronária, qual é
a causa do sintoma de angina?
a) Combinação da redução de necessidade de oxigênio pelo miocárdio hipertrófico com
a redução da demanda secundária da excessiva compressão do vaso coronariano.
b) Combinação da redução da necessidade de oxigênio do miocárdio hipertrófico com a
hiperplasia da média do vaso coronariano.
c) Combinação do aumento da necessidade de oxigênio do miocárdio hipertrófico com a
hiperplasia da média do vaso coronariano.
d) Combinação do aumento da necessidade de oxigênio do miocárdio hipertrófico com a
redução da demanda de oxigênio secundária a excessiva compressão do vaso coronariano.
e) Combinação do aumento da necessidade de oxigênio do miocárdio dilatado com a
redução da demanda de oxigênio secundária a hiperplasia da média do vaso coronariano.

21. Na insuficiência aórtica grave, um ruído apical mesodiastólico e telessistólico na


ausculta é definido como:
a) sopro de Grahan Steell.
b) sopro de Austin-Flint.
c) sopro de Musset.
d) sopro de Muller.
e) sinal de Traube.

22. - A hipertensão arterial, quando associada a outro fator de risco, pode piorar muito o
prognóstico do paciente. São riscos cardiovasculares, EXCETO:
a) tabagismo.
b) obesidade abdominal.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
8
Gedeão B. Oliveira

c) idade: homens > 65 anos e mulheres > 55 anos.


d) dislipidemia (LDL-colesterol > 115 mg/dL).
e) glicemia de jejum (105-125 mg/dL).

23. Em relação à doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), considere as seguintes


afirmativas:
1. Pirose e regurgitação alimentar são considerados sintomas típicos.
2. Comprovou-se que os sintomas dos pacientes portadores de DRGE tendem a se agravar
após a erradicação do Helicobacter pylori.
3. A pHmetria esofagiana de 24 horas determina o volume de ácido gástrico refluído
(refluxato em mL) e o seu pH.
Assinale a alternativa correta.
a) As afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.
b) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras.
d) Somente a afirmativa 2 é verdadeira.
e) Somente a afirmativa 1 é verdadeira.

24. Em relação à doença ulcerosa péptica (DUP), é correto afirmar:


a) As úlceras gástricas são mais prevalentes que as úlceras duodenais, ocorrendo
principalmente na grande curvatura do corpo gástrico.
b) Os sintomas clínicos possuem alta especificidade e sempre permitem a diferenciação
precisa entre úlcera gástrica e úlcera duodenal.
c) As úlceras gástricas múltiplas, maiores que 1 cm, profundas, relacionadas a infecção
por Helicobacter pylori devem ser tratadas apenas com a erradicação da bactéria
(tratamento antibiótico inicial por 14 dias), sem necessidade de terapia supressora ácida
adicional.
d) O sangramento é a complicação mais frequente da DUP.
e) Não há benefício da erradicação do Helicobacter pylori em pacientes cardiopatas
usuários crônicos de AAS e com histórico médico pregresso de DUP cicatrizada.

25. Qual é a principal etiologia de pancreatite crônica no Brasil?


a) Alcoolismo.
b) Idiopática.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
9
Gedeão B. Oliveira

c) Obstrução benigna do ducto pancreático.


d) Tropical.
e) Fibrose cística.

26. Assinale a alternativa que responde CORRETAMENTE à pergunta abaixo:


Paciente masculino, 28 anos de idade, com diagnóstico de HIV há dois anos, vinha
fazendo uso regular de terapia antirretroviral há seis meses. Há uma semana, iniciou com
febre de 39°C, calafrios, cefaleia difusa e tosse produtiva. À ausculta pulmonar, presença
de alguns estertores crepitantes à esquerda. O exame neurológico evidenciou rigidez de
nuca. A tomografia de crânio não demonstrou alterações. Foi realizada uma punção
lombar cujo exame do líquor mostrava: celularidade – 1.000 leucócitos (90%
polimorfonucleares), ausência de hemácias; glicose = 25 mg/dl; proteínas = 64mg/dl;
adenosina deaminase = 2 mg/dl. Conforme o quadro clínico e a análise dos resultados do
líquor (LCR), qual a etiologia mais provável para a meningite e qual o exame que
confirma o diagnóstico?
(A) Meningite herpética – PCR para herpes-vírus no LCR.
(B) Meningite pneumocócica – bacterioscopia e/ou cultura evidenciando diplococos
grampositivos no LCR.
(C) Meningite criptocócica – tinta da China positiva no LCR.
(D) Meningite viral – diagnóstico sorológico.
(E) Meningite tuberculosa – PCR para micobactérias no LCR.

27. Assinale a alternativa que responde CORRETAMENTE à pergunta abaixo.


Paciente masculino, 49 anos de idade, caminhoneiro, com antecedentes de hipertensão
arterial, procura atendimento ambulatorial com queixa de dispneia há um mês, além de
tosse seca eventual. Não sabe informar sobre febre. Na revisão de sintomas, refere
emagrecimento de 5 kg nesse período e odinofagia. Ao exame físico, o paciente encontra-
se em regular estado geral, emagrecido, levemente taquipneico. À ausculta pulmonar,
evidenciam-se discretos estertores crepitantes bibasais. A oroscopia evidencia candidíase
oral. O restante do exame físico é normal. Qual a hipótese diagnóstica mais provável e
qual achado de exame complementar é considerado padrão-ouro para confirmar esse
diagnóstico?
(A) Pneumocistose / Cultura do escarro positiva para Pneumocystis carinii.
(B) Pneumocistose / Presença de Pneumocystis jiroveci no lavado broncoalveolar.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
10
Gedeão B. Oliveira

(C) Tuberculose miliar / Presença de BAAR no escarro.


(D) Insuficiência cardíaca / Tomografia de tórax com padrão de vidro fosco.
(E) Pneumonia atípica / Radiografia de tórax com padrão interstício-alveolar.

28. Sra. Marli, 48 anos, com queixa de plenitude pós-prandial, episódios de dores em
cólica em hipocôndrio direito com irradiação para o dorso de longa data. Após jantar em
churrascaria evoluiu com dor em cólica de forte intensidade com náuseas e vômitos sem
melhora por 24h. Foi levada ao pronto socorro devido a piora clínica. Avaliada pelo
plantonista que internou a paciente após identificar a clássica tríade de Charcot, que se
caracteriza por:
(A) Febre com calafrios, dor em quadrante superior direito do abdome, taquicardia.
(B) Dor em quadrante superior direito do abdome, icterícia e calafrios.
(C) Icterícia, febre com calafrios e rigidez de nuca.
(D) Dor em quadrante superior direito do abdome, febre com calafrios e icterícia.
(E) Rigidez de nuca, febre com calafrios e icterícia.

29. O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença inflamatória crônica, de carácter
autoimune, que pode comprometer vários órgãos e sistemas. De acordo com o local do
envolvimento do seu processo inflamatório, também pode se apresentar com diversos
sinais e sintomas, o que pode dificultar o seu diagnóstico, nas fases iniciais da doença.
Qual a lesão glomerular mais encontrada no lúpus eritematoso sistêmico?
(A) Glomerulonefrite mesangial.
(B) Glomerulonefrite proliferativa focal.
(C) Glomerulonefrite membranosa.
(D) Glomerulonefrite proliferativa difusa.
(E) Lesões mínimas.

30. Homem de 30 anos, com sobrepeso, diabético tipo II, hipertenso, usuário de
Metformina e hidroclorotiazida, queixando-se de artrite espontânea, de início súbito,
muito dolorosa, com sinais flogísticos moderados, em tornozelo direito. Portador de
litíase renal. Nega febre. No leucograma, apresenta leucocitose de 14000 sem desvio à
esquerda. VHS de 40mm na 1ª hora. Rx de Tornozelo mostrando aumento de partes
moles. Látex negativo. Ác. úrico = 7.5 ml/dl. Indique o CORRETO diagnóstico.
(A) Artrite gotosa.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
11
Gedeão B. Oliveira

(B) Artrite traumática.


(C) Artrite infecciosa.
(D) Artrite reumatoide.
(E) Artrite da febre reumática.

31. A endocardite infecciosa é uma entidade com amplo espectro de apresentação,


podendo estar associada à alta morbidade e mortalidade. Dentre os achados apresentados
a seguir, todos fazem parte do espectro da endocardite infecciosa, sendo incluídos
inclusive como parte dos critérios de Duke, com EXCEÇÃO de:
(A) Aneurisma micótico.
(B) Nódulos de Heberden.
(C) Manchas de Roth.
(D) Lesões de Janeway.
(E) Fator reumatoide positivo.

32. Em relação à gota, é correto afirmar que:


(A) a dosagem de ácido úrico sérico normal durante um episódio de crise aguda afasta o
diagnóstico de gota.
(B) durante um episódio de crise aguda deve se iniciar o uso de alopurinol e anti-
inflamatório não hormonal.
(C) para o diagnóstico definitivo de gota aguda é necessária a comprovação de
hiperuricemia.
(D) a colchicina é o medicamento indicado para o tratamento da crise aguda e para a
prevenção de outras crises.
(E) os alimentos pobres em proteínas devem ser evitados pelos pacientes com diagnóstico
de gota.

33. Na avaliação de um paciente com um nódulo na tireoide, a conduta inicial mais


adequada é:
(A) avaliação da função tireoidiana.
(B) realização de cintilografia da tireoide.
(C) ressecção do nódulo para análise histopatológica.
(D) realização de punção aspirativa por agulha fina guiada por ultrassonografia.
(E) dosar tireoglobulina.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
12
Gedeão B. Oliveira

34. Paciente, 16 anos, sexo masculino, evolui há 7 dias com quadro de edema em
membros inferiores e face, além de hematúria. Ao exame físico, observa-se edema 2+/ 4
+ em membros inferiores e edema periorbitário bilateral, além de dor à percussão em
flancos, de intensidade leve, bilateralmente. PA: 145/ 92 mmHg. Exames laboratoriais:
urina EAS: hematúria 3 +, proteinúria 1 +, leucocitúria moderada com cilindros
granulosos; creatinina 1, 3 mg /dl; albumina: 3, 2 mg / dl, complemento sérico (C3)
diminuído e ASLO +. A hipótese diagnóstica mais provável para este caso é:
(A) nefropatia tubulointersticial aguda.
(B) pielonefrite aguda.
(C) nefropatia por IgA.
(D) síndrome nefrótica.
(E) glomerulonefrite aguda pós-estreptocócica.

35. Paciente jovem deu entrada na emergência com quadro de dor torácica à inspiração
profunda, com antecedentes de estado gripal há uma semana. O ECG revela
supradesnivelamento difuso do segmento ST exceto em V1 e AVR (nesta última
derivação observa-se supradesnivelamento do segmento PR). O diagnóstico mais
provável é:
(A) infarto agudo do miocárdio.
(B) pericardite.
(C) embolia pulmonar.
(D) pneumotórax.
(E) pneumonia.

36. Paciente, sexo masculino, 28 anos de idade, portador do HIV, ainda não iniciou
tratamento. Apresenta tosse seca há 4 semanas e evolui com dispneia importante nos
últimos 7 dias. Ao exame físico, apresenta-se hemodinamicamente estável, sem
alterações na ausculta cardíaca e com presença de estertores crepitantes em ambos os
pulmões até terços médios. A radiografia de tórax identificou opacidades intersticiais
difusas bilaterais com predomínio central e sem derrame pleural. A hipótese diagnóstica
mais provável a ser considerada diante deste caso clínico é:
(A) fibrose pulmonar idiopática.
(B) pneumonia adquirida na comunidade.
(C) pneumocistose.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
13
Gedeão B. Oliveira

(D) aspergilose broncopulmonar alérgica.


(E) tuberculose pulmonar

37. Paciente masculino, 10 anos, realizou pesquisa de marcadores sorológicos para


hepatite B com o seguinte resultado: Anti HBs positivo, HBsAg negativo, Anti HBc
positivo e HBeAg negativo. Com base nesse quadro, é correto afirmar que o paciente
(A) se infectou com o vírus e evoluiu para a cura.
(B) apresenta a forma crônica da doença.
(C) apresenta hepatite B aguda.
(D) não teve contato com o vírus; apenas foi vacinado.
(E) apresenta a forma latente da doença.

38. NÃO Faz parte das manifestações extra-articulares da artrite reumatóide:


(A) Síndrome de Kaplan.
(B) Ceratoconjuntivite seca.
(C) Síndrome de Felty.
(D) Pápulas de Gottron.
(E) Miocardite.

39. Em relação à artrite da artrite reumatoide, é correto afirmar:


(A) Caracteristicamente é não erosiva, evidenciada por dor, edema ou derrame articular
em duas ou mais articulações.
(B) Geralmente tem caráter migratório, transitório, autolimitado, poliarticular, de grandes
articulações, com dor desproporcional aos sinais inflamatórios.
(C) Geralmente permanece por 2 ou 3 dias em cada articulação e desaparece sem deixar
sequelas em 2 a 3 semanas.
(D) É simétrica, de três ou mais articulações, com duração de pelo menos seis semanas.
(E) É frequente o acometimento da primeira carpometacarpeana e o surgimento dos
nódulos de Heberden e Bouchard.

40. Em paciente com Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, o valor de contagem de


células CD4+ que evidencia risco de desenvolvimento de doença pelo complexo
Mycobacterium avium é:
(A) < 300 CELLS/μL.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
14
Gedeão B. Oliveira

(B) < 200 CELLS/μL.


(C) < 100 CELLS/μL.
(D) < 50 CELLS/μL.
(E) qualquer contagem.

41. O principal fator de risco para a úlcera péptica é o (a):


(A) uso de anti-inflamatório não-esteroide.
(B) presença de H. Pylori.
(C) tabagismo.
(D) alcoolismo.
(E) esofagite de refluxo

42. Adulto jovem do sexo masculino procura pronto atendimento por febre alta, mialgia
e cefaleia importante há 2 dias, tendo iniciado vômitos há cerca de 6 horas. No exame
físico, foi detectada rigidez de nuca e presença dos sinais de Kernig e Brudzinsky.
Realizada punção lombar: 15.000 C lul /μl; Gl 30 mg/dl; Proteína 90 mg/dl e pressão
inicial elevada. Com base nesses dados, o provável agente etiológico é:
(A) H. influenzae tipo B.
(B) bacilos Gram-negativos.
(C) S. pneumoniae.
(D) S. aureus.
(E) L. monocytogenes.

43. Idosa de 72 anos de idade, altura de 1,62m e peso de 60Kg, apresenta creatinina sérica
de 1,4 mg/dl e uréia de 55 mg/dl. É necessário utilizar um antibiótico de excreção renal e
calcular o clearance aproximado de creatinina, que é, aproximadamente,
(A) 34,4 ml/min.
(B) 40,4 ml/min.
(C) 32,3 ml/min.
(D) 65,5 ml/min.
(E) 56,6 ml/min.

44. Considere os seguintes pacientes que apresentam proteinúria de 5,2 g/dia:


I Mulher de 27 anos, portadora de HIV.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
15
Gedeão B. Oliveira

II Mulher de 65 anos, com câncer de ovário.


III Menino de 11 anos, até então saudável.
Nefropatia de lesões mínimas, glomeruloesclerose focal segmentar e nefropatia
membranosa estarão associadas à maior probabilidade, respectivamente, aos pacientes
(A) I, II e III.
(B) II, I e III.
(C) II, III e I.
(D) III, I e II.
(E) III, II e I.

45. NÃO é indicação para o tratamento do H. pylori:


(A) Úlcera gastroduodenal.
(B) Linfoma MALT de baixo grau.
(C) Gastrite histológica intensa.
(D) Doença do refluxo gastroesofágico.
(E) Paciente de risco para úlcera que utilizará anti-inflamatórios não esteroides por tempo
prolongado.

46. Paciente de 68 anos, sexo feminino, chega ao consultório com seu marido, muito
preocupado, referindo que sua mulher, até uma semana atrás, fazia todo o serviço de dona
de casa, quando caiu da própria altura, tornando-se apática, inapetente, com perda e
flutuação da consciência e dificuldade de marcha. Com piora do quadro, tomou remédios
caseiros. Esse quadro sugere
(A) depressão.
(B) hipotireoidismo.
(C) hematoma subdural crônico.
(D) desnutrição.
(E) demência.

47. Homem de 65 anos relata história de dispneia a sua vida inteira. Porém, mais
recentemente, notou piora na sua capacidade funcional respiratória. Nega comorbidades
e uso de medicamentos. No exame físico apresenta: pressão arterial = 120/70mmHg;
pulso = 75bpm regular; pulso carotídeo normal; estase jugular patológica; precórdio com

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
16
Gedeão B. Oliveira

levantamento sistólico paraesternal e a presença de sopro sistólico, 4/6+ de intensidade,


audível em foco pulmonar e aórtico acessório, sem irradiação e que se intensifica com a
inspiração. O mais provável diagnóstico do paciente é:
(A) Estenose Valvar Aórtica.
(B) Defeito do Septo Atrial.
(C) Regurgitação Valvar Mitral.
(D) Estenose Valvar Pulmonar.
(E) Insuficiência Valvar Tricúspide.

48. Gabriele, 18 anos, previamente saudável, há 3 meses iniciou com artrite em mãos e
joelhos, alopecia e rash malar. Há 15 dias percebeu edema progressivo de membros
inferiores. Durante o exame físico, a pressão arterial foi de 145 x 95 mmHg. Laboratório
demonstra FAN 1:640 (padrão nuclear homogêneo), creatinina de 1,5mg/dl, albumina de
3mg/dl, Urina EAS com proteína 3+, hemácias 15-20/campo, leucócitos 5-10/campo e
cilindros granulosos. Caso fosse realizada uma biopsia renal, o padrão histológico mais
provável de ser encontrado é:
(A) Glomerulonefrite mesangial.
(B) Glomerulonefrite membranosa.
(C) Glomeruloesclerose nodular.
(D) Glomerulonefrite proliferativa.
(E) Glomerulonefrite crescêntica pauciimune.

49. A alternativa que apresenta achados clínicos encontrados nos pacientes com Síndrome
de Cushing é:
(A) Estrias violáceas, centralização da gordura, hipotensão arterial.
(B) Obesidade, diminuição da libido, queda de cabelo em homens.
(C) Acne, galactorreia, cicatrização diminuída de feridas.
(D) Pletora facial, fraqueza muscular proximal, giba.
(E) Edema, adelgaçamento da pele, aumento da fertilidade.

50. Paciente de 20 anos, sexo masculino, procurou atendimento médico na unidade básica
de saúde relatando o surgimento de edema de MMII iniciado há três meses, simétrico,
sem sinais flogísticos, que evoluiu de forma ascendente até o desenvolvimento de
anasarca. Nega patologias pregressas e uso de medicações. Ao exame físico, estava em

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
17
Gedeão B. Oliveira

anasarca e com PA 150/100mmHg. Foram realizados os exames: ureia 52mg/dL,


creatinina 1,6mg/dL, glicemia 78mg/dL, colesterol total 320mg/dL, HDL 35mg/dL,
albumina 2,1g/dL, sumário de urina: proteinúria ++++, glicosúria + e proteinúria de
6g/24h. Qual o tipo de glomerulopatia mais frequente que se adequa ao quadro clínico
acima?
a) Membranosa.
b) Membranoproliferativa.
c) Secundária a amiloidose.
d) Secundária a nefropatia diabética.
e) Glomeruloesclerose focal segmentar

51. Mulher, 63a, em acompanhamento por diabete melito tipo 2 há 14 anos e hipertensão
arterial sistêmica há 6 anos. Em uso de insulina tipo NPH 40 UI em jejum e 24 UI pré-
jantar. Exame físico: bom estado geral, corada, hidratada, acianótica, Peso= 78,6 Kg;
estatura= 1,64 m; PA= 150 x 106 mmHg, FC= 88 bpm, FR= 18 irpm. Últimos exames
laboratoriais: Glicemia jejum= 194 mg/dL; HbA1c= 9,3%; creatinina=1,67 mg/dL;
ureia= 60 mg/dL, colesterol total= 256 mg/dL; HDL colesterol= 36 mg/dL; LDL
colesterol= 180 mg/dL; triglicérides= 290 mg/dL; microalbuminúria= 250 mg/24h. EM
RELAÇÃO AS ALTERAÇÕES ANATOMOPATOLÓGICAS RENAIS PARA ESSA
PACIENTE, ASSINALE A ALTERNATIVA CORRETA:
a. Espessamento da membrana basal glomerular e expansão da matriz mesangial.
b. Hipertrofia glomerular com vasodilatação da arteríola renal eferente.
c. Glomerulo esclerose focal com hialinose arteriolar e fibrose tubulointersticial.
d. Glomérulos com proliferação de elementos celulares que obliteram os capilares.

52. Em relação ao vírus da hepatite C (VHC) e ao vírus da hepatite B (VHB), pode-se


afirmar que:
(A) O VHC apresenta menor virulência que o VHB.
(B) A hepatite crônica ocorre em maior proporção em infectados pelo VHB.
(C) A forma crônica destas hepatites independe da idade de exposição ao vírus.
(D) O VHB apresenta maior infectividade que o VHC.

53. Paciente idoso procedente da sua casa e previamente hígido, consulta por febre, início
abrupto de tosse, dispneia e produção de escarro, dor torácica ventilatório dependente,

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
18
Gedeão B. Oliveira

calafrios, mialgias, confusão, mal-estar, taquipneia, taquicardia, estertores crepitantes ao


exame do tórax, maciez à percussão de área do tórax em área correspondente à
consolidação lobar, que aparece na radiografia de tórax. O hemograma demonstra 16.000
leucócitos. Qual o agente etiológico mais provável?
(A) Klebsiella pneumoniae.
(B) Streptococcus pneumoniae.
(C) Pseudomonas aeruginosa.
(D) Staphylococcus aureus.

54. Um paciente com doença pulmonar obstrutiva crônica apresenta pulso paradoxal e
hiperinsuflação pulmonar. Essas alterações observadas durante o exame são resultado
(A) do menor retorno venoso ao coração direito durante a inspiração.
(B) do menor enchimento do ventrículo esquerdo durante a inspiração.
(C) da queda na pressão arterial média da artéria pulmonar durante a inspiração.
(D) da compressão extrínseca dos vasos da base pelo aumento do volume pulmonar.

55. Quanto à pancreatite, indique se são verdadeiras (V) ou falsas (F) as afirmativas
abaixo.
( ) A maioria das pancreatites é de causa biliar ou por uso de álcool. Uma das causas
esporádicas é o hiperparatireoidismo.
( ) O sinal de Grey Turner está relacionado à equimose periumbilical.
( ) A amilase persistentemente elevada, por mais de uma semana, pode indicar ascite
pancreática.
( ) A existência de ascite pancreática é indicativa de tratamento cirúrgico da doença
pancreática.
( ) O pseudocisto pancreático pós-pancreatite aguda só deve ter indicação cirúrgica se não
ocorrer involução em dez semanas.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA, de cima para baixo.
A()V–V–F–F–V
B()F–F–V–V–F
C()V–F–V–F–F
D()V–V–F–V–F
E()F–F–V–F–V

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
19
Gedeão B. Oliveira

56. Paciente do sexo masculino, 56 anos, com antecedentes de hipertensão e dislipidemia,


procura o ambulatório com dor torácica retroesternal tipo aperto que iniciou há cerca de
dois meses, de forma esporádica, durante suas caminhadas matinais, associada a períodos
de aumento da intensidade do exercício. Os episódios de dor tinham duração de 5 minutos
e melhoravam com repouso. Há duas semanas refere que toda vez que caminha apresenta
episódio de dor, desencadeada por esforço menor que o habitual. Assinale a alternativa
CORRETA, que classifica a dor torácica apresentada pelo paciente.
A ( ) Angina típica e estável.
B ( ) Angina atípica e estável.
C ( ) Angina atípica e instável.
D ( ) Angina típica e instável.
E ( ) Angina de Prinzmetal.

57. Há aproximadamente 2 semanas, menino com 3 anos de idade iniciou com edema
bipalpebral e aumento do ganho ponderal. Mãe relata que foi ajudá-lo e percebeu edema
escrotal e que havia “eliminado pequena quantidade de urina”. Ao exame físico,
apresentava PA= 86x46 mmHg, edema importante de pálpebra, escroto e MMII com sinal
do cacifo. Nos exames laboratoriais apresentava proteinúria acentuada, colesterol total:
493; HDL: 44; C3 normal. Assinale a alternativa CORRETA, que indica o diagnóstico
mais provável e a lesão histológica mais comum:
A ( ) Síndrome nefrótica – Tipo histológico, lesão mínima glomerular.
B ( ) Síndrome nefrótica – Tipo histológico, lesão membranoproliferativa.
C ( ) Síndrome nefrótica – Tipo histológico, lesão glomeruloesclerose.
D ( ) Síndrome nefrítica – Tipo nefropatia por IgA.
E ( ) Síndrome nefrítica – Pós-estreptocócica.

58. Em relação à úlcera péptica e ao Helicobacter pylori, indique se são verdadeiras (V)
ou falsas (F) as afirmativas abaixo.
( ) Um dos mecanismos ulcerogênicos do H. pylori parece ser pela redução das células D
antrais e dos níveis séricos de somatostatina, que leva a um aumento dos níveis séricos
de gastrina pela desinibição das células G.
( ) O H. pylori pode viver somente no epitélio gástrico.
( ) A relação entre a infecção pelo H. pylori e o status socioeconômico da população está
definitivamente afastada.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
20
Gedeão B. Oliveira

( ) A infecção pelo H. pylori está presente em quase todos os pacientes com úlcera
duodenal.
( ) A causa mais comum de úlcera péptica é a infecção pelo H. pylori.
Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA, de cima para baixo.
A()F–V–F–V–F
B()F–F–V–V–F
C()V–V–F–V–V
D()V–V–V–F–V
E()V–F–F–F–V

59. Paciente feminina, 20 anos, procura o pronto atendimento com queixa de dor torácica
retroesternal há duas semanas acompanhada de febre de cerca de 38ºC. Refere que a dor
piora com a inspiração profunda e melhora quando fica com o tórax inclinado para frente.
O exame físico não apresenta alterações. É realizada uma radiografia de tórax que é
aparentemente normal. Também é feito um ECG que evidencia elevação do segmento ST
em todas as derivações. Assinale a alternativa que apresenta o diagnóstico MAIS
PROVÁVEL.
A ( ) Derrame pericárdico.
B ( ) Tromboembolismo pulmonar.
C ( ) Pericardite aguda.
D ( ) Pneumonia atípica.
E ( ) Síndrome de Dressler

60. Paciente do sexo feminino, com diagnóstico de diabetes mellitus tipo I há dois anos,
apresenta albuminúria de 60mg/24 horas. Considerando-se a história natural da doença,
o estágio da nefropatia diabética em que essa paciente se encontra é:
(A) hipertrofia renal.
(B) microalbuminúria.
(C) nefropatia clínica.
(D) doença renal crônica final.

61. Na artrite reumatoide, duas citocinas têm atuação fundamental na patogênese da


doença, sendo detectadas em altas concentrações na membrana sinovial, no líquido
sinovial e no soro dos pacientes. Estas citocinas são:

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
21
Gedeão B. Oliveira

(A) a IL-1 e o TNF-α.


(B) a IL- 4 e o TGF-β.
(C) a IL-10 e o IFN-γ.
(D) a IL-6 e o TGF-β.

62. Qual dos fatores listados a seguir pode ser causa de gastroparesia?
(A) Infecção pelo Helicobacter pylori.
(B) Diabetes mellitus.
(C) Uso crônico de inibidores de bomba de prótons.
(D) Etilismo crônico.

63. Paciente de 55 anos, 70 kg, apresentou diarreia aquosa 10 vezes ao dia, durante dois
dias. Chegou para a consulta com mucosas secas, pele com turgor diminuído, sedento,
sem diurese há 24 horas. Pressão arterial: 100/60 mmHg, deitado, e 90/50 mmHg,
sentado. Os exames mostraram no sangue: ureia = 120 mg/dl, creatinina = 1,5 mg/dl,
sódio = 130 mEq/l, potássio = 5,0 mEq/l. Sódio urinário = 10 mEq/l. Qual é o diagnóstico,
nesse caso?
(A) Lesão renal aguda pré-renal.
(B) Lesão renal aguda pós-renal.
(C) Nefrite intersticial aguda.
(D) Necrose tubular aguda.

64. Uma mulher de 30 anos que apresenta eritema malar, dores articulares, anemia,
leucopenia e trombocitopenia, glomerulonefrite e convulsões deve ser portadora de:
A) Lupus eritematoso sistêmico.
B) Granulomatose de Wegener.
C) Artrite reumatoide.
D) Esclerodermia.
E) Síndrome antifosfolipídio.

65. Dentre as complicações abaixo, qual a mais frequentemente encontrada no


diabetes melito do tipo II?
A) Retinopatia.
B) Nefropatia.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
22
Gedeão B. Oliveira

C) Neuropatia periférica.
D) Doença vascular periférica.
E) Síndrome do túnel do carpo.

66. Um homem de 35 anos com Artrite Aguda Monoarticular envolvendo o 1


pododáctilo sofre de:
A) Artrite reumatoide.
B) Gota.
C) Artrite gonocócica.
D) Lupus Eritematoso Sistêmico.
E) Traumatismo.

67. São utilizados como critérios prognósticos na pancreatite aguda, EXCETO:


A) Idade.
B) TGP (ALT).
C) Desidrogenase lática.
D) Glicemia.
E) Leucócitos.

68. Paciente encaminhado para serviço de hemodinâmica para investigação de


hipertensão portal, com antecedente de hemorragia digestiva alta varicosa. Realizou
medida de gradiente de pressão venosa hepática que teve resultado normal. Qual das
etiologias abaixo poderia corresponder ao diagnóstico do presente caso?
a. Síndrome de Budd-Chiari
b. Esquistossomose hepato-esplênica
c. Cirrose por hepatite C.
d. Síndrome da obstrução sinusoidal

69. Paciente, 20 anos, sem doenças prévias, apresenta, há cerca de 2 horas, dispneia
aguda. Havia acordado com dor torácica súbita em hemitórax direito. Ao exame,
apresenta taquipnéia, diaforese e redução do murmúrio vesicular no mesmo hemitórax.
Oximetria com SpO2 95% em ar ambiente. Nesse caso, o diagnóstico mais provável é
A) infarto do miocárdio.
B) tromboembolismo pulmonar.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
23
Gedeão B. Oliveira

C) asma.
D) pneumotórax espontâneo

70. Um paciente assintomático, usuário de drogas injetáveis, procurou atendimento


médico para exame de rotina. O médico assistente solicitou alguns exames sorológicos,
cujos resultados foram: HBsAg positivo, anti-HBs negativo, anti-HBc IgM negativo, anti-
HBc total positivo. Com base nos resultados desses exames, foi diagnosticado
(A) indivíduo imune por infecção natural.
(B) hepatite aguda pelo vírus C.
(C) hepatite crônica pelo vírus C.
(D) hepatite aguda pelo vírus B.
(E) hepatite crônica pelo vírus B.

71. A prevalência da diabete melito (DM), tanto do tipo 1 quanto do 2, está aumentando
no mundo todo. Estima-se que, em 2030, haverá mais de 360 milhões de diabéticos,
contra 177 milhões detectados em 2000. Acerca desse assunto, assinale a alternativa que
apresenta o nível de glicose que confirma o diagnóstico de DM.
(A) Concentração aleatória em jejum de 100 mg/dL.
(B) Concentração aleatória em jejum de 126 mg/dL.
(C) Glicemia de 120 mg/dL, após 2 horas no teste de tolerância à glicose.
(D) Glicemia de 100 mg/dL, em jejum, por três vezes consecutivas.
(E) Glicemia de 100 mg/dL, após 4 horas no teste de tolerância à glicose.

72. São causas de proteinúria:


I. Vasculite. II. Glomerulonefrite. III. Nefrite intersticial por AINE.
Quais estão corretas?
A) Apenas II.
B) Apenas III.
C) Apenas I e II.
D) Apenas II e III.
E) I, II e III.

73. As infecções oportunistas do sistema nervoso central mais frequentes em pacientes


com Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) são:

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
24
Gedeão B. Oliveira

I. Toxoplasmose. II. Criptococose. III. Linfoma.


Quais estão corretas?
A) Apenas I.
B) Apenas II.
C) Apenas I e III.
D) Apenas II e III.
E) I, II e III.

74. A deficiência de ferro é a carência nutricional mais prevalente no mundo, causando


importantes problemas de saúde na infância. No diagnóstico laboratorial de anemia
ferropriva na criança, considerando-se o 1º estágio da doença em que ocorre depleção de
estoques de ferro no organismo, o hemograma mostrará:
A) Hemoglobina diminuída, Volume Corpuscular Médio (VCM) diminuído, ferro sérico
baixo e ferritina diminuída.
B) Hemoglobina normal, VCM aumentado, ferro sérico baixo e ferritina diminuída.
C) Hemoglobina diminuída, VCM normal, ferro sérico baixo e ferritina diminuída.
D) Hemoglobina normal, VCM normal, ferro sérico normal e ferritina diminuída.
E) Hemoglobina normal, VCM diminuída, ferro sérico baixo e ferritina diminuída.

75. Na DPOC, o exame mais importante para a confirmação do diagnóstico é:


A) RX de tórax frente e perfil.
B) TC de tórax de alta resolução.
C) Espirometria sem broncodilatador.
D) Teste de difusão pulmonar de respiração única.
E) Espirometria com broncodilatador.

76. Paciente, 70 anos, com quadro de dispneia progressiva há cerca de um ano e


hipoxemia desencadeada aos esforços. Nega história de tabagismo, uso de medicações,
ou exposições ocupacionais. Ao exame físico, hipocratismo digital e ausculta pulmonar
com crepitantes em velcro teleinspiratórios justabasais. RX de tórax com infiltração
predominantemente reticular nos lobos inferiores. Qual o diagnóstico mais provável nessa
situação?
A) Insuficiência cardíaca.
B) Sarcoidose.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
25
Gedeão B. Oliveira

C) Pneumonia de hipersensibilidade.
D) Pneumonia intersticial usual.
E) Tromboembolismo pulmonar crônico.

77. – Em um paciente com dor torácica aguda, qual das entidades abaixo NÃO faz parte
do diagnóstico diferencial da cardiopatia isquêmica?
A) Costocondrite.
B) Esofagite.
C) Tromboembolismo pulmonar.
D) Pneumotórax.
E) Dissecção aórtica

78. Em relação à estenose valvar aórtica, assinale a alternativa correta.


A) O débito cardíaco desses pacientes, em geral, é reduzido em repouso.
B) A causa mais frequente em idosos é a doença reumática.
C) A hipertrofia ventricular é um dos mecanismos de adaptação à sobrecarga
hemodinâmica da estenose aórtica.
D) Os betabloqueadores são as melhores drogas para o tratamento clínico, especialmente
na presença de disfunção ventricular sistólica.
E) O tratamento definitivo da estenose aórtica exige a troca cirúrgica da válvula aórtica.

79. Sobre as doenças do pericárdio, assinale a alternativa correta.


A) Dor torácica postural, que piora com inspiração profunda, sugere tamponamento
cardíaco.
B) O derrame pericárdico tuberculoso costuma se acumular rapidamente, com risco de
tamponamento.
C) O tratamento da pericardite aguda idiopática inclui anti-inflamatórios não esteroides e
colchicina.
D) A pericardite pós-infarto indica tratamento com corticosteroides.
E) O exame do líquido pericárdico não fornece informações relevantes para o diagnóstico
de tuberculose.

80. Os três principais sintomas relacionados à estenose aórtica são:


A) Dispneia aos esforços, angina de peito e palpitações taquicárdicas.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
26
Gedeão B. Oliveira

B) Angina de peito, fadiga e dispneia aos esforços.


C) Angina de peito, dispneia aos esforços e tonturas ou síncope.
D) Dispneia aos esforços, cansaço e fadiga, angina de peito.
E) Tonturas, síncopes e palpitações.

81. Com relação à estenose mitral, é correto afirmar que:


A) Atualmente, com a melhora das condições de saneamento, a febre reumática
raramente é causa dessa valvulopatia.
B) A hipertensão pulmonar faz parte do quadro clínico e hemodinâmico.
C) O cateterismo cardíaco direito e esquerdo está sempre indicado no diagnóstico da
estenose mitral.
D) Betabloqueadores são contraindicados.
E) A ressonância magnética cardíaca é o melhor exame na avaliação dos pacientes
candidatos à valvulotomia percutânea.

82. A qual valvulopatia pode estar associada a Síndrome de Marfan?


A) Estenose mitral.
B) Estenose aórtica.
C) Insuficiência aórtica.
D) Insuficiência mitral.
E) Insuficiência tricúspide.

83. Constitui um achado de exame físico característico da insuficiência mitral:


A) Pulso em martelo d’água.
B) Sopro com irradiação para a fúrcula.
C) Desdobramento de B1.
D) Sopro holossistólico.
E) Sopro mais proeminente durante manobra de valsalva.

84. Sobre a pericardite aguda, analise as assertivas abaixo:


I. As alterações eletrocardiográficas podem ser divididas em quatro estágios. No estágio
1, ocorre elevação difusa do segmento ST-T com concavidade para cima.
II. A realização de eletrocardiogramas seriados não auxilia no diagnóstico diferencial com
infarto agudo do miocárdio.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
27
Gedeão B. Oliveira

III. Na pericardite aguda, pode ocorrer elevação de biomarcadores, como a troponina,


devido ao processo inflamatório que envolve o epicárdio.
Quais estão corretas?
A) Apenas I.
B) Apenas II.
C) Apenas I e II.
D) Apenas I e III.
E) I, II e III.

85. Analise as assertivas abaixo sobre tamponamento cardíaco:


I. O tamponamento cardíaco pode ser causado por uma grande variedade de condições
patológicas. As causas mais comuns são: infecções virais, tuberculose e trauma.
II. No tamponamento cardíaco, sempre há presença de líquido (seroso ou sangue),
causando restrição diastólica.
III. A presença de pulso paradoxal pode auxiliar no diagnóstico clínico de tamponamento
cardíaco.
Quais estão corretas?
A) Apenas I.
B) Apenas II.
C) Apenas I e II.
D) Apenas II e III.
E) I, II e III.

86. O prolapso da válvula mitral apresenta um sopro com qual característica?


A) Sistólico tardio.
B) Mesotelessistólico.
C) Sistólico precoce e crescente.
D) Sistólica precoce e descrente.
E) Telessistólico.

87. No paciente com estenose mitral, a observação de um intervalo mais curto entre a
segunda bulha e o estalido de abertura da valva mitral sugere:
A) Pressão atrial mais elevada.
B) Complicação com endocardite.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
28
Gedeão B. Oliveira

C) Associação com regurgitação mitral.


D) Valva mitral intensamente calcificada.
E) Válvula com ruptura de cordoalha.

88. Na estenose aórtica grave, qual o sintoma relacionado a uma menor sobrevida?
A) Insuficiência cardíaca.
B) Síncope.
C) Angina de peito.
D) Tontura.
E) Palpitações.

89. Sobre a Retocolite Ulcerativa ou Doença de Crohn, é correto afirmar que:


A) A atividade das manifestações extraintestinais segue a atividade intestinal da doença.
B) O tratamento clínico ou a colectomia da retocolite produzem efeitos no alívio da
espondilite anquilosante.
C) As manifestações cutâneas, em geral, seguem a atividade da doença intestinal.
D) A artrite enteropática associada à doença inflamatória é a mais rara das manifestações
extraintestinais.
E) A colangite esclerosante apresenta maior associação.

90. Sobre Pancreatite Aguda, é correto afirmar que:


A) Níveis séricos de amilase ou lipase superiores a 3000 UI/ml predizem Pancreatite
Aguda grave.
B) A capacidade de predição de gravidade de uma pancreatite pela Tomografia
Computadorizada (TC) com contraste é similar à capacidade dos critérios de Ranson.
C) O único exame laboratorial que prediz gravidade nas primeiras 24 horas de doença é
a PCR.
D) Detecção de necrose pancreática na TC é indicação de drenagem.
E) Necrose pancreática infectada deve ser inicialmente tratada com antibióticos. Em caso
de insucesso do tratamento clínico, é indicada a drenagem por cirurgia ou por outro
método minimamente invasivo.

91. Quanto ao Helicobacter pylori, é INCORRETO afirmar que:


A) Testes de detecção podem falhar quando o paciente está em uso de IBP.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
29
Gedeão B. Oliveira

B) Não há relação da bactéria com Gastrite Atrófica, pois esta é de natureza autoimune.
C) Tratamento do Helicobacter pylori reduz o risco para complicações por AINH.
D) O Helicobacter pylori é mais frequente em dispépticos do que na população em geral.
E) Testes de detecção podem falhar quando o paciente está em uso de antibióticos.

92. Assinale o quadro que NÃO é uma complicação de Úlcera Péptica:


A) Úlcera péptica intratável.
B) Hemorragia digestiva alta.
C) Perfuração.
D) Obstrução.
E) Dispepsia funcional.

93. Mulher de 29 anos, apresenta-se com quadro de febre há 1 mês, calafrios, anorexia. Usuária
de drogas injetáveis e no exame físico sopro mitral protomesossitólico. Hb = 8,2g/L; leucócitos
= 24.000/mL; plaquetas = 123.000/mL, VHS = 110. Demais exames sem alterações. Assinale a
correta.
a) Pelos critérios de Duke, a paciente tem diagnóstico de endocardite.
b) Para pacientes com alta suspeita de endocardite, fazer inicialmente um ecocardiograma
transtorácico.
c) A insuficiência cardíaca moderada a severa, aliada a disfunção valvar pela endocardite, não é
indicação de cirurgia.
d) Quase 10% dos pacientes com endocardite usuários de drogas apresentam lesão tricúspide e
nem sempre apresentam sopro.
e) Staphylococcus aureus é um agente comum na endocardite para este perfil de paciente,
podendo então ser utilizada a cefazolina no tratamento.

94. O organismo mais comumente associado à endocardite em prótese valvar no primeiro ano
após a cirurgia de troca valvar é:
(A) Staphylococcus aureus.
(B) Escherichia coli.
(C) Staphylococcus epidermides.
(D) Streptococcus viridans

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
30
Gedeão B. Oliveira

95. A hipocalcemia pode se manifestar por vários achados clínicos. Um dos sinais comumente
encontrados é caracterizado pela contração dos músculos faciais ipsilaterais após percussão do
nervo facial abaixo do arco zigomático. Assinale abaixo a alternativa que contém este sinal.
(A) Sinal de Chvostek.
(B) Sinal de Trousseau.
(C) Sinal de Sacks.
(D) Sinal de Rolissomo.

96. A tireotoxicose é uma síndrome clínica que ocorre decorrente da exposição dos tecidos
corporais a altas concentrações de hormônios tireoidianos. Como consequência, alguns achados
clínicos podem ser observados. Marque abaixo a alternativa que inclui uma destas
manifestações.
(A) Pele Fria.
(B) Aumento da libido.
(C) Hipermenorréia.
(D) Hipercalcemia.

97. A causa mais comum da Síndrome de Cushing é a iatrogênica, pela administração de


glicocorticoides nas mais diversas situações clínicas. Assinale abaixo a alternativa que inclui a
manifestação clínica mais prevalente associada a esta síndrome.
(A) Estrias violáceas.
(B) Hirsutismo.
(C) Hipertensão.
(D) Obesidade centrípeta.

98. O envolvimento renal mais frequente no Lupus Eritematoso Sistêmico é:


A) Trombose de artéria renal.
B) Infarto renal.
C) Glomerulonefrite membranoproliferativa difusa.
D) Insuficiência renal.
E) Estenose de artéria renal.

99. Jovem, 18 anos, procurou a emergência com queixas de inchaço e urina escura, sem
outras queixas. Ao exame físico, apresentava edema palpebral e de membros inferiores
+/3, PA=150/100 mmHg e lesões cicatriciais de impetigo. No exame de urina,

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
31
Gedeão B. Oliveira

apresentava hemoglobina ++, proteína ++, eritrócitos=>20 pc e cilindros hemáticos.


Creatinina=1,2 mg/dl e albumina=3,1 mg/dl. Qual a hipótese diagnóstica nesse caso?
A) Síndrome nefrítica, provavelmente uma glomerulonefrite difusa aguda pós-
estreptocócica.
B) Síndrome nefrótica, o mais provável é Lesões Glomerulares Mínimas.
C) Síndrome nefrótica, o mais provável é Glomeruloesclerose segmentar e focal.
D) Síndrome nefrótica, com componente nefrítico, o mais provável é nefropatia IgA.
E) O mais provável é ser uma nefrite lúpica.

100. Dentre as glomerulopatias abaixo, qual NÃO é comumente associada à síndrome


nefrótica?
A) Glomeruloesclerose focal e segmentar.
B)Glomerulonefrite membranosa.
C) Glomerulonefrite pós-infecciosa.
D) Glomerulonefrite fibrilar.
E) Glomerulonefrite de lesão mínima.

101. Analise as doenças glomerulares abaixo:


I.Glomerulonefrite membranosa. II.Nefrite lúpica.
III.Nefropatia da IgA. IV.Glomeruloesclerose focal e segmentar.
Quais cursam com consumo do sistema de complemento?
A) Apenas I.
B) Apenas II.
C) Apenas III.
D) Apenas I e II.
E) Apenas III e IV.

102. Sobre a anemia na Doença Renal Crônica, analise as assertivas abaixo e assinale V,
se verdadeiras, ou F, se falsas.
( ) Ao hemograma, trata-se de anemia microcítica e hipocrômica.
( ) É causada pela deficiência de eritropoietina.
( ) É causada por deficiência de ferro.
( ) Costuma estar presente desde os estágios iniciais da Doença Renal Crônica.
( ) Suplementação de ferro via oral costuma obter boa resposta terapêutica.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
32
Gedeão B. Oliveira

A ordem correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é:


A) V – V – F – F – V.
B) V – F – F – V – V.
C) F – V – V – F – F.
D) F – V – F – F – F.
E) F – F – V – V – F.

103. Qual das condições abaixo NÃO é característica da síndrome nefrótica?


A) Hipercolesterolemia.
B) Hematúria.
C) Edema.
D) Proteinúria acima de 3g em 24h.
E) Hipoalbuminemia.

104. Recomenda-se iniciar a terapêutica antirretroviral:


A) Somente se o paciente apresentar carga viral para HIV superior a 100.000 cópias/ml.
B) Somente quando o paciente apresentar LT-CD4+ <350 cel/mm3.
C) Em todas os pacientes com HIV/SIDA, independente da contagem de LT-CD4+.
D) Somente se a contagem de LT-CD4+ for <350 células e a carga viral for >100.000
cópias/ml.
E) Somente se a carga viral for >100.00 e a contagem de LT-CD4 for < 200 cels/ml.

105. As primeiras manifestações clínico-laboratoriais da nefropatia diabética incluem:


A) Hiperfiltração glomerular e microalbuminúria.
B) Hematúria microscópica e leucocitúria.
C) Macroalbuminúria e doença renal crônica.
D) Nefrite intersticial crônica e hipertensão.
E) Hipoaldosteronismo hiporreninêmico e acidose tubular renal.

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
33
Gedeão B. Oliveira

GABARITO
A B C D E
1 X
2 X
3 X
4 X
5 X
6 X
7 X
8 X
9 X
10 X
11 X
12 X
13 X
14 X
15 X
16 X
17 X
18 X
19 X
20 X
21 X
22 X
23 X
24 X
25 X
26 X
27 X
28 X
29 X
30 X
31 X
32 X
33 X
34 X
35 X
36 X
37 X
38 X
39 X
40 X
41 X
42 X
43 X

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
34
Gedeão B. Oliveira

44 X
45 X
46 X
47 X
48 X
49 X
50 X
51 X
52 X
53 X
54 X
55 X
56 X
57 X
58 X
59 X
60 X
61 X
62 X
63 X
64 X
65 X
66 X
67 X
68 X
69 X
70 X
71 X
72 X
73 X
74 X
75 X
76 X
77 X
78 X
79 X
80 X
81 X
82 X
83 X
84 X
85 X
86 X
87 X
88 X
89 X

2018/2
FISIOPATOLOGIA CLÍNICA
35
Gedeão B. Oliveira

90 X
91 X
92 X
93 X
94 X
95 X
96 X
97 X
98 X
99 X
100 X
101 X
102 X
103 X
104 X
105 X

2018/2