Você está na página 1de 3

Título de crédito (art. 887-926 do Código Civil) Natureza pro solvendo (art.

Natureza pro solvendo (art. 361 CC) – enquanto o título de crédito não for pago, a obrigação permanece. Não há uma novação. Se eu transferir
É o documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo nele contido. Somente produz efeito quando preencher os requisitos da lei. o crédito pra você, enquanto ele não for pago, eu lhe devo. A obrigação só extinguirá quando for pago. Logo, o carro só será meu quando for pago
A maior parte das disposições sobre título de crédito está prevista em leis esparsas, pois anteriores ao Código Civil (art. 903 CC). o cheque.
Leis esparsas: Letra de câmbio e nota promissória: 2044/1908 e 57.663/66, Cheque: 7357/85, Duplicata: 5474/68 Bem móvel (art. 24 da Lei n. 7357) – quem mantém a posse, tem a propriedade.
Quando uma empresa visa adquirir mercadorias, utilizará o título de crédito. Atenção: se por ventura alguém roubar um cheque meu e eu não souber disso e for pago, eu não tenho o que fazer. Só não pagarei se eu
Em caso de não pagamento, ele irá ter as seguintes características: conseguir provar que a 3ª pessoa tiver agido de má-fé (devo possuir um registro dos cheques que eu tenho).
Redação do artigo: “desapossado alguém de um cheque, em virtude de qualquer evento, novo portador legitimado não está obrigado a restitui-lo,
• Representar um valor
se não o adquiriu de má-fé”.
• Agilidade da cobrança Circulação (art. 11 da LUG) – mesmo que não escrevamos nada no título, ele está implícito que poderá ser transferido. Tudo que não tiver
A finalidade do título de crédito é, então, circular. escrito, não vale. Para ter efeito de “não a sua ordem”, deve estar expresso.
Princípios Título de apresentação (art. 34 da LUG + art. 4º da Lei 7357) – se eu não apresentar, não vou receber. Pagável mediante apresentação.
Cartularidade Obrigação quesível (art. 327 CC) – o credor deve ir cobrar o valor do título, diferente do que ocorre com a lógica banco x cliente x cartão de
Art. 889, §3º: exceção crédito que, caso o banco não envie a fatura pra minha casa, eu devo correr atrás e pagar o valor.
A nota promissória pode ser emitida eletronicamente. Executividade (art. 585 CPC)
Problema: hoje ainda não existe a possibilidade de transferir o crédito eletronicamente. Para transferência precisa-se do certificado do governo. Presunção de liquidez [literalidade] e certeza [cartularidade] (art. 586, CPC)
A regra é de que o título de crédito seja emitido documentalmente, ou seja, a regra é a cartularidade.
Exceção à cartularidade duplicata** Classificação
Não necessito do documento para executar uma pessoa. A lei vai determinar se existe uma forma predeterminada ou não.
** só existe duplicata no Brasil. Forma: Para a duplicata e o cheque existem formas predeterminadas (Res nº. 102/68 + Res nº 885/83). Os cheques gigantes que o Silvio Santos
Não precisa da cártula para cobrar. dá nos programas não são válidos, pois não está de acordo com as resoluções acima.
Literalidade
Quer dizer que tudo ou todo o direito tem que estar no documento. Formalismo: exigências que a lei coloca pra ter validade
O que não constar no título, não será exigido das partes.
Função do princípio: Para proteger os terceiros de boa-fé. O que não está no título, não poderá ser exigido. Segurança pra quem recebe o título. Forma: forma que deve ser feito (tamanho, peso).
Não é necessário colocar os JUROS no título de crédito, pois esses já estão previstos legalmente, não havendo necessidade de colocar. Ordem de pagamento ou promessa de pagamento
Exceção à literalidade: duplicata. Arts. 9 e 10 da Lei nº. 5474/68. Ordem de pagamento: eu ordeno a alguém pagar a ele mesmo ou a outra pessoa que ele determinar (cheque, duplicata e letra de câmbio).
Formalismo (art. 888 CC) O único que é promessa de pagamento, pelo art. 585, é a nota promissória. Prometo te pagar (a vista, data certa, a partir da vista ou a partir de
Para ser válido deve seguir o formalismo que a lei estipula. data certa).
Emissão, data de vencimento, valor, devedor do título. Conteúdo: o conteúdo, de regra, não interessa a causa. Ele é abstrato à causa. Letra de câmbio, nota promissória e cheque.
Porém, a invalidade do título quanto à questão de forma não invalida o negócio que deu origem ao título. Exemplo: se vou no restaurante, posso pagar com cheque. Se eu vender algo pra alguém, posso pagar com cheque, se eu pagar tributos, posso,
Solidariedade se eu comprar carro de alguém, posso. Posso sacar o cheque contra qualquer pessoa independentemente da causa. EXCEÇÃO; Duplicata: devo
Integral do todo, diferentemente do que ocorre com relação à responsabilidade dos sócios, em que cada um responde apenas no limite das suas ter uma causa específica (causas mercantis OU prestação de serviços). Duplicata = título causal. Não posso na compra e venda de um relógio.
cotas. Ordem de pagamento Abstrato
Antônio [compra moto] Carlos Darcy Credores podem fazer Letra de câmbio (não pode Mercantil ou
Benedito (avalista) prestação de serviços de
Darcy poderia cobrar R$ 10.000,00 da moto de qualquer um deles (Antonio, Carlos e Benedito). natureza empresarial)
Autonomia Credores podem fazer Duplicata Ordem de pagamento Causal
Alguns entendem que seja um princípio diferente e outros entendem que existam subprincípios dentro do princípio da autonomia. (causas mercantis)
Uma obrigação é autônoma da outra obrigação. Se possuo um título e transfiro ele pra alguém, quer dizer que essa relação é autônoma. A Comprador abstrato Cheque Ordem de pagamento
invalidade do negócio não vicia as demais. A invalidade de um negócio não influencia nos negócios subsequentes. (devedor)
Sendo nulo um negócio anterior, não estará dispensado o pagamento do negócio atual. Comprador abstrato Nota promissória Promessa de pagamento
As causas são irrelevantes às anteriores ele é autônomo quanto ao negócio que deu origem. (devedor)
Só posso me negar a pagar, se tenho uma causa justa = realmente não ser devedor.
Abstração terceiro de boa-fé. O próprio título é desvinculado da causa quando há a circulação. Direito se ~~Possíveis perguntas de prova~~
desprende/desvincula da causa. Uma compra e venda mercantil – quais títulos de créditos poderão ser sacados e emitidos pelo credor pra documentar essa relação de crédito?
Mas ambos têm o mesmo conceito sobre o que é a abstração. Primeiramente, sabe-se que os títulos que podem ser sacados pelo CREDOR são dois: letra de câmbio ou duplicata. Para compra e venda
Autonomia: uma obrigação independe da outra. mercantil, o credor poderá SACAR a duplicata.
Abstração: o titulo se desvincula do negócio, independente de ser válido ou não. Só vai abstrair se houver a circulação. Se
endossar pra alguém o título, ele se abstraiu. Quais não posso fazer p/ documentar um crédito? Letra de câmbio, pois a lei da duplicata no Brasil impede que o credor possa SACAR uma letra
Inoponibilidade O terceiro de boa-fé poderá cobrar, pois as exceções não serão impostas a mim. de câmbio para compra e venda mercantil.
Independência desvinculação dos coobrigados uns em relação aos outros. É uma extensão da autonomia. Para compras civis (compra e venda, por exemplo), o credor poderá utilizar a letra de câmbio. Não poderá utilizar, apenas, nas causas
A necessidade do documento, previsto no art. 887 do CC, refere-se ao princípio da cartularidade. Documento = direito. MERCANTIS e na PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS de natureza empresarial (artigo 2º da Lei 5474).
Às vezes o documento serve como prova do direito e outras vezes o documento é o próprio direito. Endosso Regras gerais + leis especiais
Duplicata – indicação é prova do direito que está incorporado. Não preciso da cártula, por isso se trata de exceção. Modo de transferir a titularidade do título. Transfiro a titularidade com a propriedade do titulo. E mais, estou garantindo a aceitação e o pagamento.
Quem recebe o titulo: endossatário (novo portador do titulo)
Características do Título de Crédito
Quem transfere o título: endossante (antigo portador do título) Como se comprova o não aceite? Por meio de protesto.
Pode ser em branco ou em preto. No momento em que o SACADO não aceita e é comprovado por meio de protesto, o SACADOR é obrigado a pagar a vista o valor.
Branco: Fernanda assina no verso do título. Como se desvincula disso? Colocando a expressão “não aceitável” antes do nome do TOMADOR.
Preto: Para documentar a relação (que me entregaram uma NP), devo assinar o meu nome na frente. Quando estiver em branco o campo do próprio avaliador, o aval é do SACADOR.
Para configurar a solidariedade, mesmo que haja o endossamento devo endossar em preto. O que não está escrito no título, não existiu. (branco = estiver o nome de alguém no anverso, que não seja do aceitante, do sacado e nem do sacador. Essa pessoa é o avalista do
Vantagem de colocar o nome no cheque, então, é que todos se tornam responsáveis solidários. SACADOR).
Endosso impróprio: quando não transfiro a titularidade. Presume-se que todo o título de crédito seja “à sua ordem”, a não ser que tenha estipulação em contrário. Quando se coloca “não à sua ordem”
Endosso mandato transfiro somente a posse, mas não a titularidade. Pessoa cobrando em meu nome. Ela não é titular do título. está proibido o ENDOSSO. Assim, é uma forma de impedir a materialização do princípio da autonomia e, consequentemente, da abstração.
Isso significa que a pessoa pode cobrar em meu nome, mas não é o titular do direito. Isso significa que as obrigações e exceções seguem o título. Verso do título:
Não há circulação com a questão abstração, pois só transfiro a posse. Só haverá abstração quando houver a transferência da titularidade. Sem Sacador: Antônio
transferência da titularidade, MAS, CONTUDO, essa pessoa poderá cobrar. Sacado: Benedito
Endosso caução quando transfiro o titulo, dando em caução a alguma dívida que eu tenho. O não pagamento transforma a pessoa em dona do Tomador: Carlos
título. Endossante: Carlos
Credora dona em caso de não pagamento. Endossatária: Darcy (Irene/Aval)
A lei, tanto especial quanto geral, NÃO permite endosso parcial. É considerado NULO. Crédito de 10 mil e quero endossar apenas 5 Evaristo (portador)
mil. Caso ocorra o endossamento, será considerado NULO (art. 912, parágrafo único, do CC). Para buscar o valor na data do vencimento, o PORTADOR (Evaristo) deve protestar o título perante o DEVEDOR PRINCIPAL (Benedito)
Se eu endosso pra alguém, não sou responsável caso não haja o pagamento (art. 914 do CC – regra geral). conforme o prazo da lei para não perder o direito de regresso contra os demais coobrigados.
Leis especiais, no entanto, dizem exatamente o contrário. Isto é, sou responsável caso não haja o pagamento (art. 15 da LUG). Garante o Princípio da solidariedade.
pagamento! O protesto interrompe o prazo prescricional.
Endosso: Ato que se transfere a titularidade do titulo de crédito. A pessoa que endossa = endossante. Pessoa que recebe o endosso = Os demais coobrigados deverão ser avisados.
endossatário. Se não protestar, existe um prazo para executar tanto o BENEDITO (sacado/devedor principal) quando o GERMANO (avalista).
Endossante (devedor) = o título está nominal p/ alguém Endossatário (credor) Prescrição p/ o portador protestar até o 1º dia útil subsequente ao vencimento.
AVAL (art. 897-900 do CC) Cessão ordinária de crédito: colocando não à sua ordem. Garanto a existência do crédito, mas não o seu pagamento.
O avalista é garantidor do pagamento do título. Passados os 30 dias de vencimento do cheque, pode-se cobrar o valor do avalista. Devedor Quando não quero que uma terceira cobre de mim posso colocar “não à sua ordem” para que proíba a transferência do crédito em forma de titulo
principal: não precisa de protesto. Basta entrar com ação de execução. de crédito (art. 290, 296 e 294 do CC).
Protesto – garante o direito de regresso, mas não é necessário para cobrar do DEVEDOR PRINCIPAL. Atenção! ~~ título prescrito ~~ Tabelião Nota promissória (art. 75 da LUG)
não pode verificar se o título está ou não prescrito. Ele é obrigado a formalizar o protesto. Cheque (Lei nº. 7357)

Aceite: quando me obrigo a pagar um título de crédito mediante meu aceite. (na duplicata é OBRIGATÓRIO). Na letra de câmbio é discricionário – Pressuposto: instituição financeira (sacado), contrato de conta corrente e fundos.

aceito se quiser. Se aceitar, estarei vinculado a pagar. Natureza jurídica do cheque: instrumento de pagamento, segundo Pontes de Miranda. Não é um título de crédito.

Letra de câmbio: Ordem de pagamento dado à pessoa para que pague em determinada data e em determinado local. Isto é, define quem, onde e Carlos F. – também entende que não é questão de crédito. Se fosse crédito, seria o caso de dilação.

quando vai pagar. Fábio Ulhoa e Tomazetti: Basta ter os princípios elencados do art. 787: cartularidade, titularidade e autonomia. O cheque não substitui o papel

Envolve três pessoas: moeda. Ninguém é obrigado a aceitar cheque.


Requisitos (art. 1º): muitos deles não são mais necessários. Mês deve ser por extenso, mas a data não precisa.
• Sacador (credor do sacado e devedor do Beneficiário)
Cruzamento em Preto: defino o banco que deve ser depositado em conta.
• Sacado (devedor do sacador)
Transferência: ao portador
• Tomador ou beneficiário (credor do sacador)
Endosso caução é possível? Entendimento jurisprudência (já que não é expresso )é que existe.
Não pode colocar nenhuma condição para o pagamento.
Aval:
Requisitos da letra de câmbio (Anexo I da LUG)
Aval parcial (CC) pode
1. a expressão “ledu´ltra”
2. valor Art. 1647 outorga
3. nome de quem deve pagar
• QUAL O PRAZO QUE O PORTADOR TEM PARA AJUIZAR UMA AÇÃO CONTRA OS ENDOSSANTES E O SACADOR? 30 dias + 6
4. data do vencimento – se não for preenchido, será considerado valor à vista.
meses (art. 59). Lembrar que colocar a expressão “Bom para”, a prescrição inicia na data da emissão. Não tem poder para
5. praça – se não tiver, será a praça do domicílio do Sacado.
suspender/interromper a prescrição do cheque.
6. tomador/beneficiário
Se o título circula, ele abstrai (p. da abstração) não interessa a causa do crédito.
7. local e data do saque – se não colocar o local, será considerado o endereço/domicílio do Sacador.
P. da autonomia = tem a ver com a validade do crédito.
8. sacador.
Art. 104 do CC Exceções que valem para o não cumprimento de uma obrigação não tem efeito com o terceiro de boa-fé.
Com a cláusula “não aceitável”, o Tomador não poderá protestar antes do dia do vencimento da letra de câmbio.
O endosso é possível até o final da data da apresentação. Se passar dessa data será considerado cessão ordinária de crédito.
Qual o prazo prescricional que tem o portador (Evaristo) para cobrar do devedor principal e dos coobrigados? Devedor principal
A Roberta poderá exigir um avalista. Se a(o) avalista for casada(o), terá que exigir a outorga da(o) cônjuge para ter validade. O efeito da nulidade
= devedor e seu avalista. Art. 70 = três anos p/ entrar com a ação de execução, salvo se ele protestar nesse período, hipótese em que o
prazo é interrompido. Para entrar com a ação de execução = título vencido + petição inicial. Não precisa protestar. Avalista e o Sacado é a inexistência do ato (art. 1647, inciso III, do Código Civil).
(aceitante) são solidários. Aval parcial impossibilidade pelo código civil (art. 897, parágrafo único, do CC). No entanto, lei especial possibilita, razão pela qual a orientação
1. Qual o prazo que tem o endossante DARCY para cobrar dos demais coobrigados? 6 meses a partir do dia em que o endossante seguida esta norma.
pagou a letra ou em que ele próprio foi acionado (art. 70 LUG) Art. 47, §3º, da lei nº 7357 (cheques).
2. Para cobrar dos coobrigados é necessário protestar? Quando? O prazo começa art. 28 do Dec Lei 2044. § 3º O portador que não apresentar o cheque em tempo hábil, ou não comprovar a recusa de pagamento pela forma indicada neste
3. Como o sacador poderia se garantir que o tomador não pudesse endossar a outra pessoa? (o que devo fazer para não artigo, perde o direito de execução contra o emitente, se este tinha fundos disponíveis durante o prazo de apresentação e os deixou de ter, em
transferir como título de crédito) – não à ordem. razão de fato que não lhe seja imputável.
Se o SACADO aceita se torna o devedor principal. Agora, de outro lado, se ele recusar, o SACADOR terá que pagar o valor.
Súmula 370 do STJ Pode ser originada de uma fatura. Mas não posso juntar 10 faturas e emitir uma duplicata do valor total. Só posso fazer o contrário: emitir uma
“CARACTERIZA DANO MORAL A APRESENTAÇÃO ANTECIPADA DE CHEQUE PRÉ-DATADO." Polo ativo: emitente. Polo fatura de 100 mil reais e desse valor emitir 5 duplicatas, cada uma de 20 mil reais, com vencimento a cada 20, 30, 60, 120 dias.
passivo: Roberta. Fundamento: trata-se de uma obrigação contratual. Relação cambial.
Marianna Gabriela obrigação extracontratual. Quem emite a duplicata é o credor sacador. A lei proíbe qualquer outro título de crédito emitido pelo sacador.

Pagamento de cheque falsificado (com a assinatura falsificada) SÚMULA 28, STF. Letra de cambio nota promissória
O estabelecimento bancário é responsável pelo pagamento de cheque falso, ressalvadas as hipóteses de culpa exclusiva ou concorrente do Cheque (sacador = devedor)
correntista. Quais são os títulos de crédito que NÃO podem documentar a compra e venda mercantil?
Apresentação dentro do prazo PROTESTO p/ responsabilizar os coobrigados. a) Cheque
Fora do prazo = não posso protestar contra qualquer das pessoas que não seja o emitente. b) Nota promissória
TJRS e TJMG nem o emitente pode ser protestado fora do prazo. c) Letra de cambio
Prescrição d) Duplicata
Art. 59 e seguintes da Lei do Cheque Devedor pode emitir para regular o crédito, não tendo dinheiro na hora = cheque e nota promissória (esses dois não têm causa
Art . 59 Prescrevem em 6 (seis) meses, contados da expiração do prazo de apresentação, a ação que o art. 47 desta Lei assegura ao portador. específica – pode ser para regular QUALQUER relação civil ou mercantil).
Se o cheque for emitido hoje, após 30 dias, na mesma praça, nasce a pretensão de cobrar. O credor pode fazer, sendo compra e venda mercantil = duplicata.
Apresentar no primeiro dia e o cheque voltar sem fundos prazo prescricional inicia 30 dias após a emissão (regra geral) O RS e o MG, no Credor civil, para compra e venda civil, somente letra de câmbio.
entanto, entendem que o prazo prescricional inicia quando o cheque volta sem fundos.
Parágrafo único - A ação de regresso de um obrigado ao pagamento do cheque contra outro prescreve em 6 (seis) meses, contados do dia em O comprador vai dar o aceite – se aceita ou não pagar a duplicata que ali está.
que o obrigado pagou o cheque ou do dia em que foi demandado. Na duplicata, o aceite é obrigatório. Se aceitei as mercadorias, sou obrigado a aceitar o pagamento por meio de duplicata.
Art . 60 A interrupção da prescrição produz efeito somente contra o obrigado em relação ao qual foi promovido o ato interruptivo. Tem causa determinada!
Art . 61 A ação de enriquecimento contra o emitente ou outros obrigados, que se locupletaram injustamente com o não-pagamento do cheque, Quando ocorre a entrega de mercadorias em casa, se eu assino a nota fiscal ao final, onde diz “recebido em 21/09/2015”, torna-se obrigatório o
prescreve em 2 (dois) anos, contados do dia em que se consumar a prescrição prevista no art. 59 e seu parágrafo desta Lei. aceite da duplicata.
Art . 62 Salvo prova de novação, a emissão ou a transferência do cheque não exclui a ação fundada na relação causal, feita a prova do não- Na duplicata, o protesto (30 dias a partir do vencimento) é para obrigar o devedor principal a aceitar a duplicata.
pagamento. O protesto da letra de cambio (1 dia a partir do vencimento) é para obrigar os outros coobrigados.
Contraordem X sustação de cheque Único título que alguns entendem não ser necessário possuir a CÁRTULA.
Contraordem: se dá dentro do prazo da apresentação (30 dias), isto é, dentro do prazo da apresentação o cheque não será devolvido e tem efeito Pode ser virtual – banco recebe os dados e os lança no sistema DUPLICATA VIRTUAL. Pode protestar por indicação a falta de aceite.
após o período da apresentação. Para protestar, não precisa mais do documento físico, pode ser o virtual. Para a cobrança, no entanto, a jurisprudência diverge.
Art. 35.
Sustação: em casos de cheque roubado/furtado. Art. 36. Três tipos de aceite:
Não cabe ao banco examinar e investigar os motivos pelos quais seu correntista quis sustar o cheque. Ordinário – pessoa assina
Duplicata (Lei nº. 5474) Presunção – pessoa recebe mercadoria e não recusa.
Negócios feitos apenas no Brasil. ordem de pagamento causal no sentido de que tem uma causa específica compra e venda mercantil ou Pessoa retém a duplicata, mas comunica que aceitou.
prestação de serviços.
Art . 1º Em todo o contrato de compra e venda mercantil entre partes domiciliadas no território brasileiro, com prazo não inferior a 30 (trinta)
Avaria da mercadoria (por conta e risco do vendedor – produto deve ser entregue na porta do comprador para se desonerar).
dias, contado da data da entrega ou despacho das mercadorias, o vendedor extrairá a respectiva fatura para apresentação ao comprador.
Sacado aceita = nasceu a obrigação cambial
Título de crédito emitido com base numa obrigação proveniente de compra e venda comercial ou prestação de serviços, pagos a prazo.
Para haver autonomia deve ENDOSSAR.
Endossatário responsável indireto no momento do aceite.
Para que eu torne alguém o endossante obrigado, devo protestar no prazo de 30 dias após o vencimento.
Sacador vendedor
Documentos necessários (artigo 15 Lei 5474 – processo de execução de uma duplicata não paga).
Compra e venda mercantil
Artigo 13 da Lei 5474 – Protesto por falta de aceite: até o vencimento.
Sacado comprador
Protesto em ATÉ 30 DIAS por falta de pagamento.
Fatura mercantil duplicata
Documento fiscal deve ter um livro de lançamentos das duplicatas, que pode ser eletrônico.
Prazo prescricional (artigo 18 da Lei 5474)
Obrigação fiscal sob pena de autuação acessória.
Não haverá autonomia.
Quando não se tem aceite, só posso cobrar do devedor principal. O protesto deve ser em relação ao próprio aceite para que o coobrigado
pague.
Contrato de compra e venda de Duplicata
Se ele pagar, tudo OK. Se ele não pagar e o devedor principal também não quiser pagar, devo ajuizar uma ação de execução (prazo prescricional
Indústria vende para concessionária / para supermercado.
de 01 ano).
A relação jurídica é entre empresários.
Empresário x Empresário
O comprador é chamado de “devedor”.
O vendedor é chamado de “credor”.
Sendo vendedor/credor, emito uma nota fiscal.
Quando a venda for a prazo superior a 30 dias, o vendedor/credor deverá emitir uma “nota fiscal fatura” no campo acima da NF
Além disso, deverá pagar um tributo.

Duplicata só poderá ser em casos de compra e venda mercantil ou entre empresários (origem do crédito).