Você está na página 1de 4

Aleitamento materno

Contraindicações da amamentação

Relativas à criança Relativas à mãe


- Galactosemia: erro inato do
- Infecção pelo HIV e HTLV
Absolutas metabolismo da galactose >
* psicose puerperal/depressão pode
sobrecargas hepática/renal
- Fenilcetonúria: não sintetiza
- CMV com RN<32 sem
Relativas fenilalanina. Mesclar leite
- lesão herpética na mama
materno + leite sem fenilalanina
 Uso de medicamentos
 Imunodepressores

 Antineoplásicos

 Radiofármacos

 Amiodarona: o iodo induz hipotireoidismo no lactente

 Sais de ouro: antigamente usada para doenças reumatológicas

 Falsas contra-indicações
 Hepatite B: vacina + imunoglobulina garantem proteção de quase 100%

 TB: se mãe bacilífera > não realizar BCG, isonizada por 3meses, mãe amamenta com máscara em
ambiente arejado > realizar PPD > se não-reator, fazer BCG e suspender quimioprofilaxia > se reator,
maner isoniazida e esquecer BCG

 Fenda palatina: é difícil, mas não é contra-indicado

Dificuldades na amamentação

 Explicar à mãe:
 Nem todo choro é por fome

 O ganho de peso é lento: seu choro não é fraco

 O leite nas primeiras semanas é amarelado, depois aguado e por último grosso e branco

 Como saber se a amamentação está ok?


 Ganho ponderal

 Hidratação: diurese

 Abordagem
 Verificar a técnica

 Afastar alguma dor materna: efeito adrenérgico > ↓ ocitocina/produção

 Complicações
1) Fissuras mamilares
 Avaliar técnica

 Orientar amamentação em posição diferente

 Cavaleiro/cavalinho: bebê em pé no colo da mãe

 Deitada: colocar a mão atrás da criança

 Invertida ou de jogador de futebol americano (indicado para gêmeos)

 Ordenha antes da mamada: colocar a boca da criança quando o leite tiver saindo pelo mamilo. Isso evita
que a criança sugue sem leite.

2) Ingurgitamento mamária
 A estase do vem acompanhada de congestão vascular e de obstrução da drenagem linfática

 Manter a amamentação

 Avaliar técnica

 Livre demanda

 Ordenha antes da mamada

 Compressas frias: gera vasoconstricção > menor aporte sanguíneo > menor produção de leite

3) Mastite
 Ingurgitamento com inflamação em um quadrante mamário > infecção (febre + calafrio + hiperemia)

 Agente: S aureus

 Checar técnica

 Estimular amamentação

 ATB: cefalexina, amoxicilina

 Se não esvaziar o seio, a coleção de pus se organiza em abcesso mamário. Suspender amamentação até
drenagem do abcesso.

Fases da produção láctea

 A produção de leite varia


 Ao longo da lactação: no começo, a imaturidade alveolar não garante produção suficiente de lactose

 Colostro (1ª sem): rico em proteínas, eletrólitos e vitamina A (o que dá o aspecto amarelado)

 Leite de transição (1ª-2ª sem)

 Leite maduro (a partir do final da 2ª sem): rico em lactose e gordura

 Ao longo da mesma mamada

 Leite anterior: rico em proteínas e lactose “água com açúcar”

 Leite posterior: rico em gordura

 Ao longo do dia

 À noite há maior produção de gordura


Leite Materno x Leite de Vaca

 Modalidades
 Aleitamento materno exclusivo: mesmo se receber vitaminas e reposição de ferro

 Recomendação SBP: até 6 meses

 Aleitamento materno predominante: a criança recebe outros líquidos (chá, suco, água) que dão saciedade
fazendo a criança pular a mamada não recebendo nutrientes e calorias de forma adequada

 Aleitamento materno misto: a criança recebe outro tipo de leite (vaca, cabra, fórmula láctea)

 Aleitamento materno complementado: a criança recebe outros alimentos (papas doces e papas salgadas)

 Recomendação SBP: até 2 anos

 LH
 Proteína: menos proteína, proteína de mais fácil digestão, proteína menos alegênica
 O menor aporte de proteínas não sobrecarrega o rim imaturo do lactente jovem. Se o lactente perde
proteínas, perde água com maior chance de fazer desidratação

 Composição do LH: caseína (20-40%) + proteínas do soro (alfalactoalbumina)

 A caseína é uma proteína de difícil digestão e compõe 80% do LV

 A betalactoglobulina, presente no soro do LV, é altamente alergênica

 Eletrólitos
 Menos sódio: não sobrecarrega a função renal, menor perda de água

 Gordura
 Quantidade igual ao LV

 Qualidade superior ao LV: no LH há maior quantidade de colesterol e PUFA (AG polissacarídeos de cadeia
longa) como o ácido aracdônio e o ácido docosahexaenoico envolvidos na programação metabólica, no
término da mielinização do SNC e no término da formação da retina. Não são essenciais porque podem ser
sintetizados a partir do ácido linoleico e do ácido linolênico. Entretanto, como o metabolismo do lactente é
lento, vale a pena já recebê-los prontos.

 Galactose
 Dissacarídeo: glicose + lactose

 Lactose

 Devido ao seu efeito osmótico causa fezes amolecidas facilitando evacuação

 Serve como substrato para bactérias da flora saprófita. Como resultado há uma acidificação das
fezes com menor crescimento de flora patológica, além de ajudar na absorção de cálcio. Ainda que
o LV tenha mais cálcio, o LH tem maior reabsorção de cálcio.

 Ferro
 A quantidade de ferro é semelhante, portém a biodisponibilidade do Fe do LH (50%) é superior ao do LV
(10%). Isso se deve à Lactoferrina no LH que só lobera o Fe no sítio de absorção do Fe, o que impede a
utilização de Fe por bactérias quando passa pelo TGI.
 Fatores de proteção (não presentes no LV ou fórmulas lácteas
 Específicos: IgM, IgG, IgA secretória (recobre a superfície das mucosas do lactente)

 Inespecíficos

 Lisozima: bactericida (quebra as cápsulas bacterianas)

 Lactoferrina: bacteriostática (não disponibiliza Ferro para replicação de bactérias)

 Fator bífido (proteína + molécula de glicose): é substrato para flora saprófita evitando proliferação
de bactérias patológicas. Após metabolização pela flora saprófita, o fator bífido aumento o pH das
fezes.

 Lactoperoxidase; enzima bactericida específica dos estreptococos que reduz incidência de


infecções respiratórias nos primeiros meses de vida

Profilaxia da anemia ferropriva

 Principal doença hematológica na infância


 A quantidade de ferro necessária nos primeiros anos de vida é absurda
 Profilaia
1) RN a termo: iniciar aos 6 meses 1mg/kg/dia de Fe (iniciar aos 6 meses e ir até 2 anos)
2) RNPT ou BPN: iniciar suplementação com 1 mês
 O estoque de Ferro é feito no final da gestação

Peso 1500-2500g 1000-1500g <1000g


1 mês - 1 ano 2mg/kg/dia 3mg/kg/dia 4mg/kg/dia
1 - 2anos 1mg/kg/dia

Técnicas

 Posicionamento
 Lactente bem apoiado

 Cabeça e tronco alinhados

 Corpo e cabeça próximos a mãe

 Rosto do lactente de frente para mama

 Pega
 Boca bem aberta

 Lábio inferior evertido (facilita a ordenha)

 Visão maior da aréola na parte superior da boca

 Queixo toca na mama (o nariz fica livre para respiração)