Você está na página 1de 18

Cópia não autorizada

C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN

03.050
FITAS ADESIVAS SENSI\/EIS A PRESSiiO PARA
FINS DE ISOLACJiO ELCTRICA
NBR 5037
@
Especxflca& AGO 1983

SUM&IO
1 Objetwo
2 Normas e/au documentos complementares
3 DeflnlCks
4 Cond@es gemus
5 Cond&s especiflcas
6 lnspegb e amostra9em
7 Ac.wta+ e rejw&
ANEXO A - Recomenda~&s para estocqem dar fltas adeslvas
ANEXO B - Flguras

, OEJETIVO

~sta Norma fix4 as caracteristicas exigiveis para fitas adesivas sensiveis 5 pres

sao, destinadas a prender, proteger e isolar condutores eletricos.

2 NORMAS E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Na aplicagao desta Norma e necessario consultar:

NBR 5057 - Fitas adesivas sensiveis a press% para fins de isola&o eletrica -

Metodo de ensaio

NBR 5426 - Guia para inspe&o por amostragem no controle e certifica&zs de

qualidade - Procedimento

NBR 7034 - Materiais isolantes eletricos - Classifica&o

Ongem: ABNT - NBR503711977

CB-03 -Corn& Bras~le~ro de Eletrlcldade

CE-O3:015.01 -Corn&o de Estudo de Maternals lsolantes Shlados para Funs Elktr~cos

p,l~“rar<~w: mater,a,s Irolantes. NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA

CDU: 621.315.61418 Todos os diraitm rsurhs 18 pigmar


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

2 NBR 503711983

3 DEFINI@ES

Para efeito desta Norma s% adotadas as defini@es de 3.1 a 3.14.

LigaGao estabelecida pelo contato entre o adesivo sens;vel 5 pressao e uma super
-
ficie. E medida pela forfa necessaria para remover uma fita corn adesivo sensivel
a press& da superficie,de contato sob condi@es especificas.

3.2 Adesivo sensiuol a pressiio


Adesivo Go secativo que em condi&es ambientes normais tern urn tato agressivo e
permanente, aderindo firmemente a uma grande variedade de superficies por simples
presslao.

3.3 Adesivo tcmnopZ~stico


Adesivo que amolece ou endurece corn o aumento ou diminuicao da temperatura res -
pectivamente.

3.4 Adcsivo tcrmocndumccdor


Adesivo que sofre endurecimento permanente quando submetido a urn ciclo de cura,’
em consequkcia da sua reticulaG:o molecular. Esta modificaqao 6 caracterizada ’
por urn sensivel aumento da sua resistencia interna e melhor resistgncia a solven -
tes do que o adesivo teria antes de ser submetido ao referido ciclo de cura.

3.5 Adesivo temocndurecedm resistentc a soLventa


Adesivo termoendurecedor que oferece resistencia a solventes antes de ser subme-
tido a urn ciclo de cura.

3.6 Ciclo de cwu

Rela$ao de tempo e temperatura necessaria para produzir modifica@ks fisicas e


quimicas permanentes no adesivo.

3.7 Desenrotamento
Forga necessaria para desenrolar urn determinado comprimento de fita do role a 0
uma determinada velocidade.

3.8 Dorso
Material flexivel sobre o qua1 o adesivo 6 aplicado e suporte da camada adesi -

va.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
NBR 5037/1983 3

3.9 Dclaminu~~o

~epara@ do dorso da camada adesiva.

3 .lO Afunihr!onto

Movimento lateral das camadas de fita dentro do role, come resultante de ten&s

internas. ocasionando o afunilamento do ~mesmo.

3.11 ALongamento
Acrescimo percentual no comprimento de urn material atravgs do se” esticamento ’

at6 o ponto de ruptura.

3.12 Tens& dismptiva

Tens& sob a qua1 se produz uma descarga disruptiva entre duas partes condutoras.

3.13 Condicionmento

Submeter urn material 5 temperatura e umidade relativa pre-estabelecidas por urn

determinado periodo de tempo.

Valor minima das m6dias aritmeticas dos grupos de S(cinco) leituras obtidas num’

ensaio.

4 CONDlCdES GERAIS

4,1.1 V&etro das armrelas

As fitas devem ser fornecidas enroladas em arruelas de papelao ou de plastico, ’

corn (26 + 0,s) mm ou (76,5 k 0,5) mm de dia^metro interno.

4.1.2 Caractan'sticas da embalagem

A embalagem dew ser suficiente para prover protegk contra deterioratk e ava-

ria durante o transporte do fornecedor para o comprador, na qua1 deverkser pre-

enchidas as caracteristicas abaixo relacionadas.

4.1.2.1 Errhalagem individual

Cada role envolvido emfilmede polietileno sera colocado em caixa de cartolina.’

Se esta for internamente revestida corn material anti-aderente, dispensar-se-5 o

filme de polietileno.

Podera ainda ser simplesmente embalado em envoiucro de polietileno, conveniente-


Cópia não autorizada
C6pia hpressa pelo Sistema CENWIN
4 NBR 5037/1983

mente identificado.

4. 1 . 2. 2 mibalagem a grancl

Usar disco parafinado ou filme de polietileno entrc 05 roles de fita. Empacotar


uma certa quantidade dos roles de fita assim preparados em papel ou envolucros 1
de polietileno ou ainda em recipientes metalicos convenientemente identificados.

4.12.3 Embakzgem intemedi~a

Contern urn determinado niimero de roles de fita, embalados conforme 4.1.2.1, acon-
dicionados em caixa de cartolina, envolucro de polietileno, ou recipiente metsli -
co.

4.1 .2.4 k&a lagem de despacho

As embalagens descritas em 4.1.2.1, 4.1.2.2 e 4.1.2.3, deverao ser acondi -


cionadas em caixas de papelk ou equivalente.

Quando as condi@es de transporte associadas a‘ fragilidade do tipo de fita, re-


querem uma embalagem mais reforgada, a caixa de papelao ou equivalente, dever5 ’
ser embalada em engradado de madeira.

4.1.2.5 %spoai&io dos roZos de Jita

OS roles embalados de acordo con, 4.1.2.2, 4.1.2.3 e 4.1.2.4, deverao ’


ser dispostos de tal maneira que as laterais dos mesmos permane$am na horizontal.

4.2 Ide.ntifica&

4.2.1 Do role

Na arruela dever;i constar:

a) nome do fabricante;
b) marca registrada da fita.

Nota: A identificasao do role se faz necessaria quando o mesmo 60 for embalado’


individualmente.

4.2.2 Da mbaZagem

A identifica$ao da embalagem referida em 4.1 desta Norma dewera preencher (


as caracteristicas abaixo relacionadas.

4.2.2.1 EmbaZagem individual

a) car da fita, quando for .colorida, atr&s da coloca~k de uma tira ’


da mesma;

b) largura e comprimento do t-010;


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
NBR 5037/1983 5

c) classifica@o e designa$o da fita;

d) marca registrada da fita;

e) nome e endere$o do fabricante;

f) nGmero de CGC (Cadastro Geral do Contribuinte).

a) quantidades de roles;

b) c6digo do late de fabrica@o.

4.2.2.3 Embalapem dc despac?x

Alem das alyneas de 4.2.2.1 e de 4.2.2.2, devem constar:

a) codigo do late de fabricagao, ou indica@es que representem seu


tempo tiximo de armazenamento(ou tempo maxima de garantia dad0 pelo
fabricante), acordado previamente entre fabricante e comprador;
b) nome e enderego do comprador;

c) indica@es do5 s;mbolos para “FRAGIL”, “PROTEGER CONTRA LUZ SOLAR”


e “ESTE LAD0 PARA CIMA” de acordo corn a5 Figuras 1, 2 e 3 respecti
-
vamente (ver Anexo 6).
4 .3 Outms condigks
4.3.1 A camada adesiva dew aderir naturalmente a uma superficie sem necessi-

dade de calor, umidade ou qualquer outro meio externo.

4.3.2 0 adesivo nao deve canter qualquer material (exemplo: enxofre ou cloro

livres), que possa afetar a superficie metalica condutora (exemplo: cobre, alu -

minio, etc).

4.3.3 A camada adesiva “20 dew apresentar sinais de transferencia para o dor -

so da camada adjacente ao se desenrolar o role da fi ‘:a.

4.3.4 A fita desenrolada nao dew apresentar delamina& do dot-so no case de

papel ou filme, ou esgarsamento no case de ser tecido.

4.3.5 A camada adesiva deve ser uniforme e aplicada em urn s6 lado do dorso ou

em ambos dependendo da solicita$ao.

4.3.6 A menos que especificado em contrario, no ato da encomenda, as fitas de-

verao ser fornecidas na tar padrao do fabricante.

4.3.7 0 role de fita nao dew apresentar afunilamento ou distor@o.

4.3.8 Em condi$es de baixa temperatura 6% se dew desenrolar rapidamenteas

fitas adesivas, referi das nesta Norma.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN

6 NBR 5037/1983

5 CONDICoES ESPECfFlCAS

5.1 Classifi&io e &signa&io

5.1.1 Classificupiic

0 sistema usado para a classifica+ dos diferentcs tipos de fitas adesivas 6

baseado em quatro fatores,.

5.1.1.1 0 primeiro fator define o tipo de dorso e sera identificado corn letras

maiGsculas corn0 segue:

A - lapel crepado

B - Papel iiso

C - Tecidos

D - Filmes

5.1.1.2 0 Segundo fator define a composi@ do dot-so e sera identificado corn

nGmeros corn0 segue:

1 - Fibras de madeira

2 - Fibras de algodk

3 - Fibras de vidro

4 - Acetate de celulose

5 - Cloreto de polivinila plastificado (PVC)

6 - Polietileno tereftalico (poliester).

5.1.1.3 0 terceiro fator define o tipo de adesivo usado e sera identificado

corn letras minisculas, tom0 segue:

a - Adesivo termopl.%tico

b - Adesivo termoendurecedor

c - Adesivo 5 base de silicone

d - Adesivo acriiico.

5.1.1.4 0 quart0 fator define a temperatura maxima de opera& continua a que

a fita estara sujeita, nas seguintes classes, de acordo corn a NBR 7034.

Y - at6 VOOC

A - at; 105'C

E - at6 12O'C

B - at6 130°C

F - at& 155OC

H - ate 180°c

C - acima de 18D°C
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
NBR 5037/1933 7

5.1.2 D&gnu+

0 sistema usado para designar uma fita adesiva sensivel 5 pressao para fins de 1
isola@ eletrica 6 baseado nas se@es 5.1.1.1, 5.1.1.2, 5.1.1.3 e 5.1.1.4, desta
Norma, acrescido do valor numGrico da espessura expressa em milimetros.

A titulo ilustrativo, a seguir acha-se descrito o meio usado para dcsignar a fita
de filme de PVC, coberta corn adesivo termoplastico de classe de temperatura y e
corn 0,l8 mm de espessura, codificada cow: D 5 a Y 0,18, onde:

D = Filme (ver 5.1.1.1)


5 = PVC (ver 5.1.1.2)
a = Adesivo termoplastico (ver 5.1.1.3)
Y = yo"c (vet- 5.1.1.4)
0,18 = 0,l8 mm d& espessura

5.2 Requisites dimenisionais

5.2.1 ESp?SSWU

As espessuras nominais dos varies tipos de fitas e as respectivas tolerancias re-


comendadas es& expostas na Tabela 1.

TABELA 1 - Espewra
-
Espessura nominal Toler.%cia
Tipo de fita
(mm) (mm)

A 1 b 0,27 0.27 3~ 0,04


6 1 b 0,15 0,15 i 0,025
C 2 b 0,33 0,33 ? 0,03
c 3 b 0,18 0,18 i 0,03
C 4 b 0,22 0,22 + 0,03
D 5 a 0,18 0,18 t 0,03

D 5 a 0,25 0,25 i 0,05


D 6 b 0,065 0,065 f 0,012
D 6 b 0,085 0,085 + 0,012
;

5.2.2 Lmgwu7
As fitas devem ser fornecidas nas seguintes IargUras, corn tolerancias de i 0,5mm:

6,0 mm - y,a mn - 12,0 mm - 16,O mm - 19,0 mm - 25,a mm - 32,a mm- '


38,0 mm - 45,O mm - 50,O mm.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
8 NSR 5037/1983

Podem ser admitidas outras larguras mediante acordo entre fabricante e comprador.

5.2.3 co,77~n:,rG7lon L0 de: f-i: ta e d~i&K? t;*YT da arr’LLc la

As fitas devem ser fornecidas nos comprimentos, e dia^metros de arruela, de acor-

do corn a Tabela 2.

TABELA 2 - Comprimento da fita e dtimetro da arruela

Tipo de Comprimento Tolersncia )i.Smetr0 intern0 TolerSncia


fita nominal (m) Cm) ia arruela (mm) (mm)

Al b 55 - 0 + 0,55 7625 t 0,5


Bl b 55 - 0 + 0,55 76,5 + 0,5
C2 b 55 - 0 + 0,55 76,5 i 0,5

C3b 55 - 0 + 0,55 76,5 i 0,5


C 4 b 55 - 0 + 0,55 76,5 * 0,5
D 5 a 0,18 2,5 - 0 + 0,05 26,0 + 0,5
D 5 a 0,18 6 - 0 + 0,12 26,0 + 0,5
D 5 a 0,lB 20 - 0 + 0,30 26,0 t 0,5

D 5 a 0,25 15 - 0 + 0,30 26,0 + 0,5


06 b 55 - 0 + 0,55 76,5 * 095

5.3.1 corrosFb eletrolitica pelo m&h da resist&&a dc isota&io

Quando ensaiadas de acordo corn a NBR 5057, a temperatura de (23 + 2)*C e umidade

relativa de (96 i I)%, as fitas devem se enquadrar nos valores minimos especifi-

cados na Tabela 3.

TABELA 3 - Resisthcia da irolaqXo

Tipo de fita Valor minima (Ma)

Al b 5
B 1 b 5
C2b 10

C3b 50
C4b 10000

C'5a 50000
06 b 50000
Cópia não autorizada

a) 0 adesivo durante a cura, quando ensaiado de acordo corn a NBR 5057,


todas as fitas cobertas corn adesivo termoendurecedor, deve apresen-

tar resultados acima dos minims especificados na Tabela 4;

TABELA 4 - Adesivo durante a cum

MaSSa l~empo
Tipo de liga$o
(g) (min)

Adesivo + Dorso 50 20
I I

b) 0 adesivo apes a cura, quando ensaiado ap6s a cura em estufa sob as

condi$es especificadas na NBR 5057, todas as fitas cobertas corn ade-

sivo termoendurecedor, dew apresentar resultados acima dos minimos

especificados na Tabela 5.

TABELA 5 - Adesivo ap6s a cura

MaSSa Tempo
Tipo de I i gas&
(4) (min)

Adesivo + Dorso 500


I I 2o

O.uando aplic&eis, OS valores obtidos ap& o ensaio, devem se enquadrar na Tak -

la 6.

~ABELA 6
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
10 NBR 5037/1983

TABELA 6 - Reristhcia B penetrag%

Temperatura de penetra@z
Tipo de fita
(‘C) (MGdia minima)

Al b NA

B 1 b NA

C-2 b NA

C3b NA

C4b NA

D 5 a 0,18 50
D 5 a 0,25 52
D 6 b-0,065 150

D 6 b 0,085 160
I

~&a: a) NA = N% aplic%el

b) Para urn mesmo tipo de fita corn espessurasdiversas, obtem-se resultados


diferentes. Nestes cases deve-se especificar tambern a espessura na
descriG% do tipo da fita.

Tipo de fita
Resisthcia a tra+ Alongamento
Espessura N/cm de largura %
C&i go
(mm)

A 1 0227 19,6 15

B 1 0,15 64,6 2
C2 0,33 85,8 10

c3 0,18 215,6 5
c4 0,22 7O,6 10

D5 0,18 30,9 155


D5 0,25 49,o 200
D6 0,065 29,4 40
D6 0,085 6297 70
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
NBR 5037/1983 11

rota: Coma a resistencia do adesivo exerce pouca influsncia na resist&ncia a


tra& da fita, 05 valores ser.& similares para o mesmo dorso corn diversos
adesivos.

Quando ensaiada nas condi@es pad&, a fita deve se enquadrar nos valores mini
-
mos da Tabela 8.

TABELA 8 - Adesk

Adesao
Tipo de fita N/cm de largura

Placa de a$o inox Ao dorso

A 1 b 0,27 33 1 ,4
B 1 b 0,15 4,~ 13
C 2 b 0,33 3,o 097
C 3 b 0,18 3,5 I,1
C 4 b 0,22 3,3 2,2
D 5 a 0,18 2 27 179
D 5 a 0,25 298 293
D 6 b 0,065 494 039
D 6 b 0,085 474 099

A fita adesiva, apk ser submetida ao ensaio especifico da NBR 5057, pode set-
classificada em:

a) n& inflamkel;

b) auto-extinguivel;

c) inflamavel.

5.5 Tem& disruptivu


OS corpos de prova, quando ensaiados depois de condicionados por 24 h 5 50% 0~

pot- 24 h 2 96% de um~idade relativa, devem se enquadrar nos valores minimos de

Ten& Disruptiva da Tabela 9.

/TASELA 9
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN

12 NBR 5037/1983

TABELA 0 - TensZo dirruptiva


- -
ren& disruptiva rensk disruptiva
Tipo de fita volts volts
24 h a 50% U.R. 24 h a 96% U.R.
-

A I b 0.27 1.4 00 1.000


B 1 b 0,15 1.200 500
C 2 b 0,33 I .500 650
C 3 b 0,18 2.500 1000

C 4 b 0.22 2.500 1.500

D 5 a D,l8 9.000 6.000


D 5 a 0,25 12.000 9.000
0 6 b 0,065 4.000 3.500
D 6 c 0,085 6.000 5.500

&I&: U.R. = Umidade relativa

6 INSPEQiO E AMOSTRAGEM

6.1.1 OS ensaios serao feitos de preferencia nas dependkias do fabricante, na

presenqa do inspetor representante do comprador. 0 comprador, entretanto,podera

fazer OS ensaios em seu laboratorio. Em case de discrepancia nos resul tados obt - i

dos, as dtividas serao dirimidas em laboratorio independente.

6.1.2 As am3stras serao ensaiadas de acordo corn o metodo NBR 5057.

6.1.3 0 late deve ser inspecionado e as am3stras ensaiadas dentro de quatro se-

manas a@~ o recebimento pelo comprador. Durante este periodo, devera ser armaze -

nado em lugar abrigado, ventilado, de temperatura ambiente normal e nao expos to

aos raios diretos do sol.

6.2 Amo~Lragem

pat-a aprovagao do tips, devem ser fornecidos urn n&nero suficiente de roles de fi

ta, para que sejam retirados os corpos de prova para real izaqao dos ensaios rela

cionados er 6.3.1 desta Norma.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
NBR 503711983 13

6.2.2 Amos tragcm pal?2 OS ens&us de rccohimen to

Para os ensaios de recebimento previstos em 6.3.2 desta Norma, dwe SW retirada

uma amostragem cow indicado na Tabela 10, amostragem simples e normal (Nivel
de Inspa+ S4 - NQA 2,5).

TABELA IO. Amostragem para ensaios de recebimento

Tamanho do late Tamanho da annstra AC Re


(nkwro de ‘unidades de amOstra )

ate 150 5 0 1
151 a 1200 20 1 2
1201 a 10000 32 2 3
10001 a 35000 50 3 4

fib tc : a) AC = ruimero de unidades reprovadas, que permi te aceita$o do late.

b) Re = nGmero mininx, de unidades reprovadas que obriga a rejei$o do

late.

C) Qualquer unidade reprovada que fa$a parte do lote aceito, deve ser subs
-
tituida.

d) Cada unidade de arwxtra dew ser composta de urn numero de roles de fi -

ta suficientes para a realiza$o de todos 05 ensaios de verifica$o de

recebimento.

6.3 Ensuios

6.3.1 ~nsaios do tipo

- Controle dimensional;

- Ensaio de resistencia 5 tra$o e alongamento;

- Ensaio de adesao a placa de aso;

- Ensaio de adesao ao dorso;

- Determina$o das propriedades dos adesivos termoendurecedores;

- Ensaio de resistencia 2 penetragao a temperatura elevada;

- Ensaio de resistsncia a propaga$o da chama;

- Ensaio de rigidez dielitrica;

- Ensaio de resistkia de iso1aS.k.


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

14 NBR 5037/1983

6.3.2 ~nsaios de recebimento

- Controle dimensional;
- Ensaio de resistencia a tra$ao e alongamento;
- Ensaio de ad&o 5 placa de aso;
- Ensaio de resistencia a propagaG:o da chama;
- Ensaio de rigidez dielitrica.

7 ACEITACAO E REJEl’$iO

7.1 Aceitq& e rajei& nos ens&m de tipo

Aceita;se o tipo ou fi ta se todos os ensaios descritos em 6.3.1 apresentarem


rest11 tados satisfatorios. Case contrkio o tipo deve ser rejeitado.

7.2 Aceitq?& E rejei& rws emaios de recebimento

0 material deve ser aceito na insp+o visual se forem satisfatorias todas as con-
di$es previstas no caprtulo 4 desta Norma , em case contrario dew ser re-
jei tado.

7.2.2.1 Aceita-se a unidade de awstra em urn determinado ensaio se todos os vale -


rep obtidos dos corpos de prova ensaiados, conforme NBR 5057, estiverem de acordo
corn esta Norma.

7.2.2.2 Se urn valor obtido nao estiver de acordo corn esta Norma, dew-se retirar
da mesma unidade de awstra o dobro de corpos de prova. Aceita-se a unidade da
amstra se todos OS resultados obtidos naquele ensaio forem satisfat6rios.

7.2.3 A&@?& ou rcjei&o do tote


Aceita-se ou rejeita-se o late se a amOstr.3 satisfizer ou nao as condi$oes pre-
vistas na Tabela 10.

IANEXO A
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
NBR 5037/1983 15

ANEXO A - RECOMENDA@ES PARA ESTOCAGEM DAS FITAS ADESIVAS

A fim de se obter os melhores resultados na estocagem das fitas adesivas sensi


-
veis 2 pressk para fins de isolaf& eletrica, os seguintes principios b% i tos

devem ser seguidos:

A-l ROTATIVIDADE DO ESTOOUE

Usar as fitas que tenham mais tempo de estocagem, em primeiro lugar. As fitas em

estoque nunca deverk ser removidas a lugares de dificil acesso, a fim de permi -

tir a estocagem de fitas mais novas. Arrumar o estoque de tal modo que as fitas

que permanecerem durante mais tempo nas prateleiras, sejam automaticamente aque
-
las que sai rao primei ro.

A-2 LUGAR FRESCO E VENTILADO

Para se obter a maxima dura$o das fitas estocadas, deve-se manter a temperatura

ambiente em cerca de 26Oc e a umidade relativa do ar, n& superior a 50%.

A-3 MANTENHA AS FITAS NAS EMBALAGENS ORIGINAIS

Durante a estocagem, a fita deve ser conservada dentro das embalagens originais,

que devem satisfazer 05 requisites da seg& 4.1 desta Norma.

A-4 PROTEJA A FITA CONTRA A LUZ SOLAR

Nunca armazene num local em que elas fiquem expostas 5 a& direta dos raios so-

lares. Exposi@es prolongadas a condi@es desta natureza, contribuem para uma de-

teriora& mais r;ipida.

IANEXO B
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
16 NBR5037/1983
Cópia não autorizada

C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN


NBR 5037/1983 17

ANEXO B - FIGURAS

FIGURA 1 - Simbalo de “FRAGIL”

FIGURA 2 - Simbolo de”PROTEGER CONTRA LUZ SOLAR”


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sk&ma CENWIN
18 NBR 5037/1983

FIGURA 3 - Simtmlo de “ESTE LAD0 PARA CIMA”