Você está na página 1de 181

Material de Nivelamento

Apoio:
Prefeitura de São José dos Campos
Nivelamento
ÍNDICE

Matemática

Álgebra
Números e Operações...........................................................1
Operações com números em representação decimal...........7
Divisibilidade.........................................................................10
MDC e MMC.........................................................................13
Frações.................................................................................16
Razões e Proporções...........................................................22
Regra de Três ......................................................................27
Matemática Financeira.........................................................32
Operando com potências.....................................................39
Fatoração.............................................................................47
Linguagem Matemática........................................................56
Equações do 1º grau............................................................61
Sistemas do 1º grau.............................................................66
Equação do 2º grau..............................................................69
Lógica...................................................................................74

Geometria
Ângulos.................................................................................76
Triângulos e Quadriláteros...................................................80
Polígonos..............................................................................87
Teorema de Pitágoras..........................................................90
Trigonometria Básica............................................................95
Semelhança e Teorema de Tales........................................97
Círculo e Área do Círculo...................................................101
Calculando Volumes...........................................................105

Anotações...............................................................108

FÍSICA

Transformação de Unidades..................................................112
Notação Científica.............................................................115
Vetores..............................................................................118

QUÍMICA
Introdução ......................................................................................127
O que a Química estuda? Por quê? ..............................................127
Estados Físicos da Matéria............................................................128
Substância Simples ou Composta?................................................129
Substância Pura ou Mistura? .........................................................130
Sistema Homogêneo ou Heterogêneo? ........................................131
Separação de Misturas ..................................................................132
Modelos Atômicos .........................................................................138
Principais características do átomo ..............................................140
Semelhanças Atômicas .................................................................141
A unidade de massa atômica .........................................................142
Massa atômica. Massa molecular.................................................. 143
O número de Avogadro e o conceito de Mol................................. 143
Exercícios Propostos......................................................................146

PORTUGUÊS
Fundamentos da Dissertação.........................................................151
Introdução à Literatura....................................................................162
Variações Linguísticas....................................................................173
Conceitos Iniciais............................................................................177

CASD Vestibulares Nivelamento - Índice


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO I – NÚMEROS E OPERAÇÕES

1 – ORGANIZANDO OS NÚMEROS *os números positivos estão à direita do zero, portanto


todo número positivo é maior que zero;
O primeiro contato que temos com os números é
*um número é sempre menor que o número que está à
pela contagem, quando surgem, de maneira natural, os
sua direita.
números 1, 2, 3, 4 etc. Mais tarde, quando estudamos
nosso sistema de numeração, aparece o 0 (zero). Ele é
*os números negativos estão à esquerda dos números
usado para indicar a ausência de unidades numa
positivos, logo todo número negativo é menor que
determinada ordem de um número. Chamamos de
qualquer número positivo;
conjunto dos números naturais – símbolo ℕ – o conjunto
formado pelos números 0, 1, 2, 3, ... Exemplos: -3 < 0 (-3 é menor que zero)
-1 < 1 (-1 é menor que 1)
ℕ = {0, 1, 2, 3, ...} -3 < -1 (-3 é menor que -1)
2 > -1 (2 é maior que -1)
Neste conjunto são definidas as operações 0 > -7 (zero é maior que -7)
elementares: adição, subtração, multiplicação e divisão.
Quais dessas operações têm sempre como resultado um No conjunto ℤ distinguimos três subconjuntos notáveis:
número natural? Isso é o mesmo que perguntar:
ℤ + = {0, 1, 2, 3, ...} = ℕ
(chamado conjunto dos inteiros não negativos)
 A soma de dois números naturais é sempre um
número natural?
 A diferença de dois números naturais é sempre ℤ - = {0, -1, -2, -3, ...}
um número natural? (chamado conjunto dos inteiros não positivos)
 O produto de dois números naturais é sempre
um número natural? ℤ * = {..., -3, -2, -1, 1, 2, 3, ...}
 O quociente de dois números naturais é sempre (chamado conjunto dos inteiros não nulos)
um número natural?
Os números inteiros são geralmente utilizados nos
Então verificamos que: seguintes casos:
A soma e o produto de dois números naturais são . Temperaturas acima ou abaixo de 0oC;
sempre números naturais. . Altitudes acima e abaixo do nível do mar

Veja: 7 - 3 = 4 é um número natural. Agora temos que:


3 - 7 = -4 não é um número natural
 A soma de números inteiros é um inteiro;
Quando queremos fazer uma subtração em que o  O produto de números inteiros é um inteiro;
primeiro número é menor que o segundo, precisamos  A subtração de números inteiros é um inteiro;
usar os números negativos, que não são números
naturais. Também já sabemos que:
Para tornar possível qualquer subtração passamos
a trabalhar com um conjunto de números formado pelos Na divisão de dois números naturais, o quociente
números naturais mais os números negativos: os só será um número natural quando o primeiro número (o
números inteiros. dividendo) for múltiplo do segundo (o divisor).
Chama-se conjunto dos números inteiros –
16
símbolo ℤ – o seguinte conjunto: Assim: = 4 é um número natural.
4
Quando isso não acontece, usamos outros números para
ℤ = { ..., -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3, ....} indicar o quociente.
Este conjunto pode ser representado numa reta
numérica da seguinte maneira: 5 1
Exemplos: = 2,5 ou = 0,333...
2 3

Figura 1 – Representação do conjunto ℤ numa reta numérica Assim, chamamos de conjunto dos números
racionais – símbolo ℚ – o conjunto dos números que
Observamos que: tem representação finita ou infinita periódica (frações,
dízimas periódicas, decimais exatos e os números
*os números negativos estão à esquerda do zero, inteiros).
portanto todo número negativo é menor que zero;

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 1


Neste conjunto podemos destacar os seguintes casas decimais com um período que se repete (25).
subconjuntos: Esse número é conhecido como dízima periódica.
ℚ + = conjunto dos racionais não negativos Vejamos o que acontece com o número decimal
0,010110111...
ℚ - = conjunto dos racionais não positivos Ele tem uma infinidade de casas decimais que não
ℚ * = conjunto dos racionais não nulos se repetem, portanto, não é decimal periódico. Pense um
pouco e descubra as casas que virão a seguir nesse
Agora temos: número. Após a vírgula, a 1ª casa decimal é o zero,
. As operações de adição, subtração, seguido do número 1; depois outro zero, seguido duas
multiplicação e divisão são sempre possíveis no conjunto vezes do número 1, e assim por diante. Logo, os
dos números racionais, com uma única exceção: não é próximos algarismos serão o zero e depois quatro vezes
possível dividir nenhum número por zero! o número 1. Esse número não é racional. Ele é um
. Qualquer número racional pode ser exemplo de número irracional.
representado por um ponto na reta numérica. Todo número irracional tem representação decimal
infinita e não periódica. O símbolo do conjunto dos
Exemplo: Assinale na reta numérica um número racional números irracionais é 𝕀.
entre 0 e 1: Outro exemplo de número irracional, bastante
conhecido e muito importante em Matemática,
especialmente usado em geometria, é o número  =
3,141592... Ao estudar a operação de radiciação, e
Figura 2 – Representação de um número racional entre 0 e 1 particularmente a raiz quadrada, vimos que nem todo
(o número 0,5) na reta numérica número natural tem raiz quadrada natural. Os números
naturais 0, 1, 4, 9, 16, 25, 36, 49, 64, 81 e 100, são
Será possível marcar na reta outro número chamados quadrados perfeitos. As raízes quadradas
racional entre 0 e 1 diferente de 0,5? Entre 0 e 0,5, desses números são também números naturais:
dividindo ao meio o segmento, podemos marcar o
número 0,25. E agora, será que ainda podemos marcar
outro número racional entre 0 e 0,25? O mesmo 0 0 16  4 64  8
processo pode ser repetido: dividindo o novo segmento 1 1 25  5 81  9
ao meio, marcaremos o número 0,125. Continuando
sempre o mesmo raciocínio, podemos imaginar que 4 2 36  6 100  10
entre dois números racionais existem infinitos outros
números racionais. Daí a impossibilidade de escrever 9 3 49  7
todos eles.
Para ter uma idéia mais clara dos conjuntos Os outros números naturais, diferentes dos
numéricos, é interessante representá-los por diagramas, números quadrados perfeitos, têm como raízes
que são representações gráficas de conjuntos por meio quadradas números irracionais. Outras raízes, com
de uma curva fechada. Podemos escrever os elementos índices diferentes de 2 e que não são números naturais,
do conjunto dentro do diagrama ou apenas o nome do também são números irracionais. Por exemplo:
conjunto junto à curva.
3 4 3
4 5 100
Ao fazer o cálculo das raízes a seguir numa calculadora,
encontramos os seguintes resultados:

2  1, 414213... 3  1,73205... 5  2, 23606...

Os pontos que aparecem no final do número não


aparecem no visor da máquina de calcular. Eles indicam
que as casas decimais continuariam a aparecer se a
máquina fosse maior e comportasse mais algarismos.
Vimos também que podemos assinalar todos os
Figura 3 – Diagrama que representa os conjuntos ℕ, ℤ, ℚ números racionais na reta numérica, associando a cada
número um ponto da reta bem determinada. Podemos
fazer o mesmo com os números irracionais?
2 – A RETA E OS NÚMEROS REAIS Na prática, localizamos uma raiz quadrada na reta
quando conhecemos um valor aproximado da raiz. Por
Vimos que os números racionais podem ser: exemplo: localize o número 5 na reta numérica.
frações, inteiros, decimais exatos e dízimas periódicas. Vejamos quais são os números quadrados perfeitos mais
Observe estes dois números: 0,25 e 0,252525... próximos de 5:
O primeiro tem duas casas decimais, portanto um 5 está entre 4 e 9 , logo 4<5<9
número finito de casas decimais. Por isso, é chamado de
decimal exato. O segundo tem um número infinito de 5 está entre 4 e 9 , logo 4 < 5< 9

2 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


5 está entre 2 e 3 , logo 2 < 5< 3 como, todo número irracional é também real.
Inversamente, todo ponto de reta real representa um
número, que pode ser racional ou irracional. E nenhum
Assim, podemos assinalar a 5 entre os números 2 e 3. número é racional e irracional ao mesmo tempo.
Procurando o valor de 5 por tentativa, teremos uma Destacamos em ℝ três outros subconjuntos:

localização mais exata. Sabendo que 5 está entre 2 e


ℝ + = conjunto dos reais não negativos
ℝ- = conjunto dos reais não positivos
3, podemos escrever que 5 = 2 ,...
ℝ * = conjunto dos reais não nulos

3 – REVENDO AS OPERAÇÕES
Figura 4 – Representação de √5 (entre 2 e 3) na reta numérica A Matemática é uma ciência que está sempre
presente em nosso dia-a-dia. Neste capítulo,
Experimentamos então alguns números, por exemplo: recordaremos algumas propriedades das operações com
2,1 = (2,1)² = 4, 41, que é um valor ainda distante de 5. números naturais de grande utilidade para a resolução
2,2 = (2,2)² = 4, 84, que é bem próximo de 5. de problemas que necessitam de um cálculo mais
2,3 = (2,3)² = 5, 29, que já é maior do que 5. rápido, ou seja, o cálculo mental.
Estudaremos também as expressões numéricas,
Então, podemos representar 5 na reta com uma suas regras e seus sinais de pontuação.
localização razoável, ou seja, próxima do valor exato do Observe a seguinte situação:
número: Fazendo compras num “shopping”, uma pessoa resolveu
somar mentalmente seus gastos. Qual a melhor maneira
de fazer esse cálculo, para a seguinte soma:
R$ 18,00 + R$ 40,00 + R$ 32,00?
18 + 40 + 32 =
Figura 5 – Representação de √5 (entre 2,2 e 2,3) na reta numérica Trocar a ordem das duas primeiras parcelas.
= 40 + 18 + 32 =
Sabendo que é possível representar na reta os números Associar as duas últimas parcelas e somar.
racionais e os irracionais, podemos chamá-la reta real. = 40 + (18 + 32) =
Na reta real os números estão ordenados. O número a é = 40 + 50 = 90
menor que qualquer número x colocado à sua direita e
maior que qualquer número y à sua esquerda. As etapas seguidas para esse tipo de cálculo
foram baseadas, intuitivamente, nas propriedades da
O conjunto dos números reais (ℝ), que é a adição: propriedade comutativa (comutar = trocar) e
reunião do conjunto dos números racionais com o associativa (associar = juntar). Na 1ª propriedade, vimos
conjunto dos números irracionais e pode ser que é possível trocar a ordem das parcelas sem alterar o
representado pelo diagrama abaixo: resultado.
“A ordem das parcelas não altera a soma”.
Na 2ª propriedade, vimos que a associação de
duas ou mais parcelas pode ser feita de maneiras
diferentes, sem que o resultado seja alterado.
Veja como poderia ser feito, de outra maneira, a adição
do exemplo anterior:
18 + 40 + 32 =
Somar as duas primeiras parcelas
= (18 + 40) + 32 =
Decompor a última parcela
= 58 + 30 + 2 =
Trocar a ordem das duas últimas parcelas
= (58 + 2) + 30 =
Figura 6 – diagrama que representa os conjuntos ℕ, ℤ, ℚ, 𝕀, ℝ Associar as duas primeiras parcelas e somar.
= 60 + 30 = 90
Assim concluímos que o conjunto dos números
reais é aquele formado por todos os números com Será que na multiplicação podemos aplicar as
representação decimal, isto é, os decimais exatos ou mesmas propriedades da adição? Veja o exercício
periódicos (que são os números racionais) e os decimais resolvido 1.
não exatos e não periódicos (números irracionais).

O diagrama mostra a relação entre os diversos


conjuntos: todo número natural é inteiro; todo número
inteiro é racional; todo número racional é real, assim

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 3


Exercício Resolvido 1: Além das propriedades das operações que vimos
até aqui, é preciso conhecer as regras adequadas para a
Calcule a área de um terreno retangular de 15 m de resolução de expressões numéricas. Expressão
largura x 20 m de comprimento. numérica é uma seqüência de números que seguem
determinadas operações.
Resolução:
Multiplicando as dimensões do terreno, temos: Veja os exemplos:
Área do retângulo:
20 x 15 = 300 m² ou 15 x 20 = 300 m² - Calcular o valor da expressão: 15 + 12 - 10
Logo, concluímos que a propriedade comutativa também Esse exemplo envolve duas operações - a adição e a
é válida para a multiplicação, portanto: subtração – que podem ser efetuadas na ordem em que
aparecem: 15 + 12 - 10 = 27 - 10 = 17
“A ordem dos fatores não altera o produto.” 36
- Calcular o valor da expressão: 98 - 12 . 3 +
Em relação à propriedade associativa, podemos 3
concluir o mesmo resultado, ou seja, a associação de Essa expressão apresenta as quatro operações: adição,
dois fatores de uma multiplicação, de diferentes subtração, multiplicação e divisão. Inicialmente, devemos
maneiras, não altera o produto. efetuar as multiplicações e divisões, na ordem em que
No exemplo a seguir, aplicaremos a propriedade aparecem. Em seguida, efetuamos as adições e
associativa para facilitar o cálculo mental: subtrações, também na ordem em que ocorrem:
237 x 25 x 4 = 36
= 237 x (25 x 4) = 98 - 12 . 3 + = 98 - 36 + 12 = 62 + 12 = 74.
= 237 x 100 = 3
= 23.700 Se tentarmos calcular essa expressão de outra maneira,
Agora, veremos uma propriedade que relaciona a o resultado poderá ser diferente. Nesse caso, é preciso
multiplicação e a adição ou a multiplicação e a estabelecer uma determinada ordem para calcular a
subtração. Observe: expressão.
Para que isso aconteça, é preciso obedecer aos sinais
Exercício Resolvido 2: de pontuação. Um dos sinais mais utilizados é chamado
de parênteses ( ). Ao encontrá-lo em uma expressão,
Calcule o perímetro de um terreno retangular de devemos efetuar as operações que estão dentro dele e,
15 m de largura x 20 m de comprimento. em seguida, continuar resolvendo as outras.
Como o perímetro é a soma dos lados do terreno, esse Além dos parênteses, temos também os colchetes [ ] e
cálculo pode ser feito de duas maneiras diferentes: as chaves { }, que podem aparecer em algumas
expressões. Assim, após resolvermos as operações que
Resolução: estão entre os parênteses, devemos resolver as que
*Multiplicando as dimensões do terreno por 2 e somando estão entre os colchetes e, em último lugar, as que estão
o resultado: entre chaves.
Perímetro = 2 x 15 + 2 x 20 = 30 + 40 = 70 m Observe as expressões abaixo:
*Somando as duas dimensões e multiplicando o (12  3) 15
1) 5 + = 5+ = 5 + 5 = 10
resultado por 2: 3 3
Perímetro = 2 x (15 + 20) = 2 x 35 = 70 m Efetua-se a operação entre parênteses. Efetua-se a
Observe que, nos dois casos, o resultado é o mesmo. divisão e, em seguida, a adição.
Então, podemos concluir que:
2 x (15 + 20) = 2 x 15 + 2 x 20 [(11  12).3  9] [23.3  9] [69  9] 60
Nesse caso, utilizamos a propriedade distributiva da 2) = = = =4
multiplicação em relação à adição. 15 15 15 15
Essa propriedade também é válida quando relacionada à Efetua-se a operação entre parênteses. Efetuam-se as
subtração, podendo ser aplicada ao cálculo mental. Por operações entre colchetes, de acordo com a ordem
exemplo: estabelecida. Calcula-se o valor da expressão.
Multiplique 18 por 99, sem efetuar a conta de
multiplicação: {15  [2.(9  3)]} {15  [2.6]} {15  12} 3
3) = = = = 1
18 x 99 = 18 x (100 - 1) = 18x100-18x1=1800 - 18 = 1782 3 3 3 3
Efetuam-se as operações entre parênteses, de acordo
Podemos assim resumir as propriedades da adição e da com a ordem estabelecida. Efetua-se a operação entre
multiplicação: colchetes. Efetua-se a operação entre chaves.
1) Associativa da Adição:(a + b)+ c = a + (b + c) Determina-se o valor da expressão. Em caso de
2) Comutativa da Adição: a+b=b+a ocorrerem expressões numéricas que apresentem
3) Elemento Neutro da Adição: a + 0 = a operações de potenciação e radiciação, ou apenas uma
4) Associativa da Multiplicação: (ab)c = a(bc) delas, estas deverão ser efetuadas antes da
5) Comutativa da Multiplicação: a . b = b . a multiplicação e da divisão. Veja:
6) Elemento Neutro da Multiplicação: a . 1 = a (5² - 6 x 2²) x 3 = (25 - 6 x 4) x 3 =
7) Distributiva da Multiplicação relativamente à = (25 - 24) x 3 = 1 x 3 =
adição: a(b + c) = ab + ac = 3.

4 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Efetuam-se as potenciações. Efetuam-se as operações 10. Calcule o valor da expressão: 𝟐𝟕 + 𝟏𝟖 − 𝟑. 𝟏𝟎
entre parênteses, na ordem estabelecida. Calcula-se o
valor da expressão. 11. Calcule o valor da expressão: 13 − 3.4 +
14
Para calcular uma expressão numérica, devemos seguir 2
a seguinte regra sobre a ordem das operações: 20−8 444
1º) Efetuam-se as potenciações e radiciações na ordem 12. Calcule o valor da expressão: 12 + − 3.
4 444
em que aparecem.
2º) Efetuam-se as multiplicações e divisões, na ordem Nível II
em que aparecem.
3º) Efetuam-se as adições e subtrações, na ordem em
13. Calcule o valor da expressão:3(7 − 4) + 2(5 + 2)
que aparecem.
Se houver sinais de pontuação, efetuam-se primeiro as 4(2+3)
operações entre parênteses ( ), depois as entre 14. Calcule o valor da expressão: 11 +
2
colchetes [ ] e,por último,as que estão entre chaves { }.
15. Calcule o valor da expressão:
30 − (5.4 − 2)
123 −
EXERCÍCIOS PROPOSTOS 2

Nível I 16. Calcule o valor da expressão:


25 − [37 − (15 + 12) + 2(3 + 2)]
1. Escreva os números inteiros menores que 1.
17. Calcule o valor da expressão:
2. Escreva um número racional maior que 2.
19
55 + 2 [12 + 3(2 + 6) + ]
3. Escreva ao lado de cada sentença V se ela for 7 − 2(2 + 1)
verdadeira ou F se ela for falsa:
a) ( ) - 6 é um número inteiro, logo é racional. 18. Calcule o valor da expressão:
b) ( ) 2,516 é um número decimal exato, logo é racional.
c) ( ) 0,494949... é um número racional. 71 − {58 − [44 − (29 − 14)]}
d) ( ) - 5 é um número natural.
19. Calcule o valor da expressão:
4. Dê exemplos de dois números racionais maiores que
−1,4 45 + 2{35 + 3[25 + 4(15 − 5) − 6] − 7} − 8

5. Assinale na reta numérica os números: 20. Calcule o valor da expressão:


1 1
−1; − ; ; 1; 1,5; 2
4 3 3[2 + 2(4 + 5)]
27 − {49 + + 2[4 − (34 − 25) + 10]}
5[5 − (9 − 5) + 2]
6. Assinale na reta numérica os seguintes números reais:
- 2,5 0,75 2 π - 0,666...
21. Coloque parênteses nas expressões, de modo a
7. Assinale V se a afirmação for verdadeira ou F se for obter os resultados indicados:
falsa: a) 72 + 60: 12 − 8 = 87
a)( )
1 é um número real menor que 1. b) 10 − 2.3 + 1 = 25
3 c) 9 − 3 − 2.6 − 3 = 21
b)( ) 10 é um numero real menor que 3
c)( ) 2,151617... é um número racional. GABARITO
d)( ) - 5 é um número inteiro, logo é um número real.
1. 0,-1,-2,-3,-4...
e)( ) π não é um número real.
2. qualquer numero da forma a/b onde a e b são inteiros
f)( ) 3 é um número real e a dividido por b seja maior que 2. Por exemplo: 5/2
3. a) V b) V c) V d) F
g)( ) 3 é um número racional
4. -1,33 e -1,22 são exemplos (há infinitas soluções
possíveis)
8. De acordo com a sentença abaixo, escreva uma 5.
expressão e determine o seu valor:
“Somei 127 com 356 e subtraí o resultado de 1000”.

9. Demonstre a maneira mais simples para calcular,


mentalmente, o resultado da operação:
300 + 895 + 700 =
6.

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 5


7. a) V b) F c) F d) V e) F f) V g) F
8. Expressão: 1000 − (127 + 356); Valor: 517
9. 300 + 895 + 700 = 300 + 700 + 895 =
= (300 + 700) + 895 = 1000 + 895 = 1895
10. 15
11. 8
12. 12
13. 23
14. 21
15. 117
16. 5
17. 165
18. 42
19. 447
20. −36
21. a) 72 + 60: (12 − 8) = 87
b) (10 − 2).3 + 1 = 25
c) 9 − (3 − 2.6 − 3) = 2

6 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO II – OPERAÇÕES COM NÚMEROS EM
REPRESENTAÇÃO DECIMAL

1 – SOMA Assim, o procedimento é o seguinte:


 Olhar se os números tem a mesma quantidade
de casas decimais.
Para somar dois números que estão na
representação decimal, ou seja, representados com  Se eles tiverem somar normal conservando o
lugar da vírgula.
vírgula devemos olhar se eles possuem o mesmo
número de casas decimais. Se eles possuírem basta  Se não tiverem igualar o número de casas
fazer a soma normal conservando o lugar da vírgula. decimais colocando zeros em um dos
Acompanhe o exercício resolvido a seguir. números. E depois, somar normalmente.

Exercício Resolvido 1: 2 – SUBTRAÇÃO

Somar 13,43 com 1,49. A subtração de dois números com vírgula é o


mesmo procedimento que a soma. Por exemplo, se
Resolução: quisermos subtrair 3,5 de 14,23. Devemos primeiro
Note que, os dois números possuem duas casas notar que um deles tem uma casa decimal e o segundo
decimais. Logo basta fazer a conta normal!!! possui duas casas decimais. Assim, devemos adicionar
zeros para igualar o número de casas decimais e fazer
1 3 , ¹4 3 a subtração normalmente conservando o local da
+ 1 , 4 9 vírgula.
1 4 , 9 2 3 1
1 4 , 2 3
Resposta: 13,43 + 1,49 = 14,92 - 3 , 5 0
1 0 , 7 3
Mas como faremos para somar números com
casas decimais diferentes? O próximo exercício
resolvido trata desse tipo de problema. 3 – MULTIPLICAÇÃO

Exercício Resolvido 2: Para realizar a multiplicação de dois números


devemos realizar os seguintes passos:
Somar 12,123 com 3,4.
 Passo 1: Fazer a multiplicação dos números
Resolução: como se eles não tivessem vírgula.
Para somar 12,123 com 3,4 precisamos  Passo 2: Somar a quantidade de casas
primeiro ver que o primeiro possui três casas decimais decimais dos operandos.
e o segundo possui uma casa decimal. Assim, para  Passo 3: Colocar a vírgula no resultado da
somar os dois devemos igualar o número de casas, multiplicação de forma que o número de casas
para isso, basta adicionar 2 zeros no 3,4, ou seja, decimais seja igual a quantidade calculada no
escrever ele como 3,400 e fazer o mesmo segundo passo.
procedimento anterior (observe que ao adicionarmos
dois zeros no 3,4 não modificamos o número pois os Exercício Resolvido 3:
zeros foram adicionados após a vírgula). Logo,
Multiplicar 3,6 por 12,47.
1 2 , 1 2 3
+ 3 , 4 0 0 Resolução:
1 5 , 5 2 3 Primeiramente, fazemos a conta normalmente.

Resposta: 12,123 + 3,4 = 15,523 1 2, 4 7


x 3, 6
Observe que sempre devemos colocar as 7 4 8 2
vírgulas uma embaixo da outra. 3 7 4 1 *
4 4 8 9 2

Agora devemos colocar a vírgula no resultado.


12,47 possui duas casas decimais e 3,6 possui uma
casa decimal. Assim, o resultado deve ter 1+2=3 casas
decimais. Logo

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 7


1 2, 4 7 Exercício Resolvido 5:
x 3, 6
7 4 8 2 Efetue a divisão de 65 por 16.
3 7 4 1 *
4 4, 8 9 2 Resolução:
65 16
Assim, 64 4
Resposta: 12,47 x 3,6 = 44,89 01
Novamente o numero que sobrou é menor que
4 – DIVISÃO o divisor, então devemos adicionar um zero no nele e
uma virgula no quociente.
Antes de dividir números com vírgula, devemos
65 16
aprender como fazer divisão quando o resultado não é
exato. Um exemplo simples é 41:2=20,5. 64 4,
Para realizar esse tipo de divisão devemos 010
proceder da seguinte maneira: Note que 10 continua menor que 16 então
 Começar dividindo normalmente devemos adicionar outro zero. Como este foi o
segundo zero seguido adicionado devemos colocar
 Quando o número que restar for menor que o
zero no quociente.
divisor devemos adicionar zeros até que este
fique maior e continuar a divisão.
65 16
 Quando o primeiro zero dor adicionado
64 4,0
devemos colocar uma vírgula no quociente.
0100
 Se mais de um zero seguido for adicionado, a
partir do segundo devemos colocar um zero no
Prosseguindo com a divisão
quociente.
65 16
Exercício Resolvido 4: 64 4,06
0100
Efetue a divisão de 41 por 2.
096
04
Resolução:
Calculando a divisão de 41:2 temos:
O numero que restou é menor que o divisor,
logo devemos adicionar um zero nele.
41 2
4 20
65 16
01
64 4,06
Até agora, só foi feita a divisão normal. E
0100
temos o resto 1 dessa divisão, para prosseguir
096
devemos adicionar um zero no 1 para que ele fique
maior que o 2. Como esse é o primeiro 0 adicionado 040
precisamos colocar uma virgula no quociente.
Prosseguindo
41 2 65 16
4 20, 64 4,0625
010 0100
096
E prosseguimos a divisão normalmente. 040
032
41 2 080
4 20,5 080
010 0
10
Resposta: 65:16 = 4,0625
0

Resposta: 41:2 = 20,5 Agora, já sabemos como dividir dois números


inteiros mesmo que a divisão não seja exata. Resta
agora aprendermos a dividir dois números com vírgula.
Para dividir dois números que possuem vírgula
basta retirar as casas decimais deles antes de dividir.
Para isso basta andar com vírgula a mesma
quantidade de casas decimais nos dois números.
Veja o próximo exercício resolvido.

8 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Exercício Resolvido 6: Nível II

Efetue a divisão de 34,65 por 0,5. 2. Efetue os cálculos abaixo.

Resolução: a) 1234,4543-32,99 e) 2,25:0,025


Devemos notar que o primeiro número possui duas b) 123,454 x 12,43 f) 2,4211:1,1
casas decimais e o segundo apenas uma casa c) 1,3 x 223,231 g) 324,123 :0,6
decimal. Assim, como a maior quantidade de casas d) 45,3 : 0,9 h)4,096 : 0,64
decimais é 2 devemos andar duas casas nos dois
números e efetuar a divisão. Assim, 3. Encontre o resultado das expressões

34,65 → 3465 e 0,5 → 50 a)


(11,231 − 5,72)4,5
Efetuando a divisão
b)
3465 50 12,34 + 5,66
300 69,3 6
465
450
150 c)
150 (12,43 − 5,37)5
0 0,3

Resposta: 34,65:0,5 = 69,3 d)


(4,56 − 4,5504)15
Note que o que acabamos de fazer para retirar + 0,008
12
a vírgula da divisão foi multiplicar os dois números por 6
100. Abaixo mostramos, através das frações, porque o
resultado fica o mesmo. e)
(6,23427 + 5,76573)4,5
34,65 34,65 100 3465 √ + 61
= = 0,06
0,5 0,5 100 50

Obs: Em alguns casos a divisão não pode ser GABARITO


representada com uma quantidade finita de casas
decimais. Como no exemplo abaixo: 1.
a) 15,7 i) 101740,68
7:3=2,333333333333333333333333333... b) 14,54 j) 1017,4068
c) 17,74 l) 220,77
Assim, quando estiver fazendo uma divisão
d) 1,03 m) 6,4
preste atenção para ver se os números estão se
e) 7,56 n) 0,64
repetindo!!!
f) 5,472 o) 11,25
g)-326,7461 p) 5,84
EXERCÍCIOS PROPOSTOS h) 480,054 q) 6,8333...

Nível I 2.

1. Efetue os cálculos abaixo a) 1201,4643 e) 90


b) 1534,53322 f) 2,201
a) 12,3+3,4 i) 20,34 x 5002 c) 290,2003 g) 540,205
b) 3,56+10,98 j) 20,34 x 50,02 d) 50,3333... h) 6,4
c) 10,34+7,4 l) 345,67-124,90
d) 4,5-3,47 m) 32 :5 3. a) 24,7995
e) 3,78 x 2 n) 3,2:5 b) 3
f) 4,56 x 1,2 o) 45:4 c) 117,667
g)123,454-450,2001 p) 146:25 d)0,003333...
h)345,4+134,654 q) 41:6 e) 31

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 9


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO III – DIVISIBILIDADE

1 – DIVISIBILIDADE . Divisibilidade por 9 – um número é divisível por 9 se,


e somente se, a soma dos seus algarismos for divisível
por 9. Exemplos: 9, 18, 135, 13464
Um número natural a é divisível por um número natural
b quando existir um número natural k tal que a= b.k.
. Divisibilidade por 10 – um número é divisível por 10
Nesse caso, também dizemos que b é divisor de a e a é
se, e somente se, o seu último algarismo for 0.
múltiplo de b.
Exemplos: 10, 13540, 1110
Exemplos:
 4 é divisível por 2, pois 4 = 2 x 2 e 2 é um
número natural; 3 – NÚMEROS PRIMOS
 5 não é divisível por 2, pois 5 = 2 x 2,5 e 2,5 não
é um número natural; Um número natural p, com p0 e p1 é dito primo
 6 é divisível por 3, pois 6 = 3 x 2 e 2 é um quando este é divisível apenas pelos naturais 1 e p.
número natural; Logo todo número primo tem exatamente dois divisores.
 7 não é divisível por 3, pois 7 = 3 x 2,333... e
2,333... não é um número natural; Exemplos: 2,3,5,7,11,13,...
 20 é divisível por 4, pois 20 = 4 x 5 e 5 é um
número natural; * Observação: 1 não é primo, pois 1 só tem um
 21 não é divisível por 4, pois 21 = 4 x 5,25 e 5,25 divisor (que é o próprio 1);
não é um número natural;
 120 é divisível por 5, pois 120 = 5 x 24 e 24 é um * Observação: 2 é o único número primo que é par;
número natural;
 121 não é divisível por 5, pois 121 = 5 x 24,2 e
24,2 não é um número natural; 3.1 – Decomposição de um número em fatores
primos
* Observação: 0 é divisível por todos os números
naturais (podemos dizer também que 0 é múltiplo de Todo número inteiro pode ser decomposto ou fatorado
todos os números naturais), pois 0=0.n; num produto de números primos.
Exemplos: 6, decomposto como 2 x 3.
* Observação: 1 é divisor de todos os números 12, decomposto como 2 x 2 x 3.
naturais, pois n=1.n; 25, decomposto como 5 x 5.
17, decomposto como 17.
2 – CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE 135, decomposto como 3 x 3 x 3 x 5.
Além disso, a decomposição em fatores primos é única,
se não nos importarmos com a ordem dos fatores.
. Divisibilidade por 2 – um número será divisível por 2
se, e somente se, ele for par, ou seja, o algarismo das 3.2 – Regra para decompor um número em
unidades for 0 ou 2 ou 4 ou 6 ou 8.
fatores primos
Exemplos: 4, 12, 26, 138

. Divisibilidade por 3 – um número é divisível por 3 se, 1º) Divida o número pelo seu menor divisor primo;
e somente se, a soma de seus algarismos for divisível 2º) Divida o quociente da divisão anterior pelo seu menor
por 3. Exemplos: 3, 6, 12, 336 divisor primo, e faça isto sucessivamente.
Exemplos:
. Divisibilidade por 4 – um número é divisível por 4 se,
e somente se, o número formado por seus dois últimos 72 2
36 2 34 2
algarismos for divisível por 4.
18 2 17 17
Exemplos: 128, 12328, 72, 164
9 3 1
. Divisibilidade por 5 – um número é divisível por 5 se , 3 3
e somente se, o seu último algarismo for 0 ou 5. 1
Exemplos: 5, 2025, 20, 770

. Divisibilidade por 6 – um número é divisível por 6 se,


e somente se, for divisível por 2 e 3 ao mesmo tempo, ou
seja, o número precisa ser par e divisível por 3.
Exemplos: 18,138, 960, 1254

10 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Resposta: os divisores de 60 são 1, 2, 3, 4, 5, 6, 10, 12,
4 – DIVISORES DE UM NÚMERO 15, 20, 30 e 60.
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Na prática, determinamos todos os divisores de um
número utilizando sua fatoração em números primos. Nível I
Segue-se a seguinte regra:
1. Considere os números: 21, 32, 41, 55, 126, 384, 570,
1º) Decompõe-se o número em fatores primos. Depois, 2541, 7920. Pergunta-se:
traça-se uma linha vertical e escreve-se os fatores a) Quais deles são divisíveis por 2?
primos do lado esquerdo da linha, um embaixo do outro; b) Quais deles são divisíveis por 3?
c) Quais deles são divisíveis por 4?
2º) Do lado direito da linha vertical, escreve-se o número d) Quais deles são divisíveis por 5?
1 no alto, pois 1 é divisor de qualquer número; e) Quais deles são divisíveis por 6?
f) Quais deles são divisíveis por 9?
3º)Multiplica-se sucessivamente cada fator primo pelos g) Quais deles são divisíveis por 10?
divisores já obtidos e escreve-se esses produtos ao lado
de cada fator primo, do lado direito da linha vertical; 2. Entre os seguintes números, quais deles são primos?
a) 2 b) 5 c) 9 d) 27 e) 29 f) 31 g)45 h) 47 i) 49
4º)Os divisores já obtidos não precisam ser repetidos.
3. Quantos números primos existem entre 90 e 100?
Exercício Resolvido 1:
4. Decomponha os seguintes números em fatores
Encontre todos os divisores de 72. primos:
a) 12 b) 18 c) 30 d) 300 e) 1000
Resolução:
5. Decomponha os seguintes números em fatores
Do exemplo do tópico 3.2, tem-se que a decomposição primos:
de 72 em fatores primos é 72=2.2.2.3.3. Então, seguindo a) 7 b) 15 c) 36 d) 315 e) 1080
os passos da regra acima, tem-se:

1 Nível II
2 2
2 4 6. Para cada número abaixo, determine os seus
2 8 divisores:
3 3,6,12,24 a) 12 b) 18 c) 30 d) 300 e) 1000
3 9,18,36,72
7. Para cada número abaixo, determine os seus
Resposta: os divisores de 72 são 1, 2, 3, 4, 6, 8, 9, 12, divisores:
18, 24, 36 e 72. a) 7 b) 15 c) 36 d) 315 e) 1080

Exercício Resolvido 2: 8. Para cada número abaixo, determine os seus


divisores:
Encontre todos os divisores de 60. a) 8 b) 28 c) 42 d) 280 e) 2520

Resolução:

Primeiro, vamos decompor 60 em fatores primos: GABARITO


60 2 1. a) 32, 126, 384, 570, 7920
30 2 b) 21, 126, 384, 570, 2541, 7920
15 3 c) 32, 384, 7920
5 5 d) 55, 570, 7920
1 e) 126, 384, 570, 7920
f) 126, 7920
Agora, vamos encontrar os divisores seguindo a regra: g) 570, 7920
1
2 2 2. Os números primos são 2, 5, 29, 31 e 47.
2 4
3 3,6,12 3. Há 1 número primo (97) entre 90 e 100
5 5,10,15,20,30,60
4. a) 12=2.2.3
b) 18=2.3.3

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 11


c) 30=2.3.5
d) 300=.2.2.3.5.5
e) 1000=2.2.2.5.5.5

5. a) 7=7
b) 15=3.5
c) 36=2.2.3.3
d) 315=3.3.5.7
e) 1080=2.2.2.3.3.3.5

6. a) 1, 2, 3, 4, 6, 12.
b) 1, 2, 3, 6, 9, 18.
c) 1, 2, 3, 5, 6, 10, 15, 30.
d) 1, 2, 3, 4, 5, 6, 10, 12, 15, 20, 25, 30, 50, 60, 75,
100, 150, 300.
e) 1, 2, 4, 5, 8, 10, 20, 25, 40, 50, 100, 125, 200, 250,
500, 1000.

7. a) 1, 7.
b) 1, 3, 5, 15.
c) 1, 2, 3, 4, 6, 9, 12, 18, 36.
d) 1, 3, 5, 7, 9, 15, 21, 35, 45, 63, 105, 315.
e) 1, 2, 3, 4, 5, 6, 8, 9, 10, 12, 15, 18, 20, 24, 27, 30,
36, 40, 45, 54, 60 , 72, 90, 108, 120, 135, 180, 216, 270,
360, 540, 1080.

8. a) 1, 2, 4, 8.
b) 1, 2, 4, 7, 14, 28.
c) 1, 2, 3, 6, 7, 14, 21, 42.
d) 1, 2, 4, 5, 7, 8, 10, 14, 20, 28, 35, 40, 56, 70, 140,
280.
e) 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 12, 14, 15, 18, 20, 21,
24, 28, 30, 35, 36, 40, 42, 45, 56, 60, 63, 70, 72, 84, 90,
105, 120, 126, 140, 168, 180, 210, 252, 280, 315, 360,
420, 504, 630, 840, 1260, 2520.

12 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO IV – MDC E MMC

1 – MDC Exercício Resolvido 2:

Sejam dois ou mais números naturais não Calcule o MDC entre 80 e 300.
simultaneamente nulos. Então esses números
podem ter divisores comuns. O máximo divisor Resolução:
comum (MDC) entre esses números é o maior
número entre os seus divisores comuns. 80 2 300 2
40 2 150 2
Exemplos: 20 2 75 3
10 2 25 5
Divisores de 6: 1, 2, 3, 6 5 5 5 5
Divisores de 12: 1, 2, 3, 4, 6, 12 1 1
Divisores comuns de 6 e 12: 1, 2, 3, 6
Logo, MDC(6,12) = 6 Logo 80=24.5 e 300=22.3.52. Assim, os
fatores primos comuns são 2 e 5. O 2 tem expoente
Divisores de 20: 1, 2, 4, 5, 10, 20 4 no 80 e expoente 2 no 300, então o menor
Divisores de 24: 1, 2, 3, 4, 6, 8, 12, 24 expoente para o 2 é 2. O 5 tem expoente 1 no 80 e
Divisores comuns de 20 e 24: 1, 2, 4 expoente 2 no 300, então o menor expoente para o 5
Logo, MDC(20,24) = 4 é 1.

Divisores de 6: 1, 2, 3, 6 Resposta: MDC(80,300)=22.5=4.5=20


Divisores de 12: 1, 2, 3, 4, 6, 12
Divisores de 15: 1, 3, 5, 15 1.1 – Números primos entre si
Divisores comuns de 6, 12 e 15:1, 3
Logo, MDC(6,12,15) = 3 .Dois números inteiros a e b, não nulos, são
chamados primos entre si se, e somente se, o único
Divisores de 12: 1, 2, 3, 4, 6, 12 divisor comum de a e b é 1, ou seja o MDC entre
Divisores de 20: 1, 2, 4, 5, 10, 20 eles é 1.
Divisores de 24: 1, 2, 3, 4, 6, 8, 12, 24 .Dois números inteiros consecutivos sempre
Divisores comuns de 12,20 e 24: 1, 2, 4 são primos entre si.
Logo, MDC(12,20,24) = 4 .Dois números primos e diferentes são primos
entre si.
Para calcular o MDC entre dois ou mais
números, devemos seguir uma série de passos: Exemplos:
1º) Decompomos os números em fatores primos.
2º) Tomamos os fatores comuns com o menor MDC(5,6)=1, logo 5 e 6 são primos entre si;
expoente. MDC(3,5)=1, logo 3 e 5 são primos entre si;
3º) Multiplicamos esses fatores comuns entre si. MDC(6,8)=2, logo 6 e 8 não são primos entre si;
MDC(9,12)=3, logo 9 e 12 não são primos entre si;
Exercício Resolvido 1:
2 – MMC
Calcule o MDC entre 16 e 40.
Um número a é múltiplo de b, quando existir
Resolução: um número natural k, tal que a=b.k.
Exemplos:
16 2 40 2
8 2 20 2 4 é múltiplo de 2, pois 4 = 2 x 2
4 2 10 2 325 é múltiplo de 13, pois 325 = 13 x 25
2 2 5 5
1 1 Então para calcular os múltiplos de um
número, temos que multiplicá-lo pelos números
Logo, 16 = 24 e 40 = 23.5 Assim, o único inteiros.
fator comum é o 2, que tem expoente 4 no 16 e
expoente 3 no 40. Então o menor expoente para o 2 Observação: Todos os naturais são múltiplos
é 3. do número 1;
Observação:. 0 é múltiplo de qualquer natural;
Resposta: MDC(16,40)=23=8

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 13


Sejam dois ou mais números naturais não 3 – PRODUTO DO MDC PELO MMC
nulos. Então esses números podem ter múltiplos
comuns. O mínimo múltiplo comum (MMC) entre
esses números é o menor número, maior do que Se temos 2 números naturais a, b não nulos, então
zero, entre os seus múltiplos comuns.
a.b=MDC(a,b).MMC(a,b)
Exemplos:
Exemplos:
Múltiplos de 2: 0,2,4,6,8,10,12,14,16,18,20,22,...
Múltiplos de 5: 0,5,10,15,20,25,... MDC(2,5)=1 e MMC(2,5)=10, então:
Múltiplos comuns de 2 e 5: 0,10,20,... MDC(2,5).MMC(2,5)=1.10=10=2.5
Logo, MMC(2,5)=10
MDC(20,24)=4 e MMC(20,24)=120, então.
Múltiplos de 4: 0,4,8,12,16,20,24,28,... MDC(20,24).MMC(20,24)=4.120=480=20.24
Múltiplos de 8: 0,8,16,24,...
Múltiplos comuns de 4 e 8: 0,8,16,24,... Observação: Se dois números são primos entre
Logo, MMC(4,8)=8 si, o MMC entre eles é o seu produto.

Múltiplos de 2: 0,2,4,6,8,10,12,14,16,18,20,22,... Exercício Resolvido 5:


Múltiplos de 4: 0,,4,8,12,16,20,24,28,...
Múltiplos de 5: 0,5,10,15,20,25,... Sabe-se que o MDC entre dois números é 10 e o
Múltiplos comuns de 2, 4 e 5: 0,20,... MMC entre eles é 210. Se um deles é igual a 70,
Logo, MMC(2,4,5)=20 quanto vale o outro?

Para calcular o MMC. entre dois ou mais números, Resolução:


devemos seguir também uma série de passos:
1º) Decompomos os números em fatores primos. Se n é o número desconhecido, tem-se que:
2º) Tomamos os fatores comuns e não-comuns
com o maior expoente. 70. 𝑛 = 𝑀𝐷𝐶(70, 𝑛). 𝑀𝐷𝐶(30, 𝑛) ⇒ 70𝑛 = 10.210 ⇒
3º) Multiplicamos esses fatores entre si. 2100
⇒ 70𝑛 = 2100 ⇒ 𝑛 = ⇒ 𝑛 = 30
70
Exercício Resolvido 3:
Resposta: O outro número vale 30.
Calcule o MMC entre 24 e 45.
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Resolução:

45 3
Nível I
24 2
12 2 15 3
6 2 5 5 1. Encontre o MDC entre os seguintes números:
3 3 1 a) 5,10 b) 56,60 c) 100,150 d) 6,18,24 e) 10,15,22
1
2. Para cada par de números, indique se eles são
Logo 24=23.3 e 45=32.5. Assim, os fatores comuns e primos entre si ou não.
não-comuns são 2,3,5. O maior expoente para o 2 é a) 16,18 b) 14,15 c) 7,21 d) 7,11 e) 1,8
3, o maior expoente para o 3 é 2 e o maior expoente
para o 5 é 1. 3. Encontre o MMC entre os seguintes números:
a) 5,8 b) 40,60 c) 25,80 d) 4,15,20 e) 25,35,40
Resposta: MMC(24,45)=23.32.5=8.9.5=360
4. Sabendo que dois números são primos entre si e
Exercício Resolvido 4: que o produto entre eles é 100, quais são os dois
menores múltiplos comuns positivos desses
Calcule o MMC entre 16, 24 e 80. números?

Resolução: 5. Sabendo que o produto de dois números é 1134 e


que o seu MMC é 81, determine o MDC entre eles.
Nos exercícios resolvidos acima, vimos que 16=24,
24=23.3 e 80=24.5. Assim, os fatores comuns e não- 6) O produto de dois números é 2160 e o seu MDC é
comuns são 2,3,5. O maior expoente para o 2 é 4, o 6. Calcule o MMC entre esses números.
maior expoente para o 3 é 1 e o maior expoente para
o 5 é 1.

Resposta: MMC(16,24,80)=24.3.5=16.3.5=240

14 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Nível II

7. O pedreiro Pedro Natal possui 3 fios de arame de


comprimentos diferentes. O primeiro tem 40 metros,
o segundo tem 42 metros, e o terceiro tem 60
metros. Ele deseja cortar os fios em partes de
mesmo comprimento, de forma que não haja sobra
de arame. Qual o maior comprimento possível para
cada corte dos fios, de forma que os 3 fios sejam
cortados em pedaços do mesmo tamanho?

8. A lâmpada de um farol pisca uma vez a cada 20


segundos. Outro farol possui uma lâmpada que pisca
uma vez a cada 22 segundos. Sabendo que as duas
lâmpadas começam a piscar juntas, depois de
quanto tempo voltarão a piscar juntas novamente?

9. Determinar os dois menores múltiplos comuns


positivos dos números 45, 54 e 81.

10. Determine k no número A=2k.52, sabendo que o


MDC entre A e 120 é 20.

11. Determine m e n nos números A=2m.15 e


B = 4.3n, sabendo-se que o MMC entre A e B é 360.

12. Determine o valor de x no número N=3.52.2x+1,


para que o MDC entre 96, N e 240 seja 24.

GABARITO

1. a) 5 b) 4 c) 50 d) 6 e) 1
2. a) Não b) Sim c) Não d) Sim e) Sim
3. a) 40 b) 120 c) 400 d) 60 e) 1400
4. 100 e 200
5. 14
6. 360
7. 2 metros.
8. 220 segundos.
9. 270 e 540.
10. k=2
11. m=3, n=2
12. x=2

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 15


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO V - FRAÇÕES

1 – OPERAÇÕES COM FRAÇÕES 1.2 – Classificação das frações

Neste capítulo vamos rever operações com As frações se classificam da seguinte maneira:
frações, verificando a validade das propriedades .Fração própria: o numerador é menor que o
operatórias dos números racionais. Veremos também o 2 1 7
cálculo de expressões numéricas com frações, de denominador: Exemplos: , ,
4 3 9
acordo com a ordem em que as operações devem ser
efetuadas. .Fração imprópria: o numerador é maior ou igual ao
Dado o símbolo a , sendo a e b números
4 5 10
denominador. Exemplos: , ,
b 3 5 8
naturais e b diferente de zero. .Fração aparente: o numerador é múltiplo do
Chamamos: 6 24 8
.a de fração; denominador. Exemplos: , ,
b 3 12 4
. a de numerador; .Frações equivalentes: frações que têm o mesmo valor,
. b de denominador. mas cujos termos são diferentes.
a 1 2
Temos que se a é múltiplo de b, então é um Exemplos: ,
b 2 4
número natural. Para obtermos frações equivalentes, é preciso
multiplicar ou dividir o numerador e o denominador de
24 uma fração por um mesmo número natural diferente de
Por exemplo: Na fração temos: 24 é o numerador e
3 zero. Por exemplo, ao determinarmos as frações
3 é o denominador. A divisão de 24 por 3, nos dá o 2
quociente 8. Assim a fração representa um número equivalentes a , temos:
natural e 24 é múltiplo de 3. 3

1.1 – O significado de uma fração

Como já vimos anteriormente, os números


fracionários constituem o conjunto dos números
racionais e podem ser números naturais ou não.
Uma fração envolve a seguinte idéia: dividir
algo em partes iguais. Dentre essas partes,
consideramos uma ou algumas, conforme nosso
interesse. Toda fração equivalente representa o mesmo
3 número fracionário.
Exemplo: Fulgêncio comeu de um chocolate.
4
Isso significa que, se dividíssemos o chocolate em 4 1.3 – Simplificação de frações
partes iguais, Fulgêncio teria comido 3 partes: 9
Uma fração equivalente a , com termos
12
3
menores, é . A
4
3
fração foi obtida dividindo-se ambos os termos da
Na figura acima, as partes pintadas seriam as
4
partes comidas por Fulgêncio, e a parte branca é a parte fração pelo fator comum 3. Podemos dizer também que
que sobrou do chocolate. 3 9
a fração é uma fração simplificada de .
4 12
3
A fração não pode ser simplificada, por isso é
4
chamada de fração irredutível. A fração não pode ser
simplificada porque 3 e 4 não possuem nenhum fator
comum, ou seja, 3 e 4 são primos entre si.

16 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


1.4 – Adição e subtração de frações Vamos efetuar a seguinte adição:
1 1
Temos que analisar dois casos:  
2 3
1.4.1 – Frações homogêneas (que têm Como o número 6 é o MMC entre 2 e 3, ele será o
denominadores iguais) denominador das frações equivalentes às frações dadas.
3 2 3 2 5
  
A adição e a subtração de frações homogêneas 6 6 6 6
(que têm denominadores iguais) são efetuadas,
repetindo-se os denominadores e efetuando-se as Então, é preciso multiplicar o numerador e o
devidas operações com os numeradores. Veja: denominador de cada fração, pelo mesmo número, de
maneira a obtermos o denominador 6.
3 2 3 2 5 Para subtrair frações, seguimos o mesmo procedimento:
a)   
7 7 7 7 5 1 15 4 15  4 11
     (MMC entre 6 e 8: 24)
8 6 24 24 24 24
5 3 53 2
b)    Sempre que efetuamos qualquer operação com
8 8 8 8
frações, devemos encontrar o resultado mais simples
possível, ou seja, uma fração equivalente que seja
As propriedades da adição de números naturais
irredutível.
também são válidas para a adição de números
O processo usado para simplificar uma fração é
fracionários.
a aplicação da mesma propriedade usada para encontrar
frações equivalentes, ou seja:
Propriedade comutativa: a ordem das parcelas não
altera a soma 64
Na simplificação da fração , temos:
2 1 1 2 3 60
   
5 5 5 5 5
Propriedade associativa: podemos associar duas ou
mais parcelas, de maneiras diferentes, sem que o
resultado (soma) seja alterado.
 3 1 5 3 1 5 9
       
8 8 8 8 8 8 8
Repare que para encontrar a fração irredutível
9
Importante: Uma fração do tipo , que tem o equivalente, dividimos 60 e 64 por 4, que é o MDC entre
8 60 e 64.
numerador maior que o denominador (imprópria), é
8 16 64
maior que a unidade ( ). Portanto, pode ser escrita na Portanto, é a forma simplificada da fração :
8 15 60
forma de número misto.
O número misto é formado por uma parte inteira e uma Observação: para encontrar a fração irredutível
parte fracionária: equivalente a uma fração qualquer, basta dividir o
9 8 1 1 1 numerador e o denominador da fração original pelo
   1  1 → número misto lê-se: MDC entre eles!
8 8 8 8 8
um inteiro e um oitavo Vejamos um exemplo de expressões com frações:

1.4.2 – Frações heterogêneas (que têm 5 7 3


denominadores diferentes)    (MMC entre 6, 8, 12: 24)
6 12 8
No caso de efetuarmos a adição e a subtração
20 14 9 6 9
com frações heterogêneas (que têm denominadores      
diferentes), é preciso transformá-las em frações 24 24 24 24 24
equivalentes diferentes que tenham denominadores
iguais.
As frações equivalentes que servem como
15 5
ferramenta para efetuar a adição ou subtração terão   (Simplificação)
denominadores iguais ao MMC dos denominadores das 24 8
frações iniciais.

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 21


Para você resolver uma expressão com frações, Observe que cada parte da figura, após a
você deve efetuar as operações na ordem em que 1
aparecem e simplificar o resultado. segunda divisão, equivale a da figura toda, logo:
12
1 2 10 1 4 1 1 1 1 1
1   (MMC entre 5 e 10:10)    3
de
4
= . =
3 4 12
10 5 10 10 10
(O número natural 1 foi escrito como uma fração, no Então, para multiplicar frações, devemos
multiplicar os numeradores e os denominadores entre si.
10 Quando fazemos uma multiplicação de frações,
caso: .)
10 podemos simplificar a operação usando o processo de
9 4 5 1 cancelamento. Veja:
   (Simplificação – não esqueça!)
10 10 10 2 5 4 5 14 5
.  . 
8 9 8 2 9 18
Quando as expressões apresentam os sinais de
pontuação, devemos seguir os mesmos passos das
Para multiplicar uma fração por um número inteiro,
expressões numéricas do capítulo 1, ou seja:
devemos multiplicar esse número pelo numerador da
fração e repetir o denominador. Por exemplo:
1º) Inicialmente, efetuamos as operações que estão
3 6
entre parênteses ( ). 2. 
2º) Em seguida, as que estão entre colchetes [ ]. 5 5
3º) E, por último, as que estão entre chaves { }. Na divisão de números fracionários, devemos
Observe: multiplicar a primeira fração pelo inverso da segunda
fração, como é mostrado no exemplo abaixo:
 3 1  1   15 4  1  8
2        2       
 4 5  6   20 20  6  3  8 x 3  24  2
4 3 4 12
 11 1   33 10  23 3
2    2    2 
 20 6   60 60  60 Nas expressões numéricas com frações,
devemos lembrar que a ordem em que as operações
120 23 97 60 37 37 devem ser efetuadas é a mesma que já aprendemos no
    1 capítulo anterior, ou seja:
60 60 60 60 60 60
1º) Potenciação e radiciação;
2º) Multiplicação e divisão;
1.5 – Multiplicação e divisão de frações
3º) Adição e subtração;
Na figura abaixo, dividida em quatro partes
iguais, temos assinalado uma das partes que representa Exercício Resolvido 1:
1 1 2 4
da figura. Calcule o valor da expressão 3 − [2 ( + ) − ]
4 3 5 5

Resolução:

1 2 4 5 6 4
1 3 − [2 ( + ) − ] = 3 − [2 ( + ) − ] =
3 5 5 15 15 5
4
1 11 4 22 4 22 12
Para representar da parte assinalada, ou = 3 − [2. − ] =3−[ − ]= 3−[ − ] =
3 15 5 15 5 15 15
1 1 1
seja, de , vamos dividir essa parte ( ) em três 10 45 10 35 7
3 4 4 = 3− = − = =
15 15 15 15 3
partes iguais e, em seguida, estender a divisão para a
figura toda.

20 Nivelamento – Álgebra CASD Vestibulares


2 – DÍZIMAS PERIÓDICAS 4
 0,8; 0,80; ...
5
Sabemos que, quando dividimos um número
6 8
inteiro por outro, podemos encontrar como quociente um  0,666...; ; ...
número inteiro ou um número decimal. Por exemplo: 9 12
20 100
=4 = 2,5 Além disso, observamos que todos esses números
5 40
podem ser representados em forma de fração. Por isso,
Vejamos, agora, o que acontece quando dividimos 41 todos eles são números racionais.
por 9:
41 2.1 – Encontrando a fração geratriz de uma
= 4,555 … dízima periódica
9
Se continuarmos a conta, encontraremos sempre
o algarismo 5 no quociente, e o resto será sempre o Acabamos de notar que todo número na forma
mesmo (5). decimal exata ou de dízima periódica pode ser
Se fizermos essa conta numa máquina de a
calcular, aparecerá no visor o número 4.5555555 (ou convertido à forma de fração e, portanto, representa
b
seja, 4,5555555). Nesse caso, o algarismo 5 aparece
um número racional.
repetido 7 vezes. Se a mesma conta for feita numa
Quando o número decimal tem uma quantidade
máquina maior, encontraremos um resultado com o
finita de algarismos diferentes de zero, ele é chamado de
algarismo 5 repetido mais vezes (9 ou 11 vezes).
um decimal exato e ao transformá-lo na forma de fração
Concluímos, então, que a divisão de 41 por 9 nunca
obtemos um número fracionário cujo numerador é um
termina e que os pontos indicam que o algarismo 5 se
número natural e cujo denominador é o algarismo 1
repete indefinidamente. O número 4,555... é chamado de
seguido de tantos zeros quantas forem as casas depois
dízima periódica e o algarismo 5 é o período da dízima.
da vírgula do número dado.
Podemos dizer também que a parte inteira da dízima
Exemplos:
(que é o número que vem antes da vírgula) é 4.
45 731235
Podemos também representar a dízima periódica 0, 45  73,1235 
colocando um traço sobre o período: 4, 5 . 100 10.000
41
Como essa dízima é gerada pela divisão , Quando o número decimal é uma dízima periódica,
9
41 sempre é possível determinar a fração que originou a
pode-se dizer que a geratriz da dízima é a fração . dízima periódica. Como acabamos de ver, esta fração é
9
Daqui a pouco vamos estudar a geratriz com mais denominada de geratriz da dízima periódica.
detalhes.
Seguem abaixo exemplos de como transformar uma
Assim, uma dízima periódica é um número dízima periódica em fração:
decimal que tem uma quantidade infinita de algarismos
que se repetem periodicamente. 1º) 0,5555...
5
Vejamos outros exemplos de geratrizes e as x  0,555...  9 x  5  x 
. 9
respectivas dízimas periódicas:
10 x  5,555...
17
= 1,8888 … O período é 8, a parte inteira é 1.
9
7
= 0,2121 … O período é 21, a parte inteira é zero. 2º) 0,4747...
33
47
Nesses dois exemplos, os períodos aparecem x  0, 474747...  99 x  47  x 
logo após a vírgula. Elas são chamadas de dízimas 99
periódicas simples. As dízimas nas quais aparece algum 100 x  47, 4747...
outro número entre a vírgula e o período, são chamadas
de dízimas periódicas compostas. Por exemplo:
3º) 0,2373737...
x  0, 2373737...
1,4888... O período é 8, a parte não-periódica é 4, a
parte inteira é 1. 235
0,3272727... O período é 27, a parte não-periódica é 3, a
10 x  2,3737...  990 x  235  x 
990
parte inteira é zero.
1000 x  237,3737...
Os números que vimos até agora podem ter muitas
representações, como:
4º) 7,989898...
10
 5; 5,0; ...
2
CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 21
791
x  7,989898...  99 x  791  x 
99 2
6. Ao receber seu salário, Pedro gastou com o
100 x  798,989898... 5
5º) 3,68424242.... aluguel e ½ do que sobrou em custos com alimentação.
Que fração do salário ainda restou?
x  3,68424242...
36474 7. Diga se estes números são racionais ou irracionais:
100 x  368, 424242...  9.900 x  36474...  x  a) 4 b) 4,333 c) 4,33...
9.900
d)1,010010001... e) 4,330 f) 0
10.000 x  36842, 424242...
8. Efetue as divisões com quociente decimal:
Agora observe o número 0,10110111011110 .... 1 2 3
a) b) c)
9 9 9
Ele tem infinitas casas decimais, mas sem
período. Será que você pode concluir como serão as 9. Agora, sem efetuar a conta, dê o resultado decimal de:
casas decimais seguintes? A parte decimal começa com 4 5 6
1 seguido de zero, depois 11 seguido de zero, depois a) b) c)
9 9 9
111 seguido de zero e assim por diante. Ou seja, o
número nunca terá um fim nem um período. Como ele 10. Escreva a representação decimal de:
não é um decimal exato nem uma dízima, ele não é um 13 7 56 64
número racional. a) b) c) d)
99 20 9 15
Um número desse tipo é chamado de número
irracional. Um número irracional não é resultado de
nenhuma divisão de números inteiros; ele não pode ser 11. Escreva se a representação decimal é finita, infinita e
escrito em forma de fração. Já vimos um número periódica ou infinita e não-periódica:
irracional muito conhecido, o número , que vale 17
aproximadamente 3,1416. Você verá mais adiante a) b) 3,45 c) 0,35
exemplos de números irracionais, que surgem 5
naturalmente em muitos cálculos matemáticos. 4
d) 0,12131415... e) f) π
6
EXERCÍCIOS PROPOSTOS 12. Escreva estes números racionais na forma de fração:
a) 3 b) 2,5 c) 0,555... d) 0
Nível I
13. Coloque na forma de uma fração irredutível os
5 6 7 8 9 seguintes números racionais:
1. Determine a menor fração entre , , , , a) 0,4 b) 0,444... c) 0,32
2 3 4 5 6
d) 0,323232... e) 54,2 f) 5,423423423...
3 4 2 5 8
2. Determine a maior fração entre , , , ,
8 5 3 6 11 Nível II
3. Coloque em ordem crescente os seguintes números 14. Calcule o valor de:
15 11 18 47 2
racionais: , , , 1, 48 , 3 0, 2.0,7  4.0,01
16 12 19 
0,5.0, 2
4. Complete o quadro de modo que a soma dos números
de cada linha, de cada coluna e da diagonal seja a 15. Resolva (cuidado com números mistos):
mesma:
2 5 2 3 
 x   x  x0,5 
2 1 1 a)  4 3 5   4 
0,63: 0,1
3 12 2
 2 1 5 2 
5 7  3   :   5 x3 
12 12 b)  5 2   3 4 
1
1 1 x0, 75
5
3 6

5. Efetue e simplifique o resultado, sempre que possível:


3 1 3 2 1 3
a) − 2 + 20 b) (3 + 6) − (1 − 10)
4
3 2 5 9 1
c) + 3.4 d) (4 − 3 . 10)
10 10
20 Nivelamento – Álgebra CASD Vestibulares
16. Resolva as expressões: GABARITO
1 1
 9
a) 0,999...  5 3  1.
6
3 1

5 15 5
2.
6
b) 0,363636... (0, 012  45) =
2 11 15 18 47
3. , , , , ,1
3 12 16 19 48
0,333...  0,06
c) 4.
1
3 2 1 1
9
0,333...: 0, 06 3 12 2
d) 1 5 7
1
3 1 4 12 12
9 1 3 1
3 4 6
2 5 2 5 2 
        3 1 2 17 3
e)
4 3 5 3 4  5. a)
10
b)
15
c)
15
d)
5
1
 0,75 3
5 6.
10

0,777...  1,2 3,4  5 7. a) Racional b) Racional c) Racional


f)   d) Irracional e) Racional f) Racional
1,555...  1,44 2  9
3 18 8. a) 0,111... b) 0,222... c) 0,333...

17. Resolva a expressão abaixo: 9. a) 0,444... b) 0,555... c) 0,666...

0, 3̅ 7 9 3 3 10.a) 0,1313... b) 0,35 c) 6,2222... d) 4,26666...


+ 0,83̅ [ − ] + .
9 7 0, 6̅ 8 12 2 5
− +
5 15 ̅
0,45 11. a) Finita b) Finita c) Finita
4+
{ 2 + 3[21 − 3(3 + 1) + 4]} d) Infinita e não-periódica e) Infinita e periódica
f) Infinita e não-periódica
Lembre-se que os números embaixo do traço são a parte
periódica de uma dízima. 3 5 5 0
12. a) b) c) d)
1 2 9 1

2 4 8 32 271 602
13. a) b) c) d) e) f)
5 9 25 99 5 111

14. 1

13 116
15. a) b)
504 109

200 25 50 52 139
16. a) 1,999 … = 2 b) c) d) e) f)
297 13 17 57 150

23
17.
24

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 21


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO VI – RAZÕES E PROPORÇÕES

1 – RAZÕES E PROPORÇÕES

1.1 - Razão

A razão entre dois números a e b  0, nessa


a
ordem, é o quociente (lê-se “a está para b” ou “a
b
para b”). 1
Este é um conceito bastante importante em escala ou 1:100
nosso cotidiano. Vejamos:
100

Se uma caixa d’água produz uma sombra de 20 m Resolução:


e um homem com 1,80 m de altura produz uma sombra A razão entre as medidas que aparecem na
de 1,20 m, medidas no mesmo local e na mesma hora, 1
planta da sala e as medidas reais são de 1: 100 ou
qual é a altura da caixa? 100
Comparando o comprimento da sombra do homem com (lê-se 1 para 100), o que significa que as medidas reais
sua altura, medidos em centímetros (cm), encontramos: são 100 vezes maiores do que as medidas assinaladas
na planta.
120 2 Para determinar as medidas reais da sala, vamos
= , depois de simplificar a fração.
180 3 multiplicar as medidas da planta por 100:
6 cm . 100 = 600 cm = 6 m
A razão é uma das formas que usamos para 8 cm . 100 = 800 cm = 8 m
comparar dois números. Dizemos que a razão entre o
As medidas reais da sala são, portanto, 6 m e 8
2
comprimento da sombra e a altura do homem é de ou m. O mesmo deveria ser feito com qualquer outra
3 medida que aparecesse na planta, como, por exemplo,
2/3 ou 2 : 3 que se lê 2 para 3. Como as medidas foram largura e altura de portas e janelas. Vimos que uma
feitas na mesma hora e no mesmo local, a razão entre o razão compara dois números pela divisão.
comprimento da sombra da caixa d’água e sua altura
2 Assim podemos definir:
também será . A altura da caixa d’água é igual a 30
3 a
20 2 Dados os números a e b cuja razão é dada por
m, pois a razão é igual a . b
30 3 temos que o número a é chamado antecedente ou
primeiro termo e o número b é chamado conseqüente
.Haviam 1200 inscritos num concurso, passaram ou segundo termo.
na prova um total de 240 candidatos.
Qual a razão dos candidatos aprovados nesse concurso: Observações:

.A razão entre dois números racionais pode ser


apresentada de três formas. Por exemplo, a razão entre
1 e 4 pode ser apresentada como
1
1:4 ou ou 0,25.
(de cada 5 candidatos 4
inscritos, 1 foi aprovado).
.A razão entre dois números racionais pode ser
No caso de mapas geográficos, plantas de casas expressa com sinal negativo, desde que seus termos
ou maquetes de projetos, a escala determina a relação tenham sinais contrários. Por exemplo, a razão entre 1 e
entre as medidas de um desenho e as medidas reais que 1
-8 é
correspondem a ele. 8
.Duas razões são denominadas inversas entre si
Exercício Resolvido 1: quando o produto delas é igual a 1.
6 8 6 8
A planta de uma sala retangular está desenhada Exemplo: e  . 1
na escala 1:100. Determine as medidas reais dessa sala. 8 6 8 6

22 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


O conceito de razão tem diversas aplicações em 3 27
ciências variadas, dentre elas podemos citar a Física, a Exemplos: 
Geografia e a Química. Nessas áreas, utilizamos várias 4 36
vezes razões entre grandezas de espécies diferentes.
Vejamos alguns exemplos: 1.2.1 – Propriedades das proporções

- Raquel foi passar suas férias no Rio de Janeiro. Se os números a, b, c e d formam, nessa ordem,
Apesar de ter se encantado com a cidade, teve que uma proporção, então:
voltar para São Paulo. A viagem durou 5 horas e o
percurso total tinha 450 Km. Qual a razão entre a medida a c
dessas grandezas? O que significa essa razão?   ad  bc
b d
450km
Razão =  90km / h O produto dos extremos é igual ao produto dos
5h meios.

Razão = 90 km/h (lê-se "90 quilômetros por hora"). a c ab cd


Essa razão significa que a cada hora foram percorridos   
b d b d
em média 90 km.
A soma (ou diferença) dos dois primeiros está para o
- O estado do Ceará no último censo teve uma
segundo, assim como a soma (ou diferença) dos
população avaliada em 6.701.924 habitantes. Sua área é
dois últimos está para o último.
de 145.694 km 2. Determine a razão entre o número de
habitantes e a área desse estado. O que significa essa
a c ac a c
razão?    
b d bd b d
6.701.924habi tan tes
Razão = A soma (ou diferença) dos antecedentes está para a
145.694km2 soma (ou diferença) dos conseqüentes assim como
cada antecedente está para o correspondente
Razão = 46 hab/km2 (lê-se "46 habitantes por quilômetro
conseqüente.
quadrado").
Essa razão significa que em cada quilômetro quadrado
existem em média 46 habitantes.
Exercício Resolvido 2:

- Um cubo de ferro de 125cm³ de volume tem Uma pessoa viaja 120 km em 2 horas. Quantas horas
massa igual a 975g. Determine a razão entre a massa e levará a mesma pessoa para percorrer 180 km com a
o volume desse corpo. O que significa essa razão? mesma velocidade?

975𝑔 Resolução:
Razão = 120 180
125𝑐𝑚3 =
2 ?
Razão = 7,8 g/cm3 (lê-se "7,8 gramas por centímetro
cúbico"). Essa igualdade é uma proporção, e os números
Essa razão significa que 1cm3 de ferro pesa 7,8g. que medem as distâncias e o tempo são proporcionais.
Quanto maior a distância, maior será o tempo para
percorrê-la. Como calcular o número que não se
1.2 - Proporção conhece na proporção desse exemplo?
Substituindo o ponto de interrogação (?) pela letra x, que
Quando encontramos uma igualdade entre duas é usada em lugar do termo desconhecido,
razões, a relação matemática é chamada de proporção,
e dizemos que as quantidades medidas são 120 180
proporcionais. = e aplicando a primeira propriedade que
Os números a, b, c e d, com b0 e d0 formam, 2 x
nessa ordem, uma proporção se, e somente se, a razão vimos anteriormente:
entre a e b for igual à razão entre c e d. Representa-se 120x = 2.180, logo 120x = 360
por: 360
Então x = (Aplicando operação inversa)
a c 120
 x=3
b d
(lê-se a está para b assim como c está para d)
Os números a e d são chamados extremos e os Resposta: a pessoa levará 3 horas para percorrer os
números b e c são chamados meios. 180 km.

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 27


Exercício Resolvido 3: 5min  100kg
10 min  200kg
x 3 1
Determinar x na proporção:  Quando triplicamos o tempo, a produção também
6 x 2 triplica.
5min  100kg
Resolução:
x 3 1 15min  300kg
  2.  x  3  1.  6  x 
6 x 2 Verifique na tabela que a razão entre a massa de ferro
2.x  2.3  6.1  1.x produzida e o tempo correspondente é constante, logo a
2x  6  6  x produção e o tempo são grandezas diretamente
proporcionais:
2x  x  6  6
100 200 300 400
3x  12  x  4 = = = = 20
5 10 15 20
Resposta: 𝑥 = 4
Exercício Resolvido 4:

Se (3,x,14,...) e (6,8,y,...) forem grandezas diretamente


1.2.2 – Grandezas proporcionais proporcionais, quanto vale x + y?
Entendemos por grandeza tudo aquilo que pode Resolução:
ser medido ou contado. As grandezas podem ter suas Se (3,x,14,...) e (6,8,y,...) forem grandezas diretamente
medidas aumentadas ou diminuídas. proporcionais, então:
Alguns exemplos de grandeza são: o volume, a
3 x 14
massa, a superfície, o comprimento, a capacidade, a  
velocidade, o tempo, o custo e a produção. 6 8 y
São comuns ao nosso dia-a-dia situações em que
3 x 3.8 3 14
relacionamos duas ou mais grandezas. Por exemplo: De  , temos x   4 e de  , temos:
6 8 6 6 y
- Em uma corrida de "quilômetros contra o relógio", 6.14
quanto maior for a velocidade, menor será o tempo gasto y  28 Assim sendo, x + y = 32
nessa prova. Aqui as grandezas são a velocidade e o 3
tempo.
Resposta: 𝑥 + 𝑦 = 32
- Num forno utilizado para a produção de ferro fundido
comum, quanto maior for o tempo de uso, maior será a Uma grandeza A é inversamente proporcional a uma
produção de ferro. Nesse caso, as grandezas são o grandeza B se, e somente se, o produto entre A e B é
tempo e a produção. igual a uma constante de proporcionalidade K.

Uma grandeza A é diretamente proporcional a A.B=K


uma grandeza B se, e somente se, a razão entre A e B
for igual a uma constante de proporcionalidade K. Exemplo: Um ciclista faz um treino para a prova de
𝑨 "1000 metros contra o relógio", mantendo em cada volta
=𝑲 uma velocidade constante e obtendo, assim, um tempo
𝑩
Exemplo: Um forno tem sua produção de ferro fundido correspondente, conforme a tabela abaixo:
de acordo com a tabela abaixo: Velocidade
Tempo (s)
(m/s)
Tempo Produção 5 200
(minutos) (Kg)
8 125
5 100
10 100
10 200
16 62,5
15 300
20 50
20 400
Observe que uma grandeza varia de acordo com a outra. Observe que uma grandeza varia de acordo com a outra.
Essas grandezas são variáveis dependentes. Observe Essas grandezas são variáveis dependentes. Observe
que: que:
Quando duplicamos a velocidade, o tempo fica reduzido
Quando duplicamos o tempo, a produção também à metade.
duplica.

26 Nivelamento – Álgebra CASD Vestibulares


5m / s  200s 𝑦 = 2𝑥 ⇒ 𝑦 = 2.150 ⇒ 𝑦 = 300
𝑧 = 3𝑧 ⇒ 𝑧 = 3.150 ⇒ 𝑧 = 450
10m / s  100s
Resposta: as partes são 150, 300, 450
Quando quadriplicamos a velocidade, o tempo fica
reduzido à quarta parte. Divisão em partes inversamente proporcionais
5m / s  200s
Dividir um número M em partes inversamente
20m / s  50s proporcionais aos números a, b e c significa determinar
Verifique na tabela que o produto entre a velocidade e o os números x, y e z, de tal modo que:
tempo correspondente é constante, logo a velocidade e o
tempo são grandezas inversamente proporcionais: 𝑎. 𝑥 = 𝑏. 𝑦 = 𝑐. 𝑧 e 𝑥 + 𝑦 + 𝑧 = 𝑁

5.200 = 8.125 = 10.100 = 16.62,5 = 20.50 = 1000 Exercício Resolvido 7:


Atenção: Em geral, quando se fala em “grandezas Divida o número 1400 em partes inversamente
proporcionais” subentende-se que são “grandezas proporcionais a 2,4,8.
diretamente proporcionais”.
Resolução:
Exercício Resolvido 5:
Sendo x, y e z as partes, temos:
Calcule x e y sabendo-se que (1,2,x,...) e (12,y,4,...) são
2𝑥 = 4𝑦 = 8𝑧
grandezas inversamente proporcionais. {
𝑥 + 𝑦 + 𝑧 = 1400
Resolução:
(1,2,x,...) e (12,y,4,...) são grandezas inversamente 2𝑥 = 8𝑧 ⇒ 𝑥 = 4𝑧; 4𝑦 = 8𝑧 ⇒ 𝑦 = 2𝑧
proporcionais.
1.12  2. y  x.4  2 y  12 e 4x =12 𝑥 + 𝑦 + 𝑧 = 1400 ⇒ 4𝑧 + 2𝑧 + 𝑧 = 1400 ⇒ 7𝑧 = 1400 ⇒ 𝑧
= 200
y=6ex=3
𝑦 = 2𝑧 ⇒ 𝑦 = 2.200 ⇒ 𝑦 = 400
𝑥 = 4𝑧 ⇒ 𝑥 = 4.200 ⇒ 𝑥 = 800
Resposta: 𝑥 = 3, 𝑦 = 6
Resposta: as partes são 800, 400, 200
1.2.3 – Divisão proporcional
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Divisão em partes diretamente proporcionais Nível I
1. Numa sala de aula há 30 alunos, dos quais 12 são
Dividir um número N em partes diretamente meninas:
proporcionais aos números a, b e c significa determinar a)Qual a razão do número de meninas para o total de
os números x, y e z, de tal modo que: alunos da turma?
𝑥 𝑦 𝑧 b)Qual é a razão do número de meninos para o total de
= = 𝑒𝑥+𝑦+𝑧 = 𝑁 alunos da turma?
𝑎 𝑏 𝑐 c)Qual é a razão do número de meninas para o número
de meninos?
Exercício Resolvido 6:
2. Quanto custa 12 canetas se 4 canetas custam R$
Divida o número 900 em partes diretamente 3,50?
proporcionais a 3,6,9. 3. A planta de uma casa foi feita em escala de
1: 50. Quanto medirá na planta uma parede que mede
Resolução: 20 m?

Sendo x, y e z as partes, temos: 4. Nesta tabela, devemos encontrar vários pares de


números A e B. Complete a tabela de modo que a razão
𝑥 𝑦 𝑧 6
= = de A para B seja sempre o número .
{ 3 6 9 7
𝑥 + 𝑦 + 𝑧 = 900
A B Razão Forma mais
𝑥 𝑦 𝑥 A/B simples de A/B
= ⇒ 𝑦 = 6. ⇒ 𝑦 = 2𝑥 a) 12 14 12 6
3 6 3
𝑥 𝑧 𝑥
= ⇒ 𝑧 = 9. ⇒ 𝑧 = 3𝑥 14 7
3 9 3 b) 21
c) 30
𝑥 + 𝑦 + 𝑧 = 900 ⇒ 𝑥 + 2𝑥 + 3𝑥 = 900 ⇒ 6𝑥 = 900 ⇒ 𝑥
= 150 d) 100
e) 100
CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 27
5. Determine o valor de x em cada uma das seguintes 16. Um número foi dividido em partes proporcionais a 3,5
igualdades de modo que elas se tornem verdadeiras: e 7. Sabendo-se que a terceira parte vale 420,
20 x 14 x calcular os valores da primeira parte, da segunda e do
a) = b) = número.
8 6 30 90
x 75 x 36 17. Repartiu-se certa quantia entre 3 pessoas em partes
c) = d) =
3 15 4 27 proporcionais a 5,7 e 9. Sabendo-se que a terceira
pessoa recebeu R$1.000 a mais que a segunda pessoa,
6. Para que as grandezas (9; x; 5; ....) e (y; 8; 20;...) qual a quantia repartida?
sejam diretamente proporcionais (isto é, para que
18. Três pessoas montam uma sociedade, na qual cada
9 x 5
verifiquem as igualdades    ...) os valores de uma delas aplica, respectivamente, R$20.000,00,
y 8 20 R$30.000,00 e R$50.000,00. O balanço anual da firma
x e y devem ser, respectivamente: acusou um lucro de R$40.000,00.
1 1
a) 2 e 36 b) e c) 2 e 5
4 5 Supondo-se que o lucro seja dividido em partes
d) 5 e 35 e)5 e 36 diretamente proporcionais ao capital aplicado, cada sócio
receberá, respectivamente:
7. As grandezas (a; 2; 5;...) e (3; 6; b;...) são de números a) R$5.000,00; R$10.000,00 e R$25.000,00
inversamente proporcionais e a+mb=10. O valor de m é: b) R$7.000,00; R$11.000,00 e R$22.000,00
a) 0,4 b) 1 c) 2 d) 2,5 e) 5 c) R$8.000,00; R$12.000,00 e R$20.000,00
d) R$10.000,00; R$10.000,00 e R$20.000,00
8. São dados três números reais, a<b<c. Sabe-se que o e) R$12.000,00; R$13.000,00 e R$15.000,00
maior deles é a soma dos outros dois e o menor é um
quarto do maior. Então a, b, e c são respectivamente,
GABARITO
proporcionais a:
a) 1,2 e 3 b) 1,2 e 5 c)1,3 e 4 12 18 12
d)1,3 e 6 e)1,5 e 12 1. a) b) c)
30 30 18
3
9. A razão entre dois números é e a soma do maior 2. R$10,50
8
com o dobro do menor é 42. O maior deles é: 3. 0,40 m
a) 9 b) 15 c) 24 d) 30 e) 32 4.
Forma mais
10. Dois números na razão de 2 para 3. Acrescentando-
A B Razão A/B simples de A/B
se 2 a cada um, as somas estão na razão de 3 para 5.
a) 12 14 12/14 6/7
Então, o produto dos dois números é:
b) 18 21 18/21 6/7
a) 90 b) 96 c) 180 d) 72 e) –124
c) 30 35 30/35 6/7
x y z
11. Determine x, y e z, sabendo-se que   e d) 600/7 100 (600/7)/100 6/7
4 12 20 e) 100 700/6 100/(700/6) 6/7
3x+2z=156
a 2b 1,5c 5. a) 15 b) 42 c) 15 d) 3
12. Sabe-se que   e que a+3b-2c=100. O 6. A
5 6 3 7. D
valor de a+b-c é:
8. C
a) 100 b) 80 c) 70 d) 60 e) 50
9. C
Nível II 10. B
11. 𝑥 = 12, 𝑦 = 36, 𝑧 = 60
13. Dividindo-se 70 em partes proporcionais a 2,3 e 5 a 12. D
soma entre a menor e a maior parte é: 13. B
a) 35 b) 49 c) 56 d) 42 e) 28 14. A
16800 25200 12600
14. Dividindo-se 660 em partes proporcionais aos 15. a) 900,1500,1800 b) , ,
13 13 13
1 1 1 16. Primeira parte:180; Segunda parte:300;Total: 900
números , , ,obtêm-se, respectivamente: 17. R$10.500,00
2 3 6 18. C

a) 330,220 e110 b) 120,180 e 360 c)360,180 e 120


d) 110,220 e 330 e)200,300 e 160

15. Dividir o número 4200 em:

a) partes diretamente proporcionais a 6,10 e 12;


b) partes inversamente proporcionais a 3,2 e 4.

26 Nivelamento – Álgebra CASD Vestibulares


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO VII – REGRA DE TRÊS

1 – REGRA DE TRÊS SIMPLES Nas contas acima, aplicamos a propriedade


fundamental das proporções: o produto dos meios é
igual ao produto dos extremos!
Imagine que seja necessário resolver os
seguintes tipos de problemas:
Resposta: o ônibus percorrerá 160 km em 2 horas.
1) Uma pessoa paga pelo quilo de feijão R$ 1,20.
Quanto ela pagará se comprar 12 quilos de feijão? Exercício Resolvido 2:

2) Num acampamento, há 48 pessoas e alimento Calcule a altura de uma torre que projeta uma sombra
suficiente para 30 dias. Se 16 pessoas forem embora, de 28,80m no mesmo instante em que uma árvore de
para quantos dias ainda haverá alimento? 4,2m de altura, plantada verticalmente, projeta uma
sombra de 3,6m.
Para resolver esses problemas, em que sabemos três
informações e queremos descobrir uma quarta Resolução:
informação desconhecida, normalmente é utilizada a Podemos organizar os dados do problema numa tabela,
regra de três simples. da seguinte maneira:

Regra de três é um assunto importantíssimo, que é Altura Sombra


necessário não só na matemática, mas também em x 28,8
física e principalmente em química. A idéia por trás 4,2 3,6
desse assunto é ilustrada nos exercícios resolvidos a
seguir. Trate de aprender muito bem! Quanto maior é a altura de um objeto, maior é a sua
sombra, então a altura e a sombra são grandezas
1.1 – Regra de três simples direta diretamente proporcionais.
Na tabela acima, cada grandeza está associada a uma
𝑥 28,8
Exercício Resolvido 1: razão ( para a altura e para a sombra).
4,2 3,6
Se um ônibus percorre uma estrada com
Como a sombra é diretamente proporcional à
velocidade média de 80 km/h, quantos quilômetros
grandeza que tem o x, não precisamos inverter a
percorrerá em 2 horas?
razão correspondente à sombra para montar a
proporção correta entre as grandezas. Veja:
Resolução:
Podemos organizar os dados do problema numa tabela, 𝑥 28,8
da seguinte maneira: = ⇒ 3,6𝑥 = 4,2.28,8 ⇒ 𝑥 = 33,6
4,2 3,6
Tempo Espaço
Resposta: A altura da torre é 33,6m.
1h 80 km
2h x Nos dois exercícios acima, as duas grandezas
sempre eram diretamente proporcionais, por isso a
A letra x representa o valor desconhecido do regra de três era direta. Repare que uma das
problema. grandezas tinha o x (o espaço no exercício 1 e a altura
Tempo e espaço são grandezas diretamente no exercício 2) e a outra não tinha o x (o tempo no
proporcionais, pois quando uma aumenta, a outra exercício 1 e a sombra no exercício 2).
também aumenta e quando uma diminui, a outra Para montar a proporção correta, nós não
também diminui. invertemos a razão da grandeza sem o x, pois as duas
Na tabela acima, cada grandeza está associada a uma grandezas eram diretamente proporcionais.
1 80
razão ( para o tempo e para o espaço). No entanto, se as duas grandezas fossem
2 𝑥
Como o tempo é diretamente proporcional à inversamente proporcionais, a regra de três seria
grandeza que tem o x, não precisamos inverter a inversa. Nesse caso, para montar a proporção correta
razão correspondente ao tempo para montar a entre as grandezas, precisamos inverter a razão da
proporção correta entre as grandezas. Veja: grandeza sem o x para montar a proporção correta.
Isso está ilustrado nos exercícios resolvidos do próximo
1 80 assunto.
= ⇒ 1. 𝑥 = 2.80 ⇒ 𝑥 = 160
2 𝑥

27 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


1.2 – Regra de três simples inversa 4 18
= ⇒ 4. 𝑥 = 2.18 ⇒ 𝑥 = 9
2 𝑥
Exercício Resolvido 3:
Resposta: 4 pintores levariam 9 horas.
Um ônibus, com velocidade média de 80 km/h,
leva 5 horas para percorrer uma estrada. Quanto Exercício Resolvido 5:
tempo gastará para percorrer a mesma estrada se o
ônibus desenvolver velocidade média de 100 km/h? Cinco operários constroem uma casa em 360
dias. Quantos dias serão necessários para que 15
Resolução: operários construam a mesma casa?

Podemos organizar os dados do problema numa tabela, Resolução:


da seguinte maneira:
Podemos organizar os dados do problema numa tabela,
Tempo(h) Velocidade média (km\h) da seguinte maneira:
5 80
X 100 Operários Dias
5 360
Quanto maior é a velocidade média do ônibus, menos 15 x
tempo ele leva para percorrer a estrada, então o tempo
e a velocidade média são grandezas inversamente Quanto mais operários nós temos, menos dias eles
proporcionais. levam para construir a casa, então o número de
Na tabela acima, cada grandeza está associada a uma operários e o número de dias são grandezas
5 80 inversamente proporcionais.
razão ( para o tempo e para a velocidade média).
𝑥 100 Na tabela acima, cada grandeza está associada a uma
Como o número de horas é inversamente 5 360
razão ( para o número de operários e para o
proporcional à grandeza que tem o x, precisamos 15 𝑥
inverter a razão correspondente ao número de número de dias).
operários para montar a proporção correta entre as Como o número de operários é inversamente
grandezas. Veja: proporcional à grandeza que tem o x, precisamos
inverter a razão correspondente ao número de
5 100 operários para montar a proporção correta entre as
= ⇒ 100. 𝑥 = 5.80 ⇒ 𝑥 = 4 grandezas. Veja:
𝑥 80

Resposta: O ônibus gastará 4 horas. 15 360


= ⇒ 15. 𝑥 = 5.360 ⇒ 𝑥 = 120
5 𝑥
Exercício Resolvido 4:
Resposta: Serão necessários 120 dias.
Dois pintores gastam 18 horas para pintar uma parede.
Quanto tempo levaria 4 pintores para fazer o mesmo 2 – REGRA DE TRÊS COMPOSTA
serviço?
Na regra de três simples, nós sempre tínhamos
Resolução: apenas duas grandezas no problema: uma com o x e
outra sem o x. Dependendo se as grandezas eram
Podemos organizar os dados do problema numa tabela, inversamente ou diretamente proporcionais, nós
da seguinte maneira: invertemos ou não invertemos a razão da grandeza
sem o x.
Pintores Tempo Agora, nós vamos estudar os problemas que
2 18h envolvem a regra de três composta. Nesses problemas,
4 x aparecem mais de duas grandezas, sendo que só uma
tem o x e as outras não têm o x.
Quanto mais pintores nós temos, menos tempo eles A idéia é a mesma da regra de três simples:
levam para pintar a parede, então o número de para cada grandeza sem o x, nós analisamos se ela é
operários e o número de dias são grandezas inversamente ou diretamente proporcional à grandeza
inversamente proporcionais. com o x. Se for inversamente proporcional, nós
Na tabela acima, cada grandeza está associada a uma invertemos a razão dessa grandeza. Se for diretamente
2 18 proporcional, nós não invertemos a razão dessa
razão ( para o número de pintores e para o tempo).
4 𝑥 grandeza.
Como o número de operários é inversamente Em seguida, para montar a proporção correta,
proporcional à grandeza que tem o x, precisamos temos que igualar a razão da grandeza com o x ao
inverter a razão correspondente ao número de produto das razões das grandezas sem o x.
operários para montar a proporção correta entre as Esse método está ilustrado nos exercícios
grandezas. Veja: resolvidos a seguir.

30 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Exercício Resolvido 6: Quanto mais caminhões nós temos, maior é o
volume de areia que eles podem descarregar, então o
Numa fábrica de brinquedos, 8 homens montam 20 número de caminhões e o volume são grandezas
carrinhos em 5 dias. Quantos carrinhos serão montados diretamente proporcionais.
por 4 homens em 16 dias? Na tabela acima, cada grandeza está associada
8 20
a uma razão ( para o número de horas, para o
Resolução: 5 𝑥
160
Podemos organizar os dados do problema numa tabela, número de caminhões e para o volume).
125
da seguinte maneira: Como o número de horas é inversamente
proporcional à grandeza que tem o x, precisamos
Homens Carrinhos Dias inverter a razão correspondente ao número de horas.
8 20 5 Como o volume é diretamente proporcional à grandeza
4 x 16 que tem o x, não precisamos inverter a razão
correspondente ao volume.
Quanto mais homens nós temos, mais Para montar a proporção correta, precisamos
carrinhos eles podem montar, então o número de igualar a razão do número de caminhões (que é a
homens e o número de carrinhos são grandezas grandeza que tem o x) ao produto das razões das
diretamente proporcionais. outras grandezas (sem esquecer de inverter a razão do
Quanto mais carrinhos nós montamos, mais número de horas):
dias eles levam para serem montados, então o número
de carrinhos e o número de dias são grandezas 20 5 160 20 800 20 4
diretamente proporcionais. = . ⇒ = ⇒ = ⇒ 4. 𝑥 = 20.5 ⇒
𝑥 8 125 𝑥 1000 𝑥 5
Na tabela acima, cada grandeza está associada a uma ⇒ 𝑥 = 25
8 20
razão ( para o número de homens, para o número
4 𝑥 Resposta: Serão necessários 25 caminhões.
5
de carrinhos e para o número de dias).
16
Como o número de homens é diretamente Exercício Resolvido 8:
proporcional à grandeza que tem o x, não precisamos
inverter a razão correspondente ao número de horas. Se 25 operários trabalhando 10 horas por dia
Como o número de dias é diretamente proporcional à abriram um canal de 238 metros de comprimento em 17
grandeza que tem o x, não precisamos inverter a dias, quantos operários serão necessários para abrir
razão correspondente ao volume. 686 metros do mesmo canal em 25 dias de 7 horas de
Para montar a proporção correta, precisamos trabalho?
igualar a razão do número de carrinhos (que é a
grandeza que tem o x) ao produto das razões das Resolução:
outras grandezas:
Podemos organizar os dados do problema numa tabela,
20 8 5 20 40 20 5 da seguinte maneira:
= . ⇒ = ⇒ = ⇒ 5. 𝑥 = 20.8 ⇒
𝑥 4 16 𝑥 64 𝑥 8
⇒ 𝑥 = 32 Operários Horas / dia Comprimento N º de dias
25 10 238 17
Resposta: Serão montados 32 carrinhos.
X 7 686 25
Exercício Resolvido 7: Quanto mais operários nós temos, menos horas
por dia são necessárias para abrir o canal, então o
Em 8 horas, 20 caminhões descarregam 160m3 número de operários e o número de horas por dia são
de areia. Em 5 horas, quantos caminhões serão grandezas inversamente proporcionais.
necessários para descarregar 125m3? Quanto mais operários nós temos, maior é o
comprimento do canal que eles podem abrir, então o
Resolução: número de operários e o comprimento são grandezas
diretamente proporcionais.
Podemos organizar os dados do problema numa tabela, Quanto mais operários nós temos, menos dias
da seguinte maneira: são necessários para abrir o canal, então o número de
operários e o número de dias são grandezas
Horas Caminhões Volume inversamente proporcionais.
8 20 160 Na tabela acima, cada grandeza está associada a uma
5 x 125 25 10
razão ( para o número de operários, para o
𝑥 7
Quanto mais caminhões nós temos, menos 238 17
número de horas por dia, para o comprimento e
horas eles levam para descarregar a areia, então o 686 25
número de caminhões e o número de horas são para o número de dias).
grandezas inversamente proporcionais.

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 29


Como o número de horas por dia é para 1,2m de largura. O comprimento correspondente
inversamente proporcional à grandeza que tem o x, será:
precisamos inverter a razão correspondente ao a) 0,685m b) 1,35m c) 2,1m d) 6,85m e) 18m
número de horas por dia.
Como o comprimento é diretamente 9. Uma torneira enche um tanque em 2 horas. Em
proporcional à grandeza que tem o x, não precisamos quanto tempo (em minutos) 3 torneiras iguais a primeira
inverter a razão correspondente ao comprimento. encherão o mesmo tanque?
Como o número de dias é inversamente
proporcional à grandeza que tem o x, precisamos 10. O eixo de um motor dá 2376 voltas em 9 minutos.
inverter a razão correspondente ao número de dias por Quantas voltas dará em 1h27min?
dia.
Para montar a proporção correta, precisamos 11. Cem quilogramas de trigo fornecem 85kg de
igualar a razão do número de operários (que é a farinha. Quantos quilogramas de farinha se obtêm com
grandeza que tem o x) ao produto das razões das 150 sacas de trigo de 75kg cada uma?
outras grandezas (sem esquecer de inverter a razão do
número de horas por dia e a razão do número de dias): 12. De duas fontes, a primeira jorra 18 por hora e a
segunda 80 por hora. Qual é o tempo necessário para
25 7 238 25 25 7 2.7.17 5.5
= . . ⇒ = . . a segunda jorrar a mesma quantidade de água que a
𝑥 10 686 17 𝑥 2.5 2.7.7.7 17 primeira jorra em 25 minutos?
Pois 10 = 2.5, 25 = 5.5, 238 = 2.7.17, 686 = 2.7.7.7
Nível II
Simplificando as frações, tem-se:
13. Uma família composta de 6 pessoas consome, em
25 5 25 5 2 dias, 3kg de pão. Quantos quilos serão necessários
= ⇒ = ⇒ 5. 𝑥 = 25.14 ⇒ 𝑥 = 70 para alimentar-se durante 5 dias, estando ausentes 2
𝑥 2.7 𝑥 14 pessoas?
Resposta: Serão necessários 70 operários.
14. Com 16 máquinas de costura aprontaram-se 720
uniformes em 6 dias de trabalho. Quantas máquinas
EXERCÍCIOS PROPOSTOS serão necessárias para confeccionar 2160 uniformes
em 24 dias?
Nível I
15. Uma equipe de 15 homens extrai, em 30 dias
1. Qual é a altura de um edifício cuja sombra tem 6 m 3600kg de carvão. Se for aumentada para 20 homens,
no mesmo instante em que um poste de 2 m de altura em quantos dias conseguirá extrair 5600kg de carvão?
projeta uma sombra de 0,6 m?
16. Empregaram-se 27,4kg de lã para fabricar 24m de
2. Trabalhando durante 40 minutos, uma máquina tecido de 60cm de largura.Qual será o comprimento do
produz 100 peças. Quantas peças essa máquina tecido que se poderia fabricar com 3,425 toneladas de
produzirá em 2 horas? lã para se obter uma largura de 0,90m?

3. Um trem percorre 240km em 3 horas. Quanto tempo 17. Vinte operários trabalhando 8 horas por dia, gastam
levará esse trem, com a mesma velocidade, para 18 dias para construir um muro de 30 metros. Quanto
percorrer 400km? tempo levará um a turma de 16 operários, trabalhando
9 horas por dia, para construir um muro de 255 metros?
4. Uma máquina varredeira limpa uma área de 5100m 2
em 3 horas de trabalho. Nas mesmas condições, em 18. Dez operários, com capacidade de trabalho igual a
quanto tempo limpará uma área de 11900m 2? 45, fazem 150 metros de uma obra em 20 dias. Qual
a) 7 horas b) 5 horas c) 9 horas d) 4 horas deve ser a capacidade de trabalho de 5 operários para
fazer 20 metros da mesma obra em 60 dias?
5. Para percorrer 360 km de uma estrada, um
automóvel consome 30L de gasolina. Para percorrer GABARITO
450 km, quanto consumirá?
1. 20 m
6. Se 16 operários levam 3 dias para completar uma 2. 300 peças
obra, quantos operários seriam necessários para 3. 5 horas
completar essa obra em 2 dias? 4. A
5. 37,5 litros
7. Quatorze pedreiros levam 180 dias para construir 6. 24 operários
uma casa.Quanto tempo levarão 10 pedreiros para 7. 252 dias
construir a mesma casa? 8. C
8. Uma gravura de forma retangular, medindo 20cm de
largura por 35cm de comprimento, deve ser ampliada

30 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


9. 40 minutos
10. 22968 voltas
11. 9562,5 quilogramas
12. 5,625 minutos ou 5 minutos e 37,5 segundos
13. 5 quilos
14. 12 máquinas
15. 35 dias
16. 2000 m
17. 170 dias
18. 4

31 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO VIII – MATEMÁTICA FINANCEIRA

1 – DESCONTOS E AUMENTOS Exercício Resolvido 3:

1.1 – Problemas envolvendo um único Oferecendo um desconto de 20% para


pagamento à vista, a quanto sairia um artigo cujo
desconto e um único aumento
preço normal é R$ 48,00?
Muitas vezes, nós nos deparamos com
Resolução:
alguns problemas quando vamos comprar um
produto cujo preço acabou de sofrer um desconto,
O desconto informado é em relação ao preço
quando o nosso salário aumenta ou quando a tarifa
inicial (R$ 48,00). Então, o valor do desconto, em
do ônibus aumenta. Muitas vezes, os descontos e os
reais, é:
aumentos são informados na forma de porcentagem.
Como relacionar corretamente porcentagem, valor 20 960
inicial e valor final? É isso que nós vamos ver nos . 48 = = 9,6
exercícios resolvidos a seguir. 100 100

Então, o preço à vista seria de:


Exercício Resolvido 1: R$ 48,00 - R$ 9,60 = R$ 38,40
Ao comprar uma mercadoria de R$ 40,00, o Resposta: o preço à vista será R$ 38,40.
dono da loja me concedeu desconto de R$ 5,00.
Qual foi o percentual relativo a esse desconto? Observação: em todos os exercícios
resolvidos acima, calculamos o desconto em relação
Resolução: ao valor inicial (R$ 40,00; R$ 70,00; R$ 48,00). Se
tivéssemos tomado como referência o valor final, as
Devemos calcular a relação entre o desconto nossas respostas estariam erradas! Então:
e o preço inicial (R$ 40,00). A proporção entre o
5 1 Em um problema envolvendo um desconto
desconto e o preço inicial é de ou . Para
40 8 ou um aumento, o desconto ou o aumento referem-
sabermos o percentual, calculamos uma fração se ao valor inicial.
equivalente a essa proporção, cujo denominador
seja 100. 1.2 – Descontos e aumentos sucessivos
Sendo x o percentual, temos:
Agora vamos estudar problemas que
𝑥 1 envolvem vários descontos ou aumentos. Para
= ⇒ 8. 𝑥 = 1.100 ⇒ 𝑥 = 12,5 resolver esses problemas, para cada desconto ou
100 8
aumento, devemos analisar o efeito que ele
Resposta: o desconto foi de 12,5%. provocou sobre o valor inicial e calcular o valor final.
Esse método é ilustrado no exercício resolvido a
Exercício Resolvido 2: seguir.

O salário de uma pessoa passou de R$ Exercício Resolvido 4:


70,00 para R$ 100,00. Qual o foi percentual do
aumento? Um produto cujo preço inicial é R$ 100,00
sofreu dois aumentos sucessivos de 20% e 30%.
Resolução: Qual é o percentual relativo ao aumento total?

Devemos calcular a relação entre o aumento Resolução:


e o salário inicial (R$ 70,00).Como o aumento foi de
R$ 30,00, a proporção entre o aumento e o salário Inicialmente, vamos calcular o efeito do
era de aumento de 20%. Esse aumento é relativo ao preço
30 3 de R$ 100,00. Logo, o valor do aumento, em reais, é:
=
70 7
20
. 100 = 20
Sendo x o percentual, temos: 100
𝑥 3
= ⇒ 7. 𝑥 = 3.100 ⇒ 𝑥 = 42,85 Então o preço do produto depois do primeiro
100 7
aumento é R$ 100,00 +R$ 20,00 =R$ 120,00
Resposta: o aumento foi de 42,85%.
32 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares
Agora, é importante perceber o seguinte: no
momento do aumento de 30%, o preço do produto já Agora, é importante perceber o seguinte: no
deixou de ser R$ 100,00. Por causa do aumento de momento do desconto de 30%, o preço do produto já
R$ 20%, o preço do produto agora é R$ 120,00. deixou de ser R$ 200,00. Por causa do desconto de
Então o aumento de 30% é relativo ao preço de R$ 20%, o preço do produto agora é R$ 160,00.
R$ 120,00. Logo, o valor do aumento, em reais, é: Então o desconto de 30% é relativo ao preço de
R$ 160,00. Logo, o valor do desconto, em reais, é:
30 3600
. 120 = = 36 30 4800
100 100 . 160 = = 48
100 100
Então o preço do produto depois do segundo
aumento é R$ 120,00 +R$ 36,00 =R$ 156,00 Então o preço do produto depois do segundo
aumento é R$ 160,00 -R$ 48,00 =R$ 112,00
Assim, o aumento total é a diferença entre o
preço final (R$ 156,00) e o preço original (R$ 100,00) Assim, o desconto total é a diferença entre o
e vale R$ 156,00 – R$ 100,00 =R$ 56,00. preço original (R$ 200,00) e o preço final (R$ 112,00)
e vale R$ 200,00 – R$ 112,00 =R$ 88,00.
O aumento total é relativo ao preço original
(R$ 100,00).Como o aumento foi de R$ 56,00, a O desconto total é relativo ao preço original
56 (R$ 200,00).Como o desconto foi de R$ 88,00, a
proporção entre o aumento e o salário era de 88
100
proporção entre o aumento e o salário era de
200
Sendo x o percentual, temos:
𝑥 56 Sendo x o percentual, temos:
= ⇒ 𝑥 = 56 𝑥 88
100 100 = ⇒ 200. 𝑥 = 88.100 ⇒ 𝑥 = 44
100 200
Resposta: o aumento total foi de 56%
Resposta: o desconto total foi de 44%
Observação: repare que o percentual relativo
ao aumento total foi de 56%, e não a soma dos Observação: repare que o percentual relativo
percentuais relativos aos aumentos de 20% e 30%, ao desconto total foi de 44%, e não a soma dos
que resultaria em 50%. Então: percentuais relativos aos aumentos de 20% e 30%,
que resultaria em 50%. Então:
Nunca some os percentuais relativos a
cada aumento para calcular o percentual relativo Nunca some os percentuais relativos a
ao aumento total. Analise os efeitos de cada cada desconto para calcular o percentual relativo
aumento, separadamente! ao desconto total. Analise os efeitos de cada
desconto, separadamente!
Agora, vamos ver um exercício resolvido que
envolve dois descontos sucessivos. Agora, vamos ver um exercício resolvido que
envolve um aumento e um desconto.
Exercício Resolvido 5:
Exercício Resolvido 6:
Um produto cujo preço inicial é R$ 200,00
sofreu dois descontos sucessivos de 20% e 30%. Um produto cujo preço inicial é R$ 2000,00
Qual é o percentual relativo ao desconto total? sofreu um aumento de 40% e um desconto de 40%.
Qual é o preço final do produto? O preço final é
Resolução: maior, menor ou igual ao preço inicial?

Inicialmente, vamos calcular o efeito do Resolução:


aumento de 20%. Esse aumento é relativo ao preço
de R$ 200,00. Logo, o valor do aumento, em reais, é: Inicialmente, vamos calcular o efeito do
aumento de 40%. Esse aumento é relativo ao preço
20 4000 de R$ 2000,00. Logo, o valor do aumento, em reais,
. 200 = = 40 é:
100 100

Então o preço do produto depois do primeiro 40 80000


. 2000 = = 800
desconto é R$ 200,00 -R$ 40,00 =R$ 160,00 100 100

Então o preço do produto depois do aumento


é R$ 2000,00 +R$ 800,00 =R$ 28000,00

34 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Agora, é importante perceber o seguinte: no Exercício Resolvido 7:
momento do desconto de 40%, o preço do produto já
deixou de ser R$ 2000,00. Por causa do aumento de Um vendedor comprou um CD por R$ 20,00
R$ 40%, o preço do produto agora é R$ 2800,00. e quer obter um lucro de 20% sobre o preço de
Então o desconto de 40% é relativo ao preço de custo. Por quanto ele deve vender o CD?
R$ 2800,00. Logo, o valor do desconto, em reais, é:

40 112000 Resolução:
. 2800 = = 1120
100 100
Como o lucro deve ser de 20% sobre o preço
Então o preço do produto depois do segundo de custo, o valor do lucro, em reais, é:
aumento é R$ 2800,00 -R$ 1120,00 =R$ 1680,00
20 400
. 20 = =4
Resposta: o preço final do produto é R$ 1680,00, 100 100
que é menor do que o preço inicial.
Assim, o preço de venda do CD deve ser o
Observação: alguém poderia pensar que preço de custo (R$ 20,00) mais o lucro (R$ 4,00), o
como o percentual relativo ao desconto é igual ao que dá um valor de R$ 20,00 +R$ 4,00 =R$ 24,00.
percentual relativo ao aumento, o desconto poderia
cancelar o efeito do aumento e o preço final seria Resposta: o vendedor deve vender o CD por
igual ao preço original. No entanto, na verdade o R$ 24,00
preço final é menor do que o preço original.
Exercício Resolvido 8:
Analise o efeito do desconto e do
aumento, separadamente!
Um rapaz comprou um carro por
R$ 12.500,00. Dois anos depois de ter comprado o
2 – LUCRO E PREJUÍZO carro, ele resolveu revendê-lo. No entanto, por causa
da desvalorização, ele teve um prejuízo de 30%
Muitas vezes, quanto um comerciante vende sobre o preço de venda. Por quanto ele vendeu o
um produto para um cliente, ele comprou o mesmo carro?
produto de outro lugar. Por exemplo, muitos
vendedores de legumes compraram eles dos Resolução:
fazendeiros que plantaram eles. Para o comerciante
ganhar dinheiro, ele sempre tenta vender o produto
Como o prejuízo foi de 30% sobre o preço de
por um preço mais caro do que ele comprou.
custo, o valor do prejuízo, em reais, é:
Imagine as seguintes situações:
30 375000
 O comerciante comprou uma fruta por . 12500 = = 3750
R$ 2,00 e vendeu para um cliente por R$ 3,00. 100 100
Quanto o comerciante ganhou?
Assim, o preço de venda do CD deve ser o
Nesse caso, o comerciante ganhou com a preço de custo (R$ 12.500,00) menos o prejuízo (R$
venda R$ 3,00 – R$ 2,00 =R$ 1,00. Como o 3750,00), o que dá um valor de R$ 12.500,00 -R$
comerciante ganhou dinheiro, diz-se que ele teve 3750,00 =R$ 8.750,00.
lucro. O lucro é o dinheiro que o comerciante
ganhou. Na situação acima, o lucro foi de R$1,00, o Resposta: o rapaz vendeu o carro por R$ 8.750,00
preço de custo para o comerciante foi R$ 2,00 e o
preço de venda foi Exercício Resolvido 9:
R$ 3,00. Imagine agora outra situação:
Uma pessoa comprou uma casa por R$
 O comerciante comprou um legume por 160.000,00 e vendeu ela com um lucro de 20%
R$ 5,00 e vendeu para um cliente por R$ 4,00. sobre o preço de venda. Por quanto ela vendeu a
Quanto o comerciante perdeu? casa?

Nesse caso, o comerciante perdeu com a


venda R$ 5,00 – R$ 4,00 =R$ 1,00. Como o
comerciante perdeu dinheiro, diz-se que ele teve
prejuízo. O prejuízo é o dinheiro que o comerciante
perdeu. Na situação acima, o prejuízo foi de R$1,00,
o preço de custo para o comerciante foi R$ 5,00 e o
preço de venda foi R$ 4,00.
Agora, vamos ver alguns exercícios
resolvidos.

CASD Vestibulares Nivelamento – Álgebra 35


Resolução: Atenção: use taxa de juros e tempo nas
mesmas grandezas, se, por exemplo, 𝑖 =
Esse problema é diferente dos anteriores, 10% 𝑎𝑜 𝑚ê𝑠 então t deve estar também em meses!
pois o lucro é sobre o preço de venda (e não sobre o
preço de custo). Como o lucro vale 20% do preço de Vamos ver então alguns exercícios
venda, e como o preço de custo é o preço de venda resolvidos sobre juros simples.
(que vale 100% do preço de venda) menos o lucro
(que vale 20% do preço de venda), tem-se que o Exercício Resolvido 10:
preço de custo vale 100% - 20% =80% do preço de
venda. Nesse caso, se x é o preço de venda,
Uma pessoa consegue um empréstimo de
podemos montar a seguinte proporção:
160000 80 R$ 500,00 reais para pagar ao fim de quatro meses.
= ⇒ 80. 𝑥 = 100.160000 ⇒ 𝑥 = 200000 O banco cobra uma taxa de juros de 18% ao mês.
𝑥 100 Qual será o total da quantia a ser paga por essa
Resposta: a casa foi vendida por R$ 200.000,00 pessoa ao final desse período?

Resolução:
3 – JUROS SIMPLES
No nosso problema, o valor do capital é R$
De maneira geral, os juros representam uma 500,00, a taxa de juros é 18% ao mês, e o período
quantia que uma pessoa paga a mais do que a de tempo é de 4 meses. Então, aplicando a fórmula,
quantia inicial. Eles surgem quando alguém compra tem-se:
uma mercadoria a prazo, atrasa uma conta, faz um
empréstimo, e em várias outras situações do dia-a- 𝐶. 𝑖. 𝑡 500.18.4
dia. 𝑗= ⇒𝑗= ⇒ 𝑗 = 360
100 100
Neste momento, nós vamos estudar os juros
simples. Os juros simples são aplicados sobre um Logo, serão cobrados R$ 360,00 de juros
capital inicial, a uma taxa constante, durante um simples ao final desse período. Então, a quantia total
determinado período de tempo. O período de tempo a ser paga é:
pode ter várias unidades diferentes (dias, meses, 𝑀 = 𝐶 + 𝑗 ⇒ 𝑀 = 500 + 360 ⇒ 𝑀 = 860
anos, etc.), dependendo do que for mais adequado
para a situação. Vamos ver agora a principal fórmula Resposta: a quantia total a ser paga é R$ 860,00
que envolve os juros simples:
Exercício Resolvido 11:
𝑪. 𝒊. 𝒕
𝒋= Pedro comprou um eletrodoméstico por R$
𝟏𝟎𝟎 100,00 e pretende pagá-lo em quatro prestações
mensais iguais. Consultando uma tabela, o vendedor
Agora, vamos explicar o que cada letra significa: diz que cada uma das prestações sairá por R$
37,00. Qual o valor da taxa de juros embutida na
 𝑪 – é o capital, a quantia inicial sobre a compra?
qual os juros são aplicados;
 𝒊 – é a taxa de juros (expressa em Resolução:
porcentagem), por unidade de tempo;
 𝒕 – é o período de tempo durante o qual os Primeiro vamos calcular a quantia total a ser
juros são aplicados. Deve ser calculado na paga (o montante). Como são 4 prestações de R$
mesma unidade que a da taxa de juros; 37,00, tem-se:
 𝒋 – é o total de juros simples aplicados;
𝑀 = 4.37 ⇒ 𝑀 = 148
Também existe outra fórmula, que pode ser cobrada:
. Agora, vamos calcular o total de juros
𝑴=𝑪+𝒋 simples. Como o capital é R$ 100,00, tem-se:

𝑀 = 𝐶 + 𝑗 ⇒ 148 = 100 + 𝑗 ⇒ 𝑗 = 48
Nesta fórmula, o símbolo 𝑴 é o montante, a quantia
total depois de aplicar os juros. O valor do montante
Finalmente, vamos calcular a taxa de juros
sempre é o da quantia inicial (capital) mais os juros.
utilizando a fórmula:
Observação: se o problema não dizer nada 𝐶. 𝑖. 𝑡 100. 𝑖. 4
diferente, considera-se que um ano tem 12 𝑗= ⇒ 48 = ⇒ 48 = 4𝑖 ⇒ 𝑖 = 12
100 100
meses, e que um mês tem 30 dias.

36 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Lembrando que a taxa de juros sempre é 10. Um capital é empregado à taxa de 8% ao ano.
expressa em porcentagem, tem-se que a taxa é de No fim de quanto tempo os juros simples produzidos
12% ao mês (afinal, as prestações são mensais). 3
ficam iguais a do capital?
Resposta: a taxa de juros é de 12% ao mês 5

EXERCÍCIOS PROPOSTOS Nível II

11. Sobre o preço de um carro importado incide um


Nível I imposto de importação de 30%. Em função disso, o
seu preço para o importador é de
1. O salário de Antônio é igual a 90% do de Pedro. A R$ 19.500,00. Supondo que tal imposto passe de
diferença entre os salários é de R$ 500,00. O salário 30% para 60%, qual será, em reais, o novo preço do
de Antônio é: carro, para o importador?

a) R$ 5.500,00 b) R$ 45.000,00 c) R$ 4.000,00 a) R$ 22.500,00 b) R$ 24.000,00 c) R$ 25.350,00


d) R$ 4.500,00 e) R$ 3.500,00 d) R$ 31.200,00 e)R$ 39.000,00

2. Sabendo que o salário de Pedro passou para 12. Qual é o percentual relativo ao aumento total
R$ 442,00, após um aumento de 70%, responda: correspondente a dois aumentos sucessivos de 30%
qual era o salário de Pedro antes do aumento? e 50%?
3. Em uma promoção numa revenda de carros, está 13. A casa do Sr. Rafael foi adquirida através do
sendo dado um desconto de 18% se o pagamento sistema financeiro de habitação. A prestação mensal
for à vista. Se um carro é anunciado por de sua casa aumentou 30%. Mas, por recurso
R$16.000,00, então o preço para pagamento à vista judicial, a partir deste mês, aquele que pagar até o 5°
desse carro será: dia útil do mês tem direito a um desconto de 20%.
Se o Sr. Rafael pagou sua casa no dia 02(dois), o
a) R$ 13.120,00 b) R$ 13.220,00 c) R$ 13.320,00 aumento total sobre a prestação do mês anterior foi
a) R$ 13.420,00 b) R$ 13.520,00 de:
a) 10% b) 8% c) 6% d) 4% e) 2%
4.. Um livro que marcava o preço de R$ 600,00, ao
ser vendido sofreu uma desvalorização de 30%. O 14. Um lojista sabe que, para não ter prejuízo, o
livro foi vendido por quanto? preço de venda de seus produtos deve ser o mínimo
44% superior ao preço de custo. Porém ele prepara
5. Uma certa mercadoria, que custava R$ 12,50, a tabela de preços de venda acrescentando 80% ao
teve um aumento, passando a custar R$ 13,50. O preço de custo, porque sabe que o cliente gosta de
percentual relativo ao aumento é de: obter desconto no momento da compra. Qual é o
maior desconto que ele pode conceder ao cliente,
a) 2,0% b)10,0% c) 12,5% d)8,0% e)10,8% sobre o preço da tabela, de modo a não ter prejuízo?
6. Ao vender um objeto por R$ 90,00, uma pessoa a) 10% b) 15% c) 20% d) 25% e) 36%
obteve um lucro de 20% sobre o preço de custo.
Quanto deve ter lhe custado esse objeto? 15. O preço de certa mercadoria sofreu um aumento
de 60%. Para que o preço da mercadoria volte a ser
7. Um negociante vendeu um objeto por R$ 1232,00 o que era antes do aumento, de quanto se deve
tendo um prejuízo de 12% sobre o preço de custo. diminuir o novo preço da mercadoria?
Qual o preço de custo?
16. Um capital C colocado a render juros simples
8. Uma casa é comprada por R$ 345.000,00 e durante 18 meses produziu o montante de
vendida por R$ 386.400,00. O lucro sobre o preço de R$ 63.000,00. Colocado nas mesmas condições
custo foi de: durante 2 anos produziu o montante de
R$ 72.000,00. Qual a taxa anual de juros?
a) 8% b) 10% c) 12% d) 15% e) 18%
17. Jorge vendeu a Carlos sua motocicleta com um
9. Um homem tinha que pagar uma conta de luz no lucro de 20% sobre o preço de venda. Tendo a moto
valor de R$ 150,00 no dia 5 de Janeiro. No entanto, custado a Jorge a importância de R$ 6.400, quanto
ele se esqueceu da conta e só pagou ela no dia 30 pagou Carlos?
de Janeiro. Sabendo que a companhia elétrica cobra
uma multa de 2% sobre o valor total da conta para 18. Uma pessoa adquiriu uma bicicleta por R$ 4.000
cada dia de atraso, quanto o homem pagou pela e revendeu com um lucro de 20% sobre o preço de
conta de luz no dia 30 de Janeiro? venda. Por quanto a revendeu?

CASD Vestibulares Nivelamento – Álgebra 37


GABARITO

1. D
2. R$ 260,00
3. A
4. R$ 420,00
5. D
6. R$ 75,00
7. R$ 1.400,00
8. C
9. R$ 225,00
10. 7 anos e meio
11. B
12. 95%
13. D
14. C
15. 37,5%
16. 50% ao ano.
17. R$ 8000,00
18. R$ 5000,00

38 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO IX – OPERANDO COM POTÊNCIAS

1 – POTENCIAÇÃO Isso nos leva a concluir que, se a base é um número


negativo, é indispensável o uso dos parênteses. Caso
os parênteses não sejam utilizados o resultado
Operações com potências são muito utilizadas
encontrado poderá ser incorreto.
em diversas áreas da Matemática, e em especial no
cálculo algébrico. O conhecimento das propriedades
Vejamos alguns exemplos numéricos de
operatórias da potenciação pode facilitar a resolução
aplicação das propriedades vistas até aqui:
de cálculos com expressões algébricas, que de outra
forma seriam bastante trabalhosos.
Para estudar essas propriedades, vamos antes  70= 1
rever algumas definições de potências com expoentes  61 = 6
inteiros e bases reais. Potenciação, por definição, é  −22 = −4
uma forma prática e simples de se representar uma  (−2)2 = 4
1 1
multiplicação de fatores iguais. Na potenciação, o  3−2 = =
fator da multiplicação chama-se base e o número de 32 9
1 −3 1 1
vezes que o fator se repete é representado pelo
expoente.
 ( ) = 1 3
= 1 =8
2 ( )
2 8

Definição: Seja a um número real e n um número


natural maior que 1. Potência de base a e expoente n Para calcular o valor de uma potência, quase
é o produto de n fatores iguais a a. Representa-se a sempre precisamos efetuar a multiplicação
potência pelo símbolo an. Assim: equivalente. Assim, por exemplo, para comparar duas
ou mais potências é necessário conhecer antes os
an = a . a . a ….. a, para todo n seus valores. Por exemplo:

 As potências 3-2 e (-3)-2 são iguais ou diferentes?


n vezes 1 1 1
Calculando: 3-2 = = e (-3)-2 = 1/(-3)-2 =
3² 9 9
Por exemplo:
Portanto as duas potências são iguais e podemos
5 x 5 = 25 5² = 25 escrever: 3-2 = (- 3)-2
Onde 5 é a base e 2 é o expoente.  Qual é a maior 6-2 ou -62?
Lê-se: 5 ao quadrado.
1 1
Calculando: 6-2 = = ou -62 = -(6.6) = -36
2x2x2=8 2³ = 8 6² 36
Onde 2 é a base e 3 é o expoente. Vimos que 6-2 resulta num número positivo e -62
Lê-se: 2 ao cubo. resulta num número negativo. Todo número positivo é
maior que qualquer número negativo.
3 x 3 x 3 x 3 = 81 34 = 81 Logo: 6-2 > -62.
1 5 1
Onde 3 é a base e 4 é o expoente. Qual é o número menor ( ) ou ( )3 ?
Lê-se: 3 à 4ª potência. 2 2
5
De maneira geral, podemos escrever:  1  1  1  1  1  1 1
a x a x a ...x a = an (a vezes a n vezes)   2     2  .   2  .  2  .  2  .  2    32
       
e
n vezes 3
 1  1  1  1 1
  2     2  .  2  .  2    8
Para calcular uma potência de expoente negativo,      
convenciona-se que
𝟏
𝒂−𝒏 = 𝒏 , 𝑠𝑒 𝑎 ≠ 0
𝒂 Se as frações fossem positivas, a menor seria a que
1
Obsrvação: −32 = −(32 ) = −(3.3) = −9 tem o maior denominador, portanto .
(−3)2 = (−3). (−3) = 9 32
Logo, −𝟑 ≠ (−𝟑)𝟐
𝟐

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 39


Como as frações são negativas o resultado é ao 1.2.1 – Multiplicação de potências de bases
1 3 1 5 iguais
contrário e teremos como resposta: ( ) > ( ) .
2 2 24.22  24 2  26
Sugestão: represente as frações obtidas na reta
numérica. 4 vezes

Exercício Resolvido 1: porque 24.22 = 2x2x2x2x2x2


Calcule (0,5)2 e (0,1)4 2 vezes

Resolução: 75.73  75( 3)  753  72


(0,5)2 = 0,5.0,5 = 0,25
Generalizando, para multiplicar potências de
(0,1)4 = 0,1.0,1.0,1.0,1 = 0,0001
bases iguais, repetimos a base e somamos os
expoentes.
Resposta: (0,5)2 = 0,25 e (0,1)4 = 0,0001
am . an = am+n
Para efetuar operações com potências, também é
necessário calcular antes o valor de cada potência. 1.2.2 – Divisão de potências de bases iguais
Lembre-se: a potenciação tem prioridade sobre a
soma, a subtração, a multiplicação e a divisão. 54 5.5.5.5
  5.5  52
 32 + 23 = 9 + 8 = 17 52 5.5
 53 – 72 = 125 - 49 = 76
 23· . 32 = 8 . 9 = 72 73
 42 : 23 = 16 : 8 = 2 2
 732  75
7
1.1 – Casos especiais de potenciação
94
1) O expoente é zero e a base é um número 6
 946  92
9
qualquer diferente de zero: a potência, por
convenção, é sempre igual a 1. Logo a0 = 1
Então, para dividir potências de bases iguais,
repetimos a base e subtraímos os expoentes.
2)O expoente é igual a 1 e a base é qualquer
número: a potência é sempre igual à base. Logo:
a1 = a am : an = am-n

3)A base é igual a 1 e o expoente é qualquer 1.2.3 – Potenciação de potência


número: a potência é sempre igual a 1. Por exemplo:
15 = 1.1.1.1.1 (32)3= (32) . (32) . (32) = 32 x 3 = 36

4)A base é zero e o expoente é qualquer 3 vezes


número diferente de zero: a potência é sempre igual a
zero. Por exemplo: 03 = 0.0.0 Então, para elevar uma potência a um expoente,
repetimos a base e multiplicamos os expoentes.
5)A base é 10 e o expoente é qualquer número
positivo: a potência é um número que começa com 1 (am)n = am.n
e tem um número de zeros igual ao expoente. Por
exemplo: 104 = 10.000
1.2.4 – Distributividade da potenciação em
1.2 – Propriedades da potenciação relação à multiplicação
Vamos apresentar agora as propriedades (2.3)3 = (2.3). (2.3). (2.3) = 2.2.2.3.3.3 = 23 . 33
operatórias da potenciação. Aplicando elas, podemos 1 1 1 1
resolver a expressão sem calcular o valor de cada (5.7)−2 = = = . = 5−2 . 7−2
(5.7)2 (5.7). (5.7) 5.5 7.7
potência e obteremos o resultado em forma de
potência.

Para elevar um produto a um expoente, elevamos


cada fator ao mesmo expoente.

(a.b)m = am. bm

40 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


1.2.5 – Distributividade da potenciação em 2 – RADICIAÇÃO
relação à divisão
Vejamos agora a operação inversa da
2
7 7 7 7 7 7 potenciação, a radiciação. Considere a pergunta: qual
2
= . 
 3  3  3 3 3
.  é o número que elevado ao quadrado dá 81? Você
     32 sabe que 9.9 = 81.
Então: 9² = 81 e 81 =9,
2 vezes
que se lê: a raiz quadrada de 81 é 9.
3
 4 43 Organizamos uma tabela de quadrados para
5 
  53 facilitar a determinação da raiz quadrada. Veja:
Para elevarmos um quociente (ou uma fração) a um Número 0 1 2 3 4 5 6 7...
expoente, elevamos o dividendo e o divisor (ou o
numerador e o denominador) ao mesmo expoente. Quadrado 0 1 4 9 16 25 36 49.
..
𝒎 𝒎
𝒂 𝒎 𝒂𝒎𝒎
(𝒂: 𝒃) = 𝒂 : 𝒃 𝒐𝒖 ( ) = 𝒎 Veja que, na 2º linha (a dos quadrados) não
𝒃 𝒃
aparecem todos os números. Os números que não
Observação: Se os expoentes forem inteiros aparecem não são quadrados perfeitos e, por isso,
negativos, todas as propriedades já descritas também não possuem raiz quadrada natural. Por exemplo: 2
valem. Lembrar, porém, que nestes casos as bases não tem raiz quadrada natural.
devem ser diferentes de zero.
Vejamos agora a inversa do cubo (3º potência).
1.3 – Aplicações Qual é o número que elevado ao cubo dá 27?
Vejamos uma tabela de cubos:
As propriedades podem ser usadas em expressões
numéricas como uma forma de simplificação dos Número 0 1 2 3 4 5 6 7...
cálculos. Veja:
Cubo 0 1 8 27 64 125 216 343.
..
2.128.32 = 21 . 27 . 25 = 21+7+5 = 213
Assim, podemos responder à pergunta:
(43 )2 : 16 = 46 : 42 = 46−2 = 44
33 = 27 e 3 27 = 3 que se lê: a raiz cúbica de 27 é 3.
52 . 53 52+3 55  a raiz cúbica é a inversa do cubo;
= 4 = 4 = 55−4 = 51
625 5 5
 o sinal é o radical e o 3 é o índice.
Além disso, uma das maiores aplicações das
propriedades operatórias das potências de bases Assim como no quadrado, podemos observar que
iguais está no cálculo algébrico. nem todo número natural possui raiz cúbica natural.
Vejamos nos exemplos, a multiplicação e a Por exemplo: 93 não tem raiz cúbica natural.
divisão dessas expressões e verificaremos o uso
constante das propriedades estudadas. Definição: Seja a um número real e n um número
natural não–nulo. O número x é chamado raiz
𝑥 2 . 𝑥 3 . 𝑥 5 = 𝑥 10 enésima de a se, e somente se, xn = a
x é raiz enésima de a  xn = a
𝑦 2 . (𝑦 2 + 𝑦1 + 1) = 𝑦 2 . 𝑦 2 + 𝑦 2 . 𝑦 + 𝑦 2 . 1 =
= 𝑦4 + 𝑦3 + 𝑦2 Observação: No símbolo
n
a dizemos que :
(−2𝑥𝑦)3 = (−2)3 . 𝑥 3 . 𝑦 3 = −8𝑥 3 𝑦 3 o sinal é o radical;
a é o radicando;
(𝑥 2 )3 . 𝑥 − 4 = 𝑥 6 . 𝑥 − 4 = 𝑥 7 − 4 n é o índice da raiz.

(2𝑥 5 + 3𝑥 4 ). 𝑥 −3 = 2𝑥 5 . 𝑥 −3 + 3𝑥 4 . 𝑥 −3 = 2𝑥 2 + 3𝑥 Observação: Por convenção, na raiz quadrada,


omite-se o índice.
2
Escreve-se, por exemplo, 4 em lugar de 4.

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 41


2.1 – Existência das raízes enésimas Usando o mesmo raciocínio, podemos
concluir que não existe a raiz quadrada de nenhum
Da definição conclui-se que: determinar todas número negativo.
as raízes enésimas de a é o mesmo que determinar Usando o mesmo raciocínio, podemos
as soluções da equação xn = a. Vamos então analisar concluir que não existe a raiz quarta de nenhum
𝑛 número negativo, pois qualquer número elevado à
4 casos para √𝑎 :
quarta potência é positivo (se for diferente de zero) ou
2.1.1. – 𝒂 = 𝟎 e 𝒏 é um natural positivo zero (se o próprio número for igual a zero).
Finalmente, usando o mesmo raciocínio,
podemos concluir que se 𝒏 é par, não existe a raiz
Note que 02 = 0 ⇒ √0 = 0. Da mesma forma,
3 4 enésima de nenhum número negativo!
03 = 0 ⇒ √0 = 0, 04 = 0 ⇒ √0 = 0 e assim por
diante. De modo geral, pode-se dizer que
𝒏 2.1.4. – 𝒂 ≠ 𝟎 e 𝒏 é ímpar
√𝟎 = 𝟎, para todo n natural positivo.
Vamos tomar por exemplo 𝑎 = 32 ≠ 0 e 𝑛 = 5
2.1.2. – 𝒂 > 0 e 𝒏 é um par não-nulo (que é ímpar). Repare que 25 = 32 ⇒ 2 é raiz quinta
de 32.
Vamos tomar por exemplo 𝑎 = 81 > 0 e 𝑛 = 4 Além disso, 2 é a única raiz quinta de 32, logo
(que é par). Repare que 34 = 81 ⇒ 3 é raiz quarta de 5
pode-se dizer que 2 = √32.
81. No entanto, (−3)4 = 81 ⇒ −3 é raiz quarta de 81.
Vamos tomar outro exemplo: 𝑎 = −27 ≠ 0 e
Então o número 81 possui duas raízes quartas: 3 e
𝑛 = 3 (que é ímpar). Repare que (−3)3 = −27 ⇒ −3
−3. Como fazer para distinguí-las uma da outra?
4 é raiz cúbica de −27.
Convenciona-se que o símbolo √81 Além disso, −3 é a única raiz cúbica de −27,
corresponde à raiz quarta positiva de 81, que é 3. 3 3
logo pode-se dizer que −3 = √−27 = − √27.
Para representar a raiz quarta negativa de 81, que é
4 4
−3, utiliza-se o símbolo − √81. Assim, 3 = √81 e De modo geral, pode-se dizer que se 𝒂 ≠ 𝟎 e
4
−3 = − √81 𝒏 é ímpar positivo, o número 𝒂 possui uma única
Vamos tomar outro exemplo: 𝑎 = 16 > 0 e 𝒏
raiz enésima √𝒂.
𝑛 = 2 (que é par). Repare que 42 = 16 ⇒ 4 é raiz
quadrada de 16. No entanto, (−4)2 = 16 ⇒ −4 é raiz 2.2 – Propriedades da radiciação
quadrada de 16. Então o número 16 possui duas
raízes quartas: 4 e −4. Como fazer para distinguí-las Vamos apresentar agora as propriedades
uma da outra? operatórias da radiciação. Aplicando elas, podemos
Convenciona-se que o símbolo √16 resolver a expressão sem calcular o valor de cada raiz
corresponde à raiz quadrada positiva de 16, que é 4. e obteremos o resultado em forma de raiz.
Para representar a raiz quadrada negativa de 16, que
é −4, utiliza-se o símbolo −√16. Assim, 4 = √16 e 2.2.1 – Multiplicação de raízes de índices
−4 = −√16 iguais
De modo geral, pode-se dizer que se 𝒂 > 0 e 𝒏 é um Veja os exemplos a seguir:
par positivo, o número 𝒂 possui duas raízes
𝒏
enésimas: a raiz enésima positiva √𝒂 e a raiz √4. √16 = 2.4 = 8 = √64 = √4.16
𝒏 3 3 3 3
enésima negativa − √𝒂. √8. √27 = 2.3 = 6 = √216 = √8.27

2.1.3. – 𝒂 < 0 e 𝒏 é um par não-nulo Generalizando, para multiplicar raízes de


índices iguais, repetimos o índice e multiplicamos os
Vamos tomar por exemplo 𝑎 = −9 < 0 e 𝑛 = radicandos.
2 (que é par). Então, nesse caso em particular,
queremos encontrar a raiz quadrada de −9, isto é, um 𝒏 𝒏 𝒏
√𝒂. √𝒃 = √𝒂. 𝒃
número 𝑥 tal que 𝑥 2 = −9. Ora, há 3 possibilidades
para 𝑥: 𝑥 > 0, 𝑥 < 0 e 𝑥 = 0. Vamos analisá-las:
Se 𝑥 > 0, 𝑥 2 = 𝑥. 𝑥 é o produto de dois
números positivos, que é positivo, logo 𝑥 2 > 0. Então,
se 𝑥 > 0, não existe 𝑥 tal que 𝑥 2 = −9;
Se 𝑥 < 0, 𝑥 2 = 𝑥. 𝑥 é o produto de dois
números negativos, que é positivo, logo 𝑥 2 > 0.
Então, se 𝑥 < 0, não existe 𝑥 tal que 𝑥 2 = −9;
Se 𝑥 = 0, 𝑥 2 = 0.0 = 0 ⇒ 𝑥 2 ≠ −9;

Conclusão: não existe x tal que 𝒙𝟐 = −𝟗,


logo não existe a raiz quadrada de −𝟗. 2.2.2 – Divisão de raízes de índices iguais

42 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Veja os exemplos a seguir: aparecer índice par e radicando regativo, por
exemplo, como é o caso da raiz quadrada de −9).
Assim, sempre certifique-se que as condições de
√36 6 36
= = 2 = √4 = √ existência são respeitadas! Tome cuidado com
√9 3 9 radicandos negativos!
3
√216 6 3 216

3 =
3
= 3 = √27 = √ 2.3 – Aplicações das propriedades
√8 2 8
As propriedades dos radicais que nós acabamos de
Generalizando, para dividir raízes de índices iguais, ver podem ser utilizadas em diversas situações.
repetimos o índice e dividimos os radicandos. Vamos ver alguns exercícios resolvidos que aplicam
elas:
𝒏
√𝒂 𝒏 𝒂
𝒏 = √ Exercício Resolvido 2:
√𝒃 𝒃
Simplifique as seguintes raízes:
2.2.3 – Raiz de raiz 3
√72, √27, √54
Veja os exemplos a seguir: Resolução:

2 3 Simplificar uma raiz significa simplificar os


√ √64 = 2√4 = 2 = 6√64 = 2.3√64
radicandos ao máximo, para que os radicandos sejam
4 2 os menores números possíveis. Veja:
√ √256 = 4√16 = 2 = 8√256 = 2.4√256
√72 = √36.2 = √36. √2 = 6√2
Generalizando, para calcular uma raiz de √27 = √9.3 = √9. √3 = 3√3
outra raiz, repetimos o radicando e multiplicamos os 3 3 3 3 3
√54 = √27.2 = √27. √2 = 3 √2
índices.
3 3
Resposta: √72 = 6√2, √27 = 3√3, √54 = 3 √2
𝒏 𝒎 𝒏.𝒎
√ √𝒂 = √𝒂 Observação: quando você estiver calculando uma
expressão numérica que envolva raízes, sempre
2.2.4 – Potência de raiz simplifique as raízes ao máximo!

Veja os exemplos a seguir: Exercício Resolvido 3:

3 2 3 3
( √8) = 22 = 4 = √64 = √82 17 29
Simplifique a expressão: √ .√
4 58 34
(√4) = 24 = 16 = √256 = √44
Resolução:
Generalizando, a potência de uma raiz é igual à raiz
da potência: podemos passar o expoente de fora da
raiz para dentro. 17 29 17 29 17 29 1 1 1 2 1
√ .√ = √ . =√ . = √ . = √( ) =
𝒎
58 34 58 34 34 58 2 2 2 2
𝒏 𝒏
( √𝒂) = √𝒂𝒎
17 29 1
2.2.5 – Simplificação de índice e expoente Resposta: √ . √34 = 2
58

Veja o exemplo a seguir: Exercício Resolvido 4:


2.2 4 4 2
√22.4 = √28 = √256 = 4 = 2√16 = √24 Reduza cada uma das expressões √2. √3 e
5

6
√25
Generalizando, multiplicar ou dividir índice e 4 a um único radical.
expoente por um mesmo número não altera o √23
resultado.
𝒏.𝒑 𝒏
√𝒂𝒎.𝒑 = √𝒂𝒎

Observação: as propriedades acima valem desde Resolução:


que todas as raízes envolvidas existam (não pode
CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 43
Para multiplicar duas raízes, elas devem ter o Observação: Valem para as potências de expoente
mesmo índice. No entanto, a raiz √2 tem índice 2 racional as mesmas propriedades válidas para as de
5
e a raiz √3 tem índice 5. Para que elas tenham o expoente inteiro, que nós já vimos!
mesmo índice, esse índice deve ser o MMC entre os Exercício Resolvido 5:
índices originais (2 e 5), que é 10. Então devemos
5
multiplicar o índice de √2 por 5 e o índice de √3 por Calcule as seguintes potências de expoente
1 3 2
2. Para isso, vamos usar então a propriedade 2.2.5: racional: 83 , 42 , 325
2 102.5 10
√2 = √21 = √21.5 = √25 = √32 Resolução:
5 5 5.2 10 10
√3 = √31 = √31.2 = √32 = √9
1 3 3
83 = √81 = √8 = 2
Uma vez que as duas raízes tenham o mesmo índice, 3
podemos multiplicá-las normalmente: 42 = √43 = √64 = 8
2 5 5 2
325 = √322 = ( √32) = 22 = 4
5 10 10 10 10
√2. √3 = √32. √9 = √32.9 = √288
1 3 2
Para dividir duas raízes, elas devem ter o Resposta: 83 = 2, 42 = 8, 325 = 4
6
mesmo índice. No entanto, a raiz √25 tem índice 6
4 2.5 – Racionalização de denominadores
e a raiz √23 tem índice 4. Para que elas tenham o
mesmo índice, esse índice deve ser o MMC entre os
Racionalizar o denominador de uma fração
índices originais (6 e 4), que é 12. Então devemos
6 4 significa eliminar todos os radicais que existem no
multiplicar o índice de √25 por 2 e o índice de √23 por denominador da mesma, sem, porém, alterar seu
3. Para isso, vamos usar então a propriedade 2.2.5: valor. Desta forma, o denominador torna-se um
6 6.2 12
número racional. Para fazer isso, deve-se multiplicar
√25 = √25.2 = √210 a fração em cima e embaixo por um número
4 4.3 12
√23 = √23.3 = √29 conveniente.

Uma vez que as duas raízes tenham o mesmo índice, Exercício Resolvido 6:
podemos dividí-las normalmente:
Racionalize os denominadores das seguintes
2 7
6
√25
12
√210 12 210 12 10−9 12 1 12 frações: ,5
4 = 12 = √ = √2 = √2 = √2 √3 √8
√23 √29 29
Resolução:
6
√25 2
5 10 12 Primeiro vamos racionalizar .Repare que se
Resposta: √2. √3 = √288 e 4 = √2 √3
√23
multiplicarmos o denominador por √3, teremos no
2.4 – Potência de expoente racional denominador da fração resultante √3. √3 = 3 (que é
racional!). Logo √3 é um número conveniente:
Neste capítulo nós vimos potências cujo
expoente é um número natural (𝑎𝑛 = 𝑎 vezes 𝑎 𝑛 2 √3 2. √3 2√3
vezes) e até mesmo com expoente negativo . = =
√3 √3 √3. √3 3
1
(𝑎−𝑛 = ). Mas alguém pode perguntar: e se
𝑎𝑛 7 5 5
o expoente for uma fração, que é um número racional, Agora vamos racionalizar 5 . Repare que √8 = √23
como vamos calcular a potência? √ 8
5
Assim, se multiplicarmos o denominador por √22 ,
Definição: Seja 𝑎 um número real positivo 𝑚 um teremos no denominador da fração resultante
5 5 5 5
número natural e 𝑛 um número natural não-nulo. √23 . √22 = √23 . 22 = √25 = 2 (que é racional!). Logo
𝑚 5
A potência de base 𝑎 e expoente raciona l é definida
𝑛
√22 é um número conveniente:
por: 5 5 5 5 5
. 7 √22 7. √22 7 √22 7 √22 7 √4
𝒎 𝒎 5 .5 =5 5 = 5 = =
𝒏 𝒏 √8 √22 √23 . √22 √25 2 2
𝒂 𝒏 = √𝒂𝒎 = ( √𝒂)
O denominador da primeira fração passou de √3 para
5
3 e o da 2ª fração passou de √8 para 2. Como os
denominadores (que originalmente eram números
irracionais) passaram a ser racionais, diz-se que os
denominadores foram racionalizados!

44 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


5
2 2√3 7 7 √4
Resposta: = e5 =
√3 3 √8 2
EXERCÍCIOS PROPOSTOS 9. Calcule:

Nível I a) 49 b) 64 c) 1
1. Calcule: d) 100 e) 36

a)81 b) 120 c) 80 d) 14 e) 1010 10. Calcule:

3 3
2. Calcule: a) 8 b) 1 c) 3 1000 d) 3
64 e) 3
0
a) 40 b) 50 c) (-6)0 d) -60 11. Calcule:
2 0 30
e) ( )
3
f)
4
g) – (−4)0 a) 81 b) - 81 c) 3
64 d) 3
64

3. Calcule: 12. A expressão com radicais 8  18  2 2 é


igual a:
a) 23 b) 210 c) 33
d) 43 e) 102 f) 1002 a) 2 b) 12 c) 3 2 d)  8
32 5
g) (3/4)2 h) i)
j) (1,02)2 k)
4
13
62 13. A expressão 18  50 é equivalente a:

a) 2 17 b) 34 2 c) 8 2 d) 5 3 e) 2 2
1 2 1 3
4. Qual é o maior ( ) ou ( ) ? 14. Racionalize o denominador das seguintes frações:
5 5
5. Calcule: 1 3 1 2
a) b) c) d)
3
5 3 2 2 3
a) (-3)2 b) (-3)3 c) (-2)4 d) (-2)5
2 2 1 3
e) −32 f) −33 g) (− ) h) (− ) Nível II
3 5

15. Se 2x = 4, qual é o valor de 21+x? E qual o valor de


6. Verifique se as sentenças são verdadeiras (V) ou 23-x?
falsas (F):
a)( ) 4-2 = - 16 b)( ) 7-3. 73 = 1 16. Sabendo que 3𝑥 = 7, calcule o valor de:
1
c) ( ) 23 = 32 d) ( ) −3−2 = a) 31+𝑥 b) 3−𝑥 c) 32𝑥 d) 32−𝑥 e) 33𝑥+1 . 3.7−1 + 5
9
17. Efetue as operações nas seguintes expressões
7. Calcule: algébricas:

a) 2-2 b) (-5)-3 c) –2-3 a) x3 . (x + x2 + x4)= b) (7x5 - 8x4) : x4 =


c) (6x3 + 3x2) : (-3x) =
1 2 3
d) e) f) 18. Escrever a expressão 2 2 3 2 na forma de um
2−3 3−1 5−3
2 −1 3 −3 2−1 único radical.
g) ( ) h) (− ) i)
3 5 3−2
19. Escrever na forma de um único radical, supondo
a>0 e b>0:
8. Calcule: a
3
a) 2. 3 3 b) a. 4 b c)
5
a) 23 x 22 = b) 103 :10 = c) 23 x 33 = a2
d) 303 : 63 = e) ((23)2)1 = f) ((32)5)0 = 313  312
20. Simplificando-se o radical , obtém-se:
25 : 23
3 2
g) 22 = h) 23 = i) 44 :26 = 243 81 729
a) b) c) 729 d) 243 e)
j) 95 :32 = k) 272:93 = l) 93:32 =
2 2 2

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 45


2

 1  5 4 1
21. Calculando-se    , obtém-se: 5. a) 9 b) −27 c) 16 d) −32 e) −9 f) −27 g)
9
h) −
125
 243 
6. a) Falsa b) Verdadeira c) Falsa d) Falsa
a) -81 b) –9 c) 9 d) 81
e) um número que não é real 1 1 1 3 125 9
7. a) b) − c) − d) 8 e) 6 f) 375 g) h) − i)
4 125 8 2 27 2
3
2
22. O valor de (9) +(32)0,8 é: 8. a) 25 = 32 b) 102 = 100 c) 63 = 216 d) 53 = 125
a) 43 b) 25 c) 11 d) 36 e) 17 e) 26 = 64 f) 30 = 1 g) 28 = 256 h) 29 = 512
2
i) 2 = 4 j) 3 = 6561 k) 30 = 1
8
l) 34 = 81
9. a) 7 b) 8 c) 1 d) 10 e) 6
23. Calcular:
10. a) 2 b) 1 c) 10 d) 4 e) 0
a) 811/2 b) 81/ 3 c) 321/ 5
1/ 3 2/ 3 11. a) 9 b) −9 c) 4 d) −4
 8   125 
d) 813/ 4 e)   f)  
 27   8  12. A
3/ 4 13. C
1
g) 8 –1/ 3 h)   i) (-27)1/ 3
 16 
3
√5 √2 2 √9
14. a) b) √3 c) d)
j) –81/3 l) (–2)1/2 5 4 3

24. Calcular o valor numérico da expressão 15. 21+𝑥 = 8; 23−𝑥 = 2


1
6 2
1
 4  2  1  
 1 9
16. a) 21 b) c) 49 d) e) 446
6
729        7 7
9  2  
17. a) 𝑥 4 + 𝑥 5 + 𝑥 7 b) 7𝑥 − 8 c) −2𝑥 2 − 𝑥
3
25. Calcule o valor numérico da expressão 18. √32
( ) ( )
4 −1 3 2 3 4 19. a)
6
√72 b)
12
√𝑎4 . 𝑏 3 c)
10
√𝑎
(− ) + 1,25 { √343 + [[5. (0,6) + √0,0625 + 1]}
3 3
20. C

GABARITO 21. C

22. A
1. a) 8 b) 1 c) 1 d) 1 e) 10.000.000.000
2
1 23. a) 9 b) 2 c) 2 d) 27 e)
2. a) 1 b) 1 c) 1 d) −1 e) 1 f) g) −1 3
4 25 1
f) g) h) 8 i) −3 j) −2
4 2
3. a) 8 b) 1024 c) 27 d) 64 e) 100 f) 10.000 k) Não é um número real
9 9 25
g) h) i) j) 1,0404 k) 1 7
16 4 36 24. −
2
1 2
4. (− ) 25. 10,15
5

46 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 29
ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO X – FATORAÇÃO

1 – EXPRESSÕES ALGÉBRICAS 2º) Podemos ter expressões algébricas com mais de


uma variável ou ainda sem variável:
2xy : expressão com duas variáveis: x e y
Expressão numérica é aquela que apresenta uma
5a² b c³: expressão com três variáveis: a, b e c
seqüência de operações e de números. Já sabemos que
25 : expressão sem variável.
letras são usadas em Matemática para representar
números desconhecidos ou para generalizar
propriedades e fórmulas da Geometria, por exemplo. As 1.1 – Valor Numérico
expressões que apresentam letras, bem como sinais de
operações e números, são chamadas expressões Quando substituímos as variáveis de uma
algébricas e as letras são conhecidas como variáveis. expressão por números e efetuamos as operações
indicadas, o resultado encontrado é o valor numérico da
Todo número natural multiplicado por 1 é igual a ele expressão.
mesmo. O valor numérico da expressão 5𝑥 + 4 para 𝑥 = 2, por
exemplo, é:
Em linguagem matemática, essa propriedade 5 × 2 + 4 = 10 + 4 = 14
pode ser escrita da seguinte maneira: x . 1 = x
Onde x representa um número natural qualquer.
Veja o exemplo: Sabendo que a expressão ab representa a área
Uma pessoa ganha R$ 20,00 por dia de trabalho. de um retângulo, responda:
Para calcular quanto essa pessoa ganhará, após alguns Qual a área de um retângulo com dimensões a =
dias de trabalho, podemos escrever a expressão 2,5 cm e b = 4 cm?
algébrica: 20.𝑥, onde 𝑥 representa o número de dias O valor numérico de ab é: 2,5 x 4 = 10
trabalhados. Logo, a área do retângulo é 10 cm².
Se a pessoa trabalhar dois dias, receberá
R$ 20,00 × 2 = R$ 40,00. 1.2 – Monômios
Se a pessoa trabalhar dez dias, receberá
R$ 20,00 × 10 = R$ 200,00. As expressões algébricas que não apresentam
Portanto, a expressão algébrica nos permite adições e subtrações entre os números e as variáveis,
calcular o ganho dessa pessoa, por meio da são chamadas de monômios. Por exemplo: 6x, 3x²y² ab,
multiplicação da variável 𝑥 que é número de dias 10 etc. A parte numérica de um monômio é o coeficiente
trabalhados, é: e a outra parte formada por letras é a parte literal. De
Ganho= 20.𝑥 acordo com os exemplos anteriores, vamos destacar o
coeficiente e a parte literal de cada monômio:
A expressão algébrica da área de um quadrado
de x cm de lado é determinada elevando-se a medida do 6x → coeficiente: 6 3x ² y² →coeficiente: 3
seu lado ao quadrado. Veja: Parte literal: x Parte literal: x ² y²

10 → coeficiente 10
parte literal: não tem

ab → coeficiente: 1 (ab é o mesmo que 1 ab)


Área = x² Parte literal: ab
x
Dois ou mais monômios que possuem a mesma
Figura 1 – quadrado de lado x
parte literal são chamados de monômios semelhantes.
Assim, podemos determinar a área de qualquer Para somar ou subtrair monômios eles devem ser
quadrado por meio da substituição da variável x pela semelhantes. Caso contrário a adição e a subtração
medida do lado do quadrado. serão apenas indicadas e não efetuadas. A expressão
seguinte é um exemplo de operações com monômios:
Observações:
4xy + 7xy - 5xy = (4 + 7 - 5)xy = 6xy
1º) Nas expressões algébricas não é usual se escrever o
sinal de multiplicação, veja:

2 . x se escreve 2x
a . b se escreve ab

Veja outro exemplo:


CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 47
No retângulo abaixo, assinalamos as medidas (- 14ab + 7a) - (- 12ab + 6a) = (Retirando os
dos seus lados em cm. De acordo com a figura, vamos parênteses e trocando os sinais do 2º polinômio)
determinar a expressão algébrica mais simples (com = - 14ab + 7a + 12ab - 6a =
menos termos) que representa o perímetro desse = - 14ab + 12ab + 7a - 6a =
retângulo. = - 2ab + a (Diferença dos dois polinômios)

2 – PRODUTOS NOTÁVEIS
x-3
O cálculo algébrico é uma valiosa ferramenta para
a álgebra e para a geometria. Em capítulos anteriores, já
vimos algumas operações com expressões algébricas.
2x + 1
Neste capítulo, estudaremos alguns produtos
Figura 2 – retângulo de lados 2𝑥 + 1 e 𝑥 − 3
especialmente importantes porque aparecem com muita
freqüência no cálculo algébrico. Esses produtos são
O perímetro de um retângulo é calculado conhecidos pelo nome de produtos notáveis. Produto por
somando-se as medidas de seus lados: ser resultado de uma multiplicação, e notável por ser
importante, digno de nota, que se destaca.
2 (2x + 1) + 2 (x - 3) = (aplicando a propriedade Vamos verificar que podemos calcular a área de
distributiva da multiplicação) algumas figuras de maneiras diferentes.
= 4x + 2 + 2x - 6 = (aplicando a propriedade comutativa
da adição) 2.1 – Quadrado da soma de dois termos
= 4x + 2x + 2 - 6
Vejamos a área da figura abaixo, cujo lado mede
No exemplo acima, foram efetuadas as operações dos a.
monômios semelhantes, até chegar à expressão mais
simples que representa o perímetro do retângulo acima é
6x - 4.
a
1.3 – Polinômios Área: a2

Uma expressão formada por adições e subtrações


de monômios é chamada de polinômio (poli = muitos). a
Uma expressão como 4a²² - 7ab + b²² - 2a²² - ab - b²² é
Figura 3 – quadrado de lado 𝑎
um polinômio formado por seis monômios ou termos.
Como existem termos semelhantes nesse polinômio,
Aumentando de b a medida de cada lado desse
podemos reduzi-los efetuando as operações indicadas
quadrado, determinamos um quadrado de lado a + b,
na seqüência:
assim:
4a²² - 7ab + b²² - 2a²² - ab - b²²
Área = (a+b)2 a b
= 4a²² - 2a²² - 7ab - ab + b²² - b²² =
= (4 - 2)a22 + ( -7 -1)ab + (1 – 1)b22 =
a
= 2a²² - 8ab + 0 = 2a²² - 8ab

A expressão encontrada é chamada de forma


b
reduzida do polinômio, pois as operações com os termos
restantes não podem mais ser efetuadas. Assim, para
somar ou subtrair polinômios, basta reduzir seus termos Figura 4 – quadrado de lado 𝑎 + 𝑏
semelhantes.

Somando o polinômio 3x² - 4xy + y² com - x² - 2xy + 4y² ,


temos:
(3x² - 4xy + y²) + (- x² - 2xy + 4y²) = (Retirando os
parênteses)
=3x² - 4xy + y² - x² - 2xy + 4y² = (Aplicando a
propriedade comutativa)
=3x² - x² - 4xy - 2xy + y² + 4y² = (Reduzindo os termos
semelhantes)
=2x² - 6xy + 5y² = Soma dos dois polinômios. Outra maneira de calcular a área desse quadrado é
somando as áreas de cada uma das figuras que o
No caso da subtração de dois polinômios, temos o formam. Observe que temos dois quadrados, de lados a
exemplo:

48 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


e b respectivamente, e dois retângulos iguais, cujas
dimensões são a e b: Exercício Resolvido 2:
a b a b
𝑥 2
Desenvolva (𝑥 + 1)2 , (3𝑥 + 4)2 , (𝑎2 + 3𝑏)2 , ( + 𝑦)
2
a a a

Resolução:
b b b

a b (x + 1)2 = x2 + 2.x.1 + 12 = x2+ 2x +1


Figura 5 – quadrado de lado 𝑎 + 𝑏,dividido em um quadrado de lado 𝑎,
dois retângulos de lados 𝑎, 𝑏, e em um quadrado de lado 𝑏 (3x +4) = (3x)2 + 2. (3x).4 + 42 = 9x2 + 24x +16

(a2 + 3b)2 = (a2)2 + 2.a2.3b + (3b)2 = a4 + 6a2b + 9b2


 a  b 2 a b
2
= a2 + + b2 2 2
x   x  x x2
  y      2.   y  y   xy  y
2 2

Podemos ainda calcular a área desse quadrado 2   2  2 4


usando cálculo algébrico:
 a  b   a  b  . a  b 
2
Resposta: (𝑥 + 1)2 = 𝑥 2 + 2𝑥 + 1
(3𝑥 + 4)2 = 9𝑥 2 + 24𝑥 3𝑥
+ 16
Elevar ao quadrado é o mesmo que multiplicar dois
(𝑎2 + 3𝑏)2 = 𝑎4 + 6𝑎2(𝑏 + 16
fatores iguais.
𝑥 2 𝑥2
Aplicando a propriedade distributiva da multiplicação. ( + 𝑦) = + 𝑥𝑦 + 𝑦 2
 a  b . a  b   a2  ab  ba  b2 2 4

 a 2  ab  ab  b2  a 2  2ab  b 2 2.2 – Quadrado da diferença de dois termos

Logo: O segundo produto notável é o quadrado da


diferença entre dois termos e é praticamente igual ao
primeiro produto, sendo a única diferença o sinal.
(a + b)2 = a2 + 2ab +b2 Vamos calculá-lo:

(𝑎 − 𝑏)2 = (𝑎 − 𝑏). (𝑎 − 𝑏) = 𝑎2 − 𝑎𝑏 − 𝑏𝑎 + (−𝑏)2 =


O trinômio obtido é chamado de trinômio = 𝑎2 − 𝑎𝑏 − 𝑎𝑏 + 𝑏 2 = 𝑎2 − 2𝑎𝑏 + 𝑏 2
quadrado perfeito por ser o resultado do quadrado de (a
+ b). Observe novamente esse produto: Logo:

Portanto, o primeiro produto notável pode ser lido (a- b)2 = a2 – 2ab +b2
assim:

O quadrado da soma de dois termos é igual ao que pode ser lido assim:
quadrado do 1º termo, mais duas vezes o produto do
1º pelo 2º, mais o quadrado do 2º termo. O quadrado da diferença de dois termos é igual ao
quadrado do 1º termo, menos duas vezes o produto
Exercício Resolvido 1: do 1º termo pelo 2º termo, mais o quadrado do 2º
termo.
Calcule (2 + 3)2 de duas maneira diferentes.
Exercício Resolvido 3:
Resolução:
Desenvolva (𝑎 − 2)2 , (𝑥 2 − 2𝑦)2
(2 + 3)2 = 25 52 =
(2 + 3)2 = 22 +2.2.3 +32 =4 + 12 + 9 = 25 Resolução:

Resposta: (2 + 3)2 = 25. Encontramos o mesmo (a – 2)2 = a2 – 2.a. 2 + 22 = a2 – 4a + 4


resultado nos dois caminhos usados. (x2 – 2y)2 = (x2)2 - 2.x2.2y + (2y)2 = x4 - 4x2y + 4y2

É claro que, nesse exemplo, não faz sentido usar Resposta: (𝑎 − 2)2 = 𝑎2 − 4𝑎 + 4
a conclusão do produto notável, pois, como os termos da (𝑥 2 − 2𝑦)2 = 𝑥 4 − 4𝑥 2 𝑦 + 4𝑦 2
soma são números, podemos achar diretamente o
resultado, somando os números e elevando o resultado
ao quadrado.
No entanto, No caso de uma soma algébrica, é 2.3 – Produto da soma pela diferença
impossível efetuar a adição, e então temos de usar a
regra do produto notável.
CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 49
O terceiro produto notável pode ser mostrado por Também é possível calcular esse produto notável
meio do cálculo da área de uma figura. Essa área será algebricamente:
calculada também de duas maneiras diferentes.
(𝑎 + 𝑏). (𝑎 − 𝑏) = 𝑎2 − 𝑎𝑏 + 𝑏𝑎 − 𝑏 2 =
= 𝑎2 − 𝑎𝑏 + 𝑎𝑏 − 𝑏 2 = 𝑎2 − 𝑏 2

Então:

(a+b).(a-b) = a2 – b2

que pode ser lido:

Figura 6 – região pintada em L, igual à diferença entre um quadrado de O produto da soma pela diferença de dois termos é
lado 𝑎 e um quadrado de lado 𝑏 igual ao quadrado do 1º termo menos o quadrado do
2º termo.
A área que devemos calcular é a da figura
pintada em forma de L que tem três dimensões
diferentes a, b e c, onde c = a - b.A figura pintada é
Exercício Resolvido 4:
exatamente a diferença entre um quadrado maior de
lado a e um quadrado menor de lado b.
Área do L = área do quadrado maior - área do Desenvolva (𝑥 + 2)(𝑥 − 2), (2𝑥 − 5𝑦)(2𝑥 + 5𝑦),
𝑥 𝑦 𝑥 𝑦
quadrado menor. Então: (𝑎2 + 𝑏)(𝑎2 − 𝑏), ( + ) ( − )
2 3 2 3
Área do L = a2 – b2 Resolução:
Outra maneira para calcular a área do L é decompor a (x + 2)(x – 2) = x2 – 22 = x2 – 4
figura em dois retângulos, assim:
(2x – 5y)(2x+5y) = (2x)2 – (5y)2 = 4x2 – 25y2
c
(a2 + b)(a2 – b) = (a2)2 – b2 = a4 –b2

𝑥 𝑦 𝑥 𝑦 𝑥 2 𝑦 2 𝑥 2 𝑦2
( + )( − ) = ( ) − ( ) = −
2 3 2 3 2 3 4 9

Resposta: (𝑥 + 2)(𝑥 − 2) = 𝑥 2 − 4

(2𝑥 − 5𝑦)(2𝑥 + 5𝑦) = 4𝑥 2 − 25𝑦 2


Figura 7 –retângulo de lados 𝑎, 𝑐 e retângulo de lados 𝑏, 𝑐
(𝑎2 + 𝑏)(𝑎2 − 𝑏) = 𝑎4 − 𝑏 2
Observe na figura anterior, que c = a – b
𝑥 𝑦 𝑥 𝑦 𝑥 2 𝑦2
( + )( − ) = +
Como os dois retângulos têm uma das dimensões iguais 2 3 2 3 4 9
(c), vamos colocá-los juntos de maneira a formar um só
retângulo de medidas a + b e a - b. Observações:

1. Quando se diz “o quadrado da soma de dois


números”, essa sentença é representada algebricamente
por (x+y)2.

2. Quando se diz “a soma dos quadrados de dois


números”, a expressão correspondente é x2 + y2.
3. Da mesma forma, “o quadrado da diferença”
representa-se por (x-y)2 e “a diferença entre dois
Figura 8 –retângulo de lados 𝑎, 𝑎 − 𝑏 e retângulo de lados 𝑏, 𝑎 − 𝑏 quadrados” por x2 – y2. .
formando um retângulo maior de lados 𝑎 + 𝑏,𝑎 − 𝑏

comprimento: a + b
largura: a –b
2.4 – Cubo da soma de dois termos
Calculando a área do retângulo, que é igual à área do L,
temos: O quarto produto notável pode ser mostrado
Área do retângulo: (a + b) (a - b) utilizando o primeiro produto notável:

50 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


(𝑎 + 𝑏)3 = (𝑎 + 𝑏)(𝑎 + 𝑏)2 = (𝑎 + 𝑏)(𝑎2 + 2𝑎𝑏 + 𝑏 2 ) (𝑎 − 3𝑏)3 = 𝑎3 − 3𝑎2 (3𝑏) + 3𝑎(3𝑏)2 − (3𝑏)3 =
= 𝑎3 + 2𝑎2 𝑏 + 𝑎𝑏 2 + 𝑎2 𝑏 + 2𝑎𝑏 2 + 𝑏 3 = = 𝑎3 − 9𝑎2 𝑏 + 3𝑎. 9𝑏 2 − 27𝑏 3 =
= 𝑎3 + 3𝑎2 𝑏 + 3𝑎𝑏 2 + 𝑏 3 = 𝑎3 − 9𝑎2 𝑏 + 27𝑎𝑏 2 − 27𝑏 3
Logo:
Resposta: (𝑎 − 3𝑏)3 = 𝑎3 − 9𝑎2 𝑏 + 27𝑎𝑏 2 − 27𝑏 3
(a + b)3 = a3 + 3a2b + 3ab2 +b3
2.6 – Soma dos cubos de dois termos
que pode ser lido assim:
O sexto produto notável é a soma de dois cubos
O cubo da soma de dois termos é igual ao cubo do e pode ser demonstrado da seguinte maneira:
primeiro termo, mais três vezes o quadrado do
primeiro termo vezes o segundo, mais três vezes o (a + b)3 = a3 + 3a2b + 3ab2 + b3
quadrado do segundo termo vezes o primeiro, mais o Logo :
cubo do segundo termo. a3 + b3 = (a + b)3 - 3a2b - 3ab2
a3 + b3 = (a + b) 3 – 3ab(a + b)
a3 + b3 = (a + b) [(a + b) 2 – 3ab]
Exercício Resolvido 5:
a + b3 = (a + b) (a2 + 2ab + b2 – 3ab)
3

Desenvolva (2𝑎 + 𝑏)3


(a + b) (a2 - ab + b2) = a3 + b3
Resolução:

(2𝑎 + 𝑏)3 = (2𝑎)3 + 3(2𝑎)2 𝑏 + 3.2𝑎. 𝑏 2 + 𝑏 3 =


= 8𝑎3 + 3.4𝑎2 𝑏 + 6𝑎𝑏 2 + 𝑏 3 = 2.7 – Diferença dos cubos de dois termos
= 8𝑎3 + 12𝑎2 𝑏 + 6𝑎𝑏 2 + 𝑏 3
O sétimo produto notável é a diferença de dois
Resposta: (2𝑎 + 𝑏)3 = 8𝑎3 + 12𝑎2 𝑏 + 6𝑎𝑏 2 + 𝑏 3 cubos e pode ser demonstrado da seguinte maneira:
(a - b)3 = a3 - 3a2b + 3ab2 - b3
Logo :
2.5 – Cubo da diferença de dois termos a3 - b3 = (a - b)3 + 3a2b - 3ab2
a3 - b3 = (a - b) 3 + 3ab(a - b)
O quinto produto notável pode ser mostrado a3 - b3 = (a - b) [(a - b) 2 + 3ab]
utilizando o segundo produto notável: a - b3 = (a - b) (a2 - 2ab + b2 + 3ab)
3

(𝑎 − 𝑏)3 = (𝑎 − 𝑏)(𝑎 − 𝑏)2 = (𝑎 − 𝑏)(𝑎2 − 2𝑎𝑏 + 𝑏 2 )


= 𝑎3 − 2𝑎2 𝑏 + 𝑎𝑏 2 − 𝑎2 𝑏 + 2𝑎𝑏 2 − 𝑏 3 = (a - b) (a2 + ab + b2) = a3 - b3
= 𝑎3 − 3𝑎2 𝑏 + 3𝑎𝑏 2 − 𝑏 3
Logo:
Resumindo:
3 3 2 2
(a - b) = a - 3a b + 3ab - b 3 Os sete produtos notáveis estudados são:

1. Quadrado da soma de dois termos:


(a + b)2 = a2 + 2ab +b2
que pode ser lido assim:
2. Quadrado da diferença de dois termos:
(a - b)2 = a2 - 2ab +b2
O cubo da diferença de dois termos é igual ao cubo
3. Produto da soma pela diferença de dois
do primeiro termo, menos três vezes o quadrado do
termos:
primeiro termo vezes o segundo, mais três vezes o
(a+b).(a-b) = a2 – b2
quadrado do segundo termo vezes o primeiro, menos
4. Cubo da soma de dois termos:
o cubo do segundo termo
(a + b)3 = a3 +3a2b+ 3ab2 +b3
5. Cubo da diferença de dois termos:
(a - b)3 = a3 - 3a2b + 3ab2 - b3
6. Soma do cubo de dois termos:
(a + b) (a2 - ab + b2) = a3 + b3
7. Diferença do cubo de dois termos:
(a - b) (a2 + ab + b2) = a3 - b3
3 – FATORAÇÃO
Exercício Resolvido 6:
A palavra fatoração nos leva a pensar em fatores,
Desenvolva (𝑎 − 3𝑏)3 e, como já sabemos, fatores são os elementos de uma
multiplicação. Fatorar um número, portanto, é escrevê-lo
Resolução: na forma de uma multiplicação de fatores. Por exemplo,

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 51


o número 16 pode ser escrito como uma multiplicação de
fatores, de várias maneiras: Fatore a expressão: 3𝑥𝑦 + 6𝑥.

16 = 2 x 8 Resolução:
16 = 4 x 4
16 = 2 x 2 x 2 x 2 Temos que 3 e x são fatores comuns às duas parcelas,
16 = 24 logo 3x é um fator comum. Podemos, então, escrever a
expressão assim:
No caso de uma expressão numérica cujas 3 xy 6 x
parcelas têm um fator comum, podemos fatorá-la, assim: 3xy + 6x = 3x. ( + ) . Mas
7 x 2 + 5 x 2 = (7 + 5) x 2 3x 3x
3𝑥𝑦 6𝑦 3𝑥𝑦 6𝑥
=𝑦; = 2 ⇒ 3𝑥 ( + ) = 3𝑥(𝑦 + 2)
Vamos aprender, neste capítulo, a fatoração de 3𝑥 3𝑥 3𝑥 3𝑥
expressões algébricas, que é muito utilizada para a
simplificação dos cálculos algébricos. Vamos considerar Resposta: 3𝑥𝑦 + 6𝑥 = 3𝑥(𝑦 + 2)
um terreno formado por dois lotes de comprimentos
diferentes e de mesma largura: Dizemos que o fator 3x foi colocado “em
evidência”, isto é, em destaque no lado esquerdo da
expressão. No lado direito, dentro dos parênteses, ficam
os termos da expressão original que sobraram quando
tiramos o 3x.

Exercício Resolvido 8:

Fatore a expressão: 2𝑎2 𝑏 − 4𝑎𝑏 2.

Figura 9 – retângulo de lados 𝑎 + 𝑏,𝑥, formado por um retângulo de Resolução:


lados 𝑎, 𝑥 e um retângulo de lados 𝑏, 𝑥
Os fatores comuns são 2, a e b, logo 2ab é um fator
Podemos calcular a área total do terreno de duas comum. Colocando 2.a.b “em evidência”, temos:
maneiras diferentes:
2𝑎2 𝑏 4𝑎𝑏 2
 Calculando a área de cada lote e depois as 2𝑎2 𝑏 − 4𝑎𝑏 2 = 2𝑎𝑏 ( − )
2𝑎𝑏 2𝑎𝑏
somando; 2𝑎2 𝑏 4𝑎𝑏 2
 Somando os comprimentos dos dois lotes e =𝑎; = 2𝑏 ⇒
calculando diretamente a área total do 2𝑎𝑏 2𝑎𝑏
terreno; 2𝑎2 𝑏 4𝑎𝑏 2
⇒ 2𝑎𝑏 ( − ) = 2𝑎𝑏(𝑎 − 2𝑏)
As duas maneiras dão o mesmo resultado; 2𝑎𝑏 2𝑎𝑏
portanto, podemos escrever:
Resposta: 2𝑎2 𝑏 − 4𝑎𝑏 2 = 2𝑎𝑏(𝑎 − 2𝑏)
Área do lote I: ax Área do lote II: bx
Comprimento total do terreno: (a + b) Para ter certeza de que a fatores foi feita
Área do terreno: (a + b) x corretamente, você pode multiplicar os fatores obtidos e
Logo: ax + bx = (a + b) x verificar se o produto deles é a expressão original:

Portanto, sempre que numa soma de duas ou 2𝑎𝑏(𝑎 − 𝑏) = 2𝑎𝑏. 𝑎 − 2𝑎𝑏. 𝑏 = 2𝑎2 𝑏 − 2𝑎𝑏 2
mais parcelas houver um fator comum a todas as
parcelas (como o x em ax + bx), podemos fatorar essa Ou seja, foi usada a propriedade distributiva da
expressão, e esse fator comum será um dos fatores da multiplicação para verificar se a fatoração está correta.
expressão após ser fatorada. 3.2 – Fatoração utilizando produtos notáveis
Como fazer para descobrir o outro fator da
expressão fatorada? Basta dividir a expressão que vai Infelizmente, nem todas as expressões
ser fatorada pelo fator comum, que é o que sobrou. algébricas admitem um fator comum a todas as suas
3.1 – Fator comum em evidência parcelas. Nesse caso, podemos tentar fatorar a
expressão utilizando os produtos notáveis que acabamos
Uma das principais maneiras de fatorar uma expressão de estudar.
algébrica é procurar por um fator comum a todas as suas Quando nós estudamos produtos notáveis, nós
parcelas. Esse fator comum é colocado “em evidência”, partimos de um produto de fatores e escrevemos o
em destaque no lado esquerdo. No lado direito, dentro produto como uma soma de várias parcelas.
dos parênteses, ficam os termos da expressão original Agora nós queremos fazer exatamente o oposto
que sobraram quando tiramos o fator comum. disso: partindo de uma soma de várias parcelas,
queremos escrevê-la como um produto de fatores.
Exercício Resolvido 7:
52 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares
Para fazer isso, nós devemos analisar a A expressão 𝑥 3 + 2𝑥 2 + 2𝑥 + 1 é uma expressão com
expressão algébrica e descobrir em qual dos 7 produtos quatro termos, que envolve um cubo (𝑥 3 ) e só tem
notáveis ela se encaixa: se é um quadrado da soma de sinais ‘+’, então ela é parecida com um cubo da soma de
dois termos, se é um cubo da diferença de dois termos, dois termos (produto notável 2.4). Essa expressão
etc. envolve o cubo de 𝑥 e o cubo de 1. Então, fazendo 𝑎 = 𝑥
Muitas expressões algébricas podem ser escritas e 𝑏 = 1 na expressão
como a diferença entre dois quadrados, cuja expressão (𝑎 + 𝑏)3 = 𝑎3 + 3𝑎2 𝑏 + 3𝑎𝑏 2 + 𝑏 3 , tem-se:
geral é 𝑎2 − 𝑏 2 . Essa expressão é resultante do produto
(𝑎 + 𝑏)(𝑎 − 𝑏). Usando essa idéia, podemos fatorar as (𝑥 + 1)3 = 𝑥 3 + 3𝑥 2 . 1 + 3𝑥. 12 + 13 =
expressões 4𝑥 2 − 9 ; = 𝑥 3 + 3𝑥 2 + 3𝑥 + 1
𝑥2
36𝑎2 − 1 ; 16 − A última expressão parece-se muito com a expressão
25
original. De fato, tem-se:
4x² - 9 = (2x + 3) (2x + 3) (forma fatorada)
36a² - 1 = (6a + 1) (6a - 1) (forma fatorada) 𝑥 3 + 2𝑥 2 + 2𝑥 + 1 = 𝑥 3 + 3𝑥 2 + 3𝑥 + 1 − 𝑥 2 − 𝑥 =
x² x x = (𝑥 + 1)3 − (𝑥 2 + 𝑥)
16 - = ( 4 + ) . ( 4 – ) (forma fatorada)
25 5 5 Observa-se que 𝑥 + 1 é fator de (𝑥 + 1)3 . Então, vamos
fatorar 𝑥 2 + 𝑥 para verificar se (𝑥 + 1)3 e (𝑥 2 + 𝑥) têm
Outros dois produtos notáveis bastante comuns
algum fator comum.
são o quadrado da soma de dois termos e o quadrado da
diferença de dois termos, que também são chamados de
𝑥 é fator comum de 𝑥 2 e 𝑥, logo (𝑥 2 + 𝑥) = 𝑥(𝑥 + 1)
trinômios quadrados perfeitos. O nome “trinômio” vem do
fato que eles são escritos como uma expressão com três
Então 𝑥 + 1 é fator comum de (𝑥 + 1)3 e (𝑥 2 + 𝑥):
monômios: 𝑎2 ; 2𝑎𝑏 ; 𝑏 2 .
Então, sempre que que reconhecemos um
(𝑥 + 1)3 − (𝑥 2 + 𝑥) = (𝑥 + 1)(𝑥 + 1)2 − 𝑥(𝑥 + 1) =
trinômio quadrado perfeito, podemos fatorá-lo
(𝑥 + 1)[(𝑥 + 1)2 − 𝑥] = (𝑥 + 1)[𝑥 2 + 2𝑥 + 1 − 𝑥] =
escrevendo-o na forma de um quadrado da soma ou da
= (𝑥 + 1)(𝑥 2 + 𝑥 + 1)
diferença de dois termos. Por exemplo:
Resposta: 𝑥 3 + 2𝑥 2 + 2𝑥 + 1 = (𝑥 + 1)(𝑥 2 + 𝑥 + 1)
x² + 8x + 16 = (x + 4)²
x4 - 2x² + 1 = (x² - 1)²
No último exercício resolvido, você viu que
tivemos que misturar duas técnicas de fatoração (cubo
Os outros 4 tipos de produtos notáveis envolvem
da soma de dois termos e fator comum em evidência).
cubos: o cubo da soma e o cubo da diferença são
expressões com quatro termos e a soma de cubos e a Em muitos problemas de fatoração, é necessário
diferença de cubos são expressões que envolvem dois empregar várias técnicas diferentes. Só com a prática é
possível identificar a melhor estratégia para fatorar uma
termos.
expressão algébrica.
Exercício Resolvido 9:

Fatore a expressão: 𝑥 3 + 1.

Resolução:

𝑥 3 + 1 é a soma de 𝑥 3 (que é o cubo de 𝑥) com 1 (que é


o cubo de 1), logo pode ser escrita como uma soma de
dois cubos (produto notável 2.6). EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Quando compararmos 𝑥 3 + 1 = 𝑥 3 + 13 com 𝑎3 + 𝑏 3 ,
concluímos que 𝑎 = 𝑥, 𝑏 = 1. Então, fazendo 𝑎 = 𝑥 e 𝑏 =
1 em 𝑎3 + 𝑏 3 = (𝑎 + 𝑏)(𝑎2 − 𝑎𝑏 + 𝑏 2 ), tem-se: Nível I

𝑥 3 + 13 = (𝑥 + 1)(𝑥 2 − 𝑥. 1 + 12 ) = 1. A expressão 2x representa um número múltiplo de 2.


Escreva a expressão que representa os múltiplos de 5.
= (𝑥 + 1)(𝑥 2 − 𝑥 + 1)
2. Escreva a propriedade comutativa da adição, usando
Resposta: 𝑥 3 + 1 = (𝑥 + 1)(𝑥 2 − 𝑥 + 1) uma expressão algébrica.
Exercício Resolvido 10: 3. Responda:
a) qual o monômio que ao somar com - 2xy resulta zero?
Fatore a expressão: 𝑥 3 + 2𝑥 2 + 2𝑥 + 1. b) qual o resultado de - 2a² - 5a²?

Resolução: 4. Determine o valor numérico da expressão:


x³y² - x² + y³ para x = 2 e y = -1.
CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 53
15. Fatore a expressão algébrica que representa a área
5. Desenvolva: da figura:

a) (x + y)2 b) ( - x – y)2

c) (x – y)2 d) (3a - ab)2

2 2
 2x y   3x 4 y 
e)      f)    
 3 2  2 5 

g) (x + y) (x – y) h) (2x + 3b) (2x –3b)

i) (x +y)3 j) (2a + 3b)3

k) (x - y)3 l) ( - x - y)3
𝑎2 −10𝑎+25
16. Simplifique a fração , fatorando antes o
𝑎−5
m) (- 2a - 5b)3 n) (2x + 3y)2
numerador da fração.
2
 y Nível II
o) (x2 – 2xy)(x2+2xy) p)  x   
 2
17. Desenvolva: (a+b+c)2

 
6. Desenvolva: 2
18. Desenvolva: 12  3  1 
a) (2a + b)2 + (3a - b)2 - ( - 5a - b)2

b) (a + 2)2 - 3(a + 1)2 19. Efetuando o produto


(x +1) . (x100 - x99 + x98 – x97+ ...x² - x + 1 ) , encontramos:
c) (x + y)2 - (x - y)2
a)x100 – 1 b)x200 + 1 c)x101 + x50 – 1
d) (a + 1)3 - (a - 2 )3 d)2x100 +2 e)x101 + 1

7. Calcule o valor de 5.36 + 5.24 + 5.15 fatorando antes 20. Fatore x³ + x² - x -1


a expressão.

8. Fatore as expressões algébricas, colocando o fator 21. O valor numérico da expressão a4 – 2a²b² +b4 para a
comum em evidência: 8 9
= eb= é um número N tal que:
17 17
a) x² + 11x b) a²b + 4ab + ab² a) 1<N < 10 b) 10-4 < N < 10-3
c) 10-3 < N < 10-2 d) 10-2 < N < 10-1
9. Qual o polinômio que somado a: (a + 2)(a - 2) dá e) 10-1 < N < 1
(a + 2)2 como resultado?

10. Verifique se o trinômio x² - 12x + 64 é um trinômio 22. Se n ≠ 0, calcule o valor da expressão


quadrado perfeito, justificando a resposta. 1
20 𝑛
( 2𝑛+4 )
11. Fatore seguintes trinômios quadrados perfeitos: 2 +2 2𝑛+2

a) x2 + 2ax + a b) 4x2 + 4x + 1 1 1
1 4  5 n 1 1  5 n
12. Fatore o trinômio a²x² + 2ax + 1. a) . (5)1 / n b) c)   d) e) .  
2 n  2 4 4  2
13. Complete o trinômio quadrado perfeito com o termo
que está faltando:
x² -.... + 9y² 23. Sabendo que x2 + y2 = 29 e (x + y)2 = 49 são
números inteiros positivos, determine:
14. Fatore a expressão x 4 - 16 e, se ainda for possível, a) x + y b) xy c) x e y
fatore o resultado obtido. Isso quer dizer fatorar
completamente a expressão. Sugestão: Desenvolva (x + y)2 e substitua (x + y) 2 e x2 +
y2 pelos seus valores dados pelo enunciado.

54 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


24. A diferença entre 2 números é 144, e a diferença
entre suas raízes quadradas é 6. Determinar os 14. (𝑥 2 + 4)(𝑥 + 2)(𝑥 − 2)
números.
15. 𝑥(2𝑦 − 𝑥)
25. Simplifique as frações:
16. 𝑎 − 5
x  y  4 z  2 xy
2 2 2
x y 4 4
a) b) 17. 𝑎2 + 𝑏 2 + 𝑐 2 + 2𝑎𝑏 + 2𝑎𝑐 + 2𝑏𝑐
x2  4 z 2  4 yz  y 2 x  y3  xy 2  x 2 y
3

 x  y  z2
2 18. 28 + 6√3
b3  b
c) d)
x2   y  z  1  by    y  b 
2 2 2
19. E

20. (𝑥 + 1)2 (𝑥 − 1)

GABARITO 21. C

1. 5𝑥 22. D
2. 𝑎 + 𝑏 = 𝑏 + 𝑎
3. a) 2𝑥𝑦 b) −7𝑎2 23. a) 7 b) 10 c) 5 e 2
4. 3
5. a) 𝑥 2 + 2𝑥𝑦 + 𝑦 2 b) 𝑥 2 + 2𝑥𝑦 + 𝑦 2 24. 15 e 9

c) 𝑥 2 − 2𝑥𝑦 + 𝑦 2 d) 9𝑎2 − 6𝑎2 𝑏 + 𝑎2 𝑏 2 𝑥+𝑦−2𝑧 𝑥+𝑦+𝑧 𝑏


25. a) b) 𝑥 − 𝑦 c) d)
𝑥−𝑦−2𝑧 𝑥−𝑦+𝑧 (𝑦+1)(𝑦−1)
4𝑥 2 𝑥𝑦 𝑦2 9𝑥 2 12𝑥𝑦 16𝑦 2
e) − + f) + +
9 3 4 4 5 25

g) 𝑥 2 − 𝑦 2 h) 4𝑥 2 − 9𝑏 2

i) 𝑥 3 + 3𝑥 2 𝑦 + 3𝑥𝑦 2 + 𝑦 3

j) 8𝑎3 + 36𝑎2 𝑏 + 54𝑎𝑏 2 + 27𝑏 3

k) 𝑥 3 − 3𝑥 2 𝑦 + 3𝑥𝑦 2 − 𝑦 3

l) −𝑥 3 − 3𝑥 2 𝑦 − 3𝑥𝑦 2 − 𝑦 3

m) −8𝑎3 − 60𝑎2 𝑏 − 150𝑎𝑏 2 − 125𝑏 3

n) 4𝑥 2 + 12𝑥𝑦 + 9𝑦 2
𝑦2
o) 𝑥 4 − 4𝑥 2 𝑦 2 p) 𝑥 2 − 𝑥𝑦 +
4

6. a) −12𝑎2 − 12𝑎𝑏 + 𝑏 2 b) −2𝑎2 − 2𝑎 + 1


c) 4𝑥𝑦 d) 9𝑎2 − 9𝑎 + 9

7. 5(36 + 24 + 15) = 5.75 = 375

8. a) 𝑥(𝑥 + 11) b) 𝑎𝑏(𝑎 + 4 + 𝑏)

9. (𝑎 + 2). 4 = 4𝑎 + 8

10. 𝑥 2 − 12𝑥 + 64 não é um trinômio quadrado perfeito,


pois fazendo-se 𝑥 2 − 12𝑥 + 64 = (𝑥 − 𝑎)2 =
= 𝑥 2 − 2𝑎𝑥 + 𝑎2 , conclui-se que 𝑎 = 6 e que 𝑎2 = 64
(ABSURDO!).

11. a) (𝑥 + 𝑎)2 b) (2𝑥 + 1)2

12. (𝑎𝑥 + 1)2

13. 6𝑥𝑦

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 55


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO XI – LINGUAGEM MATEMÁTICA

1 – LINGUAGEM MATEMÁTICA
Observe que:
0+0= 0∙0 2+2= 2∙2
A linguagem é uma forma de expressar
Será que isso é suficiente para afirmar que,
determinada idéia. Na vida prática, existem
em geral, 𝑥 + 𝑥 = 𝑥 ∙ 𝑥?
diferentes maneiras de comunicar as idéias: pela
linguagem falada, pela escrita, pela musical etc. Cuidado! Se tomarmos 𝑥 = 1, verificamos que
A Matemática também criou uma forma de 1 + 1 = 2, porém 1 ∙ 1 = 1.
comunicação. Ela se utiliza de uma linguagem Portanto, se escrevermos 𝑥 + 𝑥 = 𝑥 ∙ 𝑥, temos
universal para transmitir suas idéias de maneira que tomar o cuidado de alertar que sabemos que
simples, curta e precisa. Simples e curta porque com essa proposição é válida se 𝑥 = 0 ou 𝑥 = 2 (daqui a
apenas alguns símbolos ela pode expressar frases pouco, você vai ser capaz de mostrar que esses são
que, se escritas na linguagem corrente, usariam os únicos números que satisfazem essa afirmação).
maior quantidade de símbolos. Por exemplo, a frase Finalmente, veja o último exemplo:
“dois somado com três é igual a cinco”, se escrita na
linguagem matemática, usa apenas cinco símbolos, Letras são úteis para representar grandezas
que podem ser compreendidos por qualquer pessoa desconhecidas em problemas. Se queremos
familiarizada com símbolos matemáticos: 2 + 3 = 5. descobrir qual é o número cujo dobro é 6, podemos
Ainda, a linguagem matemática deve ser escrever:
precisa, pois a validade de seus resultados depende 2𝑥 = 6
disso. Sabemos que nas línguas comuns, como o Nesse caso, 𝑥 é chamada incógnita do
Português, ambigüidades são possíveis e há problema.
palavras com vários significados; na linguagem Mais adiante, dedicamos um tópico à
matemática, cada palavra deve ter um significado discussão do uso da linguagem matemática na
único e preciso. resolução de problemas.

1.1 – O Uso de Letras na Matemática 1.2 – O Uso de Letras na Geometria

Além de algarismos e sinais de operação As letras também podem ser usadas para
(+, −,×,÷), a linguagem matemática utiliza letras escrever “fórmulas” da Geometria. Alguns exemplos:
como nas situações dos exemplos seguintes.  A área de um retângulo pode ser expressa
Multipliquemos 1 por alguns números: por 𝑝 ∙ 𝑞, em que 𝑝 e 𝑞 representam as
1∙0=0 1∙1=1 dimensões do retângulo;
1∙2=2 1∙3=3  O perímetro desse retângulo pode ser
expresso por 2𝑝 + 2𝑞 ou 2 ∙ (𝑝 + 𝑞);
Você já deve ter percebido que o número 1  A soma dos ângulos internos de um polígono
multiplicado por um número qualquer sempre resulta convexo qualquer pode ser expressa por
nesse mesmo número. Por isso, diz-se que 1 é (𝑛 − 2) · 180𝑜 em que 𝑛 representa o
elemento neutro da multiplicação e, para representar número de lados deste;
isso, podemos escrever 1 ∙ 𝑥 = 𝑥, em que a letra 𝑥  O Teorema de Pitágoras estabelece que
representa um número qualquer. Veja outro “num triângulo retângulo, a soma dos
exemplo: quadrados dos catetos é igual à hipotenusa”,
ou em linguagem matemática: 𝑎2 + 𝑏 2 = 𝑐 2 ,
Considere dois números quaisquer cuja soma em que 𝑎 e 𝑏 são catetos e 𝑐 é hipotenusa;
seja igual a 5. Esse fato pode ser representado por
𝑎 + 𝑏 = 5, onde 𝑎 e 𝑏 representam os números que 1.3 – A Linguagem Matemática e a
somados dão 5. Veja outro exemplo: Resolução de Problemas

Para escrevermos propriedades dos números A linguagem matemática é uma ferramenta


também podemos usar letras. poderosíssima para resolver problemas. Muitos
Por exemplo, a propriedade distributiva da problemas que parecem complicados quando em
multiplicação sobre a adição pode ser escrita assim: linguagem corrente (Português), tornam-se simples
𝑥 ∙ (𝑦 + 𝑧) = 𝑥 ∙ 𝑦 + 𝑥 ∙ 𝑧 depois de traduzidos para linguagem matemática.
Como essa propriedade vale para quaisquer Essa tradução consiste em montar equações
números, as letras 𝑥, 𝑦 e 𝑧 representam três matemáticas que descrevam o problema, assim
números quaisquer. Veja outro exemplo: falamos em equacionar o problema.

56 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


2 – EQUACIONANDO PROBLEMAS
Equacionar um problema é uma das partes
Você já percebeu que a Matemática é um
mais difíceis, porém, se bem-sucedida, a resolução
excelente recurso para resolver muito dos problemas
em geral se resume à aplicação de algumas
do nosso dia-a-dia. Mas a Matemática também pode
técnicas.
ser vista sob outro aspecto: o da brincadeira.
Por enquanto, concentre-se em aprender a
Problemas que envolvem jogos e desafios lógicos
fazer a tradução. Como resolver as equações que
têm contribuído para estimular a inteligência do ser
surgem será explicado logo a seguir.
humano ao longo de toda a história. Há registro
Vejamos alguns exemplos:
desse tipo de brincadeiras desde a Antigüidade.
Neste capítulo, nós vamos apresentar alguns desses
Problema: “A metade de um número é igual a 6.
desafios. Certamente, você também se sentirá
Qual é esse número?”
estimulado a resolvê-los. Afinal, quem nunca brincou
de adivinhar? Como descobrir o número pensado por
Linguagem corrente Linguagem matemática outra pessoa? Essa é uma brincadeira bastante
A metade de um número 𝑥
=6 antiga (livros do século XII já faziam referência a
é igual a 6. 2 esse tipo de jogo como uma atividade comum entre
Qual é esse numero? 𝑥 =? pessoas). Consiste no seguinte: uma pessoa propõe
a outra que pense em um número qualquer. Após
Problema: “Numa casa, há sete gatos, todos pretos alguns comandos, a pessoa que propôs o jogo
ou brancos. Sabe-se que há dois pretos. Quantos adivinha o número pensado pela outra. Vamos ver
gatos brancos existem na casa?” um exemplo:
João afirma à Maria que consegue adivinhar o
Linguagem corrente Linguagem matemática que ela pensa, então propõe a ela um jogo. Maria
Numa casa, há sete aceita e passa a seguir comandos de João:
gatos, todos pretos ou 𝑝+𝑏 =7
brancos. Comandos Operações matemáticas
Sabe-se que há dois Pense num número Maria pensa em 5
𝑝=2
pretos. Multiplique por dois 5 ∙ 2 = 10
Quantos gatos brancos Some três 10 + 3 = 13
𝑏 =?
existem na casa?” Triplique o resultado 13 ∙ 3 = 39
Subtraia nove 39 − 9 = 30
Problema: “Uma pessoa tinha uma determinada 30
quantia de dinheiro. No primeiro mês, gastou R$ Divida por seis =5
100,00. No 2º mês, gastou a metade do que sobrou 6
Quanto deu? Este é o
e ficou com R$ 80,00. Qual era a quantia inicial?”
número no qual você 5
pensou!
Linguagem corrente Linguagem matemática
Uma pessoa tinha uma Maria fica admirada e pára para pensar por
determinada quantia de 𝑞 que esse jogo funciona (que tal você fazer o
dinheiro. mesmo? A seguir tem o que Maria pensou para
No primeiro mês, gastou solucionar a questão).
𝑞 − 100
R$ 100,00. Após algum tempo e alguns rabiscos num
No 2º mês, gastou 𝑞 − 100 papel, ela ri para João. Eis o que Maria escreveu no
metade do que sobrou e (𝑞 − 100) − = 80 papel:
ficou com R$ 80,00. 2
Qual é a quantia inicial? 𝑞 =? Pense num número 𝑥
Multiplique por dois 2𝑥
E quais letras posso usar? Isso é uma escolha Some três 2𝑥 + 3
sua! Recomendamos que escolha de modo a facilitar
Triplique o resultado 3(2𝑥 + 3) = 6𝑥 + 9
a leitura e o seu pensamento. Por exemplo, se é um
Subtraia nove 6𝑥 + 9 − 9 = 6𝑥
problema que envolve quantidades de peras,
6𝑥
mangas e abacaxis, uma boa escolha seria 𝑝, 𝑚 e 𝑎 Divida por seis =𝑥
para representá-las, respectivamente. Entretanto, 6
não há nenhuma regra (além do bom senso!) que o
Observe que há comandos que anulam os
proíba de usar 𝑚 para peras e 𝑝 para mangas.
anteriores, como por exemplo:
Também, sempre procure explicar o que cada letra
“Achar o dobro” e “triplicar” são anulados pelo
representa.
comando “divida tudo por 6”.

Os comandos que se anulam são


determinados pelas operações inversas.

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 57


Recordando operações inversas Sejam 𝑥 a carga do cavalo e 𝑦 a carga do
Uma operação é inversa de outra quando burro.
desfaz o que a outra faz.
 A adição e a subtração são operações Linguagem corrente Linguagem matemática
inversas. Se eu levasse um dos
𝑥−1
 A multiplicação e a divisão são teus sacos,
operações inversas. A minha carga 𝑦+1
 A potenciação e a radiciação são Seria o dobro da tua 𝑦 + 1 = 2(𝑥 − 1)
operações inversas. Se eu te desse um saco 𝑦−1
A tua carga 𝑥 + 1
Vejamos um outro jogo: Seria igual à minha 𝑦 –1 = 𝑥 + 1
 Pense em um número par;
 Triplique o número escolhido; Temos, então, um sistema com duas
 Divida o resultado por 2; equações do 1º grau:
 Triplique o resultado; 𝑦 + 1 = 2(𝑥 − 1) 𝑦 − 2𝑥 = −3
{ ⟹{
 Divida o que foi encontrado por 9; 𝑦−1=𝑥+1 𝑦−𝑥 =2
 Multiplique por 2; A resolução do sistema fornece 𝑥 = 5 e 𝑦 = 7.
O resultado final é o número que você
pensou! Logo, a carga do burro era de 7 sacos e a do
cavalo, de 5 sacos. Este é um dos mais curiosos
Vamos ver em linguagem matemática o que ocorreu: problemas que se conhece. E também um dos mais
antigos: tem mais de 2000 anos!
Linguagem
Comandos 3 – INTRODUÇAÕ A EQUAÇÕES
matemática
Pense em um número par 2𝑥
Veja os seguintes problemas:
“Uma barra de rapadura pesa 1 kg mais meia
Triplique o número barra de rapadura. Quanto pesa a barra de
2𝑥 ∙ 3 = 6𝑥
pensado rapadura?”
“Hoje, Isabel tem 40 anos e seu filho André
6𝑥
Divida o resultado por 2 = 3𝑥 tem 8 anos. Daqui a quantos anos a idade de André
2 será igual à metade da idade da mãe?”
“Na figura abaixo, a balança está em equilíbrio e
Triplique o resultado 3𝑥 ∙ 3 = 9𝑥
as três melancias têm o mesmo peso. Nessas
9𝑥 condições, qual é o peso (em kg) de cada melancia?”
Divida o que deu por 9 =𝑥
9
Multiplique o resultado por
2 ∙ 𝑥 = 2𝑥
2

Novamente, operações inversas permitiram


que se retornasse ao número pensado inicialmente.
Vamos ver agora um problema bastante antigo
que pode ser traduzido para a linguagem da Álgebra.
“Um cavalo e um burro caminhavam juntos
levando no lombo pesados sacos. Lamentava-se o Acabamos de ver que, em linguagem
cavalo de sua pesada carga, quando o burro lhe matemática, podemos representar um número, uma
disse: ‘De que te queixas? Se eu levasse um dos quantidade ou até mesmo uma frase, usando letras.
teus sacos, a minha carga seria o dobro. Pelo Agora, vamos aprofundar um pouco mais esse
contrário, se te desse um saco, a tua carga seria assunto, estudando uma parte da Matemática
igual à minha’. Qual a carga de cada um dos chamada Álgebra. A Álgebra se caracteriza
animais?” fundamentalmente pelo uso de letras e é uma
ferramenta poderosa na solução de muitos
Vamos equacionar o problema, isto é, problemas.
escrevê-lo em linguagem matemática:

58 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


3.2 – Resolver uma equação sem perder o
Exercício Resolvido 1: equilíbrio

A soma de dois números consecutivos é 13. Podemos comparar uma equação a uma
Quais são esses números? balança em equilíbrio.

Resolução:

Este é um problema com quantidades


pequenas. Por isso, é possível calcular mentalmente
que os números são 6 e 7.
Mas, como na vida real nós nem sempre
trabalhamos com quantidades pequenas, vamos
aprender a equacionar e a resolver problemas como
esse.
Primeiro vamos equacionar o problema: Isso significa que os dois pratos devem estar
em equilíbrio. Se retirarmos ou adicionarmos algo a
 dois números consecutivos: 𝑛 e 𝑛 + 1;
um dos pratos, devemos fazer o mesmo com o outro.
 sua soma é 13;
Na balança da figura anterior, as 2 abóboras
Agora, vamos resolver a equação:
mais um peso de 2 kg somam um peso igual a 10 kg.
Matematicamente, isso pode ser escrito da seguinte
𝑥 + (𝑥 + 1) = 13 ⟹ 2𝑥 + 1 = 13 ⟹
maneira: 2𝑥 + 2 = 10, em que 𝑥 é a incógnita que
⟹ 2𝑥 + 1 − 1 = 13 − 1 ⟹ 2𝑥 = 12 ⟹
2𝑥 12 representa o peso de cada abóbora.
⟹ = ⟹𝑥=6
2 2

Logo 𝑥 = 6 e 𝑥 + 1 = 7
Retirando o peso de 2 kg de um dos pratos,
Resposta: os números procurados são 6 e 7.
temos que retirar um peso igual do outro prato, que
ficará com 8 kg.
3.1 – O que é uma equação?

Um dos significados apresentados pelo


dicionário para a palavra equação é este: “qualquer
igualdade entre seres matemáticos que só é Substituindo o peso de 8 kg por dois de 4 kg,
satisfeita para alguns valores”. podemos perceber que cada abóbora pesa 4 kg.
De um modo mais simples, podemos dizer que
toda equação tem:
 Uma letra que indica um número
desconhecido; Portanto, 𝑥 = 4.
 Um sinal de igualdade (=);
A letra é a incógnita da equação. Por exemplo:
na equação, 2𝑥 + 5 = 21, a letra 𝑥 é a incógnita, isto
é, o termo desconhecido. Traduzindo para a linguagem matemática, fica
A palavra “incógnita” significa desconhecida e assim:
a palavra equação significa igualdade (o prefixo 2𝑥 + 2 = 10
“equa”, em latim, quer dizer igual). Subtraindo 2 dos dois membros:
2𝑥 + 2 − 2 = 10 − 2
Numa equação, a expressão que fica à 2𝑥 = 8
esquerda do sinal de igual é chamada de 1º membro Dividindo por 2 os dois membros
e a que fica à direita é chamada de 2º membro. 2𝑥 8
=
2 2
𝑥=4
Termos da equação Após solucionar um problema, é sempre bom
verificar se a resposta encontrada está correta, pois
⏞+⏞

2𝑥 5 =
⏟ ⏞
21
⏟ além de ajudar a verificar se não foram cometidos
erros de conta, pode ser que alguns passos levem a
1º 𝑚𝑒𝑚𝑏𝑟𝑜 𝑠𝑖𝑛𝑎𝑙 𝑑𝑒 2º 𝑚𝑒𝑚𝑏𝑟𝑜 soluções que não estavam na equação original. Para
𝑖𝑔𝑢𝑎𝑙𝑑𝑎𝑑𝑒 checar isso, basta substituir na equação original o
valor encontrado:

2𝒙 + 2 = 10 ⟹ 2 ∙ 𝟒 + 2 = 10 ⟹ 10 = 10 (𝑂𝐾!)

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 59


Isso pode parecer excesso de cuidado, mas 3. Considere um retângulo cujo perímetro é 20 cm.
vejamos outra equação:
2 a) Escreva, em linguagem matemática, uma
𝑥 − 6 = √𝑥 ⟹ (𝑥 − 6)2 = (√𝑥) ⟹
⟹ 𝑥 2 − 12𝑥 + 36 = 𝑥 ⟹ 𝑥 2 − 13𝑥 + 36 = 0 ⟹ expressão para representar esse fato.
⟹ 𝑥 2 − 9𝑥 − 4𝑥 + 36 = 𝑥(𝑥 − 9) − 4(𝑥 − 9) = 0 ⟹ b) Dê dois exemplos para as medidas das
dimensões desse retângulo.
⟹ (𝑥 − 4)(𝑥 − 9) = 0 ⟹ 𝑥 = 4 𝑜𝑢 𝑥 = 9.
𝑥 = 9 realmente é solução, pois 𝑥 − 6 = √9 ⟹ 4. Complete a frase:
9 − 6 = √9 ⟹ 3 = 3 (𝑂𝐾!).
Porém, se substituirmos 𝑥 = 4: 4 − 6 = −2 e Sempre que o desconto é de 50%, pagamos apenas
√4 = 2. Isso aconteceu por conta do passo de metade do preço. Se o preço é x, pagamos
“elevar ao quadrado ambos os membros”. ........................

3.3 – Um pouco de História 5. Que comandos anulam os seguintes comandos?

A palavra Álgebra tem origem na palavra a) Somar 8 e multiplicar por 2.


árabe al-jabr (às vezes também escrita como al- b) Triplicar e multiplicar por 5.
gebr), título de um livro escrito em Bagdá, por volta
do ano 825, pelo matemático árabe Mohammed Al- 6. Pensei num número, multipliquei-o por 2 e ao
Khowarizmi. Esse é um livro sobre as operações al- resultado somei 8, obtendo 20. Em que número
jabr e qabalah. pensei?
O termo al-jabr significa restauração e refere-
se à transposição de termos para o outro lado da 7. Somando 6 ao triplo de um número, o resultado é
equação: 42. Qual é esse número?
6𝑥 = 2𝑥 + 8
Subtraindo 2𝑥 dos dois membros 8. A soma de dois números consecutivos é 1.349.
6𝑥 − 2𝑥 = 8 Quais são esses números?

O termo qabalah significa equilíbrio e refere-se 9. Uma caneta custa R$ 1,00 a mais que um lápis.
à redução de termos semelhantes: Comprei 2 canetas e 4 lápis e gastei R$ 3,20.
8
6𝑥 − 2𝑥 = 8 ⟹ 4𝑥 = 8 ⟹ 𝑥 = ⟹ 𝑥 = 2 a) Escreva uma equação que solucione o problema.
4
b) Qual o valor de cada caneta?
Al-Khowarizmi resolvia as equações de modo c) Qual o valor de cada lápis?
semelhante a nós. A diferença é que tudo era
expresso em palavras (imagine o trabalho que GABARITO
dava!). O primeiro matemático a escrever as
equações usando letras, por volta de 1590, foi 𝑥
François Viète. Por isso, ele é chamado de “Pai da 1. a) 2𝑥 b) 3𝑥 c) 𝑥 − 7 d) +1
2
Álgebra”. A partir de então, as equações passaram a
ser interpretada como as entendemos hoje: 2. a) 𝑥. 𝑦 = 𝑦. 𝑥 b) 𝑥 + 𝑦 = 𝑦 + 𝑥

A equação é o idioma da álgebra 3. a) 2𝑥 + 2𝑦 = 20 b) 𝑥 = 3, 𝑦 = 7 ; 𝑥 = 4, 𝑦 = 6


𝑥
4.
2
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
5. a) Dividir por 2 e subtrair 8 b) Dividir por 15
Nível I
6. 6
1. Escreva as seguintes frases em linguagem
matemática: 7. 12

a) O dobro de um número. 8. 674 e 675


b) O triplo de um número.
c) Um número menos sete. 9. a) 2𝑐 + 4(𝑐 − 1) = 3,2 b) R$ 1,20 c) R$ 0,20
d) Metade de um número, mais um.

2. Como você escreveria em linguagem matemática


as frases seguintes?

a) A ordem dos fatores não altera o produto.


b) A ordem das parcelas não altera a soma.

60 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO XII – EQUAÇÕES DO 1°GRAU

1 – COEFICIENTES INTEIROS Resposta: o peso do pacote menor é de 8 kg e do


pacote maior é de 8 + 6 = 14 kg.
Nos capítulos anteriores, você aprendeu a
resolver algumas equações bem simples. Neste 1.1 – A Equação e a Balança
capítulo, aprofundaremos o estudo dessas
equações. Esperamos aqui que você já saiba o Como nós vimos no último capítulo, as
significado de: equações têm propriedades semelhantes às
 Incógnita de uma equação; transformações realizadas para manter uma balança
 Membros de uma equação; em equilíbrio. Ao retirarmos 6 unidades de um dos
pratos, devemos fazer o mesmo com o outro, caso
 Termos de uma equação;
contrário, a balança perderá o equilíbrio. Por esse
motivo, indicamos a subtração de 6 nos dois
A importância do estudo das equações está no
fato de que elas facilitam a resolução de muitos membros e a divisão por 2 nos dois membros,
quando resolvemos a equação x + (x + 6) = 22.
problemas do dia-a-dia.

Exercício Resolvido 1: 1.2 – A equação e a operação inversa

Na prática, não costumamos resolver uma


Dois pacotes juntos pesam 22 kg. Quanto
equação pensando numa balança, nem fazendo
pesa cada um deles, se o maior tem 6 kg a mais que
todas as operações. Observe que quando
o menor?
subtraímos 6 nos dois membros, na equação acima,
zeramos o 6 que estava no primeiro membro:
Resolução:
2𝑥 + 6 − 6 = 22 − 6 ⟹ 2𝑥 = 16
Por isso, dizemos simplesmente que o 6
passa para o outro lado e muda de sinal. Da mesma
forma, costumamos dizer que o 2 que está
multiplicando um termo no primeiro membro, passa
para o segundo membro dividindo.
16
2𝑥 = 16 ⟹ 𝑥 = ⟹𝑥=8
2
É importante observar que nessa regra de
“passar para o outro lado”, está embutido um
conceito matemático chamado operação inversa.
A operação inversa da adição é a subtração:
+ 6 virou - 6
Já vimos que podemos representar A operação inversa da multiplicação é a divisão:
quantidades desconhecidas usando a Álgebra. ×2 virou ÷2
Nesse caso, temos:
Pacote menor 𝑥 Na prática, em uma equação o nosso
Pacote maior 𝑥+6 objetivo sempre é isolar o x. Para isso, devemos
Espera-se que a balança fique em equilíbrio passar os termos independentes (sem o x) para a
quando os pesos nos dois pratos se igualam, então a direita, passar os termos com x para a esquerda,
seguinte equação deve ser satisfeita: somar os termos com x e passar o coeficiente do x
𝑥 + (𝑥 + 6) = 22 para a direita (dividindo o lado direito).
Efetuemos as operações necessárias para
resolver a equação: Exercício Resolvido 2:

Linguagem corrente Linguagem matemática “Sabendo que o quádruplo de um número


𝑥 + (𝑥 + 6) = 22 ⟹ somado com 9 é igual ao número somado com 6,
Eliminar os parênteses descubra qual é esse número.”
⟹ 𝑥 + 𝑥 + 6 = 22
Somar os termos
⟹ 2𝑥 + 6 = 22 Resolução:
semelhantes
Subtrair 6 nos dois ⟹ 2𝑥 + 6 − 6 = 22 − 6
membros ⟹ 2𝑥 = 16 Chamemos 𝑥 a esse número. A equação que
Efetuar a divisão por 2 2𝑥 16 descreve o problema é:
nos dois membros ⟹ = ⟹𝑥=8 4𝑥 + 9 = 𝑥 + 6
2 2
Solucionaremos a equação dessa vez com as
“operações” de “passar para o outro lado” em mente:
CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 61
Linguagem corrente Linguagem matemática
2 – COEFICIENTES FRACIONÁRIOS
Passar 9 da esquerda 4𝑥 + 9 = 𝑥 + 6 ⟹
(+9) para a direita (−9) ⟹ 4𝑥 = 𝑥 + 6 − 9 ⟹
Nas equações que estudamos até agora, os
⟹ 4𝑥 = 𝑥 − 3
coeficientes eram sempre números inteiros.
Passar 𝑥 da direita (+𝑥) 4𝑥 − 𝑥 = −3 ⟹
Em muitas situações, porém, precisaremos
para a esquerda (−𝑥) ⟹ 3𝑥 = −3
resolver equações com coeficientes fracionários. Um
Passar 3 da esquerda (× 𝑥 = −3/3 ⟹ exemplo:
3) para a direita (÷ 3) ⟹ 𝑥 = −1 𝑥 𝑥 1
+ − = 50
2 5 4
Resposta: o número vale −1.
Bem, já somos bons em resolver equações
1.3 – A Verificação da Solução com coeficientes inteiros, então por que não
transformar a equação fracionária em outra
A verificação da solução é tão importante equivalente com coeficientes inteiros?
quanto a própria resolução da equação, pois ela nos Para fazer isso, basta ajustar as frações dos
dá a possibilidade de descobrir se cometemos algum coeficientes para que todas tenham o mesmo
erro de cálculo, por exemplo, e corrigi-lo. Para fazer denominador, que é o MMC de todos os
a verificação, basta experimentar o valor encontrado denominadores originais. Eliminado o denominador
na incógnita. Veja o caso do exercício resolvido 2 comum, temos uma equação equivalente, só que
: com coeficientes todos inteiros!
4𝑥 + 9 = 𝑥 + 6 Vejamos alguns exercícios resolvidos para
𝑥 = −1: fixar esse método:
4 ∙ (−𝟏) + 9 = (− 𝟏) + 6 ⟹ −4 + 9 = − 1 + 6
⟹ 5 = 5 (𝑂𝐾!) Exercício Resolvido 4:
Logo, 𝑥 = −1 satisfaz a equação.
Experimente substituir 𝑥 por qualquer outro “Um terço do salário de uma pessoa é
valor e veja o que acontece. utilizado para o pagamento do aluguel de R$ 110,00.
Qual é o salário dessa pessoa?”
Exercício Resolvido 3:
Resolução:
“Uma estante custa três vezes o preço de
uma cadeira. Qual o preço da estante, se as duas Escrevendo a equação do problema
mercadorias juntas custam R$ 64,00?” enunciado:
𝑠
= 110
Resolução: 3
O coeficiente do termo 𝑠 é 1/3 e o termo
Equacionando o problema: independente (110) é um número inteiro ou, sob
Preço da cadeira: 𝑐 Preço da estante: 𝑒 = 3𝑐 outro olhar, um fracionário com denominador 1.
Equação correspondente: 𝑐 + 𝑒 = 𝑐 + 3𝑐 = 64 Então os denominadores originais são 1 e 3 e o
64 denominador comum (que é o MMC de 1 e 3) será 3.
𝑐 + 3𝑐 = 64 ⟹ 4𝑐 = 64 ⟹ 𝑐 = ⟹ 𝑐 = 16
4 𝑠 110 𝑠 330
𝑒 = 3𝑐 ⟹ 𝑒 = 3.16 ⟹ 𝑒 = 48 = ⟹
⏟ =
3 1 𝑖𝑔𝑢𝑎𝑙𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑜𝑠
3 3
Verificação da solução de 𝑐 + 3𝑐 = 64 : 𝑑𝑒𝑛𝑜𝑚𝑖𝑛𝑎𝑑𝑜𝑟𝑒𝑠

16 + 3 ∙ 16 = 64 ⟹ 64 = 64 (𝑂𝐾!)
Numa equação, podemos multiplicar os dois
Resposta: o preço da estante é R$ 48,00. membros por um mesmo número, diferente de zero.
Com base nisso, obtemos nossa equação
equivalente de coeficientes inteiros:
1.4 – A Raiz de Uma Equação 𝑠 330
3∙ =3∙ ⟹ 𝑠 = 330
3 3
A solução de uma equação, isto é, o valor
encontrado para a incógnita, é chamado, pela Note que, para eliminar o denominador
matemática, de raiz da equação. Nas equações dos comum, multiplicamos os dois lados da equação pelo
exercícios resolvidos 2 e 3, por exemplo, tem-se: denominador comum (que é 3).
Portanto, o salário daquela pessoa é de R$
𝑥 = −1 é raiz da equação 4𝑥 + 9 = 𝑥 + 6 330,00. Na prática, essa equação poderia ser
𝑐 = 16 é raiz da equação 𝑐 + 3𝑐 = 64 resolvida pela chamada “multiplicação em cruz”:

𝑠 100
= ⟹ 1 ∙ 𝑠 = 3 ∙ 100 ⟹ 𝑠 = 330
3 1

62 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Resolução:
𝑠
Verificação da solução de = 110:
3 Idade atual: 𝑥 A metade da idade atual: 𝑥/2
330 Idade daqui a 18 anos: 𝑥 + 18
= 110 ⟹ 110 = 110 (𝑂𝐾!) 𝑥+18
3
A terça-parte:
3
Resposta: o salário dessa pessoa é R$ 330,00. Equação do problema:

Exercício Resolvido 5: 𝑥 + 18 𝑥
=
3 2
“Uma pessoa quer construir uma casa que
Então os denominadores originais são 3 e 2 e o
ocupará 1/4 de seu terreno, sendo que 1/3 será
denominador comum (que é o MMC de 3 e 2) será 6.
reservado para o jardim. Sabendo que ainda sobrará
uma área de 375 m², responda: qual a área total do
Igualando os denominadores:
terreno?”
2(𝑥 + 18) 3𝑥 2(𝑥 + 18) 3𝑥
Resolução: = ⟹ 6. = 6.
6 6 6 6
Área total do terreno: 𝐴
Note que, para eliminar o denominador
Área ocupada pela casa: 𝐴/4
comum, multiplicamos os dois lados da equação pelo
Área reservada para jardim: 𝐴/3
denominador comum (que é 6).
Equação do problema:
Equação equivalente de coeficientes inteiros:
𝐴 𝐴
+ + 375 = 𝐴 2(𝑥 + 18) = 3𝑥 ⟹ 2𝑥 + 36 = 3𝑥 ⟹ 𝑥 = 36
4 3
𝑥+18 𝑥
Então os denominadores originais são 4 e 3 e Verificação da solução de =2:
3
o denominador comum (que é o MMC de 4 e 3) será
12. 36 + 18 36 54
= ⟹ = 18 ⟹ 18 = 18 (𝑂𝐾!)
Igualando os denominadores: 3 2 3

3𝐴 4𝐴 12 12𝐴 3𝐴 + 4𝐴 + 4500 12𝐴 Resposta: a idade da pessoa é 18 anos.


+ + 375 ∙ = ⟹ =
12 12 12 12 12 12
7𝐴 + 4500 12𝐴 7𝐴 + 4500 12𝐴 EXERCÍCIOS PROPOSTOS
⟹ = ⟹ 12. = 12.
12 12 12 12
Nível I
Note que, para eliminar o denominador
comum, multiplicamos os dois lados da equação pelo 1. Qual é o número que somado com 5 é igual a 11?
denominador comum (que é 12).
Equação equivalente de coeficientes inteiros: 2. Qual é o número que subtraído de 6 é igual a - 3?

7𝐴 + 4500 = 12𝐴 3. Qual é o número que dividido por 5 é igual a 6?

7𝐴 + 4500 = 12𝐴 ⟹ 5𝐴 = 4500 ⟹ 𝐴 = 900 4. Qual é o número que multiplicado por 7 é igual a
3?
𝐴 𝐴
Verificação da solução de + 3 + 375 = 𝐴 :
4 5. Resolva as equações:
:
900 900
+ + 375 = 900 ⟹ 900 = 900 (𝑂𝐾!) a) 4x+2=14 b) 4x + 8 = 3x – 5
4 3 c) 3a - 4 = a + 1 d) 9y - 11 = - 2
e) 5x - 1 = 8x + 5 f) 4(x – 2) = 3 (x – 1)
Resposta: a área total do terreno é de 900 m²

6. Verifique se - 7 é raiz da equação:


Exercício Resolvido 6: x
2(x + 4) – =x–1
“Uma pessoa diz que daqui a 18 anos, a terça 3
parte de sua idade será a metade da sua idade atual. 7. Ana e Maria são irmãs e a soma de suas idades é
Qual a idade dessa pessoa?” igual a 35. Qual a idade de Ana, se Maria é 5 anos
mais nova?

CASD Vestibulares Nivelamento – Álgebra 63


8. Uma indústria produziu este ano 600.000 1
unidades de um certo produto. Essa produção segundo freguês vendeu das laranjas que possuía
representou um aumento de 20%, em relação ao ano 4
anterior. Qual a produção do ano anterior? inicialmente mais sete laranjas. Quantas laranjas
possuía o negociante, sabendo-se que o primeiro
freguês recebeu oito a mais que o segundo?
9. Se M é ponto médio de AB, determine x e m(AB).
19. Um gavião ao passar por um bando de pombas,
falou: “Bom-dia minhas cem pombinhas!” Uma das
pombas replicou: “Cem pombas não somos, mas se
a nós for acrescentada a metade de nós mais você,
gavião, cem pombas seremos nós.”Quantas eram as
10. Resolva as equações: pombas?”

( x  3) ( x  10) (2 x  5) 20. Uma nova operação @ entre dois números A e B


a) + = 4 b) - 3x -10 = 0
2 3 3 ( A  B)
é definida por A@B= . Se X@(X@14) = X,
2
1 quanto vale X?
11. Ao receber seu salário, André gastou com
3
1 1 Nível II
despesas médicas, com compras diversas e
3 4 21. Se a equação 4x + 3m = 2 tem raiz 1, quanto
com o aluguel de sua casa. Qual o salário de André vale m?
se, após pagar todas essas contas, ele ficou com
R$ 40,00?
22. Um operário faz um serviço em 12 dias e um
1 outro operário faz o mesmo serviço em 24 dias. Em
12. Achar o número de alunos de uma classe, se
3 quantos dias os 2 juntos fariam o serviço?
1
deles está lendo, está escrevendo e os 20 23. Uma torneira enche um tanque em 6 horas e
4 outra torneira enche o tanque em 2 horas. Em
restantes estão fazendo contas.
quantos minutos as duas torneiras juntas enchem o
tanque?
3
13. Uma pessoa gasta do seu ordenado com
5 24. Uma torneira enche um tanque em 3 horas e um
1 ralo esvazia o tanque em 4 horas. Se abrimos a
despesas e do resto consigo mesmo, torneira e o ralo ao mesmo tempo, em quanto tempo
4 o tanque fica cheio?
economizando mensalmente R$ 4.500,00. Qual o
ordenado? 25. Duas torneiras enchem um tanque em 2 horas.
Uma delas, sozinha, enchê-lo-ia em 3 horas. Em
14. A soma de um terço de um número com a quanto tempo a outra sozinha, encheria o tanque?
metade desse número vale 75. Que número é esse?
26. Uma torneira enche um tanque em 4 horas, outra
15. Um número, sua metade e sua terça parte torneira enche o tanque em 8 horas e um ralo
somam 77. Qual é o número? esvazia o tanque em 3 horas Se abrimos as duas
torneiras e o ralo ao mesmo tempo, em quanto
16. O dobro de um número, aumentado de sua tempo o tanque fica cheio?
metade, da sua quarta parte, de uma unidade dá
100. Qual é o número?
1
17. Um jogador perdeu numa partida do que tinha
3 GABARITO
1
mais R$ 90,00, na 2ª perdeu do dinheiro inicial 1. 6
5
mais R$ 60,00 e na terceira perdeu R$ 60,00,
2. 3
ficando sem nada. Quanto possuía?
2 3. 30
18. Um negociante vendeu a um freguês das
5
3
laranjas que possuía mais três laranjas, e a um 4.
7

64 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


5
5. a) 𝑥 = 3 b) 𝑥 = −13 c) 𝑎 =
2
d) 𝑦 = 1 e) 𝑥 = −2 f) 𝑥 = 5

6. −7 não é raiz da equação.

7. 20 anos

8. 500.000 unidades

9. 𝑥 = 5; 𝑚(𝐴𝐵) = 22

25
10. a) 𝑥 = 7 b) 𝑥 =− 7

11. R$ 480,00

12. 48 alunos

13. R$ 30.000,00

14. 90

15. 42

16. 36

17. R$ 450,00

18. 80 laranjas

19. 66 pombas

20. 𝑋 = 14

2
21. 𝑚 = −3

22. 8 dias

23. 90 minutos

24. 12 horas

25. 6 horas

26. 24 horas

CASD Vestibulares Nivelamento – Álgebra 65


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO XIII – SISTEMAS DO 1º GRAU

1 – SISTEMAS DO 1º GRAU 1.1 – Resolução de Sistemas

Veja a seguinte situação: Pedro e José são Resolver um sistema é encontrar um par de
amigos. Ao saírem do trabalho, passaram por uma valores (x e y) que tornem verdadeiras as equações que
livraria onde havia vários objetos em promoção. Pedro o formam.
comprou 2 cadernos e 3 livros e pagou R$ 17,40, no Por exemplo, o par (3 ; 2) é solução do sistema
total. José gastou R$ 11,20 na compra de 2 livros e 1
caderno. Os dois ficaram satisfeitos e foram para casa. 𝑥−𝑦 =1
{
No dia seguinte, quiseram contar a um terceiro colega 𝑥+𝑦 =5
sobre suas compras, mas não se lembravam do preço
unitário dos livros. Sabiam apenas que todos os livros, Para verificar substituímos os valores x = 3 e
assim como todos os cadernos, tinham o mesmo preço. y = 2 em ambas as equações:
E agora? Será que existe algum modo de descobrir o
preço de cada livro ou caderno com as informações que x – y = 1 3 – 2 = 1  1=1 (verdadeiro)
temos? x + y = 5  3 +2 = 5  5 = 5 (verdadeiro)
Em capítulos anteriores, você viu que existem equações
do 1º grau com duas incógnitas, como por exemplo: De fato, o par (3; 2) é solução do sistema, pois
torna as equações verdadeiras.
x+y=5 x-y=3 x + 2y = 8
Observação: Normalmente, o 1º elemento e o 2º
As equações do 1º grau com duas variáveis elemento do par-solução são o valor de x e o valor de y
admitem infinitas soluções. Abaixo, seguem algumas que resolvem o sistema, respectivamente.
soluções das equações 𝑥 + 𝑦 = 5 e 𝑥 − 𝑦 = 3 :
1.2 – O Método da Substituição

Esse método de resolução de um sistema


consiste em isolar uma incógnita e substituí-la na outra
equação. Veja um exercício resolvido:

Exercício Resolvido 1:
𝑥−𝑦=1
Resolva o sistema de equações {
𝑥+𝑦=5

Resolução:
Observando as tabelas de soluções das duas
equações, verificamos que o par (4; 1), isto é, Escolhemos uma das equações e isolamos uma
x = 4 e y = 1, das incógnitas, ou seja, estabelecemos seu valor em
é solução para as duas equações. Dessa forma, função da outra incógnita. Vamos isolar o x na 1ª
podemos dizer que as equações x + y = 5 e x - y = 3 equação do sistema acima:
formam um sistema de equações do 1º grau que
admitem uma solução comum. 𝑥−𝑦 =1⟹ 𝑥 =𝑦+1
A Matemática utiliza o símbolo “{“ para indicar Agora, temos o valor de x em função de y e
que duas (ou mais) equações formam um sistema. Veja podemos substituir esse valor na outra equação (que
os exemplos de sistemas: agora vai ter apenas uma variável, que será y):
𝑥+𝑦 =5 𝑥−𝑦=4 : 𝑥 + 𝑦 = 5 ⟹ (𝑦 + 1) + 𝑦 = 5 ⟹ 2𝑦 + 1 = 5 ⟹
{ {
𝑥−𝑦 =3 2𝑥 − 𝑦 = 9 ⟹ 2𝑦 = 5 − 1 ⟹ 2𝑦 = 4 ⟹ 𝑦 = 2
2𝑥 + 𝑦 + 𝑧 = 1
3𝑥 − 2𝑦 = 5 Como 𝑥 = 𝑦 + 1 e 𝑦 = 2, tem-se:
{ {𝑥 − 𝑦 − 3𝑧 = 4
2𝑥 + 5𝑦 = 1
𝑥=2 𝑥 =𝑦+1⟹𝑥 =2+1 ⟹𝑥 =3
Observação: Neste momento, vamos estudar
apenas os sistemas do 1º grau com duas equações de Resposta: o par (3 ; 2) é solução do sistema.
duas variáveis.

66 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


Exercício Resolvido 2: Resolução:

Encontre o preço de cada livro e de cada caderno Somando as duas equações x–y =-4
no exemplo do 1º parágrafo deste capítulo. 2x + y = 9 +
3x + 0y = 5
Resolução: 5
𝑥=3
Uma etapa importante na solução de um
problema é a tradução dos seus dados para a linguagem Veja que quando somamos as duas equações o
matemática. Para essa etapa, vamos usar as variáveis x termo em y se anula. Por que isso ocorreu? Pense!
(que representa o preço do caderno) e y (que representa Para obter o valor de y, devemos substituir o
o preço do livro). Organizamos os dados assim: valor de x em uma das equações. Substituindo x na 1ª
equação, tem-se:
Pedro comprou 3 livros e 2 cadernos e gastou
R$ 17,40. Em linguagem matemática: 3𝑥 + 2𝑦 = 17,40 5 5
𝑥 − 𝑦 = −4 ⟹ − 𝑦 = −4 ⟹ −𝑦 = −4 − ⟹
3 3
12 5 17 17
José comprou 2 livros e 1 caderno e gastou ⟹ −𝑦 = − − ⟹ −𝑦 = − ⟹𝑦=
R$ 11,20. Em linguagem matemática: 2𝑥 + 𝑦 = 11,20 3 3 3 3

Temos, assim, o sistema: Verificação da solução do sistema:

3𝑥 + 2𝑦 = 17,40 5 17 12
{ 𝑥 − 𝑦 = −4 ⟹ − = −4 ⟹ − = −4 ⟹
2𝑥 + 𝑦 = 11,20 3 3 3
⟹ −4 = −4 (𝑂𝐾!)
Isolando o y na 2ª equação do sistema, temos:
5 17 10 17 27
2𝑥 + 𝑦 = 9 ⟹ 2. + =9⟹ + =9⟹ =9⟹
2𝑥 + 𝑦 = 11,20 ⟹ 𝑦 = 11,20 − 2𝑥 3 3 3 3 3
9 = 9 (𝑂𝐾!)
Substituindo o y na 1ª equação, teremos uma
5 17
equação do 1º grau cuja única incógnita será o x: Resposta: A solução do sistema é o par (3 ; )
3
3𝑥 + 2𝑦 = 17,40 ⟹ 3𝑥 + 2(11,20 − 2𝑥) = 17,40 ⟹
⟹ 3𝑥 + 22,40 − 4𝑥 = 17,40 ⟹ −𝑥 = 17,40 − 22,40 ⟹ 1.4 – Um artifício de cálculo
⟹ −𝑥 = −5,00 ⟹ 𝑥 = 5,00
Exercício Resolvido 4:
Como 𝑦 = 11,20 − 2𝑥 e 𝑥 = 5,00, tem-se:
3𝑥 + 5𝑦 = 1
Resolva o sistema de equações {
𝑦 = 11,20 − 2𝑥 ⟹ 𝑦 = 11,20 − 2.5,00 ⟹ 2𝑥 − 4𝑦 = 8
⟹ 𝑦 = 11,20 − 10,00 ⟹ 𝑦 = 1,20 pelo método da adição.

Verificação da solução do sistema: Resolução:

3𝑥 + 2𝑦 = 17,40 ⟹ 3.5,00 + 2.1,20 = 17,40 ⟹ Se somarmos as equações do jeito que estão, não
⟹ 15,00 + 2,40 = 17,40 ⟹ 17,40 = 17,40 (𝑂𝐾!) conseguiremos anular um dos termos. Por isso, vamos
usar um artifício de cálculo:
2𝑥 + 𝑦 = 11,20 ⟹ 2.5,00 + .1,20 = 11,20 ⟹  primeiro, multiplicamos a 1ª equação por +2
⟹ 10,00 + 1,20 = 11,20 ⟹ 11,20 = 11,20 (𝑂𝐾!) ( que é o coeficiente do x na 2ª equação);
 depois, multiplicamos a 2ª equação por -3 (que é
Resposta: cada livro custou R$ 5,00 e cada caderno, o oposto do coeficiente do x na 1ª equação);
R$ 1,20. O sistema sofrerá a seguinte transformação:

1.3 – O Método da Adição x2


3x + 5y = 1  6x + 10y = 2
Esse outro método de resolução de um sistema
consiste em somar os termos das duas equações. Veja o x (-3)
seguinte exercício resolvido: 2x - 4y = 8  - 6x +12y = - 24

Exercício Resolvido 3: Agora, podemos somar as equações do sistema:


6x + 10y = 2
𝑥 − 𝑦 = −4 - 6x + 12y = - 24 +
Resolva o sistema de equações { 0x + 22y = -22
2𝑥 + 𝑦 = 9
y = -1

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 67


Repare que após o artifício de cálculo que Nível II
envolvia os coeficientes de x, nós eliminamos o x da
equação através do método da adição. 7. Num quintal há galinhas e coelhos, num total de 8
Para obter o valor de x, devemos substituir o cabeças e 22 pés. Quantos animais há de cada espécie?
valor de y em uma das equações. Substituindo y na 1ª
equação, tem-se: 8. Um feirante precisa guardar suas laranjas em uma
determinada quantidade de caixas. Se ele guardar 20
3𝑥 + 5𝑦 = 1 ⟹ 3𝑥 + 5(−1) = 1 ⟹ 3𝑥 − 5 = 1 ⟹ 3𝑥 = 6 laranjas por caixa, sobram 5 laranjas sem caixa. Caso
⟹𝑥=2 ele guarde 23 laranjas por caixa, sobram 2 caixas sem
Verificação da solução do sistema: laranjas. Então a soma do número de caixas com o
número de laranjas do feirante é:
3𝑥 + 5𝑦 = 1 ⟹ 3.2 + 5. (−1) = 1 ⟹ 6 − 5 = 1 ⟹ 1 = 1
2𝑥 − 4𝑦 = 8 ⟹ 2.2 − 4. (−1) = 8 ⟹ 4 + 4 = 8 ⟹ 8 = 8 a) 17 b) 345 c) 352 d) 362 e) 372

Resposta: a solução do sistema é o par (2 ; −1) 9. Um bando de pássaros irá pousar em uma árvore que
possui alguns galhos. Se pousarem 5 pássaros por galho
Observação: Para eliminar uma variável de um sistema ficam 6 pássaros sem galho, mas se pousarem 8
através do método da adição, devemos usar o seguinte pássaros por galho sobram 3 galhos sem pássaros. O
artifício de cálculo: número de galhos é:
 multiplicamos a 1ª equação pelo coeficiente
dessa variável na 2ª equação(no exercício a) 6 b) 7 c) 8 d) 9 e) 10
resolvido 4, multiplicamos a 1ª equação por 2);
 multiplicamos a 2ª equação pelo oposto do 10. Estando todos os irmãos reunidos à mesa, um
coeficiente dessa variável na 1ª equação menino diz: “Vejo tanto irmãos quanto irmãs” Uma
(no exercício resolvido 4, multiplicamos a 2ª menina diz: “Vejo que o número de meus irmãos é o
equação por -3); dobro do de minhas irmãs”. Quantos são os meninos? E
 Somamos as novas equações do sistema; as meninas?

EXERCÍCIOS PROPOSTOS 11. Tenho o dobro da idade que tu tinhas quando eu


tinha a idade que tens, quando tu tiveres a idade que
tenho, a soma das nossas idades será 63 anos. Quais
Nível I são as idades hoje?
1. Resolva o sistema por substituição:
GABARITO
3𝑥 + 5𝑦 = 20
{ 1. 𝑥 = 5 ; 𝑦 = 1 ou (5 ; 1)
2𝑥 + 𝑦 = 11

2. Resolva os sistemas por adição: 2. a) 𝑥 = 2 ; 𝑦 = 8 ou (2 ; 8) b) 𝑥 = 1 ; 𝑦 = 2 ou (1 ; 2)

𝑥 + 𝑦 = 10 5𝑥 − 2𝑦 = 1 1 1
a) { b) { 3. a) 𝑥 = −1 ; 𝑦 = 2 ou (−1 ; 2) b) 𝑥 = ; 𝑦 = 1 ou ( ; 2)
𝑥 − 𝑦 = −6 7𝑥 + 2𝑦 = 11 2 2

3. Resolva os sistemas por adição, usando o artifício de 4. Sim, o par (1 ; 2) é solução do sistema.
cálculo para eliminar uma das variáveis:
𝑎 = 3𝑚
5. {
𝑥 − 𝑦 = −3 4𝑥 + 𝑦 = 3 𝑎 + 𝑚 = 120
a) { b) {
𝑥 + 2𝑦 = 3 2𝑥 − 2𝑦 = −1 6. O armário custa R$ 90,00 e a mesa custa R$ 30,00.
4. Verifique se o par (1; 2) é solução para o sistema: 7. 5 galinhas e 3 coelhos.

10𝑥 − 2𝑦 = 6 8. B
{
𝑥 + 5𝑦 = 11
9. E
5. Escreva um sistema que corresponda à seguinte
situação: Um armário custa o triplo de uma mesa. Os 10. 4 meninos e 3 meninos
dois juntos custam R$ 120,00.
11. 28 anos e 35 anos
6. Resolva o sistema do Exercício 5.

68 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


ÁLGEBRA
Nivelamento
CAPÍTULO VIII – EQUAÇÃO DO 2º GRAU

1 – DEFINIÇÃO Resolução:

1º passo: cálculo do Delta Δ.


Uma equação é chamada de 2º grau quando for
da forma: ∆= 𝒃𝟐 − 𝟒𝒂𝒄 = (𝟒)𝟐 − 𝟒. 𝟏. (−𝟓) = 𝟏𝟔 + 𝟐𝟎 = 𝟑𝟔 →
𝒂𝒙𝟐 + 𝒃𝒙 + 𝒄 = 𝟎 (𝟏) ∆= 𝟑𝟔
Em que 𝒂, 𝒃 𝒆 𝒄 são números reais e 𝒂 é
2º passo: cálculo das raízes
diferente de zero.
Uma equação do 2º grau também pode ser
escrita como: −𝒃 + √∆ −(𝟒) + √𝟑𝟔
𝒙𝟏 = = =𝟏
𝒂(𝒙 − 𝒙𝟏 )(𝒙 − 𝒙𝟐 ) = 𝟎 (𝟐) 𝟐𝒂 𝟐. 𝟏
Em que 𝑥1 𝑒 𝑥2 são as raízes da equação como −𝒃 − √∆ −(𝟒) − √𝟑𝟔
𝒙𝟐 = = = −𝟓
será visto. 𝟐𝒂 𝟐. 𝟏
Exemplos de equações do 2º grau:
a) 𝑥 2 + 2𝑥 + 1 = 0 b) 𝑥 2 = 0 𝑳𝒐𝒈𝒐, 𝒐 𝒄𝒐𝒏𝒋𝒖𝒏𝒕𝒐 𝒔𝒐𝒍𝒖çã𝒐 é {−𝟓; 𝟏}
2
c) 4𝑥 − 𝑥 + 3 = 0 d) 2𝑥 2 − 1 = 0
Resposta: S = {-5; 1}
2 – RAÍZES OU ZEROS DA FUNÇÃO DO 2º
Vamos colocar a equação 𝑥 2 + 4𝑥 − 5 = 0 na
GRAU forma apresentada na Equação 2 𝒂(𝒙 − 𝒙𝟏 )(𝒙 − 𝒙𝟐 ) = 𝟎
Nesse caso, 𝑎 = 1, 𝑥1 = 1 𝑒 𝑥2 = −5. Assim,
Raízes de uma equação do 2º grau são todos substituindo em 2, temos:
os valores para os quais a equação é nula, ou seja, são 1. (𝑥 − 1). (𝑥 − (−5)) = (𝑥 − 1). (𝑥 + 5)
todos os valores de 𝑥 que satisfazem a equação dada.
Para o caso da equação do segundo grau, usaremos a
fórmula de Bhaskara para o cálculo das raízes. 3 – NATUREZA DAS RAÍZES
Seja a seguinte função do 2º grau:
𝒂𝒙𝟐 + 𝒃𝒙 + 𝒄 = 𝟎  ∆> 0: duas raízes reais e distintas
Com 𝒂, 𝒃 𝒆 𝒄 são números reais e 𝒂 é diferente −𝒃 + √∆ −𝒃 − √∆
de zero. 𝒙𝟏 = 𝒆 𝒙𝟐 =
𝟐𝒂 𝟐𝒂
Então calculamos os valores das raízes x 1 e x2 Como mostrado no Exercício Resolvido 1.
seguindo os seguintes passos.
1º passo: cálculo do Delta Δ.  ∆= 𝟎: duas raízes reais e iguais
∆= 𝒃𝟐 − 𝟒𝒂𝒄 (𝟑) 𝒃
𝑪𝒐𝒎𝒐 𝚫 = 𝟎 → 𝒙𝟏 = 𝒙𝟐 = −
𝟐𝒂
2º passo: cálculo das raízes
As raízes são calculadas usando-se o delta Exercício Resolvido 2:
calculado acima e os parâmetros 𝑎 𝑒 𝑏 da equação do
segundo grau Resolva a equação 𝑥 2 − 2𝑥 + 1 = 0.

−𝒃 + √∆ −𝒃 − √∆ Resolução:
𝒙𝟏 = 𝒆 𝒙𝟐 = (𝟒)
𝟐𝒂 𝟐𝒂
1º passo: cálculo do Delta Δ.
𝒆𝒎 𝒒𝒖𝒆 ∆= 𝒃𝟐 − 𝟒𝒂𝒄
∆= 𝒃𝟐 − 𝟒𝒂𝒄 = (−𝟐)𝟐 − 𝟒. 𝟏. (𝟏) = 𝟎 → ∆= 𝟎
A equação acima é a fórmula de Bhaskara.
2º passo: cálculo das raízes
O delta Δ calculado na Equação 3 é um número
que pode ser negativo, positivo ou nulo. Contudo na −𝒃 + √∆ −(−𝟐) + √𝟎
Equação 4 usamos √∆, ou seja, devemos fazer a 𝒙𝟏 = = =𝟏
𝟐𝒂 𝟐. 𝟏
análise do sinal de Δ = 𝑏 2 − 4𝑎𝑐, pois até aqui só −𝒃 − √∆ −(−𝟐) − √𝟎
conhecemos raízes de números positivos ou nulos. 𝒙𝟐 = = =𝟏
𝟐𝒂 𝟐. 𝟏
Exercício Resolvido 1: Note que neste caso as raízes são reais e
iguais a 1. Assim dizemos que a equação possui duas
Resolva a equação 𝑥 2 + 4𝑥 − 5 = 0 do segundo grau raízes reais e iguais. Vamos colocar a equação
usando a fórmula de Bhaskara. 𝑥 2 − 2𝑥 + 1 = 0

na forma apresentada na Equação 2


𝒂(𝒙 − 𝒙𝟏 )(𝒙 − 𝒙𝟐 ) = 𝟎

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 69


Neste caso, 𝑎 = 1, 𝑥1 = 1 𝑒 𝑥2 = 1. Assim, substituindo Resolução:
em 2, temos:
1. (𝑥 − 1). (𝑥 − 1) = (𝑥 − 1)2 a) ∆= 𝒃𝟐 − 𝟒𝒂𝒄 = (−𝟕)𝟐 − 𝟒. (𝟑). (𝟐) = 𝟒𝟗 − 𝟐𝟒 = 𝟐𝟓 →
A equação acima é um quadrado perfeito. ∆= 𝟐𝟓;
−𝒃 ± √∆ −(−𝟕) ± √𝟐𝟓 𝟕 ± 𝟓 𝟏
 ∆< 0: duas raízes imaginárias (não reais) 𝒙= = = → 𝒙 = 𝟐 𝒐𝒖 𝒙 =
𝟐𝒂 𝟐. 𝟑 𝟐. 𝟑 𝟑
Esse caso será estudo em momento futuro do 1
Conjunto solução 𝑆 = { ; 2}
curso. 3

b) Vamos resolver por soma e produto


4 – SOMA E PRODUTO DAS RAÍZES
 Soma das raízes
4.1 – Soma das raízes 𝒃 𝟒
Da Equação 5, temos 𝒙𝟏 + 𝒙𝟐 = − = − = −𝟒
𝒂 𝟏

−𝒃 + √∆ −𝒃 − √∆ 𝟐𝒃 𝒃 Produto das raízes


𝒄 4
𝒙𝟏 + 𝒙𝟐 = + =− =− ⇒ Da Equação 6, temos 𝒙𝟏 . 𝒙𝟐 = = = 4
𝟐𝒂 𝟐𝒂 𝟐𝒂 𝒂 𝒂 1
𝒃 Agora basta pensar em dois números cuja soma é -4 e
𝒙𝟏 + 𝒙𝟐 = − (𝟓)
𝒂 o produto é 4. Por uma inspeção simples encontramos
como resultado a raiz dupla. Conjunto solução 𝑆 = {2}.
4.2 – Produto das raízes 𝑥 = 2, 𝑝𝑜𝑖𝑠 2 + 2 = 4 𝑒 2.2 = 4

−𝒃 + √∆ −𝒃 − √∆ 𝒃𝟐 − ∆ 𝟑 𝟐 𝟗 𝟗+𝟏𝟔
𝒙𝟏 . 𝒙𝟐 = ( ).( )= = c) ∆= 𝒃𝟐 − 𝟒𝒂𝒄 = ( ) − 𝟒. (−𝟏). (𝟏) = + 𝟒 = →
𝟐 𝟒 𝟒
𝟐𝒂 𝟐𝒂 𝟒𝒂𝟐 𝟐𝟓
∆= ;
𝟒
𝟐 (𝒃𝟐 𝟑 𝟐𝟓
𝒃 − − 𝟒𝒂𝒄) 𝟒𝒂𝒄 𝒄 𝟑 𝟓
= = = ⇒ −𝒃 ± √∆ − (𝟐) ± √ 𝟒 − ± 𝟏
𝟒𝒂𝟐 𝟒𝒂𝟐 𝒂 𝒙= = = 𝟐 𝟐→𝒙=−
𝟐𝒂 𝟐. (−𝟏) −𝟐 𝟐
𝒄 𝒐𝒖 𝒙 = 𝟐
𝒙𝟏 . 𝒙𝟐 = (𝟔) 1
𝒂 Conjunto solução 𝑆 = {− ; 2}
2

Exemplo:
Tomamos a equação do segundo grau do Ex 1 d) −5𝑥 2 = 0 → 𝑥 2 = 0 → 𝑥 = 0
𝑥 2 ∓ 4𝑥 − 5 cujas raízes são 𝑥1 = 1 𝑒 𝑥2 = −5. Dessa Conjunto solução 𝑆 = 0.
forma a soma das raízes é 𝑥1 + 𝑥2 = 1 + (−5) = −4 e o
produto é 𝑥1 . 𝑥2 = 1. (−5) = −5. e) 2𝑥 2 − 4𝑥 = 0; 𝑐𝑜𝑙𝑜𝑐𝑎𝑛𝑑𝑜 2𝑥 𝑒𝑚 𝑒𝑣𝑖𝑑ê𝑛𝑐𝑖𝑎, 𝑡𝑒𝑚𝑜𝑠:
Contudo, a soma e o produto das raízes podem 2𝑥(𝑥 − 2) = 0 → 𝑥(𝑥 − 2) = 0
ser calculados usando somente os coeficientes 𝑎, 𝑏 𝑒 𝑐 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑞𝑢𝑒 𝑒𝑠𝑠𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑡𝑜 𝑠𝑒𝑗𝑎 𝑧𝑒𝑟𝑜, 𝑑𝑒𝑣𝑒𝑚𝑜𝑠 𝑡𝑒𝑟 𝑢𝑚 𝑑𝑜𝑠 𝑚𝑒𝑚𝑏𝑟𝑜𝑠
da equação do segundo grau. Dessa forma temos que: 𝑛𝑢𝑙𝑜𝑠, 𝑜𝑢 𝑠𝑒𝑗𝑎:
𝑥=0
 Soma das raízes 𝑥−2=0→𝑥 =2
𝒃 𝟒 Conjunto solução 𝑆 = {0; 2}
Da Equação 5, temos 𝒙𝟏 + 𝒙𝟐 = − = − = −𝟒
𝒂 𝟏
 Produto das raízes f) 4𝑥 2 + 3 = 0 → 4𝑥 2 = −3 → 𝑥 2 = −
3
𝒄 5 4
Da Equação 6, temos 𝒙𝟏 . 𝒙𝟐 = = = 5 No universo dos reais, o número 𝑥 2 é sempre positivo,
𝒂 1
3
ou seja, 𝑥 2 ≥ 0, mas pela equação temos 𝑥 2 = − < 0.
Os resultados batem com aqueles calculados 4
Dessa forma, concluímos que não existe solução real
quando se acha os valores das raízes e calculamos a
soma e o produto. para a equação 4𝑥 2 + 3 = 0 → 𝑆 = ∅.

Exercício Resolvido 3: Exercício Resolvido 4:

Determine os zeros reais das funções: Uma empresa produz e vende certo tipo de
produto. A quantidade que ela consegue vender varia
a) 3𝑥 2 – 7𝑥 + 2 = 0
com o preço, da seguinte forma: a um preço y ela
b) 𝑥 2 + 4𝑥 + 4 = 0 consegue vender x unidades do produto, de acordo
3
c) – 𝑥 2 + 𝑥 + 1 = 0 com a equação y = 50 – (x/2). Sabendo que a receita
2
d) – 5𝑥 2 = 0 (quantidade vendida vezes o preço de venda) obtida foi
e) 2𝑥 2 – 4𝑥 = 0 de 1250,00, qual foi a quantidade vendida?
f) 4𝑥 2 + 3 = 0
Resolução:
Quantidade vendida = x
Preço de venda = y
Receita = x.y=1250,00
𝑥
Mas 𝑦 = 50 − ,
2

70 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


𝑥 𝑥2 𝒃 −𝟑
Logo 𝑥. 𝑦 = 𝑥. (50 − ) = 50𝑥 − = 1250 → 𝑺 = 𝒙𝟏 + 𝒙𝟐 = − =− =𝟑
2 2
𝒂 𝟏
100𝑥 − 𝑥 2 = 2500 → 𝑥 2 − 100𝑥 + 2500 = 0  Produto das raízes
A equação acima pode ser resolvida por Bhaskara ou 𝒄 −𝟒
por soma e produto. Vamos resolver por soma e 𝑷 = 𝒙𝟏 . 𝒙𝟐 =
= = −𝟒
𝒂 𝟏
produto. Temos que achar dois números cuja soma é 3 e o
 Soma das raízes produto é -4. Por inspeção achamos
Da Equação 5, temos 𝑦 = 4 𝑜𝑢 𝑦 = −1
𝒃 −𝟏𝟎𝟎
𝒙𝟏 + 𝒙𝟐 = − = − = 𝟏𝟎𝟎
𝒂 𝟏
Mas 𝑦 = 𝑥 2 . Então 𝑥 2 = 4 → 𝑥 = ±2 𝑜𝑢
 Produto das raízes 𝑥 2 = −1 (𝑛ã𝑜 𝑒𝑥𝑖𝑠𝑡𝑒 𝑠𝑜𝑙𝑢çã𝑜 𝑟𝑒𝑎𝑙)
𝒄 𝟐𝟓𝟎𝟎 Assim, conjunto solução 𝑆 = {−2; 2}.
Da Equação 6, temos 𝒙𝟏 . 𝒙𝟐 = = = 𝟐𝟓𝟎𝟎
𝒂 𝟏

Por inspeção das raízes, achamos a raiz dupla 𝑥 = 50. EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Logo a quantidade de produto vendida foi de 50
unidades.
Nível I
Exercício Resolvido 5:
1. (Puccamp) Considere as seguintes equações:
Na equação de segundo grau 2x2 – 5x – 1 = 0 de raízes I. x2 + 4 = 0
x1 e x2, calcule: II. x2 - 2 = 0
𝑥2 𝑥1
a) 𝑥12 + 𝑥22 b) 𝑥13 + 𝑥23 c)
1
+
1
d) + III. 0,3x = 0,1
𝑥1 𝑥2 𝑥1 𝑥2
Sobre as soluções dessas equações é verdade que em
Resolução: a) II são números irracionais.
 Soma das raízes b) III é número irracional.
𝒃 −𝟓 𝟓 c) I e II são números reais.
𝑺 = 𝒙𝟏 + 𝒙𝟐 = − =− = d) I e III são números não reais.
𝒂 𝟐 𝟐
 Produto das raízes e) II e III são números racionais.
𝒄 −𝟏 𝟏
𝑷 = 𝒙𝟏 . 𝒙𝟐 = = =− 2. (Uece) Se x1 e x2 são as raízes da equação
𝒂 𝟐 𝟐
5 1
Dessa forma 𝑆 = 𝑒𝑃=− . 3x2 - 2x - 8 = 0, sendo x1 < x2, então 3x22 - 2x1 - 8 é
2 2
igual a:
a) 𝑆𝑎𝑏𝑒𝑚𝑜𝑠 𝑞𝑢𝑒 (𝑥1 + 𝑥2 )2 = 𝑥12 + 2𝑥1 𝑥2 + 𝑥22 → a) 2/3 b) 8/3 c) 16/3 d) 20/3
𝑥12 + 𝑥22 = (𝑥1 + 𝑥2 )2 − 2𝑥1 𝑥2 = 𝑆 2 − 2𝑃 =
5 2 1 25 29 3. Quantas raízes reais têm a equação
= ( ) − 2 (− ) = +1=
2 2 4 4 2x2 - 2x + 1 = 0?
a) 0 b) 1 c) 2 d) 3 e) nenhuma
b) 𝑆𝑎𝑏𝑒𝑚𝑜𝑠 𝑞𝑢𝑒 (𝑥1 + 𝑥2 )3 = 𝑥13 + 3𝑥12 𝑥2 + 3𝑥1 𝑥22 + 𝑥23
→ (𝑥1 + 𝑥2 )3 = 𝑥13 + 𝑥23 + 3𝑥1 𝑥2 (𝑥1 + 𝑥2 ) 4. (Pucrj) Se A e B são as raízes de x2 + 3x – 10 = 0,
→ 𝑥13 + 𝑥23 = (𝑥1 + 𝑥2 )3 − 3𝑥1 𝑥2 (𝑥1 + 𝑥2 ) = 𝑆 3 − 3𝑃𝑆 →
1
5 3 1 5 125 15 então vale :
𝑥13 + 𝑥23 = 𝑆 3 − 3𝑃𝑆 = ( ) − 3. (− ) ( ) =
2 2 2 8
+
4  A  B2
3 3
155 1 1 1 1 1
→ 𝑥1 + 𝑥2 = a)  b)  c) d) e)
8 10 49 49 10 7
5
1 1 𝑥2 +𝑥1 𝑆 Nível II
c) + = = = 2⁄ 1 = −5
𝑥1 𝑥2 𝑥1 𝑥2 𝑃 −
2
29 5. Resolva o sistema:
𝑥2 𝑥1 𝑥12 +𝑥22 𝑑𝑜 𝑖𝑡𝑒𝑚 (𝑎) 𝑥2 𝑥1 4 29
d) + = ⇒ + = 1 =−
𝑥1 𝑥2 𝑥1 𝑥2 𝑥1 𝑥2 − 2
2
2x  y  1
Exercício Resolvido 6: 

1/ x  1/ y  2
Determine os zeros reais da função 
𝑥 4 – 3𝑥 2 − 4 = 0
6. A equação (x - 3)/2 + 1/x = -3, em R, é verdadeira, se
Resolução: x2 for igual a:
a) 0 b) 1 c) 4 d) 1 ou 4 e) -1 ou -2
Chamamos 𝑥 2 = 𝑦. Então 𝑥 4 = 𝑦 2
Substituindo na equação principal, trocamos 𝑥 2 por 𝑦, e 7. Determine "a" para que a equação do 20. grau ax2 +
𝑥 4 por 𝑦 2 . Dessa forma, a equação fica 𝑦 2 − 3𝑦 − 4 = 0 x + 1 = 0 admita duas raízes reais e distintas.
que é uma equação do 2º grau. a) a = 1/4 b) a < 1/4 c) a > 1/4 d) a = 4 e) a = -4
 Soma das raízes

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 71


8. A equação 4x2 + x + m = 0 tem uma única raiz. 15. Um algoritmo é um procedimento computacional
Então, m é igual a: que serve de apoio para a programação de
a) 0 b) 1/16 c) 2 d) 1/32 e) -1 computadores, por meio da descrição de tarefas que
devem ser efetuadas. Seguindo pré-determinadas
9. Determine as raízes da equação instruções, a partir de valores ou expressões de
(2x + 3)/3 = (3x - 2)2/6 + [x(1 - 5x)]/2 entrada, é produzido um valor ou expressão de saída.
Considere o algoritmo abaixo que determina uma
equação do 2º grau, cujas raízes reais são dois
10. Resolva as seguintes equações do 2o grau, no
números A e B conhecidos:
conjunto IR:
a) (3x + 1)2 + 4 = 7x + 1
b) (x - 1)2 = 3x + 1
2x2 x x
c) -   3x2
5 10 2
x  x  5 5x
d)   1  1  
2  2  4 8
 x  x  1 x  5  2x  1
e)   5
4 12 6

11. Resolva as seguintes equações literais, no conjunto


IR:
a) (x - a)2 = a2
b) 9x2 - 25m2 = 0
c) 2 . (x2 + m2) = 10m2
a) Observando o algoritmo acima, determine uma
d) 4x2 - 5a2/6 = 3x2 + a2/6
equação do 2º grau com raízes 2 e 5.
b) Quais são os valores A e B que devem ser
12. (Uepg) Um ciclista fez um percurso de 600 km, em
considerados na entrada para que a equação de
n dias, percorrendo x quilômetros por dia. Se ele
saída seja x2 – 3x – 28 = 0?
tivesse percorrido 10 km a mais por dia teria gasto 3
dias a menos. Nessas condições, assinale o que for
16. Luiz Fernando elaborou um programa para sua
correto.
calculadora científica.
01) O número de dias usados para percorrer os 600 km
Desta forma, digitando um número N de entrada no
é um número par.
programa, a calculadora efetua algumas operações e
02) Ele fez o percurso em 30 dias.
devolve na saída o número R.
04) Ele percorreu mais de 12 km por dia.
No esquema abaixo, estão ilustrados os comandos que
08) O número de quilômetros percorridos por dia é um
Luiz colocou em seu programa:
número divisível por 8.

13. (Fgv) Deslocando-se a vírgula 4 posições para a


direita na representação decimal de um número
racional positivo, o número obtido é o quádruplo do a) Qual será o resultado de saída R quando Luiz
inverso do número original. É correto afirmar que o Fernando digitar na entrada o número N = 6?
número original encontra-se no intervalo real b) Luiz Fernando, depois de testar vários números,
 1 3   1 3   1 3  observou que, ao digitar de entrada certo número N,
a)  ,  b)  1000 , 1000  c)  , 
 10000 10000     100 100  o valor de saída R era igual ao dobro de N. Escreva
a equação que descreve esta propriedade observada
1 3 e) [1,3]
por Luiz Fernando.
d)  , 
 10 10  c) Determine o número de entrada N que satisfaz à
observação de Luiz Fernando.
14. O conjunto solução da equação do segundo grau no
conjunto dos números reais 17. (Espm) Uma costureira pagou R$ 135,00 por uma
x2 3 5 certa quantidade de metros de um tecido. Ao passar
 x  é: pela loja vizinha, notou que o metro desse mesmo
4 8 2
tecido estava R$ 2,00 mais barato que na anterior.
 5  5 
a) S = {1, 2} b) S   ,4  c) S   ,4  Comprou, então, um metro a mais do que na primeira
 2  2  compra, gastando R$ 130,00. Considerando as duas
d) S= {2, 5} e) S= { } compras, o total de metros de tecido que ela comprou
foi:
a) 15 b) 17 c) 19 d) 21 e) 23

72 Nivelamento - Álgebra CASD Vestibulares


18. (Espm) O produto da média aritmética pela média (08) Verdadeiro, 40 é divisível por 8
harmônica entre dois números reais positivos é igual ao
produto desses números. 1 4 2
13. C 10.000x = 4.  x2  x
Dessa forma podemos dizer que a média harmônica x 10000 100
entre as raízes da equação 2x2 − 15x + 3 = 0 é igual a: 14. B
a) 0,4 b) 1,3 c) 0,7 d) 1,5 e) 0,6 x2 3 5 2 x 2 3x  20
 x    2 x 2  3x  20  0
4 8 2 8 8
19. Encontre o valor de n para que a soma das raízes
da equação do segundo grau 6x2 + (n – 1)x – 2 = 0 seja
  169
1
 b    (3)  169 x  4
igual a .
5
 5
1 1 2 2 3 x=
2a 2.2 x
a) b) - c) d)  e) 2
5 5 5 5 5
20. (G1 - utfpr) Resolvendo a equação biquadrada 6x 4  5 
S = S   ,4 
– 5x2 + 1 = 0, obtém-se:  2 
a)  5 2 2 5  15. a) (x - 2).(x – 5) = 0  x2 – 7x + 10 = 0
S   , , , 
 2 3 3 2  b)  2 2 2 2  b) x2 – 3x – 28 = 0 (x – 7).(x + 4)= 0
S   , , ,  x - 7 = 0 ou x + 4 = 0 logo, x = 7 ou x = - 4
 2 3 3 2 

 3 1 1 3   5 1 1 5  16. a) (6 - 1)2 + 3 = 28 b) (N - 1)2 + 3 = 2N


c) S   , , ,  d) S   , , , 
 2 2 2 2   2 2 2 2  c) N2 – 2N + 1 + 3 = 2N N2 - 4N + 4 = 0
Resolvendo a equação temos: N = 4
 2 1 1 2 
e) S   , , , 
 2 2 2 2  17. C
x = quantidade de tecido em metros da loja 1
GABARITO x +1 = quantidade de tecido em metros da loja 2.
135 130
1. A 2. D 3. A   2  135( x  1) 130.x  2x.( x  1)  2x 2  3x 135  0
x x 1
4. C Resolvendo a equação x2 + 3x – 10 = 0, temos Resolvendo, temos x = 9 ou x = -7,5 (não convém).
x= 2 ou x = - 5, logo: Logo, foram comprados 9 + 9 + 1 = 19m de tecido.
1 1 1 1
   18. A
A  B 2
2  (5) 2
7 2 49 M A .M H  P
S
5. se x = 1 então y = 1 se x = 1/4 então y = -1/2 .M H  P
2
6. D 7. B 8. B 9. -1/6 ou - 2
 (15)
2 .M  3
H
 3  2 2
10. a) V = Φ b) V = {0, 5} c) V =  , 0  15 3
 13  .M H 
4 2
 9
d) V = 2,  e) V = {1, 5} 6
 2 MH   0,4
15
11. a) V = {0, 2a} b) V = {- 5m/3, 5m/3}
19. B
c) V = {- 2m, + 2m} d) V = {- a, a}
b 1

12. 04 + 08 = 12 a 5
 600  (n  1) 1 1
 n
 x n 6 5 5
 600
 x  10 
 n3 20. A
600 600   5 2  4.6.1  1
 10  600(n-3) + 10(n-3).n = 600n n2 – 3n
n n 3 5 1 1 1
x2   x 2  ou x 2 
– 180 = 0 n= -12 ou n = 15 12 2 3
2 3
Logo n = 15 e x = 40 Logo, x =  ou x  
Falso, 15 é ímpar. 2 3
Falso, em 15 dias  2 3 3 2 
(04) Verdadeiro, 40 > 12 S   , , , 
 2 3 3 2 

CASD Vestibulares Nivelamento - Álgebra 73


MATEMÁTICA
NIVELAMENTO
NOÇÕES DE LÓGICA

1 – PROPOSIÇÃO Exemplo:
Sejam as proposições simples p: 7 > 3 (V) e
q: 7 = 3 (F). Pode-se formar a proposição composta
Chama-se proposição, toda oração declarativa p q: 7 > 3 ou 7 = 3. Comumente repesentada como
à qual se pode atribuir um valor lógico (Verdadeiro ou p q: 7 ≥ 3 (sete é maior ou igual a três).
Falso).
2.1. Conectivo ou
ATENÇÃO! O conectivo ou possui dois significados
Toda proposição apresenta três características: diferentes no português. A lígua latina possui duas
1) Sendo oração, tem sujeito e predicado; palavras que deram origem aos dois significados na
liguagem corrente.
2) É declarativa (não é exclamativa nem
interrogativa);
3) Tem um, e somente um, dos valores
lógicos: ou é
verdadeira (V) ou é falsa (F).
Exemplos:
A palavra AUT deu origem ao sentido exclusivo.
1. 2 < 5 (dois é menor que cinco) (V)
2. Barack Obama é o presidente do Brasil (F) Exemplo:
3. 6 ≠ 3 (seis é diferente de três) (V) Lula ou Serra será eleito Presidente da República.
Nesse caso, claramente, não se admite a
simultaneidade, o primeiro fato acontecer (Lula ser
2 – NEGAÇÃO eleito Presidente da República) exclui a possibilidade
de o segundo acontecer (Serra ser eleito Presidente da
A partir de uma preposição p qualquer sempre República).
podemos construir outra, denominada negação de p e é
indicada com o símbolo ~p. A palavra VEL deu origem ao sentido inclusivo.
Exemplo:
Exemplos:
O cheque será pago desde que contenha a
a) p: 9 ≠ 5
assinatura de Francisco ou Helen.
~p: 9 = 5
Nesse caso, admite-se a simultaneidade. Para
b) p: 7 não é um número par
o cheque ser validado basta que um dos dois assine,
~p: 7 é um número par
mas é possível que os dois assinem o cheque e isso
não tornará-lo invalido.
Embora a negação de uma proposição pareça
Neste capítulo, assim como em quase toda a
extremamente simples, convém ressaltar: matemática, o conectivo ou será usado no sentido
1) negar uma proposição p não é apenas inclusivo.
afirmar algo diferente do que p afirma, ou algo com Quando duas proposições simples são ligadas
valor lógico diferente. Por exemplo, a proposição q: pelo conectivo ou, a ideia que se pretende transmitir é
Tóquio é a capital do Japão (V) não é negativa de p: que pelo menos uma das proposições componentes é
Paris é a capital do Japão (F) verdadeira, não impendindo que ambas sejam
simultaneamente.
2) Sendo verdadeira uma proposição, a sua Assim, a proposição p ou q, representada
negação é falsa e vice-versa. simbolicamente por p q, é verdadeira quando, pelo
menos, uma das proposições componentes o é, sendo
falsa apenas quando ambas forem, simultaneamente,
falsas.
Podemos resumir isso na tabela verdade
abaixo:

3 – PROPOSIÇÃO COMPOSTA

A partir de duas proposições simples, pode-


se formar proposições compostas com o emprego de
símbolos lógicos, como o conectivo ou (representado
por ) ou o conectivo e (representado por ).

CASD Vestibulares Álgebra 74


Exemplos: I. A tem células e gasta energia.
1) Observe que no exemplo dado anteriormente II. B tem células e se locomove.
p: 7 > 3 é verdadeira, enquanto q: 7 = 3 é falsa. III. Todo ser vivo tem células.
Dessa forma p q deve ser verdadeira. De fato, IV. C não se locomove.
7 ≥ 3 é uma afirmação verdadeira.
2) p: 7 > 4 (V) É correto afirmar que:
q: 3 < 5 (V) a) A é igual a B.
p q: 7 > 4 ou 3 < 5 (V) b) A é um ser vivo e C não é.
c) A, B e C são seres vivos.
2.2. Conectivo e d) A e B são seres vivos.
Quando duas proposições simples são ligadas e) C não tem células.
pelo conectivo e, traduz-se a ideia de simultaneidade.
Assim, a proposição p e q, representada 05. (UNIFOR-CE) Considere que os argumentos
simbolicamente por p q, é verdadeira quando p e q seguintes são verdadeiros:
são verdadeiras simultaneamente, sendo falsa quando – Todo comilão é gordo
pelo menos uma das duas é falsa. – Todo guloso é comilão
Podemos resumir isso na tabela verdade Com base nesses argumentos, é correto afirmar que:
abaixo: a) todo gordo é guloso
b) todo comilão não é guloso
c) existem gulosos que não são comilões
d) existem comilões que não são gulosos.
e) existem gulosos que não são gordos.

06. (UNIFOR-CE) A negação de ‘Professores são


pessoas responsáveis’ é equivalente a:
a) ‘Professores são pessoas irresponsáveis’.
b) ‘Toda pessoa irresponsável é professor’.
c) ‘Toda pessoa irresponsável não é professor’.
d) ‘Toda pessoa responsável é professor’.
e) ‘Alguma pessoa irresponsável é professor’.
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Nível III
Nível I
07. A negação da frase “Todo aluno do CASDVest é
01. A negação de “Deus é Brasileiro” é: esperto” está na alternativa:
a) Deus é Português a) Algum aluno do CASDVest não é esperto.
b) Deus não esteve no Brasil b) Nenhum aluno do CASDVest é esperto.
c) Deus não é Brasileiro c) Todo aluno do CASDVest é pouco esperto.
d) Deus não mora no Brasil d) Existem alunos no CASDVest que são espertos.
e) n.d.a. e) Alunos do CASDVest são espertos.

02. Complete a tabela verdade: 08. (Petrobrás – Adp.) A negação de “𝑥 > 4 𝑜𝑢 𝑥 < 2" é:
a) 𝑥 < 4 𝑒 𝑥 > 2
b) 𝑥 < 4 𝑜𝑢 𝑥 > 2
c) 𝑥 ≤ 4 𝑒 𝑥 ≥ 2
d) 𝑥 ≤ 4 𝑜𝑢 𝑥 ≥ 2

GABARITOS

01. C
02.

Nível II

03. (UFABC - Adaptada) Assinale a proposição


composta logicamente verdadeira:
a) (2 = 3) ou (2.3 = 6)
b) (2 = 3) e (2.3 = 6)
c) (2 = 3) e (2.3 = 5)
d) (2 = 3) ou (2.3 = 5)
e) (2 = 3) e (2 ≠ 2)
03. A 04. D 05. D 06. E 07. A 08. C
04. (CP2 - 2010) Dadas as afirmativas:

74 Álgebra CASD Vestibulares


GEOMETRIA
Nivelamento
CAPÍTULO I – ÂNGULOS

1 – INTRODUÇÃO 2 - ÂNGULOS

Geometria Plana é um dos assuntos mais  Ângulos congruentes: são aqueles que
cobrados em qualquer prova de vestibular. possuem medidas iguais. Assim, por exemplo,
Felizmente, Geometria não é um assunto difícil ou todos os ângulos retos são congruentes, todos
complicado como muitos imaginam. O conhecimento os ângulos de medida 60𝑜 são congruentes, etc.
sobre geometria é construído pouco a pouco, de
forma que um assunto puxa o outro. Por isso, trate  Ângulos consecutivos: dois ângulos são
de prestar bastante atenção nessa parte inicial de consecutivos se, e somente se, o lado de um
nossos estudos geométricos (ela será fundamental deles é também lado do outro.
mais na frente do nosso curso)!
Para que se aprenda bem esse assunto é
necessário uma base teórica, com algumas
definições que facilitarão seu aprendizado. Então,
bastante atenção nas definições que se seguem:

 Semi-reta:
Um ponto 𝐴 divide uma reta em duas partes,
e estas partes são chamadas de semi-retas com
origem 𝐴.
 Ângulos adjacentes: dois ângulos são
adjacentes se, e somente, forem consecutivos
 Segmento de reta: e não possuírem pontos internos em comum.
Dados dois pontos distintos, a reunião deles
com o conjunto dos pontos que estão entre eles é Muita atenção na definição que se segue,
um segmento de reta. ângulos opostos pelo vértice aparecerão em
todo o decorrer do ano e você precisa estar
com essa ideia bem clara para que
compreenda bem várias situações geométricas
 Região convexa: que aparecerão posteriormente.
Um conjunto de pontos 𝑆 é uma região
convexa se, e somente se, para qualquer par de  Ângulos opostos pelo vértice: como o
pontos 𝐴 e 𝐵 de 𝑆, o segmento 𝐴𝐵 está todo contido próprio nome indica, são aqueles cujos lados
em 𝑆, quando a região não é convexa, ela é de um são os prolongamentos dos lados do
chamada de côncava. outro. Vale aqui, a seguinte proposição,
facilmente demonstrável:
 Ângulos:
"Dois ângulos opostos pelo vértice são
É a união de duas semi-retas de mesma congruentes, ou seja, possuem a mesma
medida".
origem.Simbolicamente: 𝑟Ô𝑠 = 𝑂𝑟 ∪ 𝑂𝑠.
O ponto 𝑂 é o vértice do ângulo e as semi-
retas 𝑂𝑟 e 𝑂𝑠 são os lados do ângulo.

Veja que os ângulos de medidas 𝑎 e 𝑏 são


congruentes, e, também os ângulos de medidas 𝑐 e
 Região Angular: 𝑑 são também congruentes, ou seja, possuem a
É a região determinada pela união do mesma medida.
conjunto dos pontos do ângulo com o conjunto dos
pontos “interiores”.

CASD Vestibulares Nivelamento - Geometria 76


3 – SISTEMAS DE MEDIDAS DE
ÂNGULOS  Complementares: Dois ângulos são
complementares quando a soma das suas
medidas é um ângulo reto (90𝑜 ). É dito que um é
3.1 - Sistema dos graus: complemento do outro.
Exemplo: 34𝑜 é o complemento de 56𝑜 e vice-
Ângulo de um grau (1𝑜 ) é o ângulo cuja versa, pois 34𝑜 + 56𝑜 = 90𝑜 .
medida é 1/360 de uma volta completa, ou 1/180 de
um ângulo raso.  Suplementares: Dois ângulos são
O grau admite dois submúltiplos: o minuto (′) e suplementares quando a soma das suas
o segundo (′′). medidas é um ângulo raso (180𝑜 ). É dito que um
Onde temos 1𝑜 = 60′ e 1′ = 60′′. é suplemento do outro.
Exemplo: 48𝑜 é o suplemento de 132𝑜 e vice-versa,
3.2 - Sistema dos radianos: pois 48𝑜 + 132𝑜 = 180𝑜 .

A medida de um ângulo no sistema radianos é  Replementares: Dois ângulos são


a razão entre o comprimento do arco que este replementares quando a soma das suas medidas
ângulo determina sobre qualquer circunferência de é uma volta completa (360º). É dito que um é o
centro no vértice do ângulo e a medida do raio da replemento do outro.
referida circunferência.
5 – POSIÇÕES ENTRE RETAS

As retas podem fazer entre si diversos valores de


ângulos. Existem, porém, dois casos a serem
destacados:

 Retas perpendiculares: são aquelas retas


concorrentes (isto é, aquelas que possuem um
4 – CLASSIFICAÇÃO DOS ÂNGULOS único ponto em comum) que formam entre si
quatro ângulos retos.
4.1 - Classificação quanto a medida
Se duas retas 𝑟 e 𝑠 são perpendiculares,
 Ângulo raso: Quando seus lados são semi-retas indicamos isso através do símbolo: r  s
opostas. Sua medida vai ser 180𝑜 .

 Ângulo reto: A metade de um ângulo raso é


denominada ângulo reto e sua medida é 90𝑜 .  Retas paralelas: duas retas são paralelas se
elas pertencem ao mesmo plano e não tem
interseção.
Dadas duas retas paralelas, chama-se reta
transversal qualquer reta que intercepte ambas as
retas.
Dadas num plano, duas retas 𝑟 e 𝑠 e uma
transversal 𝑡, obtemos oito ângulos.

Concluímos que o ângulo de uma volta completa


corresponde a dois ângulos rasos ou a quatro
ângulos retos e, portanto sua medida é 360𝑜 .

 Ângulo Agudo: Quando este for menor que a


medida de um ângulo reto, ou seja, menor que Correspondentes: 𝑎 e 𝑒 ; 𝑏 e 𝑓 ; 𝑐 e 𝑔 ; 𝑑 e ℎ.
90𝑜 . Alternos externos: 𝑎 e 𝑔 ; 𝑏 e ℎ.
Alternos internos: 𝑐 e 𝑒 ; 𝑑 e 𝑓.
 Ângulo Obtuso: Quando este for maior que 90𝑜 . Colaterais externos: 𝑎 e ℎ ; 𝑏 e 𝑔.
Colaterais internos: 𝑐 e 𝑓 ; 𝑑 e 𝑒.
4.2 – Classificação quanto a soma Propriedades:

CASDVestibulares Nivelamento - Geometria 77


Se tivermos duas retas paralelas cortadas por f) ( ) Se dois ângulos adjacentes são
uma transversal teremos: complementares, então seus lados não comuns são
perpendiculares
 Ângulos correspondentes congruentes g) ( ) O suplemento de um ângulo agudo é um
 Ângulos alternos congruentes ângulo obtuso
 Ângulos colaterais suplementares
2) 2𝑥 e 4𝑥 − 20𝑜 são opostos pelo vértice. Qual é o
Neste ponto não é importante se prender a valor de 𝑥?
definições como ‘colaterais externos’ ou ‘alternos
internos’. O aspecto importante é que, ao se ver 3) 7𝑥 − 30𝑜 e 10𝑥 − 90𝑜 são opostos pelo vértice.
figuras tais quais a representada logo acima, se Qual é o valor de 𝑥?
saiba reconhecer que ângulos possuem a mesma
medida e quais são suplementares. Tente fazer 4) Quanto vale o complemento de 18𝑜 ?
esse mesmo desenho em uma folha separada e
marcar esses ângulos até que isso fique natural 5) Quanto vale o suplemento de 73𝑜 ?
para você. Questões que envolvem marcações de
ângulos envolvendo retas paralelas e transversais 6) Quanto vale o replemento de 131𝑜 ?
serão bastante comuns ao longo do ano.
7) Dois ângulos complementares medem 𝑥 − 10𝑜 e
6 – ADIÇÃO DE ÂNGULOS 3𝑥 − 20𝑜 . Quanto mede o menor desses ângulos?

8) Dois ângulos suplementares medem 3𝑥 − 40𝑜 e


Se o segmento de reta 𝑂𝐶 é interno ao ângulo 𝐴Ô𝐵,
2𝑥 + 60𝑜 . Quanto mede o maior desses ângulos?
este ângulo será a soma dos ângulos 𝐴Ô𝐶 e 𝐶Ô𝐵.
9) Qual é a medida do ângulo que é igual ao dobro
do seu complemento?

10) Qual é a medida do ângulo que é igual ao triplo


do seu suplemento?

Nível II
7 – BISSETRIZ DE UM ÂNGULO 11) Qual o ângulo cujo suplemento excede em 30𝑜 o
quádruplo do seu complemento?
A bissetriz de um ângulo é a semi-reta com origem
no vértice que divide o ângulo em duas partes 12) Na figura, onde 𝑟 e 𝑠 são retas paralelas, analise
iguais. Assim, 𝑂𝐶 é bissetriz do ângulo 𝐴Ô𝐵 as informações:
significa que 𝐴Ô𝐶 = 𝐵Ô𝐶. I - 𝐶𝐴̂𝐵 = 𝐴𝐵̂ 𝐹
II - 𝐷𝐴̂𝐵 + 𝐴𝐵̂ 𝐹 = 180𝑜
III - As bissetrizes de 𝐶𝐴̂𝐵 e 𝐴𝐵̂ 𝐹 são paralelas
IV- As bissetrizes de 𝐶𝐴̂𝐵 e 𝐷𝐴̂𝐵 são
perpendiculares

Todo ângulo possui uma única bissetriz!

EXERCÍCIOS PROPOSTOS

Nível I

1) Classifique as afirmações em verdadeiras ou São corretas:


falsas: a) nenhuma
a) ( ) Dois ângulos adjacentes têm um lado comum b) uma
b) ( ) Dois ângulos adjacentes têm um vértice c)duas
comum d) três
c) ( ) Dois ângulos que têm vértice em comum e um e) quatro
lado em comum são adjacentes
d)( ) As bissetrizes de dois ângulos opostos pelo
vértice pertencem a uma mesma reta
e)( ) Se dois ângulos são congruentes então são
suplementares

78 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


GABARITO

1. a) V b) V c) F d) V e) F f) V g) V

2. 𝑥 = 10𝑜

3. 𝑥 = 20𝑜

4. O complemento de 18𝑜 é 72𝑜 (pois 18𝑜 + 72𝑜 =


90𝑜 )

5. O suplemento de 73𝑜 é 107𝑜 (pois 73𝑜 + 107𝑜 =


180𝑜 )

6. O replemento de 131𝑜 é 229𝑜 (pois 131𝑜 +


229𝑜 = 360𝑜 )

7. O menor desses ângulos é 20𝑜

8. O maior desses ângulos é 124𝑜

9. 60𝑜

10. 135𝑜

11. 70𝑜

12. E

CASDVestibulares Nivelamento - Geometria 79


GEOMETRIA
Nivelamento
CAPÍTULO II – TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS

1- TRIÂNGULOS Assim, se você conhece dois ângulos de um


triângulo, pode sempre descobrir a medida do
terceiro ângulo. Vejamos como resolver um
Dados três pontos que não estejam na
problema desse tipo usando essa propriedade.
mesma reta, 𝐴, 𝐵 e 𝐶, chama-se triângulo a união
dos três segmentos 𝐴𝐵, 𝐵𝐶 e 𝐴𝐶.
?
180𝑜 − (90𝑜 + 45𝑜 ) =
= 180𝑜 − 135𝑜 = 45𝑜

90°
45°

O ângulo cuja medida é desconhecida mede


45𝑜 (pois 180𝑜 − 135𝑜 = 45𝑜 ), que é quanto falta à
soma dos outros dois para completar 180𝑜 . O
resultado é encontrado subtraindo-se de 180𝑜 (total
da soma) a soma dos ângulos que você já conhece.
A união do triângulo 𝐴𝐵𝐶 com os pontos de
sua região interior é chamada de região triangular. A
Se todos os ângulos são iguais, então:
palavra triângulo é muitas vezes usada com sentido de
região triangular.
? 180°
O triângulo é uma figura geométrica muito = 60°
utilizada em construções. Você já deve ter notado que 3
existem vários tipos de triângulo.
? ?
vértice

lado lado
vértice
Neste exemplo, você não conhece nenhum
ângulos
dos três ângulos, mas sabe que os três possuem a
mesma medida. Basta então dividir o total por 3.
lado

vértice Outra propriedade importante é que, em


qualquer triangulo, cada ângulo externo é igual a
Para falar dos elementos dos triângulos, a
soma dos ângulos internos não adjacentes.
Matemática usa uma convenção universal. Com letras
maiúsculas representamos os vértices, pois eles são
pontos do plano. E assim temos, por exemplo:

Os pontos 𝐴, 𝐵 e 𝐶 são os vértices.


C

A B 1.1 - Classificação dos triângulos


Os segmentos 𝐴𝐵, 𝐵𝐶 e 𝐴𝐶 são os
Como os triângulos não são todos iguais,
são lados.
podemos separá-los em grupos que tenham
características comuns, ou seja, podemos classificá-
Propriedades:
los. Usam-se dois tipos de classificação: pelos
 A soma dos ângulos internos de qualquer
ângulos ou pelos lados.
triângulo é 𝟏𝟖𝟎𝒐 (Muito, muito importante)
1.1.1 - Classificação quanto aos ângulos
90°+45°+45°=180°

30°
45° 60°

90° 90°
45° 60° 60° 60°
90°+30°+60°=180° 60°+60°+60°=180° acutângulo Obtusângulo
retângulo
80 Nivelamento - Geometria lo CASD Vestibulares
O triângulo acutângulo possui os 3 ângulos
agudos. 2.1 – Quadriláteros notáveis
O triângulo retângulo possui 1 ângulo reto e 2
ângulos agudos. 2.1.1 - Paralelogramo: é todo quadrilátero que
O triângulo obtusângulo possui 1 ângulo possui todos os lados opostos paralelos.
obtuso e 2 ângulos agudos.

1.1.2 - Classificação quanto aos lados

Propriedades:
 Os lados opostos são congruentes
 Os ângulos opostos são congruentes.
 As diagonais se cortam em seus pontos médios.

2.1.2 – Losango: é todo paralelogramo que possui


dois lados adjacentes congruentes.
O triângulo equilátero possui os 3 lados com a
mesma medida.
O triângulo isósceles possui 2 lados com a
mesma medida e o terceiro lado com medida
diferente.
O triângulo escaleno possui os 3 lados com medidas
diferentes. Propriedades:
Observação: O triângulo isósceles possui os  Todas as do paralelogramo
dois ângulos da base iguais, ou seja, os ângulos  As diagonais estão nas bissetrizes dos ângulos
opostos ao lados congruentes também são internos.
congruentes.  As diagonais são perpendiculares
Observação: O triângulo equilátero possui  Os quatro lados são congruentes
todos os ângulos iguais.
2.1.3 – Retângulo:
2 – QUADRILÁTEROS

Um quadrilátero é uma figura geomética que


tem 4 lados (quadri = quatro e láteros = lados). Os
exemplos mais importantes são o paralelogramo, o
losango, o retângulo e o quadrado.

Antes de estudar cada quadrilátero, vamos Propriedades:


conhecer agora um elemento dos quadriláteros que  Todas as propriedades do paralelogramo
não existe nos triângulos: a diagonal.  As diagonais são congruentes
 Os quatros ângulos são retos
Diagonal de um quadrilátero: é o segmento de reta
que liga dois vértices não consecutivos. 2.1.4 – Quadrado: é todo quadrilátero que é
retângulo e losango.
No retângulo 𝐴𝐵𝐶𝐷, os vértices não consecutivos
são 𝐴 e 𝐶, e 𝐵 e 𝐷. Veja a figura: Propriedades:
 Todas as propriedades do retângulo
 Todas as propriedades do losango.

Na figura acima, há dois tipos de segmentos


que ligam os vértices do retângulo 𝐴𝐵𝐶𝐷. Há os
lados do retângulo (𝐴𝐵, 𝐵𝐶, 𝐶𝐷, 𝐷𝐴), que ligam os
vértices consecutivos, e as diagonais do retângulo
(𝐴𝐶, 𝐵𝐷), que ligam os vértices opostos.

CASD Vestibulares Geometria 81


Essas características estão descritas nas 2.2 – Trapézio
tabelas abaixo. Observe que na 1ª tabela na 3ª
coluna aparece uma propriedade comum a todas as O trapézio é um quadrilátero que possui
figuras, ou seja, as quatro possuem dois pares de apenas um par de lados opostos paralelos, que
lados opostos paralelos. Por isso, todas elas são chamamos de bases. Então, ele não é um
chamadas de paralelogramos. Portanto: Os paralelogramo, pois o paralelogramo possui 2 pares
paralelogramos são quadriláteros que possuem de lados opostos paralelos. Vejamos alguns
dois pares de lados opostos paralelos. trapézios:
Observe que na 4ª coluna da 2ª tabela
aparece a propriedade comum às diagonais dos
paralelogramos:
As diagonais dos paralelogramos se cortam ao
meio.
Apenas 2 pares Apenas
4 4
lados de lados ângulos
lados ângulos
opostos opostos opostos
iguais iguais
iguais paralelos iguais

X X X O trapézio 1 tem os lados 𝐴𝐵 e 𝐶𝐷 paralelos,sendo


𝐴𝐵 a base maior e 𝐶𝐷 a base menor. Os outros dois
lados não são paralelos, mas são iguais, isto é, 𝐴𝐶 =
X X X 𝐵𝐷. Esse é o trapézio isósceles que possui os
lados não paralelos congruentes.
O trapézio 2 tem o lado 𝐸𝐺 perpendicular às
X X X bases formando, portanto, ângulos retos e 𝐺. Esse é
o trapézio retângulo que possui um ângulo reto.
O trapézio 3 tem os dois lados não paralelos
X X X desiguais, isto é, 𝐼𝐿 ≠ 𝐽𝑀. Esse é o trapézio
escaleno. Essa classificação dos trapézios tem uma
analogia (semelhança) com a classificação dos
Diagonais triângulos.
Duas Duas
Diagonais que se
diagonais diagonais
iguais diferentes
perpendiculares cortam ao 2.3 – Diagrama
meio

X X X Os quadriláteros podem ser representados no


seguinte diagrama.

X X

X X X

X X

Observação: Um quadrado também é um


paralelogramo pos tem 2 pares de lados paralelos, é
losango pois tem os 4 lados iguais e é um retângulo
pois tem os 4 ângulos iguais a 90𝑜 . Então, podemos
concluir o seguinte:
Por esse diagrama fica fácil ver as essas
- Todo losango é paralelogramo; relações. Por exemplo: todo retângulo é também um
- Todo retângulo é paralelogramo; paralelogramo, pois o conjunto dos retângulo está
- Todo quadrado é paralelogramo, losango e contido no dos paralelogramos.
retângulo;

82 Nivelamento - Algebra CASD Vestibulares


3 – ÁREAS DE SUPERFÍCIES 1 hectare (ℎ𝑎)= 10.000 𝑚2 (um quadrado cujos
lados medem 100 metros).
O que é área de uma superfície? Exercício Resolvido 2:

Medir uma superfície é compará-la com outra, Quantos centímetros quadrados cabem em
tomada como unidade. O resultado da comparação é um quadrado de 1 metro de lado?
um número positivo, ao qual chamamos de área. Resolução:
Como não existe instrumento para medir a área de
uma superfície, comparamos sua área com a área
de uma figura mais simples, como o retângulo ou o
quadrado.

Exercício Resolvido 1:

Deseja-se forrar uma parede de 3 𝑚 𝑥 5 𝑚


com quadrados de cortiça de 1 𝑚 de lado. Quantos
quadrados de cortiça serão necessários?
Resolução: Observe que 1 𝑚 = 100 𝑐𝑚, logo, a área desse
quadrado é: 100 𝑐𝑚. 100 𝑐𝑚 = 10000 𝑐𝑚2 . Portanto,
concluímos que: em um quadrado de 1 𝑚2 de área,
cabem 10.000 quadradinhos de 1 𝑐𝑚2 de área, isto
é, quadradinhos de 1 𝑐𝑚 de lado.
Agora, é sua vez! Quantos quadrados de 1 𝑚 de lado
são necessários para cobrir um quadrado de 1 𝑘𝑚2
de área?

Para resolver esse problema, é preciso calcular a 3.2 - Área do quadrado


área da parede, que tem a forma de um retângulo e
a área do pedaço de cortiça, que tem a forma de um Considere um quadrado qualquer. Vamos
quadrado. chamar a medida do lado desse quadradode 𝑳.
A área desse quadrado é:
Área do retângulo = comprimento x largura =
= 3 𝑚 𝑥 5 𝑚 = 15 𝑚2

Área do quadrado = lado x lado = 1 𝑚 𝑥 1 𝑚 = 1 𝑚2

Como cada quadrado tem 1 𝑚2 de área, serão


necessários 15 pedaços de cortiça para forrar a 𝑨 = 𝑳. 𝑳 = 𝑳𝟐
parede.
3.3 - Área do retângulo
3.1 - Unidades de área
Considere um retângulo qualquer, de base 𝒃 e
Estudamos unidades específicas para cada altura 𝒉. A área do retângulo é o produto da medida
figura a ser medida. Vamos agora recordar as da base pela altura.
unidades de área mais usuais. Então:
* Metro quadrado (𝑚2 ): é a superfície de um
quadrado de 1 metro (1 𝑚) de lado.
* Quilômetro quadrado (𝑘𝑚2 ): é a superfície de um
quadrado de 1 quilômetro (1 𝑘𝑚) de lado.
* Centímetro quadrado (𝑐𝑚2 ): é a superfície de um
quadrado de 1 centímetro (1 𝑐𝑚) de lado. 𝑨 = 𝒃. 𝒉
3.4 - Área do paralelogramo
Existem ainda: o hectômetro quadrado
(ℎ𝑚2 ), o decâmetro quadrado (𝑑𝑎𝑚2 ), o decímetro Observe as figuras abaixo. Podemos “cortar”
quadrado (𝑑𝑚2 ) e o milímetro quadrado (𝑚𝑚2 ). um pedaço do paralelogramo e encaixá-lo do outro
lado, transformando o paralelogramo num retângulo:
Observação: No Brasil, costuma-se usar o hectare
(ℎ𝑎) ou o alqueire para medir grandes extensões de Altura (ℎ)

terra.
Lembre que:
Base (𝑏)
𝑏

CASD Vestibulares Geometria 83


A área do paralelogramo é, assim, igual à área do A figura obtida é um paralelogramo cuja área é o
retângulo obtido, ou seja, ao produto das medidas da dobro da área do trapézio. Dessa forma, a área do
base pela altura: 𝑨 = 𝒃. 𝒉 trapézio é:

Observação: a altura ℎ do paralelogramo é a


distância de uma base a outra; portanto, é Área do trapézio:
perpendicular à base. (𝐵+𝑏)ℎ
((base maior + base menor) x altura )/2 =
2
3.5 - Área do losango
(𝑩 + 𝒃)𝒉
𝑨=
O losango é uma figura geométrica de lados 𝟐
iguais e diagonais perpendiculares.
Exercício Resolvido 3:

Um terreno em forma de trapézio tem 75 𝑚


na base menor, 100 𝑚 na base maior e 40 𝑚 de
altura. Qual a área desse terreno?
Resolução:

𝐴𝐵 = diagonal maior, 𝐶𝐷 = diagonal menor.

Podemos construir um retângulo de tal forma que o


losango fique inscrito nessa construção. Observe
que, dessa forma, a área do losango é metade da
área do retângulo, sendo determinada em função de
(100 + 75). 40
suas diagonais: 𝐴= ⇒ 𝐴 = 3500 𝑚2
2

Logo, a área do terreno é de 3500 𝑚2

3.7 - Área do triângulo

Usaremos um raciocínio semelhante ao que


usamos para determinar a área do trapézio. Assim,
construímos dois triângulos iguais:

𝑫. 𝒅
𝑨=
𝟐

3.6 - Área do trapézio

O trapézio é um quadrilátero com dois lados Encaixando-os, como na figura a seguir,


paralelos, chamadas bases. Há uma base maior (𝐵) obtemos um paralelogramo cuja área é o dobro da
e uma base menor (𝑏). Além disso, a distância entre área do triângulo. Como a área do paralelogramo é
as bases é a altura (ℎ). determinada pelo produto da base pela altura, a área
do triângulo é igual à área do paralelogramo dividida
por dois.

altura (ℎ)

Construa dois trapézios iguais e encaixe-os, base (𝑏)


colocando um deles de “cabeça para baixo” em
relação ao outro. 𝒃. 𝒉
𝑨=
𝟐

Se o triângulo for retângulo, a área pode ser


calculada multiplicando-se os catetos e dividindo o
resultado por 2, pois, nesse caso, um cateto
corresponde à base (𝑏) e o outro à altura (ℎ).

84 Nivelamento - Algebra CASD Vestibulares


3.8 - Decompondo figuras planas EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Muitas vezes nos deparamos com “figuras Nível I
estranhas”, que não são nem triângulos, nem
trapézios, nem nenhuma dessas figuras cujas áreas 1) Classifique os triângulos quanto aos lados.
sabemos determinar. E aí, o que fazer? Nesses
casos, podemos usar uma técnica muito simples: a) b) c)
decompor a “figura estranha” em outras de formatos
conhecidos, cujas áreas são mais fáceis de serem
obtidas. Veja o exemplo seguinte.

Exercício Resolvido 4:

Calcule a área da figura:

2) Num triângulo equilátero, quanto mede cada


ângulo?

3) Num triângulo isósceles, os ângulos da base


medem 50𝑜 cada um. Quanto mede o outro ângulo?

4) Num triângulo isósceles, o ângulo diferente mede


110𝑜 . Quanto medem os outros dois ângulos?

5) Encontre o valor de 𝑥 nas figuras.

a) 𝐴𝐵 = 𝐴𝐶 b)

Resolução:
Podemos decompor essa figura da seguinte
maneira:

6)Considere as seguintes proposições:

I. todo quadrado é um losango;


II. todo quadrado é um retângulo;
III. todo retângulo é um paralelogramo;

Pode-se afirmar que são verdadeiras:


a) Apenas I.
Calculamos, então, a área de cada uma das figuras: b) I, II e III.
c) Apenas II e III.
(4,5+3).1,5 d) Apenas III.
(1) é um trapézio de área: = 5,625 𝑐𝑚2 e) Todas são falsas.
2

(2) é um paralelogramo de área: 4,5.2,5 = 11,25 𝑐𝑚2 7) Qual é o lado de um quadrado de área 49 𝑚2 ?

4,5.3 8) Qual é a altura de um retângulo de base 9 𝑐𝑚 e


(3) é um triângulo de área: = 6,75 𝑐𝑚2
2 área 36 𝑐𝑚2 ?

Somando os três resultados, temos a área da figura 9) Qual é a base de um paralelogramo de altura
dada: 5 𝑚𝑚 e área 30 𝑚𝑚2 ?

5,625 + 11,25 + 6,75 = 23,625 10) De um losango sabemos que uma diagonal
excede a outra em 4 𝑑𝑚, e que esta, por sua vez,
Assim, a área da figura é 23,625 𝑐𝑚2 mede 2 𝑑𝑚. Calcule a área deste losango.

11) A base maior de um trapézio excede a base


menor em 3 𝑘𝑚. Por sua vez, a base menor excede
a altura em 2 𝑘𝑚. Se a altura do trapézio é 4000 𝑚,
qual é a sua área?

CASD Vestibulares Geometria 85


12) Calcule a área da figura:

GABARITO

1. a) Escaleno b) Isósceles c) Equilátero

2. Num triângulo equilátero, cada ângulo mede 60𝑜

3. O outro ângulo mede 80𝑜

4. Os outros dois ângulos medem 35𝑜 cada um

5. a) 𝑥 = 70𝑜 b) 𝑥 = 25𝑜

6. B

7. O lado do quadrado é 7 𝑚

8. A altura do retângulo é 4 𝑐𝑚

9. A base do paralelogramo é 6 𝑚𝑚

10. A área do losango é 6 𝑑𝑚2

11. A área do trapézio é 30 𝑘𝑚2

12. A área da figura é 14 𝑐𝑚2

86 Nivelamento - Algebra CASD Vestibulares


GEOMETRIA
Nivelamento
CAPÍTULO III – POLÍGONOS

1 - DEFINIÇÃO 1.1. - Classificação dos polígonos em


relação ao número de lados
A regularidade de formas encontradas na
natureza tem chamado a atenção do ser humano. Os 3 lados Triângulo 9 lados Eneágono
polígonos são figuras geométricas planas, fechadas 4 lados Quadrilátero 10 lados Decágono
por segmentos de reta consecutivos não 5 lados Pentágono 11 lados Undecágono
colineares.Podem ser classificados como regulares 6 lados Hexágono 12 lados Dodecágono
ou irregulares. No quadro abaixo, apresentamos 7 lados Heptágono 15 lados Pentadecágono
alguns exemplos. 8 lados Octógono 20 lados Icoságono

Os polígonos também podem ser classificados da


seguinte forma:
 Equilátero: Tem todos os lados congruentes
 Equiângulo:Tem todos os ângulos congruentes
 Regular: É equilátero e equiângulo.

2 – SOMA DOS ÂNGULOS INTERNOS

Num polígono o número de lados é sempre igual ao


número de ângulos.

2.1 – Triângulo

Antes de estudarmos os outros polígonos veremos


algumas propriedades importantes do triângulo:
 A soma dos ângulos internos de qualquer
triângulo é 180𝑜 .
 A soma dos ângulos externos de qualquer
triângulo é 360𝑜 .
Observação:
Se você traçar as diagonais dos polígonos C
anteriores, vai perceber que, em alguns, elas ficam
no interior e, em outros, ficam no exterior do
polígono. Veja o exemplo:
A B

2.2 – Quadrilátero (polígono de 4 lados)

Sabendo das propriedades acima, podemos


calcular a soma dos ângulos internos de um
quadrilátero. Isso será feito traçando a diagonal do
mesmo e contando o número de triângulos obtidos.
Todas as diagonais no
interior do polígono Pelo menos uma
diagonal no exterior do polígono

Quando um polígono possui todas as suas


diagonais na parte interior, ele é chamado de
polígono convexo. E quando pelo menos uma
diagonal fica na parte exterior, ele é chamado de
polígono não convexo ou côncavo.

87 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


Pela figura obtivemos dois triângulos. . Como em 2.4.1 - Ângulos do hexágono regular
cada triângulo a soma dos ângulos é igual a 180𝑜 ,
então para calcular a soma dos ângulos do Observe a figura abaixo:
quadrilátero podemos fazer:
2. 180𝑜 = 360𝑜

Portanto, a soma dos ângulos internos de um


quadrilátero convexo qualquer é igual a 360𝑜 .

2.3 - Pentágono (polígono de 5 lados)

Vamos desenhar um pentágono convexo


qualquer, escolher um de seus vértices e traçar as
diagonais que saem desse vértice, como mostra a Na figura, todos os hexágonos são regulares,
figura: isto é, possui lados e ângulos de mesma medida, o
que significa que 𝐴̂ = 𝐵̂ = 𝐶̂ . Além disso, a soma
desses três ângulos é igual a 360𝑜 , ou seja, eles
formam um ângulo de uma volta completa: 𝐴̂ + 𝐵̂ +
𝐶̂ = 360𝑜 . Então, cada um desses ângulos é igual a

360𝑜
= 120𝑜
3
Observe que, ao fazermos isso, o pentágono ficou
dividido em três triângulos. Logo: Você poderá chegar a essa mesma conclusão de
3. 180𝑜 = 540𝑜 outra maneira. Você acabou de aprender que a
Portanto, a soma dos ângulos internos de um soma dos ângulos internos de um hexágono
pentágono convexo qualquer é igual a 540𝑜 qualquer é igual a 720𝑜 .
No caso do hexágono regular, basta fazer 720𝑜 /6,
2.4 - Hexágono (polígono de 6 lados) isto é, 120𝑜 .

Agindo de forma análoga, observamos que as Esse processo é válido também para outros
diagonais dividem o hexágono convexo em quatro polígonos regulares.
triângulos: Para encontrar o valor do ângulo interno de um
polígono regular basta dividir a soma dos ângulos
internos pelo número de lados desse polígono.

𝑺𝒊 (𝒏 − 𝟐)𝟏𝟖𝟎𝒐
𝒂𝒊 = =
𝒏 𝒏

3 – SOMA DOS ÂNGULOS EXTERNOS


Nesse caso, a soma total é calculada assim:
4. 180𝑜 = 720𝑜 Ângulo externo de um polígono convexo é
Portanto, a soma dos ângulos internos de um um ângulo suplementar a um ângulo interno ao
hexágono convexo qualquer é igual a 720𝑜 . polígono. Isso significa que a soma de um ângulo
externo com o ângulo interno adjacente é 180º. Ou
Esse processo também pode ser aplicado a outros seja:
polígonos convexos, de 7, 8, 9 ou mais lados.
Experimente! 𝑎𝑖 + 𝑎𝑒 = 180𝑜

Agora será apresentada a fórmula geral para o Outra relação que pode-se obter sobre os
cálculo da soma dos ângulos internos de um ângulo externo é que a sua soma é 360𝑜 , isto é:
polígono. Trate de aprender bem essa fórmula, pois
ela será muito útil ao longo do ano! 𝑺𝒆 = 𝟑𝟔𝟎𝒐

Fórmula geral: 𝑺𝒊 = (𝒏 − 𝟐)𝟏𝟖𝟎𝒐 Note que isso é válido para qualquer


Veja! polígono convexo, independente do número de lados
Para um triângulo → 𝑛 = 3 𝑛.
𝑆𝑖 = (3 − 2). 180𝑜 = 1. 180𝑜 = 180𝑜 , como sabemos!
Em um polígono regular, todos os ângulos
Para um quadrado → 𝑛 = 4 externos são iguais. Assim, tem-se:
𝑆𝑖 = (4 − 2). 180𝑜 = 2. 180𝑜 = 360𝑜 , como sabemos!
𝟑𝟔𝟎𝒐
Confirme e verifique para mais lados!!! 𝑆𝑒 = 𝑛. 𝑎𝑒 ⇒ 360𝑜 = 𝑛. 𝑎𝑒 ⇒ 𝒂𝒆 =
𝒏
CASD Vestibulares Nivelamento - Geometria 88
EXERCÍCIOS PROPOSTOS 9) Imagine um polígono com 𝑛 lados, sendo 𝑛 um
número inteiro e maior que 3. Escolha um de seus
vértices e imagine-se traçando todas as diagonais
Nível I
que “saem” desse vértice.
a) Escreva uma expressão que indique o número 𝑇
1) Determine a medida do terceiro ângulo:
de triângulos formados nesse polígono de 𝑛 lados
que você imaginou.
b) Escreva uma expressão que indique como você
poderia calcular a soma 𝑆𝑖 de todos os ângulos
internos desse polígono de 𝑛 lados.

10) Calcule 𝑥 na figura abaixo:

2) O losango é um polígono regular? Por quê?

3) O octógono é um polígono de 8 lados. Desenhe


um octógono, escolha um de seus vértices e trace
todas as diagonais que “saem” desse vértice.
Depois, responda às perguntas: 11) Determine o número de lados do polígono
a) Em quantos triângulos o octógono ficou dividido? regular cujo ângulo interno é o quíntuplo do externo.
b) A soma dos ângulos de todos esses triângulos é
igual à soma dos ângulos desse octógono?
c) Quanto dá, então, a soma dos ângulos de um GABARITO
octógono?
1. a) 85𝑜 b) 92𝑜 c) 40𝑜
4) Ao desenhar um polígono, podemos, em geral,
escolher um dos vértices e traçar as diagonais que 2. Não, pois nem sempre os seus ângulos são
“saem” desse vértice, como mostram as figuras: iguais (os ângulos só são iguais quando o
losango é um quadrado).

3. a) 6 triângulos b) Sim c) 6. 180𝑜 = 1080𝑜

4.
Nº de Nºdiagonais Número de Soma de
lados que “saem” triângulos todos os
Agora, com base nisso, complete a tabela abaixo: de cada formados ângulos do
vértice polígono
Nº de Nºdiagonais Número de Soma de 3 0 1 180𝑜
lados que “saem” triângulos todos os 4 1 2 360𝑜
de cada formados ângulos do 5 2 3 540𝑜
vértice polígono 6 3 4 720𝑜
3 0 2 180𝑜 7 4 5 900𝑜
4 1 3 360𝑜 8 5 6 1080𝑜
5 9 6 7 1260𝑜
6 10 7 8 1440𝑜
7
8 5. Sim, existe. O número de triângulos é igual ao
9 número de lados menos dois.
10
6. Esse polígono é o dodecágono (12 lados)
5) Após preencher a tabela, observe-a com bastante
atenção e responda: existe uma relação entre “o 7. Não, pois 600 não é divisível por 180.
número de lados do polígono” e “o número de
triângulos formados?” Qual é essa relação? 8. Esse polígono é o eneágono (9 lados)

6) Qual o polígono que tem soma dos ângulos 9. a) 𝑇 = 𝑛 − 2 b) 𝑆𝑖 = (𝑛 − 2)180𝑜


internos igual a 1800𝑜 ?
10. 𝑥 = 90𝑜
7) Existe polígono com soma dos ângulos internos
igual a 600𝑜 ? 11. O número de lados é 𝑛 = 12

8) Qual é o polígono que tem um ângulo externo de


40𝑜 ?
89 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares
GEOMETRIA
Nivelamento
CAPÍTULO IV – TEOREMA DE PITAGÓRAS

1- O TRIÂNGULO RETÂNGULO Num triângulo retângulo, o quadrado da medida


da hipotenusa é igual à soma dos quadrados das
medidas dos catetos.
Agora iremos aprender mais sobre um tipo de
triângulo muito comum no nosso cotidiano e que
dará a cara inúmeras vezes em questões de
geometria plana, espacial, analítica e mesmo
trigonometria (sentiu a importância desse rapaz?).
Estudaremos triângulos retângulos.

Um triângulo que tem um ângulo de 90º (ângulo


reto) é chamado de triângulo retângulo. Nele, os
lados recebem os seguintes nomes:
3 - APLICAÇÕES DO TEOREMA DE
PITAGÓRAS

O Teorema de Pitágoras se aplica a todos os


triângulos retângulos. Portanto, uma maneira rápida
e simples de saber se determinado triângulo é
retângulo quando conhecemos apenas as medidas
de seus lados é aplicar o Teorema de Pitágoras.
A hipotenusa é o maior dos lados e é o lado
oposto ao ângulo reto. Exercício Resolvido 1:

2 - O TEOREMA DE PITÁGORAS Verifique se o triângulo cujos lados medem


10 𝑐𝑚, 24 𝑐𝑚 e 26 𝑐𝑚 é retângulo.

Resolução:

Elevando ao quadrado as medidas dos dois


lados menores, e somando os resultados, temos:

102 + 242 = 100 + 576 = 676

Elevando também ao quadrado a medida do


hipotenusa: 262 = 676

Verificamos que: 262 = 102 + 242 . Logo, este


triângulo é retângulo. Vejamos, agora, outras
aplicações do Teorema de Pitágoras.

Pitágoras percebeu que, construindo um Exercício Resolvido 2:


quadrado sobre cada um dos lados de um triângulo
de lados 3𝑢, 4𝑢 e 5𝑢 (sendo 𝑢 uma unidade O lado de um quadrado mede 5 𝑐𝑚. Quanto mede a
qualquer), como mostra a figura acima, apareceria a diagonal desse quadrado?
seguinte relação:
A área do quadrado formado sobre a Resolução:
hipotenusa é igual à soma das áreas dos quadrados
formados sobre os catetos.

No exemplo acima, você poderá observar


que 25 = 9 + 16

Para Pitágoras, não bastava que essa


relação fosse válida para o triângulo de lados 3, 4 e
5. Era preciso provar que a relação valia, também,
para todos os triângulos retângulos. Assim, ele
demonstrou o Teorema de Pitágoras:

90 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


Você já sabe que a diagonal do quadrado é 𝑥 2 = 82 + 62 ⇒ 𝑥 2 = 64 + 36 ⇒ 𝑥 2 = 100 ⇒
o segmento de reta que liga dois vértices não
consecutivos. Não se esqueça também de que o ⇒ 𝑥 = √100 ⇒ 𝑥 = 10
quadrado tem os quatro lados iguais e os quatro
ângulos retos. Ao traçar uma diagonal, o quadrado Logo, o lado do losango mede 10 𝑐𝑚.
fica dividido em dois triângulos retângulos iguais. A
diagonal é a hipotenusa, e os lados do quadrado, os Exercício Resolvido 4:
catetos.
Um triângulo isósceles tem 16 𝑐𝑚 de altura e 12 𝑐𝑚
d de base. Determine a medida dos outros dois lados.
5 cm
Resolução:

5 cm
x
1
Na figura abaixo, destacamos um dos 6
triângulos. Assinalamos a diagonal com a letra 𝑑. 6
Vamos aplicar o Teorema de Pitágoras para
1
determinar o valor de 𝑑 (medida da diagonal): 2

𝑑 2 = 52 + 52 ⇒ 𝑑 2 = 25 + 25 ⇒ Vamos lembrar que o triângulo isósceles


possui dois lados iguais e um diferente, chamado
base. Quando traçamos a altura do triângulo em
⇒ 𝑑 2 = 50 ⇒ 𝑑 = √50 relação à base ela forma dois triângulos retângulos
iguais, onde um dos catetos é a altura (16 𝑐𝑚), o
O resultado √50 é um número irracional: tem outro mede metade da base (6 𝑐𝑚) e a hipotenusa é
uma infinidade de casas decimais sem ser periódico. um dos lados iguais do triângulo isósceles, cuja
Não existe nenhum número natural que elevado ao medida é desconhecida (𝑥). Assim, aplicando
quadrado seja igual a 50. Portanto, o resultado do Pitágoras:
problema ficará indicado por √50. Usando a máquina 𝑥 2 = 162 + 62 ⇒ 𝑥 2 = 256 + 36 ⇒
de calcular, obtemos um resultado aproximado com
duas casas decimais. A diagonal do quadrado de ⇒ 𝑥 2 = 292 ⇒ 𝑥 = √292
lado 5 𝑐𝑚 é igual a √50 ou aproximadamente
7,07 𝑐𝑚, aproximadamente. A medida dos lados iguais do triângulo isósceles é
√292 𝑐𝑚 ou 17,08 𝑐𝑚 aproximadamente.
Exercício Resolvido 3:
Exercício Resolvido 5:
Num losango, as diagonais medem 16 𝑐𝑚 e 12 𝑐𝑚.
Determine a medida do lado do losango.
Num triângulo equilátero cujo lado mede 8 𝑐𝑚,
quanto mede a altura?
Resolução:

O losango é um quadrilátero que possui os quatro Resolução:


lados iguais. Suas diagonais são diferentes entre si e
perpendiculares, isto é, cortam-se ao meio formando 8 cm
quatro ângulos retos. x

4 cm

8 cm
Da mesma forma que no triângulo isósceles,
ao traçarmos a altura formam se dois triângulos
retângulos iguais, onde um dos catetos é a altura (𝑥)
que não conhecemos a medida, o outro mede
metade do lado (4 𝑐𝑚) e a hipotenusa é o lado do
Observe na figura acima que, ao se triângulo equilátero (8 𝑐𝑚). Aplicando o Teorema de
cruzarem, as diagonais dividem o losango em quatro Pitágoras:
triângulos retângulos. Em cada um deles os catetos 82 = 𝑥 2 + 42 ⇒ 𝑥 2 + 16 = 64 ⇒
medem 8 𝑐𝑚 e 6 𝑐𝑚, pois cada cateto é a metade de
uma diagonal. Veja que chamamos a hipotenusa do ⇒ 𝑥 2 = 48 ⇒ 𝑥 = √48
triângulo de 𝑥, apresentando a medida do lado do
losango que vamos calcular. Aplicando Pitágoras, A altura do triângulo equilátero de lado 8 𝑐𝑚 é,
temos: portanto, √48 𝑐𝑚 ou 6,92 𝑐𝑚 aproximadamente.

CASD Vestibulares Nivelamento - Geometria 91


EXERCÍCIOS PROPOSTOS 10) Encontre o valor de 𝑥:

Nível I

1) Aplicando o Teorema de Pitágoras, verifique se


são retângulos os triângulos que têm estas medidas
de lados:

a) 6 𝑐𝑚, 8 𝑐𝑚 e 10 𝑐𝑚 b ) 4 𝑐𝑚, 5 𝑐𝑚 e 6 𝑐𝑚
c) 7 𝑐𝑚, 9 𝑐𝑚 e 20 𝑐𝑚 d) 13 𝑐𝑚, 12 𝑐𝑚 e 5 𝑐𝑚
GABARITO
2) Dado um triângulo equilátero de lado 6, calcule a
sua altura. 1. a) Sim b) Não c) Não d) Sim

3) Calcule a medida da diagonal do quadrado cujo 2. √27 = 3√3


perímetro mede 24 𝑐𝑚.
3. √72 = 6√2 𝑐𝑚
4) Calcule a medida da diagonal de um retângulo
cujos lados medem 16 𝑚 e 12 𝑚.
4. 20 𝑚
5) As diagonais de um losango medem 9 𝑐𝑚 e
5. 15 𝑐𝑚
12 𝑐𝑚. Calcule a medida do lado desse losango.
6. 20 𝑚
6) As diagonais de um losango medem 6 𝑚 e 8 𝑚.
Qual é o perímetro desse losango?
7. a) √84 = 2√21 b) √50 = 5√2
7) Aplicando o Teorema de Pitágoras, determine as
medidas indicadas: 8. 8

9. a) √116 = 2√29 b) 9

10. a) 5 b) 4

Nível II

8) Determine o valor de 𝑥:

X+2
X–2

9) Determine 𝑥 nos casos abaixo:

92 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


GEOMETRIA
Nivelamento
CAPÍTULO V – TRIGONOMETRIA BÁSICA

1 – TRIGONOMETRIA BÁSICA Na figura abaixo, iremos mostrar essas três


razões em relação ao ângulo alfa:
Imagine o seguinte problema: encontrar no
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 𝑏
triângulo retângulo abaixo o valor de 𝑥 e 𝑦 sabendo que 𝑠𝑒𝑛𝛼 = =
ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 𝑎
um dos ângulos vale 30𝑜 e o cateto oposto a esse 𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑐
ângulo mede 1. 𝑐𝑜𝑠𝛼 = =
ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 𝑎
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 𝑏
𝑡𝑔𝛼 = =
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑐

Figura 3 – seno, cosseno e tangente de 𝛼, para um triângulos de


lados 𝑎, 𝑏 e 𝑐

Note que, quando falamos de cateto oposto


Figura 1 – triângulo de hipotenusa 𝑥, cateto adjacente y e cateto
estamos nos referindo ao cateto que está longe do
oposto 1, em relação ao ângulo de 30𝑜 ângulo e a cateto adjacente aquele que está perto do
ângulo.
Note que utilizando apenas o teorema de Observação: A relação de cateto oposto e cateto
Pitágoras não conseguimos resolver o problema pois adjacente depende do ângulo, um cateto pode ser
teremos as duas variáveis 𝑥 e 𝑦 na equação oposto para um ângulo do triângulo e adjacente para o
Podemos resolver esse problema da seguinte outro.
maneira. Encaixamos outro triângulo igual a este no
cateto 𝑦, como na figura abaixo: Exercício Resolvido 1:

No triângulo retângulo abaixo, calcule 𝑠𝑒𝑛𝛼,


𝑐𝑜𝑠𝛼 e 𝑡𝑔𝛼.

Figura 2 – triângulo eqüilátero de lado 𝑥 (ou lado 2) e altura 𝑦


Resolução:
Note que o triângulo grande formado é
equilátero, pois possui os três ângulos de 60𝑜 . Assim, Inicialmente, vamos identificar o cateto oposto,
como todos os lados dele devem ter a mesma medida e o cateto adjacente e a hipotenusa. Da figura, tem-se
o lado 𝐵𝐶 mede 2, o valor de 𝑥 é 2. que o cateto oposto é 𝐵𝐶, o cateto adjacente é 𝐴𝐶 e a
Agora podemos encontrar o 𝑦 utilizando o hipotenusa é 𝐴𝐵.
teorema de Pitágoras. Temos que: Antes de calcularmos 𝑠𝑒𝑛𝛼 e 𝑐𝑜𝑠𝛼, precisamos
saber o valor da hipotenusa 𝐴𝐵. Pelo Teorema de
𝑦 2 + 12
= 𝑥2 ⇒ 𝑦2 = 𝑥2 − 1 Pitágoras, tem-se:
𝑦 2 = 22 − 1 = 3 ⇒ 𝑦 = √3 𝐴𝐵2 = 𝐴𝐶 2 + 𝐵𝐶 2 ⇒ 𝐴𝐵2 = 12 + 22 ⇒ 𝐴𝐵2 = 1 + 4 ⇒
⇒ 𝐴𝐵2 = 5 ⇒ 𝐴𝐵 = √5
Dessa maneira, conseguimos resolver o
problema proposto. Mas não vamos resolvê-lo desse
jeito todas às vezes. Geralmente, esse problema é Agora, vamos calcular 𝑠𝑒𝑛𝛼, 𝑐𝑜𝑠𝛼 e 𝑡𝑔𝛼:
resolvido pela trigonometria. A trigonometria é um ramo
da matemática que lida muito com triângulos 𝐵𝐶 2 2 √5 2√5
𝑠𝑒𝑛𝛼 = = = . =
retângulos, e utiliza três funções fundamentais: o seno, 𝐴𝐵 √5 √5 √5 5
o cosseno e a tangente! 𝐴𝐶 1 1 √5 √5
𝑐𝑜𝑠𝛼 = = = . =
𝐴𝐵 √5 √5 √5 5
1.1 – Seno, cosseno e tangente 𝐵𝐶 2
𝑡𝑔𝛼 = = =2
𝐴𝐶 1
O seno, o cosseno e a tangente são razões
especiais entre os lados do triângulo retângulo, 2√5 √5
envolvendo os catetos e a hipotenusa. Resposta: 𝑠𝑒𝑛𝛼 = , 𝑐𝑜𝑠𝛼 = , 𝑡𝑔𝛼 = 2
5 5

CASD Vestibulares Nivelamento - Geometria 93


Exercício Resolvido 2: Também podemos calcular o seno, o cosseno e
a tangente do ângulo de 45𝑜 traçando a diagonal de um
No triângulo retângulo abaixo, calcule 𝑠𝑒𝑛𝛼, quadrado de lado 1:
𝑐𝑜𝑠𝛼 e 𝑡𝑔𝛼.

Figura 5 – quadrado de lado 1

Resolução: No triângulo retângulo 𝐴𝐵𝐶:


Inicialmente, vamos identificar o cateto oposto, 𝑇𝑒𝑜𝑟𝑒𝑚𝑎 𝑑𝑒 𝑃𝑖𝑡á𝑔𝑜𝑟𝑎𝑠
o cateto adjacente e a hipotenusa. Da figura, tem-se
que o cateto oposto é 𝐴𝐶, o cateto adjacente é 𝐵𝐶 e a 𝐴𝐶 = 12 + 12 = 2 → 𝐴𝐶 = √2
2

hipotenusa é 𝐴𝐵.
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 𝐵𝐶 1 √2
Antes de calcularmos 𝑠𝑒𝑛𝛼 e 𝑡𝑔𝛼, precisamos 𝑠𝑒𝑛45° = = = =
ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 𝐴𝐶 √2 2
saber o valor do cateto oposto 𝐴𝐶. Pelo Teorema de 𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝐴𝐵 1 √2
Pitágoras, tem-se: 𝑐𝑜𝑠45° = = = =
ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 𝐴𝐶 √2 2
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 𝐵𝐶 1
𝑡𝑔45° = = = =1
𝐴𝐵2 = 𝐴𝐶 2 + 𝐵𝐶 2 ⇒ 42 = 𝐴𝐶 2 + 22 ⇒ 16 = 𝐴𝐶 2 + 4 𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝐴𝐵 1
⇒ 𝐴𝐶 2 = 12 ⇒ 𝐴𝐶 = √12 ⇒ 𝐴𝐶 = 2√3
Agora podemos montar uma tabela com os
Agora, vamos calcular 𝑠𝑒𝑛𝛼, 𝑐𝑜𝑠𝛼 e 𝑡𝑔𝛼: ângulos notáveis e seus respectivos senos,cossenos e
tangentes:
𝐴𝐶 2√3 √3 𝐵𝐶 2 1
𝑠𝑒𝑛𝛼 = = = ; 𝑐𝑜𝑠𝛼 = = = Tabela 1 – seno, cosseno e tangente dos ângulos notáveis
𝐴𝐵 4 2 𝐴𝐵 4 2
𝐴𝐶 2√3 30o 45o 60o
𝑡𝑔𝛼 = = = √3
𝐵𝐶 2 Seno 𝟏 √𝟐 √𝟑
𝟐 𝟐 𝟐
√3 1
Resposta: 𝑠𝑒𝑛𝛼 = , 𝑐𝑜𝑠𝛼 = 2, 𝑡𝑔𝛼 = √3 Cosseno √𝟑 √𝟐 𝟏
2
𝟐 𝟐 𝟐
1.2 – Ângulos notáveis Tangente √𝟑 𝟏 √𝟑
𝟑
Agora vamos calcular o valor do seno, cosseno
e tangente para os ângulos notáveis, que são 30𝑜 , 45𝑜 e Observação: 30𝑜 , 45𝑜 e 60𝑜 são ângulos notáveis
60𝑜 . Para os ângulos de 30𝑜 e 60𝑜 , vamos utilizar o porque os seus senos, cossenos e tangentes são muito
triângulo equilátero anterior: comuns em vestibulares: é MUITO importante que você
memorize a tabela 1!

Exercício Resolvido 3:

Encontre os valores de 𝑥 e =y no exemplo do 1º


parágrafo deste capítulo.

Resolução:
Figura 4 – triângulo equilátero de lado 2

Podemos encontrar 𝑥 e 𝑦 facilmente através do seno e


No triângulo 𝐴𝐷𝐶:
do cosseno de 30𝑜 . Veja:
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 𝐷𝐶 1
𝑠𝑒𝑛30° = = =
ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 𝐴𝐶 2
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝐴𝐷 √3
𝑐𝑜𝑠30° = = =
ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 𝐴𝐶 2
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 𝐷𝐶 1 √3
𝑡𝑔30° = = = =
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝐴𝐷 √3 3
E
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 𝐴𝐷 √3 𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 1 1
𝑠𝑒𝑛60° = = = 𝑠𝑒𝑛30° = = = →𝑥=2
ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 𝐴𝐶 2 ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 𝑥 2
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝐷𝐶 1
𝑐𝑜𝑠60° = = = 𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑦 √3
ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 𝐴𝐶 2 𝑐𝑜𝑠30° = = = → 𝑦 = √3
ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑢𝑠𝑎 2 2
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜 𝐴𝐷 √3
𝑡𝑔60° = = = = √3
𝑐𝑎𝑡𝑒𝑡𝑜 𝑎𝑑𝑗𝑎𝑐𝑒𝑛𝑡𝑒 𝐷𝐶 1
Resposta: 𝑥 = 2 e 𝑦 = √3
94 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares
1.3 – Ângulos complementares EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Note na tabela 1 que 𝑠𝑒𝑛60° = 𝑐𝑜𝑠30°e que Nível I
𝑐𝑜𝑠60° = 𝑠𝑒𝑛30°. Isso não é coincidência, pois no
triângulo 𝐴𝐷𝐶 da figura 4, o cateto oposto a 60𝑜 é o 1. Calcule 𝑠𝑒𝑛𝑥 nos casos abaixo:
adjacente para o 30𝑜 e vice-versa. E será que isso é
verdade para outros pares de ângulos? a) b) c)
A respostá é sim! Na figura abaixo, podemos
perceber que o cateto oposto para um ângulo será
adjacente ao outro, logo, se dois ângulos são
complementares, o seno de um será o cosseno do
outro. Em linguagem matemática:

𝒔𝒆𝒏 𝒙 = 𝐜𝐨𝐬(𝟗𝟎𝒐 − 𝒙) 2. Obtenha 𝑐𝑜𝑠𝑥 nos casos:


𝒄𝒐𝒔 𝒙 = 𝐬𝐞𝐧(𝟗𝟎𝒐 − 𝒙)
a) b) c)

3. Obtenha 𝑡𝑔𝑥 nos casos:

a) b) c)

Figura 6 – triângulo retângulo de ângulos agudos 𝑥 e 90𝑜 − 𝑥

Exercício Resolvido 4

No triângulo retângulo abaixo, calcule os valores 4. Determine o valor de 𝑥 nos casos


de 𝑥 e 𝑦, sabendo que 𝑠𝑒𝑛53𝑜 = 0,8 e que 𝑐𝑜𝑠53𝑜 = 0,6.
a) b)

Resolução: c)

No triângulo, o ângulo conhecido é 37𝑜 . Então


vamos calcular 𝑠𝑒𝑛37𝑜 e 𝑐𝑜𝑠37𝑜 :

𝑠𝑒𝑛37𝑜 = 𝑐𝑜𝑠(90𝑜 − 53𝑜 ) = cos 53𝑜 = 0,6


𝑐𝑜𝑠37𝑜 = 𝑠𝑒𝑛(90𝑜 − 53𝑜 ) = sen 53𝑜 = 0,8
5. Calcule o valor das expressões abaixo:
𝐴𝐶 𝑥
𝑐𝑜𝑠37𝑜 = ⇒ 0,8 = ⇒ 𝑥 = 15.0,8 ⇒ 𝑥 = 12
𝐴𝐵 15 𝑠𝑒𝑛30𝑜 𝑠𝑒𝑛45𝑜 𝑠𝑒𝑛60𝑜
a) b) c)
𝑐𝑜𝑠30𝑜 𝑐𝑜𝑠45𝑜 𝑐𝑜𝑠60𝑜
𝑜
𝐵𝐶 𝑦
𝑠𝑒𝑛37 = ⇒ 0,6 = ⇒ 𝑦 = 15.0,6 ⇒ 𝑦 = 9
𝐴𝐵 15 6. Compare as soluções dos itens 5.a), 5.b) e 5.c) com
𝑡𝑔30𝑜 , 𝑡𝑔45𝑜 e 𝑡𝑔60𝑜 , respectivamente. O que você
Resposta: 𝑥 = 12 e 𝑦 = 9 pode concluir nos três casos?

7. Calcule o valor das expressões abaixo. O que você


pode concluir a respeito das soluções nos três casos?

a) 𝑠𝑒𝑛2 30𝑜 + cos 2 30𝑜


b) 𝑠𝑒𝑛2 45𝑜 + cos 2 45𝑜
c) 𝑠𝑒𝑛2 60𝑜 + cos 2 60𝑜

CASD Vestibulares Nivelamento – Geometria 95


GABARITO
1 4 4
1. a) b) c)
2 5 5

3 1 √11
2. a) b) c)
4 2 6

4 4
3. a) b) √3 c)
5 3

4. a) 3√2 b) 10 c) 2√3

√3
5. a) b) 1 c) √3
3

𝑠𝑒𝑛30𝑜 𝑠𝑒𝑛45𝑜 𝑠𝑒𝑛60𝑜


6. 𝑡𝑔30𝑜 = , 𝑡𝑔45𝑜 = 𝑐𝑜𝑠45𝑜 , 𝑡𝑔60𝑜 = 𝑐𝑜𝑠60𝑜
𝑐𝑜𝑠30𝑜

7. a) 1 b) 1 c) 1

96 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


GEOMETRIA
Nivelamento
CAPÍTULO VI – SEMELHANÇA E TEOREMA DE TALES

1 - FIGURAS SEMELHANTES Sabemos, então que duas figuras são


semelhantes quando as duas condições abaixo são
satisfeitas:
Quando ampliamos ou reduzimos uma figura em
 Os ângulos correspondentes têm a mesma
uma proporção constante, sem modificar a sua forma, a
medida;
nova figura e a figura original são chamadas de figuras
 As razões entre as medidas de lados
semelhantes. Observe os quadriláteros abaixo. Eles
correspondentes são iguais.
são semelhantes?
1.1 - O que é escala?

Em muitos casos, a razão de semelhança é


chamada de escala. Quando desenhamos a planta de
uma casa, observamos a maquete de um prédio ou
estudamos um mapa, é comum encontrarmos a palavra
escala. Tal como na planta do exemplo abaixo.
(2)
(1)

(3)

Sim, eles são realmente semelhantes. O


quadrilátero 2 é uma redução e o quadrilátero 3 é uma
ampliação do quadrilátero 1.
Observe que os ângulos correspondentes
possuem as mesmas medidas. Confira com um
transferidor.
Os lados correspondentes foram ampliados ou
reduzidos sempre na mesma proporção.
De 1 para 2, reduzimos cada lado à metade do
tamanho original. De 1 para 3, ampliamos cada lado
para o dobro do tamanho original.
Para que duas figuras sejam semelhantes elas
não precisam estar na mesma posição. No exemplo
abaixo, todos os quadriláteros são uma ampliação do
quadrilátero 𝐴𝐵𝐶𝐷 original.

A B B3 A3
1
Esta escala 1: 200 = significa que cada
200
C D
1 𝑐𝑚 da planta equivale, na realidade, a 200 𝑐𝑚 = 2 𝑚
na casa de verdade.
Você pode verificar com sua régua que, na
A1 B1 C3 D3
planta, a largura da sala é 1,7 𝑐𝑚 e que o comprimento
é de 2,3 𝑐𝑚. Para encontrarmos as medidas reais da
sala, basta multiplicarmos as medidas por 200.
C1 D1
Medidas
AB BC CD DA 1 da sala na Medidas reais da sala
    planta
A 1B1 B1C1 C1D1 D1 A1 2
Largura 1,7 𝑐𝑚 1,7 𝑐𝑚. 200 = 340 𝑐𝑚 = 3,40 𝑚
A razão constante entre lados correspondentes de
figuras semelhantes é conhecida em Matemática como Comprimento 2,3 𝑐𝑚 2,3 𝑐𝑚. 200 = 460 𝑐𝑚 = 4,60 𝑚
razão de semelhança e é comum utilizarmos a letra 𝒌
para simbolizá-la. Dizemos então que 𝑘 = 1/2, neste
exemplo.

CASD Vestibulares Nivelamento - Geometria 97


1.3 – Semelhança em triângulos Para medir a altura da pirâmide, Tales baseou-
se em alguns fatos:
Vimos que duas condições devem ocorrer, ao
mesmo tempo, para garantir a semelhança entre  Quando dois triângulos têm os ângulos iguais,
figuras. No entanto, um caso muito especial de então seus lados correspondentes formam uma
semelhança ocorre quando as figuras são triângulos, proporção.
pois basta verificar apenas uma das condições, pois a
outra ocorrer· automaticamente. Veja:
 Se os lados são proporcionais, então os
ângulos são iguais e os triângulos são
semelhantes;ou
 Se os ângulos correspondentes são iguais, a b c
então os lados são proporcionais e os  
x y z
triângulos são semelhantes.

Podemos então verificar apenas uma das  Os raios solares são paralelos.
condições para conferir se dois triângulos são
semelhantes. Mas, não esqueça, isto só ocorre com
triângulos.

2- TEOREMA DE TALES

2.1 – História

O filósofo e matemático Tales nasceu na cidade


de Mileto, na Grécia antiga, por volta do ano 585 a.C.
Há muitas lendas e histórias sobre ele. Diz-se que, ao E, nesse caso, Tales também sabia que os
ser interrogado sobre o que era difícil, Tales respondeu: ângulos de incidência dos raios solares num mesmo
“Conhecer a si mesmo”. O que era fácil: “Ser dirigido instante tinham todos a mesma medida.
por outro”. Agradável: “Seguir a própria vontade”.
Divino: “Aquilo que não tem começo nem fim”.
Tales passava grande parte do tempo viajando,
como era comum aos sábios daquela época. Em uma
de suas viagens ao Egito, passou a ser prestigiado pelo
faraó Amâsis por ter medido a altura de uma pirâmide
sem precisar escalá-la.
Para isso, Tales fincou uma estaca verticalmente
no chão. Concluiu que, no momento em que o
comprimento da sombra da estaca fosse igual ao
comprimento da estaca, a altura da pirâmide seria igual
ao comprimento da sombra da pirâmide mais metade Tales imaginou um triângulo formado pela altura
da medida da base. A altura da pirâmide é a distância da pirâmide, a metade da base mais o comprimento da
do vértice 𝑉 à base. Observe a figura abaixo: a altura é sombra da pirâmide e um raio solar ligando o vértice da
a medida do segmento 𝑉𝐻. pirâmide ao final da sombra, como mostra a figura
acima. Imaginou também um outro triângulo formado
pela estaca, sua sombra e um raio solar. Esses dois
triângulos imaginários tinham, cada um deles, um
ângulo reto e um ângulo de mesma medida (𝑎). Nesse
caso, Tales sabia que as medidas dos lados desses
triângulos eram proporcionais. Então:

VH AB

HP BC
Com esse método, Tales inaugurou o processo
de medida indireta, muito utilizado ainda hoje na
astronomia e na medição de distâncias que
aparentemente não podemos alcançar, como a altura
de montanhas, árvores e monumentos ou a largura de
grandes rios e lagos.

98 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


2.2 - O Teorema de Tales 2.3 – Generalização do Teorema de Tales

São atribuídas a Tales muitas descobertas Considere um feixe de retas paralelas com duas
geométricas, entre as quais um teorema com seu transversais, como mostra a figura a seguir. Os
nome. Veja o que diz esse teorema: segmentos de medidas 𝑎, 𝑏, 𝑐, 𝑑 e 𝑥, 𝑦, 𝑤, 𝑧,
determinados nas retas transversais, formam
Duas retas, 𝑚 e 𝑛, cortam três retas paralelas 𝑎, segmentos proporcionais:
𝑏 e 𝑐. Nessas condições, os segmentos de medidas 𝑥,
𝑦 e 𝑤 são proporcionais. a b c d
  
x y w z

x z
Assim: 
y w
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
Exercício Resolvido 1

Na planta de um loteamento, determine a medida Nível I


𝑥 do lado dos fundos do lote B, conforme a figura:
1) Num mapa de guerra a escala era 1: 100000. No
mapa, o alcance do míssil era de 100 𝑐𝑚. Qual o
alcance real do míssil em quilômetros?

2) Um jogador de basquete mede 2,04 𝑚. Para fazer


propaganda de seu time, fabricaram miniaturas do
jogador. A escala é 1: 12. Quanto mede a miniatura?

3) Na figura, calcule o valor de 𝑥.

Resolução: 4) Nas figuras abaixo, calcule o valor de 𝑥 (as retas 𝑎, 𝑏


e 𝑐 são paralelas).
Representando por 𝑥 a medida que desejamos
calcular e usando o Teorema de Tales, podemos a)
descobrir essa medida sem efetuar medições. Como as
laterais são paralelas, temos:

24 30
=
𝑥 20

E, multiplicando na forma de cruz (ou na forma de X): b)

30. 𝑥 = 20.24 ⇒ 30𝑥 = 480 ⇒ 𝑥 = 16

Assim, sem efetuar medições, concluímos que o lado


dos fundos do lote B mede 16 metros.

CASD Vestibulares Nivelamento - Geometria 99


5) A planta abaixo mostra as medidas de dois terrenos. GABARITO
Calcule as medidas de suas frentes, sabendo que as
laterais são paralelas e que a medida de 𝐴𝐵 é 90
metros. 1. O alcance real do míssil é 100 𝑘𝑚

2. A miniatura do jogador mede 17 𝑐𝑚


3. 𝑥 = 24

4. a) 𝑥 = 2,8 b) 𝑥 = 3,2

5. 𝑥 = 36 𝑚, 𝑦 = 54 𝑚

6. a) 𝑥 = 3 b) 𝑥 = 12 c) 𝑥 = 15

7. 𝑥 = 20 𝑚

6) Determine o valor de 𝑥 em cada caso abaixo: 8. a) 𝑥 = 5, 𝑦 = 4 b) 𝑥 = 12, 𝑦 = 4

9. a) 𝑥 = 6, 𝑦 = 10/3 b) 𝑥 = 15/2, 𝑦 = 5

7) Observe o desenho abaixo e descubra qual deve ser


o comprimento 𝑥 da ponte.

8) Se os ângulos com marcas iguais são congruentes,


determine o valor das incógnitas nos casos abaixo:

9) Determine o valor de 𝑥 e 𝑦 nos casos abaixo:

100 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


GEOMETRIA
Nivelamento
CAPÍTULO VII – CÍRCULO E ÁREA DO CÍRCULO

1- ELEMENTOS DO CÍRCULO 1.4 - Corda

Quando falamos em círculo, ninguém tem É o segmento que une dois pontos quaisquer
dúvida quanto ao formato dessa figura geométrica. da circunferência.
No entanto, em geometria, costuma-se fazer uma
pequena distinção entre círculo e circunferência, 1.5 - Diâmetro
sobre a qual você já deve ter ouvido falar. A
superfície de uma moeda, de uma pizza ou de um É uma corda que passa pelo centro da
disco é um círculo. Quando riscamos no papel ou no circunferência. Observe que o diâmetro é
chão apenas o contorno do círculo, este contorno é sempre a corda maior: como é a corda que
chamado circunferência. passa pelo centro, sua medida é igual a duas
vezes a medida do raio. Veja a figura:
1.1 – Circunferência

É um conjunto dos pontos de um plano cuja


distância a um ponto dado desse plano (o centro) é
igual a uma distância (raio) não nula dada.

1.2 – Círculo

É um conjunto dos pontos de um plano cuja


distância a um ponto dado (centro) desse plano é
menor ou igual a uma distância (raio) não nula dada.
O compasso é um instrumento utilizado para
desenhar circunferências. Como você pode ver na
figura abaixo, o compasso possui duas “pernas”.
Uma delas tem uma ponta metálica, que deve ser
assentada no papel, no local que será o centro da 𝑑 = 2𝑟
circunferência. A outra ponta, com o grafite, deve ser
girada para obter o traçado da circunferência. Assim, se você precisar medir a maior
distância entre dois pontos de uma circunferência,
deve medir o diâmetro, ou seja, o seu instrumento de
medida (régua, trena ou fita métrica) deve passar
pelo centro da circunferência.
Em alguns casos, porém, apenas uma parte
da circunferência (que é o contorno) é utilizada. Esta
parte da circunferência, delimitada por dois pontos
quaisquer, é chamada arco de circunferência.

P
Antes de traçar uma circunferência, devemos
decidir qual será a abertura entre as pernas do
compasso. A distância entre as duas pontas do
Q
compasso define o raio da circunferência. Agora,
pegue um compasso e trace uma circunferência.
Repare que todos os pontos da circunferência que
você riscou no papel estão a uma mesma distância
do centro. Essa distância é o raio. Com essas
informações, você consegue improvisar seu Para simbolizar a corda que une os pontos 𝑃 e
compasso. Utilizando uma tachinha, um barbante e 𝑄, utilizamos a notação de segmento de reta, ou
um giz você pode riscar uma circunferência no chão seja, corda ̅̅̅̅
𝑃𝑄 . Por outro lado, o arco também
ou no tecido. começa em 𝑃 e termina em 𝑄, mas, como você pode
ver, a corda e o arco são diferentes e por isso a
1.3 - Raio simbologia também deve ser diferente. Para o arco,
usamos 𝑃𝑄 ̂ . É importante notar que, em geral,
É um segmento onde uma extremidade está no quando dizemos o arco 𝑃𝑄 ̂ , estamos nos referindo
centro e a outra está na circunferência. ao menor arco entre estes dois pontos. Portanto, da
101 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares
mesma forma que a maior corda é o diâmetro, o da Física, além de grande construtor de máquinas de
̂ é aquele que tem as extremidades em
maior arco 𝑃𝑄 guerra. Ele desenvolveu muitos estudos para obter
um diâmetro. Esse arco é chamado um cálculo aproximado de 𝜋. Sabia que a divisão do
semicircunferência, e a parte do círculo comprimento de uma circunferência por seu diâmetro
correspondente é chamada semicírculo. é um número constante, qualquer que seja o
tamanho da circunferência. Para calcular o número
semicircunferência AB 𝜋, Arquimedes aproximou polígonos por dentro e por
fora da circunferência e mediu os perímetros. Quanto
maior era o número de lados do polígono mais ele se
aproximava da medida da circunferência. O valor
utilizado para 𝜋 foi, durante muitos anos, o número
aproximado obtido por Arquimedes:
diâmetro AB
22
= 3,142857142857 …
7
2-COMPRIMENTO DA CIRCUNFERÊNCIA

Quanto maior for o raio (ou o diâmetro) de


uma circunferência maior será o seu comprimento. É
fácil perceber isso. Imagine que você vai caminhar
em torno de uma praça circular: você andará menos
em uma praça com 500 metros de diâmetro do que
numa praça com 800 metros de diâmetro. No Exercício resolvido 1:
exemplo abaixo, cada uma das três circunferências Numa circunferência cujo raio é de 5 𝑐𝑚,
foi cortada no ponto marcado com uma tesourinha, e qual é o comprimento?
a linha do traçado de cada uma delas foi esticada.
Como já sabemos que o diâmetro e o comprimento Resolução:
de uma circunferência estão relacionados, vamos a
seguir compará-los.
𝐶 = 2𝜋. 𝑟 ⇒ 𝐶 = 2𝜋. 5 ⇒ 𝐶 = 10 𝜋 𝑐𝑚

Logo, o comprimento da circunferência é 10𝜋 𝑐𝑚, ou


aproximadamente 31,4 𝑐𝑚

3 - ÁREA DO CÍRCULO

Em uma competição de ciclismo, foi decidido


que as rodas das bicicletas seriam pintadas com a
cor da camisa de cada competidor. A pintura foi feita
como na figura abaixo:
Usando diferentes objetos com a forma
circular, vamos medir o comprimento das
circunferências (das bordas) e de seus diâmetros.
Tente medir objetos circulares variados, como um
copo ou uma mesa redonda. Você pode estar se
perguntando: “Mas como medir a linha curva?”.
Ao dividir a medida do comprimento da
circunferência pela medida de seu diâmetro,
encontramos sempre um número um pouco maior do
que 3. Na realidade, esse número é sempre o
mesmo e vale aproximadamente 3,14. Esse é um
resultado muito importante em Matemática. Esse
Que parte da roda foi pintada? Você já
número tão útil e importante é chamado pi e
aprendeu que o comprimento de uma circunferência
simbolizado pela letra grega 𝜋.
depende de seu raio e pode ser obtido pela
Conclusão: o cálculo da medida do
expressão:
comprimento de uma circunferência, quando
conhecemos a medida de seu raio, pode ser feito por
meio da relação abaixo. 𝑪 = 𝟐𝝅. 𝒓
Note que 𝑑 = 2𝑟, logo:
Nesta expressão 𝑟 é a medida do raio e 𝜋 é
𝐶 um número irracional que normalmente
= 𝜋 ⇒ 𝐶 = 𝜋. 𝑑 ⇒ 𝐶 = 2𝜋. 𝑟 aproximamos para 3,14.
𝑑
Agora vamos aprender a calcular a área do
Arquimedes, que viveu por volta de 287 a 212 círculo. Para isso, imaginamos que o círculo seja
anos antes de Cristo, foi um gênio da Matemática e formado por várias circunferências concêntricas.

102 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


Depois, imaginamos também que podemos cortar
essas circunferências e esticá-las. A figura que
obtemos, então, é um triângulo retângulo:

Nesse processo, quanto maior for o número


de circunferências utilizado para completar o círculo,
melhor será sua representação em um triângulo. Observe a figura acima. Denomina-se coroa
Observe o triângulo abaixo. Sua altura é igual ao raio circular à região sombreada, que é obtida com dois
do círculo e sua base mede 2𝜋𝑟, isto é, o círculos de mesmo centro 𝑂 e raios diferentes 𝑅 e 𝑟.
comprimento da maior circunferência, a fronteira do É muito simples calcular a área de uma coroa
círculo. circular, pois, como você percebe na figura, ela é
obtida retirando-se um círculo menor do círculo
maior. Desse modo, sua área é obtida subtraindo-se
a área do círculo menor da área do círculo maior.
Acompanhe o exemplo.

Exercício resolvido 3:
Calculando a área do triângulo, temos: Determine a área de uma coroa circular sendo 𝑅 =
5𝑚 e 𝑟 = 3𝑚
base.altura 2 r.r
   r2
2 2 Resolução:
Área do círculo   r 2
Área do círculo maior = 𝜋. 52 = 25𝜋
Exercício resolvido 2: Área do círculo menor = 𝜋. 32 = 9𝜋
Área da coroa circular = 25𝜋 − 9𝜋 = 16𝜋 𝑐𝑚2
Na figura abaixo, você pode perceber que a
área do quadrado que contém o círculo com o menor Exercício resolvido 3:
desperdício possível é maior que a área do círculo.
Qual é a área desperdiçada? Determine a área da coroa circular sendo R = 5 m e
r = 3 m.

Área do círculo maior = 3,14 · 25 = 78,5 m²


Área do círculo menor = 3,14 · 9 = 28,26 m²
Área da coroa circular = 78,5 - 28,26 = 50,24 m²

EXERCÍCIOS PROPOSTOS

Nível I

Observação: utilize 𝜋 = 3,14 nos exercícios da


apostila.
Resolução:
1) A circunferência é uma região convexa?
Se o raio do círculo é 5 𝑐𝑚, seu diâmetro mede 2.5 =
10 𝑐𝑚. O lado 𝑙 do quadrado é igual ao diâmetro do 2) O círculo é uma região convexa?
círculo, que é 10 𝑐𝑚. Então:
3) Todo diâmetro é uma corda?
2 2 2
Área do quadrado = 𝑙 = 10 = 100 𝑐𝑚
4) Toda corda é um diâmetro?
Área do círculo = 𝜋. 52 = 25𝜋 𝑐𝑚2
5) Se o diâmetro de um círculo mede 10, quanto
mede o seu raio?
Logo a área desperdiçada é 100 − 25𝜋 𝑐𝑚2
3.1 - Área da coroa circular 6) Todo raio é uma corda?

CASD Vestibulares Nivelamento - Geometria 103


7) Se um ponto dista de 3 𝑐𝑚 do ponto 𝑃, então ele
está no círculo de centro 𝑃 e raio 5 𝑐𝑚? E está na
circunferência?

8) Numa bicicleta em que o raio da roda é de 26 𝑐𝑚,


qual será, aproximadamente, o comprimento da
circunferência da roda?

9) Medindo uma circunferência com fita métrica


graduada obtivemos 62,8 𝑐𝑚 de comprimento. Qual a
medida do diâmetro dessa circunferência?

10) Qual é a área de uma coroa circular com raio


maior 10 𝑐𝑚 e raio menor 8 𝑐𝑚?

GABARITO

1. Não

2. Sim

3. Sim

4. Não

5. 5

6. Não

7. O ponto está no círculo, mas não na


circunferência

8. O comprimento é 52𝜋 𝑐𝑚, que é aproximadamente


162,28 𝑐𝑚

9. O diâmetro é 20 𝑐𝑚

10. A área da coroa circular é 36𝜋 𝑐𝑚2

104 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


GEOMETRIA
Nivelamento
CAPÍTULO VIII – CALCULANDO VOLUMES

1 – CALCULANDO VOLUMES Exercício Resolvido 1:

Já estudamos que os objetos têm área, Qual é o volume e a capacidade de uma


volume e forma. Vimos também que existem objetos caixa d’água de 2 metros de comprimento por 2
com mesmo volume e formas diferentes. Neste metros de largura e 1 metro de profundidade?
capítulo, estudaremos um pouco mais esse assunto,
aprendendo a calcular o volume de alguns sólidos. Resolução:
Mas, antes, veremos algumas situações que
envolvem a idéia de volume e capacidade:

VOLUME CAPACIDADE
Areia retirada de um Uma garrafa
rio
Entulho retirado de Uma seringa
uma obra
Dejetos despejados Uma caixa
em rios d`água
Volume da caixa d’água = 2 𝑚 . 2 𝑚 . 1 𝑚 = 4 𝑚3
Capacidade da caixa d’água:
Medir o volume de um objeto é saber a
1 𝑚3 equivale a 1000 𝐿, logo 4 𝑚3 equivale a 4000 𝐿
quantidade de espaço que ele ocupa. Medir a
capacidade de um objeto é saber a quantidade de
Logo, o volume da caixa d’água é 4 𝑚3 e a sua
espaço de que ele dispõe para armazenar.
capacidade é 4000 𝐿
Dado um cubo de aresta 1 𝑑𝑚 (10 𝑐𝑚), o seu
volume (a medida do espaço ocupado pelo cubo) é
1 𝑑𝑚3 . No entanto, a sua capacidade (o que caberia Exercício resolvido 2:
dentro do recepiente cúbico) é de 1 𝐿 (um litro).
A partir disso, podemos fazer a seguinte Qual o volume e a capacidade do cubo cuja
conversão entre as unidades de volume e aresta mede 5 𝑐𝑚? (Lembre-se de que o cubo é um
capacidade: paralelepípedo cujas dimensões têm a mesma
medida).
𝟏 𝒅𝒎𝟑 = 𝟏 𝑳
1 𝑚 = 1000 𝑑𝑚3 ⇒ 𝟏 𝒎𝟑 = 𝟏𝟎𝟎𝟎 𝑳
3 Resolução:
1 𝑑𝑚3 = 1000 𝑐𝑚3 ⇒ 1 𝐿 = 1000 𝑐𝑚3 ⇒
⇒ 1000 𝑚𝐿 = 1000 𝑐𝑚3 ⇒ 𝟏 𝒄𝒎𝟑 = 𝟏 𝒎𝑳 𝑉 = 5 𝑐𝑚 . 5 𝑐𝑚 . 5 𝑐𝑚 = 125 𝑐𝑚3

1.1 - Volume do paralelepípedo 1 𝑐𝑚3 equivale a 1 𝑚𝐿, logo 125 𝑐𝑚3 equivale a
125 𝑚𝐿
Paralelepípedo é o nome que a Matemática dá
aos objetos que têm a forma de uma caixa de Logo, o volume do cubo é 125 𝑐𝑚3 e a sua
sapato, de um tijolo etc. Na verdade, a definição de capacidade é 125 𝑚𝐿
paralelepípedo é mais geral. Se quisermos ser mais
precisos, uma caixa de sapato é um paralelepípedo 1.2 – Volume do prisma
reto de base retangular. Já calculamos o volume do
paralelepípedo, multiplicando suas dimensões O paralelepípedo pode ser decomposto em
(comprimento, largura e altura): duas outras figuras sólidas. Veja:

Portanto, 𝑽 = 𝒂. 𝒃. 𝒄

105 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares


Cada um dos sólidos que surge pela Exercício resolvido 3:
decomposição deste paralelepípedo retângulo é um
exemplo de prisma. Temos, em nosso caso, dois Determine o volume de um cilindro de 30
prismas retos de base triangular. Observe que, neste centímetros de altura e cuja base tem 20 centímetros
exemplo, a base de cada prisma é um triângulo de raio.
retângulo. O volume do prisma reto de base
triangular é metade do volume do paralelepípedo. Resolução:
Portanto, o volume do prisma reto de base triangular
é:

a.b.c
V
2 V = área da base x altura
Área da base = 𝜋𝑟 2 = 𝜋. 202 = 400𝜋 𝑐𝑚2
Note que o paralelepípedo também é um 𝑉 = 400𝜋. 30 ⇒ 𝑉 = 12000𝜋 𝑐𝑚3
prisma reto, porém de base retangular. Para obter o
volume de um prisma com uma base qualquer Logo, o volume do cilindro é 12000𝜋 𝑐𝑚3
multiplicamos a área da base pela altura. Por
exemplo, prisma reto de base quadrangular (ou
paralelepípedo):
EXERCÍCIOS PROPOSTOS

Nível I

1) De quantos cubinhos iguais a A precisamos para


montar um cubo igual a B?

Volume = área da base x altura

𝑉 = (𝑎. 𝑏). 𝑐 ⇒ 𝑉 = 𝑎. 𝑏. 𝑐
que é o resultado já conhecido para o volume do
paralelepípedo.
2) Quantos litros de óleo cabem no galão abaixo?
1.3 - Volume do cilindro

Cilindro é o nome que a Matemática dá aos


objetos que têm a forma de um latão de querosene
ou de um cigarro. O cilindro é um sólido geométrico
cujas bases são dois círculos iguais, como na figura:

3) Qual o volume de um bolo cuja altura é 5 cm e


cujo diâmetro é 60 cm?

4) Quantos litros de leite cabem em um galão


cilíndrico de 20 cm de diâmetro de 60 cm de altura?
O volume do cilindro pode ser determinado do
mesmo modo que o volume do prisma reto: 5) Qual o volume de um objeto onde a área de sua
base mede 20cm 2 e sua altura mede 15cm, e as
Volume do cilindro = área da base x altura bases são paralelas?
Como a base do cilindro é um círculo, temos:
Área da base = área do círculo = 𝜋𝑟 2 , onde 𝑟 é o
raio do círculo.
Então, o volume do cilindro pode ser expressa por:

𝑉 = 𝜋𝑟 2 ℎ, onde ℎ é a altura do cilindro Nível II


106 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares
6) Calcule o volume do prisma abaixo, sabendo que
a sua altura mede 10 𝑐𝑚 e que sua base é um
triângulo equilátero de lado 4 𝑐𝑚.

7) Seja um cilindro de raio 𝑅 = 2 𝑐𝑚 e altura ℎ =


6 𝑐𝑚 inscrito num paralelepípedo de base quadrada
de mesma altura e aresta da base ‘𝑎’. Note que a
circunferência e o quadrado possuem o mesmo
centro. Calcule o volume interno ao paralelepípedo e
externo ao cilindro.

GABARITO

1. 64 cubinhos iguais ao cubo A

2. Cabem 20 litros no galão

3. O volume do bolo é 4500𝜋 𝑐𝑚2

4. Cabem 6𝜋 litros de leite no galão

5. O objeto é um prisma, logo o seu volume é


300 𝑐𝑚3

6. O volume do prisma é 40√3 𝑐𝑚3

7. O volume interno ao paralelepípedo e externo ao


cilindro é (96 − 24𝜋)𝑐𝑚3

CASD Vestibulares Nivelamento – Geometria 107


M ATEMÁTICA
Nivelamento
ANOTAÇÕES

ANOTAÇÕES

Utilize o espaço a seguir para fazer anotações


importantes.

108 Nivelamento - Anotações CASD Vestibulares


CASD Vestibulares Nivelamento – Anotações 109
110 Nivelamento - Geometria CASD Vestibulares
CASD Vestibulares Nivelamento – Anotações 111
FÍSICA
Nivelamento
CAPÍTULO I – TRANSFORMAÇÃO DE UNIDADES

1 – INTRODUÇÃO
Por exemplo, quando dizemos que o nosso corpo
Ocasionalmente nos chateamos por não acer-
tem uma massa em torno de 70 Kg, queremos dizer
tar uma questão de física “só” porque esquecemos de
que, em termos da unidade grama que a massa é de
colocar as unidades, ou por tomarmos unidades erra- 3
70.10 g, isto é, 70.000g.
das. É importante saber que as unidades são algo
Costumamos também fazer tabela com unidades,
imprescindível na descrição das grandezas. Sem elas,
para uma unidade simples, como o metro, por exem-
um número não tem nenhum significado físico.
plo, se andamos para a direita multiplicamos por 10, se
Veja, não faz sentido dizer que a velocidade
vamos para a esquerda dividimos por 10.
de um móvel vale 20, por exemplo. Poderíamos ter um
Para unidades quadradas como área (m²) multipli-
móvel a 20m/s, o que equivale a 72km/h, ou a 20km/h,
camos e dividimos por 10²=100 e com unidades cúbi-
ou mesmo a 20cm/ano(!!) já que a unidade não foi
cas multiplicamos e dividimos por 10³=1000.
especificada.
Essas regrinhas serão bem exploradas em sala de
aula.
2 – SI – SISTEMA INTERNACIONAL
DE UNIDADES  Exemplo de transformação de unidades cúbi-
cas:
Sistema Internacional de Unidades (SI) é um
conjunto sistematizado e padronizado de definições
para unidades de medida, utilizado em quase todo o
mundo moderno, que visa a uniformizar e facilitar
as medições.
As unidades básicas do SI (de que derivam
todas as outras) estão listadas abaixo:

Grandeza Unidade Símbolo


Comprimento metro m
Massa quilograma kg  IMPORTANTE: Passagem de km/h para m/s e vice-
Tempo segundo s versa costuma sempre cair em questões de vestibular.
Corrente elétrica ampère A O bizu é você olhar para a primeira unidade (km ou m)
Temperatura termodinâmica kelvin K se você for de km/h para m/s, está indo da maior para
Quantidade de matéria mol mol[2] a menor, logo deve dividir por 3,6 para diminuir o valor.
Intensidade luminosa candela cd Caso queira passar de m/s para km/h, está indo da
menor (m) para a maior (km), então deve multiplicar
por 3,6.
Com o passar do ano explicaremos com mais
calma o significado de cada uma dessas grandezas,
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
utilizando sempre as unidades acima.
Nível I
3 – TRANSFORMANDO UNIDADES
1. Um espetáculo musical tem início exatamente às
Existem algumas dicas para transformação de 21h 15min e 25s e termina às 23h 38min e 15s. De-
unidades. A primeira é ter em mente que toda unidade termine a duração desse espetáculo.
pode receber prefixos que indicam potências de 10:
2. As aulas num determinado colégio da cidade ame-
109 giga G 1 000 000 000 ricana de Saint Joseph of the Fields têm início às 7h
106 mega M 1 000 000 30min, todos os dias. Em determinado dia, por mau
funcionamento do relógio sinaleiro, o sinal de término
103 quilo k 1 000
das aulas soou às 13 h 15 min 20 s. Calcule a duração
102 hecto h 100 das aulas nesse dia no colégio, em segundos.
101 deca da 10
100 nenhum nenhum 1 3. Efetue as conversões das seguintes unidades de
10−1 deci d 0,1 comprimento.
10−2 centi c 0,01
a) 1 m em cm b) 1 cm em m c) 1 m em mm
10−3 mili m 0,001 d) 1 km em m e) 1 m em km f) 1 mm em m
10−6 micro µ (mu)1 0,000 001 g) 1 cm em mm h) 7 km em m i) 7,4 km em m
10−9 nano n 0,000 000 001 j) 7,43 km em m k) 3,821 km em m l) 12 m em cm
m) 13 dm em mm n) 7 cm em dam o) 18 hm em dam

112 Nivelamento – Física CASD Vestibulares


p) 48 m em km q) 6,8 cm em hm r) 19,8 km em dam conteúdo inicial já se escoaram, quantos dias de vida
s) 0,15mm em km t) 1,8hm em dam u) 7,03dam em m ainda restam à personagem?
4. Efetue as conversões das seguintes unidades de (a) 100 (b) 50 (c) 600 (d) 2000 (e) 1000.
massa:
a) 0,01 cg em dag 12. Transforme as seguintes velocidades em m/s:
b) 23,4 mg em kg a) 72 km/h
c) 43,26 hg em g b) 108 km/h
d) 59 dg em cg c) 70 cm/s
e) 18,47 mg em g d) 5400 m/h
f) 18,5 g em mg e) 90 km/h
g) 0,03 kg em g f) 36 km/h
h) 5,6 dag em dg g) 180 cm/min
i) 0,004 g em mg

5. Efetue as seguintes conversões: 13. Transforme as seguintes velocidades em km/h:


a) 1 h em min a) 35 m/s
b) 1 min em s b) 50 m/s
c) 1 dia em h c) 23000 m/h
d) 1 h em s d) 33 km / 30 min
e) 1 dia em s e) 50000 m/ 7200 s
f) 1 min em h f) 700 cm / 35 s
g) 10 min em h g) 182,4 km / dia.
h) 30 min em h
i) 45 min em h Nível II
j) 15 min em h
k) 20 min em h. 14. Converta os valores abaixo:
a) 45 g = __________ kg
6. Quantos segundos corresponde o intervalo de b) 27 g = __________ µg
tempo de 1h 20min e 40s? c) 33,5 kg = __________ mg
d) 4 µL = _________ mL
7. (PUC – Campinas) Um intervalo de tempo igual a e) 50 µL = _________ mL
25972,5 s corresponde a: f) 500 mL = __________ µL
g) 150 mg/L = _________ g/KL
(a) 7h 12min e 52,5s (b) 7h 772min e 0,5s (c) 7h h) 55,6 µg/dL = _________ g/L
21min e 145s (d) 432h 52,5min (e) 432,875h i) 44,63 g/L = __________ mg/dL
j) 54 cg/L = ___________ mg/mL
8. (UFAC) Num campo de futebol não-oficial, as tra- k) 554 g/100 mL = ____________ mg/L
ves verticais do gol distam entre si 8,15 m. Conside- l) 630 mg/20 mL = ____________ g/L
rando que 1 jarda vale 3 pés e que 1 pé pede 30,48 m) 0,00024 kg/mL = ___________g/dL
cm, a largura mais aproximada desse gol, em jardas, n) 0,000033 g/L = ____________ µg/L
é: o) 0,0000057 µg/L = ___________ g/dL
(a) 6,3 (b) 8,9 (c) 10,2 (d) 12,5 (e) 14,0. p) 0,113 g/L = _________ mg/dL

9. (F. Carlos Chagas) Se colocados um em seguida do


outro, os cigarros de 100 mm consumíveis durante 10 GABARITO
anos por um fumante que, sistematicamente, fumasse
20 cigarros por dia, seria possível cobrir uma distância,
1. 2 h 22 min 50 s.
em metros, de:
2. 20270 s
(a) 5,7.10³ (b) 7,3.10³ (c) 8,2.10³ (d) 9,6.10³ (e)
15.10³ −3 −3
3. a) 100 b) 0,01 c) 1000 d) 1000 e) 10 f) 10
10. (FUVEST - SP) No estádio do Morumbi 12000 g) 10 h) 7000 i) 7400 j) 7430 k) 3821 l) 1200 m)
−3 −4
torcedores assistem a um jogo. Através de cada uma 1300 n) 7. 10 o) 180 p) 0,048 q) 6,8. 10 r) 1980
−7
das 6 saídas disponíveis podem passar 1000 pessoas s) 1,5. 10 t) 18 u) 70,3
por minuto. Qual o tempo mínimo necessário para se
esvaziar o estádio? −5 −5 3
4. a) 1. 10 b) 2,34. 10 c) 4,326. 10 d) 590
(a) uma hora (b) meia hora (c) ¼ de hora (d) 1/3 de −2 4
e) 1,847. 10 f) 1,85. 10 g) 30 h) 560 i) 4
hora (e) ¾ de hora
5. a) 60 min; b) 60 s; c) 24 h; d) 3600 s; e) 86400 s;
11. (FUVEST – SP) Um conhecido autor de contos f) 1/60 h; g) 1/6 h; h) ½ h ou 0,5 h; i) ¾ h ou 0,75 h;
fantásticos associou o tempo de vida de certa perso- j) ¼ h ou 0,25 h; k) 1/3 h.
nagem à duração de escoamento de areia de uma
enorme ampulheta. A areia se escoa, uniformemente, 6. 4840 s.
à razão de 200 gramas por dia. Sabendo-se que a 7. A
ampulheta comporta 30 kg de areia e que 2/3 do seu
__________________________________________________________________________________________________________________
CASD Vestibulares Nivelamento - Física 113
8. B
9. B
10. D
11. B

12. a) 20; b) 30; c) 0,7; d) 1,5;


e) 25; f) 10; g) 0,03;
13. a) 126; b) 180; c) 23; d) 66;
e) 25; f) 0,72; g) 7,6

14. a) 0,045 kg b) 27.000.000 µg c) 33.500.000 mg


d) 0,004 mL e) 0,05 mL f) 500.000 µL g) 150 g/KL
h) 0,000556 g/L i) 4463 mg/dL j) 0,54 mg/mL
k) 5.540.000 mg/L l) 31,5 g/L m) 24 g/dL n) 33 µg/L
o) 0, 57 g/dL p) 11,3 mg/dL

__________________________________________________________________________________________________________________
114 Nivelamento - Física CASD Vestibulares
FÍSICA
Nivelamento
CAPÍTULO II – NOTAÇÃO CIENTÍFICA

1 – INTRODUÇÃO vírgula moveu-se para a direita, fazendo com que o


expoente da potência de 10, que antes era 0, passasse
a ser -3.
Considere as medidas a seguir:
Entretanto, sempre que é necessário memorizar
Massa da Terra: 5 973 600 000 000 000 000 000 000 kg algo, a chance de se esquecer é grande. Por isso é
Massa do próton: 0,00000000000000000000000167 kg sempre melhor fazer relações lógicas. Nesse caso isso
Raio do átomo de hidrogênio: 0,000000005 cm é possível. Primeiramente deve-se ter em mente que
um número qualquer, quando escrito em notação
Essas medidas, importantes em diversos ramos científica, não pode, por isso, alterar o seu valor. Assim,
da ciência, se apresentadas dessa forma, além de se todas as vezes em que, na transformação, o número for
tornarem de difícil escrita (a contagem dos zeros, por aumentado, para compensar, deve-se diminuir o
exemplo, pode causar muitos erros), estão fora dos expoente da potência de 10 e, consequentemente, se o
padrões numéricos com que o ser humano está número for diminuído, deve-se aumentar o expoente da
acostumado a conviver. Por isso, desenvolveu-se na potência de 10.
matemática a notação científica, uma forma de Exemplos:
0 3
representar números muito grandes ou muito pequenos 1. 4 573 = 4 573.10 = 4,573.10
0 -1
de maneira mais intuitiva, facilitando, assim, a 2. 0,21 = 0,21.10 = 2,1.10
visualização, a escrita, as operações e as comparações Perceba que no exemplo 1, o número que era
entre eles. 4573 passou a ser 4,573, ou seja, diminuiu. Para
A seguir apresentam-se algumas propriedades compensar, deve-se aumentar o expoente da potência
das potências de 10: de 10, que antes era 0 e passou a ser 3. Já no exemplo
2, o número que era 0,21 passou a ser 2,1, ou seja,
 100 = 1 aumentou. Para compensar, deve-se diminuir o
 101 = 10 expoente da potência de 10, que antes era 0 e passou
 10-1 = 1/10 = 0,1 a ser -1.
Com essa regra, um pouco mais lógica que a
Obs.: Os números 10 e 10,0, em relação à sua primeira, torna-se mais fácil qualquer mudança de
grandeza, são os mesmos. A diferença está nos expoente na base 10.
algarismos significativos, tópico estudado em outro
capítulo.
Com as propriedades das potências de 10,
2 – ORDEM DE GRANDEZA
pode-se, então, escrever qualquer número em notação
científica. A regra geral é a seguinte: Muitas vezes não é necessário determinar o
Um número, escrito em notação científica, será valor exato de grandezas físicas, mas apenas ter uma
noção do tamanho delas. Para isso, utiliza-se a ordem
da forma m.10 , sendo m, n ∈ , com 1 ≤ |m| < 10. O
n
de grandeza, que é a potência de 10 mais próxima de
número m pode ser chamado de mantissa. A seguir um número. Por exemplo, a potência de 10 mais
seguem alguns exemplos de números escritos em 2
próxima do número 117 é 10 , portanto, a ordem de
notação científica: grandeza do número 117 é 2, enquanto a potência de
-4
10 mais próxima do número 0,00033 é 10 , logo sua
 1037 = 1,037.1000 = 1,037.103
ordem de grandeza é -4.
 0,00084 = 8,4/10000 = 8,4.10-4
Para se determinar a ordem de grandeza de um
 Massa da Terra = 5,9736.1024 kg
número, primeiramente é necessário escrevê-lo em
 Massa do próton = 1,67.10-27 kg
notação científica. Feito isso, verifica-se sua mantissa.
 Raio do átomo de hidrogênio = 5,0.10-9 cm
Caso seja maior que 5, soma-se 1 ao expoente da base
10 para se obter a ordem de grandeza. Caso seja
Existe uma regra simples e prática para não
menor que 5, a ordem de grandeza é a própria base 10
confundir se o expoente da potência de 10 aumenta ou
elevada ao seu respectivo expoente.
diminui, dependendo de para onde a vírgula foi movida.
Exemplos:
Primeiramente, se o número não apresentar nenhuma 8
1. 2,13.10 , ordem de grandeza é 8
vírgula, é porque ela se encontra na última casa. Por -4
2. 8,16.10 , ordem de grandeza é -3
exemplo, o número 137 pode ser escrito como sendo
Há muita discordância entre autores quanto ao
137,0. Posteriormente basta memorizar que se a
valor limite para se somar 1 ao expoente da base 10,
vírgula se move para a esquerda, o expoente aumenta
para se calcular a ordem de grandeza de um número
e se ela se move para a direita, o expoente diminui.
escrito em notação científica. Alguns autores utilizam o
Exemplos:
1. 137 = 137,0 = 137,0.100 = 1,37.102 número 3,16 ( 10 ), mas esse valor não é de grande
2. 0,0022 = 0,0022.100 = 2,2.10-3 importância para o perfeito entendimento da matéria.
Em 1 a vírgula moveu-se para a esquerda,
fazendo com que o expoente da potência de 10, que
antes era 0, aumentasse para 2 e no exemplo 2 a
CASD Vestibulares Nivelamento – Física 115
5,2.10-2 x 8,4.10-3  5,2 x 8,4  -2-3-2
b) =   .10 =
3 – OPERAÇÕES COM POTÊNCIA DE 10 4,2.10 2
 4,2 
10,4.10-7 = 1,04.10-6
Como dito anteriormente, quando números
muito grandes ou muito pequenos são expressos em EXERCÍCIOS PROPOSTOS
notação científica, as operações envolvendo esses
números ficam mais fáceis. Nível I
3.1 – Multiplicação e Divisão 1. Escreva em notação científica os números a seguir.
a) 123 b) 1230
Utilizando das propriedades de potenciação, c) 12.300 d) 470 000 000
basta multiplicar (ou dividir) as respectivas mantissas e e) 11 460 000 000 f) 10 000 000 000
somar (ou subtrair) os expoentes da base 10. No g) -90,1 h) -15,07
resultado final, verificar se o número está expresso em
notação científica. 2. Escreva em notação científica os números a seguir.
Exemplos: a) 0,14 b) 0,014
-3 4
1. 0,0022 x 20 000 = 2,2.10 x 2,0.10 = c) 0,0014 d) -0,000000749
-3+4 1
(2,2 x 2).10 = 4,4.10 e) 0,0000000000052 f) -0,00000001
6 3
2. 1 420 000 : 7 100 = 1,42.10 : 7,1.10 =
6-3 3 2
(1,42 x 7,1).10 = 0,2.10 = 2,0.10 1. 3. Escreva em notação científica os números dados em
notação exponencial.
7 -5
3.2 – Adição e Subtração a) 13.10
-6
b) 0,28.10
14
c) 8 000.10 d) 0,0560.10
-21 3
Nesse caso, para se efetuar a adição e a e) 0,0911.10 f) -18 000.10
subtração em números expressos em potência de 10, é
necessário os expoentes das potências de 10 das 4. Efetue as expressões de soma e diferença dadas,
parcelas sejam iguais, mesmo que para isso o número apresentando os resultados em notação científica.
-2 -1
não fique necessariamente em notação científica. No a) 4.10² + 1.10³ b)3,2.10 + 1,23.10
-1 10 8
resultado final, verificar se o número está expresso em c) 1.10 - 3.10 d) 1.10 - 8.10
notação científica.
Exemplos: 5.Determine o valor das expressões dadas,
4 6 4 apresentando o resultado em notação científica.
1. 2,23.10 + 1,12.10 = (2,23 + 112).10 = 5 11 -5 11
4 6 a) (2,5.10 ) x (3.10 ) b) (3,4.10 ) x (2.10 )
114,23.10 = 1,1423.10 9 -3 -6
7 5 7 c) (2,5.10 ) x (4.10 ) d) (1,5.10 ) x 100
2. 8,22.10 – 22.10 = (8,22 – 0,22).10 =
8,0.10
7 e) 7,2.105 x 5.10-11 x 7,3 f) 2.10-11 x 8.1011 x 1 000
107 10-1.108
g) h)
3.3 – Potenciação e Radiciação 102 1022
Nesse caso, basta seguir as regras da
i)
9,2.10  x 4,15.10 
4 16
j)
1,2.10  x  2,3.10 
25 6

matemática para cada uma das operações, sempre 3,22.103 41 x 1000


verificando se o resultado final está escrito em notação
científica.
6. Coloque os números a seguir em ordem crescente.
Exemplos: -5 -2 -7
3 2 2 3x2 6 4.10 ; 2.10 ; 8.10
1. (2,0.10 ) = (2,0) .10 = 4,0.10
2. 4,9.107 = 49.106 = 7,0.103 7. Determine a ordem de grandeza dos seguintes
números:
Exercício Resolvido 1: a) 13 000 b) 749 c) 0,0033
d) 92 e) 0,666 f) 10 000 000
Efetuar as operações a seguir, colocando,
antes, os números em potência de 10. Nível II
700
a)
0,0035 8. Problema: um ano-luz é a distância que a luz
0,052 x 0,0084 percorre em um ano. Considerando que,
b) aproximadamente, a velocidade da luz é de trezentos
420
milhões de metros por segundo e um ano tem 32
Resolução:
milhões de segundos, devemos multiplicar (trezentos
milhões) por (32 milhões) para obter o valor do ano-luz
7,0.102 em metros. Efetue esta conta em notação científica.
a) = 2,0.10-1
3,5.10-3
27
9. A massa do planeta Júpiter é de 1,9 x 10 kg, e a
30
massa do Sol é de 1,9891 x 10 kg. Calcule, em
notação científica:

116 Nivelamento - Física CASD Vestibulares


I. A soma das duas massas
II. Aproximadamente, quantas vezes o Sol é mais
massivo que Júpiter?

GABARITO
2 3 4
1. a) 1,23.10 b) 1,23.10 c) 1,23.10
8 10 10
d) 4,7.10 e) 1,146.10 f) 1.10
1 1
g) -9,01.10 h) -1,507.10
-1 -2 -3
2. a) 1,4.10 b) 1,4.10 c) 1,4.10
-7 -12 -8
d) -7,49.10 e) 5,2.10 f) -1.10
8 -6 -3
3. a) 1,3.10 b) 2,8.10 c) 8.10
12 -23 7
d) 5,60.10 e) 9,11.10 f) -1,8.10
-1 0 9
4. a) 1,4.10³ b) 1,55.10 c) 9,7.10 d) 9,2.10
16 6 7
5. a) 7,5.10 b) 6,8.10 c) 10
-4 -4 4
d) 1,5.10 e) 2,62810 f) 1,6.10
5 -15 18
g) 10 h) 1.10 i)1,1857.10
j) 6,7317.10
27

-7 -5 -2
6. 8.10 < 4.10 < 2.10

7. a) 4 b) 3 c) -3
d) 2 e) 0 f) 7
15
8. 9,6.10 m
30 3
9. I) 1,991.10 kg II) 1047.10

CASD Vestibulares Nivelamento - Física 117


FÍSICA
Nivelamento
CAPÍTULO III – VETORES

1 – INTRODUÇÃO  Direção: podemos visualizar a direção como a


reta que passa sobre o vetor. Essa reta é
Quando alguém nos fala em matemática, logo chamada reta suporte. Dois vetores que
nos lembramos dos números. Mas o que é um número? possuem retas suporte paralelas têm a mesma
Bem, é difícil dizer o que eles são em si,mais direção.
fácil é dizer o que eles são pelas suas qualidades e  Sentido: Quando dizemos: o vetor é um
representações. Por exemplo, os números podem ser segmento de reta orientado, queremos dizer
somados, subtraídos, multiplicados e divididos e cada que a uma das extremidades chamamos de
uma dessas operações tem suas propriedades. Desse origem e a outra de ponta. Assim, o vetor tem
modo, vamos descobrindo o que é um número pelas um sentido, como se ele representasse o
coisas que podemos fazer com eles. movimento de um ponto que sai de sua origem
Agora, o que é um vetor? e vai para a sua ponta, seguindo o trajeto do
Essa pergunta também pode ser respondida se segmento. Dada uma direção podemos
pensarmos nas coisas que podemos fazer com os escolher entre dois sentidos, que são opostos.
vetores. Eles têm algumas propriedades parecidas com
os números, porém têm outras bem diferentes. Vamos
estudar os vetores como eles são entendidos na
geometria, pois eles serão muito usados na física.

2 – VETORES E GEOMETRIA

Vetores são representados na geometria da


seguinte forma:

Vetor é representado por um segmento de CUIDADO: muitas vezes confundimos direção


reta orientado. com sentido. Suponhamos que estamos numa rua reta
e vemos pessoas indo e vindo, tanto as que vão como
Porém, muita gente vai dizer que vetor é um as que vêm se movem na mesma direção, porém com
segmento de reta orientado, então considere isso como sentidos opostos. Agora, se chegarmos a um
“verdade”, logo vamos entender o porquê disso. cruzamento de duas ruas, o movimento das pessoas
terão direções diferentes.
Representação gráfica:
PERGUNTA FREQUENTE: Em que lugar do
plano o vetor está?
Talvez pareça necessário mais uma informação
como a posição da origem do vetor no plano, porém
não é. Todos os segmentos orientados de mesmo
módulo, direção e sentido em qualquer lugar
representam o mesmo vetor. Assim, quando
precisarmos fazer uma operação com vetores,
poderemos colocar os segmentos onde quisermos.

Essa representação tem três características 2.1 – O vetor nulo


importantes:
O vetor nulo é o zero (elemento neutro) para os
Todo vetor não nulo possui módulo, direção vetores. Geometricamente ele não é representado, pois
e sentido. não tem direção e nem sentido e seu módulo é igual a
zero. IMPORTANTE:
Podemos entendê-las da seguinte forma:
Se um vetor possui módulo igual a zero, ele
 Módulo: o segmento de reta possui um é igual ao vetor nulo!
comprimento, o módulo é justamente o
comprimento do segmento de reta associado
ao vetor. O valor do módulo pode ser qualquer
número real positivo. (Também é chamado de
magnitude e intensidade.)

118 Nivelamento - Física CASD Vestibulares


3 – GRANDEZAS VETORIAIS E
ESCALARES 4.2 – Produto de vetor por escalar

Representamos da seguinte forma:


Grandeza é o valor de uma medida relacionada
a um conceito físico ou matemático. Por exemplo: o
valor de um comprimento, de uma área ou da B   A , onde B é o vetor resultante,  é o
velocidade de algo. escalar e A é o vetor multiplicando.
Observe: precisamos apenas de um número
para dizer qual o comprimento de algo, porém, se O resultado do produto de um vetor por escalar
falamos sobre a velocidade, queremos saber a rapidez também é um vetor que possui a mesma direção do
(módulo da velocidade), a direção e o sentido do vetor multiplicando ou é nulo (quando o escalar for o
movimento, logo um número apenas não basta. zero). Quanto ao módulo, temos a seguinte formula:
Desse modo, as grandezas dividem-se em dois
grupos:
 Grandezas vetoriais: Seus valores são dados B A
por vetores.
 Grandezas escalares: Seus valores são dados O módulo em  é aquele dos números, por
por números reais. Escalar é um número real. exemplo: 2  2 .
Sobre o sentido do vetor resultante, temos três
casos:
4 – ÀLGEBRA VETORIAL
1. Se A  0 ou   0 : então B  0 , ou seja,
Agora vamos trabalhar com os vetores de forma não tem direção nem sentido.
semelhante à que trabalhamos com números. Os
vetores têm duas operações básicas:
2. Se A  0 e   0 : então o vetor B tem a
 Produto de vetor por um escalar. mesma direção e o mesmo sentido que A .
 Adição de vetor com vetor.
3. Se A  0 e   0 : então o vetor B tem a
Veja que o produto é de um vetor por um
número real (escalar). Não podemos multiplicar ou mesma direção, mas o sentido oposto ao de
dividir dois vetores entre si como fazíamos com os A.
números reais. (existem multiplicações de vetores, mas
são bem diferentes da multiplicação comum e não as
estudaremos.)

4.1 – Representação algébrica

Representar algebricamente quer dizer que


usaremos símbolos para nos referir aos vetores. Esses
símbolos geralmente são as letras maiúsculas e
minúsculas do nosso alfabeto e alfabeto grego com
uma seta sobre elas apontando para a direita. Por
exemplo:

A c 
O vetor nulo é representado como um zero com (Obs.:  A  1 A ).
seta: 0 Podemos entender os resultados da seguinte
Nunca se esqueça de colocar a seta sobre o forma:
símbolo! Se o vetor é nulo ou o escalar é igual a zero,
temos que o resultado é nulo. Isso lembra a regra:
Para o módulo do vetor, temos:
quando multiplicamos por zero, o resultado é zero.
Quando multiplicamos um vetor por um número
A c  positivo o que fazemos é aumentar o segmento ou
diminuí-lo dependendo se o número é maior ou menor
que 1, mas o sentido continua o mesmo.
Já se o escalar é negativo, invertemos o
sentido do vetor, porém o comprimento do segmento é
aumentado ou diminuído da mesma forma que antes. O
sinal do escalar influencia apenas no sentido do vetor
resultante.

CASD Vestibulares Nivelamento - Física 119


Definição importante:

Vetor oposto: é o resultado da multiplicação de


um vetor por -1. Geometricamente, ele é o
mesmo segmento de reta, mas orientado com
sentido oposto. Vamos simbolizá-lo colocando
um sinal de menos no símbolo do vetor:
 A  1 A .
4.3 – Adição de vetores (ou soma de vetores)

Algebricamente, a adição de vetores é escrita


como:
*Método do polígono com mais de dois vetores:
A B  C O procedimento é praticamente o mesmo.
Vamos desenhado os vetores em seqüência: um com a
A adição de vetores pode ser feita de três origem na ponta do outro. No final teremos uma origem
maneiras: o método do polígono, o método do e uma ponta sobrando, ligaremos as duas e obteremos
paralelogramo e o método das projeções. O método o vetor soma. Veja a figura:
das projeções será visto no tópico: vetores como pares
ordenados.

4.3.1 – Método do polígono

Com o método do polígono encontramos a


representação do vetor soma.

PERGUNTA FREQUENTE: E se a ponta do


Na figura temos a soma do vetor A com o vetor E caísse na origem do vetor A ?
vetor B . Para somar, faça da seguinte maneira:
Então F  0 , pois ele teria módulo igual a
zero.
1. Desenhe o vetor A . A posição da origem não
importa, escolha a mais conveniente. 4.3.2 – Método do paralelogramo

2. Desenhe o vetor B com a origem na ponta do Nesse método temos o módulo de dois vetores
e o ângulo entre eles e queremos saber o módulo do
vetor A. vetor soma. Usaremos a formula do módulo da soma:

3. Ligue a origem do vetor A à ponta do vetor B,


agora temos um segmento de reta.

4. Oriente o segmento colocando a sua ponta na


extremidade da ponta de B . Esse segmento
orientado representa o vetor soma C .

Na adição de vetores a ordem não importa!


Veja a figura:

120 Nivelamento - Física CASD Vestibulares


2 2
R  A  B  2  A  B  cos( )

PERGUNTA FREQUENTE: Qual é o ângulo


entre dois vetores.
Descobrimos o ângulo entre dois vetores 2 2
colocando a origem de um sobre a origem do outro e R  A  B
pegando o ângulo da menor abertura.

Temos três casos especiais: 4.4 – Subtração de vetores

  0 : Então o valor do cosseno é igual a 1 e


Subtrair um vetor do outro é o mesmo que
multiplicar um deles por -1 e somar com o outro, ou
o conteúdo da raiz se torna um produto notável, seja, somar com o oposto. (Por isso, não é uma nova
o quadrado da soma. Tirando a raiz: operação, mas a composição de duas outras.)

A  B  A  ( B)  A  [(1).B]
Então podemos usar os métodos que já
aprendemos.

4.5 – Propriedade distributiva


R  AB
Quando tivermos a soma de vários múltiplos de
um mesmo vetor, podemos fazer o seguinte:
Se o ângulo é igual a 0º os dois vetores têm a
mesma direção e o mesmo sentido, pelo método do
polígono, o vetor soma terá a mesma direção e sentido 2 A  A  5 A  1,5 A  (2  1  5  1,5) A  4,5 A
e seu módulo será a soma dos dois módulos.
Ou seja, isolamos o vetor e somamos os
   180 : Então o valor do cosseno é igual a números. Podemos fazer o contrário. A fórmula geral é:
-1 e o conteúdo da raiz se torna outro produto
notável, o quadrado da diferença. Tirando a (a  b) A  aA  bA
raiz:
Distribuímos os números a e b sobre o vetor.
Quando tivermos um escalar multiplicando dois
vetores, podemos fazer:

a( A  B)  aA  aB
R  AB
5 – DECOMPOSIÇÃO DE VETORES
Observe que temos o módulo da diferença,
Na soma, tínhamos vários vetores, somávamos
esse módulo é aquele dos números, por exemplo:
e obtínhamos um vetor soma. Agora na decomposição
2  2 . faremos o contrário: temos um vetor e vamos obter dois
Se o ângulo é igual a 180 graus, os dois ou mais vetores que somados resultam o vetor inicial.
vetores têm a mesma direção, mas sentidos opostos.
Logo, vetor soma terá o módulo igual à diferença entre 5.1 – Projeção ortogonal de um vetor
os módulos do maior e do menor vetor.

  90 : Então o valor do cosseno é zero e o


conteúdo da raiz se torna como no teorema de
Pitágoras. Podemos pensar nos dois vetores formando
um triangulo retângulo com o vetor soma sendo a
hipotenusa, daí temos a formula.

CASD Vestibulares Nivelamento - Física 121


Os Ax e Ay são chamados componentes do

vetor A nos eixos x e y. Se somarmos as duas


componentes, temos pelo método do polígono:

A  Ax  Ay

ATENÇÂO: Temos essa propriedade porque


usamos a projeção ortogonal e eixos ortogonais. Se
1. Escolhemos uma direção para projetá-lo, o que tivéssemos usado outros tipos de eixo e projeções, isso
significa escolher uma reta sobre a qual poderia não ser válido.
projetaremos o vetor. Chamemos essa reta de r Temos relações entre os módulos:

2. Desenhamos o vetor com a origem sobre a reta


r
Ax  A  cos( )

3. Desenhamos uma reta perpendicular à reta r Para a projeção Ay , sabemos que o ângulo
passando pela ponta do vetor. Chamemos essa
reta de p. entre ela e A é (90   ) , das relações
trigonométricas:
4. Marquemos o ponto em que p cruza com r.
Esse ponto forma um segmento com a origem
do vetor. Ay  A  cos(90   )  Ay  A  sen( )
5. Orientamos esse segmento colocando a ponta
no ponto de cruzamento. Esse representa a Caso não tenhamos nenhum dos ângulos, mas
projeção do vetor na direção de r. tenhamos dois dos três módulos envolvidos, podemos
usar:
Simbolizamos a componente colocando o 2 2 2

Ar
A  Ax  Ay
símbolo da direção como um índice no vetor:
Podemos provar esse resultado com o método
Observe que o vetor A junto com o vetor Ar e do paralelogramo ou com o teorema de Pitágoras.
com linha tracejada formam um triângulo retângulo.
Sabendo um dos ângulos internos (na figura o ângulo
 adjacente ao vetor e sua projeção), temos a relação 6 – VETORES COMO PARES ORDENADOS
entre os módulos:

Ar  A  cos( )
Vetores podem ser representados através das
coordenadas de sua extremidade no plano cartesiano
em relação à origem, também chamadas de pares
ordenados (X , Y). Observe na figura, vários vetores e
5.2 – Componentes de um vetor suas representações:
Encontramos as componentes de um vetor
projetando-o em dois eixos ortogonais.
Os eixos ortogonais são duas retas ortogonais
(perpendiculares) que possuem, cada uma, um sentido
definido. As chamaremos de x e y, observe a figura:

122 Nivelamento - Física CASD Vestibulares


pode ser   90 se o vetor tem o mesmo sentido que
Os vetores como pares ordenados facilitam
muito a álgebra vetorial. Vejamos como trabalhar com o eixo ou   90 se o vetor tem sentido oposto
eles: (dependendo da maneira que medimos os ângulos, se
no sentido horário ou anti-horário, pode ser   270 ).
6.1 – Produto por escalar

Como o vetor é a soma de suas componentes,


se multiplicamos ele por um escalar, multiplicamos Por exemplo:
cada uma de suas componentes, logo seus coeficientes 2
também são multiplicados: C  (2, 2)  tan( )   1    45
2
n  A  ( n  ax , n  a y ) ATENÇÃO: Geralmente existem dois ângulos
que resultam no mesmo valor da função tangente. Para
Por exemplo: descobrir qual é o ângulo correto, pensemos na posição
do vetor em relação aos eixos, podemos fazer isso
B  (2,3)  5  B  (5  (2),5  3)  (10,15) apenas olhando os sinais dos coeficientes.
Por exemplo: Olhe a figura no começo do
tópico “”vetores como pares ordenados”: sabemos que
6.2 – Adição de vetores (método das projeções) o vetor (3,-7) está a direita do eixo y porque 3>0 e está
abaixo do eixo x pois -7<0.
Na adição de dois vetores, podemos somar as
componentes uma a uma e então somar os EXERCÍCIOS PROPOSTOS
coeficientes:

Nível I
A  B  (ax , a y )  (bx , by )  (ax  bx , a y  by )

Por exemplo:

(3,1)  (2, 4)  (3  (2),1  4)  (1,5)


Algumas vezes podemos projetar os vetores,
encontrar os coeficientes, somá-los e com os
coeficientes da soma desenhar o vetor soma, esse é o 2.
método das projeções de que falamos no início do
capítulo.

6.3 – Módulo

Como vimos, o módulo de um vetor pode ser


calculado por:

A  ax 2  a y 2 3.

Por exemplo:

A  (3, 4)  A  32  (4)2  9  16  25  5

6.4 – Inclinação (ângulo entre o vetor e o eixo


x)

Se o vetor não possui o coeficiente da direção x


nula, podemos calcular a tangente do ângulo entre o
vetor e o eixo x:
ay
tan( ) 
ax
No caso em que ax  0 , a tangente não existe,
e o vetor é paralelo ao eixo y, nesse caso o ângulo só
CASD Vestibulares Nivelamento - Física 123
4. 6.

5. 7. (UnB) São grandezas escalares todas as


quantidades físicas a seguir, EXCETO:
a) massa do átomo de hidrogênio;
b) intervalo de tempo entre dois eclipses solares;
c) peso de um corpo;
d) densidade de uma liga de ferro;
e) n.d.a.

8. (UEPG - PR) Quando dizemos que a velocidade de


uma bola é de 20 m/s, horizontal e para a direita,
estamos definindo a velocidade como uma grandeza:
a) escalar
b) algébrica
c) linear
d) vetorial
e) n.d.a.

9. (UFAL) Considere as grandezas físicas:


I. Velocidade
II. Temperatura
III. Quantidade de movimento
IV. Deslocamento
V. Força
Destas, a grandeza escalar é:
a) I
b) II
c) III
d) IV
e) V

124 Nivelamento - Física CASD Vestibulares


10. (FESP) Num corpo estão aplicadas apenas duas Nível II
forças de intensidades 12N e 8,0N. Uma
possível intensidade da resultante será: 14. (Mackenzie-SP) O vetor resultante da soma de AB ,
a) 22N
BE e CA é:
b) 3,0N
c) 10N
d) zero
e) 21N

11. (FUND. CARLOS CHAGAS) O módulo da


resultante de duas forças de módulos F1 = 6kgf e F2 =
8kgf que formam entre si um ângulo de 90 graus vale:
a) 2kgf
b) 10kgf
c) 14kgf
d) 28kgf
e) 100kgf

12. (UFAL) Uma partícula está sob ação das forças


coplanares conforme o esquema abaixo. A resultante
15. Considere os vetores, v1 , v2 , v3 e v4
delas é uma força, de intensidade, em N, igual a:
representados na figura, tendo todos mesmos módulos
iguais a v. Calcule, em função de v, o módulo do vetor:

a) 110
b) 70
c) 60
d) 50
e) 30

13. (ACAFE) Os módulos das forças representadas na


figura são F1 = 30N, F2 = 20 N e F3 = 10N. Determine
o módulo da força resultante:

a) 14,2 N
b) 18,6 N
c) 25,0 N
d) 21,3 N
e) 28,1 N

CASD Vestibulares Nivelamento - Física 125


GABARITO

7. C 8. D 9. B 10. C 11. B 12. D 13. D


14. D
15. a) 2v 2 b) 0

126 Nivelamento - Física CASD Vestibulares


Química
Nivelamento

Para entendermos o que é Química, devemos


1 – INTRODUÇÃO
conhecer inicialmente as idéias de MATÉRIA,
TRANSFORMAÇÃO e ENERGIA.
O ano de um aluno de curso pré-vestibular é
diferenciado. Cada momento da preparação é precioso, Assim, costuma-se dizer:
sendo alguns deles particularmente importantes. O
período de nivelamento é o alicerce de tudo aquilo que MATÉRIA é tudo o que tem massa e ocupa lugar no
será construído por todos nós no decorrer deste ano. espaço.
Sendo assim, não o subestime, nem o superestime.
Mais do que isso, não subestime sua capacidade de Logo, tudo aquilo que podemos pesar, medir,
aprendizado, nem a superestime... Nunca! etc. no universo ao nosso redor, é matéria. Exemplos
O seu sonho de ingressar numa faculdade disso são as pedras, a água, o ar. Além disso, há
pública está mais perto do que você imagina. É claro algumas definições importantes acerca da matéria,
que o caminho é longo, cheio de pedras e não permite como o conceito de corpo:
atalhos. No entanto, você tem agora a oportunidade de Corpo: é toda porção limitada de matéria.
contar com pessoas que acreditam que você é capaz,
pessoas que não medirão esforços para passar o Objeto: corpo produzido para utilização do ser
conhecimento que você precisa para encarar os humano.
vestibulares.
O objetivo deste material é apresentar os
conceitos básicos necessários para que você seja
capaz de absorver os conhecimentos de Química a
serem abordados durante o ano. Dedique-se, tenha
foco e disciplina nos estudos e não tenha vergonha de
tirar suas dúvidas, por mais bobas que você pense que
elas sejam. É assim que crescemos e é assim que as
coisas funcionam no CASD Vestibulares.
Fig. 1 – Matéria, Corpo e Objeto
Aproveite este período de Nivelamento. Este é
o seu ano! Faça valer a pena!
Quando falamos em transformações, podemos
pensar em alguns exemplos:

 os alimentos podem ser cozidos e temperados,


melhorando-lhes o gosto e tornando sua digestão mais
fácil;
 o leite, conforme o tratamento, produz queijo ou
coalhada;
 a água, quando resfriada, vira gelo; quando
aquecida, torna-se vapor.
Algumas transformações são “passageiras”, ou
seja, podem ser feitas ou desfeitas com mais facilidade.
São chamadas de transformações reversíveis:

água ‡ˆ ˆaquecimento
ˆ ˆ ˆ ˆˆˆ† gelo
resfriamento

Ex-aluna Graziela Shimizu, aprovada.


Outras transformações são “mais duradouras”,
isto é, uma vez que acontece, torna-se difícil ou
2 – O QUE A QUÍMICA ESTUDA? POR impossível voltar atrás. São as transformações
QUÊ? irreversíveis:

gasolina ‡ˆ ˆimpossível
ˆ ˆ ˆ†
queima
ˆ ˆ cinza, fumaça, etc.
Este pequeno texto que segue dá uma noção
do que será estudado na Química durante o curso. Ao Por fim, notou-se que as transformações de
sabermos onde se quer chegar, o entendimento do matéria são acompanhadas de produção ou gasto de
assunto se torna mais prazeroso e dinâmico. Portanto, energia. A energia é difícil de ser conceituada. Porém,
esse “blá blá blá” inicial tem muita importância. conseguimos percebê-la nas mais diversas formas:
__________________________________________________________________________________________________________________
CASD Vestibulares Nivelamento - Química 127
energia solar, energia mecânica, energia eólica, energia
química, energia elétrica, energia térmica. Sabemos,
também, que uma forma de energia pode ser
convertida em outra, como a energia mecânica sendo
transformada em energia elétrica numa usina
hidroelétrica, por exemplo.
A manipulação da matéria para desenvolver
uma série de materiais de utilidade para o ser humano
(plásticos, medicamentos, aço, dentre outros) exige que
se conheçam profundamente suas propriedades e Fig. 3 – Ilustração do Estado Líquido
características.
O estado gasoso (ou vapor) é caracterizado por
Dessa forma, a Química estuda a matéria, suas
ocupar inteiramente o recipiente que o contém, seja ele
transformações e as variações de energia que as
qual for. Sendo assim, os gases apresentam forma e
acompanham.
volume variáveis. Além disso, suas moléculas estão
Neste período de nivelamento, abordaremos muito desordenadas e distantes, com uma grande
um pouco do conhecimento sobre a matéria, para que liberdade de movimentação.
durante o ano sejamos capazes de aprofundar este
conhecimento e de estudar suas transformações e as
variações de energia.

3 – ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA


O ser humano é capaz de distinguir três
diferentes formas de agregação das moléculas,
segundo suas percepções de volume e de formato, as
quais chamamos de estados físicos da matéria: sólido,
líquido e gasoso.
No estado sólido, o formato e o volume da
substância estão bem definidos, pois independem do Fig. 4 – Ilustração do Estado Gasoso
recipiente que a contem. Além disso, as moléculas
estão bem ordenadas, muito próximas umas das A tabela a seguir resume o que foi dito
outras, com pouca liberdade de movimentação. anteriormente com respeito aos aspectos de forma e
volume:

Tab. 1 – Forma e Volume dos Estados Físicos da Matéria

Fig. 2 – Ilustração do Estado Sólido


Os três estados físicos da matéria são
interconversíveis, ou seja, as substâncias podem mudar
de um estado para o outro de acordo com variações de
No estado líquido, a substância adquire a forma
pressão e temperatura. Entretanto, para começar,
do recipiente em que se encontra, tendo assim o
trabalhemos com as mudanças de estado baseadas
formato variável. No entanto, se colocarmos um litro de
apenas na variação da temperatura. Tais
refrigerante em um jarro ou em uma garrafa, seu
transformações recebem nomes especiais, de acordo
volume continuará sendo de um litro. Portanto, os
com o que se apresenta na figura a seguir:
líquidos apresentam volume definido. Além disso, neste
estado, as moléculas estão desordenadas e próximas
umas das outras, com uma liberdade de movimentação
maior do que no estado sólido.

128 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


substâncias simples diferentes, que são denominadas
variedades alotrópicas do elemento.
As variedades alotrópicas podem diferir quanto
à quantidade de átomos e/ou sua estrutura cristalina.
Vejamos os casos clássicos de alotropia:

4.1.1 – Carbono
O carbono apresenta pelo menos quatro
variedades alotrópicas conhecidas:
- Grafite: apresenta uma estrutura formada por
anéis hexagonais dispostos em um mesmo plano,
formando lâminas.
Fig. 5 – Mudanças de Estado - Diamante: cada átomo de carbono está ligado
a outros quatro átomos de carbono não contidos num
A temperatura na qual um material passa do mesmo plano. Uma propriedade física característica do
estado sólido para o líquido é chamada ponto de fusão diamante é a dureza, ou seja, a capacidade de riscar
(PF). A mudança do estado líquido para o gasoso qualquer outra substância natural.
ocorre numa temperatura denominada ponto de - Fulerenos: estruturas que se assemelham a
ebulição (PE). bolas de futebol, produzidas artificialmente na década
Estudaremos agora o que compõe a matéria. de 1980. Existem dois tipos: com 60 átomos de carbono
Para isto, vejamos a idéia principal de alguns e com 70 átomos de carbono. São a base para a
conceitos fundamentais, os quais serão detalhados confecção de nanotubos de carbono, cujas
mais a frente na matéria: propriedades são exploradas atualmente pela
nanotecnologia.
Elemento Químico: é formado por átomos que
apresentam propriedades químicas iguais.
Átomo: é a menor partícula que ainda
caracteriza um dado elemento químico. Mais tarde
caracterizaremos melhor o átomo.
Substância: é formada pela união de unidades
estruturais com um ou mais átomos. Podemos
classificar as substâncias de acordo com a natureza
dos átomos que as compõem.
Fig. 6 – Variedades Alotrópicas do Carbono
4 – SUBSTÂNCIA SIMPLES OU 4.1.2 – Oxigênio
COMPOSTA? No oxigênio comum (O2), os átomos se unem
dois a dois, formando moléculas diatômicas. O O 2
As substâncias simples são formadas por encontra-se, à temperatura ambiente (25ºC), no estado
átomos de um único elemento químico. São exemplos gasoso. É componente do ar atmosférico e tem
de substâncias simples: importância vital para a vida animal e vegetal.
Já no ozônio (O3), os átomos se unem três a
- gás cloro, Cl2, cuja unidade estrutural é três, formando moléculas triatômicas. À temperatura
formada por dois átomos de cloro; ambiente, o O3 é um gás azul-claro. É encontrado na
- gás hidrogênio, H2, cuja unidade estrutural é atmosfera principalmente na chamada camada de
formada por dois átomos de hidrogênio; ozônio, entre 16 a 30 quilômetros de altitude. Tal
camada tem a propriedade de absorver a radiação
- gás Hélio, He, cuja unidade estrutural é ultravioleta do Sol, protegendo os organismos vivos do
formada por um átomo de hélio; planeta.
- fósforo branco, P4, cuja unidade estrutural é
formada por quatro átomos de fósforo.
Dentre as substâncias simples, deve-se
conhecer uma propriedade especial, a qual será
abordada agora.

4.1 – Alotropia
A alotropia (do grego allos tropos: outra Fig. 7 - Variedades Alotrópicas do Oxigênio
maneira) é a propriedade pela qual um mesmo
elemento químico pode formar duas ou mais

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 129


4.1.3 – Enxofre Exemplo:
O enxofre apresenta duas formas alotrópicas,
Se analisarmos um copo cheio de água
ambas constituídas por moléculas contendo 8 átomos
destilada pura, chegaremos às seguintes conclusões:
de enxofre. Elas se diferem pela estrutura cristalina.
- Rômbico: é a variedade mais comum, que  Como visto anteriormente, trata-se de uma
substância composta, já que as moléculas de água são
aparece na forma de cristais amarelos e transparentes.
compostas de dois átomos de hidrogênio e um átomo
- Monoclínico: apresenta-se na forma de cristais de oxigênio.
opacos com formato de agulhas, encontrados em
regiões vulcânicas.  A água tem seu ponto de ebulição na
temperatura de 100ºC, sob pressão de 1 atm;
4.1.4 – Fósforo
 O ponto de fusão é em 0ºC, sob pressão de 1
O fósforo branco é constituído por pequenas atm;
moléculas formadas por 4 átomos. É um sólido branco
cristalino que, ao entrar em contato com o ar, queima Estamos, portanto, diante de uma substância
espontaneamente. pura, já que a matéria é composta de um único tipo de
unidade química (no caso, as moléculas de água),
O fósforo vermelho não apresenta uma apresentando propriedades físicas e químicas
estrutura bem determinada, mas há evidências de que características.
ele seja constituído por uma cadeia longa. Essa
variedade alotrópica se apresenta no estado sólido, A mistura nada mais é do que o tipo de matéria
com coloração que varia do vermelho ao violeta, sendo formada por duas ou mais substâncias, cada uma delas
muito menos reativa que o fósforo branco. sendo denominada componente da mistura.
As misturas apresentam grande importância e
serão estudadas com bastante detalhe, já que
representam a maioria dos materiais presentes na
natureza.
Como as misturas podem apresentar
composição variável, elas tem propriedades – tais como
ponto de fusão, ponto de ebulição, densidade –
diferentes daquelas apresentadas pelas substâncias
quando estudadas separadamente.
É esta característica que torna possível
distinguir uma substância pura de uma mistura, mesmo
Fig. 8 – (a) Fósforo Branco; (b) Fósforo Vermelho que isto não seja perceptível a olho nu. Basta que se
realize um experimento conforme descrito a seguir:
As substâncias compostas, como o próprio Suponhamos que temos dois recipientes. Um
nome já identifica, são aquelas compostas por átomos deles contém água pura e o outro uma mistura de água
de mais de um elemento químico. Podemos citar alguns e sal de cozinha. No entanto, não sabemos qual
exemplos de substâncias compostas: recipiente contém o quê, dado que a diferença é
- água, H2O, composta por unidades estruturais imperceptível visualmente.
com dois átomos de hidrogênio e um átomo de Assim, façamos um experimento que consiste
oxigênio; em fazer o aquecimento dos materiais do estado sólido
até o estado de vapor, controlando a sua temperatura.
- gás carbônico, CO2, formado por unidades Com isso, podemos traçar um gráfico da temperatura
estruturais com um átomo de carbono e dois átomos de em função do tempo de exposição ao calor, à qual
oxigênio; daremos o nome de curva de aquecimento.
- gasolina, cuja composição é de átomos de Aquecendo um dos recipientes, obtém-se a
carbono e hidrogênio; seguinte curva de aquecimento:
- sal de cozinha, NaCl, cujas unidades
estruturais contêm um átomo de sódio e um átomo de
cloro.

5 – SUBSTÂNCIA PURA OU MISTURA?

A substância pura é o tipo de matéria formada


por unidades químicas iguais, sejam elas átomos ou
moléculas. Por este motivo, apresentam propriedades
físicas e químicas próprias.
Fig. 9 – Curva de Aquecimento 1

130 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


uma substância simples. Se a temperatura subir
Para a primeira curva de aquecimento,
ininterruptamente, temos uma mistura.
percebemos algumas características:
Pergunta: o ar que respiramos é uma
 A substância inicia o aquecimento no estado substância pura ou uma mistura? Por quê?
sólido, à temperatura de -10ºC, chegando até
0ºC; O ar atmosférico é uma mistura de gases,
composta por gás nitrogênio (N2), gás oxigênio (O2),
 Durante algum tempo, a substância permanece argônio (Ar), gás carbônico (CO2), dentre outros.
a 0ºC, mesmo recebendo calor. Neste
momento ocorre a fusão – passagem do estado No entanto, há exceções. Existem casos de
sólido para o líquido, onde coexistem ambos os misturas especiais que apresentam os seguintes
estados físicos. Este patamar do gráfico indica comportamentos registrados em curvas de
que a substância só voltará a ter sua aquecimento:
temperatura aumentada após ocorrer a
passagem completa do estado sólido para o
estado líquido.
 A substância novamente volta a aquecer, agora
na forma líquida, de 0ºC a 100ºC, atingindo um novo
patamar.
 O patamar estabelecido a 100ºC corresponde à
ebulição da substância, ou seja, a passagem do estado
líquido para o gasoso. Novamente, a temperatura só
aumenta após a totalidade da substância ter realizado a
mudança de estado, mesmo com a exposição contínua
ao calor.
 Após a mudança de estado, a temperatura volta
a aumentar;
Sendo assim, esta primeira substância
apresenta pontos de fusão e de ebulição bem definidos.
Logo, trata-se da água, uma substância pura.
Agora, analisemos a curva de aquecimento
para a substância contida no outro recipiente.

Fig. 11 – Curvas de Aquecimento de Misturas Especiais

Em ambos os gráficos, verificamos a existência


de um patamar. Na curva (a) ele aparece na fusão, e na
curva (b), durante a ebulição. Estas misturas recebem
nomes especiais:
Fig. 10 – Curva de Aquecimento 2
- Quando uma mistura se comporta como
Percebemos que a segunda curva apresenta substância pura durante a fusão (ou seja, apresenta
uma característica marcante com respeito à primeira: patamar na fusão, como na curva (a)), ela é chamada
não há patamares de fusão e ebulição, e sim faixas em de mistura eutética. Um exemplo deste tipo de mistura
que elas ocorrem. Esta é a principal característica da é a liga utilizada para solda.
curva de aquecimento de uma mistura. Logo, confirma-
se de que se trata da mistura de água e sal. - Quando uma mistura se comporta como
substância pura durante a ebulição (ou seja, apresenta
Portanto, recapitulemos: patamar na ebulição, como na curva (b)), ela é
chamada de mistura azeotrópica. Um exemplo deste
Substância Pura: 2 patamares (Ponto de Fusão
tipo de mistura é o álcool de supermercado, já citado
e Ponto de Ebulição)
anteriormente.
Mistura: Não tem patamares. Apresenta faixas
de fusão e ebulição. 6 – SISTEMA HOMOGÊNEO OU
Logo se, durante o aquecimento, verificarmos HETEROGÊNEO?
que a temperatura pára de subir duas vezes, temos

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 131


Um sistema é definido como sendo uma Obs.: As misturas homogêneas também são
porção definida e limitada do universo, que será levada chamadas soluções.
em consideração para análise.
Uma fase de um sistema é toda porção
uniforme (visual, química e fisicamente) deste sistema.
Para entendermos melhor este conceito, analisemos
dois sistemas, mostrados na figura a seguir:

Fig. 13 - Álcool Etílico Hidratado: uma mistura homogênea


- Uma substância pura pode constituir um
sistema heterogêneo?
Sim, também! Basta pensarmos em um copo de
água com gelo. É um sistema de um único
componente: água. No entanto, apresenta duas fases
bem visíveis: água no estado sólido e água no estado
líquido.
- O ar atmosférico é uma mistura homogênea?
Sim! Por sinal, guarde essa informação: toda
mistura de gases é homogênea.
Fig. 12 – Observação de dois sistemas
- Uma mistura de sal e açúcar é homogênea?
Na figura, o sistema (a) é uma mistura de água Não! Apesar de apresentarem aparência
e areia e o sistema (b) é uma mistura de água e álcool. semelhante, constituem um sistema heterogêneo. Aliás,
Identifica-se no sistema (a) duas porções visualmente guarde esta outra informação: toda mistura entre
diferentes, enquanto no sistema (b) é impossível sólidos é heterogênea, exceto as ligas metálicas, tais
distinguir os dois componentes da mistura. como o bronze (mistura homogênea de cobre e
estanho), o latão (mistura homogênea de cobre e zinco)
Porém, não é apenas no aspecto visual que e o aço (mistura homogênea de ferro e carbono).
existe esta distinção. No sistema (a), as diferentes
porções têm propriedades diferentes, tais como
densidade, ponto de fusão, ponto de ebulição, dentre 7 – SEPARAÇÃO DE MISTURAS
outras. Já o sistema (b) apresenta as mesmas
propriedades físicas e químicas em toda a sua A ocorrência de substâncias puras na natureza
extensão. é rara. A grande maioria delas está presente em
misturas. Desde os tempos antigos, uma importante
Dizemos, portanto, o seguinte: área de estudo da química é a separação de misturas,
Sistema homogêneo é todo aquele que pois sempre houve o apelo de se obter substâncias
apresenta as mesmas propriedades em qualquer parte puras valiosas comercialmente de misturas baratas e
de sua extensão, ou seja, apresenta uma única fase (é fáceis de obter.
monofásico). Um exemplo deste tipo de sistema é a
mistura de água e álcool, mostrada na figura anterior. O que estudaremos são os principais processos
físicos de separação, os mais usados na indústria e nos
Sistema heterogêneo é aquele que apresenta laboratórios. Processos físicos são aqueles em que não
mais de uma fase, ou seja, que não conserva as há alteração na composição química da matéria, ou
mesmas propriedades em toda a sua extensão. Um seja, não há formação de novos compostos durante a
exemplo de sistema heterogêneo é a mistura de água e separação. Nos fenômenos físicos há mudança apenas
areia, a qual apresenta duas fases distintas. na forma, tamanho, aparência e estado (sólido, líquido,
Um sistema heterogêneo pode ser classificado gasoso) da matéria.
de acordo com o número de fases que ele apresenta.
Se apresentar duas fases, é dito bifásico; com três Apresentaremos os processos de separação
fases, o sistema é trifásico; com um número maior de divididos de acordo com que tipo de mistura ele se
fases, o chamamos polifásico. aplica. Desta forma, procuro dar destaque na sua
aplicação, e não somente no processo em si. Algumas
Perguntas: misturas necessitam de mais de um processo para
serem separadas.
- Uma mistura pode constituir um sistema
homogêneo?
Sim. Como exemplo, temos o caso do álcool
7.1 – Misturas homogêneas de sólidos (ligas)
hidratado de supermercado. É uma mistura homogênea
de álcool e água.  Fusão fracionada: a liga é aquecida até que o
primeiro sólido entre em fusão. Usando um termômetro,

132 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


verificamos a temperatura e reconhecemos esse
componente. O líquido é recolhido em outro recipiente,
resfriado e se solidifica. O processo continua até
separarmos todos os componentes da liga inicial. O
processo se baseia nos diferentes pontos de fusão
desses componentes.

Exemplo: separação do cobre e estanho no bronze.

Fig. 16 – Exemplo de peneiração


7.2 – Misturas heterogêneas de sólidos
 Levigação: separação por meio de uma
 Catação: separação manual dos sólidos. corrente de água de sólidos com densidades diferentes.
O sólido menos denso sobe e é arrastado pela
corrente, enquanto o mais denso fica no fundo do
recipiente.

Fig. 14 – Catadores de lixo nos lixões


Fig. 17 – Separação da areia do ouro nos garimpos de aluvião. O
 Ventilação: separação por meio de uma instrumento utilizado é a bateia
corrente de ar de sólidos com densidades diferentes.
Os sólidos pouco densos são arrastados pela corrente  Flotação: separação de sólidos com
enquanto os mais densos permanecem imóveis. densidades diferentes por meio de um líquido com
densidade intermediária. Os sólidos devem ser
Exemplo: separação das cascas de amendoim já insolúveis ao líquido. Após a adição do líquido, o sólido
descascadas pelo sopro. menos denso fica flutuando enquanto o mais denso
permanece no fundo do recipiente.
 Atração magnética: um imã separa metais dos
demais componentes da mistura.

Fig. 18 – Exemplo de flotação. O recipiente utilizado foi o béquer.

Fig. 15 – Limalha de ferro separado da areia por atração magnética  Dissolução fracionada: separação por
dissolução de um dos componentes em um líquido. O
 Tamisação ou peneiração: separação dos sólido solúvel se dissolve enquanto o insolúvel
sólidos por diferença de tamanho. A mistura passa por permanece sólido.
uma peneira que contém furos que retêm sólidos cujo
tamanho seja maior que desses furos. Exemplo: separação de sal de cozinha e areia.
Adiciona-se água. Somente o sal dissolve nela.
Exemplo: separação de areia e pedras nos canteiros de
obras.  Sublimação: usado quando um dos sólidos
sofre sublimação por aquecimento (iodo, naftalina). A
mistura é aquecida, um sólido sofre sublimação e em
seguida se cristaliza numa superfície.

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 133


Fig. 21 – Funil de Büchner e Kitassato são usados na filtração a
vácuo.

Fig. 19 – Separação por sublimação de areia e iodo  Sifonação: separa-se o líquido do sólido já
sedimentado por meio de um sifão, que retira líquido do
7.3 – Misturas heterogêneas de sólido-líquido recipiente com sólido depositado e coloca num outro
inicialmente vazio. Isso acontece devido a diferença de
 Filtração simples: a mistura passa por um pressão, pois o recipiente vazio é colocado numa altura
filtro. As partículas sólidas ficam retidas e o que passa menor que o recipiente da mistura. Pode ser usado
é apenas o líquido. também para retirar a camada de sedimentos ao retirar
o líquido do fundo (que arrasta esses sedimentos).
Exemplo: Filtração na preparação do café. Dissolve-se Inicia-se o fluxo no sifão por sucção.
o pó de café na água quente e passa a mistura num
filtro de papel. O pó de café que não dissolveu fica Exemplo: limpeza de piscina com uma mangueira.
retido nesse filtro, enquanto que a água com pó de café Retiram-se as sujeiras depositadas no fundo da piscina.
dissolvido escoa normalmente. O fluxo no sifão inicia-se com uma sucção que pode ser
feita pela boca.

Obs.: a sifonação também é utilizada para


separar misturas heterogêneas de líquido-líquido. O
processo é o mesmo, como mostrado na figura 22.

Fig. 20 – Exemplo de filtração simples

Fig. 22 – Separação de água e óleo por sifonação


Obs.: a filtração simples também é utilizada
para separar misturas heterogêneas de sólidos e
gases. O processo é o mesmo.  Decantação ou sedimentação: espera-se a
decantação da mistura em repouso. Se o sólido for
Exemplo: Os aspiradores de pó aspiram o ar sujo e faz mais denso, ele se depositará e formará uma camada
passar esse ar num filtro. O ar limpo sai do aspirador no fundo. Caso contrário, formará uma camada de
enquanto as partículas de sujeira ficam retidas no filtro. flutuando no líquido.

 Filtração a vácuo: acelera o processo de  Centrifugação: acelera o processo de


filtração. Utilizam-se instrumentos que reduzem a decantação. Coloca-se o recipiente que contém a
pressão no recipiente (Kitassato) que recebe o líquido mistura na posição horizontal e começa a girá-lo. Com
do filtro. Também é chamada de filtração por sucção, o movimento rotatório, as partículas mais densas são
pois a causa da pressão reduzida é a sucção do ar, que arremessadas no fundo do recipiente.
é feita por um aparelho chamado de trompa d’água,
que é ligado ao Kitassato por uma mangueira. Exemplo: separação da gordura do leite. Após a
centrifugação, a gordura forma uma camada que flutua
no líquido restante (leite desnatado).

134 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


7.4 – Misturas de sólidos dissolvidos em um 7.6 – Misturas homogêneas de líquidos
líquido (líquidos miscíveis)

 Cristalização fracionada: separação de  Destilação fracionada: a mistura é aquecida


diferentes sólidos dissolvidos em um líquido. Evapora- até que o primeiro líquido entre em ebulição. Usando
se uma parte do líquido até que um sólido (o menos um termômetro, verificamos a temperatura e
solúvel) seja cristalizado. reconhecemos esse componente. O vapor é resfriado e
condensado, sendo recolhido em outro recipiente. O
Exemplo: a evaporação da água do mar nas salinas processo continua até separarmos todos os
permite a cristalização de diversos sais, sendo que o componentes da mistura inicial. A destilação fracionada
último a cristalizar é o sal de cozinha. se baseia nos diferentes pontos de ebulição desses
componentes.
7.5 – Misturas homogêneas de sólido-líquido
Exemplo: separação dos diferentes derivados do
 Evaporação: a mistura é deixada em repouso petróleo na indústria petroquímica.
em uma grande área com pouca profundidade. O
líquido evapora e o sólido permanece. O líquido é
perdido nesse processo.

Exemplo: obtenção do sal de cozinha da água do mar


nas salinas.

Fig. 25 – esquema de montagem de uma destilação fracionada

7.7 – Misturas heterogêneas de líquidos


(líquidos imiscíveis)

 Decantação usando funil de Bromo (ou de


Fig. 23 – Evaporação da água do mar nas salinas separação): espera-se a decantação da mistura em
repouso até que o líquido mais denso esteja todo no
 Destilação simples: a mistura é aquecida até fundo do funil. Então, abre-se a torneira, esse líquido
que o líquido sofra ebulição. O líquido vaporiza e o mais denso escoa lentamente. Quando todo esse
sólido permanece. O vapor depois é resfriado e líquido sair, fecha-se a torneira, antes que o outro
condensado, sendo recolhido em outro recipiente. líquido comece a escoar também.
Exemplo: obtenção de água destilada (água pura).

Fig. 24 – Exemplo de destilação simples.

Fig. 26: Exemplo de decantação com funil de bromo

Sifonação: conforme já explicado em misturas


heterogêneas de sólido-líquido.

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 135


7.8 – Misturas heterogêneas de sólido-gás Dicas para o Vestibular
 Câmara de poeira ou chicana: o gás passa 1. Esse assunto cai com pouca freqüência nos
por uma câmara e segue um caminho com muitas vestibulares em geral. E cai sempre em
curvas, que retém algumas partículas sólidas devido à questões objetivas de primeira fase.
gravidade e ao choque desse gás com as paredes. 2. É mais importante conhecer o que tal processo
Conforme segue o caminho, o gás vai se purificando, o separa e o princípio físico no qual se baseia
que é evidenciado com uma quantidade cada vez (ex: diferentes pontos de ebulição) do que
menor de partículas sólidas retidas nas curvas como exatamente ele separa. Um exemplo: é
conforme o gás segue seu caminho. mais importante saber que a decantação com
funil de bromo separa misturas heterogêneas
de líquido-líquido por meio de densidades
diferentes que como separa exatamente.
3. Há questões que colocam em suas alternativas,
nomes que não tem relação com a matéria. O
importante é ter confiança em identificar esses
casos e não ficar preocupado em achar que
não estudou tal processo!
Fig. 27: Exemplo de câmara de poeira ou chicana
4. Em algumas questões, os mesmos processos
listados aqui podem vir com nomes diferentes.
 Filtração simples: conforme já explicado em Cuidado em identificá-los! Em outros casos,
misturas heterogêneas de sólido-líquido podem vir processos descritos de maneira
genérica. Por exemplo: separação de um sólido
7.9 – Misturas gasosas em um líquido pode ser chamada
genericamente de extração do sólido.
 Liquefação fracionada: A mistura é esfriada 5. Muitas misturas apresentam várias fases. O
até que se torne líquida. A seguir, é feito uma importante é analisar o que você quer separar e
destilação fracionada. do que. Exemplo: Líquido contendo dois sólidos
em suspensão. Se você quer separar os
Exemplo: separação dos gases que compões o ar seco. sólidos, não necessariamente você precisa
Esses gases separados têm grande valor comercial. separar um sólido do líquido.
6. Sempre analisar com cuidado o enunciado. Ele
 Adsorção: utiliza-se da capacidade de algumas pode ajudar muito na resolução das questões.
substâncias de reter gases em sua superfície. Isso se 7. O ENEM gosta bastante de relacionar a matéria
dá devido a presença de poros nessa superfície como com o dia-a-dia. Então, segue alguns tópicos
mostrado na figura 28. Desta forma, retiramos o gás do importantes que podem ser cobrados.
resto da mistura gasosa.
Purificação da água em uma estação de
Exemplo: nas máscaras de gás, são usadas tratamento
substâncias que adsorvem gases venenosos.
Nessas estações, ocorrem processos químicos e
físicos de separação. Basicamente são cinco etapas:

 Floculação: adiciona-se sulfato de alumínio


(Al2(SO4)3), que faz com que as impurezas se juntem
formando flocos. Adiciona-se também cal (CaO) para
neutralizar a acidez do sulfato de alumínio.
 Decantação ou sedimentação: os flocos
formados são bem mais pesados que as impurezas
separadamente, contribuindo para que haja decantação
mais eficiente dos mesmos.
 Filtração: a água é filtrada.
 Desinfecção: adiciona-se cloro (Cl2), que
esteriliza a água.
 Fluoretação: no Brasil, adiciona-se flúor (F2),
Fig. 28 – Adsorção de gases no carvão ativado
pois uma proporção adequada de flúor na água ajuda
na prevenção das cáries.

136 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


extração, que não está errado, pois se trata da extração
da cafeína (ver dica 4). Ficamos então com a extração.
Obs.: a agitação no processo é importante, pois o
dicloroetano é imiscível em água. Somente com a
agitação, o dicloroetano consegue dissolver a parte
orgânica da bebida.
Quanto ao outro processo o cuidado aqui é não
confundir com ebulição, devido à destilação realizada.
O trecho “... recebendo-se os seus vapores em uma
superfície fria, em que a cafeína deve cristalizar.” deixa
explícito o processo de sublimação.
Logo, a alternativa correta é a letra D. Trata-se
de uma excelente questão, difícil e que não há
imprecisões quanto à interpretação.
Fig. 29 – Estação de tratamento de água
Exercício Resolvido 2:
Ozonizador
(UERJ) São preparadas três misturas binárias em um
Alguns filtros domésticos utilizam a eletricidade laboratório, descritas da seguinte maneira:
para produção de ozônio (O3) a partir do oxigênio (O2). 1ª mistura: heterogênea, formada por um sólido e um
O ozônio é muito eficiente na esterilização da água. líquido
2ª mistura: heterogênea, formada por dois líquidos
Exercício Resolvido 1: 3ª mistura: homogênea, formada por um sólido e um
líquido
(Unifesp) Para se isolar a cafeína (sólido, em condições Os processos de separação que melhor permitem
ambientais) de uma bebida que a contenha (exemplos: recuperar as substâncias originais são,
café, chá, refrigerante etc), pode-se usar o respectivamente:
procedimento simplificado seguinte. a) Filtração, decantação, destilação simples
“Agita-se certo volume da bebida com dicloroetano e b) Decantação, filtração, destilação simples
deixa-se em repouso algum tempo. Separa-se, então, a c) Destilação simples, filtração, decantação
parte orgânica, contendo a cafeína, da aquosa. Em d) Decantação, destilação simples, filtração
seguida, destila-se o solvente e submete-se o resíduo
da destilação a um aquecimento, recebendo-se os seus Resolução:
vapores em uma superfície fria, em que a cafeína deve Aí está evidenciado a importância de conhecer
cristalizar.” o tipo de mistura para qual determinado processo se
Além da destilação e da decantação, quais operações aplica (dica 2). Basta saber isso. De acordo com o que
são utilizadas no isolamento da cafeína: já foi explicado na teoria, vemos que a alternativa
a) Flotação e ebulição correta é letra A.
b) Flotação e sublimação
c) Extração e ebulição Exercício Resolvido 3:
d) Extração e sublimação
e) Levigação e condensação (UFJF-MG) Considere uma amostra de água do mar,
previamente filtrada, que foi submetida ao processo de
Resolução: destilação. Assinale a alternativa correta:
Primeiramente, a fim de aprendizado, vamos a) Após a destilação, a água colhida no frasco
identificar a destilação e a decantação. receptor continua salgada
Destilação: “Em seguida, destila-se o solvente e b) Em vez de usar o processo de destilação,
submete-se o resíduo...”. poderíamos ter usado o processo de
Decantação: “... deixa-se em repouso algum tempo.”
decantação para separar o sal presente na
Para resolução da questão, vamos identificar os
demais processos. Logo no início, o enunciado fala da água do mar
cafeína como um sólido em condições ambientais. O c) A água do mar constitui uma mistura
dicloroetano é um solvente apolar que dissolve melhor homogênea antes da destilação
a parte orgânica do café que a água. Isso está implícito d) Após o processo de destilação, o líquido
no enunciado (dica 6), pois ele diz que depois da recolhido é uma mistura heterogênea
adição do dicloroetano acontece a decantação, logo, a e) Em vez de usar o processo de destilação,
mistura era heterogênea depois da adição para poder
poderíamos ter usado o processo de filtração
decantar.
Não conseguimos identificar exatamente um para separar o sal presente na água do mar
processo de separação nesse caso, mas sabemos que
não é flotação nem levigação. Flotação e levigação se
aplicam a misturas heterogêneas de sólidos! Sobrou a

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 137


Resolução: - Átomos de um mesmo elemento possuem a
Alternativa A: Falso. A água colhida no frasco é mesma massa. Logo, átomos de elementos diferentes
água destilada (pura), logo não é salgada. possuem massas diferentes.
Alternativa B: Falso. A destilação separa
- Um composto químico é formado pela
misturas homogêneas de sólido-líquido (no caso da
combinação de átomos de dois ou mais elementos em
água do mar) e a decantação separa apenas misturas
uma proporção fixa.
heterogêneas de sólido-líquido.
Alternativa C: Verdadeiro. Se o processo é Dalton acreditava que o átomo era uma esfera
usado é a destilação, logo a água do mar previamente maciça, homogênea, indestrutível, indivisível e de carga
filtrada é uma mistura homogênea (novamente a dica elétrica neutra. Uma comparação clássica permite dizer
2). que o átomo de Dalton é como uma bola de bilhar:
Alternativa D: Falso. Após o processo de maciça e esférica.
destilação, o líquido colhido é a água destilada, uma
substância pura.
Alternativa E: Falso. Basta notar que a água do
mar já é previamente filtrada (como diz no enunciado,
dica 6). O processo de filtração separa misturas
heterogêneas de sólido-líquido (a dica 2 continua
valendo) não se aplicando o caso.

8 – MODELOS ATÔMICOS
Fig. 30 – Bola de Bilhar: comparação com o átomo de Dalton
Neste momento, daremos uma olhada na
evolução dos estudos de modelos atômicos clássicos, O modelo de Dalton contribuiu muito para o
para que sejamos capazes de compreender do que é desenvolvimento da Química no século XIX. No
formada a matéria. Não avançaremos muito nestes entanto, juntamente com o desenvolvimento da ciência,
estudos, os quais serão retomados com profundidade foram aprimorados experimentos que evidenciaram
durante o ano. falhas na teoria, as quais exigiam novas explicações e
novas teorias. Assim, surgiu o modelo atômico de
Um modelo é uma representação da realidade, Thomson.
uma idéia utilizada pelos cientistas para uma
compreensão dos fenômenos naturais. De acordo com 7.2 – O Átomo de Thomson
as descobertas da ciência, os modelos sofrem
O físico inglês J.J. Thomson conduziu uma
alterações para que continuem representando a
série de experimentos com tubos de raios catódicos, os
realidade da melhor forma possível. Tendo isso em
quais serão detalhados durante o Extensivo. Tais
mente, analisemos rapidamente os modelos atômicos
experimentos permitiram que, em 1898, ele descobrisse
clássicos.
o elétron: uma partícula menor que o átomo, dotada de
Já no século V a.C., os filósofos gregos Leucipo carga elétrica negativa.
e Demócrito acreditavam que a matéria era constituída
Tal experimento rendeu o Prêmio Nobel de
de pequenas partículas indivisíveis: os átomos (do
Física à Thomson e rompeu com a crença de que o
grego indivisível). Em 1803, o cientista John Dalton
átomo é uma partícula indivisível.
retomou esta ideia:
Segundo o modelo atômico proposto por
7.1 – O Átomo de Dalton Thomson, em 1904, o átomo é formado por uma esfera
de carga positiva na qual os elétrons estaria imersos. A
Após o Renascimento Cultural, muitas questões
comparação clássica com esta teoria é de que o átomo
científicas vieram à tona, e, para encontrar explicações
seria como um pudim de passas, em que o pudim
para muitas perguntas sem resposta, os pensadores da
representa a massa de carga positiva, enquanto as
época recorriam aos sábios da antiguidade clássica.
passas incrustradas na massa seriam os elétrons.
É neste contexto em que John Dalton retoma a
referência de Demócrito e Leucipo e cria a primeira
teoria atômica, a fim de explicar uma série de
fenômenos observados no comportamento da matéria.
Esta teoria atômica pode ser expressa por
algumas conclusões:
- Toda matéria é formada por partículas
fundamentais indivisíveis, chamadas de átomos.
- Durante as reações químicas, os átomos não
podem ser criados ou destruídos. Eles são
permanentes (apenas se recombinam).

Fig. 31 – Representação do Átomo de Thomson

138 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


O modelo de Thomson foi extremamente
importante ao reconhecer a divisibilidade do átomo e a
reconhecer a natureza elétrica da matéria, o que abriu
caminho para a crescente ciência do eletromagnetismo.
Como a ciência não para, novas observações,
descobertas e experiências impelem o homem a
procurarem novas experiências e novas teorias, para, a
seguir, fazer novas descobertas e assim por diante.
Dessa forma, uma série de novos fatos
colocava em questionamento o modelo de Thomson.
Os principais deles foram:
- Descoberta da Radioatividade, por Henri
Becquerel;
- Descoberta do Raio-X, por Wilhelm Röntgen;
- Descoberta do Próton, por Eugen Goldstein;
- Cálculo da carga elétrica do Elétron, por
Robert Millikan. Fig. 32 – Experiência de Rutherford, Geiger e Marsden

7.3 – O Átomo de Rutherford Unindo tais conclusões, Rutherford foi capaz de


O cientista neozelandês Ernst Rutherford descobrir a existência do núcleo atômico, pequeno,
trabalhava no laboratório chefiado por J.J. Thomson denso e eletricamente positivo. O restante do átomo (o
quando estudava radioatividade no início do século XX. “vazio”) é composto pela chamada eletrosfera, onde se
Um experimento realizado por Rutherford e encontram os elétrons.
seus orientados Geiger e Marsden em 1911 permitiu Assim, Rutherford criou o seu modelo atômico,
uma série de descobertas que mudariam também chamado de modelo planetário, por ser
completamente os modelos atômicos. semelhante ao Sistema Solar: o núcleo, de carga
Protegida por um invólucro de chumbo, uma elétrica positiva, representaria o Sol e os elétrons
fonte radioativa emite pequenas partículas de carga seriam os planetas, girando em órbitas circulares e
elétrica positiva, denominadas partículas alfa. Tais formando a eletrosfera, caracterizando a neutralidade
partículas bombardeiam uma finíssima lâmina de ouro, total do átomo.
a qual é cercada por uma parede revestida de uma tela
fluorescente de sulfeto de zinco (ZnS), que cintila a
cada choque, mostrando a trajetória das partículas.
As observações feitas durante o experimento
levaram Rutherford a tirar uma série de conclusões:
- A maior parte das partículas alfa atravessava
a lâmina sem sofrer desvios, o que leva ao fato de que
a maior parte do átomo deve ser vazia.
- Poucas partículas alfa não atravessavam a
lâmina de ouro e retornavam. Logo, deve existir no
átomo uma pequena região onde está concentrada sua
massa (o núcleo).
- Algumas partículas alfa sofriam desvios de
trajetória ao atravessar a lâmina. Portanto, o núcleo do
átomo deve ter carga positiva, o que provoca uma Fig. 33 – Representação do Modelo Atômico de Rutherford
repulsão nas partículas alfa, também positivas.
A fim de trazer para nosso cotidiano a ideia
defendida pelo modelo atômico de Rutherford, é feita a
seguinte comparação: se o átomo fosse do tamanho do
estádio Maracanã, o núcleo atômico seria uma formiga
no centro do campo.
A ciência não parou por aí. A Física Quântica
tomava corpo e alguns fenômenos não eram explicados
pelo modelo atômico de Rutherford. Foi aí que surgiu a
figura de Niels Bohr, o qual modificou o modelo atômico
de Rutherford para se adequar às novas descobertas
da física e da química. No entanto, nossos estudos

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 139


sobre a evolução dos modelos atômicos ficarão por Revisitemos agora o conceito de elemento
aqui neste nivelamento. químico:
Elemento Químico é o conjunto formado por
9 – PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO átomos de mesmo número atômico.
ÁTOMO Dessa forma, o número atômico é a identidade
de um elemento químico. Atualmente conhecemos mais
8.1 – Partículas Subatômicas de 110 elementos químicos, entre naturais e artificiais.
A cada elemento químico corresponde um número
Existe um ramo da Física chamado Física de
atômico que o identifica.
Partículas, o qual permitiu a descoberta de centenas de
partículas subatômicas (menores que o átomo) desde a
descoberta do elétron. No entanto, três delas são
8.3 – O Número de Massa (A)
relevantes para o estudo da química fundamental: Número de Massa (A) é a soma do número de
elétrons, prótons e nêutrons. prótons (Z) e do número de nêutrons (n) presentes no
núcleo de um átomo.
Os nêutrons foram descobertos em 1932 por
James Chadwick. Eles não possuem carga elétrica e
compõem o núcleo atômico juntamente com os prótons. A Z n
A tabela a seguir resume as características de É o número de massa quem nos informa se um
carga e massa relativas entre as partículas átomo é mais “leve” ou mais “pesado” que outro átomo.
subatômicas principais: Ele representa a massa aproximada do átomo, já que
os elétrons são partículas de massa muito menor do
que dos prótons e nêutrons, não tendo influência
significativa na massa dos átomos.
Exemplo
Cálcio: Z = 20 (20 prótons e 20 elétrons);
Tab. 2 – Massa e Carga das partículas subatômicas A = 40 (20 prótons e 20 nêutrons)

Para entendermos melhor essa tabela, Cloro: Z = 17 (17 prótons e 17 elétrons);


verificamos que próton e nêutron possuem A = 35 (17 prótons e 18 nêutrons)
aproximadamente a mesma massa. No entanto, o Sódio: Z = 11 (11 prótons e 11 elétrons);
próton é 1836 vezes mais pesado que o elétron. A = 23 (11 prótons e 12 nêutrons)
Mesmo sendo mais leve que o átomo, o elétron possui
carga elétrica capaz de anular a carga elétrica de um
próton. 8.4 – Representação do Elemento Químico
De acordo com a IUPAC (sigla em inglês da
8.2 – O Número Atômico (Z) União Internacional de Química Pura e Aplicada), ao
Em 1913, ao realizar experiências de representar um elemento químico, devem-se indicar,
bombardeamento de vários elementos químicos com junto ao seu símbolo, seu número atômico e seu
raios X, o cientista Henry Moseley (aluno de Rutherford) número de massa. Uma forma esquemática dessa
percebeu que o comportamento de cada elemento representação é a seguinte:
químico estava relacionado com a quantidade de
A
cargas positivas existentes no seu núcleo.
Z X ou Z XA
Assim, deduziu que a carga do núcleo, ou seja,
seu número de prótons é a grandeza que caracteriza
Na representação, Z é o número atômico, A é o
cada elemento. Este número recebe o nome de
número de massa e X é o símbolo que representa o
número atômico, cujo símbolo é a letra Z.
elemento químico.
Número Atômico (Z) é o número de prótons Exemplo
existentes no núcleo de um átomo.
35 35
Como os átomos são eletricamente neutros, o Elemento Cloro: 17 Cl ou 17 Cl
número de prótons é igual ao número de elétrons.
40 40
Desse modo, conhecendo o número atômico (Z), Elemento Cálcio: 20 Ca ou 20 Ca
saberemos tanto o número de prótons como o de
elétrons.
8.5 – Íons
Exemplo
Um átomo, em seu estado normal, é
Cálcio: Z = 20 (20 prótons e 20 elétrons) eletricamente neutro, ou seja, o número de elétrons na
Sódio: Z = 11 (11 prótons e 11 elétrons) eletrosfera é igual ao número de prótons do núcleo, e,
em consequência, suas cargas se anulam.

140 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


Um átomo pode, porém, ganhar ou perder elétron é desprezível. Saberemos o porquê dessas
elétrons da eletrosfera, sem sofrer alterações em seu mudanças de tamanho dos átomos no Extensivo.
núcleo, resultando daí partículas denominadas íons.
Quando um átomo ganha elétrons, ele se torna 10 – SEMELHANÇAS ATÔMICAS
um íon negativo, já que não há mais equilíbrio de
Examinando o número de partículas
cargas, havendo mais cargas negativas do que
subatômicas de diferentes átomos, podemos encontrar
positivas. Neste caso, o íon formado é chamado de
conjuntos de átomos com um ou outro número igual. A
ânion.
partir daí, surgiram alguns novos conceitos que agora
iremos definir:
Exemplo
Na figura 18, o átomo normal de cloro,
0
9.1 – Isótopos
representado por Cl , tem 17 prótons, 17 elétrons e 18
nêutrons. Ele pode ganhar um elétron e transformar-se Isótopos são átomos com mesmo número de
-
em ânion cloreto, representado por Cl , que terá 17 prótons (Z) e diferentes números de massa (A).
prótons, 18 elétrons e 18 nêutrons. Conclui-se facilmente que os isótopos são
átomos de um mesmo elemento químico, mas que
possuem diferentes números de nêutrons, resultando
daí números de massa diferentes.
Exemplo

Isótopos de hidrogênio

Fig. 34 – Formação de um ânion


Isótopos de oxigênio
Quando um átomo perde elétrons, ele se torna
um íon positivo, já que o equilíbrio de cargas é
quebrado, havendo mais cargas positivas do que Obs.: Para gravar, isótoPos tem o mesmo
negativas. Neste caso, o íon formado é chamado de
cátion. número de Prótons.

Na figura 19, o átomo normal de cálcio, 9.2 – Isóbaros


0
representado por Ca , tem 20 prótons, 20 elétrons e 20 Isóbaros são átomos com diferentes nomes de
nêutrons. Ele pode perder 2 elétrons e transformar-se prótons (elementos químicos diferentes), mas que
2+
em cátion cálcio, representado por Ca , que terá 20 possuem o mesmo número de massa (A).
prótons, 18 elétrons e 20 nêutrons.
Exemplo

Isóbaros

Isóbaros

Obs.: Para gravar, isóbAros tem o mesmo


número de massa (A).

9.3 – Isótonos
Fig. 35 – Formação de um cátion Isótonos são átomos que possuem diferentes
números atômicos, diferentes números de massa,
porém mesmo número de nêutrons (N).
Obs.: Verifique que, quando um átomo ganha Exemplo
elétrons, seu tamanho aumenta; quando ele perde
elétrons diminui de tamanho; mas, em ambos os casos,
sua massa praticamente não se altera, pois a massa do isótonos

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 141


Sabemos que A  Z  n . Logo, n  A  Z . Exemplo
Assim: Se você vai no mercado comprar queijo, você
pede 300g ou 0,0003 t do produto?
- Cloro: n  A  Z  n  37 17  20
A distância entre São José dos Campos e
- Cálcio: n  A  Z  n  40  20  20 Caraguatatuba é melhor expressa como 84 km ou 84
000 000 mm?
Obs.: Para gravar, isótoNos tem o mesmo
Outra pergunta pertinente seria: e como são
número de Nêutrons. estabelecidas as unidades e medidas? Medir uma
grandeza significa compará-la com outra de mesma
9.4 – Isoeletrônicos espécie, tomada como unidade (padrão).
Exemplo
Isoeletrônicos são átomos ou íons que
possuem diferentes números atômicos, mas que O quilograma é definido como a massa
apresentam mesmo número de elétrons. equivalente a um padrão feito de um composto de
platina e irídio que fica no Escritório Internacional de
Este fenômeno só é possível quando
Pesos e Medidas, localizado na França desde 1889.
comparamos um átomo neutro e um íon, ou íons entre
si. Para descobrirmos o número de elétrons em um íon, Uma jarda foi definida pelo rei Henrique I da
seguimos o esquema: Inglaterra como a distância entre o seu nariz e o
polegar com braço estendido.
Seja o íon:

Q Agora vamos focar naquilo que nos interessa.


Z X Como medir a massa de um átomo?
Para medirmos a massa de um átomo de forma
Onde Q é a carga elétrica do íon e Z o número
apropriada, criou-se a Unidade de Massa Atômica
atômico. Então o número de elétrons é dado por:
(U.M.A. ou, simplesmente, u).

e  Z Q A Unidade de Massa Atômica é definida como


sendo a massa de 1/12 do isótopo 12 do átomo de
carbono.
Exemplo

56 Ba 2 : e  Z  Q  e  56  (2)  54
54 Xe0 : e  Z  Q  e  54  0  54

53 I  : e  Z  Q  e  53  (1)  54
Portanto, os três exemplos dados são
isoeletrônicos.

Obs.: Para gravar, isoEletrônicos tem o mesmo


número de Elétrons.
Agora que temos uma ideia da composição da
Fig. 36 – Representação da Unidade de Massa Atômica
matéria, podemos começar a trabalhar com algumas
questões mais elaboradas, tais como: Como calcular a A partir da definição do padrão, medir as
massa de átomos e de moléculas? massas dos átomos é simplesmente compará-las com
o padrão estabelecido.
11 – A UNIDADE DE MASSA ATÔMICA Assim, dizer que o átomo de sódio tem massa
igual a 23 u significa dizer que a massa de um átomo
É muito importante para o conhecimento de sódio é 23 vezes maior do que a massa de 1/12 do
humano que sejamos capaz de realizar medições sobre átomo de carbono-12.
nossos objetos de estudo. Se queremos medir
comprimento, por exemplo, há várias unidades
disponíveis: quilômetros, metros, polegadas,
milímetros, dentre outras. Escolhemos a unidade mais
apropriada para cada situação, para que o resultado
não gere números que fogem da nossa percepção.

142 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


12 – MASSA ATÔMICA. MASSA Na verdade, para o cálculo de massa de uma
molécula, também usamos a unidade de massa
MOLECULAR atômica, já que ela continua sendo apropriada para tais
medidas.
Massa Atômica é a massa do átomo medida Massa Molecular é a massa de uma molécula
em unidades de massa atômica (u). medida em unidades de massa atômica.
Ainda, se todos os átomos de um mesmo Ela é calculada de forma simples. Uma
elemento tivessem a mesma massa, como previa molécula é composta de átomos. Portanto, sua massa
Dalton, seria simples medir a massa atômica. No é a soma das massas dos átomos que a constituem.
entanto, agora sabemos da existência de diferentes
isótopos, o que obrigou os químicos a calcularem a Exercício Resolvido 6
massa atômica pela média ponderada entre as massas
dos átomos de um elemento, levando-se em A molécula de água é composta por dois
consideração suas porcentagens de ocorrência na átomos de hidrogênio e um átomo de oxigênio,
natureza. representada pela fórmula H2O. Dado que a massa
atômica do hidrogênio é 1 u e a massa atômica do
Exercício Resolvido 4 oxigênio é 16 u, calcule a massa molecular da água.
O elemento químico Cobre possui dois isótopos M água  2.M hidrogênio  M oxigênio  2.1u  1.16u  18u
na natureza: o cobre-63 e o cobre-65. Dado que 75%
do cobre existente na natureza correspondem ao Vejamos mais alguns exemplos de cálculo de
isótopo cobre-63, qual é a massa atômica do cobre? massa molecular:
Resolução: - gás carbônico (CO2):
75.63  25.65 M CO2  M C  2M O  1.12u  2.16u  44u
M cobre   63,5u
100 - ácido sulfúrico (H2SO4):

Obs.: Não confunda massa atômica com M H 2 SO4  2.M H  1.M S  4.M O 
número de massa!!!
 2.1u  1.32u  4.16u  98u
Como já vimos, o número de massa é a soma
do número de prótons e nêutrons de um átomo. É - pirofosfato de sódio (Na4P2O7):
sempre um número inteiro.
M Na4 P2O7  4.M Na  2.M P  7.M O 
E, como vimos, a massa atômica pode ser um
número fracionário, dado que é a média ponderada  4.23u  2.31u  7.16u  266u
entre as massas dos isótopos do elemento químico
encontrados na natureza. - sulfato de alumínio (Al2(SO4)3)

Exercício Resolvido 5 M Al2  SO4   2.M Al  3.M S  12.M O 


3

O elemento químico neônio possui três isótopos  2.27u  3.32u  12.16u  342u
com abundâncias consideráveis na natureza: o isótopo
20 21
10 Ne , com 90,92% de abundância, o isótopo 10 Ne ,
13 – O NÚMERO DE AVOGADRO E O
com 0,26% de abundância, e o isótopo Ne22 com
10 CONCEITO DE MOL
8,82% de abundância. Sendo assim, qual a massa
atômica do neônio?
Resolução: 13.1 – O Número de Avogadro
Perceba que temos três tipos de átomo de Nossos estudos até agora permitiram que
neônio: um com número de massa igual a 20, um com sentíssemos a necessidade de criar uma nova unidade
número de massa igual a 21 e outro com número de de medida de massa para os átomos e moléculas, a fim
massa igual a 22. Agora, para o cálculo de massa de realizar estudos e comparações pertinentes. A
atômica, temos: massa de um único átomo é muito pequena se medida
nas unidades convencionais, como o grama.
90,92.20  0, 26.21  8,82.22
M neônio   20,179u A questão agora diz respeito ao seguinte:
100 quantos átomos são necessários para que sua massa
seja considerável e perceptível a um aparelho? Durante
E para o caso de uma molécula, como calcular muitos anos, químicos e físicos se dedicaram a essa
a sua massa? Será que precisamos criar uma nova questão.
unidade para essa medida? O cientista italiano Amedeo Avogadro (1776-
1856) foi o primeiro a demonstrar matematicamente

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 143


que uma amostra de uma substância com massa em Exercício Resolvido 7
gramas numericamente igual à sua massa atômica (ou
molecular), apresenta sempre o mesmo número de Calcule a massa, em gramas, de um átomo de
átomos (ou moléculas). magnésio, cuja massa atômica corresponde a 24u.
Resolução:
Podemos resolver o problema por meio de
regra de três, lembrando que se a massa atômica do
23
magnésio é 24u, então 6,02.10 átomos de magnésio
equivalem a 24g.
átomos massa
6,02.1023 24g
1 x
Daí, calcula-se a massa de um átomo:
24
6, 02.1023 x  24 g  x  g
6, 02.1023
Fig. 37 – Amadeo Avogadro
x  3,99.1023 g
Exemplo
- Se tomamos uma amostra de 27g de alumínio Este exemplo mostra o quanto seria
Al), cuja massa atômica é 27u, esta amostra conterá N desinteressante trabalhar a massa de um átomo com
átomos de alumínio. unidades convencionais como o grama.

- Uma amostra com 23g de sódio (Na), cuja


massa atômica é 23u, contém N átomos de sódio. 13.2 – O Mol
- 18g de água (H2O), cuja massa molecular é Em nosso cotidiano, compramos, vendemos e
18u, contém N moléculas de água. contamos coisas indicando sua massa (por exemplo,
- 98g de ácido sulfúrico (H2SO4), de massa 2kg de açúcar), seu volume (2 litros de refrigerante) ou
molecular 98u, contém N moléculas do respectivo ainda seu número de unidades.
ácido.

Este valor citado no exemplo como N é


denominado constante de Avogadro, ou, simplesmente,
número de Avogadro. Seu valor é dado por:

N  6, 02.1023
Podemos dizer que o número de Avogadro é Figura 38 – (a) uma dúzia (12 unidades) de ovos; (b) uma resma
uma espécie de fator de conversão de unidade de (500 unidades) de papel
massa atômica (u) para grama (g):
Outras unidades comuns diariamente são a
dezena (10 unidades), a centena (100 unidades),
dentre outras, como a grosa (144 unidades).
Assim como uma dúzia são 12, uma resma são
23
500, temos que um mol são 6,02.10 unidades de
alguma coisa. É abstrato tentar entender dessa forma,
já que dúzia, centena e dezena são quantidades que
não fogem à nossa percepção, enquanto o mol é um
número extremamente grande.
De acordo com a IUPAC e com o sistema
internacional de medidas, o mol é adotado como
unidade oficial de quantidade de matéria e é definido da
seguinte forma:
O Mol é a quantidade de matéria de um
sistema que contém tantas entidades elementares
quantos são os átomos existentes em 12 gramas de
carbono-12.

144 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


Assim, o mol corresponde a um número de Resolução:
Avogadro de unidades.
Primeiramente, calculemos a massa molecular
Exemplos do gás carbônico:
23
- 1 mol de átomos de hidrogênio = 6,02.10 M CO2  M C  2M O  1.12u  2.16u  44u
átomos de hidrogênio;
- 1 mol de moléculas de água = 6,02.10
23 Agora, sabemos que um mol de moléculas de
23
moléculas de água. gás carbônico (6,02.10 moléculas) corresponde a
44g.
Daí, podemos calcular o que foi pedido:
13.3 – Massa Molar
A massa molar (M) é a massa correspondente
mols massa
23
a um mol (6,02.10 unidades) de entidades (átomos, 1 44g
moléculas, íons, etc.).
x 308g
A unidade de massa molar é grama/mol (g/mol).
308
Vejamos alguns exemplos: 44 x  308  x   x  7 mols
44
Exemplos
 O mercúrio (Hg) tem massa atômica igual a Exercício Resolvido 9
200u. Assim, temos o seguinte:
Qual o número de mols de moléculas existentes
em uma amostra de massa m de uma dada substância
cuja massa molar é igual a M?
Resolução:
De acordo com o mesmo raciocínio do exercício
anterior, temos:

mols massa
Portanto, verifique que a massa molar de
mercúrio, ou seja, a massa de um mol de átomos de
1 M
mercúrio, é igual a 200g. n m
 O carbonato de cálcio (CaCO3) tem massa
molecular igual a 100u, já que a massa atômica do Portanto, chegamos à seguinte relação:
cálcio é 40u, a massa atômica do carbono é 12u e a
massa atômica do oxigênio é 16u. Assim, temos:
m
n
M
Esta fórmula é extremamente importante e terá
muita aplicação daqui pra frente.

Exercício Resolvido 10

Logo, a massa molar do carbonato de cálcio é Considere um copo contendo 90g de água
igual a 100g. (M=18 g/mol). Determine:
É extremamente importante perceber aqui a a) o número de mols de moléculas de água;
diferença entre massa molecular e massa molar. b) o número de moléculas de água;
Relembremos: c) o número de átomos de oxigênio;
d) o número de átomos de hidrogênio;
Massa molecular é a massa de uma molécula, e) o número total de átomos.
que é algo pequeno, expressa em unidades de massa
atômica (u). Resolução:
23 a) Utilizemos a fórmula aprendida
A massa molar é a massa de 6,02.10
moléculas, dada em gramas. recentemente:
m 90 g
Exercício Resolvido 8 n n  n  5 mols
M 18 g mol
Qual o número de mols de moléculas existentes
em 308g de gás carbônico (CO2)?

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 145


b) Façamos a seguinte regra de três: 4. Assinale qual das misturas a seguir é sempre um
sistema homogêneo nas condições ambientes:
mols moléculas
a) água e óleo de milho.
1 6.1023 b) oxigênio e nitrogênio.
5 x c) água e gasolina.
d) álcool etílico e areia.
e) água e serragem.
x  5.6.1023  30.1023  x  3.1024 moléculas
c) Verificamos que cada molécula de água 5. Aço, etanol e ozônio são, respectivamente:
24
(H2O) tem um átomo de oxigênio. Assim, se há 3.10
24 a) substância composta, azeotrópico e substância
moléculas de água, então há 3.10 átomos de
simples.
oxigênio. b) substância composta, mistura e substância simples.
d) Cada molécula de água (H2O) tem 2 átomos c) mistura, substância composta e substância simples.
de hidrogênio. Portanto: d) mistura, substância simples e substância composta.
e) eutético, azeotrópico e substância simples.
moléculas de H 2O átomos de H
6. A camada de ozônio (O3) que protege a vida na Terra
1 2 da incidência dos raios ultravioleta é produzida na
atmosfera superior pela ação de radiação solar de alta
3.1024 x energia sobre moléculas de gás oxigênio (O2). Assinale
a alternativa correta:
x  2.3.1024  x  6.1024 átomos de H a) O ozônio e o oxigênio são alótropos.
b) O ozônio e o oxigênio são isótopos.
e) O total de átomos é a soma dos números de c) O ozônio e o oxigênio são isômeros.
átomos de hidrogênio e oxigênio. Assim, somando as d) O ozônio e o oxigênio são moléculas isoeletrônicas.
respostas dos itens c) e d), temos que há um total de e) O ozônio e o oxigênio tem números atômicos
24
9.10 átomos. diferentes.

7. Observe o gráfico:
EXERCÍCIOS PROPOSTOS

Nível I

1. O número de substâncias simples dentre as


substâncias de fórmulas: O3, H2O, Na, P4, CH4, CO2 e
Co, é:
a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) 7
2. Considerando-se a reação:

C  H 2O  CO  H 2
Entre reagentes e produtos estão presentes:
a) 2 substâncias simples e 2 compostas. Assinale (V) ou (F) em cada afirmativa a seguir:
b) 1 substância simples e 3 compostas. ( ) O gráfico representa a curva de aquecimento de
c) 3 substâncias simples e 1 composta. uma mistura eutética.
d) 4 substâncias simples. ( ) A temperatura de fusão do sistema é variável.
e) 4 substâncias compostas. ( ) O sistema tem mais de uma fase no instante t3.
( ) A temperatura de ebulição do sistema é constante.
3. Os fulerenos são formas alotrópicas do elemento
químico carbono. Outras formas alotrópicas do carbono A sequência correta é:
são: a) F; V; V; V. b) F; V; F; F. c) V; F; F; V.
a) isótopos de carbono-13. d) V; F; V; F. e) V; F; V; V.
b) calcáreo e mármore.
c) silício e germânio. 8. Os diferentes tipos de matéria podem ser
d) monóxido e dióxido de carbono. classificados em dois grupos: substâncias puras e
e) diamante e grafite. misturas. As substâncias puras podem ser simples ou
compostas.
Considerando-se esse modo de classificação, pode-se
afirmar:

146 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


(01) O ar atmosférico é uma substância pura. 15. (Cesgranrio-RJ) Numa das etapas do tratamento da
(02) A água é uma substância simples. água que abastece uma cidade, a água é mantida
(04) O sangue é uma mistura. durante um certo tempo em tanques para que os
(08) Uma solução de açúcar é uma mistura. sólidos em suspensão se depositem no fundo. A essa
(16) O oxigênio e o ozônio são substâncias distintas, operação denominamos:
embora constituídas por átomos de um mesmo a) Filtração
elemento químico. b) Sedimentação
(32) A matéria que contém três tipos de moléculas c) Sifonação
diferentes é uma substância pura.
d) Centrifugação
(64) A substância pura que contém apenas um tipo de
molécula formada por dois átomos diferentes é uma e) Cristalização
substância simples.
16. (MACK-SP) Uma técnica usada para limpar aves
Soma: ( ) cobertas por petróleo consiste em pulverizá-las com
limalhas de ferro. A limalha que fica impregnada de
9. Bronze, “gelo seco” e diamante são, óleo é, então, retirada das penas das aves por um
respectivamente, exemplos de: processo chamado de:
a) mistura, substância simples e substância composta. a) Decantação
b) mistura, substância composta e substância simples. b) Peneiração
c) substância composta, substância simples e mistura. c) Sublimação
d) substância composta, mistura e substância simples. d) Centrifugação
e) substância simples, mistura e substância composta. e) Separação magnética

10. Em laboratório, quais os processos mais indicados 17. (Fuvest-SP) O ciclo da água na natureza relativo à
para separar da água do mar as substâncias abaixo formação de nuvens, seguida de precipitação da água
respectivamente: na forma de chuva, pode ser comparado, em termos
- Água e sal de cozinha das mudanças de estado físico que ocorrem e do
- Sal de cozinha e demais sais dissolvidos processo de purificação envolvido, à seguinte operação
a) Decantação e cristalização fracionada de laboratório:
b) Centrifugação e flotação a) Sublimação
c) Destilação e cristalização fracionada b) Filtração
d) Evaporação e ebulição c) Decantação
e) Destilação e flotação d) Dissolução
e) Destilação
11. Nas estações de tratamento de água, quais
processos físicos de separação são usados? 18. O primeiro modelo científico para o átomo foi
a) Flotação e decantação proposto por Dalton, em 1808. Esse modelo poderia ser
b) Flotação e destilação comparado com:
c) Decantação e sifonação a) uma bola de tênis. b) uma bola de futebol.
d) Decantação e filtração c) uma bola de pingue-pongue. d) uma bola de bilhar.
e) Centrifugação e cristalização fracionada e) uma bexiga cheia de ar.

12. Cite dois processos diferentes indicados para 19. Qual dos cientistas abaixo é considerado o
separar água e óleo. descobridor do elétron?

13. Nos filtros domésticos, é utilizado o filtro a vela, a) Dalton b) Thomson c) Goldstein
cilindro oco de material poroso. Esses poros retêm as d) Rutherford e) Chadwick
impurezas da água. Trata-se de um caso de:
a) Adsorção 20. Uma importante contribuição do modelo de
b) Filtração simples Rutherford foi considerar o átomo constituído de:
c) Decantação a) elétrons mergulhados numa massa homogênea de
d) Filtração a vácuo carga positiva.
e) Sublimação b) uma estrutura altamente compactada de prótons e
elétrons.
14. É comum a dessalinização da água do mar em c) um núcleo de massa desprezível, se comparada com
navios. Qual o processo mais indicado para essa a massa do elétron.
dessalinização? d) uma região central com carga negativa chamada
núcleo.
e) um núcleo muito pequeno de carga positiva, cercado
por elétrons.

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 147


21. Relacione os nomes dos cientistas às alternativas a II. A unidade de massa atômica é 1/12 da massa de um
seguir: átomo de carbono.
III. A unidade de massa atômica é 1/12 da massa do
- Demócrito - Dalton - Thomson
átomo de carbono de número de massa igual a 12.
- Rutherford - Chadwick
IV. A massa atômica de um átomo é um número muito
1. É o descobridor do nêutron. próximo do seu número de massa.
2. Seu modelo atômico era semelhante a uma bola de
São corretas:
bilhar.
3. Seu modelo atômico era semelhante a um pudim de a) todas b) nenhuma c) Somente I, II e
passas. III.
4. Foi o primeiro a utilizar a palavra “átomo”. d) somente I, II e IV. e) somente I, III e IV.
5. Criou um modelo para o átomo semelhante ao
sistema solar. 28. O elemento zinco na natureza apresenta 4 isótopos:

22. O átomo constituído de 17 prótons, 18 nêutrons e


17 elétrons apresenta, respectivamente, número
atômico e número de massa iguais a:
Com base nessas informações, determine a massa
a) 17 e 17. b) 17 e 18. c) 18 e 17. atômica do elemento zinco.
d) 17 e 35. e) 35 e 17.
29. Em um mol de moléculas de H3PO4 há:
14
23. Considere a representação do átomo 6C e
23 23
responda qual é: a) 3.10 átomos de hidrogênio e 10 átomos de
fósforo.
a) o número de prótons; b) 1 átomo de cada elemento.
b) o número de nêutrons; + 3-
c) 3 íons H e 1 íon (PO4) .
c) o número de elétrons; d) 1 mol de cada elemento.
d) o número de partículas nucleares; e) 4 mols de átomos de oxigênio e 1 mol de átomos de
fósforo.
24. Alguns estudantes de Química, avaliando seus
conhecimentos relativos e conceitos básicos para o 30. O corpo humano apresenta cerca de 18% de sua
estudo do átomo, analisam as seguintes afirmativas: massa em átomos de carbono. Com base nesse dado,
I – Átomos isótopos são aqueles que possuem mesmo qual o número de mols de átomos de carbono no corpo
número atômico e números de massa diferentes. de um indivíduo que pesa 100kg?
II – O número atômico de um elemento corresponde à
31. Quais das propriedades abaixo são as mais
soma do número de prótons com o de nêutrons.
indicadas para verificar se é pura uma certa amostra
III – O número de massa de um átomo, em particular, é
sólida de uma substância conhecida?
a soma do número de prótons com o de elétrons.
a) cor e densidade
IV – Átomos isóbaros são aqueles que possuem
b) cor e dureza
números atômicos diferentes e mesmo número de
c) ponto de fusão e densidade
massa.
d) cor e ponto de fusão
V – Átomos isótonos são aqueles que apresentam
e) densidade e dureza
números atômicos diferentes, números de massa
diferentes e mesmo número de nêutrons.
32. São dados 3 elementos genéricos A, B e C. O
Estes estudantes concluem, corretamente, que as átomo A tem número atômico 70 e número de massa
afirmativas verdadeiras são as indicadas por: 160. O átomo C tem 94 nêutrons, sendo isótopo de A.
O átomo B é isóbaro de C e isótono de A. O número de
a) I, III e V b) I, IV e V c) II e III
elétrons do átomo B é:
d) II, III e V e) II e V
a) 160. b) 70. c) 74. d) 78. e)164.
25. Considere 4,0g de cálcio (Ca= 40u). 40 36
33. O átomo X é isóbaro do Ca e isótopo do Ar.
a) Calcule o número de mols correspondente. Identifique o número de nêutrons do átomo X. (Dados:
b) Calcule o número de átomos correspondente. números atômicos: Ca=20, Ar=18).
a) 4. b) 18. c) 22. d) 36. e) 40.
26. Determine a massa, em gramas,
34. Açúcar comum (sacarose) e café passado, tão
a) de um átomo de argônio (Ar = 40u).
comuns em nosso dia-a-dia, são exemplos,
b) de uma molécula de uréia (CN2H4O).
respectivamente, de
Dados: H=1u, C=12u, N=14u, O=16u. a) substância pura e mistura homogênea.
b) substância composta e mistura heterogênea.
27. Dadas as afirmações: c) substância simples e mistura homogênea.
d) substância pura e mistura heterogênea.
I. A unidade de massa atômica pode ser representada
e) mistura heterogênea e mistura homogênea.
por u.

148 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


Nível II 38. Assinale a alternativa correta:
a) Todo sistema homogêneo é uma mistura
35. As proposições a seguir foram formuladas por um homogênea.
estudante, após o estudo de substâncias puras e b) Todo sistema heterogêneo é uma mistura
misturas: heterogênea.
I. O leite puro não pode ser representado por fórmula c) Todo sistema heterogêneo é monofásico.
molecular porque é uma mistura de várias substâncias. d) Todo sistema homogêneo é polifásico.
II. Como se trata de substância pura, o álcool anidro e) Todo sistema heterogêneo pode ser uma mistura
apresenta ponto de ebulição e densidade heterogênea ou uma substância pura em mais de um
característicos, estado.
III. A água mineral é substância pura de composição
definida. 39. Uma mistura é composta de: água, areia e sal. Qual
IV. O ar empoeirado é mistura heterogênea sólido + a maneira mais indicada para separar os componentes
gás. dessa mistura?
V. Por ser substância pura, o café coado não pode ser a) Filtração seguida de destilação
submetido a processos de fracionamento de misturas. b) Destilação seguida de dissolução fracionada
Quantas proposições estão corretas? c) Destilação seguida de peneiração
d) Filtração seguida de sifonação
a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5 e) Filtração seguida de decantação
36. Esta questão está relacionada com o gráfico 40. (UFPE) Considere uma mistura de parafina
construído a partir da experiência de aquecimento de (hidrocarbonetos de cadeia longa) finamente dividida e
uma amostra sólida e homogênea. açúcar (sacarose – C12H22O11) refinado. Indique a
alternativa que apresenta os processos de separação,
na sequência indicada, mais adequados para essa
mistura.
a) Dissolução em água, filtração, evaporação
b) Filtração, evaporação, combustão
c) Dissolução em água, floculação, decantação
d) Destilação fracionada a 50 oC
e) Combustão, destilação

41. Um medicamento contém 90mg de ácido


acetilsalicílico (C9H8O4) por comprimido. Quantas
É possível afirmar que: moléculas dessa substância há em cada comprimido?
a) Existem, no mínimo, dois componentes na amostra.
42. Levando em consideração os números atômicos do
b) No intervalo de t2 a t3 ocorre mudança de estado
hidrogênio (1) e do oxigênio (8), determine o número de
físico.
elétrons existente em 36g de água.
c) O sistema líquido começou a ser aquecido a partir de
0ºC. 43. A balança mais precisa pode detectar uma variação
d) T2 é a temperatura de fusão da amostra. -8
de aproximadamente 10 gramas. Quantos átomos de
e) Em T3 não existe líquido. ouro existiriam em uma amostra com essa massa?
(Dado: Massa Atômica do Ouro: 197u)
37. O fato de um sólido, nas condições ambientes, 20 12 10
apresentar um único valor de massa específica em toda a) 4.10 átomos b) 6,5.10 átomos c) 9.10
a sua extensão é suficiente para afirmar que este átomos
15 13
sólido: d) 5.10 átomos e) 3.10 átomos
I. É homogêneo. 44. A massa atômica do elemento cloro é 35,453. Isso
II. É monofásico. indica que:
III. É uma solução sólida.
IV. É uma substância simples. a) o elemento cloro tem vários isótopos.
V. Funde a uma temperatura constante. b) todos os átomos de cloro contem o mesmo número
de prótons e nêutrons.
Das afirmações feitas, estão corretas: c) cada isótopo do cloro tem a mesma abundância
a) Apenas I e II. natural.
b) Apenas I, II e III. d) o isótopo de cloro com massa atômica 37 tem a
c) Apenas II, III e IV. maior abundância natural.
d) Apenas IV e V. e) um átomo de cloro é 35,453 vezes mais pesado que
e) Todas. um átomo de carbono.

CASD Vestibulares Nivelamento - Química 149


Nível III 5) Rutherford
22. D
45. (ITA-SP) Um copo contém uma mistura de água, 23. a) 6; b) 8; c) 6; d)14
acetona, cloreto de sódio e cloreto de prata. A água, a 24. B
22
acetona e o cloreto de sódio estão numa mesma fase 25. a) 0,1 mols; b) 6.10 átomos
-23 -22
líquida, enquanto o cloreto de prata se encontra numa 26. a) 6,7.10 g; b) 1.10 g
fase sólida. Descreva como podemos realizar, em um 27. E
laboratório de química, a separação dos componentes 28. 65,4
desta mistura. Dê sua descrição devem constar as 29. E
etapas que você empregaria para realizar esta 30. 1500 mol de átomos
separação, justificando o(s) procedimentos(s) 31. C 32. C 33. C 34. A 35. C 36. D 37. A
utilizados(s). 38. E 39. A 40. A
20
41. 3.10 moléculas
25
46. Peixes machos de uma certa espécie são capazes 42. 1,2.10 elétrons
-8 43. E 44. A
de detectar a massa de 3,66.10 g de 2-fenil-etanol,
substância produzida pelas fêmeas, que está dissolvida 45. Inicialmente, separamos a fase líquida (água,
em 1 milhão de litros de água. Supondo-se diluição acetona e cloreto de sódio) da fase sólida (cloreto de
uniforme na água, indique o número mínimo de prata). Para isso, filtramos o conteúdo do copo com um
moléculas de 2-fenil-etanol por litro de água, detectado filtro de papel simples. Separamos então o cloreto de
pelo peixe macho. prata, que fica retido no papel. O líquido (água,
acetona, cloreto de sódio) é submetido então a uma
Dados: Massa molar do 2-fenil-etanol = 122g/mol. destilação simples. Temos o cloreto de sódio separado
23
Constante de Avogadro = 6.10 moléculas/mol. e o líquido (água e acetona) em outro recipiente. Agora,
-16 -8 8 basta fazer a destilação fracionada nesse líquido e
a) 3.10 b) 3,66.10 c) 1,8.10
22 23 separar a água da acetona.
d) 1,8.10 e) 6,0.10
46. C 47. C
22 23
47. A dose diária recomendada do elemento cálcio para 48. a) 0,02 mols; b) 1,2.10 moléculas; c) 2,88.10
um adulto é de 800 mg. Suponha certo suplemento átomos
nutricional à base de casca de ostras que seja 100% 49. 73,88kg
CaCO3. Se um adulto tomar diariamente dois tabletes
desses suplemento de 500mg cada, qual porcentagem
de cálcio da quantidade recomendada essa pessoa
está ingerindo?
Dados: Massas molares (g/mol): Ca=40, C=12, O=16.
a) 25% b) 40% c) 50% d) 80% e) 125%

48. Considerando que a taxa de glicose (C6H12O6) no


sangue de um indivíduo é de 90mg em 100mL de
sangue, e que o volume de sangue desse indivíduo é
4L, determine:
a) o número de mols de glicose existente nos 4L de
sangue;
b) o número de moléculas de glicose existente nos 4L
de sangue;
c) o número total de átomos componentes da glicose
existente nos 4L de sangue.

49. Em uma pessoa adulta com massa de 70,0kg há


1,6kg de cálcio. Qual seria a massa desta pessoa, em
kg, se a natureza houvesse, ao longo do processo
evolutivo, escolhido o bário em lugar do cálcio?
Dados: Massas atômicas: Ca=40u, Ba=137u.

GABARITO
1. C 2. A 3. E 4. B 5. C 6. A 7. D
8. 28 9. B 10. C 11. D
12. Decantação com funil de Bromo e sifonação
13. B
14. Destilação
15. B 16. E 17. E 18. D 19. B 20. E
21. 1) Chadwick; 2) Dalton; 3) Thomson; 4) Demócrito;

150 Nivelamento - Química CASD Vestibulares


PORTUGUÊS
Nivelamento
CAPÍTULO 1 – FUNDAMENTOS DA DISSERTAÇÃO

A DISSERTAÇÃO DE VESTIBULAR Para Clarice Lispector, escrever é maldição e


salvação. Para Syd Field, é uma atividade profissional
Vestibulares variam muito em estilo de prova, mas à muito importante dentro da atividade geral da arte
exceção do vestibular da UNICAMP, todos os grandes cinematográfica. E para você?
vestibulares convergem sobre a forma de texto a se Com base nestes comentários, em sua própria
escrever na redação: todos exigem a chamada experiência e, se achar necessário, levando em
dissertação argumentativa. Um estilo de texto cujas consideração os textos de Clarice Lispector e Syd Field,
características fundamentais estudaremos neste escreva uma redação de gênero dissertativo,
capítulo. empregando a norma-padrão da língua portuguesa,
sobre o tema:
0.1 – A dissertação
Escrever: o trabalho e a inspiração.
Dissertação é um texto científico que tem por
função analisar e explicar um tema. A dissertação não Exemplo 2: FUVEST 2013
busca convencer, mas sim, informar cientificamente, e,
para cumprir seu papel informativo, convém que ela
seja simples de se entender, mas ao mesmo tempo
precisa: são fundamentais, portanto, a todo texto
dissertativo a clareza, a objetividade, o formalismo
técnico sobre o tema dado e o uso gramaticalmente
correto do idioma.

0.2 – O tema no vestibular:


Naturalmente, num vestibular o tema discutido na
dissertação não é livre: é justamente escolhendo o
tema a ser discutido que o vestibular verifica o quanto
do mundo o aluno conhece: o vestibulando deve
mostrar na redação, além de domínio da língua
portuguesa culta formal e da expressão nessa
modalidade do idioma, conhecimento de mundo e,
frequentemente, habilidade interpretativa. Essa última
habilidade é necessária porque nem sempre o tema
dado é óbvio: às vezes ele precisa ser deduzido a partir
de informações e textos dados na prova. Mais tarde no
curso serão analisadas diversas formas de
apresentação de uma proposta de redação. Por
enquanto, tomemos os seguintes dois exemplos, o
primeiro com o tema bastante claro, o segundo com um
Esta é a reprodução (aqui, sem as marcas normais
tema bastante escondido, que exige interpretação:
dos anunciantes, que foram substituídas por X) de um
Exemplo 1: UNESP 2013 anúncio publicitário real, colhido em uma revista,
publicada no ano de 2012.
Desde pequeno, você vem sendo submetido, na Como toda mensagem, esse anúncio, formado pela
escola, à prática de escrever. Com o passar do tempo, relação entre imagem e texto, carrega pressupostos e
as exigências se tornaram cada vez maiores para que implicações: se o observarmos bem, veremos que ele
você aumentasse a qualidade de seus textos e não expressa uma determinada mentalidade, projeta uma
demorou muito para perceber que lá adiante, no fim do dada visão de mundo, manifesta uma certa escolha de
túnel do Ensino Médio, haveria uma prova muito valores e assim por diante.
importante, com bom peso na nota: a redação no Redija uma dissertação em prosa, na qual você
vestibular. interprete e discuta a mensagem contida nesse
Nesse trajeto, em muitos momentos, você se anúncio, considerando os aspectos mencionados no
perguntou: Afinal, para que escrever? Para que fazer parágrafo anterior e, se quiser, também outros aspectos
uma boa redação? Só para passar no vestibular? Na que julgue relevantes. Procure argumentar de modo a
era da internet, para que eu tenho de aprender a deixar claro seu ponto de vista sobre o assunto.
redigir, se a comunicação visual funciona muito melhor?
Eu não sou escritor, não preciso saber criar textos! O candidato deve lembrar, porém, que a coletânea
É isso o que você pensa mesmo? Ou são apenas de textos fornecida pelo vestibular serve apenas para
desabafos? Pois chegou a hora de dizer realmente o garantir que o candidato tenha alguma fonte de
que pensa sobre o escrever. informações para escrever seu texto. O texto, porém,
deve ser escrito como se a coletânea da proposta
não existisse e como se não se conhecesse o tema.
CASD Vestibulares Nivelamento - Português 151
O candidato deve deixar o tema da redação bem claro candidato conheça um pouco sobre todos os temas
na própria redação e não contar com a proposta pra dar possíveis e sobre esse pouco que se conhece, o aluno
o tema ao corretor. deve formar uma opinião e defende-la.
Para melhor ilustrar como um tema pode dar origem
Importante a uma tese, vamos tomar como exemplo o tema
Uma dissertação deve detalhar e discutir um tema. No apresentado no vestibular da UNESP 2013.
vestibular, o tema a ser discutido será apresentado 0.3.1: Do tema à tese
numa proposta de redação (que provavelmente terá
uma coletânea de textos associada), mas a redação Vamos proceder com o caminho de análise de um
toda deve ser escrita como se não houvesse coletânea tema para deduzir algumas características importantes
e como se, de partida, não se soubesse o tema dela. do tema de uma redação e da tese.
Tomemos a frase que aponta o tema que o
0.3 – A argumentação vestibular pediu:
Já se viu, neste capítulo, que o texto dissertativo é o Escrever: o trabalho e a inspiração.
texto científico que explica determinado tema e já se Ora, o tema inicialmente é a escrita, mas é muito
detalhou como esses temas são expostos. Contudo o difícil se ter uma opinião, afinal há muito que se dizer
gênero textual que os vestibulares exigem não é sobre vários aspectos do tema. Antes que o
simplesmente dissertativo: ele também é vestibulando possa dar sua opinião ele deve, pois,
argumentativo. saber sobre que aspectos da escrita ele vai tratar.
Textos argumentativos têm por função convencer o Nos vestibulares, é comum que o aluno tenha que
leitor de determinada ideia acerca de um tema. Num escolher sozinho um aspecto do tema sobre que dar
texto científico, como é o caso, a ideia defendida na sua opinião, porém, quando o tema é muito genérico ou
argumentação é a chamada tese e, no vestibular, se muito difícil muitos vestibulares já cuidam de limitar o
costuma imitar os trabalhos científicos, considerando-se tema pelo aluno: essa limitação se faz em geral ou na
a tese como a primeira ideia presente no texto: todo própria frase-tema ou nas instruções da prova (por isso
o texto de vestibular evolui da tese e cada uma das as leia completamente!). No caso, já se sabe que o
partes do texto serve para convencer o leitor de que a tema “escrita” deve ser reduzido ao trabalho e a
tese está correta, levando a uma conclusão decorrente inspiração em escrever.
da tese. Não é correto, portanto, fazer uma dissertação A fração do tema geral que a redação de vestibular
de vestibular que exponha com igualdade todos os explora é o chamado recorte temático, até o ponto de
lados de um problema: os textos de vestibular devem escolha do recorte temático o candidato é avaliado em
sempre escolher um lado, mesmo nas questões mais adequação ao tema de forma a estar passível de
polêmicas. grandes perdas de nota (frequentemente também um
zero) se errar o tema ou o recorte temático esperado
Importante pelo vestibular. No caso em análise, o tema é a escrita
Toda redação de vestibular deve defender um ponto e o recorte temático o trabalho e a inspiração que
de vista único sobre qualquer questão, já que o aluno envolve escrever. Alguns outros livros preferem chamar
deve argumentar, não apenas dissertar. O autor deve de “assunto” o que neste material se chama de “tema”,
escolher um lado mesmo nos temas mais polêmicos. deixando o termo “tema” com significado equivalente ao
de “recorte temático”.
Neste ponto convém lembrar que a dissertação Depois que o candidato identificou o tema na prova
argumentativa defende um ponto de vista, mas não é o e escolheu (ou encontrou nas instruções da prova) um
único tipo de texto que o faz. Na verdade, é quase recorte temático adequado, começa a parte criativa da
consenso que todo texto defende um ponto de vista dissertação: aqui ele deve escolher, pelo método que
(tomaremos isso como princípio por todo o resto da melhor lhe servir, a tese que irá defender. Em termos
teoria), os textos argumentativos apenas o fazem mais simples, agora que ele já sabe de o que vai falar,
abertamente, enquanto outros textos os escondem em ele pode definir uma opinião para defender. Para o
comparações, metáforas, lições de moral entre outros tema em análise, por exemplo, ele poderia defender
recursos. que escrever é um trabalho para mudar o mundo e a
inspiração é o desejo de se a mudar: dessa ideia, vem
Importante todo o resto da dissertação.
Todas as partes de uma redação de vestibular devem
defender uma tese, que é a ideia central do texto, Importante
constituída a partir da opinião do redator dada O vestibulando não precisa discutir o tema de uma
objetivamente. Normalmente é a primeira ideia na redação como um todo: ele deve limitar o tema a um de
redação. seus aspectos mais importantes, o chamado recorte
temático.
Pelo exposto, já se pode deduzir que a tese é a
opinião do redator dada de maneira objetiva. É Com todas as informações dadas até aqui, já se
comum também que, para melhorar a clareza do texto, pode ver uma redação de vestibular completa.
a tese seja dada como uma frase simples e objetiva, Vejamos, então, a proposta de redação feita pela banca
mas isso não é necessário. Não é de se esperar, da FUVEST 2011 e uma das melhores redações
porém, que um escritor tenha opinião formada sobre daquele ano adaptada com a correção de alguns erros:
tudo em qualquer tema: os vestibulares esperam que o

152 Nivelamento - Português CASD Vestibulares


Exemplo 3: Instruções:
a) A proposta: • Lembre-se de que a situação de produção de seu
texto requer o uso da norma padrão da língua
Texto 1 portuguesa.
Um grandioso e raro • A redação deverá ter entre 20 e 30 linhas.
espetáculo da natureza • Dê um título à sua redação.
está em cena no Rio de
Janeiro. Trata-se da b) A redação:
floração de palmeiras O novo altruísmo
Corypha umbraculifera,
Apesar do enfraquecimento dos elementos sociais
ou palma talipot, no
que tradicionalmente o alimentavam, o altruísmo ainda
Aterro do Flamengo.
participa das interações humanas na sociedade
Trazidas do Sri Lanka
contemporânea, mas sob um inédito paradigma. Em
pelo paisagista Roberto
vez de ser propulsionado por crenças ou valores, o
Burle Marx, elas florescem
novo altruísmo tem raízes predominantemente naturais.
uma única vez na vida,
Na estrutura social tradicional, os elementos
cerca de cinquenta anos
depois de plantadas. Em fundamentais de promoção do altruísmo eram
seguida, iniciam um longo construções humanas, notavelmente os credos. Na
sociedade ocidental, as crenças judaico-cristãs
processo de morte,
promoviam compaixão e fraternidade. Na sociedade
período em que produzem cerca de uma tonelada de
sementes. oriental, o Budismo, o Hinduísmo e as diversas crenças
http://veja.abril.com.br, 09/12/2009. Adaptado. chinesas promoviam a solidariedade. Entretanto, com o
cientificismo e a dinamicidade da cultura
Texto 2 contemporânea, os valores tradicionais perderam
Quando Roberto Burle Marx plantou a palma
influência, e a estrutura social exigiu um novo eixo.
talipot, um visitante teria comentado: “Como elas
A dinâmica contemporânea é regida pelo retorno às
levam tanto tempo para florir, o senhor não estará mais
características naturais do ser humano. Herda-se a
aqui para ver”. O paisagista, então com mais de 50
fundamentação filosófica do hedonismo, a exposição da
anos, teria dito: “Assim como alguém plantou para que
origem animalesca humana pregada pela biologia
eu pudesse ver, estou plantando para que outros
evolutiva, a insignificância humana confrontada pelas
também possam contemplar”.
http://www.abap.org.br. Paisagem Escrita. nº 131, 10/11/2009.
imensidões da astronomia e as conquistas dos
Adaptado. movimentos pela liberdade social e sexual nos anos 60.
Texto 3 Essas características desta época ajudam a extinguir o
Onde não há pensamento a longo prazo, dificilmente pensamento do antropocentrismo renascentista e
pode haver um senso de destino compartilhado, um convergem na exposição da banalidade humana, que
sentimento de irmandade, um impulso de cerrar fileiras, permite a exploração das vontades naturais do homem
ficar ombro a ombro ou marchar no mesmo passo. A com menor preocupação pelos valores tradicionais.
solidariedade tem pouca chance de brotar e fincar O altruísmo não é exclusivamente um sacrifício e
raízes. Os relacionamentos destacam-se sobretudo possui origem naturais, portanto se encaixa na
pela fragilidade e pela superficialidade. estrutura contemporânea. O zoólogo queniano Clinton
Z. Bauman. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Richard Dawkins, da Universidade de Oxford,
2005. Adaptado. demonstrou em “O gene egoísta” que o altruísmo se
Texto 4 manifesta em muitos animais que vivem em grupo
A cultura do sacrifício está morta. Deixamos de nos porque a ajuda mútua traz benefícios adaptativos, que
reconhecer na obrigação de viver em nome de qualquer facilitam a sobrevivência da espécie ao processo na
coisa que não nós mesmos. seleção natural. O ser humano, que evoluiu de primatas
G. Lipovetsky, cit. por Z. Bauman, em A arte da vida. Rio de comunitários, herdou deles um altruísmo instintivo e
Janeiro: Jorge Zahar, 2009. natural.
Mesmo com a decadência dos valores tradicionais, o
Como mostram os textos 1 e 2, a imagem de
altruísmo sempre estará presente nas interações entre
abnegação fornecida pela palma talipot, que, de certo
os seres humanos, porque pertence à natureza deles.
modo, “sacrifica” a própria vida para criar novas vidas, é
O novo altruísmo é menos romântico, mas não
reforçada pelo altruísmo* de Roberto Burle Marx, que a
necessariamente menos admirável. Sob uma óptica
plantou, não para seu próprio proveito, mas para o dos
aberta, a bondade que independe de intimidações
outros. Em contraposição, o mundo atual teria
sobrenaturais ou de valores artificiais é mais virtuosa.
escolhido o caminho oposto.
Com base nas ideias e sugestões presentes na c) Análise:
imagem e nos textos aqui reunidos, redija uma Neste exemplo o tema de que trata a redação é o
dissertação argumentativa, em prosa, sobre o seguinte exigido na proposta feita pelo vestibular: trata-se do
tema: tema “altruísmo”.
O altruísmo e o pensamento a longo prazo ainda O tema “altruísmo”, porém, é muito genérico e
têm lugar no mundo contemporâneo? apresenta muitos aspectos: pode-se discutir se há ou
*Altruísmo = s.m. Tendência ou inclinação de natureza
não altruísmo atualmente, a oposição entre altruísmo e
instintiva que incita o ser humano à preocupação com o outro. interesse, a importância do altruísmo na formação da
Dicionário Houaiss da língua portuguesa, 2009. sociedade etc. Para que o autor pudesse formular uma

CASD Vestibulares Nivelamento - Português 153


tese, ele teve que pensar em sua opinião acerca de um que o uso da primeira pessoa do singular é proibido
recorte temático. O recorte temático escolhido por ele na redação de vestibular.
foi a diferença entre o novo altruísmo e o antigo. Se o texto 1 tivesse sido escrito por um grupo de
A opinião do autor, foi dada, como é usual, no primeiro cientistas ele seria: “No nosso experimento, fizemos
parágrafo do texto, constituindo sua tese, que é dada passar um feixe de luz do sol por um prisma e
logo na primeira frase do texto (isso é bastante obtivemos, na parede, a projeção de uma bela faixa de
comum). A tese do texto é a ideia de que “Apesar do cores dispostas ordenadamente”. Em que observa a
enfraquecimento dos elementos sociais que mesma subjetividade do texto 1 original, mas agora
tradicionalmente o alimentavam, o altruísmo ainda com o uso da primeira pessoa do plural (nós), que
participa das interações humanas na sociedade também não é recomendada, podendo ser usada
contemporânea, mas sob um inédito paradigma”. O apenas quando for muito geral (por exemplo se
restante do primeiro parágrafo serve apenas deixar referindo a “todos os seres humanos” como “nós”).
mais calara a tese, explicando qual é esse “inédito Para consertar a subjetividade do texto 1 e o
paradigma”. transformar num texto objetivo, basta eliminar o
cientista da história e focalizar o trecho no experimento,
1 – A LINGUAGEM DISSERTATIVA como ocorreu no texto 2.
Um leitor mais atento também vai perceber que há
A linguagem utilizada na construção do texto no
outra mudança do texto 1 para o texto 2 afora o uso ou
exemplo anterior não é intuitiva: uma argumentação
não uso da primeira pessoa. O primeiro parágrafo desta
pode ser escrita com diversas modalidades linguísticas, seção do capítulo lembra que um texto objetivo contém
mas a redação de vestibular tem a linguagem limitada informações diretas, que possam ser verificadas:
pelos padrões dissertativos, cujas características já exatamente o que o adjetivo “bela”, utilizado em “bela
foram citadas, mas não explicadas. faixa de cores” não é.
O texto científico é marcado, como dito
“Adjetivo” é como se classificam as palavras que
anteriormente, pela objetividade, mas em termos servem para dar qualidades aos outros seres, e há
linguísticos “objetividade” não significa, como se usa
qualidades que denunciam abertamente a opinião do
normalmente na fala, “ser direto”. A objetividade aqui se autor do texto. São os chamados adjetivos não
opõe à subjetividade e é caracterizada por algumas inerentes e devem ser evitados no texto dissertativo.
marcas linguísticas a serem exploradas aqui. Os adjetivos não inerentes são palavras como “belo”,
1.1 – Objetividade contra subjetividade “interessante”, “bonito” etc.. Por também por
demonstrarem emoção (assim como alguns adjetivos
Um texto científico deve se ater aos fatos não inerentes, como “triste”), pontos de exclamação
comprováveis, de forma que tudo que não possa ser (!) são proibidos, e reticências (...) devem ser evitadas
comprovado ou testado deve estar praticamente (porque é comum que marquem apenas entonação e
ausente nesse tipo de texto, o que significa que, emoção, não continuidade de pensamento).
embora a dissertação argumentativa sirva para Adjetivos que não marcam a opinião do autor, mas
defender a opinião do autor sobre algo em um tema, a sim impressões diretas do mundo, são os chamados
defesa dessa opinião deve se ater aos fatos, não às adjetivos inerentes e podem ser utilizados (mas não
impressões do autor. com muita frequência). Adjetivos inerentes são
A marca da objetividade de um texto é a ausência palavras como “verde”, “duro”, “rochoso” entre outras
da pessoa do autor, que fica escondida no texto. Como qualidades próprias do ser e fáceis de serem
os nomes sugerem a objetividade é o foco na realidade identificadas.
e se opõe à subjetividade, que é o foco na pessoa, no
sujeito. Um texto de vestibular deve ser, como toda Importante
dissertação, portanto, tão objetivo quanto possível. Nunca use a primeira pessoa do singular (o “eu” e
Para ilustrar a ausência da pessoa de um autor em termos relacionados) em sua redação dissertativo-
um texto, suponham-se os seguintes dois textos, argumentativa.
ambos relativos a um mesmo procedimento científico Use a primeira pessoa do plural (o “nós” e termos
simples: relacionados) apenas quando se referir a um grupo
Texto 1: No meu experimento, fiz passar um feixe muito genérico.
de luz do sol por um prisma e obtive, na parede, a Use poucos adjetivos e prefira os adjetivos inerentes.
projeção de uma bela faixa de cores dispostas Pontos de exclamação ou qualquer outra marca
ordenadamente. linguística de emoção são proibidos.
Texto 2: No experimento, um feixe de luz do sol
passou por um prisma, o que gerou, na parede, a Atente que dar a opinião é necessário, ela apenas
projeção de uma faixa de cores variando gradualmente não pode ser dada com as marcas linguísticas da
do vermelho ao violeta. subjetividade e da incerteza. O próximo tópico discute
Dos exemplos, é fácil notar que o texto 1 é o mais como dar sua opinião de maneira direta, sem fugir à
objetivo: nele, o cientista se coloca na ação ao usar a forma adequada ao texto de vestibular.
primeira pessoa do singular (ou seja, ao escrever
termos relacionados a ele próprio), em “meu”, “[eu] fiz”, 1.2 – A dissertação real e o vestibular
“[eu] obtive”. É uma característica da ciência que O texto de vestibular é uma dissertação artificial:
qualquer teste possa ser repetido por qualquer pessoa dissertações reais é a forma final de apresentar os
com o equipamento adequado: não interessa à ciência resultados ou implicações de uma pesquisa, o que
pura quem fez o experimento primeiro. Conclui-se, pois

154 Nivelamento - Português CASD Vestibulares


significa que são textos escritos por especialistas na redação de vestibular, além de não interessar a
área discutida. participação subjetiva do autor do texto, não interessa a
Ao vestibulando cabe imitar a linguagem de uma opinião do leitor, já que é a opinião do escritor que deve
dissertação profissional, de forma a construir uma prevalecer. Dessa forma, é proibido, no texto de
argumentação aparentemente especialista no assunto. vestibular, qualquer interação com o leitor: não há,
Isso passa por duas condições. na dissertação de vestibular, interlocução.
A primeira é a mais simples: se o texto de vestibular A ausência de interlocução entre escritor e leitor tem
precisa se aproximar de um texto científico real, ele algumas marcas gramaticais, das quais a mais evidente
deve ter as marcas linguísticas relativas a área de é a ausência da segunda pessoa (caracterizada pelos
discussão. Não é exigido que o aluno conheça todos os pronomes “você”, “tu”, “vocês”, “vós”), que se refere à
termos da área sobre que está escrevendo, mas o pessoa com que se está falando. Mais sutilmente,
aluno deve cuidar para não ser incoerente na escolha também se deve evitar usar verbos no imperativo, já
das palavras, se o vestibulando conhecer um termo que verbos nesse modo expressam ordem, pedido ou
relativo ao tema discutido ele pode usá-lo, só não deve conselho e só pode ordenar algo a outra pessoa, ou
usar termos com significado errado para o seja, ao leitor ou à sociedade (por exemplo, não se
contexto. Como o vestibulando está escrevendo como deve utilizar, na redação de vestibular, a forma verbal
se fosse especialista no assunto, ele também está “observe”, que é a forma imperativa do verbo
habilitado a definir o significado de os termos como ele “observar”).
achar conveniente (isso é muito comum, especialmente
em temas mais abstratos como “consumismo”, Importante
“felicidade”, “linguagem” etc. só não é válido inventar Numa dissertação argumentativa, qualquer forma de
novas palavras). comunicação com o leitor é proibida. Jamais use
A segunda condição é a que mais costuma causar termos na segunda pessoa, seja do singular (tu, você),
erros, e está ligada não só à dissertação, mas também seja do plural (vós, vocês).
à argumentação: o aluno deve se lembrar que está no
Perguntas são um recurso estilístico também a se
papel de especialista e que portanto, conhece o
evitar. Elas podem ser usadas adequadamente e com
assunto de que fala. Assim, o aluno deve sempre
segurança apenas no começo do texto, servindo para
mostrar certeza do que está afirmando (isso ajuda a
apresentar o tema e o recorte temático escolhido e
convencer), mesmo que na verdade ele não esteja
antecipando sobre o que a tese do autor vai falar.
muito certo sobre o que escrever. Termos como
Ao utilizar uma pergunta no texto (e lembre-se de
“talvez”, “pode ser que”, dentre outros que indicam
que isso só é adequado no início do texto) o autor deve
dúvida não podem aparecer no texto e estruturas
se certificar de respondê-la no próprio texto e de
que dão certeza, como as com verbos no presente –
maneira muito clara. A reposta deve estar presente e
especialmente o verbo “ser” (por exemplo, a estrutura
nunca ser apenas subentendida: perguntas servem
“algo é assim”, em vez de “algo pode ser assim”) –,
apenas para levantar questionamentos e nunca
frases (asserções, declarações) afirmativas ou
carregam ideias. Por isso, as perguntas, quando
negativas diretas etc. são preferíveis. O termo formal
utilizadas, devem ser bastante genéricas (apenas para
para “dar certeza” é “asseverar”: diz-se, portanto, que
levantar um recorte temático para a discussão) e nunca
uma dissertação argumentativa deve ter caráter
devem se direcionar diretamente ao leitor.
asseverativo.
Não se utiliza perguntas no meio do texto: além
Lembre-se que num texto dissertativo-argumentativo
de prejudicarem a concisão do texto (veja o item
sua opinião deve ser dada como se fosse verdade
seguinte do capítulo), perguntas no meio do texto
absoluta: além de ela dever ser dada objetivamente, o
usualmente acabam por esconder a opinião do autor,
termo “minha opinião” é pecado mortal na dissertação.
permitindo que a opinião do leitor valha algo (o que já
Também é fundamental, tanto para mostrar domínio
se sabe que não é correto). Ao invés de fazer uma
da norma culta da língua portuguesa, quanto para
pergunta e depois respondê-la (lembre-se que qualquer
mostrar domínio da área de conhecimento em
pergunta feita numa dissertação deve ser respondida),
discussão, que não se repitam no texto as mesmas
prefira escrever logo a resposta que a pergunta teria:
palavras com excessiva frequência: usar sinônimos ou
por exemplo, em vez de escrever “Seria possível que o
sinônimos aproximados são algumas das várias formas
governo faça isso? Não, não seria” escreve-se
de evitar repetições desnecessárias.
simplesmente “não é possível que o governo faça isso”.
Importante Importante
Não se usa, na dissertação, expressões que
Perguntas são recursos perigosos numa dissertação.
mostram dúvida, como “talvez”, “é possível”, “pode
Elas podem ser utilizadas com alguma segurança no
ser” etc. Sempre dê tom de certeza a suas frases: use
primeiro parágrafo do texto, mas apenas para
afirmações e negações diretas. Jamais use o termo
evidenciar o tema e o recorte temático escolhido. Elas
“minha opinião”.
nunca carregam ideias, muito menos a tese do texto.
Ademais, evite repetir palavras desnecessariamente.
Todas as perguntas feitas num texto de vestibular
1.3 – Interlocução devem ser respondidas claramente no próprio texto.
A situação de redação proposta pelo vestibular aos Naturalmente, como todas as perguntas feitas no
candidatos exige que eles se mostrem seguros de seus texto devem ser respondidas nele próprio, nunca se
pontos de vista (teses), como deve ocorrer em todo fazem perguntas no último parágrafo do texto
texto dissertativo-argumentativo. Dessa forma, numa dissertativo-argumentativo, afinal, não há espaço

CASD Vestibulares Nivelamento - Português 155


suficiente para que se dê uma resposta adequada a A concisão não é apenas uma exigência das
uma pergunta adequada. dissertações sobre a linguagem, mas também um fator
estratégico: quanto menos linhas o vestibulando gasta
1.4 – Coesão, concisão e coerência para dar uma ideia, mais espaço ele ganha para
Outras características que não podem faltar à adicionar ideias, detalhar exemplos e desenvolver a
dissertação de vestibular no âmbito da linguagem são a conclusão. Falta de espaço é uma das principais
coesão e a concisão, que têm estrita relação com a causas de parágrafos mal estruturados; trabalhar, pelo
gramática, e a coerência, ligada basicamente à menos no começo de um curso de redação, na
interpretação de textos. concisão é, portanto, muito importante.
1.4.1 – A coerência Importante
A coerência é a não contradição no texto. Ela Concisão trata de usar a menor quantidade de
envolve tanto a não contradição do texto com ele palavras para passar o máximo de ideias. Uma boa
mesmo quanto a contradição do texto com seu contexto concisão é estrategicamente fundamental no vestibular,
(condições exteriores a um fato em análise, por melhore-a estudando com cuidado seus rascunhos de
exemplo, o conhecimento científico existente, o período redação, buscando cortar termos sem utilidade.
histórico, as condições políticas etc.).
A coerência de um texto é em grande parte fácil de 1.4.3 – A coesão
manter, já que grande parte dela trata simplesmente de Coesão provavelmente é a mais complicada das
manter as relações de sentido entre as diversas partes exigências linguísticas da dissertação de vestibular. Ela
do texto, o que não é difícil num texto bem planejado. A trata da ligação entre as partes do texto e se divide em
coerência será detalhada nos estudos de interpretação duas: a coesão entre um parágrafo e outro (coesão
de textos no curso de português. Neste instante cabem em macroestrutura) e a coesão entre os termos de
apenas as seguintes recomendações: um mesmo parágrafo (coesão em microestrutura).
Todo o texto deve ser favorável à tese. É uma O princípio básico da coesão é fazer referência a
contradição grave – ou seja, é uma incoerência grave – palavras que já apareceram no texto. Esse princípio
haver um parágrafo, ou mesmo parte de um parágrafo pode ser cumprido de duas maneiras: a lexical (que
que apoie qualquer contrariedade à tese do texto. usa a repetição de termos ou sinônimos para se referir
Argumentos contrários à tese podem ser citados, mas a palavras diversas) e a referencial (que usa palavras
apenas para serem negados. simples, como conjunções e pronomes para
Também é classificado como incoerente o uso de estabelecer essa referência – é um tipo de coesão que
termos inadequados em significado. Evite usar, em seu depende muito do conhecimento gramatical). É
vestibular, termos que você nunca usou antes, isto é, exemplo de recurso de coesão o termo “esse princípio”
use apenas os termos que domina. utilizado no começo do parágrafo para fazer referência
A formalidade (sofisticação) é necessária nas ao termo “o princípio básico da coesão”.
dissertações, mas apenas nos aspectos diretamente A coesão em macroestrutura é mais simples de
ligados ao tema: uma linguagem muito complicada entender e mais difícil de executar. No vestibular, ela é
pode criar uma incoerência. Também tome cuidado de regida por duas regras: todos os parágrafos devem
escrever o texto todo com o mesmo nível de relacionar de alguma forma à tese do texto e todos
formalidade, ou seja, não escreva ele todo numa os parágrafos devem se relacionar ao parágrafo
linguagem simples e use, de repente, uma linguagem anterior a eles. É um exemplo de coesão em
complicada em um trecho pequeno. macroestrutura o início deste parágrafo, que usa o
termo “coesão em macroestrutura” para se relacionar
Importante ao primeiro parágrafo deste item.
Coerência é a não contradição no texto. As As regras para ligação entre parágrafos
incoerências mais comuns podem ser evitadas pelo naturalmente se excetuam no primeiro parágrafo, que
simples planejamento da redação, mas o aluno deve não tem um parágrafo a que se ligar, e ao último
atentar para não dar nenhum argumento contrário à parágrafo, que, por constituir a conclusão de um texto,
tese e não usar uma linguagem que ele não domina. deve, sempre que possível, se relacionar a todos os
parágrafos do texto.
1.4.2 – A concisão Essa relação que constitui a coesão macroestrutural
A concisão é quase completamente dependente do são os mesmos recursos gramaticais de coesão lexical
conhecimento gramatical: ela trata de transmitir a e coesão referencial de que se falou anteriormente (um
exemplo de coesão referencial está no começo deste
mensagem mais completa possível com o menor
parágrafo, em que a palavra “essa” ajuda a retomar o
número de palavras. Ir “direto ao ponto”, evitar
termo “relacionar” nos parágrafos anteriores). Contudo,
exemplos demais e usar apenas a linguagem que se
não se costuma usar apenas a coesão referencial para
domina favorecem a concisão do texto. Também é
ligar parágrafos (não se costuma usar apenas,
possível tornar o texto mais conciso simplificando
conjunções e pronomes), mas sim se usa a coesão
expressões longas trocando-as por termos mais
lexical (observe que além do pronome “essa” no
simples (por exemplo, substituir “nascido no Brasil” por
começo do parágrafo, também há o termo “relação” que
“brasileiro”), suprimindo conjunções e advérbios no
início de parágrafos ou usando recursos gramaticais de também se liga ao termo “relacionar”).
coesão. A ligação entre um parágrafo e o parágrafo anterior
também favorece o aspecto da redação chamado
progressão, que trata do avanço da argumentação da
156 Nivelamento - Português CASD Vestibulares
tese até a conclusão, mantendo um raciocínio contínuo dúvida, o relatório dessa análise serve à ciência, mas,
que evolui aos poucos sobre o tema. como você pode ver ela não discute um tema: ela,
A coesão em microestrutura nada mais é do que a aliás, não serve a ninguém que não tenha acesso à
simples relação gramatical entre os termos de um mesma rocha que o cientista utilizou e, portanto, não há
parágrafo. Ela depende em parte da interpretação de por que escrever um texto complexo defendendo um
texto para que se saiba adequadamente o sentido das ponto de vista sobre a rocha examinada: a evidência é
palavras a serem relacionadas e o sentido das palavras muito óbvia.
que fazem a relação, mas a maior parte das relações O mesmo cientista, com a mesma pedra, porém,
de coesão microestrutura é gramatical. É exemplo de pode deduzir que as rochas com diferentes camadas
coesão microestrutural o uso do “ela” na segunda frase tiveram essas camadas formadas em diferentes
deste parágrafo para se referir ao termo “coesão em épocas, por efeito da pressão das camadas superiores.
microestrutura” da primeira frase: trata-se de um caso Ele também pode dizer que rochas de sílica são
de coesão referencial, como é mais usual na coesão usualmente formadas assim. O cientista acabou de
em microestrutura. desenvolver uma teoria um tipo de rocha (que, no caso,
se chama rocha sedimentar)
Importante e observa-se que agora
A coesão cuida da ligação entre os termos do texto: qualquer cientista em
ela se refere tanto à ligação entre os parágrafos, quanto qualquer lugar do mundo, ao
à ligação entre os termos dentro de um parágrafo. encontrar uma rocha de
Na coesão macroestrutural, todos os parágrafos sílica (chama-se arenito)
devem se ligar à tese e ao parágrafo anterior. Na pode confirmar, negar ou
microestrutura, a relação entre os termos do parágrafo utilizar as informações do
depende de algum conhecimento gramatical específico. primeiro cientista, que vai
precisar pesquisar mais para
A coesão microestrutural é normalmente feita de defender as ideias sobre
maneira intuitiva pelo autor do texto, mas os principais rochas em geral que criou a
recursos gramaticais de coesão em microestrutura – partir de uma só rocha que
principalmente de coesão referencial – serão estudados viu. A ciência, neste caso, gera consequências, e é
nas aulas específicas de coesão microestrutural no esse tipo de ciência que se trabalha numa
curso de redação. dissertação: a que gera teorias gerais a partir da
O nome técnico dado aos termos que estabelecem observação (o chamado raciocínio indutivo) e que
coesão – seja lexical, seja referencial – é “fator de observa o mundo sob a óptica das teorias
coesão”. existentes (o chamado raciocínio dedutivo).

2 – IDEIAS E IMAGENS Importante


2.1 – A ciência na dissertação Uma dissertação de vestibular nunca se limita a
analisar fatos e textos. Ela sempre gera teorias e
É consenso, como dito anteriormente, que um texto ideias a partir dos textos e acontecimentos associados
dissertativo deve ser um texto científico, mas não ainda ao tema dado.
está claro neste capítulo, que tipo de informação deve
estar presente em um texto científico, ou, ao menos, no 2.2 – O tema e a figura
tipo de texto científico que é exigido no vestibular. Assim como menos serve aos cientistas saber como
Não escapa à concepção vulgar de texto científico o é a rocha que um deles encontrou, menos interessa à
uso do vocabulário técnico típico da área pesquisada. O dissertação os casos – notícias, dados, histórias – reais
jargão técnico é responsável por trazer ao texto as que se relacionam ao tema proposto.
marcas de formalismo que caracterizam, como dito Por outro lado, assim como é mais importante para
anteriormente, a dissertação: o texto do vestibular não os cientistas a definição de um tipo de rocha (que pode
precisa ser difícil de entender, mas é necessária ser criado a partir da observação ou ajudar a entender
alguma aparência técnica ao texto. A tecnicidade, uma rocha observada), é mais importante na
embora necessária num texto científico, não lhe basta. dissertação, as definições, consequências, causas,
O exemplo a seguir ilustra duas formas de desenvolver induções ou deduções que se faz a partir do tema e dos
um texto científico, uma delas é a forma necessária à casos analisados.
dissertação e é esta forma que, na próxima seção do Observe que uma única rocha é um conceito
capítulo, se descobrirá como se construir em um texto concreto da nossa linguagem: uma pessoa a pode
de vestibular. facilmente imaginar como ser físico. Contrariamente, a
Imagine um cientista que ideia de um tipo de rocha não é nada concreto ao
decida descrever uma rocha nosso pensamento, no máximo podemos pensar em
que encontrou: a descrição várias rochas parecidas, num raciocínio bastante
que ele faz é construída genérico sobre elas.
naturalmente pelos termos Um texto em que predominam discussões sobre
técnicos referentes a seus seres particulares, como uma única rocha, é
métodos de análise: ele usualmente um caso do que se chama de texto
pode dizer que a rocha é figurativo e o ser particular discutido é uma figura. O
uma amostra de sílica texto em que predominam discussões sobre ideias que
depositada em camadas em diferentes épocas. Sem se tem sobre o mundo, como um tipo de rocha, é
CASD Vestibulares Nivelamento - Português 157
usualmente o que se chama de texto temático, e as a) Redação:
ideias discutidas em conjunto são o tema.
Sabe-se que uma dissertação argumentativa O novo altruísmo
discute um tema de interesse, do exposto tem-se, Apesar do enfraquecimento dos elementos sociais
então, que a dissertação deve conter principalmente que tradicionalmente o alimentavam, o altruísmo ainda
ideias (concepções gerais, genéricas, abstratas: o texto participa das interações humanas na sociedade
de vestibular é um texto temático) sobre o tema, contemporânea, mas sob um inédito paradigma. Em
podendo aparecer poucas figuras (concretamente, vez de ser propulsionado por crenças ou valores, o
poucos exemplos, poucos dados, poucas passagens novo altruísmo tem raízes predominantemente naturais.
históricas e poucas citações de notícias em Na estrutura social tradicional, os elementos
comparação à quantidade de ideias) e as figuras que fundamentais de promoção do altruísmo eram
aparecerem não podem ser o parte mais importante do construções humanas, notavelmente os credos. Na
trecho em que estão. sociedade ocidental, as crenças judaico-cristãs
promoviam compaixão e fraternidade. Na sociedade
Importante oriental, o Budismo, o Hinduísmo e as diversas crenças
Uma ideia é uma concepção genérica, portanto chinesas promoviam a solidariedade. Entretanto, com o
abstrata, sobre determinado assunto, uma figura é um cientificismo e a dinamicidade da cultura
caso particular de evento associado a algum tema, contemporânea, os valores tradicionais perderam
ideia ou teoria. influência, e a estrutura social exigiu um novo eixo.
A dinâmica contemporânea é regida pelo retorno às
Para o vestibular, partiremos do princípio de que características naturais do ser humano. Herda-se a
todos os parágrafos da redação dissertativa devem fundamentação filosófica do hedonismo, a exposição da
conter pelo menos uma ideia, podendo ou não conter origem animalesca humana pregada pela biologia
um exemplo para complementá-la. Posteriormente no evolutiva, a insignificância humana confrontada pelas
curso, discutiremos que, se o autor desejar, se pode imensidões da astronomia e as conquistas dos
abrir uma exceção, no primeiro parágrafo do texto, a movimentos pela liberdade social e sexual nos anos 60.
essa regra (ele pode, desde que curto e bem Essas características desta época ajudam a extinguir o
planejado, não ter ideia alguma, apenas exemplos, pensamento do antropocentrismo renascentista e
dados históricos ou estruturas semelhantes). convergem na exposição da banalidade humana, que
permite a exploração das vontades naturais do homem
Importante com menor preocupação pelos valores tradicionais.
Para o vestibular, todos os parágrafos da redação O altruísmo não é exclusivamente um sacrifício e
devem conter pelo menos uma ideia, podendo ou possui origem naturais, portanto se encaixa na
não conter um exemplo para complementá-la. estrutura contemporânea. O zoólogo queniano Clinton
Richard Dawkins, da Universidade de Oxford,
As diversas ideias presentes num texto recebem demonstrou em “O gene egoísta” que o altruísmo se
diferentes nomes de acordo com sua função. Já se manifesta em muitos animais que vivem em grupo
sabe que a principal ideia do texto argumentativo é a porque a ajuda mútua traz benefícios adaptativos, que
tese. Há, também, as ideias secundárias que facilitam a sobrevivência da espécie ao processo na
defendem a tese: são os argumentos, normalmente seleção natural. O ser humano, que evoluiu de primatas
presentes um em cada parágrafo do texto (exceto o comunitários, herdou deles um altruísmo instintivo e
primeiro e último parágrafos). A última ideia do texto é a natural.
chamada conclusão, que serve para apresentar a Mesmo com a decadência dos valores tradicionais, o
consequência última da tese do autor, encerrando o altruísmo sempre estará presente nas interações entre
debate sobre o recorte temático proposto. os seres humanos, porque pertence à natureza deles.
O novo altruísmo é menos romântico, mas não
OUTRA ANÁLISE necessariamente menos admirável. Sob uma óptica
aberta, a bondade que independe de intimidações
Este capítulo não tem por objetivo detalhar como se
sobrenaturais ou de valores artificiais é mais virtuosa.
constrói, num texto, cada uma das características da
dissertação, nem pretende mostrar as formas
recomendadas de construção de um parágrafo. Ele b) Análise:
busca apenas apresentar ao aluno as características de Uma dissertação argumentativa é principalmente um
um bom texto de vestibular de forma a apenas prevenir texto de caráter temático, ou seja, é um texto em que
os erros mais graves. devem predominar as ideias. O ideal é que cada
A apresentação das características da dissertação, parágrafo tenha uma ideia nova, é o que vamos
porém, é muito pouco clara por si mesma, para tanto, o verificar agora.
capítulo trará agora a análise do exemplo 3 sob outros Como já visto no exemplo 3, a tese do texto é que
aspectos, para facilitar a compreensão da teoria. “Apesar do enfraquecimento dos elementos sociais que
tradicionalmente o alimentavam, o altruísmo ainda
Exemplo 4: participa das interações humanas na sociedade
Para facilitar o trabalho do leitor, apresenta-se aqui o contemporânea, mas sob um inédito paradigma.”. A
texto do exemplo 3 que será novamente analisado: tese é sempre uma ideia. No caso é a ideia do primeiro
parágrafo.
A ideia do segundo parágrafo está expressa no
período “com o cientificismo e a dinamicidade da

158 Nivelamento - Português CASD Vestibulares


cultura contemporânea, os valores tradicionais já que é todo construído de frases independentes, sem
perderam influência, e a estrutura social exigiu um novo conjunções que as liguem indicando as relações de
eixo.”. Esse parágrafo difere do primeiro por deixar sua sentido que o autor poderia desejar estabelecer.
ideia principal em seu final e um ótimo exemplo de algo A primeira do último parágrafo poderia ser
que pode se tornar um erro sério. Esse erro consiste considerada a conclusão do texto, já que traz uma
em estender demais uma passagem de consequência da nova forma de altruísmo apresentada
contextualização história e acabar fazendo um na tese. Ademais, sua referência à natureza humana
parágrafo que, ao invés de ter um argumento, apenas serve para ligar essa conclusão ao terceiro e quarto
narra um acontecimento, o que é uma figura, não uma parágrafos.
ideia. As duas outras frases do texto dão novas
características ao altruísmo moderno. Embora, por
Importante serem ideias, esses sejam trechos figurativos e,
É um erro comum e muito grave se estender demais portanto, adequados à forma da redação, não foi um
em um exemplo, contextualização histórica ou outra bom plano apresentar essas ideias na conclusão
imagem no texto e acabar se esquecendo de colocar porque elas são novas no texto, não se ligam a
uma ideia num parágrafo. parágrafos anteriores, e, logo, deveriam ser
As figuras servem apenas para complementar uma desenvolvidas, o que é impossível de se fazer no final
ideia, não para dar um argumento. do texto, pela simples falta de espaço.
O início do segundo parágrafo não é uma ideia, é Importante
apenas uma contextualização histórica (com valor
As ideias do último parágrafo devem apenas concluir
aproximado de um exemplo): ela não é um argumento,
as ideias anteriores do texto. Não dê ideias
mas ajuda a complementar o argumento que é a ideia
completamente novas no fim do texto, já que elas
central do parágrafo. Ela, neste caso, também tem a
ficariam sem comprovação.
vantagem de começar estabelecer a necessária relação
entre o segundo parágrafo e a tese. A concisão de um texto quase sempre pode ser
O terceiro parágrafo continua com a estrutura de melhorada. Como exemplo de exercício de concisão,
descrever uma forma de altruísmo e concluir com uma vamos tomar o segundo parágrafo do texto:
ideia que dê suas consequências, expressas no trecho “Na estrutura social tradicional, os elementos
que diz que as “características desta época ajudam a fundamentais de promoção do altruísmo eram
extinguir o pensamento do antropocentrismo construções humanas, notavelmente os credos. Na
renascentista e convergem na exposição da banalidade sociedade ocidental, as crenças judaico-cristãs
humana, que permite a exploração das vontades promoviam compaixão e fraternidade. Na sociedade
naturais do homem com menor preocupação pelos oriental, o Budismo, o Hinduísmo e as diversas crenças
valores tradicionais”. chinesas promoviam a solidariedade. Entretanto, com o
A primeira frase do terceiro parágrafo ajuda a cientificismo e a dinamicidade da cultura
descrever como é o altruísmo atualmente (“A dinâmica contemporânea, os valores tradicionais perderam
contemporânea é regida pelo retorno às características influência, e a estrutura social exigiu um novo eixo.”
naturais do ser humano.”) e é um excelente recurso de A melhora da concisão normalmente é feita pela
coesão entre parágrafos. Observe que essa frase se simplificação dos termos, substituindo termos longos
liga tanto à tese, explicando um pouco mais como é o por termos mais curtos. Eventualmente modificações na
altruísmo atual, quanto ao final do parágrafo anterior ao estrutura sintática do texto são necessárias, mas isso já
dela, explicando qual seria o “novo eixo” da sociedade. exige mais prática de redação e conhecimentos
O quarto parágrafo torna à estrutura conservadora gramaticais. Vejamos a correção, à moda de uma
do primeiro deles a ideia do parágrafo está em “O revisão de rascunho, desse segundo parágrafo da
altruísmo não é exclusivamente um sacrifício e possui redação em análise:
origem naturais, portanto se encaixa na estrutura Na estrutura social sociedade tradicional,
contemporânea.” Que imediatamente se liga tanto ao Tradicionalmente os elementos fundamentais de
final do parágrafo anterior (como já se pode perceber, a promoção do altruísmo eram construções humanas,
mais fácil maneira de fazer a coesão entre dois notavelmente os credos. Na sociedade ocidental No
parágrafos, é usando o final de um parágrafo para ocidente, as crenças judaico-cristãs promoviam
originar uma ideia ou imagem no parágrafo seguinte) compaixão e fraternidade, enquanto Na sociedade
quanto ao início do terceiro parágrafo, mostrando que é oriental, no oriente, o Budismo, o Hinduísmo e as
a naturalidade do altruísmo (citada nos dois trechos do diversas crenças chinesas promoviam a solidariedade.
terceiro parágrafo) que o permitem existir na atualidade. Entretanto, com o cientificismo e a dinamicidade da
O parágrafo falha, porém, em não se relacionar muito cultura contemporânea atual, os valores tradicionais
intimamente à tese do texto, o que não é muito grave perderam influência, e a estrutura social exigiu exige
neste caso, já que a progressão natural de um texto um novo eixo.
dissertativo tende a afastar gradativamente as ideias da Observe que os cortes e substituições feitos ajudam
tese e aproximá-las da conclusão (observe que depois a economizar espaço no texto. Também foram feitas
do segundo parágrafo, o altruísmo antigo perde duas alterações (em negrito sublinhado) indicando
importância no texto e se passa a discutir apenas o melhorias na coesão do texto: a primeira usa a
novo altruísmo, de maior interesse). conjunção “enquanto” para marcar a oposição,
O parágrafo de conclusão contém três ideias, uma simultânea no tempo, entre o ocidente e o oriente; a
em cada frase. É necessário alertar que o parágrafo segunda coloca o verbo no presente marcando a
apresenta uma coesão microestrutural bastante falha, contemporaneidade da exigência descrita.
CASD Vestibulares Nivelamento - Português 159
Vejamos o resultado final para o parágrafo, com o liberdade e incompletude, o Homem apenas consegue
ganho de uma linha de espaço no texto: se realizar plenamente no sonho, no amor e na mística.
Tradicionalmente, os elementos fundamentais de Entretanto, ao lado dessa vocação humana de
promoção do altruísmo eram construções humanas, sonhar e vencer as barreiras do inimaginável, encontra-
notavelmente os credos. No ocidente, as crenças se também a aptidão da natureza humana de
judaico-cristãs promoviam compaixão e fraternidade, autopreservação. Esse instinto humano levará os
enquanto, no oriente, o Budismo, o Hinduísmo e as homens ao egoísmo. Em uma espécie de estado
diversas crenças chinesas promoviam a solidariedade. natural do Homem, cada ser, enquanto indivíduo,
Entretanto, com o cientificismo e a dinamicidade da utilizará dos subterfúgios de sua razão e liberdade para
cultura atual, os valores tradicionais perderam calcular os meios necessários para obtenção de seus
influência, e a estrutura social exige um novo eixo. fins particulares.
Ora, essa contrariedade do altruísmo sonhador e da
RESUMO SIMPLIFICADO preservação egoísta presente no espírito humano só
encontra solução no pensamento do homem enquanto
A redação de vestibular usualmente é um texto um ser coletivo. O Homem ao pensar em si mesmo,
dissertativo argumentativo. deve imaginar não só os seus valores pessoais, mas
Por ser um texto dissertativo, a redação de sim os de toda humanidade enquanto um único ser.
vestibular deve abordar um recorte temático de domínio Os homens não se educam sozinhos, mas sim em
do autor e explica-lo cientificamente. comunhão, e somente a comunhão dos homens a um
Por ser também um texto argumentativo, o texto de objetivo comum, a um sonho em comum, levará ao
vestibular nunca explica um tema como um todo: sobre progresso da humanidade. Ao contrário do último
o recorte temático escolhido o autor escolhe uma tese, homem de Nietzche, com suas preocupações egoístas
que é sua opinião sobre o recorte escolhido, e todo o e pontuais, a humanidade deve caminhar com a
texto serve para provar que a tese, e apenas a tese inocência fraternal e altruísta do sonho impossível de
está correta. Dom Quixote, batalhando e sacrificando-se em torno de
A linguagem deve ser objetiva, ou seja, é proibido o um sonho comum em prol da evolução da humanidade,
uso da primeira pessoa (principalmente a do singular) e gradual e constante.
os termos escolhidos devem refletir principalmente a
realidade, não a opinião do autor. 2. Identifique, na redação dada, o que se pede nos
A linguagem do texto de vestibular também deve ser itens a seguir:
asseverativa: a opinião do autor do texto deve ser dada a) Tema
como se fosse verdade absoluta, por conta disso, o uso b) Recorte temático
dos verbos no presente é o mais frequente. c) Tese
O autor de uma dissertação argumentativa não deve d) O argumento do segundo parágrafo
se comunicar com seu leitor. Está, por isso, proibido e) O argumento do terceiro parágrafo
também o uso de verbos no imperativo e o uso da f) A conclusão presente no quarto parágrafo
segunda pessoa seja no singular, seja no plural.
A dissertação argumentativa é um texto figurativo: 3. Identifique, na redação dada, o que se pede os
ela deve explorar ideias, não exemplos. Os casos termos que fazem a relação entre:
isolados que forem analisados devem ser a) O segundo parágrafo e a tese. A coesão entre esses
transformados num conceito mais geral, pela análise de trechos está adequada?
suas causas ou consequências de maneira sempre b) O terceiro parágrafo e a tese. A coesão entre esses
relacionada à tese. trechos está adequada?
c) O terceiro parágrafo e o segundo parágrafo. A
EXERCÍCIOS PROPOSTOS coesão entre esses trechos está adequada?
d) O quarto parágrafo e a tese. A coesão entre esses
1. Formule, com base no que aprendeu, definições trechos está adequada?
breves para os aspectos diferentes do texto de
vestibular indicados em cada item: 4. Aponte, na linguagem do terceiro parágrafo, uma
a) Dissertação argumentativa inadequação ao gênero dissertativo-argumentativo.
b) Objetividade 5. Proponha correções para melhorar a concisão e a
c) Recorte temático coesão do trecho que será dado a seguir. Copie o
d) Ideia trecho numa folha e faça nela os cortes e revisões
e) Exemplo como se fosse o rascunho real de uma redação. Passe
f) Tese a limpo o resultado final, como faria num vestibular de
g) Argumento verdade.
h) Conclusão
Entretanto, ao lado dessa vocação humana de
Texto para a questão 2, 3 e 4 (a proposta de redação é sonhar e vencer as barreiras do inimaginável, encontra-
a da FUVEST 2011): se também a aptidão da natureza humana de
O Sonho Impossível autopreservação. Esse instinto humano levará os
homens ao egoísmo. Em uma espécie de estado
O Homem é um ser estritamente vocacionado ao
natural do Homem, cada ser, enquanto indivíduo,
sonho. Incompleto e imperfeito, o humano é
utilizará dos subterfúgios de sua razão e liberdade para
dependente desta satisfação imaterial que já levou
calcular os meios necessários para obtenção de seus
gerações a cruzarem os oceanos, descobrir novos
fins particulares.
planetas e a construir nações. Devido à sua razão,
160 Nivelamento - Português CASD Vestibulares
GABARITO anterior, recuperando diretamente a primeira frase do
segundo parágrafo.
Exercícios Propostos d) O trecho do quarto parágrafo que estabelece uma
relação adequada com a tese se estende de “a
1. a) Dissertação argumentativa é o texto científico
humanidade deve caminhar com a inocência fraternal e
temático que argumenta em favor de um ponto de vista
altruísta do sonho impossível de Dom Quixote”
sobre um tema. (muitas outras definições podem ser
(marcadamente esse trecho) até o final do texto,
construídas, esta é só a resposta mínima possível).
concluindo qual é o sonho que leva à realização
b) Objetividade é a preocupação com a verdade e
individual humana.
com a possibilidade de verificação de um fato expresso
num texto.
4. A utilização do “ora” como introdutor de assunto é
c) Recorte temático é a porção que um autor escolhe
uma marca típica da linguagem falada, que é informal
para tratar sobre um tema dado.
demais para integrar um texto dissertativo. Esse tipo de
d) Ideia é um conceito genérico e abstrato formulado
construção (semelhantes à fala) é o que se chama de
pelo autor de um texto.
“marca de oralidade” e é um dos erros de linguagem
e) Exemplo é um fato particular e concreto escolhido
mais graves numa dissertação argumentativa.
pelo autor para integrar o texto.
f) Tese é a principal ideia, que serve para expressar
5. Algumas alterações sugeridas são as seguintes:
a opinião do autor, em um texto argumentativo.
g) Argumento é uma ideia que ajuda a mostrar que a Entretanto, ao lado dessa da vocação humana de
tese de um texto está correta. sonhar as barreiras do inimaginável* e vencer vencê-
h) Conclusão é uma ideia que apresenta uma las* as barreiras do inimaginável*, encontra-se também
consequência lógica da tese mostrada. a aptidão da natureza humana de autopreservação.
Esse instinto humano o instinto humano de
2. a) O tema é o “altruísmo” autopreservação, que levar leva** os homens ao
b) O recorte temático escolhido é a relação entre o egoísmo. Em uma espécie de estado natural do
idealismo que leva a atitudes altruístas e a continuidade Homem, cada ser, enquanto indivíduo, utilizará utiliza**
da humanidade. dos os subterfúgios de sua razão e liberdade para
c) A tese escolhida pelo autor é que “o Homem calcular os meios necessários para obtenção de***
apenas consegue se realizar plenamente no sonho, no como atingir seus fins particulares.
amor e na mística.”.
d) O argumento do segundo parágrafo é que o As correções indicadas com um * não têm efeito
“instinto humano” de autopreservação “levará os sobre a coesão ou concisão do texto: elas se devem
homens ao egoísmo”. apenas a uma regra gramatical (que ainda será
e) O argumento do terceiro parágrafo é que “O estudada na frente de gramática e que, portanto, você
Homem ao pensar em si mesmo, deve imaginar não só ainda não tem obrigação alguma de conhecê-la) que
os seus valores pessoais, mas sim as de toda prevê que dois verbos diferentes não podem ter,
humanidade enquanto um único ser”. O argumento é sintaticamente falando, o mesmo complemento.
apoiado pela ideia de que a “contrariedade do altruísmo As correções marcadas com ** têm efeito tanto
sonhador e da preservação egoísta presente no espírito sobre a concisão do texto, quanto sobre a característica
humano só encontra solução no pensamento do de asseveridade (tom de certeza) dele. O verbo no
homem enquanto um ser coletivo”. presente dá mais certeza sobre o que se fala do que o
f) A ideia de que “somente a comunhão dos homens verbo no futuro.
a um objetivo comum, a um sonho em comum, levará A correção marcada com *** corrige, além da
ao progresso da humanidade” pode ser considerada a concisão, uma inadequação de significados: um “fim”
conclusão o texto. A segunda frase do parágrafo ajuda não pode ser “obtido”, mas sim “alcançado” ou
a explicar essa ideia. “atingido”.
Reescrevendo o trecho temos:
3. a) O trecho que fala “dessa vocação humana de
Ao lado da vocação humana de sonhar as barreiras
sonhar e vencer as barreiras do inimaginável” remete à
do inimaginável e vencê-las, encontra-se a o instinto
tese do texto, relacionando a realização humana
humano de autopreservação, que leva os homens ao
sonhada com vencer as barreiras do inimaginável. O
egoísmo. Em uma espécie de estado natural do
parágrafo, na verdade, mostra uma realidade oposta à
Homem, cada ser utiliza os subterfúgios de sua razão e
realidade do primeiro parágrafo. A relação entre os
liberdade para calcular como atingir seus fins
parágrafos não é adequada.
particulares.
b) A coesão entre o terceiro parágrafo e a tese não
está adequada, já que não há trecho nesse parágrafo
que remete diretamente à tese do texto. Um trecho com
alguma tênue relação com a tese pode ser “essa
contrariedade do altruísmo sonhador e da preservação
egoísta presente no espírito humano só encontra
solução no pensamento do homem enquanto um ser
coletivo”, mas a relação não é suficientemente clara.
c) O trecho que cita “essa contrariedade do altruísmo
sonhador e da preservação egoísta presente no espírito
humano” se relaciona adequadamente ao parágrafo
CASD Vestibulares Nivelamento - Português 161
PORT UGUÊS
Nivelamento
CAPÍTULO 2 – EXERCÍCIOS DE FIGURAS DE LINGUAGEM

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO Os jovens têm uma razão básica para
(Fuvest 2001) Um dos traços marcantes do atual desconfiar de uma moral prudente e um pouco avara
período histórico é (...) o papel verdadeiramente que sugere que escolhamos sempre os tempos
despótico da informação. (...) As novas condições suplementares. É que a morte lhes parece distante,
técnicas deveriam permitir a ampliação do uma coisa com a qual a gente se preocupará mais
conhecimento do planeta, dos objetos que o formam, tarde, muito mais tarde. Mas sua vontade de caminhar
das sociedades que o habitam e dos homens em sua na corda bamba e sem rede não é apenas a
realidade intrínseca. Todavia, nas condições atuais, as inconsciência de quem pode esquecer que "o tempo
técnicas da informação são principalmente utilizadas não pára". É também (e talvez sobretudo) um
por um punhado de atores em função de seus objetivos questionamento que nos desafia: para disciplinar a
particulares. Essas técnicas da informação (por experiência, será que temos outras razões que não
enquanto) são apropriadas por alguns Estados e por sejam só a decisão de durar um pouco mais?
algumas empresas, aprofundando assim os processos (Contardo Calligaris," Folha de S. Paulo")
de criação de desigualdades. É desse modo que a
periferia do sistema capitalista acaba se tornando ainda 2. As opções de vida que se caracterizam pela
mais periférica, seja porque não dispõe totalmente dos "preservação de nossas forças" e pela "procura da
novos meios de produção, seja porque lhe escapa a máxima intensidade e variedade de experiências" estão
possibilidade de controle. metaforizadas no texto, respectivamente, pelas
O que é transmitido à maioria da humanidade é, expressões:
de fato, uma informação manipulada que, em lugar de a) "regras" e "moral prudente".
esclarecer, confunde. b) "galho" e "corda bamba".
(Milton Santos, POR UMA OUTRA c) "dentes" e "rede".
GLOBALIZAÇÃO) d) "prazeres" e "progressos da prevenção".
e) "risco de vida" e "tempos suplementares".
1. No contexto em que ocorrem, estão em relação de
oposição os segmentos transcritos em: TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
a) novas condições técnicas/ técnicas da informação. (Fuvest 2006) É impossível colocar em série exata os
b) punhados de atores/ objetivos particulares. fatos da infância porque há aqueles que já acontecem
c) ampliação do conhecimento/ informação manipulada. permanentes, que vêm para ficar e doer, que nunca
d) apropriadas por alguns Estados/ criação de mais são esquecidos, que são sempre trazidos tempo
desigualdades. afora, como se fossem dagora. É a carga. Há os outros,
e) atual período histórico/ periferia do sistema miúdos fatos, incolores e quase sem som - que mal se
capitalista. deram, a memória os atira nos abismos do
esquecimento. Mesmo próximos eles viram logo
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO passado remoto. Surgem às vezes, na lembrança,
(Fuvest 2005) O filme "Cazuza - O tempo não pára" como se fossem uma incongruência. Só aparentemente
me deixou numa espécie de felicidade pensativa. Tento sem razão, porque não há associação de idéias que
explicar por quê. Cazuza mordeu a vida com todos os seja ilógica. O que assim parece, em verdade, liga-se e
dentes. A doença e a morte parecem ter-se vingado de harmoniza-se no subconsciente pelas raízes
sua paixão exagerada de viver. É impossível sair da subterrâneas - raízes lógicas! - de que emergem os
sala de cinema sem se perguntar mais uma vez: o que pequenos caules isolados - aparentemente ilógicos! só
vale mais, a preservação de nossas forças, que aparentemente! - às vezes chegados à memória vindos
garantiria uma vida mais longa, ou a livre procura da do esquecimento, que é outra função ativa dessa
máxima intensidade e variedade de experiências? mesma memória.
Digo que a pergunta se apresenta "mais uma (Pedro Nava, "Baú de ossos".)
vez" porque a questão é hoje trivial e, ao mesmo
tempo, persecutória. (...)
Obedecemos a uma proliferação de regras que
são ditadas pelos progressos da prevenção. Ninguém
imagina que comer banha, fumar, tomar pinga, transar
sem camisinha e combinar, sei lá, nitratos com Viagra
seja uma boa idéia. De fato não é. À primeira vista,
parece lógico que concordemos sem hesitação sobre o
seguinte: não há ou não deveria haver prazeres que
valham um risco de vida ou, simplesmente, que valham
o risco de encurtar a vida. De que adiantaria um prazer
que, por assim dizer, cortasse o galho sobre o qual
estou sentado?

162 Nivelamento - Português CASD Vestibulares


3. O que Pedro Nava afirma no final do texto ajuda a 5. A metáfora presente em "a campa foi outro berço"
compreender o título do livro "Esquecer para lembrar", baseia-se
de Carlos Drummond de Andrade, título que contém a) na relação abstrato/concreto que há em
a) um paradoxo apenas aparente, já que designa uma CAMPA/BERÇO.
das operações próprias da memória. b) no sentido conotativo que assume a palavra CAMPA.
b) uma contradição insuperável, justificada apenas pelo c) na relação de similaridade estabelecida entre
valor poético que alcança. CAMPA E BERÇO.
c) uma explicação para a dificuldade de se organizar de d) no sentido denotativo que tem a palavra BERÇO.
modo sistemático os fatos lembrados. e) na relação todo/parte que existe em
d) uma fina ironia, pois a antítese entre os dois verbos CAMPA/BERÇO.
dá a entender o inverso do que nele se afirma.
e) uma metáfora, já que o tempo do esquecimento e o TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
tempo da lembrança não podem ser simultâneos. (Fuvest 89) 17 DE JULHO

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO 1 Um dia desta semana, farto de vendavais,


(Fuvest 97) "Navegar é preciso, viver não é preciso". naufrágios, boatos, mentiras, polêmicas, farto de ver
Esta frase de antigos navegadores portugueses, como se descompõem os homens, acionistas e
retomada por Fernando Pessoa, por Caetano Veloso e diretores, importadores e industriais, farto de mim, de ti,
sabe-se lá por quantos mais citadores ou reinventores, de todos, de um tumulto sem vida, de um silêncio sem
ganha sua última versão no âmbito da Informática, em quietação, peguei de uma página de anúncios, e disse
que o termo NAVEGAR adquire outro e preciso sentido. comigo:
Na nova acepção, em tempos de Internet, o lema 2 Eia, passemos em revista as procuras e ofertas,
parece mais afirmativo do que nunca. Os olhos que caixeiros desempregados, pianos, magnésias,
hoje vagueiam pela tela iluminada do monitor já não sabonetes, oficiais de barbeiro, casas para alugar,
precisam nem de velas, nem de versos, nem de fados: amas-de-leite, cobradores, coqueluche, hipotecas,
da vida só querem o cantinho de um quarto, de onde professores, tosses crônicas...
fazem o mundo flutuar em mares de virtualidades 3 E o meu espírito, estendendo e juntando as
nunca dantes navegados. mãos e os braços, como fazem os nadadores, que
caem do alto, mergulhou por uma coluna a seguir.
4. Indique a afirmação correta em relação ao texto. Quando voltou à tona trazia entre os dedos esta pérola:
a) O efeito sonoro explorado na seqüência de 4 "Uma viúva interessante, distinta, de boa família
"vagueiam", "velas", "versos", "vida", "virtualidades" é e independente de meios, deseja encontrar por esposo
conhecido como RIMA ANTERIOR. um homem de meia-idade, sério, instruído, e também
b) A construção "Os olhos (...) já não precisam" é com meios de vida, que esteja como ela cansado de,
exemplo de METONÍMIA. viver só; resposta por carta ao escritório desta folha,
c) O termo "vagueiam" está empregado no sentido de com as iniciais M. R...., anunciando, a fim de ser
"norteiam" e é exemplo de PERSONIFICAÇÃO. procurada essa carta."
d) N