Você está na página 1de 7

MF-583.

R-0 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA OPACIDADE EMITIDA POR


VEÍCULOS AUTOMOTORES DO CICLO DIESEL

Notas:
Aprovado pela Deliberação CECA nº 4.151, de 26 de março de 2002.
Publicado no DOERJ de 04 de abril de 2002.

1 OBJETIVO

Definir o método da aceleração livre, para determinação da opacidade do gás de


escapamento emitido por veículos equipados com motor Diesel, com emprego do
opacímetro, como parte integrante do Sistema de Licenciamento de Atividades
Poluidoras – SLAP.

Este método pode ser usado como indicativo do estado de regulagem do motor.

2 APLICABILIDADE

Medição de fumaça preta emitida por veículos automotores do ciclo diesel.

3 DOCUMENTOS DE USO OBRIGATÓRIO

3.1 Resolução CONAMA n 08, de 31 de dezembro de 1993 - Estabelece Limites


Máximos de Opacidade e de Ruídos para veículos movidos a diesel.

3.2 Resolução CONAMA n 16, de 13 de dezembro de 1995 - Estabelece Limites


Máximos de Opacidade para veículos novos a partir de janeiro de 1996 e
estabelece a NBR 13037, como procedimento de ensaio para homologação e
certificação de novos modelos.

3.3 Resolução CONAMA n 251, de 07 de janeiro de 1999 - Estabelece Limites


Máximos de Opacidade a serem exigidos nos programas de Inspeção e
Manutenção para os veículos não abrangidos pela Resolução CONAMA 16/93, e
define o Opacímetro de Fluxo Parcial, devidamente certificado pelo Instituto
Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – INMETRO, como
instrumento de medição.

3.4 NORMAS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT

NBR – 13037 – Gás de escapamento emitido por motor Diesel em aceleração


livre – Determinação da Opacidade – Método de ensaio.
NBR-5484 – Motores alternativos de combustão interna de ignição por
compressão (Diesel) ou ignição por centelha (Otto) de velocidade angular
variável – Método de ensaio.

NBR-12897 – Emprego do opacímetro para medição do teor de fuligem de


motor Diesel – Método de absorção de luz – Procedimento.

4 DEFINIÇÕES

Para os efeitos deste Método são adotadas as seguintes definições:

4.1 ACELERAÇÃO LIVRE - Regime de aceleração a que o motor é submetido com o


débito máximo de combustível com o veículo estacionado. A potência desenvolvida
é totalmente absorvida pela inércia dos componentes mecânicos do motor, da
embreagem e da árvore piloto da caixa de mudança.

4.2 CONDIÇÕES ESTABILIZADAS E NORMAIS DE OPERAÇÃO - Condições em que


as temperaturas do líquido de arrefecimento e do óleo lubrificante do motor estão
em conformidade com as especificações do fabricante para a operação normal do
veículo, conforme NBR-12897.

4.3 OPACIDADE - Absorção da luz sofrida por um feixe luminoso ao atravessar uma
coluna de gás de escapamento, expressa em porcentagem entre os fluxos de luz
emergente e incidente.

4.4 OPACÍMETRO - Equipamento montado no escapamento do veículo ou no banco


de provas, para a medição da fumaça de gás de escapamento através da absorção
de luz.

5 PRINCÍPIO DO MÉTODO

Trata-se de um método automático que se baseia na coleta de uma amostra do gás


emitido pelo escapamento do veículos e na determinação da quantidade de luz
absorvida pela fumaça. Esta técnica permite medir a quantidade de luz obstruída
pela fumaça, desde 0%, indicando ausência de fumaça na câmara, até 100%,
indicando obstrução total.

6 APARELHAGEM

A aparelhagem necessária ao ensaio deve ser um Opacímetro correlacionável com


opacímetro de fluxo parcial, com tempo de resposta físico de no máximo 0,4 seg.,
tempo de resposta total de 0,9 a 1,1 seg. e câmara de medição de 430 mm de
comprimento efetivo da trajetória da luz através do gás. O referido instrumento
deverá estar homologado e certificado pelo Instituto Nacional de Metrologia,
Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO.
A calibração deverá estar dentro do prazo de validade determinado pelo INMETRO.

7 ENSAIO

7.1 Antes de iniciar as medições, o operador deve certificar-se de que o veículo está
devidamente freado e a alavanca de mudança na posição neutra. Todos os
dispositivos que alteram a aceleração do veículo, tais como ar condicionado, freio
motor, etc., devem ser desligados.

7.2 O motor do veículo deve estar na temperatura normal de funcionamento e em


condições estabilizadas de operação conforme especificado pelo fabricante.

7.3 O Inspetor deverá verificar se o veículo apresenta funcionamento irregular do


motor, vazamentos aparentes, violação do lacre da bomba injetora, vazamentos e
alterações do sistema de escapamento e do sistema de admissão de ar e retirada
ou alteração de componentes originais do veículo que influenciam diretamente na
emissão de fumaça, bem como se o veículo apresenta emissão de fumaça azul.
Caso o veículo apresente pelo menos uma das irregularidades descritas, o veículo
será considerado rejeitado, não podendo iniciar os procedimentos de inspeção.

7.4 O inspetor deverá identificar as características do sistema de alimentação para a


correta seleção dos limites aplicáveis para o motor naturalmente aspirado,
turboalimentado ou turboalimentado com LDA.

7.5 Após a inspeção visual, deve-se registrar o valor da velocidade angular de marcha
lenta do veículo, que será acelerado em seguida, lentamente, até atingir a
velocidade angular de máxima livre do motor, certificando-se de sua estabilização.
Deve-se registrar também a velocidade angular de máxima livre, comparando-se os
registros com os valores especificados dentro de uma tolerância de ± 100 rpm. Se
os valores de velocidade angular registrados não atenderem aos valores
especificados o veículo será reprovado. Se ocorrer alguma anormalidade durante a
aceleração do motor, o inspetor deverá desacelerar imediatamente o veículo, que
também será reprovado.

7.6 Antes da execução de cada série de medições verificar a aparelhagem conforme


instrução do fabricante.

7.7 Com o motor em marcha lenta, o acelerador deve ser acionado rapidamente até o
final do seu curso, de modo a se obter a situação de débito máximo no sistema de
injeção de combustível.
7.8 Manter esta posição do acelerador até que o motor atinja, nitidamente, a
velocidade angular máxima estabelecida pelo regulador de rotações.

7.9 Aliviar o acelerador e aguardar que o motor se estabilize na velocidade de marcha


lenta e que o opacímetro retorne ao valor original obtido nessa mesma condição.

7.10 Repetir a seqüência de operações descritas em 7.7 a 7.9, 10 (dez) vezes,


tomando-se como medida o máximo da opacidade apresentada em cada uma das
dez seqüências.

7.11 Ao término do ensaio, deve-se verificar o zero do opacímetro com o motor


desligado, a fim de constatar eventuais desvios de calibração.

8 RESULTADOS

8.1 Os valores de opacidade obtidos nas sete últimas medições devem ser analisados
e só podem ser considerados quando, em quatro medições consecutivas, a
diferença entre o valor máximo e o mínimo não for maior que 0,25 m -1 e estes não
estiverem em ordem decrescentes.

8.2 O resultado do ensaio é a média aritmética dos quatro valores consecutivos,


selecionados conforme 8.1.

8.3 Se realizados 3(três) testes e os resultados não forem coerentes, o veículo está
reprovado.

8.4 A apresentação dos resultados deverá ser conforme o formulário Anexo .


ANEXO
(FOLHA A)

BOLETIM DE MEDIÇÃO DE EMISSÃO VEICULAR - CICLO DIESEL

USO EXCLUSIVO DA FEEMA Nº / FOLHAS


CÓDIGO DA ATIVIDADE A B C
I - DADOS DA EMPRESA VISTORIADA

RAZÃO SOCIAL

NOME FANTASIA

E N D E R E Ç O DA E M P R E S A

BAIRRO CÓDIGO DO
CEP
BAIRRO
CÓD CÓD.
TEL MUNIC. DIST. RA
MUNIC. DIST.RA

REPRESENTANTE DA EMPRESA JUNTO À FEEMA


NOME

CARGO TEL RAMAL

FAX e-mail:

I I - RESPONSÁVEL PELAS MEDIÇÕES


NOME LEGÍVEL

CARGO DECLARO SEREM VERDADEIRAS, COMPLETAS E


PRECISAS AS INFORMAÇÕES PRESTADAS
NESTE RELATÓRIO
ASSINATURA DATA
/ /
I I I - RESULTADOS
Nº DE ORDEM ANO LÍMITE MÁXIMO DE RESULTADO
ORDEM PLACA DO VEÍCULO ASPIR. LEITURA
DO VEÍCULO FABRICAÇÃO OPACIDADE ( APROV. / REPR. )
ANEXO
(FOLHA B)

Nº DE ORDEM ANO LÍMITE MÁXIMO DE RESULTADO


ORDEM PLACA DO VEÍCULO ASPIR. LEITURA
DO VEÍCULO FABRICAÇÃO OPACIDADE ( APROV. / REPR. )
ANEXO
(FOLHA C)

OBSERVAÇÕES

INSTRUÇÕES
Preencher a máquina ou em letra de forma
Campo I - Informações Gerais:
Preencher conforme indicado
Campo II - Responsável pelas medições:
Preencher conforme indicado
Campo III - Resultados:
1 - Ordem - preencher com 1, 2, 3 etc.
2 - Nº de ordem do veículo - indique o número de ordem do veículo
3 - Placa do veículo - indique letras e número da placa do veículo
4- Ano de fabricação - indique o ano do veículo
5 - Aspiração - preencha "L" quando aspiração livre ou "T" quando se trata de turbo
6 - Limite Máximo de Opacidade - preencha conforme o limite
7 - Leitura - preencha conforme a medição.
8 - Resultado - indique se o veículo foi "aprovado" ou "reprovado"

Campo OBSERAÇÃO:
Utilize este campo para quisquer informações complementares

Você também pode gostar