Você está na página 1de 118

2018.

1
CADERNO DE CONSUMIDOR – VERSÃO 2018.1
APRESENTAÇÃO ........................................................................................................................ 11
NOÇÕES INTRODUTÓRIAS ........................................................................................................ 12
1. ORIGEM DO DIREITO DO CONSUMIDOR .................................................................... 12
2. FINALIDADE DO DIREITO DO CONSUMIDOR ............................................................. 12
3. DEFINIÇÃO DE DIREITO DO CONSUMIDOR ............................................................... 12
O DIREITO DO CONSUMIDOR E A CF/88 .................................................................................. 13
1. DIREITO FUNDAMENTAL.............................................................................................. 13
1.1. EFEITOS DO STATUS DE DIREITO FUNDAMENTAL ............................................... 13
2. PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔNICA ........................................................................... 13
3. COMPETÊNCIA LEGISLATIVA ...................................................................................... 14
4. PROTEÇÃO INFRACONSTITUCIONAL ......................................................................... 14
CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR .................................................................................. 16
1. INFLUÊNCIAS ................................................................................................................ 16
2. MICROSSISTEMA JURÍDICO ........................................................................................ 16
3. LEI PRINCIPIOLÓGICA.................................................................................................. 16
3.1. NORMA DE ORDEM PÚBLICA................................................................................... 16
3.2. NORMA DE INTERESSE SOCIAL .............................................................................. 17
4. POLÍTICA NACIONAL DAS RELAÇÕES DE CONSUMO .............................................. 17
5. DIÁLOGO DAS FONTES ................................................................................................ 18
5.1. CRITÉRIOS TRADICIONAIS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS DE NORMAS ............. 18
5.1.1. Critério cronológico .............................................................................................. 18
5.1.2. Critério da especialidade ...................................................................................... 18
5.1.3. Critério da hierarquia ............................................................................................ 19
5.2. CRITÉRIO ATUAL....................................................................................................... 19
5.3. DIÁLOGO ENTRE O CDC E O CC ................................................................................. 19
5.3.1. Diálogo sistemático de coerência ......................................................................... 19
5.3.2. Diálogo sistemático de complementaridade ......................................................... 19
5.3.3. Diálogo das influências recíprocas sistemáticas................................................... 20
6. PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO CONSUMIDOR ............................................... 20
6.1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS ...................................................................................... 20
6.2. PRINCÍPIO DA VULNERABILIDADE .......................................................................... 20
6.2.1. Vulnerabilidade técnica ........................................................................................ 21
6.2.2. Vulnerabilidade jurídica ........................................................................................ 21
6.2.3. Vulnerabilidade econômica .................................................................................. 21
6.2.4. Vulnerabilidade informacional .............................................................................. 21

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 1
6.3. PRINCÍPIO DA BOA-FE OBJETIVA ............................................................................ 22
6.3.1. Conceito e fundamento ........................................................................................ 22
6.3.2. Boa-fé objetiva e boa-fé subjetiva ........................................................................ 22
6.3.3. Funções da boa-fé ............................................................................................... 23
6.4. PRINCÍPIO DO EQUILÍBRIO ...................................................................................... 23
6.5. PRINCÍPIO DA DEFESA DO CONSUMIDOR PELO ESTADO ................................... 24
6.6. PRINCÍPIO DA HARMONIZAÇÃO .............................................................................. 24
6.7. PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA ............................................................................. 24
6.8. PRINCÍPIO DA CONFIANÇA ...................................................................................... 24
6.9. PRINCÍPIO DO COMBATE AO ABUSO ...................................................................... 25
6.10. PRINCÍPIO DA EDUCAÇÃO E DA INFORMAÇÃO ..................................................... 25
6.11. PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO..................................................................................... 25
7. DIREITOS BÁSICOS DOS CONSUMIDORES ............................................................... 25
7.1. CONSIDERAÇOES INICIAIS ...................................................................................... 25
7.2. DIREITO À VIDA, À SAÚDE E À SEGURANÇA (I) ..................................................... 27
7.3. DIREITO À EFUCAÇÃO FORMAL E INFORMAL (II) .................................................. 27
7.4. DIREITO À LIBERDADE DE ESCOLHA (II) ................................................................ 27
7.5. DIREITO À IGUALDADE NAS CONTRATAÇÕES (II) ................................................. 27
7.6. DIREITO À INFORMAÇÃO (III) ................................................................................... 27
7.7. DIREITO À PROTEÇÃO CONTRA PRÁTICAS E CLÁUSULAS ABUSIVAS (IV) ........ 27
7.8. DIREITO À MODIFICAÇÃO E REVISÃO DE CLÁUSULAS CONTRATUAIS (V)......... 27
7.8.1. Modificação das cláusulas contratuais ................................................................. 28
7.8.2. Revisão das cláusulas contratuais: ...................................................................... 28
7.9. DIREITO À EFETIVA PREVENÇÃO E REPARAÇÃO DE DANOS MORAIS E
PATRIMONIAIS, INDIVIDUAIS, COLETIVOS E DIFUOS (VI) ......................................................... 29
7.9.1. Reparação por dano moral ................................................................................... 30
7.9.2. Reparação por dano moral coletivo ...................................................................... 30
7.9.3. Reparação por dano social................................................................................... 31
7.10. DIREITO DE ACESSO À JUSTIÇA (VII) ..................................................................... 31
7.11. DIREITO À INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA .......................................................... 31
7.12. DIREITO À PRESTAÇÃO ADEQUADA E EFICAZ DO SERVIÇO PÚBLICO .............. 32
CAMPO DE INCIDÊNCIA DO CDC .............................................................................................. 33
1. RELAÇÃO JURÍDICA DE CONSUMO ............................................................................ 33
2. CONSUMIDOR ............................................................................................................... 33
2.1. INTRODUÇÃO ............................................................................................................ 33
2.2. CONSUMIDOR EM SENTIDO ESTRITO .................................................................... 33

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 2
2.3. CONSUMIDOR POR EQUIPARAÇÃO ........................................................................ 35
2.3.1. Em sentindo coletivo ............................................................................................ 35
2.3.2. Bystander ............................................................................................................. 35
2.3.3. Potencial ou virtual ............................................................................................... 36
2.4. ESQUEMATIZANDO: ESPÉCIES DE CONSUMIDOR ................................................ 37
3. FORNECEDOR .............................................................................................................. 37
3.1. CONCEITO ................................................................................................................. 37
3.2. ELEMENTO NUCLEAR............................................................................................... 37
3.3. MERCADO DE CONSUMO ........................................................................................ 38
4. PRODUTO...................................................................................................................... 39
5. SERVIÇO ....................................................................................................................... 39
5.1. REMUNERAÇÃO ........................................................................................................ 39
5.2. SERVIÇOS BANCÁRIOS, FINANCEIROS, DE CRÉDITO E SECURITÁRIOS ........... 39
5.3. SERVIÇOS PÚBLICOS ............................................................................................... 40
5.3.1. Uti singuli e uti universi......................................................................................... 40
5.3.2. Natureza da remuneração .................................................................................... 40
5.4. SERVIÇOS NOTARIAIS.............................................................................................. 40
RESPONSABILIDADE CIVIL NAS RELAÇÕES DE CONSUMO .................................................. 41
1. INTRODUÇÃO................................................................................................................ 41
1.1. RESPONSABILIDADE CIVIL SUBJETIVA X OBJETIVA ............................................. 41
1.2. FUNDAMENTO DA RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO CDC ............................... 41
1.3. JUSTIÇA DISTRIBUTIVA ............................................................................................ 41
2. SISTEMÁTICA DO CDC ................................................................................................. 41
3. TEORIA DA QUALIDADE ............................................................................................... 42
3.1. QUALIDADE-SEGURANÇA ........................................................................................ 42
3.2. QUALIDADE-ADEQUAÇÃO ........................................................................................ 42
4. DEFEITO X VÍCIO .......................................................................................................... 43
5. RESPONSABILIDADE CIVIL PELO FATO DO PRODUTO ............................................ 43
5.1. PREVISÃO LEGAL E NOÇÕES GERAIS ................................................................... 43
5.2. ESPÉCIES DE FORNECEDORES ............................................................................. 44
5.2.1. Fornecedor real .................................................................................................... 44
5.2.2. Fornecedor presumido ......................................................................................... 44
5.2.3. Fornecedor aparente ............................................................................................ 44
5.3. PRESSUPOSTOS....................................................................................................... 45
5.3.1. Conduta ............................................................................................................... 45
5.3.2. Dano .................................................................................................................... 45

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 3
5.3.3. Nexo causal ......................................................................................................... 45
5.3.4. Defeito.................................................................................................................. 45
5.4. PRODUTOS DEFEITUOSOS...................................................................................... 45
5.4.1. Defeito de concepção ou de criação .................................................................... 45
5.4.2. Defeito de fabricação ........................................................................................... 46
5.4.3. Defeito de comercialização .................................................................................. 46
5.5. RESPONSABILIDADE DO COMERCIANTE ............................................................... 46
5.6. DIREITO DE REGRESSO E DENUNCIAÇÃO DA LIDE.............................................. 47
5.7. CAUSAS DE EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADES .............................................. 48
5.7.1. Não colocou o produto no mercado...................................................................... 48
5.7.2. Defeito inexiste..................................................................................................... 48
5.7.3. Culpa exclusiva .................................................................................................... 48
5.7.4. Caso fortuito e força maior ................................................................................... 49
5.7.5. Risco de desenvolvimento.................................................................................... 49
5.7.6. Sistematizando..................................................................................................... 50
6. RESPONSABILIDADE CIVIL PELO FATO DO SERVIÇO .............................................. 50
6.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES .................................................................. 50
6.2. FORNECEDORES RESPONSÁVEIS ......................................................................... 51
6.3. SERVIÇO DEFEITUOSO ............................................................................................ 51
6.3.1. Defeito na concepção........................................................................................... 52
6.3.2. Defeito na prestação ............................................................................................ 52
6.3.3. Defeito na comercialização .................................................................................. 52
6.4. CAUSAS EXCLUDENTES DE RESPONSABILIDADE ................................................ 52
6.4.1. Ausência de defeito .............................................................................................. 52
6.4.2. Culpa exclusiva do consumidor ou de terceiros.................................................... 52
6.4.3. Caso fortuito ou força maior ................................................................................. 52
6.5. RESPONSABILIDADE DO PROFISSIONAL LIBERAL ............................................... 53
6.5.1. Obrigação de meio e obrigação de resultado ....................................................... 53
6.5.2. Responsabilidade de médicos e de hospitais ....................................................... 54
7. RESPONSABILIDADE CIVIL PELO VÍCIO DO PRODUTO E DO SERVIÇO ................. 54
7.1. FATO GERADOR........................................................................................................ 55
7.2. RESPONSABILIDADE OBJETIVA .............................................................................. 55
7.3. RESPONSABILIDADE SOLIDARIA ............................................................................ 55
7.3.1. Jurisprudência do STJ e Solidariedade ................................................................ 57
7.3.2. Exceções à solidariedade .................................................................................... 57
8. VÍCIO DE QUALIDADE DO PRODUTO.......................................................................... 58

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 4
8.1. PREVISÃO LEGAL ..................................................................................................... 58
8.2. ESPÉCIES DE VÍCIO .................................................................................................. 58
8.3. PONTA DE ESTOQUE................................................................................................ 58
8.4. PRODUTO USADO..................................................................................................... 58
8.5. PRAZOS PARA SANAR O VÍCIO ............................................................................... 58
8.6. ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS ............................................................................. 59
8.7. UTILIZAÇÃO IMEDIATA DAS ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS ............................. 60
9. VÍCIO DE QUANTIDADE DO PRODUTO ....................................................................... 60
9.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES .................................................................. 60
9.2. DIMINUIÇÃO DO VOLUME DO PRODUTO................................................................ 61
9.3. PRAZO PARA SANAR O VÍCIO.................................................................................. 62
9.4. ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS ............................................................................. 62
10. VÍCIO DE QUALIDADE DO SERVIÇO ........................................................................... 62
10.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES .................................................................. 62
10.2. ESPÉCIES DE VÍCIOS ............................................................................................... 62
10.3. PRAZO PARA SANAR O VÍCIO.................................................................................. 63
10.4. RESPONSABILIDADE DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS .......................................... 63
10.5. ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS ............................................................................. 63
11. VÍCIO DE QUANTIDADE DO SERVIÇO......................................................................... 63
11.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES .................................................................. 63
11.2. PRAZO PARA SANAR O VÍCIO.................................................................................. 63
11.3. ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS ............................................................................. 63
11.4. SERVIÇO PÚBLICO ................................................................................................... 64
PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA ................................................................................................... 66
1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS.......................................................................................... 66
2. DECADÊNCIA ................................................................................................................ 66
2.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES .................................................................. 66
2.2. PRODUTO OU SERVIÇO DURÁVEL ......................................................................... 66
2.3. CONCEITOS IMPORTANTES .................................................................................... 67
2.4. CONTAGEM DO PRAZO ............................................................................................ 67
2.5. CAUSAS QUE OBSTAM A DECADÊNCIA ................................................................. 67
2.6. GARANTIA LEGAL E GARANTIA CONTRUTUAL ...................................................... 68
3. PRESCRIÇÃO ................................................................................................................ 68
3.1. PREVISÃO LEGAL ..................................................................................................... 68
3.2. CONTAGEM DO PRAZO ............................................................................................ 69
3.3. CAUSAS DE INTERRUPÇÃO E SUSPENSÃO .......................................................... 69

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 5
3.4. PRESCRIÇÃO DE OUTRAS PRETENSÕES REPARATÓRIAS ................................. 70
DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA ........................................................... 71
1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES...................................................................... 71
2. HIPÓSES DE DESCONSIDERAÇÃO ............................................................................. 71
3. TEORIAS SOBRE A DESCONSIDERAÇÃO .................................................................. 72
3.1. TEORIA MAIOR .......................................................................................................... 72
3.2. TEORIA MENOR......................................................................................................... 72
4. DESCONSIDERAÇÃO DO CC X DESCONSIDERAÇÃO DO CDC ................................ 72
5. NCPC E DESCONSIDERAÇÃO ..................................................................................... 73
PRÁTICAS COMERCIAIS ............................................................................................................ 74
1. PUBLICIDADE ................................................................................................................ 74
1.1. CONCEITO ................................................................................................................. 74
1.2. DIFERENCIAÇÕES .................................................................................................... 74
1.3. PRINCÍPIOS DA PROTEÇÃO PUBLICITÁRIA ............................................................ 74
1.3.1. Princípio da identificação da publicidade .............................................................. 74
1.3.2. Princípio da vinculação contratual da publicidade ................................................ 74
1.3.3. Princípio da transparência da fundamentação da publicidade .............................. 75
1.3.4. Princípio da inversão do ônus da prova................................................................ 75
2. PUBLICIDADE ENGANOSA ........................................................................................... 76
2.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES .................................................................... 76
2.2. RESPONSABILIDADE .................................................................................................. 76
2.3. FORMAS DE PUBLICIDADE ENGANOSA ................................................................. 76
2.3.1. Comissiva ............................................................................................................ 76
2.3.2. Omissiva .............................................................................................................. 76
2.4. SUJEITOS RESPONSÁVEIS ...................................................................................... 76
2.5. RESPONSABILIDADE DA AGÊNCIA E DO VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO .............. 76
3. PUBLICIDADE ABUSIVA ............................................................................................... 77
3.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES .................................................................. 77
3.2. HIPÓTES DE PUBLICIDADE ABUSIVA NO CDC ....................................................... 78
3.3. RESPONSABILIDADE ................................................................................................ 78
3.4. SUJEITOS RESPONSÁVEIS ...................................................................................... 78
4. PRÁTICAS ABUSIVAS ................................................................................................... 78
COBRANÇA DE DÍVIDAS ............................................................................................................ 83
1. REPETIÇÃO DO INDÉBITO ........................................................................................... 83
1.1. PREVISÃO LEGAL ..................................................................................................... 83
1.2. PRESSUPOSTOS....................................................................................................... 83

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 6
1.3. JURISPRUDÊNCIA DO STJ E REPETIÇÃO DO INDÉBITO ....................................... 83
1.4. CC x CDC ................................................................................................................... 83
2. ARQUIVO DE CONSUMO .............................................................................................. 84
2.1. CONCEITO ................................................................................................................... 84
2.2. ESPÉCIES .................................................................................................................... 84
2.3. NATUREZA JURÍDICA................................................................................................ 84
3. BANCO DE DADOS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO ...................................................... 84
3.1. AÇÕES ......................................................................................................................... 84
3.2. FINALIDADE................................................................................................................. 85
3.3. NEGATIVAÇÃO ............................................................................................................ 85
3.4. QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES ............................................................................ 85
3.5. RESPONSABILIDADE POR INFORMAÇÃO INVERÍDICA ......................................... 85
4. DIREITOS DOS CONSUMIDORES PERANTE OS ARQUIVOS DE CONSUMO ........... 85
4.1. DIREITO À COMUNICAÇÃO POR ESCRITO DO ASSENTO (ART. 43, §2º) ............. 85
4.2. DIREITO DE ACESSO À INFORMAÇÃO (ART. 43, CAPUT)...................................... 86
4.3. DIREITO À CORREÇÃO DA INFORMAÇÃO (ART. 43, § 3º) ...................................... 86
5. RESPONSABILIDADE PELO CANCELAMENTO DA INSCRIÇÃO ................................ 86
5.1. RESPONSÁVEL ......................................................................................................... 86
5.2. PRAZO........................................................................................................................ 87
6. RESPONSABILIDADE PELO ARQUIVAMENTO INDEVIDO .......................................... 87
7. LIMITES TEMPORAIS DOS REGISTROS NEGATIVOS ................................................ 87
PROTEÇÃO CONTRATUAL ......................................................................................................... 88
1. PRINCÍPIOS NORTEADORES DA PROTEÇÃO CONTRATUAL ................................... 88
1.1. PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA ............................................................................. 88
1.2. PRINCÍPIO DA INTERPRETAÇÃO FAVORÁVEL ....................................................... 88
1.3. PRINCÍPIO DA VINCULAÇÃO DO FORNECEDOR .................................................... 88
1.4. PRINCÍPIO DA PRESERVAÇÃO DOS CONTRATOS ................................................ 88
2. DIREITO DE ARREPENDIMENTO ................................................................................. 89
3. TEORIA DO ADIMPLEMENTO SUBSTANCIAL ............................................................. 89
4. CLÁUSULAS ABUSIVAS ................................................................................................ 90
4.1. DEFINIÇÃO................................................................................................................. 90
4.2. AFERIÇÃO OBJETIVA ................................................................................................ 91
4.3. NULIDADE DE PLENO DIREITO ................................................................................ 91
4.4. RECONHECIMENTO DE OFÍCIO ............................................................................... 92
4.5. IMPRESCRITIBILIDADE ............................................................................................. 92
4.6. INTEGRAÇÃO DE CONTRATO .................................................................................. 92

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 7
4.7. ESPÉCIES DE CLÁUSULAS ABUSIVAS .................................................................... 92
5. CRÉDITOS E FINANCIAMENTOS AO CONSUMIDOR .................................................. 94
5.1. SUPERENDIVIDAMENTO .......................................................................................... 95
5.2. MULTA MORATÓRIA ................................................................................................. 96
5.3. LIQUIDAÇÃO ANTECIPADA DO DÉBITO .................................................................. 96
6. CONTRATO DE COMPRA E VENDA À PRESTAÇÃO E ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA EM
GARANTIA ................................................................................................................................ 96
7. CONTRATO DE ADESSÃO............................................................................................ 97
7.1. CARACTERÍSTIVAS ................................................................................................... 97
7.2. CLÁUSULA RESOLUTÓRIA ....................................................................................... 97
7.3. FORMA ....................................................................................................................... 97
7.4. CLÁUSULAS RESTRITIVAS DE DIREITOS DO CONSUMIDOR ............................... 98
DEFESA DO CONSUMIDOR EM JUÍZO ...................................................................................... 99
1. INTRODUÇÃO................................................................................................................ 99
2. TUTELA ESPECÍFICA .................................................................................................... 99
2.1. IMPACTOS DO NCPC NA TUTELA ESPECÍFICA DO DIREITO DO CONSUMIDOR
100
2.1.1. Adiantamento da tutela específica – CDC, art. 84, §3º ....................................... 100
2.1.2. Multa coercitiva (astreintes) – CDC, art. 84, §4º: ................................................ 101
3. COMPETÊNCIA PELO DOMICÍLIO DO CONSUMIDOR .............................................. 101
4. DIREITO À INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA ............................................................ 102
4.1. PREVISÃO LEGAL ................................................................................................... 102
4.2. REQUISITOS ............................................................................................................ 102
4.4.1. Verossimilhança das alegações ......................................................................... 102
4.4.2. Hipossuficiência do consumidor ......................................................................... 102
4.4. MOMENTO DA INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA .................................................. 102
4.5. CUSTEIO DA PROVA ............................................................................................... 103
4.6. EFEITOS DA INVERSÃO.......................................................................................... 103
CRIMES CONTRA AS RELAÇÕES DE CONSUMO ................................................................... 104
1. PREVISÃO LEGAL ....................................................................................................... 104
2. SUJEITO ATIVO ........................................................................................................... 104
3. SUJEITO PASSIVO ...................................................................................................... 104
4. OMISSÃO SOBRE A NOCIVIDADE (ART. 63) ............................................................. 104
4.1. OBJETIVIDADE JURÍDICA ....................................................................................... 105
4.2. FIGURA EQUIPARADA ............................................................................................ 105
4.3. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 106

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 8
4.4. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 106
5. DEIXAR DE COMUNICAR A NOCIVIDADE DESCOBERTA POSTERIORMENTE À
COLOCAÇÃO NO MERCADO ................................................................................................ 106
5.1. DIFERENÇA PARA O ART. 63 ................................................................................. 106
5.2. TIPO OBJETIVO ....................................................................................................... 106
5.3. FORMA EQUIPARADA (PARÁGRAFO ÚNICO) ....................................................... 106
5.4. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 107
5.5. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 107
6. EXECUÇÃO DE SERVIÇO CONTRARIANDO DETERMINAÇÃO DE AUTORIDADE
COMPETENTE ....................................................................................................................... 107
6.1. TIPO OBJETIVO ....................................................................................................... 108
6.2. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 108
6.3. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 108
7. AFIRMAÇÃO FALSA E OMISSÃO DE INFORMAÇÃO RELEVANTE SOBRE PRODUTOS
OU SERVIÇOS ....................................................................................................................... 108
7.1. SUJEITO ATIVO ....................................................................................................... 108
7.2. TIPO OBJETIVO ....................................................................................................... 108
7.3. CONFLITO DE NORMAS.......................................................................................... 109
7.4. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 109
7.5. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 109
8. PUBLICIDADE ENGANOSA OU ABUSIVA OU CAPAZ DE INDUZIR O CONSUMIDOR A
SE COMPORTAR DE FORMA PREJUDICIAL ........................................................................ 109
8.1. DIFERENÇA ENTRE OS TIPOS ............................................................................... 110
8.2. SUJEITO ATIVO ....................................................................................................... 110
8.3. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 110
8.4. CONFLITO DE NORMAS.......................................................................................... 110
8.5. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 111
9. DEIXAR DE ORGANIZAR DADOS-BASE À PUBLICIDADE ........................................ 111
9.1. SUJEITO ATIVO ....................................................................................................... 111
9.2. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 111
9.3. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 111
10. EMPREGAR NA REPARAÇÃO COMPONENTES USADOS SEM AUTORIZAÇÃO..... 112
10.1. TIPO OBJETIVO ....................................................................................................... 112
10.2. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 112
10.3. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 112
11. COBRANÇA VEXATÓRIA OU VIOLENTA ................................................................... 112
11.1. SUJEITO ATIVO ....................................................................................................... 113

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 9
11.2. TIPO OBJETIVO ....................................................................................................... 113
11.3. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 113
11.4. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 113
12. IMPEDIR ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE O CONSUMIDOR ........................... 113
12.1. TIPO OBJETIVO ....................................................................................................... 113
12.2. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 114
12.3. Consumação e tentativa ............................................................................................ 114
13. DEIXAR DE CORRIGIR INFORMAÇÃO INEXATA SOBRE O CONSUMIDOR ............ 114
13.1. TIPO OBJETIVO ....................................................................................................... 114
13.2. TIPO SUBJETIVO ..................................................................................................... 114
13.3. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 114
14. DEIXAR DE ENTREGAR TERMO DE GARANTIA ADEQUADAMENTE PREENCHIDO
114
14.1. TIPO OBJETIVO ....................................................................................................... 115
14.2. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA ................................................................................ 115
15. PENA DE MULTA NOS CRIMES DO CDC (art. 77) ..................................................... 115
16. VALOR DE FIANÇA NO CDC ....................................................................................... 116
17. ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO E AÇÃO PENAL SUBSIDIÁRIA DA PÚBLICA (art. 80 c/c
art. 82, III e IV)......................................................................................................................... 116

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 10
APRESENTAÇÃO
Olá!

Inicialmente, gostaríamos de agradecer a confiança em nosso material. Esperamos que seja


útil na sua preparação, em todas as fases. A grande maioria dos concurseiros possui o hábito de
trocar o material de estudo constantemente, principalmente, em razão da variedade que se tem
hoje, cada dia surge algo novo. O ideal é você utilizar sempre a mesma fonte, fazendo a
complementação necessária, eis que quanto mais contato temos com determinada fonte de estudo,
mais familiarizados ficamos, o que se torna primordial na hora da prova.

O Caderno Sistematizado de Direito do Consumidor possui como base as aulas do Prof.


Leonardo Garcia (CERS) e Landolfo Andrade (G7), com o intuito de deixar o material mais completo,
utilizados as seguintes fontes complementares: a) Interesses Difusos e Coletivos Esquematizados,
2017, (Cleber Masson, Landolfo Andrade.); b) Código de Defesa do Consumidor Comentado artigo
por artigo, 2017, (Leonardo de Medeiros Garcia).

Na parte jurisprudencial, utilizamos os informativos do site Dizer o Direito


(www.dizerodireito.com.br), os livros: Principais Julgados STF e STJ Comentados, Vade Mecum de
Jurisprudência Dizer o Direito, Súmulas do STF e STJ anotadas por assunto (Dizer o Direito).
Destacamos é importante você se manter atualizado com os informativos, reserve um dia da
semana para ler no site do Dizer o Direito.

Como você pode perceber, reunimos em um único material diversas fontes (aulas + doutrina
+ informativos + + lei seca + questões) tudo para otimizar o seu tempo e garantir que você faça uma
boa prova.

Por fim, como forma de complementar o seu estudo, não esqueça de fazer questões. É muito
importante!! As bancas costumam repetir certos temas.

Vamos juntos!! Bons estudos!!

Equipe Cadernos Sistematizados.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 11
NOÇÕES INTRODUTÓRIAS
1. ORIGEM DO DIREITO DO CONSUMIDOR

Inicialmente, destaca-se que o ser humano realiza atos de consumo desde sempre, há,
inclusive, menção no Código de Hamurabi. Contudo, focaremos o estudo a partir da história mais
recente da humanidade, especialmente à época que surgiu a sociedade de consumo em massa.

Pós revolução industrial, muitas pessoas que viviam no campo migraram para as cidades
em busca de empregos, causando, consequentemente, a insuficiência de serviços públicos, bem
como o surgimento de dois grandes grupos: fornecedores (controlam os meios de produção) e os
consumidores (que, por não controlarem os bens de produção, se submetem ao poder econômico
do primeiro grupo). Estava formada a sociedade de consumo em massa, levada por técnicas
eficientes de marketing a consumir de modo impulsivo e sem reflexão.

Neste cenário, o direito privado tradicional mostrou-se ineficaz para tutelar os agentes
econômicos vulneráveis: os consumidores.

Atribui-se a um discurso do Presidente norte-americano John F. Kennedy, no ano de 1962


– no qual foram referidos como direitos básicos o direito à segurança, o direito à informação, o
direito de escolha e o direito de ser ouvido –, o despertar para uma reflexão mais profunda sobre a
importância da proteção dos direitos dos consumidores.

No ano de 1972 realizou-se, em Estocolmo, a Conferência Mundial do Consumidor. A


Organização das Nações Unidas (ONU), no ano de 1985, por meio da Resolução 39/248,
estabeleceu diretrizes para o direito do consumidor, reconhecendo a necessidade de proteção
desse agente econômico vulnerável, em suas relações frente aos fornecedores.

No Brasil, a CF/88 erigiu o Direito do Consumidor à categoria de direito fundamental.

Em 1990, editou-se o Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/1990).

2. FINALIDADE DO DIREITO DO CONSUMIDOR

Basicamente, visa proteger o consumidor, reduzindo a desigualdade existente entre ele e o


fornecedor na relação de consumo, com o consequente reestabelecimento do equilíbrio.

3. DEFINIÇÃO DE DIREITO DO CONSUMIDOR

Direito do Consumidor é o conjunto de normas e princípios que regula a tutela de um sujeito


especial de direitos, a saber, o consumidor, como agente privado vulnerável, nas suas relações
frente a fornecedores.

Destaca-se que o enfoque, no Brasil, é a tutela do sujeito vulnerável, por isso se tutela o
consumidor.

Na França, diferentemente, tutela-se o consumo, ou seja, o objeto.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 12
O DIREITO DO CONSUMIDOR E A CF/88
1. DIREITO FUNDAMENTAL

A CF/88 consagrou a defesa do consumidor como um direito fundamental, nos termos do


art. 5º, XXXII, in verbis:

Art. 5º XXXII - o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor.

É um direito de terceira geração/dimensão, está dentro dos direitos difusos.

1.1. EFEITOS DO STATUS DE DIREITO FUNDAMENTAL

A doutrina aponta três consequências da consagração do Direito do Consumidor como um


direito fundamental, quais sejam:

a) Proteção como parte do núcleo imodificável da CF – trata-se, portanto, de uma cláusula


pétrea (art. 60, §4º);

b) Eficácia horizontal (direta ou indireta) do direito fundamental – o Estado deverá garantir


que os fornecedores respeitem o direito do consumidor. Será direta, quando utilizar o
texto constitucional para proteção dos direitos dos consumidores; será indireta, quando
utilizar norma infraconstitucional para proteção, por exemplo as normas do CDC.

c) Garantia constitucional deste novo ramo do direito, tendo em vista a força normativa da
Constituição. Significa que nenhuma lei poderá desrespeitar a normatividade do CDC,
pois está lastreado na força normativa da Constituição, o que garante a eficácia de suas
normas.

OBS.: Para alguns, aplica-se aqui a Teoria da Proibição do Retrocesso, segundo a qual, qualquer
norma que tente diminuir ou suprimir direitos dos consumidores deve ser considerada
inconstitucional.

2. PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔNICA

A CF, em seu art. 170, V, consagra o direito do consumidor como um princípio da ordem
econômica. Desta forma, o Estado poderá intervir na economia para a defesa dos consumidores.

Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e


na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme
os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios:
V - defesa do consumidor

Para a doutrina, este princípio possui um caráter conformador, pois autoriza a intervenção
do Estado na economia – decorrência do Estado Social de Direito -, bem como conforma a atuação
do fornecedor, garantindo a sua livre iniciativa, mas, também, garantindo a proteção do consumidor.
É uma forma de harmonizar o sistema, evitando o desequilíbrio na relação consumerista.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 13
3. COMPETÊNCIA LEGISLATIVA

Nos termos do art. 24 da CF, a competência para legislar sobre produção e consumo (inciso
V), bem como sobre responsabilidade por danos ao consumidor (inciso VIII) é concorrente entre a
União, os Estados e o DF.

A União possui competência para legislar sobre as normas gerais, ao passo que os Estados
e o DF podem legislar de forma suplementar, ou seja, com o intuito de adequar a legislação federal
às peculiaridades locais. Destaca-se que havendo inércia da União, poderá ser exercida a
competência plena, nos termos dos §§ 3º e 4º, do art. 24 da CF.

Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar


concorrentemente sobre:
(...)
V - produção e consumo;
(...)
VIII - responsabilidade por dano ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e
direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico;
(...)
§ 3º Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a
competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades.
§ 4º A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia
da lei estadual, no que lhe for contrário.

Igualmente, os Municípios possuem competência para legislar sobre direito do consumidor,


tratando-se de interesse local, nos termos do art. 30 da CF.

Art. 30. Compete aos Municípios:


I - legislar sobre assuntos de interesse local;

Cita-se, como exemplo, lei municipal que obrigue agências bancárias a disponibilizarem
bebedouros ou banheiros aos clientes; lei municipal que regule o tempo de espera em filas.

Recurso extraordinário. Constitucional. Consumidor. Instituição bancária.


Atendimento ao público. Fila. Tempo de espera. Lei municipal. Norma de
interesse local, legitimidade. Lei municipal 4.188/01. Banco. Atendimento ao
público e tempo máximo de espera na fila. Matéria que não se confunde com
a atinente às atividades bancárias. Matéria de interesse local e de proteção
ao consumidor. Competência legislativa do município. Recurso extraordinário
conhecido e provido. (STF, RE 432.789)

4. PROTEÇÃO INFRACONSTITUCIONAL

O legislador constituinte, no art. 48 do ADCT, determinou que em 120 dias, após a


promulgação da CF/88, o Congresso Nacional deveria editar um Código de Defesa do Consumidor,
confirmando a grande importância deste ramo do direito na tutela dos vulneráveis.

Art. 48 ADCT - O Congresso Nacional, dentro de cento e vinte dias da


promulgação da Constituição, elaborará código de defesa do consumidor.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 14
Em 1990, editou-se a Lei 8.078/90, Código de Defesa do Consumidor (CDC) que organizou,
sistematicamente, as normas de proteção a este sujeito especial de direitos, a partir de princípios e
regras específicos, que serão analisados ao longo do nosso Caderno Sistematizado.

OBS.: De acordo com STF e STJ, o CDC não pode ser aplicado em situações anteriores a sua
vigência. Salvo nos casos de prestações sucessivas, em que o contrato é por prazo
indeterminado, a exemplo dos contratos de plano de saúde

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 15
CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR
1. INFLUÊNCIAS

O Código de Defesa do Consumidor foi inspirado em vários modelos legislativos


estrangeiros, mas foi o Código de Consumo francês nossa principal influência. Salienta-se que o
CDC foi uma norma extremamente revolucionária, servindo, hoje, como modelo para outros países
da América Latina.

2. MICROSSISTEMA JURÍDICO

O CDC inaugurou um microssistema jurídico, pois trouxe princípios gerais que devem
orientar a aplicação das normas consumeristas em todas as relações jurídicas de consumo. Instituiu
uma base principiológica sólida que confere coesão ao sistema, sem ter a preocupação de exaurir
o sistema.

Por exemplo, não trata de cada espécie de relação jurídica, mas trouxe uma base sólida de
princípios que devem ser observadas em todas e quaisquer relações jurídicas que envolvam
fornecedor e consumidor.

STJ - O microssistema jurídico criado pela legislação consumerista busca


dotar o consumidor de instrumentos que permitam um real exercício dos
direitos a ele assegurados e, entre os direitos básicos do consumidor,
previstos no art. 6.º, VIII, está a facilitação da defesa dos direitos privados

Podemos citar, ainda, a multidisciplinariedade como outra característica do CDC, visto que
cuida de questões que se acham inseridas nos Direitos Constitucional, Civil, Penal, Processual e
Administrativo, sempre com o intuito de promover a efetiva tutela dos interesses dos consumidores.

3. LEI PRINCIPIOLÓGICA

O CDC é uma lei principiológica, tendo em vista que consagra os princípios que devem ser
seguidos em todas as relações de consumo.

É, nos termos do seu art. 1º, uma norma de ordem pública e de interesse social, inserida
(como já vimos), no microssistema.

Art. 1º CDC - O presente código estabelece normas de proteção e defesa do


consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5°,
inciso XXXII, 170, inciso V, da Constituição Federal e art. 48 de suas
Disposições Transitórias.

3.1. NORMA DE ORDEM PÚBLICA

De acordo com o Prof. Landolfo de Andrade, as normas de ordem pública ou cogentes são
aquelas que, por estabelecerem valores básicos e fundamentais de nossa ordem jurídica,
transcendem o interesse das partes, prevalecendo sobre a vontade destas.

São normas que permitem a intervenção do juiz de ofício, a fim de que seja preservado o
interesse do consumidor e o interesse social. Por exemplo, em tese, o juiz pode inverter o ônus da
prova de ofício, declarar a nulidade de cláusulas abusivas.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 16
ATENÇÃO! A Súmula 381 do STJ proíbe que o juiz declare de ofício as cláusulas abusivas nos
contratos bancários. De acordo com o Professor, esta súmula poderá ser aplicada para outras
espécies de contratos de consumo, sendo a atual posição do STJ.

Súmula 381 STJ – Nos contratos bancários, é vedado ao julgador conhecer,


de ofício, da abusividade da cláusula.

Cláudia Lima Marques, em entendimento minoritário, afirma que o CDC poderá retroagir e
ser aplicado a relações que tenham ocorrido antes de sua vigência, justamente por ser considerado
uma norma de ordem pública. Como visto acima, nem o STF e nem o STJ aceitam esta tese.

3.2. NORMA DE INTERESSE SOCIAL

Para Landolfo Andrade, o CDC é uma norma de interesse social, pois interessa mais
diretamente à sociedade do que aos particulares.

O CDC visa proteger a relação de consumo. Ou seja, o combate aos abusos, não interessa
apenas as partes, mas sim toda a coletividade, pois estas relações são disseminadas.

4. POLÍTICA NACIONAL DAS RELAÇÕES DE CONSUMO

O art. 4º do CDC é considerado uma norma narrativa, pois traz os objetivos e os princípios
da relação de consumo, não se limitando a estabelecer um programa. Funciona como um guia para
a aplicação das demais normas do CDC.

Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o


atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua
dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a
melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia
das relações de consumo, atendidos os seguintes princípios:
I - reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de
consumo;
II - ação governamental no sentido de proteger efetivamente o consumidor:
a) por iniciativa direta;
b) por incentivos à criação e desenvolvimento de associações
representativas;
c) pela presença do Estado no mercado de consumo;
d) pela garantia dos produtos e serviços com padrões adequados de
qualidade, segurança, durabilidade e desempenho.
III - harmonização dos interesses dos participantes das relações de consumo
e compatibilização da proteção do consumidor com a necessidade de
desenvolvimento econômico e tecnológico, de modo a viabilizar os princípios
nos quais se funda a ordem econômica (art. 170, da Constituição Federal),
sempre com base na boa-fé e equilíbrio nas relações entre consumidores e
fornecedores;
IV - educação e informação de fornecedores e consumidores, quanto aos
seus direitos e deveres, com vistas à melhoria do mercado de consumo;
V - incentivo à criação pelos fornecedores de meios eficientes de controle de
qualidade e segurança de produtos e serviços, assim como de mecanismos
alternativos de solução de conflitos de consumo;
VI - coibição e repressão eficientes de todos os abusos praticados no
mercado de consumo, inclusive a concorrência desleal e utilização indevida

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 17
de inventos e criações industriais das marcas e nomes comerciais e signos
distintivos, que possam causar prejuízos aos consumidores;
VII - racionalização e melhoria dos serviços públicos;
VIII - estudo constante das modificações do mercado de consumo.

Objetivos da política nacional das relações de consumo:

• Defesa dos interesses dos consumidores;

• Transparência nas relações de consumo;

• Harmonia entre consumidores e fornecedores.

Por fim, destaca-se que embora inspirada na reconhecida necessidade de proteger o


consumidor, agente vulnerável nas relações de consumo, não tem caráter paternalista, ou seja, não
visa favorecer ilimitada e injustificadamente este especial sujeito de direitos. Ao contrário, quando
se fala em “política nacional de relações de consumo”, o que se busca é a propalada harmonia que
deve regê-las a todo o momento

Obs.: O art. 4º, ao definir os fins, impõe obrigações de resultados. Por isso, é dotado de eficácia
plena, designando um programa de interesse público, voltado à consecução de uma finalidade –
defesa do consumidor – imposta pela CF e na Lei.

5. DIÁLOGO DAS FONTES

É uma técnica utilizada para solucionar princípios de interesses. Por ser uma norma
principiológica, os princípios do direito do consumidor alcançam as relações consumeristas em todo
o ordenamento jurídico.

Para melhor entendimento, o Professor usa o exemplo de uma laranja afirmando que por
ser uma norma principiológica, o CDC faz um corte transversal na laranja, alcançando todos os seus
gomos. Desta forma, será aplicado aos planos de saúde, às relações hoteleiras, às mensalidades
escolares, ao transporte de passageiros, enfim todos os ramos da atividade econômica.

Há leis setoriais, as quais regulam cada atividade econômica. Haverá, com isso, uma relação
de convivência entre o CDC e estas leis. Consequentemente, há casos em que pode ocorrer um
conflito aparente de normas.

5.1. CRITÉRIOS TRADICIONAIS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS DE NORMAS

Os critérios tradicionais excluem uma das normas do ordenamento jurídico, verdadeiro


monólogo. Atualmente, são insuficientes para a solução de conflitos entre normas.

5.1.1. Critério cronológico

A lei mais nova retira do sistema a lei anterior com ela conflitante.

5.1.2. Critério da especialidade

A lei geral nova não revoga a lei especial anterior, a não ser que incorpore ou regule
inteiramente a matéria que tratava a lei especial antiga.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 18
5.1.3. Critério da hierarquia

A lei hierarquicamente superior tem prioridade de aplicação e pode afastar ou revogar a lei
inferior com ela conflitante.

5.2. CRITÉRIO ATUAL

Como visto acima, o diálogo das fontes é um novo critério de solução de conflitos entre
normas. Por este critério, as duas leis serão aplicadas uma em caráter principal e a outra de forma
complementar/subsidiária.

O STF reconhece o uso da teoria do diálogo das fontes, vejamos:

A Emenda Constitucional 40, na medida em que conferiu maior vagueza à


disciplina constitucional do sistema financeiro (dando nova redação ao art.
192), tornou ainda maior esse campo que a professora Claudia Lima Marques
denominou “diálogo entre fontes” – no caso, entre a lei ordinária (que
disciplina as relações consumeristas) e as leis complementares (que
disciplinam o sistema financeiro nacional). (STF, ADI 2.591/DF).

OBS.: O CDC será sempre aplicado em caráter primário e as outras normas serão aplicadas
subsidiariamente, desde que compatíveis com a principiologia do CDC.

5.3. DIÁLOGO ENTRE O CDC E O CC

Identifica-se três espécies de diálogos entre o CDC e o CC (Cláudia Lima Marques), a seguir
analisaremos cada um deles.

5.3.1. Diálogo sistemático de coerência

Consiste no aproveitamento da base conceitual de uma lei pela outra. Conceitos gerais do
CC (pessoa jurídica, nulidades, provas, contratos) podem ser aproveitados na aplicação do CDC,
que deles não se ocupou.

Percebe-se que o CDC se preocupou apenas com a construção de conceitos específicos,


considerados importantes para a sistemática de defesa dos sujeitos consumidores (ex.: consumidor,
fornecedor, produto, serviço).

5.3.2. Diálogo sistemático de complementaridade

É a adoção de princípios e normas, em caráter complementar, por um dos sistemas, quando


se fizer necessário para a solução de um caso concreto. Na relação de consumo, aplica-se
prioritariamente o CDC, e só subsidiariamente, no que couber e for complementarmente necessário,
o CC.

Por exemplo, o CDC, em seu art. 42, parágrafo único, dispõe que o consumidor cobrado em
quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em
excesso. Porém, não estabelece o prazo para o consumidor buscar a satisfação dessa pretensão
em juízo. Nesse caso, como não há norma específica a reger a hipótese, aplica-se,
complementarmente, o prazo prescricional de dez anos, estabelecido pela regra geral do Código
Civil de 2002 (art. 205).

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 19
5.3.3. Diálogo das influências recíprocas sistemáticas

É a influência do sistema especial no geral e do sistema geral no especial (diálogo de


coordenação e adaptação sistemática).

Por exemplo, o CC tornou-se suficiente para harmonizar as relações entre iguais, a aplicação
do CDC foi direcionada apenas para a proteção do vulnerável, o que explica a atual opção do STJ
pela teoria finalista (simples ou mitigada), na definição do conceito de consumidor.

6. PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO DO CONSUMIDOR

6.1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Para a escola jusnaturalista, os princípios gerais do direito não possuíam força de lei. Sua
aplicação era feita em caráter suplementar. Havendo lacuna, utilizavam-se os princípios extraídos
do direito natural.

Para escola positivista, os princípios são extraídos do próprio ordenamento jurídico, mas não
possuem força normativa.

Para a escola pós-positivista, os princípios estão previstos expressa ou implicitamente no


próprio ordenamento jurídico e possuem força normativa. Entendem que se diferem das normas
quanto à forma e quanto ao conteúdo.

OBS.: As cláusulas gerais são disposições normativas que utilizam, no enunciado, uma linguagem
aberta, fluída ou vaga, a ser preenchida pelo magistrado quando da análise de um caso concreto.
As cláusulas gerais constituem uma moderna técnica legislativa que possibilita ao intérprete
determinar, previamente, qual a norma de conduta que deveria ter sido observada naquele caso. E,
para alcançar tal objetivo, poderá aproveitar-se de princípios positivados ou não positivados no
ordenamento jurídico, concretizando seus valores na solução dos casos concretos.

6.2. PRINCÍPIO DA VULNERABILIDADE

É o principal princípio do direito do consumidor, traz a ideia de que o consumidor se encontra


em uma posição de inferioridade em relação ao fornecedor.

Possui fundamento na CF, tendo em vista que a defesa do consumidor é um direito


fundamental, bem como um princípio que rege a ordem econômica, conforme vimos acima.
Encontra-se expressamente previsto no art. 4º, I do CDC.

Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o


atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua
dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a
melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia
das relações de consumo, atendidos os seguintes princípios:
I - Reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de
consumo

OBS.: a vulnerabilidade, aqui, possui presunção absoluta e decorre da própria lei.

A doutrina (Cláudia Lima Marques) aponta três espécies de vulnerabilidade, as quais


diversas vezes já foram mencionadas em decisões proferidas pelo STJ.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 20
6.2.1. Vulnerabilidade técnica

Desconhecimento, por parte do consumidor, das características do produto/serviço. Desta


forma, a vulnerabilidade decorre da não participação do consumidor na produção do bem.

Eventualmente, o consumidor profissional poderá ser considerado um vulnerável técnico,


nos casos em que o produto ou o serviço adquirido não tiver relação com a sua formação,
competência ou área de atuação.

6.2.2. Vulnerabilidade jurídica

Desconhecimento, por parte do consumidor, dos seus direitos e deveres, incluindo aspectos
econômicos e contábeis.

6.2.3. Vulnerabilidade econômica

O consumidor é frágil diante do fornecedor, por uma série de motivos, vejamos:

• Em razão do forte poder econômico do fornecedor;


• Em razão de o fornecedor deter o monopólio fático ou jurídico da relação,
• Em razão de o fornecedor desenvolver uma atividade considerada essencial (ex.
provedor de internet).

Para fixação, vejamos o quadro sistematizado, retirado do Livro Interesses Difusos e


Coletivos, bem como apresentado em aula pelo Prof. Landolfo.

VULNERABILIDADE DEFINIÇÃO EXEMPLO

TÉCNICA Consiste na ausência de É o caso do estudante que compra


conhecimentos específicos sobre o um notebook sem possuir
produto que o consumidor adquire conhecimentos técnicos específicos
ou utiliza. sobre o produto adquirido.

JURÍDICA Consiste na falta de conhecimento, É o caso da pessoa que firma um


pelo consumidor, dos direitos e compromisso de compra e venda de
deveres inerentes à relação de um lote, junto a uma incorporadora,
consumo. sem possuir conhecimento jurídico
para compreender todos os
aspectos do negócio.

ECONÔMICA Consiste na condição de fragilidade É o caso do pai de família que


do consumidor frente ao fornecedor contrata serviço de internet banda
que, por sua posição de monopólio, larga fornecido em seu endereço
fático ou jurídico, por seu forte por uma única concessionária de
poderio econômico ou em razão da serviço público.
essencialidade do serviço que
fornece, impõe sua superioridade a
todos que com ele contratem.

6.2.4. Vulnerabilidade informacional

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 21
A falta da informação é causa de vulnerabilidade. Aqui, o consumidor não detém informações
suficientes para realizar o processo decisório de aquisição ou não do produto ou serviço.

6.3. PRINCÍPIO DA BOA-FE OBJETIVA

6.3.1. Conceito e fundamento

Representa o padrão de conduta que deve ser observado por todos os fornecedores no
mercado de consumo, com base em valores éticos, de modo a respeitar as expectativas do
consumidor naquela relação jurídica.

O fundamento é constitucional, de modo implícito (art. 1º, III e art. 3º I da CF), decorrente da
dignidade da pessoa humana e da do princípio da solidariedade, e legal, de modo expresso (art. 4º,
III CDC e arts. 113, 187 e 422, CC).

CF Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel


dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado
Democrático de Direito e tem como fundamentos:
III - a dignidade da pessoa humana;

CF Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do


Brasil:
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;

CDC - Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo
o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua
dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a
melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia
das relações de consumo, atendidos os seguintes princípios: (...)
III - harmonização dos interesses dos participantes das relações de consumo
e compatibilização da proteção do consumidor com a necessidade de
desenvolvimento econômico e tecnológico, de modo a viabilizar os princípios
nos quais se funda a ordem econômica (art. 170, da Constituição Federal),
sempre com base na boa-fé e equilíbrio nas relações entre consumidores e
fornecedores;

CC Art. 113. Os negócios jurídicos devem ser interpretados conforme a boa-


fé e os usos do lugar de sua celebração.

CC Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-
lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou
social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.

CC Art. 422. Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão


do contrato, como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé.

6.3.2. Boa-fé objetiva e boa-fé subjetiva

Boa-fé objetiva trata-se de um princípio, ora estudado.

Boa-fé subjetiva trata-se do estado anímico da pessoa, ou seja, a sua intenção ao realizar
determinado ato. Não interessa ao direito do consumidor.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 22
6.3.3. Funções da boa-fé

a) Função interpretativa ou critério hermenêutico (CC, art. 113 e CDC, art. 4º, III)

Quando houver, por exemplo, cláusulas contratuais de interpretação dúbia, a interpretação


deve ser orientada de acordo com a boa-fé objetiva.

b) Função integrativa ou de criação de deveres jurídicos

A boa-fé objetiva cria deveres anexos ao contrato que devem ser respeitados, tais como o
dever de cuidado, o dever de informação e o dever de cooperação.

• Dever de informação: o fornecedor deve informar ao consumidor todas as


características do produto;
• Dever de cuidado: impõe ao fornecedor o dever de adotar uma conduta protetiva,
voltada à prevenção de danos ao patrimônio e à pessoa do consumidor.
• Dever de cooperação: as partes de uma relação jurídica de consumo devem
cooperar entre si para que as obrigações sejam satisfeitas.

STJ (REsp 595.631/SC) - Aplicação do princípio da boa-fé contratual.


Deveres anexos ao contrato. O princípio da boa-fé se aplica às relações
contratuais regidas pelo CDC, impondo, por conseguinte, a obediência aos
deveres anexos ao contrato, que são decorrência lógica deste princípio. O
dever anexo de cooperação pressupõe ações recíprocas de lealdade dentro
da relação contratual. A violação a qualquer dos deveres anexos implica em
inadimplemento contratual de quem lhe tenha dado causa.

O descumprimento dos deveres anexos representa uma violação positiva do contrato ou,
ainda, um adimplemento ruim do contrato.

c) Função de controle ou limitativa do exercício de direitos subjetivos:

A atuação do fornecedor é limitada pelo princípio da boa-fé objetiva. Os seus direitos não
podem ser exercidos de modo abusivo. A nulidade das cláusulas incompatíveis com a boa-fé
objetiva é uma limitação ao exercício de direito pelo fornecedor.

CDC Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais
relativas ao fornecimento de produtos e serviços que: (...)
IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem
o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a
boa-fé ou a equidade;

CC Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-
lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou
social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.

6.4. PRINCÍPIO DO EQUILÍBRIO

Previsto no art. 4º, III, do CDC.

CDC - Art. 4º, III - harmonização dos interesses dos participantes das
relações de consumo e compatibilização da proteção do consumidor com a

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 23
necessidade de desenvolvimento econômico e tecnológico, de modo a
viabilizar os princípios nos quais se funda a ordem econômica (art. 170, da
Constituição Federal), sempre com base na boa-fé e equilíbrio nas relações
entre consumidores e fornecedores;

Deve haver um equilíbrio na relação jurídica entre consumidor e fornecedor, tanto no plano
material quanto no pano processual pelo CDC. O equilíbrio no plano material seria, por exemplo, o
estabelecimento da responsabilidade objetiva por dano ao consumidor. No plano processual, a
inversão do ônus da prova visa equilibrar a relação consumerista.

6.5. PRINCÍPIO DA DEFESA DO CONSUMIDOR PELO ESTADO

Traduz a ideia de que o Estado deve intervir nas relações de consumo para defender os
interesses dos consumidores.

Art. 4º, II - ação governamental no sentido de proteger efetivamente o


consumidor:
a) por iniciativa direta;
b) por incentivos à criação e desenvolvimento de associações
representativas;
c) pela presença do Estado no mercado de consumo;
d) pela garantia dos produtos e serviços com padrões adequados de
qualidade, segurança, durabilidade e desempenho.

6.6. PRINCÍPIO DA HARMONIZAÇÃO

Previsto no art. 4º, III, do CDC.

Indica a necessidade de se conciliar os interesses dos participantes das relações de


consumo, a saber, consumidor e fornecedor.

6.7. PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA

Em todas as fases da relação de consumo deve haver transparência, mesmo após a fase
contratual. É o que se dá com quando o produto apresenta defeito e o fornecedor realiza o recall.

CDC Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo
o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua
dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a
melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia
das relações de consumo, atendidos os seguintes princípios:

6.8. PRINCÍPIO DA CONFIANÇA

Não possui previsão expressa, sendo extraído do princípio da boa-fé objetiva.

Traduz a ideia de que o fornecedor deve respeitar as legitimas expectativas do consumidor


na relação de consumo, tanto as expectativas relacionadas ao conteúdo do contrato quanto as
expectativas relacionadas ao bem de consumo.

STJ - A empresa que fornece estacionamento aos veículos de seus clientes


responde objetivamente pelos furtos, ocorridos no seu interior, uma vez que,
em troca dos benefícios financeiros indiretos decorrentes desse acréscimo
de conforto aos consumidores, o estabelecimento assume o dever de

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 24
lealdade e segurança, como aplicação concreta do princípio da confiança.
(STJ, AgInt no AREsp 844449/SP, 4ª T. rel. Min. Isabel Galotti, j. 06.09.2016).

6.9. PRINCÍPIO DO COMBATE AO ABUSO

Previsto no inciso VI, do art. 4º do CDC.

Art. 4º, VI - coibição e repressão eficientes de todos os abusos praticados no


mercado de consumo, inclusive a concorrência desleal e utilização indevida
de inventos e criações industriais das marcas e nomes comerciais e signos
distintivos, que possam causar prejuízos aos consumidores;

O fornecedor não pode desrespeitar, de forma abusiva, os direitos do consumidor.

Destaca-se que se tutela a relação entre os fornecedores, combatendo, por exemplo, as


práticas de concorrência desleal.

6.10. PRINCÍPIO DA EDUCAÇÃO E DA INFORMAÇÃO

Os consumidores devem ser devidamente informados, a fim de que a decisão do ato de


consumo seja a mais consciente, evitando práticas de consumo irrefletidas, a exemplo do
superendividamento.

A educação pode ser:

• Formal, inserindo-se uma educação sobre consumo nas disciplinas do ensino


básico;
• Informal, ministrada pelos meios de comunicação social, normalmente pelo
PROCON, pela promotoria do direito do consumidor ou, ainda, pela imprensa.

Art. 4º (...) IV - educação e informação de fornecedores e consumidores,


quanto aos seus direitos e deveres, com vistas à melhoria do mercado de
consumo;

6.11. PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO

Expressamente previsto em diplomas relativos ao Direito Ambiental.

Boa parte da doutrina defende que este princípio também se aplique ao direito do
consumidor, sendo extraído de normas constitucionais e CDC (previsão da defesa do consumidor,
defesa da vida, saúde e segurança do consumidor). Sempre que houver risco cientifico crível,
alguma providência deve ser adotada.

Difere-se do princípio da prevenção, pois este visa prevenir dano certo, muito provável. No
princípio da precaução, o dano não é provável, mas é possível.

7. DIREITOS BÁSICOS DOS CONSUMIDORES

7.1. CONSIDERAÇOES INICIAIS

A principal inspiração do CDC é a Resolução 39/248 da ONU, de 1985, que apresenta os


direitos básicos dos consumidores, trazendo diretrizes para a cooperação jurídica internacional em
matéria de direito do consumidor.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 25
O art. 6º do CDC traz os direitos básicos do consumidor, em um rol exemplificativo, assim
não há o exaurimento de tais direitos.

Art. 6º São direitos básicos do consumidor:


I - a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por
práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou
nocivos;
II - a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e
serviços, asseguradas a liberdade de escolha e a igualdade nas
contratações;
III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços,
com especificação correta de quantidade, características, composição,
qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que
apresentem; (Redação dada pela Lei nº 12.741, de 2012) Vigência
IV - a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais
coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou
impostas no fornecimento de produtos e serviços;
V - a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações
desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as
tornem excessivamente onerosas;
VI - a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais,
individuais, coletivos e difusos;
VII - o acesso aos órgãos judiciários e administrativos com vistas à prevenção
ou reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos ou
difusos, assegurada a proteção Jurídica, administrativa e técnica aos
necessitados;
VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do
ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for
verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras
ordinárias de experiências;
IX - (Vetado);
X - a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.
Parágrafo único. A informação de que trata o inciso III do caput deste artigo
deve ser acessível à pessoa com deficiência, observado o disposto em
regulamento.

Antes de analisarmos as espécies de direitos básicos dos consumidores, importante


destacar a cláusula de abertura do microssistema, prevista no art. 7º do CDC, segundo a qual para
além dos direitos previstos no CDC, todo direito do consumidor, que esteja expresso em outra
espécie normativa vai ser inserido no sistema consumerista.

Art. 7° Os direitos previstos neste código não excluem outros decorrentes de


tratados ou convenções internacionais de que o Brasil seja signatário, da
legislação interna ordinária, de regulamentos expedidos pelas autoridades
administrativas competentes, bem como dos que derivem dos princípios
gerais do direito, analogia, costumes e equidade.
Parágrafo único. Tendo mais de um autor a ofensa, todos responderão
solidariamente pela reparação dos danos previstos nas normas de consumo.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 26
7.2. DIREITO À VIDA, À SAÚDE E À SEGURANÇA (I)

Consagra um direito ao consumidor e, ao mesmo tempo, um dever ao fornecedor, devendo


colocar à disposição dos consumidores somente produtos que não sejam perigosos ou que possam
causar danos.

7.3. DIREITO À EFUCAÇÃO FORMAL E INFORMAL (II)

Educação formal é a inserida no currículo básico das escolas, com o intuito de formar um
consumidor mais consciente.

Educação informal é aquela fornecida pelos meios de comunicação, por exemplo.

7.4. DIREITO À LIBERDADE DE ESCOLHA (II)

Direito ao livre consumo, assegurando a livre iniciativa e a livre concorrência.

Aplicação prática: venda casada em cinemas (STJ, REsp 744.602/RJ).

7.5. DIREITO À IGUALDADE NAS CONTRATAÇÕES (II)

Não se admite tratamento discriminatório entre os consumidores.

7.6. DIREITO À INFORMAÇÃO (III)

Informações sobre o bem de consumo devem ser adequadas e claras. A ofensa a esse
direito vem sendo admitida como razão para condenação por dano moral.

O direito à informação visa assegurar ao consumidor uma escolha consciente, permitindo


que suas expectativas em relação ao produto ou serviço sejam de fato atingidas, manifestando o
que vem sendo denominado de consentimento informado ou vontade qualificada

7.7. DIREITO À PROTEÇÃO CONTRA PRÁTICAS E CLÁUSULAS ABUSIVAS (IV)

Em linhas gerais, considera-se abusiva toda a atuação do fornecedor no mercado de


consumo que viole a principiologia do Código de Defesa do Consumidor, é dizer, que esteja em
desconformidade com o padrão de conduta esperado das partes ou, ainda, que esteja em
desacordo com a boa-fé objetiva e com a confiança.

Analisaremos de forma detalhada em tópico próprio.

7.8. DIREITO À MODIFICAÇÃO E REVISÃO DE CLÁUSULAS CONTRATUAIS (V)

Visa assegurar o equilíbrio econômico da relação contratual. O CDC inovou ao prever o


dirigismo contratual, autorizando o Estado a intervir na economia interna do contrato, quando se
identificar um desequilíbrio econômico e financeiro na relação contratual.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 27
Assim, o consumidor terá direito de modificar o contrato sempre que houver prestação
desproporcional. É feita uma análise objetiva, ou seja, basta que tenha uma cláusula
desproporcional para que o contrato seja modificado, a fim de se alcançar o equilíbrio entre as
partes.

O CC, influenciado pelo CDC, trouxe regras que também admitem a intervenção do Estado
na economia interna do contrato.

7.8.1. Modificação das cláusulas contratuais

O consumidor possui o direito de modificar cláusulas contratuais quando se verifica o


desequilíbrio desde o início. Observe que o contrato já nasce em desequilíbrio, afeta o sinalagma
genético do contrato.

O art. 51 do CDC prevê que a cláusula contratual que colocar o consumidor em desvantagem
exagerada será nula de pleno direito. O consumidor poderá, portanto, solicitar a modificação da
cláusula geradora das prestações desproporcionais (com base no art. 6º, V, do CDC) ou a
declaração de sua nulidade (art. 51 do CDC).

Importante salientar que ocorre, aqui, o instituto da lesão (vício do NJ), o qual não deve se
confundir com a lesão prevista no CC, vejamos as diferenças no quadro abaixo:

LESÃO NO CDC LESÃO NO CC

Previsão: art. 6º, V Previsão: Art. 157

Caracterização: basta a presença de cláusula Caracterização: além da desproporção das


que estabeleça prestações desproporcionais, prestações, exige-se a caracterização da
em prejuízo do consumidor. necessidade premente ou de inexperiência da
parte.

Consequência: a regra é a manutenção do Consequência: a regra é a invalidade do


contrato, possibilitando-se ao consumidor negócio jurídico. Excepcionalmente, o contrato
(parte não beneficiada) solicitar a modificação pode ser salvo, a depender da vontade da parte
(art. 6.º, V) ou a decretação da nulidade da favorecida (art. 157, § 2.º, do CC).
cláusula contratual (art. 51).

Análise objetiva. Análise subjetiva.

7.8.2. Revisão das cláusulas contratuais:

O contrato inicia-se equilibrado, mas por situações supervenientes torna-se desequilibrado,


causando um prejuízo ao consumidor. Nestes casos, admite-se a revisão do contrato.

Aqui, afeta-se o sinalagma funcional do contrato.

Destaca-se que não se exige imprevisibilidade, basta que seja um fato superveniente, tendo
em vista que o CDC adotou a TEORIA DA BASE OBJETIVA DO NEGÓCIO JURÍDICO.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 28
STJ - O preceito insculpido no inciso V do art. 6º do CDC dispensa a prova
do caráter imprevisível do fato superveniente, bastando a demonstração
objetiva da excessiva onerosidade advinda para o consumidor. A
desvalorização da moeda nacional frente à moeda estrangeira que serviu de
parâmetro ao reajuste contratual, por ocasião da crise cambial de janeiro de
1999, apresentou graus expressivo de oscilação, a ponto de caracterizar a
onerosidade excessiva que impede o devedor de solver as obrigações
pactuadas (STJ, REsp 361.694/RS).

O CC adotou a TEORIA DA IMPREVISÃO, segundo a qual além de o fato ser superveniente,


deverá ser imprevisível.

Vejamos o quadro abaixo, a fim de uma melhor compreensão acerca do tema.

TEORIA DA BASE OBJETIVA DO NEGÓCIO TEORIA DA IMPREVISÃO (ART. 478 DO CC)


JURÍDICO (ART. 6º, V, CDC)

Dispensa a análise da previsibilidade do fato Exige a imprevisibilidade do fato superveniente.


superveniente.

Basta a onerosidade excessiva para o Além da onerosidade excessiva para o


consumidor. devedor, exige “extrema vantagem” para o
credor.

Consequência: a regra é a revisão do contrato. Consequência: a regra é a resolução do


Excepcionalmente, acarretará a resolução nos contrato. Excepcionalmente, poder revisto, a
casos em que não for possível salvá-lo. depender da vontade do credor.

7.9. DIREITO À EFETIVA PREVENÇÃO E REPARAÇÃO DE DANOS MORAIS E


PATRIMONIAIS, INDIVIDUAIS, COLETIVOS E DIFUOS (VI)

O CDC adotou, como regra, o princípio da reparação integral (restitutio in integrum) dos
danos aos consumidores. Por força desse princípio, não se admite, no microssistema do direito do
consumidor, a aplicação das regras de mitigação da responsabilidade (a exemplo da regra prevista
no art. 944, parágrafo único, do CC) ou de fixação de quantum indenizatório (tarifação), sendo
vedadas, igualmente, as estipulações que exonerem ou atenuem a responsabilidade dos
fornecedores.

Excepcionalmente, nos casos em que o consumidor for pessoa jurídica será possível minorar
a reparação do dado, nos termos do art. 51, I, do CDC. É o caso, por exemplo, de uma Universidade
que adquire grande quantidade de produtos de limpeza para a manutenção de suas instalações e,
no contrato, estipulam que será reduzido o valor.

Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais
relativas ao fornecimento de produtos e serviços que:
I - impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor
por vícios de qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem
renúncia ou disposição de direitos. Nas relações de consumo entre o
fornecedor e o consumidor pessoa jurídica, a indenização poderá ser limitada,
em situações justificáveis;

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 29
7.9.1. Reparação por dano moral

A reparação por dano moral possui fundamento constitucional (art. 5º, V e X)

Dano moral é a ofensa a um direito da personalidade, atributo personalíssimo do


consumidor. Importante consignar que a dor, o abalo, são consequências do dano moral.

Há uma dupla função atribuída ao dano moral: compensatória e punitiva.

a) Função compensatória – visa compensar o consumidor pelo seu abalo psicológico, tendo
em vista que não se poderá recompor.

b) Função punitiva – visa punir o fornecedor, possui caráter pedagógico, a fim de evitar
novas condutas lesivas.

Em regra, o simples inadimplemento contratual não gera dano moral. Contudo, em


determinadas situações específicas (festa de casamento, por exemplo) será possível extrair uma
ofensa à personalidade. É muito comum em negativa de cobertura pelo plano de saúde, uma vez
que frustra a expectativa do consumidor.

Há casos em que o dano moral é decorrente da prática ilícita, sendo o dano moral presumido
(in re ipsa). Ou seja, não será necessária a prova do efetivo dano, basta que ocorra. Cita-se, por
exemplo, a negativação do nome do consumidor de forma equivocada.

O STJ possui várias súmulas que tratam de dano moral, vejamos:

Súmula 370: Caracteriza dano moral a apresentação antecipada de cheque


pré-datado

Súmula 385: Da anotação irregular em cadastro de proteção ao crédito, não


cabe indenização por dano moral, quando preexistente legítima inscrição,
ressalvado o direito ao cancelamento;

Info 583 STJ – também é aplicada a Súmula 385 às ações voltadas contra o suposto credor
que efetuou a inscrição irregular. Assim, a inscrição indevida comandada pelo credor em cadastro
de proteção ao crédito, quando preexistente legítima inscrição, não enseja indenização por dano
moral, ressalvado o direito ao cancelamento.

Súmula 387: É lícita a cumulação das indenizações de dano estético e dano


moral;

STJ – é lícita a cumulação das indenizações de dano estético e dano moral, ainda que
derivados de um mesmo fato, mas desde que um e outro possam ser reconhecidos
automaticamente, sendo, portanto, passíveis de identificação em separado.

Súmula 388: A simples devolução indevida de cheque caracteriza dano


moral.

7.9.2. Reparação por dano moral coletivo

Há, ainda, parte da doutrina que nega a existência de dano moral coletivo, uma vez que não
existe abalo coletivo, honra coletiva. Contudo, doutrina majoritária e o STJ (todas as turmas)

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 30
admitem a possibilidade de dano moral coletivo, pois dor, abalo psicológico são consequências do
dano moral, por isso é possível a reparação.

Há no STJ padrão, tendo em vista que, todas as vezes que se reconheceu a existência de
dano moral coletivo, foram fixados requisitos, quais sejam:

a) Razoável significância do fato transgressor – não será qualquer ofensa, deve ser um fato
grave.

b) Repulsa social – análise em cada caso concreto.

Exemplos:

• 1ª Turma – comercialização de leite com vício de qualidade;

• 2ª Turma – passe livre – idosos – transporte coletivo urbano;

• 3ª Turma – caixa preferencial em segundo andar da agência bancária;

• 4ª Turma – divulgação de publicidade ilícita de cigarros.

7.9.3. Reparação por dano social

Pertinente, ainda, conceituar dano social, o qual não se confunde com o dano moral coletivo.

De acordo com a ótima explicação do Dizer o Direito, dano social são lesões à sociedade,
no seu nível de vida, tanto por rebaixamento de seu patrimônio moral – principalmente a
respeito da segurança – quanto por diminuição na qualidade de vida. Os danos sociais são
causa, pois, de indenização punitiva por dolo ou culpa grave, especialmente, repetimos, se atos
que reduzem as condições coletivas de segurança, e de indenização dissuasória, se atos em
geral da pessoa jurídica, que trazem uma diminuição do índice de qualidade de vida da
população.

Como exemplo, cita-se: o pedestre que joga papel no chão, o passageiro que atende ao
celular no avião, o pai que solta balão com seu filho.

Segundo o STJ, o dano social só poderá ser reconhecido em uma ação coletiva, não
podendo ser reconhecido de ofício. Assim, depende de pedido expresso de um dos legitimados
para a propositura de ações coletivas.

7.10. DIREITO DE ACESSO À JUSTIÇA (VII)

Entende-se como sendo direito ao acesso a um ordenamento jurídico justo, assegurado,


dentre outros: por meio da assistência jurídica, administrativa e técnica aos necessitados; foro
privilegiado, que confere a possibilidade de o consumidor demandar em seu domicílio; ações
coletivas, que tutelam interesses individuais homogêneos, ou coletivos propriamente ditos.

7.11. DIREITO À INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA

Decorre do direito de acesso à justiça. Será analisado na parte processual.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 31
7.12. DIREITO À PRESTAÇÃO ADEQUADA E EFICAZ DO SERVIÇO PÚBLICO

Os serviços públicos, que são considerados objetos de uma relação de consumo, devem ser
prestados de forma adequada e eficaz.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 32
CAMPO DE INCIDÊNCIA DO CDC
1. RELAÇÃO JURÍDICA DE CONSUMO

Consumidor

Relação de
Consumo

Produto ou
Fornecedor
serviço

O campo de aplicação do CDC, basicamente, é a relação jurídica de consumo. Devendo


existir, necessariamente, consumidor, fornecedor e produtos ou serviço.

Destaca-se que as figuras acima são correlacionais (interdependentes). Ou seja, só haverá


uma relação de consumo quando estiver presente: fornecedor, consumidor e aquisição de um
produto ou um serviço.

Consumidor e fornecedor são elementos subjetivos da RC, ao passo que o produto ou


serviço são os elementos objetivos da RC.

2. CONSUMIDOR

2.1. INTRODUÇÃO

O CDC traz quatro conceitos de consumidor: um em sentido estrito e três equiparados. A


seguir, analisaremos cada um deles.

2.2. CONSUMIDOR EM SENTIDO ESTRITO

É o consumidor previsto no art. 2º do CDC, também chamado de standart ou stricto sensu.

Art. 2° Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza


produto ou serviço como destinatário final.

Destaca-se que a pessoa jurídica também é considera consumidora. Além disso, tanto a
pessoa que adquire quanto a pessoa que irá utilizar o produto são considerados consumidores, a
exemplo da compra de uma camisa por “A” para que seja utilizada por “B”.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 33
Grande relevância possui a expressão “destinatário final”, tendo em vista que se trata de um
conceito aberto, havendo, em nosso ordenamento, três teorias que tratam do tema, vejamos:

TEORIA MAXIMALISTA – destinatário final é o consumidor que retira o produto do mercado


de consumo (destinatário fático). Não importa o destino que é dado ao bem de consumo, podendo
ser utilizado para consumo próprio ou para a produção de outros produtos. Por exemplo, a empresa
que adquire um maquinário para utilizar em sua produção têxtil é considerada consumidora.

Críticas: a Teoria Maximalista amplia demais o conceito de consumidor, abrangendo


pessoas que não são vulneráveis.

TEORIA FINALISTA – destinatário final não é apenas o destinatário final, para ser
considerado consumidor deve adquirir o produto ou serviço para a satisfação de uma necessidade
pessoal, importa a destinação econômica. É a teoria adotada pelo CDC.

Com base na Teoria Finalista, o STJ não aplicou o CDC para o caso que uma boate comprou
um ar condicionado. O STF não aplicou para o caso de uma empresa que adquiriu algodão com o
intuito de utilizar em sua produção têxtil.

TEORIA FINALISTA APROFUNDADA/MITIGADA – destinatário final será aquele que,


mesmo não sendo o destinatário final, por ser vulnerável terá a proteção do CDC.

O STJ reconhece a Teoria Finalista Mitigada. Cita-se, como exemplo, o caso do taxista que
celebra um contrato de financiamento com uma instituição financeira para a aquisição de um veículo
que será empregado em sua atividade profissional. Embora não seja ele o destinatário final do
produto, poderá ser considerado consumidor por ser vulnerável (fática, jurídica e tecnicamente)
frente ao fornecedor.

Esquematizando:

TEORIA FINALISTA TEORIA MAXIMALISTA


É dar destinação fática E econômica ao É dar destinação fática ao produto, ou seja, o
produto, ou seja, retirar do mercado de produto deixa o mercado de consumo. Não
consumo e esgotá-lo economicamente (não importa o que a parte irá fazer com o produto.
pode ser utilizado no ciclo de produção)
Também chamada de subjetiva (analisa o que Também chamada de objetiva (pouco importa
é feito com a coisa) o que é feito com a coisa).
Conceito econômico. Conceito jurídico.

DPE/BA (2016 FCC) - Sebastião juntou dinheiro que arrecadou ao longo de 20 anos trabalhando como
caminhoneiro para adquirir um caminhão, zero quilômetros, que passou a utilizar em seu trabalho, realizando
fretes no interior do Estado da Bahia. Ainda no prazo de garantia, o veículo apresentou problemas e ficou
imobilizado. Sua esposa, Raimunda, microempresária do ramo da costura, adquiriu uma máquina bordadeira
de valor elevado de uma grande produtora mundial, que depois de poucas semanas de funcionamento,
também apresentou parou de funcionar.

(B) ambos podem ser considerados consumidores, ainda que não se configurem como usuários finais dos
produtos adquiridos, uma vez que, embora o Código de Defesa do Consumidor adote a teoria finalista, em
casos semelhantes, o Superior Tribunal de Justiça já admitiu a mitigação desta teoria diante da prova da
hipossuficiência e do desequilíbrio na relação, caracterizando hipótese de consumo intermediário.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 34
2.3. CONSUMIDOR POR EQUIPARAÇÃO

2.3.1. Em sentindo coletivo

É o consumidor previsto no parágrafo único do art. 2º do CDC.

Art. 2º, Parágrafo único. Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas,


ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo.

A finalidade é instrumental, viabilizando a tutela coletiva.

Por exemplo, determinado laboratório coloca no mercado de consumo medicamos danosos


à saúde. As pessoas que adquiriram estão sofrendo um dano, são consideradas consumidoras. O
restante da coletividade, mesmo que não tenha adquirido o medicamento, também é considera
consumidora, eis que está exposta. Diante disso, é possível que um dos legitimados ajuíze uma
ação coletiva objetivando a retirada dos medicamentos das farmácias.

2.3.2. Bystander

Encontra-se previsto no art. 17 do CDC, in verbis:

Art. 17 - Para os efeitos desta Seção, equiparam-se aos consumidores todas


as vítimas do evento.

É a vítima de acidente de consumo, a exemplo das pessoas que prestaram socorro às


vítimas da Boate Kiss (consumidores em sentindo estrito) e acabaram sofrendo lesões.

A explosão ocorrida no shopping center de Osasco, em relação às pessoas que estavam na


rua, é outro exemplo de consumidor bystander.

Observe o Info 542 do STJ, retirado do Dizer o Direito, em que há aplicação do art. 17 do
CDC ao caso de uma vítima que teve seu cheque falsificado e utilizado em um hotel, sendo
negativada.

Para elucidar, imagine a seguinte situação adaptada: João, ao tentar fazer uma compra a
prazo, percebeu que seu nome estava negativado no SERASA. Ao buscar mais informações, soube
que um Hotel, localizado em Cuiabá (MT), levou a protesto um cheque que seria seu e que teria

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 35
sido utilizado para pagar hospedagem. João investigou a fundo o caso e descobriu que alguém
falsificou seu talonário de cheques e o utilizou para pagar a conta do referido Hotel. Como não
conseguiu receber o valor, o representante do Hotel foi até um tabelionato de protesto e apontou o
cheque para protesto, indicando João como devedor. Com o protesto efetivado, o tabelionato
comunicou a existência do débito ao SERASA.

João ficou muito revoltado com a situação, uma vez que a falsificação era grosseira e, na
sua opinião, o Hotel não teve cuidados ao aceitar o cheque e, depois, ao levá-lo a protesto. João,
que mora em São Paulo, quer ajuizar uma ação de indenização por danos morais contra o Hotel.
Ele terá que propor a demanda em Cuiabá (MT) ou poderá intentar em São Paulo (SP)? João poderá
ajuizar a ação no foro de seu domicílio (no caso, São Paulo). Por quê?

João, no caso concreto, pode ser considerado como consumidor por equiparação
(bystander), uma vez que, mesmo não tendo mantido relação de consumo com o Hotel, suportou
os danos causados por um acidente de consumo ocasionado pelo fornecedor de serviços. Nesse
sentido, ele se enquadra no art. 17 do CDC. Esse é o entendimento consolidado do STJ. Confira:

(...) 1. Utilização de cheque furtado para a compra de produtos em joalheria,


ensejando a inscrição do seu titular no SPC e o protesto da cártula em
tabelionato. 2. Enquadramento da vítima no conceito ampliado de
consumidor, pois, embora não tenha mantida relação negocial com a
empresa demandada, sofreu dano moral causado por defeito na prestação
de serviço da empresa recorrente. 3. Aplicação da regra do art. 17 do Código
de Defesa do Consumidor. (...) STJ. 3ª Turma. AgRg nos EDcl no REsp
1192871/RS, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 20/09/2012.

Em se tratando de relação de consumo, o consumidor poderá propor a ação no foro de seu


domicílio, nos termos do art. 101, I, do CDC:

Art. 101. Na ação de responsabilidade civil do fornecedor de produtos e


serviços, sem prejuízo do disposto nos Capítulos I e II deste Título, serão
observadas as seguintes normas:
I - a ação pode ser proposta no domicílio do autor;

2.3.3. Potencial ou virtual

Está previsto no art. 29 do CDC.

Art. 29. Para os fins deste Capítulo e do seguinte, equiparam-se aos


consumidores todas as pessoas determináveis ou não, expostas às práticas
nele previstas.

Todas as pessoas expostas as práticas comerciais ou contratuais (oferta, publicidade,


práticas abusivas, cobrança de dívidas, cadastros em bancos de dados), ainda que não seja
possível identificar, concretamente, serão consideradas consumidoras potenciais ou virtuais.

OBS.: de acordo com STJ, é preciso conjugar o art. 29 do CDC com o princípio da vulnerabilidade.
Por isso, o CDC não é aplicado ao contrato de franquia.

Trata-se de importante norma de extensão, pois viabiliza um controle preventivo e abstrato


das práticas ofensivas aos interesses dos consumidores.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 36
2.4. ESQUEMATIZANDO: ESPÉCIES DE CONSUMIDOR

Consumidor Consumidor em
stricto sensu (art. sentindo coletivo
Conceitos de 2º caput) (art. 2º, p. único)
Consumidor no
CDC Consumidor
Consumidor
bystander (art.
equiparado
17)

Consumidor
potencial ou
virtual (art. 29)

3. FORNECEDOR

3.1. CONCEITO

O art. 3º do CDC traz o conceito de fornecedor, vejamos:

Art. 3° Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada,


nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que
desenvolvem atividade de produção, montagem, criação, construção,
transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de
produtos ou prestação de serviços

Pelo conceito, podemos fazer algumas observações:

a) O Estado poderá ser considerado fornecedor, eis que fornecedor é “toda pessoa (...)
pública ou privada (...);

b) A massa falida, a sociedade de fato, o espólio, os camelôs, igualmente, podem ser


considerados fornecedores, tendo em vista que são entes despersonalizados;

c) A enumeração das atividades é exemplificativa. Assim, qualquer outra atividade, não


prevista em lei, que representar a colocação de produtos ou a prestação de serviços no mercado
de consumo, poderá ser considerada para se reconhecer a figura do fornecedor.

3.2. ELEMENTO NUCLEAR

Quando se analisou o conceito de consumidor, vimos que o elemento nuclear (o mais


importante) era a expressão “destinatário final”. Há, da mesma forma, no conceito de fornecedor
um elemento nuclear, qual seja: “desenvolvem atividade”.

Esta expressão refere-se à atividade profissional, ou seja, aquela que reúne:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 37
• Habitualidade – é a atividade exercida de forma reiterada, não apenas
eventualmente.
• Especialização – é o domínio da técnica, colocando o fornecedor em situação de
superioridade em relação ao consumidor.
• Finalidade econômica – é a contraprestação. Não se confunde com finalidade
lucrativa.

OBS.: as pessoas jurídicas sem fins lucrativos, inclusive as que ostentam a certificação de
filantrópicas, podem ser abrigadas pelo conceito de fornecedoras, caso forneçam no mercado, com
certa habitualidade e especialidade, produto ou serviço, mediante remuneração.

Observe o Resp. 519.310/SP, em que o STJ manifestou-se sobre a possibilidade de


entidades beneficentes ou filantrópicas prestarem serviços:

Processual civil. Recurso especial. Sociedade civil sem fins lucrativos de


caráter beneficente e filantrópico. Prestação de serviços médicos,
hospitalares, odontológicos e jurídicos a seus associados. Relação de
consumo caracterizada. Possibilidade de aplicação do Código de Defesa do
Consumidor. Para o fim de aplicação do Código de Defesa do Consumidor, o
reconhecimento de uma pessoa física ou jurídica ou de um ente
despersonalizado como fornecedor de serviços atende aos critérios
puramente objetivos, sendo irrelevantes a sua natureza jurídica, a espécie
dos serviços que prestam e até mesmo o fato de se tratar de uma sociedade
civil, sem fins lucrativos, de caráter beneficente e filantrópico, bastando que
desempenhem determinada atividade no mercado de consumo mediante
remuneração. Recurso especial conhecido e provido.

Ressalta-se que a atividade deve estar relacionada à atividade principal do fornecedor.


Assim, por exemplo, a finalidade principal de uma universidade é a prestação de serviços
educacionais. Quando a universidade vende um carro, usado em seu serviço administrativo, para
adquirir outro, não será considerada fornecedora, pois não habitualidade na sua conduta.

3.3. MERCADO DE CONSUMO

A atividade profissional deve ser desenvolvida no mercado de consumo, espaço de negócios


não institucional no qual se desenvolvem atividades econômicas próprias do ciclo de produção e
circulação dos produtos ou de fornecimento de serviços.

Com este entendimento, o STJ já afastou a aplicação do CDC para os seguintes casos:

• Serviços advocatícios;
• Contratos de crédito educativo
• Relação condominial
• Locação predial urbana
• Previdência privada complementar fechada (Súmula 563)

Súmula 563-STJ: O Código de Defesa do Consumidor é aplicável às


entidades abertas de previdência complementar, não incidindo nos
contratos previdenciários celebrados com entidades fechadas.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 38
DPE/BA (2016 – FCC) – O CDC aplica-se às entidades abertas de previdência complementar e aos serviços
remunerados prestados uti singuli, mas não se aplica às entidades fechadas de previdência complementar e
nem aos serviços públicos uti universi.

4. PRODUTO

O conceito de produto encontra-se no §1º, do art. 3º, do CDC, vejamos:

Art. 3º, § 1° Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial.

Claramente, observa-se que o conceito de produto é amplo, abrangendo qualquer bem


móvel ou imóvel, material ou imaterial (ambiente virtual). Em virtude do diálogo das fontes, como o
CDC não traz o que é um bem móvel ou imóvel, utilizam-se os arts. 79 a 84 do CC.

5. SERVIÇO

O art. 3º, §2º do CDC traz o conceito de serviço, in verbis:

Art. 3º, § 2° Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo,


mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de
crédito e securitária, salvo as decorrentes das relações de caráter trabalhista.

5.1. REMUNERAÇÃO

A característica principal do serviço, para a incidência do CDC, é a remuneração, a qual


poderá ser direta ou indireta.

DIREITA – identifica-se a contraprestação pecuniária do consumidor diretamente ao


fornecedor. Por exemplo, o consumidor vai até o fornecedor (loja) e adquire um sapato.

INDIRETA – o fornecedor obtém a remuneração não diretamente do consumidor. Cita-se,


como exemplo, o uso de redes sociais, bem como as milhas dos cartões de crédito.

O STJ, no Resp. 566.468/RJ, firmou entendimento de que é possível que haja remuneração
indireta, vejamos um trecho do julgado:

STJ: Inexiste violação ao art. 3.º, § 2.º, do Código de Defesa do Consumidor,


porquanto, para a caracterização da relação de consumo, o serviço pode ser
prestado pelo fornecedor mediante remuneração obtida de forma indireta.

5.2. SERVIÇOS BANCÁRIOS, FINANCEIROS, DE CRÉDITO E SECURITÁRIOS

Todo contrato bancário, de seguro, enfim que envolvam instituições financeiras e de créditos
serão considerados serviços abrangidos pelo CDC.

Há entendimento sumulado sobre o assunto.

Súmula 297 do STJ – O CDC é aplicável as instituições financeiras.

Por fim, destaca-se que o próprio STF já se manifestou sobre a constitucionalidade do §2º
do art. 3º do CDC, na ADI 2591.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 39
5.3. SERVIÇOS PÚBLICOS

5.3.1. Uti singuli e uti universi

O serviço público pode ser objeto da relação de consumo, tal entendimento pode ser extraído
de diversos dispositivos do CDC, vejamos:

Art. 4º, VII - racionalização e melhoria dos serviços públicos;

Art. 6º, X – a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.

Art. 22. Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias,


permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são
obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes, seguros e, quanto aos
essenciais, contínuos.
Parágrafo único. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das
obrigações referidas neste artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a
cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma prevista neste código .

Porém, não é qualquer serviço público, será objeto da relação de consumo apenas quando
for possível identificar o usuário e quando for possível mensurar a prestação do serviço público.
Tratam-se de serviços uti singuli, a exemplo do serviço de água e esgoto, de telefonia.

De outra banda, os serviços indivisíveis e imensuráveis, por serem uti universi, não são
abrangidos pelo CDC, a exemplo do serviço de iluminação pública. Igualmente, os serviços próprios
de Estado (saúde, educação, segurança pública) não podem ser tutelados pelo CDC, diante da
ausência de relação de consumo.

5.3.2. Natureza da remuneração

Importante destacar as duas correntes existes sobre a natureza da remuneração do serviço


público, a fim de distinguir quando será aplicado ou não o CDC. Ressalta-se que ambas as correntes
se referem aos serviços uti singuli, em que há divisibilidade e possibilidade de mensuração.

1ª Corrente – entende que APENAS os serviços públicos remunerados mediante taxa ou


tarifa estarão sujeitos à incidência do CDC;

2º Corrente – entende que SOMENTE quando o serviço público for remunerado por meio de
tarifa ou preço público haverá a incidência do CDC. É a posição do STJ.

5.4. SERVIÇOS NOTARIAIS

Atualmente, o STJ possui precedente afastando a aplicação do CDC aos serviços notariais.
Como argumento, afirma que como o STF entende que as custas e emolumentos possuem natureza
administrativa-tributária não há como ser reconhecida uma relação de consumo, pois no lugar de
consumidor há contribuinte, bem como não há como considerar que os cartórios de notas e registros
sejam fornecedores, eis que seus serviços não integram o mercado de consumo.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 40
RESPONSABILIDADE CIVIL NAS RELAÇÕES DE
CONSUMO
1. INTRODUÇÃO

Inicialmente, destaca-se que este tema é de suma importância para concursos públicos, eis
que é sempre objeto de cobrança em provas.

1.1. RESPONSABILIDADE CIVIL SUBJETIVA X OBJETIVA

O direito privado tradicional estava fundado na ideia de responsabilidade subjetiva, ou seja,


para que houve a responsabilidade seria necessária a comprovação de culpa, analisando-se a
conduta do causador do dano.

Obviamente, para a sociedade de consumo em massa, adotar a teoria da responsabilidade


civil subjetiva seria como inviabilizar o direito do consumidor, tendo em vista que seria praticamente
impossível demostrar a culpa do fornecedor.

O Direito do Consumidor trouxe uma nova sistemática para a responsabilidade civil,


consagrando a responsabilidade objetiva em caso de danos aos consumidores. Desta forma, não é
necessário a comprovação da culpa.

1.2. FUNDAMENTO DA RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO CDC

Funda-se na Teoria do Risco da Atividade, ou seja, o fornecedor ao exercer uma atividade


no mercado de consumo aceita os riscos dessa atividade e não o consumidor.

Em outras palavras, quem exerce uma atividade no mercado de consumo, dela obtendo
vantagem econômica, tem o dever de responder pelos eventuais vícios ou defeitos dos produtos ou
serviços fornecidos, independentemente de culpa.

1.3. JUSTIÇA DISTRIBUTIVA

A teoria do risco da atividade é a única capaz de trazer e promover a justiça distributiva nas
relações de consumo. A partir do momento em que há transferência para o fornecedor dos riscos
da atividade, ele pode, por meio dos mecanismos de preço, diluir os riscos por toda a sociedade.

2. SISTEMÁTICA DO CDC

Antes de analisar cada um dos regimes de responsabilidades consagrados no CDC, observe


o esquema abaixo:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 41
Regimes de
responsabilidade
civil

Responsabilidade Responsabilidade
pelo fato do produto pelo vício do
e do serviço produto e do serviço

A aplicação de cada regime será feita com base na Teoria da Qualidade.

3. TEORIA DA QUALIDADE

A Teoria da Qualidade está fundamentada na ideia de que o fornecedor possui um dever de


qualidade, ou seja, os produtos colocados no mercado de consumo devem ter qualidade tanto no
prisma da segurança quanto no da adequação.

3.1. QUALIDADE-SEGURANÇA

Significa que os produtos não podem oferecer riscos à saúde, integridade física e psíquica
do consumidor.

Apenas os produtos seguros podem ser colocados no mercado de consumo pelo fornecedor.

O descumprimento do dever de qualidade-segurança atrai a incidência do regime de


responsabilidade pelo fato do produto ou do serviço.

Por fim, produtos ou serviços que não possuem qualidade-segurança são considerados com
DEFEITO.

3.2. QUALIDADE-ADEQUAÇÃO

O fornecedor só pode colocar no mercado de consumo produtos que sejam adequados ao


fim a que se destinam.

A adequação divide-se em:

• Adequação desempenho - deve desempenhar as funções a que se destina. Por


exemplo, o telefone celular em que o wi-fi não funciona, não desempenha suas
funções.
• Adequação durabilidade - deve observar o prazo de durabilidade esperado. Ex.:
televisão que em 3 meses estraga.

O descumprimento do dever de qualidade-adequação atrai a incidência do regime de


responsabilidade pelo vício do produto ou do serviço.

Trata-se de VÍCIO do produto ou do serviço, quando ausente.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 42
A Teoria da Qualidade, conforme se observa no Resp. 967.623/RJ, já foi adotada pelo STJ,
para definir o regime de responsabilidade civil, bem como para diferenciar defeito de vício. Vejamos:

STJ - No sistema do CDC, a responsabilidade pela qualidade biparte-se na


exigência de adequação e segurança, segundo o que razoavelmente se pode
esperar dos produtos e serviços. Nesse contexto, fixa, de um lado, a
responsabilidade pelo fato do produto ou do serviço, que compreende os
defeitos de segurança; e de outro, a responsabilidade por vício do produto ou
do serviço, que abrange os vícios por inadequação.

4. DEFEITO X VÍCIO

Como visto acima, a distinção entre defeito e vício relaciona-se à Teoria da Qualidade,
observe a tabela abaixo:

DEFEITO VÍCIO

É a falha de segurança (decorrente do É a inadequação do produto ou serviço ao fim


descumprimento do dever de qualidade-- a que se destina, decorrente do
segurança) que insere no produto ou serviço descumprimento do dever de qualidade-
uma potencialidade danosa por ele adequação (vício de qualidade), ou ainda, a
normalmente não possuída, e, assim, diferença quantitativa entre o que é informado
inesperada para o consumidor. ao consumidor e o que é efetivamente
fornecido (vício de quantidade).

5. RESPONSABILIDADE CIVIL PELO FATO DO PRODUTO

5.1. PREVISÃO LEGAL E NOÇÕES GERAIS

O art. 12 do CDC disciplina a responsabilidade civil pelo fato do produto, in verbis:

Art. 12. O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o


importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela
reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes
de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação,
apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por
informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos.
§ 1° O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele
legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias
relevantes, entre as quais:
I - sua apresentação;
II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam;
III - a época em que foi colocado em circulação.
§ 2º O produto não é considerado defeituoso pelo fato de outro de melhor
qualidade ter sido colocado no mercado.
§ 3° O fabricante, o construtor, o produtor ou importador só não será
responsabilizado quando provar:
I - que não colocou o produto no mercado;
II - que, embora haja colocado o produto no mercado, o defeito inexiste;
III - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 43
Inicialmente, observa-se que se trata de responsabilidade objetiva, independe de culpa. Os
danos são causados por um defeito no produto, caracterizando falha de segurança.

O art. 12 do CDC enumera os fornecedores responsáveis pelo fato do produto, são eles:

• Fabricante – é aquele que, efetivamente, participa da fabricação de determinado


produto, mesmo que seja apenas um componente do produto. Igualmente, o
montador do produto será considerado fabricante.
• Produtor - é aquele que disponibiliza no mercado de consumo produtos não
industrializados;
• Importador – é aquele que coloca no mercado de consumo nacional produtos de
origem estrangeiras;
• Construtor – é aquele que disponibiliza no mercado de consumo um bem imóvel.

5.2. ESPÉCIES DE FORNECEDORES

A doutrina, com base no art. 12 do CDC, identifica três espécies de fornecedores: real,
presumido, aparente.

5.2.1. Fornecedor real

Para a doutrina, é aquele que efetivamente participa do processo de fabricação do produto,


a exemplo do fabricante, do produtor e do construtor.

5.2.2. Fornecedor presumido

É aquele que não participa diretamente do processo de fabricação/produção/construção do


produto é, apenas, um intermediário entre quem fabrica e o consumidor.

Ex.: o importador (é considerado fornecedor por presunção legal).

5.2.3. Fornecedor aparente

É aquele que põe uma marca nos produtos disponibilizados ao consumidor e cria no mesmo
a confiança no produto comercializado. Os defeitos desses produtos são de responsabilidade do
franqueador.

Ex.: franqueadores.

Obs.: O CDC trouxe uma técnica de responsabilização dos fornecedores. Quando o CDC usar a
expressão FORNECEDOR como gênero, ou seja, sem discriminar quem são, TODOS que
participaram da cadeia de produção são responsáveis (art. 14 do CDC). Por outro lado, quando o
CDC discriminar os fornecedores (FABRICANTE, IMPORTADOR, CONSTRUTOR, PRODUTOR),
APENAS estes serão considerados responsáveis pelos danos causados aos consumidores (art. 12
do CDC).

DICA DO PROFESSOR: CPI do Fabricante. Respondem solidariamente pelo fato do


produto o CONSTRUTOR/PRODUTOR/IMPORTADOR/FABRICANTE.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 44
5.3. PRESSUPOSTOS

Para que haja a responsabilização dos fornecedores pelo fato do produto é necessário que
a presença de determinados pressupostos, tais como conduta, dano, nexo causal e defeito. A seguir
iremos analisar cada um deles.

5.3.1. Conduta

Caracteriza-se pela colocação do produto no mercado de consumo pelo fornecedor.

Cita-se, como exemplo, a compra de óculos da marca “X” na Rua 25 de Março, em SP, pela
metade do preço. Ao acionar judicialmente o fornecedor da marca “X”, este não poderá ser
responsabilizado, pois não colocou o produto (falsificado) no mercado de consumo. Há, claramente,
ausência de conduta.

5.3.2. Dano

O dano deve ser extrínseco ao produto, ou seja, o defeito deverá causar um dano externo,
extrapolando os limites da depreciação econômica do produto.

Por exemplo, a aquisição de uma motocicleta com problemas de freios, em que o


consumidor detecta o problema antes que ocorra um acidente (não gera responsabilidade pelo fato
do produto).

5.3.3. Nexo causal

É a relação de causa e efeito entre a conduta praticada pelo fornecedor e o dano causado
ao consumidor.

5.3.4. Defeito

O defeito deve estar presente, mas há uma presunção legal ou uma inversão legal do ônus
da prova. Assim, o consumidor não precisa provar que o defeito existe.

5.4. PRODUTOS DEFEITUOSOS

Como visto acima, defeito é uma falha de segurança no produto. O §1º, do art. 12 do CDC
define quando um produto será considerado defeituoso.

§ 1° O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele


legitimamente se espera, levando-se em consideração as circunstâncias
relevantes, entre as quais:
I - sua apresentação;
II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam;
III - a época em que foi colocado em circulação.

A doutrina classifica o defeito do produto em três espécies: defeito de concepção ou de


criação, defeito de fabricação e defeito de comercialização.

5.4.1. Defeito de concepção ou de criação

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 45
São os decorrentes de falhas no projeto ou na fórmula do produto.

Ex.: erro no design de uma “chapinha” para cabelo, que torna tal produto exageradamente
perigoso ao consumidor; falha na escolha de matéria-prima de determinado medicamento.

Suas principais características são:

• Inevitabilidade: escapam a qualquer controle de qualidade;

• Universalidade: alcançam todos os produtos de uma mesma série.

5.4.2. Defeito de fabricação

São os decorrentes de falhas nos processos de fabricação, montagem, manipulação ou


acondicionamento dos produtos.

Ex.: erro no acondicionamento de um produto alimentício, que se torna impróprio ao


consumo.

Podemos citar como as seguintes características:

• Inevitabilidade: escapam ao controle;

• Pontualidade: alcança apenas determinados produtos.

5.4.3. Defeito de comercialização

São os decorrentes de falhas na apresentação do produto, assim como de informações


inadequadas ou insuficientes ao consumidor.

Aqui, a falha de segurança não está no produto em si, mas sim no modo como este se
apresenta. Por essa razão, a doutrina em geral o considera um defeito extrínseco, diferentemente
dos defeitos de concepção e fabricação, considerados intrínsecos ao produto.

Atenção para o art. 8º, in verbis:

Art. 8,
§ 1º Em se tratando de produto industrial, ao fabricante cabe prestar as
informações a que se refere este artigo, através de impressos apropriados
que devam acompanhar o produto. (Redação dada pela Lei nº 13.486, de
2017)
§ 2º O fornecedor deverá higienizar os equipamentos e utensílios utilizados
no fornecimento de produtos ou serviços, ou colocados à disposição do
consumidor, e informar, de maneira ostensiva e adequada, quando for o caso,
sobre o risco de contaminação. (Incluído pela Lei nº 13.486, de 2017)

5.5. RESPONSABILIDADE DO COMERCIANTE

O art. 13 do CDC traz as hipóteses em que o comerciante será responsabilizado pelo fato
do produto, vejamos:

Art. 13. O comerciante é igualmente responsável, nos termos do artigo


anterior, quando:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 46
I - o fabricante, o construtor, o produtor ou o importador não puderem ser
identificados;
II - o produto for fornecido sem identificação clara do seu fabricante, produtor,
construtor ou importador;
III - não conservar adequadamente os produtos perecíveis.
Parágrafo único. Aquele que efetivar o pagamento ao prejudicado poderá
exercer o direito de regresso contra os demais responsáveis, segundo sua
participação na causação do evento danoso.

O inciso I traz a hipótese de produto anônimo, ou seja, quando não for possível identificar
um dos fornecedores do art. 12 do CDC.

O inciso II trata dos produtos que forem mal identificados.

O inciso III, por fim, traz a responsabilidade do comerciante quando este não conservar o
produto de maneira correta.

Ressalta-se que a responsabilidade do comerciante é subsidiária, apenas nas hipóteses do


art. 13 do CDC serão responsáveis. Doutrina minoritária defende que a responsabilidade é direta,
mas condicionada aos casos do referido artigo.

Contudo, a responsabilidade do comerciante não irá afastar a dos demais obrigados (CPI
dos fornecedores), como se observa pela expressão “igualmente responsável” contida no caput do
art. 13.

5.6. DIREITO DE REGRESSO E DENUNCIAÇÃO DA LIDE

O art. 13, parágrafo único, do CDC traz a possibilidade do exercício do direito de regresso,
vejamos:

Art. 13, Parágrafo único. Aquele que efetivar o pagamento ao prejudicado


poderá exercer o direito de regresso contra os demais responsáveis, segundo
sua participação na causação do evento danoso.

Como analisado no item anterior, o comerciante responde igualmente pelos danos causados
ao consumidor. Desta forma, caso o comerciante seja obrigado a indenizar o consumidor poderá,
posteriormente, exercer o direito de regresso contra os demais obrigados. Salienta-se que, apesar
de o direito de regresso estar previsto no parágrafo único do art. 13, é perfeitamente possível que
um seja utilizado nos casos do art. 12 do CDC, em razão da solidariedade.

Nos termos do art. 88 do CDC, a ação de regresso pode ser exercida em um processo
autônomo ou nos autos do mesmo processo, havendo expressão vedação sobre a possibilidade de
denunciação da lide.

Art. 88. Na hipótese do art. 13, parágrafo único deste código, a ação de
regresso poderá ser ajuizada em processo autônomo, facultada a
possibilidade de prosseguir-se nos mesmos autos, vedada a denunciação da
lide.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 47
Justifica-se a vedação de denunciação da lide para que não haja discussão sobre matérias
diversas, podendo retardar a prestação jurisdicional ao consumidor.

OBS.: Para o STJ, atualmente, a denunciação da lide é vedada tanto nos casos de responsabilidade
pelo fato do produto quanto pelo fato do serviço. Não há lógica em fazer distinção.

RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL. INDENIZAÇÃO POR


DANOS MORAIS. DEFEITO NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO A
CONSUMIDOR. DENUNCIAÇÃO DA LIDE. INTERPRETAÇÃO DO ART. 88
DO CDC. IMPOSSIBILIDADE. 1. A vedação à denunciação da lide prevista
no art. 88 do CDC não se restringe à responsabilidade de comerciante por
fato do produto (art. 13 do CDC), sendo aplicável também nas demais
hipóteses de responsabilidade civil por acidentes de consumo (arts. 12 e 14
do CDC). 2. Revisão da jurisprudência desta Corte. 3. RECURSO ESPECIAL
DESPROVIDO. (REsp 1165279/SP, Rel. Ministro PAULO DE TARSO
SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em 22/05/2012, DJe
28/05/2012)

5.7. CAUSAS DE EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADES

As causas de exclusão da responsabilidade civil pelo fato do produto encontram-se


tipificadas no § 3º do art. 12 do CDC, vejamos:

§ 3° O fabricante, o construtor, o produtor ou importador só não será


responsabilizado quando provar:
I - que não colocou o produto no mercado;
II - que, embora haja colocado o produto no mercado, o defeito inexiste;
III - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

Antes da análise de cada causa de exclusão, importante salientar que o ônus da prova será
sempre do fornecedor.

5.7.1. Não colocou o produto no mercado

Caso o fabricante, o construtor, o produtor ou o importador comprove que não colocou o


produto no mercado sua responsabilidade será excluída. Lembrar do exemplo do óculos falsificado
(acima).

No caso das pílulas de farinha o laboratório alegou que não havia colocado o produto no
mercado de consumo. Apesar disso, o STJ condenou o laboratório, por entender que houve
negligência, tendo em vista a ausência de um padrão objetivo de cuidado.

5.7.2. Defeito inexiste

Ficando comprovado que não há defeito no produto, por ausência de pressuposto, haverá a
exclusão da responsabilidade.

5.7.3. Culpa exclusiva

Ocorre quando o fornecedor comprovar que o dano ocorreu por culpa exclusiva do
consumidor ou de terceiros.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 48
Ocorre a culpa exclusiva do consumidor quando a conduta da vítima é a única causa do
acidente de consumo. É o caso do consumidor que, sem observar as instruções de uso de uma
tinta para cabelo, sofre queimadura em seu couro cabeludo ou, ainda, daquele que faz uso de
medicamento em dose excessiva, contrariando prescrição médica.

A culpa exclusiva de terceiro ocorre quando a conduta de um terceiro estranho à relação de


consumo produz, por si só, o resultado danoso. Nesse caso, como a conduta do terceiro rompe o
nexo causal entre o defeito do produto e o dano suportado pelo consumidor, fica excluída a
responsabilidade do fornecedor, a exemplo do eletricista que, ao instalar um ar-condicionado,
coloca em uma rede 110v.

OBS.: Culpa exclusiva não se confunde com culpa concorrente da vítima. Por exemplo, a montadora
faz um recall de determinado veículo, mesmo recebendo a notificação o consumidor não leva o
carro para o recall, vindo a sofrer um dado. Percebe-se que o dano ocorreu pela ação da montadora,
mas também pela atitude do consumidor, não haverá exclusão da responsabilidade. Parcela da
doutrina entende que a responsabilidade poderá ser minorada, pois o CDC prevê a reparação
integral. De outra banda, há doutrina afirmando que seria possível minorar, aplicando-se o art. 945
do CC por analogia (é o entendimento do STJ).

5.7.4. Caso fortuito e força maior

Não há na doutrina consenso sobre os conceitos de caso fortuito e força maior, o CC trata
como sinônimos. Para o direito do consumidor, como nem mesmo o STJ faz distinção, serão
tratadas como expressões sinônimas.

CC, Art. 393. Parágrafo único. O caso fortuito ou de força maior verifica-se no
ato necessário, cujos efeitos não eram possíveis evitar ou impedir.

Para determinar a exclusão da responsabilidade por caso fortuito ou força maior é


necessária a distinção entre fortuito interno e fortuito externo, a qual encontra respaldo tanto na
doutrina quanto em inúmeros casos julgados pelo STJ.

FORTUITO INTERNO FORTUITO EXTERNO

Guarda relação com a atividade do Não está relacionado com a atividade


fornecedor. do fornecedor.

Anterior a introdução no mercado de Posterior à entrada no mercado de


consumo. consumo.

Não afasta a responsabilidade do Exclui a responsabilidade do


fornecedor. fornecedor, pois rompe o nexo de causalidade.

5.7.5. Risco de desenvolvimento

É aquele que não podia ser conhecido cientificamente no momento em que o produto foi
colocado no mercado de consumo vindo a ser descoberto posteriormente, depois de um certo tempo
de uso.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 49
O Fornecedor responde pelos riscos de desenvolvimento?

1ª CORRENTE (Minoritária): defende que o fornecedor não responde pelos riscos de


desenvolvimento, porque quando o produto foi colocado no mercado de consumo o defeito não
existia, ele não podia ser identificado. Assim, não existindo o defeito, o fornecedor não poderá ser
responsabilizado.

2ª CORRENTE (Majoritária): defende que os riscos de desenvolvimento não excluem a


responsabilidade do fornecedor por risco de desenvolvimento, pois, conforme o Prof. Landolfo
(explicação retirada do livro, pág. 518):

• O CDC, em seu art. 12, § 3.º, não inseriu os riscos de desenvolvimento entre as
causas de exclusão da responsabilidade do fornecedor;

• Tal solução é a única que se harmoniza com os princípios da vulnerabilidade e


da restituição integral dos danos, máxime em sistema que, por comando
constitucional (arts. 5.º, XXXII, e 170, V), impõe a efetiva tutela dos interesses do
consumidor (art. 5.º, XXXII, da CF);

• O defeito decorrente de risco do desenvolvimento representa uma espécie do


gênero defeito de concepção, pelo qual deve responder o fornecedor, único
capaz de distribuir, por meio dos mecanismos de preço, os custos sociais dos
danos causados por tais riscos, a todos os consumidores (socialização dos
riscos)

5.7.6. Sistematizando

CAUSAS EXCLUDENTES CAUSAS NÃO EXCLUDENTES

Não colocação do produto no Culpa concorrente da vítima (tem sido


mercado (art. 12, § 3.º, I). admitida somente como fator de redução do
quantum da indenização).

Inexistência de defeito (art. 12, § 3.º, Caso fortuito ou força maior internos
II)

Culpa exclusiva do consumidor ou de


terceiros (art. 12, § 3.º, III).
Riscos do desenvolvimento (não
Caso fortuito ou força maior excluem a responsabilidade do fornecedor,
externos (embora não previstos no CDC, segundo a doutrina majoritária.
têm sido admitidos pela doutrina majoritária
e pela jurisprudência do STJ.

6. RESPONSABILIDADE CIVIL PELO FATO DO SERVIÇO

6.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES

A responsabilidade pelo fato do serviço está regulamentada no art. 14 do CDC, in verbis:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 50
Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência
de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos
relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes
ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.
§ 1° O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o
consumidor dele pode esperar, levando-se em consideração as
circunstâncias relevantes, entre as quais:
I - o modo de seu fornecimento;
II - o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam;
III - a época em que foi fornecido.
§ 2º O serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas.
§ 3° O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar:
I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;
II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.
§ 4° A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada
mediante a verificação de culpa.

Em comum, com a responsabilidade civil pelo fato do produto, destacam-se os seguintes


pontos:

• Responsabilidade é objetiva;
• Adota-se a teoria do risco da atividade
• O dano é causado por um defeito
• O dano é extrínseco ao serviço
• Os pressupostos de responsabilidade são os mesmos

6.2. FORNECEDORES RESPONSÁVEIS

Em relação à responsabilidade por fato do serviço, o CDC utiliza-se a expressão fornecedor


como gênero. Com isso, todos os que participarem da cadeia de produção serão considerados
responsáveis.

Cita-se, como exemplo, a aquisição de um pacote de viagens na CVC, o dano poderá ocorrer
no hotel, no transporte aéreo, mas TODOS serão considerados responsáveis.

6.3. SERVIÇO DEFEITUOSO

É aquele que possui uma falha de segurança, decorrente do descumprimento do dever de


só oferecer serviços seguros no mercado de consumo, que causa um evento inesperado.

Art. 14, § 1° O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o


consumidor dele pode esperar, levando-se em consideração as
circunstâncias relevantes, entre as quais:
I - o modo de seu fornecimento;
II - o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam;
III - a época em que foi fornecido.

O defeito poderá ser na prestação do serviço, na concepção do serviço ou, ainda, na


comercialização do serviço.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 51
6.3.1. Defeito na concepção

É aquele que surge na própria formulação do serviço. Por exemplo, ataque cibernético ao
site de um banco, que possui falha no programa de segurança, com lesão ao consumidor
correntista.

6.3.2. Defeito na prestação

É aquele que se manifesta no ato da prestação do serviço, a exemplo de um dano à saúde


do paciente de um hospital, causado pela má administração de medicamentos.

6.3.3. Defeito na comercialização

Decorrente de “informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos”. Por


exemplo, acidente numa academia de ginástica, por instruções insuficientes sobre o uso seguro e
adequado de um dado aparelho.

6.4. CAUSAS EXCLUDENTES DE RESPONSABILIDADE

Estão previstas no § 3º do art. 14, do CDC.

Art. 14, §3º. O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando


provar:
I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste.
II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

6.4.1. Ausência de defeito

Ocorre a exclusão, pois ausente pressuposto da responsabilidade. Salienta-se que o ônus


da prova é do fornecedor.

6.4.2. Culpa exclusiva do consumidor ou de terceiros

Em ambos os casos, há o rompimento do nexo de causalidade, assim a responsabilidade


fica excluída.

Novamente, o terceiro deve ser estranho à relação de consumo.

6.4.3. Caso fortuito ou força maior

Em matéria de acidente de consumo, por fato de serviço, o caso fortuito ou a força maior
irão excluir a responsabilidade quando forem EXTERNOS.

• Caso fortuito e força maior externo: é aquele absolutamente estranho a atividade


do fornecedor. Por exemplo, passageiro que é atingido por uma bala perdida no
ônibus.
• Caso fortuito e força maior interno: é aquele que está relacionado à atividade do
fornecedor, a exemplo de um acidente envolvendo os passageiros de um ônibus.
Haverá responsabilidade.

Observe o quadro abaixo baseado na jurisprudência do STJ:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 52
FORTUITO INTERNO FORTUITO EXTERNO

Furtos, roubos e latrocínios nas dependências Roubo nas dependências de estacionamento


de estacionamento da agencia bancária. particular independente e desvinculada de
agência bancária.

Roubo de talonário de cheques durante Roubo no interior de ônibus de transporte


transporte por empresa contratada pelo banco. coletivo

Fraudes e delitos praticados por terceiros no Roubo de veículo conduzido por manobrista de
âmbito de operações bancárias (Súmula 479). restaurante (serviço de valet parking)

Roubo no interior de agência dos correios na Roubo em estação de metrô


qual é oferecido o serviço de banco postal.

Roubo no interior de estacionamento de Arremesso de pedra, de fora de trem, causando


supermercado ou shopping center. lesões em passageiros.

Danos sofridos por passageiros de transporte Bala perdida que atinge o passageiro de ônibus
coletivo, em razão de acidente de trânsito.

6.5. RESPONSABILIDADE DO PROFISSIONAL LIBERAL

Trata-se de uma exceção à responsabilidade objetiva, tendo em vista que a responsabilidade


dos profissionais liberais é subjetiva, ou seja, é necessária a comprovação da culpa, nos termos do
§ 4º do art.14 do CDC.

Art. 14, §4º. A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será


apurada mediante a verificação de culpa.

Profissional liberal é aquele que exerce a sua atividade profissional com grande
especialização, com autonomia, sem subordinação e pessoalmente, independentemente do seu
grau de escolaridade.

OBS.: Se você contrata um médico em especial, a responsabilidade dele é subjetiva; se contrata


uma sociedade de médicos, a responsabilidade é objetiva. Deve haver o atendimento personalizado
para caracterizar a responsabilidade subjetiva.

6.5.1. Obrigação de meio e obrigação de resultado

Na obrigação de meio o fornecedor se compromete a empregar todos os esforços


necessários para a entrega do resultado, mas o resultado não é garantido. Diante de um contrato
de meio, cabe ao consumidor provar a culpa do fornecedor, quando o resultado não for alcançado.

Na obrigação de resultado o fornecedor garante o resultado. Assim, caso o resultado não


seja alcançado, presume-se a culpa do fornecedor.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 53
OBS.: Cirurgia Mista: Numa cirurgia corretiva e também estética o resultado é misto. Tornado mista
também a responsabilidade. Na parte estética, haverá um contrato de resultado; na cirurgia
corretiva, haverá um contrato de meio.

O STJ entende que as cirurgias plásticas estéticas/embelezadoras são obrigações de


resultado. Contudo, a responsabilidade continua sendo subjetiva, ou seja, deve-se demostrar a
culpa do profissional liberal, que é presumida. Cabendo ao réu demonstrar que não houve culpa
(inverte o ônus da prova). Para diferenciar, determinou que nas obrigações de meio a culpa é
provada; ao passo que nas obrigações de resultado, a culpa é presumida.

6.5.2. Responsabilidade de médicos e de hospitais

O hospital enquadra-se no caput do art. 14 do CDC, como fornecedor. Sendo sua


responsabilidade objetiva. Ao passo que o médico, está enquadrado no § 4º, como profissional
liberal, responde mediante culpa, sendo sua responsabilidade subjetiva.

Com isso, ficava o duelo entre o médico (subjetiva) e o hospital (objetiva), chegou ao STJ
que possui três entendimentos:

1º Quando o dano é causado pelo hospital (ex.: falha na segurança, intoxicação alimentar,
infecção hospitalar), responsabilidade apenas do hospital e na forma objetiva.

2º Quando o dano é causado pelo médico, a responsabilidade do hospital deverá ser


analisada da seguinte forma:

a) Há vinculo do médico com o hospital: responde pelo dano causado junto com médico.
Ressalta-se que não se exige vínculo empregatício. Aqui, o hospital responde
objetivamente pela culpa do médico. Nota-se que é necessário comprovar a culpa do
médico.
b) Não há vinculo do médico com o hospital: não responde pelo dano causado pelo médico.
São as hipóteses em que o médico utiliza apenas o espaço do hospital.

7. RESPONSABILIDADE CIVIL PELO VÍCIO DO PRODUTO E DO SERVIÇO

Antes de estudarmos cada aspecto da responsabilidade civil pelo vício do produto e,


posteriormente, pelo vício do serviço, destacamos as principais diferenças da responsabilidade civil
pelo fato do produto ou serviço. Vejamos a tabela abaixo:

RESPONSABILIDADE CIVIL PELO FATO RESPONSABILIDADE PELO VÍCIO DO


DO PRODUTO E DO SERVIÇO PRODUTO E DO SERVIÇO

Fato gerador: DEFEITO Fato gerador: VÍCIO

DEFEITO: compromete a segurança do bem de VÍCIO: fica circunscrito ao produto ou serviço,


consumo, provocando danos externos interferindo na qualidade ou na economicidade
(acidente de consumo) do bem de consumo.

Incolumidade físico-psíquica do consumidor. Incolumidade econômica do consumidor.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 54
A seguir analisaremos os pontos em comum do vício do produto e do vício do serviço, para,
posteriormente, a análise das peculiaridades de cada um.

7.1. FATO GERADOR

O fato gerador é o vício do produto ou do serviço.

7.2. RESPONSABILIDADE OBJETIVA

Novamente, trata-se de responsabilidade objetiva, não sendo necessário perquirir se o


fornecedor agiu com dolo ou com culpa.

Basta, portanto, a prática do dano, a ofensa à incolumidade econômica do consumidor.

Destaca-se que, ao contrário da responsabilidade pelo fato do produto ou do serviço, não


há previsão expressa de que a responsabilidade é objetiva pelo vício do produto ou do serviço.
Contudo, é pacifico tanto na doutrina quanto na jurisprudência que é responsabilidade objetiva,
tendo em vista que no CDC, como regra, a responsabilidade civil do fornecedor será objetiva.

A responsabilidade civil será subjetiva apenas quando o CDC expressamente prever, a


exemplo da responsabilidade do profissional liberal (art. 14, §4º).

Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência


de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos
relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes
ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.
§ 4° A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada
mediante a verificação de culpa.

Destaca-se o art. 23 do CDC, como reforço a tese de responsabilidade objetiva, eis que
prevê que a ignorância do fornecedor sobre os vícios não exime sua responsabilidade, in verbis:

Art. 23. A ignorância do fornecedor sobre os vícios de qualidade por


inadequação dos produtos e serviços não o exime de responsabilidade.

7.3. RESPONSABILIDADE SOLIDARIA

Todos os fornecedores, independentemente de sua posição na cadeia produção,


distribuição e comercialização, serão responsáveis pelos vícios de produto ou de serviço. Como
visto acima, aqui, a expressão “fornecedor” foi usada como gênero.

Vejamos os arts. 18, 19 e 20 do CDC.

Art. 18. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis


respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os
tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes
diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade, com
a indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou
mensagem publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua
natureza, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas.
§ 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o
consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 55
I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas
condições de uso;
II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem
prejuízo de eventuais perdas e danos;
III - o abatimento proporcional do preço.
§ 2° Poderão as partes convencionar a redução ou ampliação do prazo
previsto no parágrafo anterior, não podendo ser inferior a sete nem superior
a cento e oitenta dias. Nos contratos de adesão, a cláusula de prazo deverá
ser convencionada em separado, por meio de manifestação expressa do
consumidor.
§ 3° O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas do § 1° deste
artigo sempre que, em razão da extensão do vício, a substituição das partes
viciadas puder comprometer a qualidade ou características do produto,
diminuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial.
§ 4° Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do § 1° deste
artigo, e não sendo possível a substituição do bem, poderá haver substituição
por outro de espécie, marca ou modelo diversos, mediante complementação
ou restituição de eventual diferença de preço, sem prejuízo do disposto nos
incisos II e III do § 1° deste artigo.
§ 5° No caso de fornecimento de produtos in natura, será responsável perante
o consumidor o fornecedor imediato, exceto quando identificado claramente
seu produtor.
§ 6° São impróprios ao uso e consumo:
I - os produtos cujos prazos de validade estejam vencidos;
II - os produtos deteriorados, alterados, adulterados, avariados, falsificados,
corrompidos, fraudados, nocivos à vida ou à saúde, perigosos ou, ainda,
aqueles em desacordo com as normas regulamentares de fabricação,
distribuição ou apresentação;
III - os produtos que, por qualquer motivo, se revelem inadequados ao fim a
que se destinam.
Art. 19. Os fornecedores respondem solidariamente pelos vícios de
quantidade do produto sempre que, respeitadas as variações decorrentes de
sua natureza, seu conteúdo líquido for inferior às indicações constantes do
recipiente, da embalagem, rotulagem ou de mensagem publicitária, podendo
o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:
I - o abatimento proporcional do preço;
II - complementação do peso ou medida;
III - a substituição do produto por outro da mesma espécie, marca ou modelo,
sem os aludidos vícios;
IV - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem
prejuízo de eventuais perdas e danos.
§ 1° Aplica-se a este artigo o disposto no § 4° do artigo anterior.
§ 2° O fornecedor imediato será responsável quando fizer a pesagem ou a
medição e o instrumento utilizado não estiver aferido segundo os padrões
oficiais.

Art. 20. O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os


tornem impróprios ao consumo ou lhes diminuam o valor, assim como por
aqueles decorrentes da disparidade com as indicações constantes da oferta
ou mensagem publicitária, podendo o consumidor exigir, alternativamente e
à sua escolha:
I - a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível;

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 56
II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem
prejuízo de eventuais perdas e danos;
III - o abatimento proporcional do preço.
§ 1° A reexecução dos serviços poderá ser confiada a terceiros devidamente
capacitados, por conta e risco do fornecedor.
§ 2° São impróprios os serviços que se mostrem inadequados para os fins
que razoavelmente deles se esperam, bem como aqueles que não atendam
as normas regulamentares de prestabilidade.

7.3.1. Jurisprudência do STJ e Solidariedade

a) Incorporador e construtor

Serão responsáveis solidários pelos vícios e defeitos de construção surgidos no


empreendimento imobiliário.

Imagine que ao adquirir um imóvel na plana, posteriormente, o proprietário verifica inúmeros


vícios de qualidade. Nestes casos, o consumidor poderá demandar tanto a incorporadora quanto a
construtora, ou ainda, ambas.

b) Instituição financeira vinculada à montadora

Havendo vício no veículo, tanto a montadora quanto a concessionária de veículos serão


responsáveis solidários.

c) Franqueadoras e franqueados

Ocorrendo vícios dos serviços ou produtos da franquia a responsabilidade será tanto da


franqueadora como do franqueado.

d) Seguradora e oficina indicada ou credenciada

Haverá responsabilidade solidária pelos vícios dos serviços executados no automóvel do


consumidor.

7.3.2. Exceções à solidariedade

1ª EXCEÇÃO: tratando-se de fornecimento de produto in natura, sem identificação clara de


seu produtor (art. 18, § 5.º), apenas o comerciante irá responder. Foi cobrada na prova do MPPR.

CDC, Art. 18§ 5°- No caso de fornecimento de produtos in natura, será


responsável perante o consumidor o fornecedor imediato, exceto quando
identificado claramente seu produtor.

2ª EXCEÇÃO: tratando-se de vício de quantidade decorrente de produto pesado ou medido


com instrumento não aferido segundo os padrões oficiais (art. 19, § 2.º). A responsabilidade será
do fornecedor imediato (comerciante).

CDC, Art. 19, §2° - O fornecedor imediato será responsável quando fizer a
pesagem ou a medição e o instrumento utilizado não estiver aferido segundo
os padrões oficiais.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 57
8. VÍCIO DE QUALIDADE DO PRODUTO

8.1. PREVISÃO LEGAL

Está previsto no art. 18 do CDC, vejamos:

Art. 18. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis


respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os
tornem impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes
diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade, com
as indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou
mensagem publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua
natureza, podendo o consumidor exigir a substituição das partes viciadas.

8.2. ESPÉCIES DE VÍCIO

Pela leitura do art. 18 do CDC, percebe-se três espécies de vícios, vejamos cada uma delas:

a) Impropriedade

É o caso de produto com prazo de validade vencido, do celular que o wi-fi não funciona. São
produtos não adequados aos fins a que se destinam.

b) Diminuição do valor

Cita-se, como exemplo, a compra de um veículo zero km que sai da concessionária com a
porta amassada. Haverá, obviamente, uma diminuição do valor do automóvel.

c) Disparidade

Ocorre quando há diferença entre aquilo que foi contratado e aquilo que foi efetivamente
entregue ao consumidor. Por exemplo, compra de rodas aro 18, pela internet, ao receber o produto
o consumidor nota que se trata de rodas aro 16.

8.3. PONTA DE ESTOQUE

Como se sabe, ponta de estoque são comércios que vendem determinados produtos com o
preço mais barato, tendo em vista algum vício que apresentam. Por exemplo, camisas sem botão,
blusão com alguma mancha.

A ponta de estoque não ofende o CDC, desde que haja a adequada informação ao
consumidor.

8.4. PRODUTO USADO

Em relação aos produtos usados, o entendimento é o mesmo. Havendo a correta informação


ao consumidor não há impedimento para a comercialização.

8.5. PRAZOS PARA SANAR O VÍCIO

Constatado o vício, o consumidor deverá fazer uma reclamação ao fornecedor, o qual terá
30 DIAS para sanar o vício de qualidade do produto, nos termos do art. 18, §1º do CDC.

§ 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o


consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 58
I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas
condições de uso;
II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem
prejuízo de eventuais perdas e danos;
III - o abatimento proporcional do preço

O prazo é flexível? Sim! O prazo pode ser diminuído (7 dias) ou aumentado (180 dias). Ressalta-se
que se a flexibilização for prevista em contrato de adesão, deverá ser feita em separado, cláusula
específica, a fim de que o consumidor tenha conhecimento.

Exige-se formalidade para a reclamação? O CDC não traz nenhuma formalidade para que o
consumidor faça a reclamação ao consumidor.

Havendo assistência técnica no Município, mesmo se tratando de responsabilidade solidária,


o STJ entende que é perfeitamente possível que o comerciante não aceite a reclamação,
encaminhando à assistência técnica. Não se exige a intermediação entre comerciante e o serviço
de assistência técnica.

DIREITO DO CONSUMIDOR E CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AÇÃO CIVIL


PÚBLICA.DEVER DE PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA.
INTERMEDIAÇÃO PELO COMERCIANTE. ORGANIZAÇÃO DOS
SERVIÇOS. DIREITO DOS FORNECEDORES E EQUIPARADOS. JUROS
DE MORA. TERMO A QUO. CITAÇÃO NA DEMANDA COLETIVA.
PRECEDENTES.1. Demanda em que se discute a responsabilidade do
comerciante de intermediar a relação entre consumidor e assistência técnica
disponibilizada pelo fornecedor. 2. A boa-fé objetiva, alçada à condição de
princípio geral de direito, transita incessantemente em duplo sentido, exigindo
a conduta leal e cooperada, na relação de consumo entre consumidores e
fornecedores.3. A assistência técnica é caracterizada pela especialização do
serviço prestado, com finalidade de correção de vícios de produtos
comercializados.4. Sua organização eficaz e eficiente concretiza a proteção
do consumidor em razão de produtos viciados postos no comércio, bem como
o direito de reparação do vício no prazo legal de 30 dias garantido aos
fornecedores e seus equiparados.5.Disponibilizado serviço de assistência
técnica, de forma eficaz, efetiva e eficiente, na mesma localidade do
estabelecimento do comerciante, a intermediação do serviço apenas
acarretaria delongas e acréscimo de custos, não justificando a imposição
pretendida na ação coletiva.6. "Os juros de mora incidem a partir da citação
do devedor na fase de conhecimento da Ação Civil Pública, quando esta se
fundar em responsabilidade contratual, se que haja configuração da mora em
momento anterior." Precedentes.7. Recurso especial parcialmente provido.

8.6. ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS

I – Substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições

Por mesma espécie entende-se mesma marca e mesmo modelo, ou seja, o produto deve
ser exatamente o mesmo. O CDC não exige que o produto seja novo, mas sim que esteja em
perfeitas condições de uso.

Por fim, não havendo mais o mesmo produto, o consumidor, caso assim queira, poderá optar
por outro produto, observando:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 59
• Se mais caro, deverá pagar a diferença;
• Se mais barato, deverá receber a diferença.

II – Restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de


eventuais perdas e danos

Salienta-se que eventuais perdas e danos pode ser aplicado para as demais alternativas
reparatórias (I e III).

III – Abatimento proporcional do preço

8.7. UTILIZAÇÃO IMEDIATA DAS ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS

Há casos em que o CDC prevê a reparação imediata, ou seja, não é necessário que se
observe o prazo de 30 dias, são eles:

a) Substituição das partes viciadas puder comprometer a qualidade ou características do


produto;

b) Diminuir-lhe o valor

c) Tratar-se de produto essencial.

Art. 18, § 3° O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas do § 1°


deste artigo sempre que, em razão da extensão do vício, a substituição das
partes viciadas puder comprometer a qualidade ou características do produto,
diminuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial.

9. VÍCIO DE QUANTIDADE DO PRODUTO

9.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES

Encontra-se previsto no art. 19 do CDC, in verbis:

Art. 19. Os fornecedores respondem solidariamente pelos vícios de


quantidade do produto sempre que, respeitadas as variações decorrentes de
sua natureza, seu conteúdo líquido for inferior às indicações constantes do
recipiente, da embalagem, rotulagem ou de mensagem publicitária, podendo
o consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:
I - o abatimento proporcional do preço;
II - complementação do peso ou medida;
III - a substituição do produto por outro da mesma espécie, marca ou modelo,
sem os aludidos vícios;
IV - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem
prejuízo de eventuais perdas e danos.
§ 1° Aplica-se a este artigo o disposto no § 4° do artigo anterior.
§ 2° O fornecedor imediato será responsável quando fizer a pesagem ou a
medição e o instrumento utilizado não estiver aferido segundo os padrões
oficiais.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 60
Nada mais é do que uma disparidade quantitativa entre aquilo que é informado ao
consumidor e aquilo que efetivamente lhe é entregue. Por exemplo, o rótulo informa que a caixa de
leite possui 1L, consumidor pesa e verifica que possui 800g.

9.2. DIMINUIÇÃO DO VOLUME DO PRODUTO

Determinado fabricante de refrigerante, durante muitos anos, disponibilizou em sua latinha


350 ml. Posteriormente, modificou o conteúdo liquido da latinha para 300 ml, informando no rótulo
a nova quantidade, mas em letras miúdas, sem que houve diminuição do preço. O STJ entendeu
que, mesmo com a informação no rótulo, caracterizava vício de quantidade do produto, vejamos a
decisão:

DIREITO DO CONSUMIDOR. VÍCIO DE QUANTIDADE DE PRODUTO NO


CASO DE REDUÇÃO DO VOLUME DE MERCADORIA. Ainda que haja
abatimento no preço do produto, o fornecedor responderá por vício de
quantidade na hipótese em que reduzir o volume da mercadoria para
quantidade diversa da que habitualmente fornecia no mercado, sem informar
na embalagem, de forma clara, precisa e ostensiva, a diminuição do
conteúdo. É direito básico do consumidor a "informação adequada e clara
sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de
quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre
os riscos que apresentem" (art. 6º, III, do CDC). Assim, o direito à informação
confere ao consumidor uma escolha consciente, permitindo que suas
expectativas em relação ao produto ou serviço sejam de fato atingidas,
manifestando o que vem sendo denominado de consentimento informado ou
vontade qualificada. Diante disso, o comando legal somente será
efetivamente cumprido quando a informação for prestada de maneira
adequada, assim entendida aquela que se apresenta simultaneamente
completa, gratuita e útil, vedada, no último caso, a diluição da comunicação
relevante pelo uso de informações soltas, redundantes ou destituídas de
qualquer serventia. Além do mais, o dever de informar é considerado um
modo de cooperação, uma necessidade social que se tornou um autêntico
ônus pró-ativo incumbido aos fornecedores (parceiros comerciais, ou não, do
consumidor), pondo fim à antiga e injusta obrigação que o consumidor tinha
de se acautelar (caveat emptor). Além disso, o art. 31 do CDC, que cuida da
oferta publicitária, tem sua origem no princípio da transparência (art. 4º,
caput) e é decorrência do princípio da boa-fé objetiva. Não obstante o amparo
legal à informação e à prevenção de danos ao consumidor, as infrações à
relação de consumo são constantes, porque, para o fornecedor, o lucro
gerado pelo dano poderá ser maior do que o custo com a reparação do
prejuízo causado ao consumidor. Assim, observe-se que o dever de informar
não é tratado como mera obrigação anexa, e sim como dever básico,
essencial e intrínseco às relações de consumo, não podendo afastar a índole
enganosa da informação que seja parcialmente falsa ou omissa a ponto de
induzir o consumidor a erro, uma vez que não é válida a "meia informação"
ou a "informação incompleta". Com efeito, é do vício que advém a
responsabilidade objetiva do fornecedor. Ademais, informação e confiança
entrelaçam-se, pois o consumidor possui conhecimento escasso dos
produtos e serviços oferecidos no mercado. Ainda, ressalte-se que as leis
imperativas protegem a confiança que o consumidor depositou na prestação
contratual, na adequação ao fim que razoavelmente dela se espera e na
confiança depositada na segurança do produto ou do serviço colocado no

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 61
mercado. Precedentes citados: REsp 586.316-MG, Segunda Turma, DJe
19/3/2009; e REsp 1.144.840-SP, Terceira Turma, DJe 11/4/2012. REsp
1.364.915-MG, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 14/5/2013.

9.3. PRAZO PARA SANAR O VÍCIO

Não existe prazo para sanar o vício de quantidade, o prazo é apenas para o vício de
qualidade. Assim, as alternativas reparatórias podem ser exercidas imediatamente.

9.4. ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS

I – Abatimento proporcional do preço;

II – Desfazimento do negócio;

III – Complementação do peso ou da medida;

IV – Substituição do produto por outro da mesma espécie, marca ou modelo. Não havendo,
pode o consumidor escolher outro (preço maior, paga a diferença; preço menor, recebe a diferença);

V – Restituição da quantia paga, sem prejuízo de eventuais perdas e danos (aplica para
todos).

Importante!

CDC, Art. 19, §1º - Aplica-se a este artigo o disposto no § 4° do artigo anterior.

CDC, Art. 18, § 4°- Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do
§ 1° deste artigo, e não sendo possível a substituição do bem, poderá haver
substituição por outro de espécie, marca ou modelo diversos, mediante
complementação ou restituição de eventual diferença de preço, sem prejuízo
do disposto nos incisos II e III do § 1° deste artigo

10. VÍCIO DE QUALIDADE DO SERVIÇO

10.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES

O art. 20 do CDC consagra a hipótese de vício de serviço, vejamos:

Art. 20. O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os


tornem impróprios ao consumo ou lhes diminuam o valor, assim como por
aqueles decorrentes da disparidade com as indicações constantes da oferta
ou mensagem publicitária, podendo o consumidor exigir, alternativamente e
à sua escolha:

Como visto anteriormente, serviço é atividade prestada no mercado de consumo, de forma


profissional, mediante remuneração, de forma direta ou indireta.

10.2. ESPÉCIES DE VÍCIOS

Há, também, três espécies de vícios de qualidade do serviço, quais sejam:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 62
a) Inadequação: o serviço é improprio ao fim que se destina. Por exemplo, consumidor vai
ao cinema e o filme fica sem áudio por 20 min.

b) Diminuição do valor: é o caso de uma Universidade que indica determinadas obras


literárias, mas não as possui em sua biblioteca.

c) Disparidade: divergência entre o que é oferecido e o que é entregue ao consumidor.

10.3. PRAZO PARA SANAR O VÍCIO

Não há prazo, assim o consumidor pode exercer as alternativas reparatórias imediatamente.

10.4. RESPONSABILIDADE DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS

O profissional liberal, aqui, possui responsabilidade OBJETIVA. Apenas quando se tratar de


acidente de consumo é que a responsabilidade será subjetiva.

10.5. ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS

O consumidor poderá exigir:

I – Reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível;

§ 1° A reexecução dos serviços poderá ser confiada a terceiros devidamente


capacitados, por conta e risco do fornecedor.

II – Restituição da quantia paga, atualizada monetariamente, sem prejuízo de perdas e


danos;

III – Abatimento proporcional do preço.

11. VÍCIO DE QUANTIDADE DO SERVIÇO

11.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES

Não há expressa previsão legal, aplica-se por analogia os arts. 19 e 20 do CDC.

Vício de quantidade do serviço é a disparidade entre aquilo que é contratado pelo


consumidor e o que efetivamente foi executado. Por exemplo, consumidor contrata um pintor para
realizar a pintura interna e externa de sua casa, mas só houve pintura interna.

11.2. PRAZO PARA SANAR O VÍCIO

Não há prazo para o saneamento do vício.

11.3. ALTERNATIVAS REPARATÓRIAS

I – Abatimento proporcional do preço;

II – Complementação do serviço;

III – Restituição imediata da quantia paga, sem prejuízo de eventuais perdas e danos.

Obs.: Trata-se de direito potestativo.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 63
11.4. SERVIÇO PÚBLICO

Conforme visto acima, apenas os serviços públicos divisíveis e mensuráveis serão objetos
de uma relação de consumo protegida pelo CDC, desde que remunerados por tarifa ou preço
público. O art. 22 do CDC impõe uma série de exigências aos fornecedores de serviços públicos,
vejamos:

Art. 22. Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias,


permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, são
obrigados a fornecer serviços adequados1, eficientes2, seguros3 e, quanto
aos essenciais, contínuos4.
Parágrafo único. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das
obrigações referidas neste artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a
cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma prevista neste código.

ADEQUADOS: o dever de qualidade-adequação também é imposto ao serviço público, o


qual deve ter um bom desempenho, sendo adequado ao fim a que se destina;

EFICIENTES: bom desempenho a um baixo custo;

SEGUROS: dever de qualidade-segurança, não podem colocar em risco o consumidor;

CONTÍNUOS: refere-se aos serviços públicos considerados essenciais (art. 10 da Lei


7.783/1989), utiliza este artigo por analogia, eis que o CDC não prevê.

Art. 10 - São considerados serviços ou atividades essenciais:


I - tratamento e abastecimento de água; produção e distribuição de energia
elétrica, gás e
combustíveis;
II - assistência médica e hospitalar;
III - distribuição e comercialização de medicamentos e alimentos;
IV - funerários;
V - transporte coletivo;
VI - captação e tratamento de esgoto e lixo;
VII - telecomunicações;
VIII - guarda, uso e controle de substâncias radioativas, equipamentos e
materiais nucleares;
IX - processamento de dados ligados a serviços essenciais;
X - controle de tráfego aéreo;
XI compensação bancária.

# É possível a interrupção de serviço público essencial em razão do inadimplemento do


consumidor? Parte da doutrina entende que não é possível a interrupção, tendo em vista que o art.
22 do CDC exige que sejam prestados de forma continua. Posição diversa defende a possibilidade,
pois o art. 22 do CDC refere-se à disponibilidade do serviço público para toda a coletividade, sendo
possível a interrupção para o usuário inadimplente, até mesmo para que o serviço seja mantido aos
demais.

O STJ entende que é possível a interrupção, quando, após o aviso, o consumidor continua
inadimplente.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 64
Administrativo. Energia elétrica. Corte. Falta de pagamento. É lícito à
concessionária interromper o fornecimento de energia elétrica, se, após aviso
prévio, o consumidor de energia elétrica permanecer inadimplente no
pagamento da respectiva conta (L. 8.987/95, art. 6.º, § 3.º, II).

Destacam-se a seguir alguns entendimentos, do STJ, sobre serviço público:

• Interrupção do serviço público essencial em caso de inadimplência do


consumidor. É possível?

É possível o corte que: 1) seja precedido de aviso prévio; 2) não se trate de dívidas antigas;3)
não se trate de dívida referente a suposta fraude em medidor contestada em juízo pelo consumidor;
e 4) não haja riscos de lesões à integridade física do usuário, especialmente quando este se
encontrar em estado de miserabilidade em respeito à dignidade da pessoa humana.

• Interrupção do serviço público essencial em caso de inadimplência de pessoa


jurídica de direito público consumidora.

É possível o corte, desde que preservadas as unidades públicas provedoras de


necessidades inadiáveis as comunidades* (hospitais, prontos-socorros, centros de saúde, escolas
e creches). Como também ser feito mediante aviso prévio.

Obs.: Necessidades inadiáveis da comunidade são aquelas que, se não atendidas, colocam em
perigo iminente a sobrevivência, saúde ou segurança da população (art. 11, parágrafo único, da Lei
7.783/1989).

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 65
PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA
1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Por um lado, aquele que é lesado possui o direito de ser ressarcido, mas tal direito não pode
ser eterno. Daí surgem as ideias de prescrição e decadência, consagrando a segurança jurídica.

O CDC foi pragmático, separando o regime de responsabilidade pelo vício do produto e do


serviço (prazo decadencial – art. 26) do regime de responsabilidade pelo fato do produto ou do
serviço (prazo prescricional – art. 27).

2. DECADÊNCIA

2.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES

A decadência está prevista no art. 26 do CDC:

Art. 26. O direito de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação


caduca em:
I - trinta dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos não
duráveis;
II - noventa dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos
duráveis.
§ 1° Inicia-se a contagem do prazo decadencial a partir da entrega efetiva do
produto ou do término da execução dos serviços.
§ 2° Obstam a decadência:
I - a reclamação comprovadamente formulada pelo consumidor perante o
fornecedor de produtos e serviços até a resposta negativa correspondente,
que deve ser transmitida de forma inequívoca;
II - (Vetado).
III - a instauração de inquérito civil, até seu encerramento.
§ 3° Tratando-se de vício oculto, o prazo decadencial inicia-se no momento
em que ficar evidenciado o defeito.

VÍCIO APARENTE OU DE FÁCIL CONSTAÇÃO: é aquele que é perceptível pelo


consumidor. Por exemplo, o consumidor compra uma TV bivolt, mas ao receber o produto percebe
que é 110V.

• Tratando-se de produto ou serviço não durável, o prazo será de 30 dias;


• Tratando-se de produto ou serviço durável, o prazo será de 90 dias.

2.2. PRODUTO OU SERVIÇO DURÁVEL

A doutrina e a jurisprudência, para determinarem a durabilidade de um produto, baseiam-se


no critério de vida útil do produto. Assim, por exemplo, um livro é considerado um bem durável, pois
sua vida útil é grande; já uma garrafa de água é um bem não durável, tendo em vista que sua vida
útil é pequena.

Em relação ao serviço, a durabilidade é aferida pela duração dos efeitos do serviço. Não se
considera o tempo de execução do serviço.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 66
2.3. CONCEITOS IMPORTANTES

OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA: é a redução artificial da vida útil de um bem de


consumo. É o caso do fornecedor que não disponibiliza peças de reposição, no prazo de vida útil
do produto, bem como daquele que altera as peças dos produtos. Por exemplo, bateria que dura
pouco, trocar acaba sendo mais oneroso do que a aquisição de um novo celular.

Em algumas situações, pode ser considerada vício do produto, conforme decidiu o STJ.

DIREITO DO CONSUMIDOR E PROCESSUAL CIVIL. RECURSO


ESPECIAL. AÇÃO E RECONVENÇÃO. JULGAMENTO REALIZADO POR
UMA ÚNICA SENTENÇA. RECURSO DE APELAÇÃO NÃO CONHECIDO
EM PARTE. EXIGÊNCIA DE DUPLO PREPARO.LEGISLAÇÃO LOCAL.
INCIDÊNCIA DA SÚMULA N. 280/STF. AÇÃODE COBRANÇA AJUIZADA
PELO FORNECEDOR. VÍCIO DOPRODUTO. MANIFESTAÇÃO FORA DO
PRAZO DE GARANTIA.VÍCIO OCULTO RELATIVO À FABRICAÇÃO.
CONSTATAÇÃO PELAS INSTÂNCIAS ORDINÁRIAS.
RESPONSABILIDADE DO FORNECEDOR. DOUTRINA E
JURISPRUDÊNCIA. EXEGESE DOART. 26, § 3º, DO CDC.

CDC, Art. 32 - Os fabricantes e importadores deverão assegurar a oferta de


componentes e peças de reposição enquanto não cessar a fabricação ou
importação do produto.
Parágrafo único. Cessadas a produção ou importação, a oferta deverá ser
mantida por período razoável de tempo, na forma da lei (cf. Decreto 2.181/97,
art. 13, XXI – SNDC).

CONSUMO SUSTENTÁVEL: é a aquisição de bens de consumo que, a um só tempo,


assegurem a qualidade de vida da geração atual, respeitando a qualidade de vida das gerações
futuras. O consumo sustentável está previsto na Lei 13.186/15.

Art. 1º. Parágrafo único. Entende-se por consumo sustentável o uso dos
recursos naturais de forma a proporcionar qualidade de vida para a geração
presente sem comprometer as necessidades das gerações futuras.

2.4. CONTAGEM DO PRAZO

Se o vício é parente ou de fácil constatação, inicia-se a partir da entrega do produto ou do


término da execução do serviço;

§ 1° Inicia-se a contagem do prazo decadencial a partir da entrega efetiva do


produto ou do término da execução dos serviços.

Se o vício é oculto, inicia-se a partir do conhecimento do vício. Ficando atrelado ao critério


de vida útil do bem de consumo.

§ 3° Tratando-se de vício oculto, o prazo decadencial inicia-se no momento


em que ficar evidenciado o defeito.

2.5. CAUSAS QUE OBSTAM A DECADÊNCIA

O CDC traz, no §2º do art. 26, duas causas que obstam o prazo decadencial.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 67
Obs.: Parte da doutrina entende que obstar é sinônimo de suspensão do prazo decadencial, assim
após a resposta do fornecedor ou do encerramento do inquérito civil o prazo volta a correr do que
restava. Outra parte entende que obstar, aqui, é sinônimo de interrupção do prazo decadencial,
voltando a correr desde o início (recomeça).

Não há precedentes nos tribunais superiores sobre o tema (suspensão ou interrupção).

Vejamos as causas que obstam a decadência:

I – A reclamação comprovadamente formulada pelo consumidor perante o fornecedor de


produtos ou serviços até a resposta negativa correspondente, que deve ser transmitida de forma
inequívoca.

Ressalta-se que APENAS a reclamação feita ao fornecedor irá obstar o prazo. Assim, a
reclamação feita ao Procon não tem o condão de obstar o prazo de decadência.

II – A instauração de inquérito civil, até seu encerramento

O IQ encerra-se com a homologação da promoção de arquivamento, bem como com a


propositura da ação civil pública.

2.6. GARANTIA LEGAL E GARANTIA CONTRUTUAL

Art. 24. A garantia legal de adequação do produto ou serviço independe de


termo expresso, vedada a exoneração contratual do fornecedor.

Todo bem de consumo deve ser adequado ao fim a que se destina (dever de qualidade-
adequação). A garantia legal é obrigatória.

A garantia estendida, oferecida aos consumidores, para o professor é verdadeira


“picaretagem”, tendo em vista que durante o prazo de vida útil do produto há a garantia legal.

Salienta-se que os prazos do art. 26 do CDC não são prazos de garantia, mas sim prazos
para reclamar que a garantia seja exercida.

O art. 50 do CDC traz a garantia contratual, a qual é facultativa. Quando concedida, deve
ser oferecida por escrito. Por fim, destaca-se que possui caráter complementar, ou seja, durante o
prazo de garantia contratual não irá correr o prazo de garantia legal.

Por exemplo, oferecida garantia contratual de um ano, o prazo de 90 dias (bem durável) só
terá início após o prazo de um ano da garantia contratual.

CDC, Art. 50 A garantia contratual é complementar à legal e será conferida


mediante termo escrito.

3. PRESCRIÇÃO

3.1. PREVISÃO LEGAL

O art. 27 do CDC consagra a prescrição, a qual, como visto, aplica-se apenas ao regime de
responsabilidade pelo fato do produto ou do serviço, ou seja, casos em que há acidente de
consumo.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 68
Art. 27. Prescreve em cinco anos a pretensão à reparação pelos danos
causados por fato do produto ou do serviço prevista na Seção II deste
Capítulo, iniciando-se a contagem do prazo a partir do conhecimento do dano
e de sua autoria.

3.2. CONTAGEM DO PRAZO

O prazo inicia-se a partir do conhecimento do dano e da autoria. Diferentemente do que


ocorre no Direito Civil, em que a contagem se inicia a partir da ocorrência do dano.

3.3. CAUSAS DE INTERRUPÇÃO E SUSPENSÃO

Não há previsão no CDC. Assim, havendo compatibilidade utilizam-se as causas previstas


no Código Civil (arts. 197 a 204)

Art. 197. Não corre a prescrição:


I - entre os cônjuges, na constância da sociedade conjugal;
II - entre ascendentes e descendentes, durante o poder familiar;
III - entre tutelados ou curatelados e seus tutores ou curadores, durante a
tutela ou curatela.

Art. 198. Também não corre a prescrição:


I - contra os incapazes de que trata o art. 3o;
II - contra os ausentes do País em serviço público da União, dos Estados ou
dos Municípios;
III - contra os que se acharem servindo nas Forças Armadas, em tempo de
guerra.

Art. 199. Não corre igualmente a prescrição:


I - pendendo condição suspensiva;
II - não estando vencido o prazo;
III - pendendo ação de evicção.

Art. 200. Quando a ação se originar de fato que deva ser apurado no juízo
criminal, não correrá a prescrição antes da respectiva sentença definitiva.

Art. 201. Suspensa a prescrição em favor de um dos credores solidários, só


aproveitam os outros se a obrigação for indivisível.

Art. 202. A interrupção da prescrição, que somente poderá ocorrer uma vez,
dar-se-á:
I - por despacho do juiz, mesmo incompetente, que ordenar a citação, se o
interessado a promover no prazo e na forma da lei processual;
II - por protesto, nas condições do inciso antecedente;
III - por protesto cambial;
IV - pela apresentação do título de crédito em juízo de inventário ou em
concurso de credores;
V - por qualquer ato judicial que constitua em mora o devedor;
VI - por qualquer ato inequívoco, ainda que extrajudicial, que importe
reconhecimento do direito pelo devedor.
Parágrafo único. A prescrição interrompida recomeça a correr da data do ato
que a interrompeu, ou do último ato do processo para a interromper.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 69
Art. 203. A prescrição pode ser interrompida por qualquer interessado.

Art. 204. A interrupção da prescrição por um credor não aproveita aos outros;
semelhantemente, a interrupção operada contra o codevedor, ou seu
herdeiro, não prejudica aos demais coobrigados.
§ 1o A interrupção por um dos credores solidários aproveita aos outros; assim
como a interrupção efetuada contra o devedor solidário envolve os demais e
seus herdeiros.
§ 2o A interrupção operada contra um dos herdeiros do devedor solidário não
prejudica os outros herdeiros ou devedores, senão quando se trate de
obrigações e direitos indivisíveis.
§ 3o A interrupção produzida contra o principal devedor prejudica o fiador.

3.4. PRESCRIÇÃO DE OUTRAS PRETENSÕES REPARATÓRIAS

Algumas pretensões reparatórias, a exemplo da repetição do indébito, da inscrição indevida,


do inadimplemento contratual, não se enquadram nos regimes de responsabilidades vistos acima,
bem como não possuem previsão de decadência ou prescrição no CDC.

Diante disso, há duas correntes na doutrina:

1ªC: Entende que o prazo prescricional será o do art. 27 do CDC, ou seja, 5 anos. Haveria
a utilização de analogia.

2ªC: Sustenta que não se aplica o art. 27 do CDC, pois não há semelhança. Afirmam, assim,
que se deve utilizar os prazos do CC, valendo-se de um diálogo sistemático de
complementariedade.

No STJ não há jurisprudência uniformidade, como se pode ver pelo quadro abaixo:

OUTRAS PRETENSÕES REPARATÓRIAS JURISPRUDÊNCIA DO STJ

Inadimplemento contratual (atraso de voo ou na Prazo decenal (CC, art. 205), REsp
entrega do imóvel). 1591223/PR)

Ação de repetição do indébito para cobrança de Prazo decenal (CC, art. 205), Súmula 412
água, esgoto e telefonia

Ação de repetição do indébito referente a Prazo trienal (CC, art. 206, § 3º, IV), REsp
disciplinas não ministradas por instituição de 1238737/SC
Ensino Superior

Ação de indenização por negativação indevida Prazo decenal (CC, art. 205), 4ª Turma, REsp
1276311/RS

Prazo trienal (CC, art. 206, § 3º, V), 3ª Turma,


Resp 1365844/RS

Ação de indenização do segurado contra a Prazo anual, art. 206, § 1º, do CC.
seguradora

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 70
DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA
1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES

O art. 28 do CDC consagra a desconsideração da personalidade jurídica.

Art. 28. O juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade


quando, em detrimento do consumidor, houver abuso de direito, excesso
de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou
contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver
falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa
jurídica provocados por má administração.
§ 1° (Vetado).
§ 2° As sociedades integrantes dos grupos societários e as sociedades
controladas, são subsidiariamente responsáveis pelas obrigações
decorrentes deste código.
§ 3° As sociedades consorciadas são solidariamente responsáveis pelas
obrigações decorrentes deste código.
§ 4° As sociedades coligadas só responderão por culpa.
§ 5° Também poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua
personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de
prejuízos causados aos consumidores.

A fim de estimular a atividade empresarial, separam-se os patrimônios da pessoa física do


da pessoa jurídica, consagrando-se o princípio da autonomia patrimonial. Contudo, muitos
empresários valiam-se deste princípio, transferindo o patrimônio da pessoa jurídica para o seu
patrimônio pessoal.

Em razão disso, surge a teoria da desconsideração da personalidade jurídica, a qual afasta,


momentaneamente, a pessoa jurídica (nos casos definidos em lei) para que o patrimônio pessoal
seja atingido.

A desconsideração poderá ser encontrada:

a) No CC, TEORIA MAIOR


b) Na Lei do CADE, que é igual a prevista no caput do art. 28 do CDC (traz requisitos).
TEORIA MAIOR
c) Na Lei 9.605/98, Lei dos Crimes Ambientais, é igual ao §5º do CDC. TEORIA MENOR

2. HIPÓSES DE DESCONSIDERAÇÃO

A personalidade jurídica poderá ser desconsidera quando houver:

• Abuso de direito;
• Excesso de poder;
• Infração da lei;
• Fato ou ato ilícito;
• Violação dos estatutos ou contrato social;
• Falência;
• Estado de insolvência;

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 71
• Encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má
administração;
• Sempre que a personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento
de prejuízos causados aos consumidores.

3. TEORIAS SOBRE A DESCONSIDERAÇÃO

3.1. TEORIA MAIOR

Admite a desconsideração APENAS quando restar provado desvio de finalidade (teoria


maior subjetiva) ou confusão patrimonial (teoria maior objetiva) mais prejuízo ao credor (art. 50 do
CC).

Art. 50. Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo


desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir, a
requerimento da parte, ou do Ministério Público quando lhe couber intervir no
processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações
sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da
pessoa jurídica.

3.2. TEORIA MENOR

Basta que se prove o prejuízo ao credor (CDC e Lei 9.605/1998), NÃO precisa provar o
abuso da personalidade jurídica.

4. DESCONSIDERAÇÃO DO CC X DESCONSIDERAÇÃO DO CDC

DESCONSIDERAÇÃO NO CC DESCONSIDERAÇÃO NO CDC

Depende de requerimento da parte ou do Pode ser aplicada de ofício pelo juiz, porquanto
Ministério Público prevista em norma de ordem pública

Adoção da Teoria Maior: exige-se, para além Adoção da Teoria Menor: basta a prova de
da prova do prejuízo ao consumidor, a prejuízo ao consumidor, independentemente
demonstração de desvio de finalidade (teoria de desvio de finalidade ou confusão patrimonial
maior subjetiva) ou confusão patrimonial (teoria
maior objetiva)

Hipóteses autorizadoras: a) desvio de Hipóteses autorizadoras: a) abuso de direito; b)


finalidade b) confusão patrimonial excesso de poder; c) infração da lei; d) fato ou
ato ilícito; e) violação dos estatutos ou contrato
social; f) falência, estado de insolvência,
encerramento ou inatividade da pessoa jurídica
provocados por má administração; ou g)
sempre que sua personalidade for, de alguma
forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos
causados aos consumidores

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 72
5. NCPC E DESCONSIDERAÇÃO

O NCPC passou a prever, expressamente, a desconsideração da personalidade jurídica


inversa (já era admitida pelo STJ), na qual se afasta o patrimônio do sócio para alcançar o
patrimônio da pessoa jurídica.

CPC, Art. 133. O incidente de desconsideração da personalidade jurídica será


instaurado a pedido da parte ou do Ministério Público, quando lhe couber
intervir no processo.
§ 2o Aplica-se o disposto neste Capítulo à hipótese de desconsideração
inversa da personalidade jurídica.

Ademais, o NCPC encampou a jurisprudência do STJ, afirmando que não há necessidade


processo autônomo para que seja desconsiderada a personalidade jurídica, podendo ocorrer em
qualquer fase processual.

CPC, Art. 134. O incidente de desconsideração é cabível em todas as fases


do processo de conhecimento, no cumprimento de sentença e na execução
fundada em título executivo extrajudicial.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 73
PRÁTICAS COMERCIAIS
1. PUBLICIDADE

1.1. CONCEITO

É o anuncio vinculado, em qualquer meio de comunicação, com a finalidade de atrair o


consumidor para um ato de consumo.

Por exemplo, publicidade nas redes sociais.

1.2. DIFERENCIAÇÕES

Publicidade não se confunde com propaganda.

A propaganda visa promover uma ideologia, seja religiosa, seja política, não possui objetivo
comercial. Por exemplo, cita-se a propaganda eleitoral, propaganda do governo sobre aleitamento
materno.

No Brasil, o controle da publicidade é misto, tendo em vista que há um controle legal e um


controle privado (CONAR).

1.3. PRINCÍPIOS DA PROTEÇÃO PUBLICITÁRIA

1.3.1. Princípio da identificação da publicidade

Previsto no art. 36 do CDC.

Art. 36. A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil
e imediatamente, a identifique como tal.

O consumidor possui o direito, ao se deparar com uma publicidade, de saber que se trata
de uma publicidade. Ou seja, que foi pago para estar em determinado local.

MERCHANDISING - permitido desde que o anunciante se utilize dos créditos para informar
que será exibido uma publicidade de determinado produto.

PUBLICIDADE SUBLIMINAR - pratica abusiva e fere o princípio da identificação da


publicidade.

1.3.2. Princípio da vinculação contratual da publicidade

Encontra-se previsto nos arts. 30 e 35 do CDC.

Art. 30. Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada


por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e
serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular
ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado.

Art. 35. Se o fornecedor de produtos ou serviços recusar cumprimento à


oferta, apresentação ou publicidade, o consumidor poderá, alternativamente
e à sua livre escolha:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 74
I - exigir o cumprimento forçado da obrigação, nos termos da oferta,
apresentação ou publicidade;
II - aceitar outro produto ou prestação de serviço equivalente;
III - rescindir o contrato, com direito à restituição de quantia eventualmente
antecipada, monetariamente atualizada, e a perdas e danos.

Uma vez feita a publicidade, preenchidos certos requisitos, há vinculação do fornecedor,


equivale à oferta.

Os requisitos são:

• Veiculação – anúncio do produto;

• Precisão suficiente – principais informações sobre o bem de consumo.

Como efeitos pode-se afirmar que a publicidade obriga o fornecedor, bem como irá integrar
o contrato.

Havendo recusa do fornecedor em cumprir a oferta veiculada na campanha publicitária, o


consumidor poderá exigir o cumprimento forçado da obrigação, por meio de tutela específica;
poderá aceitar outro produto e, por fim, poderá rescindir o contrato, sem prejuízo de eventuais
perdas e dados.

Em relação aos casos de erro de publicidade, a exemplo de preços irrisórios, chamados pela
doutrina de erro grosseiro. Por exemplo, um produto que custa R$ 1.500,00 ser anunciado por R$
50,00, não ocorrerá a vinculação. Será analisado caso a caso. Aplica-se aqui a boa-fé objetiva,
lealdade entre as partes.

1.3.3. Princípio da transparência da fundamentação da publicidade

Previsto no parágrafo único do art. 36 do CDC.

Parágrafo único. O fornecedor, na publicidade de seus produtos ou serviços,


manterá, em seu poder, para informação dos legítimos interessados, os
dados fáticos, técnicos e científicos que dão sustentação à mensagem.

O fornecedor deve demostrar a veracidade do seu anuncio, fundamentando, sob pena de


responsabilidade administrativa, civil e penal.

Por exemplo, empresa de sabão em pó que anuncia a eliminação de qualquer mancha pelo
produto em 5 min.

1.3.4. Princípio da inversão do ônus da prova

Previsto no art. 38 do CDC.

Art. 38. O ônus da prova da veracidade e correção da informação ou


comunicação publicitária cabe a quem as patrocina.

Caberá ao fornecedor provar que a publicidade não é abusiva ou enganosa, bem como que
o seu produto corresponde ao anuncio.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 75
Trata-se de inversão legal do ônus da prova.

2. PUBLICIDADE ENGANOSA

2.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES

Está prevista no § 1º, do art. 37 do CDC.

§ 1° É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de


caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo,
mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da
natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço
e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços.

Ocorre quando induz o consumidor a erro, mesmo que esta não seja a intenção do
fornecedor. Pode ocorrer de maneira comissiva ou omissiva (falta informação).

Salienta-se que enganosidade é aferida em abstrato, levando em consideração os critérios


objetivos (conteúdo) e o subjetivos (pessoas a quem se destina).

2.2. RESPONSABILIDADE

A responsabilidade pela publicidade enganosa será objetiva, assim não importa se o agente
agiu com dolo ou culpa.

2.3. FORMAS DE PUBLICIDADE ENGANOSA

2.3.1. Comissiva

Pressupõe a prestação de uma informação por parte do fornecedor, apta a induzir o


consumir em erro.

2.3.2. Omissiva

O consumidor é induzido a erro pela omissão de uma informação essencial, a exemplo de


uma campanha publicitária para vender um serviço de pós-graduação, com a omissão de que ainda
não havia sido aprovado pelo CAPS.

§ 3° Para os efeitos deste código, a publicidade é enganosa por omissão


quando deixar de informar sobre dado essencial do produto ou serviço.

2.4. SUJEITOS RESPONSÁVEIS

Será tanto o fornecedor anunciante quanto o fornecedor que tirar proveito da publicidade
enganosa.

Por exemplo, montadora e a concessionária que tirar proveito da publicidade.

2.5. RESPONSABILIDADE DA AGÊNCIA E DO VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO

Em relação à agencia que elaborou a publicidade e ao veículo que veiculou a publicidade,


há na doutrina três entendimentos, quais sejam:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 76
1ªC: Serão objetivamente responsáveis, nos termos do art. 7º, parágrafo único do CDC,
tendo em vista que concorreram para o dano causado ao consumidor.

CDC, Art. 7º, Parágrafo único - Tendo mais de um autor a ofensa, todos
responderão solidariamente pela reparação dos danos previstos nas normas
de consumo.

2ªC: serão subjetivamente responsáveis, nos termos do art. 186 e 942 do CC, pois
concorreram para o dano, seja através de dolo ou de culpa. Por não serem fornecedores, não se
poderia aplicar o art. 7º do CDC. Há precedente no STJ.

CC, Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou
imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente
moral, comete ato ilícito.

3ªC: Não haverá responsabilidade em nenhuma hipótese. Há precedente no STJ.

RECURSO ESPECIAL - PREQUESTIONAMENTO - INOCORRÊNCIA -


SÚMULA 282/STF- FALTA DE COMBATE AOS FUNDAMENTOS DO
ACÓRDÃO - APLICAÇÃO ANALÓGICADA SÚMULA 182 – PRINCÍPIO DA
DIALETICIDADE RECURSAL - AÇÃO CIVIL PÚBLICA - CONSUMIDOR -
VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO - EVENTUAL PROPAGANDA OU
ANÚNCIO ENGANOSO OU ABUSIVO - AUSÊNCIA DE
RESPONSABILIDADE - CDC, ART. 38 - FUNDAMENTOS
CONSTITUCIONAIS.I - Falta prequestionamento quando o dispositivo legal
supostamente violado não foi discutido na formação do acórdão recorrido. II
- É inviável o recurso especial que não ataca os fundamentos do acórdão
recorrido. Inteligência da Súmula 182.III - As empresas de comunicação não
respondem por publicidade de propostas abusivas ou enganosas. Tal
responsabilidade toca aos fornecedores-anunciantes, que a patrocinaram
(CDC, Arts. 3º e 38). IV - O CDC, quando trata de publicidade, impõe deveres
ao anunciante - não às empresas de comunicação (Art. 3º, CDC).V -
Fundamentação apoiada em dispositivo ou princípio constitucional é imune a
recurso especial.

3. PUBLICIDADE ABUSIVA

3.1. PREVISÃO LEGAL E CONSIDERAÇÕES

O §2º do art. 37 do CDC consagra a publicidade abusiva, vejamos:

§ 2° É abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer


natureza, a que incite à violência, explore o medo ou a superstição, se
aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança, desrespeita
valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar
de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança.

Diz respeito aos valores do consumidor, ofende valores da sociedade. Por exemplos,
publicidade dirigida para crianças.

É um conceito jurídico indeterminado, considerando publicidade abusiva aquela que ofende


os valores da CF e do sistema jurídico.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 77
3.2. HIPÓTES DE PUBLICIDADE ABUSIVA NO CDC

O CDC prevê uma série de hipóteses exemplificativas, em seu art. 37, §2º, sobre quais
publicidades seriam abusivas, são elas:

• Publicidade discriminatória;
• Publicidade exploradora do medo ou superstição;
• Publicidade incitadora de violência;
• Publicidade antiambiental;
• Publicidade indutora de insegurança;
• Publicidade dirigida a crianças.

3.3. RESPONSABILIDADE

A responsabilidade pela publicidade abusiva é objetiva, prescinde da prova do dolo ou da


culpa do fornecedor anunciante.

3.4. SUJEITOS RESPONSÁVEIS

Serão responsáveis tanto o fornecedor anunciante como também o fornecedor que tira
proveito da publicidade, nos termos do at. 186 do CC.

4. PRÁTICAS ABUSIVAS

O art. 39 do CDC, em um rol exemplificativo, consagra as práticas consideradas abusivas.


Não há no CDC o conceito de prática abusiva, mais uma vez trata-se de um conceito indeterminado.

Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras


práticas abusivas:
I - condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de
outro produto ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites quantitativos;
II - recusar atendimento às demandas dos consumidores, na exata medida
de suas disponibilidades de estoque, e, ainda, de conformidade com os usos
e costumes;
III - enviar ou entregar ao consumidor, sem solicitação prévia, qualquer
produto, ou fornecer qualquer serviço;
IV - prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor, tendo em vista
sua idade, saúde, conhecimento ou condição social, para impingir-lhe seus
produtos ou serviços;
V - exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva;
VI - executar serviços sem a prévia elaboração de orçamento e autorização
expressa do consumidor, ressalvadas as decorrentes de práticas anteriores
entre as partes;
VII - repassar informação depreciativa, referente a ato praticado pelo
consumidor no exercício de seus direitos;
VIII - colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em
desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou,
se normas específicas não existirem, pela Associação Brasileira de Normas
Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional de
Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro);
IX - recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem
se disponha a adquiri-los mediante pronto pagamento, ressalvados os casos
de intermediação regulados em leis especiais;

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 78
X - elevar sem justa causa o preço de produtos ou serviços.
XI - Dispositivo incluído pela MPV nº 1.890-67, de 22.10.1999, transformado
em inciso XIII, quando da conversão na Lei nº 9.870, de 23.11.1999
XII - deixar de estipular prazo para o cumprimento de sua obrigação ou deixar
a fixação de seu termo inicial a seu exclusivo critério.
XIII - aplicar fórmula ou índice de reajuste diverso do legal ou contratualmente
estabelecido.
XIV - permitir o ingresso em estabelecimentos comerciais ou de serviços de
um número maior de consumidores que o fixado pela autoridade
administrativa como máximo. (Incluído pela Lei nº 13.425, de 2017)
Parágrafo único. Os serviços prestados e os produtos remetidos ou entregues
ao consumidor, na hipótese prevista no inciso III, equiparam-se às amostras
grátis, inexistindo obrigação de pagamento.

Consideram-se abusivas as práticas que afrontam a principiologia do CDC, especialmente


as que se distanciam da boa-fé e da confiança do consumidor. A seguir analisaremos cada um dos
incisos do art. 39, pontuando algumas informações.

I - Condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro produto


ou serviço, bem como, sem justa causa, a limites quantitativos

Trata-se da venda casada.

É o caso, por exemplo, do consumidor proibido de entrar na sala de cinema com uma latinha
de refrigerante adquirida fora da loja de conveniência do cinema, bem como de empréstimos
bancários.

Salienta-se que a limitação quantitativa também é prática abusiva. A tarifa básica mensal de
telefonia, na prática, é considerada uma limitação quantitativa, mas o STJ entende que se trata de
prática legal, nos termos da súmula 356, pois é uma condição para que o serviço seja mantido de
forma continua.

Súmula nº 356: É legítima a cobrança de tarifa básica pelo uso dos serviços
de telefonia fixa.

II - Recusar atendimento às demandas dos consumidores, na exata medida de suas


disponibilidades de estoque, e, ainda, de conformidade com os usos e costumes

É o exemplo do taxista que se recusa a atender corrida para local perto. Outro exemplo, foi
o caso da seguradora que se recusou a vender seguro de vida à pessoa curada de leucemia.

III - Enviar ou entregar ao consumidor, sem solicitação prévia, qualquer produto, ou fornecer
qualquer serviço

Cita-se, como exemplo, o envio de revistas ou de cartão de crédito sem que o consumidor
tenha solicitado ou autorizado.

Súmula 532 do STJ - Constitui prática comercial abusiva o envio de cartão de


crédito sem prévia e expressa solicitação do consumidor, configurando-se ato
ilícito indenizável e sujeito à aplicação de multa administrativa.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 79
IV - Prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor, tendo em vista sua idade,
saúde, conhecimento ou condição social, para impingir-lhe seus produtos ou serviços

É o caso do cheque-caução, por exemplo.

V - Exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva

A relação contratual de consumo deve ser equilibrada, desproporções são causas abusivas.

VI - Executar serviços sem a prévia elaboração de orçamento e autorização expressa do


consumidor, ressalvadas as decorrentes de práticas anteriores entre as partes

Para a execução do serviço é necessário orçamento e, posteriormente, autorização do


consumidor.

O prévio orçamento deve discriminar os materiais, a mão-de-obra, o prazo de execução.

O orçamento é válido por 10 dias.

Havendo a realização do serviço, sem o prévio orçamento e sem autorização, será


equivalente a amostra grátis.

VII - Repassar informação depreciativa, referente a ato praticado pelo consumidor no


exercício de seus direitos

Cita-se, como exemplo, o fornecedor que informa a outros fornecedores que determinado
consumidor fez reclamação ao Procon.

VIII - Colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desacordo com as


normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas específicas não existirem, pela
Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional
de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro)

É o exemplo da operação Carne Fraca.

IX - Recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem se disponha


a adquiri-los mediante pronto pagamento, ressalvados os casos de intermediação regulados em
leis especiais

Não pode o fornecedor usar intermediadores, quando o pagamento for à vista.

X - Elevar sem justa causa o preço de produtos ou serviços

Foi o caso dos comerciantes que aumentaram substancialmente o valor de mascaras para
o rosto, em razão dos acidentes ocorridos no Porto de Santos, o qual deixo o ar poluído.

Obs.: Doutrina majoritária defende que a cobrança diferenciada, em razão do meio de pagamento
(cartão de crédito, por exemplo) é prática abusiva, sendo o mesmo entendimento do STJ. Contudo,
em 2017, editou-se a Lei 13.455/2017, segundo a qual os fornecedores podem fazer diferenciação
de preço, em razão da forma de pagamento. Ademais, prevê que qualquer cláusula que impeça a
diferenciação será considerada nula. Vejamos a sempre didática e excelente explicação do Prof.
Márcio Cavalcante (Dizer o Direito):

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 80
Os estabelecimentos comerciais (e outros fornecedores de bens ou serviços) podem cobrar
mais caro pelo produto caso o consumidor opte por pagar com cartão de crédito ou com cheque em
vez de pagar com dinheiro? Os fornecedores de bens e serviços podem dar descontos para quem
paga no dinheiro?

ANTES: NÃO podiam. A partir da MP 764/2016 (Lei


Isso era considerado prática abusiva. 13.455/2017): SIM
A MP, convertida na Lei 13.455/2017,
passou a permitir esta prática.

A jurisprudência dizia que: Veja o que diz a Lei nº 13.455/2017:


A diferenciação entre o pagamento em Art. 1º Fica autorizada a diferenciação
dinheiro, cheque ou cartão de crédito de preços de bens e serviços
caracteriza prática abusiva no mercado oferecidos ao público em função do
de consumo, nociva ao equilíbrio prazo ou do instrumento de pagamento
contratual. utilizado.

STJ. 2ª Turma. REsp 1.479.039-MG, Rel. Parágrafo único. É nula a cláusula


Min. Humberto Martins, julgado em contratual, estabelecida no âmbito de
6/10/2015. arranjos de pagamento ou de outros
STJ. 3ª Turma. REsp 1.133.410/RS, Rel. acordos para prestação de serviço de
Min. Massami Uyeda, julgado em pagamento, que proíba ou restrinja a
16/03/2010. diferenciação de preços facultada no
caput deste artigo.
Fundamento legal para essa conclusão do
STJ: art. 39, V e X, do CDC e no art. 36, §
3º, X e XI, da Lei nº 12.529/2011.

Repare, portanto, que o caput do art. 1º da Lei nº 13.455/2017 permite expressamente a


diferenciação de preços de bens e serviços em função:

• Do prazo. Ex.: pagamentos à vista podem ser mais baratos que os realizados a
prazo; ou

• Do instrumento de pagamento utilizado. Ex.: é permitido que o lojista cobre


um preço mais caro se o consumidor optar por pagar em cheque ou cartão em
vez de dinheiro.

E o art. 39, V e X, do CDC e o art. 36, § 3º, X e XI, da Lei nº 12.529/2011?

Como já dito no quadro acima, o fundamento legal para o STJ proibir a diferenciação de
preços era o art. 39, V e X, do CDC e o art. 36, § 3º, X e XI, da Lei nº 12.529/2011. Confira:

CDC Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras


práticas abusivas:
V - exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva;
X - elevar sem justa causa o preço de produtos ou serviços;

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 81
Lei nº 12.529/2011:
Art. 36 (...)
§ 3º As seguintes condutas, além de outras, na medida em que configurem
hipótese prevista no caput deste artigo e seus incisos, caracterizam infração
da ordem econômica:
(...)
X - discriminar adquirentes ou fornecedores de bens ou serviços por meio da
fixação diferenciada de preços, ou de condições operacionais de venda ou
prestação de serviços;
XI - recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, dentro das
condições de pagamento normais aos usos e costumes comerciais;

Tais dispositivos foram derrogados pela Lei nº 13.455/2017 e agora a interpretação a ser
dada é a de que não mais é proibida a diferenciação de preços de bens e serviços oferecidos ao
público em função do prazo ou do instrumento de pagamento utilizado.

Aviso

A Lei nº 10.962/2004 dispõe sobre a oferta e as formas de afixação de preços de produtos


e serviços para o consumidor.

A Lei nº 13.455/2017 acrescentou mais um artigo a essa determinando que, se o fornecedor


praticar descontos para pagamentos à vista, em dinheiro etc., ele é obrigado a fixar um aviso
informando isso em local e formato visíveis ao consumidor.

Confira o dispositivo inserido na Lei nº 10.962/2004:

Art. 5º-A. O fornecedor deve informar, em local e formato visíveis ao


consumidor, eventuais descontos oferecidos em função do prazo ou do
instrumento de pagamento utilizado.
Parágrafo único. Aplicam-se às infrações a este artigo as sanções previstas
na Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990.

XII - Deixar de estipular prazo para o cumprimento de sua obrigação ou deixar a fixação de
seu termo inicial a seu exclusivo critério

XIII - Aplicar fórmula ou índice de reajuste diverso do legal ou contratualmente estabelecido

Por exemplo, o consumidor compra um terreno, sendo o índice de correção atrelado ao


IGPM, quando o fornecedor aplica índice diverso incorre em prática abusiva.

XIV - Permitir o ingresso em estabelecimentos comerciais ou de serviços de um número


maior de consumidores que o fixado pela autoridade administrativa como máximo

Este inciso foi acrescido pela Lei 13.425/2017, que estabelece medidas de prevenção e
combate a incêndio e a desastres em estabelecimentos, edificações e áreas de reunião de público.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 82
COBRANÇA DE DÍVIDAS
1. REPETIÇÃO DO INDÉBITO

1.1. PREVISÃO LEGAL

Está previsto no art. 42, parágrafo único do CDC, vejamos:

Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à


repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso,
acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano
justificável.

Com isso, todas as vezes que o consumidor for cobrado de maneira indevida, terá direito ao
recebimento em dobro do valor daquilo que pagou.

1.2. PRESSUPOSTOS

• Cobrança indevida de dívida de consumo


• Pagamento em excesso
• Culpa ou dolo do fornecedor
No CC para direito à repetição do indébito, exige-se prova de dolo, da má-fé do
credor. No CDC, basta a culpa.
Aqui, apenas o engano justificável irá afastar, trata-se de inversão do ônus da prova
ope legis.

1.3. JURISPRUDÊNCIA DO STJ E REPETIÇÃO DO INDÉBITO

Em relação à repetição indébito, há no STJ decisões conflitantes, vejamos:

• Cobrança indevida de tarifa de serviço público: basta a verificação da culpa (1ª


SEÇÃO, REsp 1084815/SP). Alinhada com a doutrina majoritária - a repetição é pelo
dobro
• Demais casos (que não sejam serviços públicos): exige-se prova da má-fé (2ª
SEÇÃO, REsp 1.032.952/SP) – repetição pelo dobro apenas se houver má-fé.
• Cobrança oriunda de cláusula posteriormente declarada nula: repetição simples (2ª
SEÇÃO, REsp 328338/MG).
• Controvérsia nos tribunais em relação ao objeto da cobrança: repetição simples (2ª
SEÇÃO, REsp 528186/RS)
• Má interpretação da legislação: repetição simples (1ª SEÇÃO, REsp 1155827/SP)

1.4. CC x CDC

Para melhor fixação da diferença entre a repetição do indébito no CDC e no CC, vejamos:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 83
NO CDC (art. 42, parágrafo único) CC (art. 940)

Cobrança indevida de dívida de consumo Cobrança indevida da dívida Civil

Cobrança extrajudicial ou judicial Cobrança judicial

Exige efetivo pagamento da dívida Basta a cobrança da dívida

Exige a má-fé ou culpa do fornecedor Exige-se a má-fé do credor

A repetição do indébito é sempre pelo dobro do Convém distinguir: para a cobrança de dívidas
valor que o consumidor pagou em excesso já pagas, no todo ou em parte, a repetição é
pelo dobro do valor cobrado; já para a cobrança
de valor superior ao devido, a repetição é pelo
valor equivalente ao que foi cobrado em
excesso

2. ARQUIVO DE CONSUMO

2.1. CONCEITO

Correspondem à atividade de armazenar informações acerca dos consumidores, seja para


estabelecer um perfil ou para embasar a decisão do fornecedor ao conceder um crédito.

2.2. ESPÉCIES

Há duas espécies de arquivos de consumo, observe o quadro abaixo:

FONTE DA INFORMAÇÃO DESTINO DA INFORMAÇÃO

CADASTRO Consumidor Fornecedor específico

BANCO DE DADOS Fornecedor Mercado de consumo

2.3. NATUREZA JURÍDICA

De acordo com o art. 43, §4º do CDC, os arquivos de consumo são equiparados aos entes
públicos.

3. BANCO DE DADOS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO

Como visto acima, denominam-se bancos de dados pois a informações é alimentada pelo
fornecedor, destinando-se ao mercado de consumo.

3.1. AÇÕES

Os bancos de dados realizam as seguintes ações:

• Coleta de dados
• Armazenamento de dados

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 84
• Circulação das informações

3.2. FINALIDADE

Os bancos de proteção ao crédito visam a proteção do crédito, a fim de que sua concessão
seja feita da forma mais segura possível.

3.3. NEGATIVAÇÃO

É uma informação que traz um juízo negativo acerca do consumidor, informando aos
fornecedores que aquele consumidor não efetuou o pagamento de determinada dívida.

3.4. QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES

Nos termos do art. 43, §1º do CDC, devem respeitar determinadas qualidades.

§ 1° Os cadastros e dados de consumidores devem ser objetivos, claros,


verdadeiros e em linguagem de fácil compreensão, não podendo conter
informações negativas referentes a período superior a cinco anos.
São elas:

• Objetividade: “consumidor está em mora, pois não pagou seu débito”


• Clareza: perceptível para qualquer consumidor;
• Verdadeira: deve espelhar a realidade;
• Linguagem de fácil compreensão.

3.5. RESPONSABILIDADE POR INFORMAÇÃO INVERÍDICA

Doutrina consumerista entende que a responsabilidade deveria ser tanto do fornecedor


quanto do banco de dados. Contudo, o STJ firmou entendimento no sentindo de que a
responsabilidade será apenas do fornecedor.

Não é dever do órgão de proteção ao crédito averiguar que as informações passadas pelos
fornecedores são verdadeiras.

4. DIREITOS DOS CONSUMIDORES PERANTE OS ARQUIVOS DE CONSUMO

4.1. DIREITO À COMUNICAÇÃO POR ESCRITO DO ASSENTO (ART. 43, §2º)

§ 2° A abertura de cadastro, ficha, registro e dados pessoais e de consumo


deverá ser comunicada por escrito ao consumidor, quando não solicitada por
ele.

O consumidor deve ser comunicado sobre a tendência de o seu nome ser negativado. Trata-
se de uma comunicação prévia, a fim de que seja possível prevenir eventual dano.

A comunicação deve ser feita por escrito.

A responsabilidade pela comunicação é apenas do mantenedor do serviço de proteção ao


crédito, não é responsabilidade do fornecedor.

Por fim, se a informação de mora sobre o consumidor foi coletada a partir de um órgão
público, não há necessidade da comunicação prévia do consumidor.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 85
A seguir algumas súmulas pertinentes sobre o assunto:

Súmula 359, STJ: Cabe ao órgão mantenedor do cadastro de proteção ao


crédito a notificação do devedor antes de proceder à inscrição.

Súmula 404, STJ: É dispensável o Aviso de Recebimento (AR) na carta de


comunicação ao consumidor sobre a negativação de seu nome em bancos
de dados e cadastros.

Súmula 572, STJ: O Banco do Brasil, na condição de gestor do Cadastro de


Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF), não tem a responsabilidade de
notificar previamente o devedor acerca da sua inscrição no aludido cadastro,
tampouco legitimidade passiva para as ações de reparação de danos
fundadas na ausência de prévia comunicação. Exceção à regra de
comunicação pelo mantenedor do banco de dados.

4.2. DIREITO DE ACESSO À INFORMAÇÃO (ART. 43, CAPUT)

Art. 43. O consumidor, sem prejuízo do disposto no art. 86, terá acesso às
informações existentes em cadastros, fichas, registros e dados pessoais e de
consumo arquivados sobre ele, bem como sobre as suas respectivas fontes.

O consumidor possui o direito de ter acesso às informações sobre si, de forma gratuita
(aplica-se a lei do habeas dada e a lei do cadastro positivo).

O acesso deve ser disponibilizado imediatamente. Diante da negativa, cabe habeas data,
podendo, ainda, gerar responsabilidade.

Por fim, destaca que as pessoas portadoras de necessidades especiais também devem ter
acesso às informações.

4.3. DIREITO À CORREÇÃO DA INFORMAÇÃO (ART. 43, § 3º)

Art. 43, § 3° O consumidor, sempre que encontrar inexatidão nos seus dados
e cadastros, poderá exigir sua imediata correção, devendo o arquivista, no
prazo de cinco dias úteis, comunicar a alteração aos eventuais destinatários
das informações incorretas.

O consumidor possui o direito à correção de informações incorretas a seu respeito. O prazo


para a correção é imediato (quando comprovado o pagamento) ou de 7 dias (quando for necessário
averiguar a informação), nos termos da Lei de Cadastro Positivo. Além disso, o banco de dados
possui cinco dias para transmitir nova informação aos demais destinatários.

Havendo negativa de correção, caberá habeas data. Além disso, a correção também é
gratuita.

5. RESPONSABILIDADE PELO CANCELAMENTO DA INSCRIÇÃO

5.1. RESPONSÁVEL

Após o pagamento da dívida, a responsabilidade pelo cancelamento da negativação é do


fornecedor-credor, que deve informar ao banco de dados.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 86
Obs.: não se confunde com o cancelamento do protesto, em que a responsabilidade é do próprio
consumidor.

5.2. PRAZO

O prazo é de cinco dias, usando o art. 43, §3º do CDC por analogia.

Súmula 548, STJ: Incumbe ao credor a exclusão do registro da dívida em


nome do devedor no cadastro de inadimplentes no prazo de cinco dias úteis,
a partir do integral e efetivo pagamento do débito.

6. RESPONSABILIDADE PELO ARQUIVAMENTO INDEVIDO

A expressão “arquivamento indevido” é gênero que abrange as seguintes espécies:

• Arquivamento sem a comunicação prévia, responsabilidade será do órgão


mantenedor
• Arquivamento de informação inverídica, responsabilidade será do fornecedor-credor
• Não cancelamento da negativação após a quitação do débito, a responsabilidade
será do fornecedor-credor

Aqui, a responsabilidade será SEMPRE objetiva, independentemente de quem for o


responsável.

Súmula 385, STJ: Da anotação irregular em cadastro de proteção ao crédito,


não cabe indenização por dano moral, quando preexistente legítima inscrição,
ressalvado o direito ao cancelamento.

Como regra, o dano moral pelo arquivamento indevido é in re ipsa, salvo se houver
negativação ilegítima, em que terá apenas o direito à correção.

7. LIMITES TEMPORAIS DOS REGISTROS NEGATIVOS

O CDC prevê dois limites temporais:

• Prazo máximo de cinco anos para a manutenção de qualquer informação negativa


do consumidor nos arquivos de consumo (CDC, art. 43, § 1). A contagem inicia a
partir da inadimplência;

Art. 43, § 1° Os cadastros e dados de consumidores devem ser objetivos,


claros, verdadeiros e em linguagem de fácil compreensão, não podendo
conter informações negativas referentes a período superior a cinco anos.

• Proibição de divulgação de quaisquer informações negativas após a consumação da


prescrição da ação de cobrança (CDC, art. 43, § 5°).

Art. 43, § 5° Consumada a prescrição relativa à cobrança de débitos do


consumidor, não serão fornecidas, pelos respectivos Sistemas de Proteção
ao Crédito, quaisquer informações que possam impedir ou dificultar novo
acesso ao crédito junto aos fornecedores.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 87
PROTEÇÃO CONTRATUAL
1. PRINCÍPIOS NORTEADORES DA PROTEÇÃO CONTRATUAL

1.1. PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA

Previsto no art. 46 do CDC, possui como desdobramento o prévio conhecimento do conteúdo


do contrato pelo consumidor, bem como que o contrato tenha redação clara e objetiva.

CDC, Art. 46. Os contratos que regulam as relações de consumo não


obrigarão os consumidores, se não lhes for dada a oportunidade de tomar
conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos
forem redigidos de modo a dificultar a compreensão de seu sentido e alcance.

Nas relações de consumo o fornecedor deve ser transparente na fase pré-contratual,


contratual e pós-contratual agindo com a máxima transparência possível, tanto em relação ao
produto como também em relação ao conteúdo do contrato.

A inobservância gera a não vinculação do consumidor ao contrato.

1.2. PRINCÍPIO DA INTERPRETAÇÃO FAVORÁVEL

Previsto no art. 47 do CDC, determina que havendo dúvida sobre determinada cláusula do
contrato, deve-se interpretar da maneira mais favorável ao consumidor.

CDC, Art. 47. As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais


favorável ao consumidor.

1.3. PRINCÍPIO DA VINCULAÇÃO DO FORNECEDOR

Está previsto nos arts. 30 e 48 do CDC.

O fornecedor fica vinculado à oferta.

Art. 30. Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada


por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e
serviços oferecidos ou apresentados, obriga o fornecedor que a fizer veicular
ou dela se utilizar e integra o contrato que vier a ser celebrado.

Art. 48. As declarações de vontade constantes de escritos particulares,


recibos e pré-contratos relativos às relações de consumo vinculam o
fornecedor, ensejando inclusive execução específica, nos termos do art. 84 e
parágrafos.

1.4. PRINCÍPIO DA PRESERVAÇÃO DOS CONTRATOS

Encontra-se no art. 51, §2º do CDC.

Uma cláusula contratual nula não invalida as demais, salvo se sua ausência comprometa o
restabelecimento do equilíbrio da relação contratual.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 88
Art. 51, § 2° A nulidade de uma cláusula contratual abusiva não invalida o
contrato, exceto quando de sua ausência, apesar dos esforços de integração,
decorrer ônus excessivo a qualquer das partes.

2. DIREITO DE ARREPENDIMENTO

Também chamado de prazo de reflexão, está previsto no art. 49 do CDC.

Art. 49. O consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar


de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre
que a contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do
estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio.
Parágrafo único. Se o consumidor exercitar o direito de arrependimento
previsto neste artigo, os valores eventualmente pagos, a qualquer título,
durante o prazo de reflexão, serão devolvidos, de imediato, monetariamente
atualizados.

O prazo do direito de arrependimento é de 7 dias, contado da assinatura do contrato ou do


recebimento do produto ou do serviço.

ATENÇÂO! Apenas para compras fora do estabelecimento comercial, a exemplo da compra


feita por telefone, pela internet, por revistinhas (Natura, Avon).

OBS.: trata-se de direito potestativo do consumidor, pode exercer sem necessidade de justificar.

3. TEORIA DO ADIMPLEMENTO SUBSTANCIAL

Como regra, o não cumprimento da obrigação autoriza que o credor resolva o negócio, nos
termos do art. 475 do CC.

Art. 475. A parte lesada pelo inadimplemento pode pedir a resolução do


contrato, se não preferir exigir-lhe o cumprimento, cabendo, em qualquer dos
casos, indenização por perdas e danos.

Porém, há casos em que a resolução do contrato não é proporcional, a exemplo do


consumidor que tem sua cobertura do plano de saúde negada e depois cancelada por não ter pago
duas parcelas, depois de pagar pontualmente por 10 anos.

Os arts. 187 e 422 do CC, bem como o art. 4º, III do CDC servem de fundamento para a
Teoria do Adimplemento Substancial.

OBS.: A 2ª Seção do STJ, em decisão de 22 de fevereiro de 2017, afastou a incidência da


Teoria do Adimplemento Substancial nos contratos de leasing, prevalecendo o Decreto-Lei
911/1969 (REsp 1.622.555)

INFORMATIVO 599 - REsp. 1.622.555 - A controvérsia posta no recurso


especial reside em saber se a ação de busca e apreensão, motivada pelo
inadimplemento de contrato de financiamento de automóvel, garantido por
alienação fiduciária, deve ser extinta, por falta de interesse de agir, em razão
da aplicação da teoria do adimplemento substancial. Inicialmente, releva
acentuar que a teoria, sem previsão legal específica, desenvolvida como

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 89
corolário dos princípios da boa-fé contratual e da função social dos contratos,
preceitua a impossibilidade de o credor extinguir o contrato estabelecido entre
as partes, em virtude de inadimplemento, do outro contratante/devedor, de
parcela ínfima, em cotejo com a totalidade das obrigações assumidas e
substancialmente quitadas. Para o desate da questão, afigura-se de suma
relevância delimitar o tratamento legislativo conferido aos negócios fiduciários
em geral, do que ressai evidenciado, que o Código Civil se limitou a tratar da
propriedade fiduciária de bens móveis infungíveis (arts. 1.361 a 1.368-A), não
se aplicando às demais espécies de propriedade fiduciária ou de titularidade
fiduciária disciplinadas em lei especial, como é o caso da alienação fiduciária
dada em garantia, regida pelo Decreto-Lei 911/1969, salvo se o regramento
especial apresentar alguma lacuna e a solução ofertada pela "lei geral" não
se contrapuser às especificidades do instituto regulado pela mencionada lei.
No ponto, releva assinalar que o Decreto-lei 911/1969, já em sua redação
original, previa a possibilidade de o credor fiduciário, desde que comprovada
a mora ou o inadimplemento – sendo, para esse fim, irrelevante qualquer
consideração acerca da medida do inadimplemento – valer-se da medida
judicial de busca e apreensão do bem alienado fiduciariamente, a ser
concedida liminarmente. Além de o Decreto-Lei não tecer qualquer restrição
à utilização da ação de busca e apreensão em razão da extensão da mora
ou da proporção do inadimplemento, preconizou, expressamente, que a
restituição do bem livre de ônus ao devedor fiduciante é condicionada ao
pagamento da “integralidade da dívida pendente, segundo os valores
apresentados pelo credor fiduciário na inicial”. Por oportuno, é de se destacar
que, por ocasião do julgamento do REsp n. 1.418.593-MS, sob o rito dos
repetitivos, em que se discutia a possibilidade de o devedor purgar a mora,
diante da entrada em vigor da Lei n. 10.931/2004, que modificou a redação
do art. 3º, § 2º, do Decreto-Lei, a Segunda Seção do STJ bem especificou o
que consistiria a expressão “dívida pendente”, assim compreendida como as
parcelas vencidas e não pagas, as parcelas vincendas e os encargos,
segundo os valores apresentados pelo credor fiduciário na inicial, cujo
pagamento integral viabiliza a restituição do bem ao devedor, livre de
ônus. Afigura-se, pois, de todo incongruente inviabilizar a utilização da ação
de busca e apreensão na hipótese em que o inadimplemento revela-se
incontroverso e quando a lei especial de regência expressamente condiciona
a possibilidade de o bem ficar com o devedor fiduciário somente nos casos
de pagamento da integralidade da dívida pendente.

4. CLÁUSULAS ABUSIVAS

4.1. DEFINIÇÃO

O CDC, em seu art. 51, disciplina as cláusulas abusivas.

Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais
relativas ao fornecimento de produtos e serviços que:
I - impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor
por vícios de qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem
renúncia ou disposição de direitos. Nas relações de consumo entre o
fornecedor e o consumidor pessoa jurídica, a indenização poderá ser limitada,
em situações justificáveis;
II - subtraiam ao consumidor a opção de reembolso da quantia já paga, nos
casos previstos neste código;

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 90
III - transfiram responsabilidades a terceiros;
IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem
o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a
boa-fé ou a eqüidade;
V - (Vetado);
VI - estabeleçam inversão do ônus da prova em prejuízo do consumidor;
VII - determinem a utilização compulsória de arbitragem;
VIII - imponham representante para concluir ou realizar outro negócio jurídico
pelo consumidor;
IX - deixem ao fornecedor a opção de concluir ou não o contrato, embora
obrigando o consumidor;
X - permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de
maneira unilateral;
XI - autorizem o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente, sem que
igual direito seja conferido ao consumidor;
XII - obriguem o consumidor a ressarcir os custos de cobrança de sua
obrigação, sem que igual direito lhe seja conferido contra o fornecedor;
XIII - autorizem o fornecedor a modificar unilateralmente o conteúdo ou a
qualidade do contrato, após sua celebração;
XIV - infrinjam ou possibilitem a violação de normas ambientais;
XV - estejam em desacordo com o sistema de proteção ao consumidor;
XVI - possibilitem a renúncia do direito de indenização por benfeitorias
necessárias.
§ 1º Presume-se exagerada, entre outros casos, a vantagem que:
I - ofende os princípios fundamentais do sistema jurídico a que pertence;
II - restringe direitos ou obrigações fundamentais inerentes à natureza do
contrato, de tal modo a ameaçar seu objeto ou equilíbrio contratual;
III - se mostra excessivamente onerosa para o consumidor, considerando-se
a natureza e conteúdo do contrato, o interesse das partes e outras
circunstâncias peculiares ao caso.
§ 2° A nulidade de uma cláusula contratual abusiva não invalida o contrato,
exceto quando de sua ausência, apesar dos esforços de integração, decorrer
ônus excessivo a qualquer das partes.
§ 3° (Vetado).
§ 4° É facultado a qualquer consumidor ou entidade que o represente
requerer ao Ministério Público que ajuíze a competente ação para ser
declarada a nulidade de cláusula contratual que contrarie o disposto neste
código ou de qualquer forma não assegure o justo equilíbrio entre direitos e
obrigações das partes.

Novamente, temos uma cláusula geral, assim toda e qualquer cláusula do contrato que
estiver em desconformidade com o sistema constitucional e consumerista será considerada
abusiva.

4.2. AFERIÇÃO OBJETIVA

Não se perquire a culpa ou dolo do fornecedor.

4.3. NULIDADE DE PLENO DIREITO

As cláusulas abusivas são inválidas desde o nascimento, não produzindo efeitos. Assim, a
sentença que reconhece a abusividade de determinada cláusula contratual possui efeitos ex tunc.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 91
4.4. RECONHECIMENTO DE OFÍCIO

Para doutrina amplamente majoritária, o juiz está autorizado a reconhecer de ofício as


cláusulas abusivas, em razão da nulidade ser de pleno direito, bem como se tratar de uma norma
de ordem pública.

Contudo, o STJ entende que o juiz não pode reconhecer de ofício nulidade de cláusulas,
nos termos da Súmula 381.

Súmula 381 Nos contratos bancários, é vedado ao julgador conhecer, de


ofício, da abusividade das cláusulas.

Obs.: Segundo o professor, embora a súmula se refira apenas a contratos bancários, por questão
de equidade, com base no entendimento atual do STJ, é aplicada a toda e qualquer relação
contratual.

4.5. IMPRESCRITIBILIDADE

Por ser uma nulidade de pleno direito, não há prescrição.

4.6. INTEGRAÇÃO DE CONTRATO

Em razão do princípio da prevenção dos contratos, quando o juiz declara a nulidade de uma
cláusula abusiva, deve fazer a integração do contrato com base na lei, na jurisprudência ou, ainda,
nos usos e costumes.

Por exemplo, a cláusula que impõe multa moratória de 5% é claramente abusiva. Ao declarar
a nulidade, o juiz poderá se valer do próprio CDC, fixando o valor de 2%, promovendo assim a
integração do contrato.

4.7. ESPÉCIES DE CLÁUSULAS ABUSIVAS

Previstas no art. 51 do CDC, em um rol exemplificativo. Portanto, admitem-se outras.

I - Impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor por vícios de


qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou disposição de direitos. Nas
relações de consumo entre o fornecedor e o consumidor pessoa jurídica, a indenização poderá ser
limitada, em situações justificáveis

Como exemplo, cita-se o caso de veículo em estacionamento de shopping. Havendo o furto


de algum objeto, haverá a responsabilidade.

Súmula 130, STJ: A empresa responde, perante o cliente, pela reparação de


danos ou furto de veículos ocorridos em seu estacionamento

Nos casos em que o consumidor for pessoa jurídica, a indenização poderá ser limitada,
quando houver situação justificável, ou seja:

• Vantagem patrimonial para o consumidor;

• Efetiva participação do consumidor na fase pré-contratual;

• Manutenção do equilíbrio das prestações.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 92
II - Subtraiam ao consumidor a opção de reembolso da quantia já paga, nos casos previstos
neste código

Nos casos de arrependimento, consumidor tem direito ao reembolso do que foi pago, não
pode haver nos contratos cláusulas limitando tal direito.

III - Transfiram responsabilidades a terceiros

Por exemplo, contratação de buffet “A”, mas no dia da festa aparece o buffet “B”.

IV - Estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor


em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a equidade

É uma das cláusulas gerais mais importantes do CDC, cabendo ao operador do direito, em
cada caso contrato, o preenchimento dos conceitos jurídicos indeterminados, estabelecendo a
norma de conduta.

As hipóteses de desvantagem exagerada estão previstas no §1º do art. 51 do CDC.

§ 1º Presume-se exagerada, entre outros casos, a vantagem que:


I - ofende os princípios fundamentais do sistema jurídico a que pertence;
II - restringe direitos ou obrigações fundamentais inerentes à natureza do
contrato, de tal modo a ameaçar seu objeto ou equilíbrio contratual;
III - se mostra excessivamente onerosa para o consumidor, considerando-se
a natureza e conteúdo do contrato, o interesse das partes e outras
circunstâncias peculiares ao caso.

Com base neste inciso, há na jurisprudência do STJ diversos casos de reconhecimento de


abusividade, vejamos:

Súmula 302 – é abusiva a cláusula contratual de plano de saúde que limita


no tempo a internação hospitalar do segurado.

• É abusiva a cláusula que exclui o tratamento de doenças infectocontagiosas, caso


da Aids;

• É abusiva a cláusula que restringe a cobertura de transplante de órgãos;

• É abusiva a cláusula que suspende o atendimento em razão do atraso de pagamento


de uma única parcela (teoria do adimplemento substancial);

VI - Estabeleçam inversão do ônus da prova em prejuízo do consumidor

O CDC traz inúmeras regras sobre a inversão do ônus da prova (analisaremos em ponto
especifico). Assim, qualquer cláusula que tente inverter o ônus da prova do art. 38 será considerada
abusiva.

VII - Determinem a utilização compulsória de arbitragem

Salienta-se que o CDC admite arbitragem, apenas a imposição compulsória de arbitragem


é abusiva.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 93
VIII - Imponham representante para concluir ou realizar outro negócio jurídico pelo
consumidor

São as chamadas cláusulas mandato.

IX - Deixem ao fornecedor a opção de concluir ou não o contrato, embora obrigando o


consumidor

X - Permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de maneira unilateral

No contrato o preço é ajustado na fase pré contratual, não se permite que no curso do
processo sejam feitas alterações no preço.

XI - Autorizem o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente, sem que igual direito seja
conferido ao consumidor

A cláusula de cancelamento do contrato deve ser bilateral, mas não significa que não será
abusiva se ela referir o art. 51, IV do CDC.

Ex.: Contratos de longa duração – abusividade das cláusulas de cancelamento unilateral,


mesmo que bilaterais (art. 51, IV).

XII - Obriguem o consumidor a ressarcir os custos de cobrança de sua obrigação, sem que
igual direito lhe seja conferido contra o fornecedor

XIII - Autorizem o fornecedor a modificar unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do


contrato, após sua celebração

XIV - Infrinjam ou possibilitem a violação de normas ambientais

XV - Estejam em desacordo com o sistema de proteção ao consumidor

Qualquer cláusula que afrontar o CDC ou o sistema de proteção será abusiva.

Carência para cobertura de plano de saúde é admitida, mas há prazo máximo de 24h para
casos de urgência e emergência (Lei 9.656/98, art. 12, V, “c”).

O mesmo ocorre com a cláusula de foro de eleição em contrato de adesão.

XVI - Possibilitem a renúncia do direito de indenização por benfeitorias necessárias.

Benfeitoria necessária são aquelas que visam à conservação do bem.

Obs.: Não se aplica aos contratos de locação urbana, uma vez que estão fora da relação de
consumo.

5. CRÉDITOS E FINANCIAMENTOS AO CONSUMIDOR

O art. 52 do CDC disciplina os contratos de crédito e financiamento, trazendo inúmeras


informações que o fornecedor deverá dar ciência ao consumidor.

Art. 52. No fornecimento de produtos ou serviços que envolva outorga de


crédito ou concessão de financiamento ao consumidor, o fornecedor deverá,
entre outros requisitos, informá-lo prévia e adequadamente sobre:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 94
I - preço do produto ou serviço em moeda corrente nacional;
II - montante dos juros de mora e da taxa efetiva anual de juros;
III - acréscimos legalmente previstos;
IV - número e periodicidade das prestações;
V - soma total a pagar, com e sem financiamento.
§ 1° As multas de mora decorrentes do inadimplemento de obrigações no seu
termo não poderão ser superiores a dois por cento do valor da prestação.
§ 2º É assegurado ao consumidor a liquidação antecipada do débito, total ou
parcialmente, mediante redução proporcional dos juros e demais acréscimos.

Resumidamente, visam dar ciência ao consumidor do real custo do empréstimo, evitando o


superendividamento.

5.1. SUPERENDIVIDAMENTO

É a impossibilidade fática de o consumidor pagar todas as obrigações contraídas.


Relacionam-se às dívidas oriundas de relação de consumo, não entram aqui as dívidas de ilícito
civil (ex. pensão alimentícia).

O superendividamento pode ser passivo ou ativo.


SUPERENDIVIDAMENTO

PASSIVO
CONSCIENTE
ATIVO
INCONSCIENTE

PASSIVO: decorre de fatos extraordinários, a exemplo do desemprego, doenças. Recebe


proteção do CDC.

ATIVO: o consumidor se torna insolvente em razão da sua vontade. Pode ser:

• Consciente: decorre da má-fé do consumidor, o qual sabe que não poderá honrar
todas as obrigações assumidas.
• Inconsciente: apesar de contrair a dívida de forma voluntária, age de boa-fé, pois a
acreditava que teria como cumprir suas obrigações. Recebe proteção do CDC.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 95
5.2. MULTA MORATÓRIA

O §1º estabelece um teto máximo de 2% para a multa moratória (vale para toda e qualquer
relação de consumo – STJ), a qual possui como base de cálculo o valor da prestação vencida e não
o valor total do contrato.

Art. 52, § 1° As multas de mora decorrentes do inadimplemento de obrigações


no seu termo não poderão ser superiores a dois por cento do valor da
prestação.

Além disso, é admitida apenas de forma bilateral, ou seja, para o consumidor e para o
fornecedor.

5.3. LIQUIDAÇÃO ANTECIPADA DO DÉBITO

Garante ao consumidor a redução proporcional dos juros e demais acréscimos.

§ 2º É assegurado ao consumidor a liquidação antecipada do débito, total ou


parcialmente, mediante redução proporcional dos juros e demais acréscimos.

6. CONTRATO DE COMPRA E VENDA À PRESTAÇÃO E ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA EM


GARANTIA

O CDC, em seu art. 53 do CDC, traz proteção aos contratos de compra e venda à prestação
e de alienação fiduciária em garantia, prevendo que a cláusula que impõe a perda total de
prestações é abusiva. Sendo, contudo, possível a perda parcial.

Art. 53. Nos contratos de compra e venda de móveis ou imóveis mediante


pagamento em prestações, bem como nas alienações fiduciárias em garantia,
consideram-se nulas de pleno direito as cláusulas que estabeleçam a perda
total das prestações pagas em benefício do credor que, em razão do
inadimplemento, pleitear a resolução do contrato e a retomada do produto
alienado.
§ 1° (Vetado).
§ 2º Nos contratos do sistema de consórcio de produtos duráveis, a
compensação ou a restituição das parcelas quitadas, na forma deste artigo,
terá descontada, além da vantagem econômica auferida com a fruição, os
prejuízos que o desistente ou inadimplente causar ao grupo.
§ 3° Os contratos de que trata o caput deste artigo serão expressos em
moeda corrente nacional.

Na jurisprudência do STJ há hipóteses de cláusulas de decaimento que vão de 5% até 50%


daquilo do que já foi pago.

A restituição deve ser feita de maneira imediata.

Súmula 543 - Na hipótese de resolução de contrato de promessa de compra


e venda de imóvel submetido ao Código de Defesa do Consumidor, deve
ocorrer a imediata restituição das parcelas pagas pelo promitente comprador
- integralmente, em caso de culpa exclusiva do promitente
vendedor/construtor, ou parcialmente, caso tenha sido o comprador quem
deu causa ao desfazimento.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 96
Para analisar a razoabilidade da cláusula de decaimento, várias situações devem ser
levadas em considerações:

• Uso do bem pelo consumidor;

• Custos do empreendimento (publicidade, taxa de corretagem, taxa de


administração).

7. CONTRATO DE ADESSÃO

Disciplinado no art. 54 do CDC, vejamos:

Art. 54. Contrato de adesão é aquele cujas cláusulas tenham sido aprovadas
pela autoridade competente ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor
de produtos ou serviços, sem que o consumidor possa discutir ou modificar
substancialmente seu conteúdo.
§ 1° A inserção de cláusula no formulário não desfigura a natureza de adesão
do contrato.
§ 2° Nos contratos de adesão admite-se cláusula resolutória, desde que a
alternativa, cabendo a escolha ao consumidor, ressalvando-se o disposto no
§ 2° do artigo anterior.
§ 3o Os contratos de adesão escritos serão redigidos em termos claros e com
caracteres ostensivos e legíveis, cujo tamanho da fonte não será inferior ao
corpo doze, de modo a facilitar sua compreensão pelo consumidor.
§ 4° As cláusulas que implicarem limitação de direito do consumidor deverão
ser redigidas com destaque, permitindo sua imediata e fácil compreensão.

7.1. CARACTERÍSTIVAS

PREDERMINAÇÃO - o consumidor não participa da composição das cláusulas do contrato,


são previamente estabelecidas pelo fornecedor.

UNIFORMIDADE – valem para TODOS os contratos de consumo, não possuem variação


significativa de um contrato para outro.

RIGIDEZ – são estáveis.

7.2. CLÁUSULA RESOLUTÓRIA

Admite-se cláusula resolutória, desde que alternativa e a escolha do consumidor, nos termos
do § 2º do art. 54.

Art. 54, § 2° Nos contratos de adesão admite-se cláusula resolutória, desde


que a alternativa, cabendo a escolha ao consumidor, ressalvando-se o
disposto no § 2° do artigo anterior.

7.3. FORMA

Em regra, o contrato de adesão não precisa ser escrito. Contudo, quando for, deve obedecer
às regras do art. 54, § 3º, quais seja:

• Redação em termos claros e com caracteres ostensivos e legíveis;


• Tamanho da fonte não pode ser inferior ao corpo 12.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 97
7.4. CLÁUSULAS RESTRITIVAS DE DIREITOS DO CONSUMIDOR

É possível que haja, nos contratos de adesão, cláusulas restritivas de direitos do


consumidor, mas devem aparecer de maneira clara e ser de fácil percepção ao consumidor.

Art. 54, § 4.º As cláusulas que implicarem limitação de direito do consumidor


deverão ser redigidas com destaque, permitindo sua imediata e fácil
compreensão.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 98
DEFESA DO CONSUMIDOR EM JUÍZO
1. INTRODUÇÃO

Como vimos, ao longo do nosso Caderno Sistematizado, o CDC trouxe inúmeros direitos e
garantias aos consumidores. Visando a efetivação de tais direitos e garantias, trouxe os meios de
defesa do consumidor em juízo, tanto de forma coletiva quanto de forma individual, os quais iremos
analisar a partir de agora.

Obs.: o estudo da tutela coletiva é feito em Direitos Difusos e Coletivos.

2. TUTELA ESPECÍFICA

O art. 84 do CDC regulamenta a obrigação de fazer (impõe prestação positiva) e de não


fazer (impõe um comportamento negativo).

Art. 84. Na ação que tenha por objeto o cumprimento da obrigação de fazer
ou não fazer, o juiz concederá a tutela específica da obrigação ou determinará
providências que assegurem o resultado prático equivalente ao do
adimplemento.

A tutela específica inovou o ordenamento jurídico brasileiro, eis que até então não havia tal
previsão no CPC/73. O Código de Processo Civil de 2015, em seus arts. 497, 499, 500, 536 e 537,
disciplina de forma semelhante a tutela específica prevista no art. 84 do CDC.

Art. 497. Na ação que tenha por objeto a prestação de fazer ou de não fazer,
o juiz, se procedente o pedido, concederá a tutela específica ou determinará
providências que assegurem a obtenção de tutela pelo resultado prático
equivalente.
Parágrafo único. Para a concessão da tutela específica destinada a inibir a
prática, a reiteração ou a continuação de um ilícito, ou a sua remoção, é
irrelevante a demonstração da ocorrência de dano ou da existência de culpa
ou dolo.

Art. 499. A obrigação somente será convertida em perdas e danos se o autor


o requerer ou se impossível a tutela específica ou a obtenção de tutela pelo
resultado prático equivalente.

Art. 500. A indenização por perdas e danos dar-se-á sem prejuízo da multa
fixada periodicamente para compelir o réu ao cumprimento específico da
obrigação.

Art. 536. No cumprimento de sentença que reconheça a exigibilidade de


obrigação de fazer ou de não fazer, o juiz poderá, de ofício ou a requerimento,
para a efetivação da tutela específica ou a obtenção de tutela pelo resultado
prático equivalente, determinar as medidas necessárias à satisfação do
exequente.
§ 1o Para atender ao disposto no caput, o juiz poderá determinar, entre outras
medidas, a imposição de multa, a busca e apreensão, a remoção de pessoas
e coisas, o desfazimento de obras e o impedimento de atividade nociva,
podendo, caso necessário, requisitar o auxílio de força policial.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 99
§ 2o O mandado de busca e apreensão de pessoas e coisas será cumprido
por 2 (dois) oficiais de justiça, observando-se o disposto no art. 846, §§ 1o a
4o, se houver necessidade de arrombamento.
§ 3o O executado incidirá nas penas de litigância de má-fé quando
injustificadamente descumprir a ordem judicial, sem prejuízo de sua
responsabilização por crime de desobediência.
§ 4o No cumprimento de sentença que reconheça a exigibilidade de
obrigação de fazer ou de não fazer, aplica-se o art. 525, no que couber.
§ 5o O disposto neste artigo aplica-se, no que couber, ao cumprimento de
sentença que reconheça deveres de fazer e de não fazer de natureza não
obrigacional.

Art. 537. A multa independe de requerimento da parte e poderá ser aplicada


na fase de conhecimento, em tutela provisória ou na sentença, ou na fase de
execução, desde que seja suficiente e compatível com a obrigação e que se
determine prazo razoável para cumprimento do preceito.
§ 1o O juiz poderá, de ofício ou a requerimento, modificar o valor ou a
periodicidade da multa vincenda ou excluí-la, caso verifique que:
I - se tornou insuficiente ou excessiva;
II - o obrigado demonstrou cumprimento parcial superveniente da obrigação
ou justa causa para o descumprimento.
§ 2o O valor da multa será devido ao exequente.
§ 3º A decisão que fixa a multa é passível de cumprimento provisório,
devendo ser depositada em juízo, permitido o levantamento do valor após o
trânsito em julgado da sentença favorável à parte. (Redação dada pela Lei
nº 13.256, de 2016) (Vigência)
§ 4o A multa será devida desde o dia em que se configurar o descumprimento
da decisão e incidirá enquanto não for cumprida a decisão que a tiver
cominado.
§ 5o O disposto neste artigo aplica-se, no que couber, ao cumprimento de
sentença que reconheça deveres de fazer e de não fazer de natureza não
obrigacional.

Por exemplo, o consumidor de plano de saúde tem o direito a cobertura de médico


especialista, não tendo médico especialista credenciado, o plano deve custear consultas. Verifica-
se que a tutela específica nada mais é do que dar ao consumidor aquilo que ele possui direito.

2.1. IMPACTOS DO NCPC NA TUTELA ESPECÍFICA DO DIREITO DO CONSUMIDOR

2.1.1. Adiantamento da tutela específica – CDC, art. 84, §3º

No CDC já havia a possibilidade de antecipação dos efeitos da tutela, quando presente o


periculum in mora e o fumus boni iuris (art. 84, §3º).

§ 3° Sendo relevante o fundamento da demanda e havendo justificado receio


de ineficácia do provimento final, é lícito ao juiz conceder a tutela liminarmente
ou após justificação prévia, citado o réu.

O NCPC disciplinou as tutelas de urgência da seguinte forma:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 100


• Tutela de urgência (em caráter antecedente ou incidental) - é aplicado ao consumidor
em caráter complementar, ao direito do consumidor interessa a antecipação da
tutela.
• Tutela de evidência (CPC, arts. 311, I a IV) - ampliou-se os efeitos da tutela de
evidência que também vão impactar no direito do consumidor.

2.1.2. Multa coercitiva (astreintes) – CDC, art. 84, §4º:

O CDC já previa a possibilidade de fixação da multa, vejamos:

§ 4° O juiz poderá, na hipótese do § 3° ou na sentença, impor multa diária ao


réu, independentemente de pedido do autor, se for suficiente ou compatível
com a obrigação, fixando prazo razoável para o cumprimento do preceito.

O NCPC determinou que o beneficiário da multa será o próprio consumidor demandante,


bem como que a multa poderá ser fixada na fase de conhecimento, em tutela provisória, na sentença
ou na fase de execução (CPC, art. 537, caput).

Além disso, disciplinou a possibilidade de execução provisória da multa, aplicando-se às


relações de consumo. Por fim, o NCPC também autoriza o juiz a modificar o valor da multa APENAS
das parcelas VINCENDAS, não poderá modificar das parcelas vencidas.

3. COMPETÊNCIA PELO DOMICÍLIO DO CONSUMIDOR

Encontra previsão no art. 101 do CDC, vejamos:

Art. 101. Na ação de responsabilidade civil do fornecedor de produtos e


serviços, sem prejuízo do disposto nos Capítulos I e II deste título, serão
observadas as seguintes normas:
I - a ação pode ser proposta no domicílio do autor;
II - o réu que houver contratado seguro de responsabilidade poderá chamar
ao processo o segurador, vedada a integração do contraditório pelo Instituto
de Resseguros do Brasil. Nesta hipótese, a sentença que julgar procedente
o pedido condenará o réu nos termos do art. 80 do Código de Processo Civil.
Se o réu houver sido declarado falido, o síndico será intimado a informar a
existência de seguro de responsabilidade, facultando-se, em caso afirmativo,
o ajuizamento de ação de indenização diretamente contra o segurador,
vedada a denunciação da lide ao Instituto de Resseguros do Brasil e
dispensado o litisconsórcio obrigatório com este.

Trata-se de competência territorial, portanto, relativa. Salienta-se que é uma faculdade do


consumidor, com o intuito de facilitar o seu acesso à justiça, nada impede que a demanda seja feita
no local do dano.

A cláusula de foro de eleição, quando estabelecida em contrato de adesão, é abusiva.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 101


4. DIREITO À INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA

4.1. PREVISÃO LEGAL

Encontra-se previsto no art. 6º, VIII do CDC, visando a facilitação da defesa dos direitos do
consumidor em juízo.

Art. 6.º, VIII. A facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão
do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for
verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras
ordinárias de experiências

Ressalta-se que é uma inversão judicial do ônus da prova. Ou seja, ocorrerá a critério do
juiz, que irá apreciar as circunstâncias do caso concreto, desde que haja verossimilhança ou
hipossuficiência do consumidor (são alternativos).

4.2. REQUISITOS

4.4.1. Verossimilhança das alegações

Entendendo que a alegação do consumidor é verossímil, ou seja, aparenta ser verdadeira,


com base em indícios de prova, o juiz poderá inverter o ônus da prova.

É uma probabilidade do direito.

4.4.2. Hipossuficiência do consumidor

É a dificuldade do consumidor em produzir a prova de um fato necessário a satisfação de


sua pretensão.

Poderá ser:

• Técnica: o consumidor desconhece as características do produto, possui dificuldade


em demostrar os vícios;
• Econômica: dificuldade de produzir a prova por questões financeiras, a exemplo de
uma perícia de valor elevado.

Obs.: Hipossuficiência e vulnerabilidade não se confundem. A vulnerabilidade está relacionada


à relação jurídica de direito material, em que uma das partes está em condição de inferioridade por
questões técnicas, econômicas ou jurídicas, todo consumidor é vulnerável. Já a hipossuficiência
relaciona-se à relação jurídico-processual, em que há dificuldade de produção de prova, por
questões técnicas ou econômicas, nem todo consumidor é hipossuficiente.

Obs2.: Hipossuficiente não se confunde com necessitado.

4.4. MOMENTO DA INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA

É pacifico, atualmente (art. 373, §1º do NCPC), que a inversão do ônus da prova é regra de
procedimento, portanto deve ser realizada antes do fim da instrução, de preferência até o despacho
saneador.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 102


CPC, 373, § 1º Nos casos previstos em lei ou diante de peculiaridades da
causa relacionadas à impossibilidade ou à excessiva dificuldade de cumprir
o encargo nos termos do caput ou à maior facilidade de obtenção da prova
do fato contrário, poderá o juiz atribuir o ônus da prova de modo diverso,
desde que o faça por decisão fundamentada, caso em que deverá dar à parte
a oportunidade de se desincumbir do ônus que lhe foi atribuído

Trata-se de distribuição dinâmica do ônus da prova.

4.5. CUSTEIO DA PROVA

Há duas correntes acerca do custeio do ônus da prova, vejamos:

1ªC: a inversão do ônus da prova também importa em inversão do seu custeio.

2ªC: inversão do ônus da prova não se confunde com o custeio da prova, são coisas
distintas.

4.6. EFEITOS DA INVERSÃO

A inversão do ônus da prova deve recair sobre fatos pontuais, específicos e não sobre todo
o processo.

Obs.: Não se admite a inversão que acarrete em prova diabólica para o fornecedor.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 103


CRIMES CONTRA AS RELAÇÕES DE CONSUMO
1. PREVISÃO LEGAL

As infrações penais que envolvem as relações de consumo estão previstas do art. 61 ao art.
80 do CDC.

2. SUJEITO ATIVO

Fabricante ou fornecedor de serviços e produtos, tal como definido no art. 3º do CDC, in


verbis:

Art. 3° Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada,


nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que
desenvolvem atividade de produção, montagem, criação, construção,
transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de
produtos ou prestação de serviços.

Para efeitos penais, excluem-se as Pessoas Jurídicas.

3. SUJEITO PASSIVO

É o consumidor, assim entendido toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto
ou serviço como destinatário final (art. 2º, caput).

Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja


intervindo nas relações de consumo (art. 2º, parágrafo único). Aqui, a Pessoa Jurídica também é
incluída.

Art. 2° Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza


produto ou serviço como destinatário final.
Parágrafo único. Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda
que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo.

Excepcionalmente, os crimes contra o consumidor terão os sujeitos distintos dos vistos acima.

A seguir estudaremos os crimes em espécies.

4. OMISSÃO SOBRE A NOCIVIDADE (ART. 63)

Art. 63. Omitir dizeres ou sinais ostensivos sobre a nocividade ou


periculosidade de produtos, nas embalagens, nos invólucros, recipientes ou
publicidade:
Pena - Detenção de seis meses a dois anos e multa.
§ 1° Incorrerá nas mesmas penas quem deixar de alertar, mediante
recomendações escritas ostensivas, sobre a periculosidade do serviço a ser
prestado.
§ 2° Se o crime é culposo:
Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 104


4.1. OBJETIVIDADE JURÍDICA

Conduta: Omitir (não colocar no produto) dizeres (enunciados, comunicados) ou sinais


(símbolos, imagens, códigos) ostensivos (facilmente visíveis) a respeito da periculosidade
(potencialidade de causar dano. Exemplo: substância inflamável) ou nocividade (prejudicialidade.
exemplo: taxa de colesterol) do produto, nas embalagens (parte externa do produto), invólucros ou
recipientes (materiais internos que envolvem ou contêm o produto - plástico que envolve o produto
dentro da caixa) e ainda na publicidade (panfletos, propagandas na imprensa etc.).

Ou seja, incorre nesse crime quem não coloca ou coloca os sinais de forma discreta.

Se a omissão for culposa, tratar-se-á do crime do §2º.

PROBLEMA: A Lei 8.137/90 (crimes tributários, relações de consumo) também traz crimes
contra o consumidor, em seu art. 7º assim prevê:

Lei 8.137/90 - Art. 7° Constitui crime contra as relações de consumo:


II - vender ou expor à venda mercadoria cuja embalagem, tipo, especificação,
peso ou composição esteja em desacordo com as prescrições legais, ou que
não corresponda à respectiva classificação oficial;
Pena - detenção, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, ou multa.
Parágrafo único. Nas hipóteses dos incisos II, III e IX pune-se a modalidade
culposa, reduzindo-se a pena e a detenção de 1/3 (um terço) ou a de multa à
quinta parte.

Nucci entende que esse artigo derrogou tacitamente o art. 63 do CDC (lei posterior). Por
quê? Pois deixar de indicar a nocividade ou a periculosidade do produto na embalagem (CDC) é o
mesmo que vender ou expor à venda mercadoria em desacordo com as disposições legais, conduta
essa punível pela Lei 8.137/90, e de forma mais severa.

Assim, o art. 63 do CDC só continua em vigor no que se refere a omitir sinais quanto à
publicidade, bem como quanto à figura equiparada do §1º (serviços) e a forma culposa do §2º
(porquanto nesses pontos o art. 7º, II da Lei Tributária nada dispõe).

4.2. FIGURA EQUIPARADA

Está prevista no § 1º do art. 63 do CDC.

Esse parágrafo se refere a serviços, e não a produtos, como o caput.

O alerta deve ser por escrito e ostensivo. Do contrário (recomendações verbais ou não
ostensivas), haverá o crime em tela.

Objetivo dessa exigência: Dar pleno conhecimento ao tomador do serviço sobre a


periculosidade do serviço que lhe será prestado.

Nucci: Se o aviso for verbal, mas caso o consumidor aceite, não haveria crime.

Crítica: Se o aviso for verbal, não haverá como averiguar se a recomendação foi feita
completa e corretamente.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 105


4.3. TIPO SUBJETIVO

É o dolo. Não há elemento subjetivo específico.

Tanto o caput, quanto o §1º são puníveis na forma culposa, nos termos do §2º.

4.4. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Consumam-se, geralmente, quando o produto ou serviço (sem os devidos avisos e dizeres)


é colocado à disposição do consumidor, independentemente, da ocorrência de efetivo prejuízo a
este. Trata-se de um crime de mera conduta.

Não há tentativa, pois se trata de crime omissivo puro (crime unissubsistente).

5. DEIXAR DE COMUNICAR A NOCIVIDADE DESCOBERTA POSTERIORMENTE À


COLOCAÇÃO NO MERCADO

Está previsto no art. 64 do CDC, vejamos:

Art. 64. Deixar de comunicar à autoridade competente e aos consumidores a


nocividade ou periculosidade de produtos cujo conhecimento seja posterior à
sua colocação no mercado:
Pena - Detenção de seis meses a dois anos e multa.
Parágrafo único. Incorrerá nas mesmas penas quem deixar de retirar do
mercado, imediatamente quando determinado pela autoridade competente,
os produtos nocivos ou perigosos, na forma deste artigo.

5.1. DIFERENÇA PARA O ART. 63

Lá a nocividade/periculosidade do produto já é conhecida pelo fornecedor antes de ser


colocado no mercado. Aqui, essa nocividade é superveniente à colocação do produto no mercado.

5.2. TIPO OBJETIVO

Conduta: Deixar de comunicar a periculosidade/nocividade à autoridade competente E aos


consumidores.

A lei impõe um duplo dever de comunicação, de forma que a falta de qualquer dessas
comunicações configura o crime.

A comunicação deve se dar aos consumidores em geral, inclusive aqueles que não
adquiriram os produtos.

Conclusão: Essa comunicação aos consumidores deve ser feita pelos meios de
comunicação em massa!

5.3. FORMA EQUIPARADA (PARÁGRAFO ÚNICO)

RECALL por determinação da autoridade competente.

Parágrafo único. Incorrerá nas mesmas penas quem deixar de retirar do


mercado, imediatamente quando determinado pela autoridade competente,
os produtos nocivos ou perigosos, na forma deste artigo.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 106


Às vezes não adianta avisar os consumidores, devendo a mercadoria ser retirada do
mercado, quando assim determinar a autoridade competente.

Conduta: Deixar de retirar, IMEDIATAMENTE, do mercado produtos nocivos e perigosos,


quando essa retirada foi determinada pela autoridade competente. Em outros termos: Só há o crime
se o fornecedor não faz o “RECALL” determinado oficialmente.

A falta do recall não determinado oficialmente (portanto, voluntário) não é crime. Entretanto,
caso o produto nocivo que ele não retirou voluntariamente causar lesão ou morte, poderá o
fornecedor responder por lesão ou homicídio.

Elemento normativo ‘Imediatamente’: O início da retirada é que deve ser imediato. A retirada
total pode ser faticamente impossível de ser efetivada. Ou seja, é a demora injustificada para
começar a retirada do produto do mercado que configura o crime.

5.4. TIPO SUBJETIVO

Somente dolo. Sem elemento subjetivo específico.

5.5. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Consumação se dá com a simples não-comunicação (art. 64, caput) ou com a não-retirada


imediata do produto (p.ú), AINDA que não ocorra nenhum dano ao consumidor (crime de mera
conduta).

Por ser crime omissivo puro, não admite tentativa.

Esse crime do art. 64 se refere apenas a PRODUTOS, diferentemente do art. 63, que no §1º
fala também em SERVIÇOS.

6. EXECUÇÃO DE SERVIÇO CONTRARIANDO DETERMINAÇÃO DE AUTORIDADE


COMPETENTE

Art. 65. Executar serviço de alto grau de periculosidade, contrariando


determinação de autoridade competente:
Pena Detenção de seis meses a dois anos e multa.
§ 1º As penas deste artigo são aplicáveis sem prejuízo das correspondentes
à lesão corporal e à morte. Redação dada pela Lei nº 13.425, de 2017)
§ 2º A prática do disposto no inciso XIV do art. 39 desta Lei também
caracteriza o crime previsto no caput deste artigo. (Incluído pela Lei nº 13.425,
de 2017)

A Lei nº 13.425/2017 altera o Código de Defesa do Consumidor e prevê que o fornecedor


de bens ou serviços comete prática abusiva se permitir o ingresso, em seu estabelecimento, de um
número maior de consumidores que o fixado pela autoridade administrativa como máximo.

Confira:

Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras


práticas abusivas:
(...)

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 107


XIV - permitir o ingresso em estabelecimentos comerciais ou de serviços de
um número maior de consumidores que o fixado pela autoridade
administrativa como máximo. (inciso inserido pela Lei nº 13.425/2017)

6.1. TIPO OBJETIVO

Conduta: Executar serviço altamente (de modo severo!) perigoso.

Elemento normativo: Alto grau de periculosidade (expressão aberta que depende de um


juízo de valor no caso concreto). Essa periculosidade é aferida por meio de exame pericial.

Só existe o crime se o serviço perigoso for realizado em desconformidade com determinação


de autoridade competente, OU SEJA, o serviço altamente perigoso executado de acordo com as
determinações legais é um fato atípico.

6.2. TIPO SUBJETIVO

É um crime doloso.

6.3. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Consuma-se com a execução do serviço.

É um crime material.

Para Nucci é crime formal, pois independe de qualquer prejuízo ao consumidor, bem como
de perigo abstrato (presume-se a potencialidade lesiva da conduta do agente).

Tentativa: No caso do caput existe (tentar executar).

7. AFIRMAÇÃO FALSA E OMISSÃO DE INFORMAÇÃO RELEVANTE SOBRE PRODUTOS


OU SERVIÇOS

Encontra-se previsto no art. 66 do CDC, in verbis:

Art. 66. Fazer afirmação falsa ou enganosa, ou omitir informação relevante


sobre a natureza, característica, qualidade, quantidade, segurança,
desempenho, durabilidade, preço ou garantia de produtos ou serviços:
Pena - Detenção de três meses a um ano e multa.
§ 1º Incorrerá nas mesmas penas quem patrocinar a oferta.
§ 2º Se o crime é culposo;
Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

7.1. SUJEITO ATIVO

Além do fornecedor, também pode ser sujeito o patrocinador da oferta (§1º).

§ 1º Incorrerá nas mesmas penas quem patrocinar a oferta.

Exemplo: amigo que financia a propaganda de produto que sabe inadequado.

7.2. TIPO OBJETIVO

Condutas:

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 108


• Fazer (crime comissivo) afirmação falsa ou enganosa, que possa levar o consumidor
a erro.

• Omitir (crime omissivo) informação relevante (elemento normativo) sobre produto ou


serviço. Omissão Relevante é aquela que tenha potencialidade de prejudicar o
consumidor. A omissão de informação irrelevante é fato atípico.

• Patrocinar a oferta enganosa.

A informação falsa ou enganosa deve ser sobre produtos e serviços.

7.3. CONFLITO DE NORMAS

Nucci diz que a Lei 8.137/90 (art. 7º, II) derrogou tacitamente o art. 66 do CDC (no que se
refere a produtos). Assim, o art. 66 CDC só continuaria em vigor no que se refere a ‘serviços’ e à
forma culposa do §2º.

Lei 8.137/90
Art. 7° Constitui crime contra as relações de consumo:
II - vender ou expor à venda mercadoria cuja embalagem, tipo, especificação,
peso ou composição esteja em desacordo com as prescrições legais, ou que
não corresponda à respectiva classificação oficial.
Pena - detenção, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, ou multa.
Parágrafo único. Nas hipóteses dos incisos II, III e IX pune-se a modalidade
culposa, reduzindo-se a pena e a detenção de 1/3 (um terço) ou a de multa à
quinta parte.

7.4. TIPO SUBJETIVO

É o dolo, porém se admite a punição na forma culposa.

7.5. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Consuma-se com a simples ação enganosa ou com a omissão relevante previstas no tipo.
É crime formal, que se consuma com ou sem prejuízo efetivo ao consumidor (resultado
naturalístico).

Tentativa: Na forma comissiva (‘fazer afirmações’, por exemplo) admite tentativa. Na forma
omissiva, não (crime omissivo puro).

8. PUBLICIDADE ENGANOSA OU ABUSIVA OU CAPAZ DE INDUZIR O CONSUMIDOR A


SE COMPORTAR DE FORMA PREJUDICIAL

Estão previstos nos arts. 67 e 68 do CDC, vejamos:

Art. 67. Fazer ou promover publicidade que sabe ou deveria saber ser
enganosa ou abusiva (se houver finalidade específica de induzir o
consumidor a erro, aplica-se a 8.137/90, ver abaixo):
Pena Detenção de três meses a um ano e multa.
Art. 68. Fazer ou promover publicidade que sabe ou deveria saber ser capaz
de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa a
sua saúde ou segurança (se não for apenas capaz – crime formal – mas
realmente induzir o consumidor a erro – crime material – aplica-se a 8.137/90,
ver abaixo):

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 109


Pena - Detenção de seis meses a dois anos e multa

8.1. DIFERENÇA ENTRE OS TIPOS

Única diferença é o objeto material, observe a tabela abaixo:

Art. 67 Art. 68

É publicidade enganosa ou abusiva. É publicidade capaz de induzir o consumidor a


se comportar de forma prejudicial ou perigosa à
sua saúde ou segurança.

Publicidade abusiva: É aquela que viola os Publicidade capaz de induzir: Basta a


direitos do consumidor. potencialidade de dano. Exemplo:
Propagandas de cigarro ou bebida alcoólica
relacionadas a sucesso profissional, felicidade,
esporte etc.

Herman Benjamin: A propaganda induzidora deve ser capaz de provocar uma alteração
comportamental no consumidor. Exemplo: O consumidor deve começar a fumar ou beber em razão
da propaganda.

Nucci: O art. 68 conflita com o princípio da adequação social, pois é difícil afirmar que uma
propaganda induziu alguém a realizar comportamentos que já são socialmente aceitos e praticados
com naturalidade.

8.2. SUJEITO ATIVO

Além do fornecedor, também o responsável pela publicidade poderá ser sujeito ativo.

Exemplo: O publicitário faz propaganda enganosa sem conhecimento do fornecedor. Nesses


casos, somente ele é autor do crime.

Se o fornecedor sabe da ação do publicitário, estaremos diante de concurso de pessoas.

8.3. TIPO SUBJETIVO

Somente dolo, sem elemento específico.

A forma culposa foi vetada.

Ambos os tipos penais preveem expressamente o dolo eventual (“sabe ou deveria saber”).

8.4. CONFLITO DE NORMAS

O art. 7º, VII da Lei 8.137/90 conflita com o art. 67 e 68 do CDC.

Lei 8.137/90
Art. 7° Constitui crime contra as relações de consumo:
VII - induzir o consumidor ou usuário a erro, por via de indicação ou afirmação
falsa ou enganosa sobre a natureza, qualidade do bem ou serviço, utilizando-
se de qualquer meio, inclusive a veiculação ou divulgação publicitária;

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 110


Pena - detenção, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, ou multa.

Há quem diga que se aplica a Lei 8.137/90 se houver finalidade específica de induzir a erro
o consumidor. Se o dolo for apenas o de veicular a propaganda abusiva ou enganosa (art. 67),
aplica-se o CDC.

Nucci: o CDC ainda se aplica somente quando a forma de publicidade envolve apenas
comportamentos prejudiciais à saúde ou segurança (art. 68), sem envolver bens ou serviços (neste
caso, aplicaria a 8.137)

Herman Benjamin: O crime do art. 67 do CDC é de mera conduta, ou seja, se caracteriza


com a simples realização da propaganda abusiva ou enganosa, ainda que o consumidor não seja
prejudicado ou induzido a erro. Já o crime da Lei 8.137/90 é material, vale dizer, exige que o
consumidor seja efetivamente induzido a erro ou tenha seu direito violado.

8.5. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Consumam-se os crimes com a simples realização da propaganda, independentemente de


qualquer prejuízo ao consumidor.

No art. 67 é crime de mera conduta (comportamento: propaganda); no art. 68 é crime formal


(se o consumidor for induzido é mero exaurimento – “capaz de induzir”).

A doutrina admite a tentativa.

9. DEIXAR DE ORGANIZAR DADOS-BASE À PUBLICIDADE

Art. 69. Deixar de organizar dados fáticos, técnicos e científicos que dão base
à publicidade:
Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

Pune-se, aqui, a realização de publicidade irresponsável (sem dados que lhe deem base).
Exemplo: produtos anunciados que dizem reduzir o colesterol em 50%. Essa propaganda deve ser
baseada em dados técnicos que garantam sua veracidade. Do contrário comete o crime.

9.1. SUJEITO ATIVO

Além do fornecedor, é agente do crime qualquer pessoa responsável pela produção da


publicidade (exemplo: publicitário; encarregado dos testes científicos do produto).

9.2. TIPO SUBJETIVO

Dolo somente.

9.3. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Consuma-se com a simples omissão na organização de dados fáticos, técnicos ou científicos


durante o procedimento de elaboração da publicidade, independentemente de prejuízo ao
consumidor (crime de mera conduta).

Herman Benjamin: O tipo penal pretende proteger a lisura no procedimento do


propagandista.

Tentativa: Não é possível, pois se trata de crime omissivo puro.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 111


10. EMPREGAR NA REPARAÇÃO COMPONENTES USADOS SEM AUTORIZAÇÃO

Art. 70. Empregar na reparação de produtos, peça ou componentes de


reposição usados, sem autorização do consumidor:
Pena Detenção de três meses a um ano e multa.

10.1. TIPO OBJETIVO

Conduta: Empregar peças ou componentes de produtos usados na reparação de produtos.

Exemplo: Troca de amortecedores. O mecânico, sem autorização, vem e coloca um usado.

Se a peça usada for utilizada na confecção do produto, não há o crime em análise. Exemplo:
Contratar alguém para montar um PC e o sujeito o faz com peças usadas. Não há o crime do art.
70, pois não houve reparação, ENTRETANTO haverá o crime de Fraude no Comércio (art. 175 do
CP).

CP Art. 175 - Enganar, no exercício de atividade comercial, o adquirente ou


consumidor:
I - vendendo, como verdadeira ou perfeita, mercadoria falsificada ou
deteriorada;
II - entregando uma mercadoria por outra:
Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa.

10.2. TIPO SUBJETIVO

Somente o dolo.

10.3. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Divergência na doutrina.

Herman: É crime formal e de perigo abstrato, ou seja, consuma-se com o emprego da peça
usada não autorizada, independentemente de prejuízo ao consumidor. Mesmo que a peça usada
seja de melhor qualidade haverá crime.

Nucci: É crime material, dependendo de prejuízo ao consumidor. Só há crime se o agente


empregar peça usada e cobrar como peça nova (prejuízo financeiro).

Crítica: Essa conduta narrada pelo Nucci configura na realidade o art. 175 do CP (Fraude
no Comércio).

Tentativa: É possível quando o fornecedor não consegue empregar a peça usada por
circunstâncias alheias a sua vontade.

11. COBRANÇA VEXATÓRIA OU VIOLENTA

Art. 71. Utilizar, na cobrança de dívidas, de ameaça, coação, constrangimento


físico ou moral, afirmações falsas incorretas ou enganosas ou de qualquer
outro procedimento que exponha o consumidor, injustificadamente, a ridículo
ou interfira com seu trabalho, descanso ou lazer:
Pena Detenção de três meses a um ano e multa.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 112


11.1. SUJEITO ATIVO

Comerciante credor ou qualquer pessoa que realize a cobrança em seu nome.

11.2. TIPO OBJETIVO

Conduta: Realização da cobrança de dívida:

• Por meio de ameaça ou constrangimento físico ou moral.

• Com informações falsas ou enganosas (exemplo: credor diz que está ocorrendo
desconto no pagamento da dívida, quando na realidade não existe tal desconto).

• Mediante procedimento que exponha o consumidor, INJUSTIFICADAMENTE, ao


ridículo ou interfira com seu trabalho, descanso ou lazer (exemplo: ficar ligando de
10 em 10 minutos para o devedor).

Esse crime só se aplica quando se tratar de cobrança de DÍVIDA que envolva relações de
consumo!

Se um particular (não comerciante) utiliza meios vexatórios ou ameaçadores violentos para


cobrar uma dívida de outra natureza, pode haver o crime de exercício arbitrário das próprias razões
(art. 345 do CP).

Art. 345 - Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão,
embora legítima, salvo quando a lei o permite:
Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa, além da pena
correspondente à violência

11.3. TIPO SUBJETIVO

Dolo.

11.4. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Consuma-se com a simples conduta de cobrar, mesmo que o consumidor não se sinta
ameaçado, coagido, constrangido ou ridicularizado (crime formal).

Tentativa é possível na forma escrita interceptada.

OBS: Há quem entenda ser material, pois o tipo fala em ‘expor’ ao ridículo etc.

12. IMPEDIR ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE O CONSUMIDOR

Art. 72. Impedir ou dificultar o acesso do consumidor às informações que


sobre ele constem em cadastros, banco de dados, fichas e registros:
Pena Detenção de seis meses a um ano ou multa.

12.1. TIPO OBJETIVO

Condutas: Impedir (não permitir) ou dificultar (criar obstáculos injustificáveis) o acesso do


consumidor a seus dados pessoais que constem em qualquer banco de dados, informatizado ou
não.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 113


12.2. TIPO SUBJETIVO

Dolo somente.

12.3. Consumação e tentativa

Consuma-se com a simples conduta de impedir ou dificultar o acesso do consumidor, ainda


que essa conduta não acarrete nenhum prejuízo ao consumidor (mera conduta). Mesmo que o
consumidor consiga de alguma forma o acesso, o crime já estará consumado.

Haverá o crime mesmo que não conste nenhuma informação negativa contra o consumidor
no tal cadastro.

O que o tipo penal está tutelando é o direito do consumidor de acesso às informações, sejam
elas favoráveis ou desfavoráveis.

A tentativa é possível.

13. DEIXAR DE CORRIGIR INFORMAÇÃO INEXATA SOBRE O CONSUMIDOR

Art. 73. Deixar de corrigir imediatamente informação sobre consumidor


constante de cadastro, banco de dados, fichas ou registros que sabe ou
deveria saber ser inexata:
Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

13.1. TIPO OBJETIVO

Conduta: Deixar de corrigir (não retificar).

Objeto material: Dados inexatos sobre o consumidor que constem em qualquer banco de
informação. Exemplo: Consta em determinado banco de dados que o consumidor não pagou conta
que efetivamente já foi paga.

Imediatamente: A correção do dado inexato deve ser imediata, ou seja, tão logo se tenha
ciência da inexatidão.

A demora injustificada na correção caracteriza o crime.

13.2. TIPO SUBJETIVO

Somente dolo. Não se pune a forma culposa, como no caso do gerente negligente do banco
que se esquece de corrigir o dado inexato.

13.3. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Consuma-se com a simples omissão da correção, independentemente de algum prejuízo ao


consumidor. Crime formal (independe de qualquer prejuízo para o consumidor, mas pode haver
lesão se algum benefício lhe for indevidamente negado).

Não há tentativa, porquanto se trata de crime omissivo puro.

14. DEIXAR DE ENTREGAR TERMO DE GARANTIA ADEQUADAMENTE PREENCHIDO

Art. 74. Deixar de entregar ao consumidor o termo de garantia


adequadamente preenchido e com especificação clara de seu conteúdo;

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 114


Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

14.1. TIPO OBJETIVO

Conduta: Deixar de entregar termo de garantia completo.

Objeto material: Termo de garantia (Documento que assegura a obrigação de substituição


ou reparo da mercadoria vendida ou serviço prestado).

O termo de garantia deve estar adequadamente preenchido e com conteúdo claro.

Ou seja, há o crime:

- Quando não há a entrega do termo;

- Quando há a entrega de termo incompleto;

- Quanto há entrega do termo com dados inexatos, imprecisos ou dúbios.

Mesmo que o consumidor não exija o termo de garantia, sua não-entrega correta e completa
configura o crime.

Nucci critica este artigo, é uma violação à intervenção mínima. O direito administrativo
deveria cuidar disto.

14.2. CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

Consuma-se com a simples omissão, com a não-entrega de documento de garantia


completo e adequado (crime de mera conduta).

Não há tentativa, porquanto se trata de crime omissivo puro (unissubsistente).

15. PENA DE MULTA NOS CRIMES DO CDC (art. 77)

Art. 77. A pena pecuniária prevista nesta Seção será fixada em dias-multa,
correspondente ao mínimo e ao máximo de dias de duração da pena privativa
da liberdade cominada ao crime. Na individualização desta multa, o juiz
observará o disposto no art. 60, §1° do Código Penal.

A fixação dos dias-multa não segue a mesma regra do CP (de 10 a 365 dias-multa). No
CDC, os dias-multa correspondem aos dias de prisão cominados.

Exemplo: Crime com pena cominada de 01 mês a 06 meses de detenção. A pena de multa
variará de 30 a 180 dias-multa.

O art. 60, §1º do CP permite que a multa aplicada no máximo possa ser triplicada devido às
boas condições econômicas do réu.

CP Art. 60 - Na fixação da pena de multa o juiz deve atender, principalmente,


à situação econômica do réu.
§ 1º - A multa pode ser aumentada até o triplo, se o juiz considerar que, em
virtude da situação econômica do réu, é ineficaz, embora aplicada no máximo.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 115


Outro problema: O CDC não menciona o valor do dia-multa. Assim, aplica-se a regra geral
do CP: O valor de cada dia-multa pode variar de 1/30 a 5 vezes o maior salário mínimo vigente à
data do fato.

CP Art. 49
§ 1º - O valor do dia-multa será fixado pelo juiz não podendo ser inferior a um
trigésimo do maior salário mínimo mensal vigente ao tempo do fato, nem
superior a 5 (cinco) vezes esse salário.

16. VALOR DE FIANÇA NO CDC

Art. 79. O valor da fiança, nas infrações de que trata este código, será fixado
pelo juiz, ou pela autoridade que presidir o inquérito, entre cem e duzentas
mil vezes o valor do Bônus do Tesouro Nacional (BTN), ou índice equivalente
que venha a substituí-lo.
Parágrafo único. Se assim recomendar a situação econômica do indiciado ou
réu, a fiança poderá ser:
a)reduzida até a metade do seu valor mínimo;
b) aumentada pelo JUIZ até vinte vezes.

Como a BTN foi extinta, aplicam-se os índices econômicos que a substituíram.

O valor da fiança pode ser reduzido até a metade, pelo juiz ou pelo delegado, ou pode ser
aumentado em até 20x apenas pelo juiz.

17. ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO E AÇÃO PENAL SUBSIDIÁRIA DA PÚBLICA (art. 80 c/c


art. 82, III e IV)

Art. 80. No processo penal atinente aos crimes previstos neste código, bem
como a outros crimes e contravenções que envolvam relações de consumo,
poderão intervir, como assistentes do Ministério Público, os legitimados
indicados no art. 82, inciso III e IV, aos quais também é facultado propor ação
penal subsidiária, se a denúncia não for oferecida no prazo legal.

Essas disposições não se aplicam apenas ao CDC, mas a todas as infrações penais que
envolvam relações de consumo (ex.: Lei 8.137/90, art. 7º).

Art. 82. Para os fins do art. 81, parágrafo único, são legitimados
concorrentemente:
III - as entidades e órgãos da Administração Pública, direta ou indireta, ainda
que sem personalidade jurídica, especificamente destinados à defesa dos
interesses e direitos protegidos por este código; (ex: PROCON)
IV - as associações legalmente constituídas há pelo menos um ano e que
incluam entre seus fins institucionais a defesa dos interesses e direitos
protegidos por este código, dispensada a autorização assemblear.

Vejamos quais são essas entidades que podem se habilitar como assistentes de acusação,
bem como têm legitimidade para propor ação penal privada subsidiária da pública:

a) Entidades e órgãos públicos de defesa do consumidor

Há quem chame a ação penal nesses casos de ação penal pública subsidiária da pública.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 116


Há também quem entende ser tal previsão inconstitucional: A CF prevê a ação penal
PRIVADA subsidiária da pública. Para tanto, ação deve ser interposta por particular. Se for
interposta por ente público (inciso III) deixa de ser ação privada.

b) Associações constituídas a pelo menos 01 ano que tenham como uma de suas
finalidades a defesa do consumidor.

CS DE CONSUMIDOR – 2018.1 117