Você está na página 1de 57

Data: 22-02-18 – teórica.

>Temos dois regimes essenciais das sociedades: civis – arts. 980 CC e ss – e as comerciais
– art. 1º CSC.
>A sociedade civil gera à volta do negócio civil.
>A sociedade comercial gira à volta das instituições.
>A sociedade comercial pressupõe a prática de actos de comércio – art. 1º/3 CSC – e a
adopção de um dos tipos – art. 1º/2 CSC.
>O código dos valores mobiliários é relevante para o estudo das sociedades anónimas
abertas, porém vai-se focar no estudo das sociedades fechadas.
>É muito importante ter noções de contabilidade.
>Uma sociedade tem os seguintes elementos: pessoal, formal, teleológico e patrimonial.
>O elemento formal está no art. 1º/2 CSC.
>O elemento formal parece estar delimitado por numa aparência de numerus clausus.

Data: 27-02-18 – teórica.


Matéria: Tipos de sociedade; responsabilidade

>Ver art. 36º e ss.


>A questão do título societário vai definir a questão da responsabilidade dos sócios.
>Pode haver sociedades constituídas por DLs.
>A regulação da responsabilidade civil serve para responder se o sócio responde ou não
e quem responde.
>O art. 30 serve face às entradas para o património da sociedade.
>O art. 175º serve para o sócio responder pelas obrigações sociais.
>O art. 197º, no âmbito da sociedade por quotas, estabelece a responsabilidade de cada
sócio.
>O art. 198º face à liberdade contratual permite a criação de uma convenção; tem limites
não se pode corromper o tipo.
>O art. 198º também estabelece que essa responsabilidade só existe até ao sócio sair da
sociedade.
>Nas sociedades anónimas não há responsabilidade solidária.
>Os acordos de garantia dos sócios [avalo] face a um empréstimo da sociedade são
válidas.
>O art. 20º/a.
>O art. 20º/b.
>A norma é a de pluralidade de sócios – art. 7º CSC: regra geral.
>Há sociedades pluripessoais e sociedades unipessoais.
>O art. 273º é a excepção ao art. 7º/2.
>O paradigma é a pluralidade.
>Capital social é diferente de património social.
>Os stakeholders são os sócios.
>O art. 64º de deveres fundamentais.

Data: 27-02-18 – prática.


Matéria: Introdução; programa; cronologia da existência da sociedade;

>O fenómeno da existência da sociedade desconstrói-se em nascimento, vida e morte.


>O nascimento de uma sociedade começa com o dinheiro (financiamento das sociedades).
>A vida de uma sociedade lida com a organização da sociedade, fiscalização,
administração, sócios, estatutos etc.
>A morta lida com a liquidação e dissolução da sociedade.
>Ler o jornal de negócios.
>Existem três pilares que devem ser reduzidos a uma palavra para distinguir os tipos
societários.
>O que é a uma sociedade comercial? [art. 1º/2 CSC]
>>Pessoa colectiva
>>Actos comerciais
>> …
>Sistema de outorga, sistema de concessão e sistema normativo.

Data: 29-02-18
Matéria: Resumo dos tipos face à responsabilidade, organização e número de sócios.

Devido ao princípio da tipicidade – art. 1º/3 CSC – as sociedades que têm por
objecto praticar actos comércio têm que adoptar as formas tipificadas de sociedade
comercial; isto em razão de se tutelar a segurança jurídica – os interesses dos terceiros
que contratam com a sociedade, os interesses dos próprios sócios [especificamente os
sócios minoritários nas sociedades anónimas e na sociedade em comandita por acções] e
o interesse público [oferece tráfico jurídico mais estável e certo]. Afim disto,
prosseguimos à caracterização de cada tipo societário com base em critérios objectivos a
começar pela responsabilidade.
Na sociedade em nome coletivo, os sócios1 respondem perante a sociedade pela
sua obrigação de entrada, perante os credores da sociedade pelas obrigações desta – esta
última responsabilidade é subsidiária, isto é, os credores só podem exigir o cumprimento
aos sócios depois de esgotado o património da sociedade, e é solidária entre sócios, ou
seja, os credores podem pedir o cumprimento total de qualquer dos sócios: art. 175º/1
CSC.
Na sociedade por quotas, os sócios são solidariamente responsáveis por todas as
entradas convencionadas no contrato social, mas só o património social responde para
com os credores pelas dívidas da sociedade – art. 197º/1 e 3. Como tal, isto significa que
os sócios apenas respondem perante a sociedade – a sua responsabilidade é limitada à
quantia de capital social. Porém, isto assim o é geralmente. Excepcionalmente os sócios
deste tipo podem responder perante terceiros através de negócios jurídicos como o aval,
fiança ou algo do género de modo a garantir uma situação contratual da sociedade; por
via de estipulação contratual – art. 198º/1 – podem os sócios responderem perante
credores até determinado montante, e pode essa responsabilização ser caracterizada como
subsidiária ou como solidária – art. 198º/1 –, como essa responsabilidade pode ainda ser
predicada do facto de não haver direito de regresso em caso de ser solidária.
Na sociedade anónima, os sócios só respondem pelas suas próprias entradas e não
perante as dívidas da sociedade ou pelas obrigações assumidas pelos seus consócios.
Aliás, face à responsabilidade até se fala numa perspectiva de dupla limitação:
externamente limitada porque não respondem perante os credores da sociedade;
internamente limitada porque não respondem perante a sociedade para além da sua
obrigação de entrada.
Na sociedade em comandita simples, os sócios dividem-se em dois grupos: os que
assumem uma responsabilidade igual à dos sócios das sociedades em nome colectivo –
sócios comanditados; os que assumem uma responsabilidade apenas pela sua entrada –
sócio comanditários [art. 465º/1].
Na sociedade em comandita por acções, a responsabilidade assumida pelos sócios
é semelhante à da sociedade em comandita simples – art. 465º/1.
Agora prosseguimos à distinção atendendo à transmissão da participação social
entre vivos.
Na sociedade em nome colectivo, nos termos do art. 182º, só há transmissão com
o expresso consentimento dos restantes sócios. A razão neste regime justifica-se com o
receio da incompetência ou falta de destreza do sócio que poderia integrar a gerência.
Porém, caso este tente transmitir a sua participação social e lhe seja recusado, caso a
situação concreta verifique os requisitos do art. 185º/1/a pode exonerar-se da sociedade
recebendo pela sua parte o valor da sua participação calculada nos termos do art. 105º/2.
Na sociedade por quotas, nos termos do art. 228º/2, a cessão da quota só produz
efeitos quando for consentida pela sociedade, excepto se for cedida ao cônjuge,
ascendentes, descendentes ou a um outro sócio. Este consentimento só produz efeitos
após a verificação dos arts. 228º/3 e 242º-A. Finalizando, a regra geral está no art. 228º/3

1
Pelo art. 175º/2 também podem ser responsáveis não-sócios.
e as regras excepcionais estão no art. 229º/1, 2 e 3. Face á situação do sócio que procura
transmitir a sua quota mas é recusado, aplica-se o disposto no art. 231º/1 e o art. 231º/2/a.
Face às sociedades anónimas, a transmissão é geralmente livre, apesar de o
contrato de sociedade puder limitar – art. 328º – tal direito de transmissão de acções
nominativas. Excepcionalmente, pode a sociedade através do contrato fundador gizar, nas
situações permitidas por lei, impedir que o sócio transmita a sua participação social. Estes
casos serão resolvidos à luz do art. 329º/3.
Nas sociedades em comandita, a regra geral é a de necessidade de deliberação dos
sócios, sob pena de ineficácia da transmissão, a não ser que o contrato disponha
diversamente – art. 469º/1 – em situação de sócios comanditados; face aos sócios
comanditários, o seu regime difere em sociedades em comandita simples e comandita por
acções – nas primeiras o regime a aplicar é o das sociedades por quotas – art. 475º –,
enquanto que no segundo caso é o das sociedades anónimas – art. 478º.
Já analisámos a responsabilidade, a transmissão da participação social e agora
iremos passar para a organização2 de cada tipo societário.
Na sociedade em noma colectivo, o poder supremo sobre a sociedade pertence à
assembleia de sócios – um órgão a que todos os sócios pertencem –, que compete
deliberar sobre os assuntos determinados em lei ou contrato e tudo aquilo descriminado
no art. 189º/3. O outro órgão são os gerentes a quem cabem a administração e
representação da sociedade – art. 192º/1; regra geral os gerentes são sócios – art. 191ª/1
– porém, a título excepcional podem ser designado não-sócios para o cargo – art. 191º/2.
Na sociedade por quotas, também existe uma assembleia de sócios que tem um
conjunto mínimo de competências que não podem ser remetidas para outro órgão – art.
246º/1 – e um conjunto de competências supletivas – que só não são da assembleia de
sócios caso o contrato as transfira para outro órgão – art. 246º/2; a lei admite ainda que o
contrato acrescente outras competências ao órgão – art. 246º/1. Existe ainda uma gerência
que pode ou não ser constituída por não sócios – art. 252º/1 –, e estes são designados no
contrato ou são eleitas por deliberação dos sócios – art. 252º/2; a função deste órgão é de
administrar e representar a sociedade – art. 252º e 259º ss. Pode existir ainda um outro
órgão: o conselho fiscal. Este órgão, ou um revisor oficial de contas, pode ou não ser
obrigatório se verificar dois dos três limites do art. 262º/2. Existindo um conselho fiscal,
aplica-se os arts. 413 e ss – art. 262º/1.
Na sociedade anónima, a organização pode ser estruturada segundo três
modalidades diferentes atendendo ao art. 278º/1. Porém, em qualquer dessas modalidades
existe uma assembleia geral em que os sócios participam nela apesar de não serem
necessários todos – pode-se exigir que o sócio para participar na assembleia tenha que ter
um determinado número de acções, art. 379º/2 e art. 384º/2/a; existência de acções
preferências sem voto e o contrato afastar os seus titulares de participarem na assembleia,
art. 343º/1 e art. 379º/2. Agora face às modalidades em si: temos a doutrina monista,
presente nos arts. 278º/1/a e 390º e ss; uma doutrina dualista, a administração compete a
dois órgãos distintos, que são o conselho geral e de supervisão – art. 278º/1/c e art. 434º
ss – e o conselho de administração executivo/administrador executivo único – art. 424º e
ss; na terceira, a administração cabe ao conselho de administração – art. 278º/1/b – que
tem como parte integrante um outro órgão, a comissão de auditoria, que tem como função

2
Os órgãos sociais são centros institucionalizados de poderes funcionais com o objectivo de forma ou
exprimir a vontade juridicamente imputável à sociedade.
a fiscalização da sociedade. O conselho de administração é composto por um número de
membros fixados no contrato, que podem ser accionistas ou não, mas têm que ser pessoas
singulares – arts. 390º/1 e 3. Só nas sociedades anónimas com capital social inferior a 200
000 euros é que a administração pode ser confiada a um só administrador – art. 390º/2.
Face à composição do conselho de administração ver o art. 395º/3/a. Os administradores
podem ser designados no contrato de sociedade ou eleitos pela assembleia geral ou
constitutiva – art. 391º/1. O conselho funciona colegialmente por maioria – art. 410º, que
assim vincula a sociedade pelos negócios celebrados – art. 408º/1. O conselho de
administração pode delegar num ou mais administradores ou numa comissão executiva a
gestão corrente da sociedade – art. 407º/3 –, ficando estes com poderes de representação
da sociedade – art. 408º/2. A fiscalização é feita ou por um conselho fiscal ou fiscal único
– art. 278º/1/a e art. 413º/1/a – ou por um conselho fiscal e um revisor oficial de conta –
art. 413º/b. Face à estrutura de dualista, o conselho geral e de supervisão funciona
colegialmente por maioria – art. 445º/2 – e cabe-lhe amplas competências de fiscalização
e de supervisão da actuação da actividade da sociedade. Pode ter as suas competências
transferidas por cláusula do contrato de sociedade para a assembleia geral – arts. 441º/a e
425º/1 O outro órgão é o conselho de administração executivo que é composto por um
número livre de membros, fixado no contrato constitutivo – art. 424º/1 – mas só as
sociedades com capital social inferior a 200 000 euros poderão ter um único
administrador. A este órgão compete gerir as actividades da sociedade – art. 431º/1 – e
representá-las – art. 431º/2. A fiscalização compete a um revisor oficial e contas que é
designado pela assembleia geral, sob proposta do conselho geral e de supervisão – art.
278º/1/b e 446º. O modelo anglo-saxónico difere apenas face à comissão de auditoria, que
tem como função fiscalizar a administração da sociedade, face ao modelo monista. A
fiscalização compete à comissão de auditoria e a um revisor oficial de contas. O primeiro
é um órgão composto por três administradores do conselho de administração que são
designados pela assembleia geral, quando esta elege os administradores – art. 423º-C/1.
Nas sociedades em comanditas simples e em comandita por acções, fazemos
remissões. O regime aplicável para as sociedades em comandita simples é o das
sociedades em nome colectivo – art. 474º - e o das sociedades em comandita por acções
é o das sociedades anónimas – art. 478º. Aplicam-se a estes tudo o que não for contrariado
por normas específicas daqueles dois tipos. A única especificidade é que a gerência só
pode ser composta por sócios comanditados – art. 470º/1.
Agora distinguimos os órgãos. Temos três tipos de órgãos atendendo à sua
competência: deliberativos [aqueles que as suas decisões apenas produzem efeitos no
interior da sociedade; e.g. assembleia geral], representativos [aqueles que representam a
sociedade perante terceiros; e.g. gerência da sociedade por quotas, conselho de
administração, conselho de administração executivo da sociedade anónima] e
fiscalizadores [aqueles que fiscalizam a actividade da sociedade; conselho fiscal, a
comissão de auditoria e o revisor oficial de contas].
Finalizando, o número de sócios. O número mínimo de sócios de uma sociedade
comercial é dois – art. 7º/2; esta é a regra geral. Quanto às excepções a esta regra temos
na sociedade anónima o requisito de serem pelo menos 5 para a sua constituição – art.
273º/1 –, salvo a excepção do nº2; na sociedade comandita por acções têm que ser seis [5
comanditários e um comanditado]; na sociedade unipessoal por quotas – art. 270-A – só
tem que haver um sócio; que se vejam as demais excepções previstas no art. 488º/1 e art.
481º/1.
Data: 01-03-2018
Matéria: Princípios do Direito das sociedades.

>P. da autonomia.
>Boa fé/ tutela da confiança: princípio da primazia da materialidade subjacente.
>Princípio da igualdade
>Proibição do pacto leonino – lógica societária não combina com este pacto.
>Dever de participar na vida da sociedade – art. 20 CSC.
>Dever ou poder-dever?
>art. 24º - direitos especiais.
>Os direitos especiais devem ser considerados dentre das vicissitudes societários.
>Lembrar das golden shares no âmbito dos direitos especiais.
>Os direitos especiais são compatíveis com o princípio da igualdade.
>A relação dos direitos especiais com o princípio da igualdade tem de ser considerado no
âmbito do contexto societário.
>A sociedade anónima é uma sociedade de capitais perfeita.
>Princípio de controle sobre a economia.
>>Tutela dos sócios minoritários.
>>Poderes aos sócios minoritários para além da sua importância.
>>Não pode atribuir o mesmo poder que atribui a um sócio que tem 10%.
>Ver art. 71 e ss.
>Art. 77º e ss.
>Sociedade abertas e sociedades fechadas.
>P. do modo colectivo da sociedade.
>>Personalidade colectiva.
>>Responsabilidades.
>Capacidade das sociedades – art. 6º CSC.
>Art. 160º CC: P. da especialidade: art, 6º/1.
>Críticas ao ao art. 6º/1: reflexo conceptualista: interesse que desconsiderado o p. da
especialidade.
>O Professor fortalece este princípio distinguindo entre objecto mediato e o objecto
imediato.
>>Objecto imediato: actividade concreta da sociedade.
>>Objecto mediato: realização do lucro.
>Só o objecto mediato desrespeitado seria do p. da especialidade.
>A opinião do MC desconsidera o legislador.
>A pratica actos gratuitos pode ser compatível desde que não ofenda o fim mediato da
sociedade.
>Representação orgânica: representação dos órgãos.

Data: 01/02/18
Matéria: Princípio da tipicidade.

>O princípio da tipicidade resulta da articulação do art. 1º/2 com o 1º/3 CSC.
>O princípio da tipicidade é um limite ao princípio da autonomia.
>Nas economias continentais a norma é o princípio da tipicidade, enquanto que nas
económicas anglo-saxónicas a norma geral é o princípio da autonomia privada.
>A imperatividade obsta à fluidez de evolução.
>A organização serve como regras supletivas para diminuir os custos de transacção.
>Custos de transacção = custos de negociação
>As regras imperativas nos tipos justifica-se por interesse público.
>A estrutura organizativa serve para permitir saber quem pode representar a sociedade e
vincular-se por ela.
>O fundamento de limitação da autonomia das partes é o interesse público.
>Na Europa continental temos verificado um aumento da autonomia privada face à
tipicidade.
>Cada tipo é um mini-sistema com tensões entre diferentes sistemas.
>O Direito das sociedades é chamado a responder a preocupações e interesses que estão
entre tensão.
>Cada tipo tem um equilíbrio próprio.
>Sociedades de pessoas perfeita: sociedade em nome colectivo.
>Sociedade de capitais perfeita: sociedade anónima.
>A sociedade em comandita simples ou de acções é uma sociedade de pessoas imperfeita.

Data: 06/03/18 – téorica.


Matéria: Art. 6º e por aí adiante. Princípio da especialidade em “especial”.

>A representação orgânica respeita aos órgãos.


>A representação voluntária respeita a procurações e situações do género.
>Art. 6º/5 -> 500º [doutrina por norma]
>O Prof. Januário entende que deve ser feita uma interpretação restritiva do art. 6º/5, pois
entende que a sociedade pode ser responsabilizada directamente.
>Não faz sentido aplicarmos esta lógica civilista à lógica societária.
>O art. 6º/5 só é aplicável somente a membros de um órgão.
>Art. 6º/4: Irrelevância das deliberações e regras estatutárias para as relações entre
terceiros – os actos violadores são válidos, mas sujeitam-se à responsabilidade.
>Analisar o art. 9º tendo em conta o art. 11º.
>O contrato de sociedade está presente no art. 7º.
>Art. 8º/1 procura evitar situações conflituosas provenientes do art. 1714º CC.
>Se uma participação social pertence a ambos os cônjuges, então que se vejo o art. 8º/2
[situações de regime geral de bens – situações de contitularidade].
>Cada regime lida com a contitulariedade de maneiras diferentes – art. 7º/3.
>Requisitos de forma: art. 7º/1 e 4.
>As situações do art. 17º não exigem forma específica, mas por razões de segurança
fazem-se os acordos parassociais por escrito.
>Art. 9º: Conteúdo do contrato; desenho estrutural do contrato social – desenho geral: é
preciso conciliar com os regimes especiais.
>Exemplo de um regime especial: art. 197º.
> A interpretação e integração do contrato social faz-se pelo art. 238º e art. 236º.
>Nas contratos constitutivos societários não existe esta dualidade típica dos contratos
bilaterais; o regime do art. 236º e ss aplica-se mal às sociedades, que são situações de
contrato plurilaterais.
>Há dois polos em confronto no âmbito da interpretação: o contrato e a instituição.
>É preciso seguir um modelo objectivo: art. 9º.
>Um acordo parassocial é um contrato, e aqui a resistência do regime geral do art. 236º e
ss não é assim tão forte, e por isso não justifica o seu afastamento.
>Cada sociedade tem um firma.
>Uma leitura do art. 980º e do art. 11º/6 proíbem a mera fruição.
>Art. 11º/4: explicita quando pode uma sociedade pode adquirir participação de uma
outra sociedade atendendo á compatibilidade de objectos sociedades.
>Art. 11º/5: Tem de ser o contrato social a autorizar.
>Art. 12º - sede estatutária – é relevante para o art. 3º e assim para aplicação da lei
societária portuguesa; também é relevante para a matéria de grupos: art. 481º. Ver
também o art. 13º.
>Conjugar o art. 14º e o art. 9º/1/f.
>Não podemos confundir capitais sociais com o património social.

Data: 06-03-18 – prática.


Matéria – três pilares; casos práticos.

>Primeiro pilar – responsabilidade: art. 175º C&A; art. 197º LDA; art. 271º SA.
>Segundo pilar – transmissibilidade: art. 185º C&A; art. 228º LDA; art. 328º/329 SA
>Terceiro pilar – organização: 191º/193º C&A; art. 252º e ss, art. 261º LDA; art. 278º,
405 e 434º SA.
>A colectividade de sócios não funciona da mesma maneira em cada tipo.
>Os sócios têm sempre algo a dizer nas situações de mudança fundamentais.
>Aquilo que muda é em matéria de gestão: margem de administração muda em cada tipo.
>Nas sociedades anónimas – art. 373º/3 – a gestão só funciona através do pedido de
accionistas; por oposição do art. 259º podem fazer o actos que acharem necessários – na
primeira há menos confiança por isso mais limitações há produção de actos, na segunda
há mais confiança por isso menos limitações há produção de actos.
>O art. 246º/2 apresenta a norma-base da competência dos sócios: actos de gestão faz
depender da prévia deliberação dos sócios.
>O conselho de administração: tem um poder-dever de deliberação [produzir efeitos
internos] e um poder-dever de representação [produzir efeitos externos].
>Os gerentes do art. 191º/193, Cia: órgão disjunto – especial ver o art. 193º.
>Crítica ao órgão disjunto: carta branca para queimar a sociedade.
>Os gerentes do art. 261º, Lda : órgão conjunto.
>Crítica ao órgão conjunto: Se um dos gerentes está à margem da vida societária assim o
fica.
>Os órgãos do art. 278º, 410 e art. 434º são colegiais.
>As estruturas do art. 278º/1/a são todas dualistas.
>278: a, tradicional; b, alegadamente anglo-saxónico; c, modelo germânico.
>órgão disjuntivo: implica muita confiança entre sócios; órgão conjunto: implica alguma
confiança entre sócios; órgão colegial: implica pouca confiança entre sócios – assim
atendendo que cada tipo de órgão se insere dentro de uma lógica específica do tipo
societário. Nas sociedade anónimas, situações onde não há a criação de laços de confiança
entre sócios e há uma fraca ligação à sociedade [porque as acções vão e vêm, id est,
procura comprar, revender – não há apego à sociedade] justifica-se órgão colegiais, onde
a situação só se produz através de um concurso de vontades numa reunião; nas sociedades
por quotas, onde há alguma confiança e convivência e alguma relação interpessoal, o
órgão conjunto justifica-se por haver alguma confiança – embora não muita – e como tal
o órgão conjunto é o apropriado, pois apesar de haver um concurso de vontades para a
produção de uma deliberação dispensa-se o facto de haver uma reunião; na sociedade em
nome colectivo, por ter um ambiente mais “casual” – ou friendly, regional, íntimo – se
justifica um órgão disjunto, pois os sócios confiam entre si.
>ESTUDAR AFUNDO O ART. 5º DO CSC EM: CSC ANOTADO, MC, COUTINHO
DE ABREU, TESE DE DOUTORAMENTO DO DIOGO COSTA GONÇALVES.

Data: 08/03/18
Matéria: Apontamentos da tese de mestrado do Diogo Costa Gonçalves.

>No art. 6º encontram-se dois blocos normativos. O primeiro respeito às questões de


capacidade em sentido próprio e é composto pelos números 1, 2 e 3 e pela primeira parte
do nº 4º. O segundo diz respeito à responsabilidade dos órgãos sociais – art. 6º/4, segunda
parte – e da própria sociedade quanto aos actos praticados pelos seus representantes – art.
6º/5.
>A construção do primeiro bloco gira em torno do princípio da especialidade – art. 6º/1
como tal surge no art. 160º CC.
>Os números 2 e 3 surgem como concretizações desse mesmo princípio.
>O quadro deste bloco encerra-se com uma distinção entre fim e o objecto social.
>O legislador tentou usar o princípio da especialidade como um facto limitativa da
capacidade jurídica, porém ele nada limita.
>Este conceito deve ser entendido como fim legal-tipológico: tipo legal ligado a um fim.
>Temos também a distinção entre fim mediato e imediato. A primeira coincide com a
noção de fim legal-tipológico e a segunda com o objecto da pessoa colectiva ou a concreta
actividade que esta se propõe a realizar.
>O fim do art. 160º CC não coincide com o fim imediato, estatutário, institucional ou
fim-objecto.
>A concepção contratualista dominante entendeu que o fim da sociedade do art. 6º/1
implicaria uma ideia de lucro ou de repartição de lucros. Esta é a tese tradicionalista.
>O fim da sociedade é o fim legal-tipológico do contrato, de onde, o fim a que alude o
art. 6º/1 coincidirá, assim, com o escopo lucrativo previsto no art. 980º.
>O facto de o objecto social não limitar a capacidade das sociedades – art. 6º/4 – afastou
liminarmente uma possível identificação com o fim imediato.
>As liberalidades ao serem por princípio consideradas contrárias ao fim da sociedade –
art. 6º/2 – bem como a prestação de garantias gratuitas a terceiros – art. 6º/3 – surgem
como dados normativos que reforçam a ligação entre lucro e fim.
>Porém a situação de definição de lucro torna-se muitas vezes imprecisa.
>Cada vez mais o conceito de lucro perde a relevância tipológica de lucro.
>Vê-se o lucro real como um conceito ultrapassado.
>Vê-se o lucro potencial como demasiado genérico e subjectivo. Qualquer pessoa pode
aludir expectativa de lucro.
>A tese tradicionalista do princípio da especialidade – aquele que abona o lucro – passa
por ser um esvaziamento do conteúdo normativo da capacidade de gozo.
>A tese pragmática do princípio da especialidade defende antes que as sociedades
comerciais gozam de uma capacidade jurídica limitada, mas materialmente de uma
capacidade de gozo tendencialmente plena. Apelando-se também aqui a um conceito
amplo de lucro, capaz de englobar o mais leque categoria de actos.
>PPV entende que o ar.t 6º CSC não limita a capacidade de gozo das sociedades.
>Houve um processo de gradual superação do princípio da especialidade que culminou
com o MC dizendo que o PE pouco ou nada limita.
>O fim e o interesse da sociedade são a mesma coisa.
>O art. 6º/2 é uma presunção da violação do art. 64º/1/a. Positivamente: falamos de
doações; negativamente: falamos de liberalidades usuais.
>A solução é uma conjugação do art. 6º com o art. 64º71. Conjugação do fim com o
interesse – solução da jurisprudência.
>REGIME NORMATIVO UNITÁRIO DO ART. 6º (ALÉLUIA CARALHO – 100
PÁGINAS DEPOIS É QUE DIZ ALGUMA MERDA DE JEITO; MAS EU ESTOU A
LER HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOCIETÁRIO OU O QUÊ, CARALHO. FODA-
SE:
>>Pela formulação positiva do princípio da especialidade, o art. 6º/1 deve ser entendido
no sentido que as sociedades comerciais gozam de uma capacidade jurídica
tendencialmente plena, sendo por isso capazes de todos os direitos e obrigações que
entendam servir o seu interesse social, à excepção daqueles que dependam da qualidade
humana do sujeito.
>Os números 2 e 3 do art. 6º constituem presunções legais de violação do art. 64º/1/a.
>No número 2, o Direito presume que a constituição de liberalidades pela sociedade viola
o dever de boa gestão previsto no art- 64º/1/a (delimitação positiva da presunção), à
excepção dos casos das denominadas liberalidades usuais (delimitação negativa da
presunção).
>No número 3º, o Direito presume que a prestação de garantias gratuitas a terceiros viola
o mesmo dever previsto no art. 64º/1/a (delimitação positiva da presunção).
>Exceptuam-se do âmbito desta última presunção (delimitação negativa da presunção),
as situações em que a sociedade se encontra em relação de domínio ou de grupo, mesmo
de facto, independentemente da posição da sociedade garante na estrutura de coligação
societária.
>Por presunção deve-se entender por probabilidade.
>O art. 72º serve para a responsabilidade.
>A administração é uma relação uberrimae fidei [intensa confiança] – resultante do art.
64º/1/b: estatuição de especiais deveres de lealdade.
>O dever de gestão uberriamae fidei implica: interesse da sociedade, interesses de longo
prazo dos sócios; interesses dos outros sujeitos relevantes para a sua sustentabilidade da
sociedade.
>Por interesse social deve-se entender a realidade juridicamente tutelada por referência a
tais posições jurídicas que uma vez atingida determina a verificação de um dano.
>É parte integrante do interesse social a conservação da estrutura jurídica de propriedade
correspondente à pessoa colectiva.
>Viola o dever de gestão uberrimae fidei, o administrador que satisfazendo os interesses
imediatos de todos os sócios, compromete definitivamente a viabilidade da própria
sociedade.
>No fundo o interesse da sociedade reconduz a uma expressão da dimensão funcional-
teleológica do dever de administrar e a uma concretização do dever de gestão uberrimae
fidei.
>FIQUEI NA PÁGINA 881, QUE SE LIGA AO NÚMERO 249. COMEÇAR DO 249
EM DIANTE.
>LER João Miguel Ascenso – as sociedades não lucrativas PARA PERCEBER A “NON-
PROFIT INDUSTRY”.

Data: 08-02-18
Matéria

>Face ao art. 15º. Liga-se com o problema de dissolução das sociedades.


>Art. 60 do 161???
>O art. 16 vs art. 24.
>A situação do art. 16 é diferente do art. 24.
>O art. 16 refere-se a situações que tenham conexão com a constituição da sociedade. Ou
seja, vantagens relativas aos sócios fundadores da sociedade.
>O art. 168 VER.
>O art. 18º: antecipação! Registo prévio, registo definitivo…etc.
>Fases eventuais: acordos de princípios, acordos preliminares [que antecedem a
constituição da sociedade], acordos de promessa de sociedade[promessa de uma
declaração jurídica dirigida a realizar uma sociedade]: execução específica – art. 827º -
caso não haja concretização da sociedade ou se recorre com o incumprimento – 801:
resposta: dependo do tipo societário: não execução específica face a posições em que a
responsabilidade do sujeito em causa, sendo sócio, seja uma responsabilidade ilimitada –
não há execução específica para as SA; nos casos de sociedade comandita, para ser sócio
comanditado – também aqui não há execução específica; também pode haver negócios
preparatórios – e.g. para constituir entradas [ver artigos 20 e ss.];
>Art. 279 – face a isto o princípio de boa fé na declaração.
>Antes da sociedade ser pessoas jurídica, pode haver situações pré-societárias: situações
pa-rassocias – art. 17 – que é um acordo antecipatório da sociedade: VER ARTIGO 36
FACE A ISTO; o art. 39º.
>Situações de sociedades não registadas: o art. 107º do CC (ENTÃO REVOGADO) não
considera uma sociedade como não inexistentes sem registo (?);
>Sociedades irregulares: é uma expressão muito ampla e dentro dela se albergavam: as
sociedades com um processo incompleto, as sociedades com vícios, as sociedades de
facto. Deve-se usar este conceito para a sociedade com um processo incompleto.
>Falando do art. 36º/2: remissão para o regime civil; é preciso haver um acordo simples;
MC não pode ser uma sociedade comercial; CA é uma sociedade comercial [NO
ÂMBITO DO QUE É QUE ISTO É! É UMA SOCIEDADE CIVIL OU COMERCIAL?];
para JG é uma sociedade comercial [SÓ QUE É IRREGULAR];
>Falando do art. 36º/1: figura da aparência; regime de responsabilidade próprio;
>Art. 38º: diferenças na aplicação pensando nos tipos; cada tipo, cada pensamento legal
neste artigo;
>Art. 37º: princípio do pacta sunt servada.
>Na pré-sociedade se pretenda constituir existe uma responsabilidade ilimitada e pessoal.
>Art. 40º: Lógica da sociedade em comandita simples: lógica difere no número 1 e no
número 2. Está centrado na relações com terceiros; para a relação entre si (sócios) está no
art. 37.
>AS RELAÇÕES, EM CASO DE SOCIEDADES NÃO REGISTADAS, SÃO
DIFERENTES PARA CADA TIPO. VER O CÓDIGO SOCIETÁRIO ANOTADO E
COMENTADO PARA PERCEBER O REGIME DE APLICABILIDADE.
>Art. 5º: capacidade geral que é similar que é das sociedades regulares: sociedades
irregulares.
>SOCIEDADES IRREGULARES: o JG adopta a teoria da organização [PROCURAR
VER]; em termos de natureza jurídica: temos uma sociedade a que se aplica o regime
societário a par do art. 36 e ss, e de que é excepção o art. 5.
>VER DIPLOMA 70/18, 2 de março; regime de créditos ??????.

Data: 08-02-18
Matéria:

>Foi se limitando o princípio da especialidade ao fim lucrativo.


>O lucro é concretizado pelo objecto social:
>LUCRO (980 CC)-------OBJECTO SOCIAL (art. 11º/2)-------deliberação social (11º/3)
>Art. 6º/4: art.

>Data: 15-02-18
>Matéria: Entradas.

>Alínea B do art. 30º promete articulação com o art. 606º do CC.


>Dialética: art. 30º CSC e o art. 606º CC.
>O art. 606º/1 do CC é indispensável.
>Entradas em espécie:
>>Art. 28º/1: visa a protecção dos credores da sociedade ou da sociedade-em-si: interesse
social.
>Hipótese de haver uma situação – art. 29 – que muitas das vezes pode ser confundida
…entrada em espécie oculta: situação de sobreavaliação do bem: a sociedade adquiria um
bem de um sócio e o sócio receberia de volta um bem a lucrar.
>As normas do art. 29 vale também para a sociedade de quotas: faz-se uma interpretação
extensiva. É a opinião do JG; o resto da doutrina discorda – MC discorda.
>A referência de entrada deve ser complementada com referências às obrigações
acessórias e suplementares.
>Outras obrigações – para além da principal:no art. 209, 210 e ss [Lda].
>as entradas por espécie não possíveis nas SA e nas Lda (?)
>O art. 209º relativamente às entradas em indústria.
> As prestações acessórias podem ser de facere e não somente de dare.
>No art. 204º se permite a excusão do sócio por não ter realizado a entrada LDA.
>o art. 209 não impede que a sociedade exerça obrigacionalmente como credor que o
sócio realiza a sua obrigação de entrada; mas pode-se recorrer ao art. 204?
>figura das prestações suplementares: tem sempre o dinheiro por objecto
>art. 198º do CSC: tem um conteúdo irradia para além do seu âmbito de aplicação.
>O art. 210 CSC: qual a relação com o art. 198º: é uma relação de checks and balances:
jogo de força.
>O art. 212 faz remissão para o art. 204 e 205.
>As prestações suplementares são quase capital. Têm um regime diferente das acessórias:
a não realização podem implicar a sua expulsão.
>a PS: são prestações realizadas por sócios…ver
>Art. 213: só podem restituídas aos sócios se isso não puser a sociedade a vermelho.
>o art. 287.
>Não há regime paralelo do art. 210 e ss.
>pergunta-se se pode fazer analogia dqqui para outros tipos: a resposta é não. A doutrina
entende isso como algo completamente gravoos.
>Arts. 243: regime dos suprimentos: contrato em que pelo qual um sócio empresta à
sociedade dinheiro a juros.
>É possível suprimentos nas sociedades anónimas?

Data: 15-02-18
Matéria: Casos.

>Terça-feira à uma da tarde.


>A cláusula do objecto não limita a capacidade da sociedade.
>Remissão do art. 6º/4 para o art. 64º [bitola de diligência] e 72º do CSC.
>O art. 192 tem um regime específico da responsabilidade no âmbito das Cia.
>O art. 260º/2 para as Lda.
>O art. 409º/2 para as SA.
>Para quem segue a superação do PE da não limitação da capacidade: para cada natureza
temos actos próprios.
>O art. 6º/3: a sociedade só pode fazer garantias se for conforme ao fim.
>Estudar os grupos da sociedades: relações de domínio e relações de grupo.
>É preciso ler o art. 6º/3 com o art. 6º/1.

Data: 19-03-18
Matéria: Casos.
Caso 1
António e Bento são irmãos e únicos herdeiros dos negócios da família. Após a
morte do Conde de Arneiro, seu pai, os irmãos resolveram constituir três sociedades com
a património familiar das quais eram os únicos sócios e administradores:
(i) a sociedade Solar do Arneiro, Lda., que tinha por objecto a exploração de
turismo rural, à qual alocaram o solar da família em Ponte de Lima;
(ii) a sociedade VitArneiro – Exploração vinícula, SA., que se dedicava à
produção e comercialização de vinho alvarinho; e
(iii) a sociedade Arneiro e Arneiro, SNC., que se dedicava à prestação de serviços
e à consultadoria.
Não obstante a constituição das três sociedades, na prática, a vida manteve-se tal
qual era em vida do Conde Arneiro: António e Bento viviam no solar e sempre
entenderam o património das sociedades como património familiar... Tal entendimento
manifestava-se, sobretudo, na total ausência de disciplina no que diz respeito à distinção
entre a conta bancária pessoal dos sócios (muito avultada) e a conta bancária das
sociedades. Despesas sociais eram pagas pelos sócios e vice-versa. Na prática, utilizava-
se o saldo que melhor se apresentasse para o efeito, independentemente da natureza da
despesa, operação, etc.
Tal confusão não existia apenas entre sócios e sociedade mas também entre as
próprias sociedades... Por exemplo: as despesas da Solar do Arneiro, Lda. eram muitas
vezes suportadas pelo exercício da VitArneiro, SA.
1 – Qual a responsabilidade de A e B pelas obrigações sociais de cada uma da
sociedade?
Na sociedade por quotas – a sociedade Solar do Arneiro Limitada – a
responsabilidade de António e de Bento pelo art. 197º/1 presume-se limitada à
concretização das entradas; ou seja, só têm que responder pelas entradas e assim só
puderam os credores satisfazer-se pelo capital social.
Na sociedade anónima – a sociedade VitArneiro – a responsabilização de António
e Bento está regulado no art. 271º que limite a responsabilidade destes ao valor nominal
das acções subscritas.
Na sociedade em nome colectivo, a responsabilidade é, pelo art. 175º/1, solidária
entre sócios e subsidiária face à sociedade.
2 – A sociedade Arneiro e Arneiro, SNC presta habitualmente serviços de
consultadoria agronómica, de acordo com o seu objecto social. Os seus sócios,
porém, deliberam adquirir um lote de construção no Algarve onde pensam edificar
um aldeamento turístico para revenda. Quid juris?
Não seria aconselhável a sociedade de responsabilidade ilimitada tomar uma
deliberação violadora do contrato social, pois esta seria anulável pelo art. 58º/1/a CSC; a
deliberação anulável seria prejudicada deste vício, iria, porém, ser válida perante
terceiros.
3 – O negócio do vinho alvarinho está a correr bastante bem aos irmãos Arneiro,
que sonham agora em lançar-se na exportação. Para o efeito, a VitArneiro, SA.
necessita de contrair um financiamento bancário o que exige a constituição de uma
hipoteca. Todo o património imobiliário (incluindo os hectares de vinha) é
propriedade da Solar Arneiro, Lda.. Para além disso, António necessita de um
financiamento pessoal que exige igualmente a constituição de uma garantia real.
Em Assembleia Geral, a sociedade Solar Arneiro, Lda. deliberou, nos termos do art.
246.º/2 c), constituir as hipotecas voluntárias necessárias à garantia do cumprimento
das obrigações a assumir pela VitArneiro, SA. e por António. O notário, porém
recusa-se a lavrar a escritura porque entende que se violou o disposto no art. 6.º do
CSC. Quid juris?
---------------
4 – Uma conhecida publicação da área do turismo e lazer fez uma reportagem sobre
o Solar do Arneiro. A reportagem em causa era bastante desfavorável ao
empreendimento e divulgava dados incorrectos, alguns deles completamente falsos...
A sociedade Solar Arneiro, Lda. moveu uma acção contra a referida publicação
pedindo a condenação da mesma no pagamento de indemnização por violação do
direito ao bom nome e à imagem, incluindo danos não patrimoniais. A e B, moveram
igualmente uma acção contra a publicação, pedindo uma indemnização por violação
dos seus direitos de personalidade. Quid juris?
Pode a sociedade Arneiro mover uma acção de condenação tendo como
fundamento o direito ao bem nome e à imagem a título de danos não patrimoniais? Não,
mas pode fazê-lo a título de danos patrimoniais, isto é, uma vez que a ofensa ao bom
nome comercial se acaba por projectar num dano patrimonial causado pelo afastamento
da clientela e na consequente frustração das vendas: a indemnização tem de correr por
danos patrimoniais por haver um dano patrimonial indirecto.
A base legal para a resposta acima é o art. 484º tanto para o direito à imagem como
o direito ao bom nome: faz-se uma interpretação extensiva tendo em conta os preceitos
constitucionais seguintes: art. 18º/1 e art. 26º/1 CRP.
É aceitável que os sócios, como pessoais naturais, e suscetíveis de sentimentos
possam elas sim, também, impugnar os publicadores por uma publicação lesiva de suas
honras também pelo art. 484º.
5 – Os credores da Solar Arneiro, Lda. estão com enormes dificuldades em obter a
satisfação dos seus créditos. António e Bento refugiam-se na autonomia patrimonial
da sociedade para não pagar. Poderão os credores da sociedade ter esperança em
que o vasto património dos sócios seja chamado a satisfazer as dívidas sociais?
Não. A sociedade Solar Arneiro é uma sociedade por quotas que também são
denominadas por sociedades de responsabilidade limitada – art. 197º/1; significa isto que
regra geral a responsabilidade dos sócios está limitada ao cumprimento das entradas.
Porém, é regra excepcional a que está exposta no art. 198º/1 e que estende a
responsabilidade dos sócios à satisfação dos credores da sociedade até determinado
montante. Portanto, somente SE for estipulado no contrato social que os sócios
respondem até determinado montante é que os credores podem recorrer ao património
dos sócios.
CASO 2
Alberto, Bernarda, Carlos, Diana e Edmundo decidiram juntar esforços e
património, para desenvolverem uma ideia de negócio gerada à mesa do café Aires, em
muitas tardes solarengas que só o Mondego sabe proporcionar.
A ideia estava, de facto, próxima da genialidade: Alberto era um cozinheiro de
mão cheia, e propunha-se a confeccionar os seus famosos carapaus à espanhola em doses
industriais; Bernarda entrava com uma patente de que era titular, relativa a um novo
processo de produção e conservação de escabeche em tomate e cebola, de valor
“claramente superior a €20.000,00”; Carlos entrava com um pavilhão industrial, avaliado
em € 30.000; Diana e Edmundo eram os amigos capitalistas: cada um entraria com €
20.000 em dinheiro. Estavam lançados os dados para a constituição de uma sociedade
anónima!
Depois de uns problemas com o notário, decidiram que Alberto, afinal, entrava
com um equipamento industrial de cozinha e embalagem, que comprara para o seu
restaurante, por € 25.000, e que estava por estrear, mas para manterem o equilíbrio,
decidiram que cada um dos sócios ficaria com uma quota de € 20.000.
O notário parece não gostar de Alberto e levantou novamente algumas questões
jurídicas. Alberto lá aceitou entrar com € 10.000 em dinheiro.
Convencionaram os sócios que Alberto apenas entregaria € 1.000 no momento da
celebração do contrato, já que tinha que vender o equipamento de cozinha e embalagem
para obter liquidez. Os restantes € 9.000 entregá-los-ia quando pudesse. Carlos também
pretendia contribuir com o pavilhão industrial apenas no próximo ano, para se ir
habituando à ideia.
No mês seguinte ao da constituição, a sociedade adquiriu a Diana e Edmundo um
camião frigorífico em segunda mão por € 40.000. Segundo os boatos, no entanto, teria
sido possível comprar um camião comparável apenas por € 15.000.
1 – Quais terão sido os problemas suscitados pelo notário em relação à primeira ideia
destes cinco empreendedores?

Terá sido o facto de Alberto fazer uma entrada em indústria – neste caso com o
seu know-how – para a constituição de uma sociedade anónima; as sociedades anónimas
não admitem entradas em indústria: art. 277º/1.
>entradas em indústria: serviço não-subordinada.
>>capital tem uma dupla função: é uma forma de financiamento da sociedade; garantia
dos credores [ver como funciona].
>>Admite-se as entradas em indústria nas sociedades em nome colectivo, pois aí a
responsabilidade é ilimitada.
>entradas em espécie: toda a entrada que não seja em dinheiro.
>entrada em dinheiro: entrada em dinheiro-em-si.
2 – Quais terão sido os problemas suscitados pelo notário quanto à reinvestida dos cinco
amigos?
O problema suscitado pelo notário à reinvestida dos cinco amigos seria o facto de
ter de ser respeitado o comando legal de as entradas em espécie – caso de Alberto –
terem de ser avaliadas por um revisor oficial de contas – art. 28º/1 – o qual não foi feito.
3 – Que questões jurídicas devem ser analisadas a propósito das entradas estipuladas pelos
cinco sócios? E em relação ao negócio celebrado entre a sociedade e Diana e Edmundo?
Primeiro problema: terá sido o facto de – supostamente – Bernarda realiza uma
entrada em espécie auto-avaliada: não pode acontecer. As entradas em espécie estão
sujeitas à avaliação por um revisor oficial de contas por relatório: presume-se que não
tenha havido: art. 28º/1.
Segundo problema: a entrada de Alberto – 10k x 1k – não pode diferir em menos
do que 30% pelo disposto no art. 277º/3, o que difere, pois este entra inicialmente
apenas com 1k que é 10% do total da sua entrada.
Terceiro problema: a entrada de Carlos não é possível de ser feita após a
celebração do contrato constitutivo da sociedade pois é uma entrada espécie e só as
entradas em dinheiro são susceptíveis de serem diferidas: pelo art. 26º/1
Quarto problema: A situação de aquisição de bens a accionistas [procura-se evitar
as quase-entradas: situações em que o sócio vende o bem à sociedade para mais tarde a
sociedade o vender a baixo do preço do mercado ou abaixo do seu valor real: ENTRADA
DISSIMULADA]:
Art. 28º/1 Avaliação pelo ROC.
Art. 29º/1: aprovação prévia pela assembleia geral.
1. É um sócio fundador.
2. O valor do contravalor/preço é mais do que 10% do capital social
(50k).
3. Ocorreu dentro dos dois anos seguintes.
Como pressuponho que não houve deliberação da assembleia geral, então pelo
art. 29º/5 a aquisição seria ineficaz.

4 – As respostas seriam diferentes se estivéssemos perante uma sociedade por quotas?


Face à primeira pergunta, a resposta não seria diferente, pois tipicamente nas
sociedades de capitais as entradas em indústria não são permitidas – art. 202º/1.
Face à segunda pergunta, a resposta seria a mesma.
Face à terceira pergunta, a resposta mudaria nos seguintes aspectos:
>Não existe exigências percentuais face à concretização da entrada, logo Alberto poderia
diferir para mais tarde a quase totalidade da entrada – art. 203ºº/1.
>Não existe a imposição legal do art. 29º, logo não seria preciso deliberação da
colectividade dos sócios.
Relativamente ao camião, apesar de o regime do art. 29º estar pensado para as sociedades
anónimas, o prof. Raúl Ventura entende que o mesmo poderia ser extensível às
sociedades por quotas.
O professor refere a nota explicativa do art. 14º do anteprojeto Ferrer Correia: no projeto
alemão previa-se uma disciplina rigorosa para os contratos celebrados pela sociedade nos
dois primeiros anos subsequentes à inscrição no registo comercial e que envolvam
aquisições de bens de valor relativamente elevado. Esta disciplina pretende evitar o
defraudamento das disposições legais sobre entrada em espécie e aquisições de bens pela
sociedade. Pode acontecer que os fundadores, querendo readquirir bens para a sociedade,
se abstenham de o fazer antes da inscrição desta no registo comercial, reservando o ato
para depois do registo, sem observância das disposições legais mencionadas. Em seguida,
são manifestadas fortes dúvidas quanto à conveniência de sujeitar as sociedades por
quotas a um regime tão rigoroso.
No direito alemão reconhece-se que o interesse dos credores justifica-o tanto no caso das
sociedades por ações como no caso das sociedades por quotas, mas entende-se que o
mesmo não acontece quanto aos sócios, que nas sociedades por quotas não vivem tão
afastados da sociedade como os acionistas de uma sociedade anónima.
No anteprojecto, o regime estabelecido era extensivo às sociedades por quotas. O
professor tem dúvidas quanto à solução adotada no final, porque entende que apesar de
os sócios estarem mais próximos da sociedade numa SPQ, nem sempre estão protegidos
de contramanobras dos gerentes ou de outros sócios.

Data: 20-03-18 – prática.


Matéria: Casos práticos.
>Base legal: Art. 187º do CP; art. 484º CC; Art. 12º/2 CRP.
>O que é o direito à honra? Dimensão interna: corresponde ao à percepção interna que o
sujeito tem de si; dimensão externa: percepção da comunidade que o sujeito tem de si.
>O direito à imagem? É a tutela da representação externa.
>As pessoas colectivas não têm uma representação externa.
>Divergência entre o dano ser patrimonial ou ser não-patrimonial.
>Ver a questão da personificação.
>Ver o drama da jurisprudência face à aos direitos de personalidade x direitos subjectivos
análogos.
>JFG: Ao difamarem a sociedade estão a difamarem as pessoas que estão nela; e.g.
pequena sociedade numa vila no interior do país, ao falarem mal da sociedade, fala-se
mal das pessoas que são a base dela. Há uma ofensa à honra das pessoas e não da
sociedade; as pessoas colectivas não são susceptíveis de sofrerem, de chorarem, de
sentirem, logo não faz “sentido” terem direitos de personalidade alocados. O que se tutela
aqui é um dano patrimonial indirecto!
>As dificuldades da prova do dano não nos devem levar a subverter categorias
dogmáticas.
>Artigo do Professor Carneiro Frada: fujáculo de Direito (?) – bom tema de oral de
melhoria.
>Para falarmos de danos não patrimoniais temos que falar em pessoas singulares.
>A sociedade não pode ser indemnizada por danos não-patrimoniais.
>Quanto ao A e ao B, estes sim poderiam ser indemnizados por danos não patrimoniais.
>PERGUNTA 5.
>Um património só engloba posições jurídicas activas.
>Uma esfera engloba posições jurídicas activas e passivas.
>Estudar o levantamento da personalidade.
>Um bar de discoteca, o bar tem um licença de funcionamento até às 02:00, mas o gerente
desrespeita esta licença até às 05:00. O STJ considerou pessoalmente responsável o
gerente para fechar o bar à porta certa e a sociedade.
>Sociedade A vende um bem futuro a B. Quando A recebe-se de X o bem vai para B. B
comprometeu-se a pagar X, depois aparece C que oferece X+1 – mas a venda de bens
futuros passa automaticamente para B…???????????
>Estudar o levantamento da personalidade: MUITO IMPORTANTE.

>Art. 53º do Código.


>As deliberações sociais não são as únicas deliberações possíveis: temos outras como
aquelas de outro órgãos.
>É preferível falar em deliberações dos sócios do que em deliberações dos sócios.
>Aqui presumimos a pluralidades de sócios; e ela é compatível com toda esta
terminologia.
>Uma questão preliminar:
>Os sócios têm direito a participarem nas deliberações sociais: art. 21º. É um dos seus
direitos!
>Características: temos a tese de que estamos perante um negócio jurídico na medida em
que encontramos os requisitos identificado na liberdade de estipulação: é um negócio
jurídico específico deliberativo que tem consequências de conformação e de regime.
>Art. 53º: princípio da tipicidade das deliberações.
>Quando falamos em deliberação social: falamos numa decisão corporativo a respeito da
sua vida.
>Em caso de choque entre um acordo parassocial e uma deliberação: ganha a deliberação.
>Art. 54º- tipos de assembleia: por assembleia e por unânime por escrito – uma espécie
de forma de contacto; deliberação unânime por escrito [há um documento em que se
manifesta a opinião] e a assembleia gerais universal [].
>As assembleias comuns são um espaço de troca de ideias entre os sócios.
>A assembleia geral dispensa a convocatória.
>Na assembleia geral uma vez que todos os sócios têm vontade de deliberar: somente se
todos estiverem de acordo sobre os temas se activam as regras de deliberação do tipo de
sociedade em que se está a deliberar.
>A acta é um documento necessário à completude da vontade de um órgão. Art. 63º:
respeitam às deliberações dos sócios. As deliberações só podem ser provadas pelas actas
das assembleias. O art. 63º/2 elenca os requisitos formais necessários.
>Importa distinguir entre
>art. 247º: adiciona formas de deliberação.
>Não estou bem a perceber as formas de deliberações: estudar isto.
>Qual é a função e a natureza jurídica da acta?
>>Função: tem uma função de prova – é um meio exclusivo de prova; completa o
processo formativo da assembleia.
>Em alguns casos a lei dispensa a acta: art. 59º [a acção de anulação não depende da
apresentação da acta – ver em especial o número 4 e 5].
>Invalidades e ineficácias das deliberações sociais:
>>Invalidades:
>>Ineficácia: temos o exemplo do art. 55º,
>Os vícios podem ser de ordem formal ou de ordem material: art. 56º/1/A e B [vícios de
forma], C e D [vícios materiais].
>O art. 56º/3 estabelece um fenómeno de favor sociatis face ao número 1.
>O Art. 62º é um outro fenómeno do favor sociatis.
>Dentro destes vícios formais estes são menos graves face aos vícios materiais e por isso
“toleráveis”.
>Atender ás situações de incompetência e de
>O art. 56º/1/C: aqui cabem as situações em que não cabem na capacidade da pessoa
colectiva: fazer uma ponte com o art. 6º.
>O art. 56º/1/D: a sua interpretação cabe no âmbito do art. 280 do CC [bons costumes];
ordem pública, normas imperativas, ofensa de direitos de terceiros [preceitos
inderrogáveis]

Data: 20-03-18
Matéria: Casos.

>Levantamento da personalidade colectiva:


>>três grupos: confusão das esferas jurídicas, capital insuficiente, atentando a terceiros e
abuso de direito.
>90% das empresas estão subcapitalizadas.
> A subcapitalização tem de ser abusiva para ser relevante para o levantamento da
personalidade colectiva.
>subcapitalização:
>capital:
>>capital social: cifra contabilística que representa a soma das entradas. Total de entradas
>>capitais próprios: todos os montantes que não têm que ser reembolsados: capital social
+ resultados dos investimentos.
>>financiamento de sociedade: Capitais próprios + capitais alheios
>balde de água: é preciso que a agua esteja acima para puder tirar capitais.
>subcapitalização material: situação de incapacidade material de prosseguir o fim [falta
de capacidade de financiamento].
>atentados a terceiros: é necessário uma utilização contrária à lógica do sistema ou anti-
jurídica. E.g. venda de bens aos sociedades de filhos [isto porque é proibido vender bens
a filhos e usa-se a pessoa colectiva para fugir à imperativas legais]
>A adquire um bem imóvel a B [o imóvel tem um defeito],
>O levantamento da personalidade traduz-se na desconsideração numa ou mais
consequência da personificação. Tem características plásticas; é um instituto de
ordenamento.
>Caso número 2
>Valor da entrada: pode ter diferentes sentidos.
>VALOR NOMINAL VS VALOR REAL
>CAPITAL SOCIAL
>PROVOCAÇÃO:TEM QUE HAVER CAPIAL SOCIAL MINIMO? PARA QUE É
QUE SERVE CAPITAL SOCIAL?
>KNOW-HOW: ESPÉCIE

Data: 22-03-18
Matéria: …

>Art. 56º CSC


>O que foi dito sobe a acta pode ser aplicado também à deliberação de outros sócios.
>Porque é que existe esta inflexão da alínea a e b do art. 56º: decorrem da lógica
societária: fala-se aqui em favor societis: é uma opção da paz societária; estabilidade
societária.
>O art. 58º é outro afloramento do favor societis: ver . art. 58º/1/a. Entender a relação
entre o art. 56º e o art. 58º. ART. 58:
>>Natureza formal: desde que não correspondam às alíneas A e B do art. 56º.
>>Natureza substancial: Desde “” C e D do art. 56º.
>Se houver uma deliberação por unanimidade contra os estatutos/contrato da sociedade
podemos entender isso como uma modificação tácita do contrato/estatuto?
>Art. 58º/B:
>Art. 58º/C: elementos mínimos de informação: complementado pelo art. 4º.
>Art. 58º/3: responsabilidade por sócios à sociedade e a outros sócios:
>Ver art. 64º relaciona-se ou não com o art. 58º/C, 3 e 4.
>O art. 58º/3 é um fenómeno semelhante ao da desconsideração da personalidade
colectiva.
>Art. 57º: A e B art. 56º
>Art. 57 tem que ser conjugado com o art. 62º?
>No art. 57º estamos a pensar num conselho fiscal.
>as acções de responsabilidades ou são contra sócios/membros dos órgãos ou contra a
sociedade.
>Art. 59 acçõ de anulação: É PODE E NÃO “DEVE”
>prazos: art. 59º/2
>Art. 60º: disposições comuns à nulidade e de anulação.
>Pode ser feita por qualquer sócio não tenha votado naquele sentido – art. 59º/6.
>Acções abusivas (?)
>Miguel Torga: Senhor Ventura: está um belo dia para intentar uma acção.
>Eficácia do caso julgado: art. 61º
>Acautelar a boa fé nos termos do art. 61/2.
>Art. 62º: renovação: uma deliberação com o mesmo objecto: no fundo temos uma
sanação que tem eficácia retroactiva: é uma ideia de substituição; porém isso pode ter
problemas: na dinâmica da sociedade fica o órgão com a decisão se a eficácia é retroactiva
ou não. NÃO ESQUECER OS DIREITOS DE TERCEIROS.
>Art. 62º: ónus de demonstrar esse interesse atendível.
>outra demonstração do favor societis: art. 62º/3.
>Suspensão judicial: art. 380 ao 383 CPC.
>Com isto acabamos o regime das deliberações sociais.

Data: 27-03-18
Matéria: conceitos dos livros.
Pedro Maia
>Participação social: conjunto unitário dos direitos e obrigações actuais e potenciais do
sócio.
>Quando o fim não é conveniente ao fim da sociedade este é nulo: art. 294º CC.

Data: 03-04-18
Matéria: Corporate Governance
>governo das sociedades: sistema
>movimento de corporate governance: conglomerado de dogmáticas (direito, psicologia,
economia, etc) que estudam e fazem contributos para o entendimento das sociedades.
>Ver o The Post; Mark Felt.
>Este interesse de estudo surgiu com o watergate.
>Modelos de governo: usa-se tipicamente para a sociedades anónimas.
>Quando discutimos sistemas de governo discutimos a estrutura organizativa [como se
estruturam entre si o órgãos]
>O que é um órgão social
>A posição que tomamos sobre pessoa colectiva
>A pessoa colectiva não é mais do que um regime jurídico através do qual se determina…
>centros de imputação: estruturas de organização humana.
>Todas as sociedades têm uma colectividade de sócios.
>órgão de fiscalização global: toda a sociedade-em-si.
>órgão de fiscalização contabilística: meramente as contas da sociedade.
>Todos os modelos são dualistas.
>o que mais diferencia os modelos são os poderes de órgão de fiscalização [quanto mais
poderes tem este, menos têm os sócios] e as relações de poder que se têm
>A informação é essencial para a formação do equilíbrio entre os sócios.
>Centralidade da administração: é o órgão da administração; é ele que manda, é o
primeiro fiscalizador e o primeiro responsável pelos problemas da sociedade.
´>A administração é uma situação passiva: TÊM que administrar, não têm poder PARA
NÂO administrar; é uma situação jurídica complexa, indeterminada; delimita-se pela
bitola de diligência normativa; obrigação de bitola normativa indeterminada (VER MC
obrigações): bitola do gestor criterioso e ordenado; estão obrigados a administrar
critérios; ver. Art. 405 CSC. Os poderes de gestão são os poderes para decidir; é o poder
de vincular a sociedade perante terceiros.
>Art. 64º: MAIOR BORRADA de 2006: confunde cuidado com diligência.
>dar muito importância a este artigo.
>Ver o artigo do professor Ferreira Gomes de 2006 na OA.
>09-04-18: 17-18

Data:03-04-18
Matéria: caso 2
>O dinheiro vale o valor facial/valor nominal.
>Os sócios deliberam o valor do bem e o ROC certifica o valor do bem.
>O processo no art. 28º é muito importante.
>a coisa vale o que o mercado dita que vale.
>valor norminal: o valor facial que os sócios determinarme no contrato.
>valor real: aquilo que o mercado determinar.
>O Relatório do ROC é uma parte do procedimento,
>O revisor oficial de contas: é o profissional perito contabilista registado na ordem dos
revisores oficias de contas e também na CMVM que desempenha a função de salvaguarda
dos interesses públicos. Não faz parte da sociedade. Nas SA há sempre um ROC mas esse
ROC é diferente do ROC profissional. Este senhor vai certificar
>uma deliberação dos sócios que designe o ROC.
>O ROC repara um relatório.
>O relatório deve ser posto à disposição dos membros da sociedade.
>E tem 15 dias antes de dar aos sócios o relatório para os sócios deliberarem.
>O relatório do ROC no quadro de celebramento para se definir a vontade dos sócios face
à assembleia geral estarem esclarecidos sobre o valor de mercados daqueles bens e assim
decidirem.
>Seria nula a violação do procedimento IMPOSTO no art. 28º pelos termos do art. 294º
[contrato de sociedade] ou pelo art. 56º/1/d [aumento de capital].
>Alberto violou o art. 25º/1: situação de ter todas uma quota de 20.000, mas Alberto entra
com 10.000.
>Os bens espécies não podem ser diferidos, pois o valor de mercado difere consoante o
momento da compleitude da entrada.
>A regra do art. 277º/1: 1º o capital social visa a protecção dos credores e sustentar a
socidade [é indferente de quem são os bens tem é que haver na sociedade bens para salvar
os credores]; é importante que os sócios sintam a dor do dinheiro a sair dos seus bolsos.
>Entrada de Bernarda que não foi avaliada.
>Entrada do Carlos não foi avaliada também e a situação de não podia ser difererida
(entrada em espécie).
O que é o ágio: quando a sociedade cobre mais pelo valor da particiapação ???
>Quando se constitui a sociedade ela não vale nada.
>se os sócios cumpre as suas entradas a sociedade vale aquilo que els lá colocam.
>Quem financia a sociedades são os três FFFs: Family, Fool and Friends.
>Quando os sócios meterem dinheiro na sociedade metem 50.000 (cada acçção vale um
euro); a sociedade vale a sua capacidade de rendimento. eu invisto um euro para ter um
determinado rendimento. A sociedade vende a acção a 5 euros (apesar do valor nominal
ser 1 euro) para financiar a sociedade. Desses 5 euros, um euro para a o capital social da
sociedade, os 4 euros são o prémio de emissão/ágio.
>O ágio é a diferença entre o valor de mercado e o valor nominal.

Data: 05-04-18
Matéria:

>Administradores = mandatários.
>Procurador de algum modo é um gestor.
>O mandato é o paradigma dos contratos de gestão.
>Características dos administradores: contratual (laivos mandatários),
>O mandatário gere bens alheios por conta de outrem = administrador gere a sociedade
por conta dos sócios.
>Dever de ser um bom gestor.
>Critério de diligência.
>Construções analíticas entre: nomeação [pela assembleia geral] ou colocação [contrato
de emprego].
>Factor juslaboral: lavorum autonum : contrato de trabalho autónomo; por norma no
nosso direito o trabalho é subordinado a alguém; aqui a falta de subordinação é no sentido
de não haver subordinação jurídica, apesar de haver subordinação económica.
>os administradores são trabalhadores numa sociedade? Eles não estão ao lado dos
trabalhadores, mas também não os capitalistas: eles são os gestores.
>Os administradores de empresas públicas estão subjugados a outro regime: DL 71/2017.
>A sociedade pode destituir livremente os administradores.
>O administrador subsiste numa lógica de poder.
>Cariz societário, privado, autónomo, que não desconsidera as várias formas possíveis
para aceder à forma jurídica de administrador. [cariz do administrador]
>O dever dos administradores face aos vários stakeholders.
>Art. 72º CSC: está moldado em termos obrigacionais e não em termos económicos.
>Art. 72º: lógica de business judgement rules.
>Art. 191 SNC; Art. 252 SpQ;art. 391 e ss. SA
>Art. 257º;art. 403º; art. 430º ---> DESTITUIÇÃo
>Art. 403º: princípio da livre da ; consequência no número 5.
>art. 257º/7.
>O que significa isto de justa causa no art. 403º/5?O conceito laboral de justa causa é
mais protector; o conceito civilista que tem expressão no regime da agência. O conceito
que se aplica aqui: a doutrina maioritária apontam para um conceito juslaboralista. O
Professor prefere o conceito civilista.
>Faz sentido a sanção do art. 403º/5? O MC diz que esta limitação é inconstitucional, não
deveria ser pautada por quaisquer critérios; devia-se fundar nos termos gerais. princípio
de livre destitubilidade: para JG faz sentido a limitação.

Data: 05-04-2018
Matéria: resolver os caso.
>É normal que o património fique abaixo do capital social; não é pode isto acontecer por
causa da distribuições de bens dos sócios.
>O art. 28º não prescreve apenas a avaliação do ROC: é apenas um dos passos e não o
todo.
>No contrato de sociedade assumem a sua entrada nesse ponto temporal (celebração do
contrato).
>Se o 29 está subordinado ao art. 28º então vale apenas aplica ao artigo às SpQ. Também
há o argumento de como no art. 29º//1, o capital social pode ser inferior a 50k (logo
também aplicável às SpQ, pois só as SA estabelecem como mínimo de capital social de
50k)
>o diferimento QUANDO PUDER é nula, pois o 203º/1 estebele um DETERMINADO
MOMENTO (DATAS CERTAS), NÃO PODE SER "QUANDO PUDER". DATAS
CERTAS
>nas anónimas NÃO PODER HAVER PROMESSA DE ENTRADA, mas aqui na SpQ
é diferente a valoração e isso é permitido.
>Era preciso 5 accionistas por serem uma SA.
>Aplicação analógica ver Prof. Olavo Cunha.
>Estamos discutir o financiamento das sociedades: com capitais próprios e capitais
alheios.
>Temos um aumento de capital. O que é um aumento de captial?
>Quem é que tem competência? oponibilidade interna e oponibilidade externa?
>Entradas admitidas?
>Sofreu o art. 87º, o art. 89. Por causa do programa capitalizar.
>Ver o regime do art. 27º a sua articulação com o art. 28º. Como se joga o art. 27 com o
art. 28? Ver muito bem a diferença entre prestações acessórias e prestações
suplementares? perceberem de onde vem e para onde vai?
>Ver o que são suprimentos? Qual é a história? qual é a ratio? quais o bens jurídicos
protegidos?
>nº1 e nº3 do art. 2017
Data: 09-04-18
Matéria: Feitura do caso.

Data: 10-04-18
Matéria: -
26/2 - 202
26/3 – 203
Duas modalidades de diferimento; uma consome a outra. A modalidade de 5 anos
consome até ao primeiro exercício económico.
O valor de 5k é insuficiente, é uma ilusão: fica prejudicada a solvabilidade da
sociedade.
>Apesar de se permitir com um capital de social de 1 euro: o regime vem permitir uma
situação tola: permissão de diferir a totalidade do capital (e.g. capital social de 1
milhão de euros): isto cria uma perspectiva aos terceiros que o dinheiro de entrou
quando não entrou. Este sistema pode criar um sistema de frustração dos credores.
Porém, nas SpQ lembrando a solidariedade de entradas o credor pode reclamar …. Bla
blka 197/1 é melhor do que um euro.
>exercício económico é o período de um ano, tipicamente coincide com o ano civil,
mas normalmente não é assim: findo o qual a administração presta conta aos sócios,
qual o ponto em que a sociedade se encontra. O art. 202 em desenvolvimento do art.
26/2: os bens que os sócios entram….depois de fechar as contas vai convocar a
assembleia geral vão aprovar as contas, aprovaºção das contas pela gerência, e depois
de serem aprovadas vão para a conservatória. Eu quero é que as contas fiquem
bonitinhas; o legislador dá preferência em que as contas fiquem bonitinhas a que os
bens estejam efectivamente lá. Seria preferível de diferimento com uma limitação
percentual.
Num caso de quid iuris é preciso delimitar logo de início +e pre
Conversão de créditos em capital / conversão de dívida em capital.
Tem que ser dois terços dos accionistas presentes.
Os s´pocios não metme novos bens na sociedades; no fundo fala-se em reforma
contabilista
Novas entradas: altera positiva
Reservas: só há ukma mudança qualitativa.,
Conversão do crédito em capital:
456 é uma norma especial.
>Sócio X: tme um crédito de 100 euros sobre a sociedade.
>A sociedade tem uma dívida de 100 euros-
>O sócio transmite este crédito para a esfera.
>Cria-se uma situação de confusão.
>O crédito transmitido vale menos do que “vale”, pois há risco de não ser pago.
>Há uma taxa de desconto: valor que renumero o risco do investimento.
>Os juros revelam a probabilidade de não se pagar.
>Quanto maior juro, maior a possibilidade de não pagamento.
>Então é 100 menos a taxa de desconto (juro do meu receio).
>Quando se transmitem créditos é preciso descontar.
>A Avaliação da taxa do desconto faz-se em função de vários critérios: e.g. falta de
liquidez, etc.
>Quanto maior for as dificuldades no âmbito, menor vai ser o valor dos créditos.
>É necessariamente em espécie e ter que ir para o art. 28 ROC e depois aprovada pelos
sócios, isto sempre atendendo ao facto que de 100 pode ir para 80.
>Em valor contabilísticos, extingue-se o crédito, mas o bem que entra só vale 80.

CASO N.º 3: O FINANCIAMENTO DA CLAVE DE SOL


Emanuel e Marante, sócios da sociedade anónima Clave de Sol, S.A. (CS) – mais
conhecida como a Blue Note de Arganil -, decidiram expandir o negócio de agenciamento
e edição musical, e lançar-se no mercado de música ligeira e ligeiro-independente do sul
do país. Para o efeito, em 2014, decidiram aumentar o capital da CS, dando assim sinais
de solvência e musculatura financeira ao mercado. Cada um detém 30% do capital
social.
1. Alteração do contrato no âmbito do aumento de capital por novas entradas.
As alterações do contrato de sociedade estão reguladas nos art. 85º e ss. Em
especial interessa-nos os arts. 85º e 87º - o art. 85º faz exigências de procedimento geral,
enquanto que o art. 87º faz exigências de procedimento especial.
Atendendo às exigências gerais: art. 85º/1 e 2, impõe que alteração seja feita por
uma deliberação dos sócios que será regulada pelas normas específicas do tipo societário
– neste caso estamos perante uma SA e por isso as norma aplicáveis seriam a presente no
art. 383/2 face ao quórum [1/3] e o art. 386º/3 face à maioria necessária [2/3]–, e o que
entende da leitura das normas é que apesar de haver quórum deliberativo, não há maioria
legalmente exigida para que a deliberação seja válida, pois não temos uma maioria de 2/3
[30+30= 60 o que é diferente de 66,6]; o art. 85º/3 e 4 fazem uma exigência de forma
atendendo que neste caso apenas implicaria o registo em acta – art. 63º.
Atendendo às exigências especiais: o art. 87º/1 enumera taxativamente as
menções obrigatórias da deliberação de aumento do capital por nova entrada; os outros
números especificam as menções e criam restrições que não relevam para o caso.
Como notámos que a deliberação da alteração do contrato não respeita
determinadas normas, então é de notar que esta deliberação é anulável nos termos do art.
58º/1/a.
Finalmente, assumindo que Marco e Paulo já eram sócios em data de alteração do
contrato, e como estes não são referidos na situação de voto, optamos pelo art. 86º/2, que
remete para a situação de a obrigação de nova entrada ser-lhes ineficaz nos termos do art.
55º. E sendo lhes ineficaz, estes não veriam a sua participação social aumentada nos
termos do art. 88º/1.
Estamos perante uma alteração do contrato nos termos do art. 85º/1 que
visava uma alteração da cláusula do capital nos termos do art. 9º/1/j. Esta alteração
da cláusula do capital social tem de atender às exigências do art. 87º/1 – isto é atender
à descrição do aumento do capital por novas entradas. Face à alteração-em-si era
necessário ver se havia quórum – art. 383/2, 1/3 do capital social representado na
assembleia geral – e maioria para uma deliberação eficaz – art. 386/3, 2/3 dos
VOTOS EMITIDOS, id est, atendendo à totalidade dos presentes é preciso que 2/3
dos votos sejam em direcção de aprovação da deliberação. Uma vez que Emanuel e
Marante ambos votaram em sentido de aprovação é claro que a deliberação
prossegue.
Emanuel, que no passado cedera os direitos de exploração comercial da música
“Confessa o teu amor” à CS por € 15.000, mas nunca chegara a cobrar o preço, pretende
agora ficar quite com a sociedade, já que se comprometeu no aumento do capital a
contribuir com € 15.000.
2. Obrigação de entrada por aumento de capitais e compensação.
Temos que atender a dois artigos: o art. 89º/1 e o art. 27º/5; o primeiro manda
aplicar o regime geral das entradas nas situações de alteração de contrato por aumento de
capitais por novas entradas, o segundo que decorre do regime geral proíbe a extinção de
obrigação de entrada por compensação – art. 847º CC. Isto implica que Emanuel teria
que fazer uma entrada de 15.000 e não estaria assim “quites”.
Temos que verificar os requisitos do art. 87º: a modalidade [tipo de entrada],
o montante [valor]…
A compensação conta como uma variação patrimonial activa, pois se extingue
uma dívida.
Ver primeiro os pressupostos do art. 847º para aplicar a casos futuros.
Marante foi mais esperto: entregou à sociedade os € 15.000 a que se comprometera
por ocasião do aumento, e promoveu o pagamento pela CS de uma dívida antiga, de €
15.000, resultante da venda de uma mesa de misturas em 2010.
3. Compensação em sentido material.
Temos que atender a dois artigos: o art. 89º/1 e o art. 27º/5; o primeiro manda
aplicar o regime geral das entradas nas situações de alteração de contrato por aumento de
capitais por novas entradas, o segundo que decorre do regime geral proíbe a extinção de
obrigação de entrada por compensação – art. 847º CC.
Caso Lemmerz x IBH
-A sociedade IBH contrai um empréstimo para com a sociedade Lemmerz
em 5 milhões de marcos alemães.
-A sociedade IBH não consegue pagar à sociedade Lemmerz.
-A sociedade IBH sugere à Lemmerz que participasse num aumento de
capital da mesma no valor de 5 milhões de marcos alemães. Esta participação no aumento
de capital implicaria uma ligação da subscrição ao empréstimo previamente celebrado
entre as duas entidades.
-A Lemmerz credita na conta de aumento de capital da IBH no valor de 5
milhões de marcos alemães realizando assim a sua “entrada” em dinheiro, e poucos dias
depois, a IBH entrega um cheque à Lemmerz no valor de exatamente 5 milhões de marcos
para o pagamento do contrato de empréstimo.
- O Supremo Tribunal Alemão julgou a situação uma compensação.
Requisito de proximidade objectiva [ponderação de interesses] e
proximidade temporal [ver relativamente ao art. 29º/1/c é um critério para
interpretar o que é proximidade temporal]. O requisito objectivo atende-se face ao
à noção implícita do art. 27º/5. O critério que tem de que ser: só pode ser invalidada
se fosse imprevisível que o capital social iria ser aumentado.
Em 2015, perante novas necessidades de financiamento, Emanuel e Marante
decidiram ligar a Marco e Paulo, os outros dois sócios da CS, invocando uma cláusula
do contrato segundo a qual os sócios poderiam deliberar que lhes fossem exigidas
contribuições suplementares, até € 50.000, em dinheiro, que não venceriam juros.
Marco e Paulo não se recordavam desta cláusula e duvidam da sua legalidade.
4. Admissibilidade das obrigações suplementares em sede de SA.
Estamos perante uma obrigação suplementar, isto é, aquelas que estão presentes
no art. 210º/1: são obrigações de prestar de dinheiro sem juros a título de financiamento
da sociedade e que mais tarde seriam restituídas aos sócios. Face a esta obrigação divide-
se em termos da sua aplicabilidade ou não às Sociedades Anónimas: Miguel Pupo
Correia, MC e Coutinho de Abreu diz que é inadmissível e Paulo Olavo Cunha
expressa a sua admissibilidade. Pessoalmente, entendo que o regime das prestações
suplementares não se aplica às sociedades anónimas, pois neste tipo de sociedades o sócio
assume apenas o risco de perda do valor da sua entrada, e esta obrigação vai muito para
além desse risco – o art. 271º. Para além disso, através de um argumento historicista as
prestações suplementares são historicamente um instrumento de financiamento privativo
das sociedades por quotas.
Optando assim pela não aplicação analógica das obrigações suplementares às
sociedades anónimas é preciso fazer entender duas coisas: a deliberação tomada que
permitiu demandar obrigações suplementares é nula nos termos do art. 56º/1/D; mesmo
que fosse eficaz é preciso atender ao art. 86º.
Emanuel e Marante dizem a Marco e Paulo que estes têm de realizar uma
contribuição até 50.000€ cada um. Estamos perante a figura das prestações suplementares
ou acessórias? As prestações suplementares destinam-se a aumentar o capital próprio da
sociedade, mas não o capital social. As prestações suplementares têm de ser feitas em
dinheiro 210º/2 CSC. Já as prestações acessórias não têm de ser feitas em dinheiro, podem
ser realizadas p.e com serviços (sócios que presta assistência técnica às máquinas durante
2 anos por um preço irrisório, ou até mesmo gratuitamente). A prestação acessória pode
ser onerosa ou gratuita. Tem de estar definido o valor global das prestações suplementares
no contrato de sociedade (limite global) 210º/3 a) CSC, sendo que esta norma visa
proteger os interesses dos sócios minoritários – p.e no caso de a deliberação do aumento
de capital social ser por maioria simples.
O 210º/4 CSC resolve o problema de os sócios nada mencionar quanto à repartição
das prestações suplementares pelos mesmos – sendo que nesse caso será proporcional à
sua quota de capital.
Se Emanuel e Marante têm o direito de promover a exclusão de Marco e Paulo,
caso estes não realizem a prestação (incumprimento), então tal indício aponta para que
estejamos perante uma prestação suplementar.
Tal aumento tem, primeiro, de ser deliberado em assembleia geral 211º/1 e 212º/1
CSC. No contrato de sociedade, devido à autonomia das partes, pode determinar-se que
as prestações acessórias também só podem ocorrer por deliberação em assembleia geral.
As prestações suplementares têm de estar previstas no contrato de sociedade, mas
o mesmo tem de acontecer nas prestações acessórias.
Neste caso estamos perante uma SA, mas esta matéria no CSC está regulada na
parte das SQ – problema: há quem entenda que se pode aplicar também às SA, mas há
quem entenda que não. Há quem entenda que as prestações suplementares são das SQ,
por resultar da lei, sendo que nada menciona quanto às SA, e por isso, teríamos uma
lacuna que teria de ser integrada nos termos do 2º CSC. No entanto, o legislador já previu
as prestações acessórias para as SA.
COUTINHO DE ABREU e MENEZES CORDEIRO dizem que não se
aplicam as prestações suplementares às SA.
PEDRO PAIS DE VASCONCELOS diz que há uma lacuna e, por isso, deve
estender-se o regime às SA. O CSC não prevê as prestações suplementares para as SA,
mas também não as proíbe.
No nosso caso, há mais indícios que se trata de uma prestação suplementar do que
de uma prestação acessória pois: a contribuição não vence juros 210º/5 CSC; e existe uma
norma que prevê a exclusão dos sócios, se estes não realizarem a prestação 241º CSC
(sendo que este regime é próprio das prestações suplementares, e difere das prestações
acessórias 209º/4 CSC).
No final de 2015, já com a CS em declínio, Emanuel decidiu emprestar € 125.000
à sociedade. Num esforço paralelo para a salvar, também em 2012, Marante decidiu
vender os direitos de exploração do seu recente sucesso musical “Som de Cristal”. O
diretor financeiro da CS prometeu pagar-lhe imediatamente, mas agora trata Marante
com evasivas. Este, no entanto, telefona e escreve quase semanalmente para a CS,
exigindo a cobrança do seu crédito.
5. Contrato de suprimento.
Índice de resposta
O que é, para que serve, que modalidades tem um contrato de suprimento?
- mútuo ou pacto de diferimento de crédito marcado por um carácter de permanência na
disponibilidade dos bens prestados pelo sócio.
i) Contrato de mútuo entre sócio e sociedade;
ii) A posição de credor tem que ser assumida pelo sócio;
iii) O crédito tem que assumir carácter de permanência (prazo superior a um ano);
-mecanismo de combate a problemas de falta de liquidez das sociedades comerciais
- suprimento activo[emprestar a coisa-em-si] e suprimento passivo [diferir o vencimento
do crédito sobre a sociedade para mais tarde]
Aplica-se o contrato de suprimento às SA?
-sim.
Situação de Emanuel; aplica-se o art. 243º/1? Há verificação dos elementos objectivos e
subjectivos da permanência? Qual a modalidade de suprimento?
Aplica-se: empréstimo de dinheiro à sociedade para a salvar + permanência [elemento
objectivo: presunção pelo art. 243/3 – não foi estipulado prazo nem foi exercido o
reembolso antes de um ano] [elemento subjectivo: intenção de Emanuel de salvar a
sociedade]
Suprimento-activo: suprimento mútuo.
Situação de Marante; aplica-se o art. 243º/1? Há verificação dos elementos objectivos e
subjectivos da permanência? Qual a modalidade de suprimento?
Aplica-se: empréstimo de dinheiro à sociedade para a salvar + permanência [elemento
objectivo: presunção pelo art. 243/3 – não foi estipulado prazo nem foi exercido o
reembolso antes de um ano] [elemento subjectivo: intenção de Marante de salvar a
sociedade]
Suprimento-passivo: diferimento do vencimento para depois
A situação de Emanuel invoca o conceito do contrato de suprimento – presente no
art. 243º/1 – que consta como forma de capitalização da sociedade por meio de capitais
próprio –, pois estamos perante um empréstimo de dinheiro com carácter de permanência:
assumo que nada foi fixado quanto ao prazo de reembolso, logo pelo art. 243º/3 presume-
se o carácter de permanência devido ao facto de já ter passado mais do que um ano. Esta
primeira situação caracteriza-se por ser um suprimento activo ou mútuo-suprimento: visa
proporcionar o gozo temporário de dinheiro ou outra coisa fungível.
A situação de Manuel é também um contrato de suprimento, pois há um
diferimento do pagamento de créditos seus sobre ela – art. 243º/1 – e tem carácter de
permanência – art. 243º/3 – pela não exigência de reembolso durante um ano após a
constituição do crédito quando estipulada sem prazo – presunção nossa. Manuel só pediu
o seu reembolso 6 anos depois. Esta segunda situação caracteriza-se por um suprimento
passivo ou pacto de diferimento: o sócio e a sociedade acordam no diferimento do venci-
mento de um crédito daquele sobre esta.
Porém, a aplicabilidade do contrato de suprimento é uma questão controvertida:
-Brito Correia: aplicação caso a caso – é discutível a aplicação às SA.
-Raúl Ventura e Paulo Tarso Domingues: defendem a aplicação analógica do
regime do suprimento sito na parte especial das SpQ às SA por via dos arts. 392º e 418º:
só os sócios com 10% em participações poderiam fazer suprimentos.
-Pinto Furtado: aplicação analógica.
-João Aveiro Pereira: interpretação extensiva – mega discutível esta opção
metodológica.
-Coutinho de Abreu: aplicação em geral a qualquer dos tipos.
-Alexandre Mota e Pinto: aplicabilidade casuística: tem requisitos objectivos:
situação débil da sociedade é um deles.
-Menezes Cordeiro: aplicação geral; face às SA refere o critério do §32ª da GmbH-
Gesetz de que só há suprimento em situações em que o acionista ordenado faria uma
contribuição de capital.
-Paulo Olavo Cunha: dá por “pacífica a admissibilidade de suprimento no âmbito
das sociedades anónimas”.
-STJ: acórdãos 14-12-94 e 09-02-99: demonstra a favor da sua aplicabilidade às
SA.
-António Pereira de Almeida: “os suprimentos são um instituto próprio das
sociedades por quotas, que decorre da natureza das quotas e de uma mais forte relação
pessoal relativamente às sociedades anónimas” – é contra.
Face ao reembolso exigido por Marante é preciso atender ao art. 245º/1 que remete
para o art. 777º/2 CC. Logo, Marante terá que diferir a fixação do prazo para o tribunal e
parar de tentar interpelar o director financeiro.
No início de 2016 Emanuel alienou o seu crédito de € 125.000 a Romana, que
não é sócia da CS. No final de 2016, Romana requereu a declaração de insolvência da
CS.
6. Contrato de suprimento: norma especial x norma geral.
Nesta situação estamos perante uma aparente antinomia entre o art. 245º/2 CSC e
o art. 20º/1 C.I.R.E.3: porém aquela é uma norma especial e esta é uma norma geral, o
que no entendimento de metodologia jurídica é resolvido pelo princípio de lei especial
derroga lei geral.
O crédito mantém a natureza.
>O art. 243/5: o crédito de terceiro.

Data: 12-04-2018

3
“a declaração de insolvência de um devedor pode ser requerida por quem for legalmente responsável
pelas suas dívidas, por qualquer credor, ainda que condicional e qualquer que seja a natureza do seu
crédito, ou ainda pelo Ministério Público, em representação das entidades cujos interesses lhe estão
legalmente confiados…”.
Matéria: Resolver e corrigir o caso.

>Estudar a situação de créditos em capital.


>Distinguir entre obrigações [tipos (obrigação de entrada, obrigação de prestações
acessórios, obrigação de prestações suplementares), características, regime de
incumprimento ] e prestações [tipos de entrada (em espécie e etc), o que são as prestações
suplementares, regime de incumprimento, objecto das prestações e das obrigações]. Qual
é a história que está por de trás? De onde é que vem para onde vai? Questão do reembolso?
Há reembolso nas obrigações? Em que termos pode haver reembolso?
>Base legal da parte especial e da parte geral.
>Ver se o argumento através do art. 271 que os sócios só se obrigam às entradas.

Data: 17-04-2018
Matéria: Fusão.

>Art. 97º
>As fusões podem ser entre diferentes tipos.
>Estas situações podem trazer dificuldades jurídicas.
>Imagine-se uma SnQ absorve uma SpQ: os sócios da SpQ passam a estar sujeitos ao
regime das SnC.
>Uma SA absorve uma SpQ: caso do sócio da SpQ tem um direito especial: como resolve
esta situação face à fusão? Há situações sem equivalentes entre regimes.
>Os obstáculos à fusão podem ser outros: situações dos credores serem contra a
diminuição dos seus créditos através das fusões.
>Ter atenção à diferença entre as figuras de sociedade absorvente e a sociedade absorvida.
>Em que termos podem os credores obstar á fusão?
>Tudo isto pela modalidade de fusão por incorporação – art. 97º/4/a.
>Outra modalidade é a da alínea b.
>O processo de absorvação podia ser feito por outro método: extinção da sociedade A,
liquidação dessa mesma e integração da liquidação no aumento de capital da sociedade
B. Porém isto seria uma imbecilidade, pois este procedimento é demasiado COMPLEXO
e MOROSO. O benefício da fusão é de ser ÁGIL.
>A fusão por concentração….outra modalidade.
>A fusão é uma figura autónoma face à extinção.
>Ver art. 112º: face à situação do registo.
>O contrato de fusão é um contrato de vida.
>Dizem alguns autores que a sociedade fundida vive no seio da sociedade absorvente.
>Tem sido discutida a aplicabilidade do art. 112º.
>É necessária a comunicação dessa transmissão nos termos do regime do arrendamento.
>A cisão: art. 118º.
>A cisão é a operação inversa da fusão.
>a) cisão de destaque ou simples.
>b) cisão de dissolução.
>c) cisão-fusão.
>Art. 118º/2: o tipo não resulta como obstáculo.
>Art. 130: transformação.
>Uma SA passar a ser SpQ.
>Questão da sociedade Unipessoal por Quotas é diferente da SpQ: o Professor pensa que
não.
>Fusão: concentração empresarial: mergers and acquisitions.
>Quando pensamos em fusão pensamos num processo de concentração:
>Ver art. 97/2: fusão de sociedades dissolvidas: estão vivas juridicamente para se
fundirem.
>Art. 97º/3: ver.
>Ver. Art. 97º/5.
>Ver art. 98º: processo de fusão.
>Ver art. 99º

Data: 17-04-18
Matéria: parágrafo sobre as prestações suplementares.
>As prestações suplementares são capitais próprios, mas podem ser restituídas? Como é?
>O art. 213º diz que só pode haver reembolso dos créditos se a situação líquida não fique
inferior à soma do capital…
>A obrigação suplementar é uma obrigação sobre condição, pois só se concretiza sobre
condição.
>Prestações acessórias:
>Prestações suplementares: posso reavê-las; adveio da revolução industrial: sociedades
de navegação, mineias: meio industrial: caminhos de ferro: é preciso vários parceiros que
distribuam as partes para os caminhos de ferro.
>Art. 103º/1: ???
>art. 103º/2: sanção por incumprimento.
>Art. 198/1
>103/2/b: art. 24º: direitos especiais.
>Pode haver direitos especiais que não tenham tradução no tipo que absorve.
>Art. 97º/5: direito especial não é traduzível e em vez disso dão-lhe dinheiro.
>Art. 103º/2/c:
>Art. 103: situações que podem paralisar a fusão.
>oposição dos credores da sociedades: 101-A
>registo de fusão 111: registo da fusão
>O registo da sociedade: é um registo constitutivo das fusões.
>art. 112º: efeitos do registo.
>Art. 114: os membros dos órgãos de administração são responsáveis!!!!!!!
>Art. 115º:
>Art. 105º: quando se podem os sócios exonerar.
>Quanto aos credores: estes não participam na dinâmica da sociedade.
>Art. 101: consulta de documentos: importante para a lógica do disclosure.
>Art. 101-A:oposição com base no registo.
>art. 101-B: efeitos dessa oposição.
>art. 101-C: regime próprio dos obrigacionistas.
>Art. 101-D: título que não sejam que sejam dados direitos especiais: obrigaºões
convertidas como acções, como warrants.
>Art. 113: condição suspensiva.
>Art. 116º: regime próprio.
>Não se confunde com o regme do art. 490.
>O art. 490 pode ser um pressuposto para o art. 116º.

>O banco é aquele que quer mais estabilidade social.


>Os contratos de financiamento visam controlar a sociedade e não permitir que o risco se
desenvolva.
>Aquele crédito que de decorre de um empréstimo quando devia ter entrado com capitais
próprios.
>Tem um ónus de capitalizar a sociedade.
>Sócios têm ónus de capitalizar
>>aumento de capital: PROTEGE MUITO OS CREDORES SOCIAIS.
>>Realizar prestações suplementares: PROTEGE MAIS OU MENOS.
>>suprimento: PROTEGO POUCO.
>A empresa está a trabalhar com um dinheiro que devia ter sido pago ao credor.
>Os suprimentos são capitais alheios.
>Existe suprimento quando o sócio opte por conceder um empréstimo à sociedade.
>carácter de permanência é diferença entre mutuo e o suprimento.
>ligar o art. 244º/2 ao 86º/2.
>Art. 245º: prazo: o tribunal vai ponderar as características da sociedade.
>245: 48 CIRE.
>245º/5 e 6:
>Contrato real quoad constitutionem: não se presume a onoresidade:é transmissível.
>O que são suprimentos na lei alemão? MC usa o critério da lei alemã: sócio criterioso e
ordenado.
>Esta separação de termos 10% como barreira
>Posição de MC: é mais prática e mais segura.
>JFG: é inevitável a insegurança jurídica: entende a aplicação do critério sócio criterioso
e ordenado. Para problemas idênticos, soluções identêncas.
Data: 23-04-18
Matéria: resolver o caso 4.

Caso 4
A sociedade por quotas Princesa do Vouga, Lda. (PV), foi constituída em 2005,
com uma duração de 10 anos e capital social de € 100.000. O objecto social foi indicado
pelos sócios, na celebração do contrato, da seguinte forma: «A concepção e construção
do metro de superfície do rio Vouga, entre Pessegueiro do Vouga e Couto de Esteves,
passando pela casa da avó do Aires».
Factos:
1. Sociedade por quotas: art. 175º e ss.
2. Constituída em 2005.
3. Duração de 10 anos.
4. Capital social e 100.000 euros.
5. Objecto social de edificação de um metro.
Na cláusula 10.º do contrato foi estabelecido que «todos os resultados obtidos
pela sociedade serão levados a reservas, durante a duração da sociedade».
Factos:
1. Todos os activos serão passados para a reserva.
Em relação ao exercício de 2015 foram apurados € 50.000 de resultados
positivos. No entanto, transitaram do exercício anterior resultados negativos de €
30.000.
Factos:
1. Em 2015: 50k em activos e 30k de activos de 2014.
Em fevereiro de 2016, o sócio Ribeiro, titular de uma quota correspondente a 3%
do capital social da PV, requereu informações sobre as contas dos últimos 5 exercícios,
com vista ao melhor conhecimento da situação financeira da sociedade.
Factos:
1. 2016: Ribeiro – quota correspondente a 3% do capital social – requer
informações.
Durante a assembleia geral anual de março de 2016, Ribeiro voltou à carga e
solicitou ao Presidente da AG que fossem prestadas informações a todos os sócios
sobre os «ordenados escandalosos dos gerentes». Esta informação não lhe foi
prestada.
Factos:
1. Em 2016: Ribeiro pede informações.
2. É lhe recusado o pedido.
Ribeiro, furioso, pediu de novo a palavra e exigiu que lhe fossem explicados,
como se de um bebé se tratasse, os detalhes técnicos do novo vagão de transporte, que
segundo a administração «iria revolucionar o tráfego no Vouga». O sócio Constantino
esfregou as mãos com aquele alarido: também é acionista e administrador da Duquesa do
Lordelo, S.A., que explora o sofisticado Trem de Grande Rapidez e Velocidade do
Lordelo, e dá-lhe jeito conhecer os avanços técnicos da PV.
Factos:
1. Ribeiro pede detalhes técnicos.
2. Constantino quer saber os detalhes técnicos por o beneficiar.
1 – Pronuncie-se sobre a legalidade da cláusula 10.º do contrato da PV. Poderia uma
cláusula deste tipo ser introduzida nos estatutos através de alteração ao contrato?
Esta cláusula poderia ser inserida nos estados através da alteração do contrato nos
termos do art. 246º/1/h em conjugação com o art. 85º/1. Em específico temos a permissão
normativa do art. 217º/1 que permite que por cláusula contratual sejam diferidos os lucros
distribuíveis para mais do que 50%. Porém, temos aqui uma pressão normativa
proveniente da parte geral do código das sociedades comerciais: o sócio tem direito a
quinhoar nos lucros – art. 21º/a – e não pode ter este direito excluído pela proibição do
pacto leonino – art. 22º/3.
Optar pela sua legalidade: Porém, como estamos perante uma sociedade com uma
duração determinada – art. 15º/1 –, não há aqui verdadeiramente uma exclusão dos sócios
a participar nos lucros, mas sim uma suspensão desse mesmo direito até ao termo.
Optar pela sua ilegalidade: estamos perante um pacto leonino – art. 22º/3 – e como
tal a deliberação que optou por estar alteração do contrato seria nula nos termos do art.
56º/1/d, por violação de preceitos legais inderrogáveis.
2 – Caso todos os sócios concordassem em alterar a cláusula 10.ª, haveria lucros a
distribuir, em 2016, depois de apurados os resultados do exercício de 2015? A
resposta seria a mesma se, durante o ano de 2016, a gerência verificasse que a
locomotora adquirida pela PV, avaliada em € 500.000, se perdera definitivamente
num acidente, e que este dano não estava coberto por qualquer seguro?
Tendo em conta que a sociedade em causa teria uma duração determinada de 10
anos – art. 15º/1 – haveriam lucros a distribuir em 2016, atendendo à devida dissolução
da sociedade – art. 141º/1/a – haveria uma consequentemente uma liquidação da
sociedade – arts. 147º e 148º.
3 – Analise as questões que se colocam quanto ao direito à informação.

Data: 24-04-18 – teórica.


Matéria: ??????

>art. 501 aplica-se por via do art. 491.


>Responsabilidade em caso de relações de sociedade directora e sociedade subordinada.
>490 é a antecâmara do artigo 116!
>Complementar o regim citado com o art. 491 e o art. 501.
>Ver o art. 490! A jurisprudência deu muito que falar na jurisprudência.
>Efeitos da fusão: 112º: rever esta matéria: efeitos da fusão.
>Art. 114º: responsabilidade emergente da fusão: situação de fusão eficaz: ligar ao art.
64º: gestor criterioso e ordenado: responsabilidade dos órgãos de fiscalização e de
administração; número estabelece uma ficção: fantasma jurídico.
>Art. 113º: aplicação geral do regime do termo do CC para aqui: deste artigo somos
remetidos para o Direito Civil: âmbito do direito das obrigações.
>Natureza jurídica da fusão: é um acto de extinção ou em transformação em sentido
amplo: a fusão é um contrato de vida e não um contrato de morte: talvez seja melhor ver
isto por uma óptica de fusão; as sociedades não acabam, simplesmente sobrevivem em
condições diversas.
>CISÃO, AMIGOS. AGORA A HISTÓRIA É OUTRA: ART. 118º E SS.
>
>122: responsabilidade na cisão: onde se lê conjunção/conjunta devia-se ler parcieridade.
>Natureza: é também aqui uma transformação.
>Transformação em sentido estrito: art. 130 e ss: transformação do tipo.
>Transformação em sentido lato:
>Art. 130/2: de Civil para Comercial.
>Art. 130/6.
>Art. 139: questão das dívidas sociais.
>Situação especial de transformação: 270-A: Sociedade unipessoal por quotas.
>Esta demonstração é sui generis: nesta temos uma estrutura colectiva que se transforma
em pessoa única.
>Art. 130 e ss.
>Regime do art. 140: é invocado por causa da fusão e da cisão: estabelece uma situação
de sub-rogação real.

Data: 24-04-18 – prática.


Matéria: !!!!!!
>Paulo Olavo Cunha:
>Qualquer coisa labareda:
>Coutinho de Abreu:
>Critério de 30 anos para a permissividade desta cláusula.
>o lucro é a diferença entre proveitos e custos.
>Traduzem entrada e saída na sociedade: traduzem
>Balanço: dá uma imagem estática da sociedade de quando se fecha o exercício anual:
coincide NORMALMENTE coincide com o ano civil: período de um ano: uma fotografia
estática: não mostra o que se mexe: não mostra o que entra e o que sai: só sabemos o que
lá está: X ou Y: é a consulta do saldo do multibanco: não mostra as asneiras: só mostra o
saldo: só demonstra o que há: passivo, o activo e os capitias próprios: demonstra o que
foi acumulado ao longo dos anos: activo ou passivo: activo e passivo são situações
estáticas.
>Demonstração de resultados/Conta de ganhos e de perdas: é como um filme: mostra que
entra e o que sai ao longo do exercício: mostra receitas, despesas, custos e ganhos: aqui é
que o sei qual o lucro e não somente o que lá está: e também o prejuízo caso haja:
demonstra o lucro: demonstra o que aconteceu ao longo de um ano: lucro e o passivo são
fluxos.
>A diferença é o que fazem com o que dinheiro: a finalidade é de repartir os lucros, e não
de gerar lucro.
>A distribuição de lucros: expectativa dos sócios:
>Art. 21º/a é inútil: é uma expectativa: pois dele resulta não resulta um direito subjecto
de crédito dos sócios à sociedade: os lucros só se apuram no final do ano/exercício anual
económico: primeiro tem que haver lucro anual no final do exercício: depois pelo 33 que
parte do lucro é distribuível [é preciso primeiro exercício ter fechado: alguém faz conta]:
art. 246/e nas SPQ, aprovação das contas: só depois disto é que nasce o direito a
dividendos/direito abstracto aos lucros: até à deliberação dos sócios não há mais que uma
mera expectativa: art. 980 delimita a norma de base que seria a base a dizer que tem que
se ter lucro nas sociedades: resulta que é essencial do tipo a distribuição dos lucros pelos
sócios.
>Numa sociedade por tempo determinado: não estamos a renunciar a direito nenhum, mas
somente a diferir no tempo.
>Numa sociedade por tempo indeterminado: estamos a renunciar a um direito.
>Na liquidação não há lucros: há quota de liquidação.
>Direito fundamental dos sócios: 21/a/:direito abstracto:
>estas cláusulas são admitidas.
>Há uma unanimidade na diminuição da maioria necessária para deliberar no sentido de
reduzir os lucros distribuíveis.
>Maior o poder de voto, maior o poder de influenciar da sociedade: temos que ter presente
a tensão entre diferentes sócios: os sócios partilham na proporção: art. 31º, este artigo
procura salvaguardar os sócios minoritários: o art. 31º controla o art. 22º/1.
>Capitais próprios: capital social + ágio + reservas + resultados transitados + prestações
suplementares.
>Regra das partidas dobradas: todas as movimentações do balanço se fazem em duas
entradas: capital próprios = activo – passivo: se activo é superior ao passivo:
>Próxima aula: lucros distribuíveis.
>terceiro pedido de informação: pede pormenores técnicos: 290º SA e 214º/7 SpQ.

Ermelinda está escandalizada. Como acontece em todas as sextas-feiras, na


semana passada reuniu com Alberto, Benedita, Cícero e Daniela, que são seus sócios na
Paraíso da Caparica, S.A. Esta sociedade dedica-se à comercialização de chapéus de sol,
toalhas e outros utensílios para a praia. Ermelinda e os demais são administradores
daquela sociedade e encontram-se semanalmente para tratar de temas de gestão
societária. No final da reunião, Daniela chamou Benedita e Ermelinda à parte, e
começou a discursar sobre as vantagens de este ano a Só Pequenas, Lda. — outra sociedade
em que as três detêm a totalidade do capital social — alienar o seu bar na Praia de São João.
Benedita concordava com a argumentação de Daniela, mas Ermelinda respondeu com
evasivas, porque gostava de olhar melhor para as contas da sociedade, para confirmar alguns
dados enunciados por Daniela. Qual não foi o seu espanto quando verificou que Daniela e
Benedita assinaram durante o fim-de-semana um contrato através do qual o tal bar foi
vendido, invocando uma deliberação aprovada na passada sexta-feira! Ermelinda
recorreu aos tribunais para fazer valer os seus direitos, mas as suas sócias riram-se
desdenhosamente quando leram a petição inicial da ação: não admitem ser tratadas como rés,
acham que Ermelinda demorou demasiado tempo a reagir judicialmente e além disso estão
convencidas de que «podem repetir tudo quando quiserem, segundo as regras, se é
isso que a picuinhas da Ermelinda quer».
1. Problemas: conflito de interesses e desvio à ordem do dia.
A problemática insere-se no contexto de assembleia do conselho de
Administradores, que delibera sobre a alienação de um imóvel sem que isso esteja na ordem
do dia – presunção nossa, pois pareceu que nem foi discutido.
Ora, a assembleia em si pode ser:
A) Assembleia presencial totalitária: art. 54º/1, segunda parte e art. 411.º/1/a,
segunda parte.
Se for este o caso, é preciso atender à parte geral sobre a deliberações,
nomeadamente sobre as deliberações em sede de assembleias universais: art. 54.º/1, segunda
parte e o número dois do mesmo artigo. Ora, o número impõe, que sendo válida a
deliberação de uma assembleia presencial não convocada, que haja vontade de deliberar e
que haja o consentimento sobre os assuntos a deliberar. E presumindo pelo choque de
Ermelinda, não houve tal consentimento, como tal, isto implica a ineficácia da decisão.
B) Assembleia presencial convocada: art. 410º/1.
Se for este o caso, é preciso atender novamente ao que foi dito, mas aqui por
analogia: também seria ineficaz.
Face à nulidade da deliberação: 60.º/1, quem tem legitimidade passiva é a sociedade,
e não os sócios individuais.
A problemática do conflito interesses [private benefits of control] no âmbito da
votação e da negociação entre sociedades: arts. 397.º e 410º/6. Por ordem:
Art. 397º/2: impõe a seguinte ordem: primeiro procura-se o parecer conselho fiscal
e depois prossegue-se para a deliberação do conselho de administração.
Art. 410º/6: esta norma visa “assegurar que a discussão e a deliberação se pautam
exclusivamente pelo interesse da sociedade, deve prevenir-se a tentação, eliminando-se a
oportunidade de sobrepor outros interesses da sociedade. Como tal, deve “o administrador
interessado deve, nos termos do art. 410º/6 in fine, expor ao conselho o seu conflito de
interesses, na medida do necessário para que estes possam tomar uma decisão informada
sobre o seu sentido de voto. Em seguida, deve retirar-se da sala para que os administradores
desinteressados possam discutir adequadamente o assunto, tendo em vista apenas os
melhores interesses da sociedade. Finda a discussão, o administrador interessado deve estar
presente no momento da votação apenas e tão só quando a sua presença seja necessária para
assegurar o quórum constitutivo, caso em que não poderá votar nem interferir na votação.”
Ou seja, presumindo que os interessados votaram nesta deliberação esta é nula nos
termos do art. 411.º/1/C. E são ainda os administradores responsáveis nos termos do art.
72.º/2 por omissão dos seus deveres legais.
Caso, face ao negócio realizado passamos para o art. 397.º. Temos vários casos
relevantes e possíveis [art. 397.º/2]:
>Casos de identidade económica [negócio celebrado com outra sociedade na qual
o administrador tem uma participação maioritária; os administradores não negoceiam
directamente com a sociedade na qual exercem funções, antes usando uma sociedade (ou
outra pessoa) por si controlada para o efeito]: integra-se na situação. E parece ser consensual.
>Casos de comunhão de administradores (sem dupla representação: “caso em que
uma mesma pessoa tem assento na administração de ambas as partes contratantes, mas (i)
não representa qualquer delas, ou (ii) representa uma delas na celebração do negócio em que
questão.”): José Ferreira Gomes defende que se deve integrar no escopo deste número o
referido; a doutrina e a jurisprudência discordam. Este refere que a problemática não se
coloca ao nível da representação, mas sim ao nível do processo de decisão que antecede a
vinculação da sociedade face a terceiros, isto é, a existência de dúvidas sobre se o
administrador comum a ambas as sociedades contratantes pretendeu evitar a aplicação do
art. 397.º/2, fazendo intervir outros administradores sobre os quais consegue exercer pressão
suficiente para representar as sociedades na celebração do negócio. Perante o risco que a falta
de transparência no processo de decisão acarreta para a sociedade, deve afirmar-se a
existência de uma lacuna a integrar por aplicação analógica do art. 397.º/2. A identidade entre
o caso nele previsto aqui em análise exige resultados normativamente idênticos, que
assegurem a harmonia normativa reclamada pelo sistema interno.
Os artigos em questão densificam o dever de lealdade dos administradores – art.
64º/1/b.
Estando algum destes casos verificado, estamos perante a nulidade do negócio no
termos do art. 397º/2.

Como as relações entre as três ficaram degradadas depois deste incidente, Ermelinda
não ficou surpreendida quando recebeu uma carta de Benedita, sugerindo que outro
estabelecimento da sociedade fosse dado em garantia, para obtenção de um
financiamento de apoio à tesouraria. Ermelinda achou que não tinha nada que responder,
mas começou a ficar enervada quando recebeu outra carta, através da qual lhe era pedido
que decidisse sobre aquele tema. Ermelinda acha que se nada responder, nada a pode
afetar. Terá razão?

3. A gota de água foi o último negócio celebrado entre a Só Pequenas, Lda. e Daniela.
Tratava-se da compra de um pavilhão industrial, pela sociedade a Daniela, por um preço
manifestamente superior ao seu valor de mercado. O tema foi levado a deliberação dos
sócios: Daniela e Benedita votaram a favor, mas Ermelinda votou contra, achando
escandaloso não só os termos do negócio, como também o facto de Daniela votar nesta
deliberação. Ermelinda acha que (i) a deliberação não pode ser válida; (ii) o negócio
não pode ser válido; e que (iii) pelo menos Daniela deve indemnizar a sociedade
pelos danos a esta causados com esta trapalhada. Terá razão?
4. A questão colocar-se-ia de forma diferente se o objeto da deliberação fosse a
distribuição aos sócios de reservas legais?
Art. 296º+218+56º/1/d
Data: 03/05/2018
Matéria: aulas suplementares.

>O lucro é distribuível? Dois testes: o art. 33º e art. 32º [teste do balanço].
>Situação líquida da sociedade = capitais próprias = activo – passivo.
>Teste do artigo 32: SL (SITUAÇÃO LÍQUIDA) > CS (CAPITAIS SOCIAIS) + R
(RESERVAS)
>Pelo 33º chegámos à noção de lucro distribuível: chegámos através das contas: vê-se
isso a 31 de Dezembro.
>Sem a verificação do art. 32º não há activação do art. 33º.
>Prejuízo: diferença entre proveitos e custos.
>Direito à informação: está expresso no art. 21º/c; recorrer ao art. 214º e ss, para a
sociedade por quotas.
>Várias diferenças este os tipos de informação: o que as distingue é a natureza da
informação: pública, reservada e secreta.
>O que faz restringir o direito de informação nas sociedades anónimas? Razões
operacionais; presume-se que são grandes sociedades e que liberar esse direito faria com
que os órgãos devidos fossem bloqueados por a quantidade de pedidos.
>Informação pública: a qualquer interessado através do registo comercial: publicações
obrigatórias: meios públicos de informação: internet: sítio do ministério de justiça ou no
sítio das sociedades [as sociedades quotada em bolsa por causa do Código dos Valores
Mobiliários tem que ter certas informações]; e também do registo comercial: emissão de
certidões de certas informações.
>Informação reservada: é aquela reservada aos sócios.
>>A diferença entre o 214º e o art. 288º: este tem um limite: nem todos os sócios têm
acesso.
>Informação qualificada: reporta-se à gestão da sociedade (art. 214º/1) ou aos assuntos
sociais (art. 291º/2).
>Informação secreta: não pode ser concedida por envolver sigilo profissional. E.g. art.
291º/4/c.
>A informação pode ser prestada:
>>fora da assembleia:
>>informação preparatória da assembleia: aquela que antecede a assembleia: ordem de
trabalhos, quando, como, onde e etc; a informação é instrumental é direito de exercício
de direito de voto e de todas as pretensões do sócio.
>>informação na assembleia geral: aqui só se dá informação sobre o que se está deliberar:
só se discute o que está na ordem de trabalhos: art. 290º/1.
>responder em concreto à pergunta 3:
>>as contas de uma sociedade é PÚBLICA: está na internet. Não é preciso pedir à
sociedades. Isto na SA.
>>O que são montantes globais? – art. 288º -
>Acesso à informação global: o sócio só tem acesso a um rácio: saber se o dinheiro pago
aos administradores é óptimo para gerirem a sociedades.
>Say on pay: ter algo a dizer sobre como o dinheiro é gasto.
>É um caso que permite perceber a realização da luta de poder do BES.
>Número 1 de 2018 da RDS: nota de actualidade sobre a directiva sobre os direitos dos
accionistas.
>Artigo do Professor António Rolo: Direitos dos accionistas.
>Para a sociedades quotadas: art. 21º/c do códigos dos valores mobiliários.
>A informação sobre as renumerações:
>>na assembleia: 214 vs 288º.
>tudo o que se passa na sociedade está reflectido nas contas.
>Art. 255: a renumeração
>art. 399: renumeração ????
>provocações:
>>Informações nos grupos: sócio A, B e C: são sócios de uma sociedade: são criadas
filhas: o sócio A quer informações sobre a sociedade filha. Quid juris? Todos os
escândalos foram situações de grupos. Será que os sócios têm direito à informação sobre
a sociedade filha? LER ENGRÁCIA ANTUNES SOBRE ISTO.
>>Há um sócio que vem pedir informações sócios, mas nos termos art. 291/4/a.
>Art. 54º/1: art. 59º/1, acção de anulação: 30 dias…
>Deliberação:
>>Manifestação da vontade colectiva: órgão: actividade do sócio (sócio em modo
colectivo)
>>É uma vontade que é imputada ao órgão e em segundo lugar à sociedade.
>A imputação de vontade: a vontade é um elemento psicológica: ninguém imputa a
vontade, mas sim os efeitos jurídicos da vontade: a lei só imputa efeitos jurídicos que
decorrem de uma determinada realização de vontade.
>Deliberação social vs deliberação dos sócios: negócio jurídico em sentido de
pluralidade; negócio jurídico deliberativo: a estrutura do negócio: temos uma proposta
(pense-se na ordem do dia; convocatória > reunião > proposta > debate > votação > acta
> aprovação da acta): eu posso votar contra, mas se votar vencido os efeitos jurídicos
iram à mesma reproduzir-se.
>deliberação: em assembleia e fora de assembleia [que modalidades existem? O que é o
processo de deliberação? Que bens jurídicos estão aqui protegidos? Como funciona fora
e dentro de assembleia?]
DATA: 08/05/18
MATÉRIA: DELIBERAÇÕES SOCIAIS.

 Anulabilidade pelo art. 58º/2/c e número 4 que remete para o art. 377º/8.
 Temos deliberações: em assembleia geral [convocada e universal] e fora da
assembleia [deliberação unânime por escrito e deliberação por voto escrito].
 Isto é uma questão de unanimidade quanto ao objecto da deliberação?
 Os bens jurídicos são postos em causa numa assembleia universal: importa que os
sócios estejam todos presentes; tem que haver unanimidade quanto ao objecto da
deliberação; o primeiro essencial é ver se o órgão se realmente constitui (em
termos de validade de constituição – na lógica do art. 54.º).
 Ver no google de assembleia de deliberação por escrito.
 Se o órgão não se constitui, não delibera; é preciso serem observadas determinadas
formalidades.
 A Ermelinda andou com evasivas e, portanto, o órgão só se constitui quando for
formalmente delimitada a ordem de trabalhos. É preciso haver consentimento na
formação da ordem de trabalhos para que o órgão se possa constituir.
 É preciso que haja esse consentimento, pois é preciso por norma que haja
informação – haja um estado de predicação de se estar informado – para que se
delibere. O sócio quer, por norma, deliberar estando informado. É preciso que haja
esse consentimento.
 Art. 56º/1/a vs art. 58º/1/a: Naquele só se aplica quando os sócios não estão todos
presentes, neste ?????? confuso ignorar (?) [está presente: está em condições de
impugnar a deliberação; se não está presente: ele nem sabe o que se deliberou e
por isso não está em condições de impugnar].
 Art. 59º/1/a: prazo.
 Art. 60: legitimidade.
 Era da competência dos sócios: art. 246.º/2 na deliberação. Isto não tem paralelo
nas sociedades anónimas.
 Acta: qual a função da desta? VER MC e CA; ver isto; é super importante.
 Discutir isto numa acepção patológica. Ver o processo-em-si conforme em termos
de vicissitudes. VER TAMBÉM A ÓPTICA PROCESSUAIS.

2)
A lei atribui valor negocial ao silêncio – 218º.

3)
Conflito de interesses – deliberações e a posição de um sócio.
Posição do sócio não em posição ativa, mas sim passiva.
Que dever tem o sócio?
Em termos procedimentais- questão do impedimento;
261º; 58º/1/b): esta disposição trata do objeto da deliberação – questões substantivas.
O que são vantagens especiais.
251º - impedimento de voto. O que é conflito de interesses? Concretizações são taxativas
ou não? Consequências do impedimento. Quem tem de declarar o impedimento? Como
funciona? Em AG quem toma a palavra e diz que a pessoa está impedida?
Distinção entre validade de voto e validade da deliberação.
O sócio está sujeito a dever de lealdade para com a sociedade? em que se concretiza;
consequências da violação desse dever.
Artigo: “conflito de interesses entre acionistas” – academia.edu.
Tese de doutoramento de David Festas.
Cessão de quotas –

3.

Primeira pergunta: deliberação era válida?


O que é um voto? Quando se pergunta “o que é”, está-se a perguntar a natureza jurídica.
O que está aqui em causa? Assumindo que é um ato – é um ato praticado contra a lei.
Quid juris? A lei diz que não pode praticar ele praticou. É nulo: 294º CC.
Primeiro passo: dividir em termos analíticos. O ato é nulo. Se o ato é nulo, ele é parte de
uma deliberação. O que é uma deliberação? É um negócio jurídico deliberativo, que
estruturalmente assenta numa proposta com os votos. Se há um voto nulo, então a
deliberação é anulável – 58º/1, a).
O que é que vai ter que se provar em juízo e como vai ter que se provar? Querem que o
juiz anule o negócio/deliberação. Têm que provar que estava impedida de votar, mas
votou; logo, é nulo o voto. Logo, é nula a deliberação. Assumindo que têm razão, é tudo
fácil de provar. Esta é uma via. Estava impedida de votar nos termos do 58º/1, a); votou;
se votou, o voto é nulo; logo, a deliberação é anulável.
Segunda via, mais difícil, para chegar à anulação da deliberação: em vez de ir pelo vício
procedimental, ir pelo vicio material/substancial – deliberação que aparentemente é
apta a conferir a um dos sócios vantagens especiais.
O que são vantagens especiais?
Toda a riqueza produzida pela sociedade deve ser distribuída pelos sócios em função das
suas participações: art.22º/1 – se um sócio consegue extrair de uma sociedade para além
daquilo que lhe cabe na proporção da sua participação, significa que ele está a retirar
uma vantagem especial; uma vantagem que não traduz uma repartição equitativa da
riqueza da sociedade na proporção das participações. Aparentemente é isso que sucede
neste caso, porque aparentemente ela está a vender um bem por um valor claramente
superior ao valor de mercado. Significa que se a sociedade fosse ao mercado adquirir
aquele bem pagaria x; ao adquirir ao sócio em vez de pagar x paga 2x. Significa que a
diferença é um prejuízo para aquele sócio em prejuízo da sociedade. Se é em prejuízo da
sociedade significa que estão a ser prejudicados os outros sócios.

X tem 51% da sociedade A e tem 100% da sociedade B. E depois há outros sócios que
em conjunto têm 49% da sociedade A. Supondo que sociedade A compra um bem à
sociedade B. Se vai comprar, devia comprar ao preço de mercado, supondo que o bem
vale 1 milhão no mercado. A sociedade paga 2 milhões. Significa que pagou a mais 1
milhão de euros. Este milhão de euros é o prejuízo da sociedade A e o prejuízo da
sociedade B.
Deste prejuízo de 1 milhão, o X suporta o risco correspondente a 51% - perde 510,000€.
Os outros que têm 49% perdem 490,000€. É a proporção que eles têm naquilo que a
sociedade está a perder. Ninguém vai reclamar. Eles têm uma participação na sociedade,
se a sociedade vale menos significa que as participações deles também valem menos.
Se a sociedade A perdeu 1 milhão e a sociedade B ganhou 1 milhão, quem perdeu? Se a
sociedade B ganhou 1 milhão e X tem 100% da sociedade B, significa que o milhão que
a sociedade B ganhou vai para o bolso do X. Então o X tem um milhão menos 510,000€.
Fez um lucro de 490,000€. No fundo está-se a dizer que houve riqueza que passou do
bolso dos sócios minoritários para o bolso do controlador, do sócio maioritário.
Neste contexto, temos uma vantagem especial para X. O que teria que se demonstrar?
Qual o valor de mercado para saber quanto é que efetivamente foi o valor da operação,
para saber se a operação foi mais ou menos que o valor de mercado e saber se daí resulta
um prejuízo para a sociedade ou para os outros sócios. Isto pode ser mais difícil de provar
em tribunal do que a questão procedimental.
Exemplo: casos em que se está a discutir a aquisição de um bem cotado no mercado, p.e.
petróleo. Já toda a gente ouviu nas notícias que o preço da gasolina vai subir porque o
preço do barril de petróleo aumentou. Há uma cotação oficial a cada dia, sabemos a
quanto é que o petróleo está a ser transacionado. Se se falar em qualquer mercadoria
transacionada no mercado internacional sabem qual a cotação a cada dia na praça. Agora
supondo que é um imóvel. Consegue-se saber se há um valor de mercado ou não? Para
comprar uma casa não há nada melhor do que o mercado falar. Consegue-se saber tudo
sobre o preço por m2, por número de quartos, zona onde está a casa e média de preços
pelas quais estão a ser vendidas, o valor de mercado. Mas e se for um prédio rústico
perdido nos confins de Trás-os-Montes. Torna-se mais difícil saber qual o valor de
mercado. Ou então uma obra de arte, não se sabe qual o valor de mercado. É um mercado
pouco líquido, são bens únicos. É difícil saber o valor.
Conflitos de deveres entre accionistas - JFG
Isto para dizer que a apreciação dos critérios para a aplicação da alínea b) vão ser na
prática mais difíceis que a alínea b). O que não quer dizer que não se deva explorar
essa via, mas tem mais dificuldade prática. A via procedimental é mais fácil por
norma.
A Daniela estava impedida de votar nos termos do art.251º. Esta norma tem duas
partes: uma primeira parte que é uma cláusula geral, que é depois concretizada em
diferentes alíneas. Pergunta: se houver um caso que não cabe em nenhuma das alíneas
pode caber na cláusula geral? Sim. A cláusula geral diz que há um impedimento de voto
quando há um conflito de interesses. O que é um conflito de interesses?
Prof. Raúl Ventura: há interesses contrapostos ou conflito de interesses quando a
prossecução de um implica necessariamente um prejuízo para outro. Pergunta:
quando é que consideramos que a prossecução de um interesse significa um prejuízo para
outrem? Exemplo: deliberação de consentimento para a cessão de quotas.
Sócio A de uma SPQ quer transmitir a sua quota; precisa de consentimento da sociedade
– art.228º. Quem presta consentimento em nome da sociedade? São os sócios em
deliberação – 230º/2 + 246º/1, b).
O sócio que quer transmitir pode votar nessa deliberação dos sócios? Maioria da doutrina
– diz que o sócio pode votar na cessão. Razão: olhar para o art.251º. Todas as alíneas do
art.251º traduzem negócios ou relações entre o sócio e a sociedade. Todos os casos aí
previstos são de relações estabelecidas entre o sócio e a sociedade. E no quadro de uma
relação entre o sócio e a sociedade há um conflito de interesses. Numa transmissão de
quotas, é uma relação entre quem e quem? Entre um sócio e um adquirente. Não é com a
sociedade, não é tida e nem achada. E por causa disto a maioria da doutrina diz que no
consentimento para a cessão de quotas não há impedimento do sócio cedente.
E também pode votar para ser gerente, a doutrina é praticamente unânime. Se assim não
fosse, o sócio maioritário não poderia designar a administração que quer. Não faria
qualquer sentido. Há uma relação estabelecida entre aquele sujeito que é simultaneamente
sócio e passará a ser gerente.
Deliberação da própria exclusão – sócio não pode votar. Aí está em causa apreciar se o
sócio atuou bem ou mal, e o próprio sócio não está em condições de fazer essa avaliação.
Direito especial: resulta dos estatutos da sociedade; na vantagem especial estamos a dizer
que há uma vantagem conferida por uma deliberação àquele sócio; não é pelos estatutos,
resulta da deliberação. E por isso é uma deliberação que é contra as regras que resultam
dos estatutos e da lei. As vantagens especiais se forem concedidas a um não sócio
continuamos a ter a mesma questão – no fundo é perceber se está a haver um prejuízo da
sociedade através daquela deliberação
Data: 17/05/18
Matéria:
>Questão procedimental: negócio consigo mesmo: era gerente da sociedade: estava na
qualidade de gerente da sociedade e de representante da outra sociedade. Negócio consigo
mesmo. Casos em que o procurador: negoceia consigo si mesmo.
Art. 280: contrário aos bons costumes: face á venda abaixo do valor de mercado.
Vaz Serra: Objecto de obrigação
Deontologia societária: gerente que vendeu á sua prima o pricincipal imóvel por metade
do preço.
Introdução à discussão: sócio viola o dever de sociedade
Normas [primárias] de conduta [227, boa fé] e normas [normas secundárias: casos em
que aquele caso não é compatível com o sistema] de validade [405º, 280, 281, 294]
Eventual responsabilização da Daniela: identificar um dever de lealdade do sócio.
Matérias fora da capacidade da sociedade.
Art. 56/1/c: fora do âmbito do órgão: inteligibilidade pela competência do órgão.

isto foi o que a val apanhou da 2 e 3

Data: 21/05/2018
Matéria: preparação para o teste.

>Remissão do art. 248º/1 para o art. 376º/1.


>Competência da AG da SpQ: art. 246º/1.
>Quórum da AG da SpQ: art. 250º.
>Documentos de prestação de contas: art. 214º/4, art. 248º/3 e 273º/1.
>Direito de informação e violação do mesmo: art. 21º/1/c, art. 58º/1/c e art. 4º/b.
>Deliberação sobre prestações suplementares: art. 211º/1 e 246º/1/a; art. 210º/1, art.
246º/1/h, art. 85º e art. 265º/1; art. 210º/3.
>Deliberação sobre lucros: art. 21º/1/a, 22º/1, art. 217º/1 e 2.
>Sócios-gerentes praticam actos necessários para a realização do objecto social: art.
259º/1 e art. 6º/1.
>>Constituição de hipoteca a favor do Banco X: art. 6º/3 [fim lucrativo da sociedade]:
art. 6º/3, art. 246º/2/c, 269º/1, art. 411º/1/b e art. 412º.
>>Aquisição das acções do Banco X: matéria fora do objecto social: art. 6º/1 e 4, art.
11º/4.
>Entrada inferior ao valor real: art. 25º/1; no momento do contrato: art. 26º/1. Ágio fica
sujeito ao regime de reserva legal: art. 295º/2/a. VER O QUE É O ÁGIO
>Impugnação de deliberações: art. 59º/1 [legitimidade]; art. 59º/2/a e c prazo de 30 dias;
violação do direito de informação art. 58º/1/c e 4º/b e art. 263º/1.
>Prestações suplementares fora do estatuto: art. 86º/2.
>Retenção dos lucros: art. 217º/1.
>Dispensa de certificação de contas: art. 262º e 263º/5.
>Pagamento de prestações acessórias: art. 204º/4.
>400 (?)
>Remuneração dos gerentes: art. 255º/2.
>Deveres dos gerentes perante credores sociais e a diferença entre o art. 78 e o art. 78.
>Publicação e requisitos temporais: art. 375º/4 e art. 377/4 e 5; requisitos de quórum e de
maioria deliberativa: art. 383º/2 e 386º/3.
>Vícios de procedimento: art. 56º/1/a e b; acção de nulidade art. 59º.
>Alteração do contrato: art. 85º/1.
>Prestações acessórias nas SA: art. 287º.
>Tutela dos accionistas: art. 86º/2.
>Regime de exercício de outras actividades pelo administrador: art. 398º/3.
>Deveres de lealdade dos adminiradores: art. 64º/1/b.
>Responsabilidade do administrador: art. 72 e 73 [requisitos]
>Destituição do administrador: art. 403.
>Cessação da relação de administração: art. 403.º
>Caracterização do administrador renunciante: art. 404º/2 [o que é o administrador de
facto].
>Meios de substituição dos administradores: art. 393º.
>Problema da capacidade das sociedades para prestarem garantias: art. 6º/1 e 3.
>>Ideia de justifica interesse próprio: conexão funcional entre a obrigação garantida e a
actividade da sociedade = nutlidade.
>Sociedade unipessoal: venire contra factum próprio/desconsideração da personalidade
colectiva.
>Direito à informação em AG nas SA: art. 290.
>>Critérios presentes no art. 290/1 e 2.
>AG SA convocação pelo presidente: art. 377/1.
>Aviso convocatório que haja sido assinado por quem não tem competência: art. 56º/2 e
art. 56/1/a.
>Direito aos dividendedos: art. 21/1/a.
>Vencimento do crédito do acionistas: art. 294º/2.
>406º (?)
>Capacidade da sociedade: art. 6/1 e 2.
>Densificação de usual: art. 6/2.
>Garantias: art. 6º/3.
>Direito aos lucros: ar.t 980 e 998 CC e art. 21/1/a e 22.
>>Desenvolvimento de direito abstracto.
>>Art. 294/1; lucro distribuível e de lucro de exercício; art. 33.
>Proibição do pacto leonino: art. 809.
>Art. 78/5 (?)
>Suprimento: art. 243 e ss, 219 CC.
>Entada em dinheiro: art. 20/a, 25/1, 26, 202 e ss.
>Momento da entrada nas SpQ: 203/1.
>Entrada em espécie: art. 20/a, 25 e 28.
>Entrada em dinheiro: art. 27/5: compensação.
>Art. 6º/1 e 6º/3: usualidade e etc.
>Acerto de contas com o sócio: art. 97/5.
>Regime de aquisição de bens a sócios: art. 29.
>>art. 58/1/b e 59.
>Art. 78/1: responsabilidade dos administradores.
>Densificação do que é um administrador de facto:
>>actuação típica e positiva de administração, actuação exercidade com autonomia,
actuação sistemática e continuada, aceitação por parte da Sociedade, ausência de título.
>Art. 80 face aos administradores de direito.
>Aplicação do art. 71 ao art. 80 (ou vice-versa?)
>Art. 501 e 491.
>Avaliação do usufruto: art. 28.
>Art. 25/1.
>Limitação dos contratos de suprimento: art. 245/2.
>225 e 226: sucessores; art. 142º/1/b.
>Aprovação do projecto de fusão em AG: art. 103/1 e 265.
>tutela em fusões: art. 101-A e 101-B.
>Obrigações dos sócios:
>>Não concorrência: art. 180 e 477.
>>Informação: 181/5, 214/6 e 291/6.
>>exclusão por comportamento desleal: art. 242.
>Art. 56/3: sanação dos vícios.
>Art. 62/1.
>Pacto social que excede os limites do admitido: art. 17/2.
>Art. 486/1 e 488: grupo de facto
>Art. 72/2: exclusão de responsabilidade.
>Impedimento de puder declarar a insolvência: art. 245º/2; reembolso: art. 245º/3.
Art. 245/6.

Data: 22/05/18
Matéria: Caso 5, Casos seguintes.

>Ver administradores.
>Enquadramento dos status dos administradores.
>Art. 64º/a
>3 perguntas!!!!!!!!!!!

>Art. 20.º: obrigação de entrada [regime das entradas nos tipos: SNQ 178 e 179, SPQ 202
a 208, SA 277, 285, 286]
>Art. 21.º [o direito aos lucros é um direito abstracto: traduz uma expectativa, que se
concretizará: com a apresentação das contas, das quais resulte um lucro distribuível; com
a aprovação dessas contas; com a aprovação de uma proposta de distribuição de
resultados].
>art. 6.º: actos que extravasam o objecto social [art. 280/1 e 294: nulidade];
responsabilidades dos representantes orgânicos [art. 483 ou 798].
>Art. 64.º
>Art. 78: responsabilidade aquiliana.
>Art. 72.º e 73.º
>80.º e 78.º

CASO PRÁTICO N.º 9:


DA ADMINISTRAÇÃO À FISCALIZAÇÃO DA VAI DAR TUDO CERTO, S.A.
Em 2008, António e Bernardo, jovens empreendedores, viviam num período de
inocência em que acreditavam que tudo era possível. Tinham um projeto empresarial que,
na sua perspetiva, tinha um futuro muito promissor. Para dar forma jurídica ao projeto,
constituíram uma sociedade anónima juntamente com quatro investidores, com a firma
“Vai dar tudo certo, S.A.”. Pediram a um contabilista, Eduardo, umas dicas sobre os
estatutos e escolheram o modelo de governo previsto no art. 278.º/1, a) CSC, o único
cujo funcionamento prático o contabilista conhecia. Um amigo do contabilista, que era
ROC (Filipe), ficou como fiscal único. António e Bernardo ficaram como
administradores executivos e dois dos investidores (Carlos e Diogo) ficaram como não
executivos. Bernardo assumiu a presidência do conselho.
Apesar de aparentemente os negócios da sociedade estarem a correr bem, a
verdade é que esta não apresentava resultados positivos. Em 2012, os quatro investidores
começaram a ficar desconfortáveis. Carlos e Diogo pediram então mais informações
sobre alguns contratos celebrados pela sociedade que apareciam de forma obscura nas
contas da sociedade. António e Bernardo responderam que eles deviam confiar na
informação que lhes tinha sido prestada e que a insistência no assunto consubstanciava
uma manifestação de deslealdade que, colocando em causa o trabalho de equipa, era
inadmissível. Carlos e Diogo escreveram então ao contabilista da sociedade, Eduardo, a
pedir pormenores sobre as contas, tendo este respondido que não o podia fazer sem o
consentimento de António e Bernardo.
Por portas travessas, os investidores acabaram por perceber que António e
Bernardo tinham celebrado um contrato com a sociedade, nos termos do qual esta lhes
pagava uma “comissão de gestão”, consumindo esta praticamente todos os resultados
positivos da atividade da sociedade. Perante isto, os investidores pretendem levar a
questão aos tribunais, retirando todas as consequências, incluindo a responsabilização de
António e Bernardo pelos prejuízos sofridos.
António e Bernardo, quando se apercebem da intenção daqueles, escrevem-lhes
uma carta onde explicam que atuaram no contexto da sua discricionariedade empresarial,
por entenderem que esta era a solução que melhor servia os interesses da sociedade. Não
podem, portanto, ser responsabilizados.
Entretanto, os investidores não compreendem o silêncio de Filipe: nunca disse
nada sobre o que se passava, os seus relatórios anuais como fiscal único nunca referiram
a “comissão de gestão” e as certificações legais de contas eram omissas quanto à
“obscuridade” das contas...
1. Em que consiste um modelo de governo de uma sociedade comercial? Quais as
principais vantagens e inconvenientes de cada um dos modelos previstos no art. 278.º/1
CSC?
2. Qual o sentido da qualificação dos administradores como “executivos” e “não-
executivos” e qual o reflexo no seu status?
3. Podiam Carlos e Diogo exigir as informações referidas a António e Bernardo, por um
lado, e ao TOC, por outro?
4. Têm razão Carlos e Diogo ao considerar que a celebração do contrato, do qual resulta
a “comissão de gestão” para António e Bernardo, constitui uma violação dos deveres
destes?
5. Analise a pretensão dos investidores na ação que pretendem intentar, bem como a
resposta de António e Bernardo quanto à sua responsabilização.
6. Qual o papel do fiscal único e do ROC na sociedade? Poderia Filipe ser
responsabilizado pelos danos sofridos pela sociedade em virtude da “comissão de
gestão”?
Data: 23/05/2018
Matéria: preparação para a frequência.

 Actos estranhos à capacidade societária contrários ao fim lucrativo são nulos (art.
294.º), e a deliberação que a originou é também nula nos termos do art. 56º/1/d
[art. 411º/1/c face às administrações].
 Eficácia dos actos realizados por órgãos representativos: art. 192.º, 260.º. 409.º/1.
 Actos que violam os números 1 a 3 do artigo 6.º activam o artigo 56.º/1/d.
 Tal responsabilidade, prevista no art. 72.º, n.º 1, do CSC, é uma responsabilidade
contratual e subjectiva, que pressupõe a verificação dos pressupostos da
responsabilidade civil: facto, ilícito, culpa, dano (danos emergentes e lucros
cessantes) e nexo de causalidade.
 Ao dever de lealdade costuma ser associado a obrigação de não concorrência, de
não se aproveitar em benefício próprio eventuais oportunidades de negócio, de
não actuação em conflito de interesses com a sociedade protegida.
 Business judgement rule: [art. 72/2] desenvolveram a diigência adequada para
obter a informação necessária; estavam isentos de conflitos de interesse; a sua
conduta se harmonizou com critérios racionais de gestão empresarial.

Data: 30/05/18

 Art. 405.º: os administradores são iguais perante a lei.


 Ricardo Costa: O sócio gestor : interessante/melhor.
 Art. 6.º
 Administração afim de promoção do fim social.
 Está obrigado a administrar que advêm das normas de competência.
 O interesse do credor é a sociedade: o interesse da sociedade: delimitar
positivamente a prestação.
 A business judgement rule está intimamente ligada ao direito das obrigações.
 Monografia do JFG sobre a business judgement rule.
 O art. 72/2 limita-se a sustentar dois deveres de cuidado e um dever de lealdade.
 Obrigação de administração diligente:
o Informação:
 em termos estruturais (art. 64/1/a)
 em termos conjunturais (art. 72/2)
o decidir segundo critérios de racionalidade empresaria: fundamentação
(art. 72/2)