Você está na página 1de 12

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

CEARÁ
CAMPUS CANINDÉ
CURSO TECNOLOGICO DE REDES DE COMPUTADORES

PROJETO INTEGRADOR I

CANINDÉ
2019
IVANIR PAZ PIRES MARREIRO

TEMA: O USO DA INTERNET E A CULTURA INDÍGENA


TÍTULO: O USO DA INTERNT E O POVO KANINDÉ: UMA PERSPECTIVA
DE CORPORAÇÃO

Projeto Integrador elaborado ao curso de


Redes de Computadores do Instituto Federal
de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará
(IFCE) – Campus Canindé na exigência da
disciplina de PIN I.
RESUMO
A tecnologia foi marcada entre os povos indígenas como algo negativo; da disputa
travada entre a arma de fogo e a flecha, da luta de sobrevivência da mata contra a serra
elétrica, da cultura reservada versos a cultura atualizada. Os indígenas tiveram seu
primeiro contato com a tecnologia em uma situação de domínio, onde os seus efeitos
foram desfavoráveis. Este trabalho tem como objetivo demostrar, que nos tempos
contemporâneos, a tecnologia/internet não é inimiga da cultura, muito menos a indígena,
podendo ser usada pelos índios de modo benéfico, sem adulterar a cultura, os princípios
e os costumes. Visando mostrar que a primeira impressão não é a que fica revelando
assim, que sua utilidade depende do ser humano que está por detrás dela. As informações
foram formuladas com estudos, especificamente, com o povo Kanindé de Aratuba
mapeando os resultados da cultura dos índios e o uso da internet.

Palavras-chave: tecnologia, cultura, internet, Kanindé.


ABSTRACT
The technology was marked among the indigenous peoples as something negative; of the
dispute between the firearm and the arrow, of the struggle of survival of the forest against
the electric saw, of the reserved culture verses the updated culture. The Indians had their
first contact with the technology in a situation of dominion, where its effects were
unfavorable. This work aims to demonstrate that, in contemporary times, technology /
internet is not inimical to culture, let alone indigenous, and can be used by the Indians in
a beneficial way without adulterating culture, principles and customs. Aiming to show
that the first impression is not the one that remains, thus revealing that its usefulness
depends on the human being behind it. The information was formulated with studies,
specifically with the Kanindé people of Aratuba mapping the results of the culture of the
Indians and the use of the Internet.
Keywords: technology, culture, internet, Kanindé.
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO ............................................................................................................. 6
2 DESENVOLVIMENTO................................................................................................ 8
2.1 METODOLOGIA ................................................................................................... 8
2.1.2 ATIVIDADE INICIAL .................................................................................... 8
2.1.3 ATIVIDADE II ................................................................................................ 9
3 RESULTADOS ........................................................................................................... 10
4 TRABALHOS FUTUROS .......................................................................................... 11
5 REFERENCIAS .......................................................................................................... 12
6

1 INTRODUÇÃO

Quando os portugueses chegaram ao Brasil, denominando-se descobridores da


terra houve grande guerra e disputa por território, entre os visitantes e os nativos, numa
tentativa de domínio os portugueses usam o método de catequizar os índios, nos casos de
rebelião a morte, não podendo negar que astucia dos portugueses trouxe sofrimento e
quase o extermínio dos povos indígenas. Após a invasão e a colonização, a história nos
diz sobre os destroços desse impacto, os vestígios dos povos que restam, as pequenas
comunidades que resistem, que se mantem vivas e praticando sua cultura. O povo
Kanindé é resultado de sofrimento de um longo processo de migrações forçadas. O
Kanindé veio da região do atual município de Mombaça, passando por Quixadá, pelas
margens do rio Curu, junto com os Jenipapo. Chegaram ao Sítio Fernandes vindos do
sertão da Gameleira por causa das secas e as invasões dos criadores de gado. Com uma
vida de resistência contra o aculturamento, os índios Kanindés reivindicam, lutam e
sobrevivem.

Atualmente reconhecidos legalmente, a Aldeia Kanindé de Aratuba recebe auxilio


da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) que através da lei defende os direitos dos povos
indígenas no Brasil. A Situação da Terra Indígena (TI): TI com visita preliminar, realizada
pela FUNAI, em 2003/2004 e já possuem processo aberto na FUNAI, aguardando
procedimentos iniciais de fundamentação antropológica. A aldeia Kanindé através de
muitas lutas obteve a conquista da educação diferenciada para os indígenas, com objetivo
sobretudo pelo processo permanente de aprendizagem e repasse da cultura, dos mais
velhos aos iniciantes.

No contexto de tempos modernos a Escola Indígena Manoel Francisco Dos Santos


conta com um laboratório de informática onde as maquinas estão conectadas a internet,
essa implantação surgiu pela conexão que o povo já possui dentro da comunidade, não se
trata da perca de identidade ou aculturamento, mas de misturar o favorável ao bom. A
internet é um sistema global de redes de computadores interligadas que conversam entre
si, circulando diversas informações que podem ser acessadas ou criadas em qualquer lugar
do mundo. Com a tecnologia da internet é possível ter na sua frente diferentes lugares,
produtos e informações criadas por diferentes pontos de vista, para algumas pessoas o uso
desse meio é modificador da cultura indígena. No entanto, diante das diversas práticas
culturais, dos encontros marcados entre o povo para contar as histórias da vida real, do
costume levado pra dentro da sala de aula, da singularidade dos manejos com a terra, do
CANINDÉ
2019
artesanato ensinado para os menores e das pinturas corporais que remetem marcas de
resistência, existe uma perspectiva do uso da internet como aliada, podendo ser
auxiliadora para as metodologias educacionais pedagógicas, para adquirir conhecimento,
para espalhar a voz da luta de sobrevivência dos povos indígenas em busca de direitos ou
para divulgar as riquezas das praticas culturais em busca de reconhecimento e aceitação.

A tecnologia já não é mais algo desconhecido pelos povos, ela já se tornou um


meio necessário da sociedade, e as culturas contém dentro dela, podendo ser aprendida e
manifestada em outro ambiente totalmente distinto. Com essa evolução ela já não é mais
um tabu para homem, e os costumes indígenas também podem usufruir desses benefícios.
Como aluna de um curso tecnológico, indígena do povo Kanindé e com a atividade de
elaborar um PIN, o projeto foi desenvolvido a partir do desejo de romper limites, quebrar
padrões desfavoráveis e fortalecer uma corporação em que a tecnologia seja tão bem-
vinda como em qualquer outro lugar.
2 DESENVOLVIMENTO

O projeto Integrador (PIN), este que está dividido na grade curricular do curso
de Redes de Computadores em três níveis, sendo este o primeiro exigido no quarto
semestre do curso, e os subsequentes aos semestres restantes. Com o objetivo de
discorrer este projeto nos demais níveis, este visa a metodologia para um trabalho de
pesquisa desenvolvido com dados, amostras e resultados.

2.1 METODOLOGIA

Com o objetivo de coletar dados e criar amostras da pesquisa, será necessário


um mapeamento do uso da internet, podendo ser coletados de várias pessoas de faixas
etárias e funções diferentes dentro da aldeia. Analisando a pesquisa com uma visão dos
dois pontos de vista vigente; buscando identificar a melhor posição, ou a mais
favorável, levando em conta a necessidade de informações e oportunidade de
conhecimento que contém dentro da internet, assim como a preservação do costume e
valoras indígena.

2.1.2 ATIVIDADE INICIAL

A primeira atividade que será realizada, consiste em esquematizar a situação


atual do povo. Qual o tipo de contato que eles já possuem com a internet, qual o fluxo
do uso, se algum usuário já possui alguma dependência ao uso da internet e identificar
opiniões dentro da aldeia, como autoridades espirituais e gestores do colégio de
educação diferenciada Manoel Francisco dos Santos e formular o que acham sobre o
contato com a internet, e suas posições sobre o assunto.

Esse mapeamento poderá ser feito com:

• Entrevistas;
• Dialogo com autoridades da aldeia;
• Entrevista com diferentes faixas etárias;
• Visita em diferentes casas;
• Contabilidade das casas que possuem computador e analise do uso do
smartfone;
• Verificação do uso da internet no colégio, como a utilização por parte da
gestão escolar;
• E o acesso que os estudantes têm dentro do colégio.
2.1.3 ATIVIDADE II

Com os dados coletados será preciso processa-los e gerar informações para os


primeiros resultados, pudendo ser esquematizado a situação atual da aldeia Kanindé de
Aratuba. Esse processo poderá gerar taxas e gráficos sobre o uso da internet para
pessoas diversificadas, no caso dos indígenas uma quebra de tabu.
3 RESULTADOS

Os resultados serão para o nível dois do PIN que será solicitado no próximo
semestre. Com o objetivo de obter dados sobre o uso da internet em uma aldeia
indígena, seus benefícios e malefícios em relação a costumes, cultura e diversidade.
4 TRABALHOS FUTUROS

O presente PIN é a penas as diretrizes teóricas para a realização do PIN II e III.


Para a próxima fase, será trago os resultados das coletas de dados e uma defesa sobre o
uso da internet na aldeia Kanindé de Aratuba. Tendo em vista a execução do uso de uma
ferramenta na implementação do PIM III.
5 REFERENCIAS

KANINDÉ, Escola. Origem Histórica do povo Kanindé. Disponível em:


<http://escolakaninde-indio.blogspot.com/p/origem-historica-do-povo-kaninde.html>.
Acesso em: 19 mar. 2019

J. FHILLIPS, David. Kanindé. Disponível em: <https://brasil.antropos.org.uk/ethnic-


profiles/profiles-k/221-131-kaninde.html>. Acesso em: 18 mar. 2019

GARCIA, Débora. Conheça a escola Indígena Kanindé, no Ceará, e saiba mais


sobre a etnopedagogia! Disponível em: <http://info.geekie.com.br/escola-indigena-
kaninde-no-ceara/>. Acesso em: 20 mar. 2019