Você está na página 1de 6

08/04/2019 Revisão na Web de indústrias culturais e digitais

Traduzido para: Português Mostrar o original Opções ▼

bem-vindo Arquivo de notícias Carta de publicação Labo HAR autores Sobre

Apresentação de Fredric Jameson - Thierry


LABICA

A década de 1980 marcou o momento de uma transição histórica de grande magnitude e qualquer que seja o
registro escolhido. Se começarmos no nal da década, há, é claro, a queda do Muro de Berlim e o
desmantelamento da União Soviética. Mas esse fechamento maciço de todo o período de antagonismo entre
os blocos foi apenas o momento mais emblemático, talvez, de toda uma série de reversões e profundas
reorientações. Basta pensar no m do apartheid sul-africano, ou a primeira ação policial global no Iraque sob a
"Nova Ordem Mundial". Olhando para o início da década, a rápida integração da China na competição
econômica global, a aquisição quase simultânea de Margaret Thatcher em 1979 na Grã-Bretanha e Ronald
Reagan em 1980 para os Estados Unidos. ESTADOS, tomados em conjunto, em sua simultaneidade virtual, se
assemelham estranhamente, hoje, pelo menos, o momento inaugural de uma fase geralmente chamado de
"neoliberal" e marcado em particular pela desregulamentação nanceira, onda de privatização e do declínio
histórico do movimento operário que, Parafraseando uma famosa fórmula do historiador Eric J. Hobsbawm, a
longa marcha foi interrompida. Essas recon gurações políticas, sociais e econômicas foram acompanhadas por
uma redistribuição global de alianças políticas, bem como de atividades produtivas. Eles também se
materializaram nos primeiros mercados de trabalho mundiais por um declínio dramático na produção
industrial, o crescimento das atividades de serviços e o aumento da feminização do emprego. E, para não
alongar demais a lista, eles foram acompanhados por uma difusão cada vez maior de (então) novas tecnologias
da informação. Aqui estão alguns dos principais sintomas e fatores (muitas vezes referidos como
"postfordists") da desestabilização dos paradigmas políticos e ideológicos do pós-guerra. Mas, mais
profundamente, para além do período aberto pelo m da Segunda Guerra Mundial, foi a vez de uma
renegociação global dos pressupostos, experiências e representações associadas com a idéia de
"modernidade" .

É neste contexto de crise paradigmática que alguns trabalhos passam a


desempenhar um papel fundamental, especialmente por sua capacidade de
nomear a situação e, assim, conferir sua própria consistência. Se é sempre um
pouco arriscado atribuir responsabilidades especí cas nesta área (as
possibilidades de genealogias serem numerosas), deve-se admitir sem muita
di culdade que a Condição Pós - moderna(1980) por Jean-François Lyotard
(1924-1998) foi uma intervenção particularmente importante. Falando de "o m
das grandes histórias" (grandes modelos de compreensão e interpretação da
história), Lyotard chamou a situação de uma inegável "felicidade performativa"
no sentido de que o ato de nomear consiste ao mesmo tempo em fazer uma
situação com características próprias, com um "antes" que ainda não é ela.
Ainda na França, pode-se considerar que Adeus ao proletariado , publicado no
mesmo ano por André Gorz, foi outra notória contribuição à produção
(constituição-monstração) dessa nova ordem de experiência histórica.que a
formação e implantação do movimento operário na luta pelo poder no mundo
th
desde os 19 século, já não era uma característica central da situação. Entre os anglo-saxões, a idéia de um
possível " m das grandes histórias" estava na origem de um verdadeiro gênero segundo o qual as "grandes
histórias" acabam sendo "o trabalho" (Jeremy Rifkin), a própria idéia de "história" (Francis Fukuyama), ou
"ideologias", ou marxismo. A mídia francesa e o mundo intelectual reimportaram todos esses debates sem,
talvez, ter sempre em mente que eles próprios eram o resultado de profundas interações entre o legado do
pensamento crítico francês e, em particular, o mundo. intelectual americano e acadêmico. Em qualquer caso,
pode parecer surpreendente, pelo menos em retrospectiva, que os anos 80 foram marcados por uma
proliferação de discurso e temas da pós-modernidade. No mundo intelectual anglo-saxão,pós-moderno , pós-
modernidade e postmoderni s m   invadiram os títulos de simpósios, obras de crítica, loso a, crítica literária,
ou sociologia. Tanto que nem sempre sabemos muito bem se não foi, em última análise, um simples modo de

industrie-culturelle.fr/industrie-culturelle/presentation-de-fredic-jameson-thierry-labica/ 1/6
08/04/2019 Revisão na Web de indústrias culturais e digitais

inspiração "continental" e, em particular, francês, como o sucesso da "teoria francesa" anos sessenta e setenta
foram marcantes [1]. A poderosa moda "pós-modernista" foi rejeitada pelos seus excessos e di culdades
teóricas e falta de bom senso.Anglo-saxão; como "libertarianismo" iconoclasta esquerdista; mas também como
pós e antimarxismo e como uma celebração estética infantil e proto-reacionária das derrotas do movimento
operário e da crise de qualquer projeto de transformação socialista.

Para o mundo de fala Inglês, a obra de Fredric


Jameson (nascido em 1934), pós-modernismo, ou a
Lógica Cultural do Capitalismo Tardio [[2], chegou a
oferecer o primeiro em perspectiva o momento
histórico da proliferação pós-modernista,
pesquisando na "Lógica" centrífuga em vez de propor
uma festa [3]. Para este m, traduções deste livro e A
totalidade como Conspiracy [4] é um evento editorial
Eric Hobsbawn
que não devemos ter medo de descrever como um E. P. Thompson
importante na medida em que, nalmente, colocar à
disposição dos leitores franceses a peça central de
qualquer a recente história teórica e intelectual do mundo de língua inglesa em sua interação com a loso a
continental (alemã e francesa). Nós poderíamos quase car satisfeito ao observar que, por mais de vinte anos,
não é um artigo, um livro, nem um artigo de conferência sobre as questões da teoria da cultura, da
periodização histórica ou do marxismo contemporâneo, parece possível fora do campo orbital. posto em
movimento pelo trabalho de Jameson e, em particular, seu pós-modernismo . Para uma comparação, digamos
que este livro é para a teoria da cultura o que tem sido, até quase hoje, A formação da classe trabalhadora
inglesa ( A construção da classe trabalhadora inglesa, 1963) de Edward P Thompson para a história social e
além, para todo o campo dos chamados estudos e teorias pós - coloniais . A in uência do pós-
modernismoEntão, no início, existem certos paradoxos no sentido mais estrito. É principalmente o trabalho de
um marxista dos EUA . A associação de termos merece um pouco de atenção quando a idéia ou fantasia de um
"modelo americano" geralmente não inclui um componente "marxista". Se pode haver um "modelo" para
aqueles que desejam constituir uma exemplaridade econômica e social, é precisamente porque o imaginário
geopolítico herdado da guerra fria faz a erradicação do marxismo em todas as suas formas ( intelectuais
teóricos, ativistas revolucionários, luta de classes) a condição de possibilidade até mesmo do "modelo". Além
disso, Jameson é marxistaNorte-americana, numa época em que a referência ao marxismo não se bene cia
mais do prestígio intelectual ou do apoio institucional (em partidos, estados) que eram seus no passado
recente. Podemos, novamente, localize Jameson no horizonte intelectual contemporânea, por analogia com a
posição dos grandes historiadores ingleses eram EP Thompson (1924-1993), Christopher Hill (1912-2003), e Eric
J. Hobsbawm (1917 -2012), cujo escopo é tal que requer ampla reconhecimento para além das simpatias
teóricos e militantes em ambientes domésticos (e agora internacional) tão hostil ao marxismo nos bastiões do
movimento operário histórico. Antes de chegar aos textos disponíveis hoje em francês, mais uma palavra sobre
o curso intelectual deste autor. Se Jameson é hoje um grande teórico da cultura e da periodização, suas fontes
intelectuais estão na encruzilhada da leitura de Sartre, Adorno e da Escola de Frankfurt e trabalham na
literatura comparada. Dos livros que precederamO pós-modernismo, o marxismo e Forma (1970) e The
Political Unconscious: A narrativa como uma Lei Socialmente simbólica (1981) ajudou a estabelecer a reputação
de Jameson teórico como marxista da estética literária. Como Terry Eagleton, ou mais, como Raymond Williams
(UK), Jameson passou no campo literário, o seu ensino universitário e problemas e questões políticas que
dependia, questões teóricas sobre o lugar ea função histórica campo cultural como um todo.

Essa mudança, por si só, já nos fala da abordagem geral do autor para quem a preliminar de qualquer
intervenção deve ser a compreensão das condições históricas dessa intervenção. Como tal, a re exão
implantada no pós-modernismo não é uma simples extensão das posições elaboradas anteriormente no e
para o campo dos estudos literários. Pós-modernismoNão é uma lacuna trair interesses paralelos aos textos e
à estética literária. Para colocá-lo um pouco abruptamente, com este livro, Jameson reconhece seu próprio
desmantelamento como um texto literário pro ssional, quando a literatura (estética, pedagogia) começa a
perder seu prestígio e onde literária da crítica académica vê seu status rapidamente abolido como um
magistrado do julgamento e valor estético de grandes obras e sua exemplaridade. Mas aqui está uma
contradição que nos leva ao coração do argumento geral e recorrente do livro; o prestígio histórico das obras
literárias e, conseqüentemente, de seus aprendizes guardiões, desaparece, mas essa evanescência também
deixa para trás uma categoria central agora livre de todo reforço institucional, estética e moral que lhe deu sua
espessura e sua gravidade do passado. Esta categoria é o "texto" em oposição ao "trabalho" (trabalhos) e essas
categorias adjacentes de autor, intencionalidade, contexto, "profundidade", estilo ou expressão. Permanece
nesta pós-moderna a seguir, que é o "texto" (como a superfície e como uma categoria ou não pré-subjetiva) e
que o pós-modernismo como uma dominante cultural generalizada para tudo. A arquitetura, a cidade, a
história, o corpo, a guerra (etc.) são todos governados por este regime textualidade pós-moderna que, ambos,
rebaixamentos e recicla o especialista do campo literário em uma enorme maquinaria cultural de de vídeo e
cinema a teoria econômica e arquitetura. Para colocar de outra forma, quando Jameson dedica um capítulo ao
vídeo, não é um desvio singular para a cultura de massa, desvio durante o qual as categorias de autor e
trabalho devem ser feitas para trabalhar; é bastante para reconhecer esta ruptura histórica que o vídeo (que
faz com que essas categorias inoperantes) está na era do capitalismo multinacional e sua própria imaginação
(construído em torno do problema da inimaginável), este a A literatura, e em particular o romance, era para o
imaginário nacional característico da modernidade. Jameson Então, acho que a história, buscando acima de
tudo para periodizar para determinar o que faz um período histórico e de compreender e reconectar cada vez
mais irrepresentável entre a circulação geral sem capital externo e regime estética própria que novo estágio do
capitalismo. Mas Jameson, no dialeto marxista,

Uma considerável ambigüidade pode permanecer nesse estágio da única leitura do título do livro de Jameson.
O pós-modernismo não é um estilo, mas uma "dominante", uma "lógica" (de uma certa idade do capitalismo).
Ao dizer que essa lógica é "cultural", ainda é possível acreditar que Jameson está prestes a praticar uma
"redução economista", ritualmente imputada antecipadamente à interpretação marxista, e envolvendo uma
i ã f d d l l ô i b i l i ã i id d

industrie-culturelle.fr/industrie-culturelle/presentation-de-fredic-jameson-thierry-labica/ 2/6
08/04/2019 Revisão na Web de indústrias culturais e digitais

repatriação forçada do cultural (a "superestrutura") ao econômico (a "base material"). Haveria então atividade
capitalista de um novo tipo, mas essa atividade sempre seria postada "por trás" de fatos culturais que
produziria em outro lugar, e isso viria depois-lo. O diagnóstico é aqui bastante
diferente, no entanto. A característica dessa lógica do capitalismo tardio (ou avançado)
é esmagar a superestrutura na base, materializar de maneira direta e explícita nas
relações das produções capitalistas essa ordem da cultura há tempos considerada
autônoma e "imaterial". suspenso sobre o mundo social (o do trabalho alienado, da
exploração e da violência imperialista) [5]. Nesta nova era do capitalismo, a produção
cultural foi plenamente integrada ao regime de produção de mercado, portanto, entre
outras conseqüências, a extinção de hierarquias que distinguem entre cultura erudita
e cultura de massa. Duas breves observações sobre este ponto. Primeiro, Jameson é
uma extensão direta do "materialismo cultural" (materialismo cultural ), desenvolvido
por Raymond Williams (1921-1988) [6], que considera a língua ea cultura como práticas R. Williams
materiais em primeiro lugar e deve ser lembrado Marx (e apesar das ambiguidades do
último) que não são não em um relacionamento secundário a uma atividade produtiva
que viria antes deles. Então, tal problematização materialista e materializante  de cultura não pode deixar
ninguém indiferente quando a idéia da idade do capitalismo "cognitivo" (onde as matérias-primas são
conhecimento, informação, comunicação, cultura) se estabelecendo em uma era de " imaterial ". Neste caso,
seria necessário conceber que a "cultura" manteve na verdade todos os seus antigos traços espiritualistas
(autonomia, suspensão acima do mundo social, "coisa do espírito") e teria começado a reinar como tal,
preservada intacta. em um mundo que, de outro modo, estaria livre da sujeira proletária e do compromisso
físico com as atividades de transformação da natureza. Se tal imaginário "imaterial" é jornalístico,

O primeiro capítulo, que dá o título ao livro, dá uma primeira visão geral das práticas culturais, tecnologias e
instituições sobre as quais os próximos capítulos retornarão. Este erudito vagando pela cultura arquitetônica,
cinematogra a literária, teórica ou contemporânea poderia eventualmente desarmar o leitor com pressa. Há
pelo menos duas razões para isso. O primeiro, mas voltaremos a ele um pouco mais tarde, é o estilo próprio
do autor, aquelas frases em que longas proposições, parênteses carregados, desvios teóricos e alusões
históricas de todos os tipos vêm à tona. O segundo, não muito estranho ao primeiro, vem da paciência de
Jameson para seus objetos que devem seguir a sua própria inclinação, adiando o momento da síntese abstrata
para pensar neles dentro dos limites que os constituem. Podemos ter o sentimento, charmoso ou irritante, de
um bricabraque que não é outro senão aquele de um período em que a clareza das hierarquias culturais
anteriores foi perdida, assim como se perdeu. o rme fundamento do referente [8] fora do texto onipresente.
Sem reduzir este texto em si, que não é muito "redutor", pode-se ter em mente os principais objetivos
descritivos e programáticos que Jameson segue. assim como a terra principal do referente [8] foi perdida do
texto onipresente. Sem reduzir este texto em si, que não é muito "redutor", pode-se ter em mente os principais
objetivos descritivos e programáticos que Jameson segue. assim como a terra principal do referente [8] foi
perdida do texto onipresente. Sem reduzir este texto em si, que não é muito "redutor", pode-se ter em mente
os principais objetivos descritivos e programáticos que Jameson segue.

A primeira é propor como o pós-modernismo rompe com as categorias que governaram a imaginação estética
e losó ca da modernidade. Ao longo do texto, podemos ver claramente duas cadeias conceituais se juntando,
cada uma delas constituindo a coerência especí ca de cada período. Com a modernidade, desenvolve-se um
paradigma da obra que pressupõe a interioridade , a profundidade , de uma subjetividade monádica, que
expressa (essa interioridade) em um estilo que pode ser ele mesmo parodiado . O pós-moderno esvazia e
aplaina esses termos entrando em um paradigma, não mais do trabalho, mas do texto , do uxo , superfície ,
fragmento , intensidade , código e pastiche. Além disso, no primeiro paradigma que favorece o tempo, a
história, o segundo substitui a ordem do espaço, uma vez que o passado só existe na forma de imagens de
mercadorias estereotipadas ("rei cadas"). os cartões postais de uma nostalgia fria, de simulacros e do futuro,
como para ele, foram abolidos com o desaparecimento de qualquer projeto coletivo alternativo. Nisto, a
própria ideia de uma época "contemporânea" por distinção de uma época anterior não é mais válida neste
encalhe do tempo histórico no grande presente de uma realidade existente apenas no título. um simulacro de
si mesmo, no qual os estilos e gêneros anteriores são sobrepostos em nenhuma ordem particular. Este
primeiro objetivo refere-se em todos os casos a um imperativo de periodização.

O segundo objetivo é mostrar como as


formas estéticas pós-modernas
representam e pensam o problema da
irrepresentabilidade do mundo social
multinacional do capitalismo tardio. A
desregulamentação da circulação global
do capital, a complexidade da divisão do
trabalho, as desconexões entre o lugar de
decisão e a execução, entre os momentos
de produção, circulação e consumo no E. Bloch
contexto de um desenvolvimento
Michel de Certeau
desigual, transferência instantânea e
permanente de massas de informação, entre outras
características pós-nacional, desarmar compreender a coerência sistêmica global ao ponto de limitar a
consciência tendenciosamente histórico na única experiência de fragmento alienado sem ligação visível ao real
capital mais abstrato e "impenetrável" do que nunca. Mas é fundamental lembrar a insistência de Jameson
sobre o fato de que a lógica cultural pós-moderna não é o produto de uma apresentação única, inconsciente
ou deliberada, os poderes de capital. Com o pós-modernismo, é identi car um "dominante cultural" ou um
"campo de força", que, para ser hegemônico, não saturar todas as práticas ao ponto de impor uma
uniformidade política e estética servil e impecável. Longe de este tipo de superpotência paranóia, Jameson tem
um discurso teórico que deve ser bastante familiar aos leitores / leitores de Michel de Certeau (1925-1986) de
Com o pós-modernismo, é identi car um "dominante cultural" ou um "campo de força", que, para ser
h ô i ã d ái d i if id d lí i éi il

industrie-culturelle.fr/industrie-culturelle/presentation-de-fredic-jameson-thierry-labica/ 3/6
08/04/2019 Revisão na Web de indústrias culturais e digitais

hegemônico, não saturar todas as práticas ao ponto de impor uma uniformidade política e estética servil e
impecável. Longe de este tipo de superpotência paranóia, Jameson tem um discurso teórico que deve ser
bastante familiar aos leitores / leitores de Michel de Certeau (1925-1986) de Com o pós-modernismo, é
identi car um "dominante cultural" ou um "campo de força", que, para ser hegemônico, não saturar todas as
práticas ao ponto de impor uma uniformidade política e estética servil e impecável. Longe de este tipo de
superpotência paranóia, Jameson tem um discurso teórico que deve ser bastante familiar aos leitores / leitores
de Michel de Certeau (1925-1986) deA Invenção do diário . Para Certeau, existem mapas estratégicos (militares,
comerciais, urbanos, administrativos) demasiado grande para as práticas de fugas diárias e ao mesmo tempo
muito esticado para não permitir DIY, caça furtiva, diversão. Encontramos a possibilidade de esta tensão nos
ensaios em pós-modernismo , onde as produções culturais são sempre lidos em ambos os lados: o da já pelo
qual um "texto" elmente repete a ordem sem governar exterior e irrepresentável maciça o horizonte de
atuação e o de ainda nãoque trai a tensão utópica, para frente, inerente a qualquer forma de produção
cultural. Este último ponto exige uma observação. Jameson, nas primeiras páginas do primeiro capítulo, está
explicitamente, novamente, na liação do marxista nascido em Gales, Raymond Williams. Mas mais
profundamente, e um pouco secretamente parece, Jameson prova ser um leitor particularmente el e herdeiro
do pensamento da utopia desdobrada notavelmente em O Princípio da Esperança., o trabalho gigantesco do
mais visionário dos marxistas, Ernst Bloch (1885-1977). Isso certamente ciente da Bloch pensou que atravessa
a direita através do re exo de Jameson e ajuda in nitamente adiando o momento controverso [9], muitas
vezes esperado, uma vez que é sempre o conteúdo de esperando para recolher um verdadeiro impulso à
Novum (Adorno) e do melhor , sempre já registrado na categoria de tornar-se. Todos e cada um irá, de
qualquer maneira, observe a atenção sempre pagos à questão da utopia, mesmo nos cantos ideológicas mais
insalubres.

Na conclusão do primeiro capítulo, Jameson apresenta um terceiro objetivo programático que encontraremos
disseminado pelo restante do livro e, mais amplamente, em seu trabalho: "mapeamento cognitivo" (
mapeamento cognitivo).). Se o espaço intensamente abstrato do capitalismo tardio é irrepresentável, não é
incognoscível. É necessário, portanto, empreender a cartogra a, pensar o arranjo, as conexões físicas,
simbólicas, políticas; ou, mais concretamente, devemos aprender a nos situar coletivamente em relações de
classe redistribuídas em escala multinacional. É uma pedagogia política destinada a cumprir a primeira
condição da emancipação coletiva: compreender, reconectar o que nos aparece apenas na forma do
fragmento e aprender a nos situar em um mundo onde os parâmetros de nossa experiência empírica são
disseminados em uma escala planetária de uma capital que diferencia, desconecta, superloca, às vezes exclui
populações inteiras, em proporção inversa à sua própria onipresença planetária, sem exterior. Devemos
esperar até o nal do livro para entender que o trabalho e o ensino do mapeamento cognitivo são, na verdade,
nada mais que a reconstrução da consciência de classe, essencial para qualquer projeto socialista futuro. Em
outras palavras, aqui novamente, além do imperativo inicial da periodização, devemos visar a totalização das
relações globais e, ao mesmo tempo, satisfazer uma necessidade fundamental de controle consciente do meio
ambiente, que é a nossa, entre o imediatismo empírico fragmentário e a hiper-abstração irrepresentável. Como
tal, o texto intitulado Devemos esperar até o nal do livro para entender que o trabalho e o ensino do
mapeamento cognitivo são, na verdade, nada mais que a reconstrução da consciência de classe, essencial para
qualquer projeto socialista futuro. Em outras palavras, aqui novamente, além do imperativo inicial da
periodização, devemos visar a totalização das relações globais e, ao mesmo tempo, satisfazer uma necessidade
fundamental de controle consciente do meio ambiente, que é a nossa, entre o imediatismo empírico
fragmentário e a hiper-abstração irrepresentável. Como tal, o texto intitulado Devemos esperar até o nal do
livro para entender que o trabalho e o ensino do mapeamento cognitivo são, na verdade, nada mais que a
reconstrução da consciência de classe, essencial para qualquer projeto socialista futuro. Em outras palavras,
aqui novamente, além do imperativo inicial da periodização, devemos visar a totalização das relações globais e,
ao mesmo tempo, satisfazer uma necessidade fundamental de controle consciente do meio ambiente, que é a
nossa, entre o imediatismo empírico fragmentário e a hiper-abstração irrepresentável. Como tal, o texto
intitulado visar a totalização das relações globais e satisfazer ao mesmo tempo uma necessidade fundamental
de controle consciente do ambiente que é nosso, entre a imediação empírica fragmentária e a hiper-abstração
irrepresentável. Como tal, o texto intitulado visar a totalização das relações globais e satisfazer ao mesmo
tempo uma necessidade fundamental de controle consciente do ambiente que é nosso, entre a imediação
empírica fragmentária e a hiper-abstração irrepresentável. Como tal, o texto intituladoA totalidade como
enredo   amplia e desenvolve o programa de mapeamento cognitivo anunciado no pós-modernismo.onde
também é difundido este tema da compreensão totalizante imaginado e apreendido sob a gura da
conspiração, incluindo a mídia, em vários lmes. Ao escolher essa gura infra-teórica por excelência, e extraí-la
de seu momento aparentemente privilegiado no lme de espionagem dos anos 1970, Jameson nos sugere
mais uma vez o caráter fundamental e pré-consciente da necessidade de compreender a totalidade social. em
vista de uma reapropriação coletiva do mundo contra as desapropriações de capital. Por sua aparente
trivialidade, a imaginação do enredo e seu poder de atracção, são uma manifestação, por assim dizer, ao nível
do solo desta tensão irredutível em direção a algo da ordem da "grande narrativa" ea promessa um
entendimento inalienado.Todos , novamente, um conteúdo utópico de espera que a dialética pretende coletar.

Jameson propõe, em última análise, uma teoria e uma pedagogia materialista


histórica do espaço do capital globalizado. Nesta perspectiva, o espaço não é mais
o mero contêiner dos processos históricos temporais, que são dignos de serem
teorizados. Pelo contrário, ele próprio deve ser concebido como um produto sob
condições historicamente determinadas e relações de forças (e neste, Jameson
está claramente no campo aberto por Henri Lefebvre (1901-91) com a produção
do espaço , ou espaços e política [10]) Esta teoria (e esta pedagogia) começa por
identi car algo como o efeito da narrativa reprimida tendendo para o
H. Lefebvre
restabelecimento de conexões, relações cada vez mais abstratas e inimagináveis
do capital como relação social global. E pela facilidade e clareza de representação
que oferece, o imaginário da trama, ao mesmo tempo, engana e diz a verdade
desse desejo utópico de um controle coletivo e desalienado do mundo. Esse esforço de se aproximar dessas
tensões dialéticas, sempre latentes nas produções culturais, exige um estilo relativamente tortuoso que se

industrie-culturelle.fr/industrie-culturelle/presentation-de-fredic-jameson-thierry-labica/ 4/6
08/04/2019 Revisão na Web de indústrias culturais e digitais

te sões d a ét cas, se p e ate tes as p oduções cu tu a s, e ge u est o e at a e te to tuoso que se


tomaria erradamente pela simples afetação. Um autêntico elitismo cultural e estético simpli caria, por sua vez,

Em grande parte, trata-se de postular uma cultura de massa "degradada", cuja única função é "acalmar" as
consciências. Isso é para Jameson, mais uma vez, ler os objetos em ambas as bordas simultaneamente, para
habitar sua própria lógica enquanto os faz ouvir a parte do reprimido, para mostrar que o fragmentário como
fragmentário é o produto. de um processo global que engendra as condições da própria cegueira. Permanecer
el a essas contradições exige, portanto, uma di culdade de estilo que a tradução negocia com uma habilidade
impressionante que só possibilita uma paciência e um conhecimento profundo dessa onipresença dialética.
viver em sua própria lógica enquanto faz parte do reprimido, mostrar que o fragmentário como fragmentário é
o produto de um processo global que gera as condições de sua própria cegueira para si mesmo. Permanecer
el a essas contradições exige, portanto, uma di culdade de estilo que a tradução negocia com uma habilidade
impressionante que só possibilita uma paciência e um conhecimento profundo dessa onipresença dialética.
viver em sua própria lógica enquanto faz parte do reprimido, mostrar que o fragmentário como fragmentário é
o produto de um processo global que gera as condições de sua própria cegueira para si mesmo. Permanecer
el a essas contradições exige, portanto, uma di culdade de estilo que a tradução negocia com uma habilidade
impressionante que só possibilita uma paciência e um conhecimento profundo dessa onipresença dialética.

Existe uma reserva. Se o capitalismo tardio é caracterizado pela integração generalizada da esfera cultural na
produção mercado de máquinas global, perdendo assim a relativa autonomia que torna o local ideal para o
desenvolvimento de projetos radicais críticos, é possível não para encontrar, num momento em que outro, as
questões do processo do lugar e do coletivo de trabalho , este triângulo onde se joga a vida cotidiana da
capital? Difícil não lamento que Jameson quer não compreendeu todas as implicações relacionadas com a
questão do "trabalho" quando o Inglês com a palavra trabalho , de modo prompt para encontrar o trabalho
(cultural) e de trabalho(Empregado). Tal limite tende a manter a esfera cultural em sua autonomia anterior,
mantendo-a distinta da experiência de trabalho e produção. No entanto, todos sabem o quanto a empresa, a
o cina, esses locais históricos de silêncio organizado e subjetividade negaram, "culturalizaram" para tentar
propor verdadeiras comunidades de substituição (ao partido, à união, ao auto-atividade do grupo de trabalho,
a família, amigos), novos vocabulários, formas programadas de se estar na relação de serviço em particular. A
subjetividade criativa do artista está sujeita a regimes de individualização sem precedentes, mobilizados na
atividade de produção, não a melhor gura do esmagamento do cultural na relação de produção de mercado?
comprimindo assim qualquer distância, qualquer autonomia, qualquer margem crítica, além de aumentar a
capacidade de prescrição e controle da atividade salarial? Não deveríamos olhar para lá, na desintegração
deespaços do trabalho coletivo, sua consciência coletiva e seu potencial de auto-atividade crítica, a versão
molecular da explosão espacial global? Não há dúvida de que ele tem alguma injustiça para censurar análises,
datado de 1984-1992, não para salvar, por exemplo, a experiência emblemática da luta do entretenimento na
França (2003) e não ignorar a literatura recente (sociológico, clínica, cção, documentário) sobre os danos de
mobilização subjetiva no trabalho hoje difusa literatura su ciente na França. [11] Em qualquer caso, a nura
extrema e relevância da análise de Jameson nossa retrospectiva, faz encontrar qu'enrichies de possíveis
conexões com a nossa experiência social recente. Porque como para todos os principaisobras , há a tentação
de tomar intuições e reconciliação que tem estimulado em sua unidade para tácita ou escassez atribuído ao
livro em si que então criticado por não ter dito tudo.

referências
Pós-modernismo ou a lógica cultural do capitalismo tardio (Ensba, 2007);

Totalidade como parcela   (Prados Ordinários, 2007).

Outros livros de Fredric Jameson traduzido (tardivement) em francês:

O inconsciente político. A narrativa como um ato socialmente simbólico, questões teóricas (Lyon), coll. "Cassino
de Saggio", 2012.

Ficções Geopolíticas. Cinema, capitalismo, pós-modernidade , Editions Capricci, 2011.

Arqueologia do Futuro, (Volume 2) Pensando com Ficção Cientí ca , Edições Max Milo , 2008.

Arqueologia do futuro, (Volume 1) Um desejo chamado utopia , Edições Max Milo , 2007.

(Nota adicionada pelo DB). Leia também o prefácio de The Totality como um enredo de Nicolas
Vieillescazes: ftp://ftp2.marxau21.fr/marxau/reserve/VieillesCazes-JamesonPref.pdf 

Notas
[1] François Cusset faz a história desta recepção na Teoria Francesa (La Découverte, 2003).

[2] O título do primeiro capítulo apareceu pela primeira vez em New Left Review (Grã-Bretanha) em 1984.

[3] A outra contribuição signi cativa de caráter mais histórico e sociológico foi o livro de David Harvey The
Condition of Postmodernity (1990). [Nota adicionada por DB: Os livros deste livro estão começando a ser
traduzidos para o francês, especialmente em The Ordinary Prairies . Ultimamente, Para ler "A Capital" , A
cidade queima, 2012].

[4] A l'origine, o s'agit du premier chapitre de The Geopolitical Aesthetic. Sistema Cinema e Espaço no Mundo ,
Indiana University Press / British Film Institute, 1992.

[5] Veja a primeira página do capítulo sobre vídeo, por exemplo.

[6] Particularmente em seu marxismo e literatura (1977), cujo impacto foi considerável em todo o campo dos
estudos literários e culturais.

[7] Esta categoria de "imaterial" parece ser adquirida na análise do processo de trabalho feito por Michael
Hardt e Toni Negri na segunda seção de sua multidão .

[8] O mundo ao nosso redor, fora da língua.

industrie-culturelle.fr/industrie-culturelle/presentation-de-fredic-jameson-thierry-labica/ 5/6
08/04/2019 Revisão na Web de indústrias culturais e digitais

[8] O mundo ao nosso redor, fora da língua.

[9] Uma comparação com um lado, a força controverso anti-pós-modernista onipresente nos livros de Terry
Eagleton (ver, por exemplo, o último capítulo de seu A Ideologia da Estética 1990 ou as ilusões do pós-
modernismo, 1996) e, por outro lado, com a urgência política manifestada por Alex Callinicos em Against
Postmodernism: A Critical Marxist (1990), seria esclarecedor desse ponto de vista.

[10] Anthropos, 1974 e 1972.

[11] Basicamente, desde as obras de Christian Dejours ( Sofrendo na França , 1998) e Marie-France Hirigoyen (
Assédio moral , 1998).

Thierry Labica é professor-pesquisador em inglês na Universidade de Paris Ouest Nanterre La Défense.


Recentemente, ele prefacia o livro de Ernst Bloch, Thomas Munzer, Teólogo da Revolução, The Ordinary
Meadows, 2012.

 
Labica Thierry , "Apresentando Fredric Jameson" Artigos [online], revista Web
das indústrias culturais e digitais, em 2012, publicado 16 de outubro de 2012.
URL: http://industrie-culturelle.fr/industrie-culturelle / apresentação-de-fredic-
Jameson-Thierry-Labica /
VOLTAR AO TOPO

Thierry Labica
Professor-pesquisador do
Departamento de Estudos Anglófonos, Universidade Paris Ouest Nanterre La Défense

16 de outubro de 2012 Thierry Labica

Artigo , Jameson Fredric , Marcos Teóricos capitalismo tardio , ideologia , marxismo ,


pós-modernismo

Economia Política da Série Americana - David BUXTON

Cultura Digital em Risco da Teoria Crítica das Indústrias Culturais - Marc WINTER

Deixe um comentário
Você precisa estar logado para postar um comentário.

Conferências e entrevistas
Adorno vs pop culture
David Buxton - Jean-Baptiste Favory - Homenagem a Pierre Henry
Ouça e leia Adorno
Entrevista com Herbert Marcuse (ativar legendas em francês)
Marc Winter - Adorno e indústrias culturais
Max Horkheimer - Teoria Crítica e Marxismo
Theodor Adorno - Música e Protesto

Revistas e sites
Belphégor - literaturas populares e cultura da mídia
Comicalités. Estudos de cultura grá ca.
Décadrages
Links Socio
ReS Futurae / revue française d'études sur la science- ction
Ciências do Jogo
Variações - Revisão Internacional da Teoria Crítica
Volume !

Web-Journal de Indústrias Culturais e Digitais - formato eletrônico ISSN 2262-6956 - Todos os direitos reservados

industrie-culturelle.fr/industrie-culturelle/presentation-de-fredic-jameson-thierry-labica/ 6/6

Você também pode gostar